Mercadorias, rotas e agentes mercantis: O movimento da barra do porto de Rio Grande (primeira metade do século XIX)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercadorias, rotas e agentes mercantis: O movimento da barra do porto de Rio Grande (primeira metade do século XIX)"

Transcrição

1 I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I Jane i r o Mercadorias, rotas e agentes mercantis: O movimento da barra do porto de Rio Grande (primeira metade do século XIX) Gabriel Santos Berute 1 Introdução Nas primeiras décadas do século XIX, a Vila de Rio Grande, no extremosul da América portuguesa, desfrutava de uma situação de prosperidade econômica, em parte atribuída à situação de conflito enfrentada pelos seus principais concorrentes na região, Montevidéu e Buenos Aires. O comércio de couros e de charque, antes sob o controle dos vizinhos platinos, foi deslocado para Rio Grande. A condição de sede da Alfândega e a presença de um grupo mercantil que investia na melhoria da sua infra-estrutura também contribuíam para a prosperidade então observada 2. Para Maria Bertulini Queiroz, a vila consolidava sua posição de centro comercial e sua importância para a economia rio-grandense. A antiga função militar cedia espaço para as atividades mercantis 3. 1 Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História/UFRGS Brasil. Bolsista CA- PES. 2 SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem ao Rio Grande do Sul. Brasília: Senado Federal/Conselho Editorial, 2002 [ ], p. 95-6, p ; 87-9; ; 106-8; LUC- COCK, John. Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil. São Paulo: Livraria Martins, 1942 [1809], p ; 122; ISABELLE, Arsène. Viagem ao Rio da Prata e ao Rio Grande do Sul. Brasília: Senado Federal/Conselho Editorial, 2006 [ ], p QUEIROZ, Maria Luiza Bertulini. A Vila do Rio Grande de São Pedro, Rio Grande: FURG, 1987, p

2 2 G a b r i e l B e r u t e Neste texto, analisei o comércio marítimo e de cabotagem realizado através do porto do Rio Grande durante a primeira metade do século XIX. Procurei identificar quais eram os parceiros mercantis, os produtos comercializados e ressaltar alguns aspectos da participação dos agentes mercantis nele atuantes. Com isso, pretendi observar se ocorreram modificações significativas nas características da atividade comercial e nas vinculações comerciais com as demais praças mercantis ao longo do período considerado. A atividade mercantil na barra do porto de Rio Grande Os dados utilizados na análise foram os registros de entrada e saída de embarcações na barra do porto de Rio Grande entre 1803 e Os registros que informam sobre a entrada referem-se aos anos de 1803 até 1851, sendo que não há informações para o período entre 1816 e As saídas se restringem aos anos de 1809 e ao período de 1831 a 1851, apresentando lacunas entre 1843 e Assim, as considerações apresentadas nesta parte do texto baseiam-se nos registros de 1841 e 1842, pois são os anos com o maior número de ocorrências 298 registros de importação e 313 de exportação. Para os demais, especialmente para as duas primeiras décadas do século XIX, fiz uso dos dados disponíveis na bibliografia consultada. Apesar dos limites, os dados aqui analisados apresentam valiosas indicações a respeito da movimentação do porto marítimo do Rio Grande do Sul, seus parceiros comerciais, produtos comercializados e agentes mercantis. Helen Osório observou que, entre 1802 e 1821 as capitanias do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco e Santa Catarina eram os mais importantes parceiros comerciais. Juntas, as três primeiras praças recebiam quase a totalidade das exportações rio-grandenses. O Rio de Janeiro era o primeiro e, quase exclusivo mercado do trigo e o segundo importador de charque (a Bahia era o principal comprador do produto). Também era o destino de grande parte dos couros e de outros produtos agropecuários. O porto carioca era origem de 67 a 76% do total das 4 ARQUIVO HISTÓRICO DO RIO GRANDE DO SUL (AHRS). Autoridades Militares, maços 14, 16, 18, 22, 27, 46, 51; Marinha Praticagem da Barra, maços 22, 23, 24; 27 e 28; Diversos, maço 72. Doravante AHRS. AM/M. I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o 2011

3 O m o v i m ento da barra do porto de Rio Grande 3 importações sul-rio-grandenses, através das quais se adquiria açúcar, arroz, farinha de mandioca, sal, escravos, manufaturados, entre outros produtos. Com a Bahia, os negócios de importação eram menos avultados e constituíam-se de sal, escravos, açúcar, fazendas secas e ferragens. A balança comercial rio-grandense apresentava déficits constantes com a capital do Vice-reino, que eram financiados pelos superávits obtidos no comércio com a Bahia e com Pernambuco 5. Os registros da barra do Rio Grande 6 mostraram que no princípio da década de 1840, o Rio de Janeiro mantinha a sua posição de destaque nos negócios rio-grandenses, seguido da Bahia, Pernambuco e Santa Catarina. Para estas quatro praças foram dirigidos quatro quintos das entradas e das saídas de embarcações computadas. Apesar do predomínio do comércio com os portos da América portuguesa, também foi possível observar a ocorrência de transações diretas com importantes portos nos Estados Unidos, na Europa e com a América espanhola 7. Nos mapas de exportação e importação apresentadas por Antônio José Gonçalves Chaves em sua Quinta Memória, consta que, entre 1816 e 1822, a então capitania já negociava diretamente com diversos portos fora da América portuguesa. Os principais portos estrangeiros informados como destino das mercadorias rio-grandenses foram Montevidéu, Havana, Nova York, Salem, Boston e Antuérpia. Eram enviados para estes portos couros de boi e de égua, carne-seca (charque), barris de carne ( carne salgada em barris ), sebo, graxa, cabelo e chifres. Quanto às importações, a capitania recebia sal, vinho, azeite, fazendas secas, aguardente, ferragens e manufaturados. Entre os fornecedores destas mercadorias, predominavam Montevidéu e Buenos 5 OSÓRIO, Helen. O império português no sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007, p AHRS. AM/M. 7 Segundo Queiroz, parte importante das transações comerciais do Rio Grande de São Pedro voltava-se aos seus vizinhos platinos através do contrabando, que mesmo assim resultava bastante rendosa para todos os envolvidos. QUEIROZ, M. A Vila do Rio Grande, op. cit., p I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o

4 4 G a b r i e l B e r u t e Aires; Nova York, Boston, Filadélfia, Salem; Porto, Lisboa, Cádiz, Gibraltar, Marselha e Hamburgo 8. A consulta à documentação emitida a partir do consulado dos Estados Unidos no Rio Grande do Sul informa que, apesar dos problemas enfrentados durante a Guerra dos Farrapos ( ), diversas embarcações daquele país entraram no porto de Rio Grande entre 1829 e 1840, carregadas mercadorias como farinha, sal, especiarias, artigos diversos e produtos domésticos. Estas partiam levando couros, chifres, cabelos, sebo e erva-mate, não apenas para portos dos Estados Unidos, pois faziam parte de uma rede mais ampla de transações mercantis 9. Segundo o comerciante Nicolau Dreys, na década de 1830, era significativa a presença de embarcações pertencentes a estrangeiros (franceses, ingleses, americanos, italianos e das cidades hanseáticas) no porto de Rio Grande, embora grande parte delas fosse propriedade de negociantes estabelecidos na própria província 10. A confrontação com a bibliografia, portanto, permite afirmar que desde meados da década de 1810, no mínimo, efetuavam-se transações comerciais diretamente com portos estrangeiros, sem a intermediação do Rio de Janeiro 11, e possivelmente estas tenham se iniciado logo após a Abertura dos Portos, em CHAVES, Antônio José Gonçalves. Memórias ecônomo-política sobre a administração pública do Brasil. Porto Alegre: Companhia União de Seguros Gerais, 1978 [1822], p FRANCO, Sérgio da Costa (org.). Despachos dos Cônsules dos Estados Unidos no Rio Grande do Sul: 1829/1841. Porto Alegre: Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul; Instituto Histórico e Geográfico do Estado do Rio Grande do Sul, 1998, p DREYS, Nicolau. Notícia descritiva da Província do Rio Grande de São Pedro do Sul. Porto Alegre: IEL, 1961[1839], p Ver também ISABELLE, A. Viagem ao Rio da Prata, op. cit., p Segundo Jucá de Sampaio e João Fragoso, ao longo do século XVIII, o Rio de Janeiro havia se transformado no ponto de encontro de uma intricada rede de circuitos mercantis do Atlântico Sul e também em um porto de redistribuição de mercadorias. SAM- PAIO, Antonio Carlos Jucá de. Na encruzilhada do império: hierarquias sociais e conjunturas econômicas no Rio de Janeiro (c c. 1750). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003; FRAGOSO, João Luís Ribeiro. Homens de grossa aventura: acumulação e hierar- I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o 2011

5 O m o v i m ento da barra do porto de Rio Grande 5 Quanto aos gêneros comercializados, nos registros de 1841 e constam 39 produtos diferentes. As importações apresentavamse relativamente mais variadas em relação às exportações. Os principais itens importados eram escravos 13, sal 14 e gêneros diversos. Outros produtos de destaque foram fazendas, farinha, açúcar, aguardente, vinho, açúcar e carvão. Nas exportações, verificou-se que o gado e seus derivados permaneciam como os principais produtos exportados. Carnes, couros, sebo, cabelos, chifres e canelas de bois, compunham cerca de 87% dos 413 carregamentos contabilizados. Sendo assim, a pauta de mercadorias negociadas neste momento não parece ter sofrido alterações significativas em relação ao início do século XIX, independentemente da origem e do destino. Entre as mercadorias acima, destacavam-se as carnes e os couros que reuniam aproximadamente 68% dos registros de exportação do porto de Rio Grande. As cargas de carnes tinham como destino o mercado interno: Rio de Janeiro, Pernambuco e Bahia. Os dois únicos portos estrangeiros identificados foram Liverpool e Nova York. Em relação à exportação dos couros, verificou-se a maior presença de portos estrangeiros entre os destinos indicados. Ainda que o Rio de Janeiro fosse o principal importador, os dezessete destinos estrangeiros somam 40% das cargas contabilizadas. Os principais portos fora do Brasil eram Nova York, Porto/ Portugal, Liverpool, Hamburgo e Marselha, com 24% das exportações do produto. quia na praça mercantil do Rio de Janeiro ( ). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, AHRS. AM/M. 13 Sobre o comércio de escravos no Rio Grande do Sul, ver BERUTE, Gabriel Santos. Dos escravos que partem para os Portos do Sul: características do tráfico negreiro do Rio Grande de São Pedro do Sul, c c Porto Alegre: PPG-História/UFRGS, 2006 [dissertação de mestrado]. 14 O sal era fundamental para o preparo do charque, um dos mais importantes produtos exportados pelo Rio Grande de São Pedro 14. O insumo representava 21% dos carregamentos com cargas informadas nos anos de 1841 e 1842 (103 carregamentos no total). AHRS. AM/M. Para algumas estatísticas do volume de sal importado pela província entre 1816 e 1854, ver CHAVES, A.. Memórias ecônomo-política, op. cit., p. 170; SILVEIRA, Josiane Alves da. Rio Grande: portas abertas para as importações de sal no século XIX. Rio Grande: FURG, 2006 [monografia de bacharelado], p I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o

6 6 G a b r i e l B e r u t e De acordo com Helen Osório, entre 1790 e 1821, o destino prioritário dos couros era o Rio de Janeiro, que recebeu nos (...) anos de 1803, 1808 e 1815, 85%, 78,6% e 76,2% dos couros. Entre 1818 e 1821, sua participação oscilou entre 83,5 e 79,6%. Pernambuco era o terceiro porto importador de couros, mas em proporções muito inferiores às da Bahia. Este era o segundo item mais reexportado pelo Rio de Janeiro, perdendo apenas para o açúcar 15. Portanto, em comparação com os dados da autora, fica sugerido que a função de reexportador dos couros rio-grandenses que o porto do Rio de Janeiro desempenhava foi reduzida a partir do primeiro reinado, embora se mantivesse em patamares elevados. Organizando os mesmos dados de acordo com a bandeira da embarcação na qual foi feita a exportação dos referidos produtos, ficou claro o predomínio das embarcações nacionais no transporte de carne (98%) e de modo menos acentuado na exportação dos couros (63%). As bandeiras estrangeiras, por sua vez, correspondiam à parcela de 37% das embarcações que saíram do porto de Rio Grande carregadas com couros. As norte-americanas (17%), as inglesas (9%) e as dinamarquesas (4%) foram as que apresentaram os percentuais mais elevados. Para Portugal, predominavam as embarcações brasileiras e portuguesas. A Abertura dos Portos (1808) propiciou o crescimento significativo da presença de estrangeiros no comércio do Brasil, especialmente de ingleses. Apesar do descontentamento dos luso-brasileiros e das tentativas governamentais de dificultar sua atuação, a presença destes agentes era uma realidade observada, predominantemente no comércio de cabotagem 16. Segundo o negociante inglês, John Luccock, na época de sua passagem pela capitania rio-grandense (1809), o comércio da região passava por uma transformação. Muitos dos produtos anteriormente importados através de Portugal estavam perdendo espaço 15 OSÓRIO, H. O império português no sul da América, op. cit., p FARIA, Sheila de Castro. Comerciantes. In: VAINFAS, Ronaldo; NEVES, Lúcia Bastos Pereira das (Orgs.). Dicionário do Brasil Joanino, Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2008, p I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o 2011

7 O m o v i m ento da barra do porto de Rio Grande 7 para os produtos ingleses devido aos preços mais atrativos e por serem mais adequados ao gosto dos setores mais abastados da região 17. Os agentes Quanto aos responsáveis pelas transações realizadas através do porto de Rio Grande, reuni sob a designação agente, os consignatários de cargas e os donos de embarcações. Ao contrário da seção anterior, utilizei todos os dados disponíveis, uma vez que não existem trabalhos semelhantes referentes à província rio-grandense que permitam estabelecer um exercício comparativo. Observando o conjunto da movimentação portuária a partir dos registros de 414 agentes diferentes responsáveis por 478 carregamentos de importação e 405 de exportação 18, percebi que a maioria deles realizou apenas um ou dois carregamentos: em cifras aproximadas este grupo reunia 87% dos agentes e 62% dos registros. O grupo que realizou 5 ou mais transações representava entre 4 e 5% dos agentes e acumulava parcela entre 16 e 24% dos carregamentos. Esta característica não difere da definição segundo a qual os diferentes setores do comércio colonial caracterizavam-se pela presença concomitante de um grande grupo de pequenos comerciantes eventuais, mas indispensáveis para o bom funcionamento da atividade, e de um número reduzido de negociantes que dominavam a maioria dos negócios 19. A seguir 17 LUCCOCK, J. Notas sobre o Rio de Janeiro, op. cit., p Não foram considerados os registros nos quais não constam os nomes dos consignatários e/ou dos proprietários das embarcações: 33% (entradas) e 26% (saídas). 19 FRAGOSO, J. Homens de grossa aventura, op. cit, p ; FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p Observei a mesma característica ao analisar o tráfico de escravos da capitania riograndense. BERUTE, G. Dos escravos que partem para os Portos do Sul, op. cit., p ; No que diz respeito ao o comércio terrestre em Minas Gerais no século XVIII, tanto Cláudia Chaves quanto Junia Furtado também observaram a presença importante de mercadores eventuais (Chaves) ou comerciantes ocasionais (Furtado). CHAVES, Cláudia Maria das Graças. Melhoramentos no Brazil: integração e mercado na América Portuguesa ( ). Niterói: PPGH-UFF, 2001, p ; FURTADO, Júnia I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o

8 8 G a b r i e l B e r u t e enfatizo a participação dos principais agentes (2 ou mais consignações) envolvidos na exportação de carnes, charque e couros bem como na importação de sal. Apenas 45 agentes fizeram mais de duas consignações de exportação de carne (39%), mas foram responsáveis por aproximadamente 62% das 189 consignações. É pronunciada a presença de Militão Máximo de Souza, o único com cinco carregamentos, cerca de 3% das transações 20. Os sete maiores exportadores de charque (16%) concentraram 36% das consignações. Ressalta-se Paiva & Vianna, com 11% dos carregamentos enquanto Eufrásio Lopes de Araújo 21 e Francisco Manuel Barbosa foram responsáveis por 13% das cargas do produto. Sublinha-se a presença maciça dos luso-brasileiros entre os consignatários de carne e charque, enquanto os estrangeiros constavam entre os principais exportadores de couros (13% dos agentes, responsáveis por 29% das consignações). Os cinco estrangeiros identificados acumulavam 9% das consignações de couros. A participação de Holland Deveis & Companhia, Adolfo Hugentobler e da firma da qual era sócio, Hugentobler & Douley é significativa, ainda que os dois exportadores mais importantes fossem a firma de um luso-brasileiro, Manuel Furtado. Homens de negócio: a interiorização da metrópole e o comércio das Minas setecentistas. São Paulo: Hucitec, 2006 [2ª Edição], p Natural do Rio Grande do Sul, consta como responsável pela remessa de gado e seus derivados a partir de Porto Alegre e Rio Grande para o porto do Rio de Janeiro, entre 1842 e KUNIOCHI, Márcia Naomi. Crédito, negócios e acumulação. Rio de Janeiro: São Paulo: FFLCH-USP, 2001 [tese de doutorado], p Também foi sócio de Irineu Evangelista de Souza, o Barão/Visconde de Mauá em diferentes negócios: bancos, navegação a vapor, estrada de ferro e indústria química. Ver GUIMARÃES, Carlos Gabriel. Bancos, Economia e Poder no Segundo Reinado: o caso da Sociedade Bancária Mauá, MacGregor & Companhia ( ). São Paulo: FFLCH-USP, 1997 [tese de doutorado], p. 108; 127; ; 157; 161; 171; Segundo as informações reunidas por Josiane da Silveira, Eufrásio Lopes de Araújo teria nascido em Rio Grande, em 1814; foi um dos sócios da Praça do Comércio da mesma cidade e teve atuação política de destaque, tendo recebido diferentes títulos honoríficos, inclusive o de Visconde de São José do Norte. SILVEIRA, J. Rio Grande: portas abertas, op. cit., p Ver também MUNHOZ, Cláudia Simone de Freitas. A Associação Comercial do Rio Grande de 1844 a 1852: interesses e atuação representativa do setor mercantil. São Leopoldo: PPG-História/UNISINOS, 2003 [dissertação de mestrado], p I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o 2011

9 O m o v i m ento da barra do porto de Rio Grande 9 Ferreira Porto & Companhia e o já mencionado Antonio José de Oliveira Castro 22. Os estrangeiros concentram 6% das cargas de couros, praticamente a mesma parcela acumulada pela firma de Manuel Ferreira Porto. Entre os importadores de sal que fizeram mais de uma remessa (26% dos agentes responsáveis por 37% dos carregamentos), a firma Holland Deveis & Companhia foi a mais freqüente, juntamente com Antonio José de Oliveira Castro, também presente entre os exportadores de carne e couros. As sociedades mercantis Holland Deveis & Companhia e Forbes & Companhia foram os únicos estrangeiros que identifiquei entre os principais importadores de sal. Paiva & Vianna, o principal exportador de charque, também estava envolvido na importação de sal, embora com um número menor de carregamentos 23. Outros importadores de sal que se destacaram foram Antonio de Siqueira, Antonio Raimundo da Paz e Militão Máximo de Souza, por também constarem entre os que exportavam couros, e carne, no caso deste último. Estes agentes haviam sido responsáveis por parcelas de 10% e 9% das consignações de couros e sal, respectivamente. Considerando em conjunto os dados acima, percebe-se que os luso-brasileiros atuavam praticamente sozinhos nos negócios de exportação de carne e charque, e eram maioria na importação de sal e na exportação de couros. Nesta última, os estrangeiros apareciam de forma mais consistente Sobre os negócios de Adolfo Hugentobler e da firma Hugentobler & Douley, ver também TORRES, Daniel de Quadros. Rio Grande Pelotas: produção, comércio, redes mercantis e interesses econômicos em meados do século XIX. Rio Grande: FURG, 2006 [monografia de bacharelado], p Antonio de Siqueira, Paiva & Vianna e Lobo & Barbosa constam entre os maiores importadores do insumo nos carregamentos computados por Josiane da Silveira referentes aos anos de 1850 e O primeiro aparece com 2 carregamentos (1850), o segundo com 11 em 1850 e mais 3 em Já Lobo & Barbosa consta com 4 e 7 registros de importação do insumo, nos respectivos anos. A autora também identifica a presença de Hugentobler & Companhia como responsável por 6 carregamentos no ano de 1850 e de vinte e duas, em SILVEIRA, J. Rio Grande: portas abertas, op. cit., p Josiane da Silveira e Daniel Torres, em suas respectivas investigações, consideraram que havia uma clara divisão entre os negociantes estrangeiros e luso-brasileiros: estes dominavam os produtos voltados para o mercado interno (charque) enquanto aqueles I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o

10 10 G a b r i e l B e r u t e Chamo a atenção ainda para a participação de alguns dos importadores de sal na exportação de um ou mais dos outros três produtos apresentados acima. Apenas Antonio José de Oliveira Castro estava envolvido nas transações dos quatro gêneros considerados. Outros como Holland Deveis & Companhia e Manuel Ferreira Porto & Companhia importavam sal e também exportavam couros. Já as sociedades mercantis de Lobo & Barbosa e Paiva & Viana estavam envolvidas concomitantemente com a importação de sal e a exportação de charque. Os negócios destes agentes não se limitavam aos itens apresentados acima. A firma de Deveis, por exemplo, importava produtos como farinha de trigo, carvão e gêneros diversos, vindos de Liverpool, para onde enviava cabelo, chifres e couros; de Lisboa trazia sal, azeite e vinho 25. Já a firma Paiva & Viana, que remetia couros para a cidade do Porto, igualmente enviava charque para a Bahia de onde importava aguardente, escravos e sal 26. Manuel Ferreira Porto & Companhia, por sua vez, importava escravos, gêneros diversos e sal do Rio de Janeiro, que era destino de couros enviados através de sua firma 27. Enfim, o que se pretende sugerir com estes exemplos e com a análise dos dados acima é que estas transações faziam parte de redes mercantis complementares, nas quais os mesmos agentes importavam e exportavam mercadorias entre as mesmas praças, de acordo com as necessidades e conveniências. Era justamente na intermediação da comercialização de mercadorias produzidas em localidades distintas que os agentes mercantis auferiam seus lucros através das diferenças de preços das mercadorias comercializadas, conforme definição de Fernand Braudel 28. O último aspecto referente aos agentes mercantis a ser abordado diz respeito àqueles que faziam parte do grupo de negociantes de grosso trato matriculados na Real Junta do Comércio, Agricultura, Fádominavam os do mercado externo (couros). SILVEIRA, J. Rio Grande: portas abertas, op. cit., p. 58; TORRES, D. Rio Grande Pelotas, op. cit., p AHRS. AM/M., registro 295, 356, 361, 415, 449, 478, 487, 525, 539 e Idem, registro 684, 1126, 1151 e Idem, registro 282, 648 e BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo. Vol. 2 (Os jogos das trocas). São Paulo: Martins Fontes, 1998 [1ª ed., 1979], p ; I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o 2011

11 O m o v i m ento da barra do porto de Rio Grande 11 bricas e Navegação (Rio de Janeiro) e que estiveram envolvidos na comercialização de mercadorias através do porto de Rio Grande. Entre 1809 e 1850 foram matriculados negociantes de grosso trato, quase a metade estabelecida na Corte. O restante, destacadamente na Bahia, no Rio Grande do Sul e em Pernambuco. A praça mercantil riograndense reunia o terceiro grupo de matriculados, com 10% dos registros (136) 29. Constatei que 35 destes negociantes de grosso trato estiveram envolvidos diretamente no comércio com o porto de Rio Grande, a maioria deles estava estabelecida na província rio-grandense (18), seguido do Rio de Janeiro (9) e da Bahia (6). Entre eles chamo a atenção para José da Costa Santos, um dos importadores de sal, e que estava entre os comerciantes atuantes na capitania em e era matriculado como negociante de grosso trato da Praça de Porto Alegre desde março de Consta em três entradas ( ) nas quais importou escravos, arroz, açúcar, sal, cal, fumo, entre outras mercadorias não discriminadas 32. Já Miguel da Cunha Pereira apareceu como consignatário de três embarcações que chegaram ao porto de Rio Grande em 1815 carregadas principalmente com escravos (43) vindos do Rio de Janeiro 33. Nascido em 1774, na Colônia do Sacramento, era membro de uma das fa- 29 ANRJ. REAL JUNTA DO COMÉRCIO, AGRICULTURA, FÁBRICAS E NAVEGAÇÃO. Matrícula dos Negociantes de grosso trato e seus Guarda Livros e Caixeiros. Códice 170, v. 1 ( ); v. 2 ( ). Doravante ANRJ. Cód. 170, v., fl. 30 Almanack da Vila de Porto Alegre, com reflexões sobre o estado da Capitania do Rio Grande do Sul, de Manoel Antônio de Magalhães, In: FREITAS. Décio. O Capitalismo pastoril. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia São Lourenço de Brindes, 1980, p ANRJ, Cód. 170, v. 1, fl AHRS. AM/M, registro 167, 196 e 205. José da Costa Santos era proprietário da Estância São Lourenço onde possuía uma charqueada de telha com seus pertences de currais, varais e mais oficinas. José da Costa Santos, inventário, APERS, 1827, 1º Cartório Órfãos e Provedoria de Pelotas, mç. 9, nº 113. Ver também BERUTE, G. Dos escravos que partem para os Portos do Sul, op. cit., p AHRS. AM/M, registro 161, 164 e 214. Já havia identificado a presenta de Miguel da Cunha Pereira no tráfico negreiro entre BERUTE, G. Dos escravos que partem para os Portos do Sul, op. cit., p I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o

12 12 G a b r i e l B e r u t e mílias que desta se retiraram para povoar o extremo sul do Brasil, em Estava presente no comércio rio-grandense ao menos desde 1798 e também constava entre os comerciantes da capitania listados no Almanaque de Outro dos negociantes de grosso trato estabelecidos no Rio Grande do Sul era o Capitão-mor Antonio José Afonso Guimarães. Possuía três embarcações e negociava mercadorias como sal, escravos, carne e couros com o Rio de Janeiro e outras praças 36. Matriculado como negociante de grosso trato desde 1813, também conquistou posições de destaque na sociedade rio-grandense: tesoureiro da Sociedade Promotora da Indústria Rio-grandense, procurador do Hospital de Beneficência, tesoureiro da Caixa Econômica (1833), vereador em Rio Grande e Deputado provincial em 1850 e Considerações finais Frente ao exposto sublinhe-se que, embora a economia rio-grandense tenha permanecido como fornecedora de charque para o mercado interno e de couros para o mercado externo, com a abertura dos portos e 34 RHEINGANTZ, Carlos. Povoamento do Rio Grande de São Pedro. A contribuição da Colônia do Sacramento. In: Anais do Simpósio comemorativo do bicentenário da restauração do Rio Grande. Rio de Janeiro: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Instituto de Geografia e História Militar do Brasil, 1979, v. 2, p Requerimento da Corporação dos Comerciantes e Fazendeiros da Capitania do Rio Grande de São Pedro à Junta da Real Fazenda (Anexo ao Ofício do Governador do Rio Grande de São Pedro, tenente-general Sebastião Xavier da Veiga Cabral Câmara. Porto Alegre, 24/11/1800). AHU_ACL_CU_O19, Cx. 5, D. 373 (Projeto Resgate); Almanack da Vila de Porto Alegre... In: FREITAS, D. O Capitalismo pastoril, op. cit., p Falecido no ano de 1858, na Vila do Rio Grande, teve o seu inventário aberto quatro anos mais tarde. Sua fortuna era composta por objetos de ouro e prata, casas de morada, duas chácaras, 35 escravos e dívidas ativas no total de 12:666$668 réis. Miguel da Cunha Pereira, inventário e testamento anexo, APERS, 1862, 1º Cartório Órfãos e Provedoria de Rio Grande, mç. 36, nº AHRS. AM/M, registro 327, 436, 498, 510, 859, 982, 1006 e Sobre a Sociedade Promotora da Indústria Rio-grandense e seus sócios, ver KLAFKE, Álvaro Antônio. O Império na província: construção do Estado nacional nas páginas de O propagador da Indústria Rio-grandense Porto Alegre: PPG- História/UFRGS, 2006 [dissertação de mestrado]. I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o 2011

13 O m o v i m ento da barra do porto de Rio Grande 13 o processo de independência, ampliaram-se seus parceiros comerciais. Além do comércio realizado com a intermediação do Rio de Janeiro, passaram a ser realizados negócios diretamente com diferentes portos na Europa e nos Estados Unidos. Quanto aos seus agentes, observou-se que os comerciantes luso-brasileiros começaram a enfrentar a concorrência de estrangeiros estabelecidos na província rio-grandense, principalmente nas transações envolvendo mercadorias destinadas ao mercado externo. I I C T b H L b l o g u e d e H i s t ó r i a L u s ó f o n a A n o V I J a n e i r o

Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007

Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 NEGÓCIOS NO INTERIOR: O comércio em são João da Cachoeira na primeira metade do século XIX Rosicler Maria Righi Fagundes

Leia mais

Mercado de Seguros Luso Brasileiro: Perspectivas das companhias de seguro e dos contratos de seguro na formação do mundo contemporâneo

Mercado de Seguros Luso Brasileiro: Perspectivas das companhias de seguro e dos contratos de seguro na formação do mundo contemporâneo Mercado de Seguros Luso Brasileiro: Perspectivas das companhias de seguro e dos contratos de seguro na formação do mundo contemporâneo Saulo Santiago Bohrer A atividade de seguros foi fundamental para

Leia mais

O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares

O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares Vitor Hugo Bastos Cardoso: O comércio de escravos... 43 O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares Vitor Hugo Bastos Cardoso vitorhgcardoso@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Expansão da metrópole e Iluminação da colônia: As Memórias de Ambrósio Joaquim dos Reis e a política Imperial Portuguesa.

Expansão da metrópole e Iluminação da colônia: As Memórias de Ambrósio Joaquim dos Reis e a política Imperial Portuguesa. Expansão da metrópole e Iluminação da colônia: As Memórias de Ambrósio Joaquim dos Reis e a política Imperial Portuguesa. 1 Wélington Silva 1 Dr.ª Cláudia Chaves 2 I A política imperial portuguesa apresentava

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

de escravos a sul do Equador. A França iniciou o processo de libertação dos escravos no ano de 1818.

de escravos a sul do Equador. A França iniciou o processo de libertação dos escravos no ano de 1818. COMÉRCIO EXTERNO A análise do comércio externo da Guiné esbarra na realidade nua e crua do carácter agrícola e comercial como base da sua economia. Desde os primórdios dos Descobrimentos a Guiné contribuiu

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

UMA QUESTÃO DE REDE SOCIAL: OS VÍNCULOS ENTRE OS FAMILIARES DO SANTO OFÍCIO E A SOCIEDADE LOCAL (RIO GRANDE DE SÃO PEDRO E COLÔNIA DE SACRAMENTO)

UMA QUESTÃO DE REDE SOCIAL: OS VÍNCULOS ENTRE OS FAMILIARES DO SANTO OFÍCIO E A SOCIEDADE LOCAL (RIO GRANDE DE SÃO PEDRO E COLÔNIA DE SACRAMENTO) UMA QUESTÃO DE REDE SOCIAL: OS VÍNCULOS ENTRE OS FAMILIARES DO SANTO OFÍCIO E A SOCIEDADE LOCAL (RIO GRANDE DE SÃO PEDRO E COLÔNIA DE SACRAMENTO) Lucas Maximiliano Monteiro Mestrando em História/PPGH-UGRGS

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Os Contratos dos Caminhos de Ouro

Os Contratos dos Caminhos de Ouro Os Contratos dos Caminhos de Ouro Sofia Lorena Vargas Mestranda - UFMG A prática da arrematação dos contratos a terceiros está presente desde os primórdios do Estado Absolutista. São caracterizadas por

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

Açúcar e riqueza na Bahia do século XVIII

Açúcar e riqueza na Bahia do século XVIII Açúcar e riqueza na Bahia do século XVIII Profa. Dra. Maria José Rapassi Mascarenhas Departamento de História UFBA A análise da riqueza gerada pela economia açucareira da Bahia na segunda metade do século

Leia mais

NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466)

NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466) TEXTOS UNIVERSITÁRIOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO E RELAÇÕES POLÍTICAS: OS PORTUGUESES NO MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (1385-1466) Filipe Themudo Barata FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN JUNTA

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

Com base nesse artigo e nos conhecimentos sobre a História da América, RESPONDA:

Com base nesse artigo e nos conhecimentos sobre a História da América, RESPONDA: PROCESSO SELETIVO/2006 3 O DIA CADERNO 8 1 HISTÓRIA QUESTÕES DE 01 A 05 01. A base naval norte-americana de Guantanamo tem estado em evidência nos últimos anos. Trata-se de uma área de 117,6 quilômetros

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Grandes empreendedores

Grandes empreendedores aldeia Grandes empreendedores Ao analisar a trajetória de dois grandes empreendedores do século passado, o visconde de Mauá e o conde Matarazzo, este artigo mostra que empreendedorismo e redes sociais

Leia mais

PODER LOCAL E ATIVIDADES ECONÔMICAS: O comércio externo da América portuguesa a partir dos mapas de cargas de exportação em Salvador no século XVIII.

PODER LOCAL E ATIVIDADES ECONÔMICAS: O comércio externo da América portuguesa a partir dos mapas de cargas de exportação em Salvador no século XVIII. PODER LOCAL E ATIVIDADES ECONÔMICAS: O comércio externo da América portuguesa a partir dos mapas de cargas de exportação em Salvador no século XVIII. Maria Patrícia da Silva Santos 1 Orientadora: Avanete

Leia mais

Nilza Licia Xavier Silveira Braga *

Nilza Licia Xavier Silveira Braga * Tráfico negreiro e fazendas têxteis: Uma breve trajetória do negociante e conselheiro Elias Antonio Lopes nos negócios africanos e indianos (fins do século XVIII e primeiras décadas do século XIX) Nilza

Leia mais

Comércio e tráfico no porto de Rio Grande, em meados do século XIX

Comércio e tráfico no porto de Rio Grande, em meados do século XIX Comércio e tráfico no porto de Rio Grande, em meados do século XIX Marcia Naomi Kuniochi 1 Resumo: Este trabalho trata de um caso de apreensão de um navio, cujo proprietário era um dos mais respeitados

Leia mais

Uma leitura histórica no contexto das diferenças sócio-culturais e naturais do estado do Rio Grande do Sul

Uma leitura histórica no contexto das diferenças sócio-culturais e naturais do estado do Rio Grande do Sul A CONSTITUIÇÃO DAS REDES DE CIDADES NO RIO GRANDE DO SUL A PARTIR DE UMA LEITURA HISTÓRICA DENTRO DO CONTEXTO DAS DIFERENÇAS SÓCIO- CULTURAIS E NATURAIS Adriana M. Rodrigues Pilar Mestranda do Programa

Leia mais

Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade. Crédito na cidade de Salvador, c.1750- c.

Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade. Crédito na cidade de Salvador, c.1750- c. Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade. Crédito na cidade de Salvador, c.1750- c. 1780 Alexandre Vieira Ribeiro A proposta desse texto é apontar

Leia mais

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920)

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) SUB Hamburg A/548637 FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) Fernando Cacciatore de Garcia Editora Sulina Porto

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas.

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Comércio regional e hierarquia social em Minas Gerais no século XIX. Leandro Braga de Andrade 1

Comércio regional e hierarquia social em Minas Gerais no século XIX. Leandro Braga de Andrade 1 Comércio regional e hierarquia social em Minas Gerais no século XIX. Leandro Braga de Andrade 1 Palavras Chaves: Comércio, região, sociedade. Resumo O objetivo do texto apresentado é estudar a função do

Leia mais

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora México Guimaraes, Carlos Gabriel Angelo Alves Carrara

Leia mais

REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS. 20 de setembro de 1835-11 de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL

REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS. 20 de setembro de 1835-11 de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS 20 de setembro de 1835-11 de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO DA HISTÓRIA DO BRASIL GOVERNO PADRE FEIJÓ

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba.

ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba. ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL de 1803 a 1822: Um Olhar sobre a Vila de São José do Parayba. Maria Aparecida Papali, Maria José Acedo del Olmo e Valéria Zanetti 1 É nas Vilas, sedes dos termos e das comarcas,

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

REDISCUTINDO A PRESENÇA INGLESA NO IMPÉRIO BRASILEIRO: O CASO DA FIRMA INGLESA CARRUTHERS & CO., 1822-1854.

REDISCUTINDO A PRESENÇA INGLESA NO IMPÉRIO BRASILEIRO: O CASO DA FIRMA INGLESA CARRUTHERS & CO., 1822-1854. Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 REDISCUTINDO A PRESENÇA INGLESA NO IMPÉRIO

Leia mais

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA A Direção do Departamento de História, no uso de suas atribuições, conferidas pela resolução CONSEPE 04/2001, torna público

Leia mais

Comércio e Contratos: a construção de uma rede de negócios na primeira metade do século XVIII nas Minas

Comércio e Contratos: a construção de uma rede de negócios na primeira metade do século XVIII nas Minas Comércio e Contratos: a construção de uma rede de negócios na primeira metade do século XVIII nas Minas Alexandra Maria Pereira 1 Resumo Esta comunicação pretende analisar a construção da rede de negócios

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO "PERÍODO DAS LUZES" A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário

SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO PERÍODO DAS LUZES A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO "PERÍODO DAS LUZES" Diana de Cássia Silva UFMG/FAE/GEPHE A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário enquanto um objeto de

Leia mais

RIQUEZA E CRÉDITO NA ESTÂNCIA/SE OITOCENTISTA (1850-1890) Sheyla Farias Silva

RIQUEZA E CRÉDITO NA ESTÂNCIA/SE OITOCENTISTA (1850-1890) Sheyla Farias Silva RIQUEZA E CRÉDITO NA ESTÂNCIA/SE OITOCENTISTA (1850-1890) Sheyla Farias Silva 2 RIQUEZA E CRÉDITO NA ESTÂNCIA/SE OITOCENTISTA (1850-1890) Sheyla Farias Silva Mestranda em História Social Universidade Federal

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Código Denominação Carga horária AT 1 AP 2 APS. Ementa (constante no PPP vigente)

PLANO DE ENSINO. Disciplina Código Denominação Carga horária AT 1 AP 2 APS. Ementa (constante no PPP vigente) PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO: 2009 ANO DO CURSO: 3º Curso: Ciências Econômicas - Modalidade: Bacharelado - Turno: Noturno Centro: Ciências Sociais Aplicadas Campus: Cascavel Disciplina Código Denominação

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

Programa ADAI Projetos Brasileiros

Programa ADAI Projetos Brasileiros Programa ADAI Projetos Brasileiros Brasil 1999 1ª Convocatória Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte: Conservação preventiva de acervo audiovisual. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami:

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora México da Silva Almico, Rita de Cássia Carlos Gabriel

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

A Formação do Território Brasileiro.

A Formação do Território Brasileiro. A Formação do Território Brasileiro. A primeira fronteira do Brasil Fernando e Isabel 1492 - Colombo 1493 papa Alexandre VI (espanhol) editou a Bula Inter Coetera 1494 - Tratado de Tordesilhas. 1530 no

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

As vilas de Guaratinguetá e Cunha sob a política de fomento da Coroa portuguesa (1788-1808).

As vilas de Guaratinguetá e Cunha sob a política de fomento da Coroa portuguesa (1788-1808). As vilas de Guaratinguetá e Cunha sob a política de fomento da Coroa portuguesa (1788-1808). Felipe de Moura Garrido Mestrando em História e Cultura Social na UNESP/FHDSS fegarrido@gmail.com Introdução

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas.

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. 2 Habilidades: Observar as limitações das Guianas e suas ligações com o Brasil. 3 Colômbia 4 Maior população da América Andina. Possui duas saídas marítimas: Para o Atlântico

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

O COMÉRCIO MARÍTIMO DO MARANHÃO NO SÉCULO XIX

O COMÉRCIO MARÍTIMO DO MARANHÃO NO SÉCULO XIX O COMÉRCIO MARÍTIMO DO MARANHÃO NO SÉCULO XIX Ricardo Zimbrão Affonso de Paula Mario Roberto Melo Silva RESUMO: O seguinte artigo apresenta o movimento comercial marítimo da Província do Maranhão no século

Leia mais

CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À VISITA DO OURO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA

CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À VISITA DO OURO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À VISITA DO OURO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA ORGANIZAÇÃO DESIGNAÇÃO CÓDIGO / COTA Entidade Detentora: ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO

Leia mais

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda 1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda A execução do tráfico atlântico de africanos escravizados envolveu a construção de portos, locais de quarentena e venda de africanos recém-chegados nas

Leia mais

HOMENAGEM A ALCIDES CRUZ NO CENTENÁRIO DE SUA MORTE

HOMENAGEM A ALCIDES CRUZ NO CENTENÁRIO DE SUA MORTE HOMENAGEM A ALCIDES CRUZ NO CENTENÁRIO DE SUA MORTE Publicado no site em 30/03/2016 Os telegramas de ontem noticiaram o falecimento do dr. Alcides Cruz, jurisconsulto muito conhecido no estado, ex-deputado

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

EM BUSCA DO OBSERVATÓRIO PERDIDO

EM BUSCA DO OBSERVATÓRIO PERDIDO EM BUSCA DO OBSERVATÓRIO PERDIDO José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo, UFRJ, doutorando do HCTE adolfo@ov.ufrj.br Nadja Paraense Santos Programa HCTE, UFRJ nadja@iq.ufrj.br Introdução Em 1874,

Leia mais

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada)

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) SUMARIO Capítulo I Povos que habitavam o atual território do estado da Bahia antes dos europeus e dos africanos

Leia mais

HISTORIOGRAFIA DA AMAZONIA.

HISTORIOGRAFIA DA AMAZONIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE HISTÓRIA HISTORIOGRAFIA DA AMAZONIA. HISTORIOGRAFIA DA AMAZONIA. Aílson Rocha Freire. Belém-PA. 01/2010. 1 UNIVERSIDADE

Leia mais

A América portuguesa nos livros didáticos

A América portuguesa nos livros didáticos Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1282 A América portuguesa nos livros didáticos Karla Maria da Silva (UEM) Lupércio Antonio Pereira (UEM) Resumo: Este trabalho apresenta os resultados parciais de uma pesquisa

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico

As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico Pablo de Oliveira Andrade Universidade Federal de Ouro Preto NOS ÚLTIMOS ANOS OS

Leia mais

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA O processo de formação dos EUA Inglaterra X Portugal e Espanha A incursão dos ingleses no processo de colonização do continente americano conta com determinadas particularidades

Leia mais

Os caminhos entre Minas Gerais e Espírito Santo Brasil/Século XIX

Os caminhos entre Minas Gerais e Espírito Santo Brasil/Século XIX Os caminhos entre Minas Gerais e Espírito Santo Brasil/Século XIX ENAILE FLAUZINA CARVALHO A questão do abastecimento interno, durante o Período Colonial brasileiro, esteve presente como de suma importância

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos Priscila de Moura Souza 1 Teresinha de Jesus Mesquita Queiroz 2 Introdução O presente texto busca analisar os primeiros processos de ensino aprendizagem,

Leia mais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais A 796 Neuza Soraia Rodrigues Carvalhas Direito e Processual 729 Maria Teresa Barros Ferreira Direito e Processual 938 Rute Isabel Bexiga Ramos Direito e Processual 440 Inês Lopes Raimundo Direito e Processual

Leia mais

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca FONTES PARA A HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO: Vitória da Conquista e região A economia regional nas fontes da Justiça do Trabalho (1963-1965) SILVA, Danilo Pinto da 1 Email: danilohist@gmail.com Orientadora:

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870)

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) Thasley Westanyslau Alves Pereira * Marcelo Santos Rodrigues (Orientador) ** O projeto Levantamento de Fontes para

Leia mais

Walter de Mattos Lopes - UFF Orientador: Carlos Gabriel Guimarães - UFF

Walter de Mattos Lopes - UFF Orientador: Carlos Gabriel Guimarães - UFF Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 A Real Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 2ª DIVISÃO, 8ª SECÇÃO

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 2ª DIVISÃO, 8ª SECÇÃO DIRECÇÃO DE CULTURA E HISTÓRIA MILITAR ARQUIVO HISTÓRICO MILITAR SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 2ª DIVISÃO, 8ª SECÇÃO INVENTÁRIO DE DOCUMENTOS Lisboa 2007 FICHA TÉCNICA: Direcção de Cultura e História Militar Arquivo

Leia mais

As primeiras Aulas do Comércio do Brasil no Século XIX. Aluna Doutoramento: Wilde Gomes Araujo Orientadora: Prof.ª Dra. Lúcia Lima Rodrigues

As primeiras Aulas do Comércio do Brasil no Século XIX. Aluna Doutoramento: Wilde Gomes Araujo Orientadora: Prof.ª Dra. Lúcia Lima Rodrigues As primeiras Aulas do Comércio do Brasil no Século XIX. Aluna Doutoramento: Wilde Gomes Araujo Orientadora: Prof.ª Dra. Lúcia Lima Rodrigues LISBOA/2013 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL: Mostrar como se deu

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 Unidade 7 Nome: Data: 1. Leia o trecho a seguir e faça o que se pede. Depois de estabelecer colônias na África e chegar à Índia e à América, os navegadores

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S HISTÓRIA 2 a 1 - Este Caderno de Prova contém cinco questões, que ocupam um total de nove páginas, numeradas de 3 a 11.. Caso haja algum

Leia mais