Anais do III Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais do III Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais"

Transcrição

1 OCORRÊNCIA DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ESTADO DO PARANÁ NO ANO DE 2011 Heitor Renan Ferreira, Alexandre França Tetto, Antonio Carlos Batista Departamento de Ciências Florestais Universidade Federal do Paraná, Av. Pref. Lothário Meissner, 900, , Curitiba/Paraná, RESUMO Os incêndios florestais são um dos principais agentes responsáveis pelos prejuízos causados a todos os tipos de vegetação. Para a realização de políticas adequadas de prevenção e de combate aos incêndios é essencial o uso da estatística sobre a ocorrência dos mesmos. O presente trabalho teve como objetivo analisar os atendimentos realizados pelo Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Paraná, referentes aos incêndios florestais, no ano de Com base nos resultados foi constatado que o ano de 2011 apresentou ocorrências de incêndios florestais, apresentando uma área queimada de 5.731,03 ha. O período de maior ocorrência de incêndios compreendeu os meses de julho a setembro, com ocorrências (53,29% do total) e uma área queimada de 4.028,09 ha (70,29% do total). O período do dia com maior número de detecções foi das 13:00 às 16:59 horas, com ocorrências (45,02% do total), embora entre as 12:00 e 14:59 horas tenha sido verificada a maior quantidade de área queimada 2.646,18 ha (46,17% do total). Os municípios da 3ª e da 5ª COREDECs (localizados no Norte do Estado) apresentaram o maior número de incidência de incêndios e de área queimada, totalizando ocorrências (38,53% do total) e 2.845,96 ha (49,66% do total) de área queimada, respectivamente. Conclui-se que nos meses que antecedem e que compreendem o período normal de ocorrência de incêndios, sobretudo entre 13:00 e 16:59 horas, há necessidade de se intensificar ações de prevenção e combate aos incêndios. Salienta-se também a importância de um maior acompanhamento preventivo na região Norte do Estado, por apresentar maior problema com incêndios florestais. Introdução Os incêndios florestais representam uma das principais ameaças à sobrevivência das florestas e aos outros tipos de vegetação (SOARES; SANTOS, 2002), sendo que o Estado do Paraná tem apresentado várias ocorrências de incêndios em áreas de cultivos florestais, em campos nativos e em unidades de conservação, o que é extremamente preocupante, devido aos danos econômicos e ambientais causados à flora, à fauna e ao solo (NUNES et al., 2010). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2006), o Estado do Paraná possui ha com algum tipo de cobertura vegetal. Para a preservação desse percentual, deve-se impedir o avanço e viabilizar medidas preventivas para a extinção dos incêndios florestais, sendo necessária a realização de pesquisas e políticas adequadas de prevenção e combate aos mesmos (SOARES; BATISTA, 2007). Nesse aspecto, a estatística das ocorrências de incêndios florestais é uma ferramenta muito

2 importante para o desenvolvimento de metodologias e sistemas de manejo ou controle do fogo (SOARES, 1992), levando-se em consideração parâmetros como: a data de ocorrência, a localização, a área queimada, a vegetação atingida e o horário de incidência. De acordo com Soares et al. (2009), a data da ocorrência do incêndios possibilita a estruturação dos serviços de prevenção e combate dentro de limites economicamente viáveis, podendo ativar o sistema durante os períodos mais críticos e desativá-lo parcialmente nos períodos de menor risco. Além disso, para Soares e Santos (2002), é fundamental saber onde ocorrem, para assim definir as regiões de maior risco e estabelecer programas intensivos de prevenção para essas regiões. A falta de informações referentes às estatísticas de incêndios florestais pode causar graves danos econômicos e/ou ambientais, podendo levar a dois extremos: gasto muito alto, além do necessário para uma política de prevenção, ou gasto muito pequeno, arriscando a sobrevivência das florestas (SOARES; SANTOS, 2002). O objetivo deste trabalho foi analisar o registro de ocorrências de incêndios florestais no Estado do Paraná no ano de 2011, como subsídio para a elaboração de políticas de prevenção adequadas contra incêndios florestais. Metodologia O trabalho analisou os dados referentes aos incêndios florestais atendidos pelo Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Paraná no ano de 2011, disponibilizados no Sistema de Registro e Estatística de Ocorrências (SysBM-CCB, versão 3.3) (COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS (CCB), 2012), tendo como área de estudo o Estado do Paraná, localizado na região Sul do Brasil, entre os paralelos 22º de latitude Norte e 26º de latitude Sul e os meridianos 48º e 54º a Oeste de Greenwich, compreendendo um território com área de ,850 km², representando 2,4% da área do Brasil (VOSGERAU et al., 2006). Nos registros de ocorrência de incêndios foram encontrados 42 tipos de vegetação e/ou locais de ocorrências, tendo sido considerados 17 destes como incêndios florestais. Esses foram agrupados em 4 classes: cultivo florestal, cultivo agrícola, floresta, e outro tipo de vegetação. Foi realizada a distribuição das ocorrências de incêndios florestais, bem como suas respectivas áreas queimadas, através dos meses do ano, dias da semana e horário do dia, visando obter o período de maior ocorrência de incêndios e de maior área queimada. As ocorrências também foram classificadas em classes de tamanho de acordo com suas áreas queimadas, conforme proposto por Ramsey e Higgins (1981): I) até 0,1 ha; II) de 0,1 a 4,0 ha; III) de 4,1 a 40,0 ha; IV) de 40,1 a 200,0 ha; V) acima de 200,0 ha. Este parâmetro é importante para se avaliar a eficiência do combate (SOARES; SANTOS, 2002). Além desses parâmetros, as ocorrências e as suas respectivas áreas queimadas também foram classificadas de acordo com o tipo de vegetação e distribuição espacial no Estado do Paraná, utilizando a divisão de Coordenadorias Regionais de Defesa Civil (COREDECs), totalizando 15 COREDECs no Estado, conforme apresentado na Figura 1.

3 Figura 1 Divisão do Estado do Paraná em COREDECs Fonte: Defesa Civil do Paraná (2012), adaptado pelos autores (2012) Resultados e discussão Na Figura 2 é apresentada a distribuição do número de ocorrências e das áreas queimadas, referentes aos incêndios florestais, de acordo com os meses do ano de Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Mês Nº ocorrência de incêndio Área queimada (ha) Figura 2 Distribuição mensal do número de ocorrências de incêndios florestais e áreas queimadas em 2011 no Estado do Paraná Fonte: CCB (2012), elaborado pelos autores (2012)

4 Foram atendidas ocorrências de incêndios florestais que atingiram uma área de 5.731,03 ha. O período de maior ocorrência se verificou entre os meses de julho e setembro, com ocorrências (53,29% do total) e 4.028,09 ha (70,29% do total) de área queimada, coincidindo com estudos realizados por Vosgerau et al. (2006), Tetto et al. (2012) e Soares e Santos (2002), que classificaram o 2º semestre como o período de maior incidência de incêndios florestais no Paraná, mais especificamente entre os meses de julho e setembro, devido o final do inverno e início da primavera, época da limpeza e preparo dos solos para o plantio agrícola (VOSGERAU et al., 2006). Verificou-se que o horário com maior incidência de incêndios compreendeu o período entre 13:00 e 16:59 horas, apresentando ocorrências (45,02% do total), embora no período das 12:00 às 14:59 horas tenha se verificado a maior área queimada, com 2.646,18 ha (46,17% do total). Estes resultados concordam com Tetto (2012) que constatou que entre 12:00 e 17:00 horas houve 61,3% do total das ocorrências, na Fazenda Monte Alegre PR, fato relacionado diretamente às variações diárias da temperatura e da umidade relativa, que influem na umidade do material combustível (RODRÍGUEZ; SOARES, 2004). Com a finalidade de se verificar a existência de relação entre as ocorrências e as atividades realizadas nos dias úteis e nos finais de semana, foi realizado uma análise do número de ocorrências e da quantidade de área queimada durante os dias da semana, não tendo sido constada diferença significativa, muito embora os finais de semana tenham sido os responsáveis pelo maior número de ocorrências, totalizando ocorrências (32,62% do total), sendo o domingo responsável pela maior área queimada, com 1.417,53 ha (24,73% do total), coincidindo com estudos realizados por Vosgerau et al. (2006). Dos registros de ocorrências analisados, apenas especificaram a extensão da área queimada (70,47% do total), e dessas, as classes de tamanho I e II foram responsáveis por (54,62%) e (39,26%) das ocorrências respectivamente, demonstrando que o combate aos incêndios florestais no Paraná foi eficiente. Com relação aos tipos de vegetação, a classe que mais se destacou foi outro tipo de vegetação, com (61,60% do total), seguido por florestas, com (19,79% do total), embora a classe que apresentou maior área queimada tenha sido cultivo agrícola, com 2.544,41 ha (44,40% do total). Os municípios pertencentes à 3ª e 5ª COREDECs, situados na região Norte do Estado apresentaram maior número da incidência de incêndios, totalizando ocorrências (38,53% do total) e uma maior área queimada de 2.845,96 ha, coincidindo com estudos realizado por Tetto et al. (2012), que constataram que a região Norte do Estado foi responsável pela maior incidência de incêndios florestais no Paraná. Conclusão Com base nos dados analisados conclui-se que: A maior incidência de incêndios florestais no Estado do Paraná, durante o ano de 2011, se verificou entre os meses de julho e setembro. O tipo de vegetação mais afetado por incêndios no período analisado foi cultivo agrícola. As regiões mais afetadas por incêndios foram as que estão situadas na 3ª e 5ª Coordenação Regional e Defesa Civil, localizadas no norte do Paraná.

5 Referências Anais do III Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS (CCB). SysBM-CCB, versão 3.3. Cascavel. Disponível em: < Acesso em: 14/06/2012. DEFESA CIVIL DO PARANÁ. Curitiba. Disponível em: < Acesso em: 15/06/2012. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Agropecuário Rio de Janeiro. Disponível em: < Acesso em: 25/06/2012. NUNES, J. R. S.; FIER, I. S. N.; SOARES, R. V.; BATISTA, A. C. Desempenho da Fórmula de Monte Alegre (FMA) e da Fórmula de Monte Alegre Alterada (FMA+) no Distrito Florestal de Monte Alegre. Floresta, v. 40, n. 2, p , RAMSEY, G. S.; HIGGINS, D. G. Canadian forest fire statistics. Ontario: Canadian Forestry Service, p. Information Report PI-X-9. RODRÍGUEZ, M. P. R.; SOARES, R. V. Análisis comparativo entre los incêndios forestales en Monte Alegre, Brasil y Pinar del Rio, Cuba. Floresta, v. 34, n. 2, p , SOARES, R. V. Ocorrência de incêndios em povoamentos florestais. Floresta, v. 22, n. 1-2, p , SOARES, R. V.; BATISTA, A. C. Incêndios florestais: controle e uso do fogo. Curitiba, p. SOARES, R. V. Estatísticas dos incêndios florestais no Brasil. In: SOARES, R. V.; BATISTA, A. C.; NUNES, J. R. S. Incêndios florestais no Brasil: o estado da arte. Curitiba, p SOARES, R. V.; SANTOS, J. F. Perfil dos incêndios florestais no Brasil de 1994 a Floresta, v. 32, n. 2, p , TETTO, A. F. Comportamento histórico dos incêndios florestais na fazenda Monte Alegre no período de 1965 a f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, TETTO, A. F.; BATISTA, A. C; SOARES, R. V. Ocorrência de incêndios florestais no Estado do Paraná, no período de 2005 a Floresta, v. 42, n. 2, p , VOSGERAU, J. L.; BATISTA, A. C.; SOARES, R. V; GRODZKI, L. Avaliação dos registros de incêndios florestais no Estado do Paraná no período de 1991 a Floresta, v. 36, n. 1, p , 2006.

Análise Climática Dos Focos De Incêndios Na Estação Ecológica De Uruçuí-Una No Estado Do Piauí

Análise Climática Dos Focos De Incêndios Na Estação Ecológica De Uruçuí-Una No Estado Do Piauí Análise Climática Dos Focos De Incêndios Na Estação Ecológica De Uruçuí-Una No Estado Do Piauí Caio Varonill de Almada Oliveira (1) ; Edivania de Araujo Lima (2) (1) Graduando em Engenharia Florestal,

Leia mais

DESEMPENHO DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE (FMA) E DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE ALTERADA (FMA + ) NO DISTRITO FLORESTAL DE MONTE ALEGRE

DESEMPENHO DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE (FMA) E DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE ALTERADA (FMA + ) NO DISTRITO FLORESTAL DE MONTE ALEGRE DESEMPENHO DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE (FMA) E DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE ALTERADA (FMA + ) NO DISTRITO FLORESTAL DE MONTE ALEGRE José Renato Soares Nunes 1, Ivone Satsuki Namikawa Fier 2, Ronaldo Viana

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O PERFIL DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS DE MONTE ALEGRE, BRASIL, E DE PINAR DEL RÍO, CUBA

COMPARAÇÃO ENTRE O PERFIL DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS DE MONTE ALEGRE, BRASIL, E DE PINAR DEL RÍO, CUBA COMPARAÇÃO ENTRE O PERFIL DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS DE MONTE ALEGRE, BRASIL, E DE PINAR DEL RÍO, CUBA Marcos Pedro Ramos Rodríguez 1, Ronaldo Viana Soares 2, Antonio Carlos Batista 2, Alexandre França Tetto

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NA ILHA DO BANANAL NO PERÍODO DE 2008 A 2012 UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE TM/LANDSAT-5.

IDENTIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NA ILHA DO BANANAL NO PERÍODO DE 2008 A 2012 UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE TM/LANDSAT-5. IDENTIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NA ILHA DO BANANAL NO PERÍODO DE 2008 A 2012 UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE TM/LANDSAT-5. Ingridy Mikaelly Pereira Sousa 1 ; Marcos Giongo 2 1 Aluna do Curso

Leia mais

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.131-592-1 Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS Juliana Tramontina 1, Elisiane

Leia mais

Ocorrência de incêndios florestais na região de Bom Jesus, Sul do Estado do Piauí.

Ocorrência de incêndios florestais na região de Bom Jesus, Sul do Estado do Piauí. SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 212 www.scientiaplena.org.br Ocorrência de incêndios florestais na região de Bom Jesus, Sul do Estado do Piauí. J. R. L. de Sousa 1 ; R. T. Botrel 1, A. R. Alves 1 1 Departamento

Leia mais

AJUSTE DO ÍNDICE DE PERIGO DE INCÊNDIOS FMA PARA O ESTADO DO PARANÁ Franciane Feltz Pajewski 1, Bruna Kovalsyki 2, Alexandre França Tetto 3

AJUSTE DO ÍNDICE DE PERIGO DE INCÊNDIOS FMA PARA O ESTADO DO PARANÁ Franciane Feltz Pajewski 1, Bruna Kovalsyki 2, Alexandre França Tetto 3 AJUSTE DO ÍNDICE DE PERIGO DE INCÊNDIOS FMA PARA O ESTADO DO PARANÁ Franciane Feltz Pajewski 1, Bruna Kovalsyki 2, Alexandre França Tetto 3 1 Graduanda em Engenharia Florestal, Universidade Federal do

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE PARA O MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PR

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE PARA O MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PR AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE PARA O MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PR Bruna Kovalsyki 1, Alexandre França Tetto 2, Antonio Carlos Batista 2, Nilton José Sousa 2, Igor Kiyoshi Takashina

Leia mais

APLICAÇÃO DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE E DO MÉTODO DE NESTEROV PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE INCÊNDIO PARA MINAS GERAIS

APLICAÇÃO DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE E DO MÉTODO DE NESTEROV PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE INCÊNDIO PARA MINAS GERAIS APLICAÇÃO DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE E DO MÉTODO DE NESTEROV PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE INCÊNDIO PARA MINAS GERAIS ANETE DOS SANTOS FERNANDES, LIZANDRO GEMIACKI Meteorologistas, Instituto Nacional de Meteorologia,

Leia mais

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a Floresta Nacional de Irati, Estado do Paraná, Brasil

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a Floresta Nacional de Irati, Estado do Paraná, Brasil Sci e n t i a For e s t a l i s Zoneamento de risco de incêndios florestais para a Floresta Nacional de Irati, Estado do Paraná, Brasil Forest fire risk zone mapping for Irati National Forest, State of

Leia mais

FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO

FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO Vicente de Paulo Rodrigues da Silva 1 ; Raimundo Mainar de Medeiros 2 ; Manoel Francisco Gomes Filho 1 1 Prof. Dr. Unidade Acadêmica

Leia mais

AJUSTE E DESEMPENHO DOS ÍNDICES DE PERIGO DE INCÊNDIOS NESTEROV, FMA E FMA + NA EMPRESA FLORESTAL MACURIJE, CUBA

AJUSTE E DESEMPENHO DOS ÍNDICES DE PERIGO DE INCÊNDIOS NESTEROV, FMA E FMA + NA EMPRESA FLORESTAL MACURIJE, CUBA AJUSTE E DESEMPENHO DOS ÍNDICES DE PERIGO DE INCÊNDIOS NESTEROV, FMA E FMA + NA EMPRESA FLORESTAL MACURIJE, CUBA Marcos Pedro Ramos Rodríguez 1, Ronaldo Viana Soares 2, Antonio Carlos Batista 2, Alexandre

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS REGISTROS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS DO ESTADO DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1991 A 2001

AVALIAÇÃO DOS REGISTROS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS DO ESTADO DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1991 A 2001 AVALIAÇÃO DOS REGISTROS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS DO ESTADO DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1991 A 2001 Jackson Luiz Vosgerau *, Antonio Carlos Batista**, Ronaldo Viana Soares***, Leocádio Grodzki**** *Eng. Florestal,

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA EM TRÊS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ, COMO SUBSÍDIO PARA PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS

COMPORTAMENTO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA EM TRÊS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ, COMO SUBSÍDIO PARA PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS COMPORTAMENTO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA EM TRÊS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ, COMO SUBSÍDIO PARA PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS Igor Kiyoshi Takashina¹; Bruna Kovalsyki¹; Tatiane Lima Ho²; Alexandre

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, novembro 2014 DETECÇÃO DOS FOCOS DE QUEIMADAS NO ESTADO DE SERGIPE ATRAVÉS DO SENSORIAMENTO REMOTO Janisson Batista de Jesus 1, Dráuzio Correia Gama 2 1 Engenheiro florestal, mestrando em Agricultura e Biodiversidade

Leia mais

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP)

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP) Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP) Aline Kuramoto Gonçalves Faculdade de Ciências Agronômicas/UNESP Campus Botucatu

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG)

ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG) ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE 2009 Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG) Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar a variabilidade mensal da

Leia mais

FOREST FIRES SUPRESSED BY KLABIN OF PARANA IN THE PERIOD

FOREST FIRES SUPRESSED BY KLABIN OF PARANA IN THE PERIOD ISSN 0104-7760 Alexandre França Tetto 1 ; Ronaldo Viana Soares 1 ; Antonio Carlos Batista 1 ; William Thomaz Wendling 1 INCÊNDIOS FLORESTAIS ATENDIDOS PELA KLABIN DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1965 A 2009 Palavras

Leia mais

ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP.

ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP. ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP. Rita Monteiro Falcão - Aluna do curso de Geografia da FFLCH/USP. E-mail: rita.falcao@usp.br Emerson Galvani

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS 4º GRUPAMENTO DE BOMBEIROS

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS 4º GRUPAMENTO DE BOMBEIROS ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS 4º GRUPAMENTO DE BOMBEIROS HISTÓRICO DO CORPO DE BOMBEIROS MARECHAL CÂNDIDO RONDON 1 OBJETIVO O presente trabalho objetiva registrar

Leia mais

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil 102 Resumos Expandidos: XI Mostra de Estagiários e Bolsistas... Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil Cezar Freitas Barros 1 João dos Santos Vila da Silva 2 Resumo: Busca-se

Leia mais

ZONEAMENTO DE RISCO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS PARA O ESTADO DO PARANÁ

ZONEAMENTO DE RISCO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS PARA O ESTADO DO PARANÁ ZONEAMENTO DE RISCO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS PARA O ESTADO DO PARANÁ RESUMO Danielle dos Santos de Oliveira 1 Antonio Carlos Batista 2 Ronaldo Viana Soares 3 Leocádio Grodzki 4 Jackson Vosgerau 5 O objetivo

Leia mais

Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF.

Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. 1 Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. Lousada, Bruno Maia Soriano (1) ; Lacerda, Marilusa Pinto Coelho (2) ; Boschini Ana Paula Masson (1) & Araújo,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Hospital Universitário de Santa Maria Serviço de Saúde e Segurança do Trabalhador-SSST

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Hospital Universitário de Santa Maria Serviço de Saúde e Segurança do Trabalhador-SSST Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Hospital Universitário de Santa Maria Serviço de Saúde e Segurança do Trabalhador-SSST TREINAMENTO DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL E SAÚDE E SEGURANÇA

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo CITRÓLEO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ÓLEOS ESSECIAIS LTDA FAZENDA CITRÓLEO BAIRRO TRES PINHEIROS CEP 37.443-000 BAEPENDI / MG CNPJ 51.527.190/0002-11

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PERFIL DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS EM ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL, DE 1983 A 2002.

EVOLUÇÃO DO PERFIL DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS EM ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL, DE 1983 A 2002. EVOLUÇÃO DO PERFIL DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS EM ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL, DE 1983 A 2002. Ronaldo Viana Soares 1 Antonio Carlos Batista 2 Juliana Ferreira Santos 3 RESUMO O conhecimento do perfil dos

Leia mais

OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO PARQUE NACIONAL DE ILHA GRANDE - BRASIL

OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO PARQUE NACIONAL DE ILHA GRANDE - BRASIL OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO PARQUE NACIONAL DE ILHA GRANDE - BRASIL RESUMO Letícia de Paulo Koproski 1 Antonio Carlos Batista Ronaldo Viana Soares 3 O fogo é um agente com vasta capacidade de

Leia mais

CLIMATOLOGIA DO COMPORTAMENTO DA PRECIPITAÇÃO NO DISTRITO FLORESTAL DE MONTE ALEGRE, PR, BRASIL

CLIMATOLOGIA DO COMPORTAMENTO DA PRECIPITAÇÃO NO DISTRITO FLORESTAL DE MONTE ALEGRE, PR, BRASIL CLIMATOLOGIA DO COMPORTAMENTO DA PRECIPITAÇÃO NO DISTRITO FLORESTAL DE MONTE ALEGRE, PR, BRASIL José Renato Soares Nunes 1, Antonio Carlos Batista 1, Ronaldo Viana Soares 1, Ivone Satsuki Namikawa Fier

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA APOIAR A EQUIPE DO PROJETO SIMULAÇÃO DO POTENCIAL DOS IMPACTOS DE UMA GAMA DE CENÁRIOS SOCIOECONÔMICOS

Leia mais

OS INCÊNDIOS DE 2010 NOS PARQUES NACIONAIS DO CERRADO

OS INCÊNDIOS DE 2010 NOS PARQUES NACIONAIS DO CERRADO 1 OS INCÊNDIOS DE 2010 NOS PARQUES NACIONAIS DO CERRADO Dra. Helena França Centro de Engenharia e Ciências Sociais Aplicadas Universidade Federal do ABC email: helena.franca@ufabc.edu.br Este relatório

Leia mais

ESTUDO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE DO VENTO EM TERESINA - PIAUÍ

ESTUDO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE DO VENTO EM TERESINA - PIAUÍ ESTUDO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE DO VENTO EM TERESINA - PIAUÍ Alana COÊLHO MACIEL (1); Raimundo MAINAR DE MEDEIROS (2) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí IFPI, Praça da Liberdade,

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA ITUPORANGA SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA ITUPORANGA SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA ITUPORANGA SC Katiani ELI 1, Leonardo NEVES 2, Roberto HAVEROTH 3, Joabe W. PITZ 1, Isaac W. PITZ 3, Júlio

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR DE PROTEÇÃO AMBIENTAL PRESERVANDO NOSSA FLORA

ESTADO DE MATO GROSSO BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR DE PROTEÇÃO AMBIENTAL PRESERVANDO NOSSA FLORA ESTADO DE MATO GROSSO BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR DE PROTEÇÃO AMBIENTAL PRESERVANDO NOSSA FLORA MISSÃO Desenvolver especialmente atividades de policiamento e fiscalização ambiental, objetivando a proteção

Leia mais

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Debora Cristina LOPES Universidade Federal do Paraná A questão da cobertura vegetal em áreas urbanas possui cada

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG

ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG 151 Introdução ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG Viviane Valéria Silva¹, Laura Rafaele S. Silva 1, Júlio Cezar Costa¹, Bruna Cardoso de Faria¹,

Leia mais

PESQUISA DE CESTA BÁSICA NA CIDADE DE FRANCA/SP DEZEMBRO 2014

PESQUISA DE CESTA BÁSICA NA CIDADE DE FRANCA/SP DEZEMBRO 2014 PESQUISA DE CESTA BÁSICA NA CIDADE DE FRANCA/SP DEZEMBRO 2014 Cesta Básica na cidade de Franca/SP apresenta nova elevação em seu valor em Dezembro/2014. O Uni-FACEF Centro Universitário de Franca realiza,

Leia mais

NÚMERO DE FOCOS DE QUEIMADAS NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL NO ANO DE 1999 EM FUNCÃO DO ÍNDICE DE ANOMALIA DE CHUVA

NÚMERO DE FOCOS DE QUEIMADAS NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL NO ANO DE 1999 EM FUNCÃO DO ÍNDICE DE ANOMALIA DE CHUVA NÚMERO DE FOCOS DE QUEIMADAS NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL NO ANO DE 1999 EM FUNCÃO DO ÍNDICE DE ANOMALIA DE CHUVA Amaury de Souza, Braulio Fonseca Carneiro de Albuquerque, Thereza Christina Santos Pereira

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM NOVA FRIBURGO - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM NOVA FRIBURGO - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM NOVA FRIBURGO - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL ESTUDO CRONOLÓGICO DOS FOCOS DE CALOR NO ESTADO DO TOCANTINS

ESTADO DO TOCANTINS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL ESTUDO CRONOLÓGICO DOS FOCOS DE CALOR NO ESTADO DO TOCANTINS ESTADO DO TOCANTINS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL ESTUDO CRONOLÓGICO DOS FOCOS DE CALOR NO ESTADO DO TOCANTINS PALMAS 2012 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Mapa do Tocantins

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DO MATERIAL COMBUSTÍVEL E DOS NUTRIENTES EM UM POVOAMENTO DE Pinus Taeda.

QUANTIFICAÇÃO DO MATERIAL COMBUSTÍVEL E DOS NUTRIENTES EM UM POVOAMENTO DE Pinus Taeda. QUANTIFICAÇÃO DO MATERIAL COMBUSTÍVEL E DOS NUTRIENTES EM UM POVOAMENTO DE Pinus Taeda. QUANTIFICATION OF THE COMBUSTIBLE MATERIAL AND THE NUTRIENTS IN A Pinus Taeda STAND. Cedinara Arruda Santana 1 Mauro

Leia mais

04/08/2013. Localização do nosso território: orientação, pontos extremos e fusos horários

04/08/2013. Localização do nosso território: orientação, pontos extremos e fusos horários Localização do nosso território: orientação, pontos extremos e fusos horários Área em milhões de km²: 8.514.215 km² 6% das terras emersas do planeta; 20,8% do continente americano; 41,5% da superfície

Leia mais

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho 1 Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho A preservação da mata ciliar é importante para a manutenção do equilíbrio natural

Leia mais

PERFIL DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS NO BRASIL DE 1994 A 1997

PERFIL DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS NO BRASIL DE 1994 A 1997 PERFIL DOS FLORESTAIS NO BRASIL DE 1994 A 1997 RESUMO Ronaldo Viana Soares 1 Juliana Ferreira Santos 2 O conhecimento do perfil dos incêndios florestais é muito importante para o planejamento do controle

Leia mais

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP).

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP). 89 Interpretação e classificação de imagens de satélite na extração de informações sobre o uso da terra e cobertura vegetal na bacia hidrográfica do rio Teles Pires/MT-PA Jéssica da Silva Rodrigues Cecim

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir diretrizes para implantação do Sistema de Manutenção, Recuperação e Proteção da Reserva Florestal Legal e Áreas de Preservação Permanente SISLEG nos imóveis,

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DO DESFLORESTAMENTO E DA TRANSMISSÃO DA MALÁRIA

ANÁLISE ESPACIAL DO DESFLORESTAMENTO E DA TRANSMISSÃO DA MALÁRIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Jaidson Nandi Becker ANÁLISE ESPACIAL DO DESFLORESTAMENTO E DA TRANSMISSÃO DA MALÁRIA Atualmente a malária é considerada um dos

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO As florestas e demais formas de vegetação são reconhecidas no Brasil como bens de interesse comum a todos os habitantes do país, sendo que algumas destas áreas, legalmente determinadas

Leia mais

Angélica Otoni Pereira de JESUS 2, 4 ; Caio Pereira dos SANTOS 3

Angélica Otoni Pereira de JESUS 2, 4 ; Caio Pereira dos SANTOS 3 SAZONALIDADE DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS PLANTADAS DE EUCALIPTO NO EXTREMO SUL BAIANO (NOTA CIENTÍFICA) 1 SEASONAL FIRE IN PLANTED EUCALYPTUS FORESTS IN THE EXTREME SOUTH OF BAHIA (SCIENTIFIC NOTE) Angélica

Leia mais

Educação ambiental com foco na conservação dos solos em uma escola de ensino fundamental no Oeste do Pará

Educação ambiental com foco na conservação dos solos em uma escola de ensino fundamental no Oeste do Pará IV SIMPÓSIO MINEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO Solos no espaço e tempo: Trajetórias e Tendências Universidade Federal de Viçosa UFV 3 a 6 de maio de 2017, Viçosa - MG Educação ambiental com foco na conservação

Leia mais

à frente do nosso tempo Análise dos Incêndios Florestais em Portugal e Avaliação do Índice de Risco de Incêndios Florestais ICRIF

à frente do nosso tempo Análise dos Incêndios Florestais em Portugal e Avaliação do Índice de Risco de Incêndios Florestais ICRIF Análise dos Incêndios Florestais em Portugal e Avaliação do Índice de Risco de Incêndios Florestais ICRIF Lourdes Bugalho, Luís Pessanha, Lourdes.Bugalho@meteo.pt Luis.Pessanha@meteo.pt 1 Instituto de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

V M V & M FLORESTAL PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIOS NA V & M FLORESTAL LTDA

V M V & M FLORESTAL PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIOS NA V & M FLORESTAL LTDA V M V & M FLORESTAL APRESENTAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIOS NA V & M FLORESTAL LTDA Há séculos o fogo acompanha o homem e através dele registra-se a história da humanidade. É um marco no processo

Leia mais

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA CÓRREGO DO PORTO-TRÊS LAGOAS MS SILVA, Laís C.N. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS lais_cns@yahoo.com.br DELGADO, Valeria P. Universidade Federal de

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA Alceu Richetti 1 1.INTRODUÇÃO No cenário nacional, o Estado de Mato Grosso do Sul é o terceiro maior produtor de milho safrinha e o quinto

Leia mais

APTIDÃO PARA A SILVICULTURA DE EUCALIPTO NAS DIFERENTES REGIÕES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Documento Síntese

APTIDÃO PARA A SILVICULTURA DE EUCALIPTO NAS DIFERENTES REGIÕES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Documento Síntese APTIDÃO PARA A SILVICULTURA DE EUCALIPTO NAS DIFERENTES REGIÕES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Documento Síntese Coordenação Apoio Institucional Vitória ES 2015 1 APTIDÃO PARA A SILVICULTURA DE EUCALIPTO

Leia mais

Carlos Souza Jr., Adalberto Veríssimo & Anderson Costa (Imazon) RESUMO

Carlos Souza Jr., Adalberto Veríssimo & Anderson Costa (Imazon) RESUMO Carlos Souza Jr., Adalberto Veríssimo & Anderson Costa (Imazon) RESUMO Em junho de 2008, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) registrou 612 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal.

Leia mais

Análise Da Distribuição Espacial Do Programa Bolsa Verde Em Minas Gerais Com Técnicas De Geoprocessamento

Análise Da Distribuição Espacial Do Programa Bolsa Verde Em Minas Gerais Com Técnicas De Geoprocessamento Análise Da Distribuição Espacial Do Programa Bolsa Verde Em Minas Gerais Com Técnicas De Geoprocessamento Jéssica Costa de Oliveira (1) ; Priscila Silva Matos (1) ; Hugo Henrique Cardoso Salis (1) (1)

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 ESTUDO DA VARIAÇÃO SAZONAL DE ELEMENTOS METEOROLÓGICOS EM DIFERENTES ECOSSISTEMAS JUNTO AO LITORAL ATLÂNTICO DA AMAZÔNIA Kellen Carla Lima & Midori Makino Universidade Federal do Pará Rua Augusto Corrêa,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO ANÁLISE DOS IMPACTOS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS NO

Leia mais

Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez Anos em Canoas, RS.

Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez Anos em Canoas, RS. Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez em Canoas, RS. Pereira Neto, J.E., Hackbart, Eugênio J., Welzel, A., Xavier, Júlio A., Morcio, Daniel R.S. ULBRA - Universidade Luterana

Leia mais

EFEITOS DE FRENTES FRIAS NO COMPORTAMENTO CLIMÁTICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)

EFEITOS DE FRENTES FRIAS NO COMPORTAMENTO CLIMÁTICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES) EFEITOS DE FRENTES FRIAS NO COMPORTAMENTO CLIMÁTICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES) ANDERSON DA SILVA. SIMÕES 1, WESLEY SOUZA CAMPOS CORREA 2, EBERVAL MARCHIORO 3. 1 Graduando de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO CARACTERIZAÇÃO DO ESTADO O estado de Mato Grosso está localizado na região Centro-Oeste do Brasil, fazendo fronteira com os estados do Pará e Amazonas ao norte, Mato

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS INDICES PLUVIOMÉTRICOS DE POMBAL - PB E SUAS CONSEQUÊNCIAS

AVALIAÇÃO DOS INDICES PLUVIOMÉTRICOS DE POMBAL - PB E SUAS CONSEQUÊNCIAS AVALIAÇÃO DOS INDICES PLUVIOMÉTRICOS DE POMBAL - PB E SUAS CONSEQUÊNCIAS Maria de Fátima Araújo Alves¹; Zacarias Caetano Vieira 2 ; Lígia Rejane Araújo Alves 3 ; Erica Bento Sarmento 4 ; Gabriela Braga

Leia mais

Operação Somos Todos Olímpicos

Operação Somos Todos Olímpicos SCI 202: PLANO DE AÇÃO DO INCIDENTE PAI 18/2016 Operação Somos Todos Olímpicos Para a prevenção e combate aos incêndios florestais no Município do Rio de Janeiro em especial próximo às arenas olímpicas

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E O NÚMERO DE CASOS DE J00 NASOFARINGITE DE VÍRUS NÃO IDENTIFICADO, OCORRIDOS EM MACEIÓ - AL NO ANO DE 2002.

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E O NÚMERO DE CASOS DE J00 NASOFARINGITE DE VÍRUS NÃO IDENTIFICADO, OCORRIDOS EM MACEIÓ - AL NO ANO DE 2002. RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E O NÚMERO DE CASOS DE J00 NASOFARINGITE DE VÍRUS NÃO IDENTIFICADO, OCORRIDOS EM MACEIÓ - AL NO ANO DE 2002. Edmara Ramos Melo¹, Nareida Simone Delgado da Cruz¹,

Leia mais

Influência da poluição e temperatura nas doenças do trato respiratório. Elisabete Caria Moraes Bruno Silva Oliveira Suely Franco Siqueira Lima

Influência da poluição e temperatura nas doenças do trato respiratório. Elisabete Caria Moraes Bruno Silva Oliveira Suely Franco Siqueira Lima Influência da poluição e temperatura nas doenças do trato respiratório Elisabete Caria Moraes Bruno Silva Oliveira Suely Franco Siqueira Lima São Paulo, SP Rio de Janeiro, PR Curitiba, PR Introdução O

Leia mais

Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro

Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro Flávia M. Nascimento 1, José G. L. Rodrigues 2, Carlos A. Gamero 3, Jairo C. Fernandes 4, Sílvio J. Bicudo 5 1,2,4

Leia mais

ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ

ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ Medeiros, R.M. (1) ; Santos, D.C. (1) ; Correia, D. S, (1) ; Oliveira, V.G (1) ; Rafael, A. R. (1) mainarmedeiros@gmail.com (1) Universidade

Leia mais

ARTHUR ARTEAGA DURANS VILACORTA A INFLUÊNCIA DO NÍVEL DE PERCEPÇÃO DE RISCO DA POPULAÇÃO NAS ESTATÍSTICAS DE INCÊNDIOS URBANOS NA CIDADE DE BELÉM

ARTHUR ARTEAGA DURANS VILACORTA A INFLUÊNCIA DO NÍVEL DE PERCEPÇÃO DE RISCO DA POPULAÇÃO NAS ESTATÍSTICAS DE INCÊNDIOS URBANOS NA CIDADE DE BELÉM ARTHUR ARTEAGA DURANS VILACORTA A INFLUÊNCIA DO NÍVEL DE PERCEPÇÃO DE RISCO DA POPULAÇÃO NAS ESTATÍSTICAS DE INCÊNDIOS URBANOS NA CIDADE DE BELÉM Plano de trabalho apresentado ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

RESERVATÓRIO DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

RESERVATÓRIO DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA RESERVATÓRIO DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

COTAÇÃO DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017

COTAÇÃO DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017 DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017 29/12/16 10,75 1,60% 2.776 4.633.800 0,75% ABERTURA 10,48-2,51% 0,75% 02/01/17 10,54 0,57% 2.255 1.131.700-1,06% 03/01/17 10,60 0,56% 4.985 2.903.200 3,73%

Leia mais

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006.

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006. APTIDÃO AGRÍCOLA COMO SUBSÍDIO AO USO AGROECOLÓGICO DAS TERRAS Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006. RESUMO: O principal objetivo deste

Leia mais

MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA POR SATÉLITES

MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA POR SATÉLITES MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA POR SATÉLITES Detecção de Desmatamento em Tempo Real - DETER MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES AVALIAÇÃO TRIMESTRAL

Leia mais

ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007

ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007 ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007 Francislene Angelotti 1, Tamara Trindade de Carvalho Santos 1, Junior

Leia mais

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável 1992, Junho Na Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 METODOLOGIA PARA PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS EM PROPRIEDADES AGRÍCOLAS PRODUTORAS DE MILHO Felipe Hashimoto e Fengler

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho de Recuperação1º Semestre - 2º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Alessandra Disciplina: Geografia Turma: 1ª Série Ensino Médio Nome: Nº: ORIENTAÇÕES PARA DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários:

PLANO DE EMERGÊNCIA. Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários: TÍTULO: PLANO DE EMERGÊNCIA N.º PRO- -DECG Pág.: 1 de 5 Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários: PLANO DE EMERGÊNCIA TÍTULO: PLANO DE EMERGÊNCIA N.º PRO- -DECG Pág.:

Leia mais

1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas

1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas 1º Período Conteúdos Habilidades Atividades desenvolvidas UNIDADE 1 O Planeta Terra Tema 1: O planeta onde vivemos; Tema 2: Conhecendo a Terra; Tema 3: Continentes e oceanos; Tema 4: Trabalhando com mapas..

Leia mais

MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES AVALIAÇÃO DETER JUNHO DE 2009 INPE COORDENAÇÃO GERAL DE OBSERVAÇÃO DA TERRA

MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES AVALIAÇÃO DETER JUNHO DE 2009 INPE COORDENAÇÃO GERAL DE OBSERVAÇÃO DA TERRA MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES AVALIAÇÃO DETER JUNHO DE 2009 INPE COORDENAÇÃO GERAL DE OBSERVAÇÃO DA TERRA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 03 DE AGOSTO DE 2009 1. INTRODUÇÃO O DETER

Leia mais

Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3

Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3 OPÇÃO DE VENDA TRIMESTRAL DO CAFÉ BENEFICIADO, EM UM MODELO DE SIMULAÇÃO APLICADO AO PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO CAFEEIRO 1 Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Fevereiro de 2015 ETANOL HIDRATADO

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Fevereiro de 2015 ETANOL HIDRATADO CDC - Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Fevereiro de 2015 ETANOL HIDRATADO 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços

Leia mais

ESTIMATIVA DA UMIDADE RELATIVA DAS 13:00 h, COM BASE NOS DADOS DAS 9:00 h E DAS 15:00 h, PARA O ESTADO DO PARANÁ

ESTIMATIVA DA UMIDADE RELATIVA DAS 13:00 h, COM BASE NOS DADOS DAS 9:00 h E DAS 15:00 h, PARA O ESTADO DO PARANÁ ESTIMATIVA DA UMIDADE RELATIVA DAS 13:00 h, COM BASE NOS DADOS DAS 9:00 h E DAS 15:00 h, PARA O ESTADO DO PARANÁ José Renato Soares Nunes*, Ronaldo Viana Soares**, Antônio Carlos Batista** * Eng. Florestal,

Leia mais

Utilização do sabugo de milho como fonte energética no processo de secagem

Utilização do sabugo de milho como fonte energética no processo de secagem Utilização do sabugo de milho como fonte energética no processo de secagem Joselei Bortoletto 1, Adriano Divino Lima Afonso 2, Gustavo Veloso 3, Helton Aparecido Rosa 3 24 1 Especialista em Qualidade de

Leia mais

Distribuição Da Precipitação Média Na Bacia Do Riacho Corrente E Aptidões Para Cultura Do Eucalipto

Distribuição Da Precipitação Média Na Bacia Do Riacho Corrente E Aptidões Para Cultura Do Eucalipto Distribuição Da Precipitação Média Na Bacia Do Riacho Corrente E Aptidões Para Cultura Do Eucalipto Jailson Silva Machado ( ¹ ) ; João Batista Lopes da Silva (2) ; Francisca Gislene Albano (3) ; Ilvan

Leia mais

LEVANTAMENTO DE ÁREAS AGRÍCOLAS DEGRADADAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEVANTAMENTO DE ÁREAS AGRÍCOLAS DEGRADADAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEVANTAMENTO DE ÁREAS AGRÍCOLAS DEGRADADAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Documento Resumo Vitória ES Setembro de 2012 1 COORDENAÇÃO AUTORES Phablo Barreto Eng. Agr. MS Solos Linha de Pesquisa: Áreas Degradadas

Leia mais

Figura 1 - Distribuição espacial dos quatro módulos fiscais por município.

Figura 1 - Distribuição espacial dos quatro módulos fiscais por município. Anexo metodológico A base de dados utilizada para o cálculo da área de reserva legal foi o Sistema Nacional de Cadastro Rural - SNCR. Essa base, gerenciada pelo INCRA, é a mais adequada para calcular a

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PARA O CULTIVO DO MILHO, NA CIDADE DE PASSO FUNDO-RS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PARA O CULTIVO DO MILHO, NA CIDADE DE PASSO FUNDO-RS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PARA O CULTIVO DO MILHO, NA CIDADE DE PASSO FUNDO-RS. Claudia Guimarães CAMARGO Bolsista do grupo PET do curso de Meteorologia/ FacMet/UFPel e-mail: camargo@ufpel.tche.br

Leia mais

5. (Ueg 2012) Observe a figura a seguir, que representa alguns dos fusos horários.

5. (Ueg 2012) Observe a figura a seguir, que representa alguns dos fusos horários. UECEVEST TD DE GEOGRAFIA (26.08.17) Prof. Robson Almeida 1ª Aula (15h às 15h50) 1. (Upf 2017) Por causa do movimento de rotação da Terra, diferentes pontos longitudinais da superfície terrestre têm horários

Leia mais

TÍTULO: ACIDENTES ENVOLVENDO CRIANÇAS E O CONTEXTO DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

TÍTULO: ACIDENTES ENVOLVENDO CRIANÇAS E O CONTEXTO DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 16 TÍTULO: ACIDENTES ENVOLVENDO CRIANÇAS E O CONTEXTO DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS

Leia mais

ANÁLISE DA VARIAÇÃO DA RESPOSTA ESPECTRAL DA VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA, FRENTE ÀS VARIAÇÕES DA FENOLOGIA

ANÁLISE DA VARIAÇÃO DA RESPOSTA ESPECTRAL DA VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA, FRENTE ÀS VARIAÇÕES DA FENOLOGIA ANÁLISE DA VARIAÇÃO DA RESPOSTA ESPECTRAL DA VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA, FRENTE ÀS VARIAÇÕES DA FENOLOGIA ALAN B. A. BISSO¹, CAMILA B. CARPENEDO², ELIANA L. DA FONSECA³, FRANCISCO E. AQUINO 4 1 Geógrafo,

Leia mais

Gestão da Prevenção e Combate a Incêndios nas áreas da empresa Vallourec

Gestão da Prevenção e Combate a Incêndios nas áreas da empresa Vallourec Gestão da Prevenção e Combate a Incêndios nas áreas da empresa Vallourec IX ENCONTRO SOBRE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS Photo 1 Photo 2 Photo 3 A Vallourec no Mundo Presente em mais de 20

Leia mais

Séries cronológicas de área queimada anual e tendências lineares. DGRF estatísticas de campo. ISA classificação de imagens de satélite (Landsat).

Séries cronológicas de área queimada anual e tendências lineares. DGRF estatísticas de campo. ISA classificação de imagens de satélite (Landsat). GEOGRAFIA E ECOCLIMATLOGIA DOS FOGOS RURAIS EM PORTUGAL CONTINENTAL José Miguel Cardoso Pereira Centro de Estudos Florestais ISA / UTL Padrões espaciais e temporais dos fogos nos últimos 3 anos Relações

Leia mais

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CAMPO LARGO, 15 DE ABRIL DE 2013 Cartografia Cartografia é o conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseado

Leia mais

DESEMPENHO DA "FÓRMULA DE MONTE ALEGRE" ÍNDICE BRASILEIRO DE PERIGO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS. Ronaldo Viana Soares 1

DESEMPENHO DA FÓRMULA DE MONTE ALEGRE ÍNDICE BRASILEIRO DE PERIGO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS. Ronaldo Viana Soares 1 DESEMPENO DA "FÓRMULA DE MONTE ALEGRE" ÍNDICE BRASILEIRO DE PERIGO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS Ronaldo Viana Soares 1 RESUMO: A Fórmula de Monte Alegre foi desenvolvida em 1972 usando-se dados meteorológicos

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA SEMA/SEAPA Nº 017, de 23 de março de 2010.

PORTARIA CONJUNTA SEMA/SEAPA Nº 017, de 23 de março de 2010. PORTARIA CONJUNTA SEMA/SEAPA Nº 017, de 23 de março de 2010. Dispõe sobre critérios e normas para uso de fogo controlado como medida fi tossanitária de controle do Serrador da Acácia-Negra. O SECRETÁRIO

Leia mais

Trabalho de Campo. Disciplina: Quantificação em Geografia Docente: Profa. Dra. Iara Regina Nocentini André

Trabalho de Campo. Disciplina: Quantificação em Geografia Docente: Profa. Dra. Iara Regina Nocentini André Trabalho de Campo Disciplina: Quantificação em Geografia Docente: Profa. Dra. Iara Regina Nocentini André O IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas é um órgão do governo do Estado de São Paulo que desenvolve

Leia mais

ESTIMATIVA DO ALBEDO E TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS PARA O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA SP

ESTIMATIVA DO ALBEDO E TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS PARA O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA SP ESTIMATIVA DO ALBEDO E TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS PARA O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA SP Laurizio Emanuel Ribeiro Alves 1 ; Heliofábio Barros Gomes 1 ; Sandro Correia de Holanda

Leia mais

Preços e comercialização de milho-verde na Ceasa Minas

Preços e comercialização de milho-verde na Ceasa Minas Preços e comercialização de milho-verde na Ceasa Minas Karina C. S. Moura 1, Jason O. Duarte 2 e João C. Garcia 2 1 Estagiária PIBIC/CNPq da Embrapa Milho e Sorgo. karinamoura35@gmail.com. 2. Pesquisadores

Leia mais