SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL"

Transcrição

1 GERÊNCIA DE OPERAÇÕES VIÁRIAS TRANSERP Planejamento Viário SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL Eng. José Antônio S. Gonçalves 2006

2 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Cidade de RIBEIRÃO PRETO SP.

3 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Área total município Ribeirão o Preto: 627 km 2 Populaçã ção: habitantes ( censo IBGE 2000 ) Taxa de motorizaçã ção: ( proporçã ção o habitante/veículo ): 1,80 Infra-estrutura viária: Malha viária: Extensão o de vias pavimentadas: 1.739,0 km 1.690,0 km Interseçõ ções semaforizadas: 410

4 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Cidade de RIBEIRÃO PRETO, em 1949 SP. Fonte: Arquivo Oficial Pref.Municipal de Ribeirão Preto

5 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Cidade de RIBEIRÃO PRETO, em 2002 SP.

6 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Frota de veículos registrados: Tipo de Veículo Automóveis Motocicletas Utilitários Caminhões Ônibus Outros Total Taxa de motorização em Ribeirão Preto: 1,80 Proporção hab/veiculo Fonte: 15ª CIRETRAN

7 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Transporte por táxi: t Transporte coletivo urbano: 384 veículos Frota: 290 ônibus e 28 microônibus Atendimento: 80 linhas de ônibus e 28 rotas de Microônibus Passageiros transportados: passageiros / mês (média) Quilometragem percorrida: km / mês m s (média) Cidade de RIBEIRÃO PRETO ANO 2005 SP.

8 PLANEJAMENTO OPERACIONAL A administração e o gerenciamento do tráfego de veículos e pedestres, principalmente em áreas urbanas, exigem a adoção de procedimentos especiais, baseados na aplicação de técnicas específicas e na melhor organização dos recursos humanos e materiais disponíveis. CET /SP. A gestão operacional do tráfego urbano,, vem assumindo a cada ano maior importância estratégica na sobrevivência econômica das cidades, bem como na qualidade de vida de seus habitantes. ENTÃO, COMO SURGIU O PROBLEMA DE TRÂNSITO?

9 PLANEJAMENTO OPERACIONAL As cidades médias m brasileiras bem como as maiores do Brasil, assim como muitas grandes cidades de países em desenvolvimento, foram praticamente adaptadas nas últimas décadas para o uso eficiente do automóvel. Os deslocamentos humanos ocorrem em funçã ção o das necessidades das pessoas e estão o ligados a um motivo: trabalho, lazer, educaçã ção, etc. Esses deslocamentos se realizam por vários v modos de transportes,, desde o mais simples, andar a pé, p, até o mais complexo, veículo motorizado de grandes proporçõ ções.

10 Estruturação Intra-urbana Atividades Humanas nas Cidades Trabalhar Diversão o e Recreaçã ção Alimentação, Saúde, Governo. Habitaçã ção Circulação Urbana Tipo de construção e intervenção humana no espaço intra-urbano Fábricas, escritórios, rios, oficinas, etc. Parques, Cinemas, Clubes, etc. Mercados, Escolas, Hospitais, Teatros, Repartiçõ ções Públicas, P Prisões, etc. Residências e Prédios de Apartamentos, etc. Avenidas, ruas, estradas, etc.

11 PLANEJAMENTO OPERACIONAL A quantidade de viagens e a distribuiçã ção o modal estão o ligadas às s características das pessoas e dos seus núcleos n familiares: renda, idade, escolaridade, posiçã ção o no mercado de trabalho, gênero (homem ou mulher) etc. (SPINELLI, 1999).

12 PLANEJAMENTO OPERACIONAL O crescimento considerável da frota de veículos do tipo automóvel em relaçã ção o a outros tipos de veículos e frotas, ocasionou-se se problemas comuns nas cidades brasileiras em face ao transporte urbano, de acordo com (PIRES et al., 1999), dentre alguns se destacam: - queda na mobilidade e na acessibilidade; -degradação o das condiçõ ções ambientais e comprometimento da qualidade de vida; - congestionamentos crônicos; - altos índices de acidentes de trânsito nsito; ; dentre outros.

13 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Ano Veículos inclusive (Motos) População (milhões) total urbana % urbana Hab/veículo Ref: : Ministério dos Transportes (1970 e 1990) para dados de veículos e IBGE (1996) para dados de populaçã ção;

14 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Ribeirão Preto apresenta em 2000, cerca de 98% de sua população vivendo na região urbana; Apresenta um alto índice de motorização (Hab/veículos) : 1,80 Cidade com grande diversidade de prestação de serviços, atraindo uma gama enorme de pessoas; Grandes pólos geradores de tráfego (Hospitais, escolas, Universidades, Shopping Centers, etc); Aumento e ou grande número de acidentes de trânsito em suas vias urbanas.

15 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Evolução anual de número de acidentes Acidentes de trânsito Sem vítimas Com vítimas não pedestres Atropelamentos Total Ribeirão Preto Fonte: TRANSERP S/A

16 OCUPAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO Via com uma pista e estacionamento liberado em um dos lados.

17 OCUPAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO Via com uma pista, estacionamento liberado ambos os lados

18 OCUPAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO Avenida com duas pistas e canteiro central

19 DISPUTA DO ESPAÇO URBANO SINALIZAÇÃO VIÁRIA Engº José Antonio S. Gonçalves Ribeirão Preto Maio 2006

20 I. INTRODUÇÃO I.1. ASPECTOS LEGAIS Atribuição (Competência Legal) de Legislar sobre Trânsito: Contituição/1988:... Art.22: Compete privativamente à União legislar sobre: Inciso XI: trânsito e transportes Códigos de Trânsito: CTB-Código Brasileiro de Trânsito/1997: com vigência a partir de jan/1998 CONTRAN-Conselho Nacional de Trânsito: Resoluções complementares DENATRAN-Departamento Nacional de Trânsito: Órgão Executivo SNT-Sistema Nacional de Trânsito: integra todos os órgãos envolvidos Histórico: anterior (CNT-Código Nacional de Trânsito) de 1966 foi o que criou o CONTRAN, o DENATRAN, o SNT... codificação no Brasil entre pioneiras no mundo (1928,1941)

21 I.1. ASPECTOS LEGAIS (cont.) Sistema Nacional de Trânsito: composto pelos órgãos federais, estaduais e municipais de trânsito, rodoviários e de fiscalização, com atribuição específica e competência legal, suplementar, nos termos da legislação superior... Obs.: para integrar-se ao SNT, os municípios devem organizar a área de trânsito e submeter um pedido de autorização ao CETRAN do seu Estado

22 I.1. ASPECTOS LEGAIS (cont.) Definições Básicas: Via: superfície para trânsito de veículos, pessoas e animais (incluindo pista, acostamento, calçada, ilhas e canteiro central); Via Urbana: via em área urbana; Rodovia: via rural pavimentada; Estrada: via rural não pavimentada Pista: parte da via normalmente utilizada para circulação de veículos (Bordo da Pista: delineia a parte destinada à circulação de veículos, ie, a pista de rolamento); Acostamento: parte destinada à parada ou estacionamento de veículos em emergência ou circulação de pedestres e ciclistas na ausência de passeio; Canteiro Central: separador (físico ou sinalizado por marcas viárias) de duas pistas de rolamento Calçada: parte da via reservada ao trânsito de pedestres; Passeio: parte da calçada ou pista destinada à circulação de pedestres, eventualmente ciclistas (Ciclista empurrando a bicicleta: equiparado ao pedestre)

23 I.1. ASPECTOS LEGAIS (cont.) Requisitos Legais para a Sinalização de Trânsito: Nenhuma via pavimentada poderá ser entregue ou reaberta ao trânsito, enquanto não estiver devidamente sinalizada (vertical/horizontal) É proibido: colocar luzes, publicidade... que interfiram na visibilidade da sinalização nas vias públicas e nos imóveis; afixar publicidade... sobre a sinalização e respectivos suportes ou junto a ambos...

24 I.2. CONCEITO / DEFINIÇÃO SINALIZAÇÃO é o conjunto de sinais de trânsito e dispositivos de segurança colocados na via pública com o objetivo de garantir a sua utilização adequada, possibilitando melhor fluidez no trânsito e maior segurança dos veículos e pedestres que nela circulam. (Anexo I do CTB/1997) SINAIS DE TRÂNSITO são elementos de sinalização viária que se utilizam de placas, marcas viárias, equipamentos de controle luminosos, dispositivos auxiliares, apitos e gestos, destinados exclusivamente a ordenar ou dirigir o trânsito dos veículos e pedestres. (Anexo I do CTB/1997)

25 I.2. CONCEITO / DEFINIÇÃO (cont.) DISPOSITIVOS AUXILIARES: materiais de composições, formas, cores e refletividade diversos, aplicados em obstáculos, no pavimento da via ou adjacente à mesma. (Anexo II do CTB/1997) Res.160/04: São elementos aplicados ao pavimento da via, junto à ela ou nos obstáculos próximos, de forma a tornar eficiente e segura a operação da via, sendo constituídos de materiais, formas e cores diversos, dotados ou não de refletividade. DISPOSITIVO DE SEGURANÇA DISPOSITIVO DE SEGURANÇA qualquer elemento que tenha a função específica de proporcionar maior segurança ao usuário da via, alertando-o sobre situações de perigo que possam colocar em risco sua integridade física e dos demais usuários da via, ou danificar seriamente o veículo. (Anexo I do CTB/1997)... inclui dispositivos de proteção e outros...

26 PLANEJAMENTO OPERACIONAL

27 PLANEJAMENTO OPERACIONAL

28 I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA Classificação do CTB/1997 (Art.87): Verticais Horizontais Dispositivos de Sinalização Auxiliar Luminosos Sonoros Gestos do Agente de Trânsito e do Condutor Prevalência no CTB/1997 (Art.89): As ordens do Agente de Trânsito sobre as normas gerais de circulação e outros sinais As indicações do semáforo sobre os demais sinais e normas As indicações dos sinais sobre as demais normas gerais de trânsito

29 I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.) Tipos de Sinalização de Trânsito Sinalização Vertical (Placas): Sinalização Horizontal (Marcas): Sinalização Luminosa (Semáforos): Sinalização Vertical & Sinalização Horizontal de Regulamentação de Advertência de Indicação Longitudinais Transversais Símbolos e Inscrições de Regulamentação de Advertência Sinalização Estatigráfica Sinalização Temporária/de Obras V,H,L

30 I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.) Tipos de Dispositivos Auxiliares de Sinalização Dispositivos Delimitadores: Balizadores; Delineadores; H V Dispositivos de Canalização; H Dispositivos de Sinalização de Alerta; V Alterações nas Características do Pavimento; Dispositivos Luminosos; Dispositivos de Uso Temporário. H L V,H,L... Anexo II do CTB/1997 também inclui dispositivos de proteção contínua

31 I.4. FUNÇÕES DA SINALIZAÇÃO TAREFAS DO MOTORISTA Navegação: monitoração da localização do veículo ao longo da viagem, em relação a pontos referenciais; Direção: escolha de movimentos e conversões do veículo; Controle: balizamento do veículo em relação à via e aos demais veículos.

32 I.5. REQUISITOS FUNCIONAIS DA SINALIZAÇÃO RESPEITO: a sinalização deve conquistar o respeito do usuário CLAREZA: a mensagem deve ser de fácil identificação, sem ambigüidades; RAPIDEZ: o significado da mensagem não deve demandar muito tempo para ser percebido; CONSTÂNCIA: a transmissão da mensagem deve se fazer durante todo período de validade (dia, noite). UNIFORMIDADE: meio de atingir clareza e rapidez no entendimento (lógica, sinais, significado, aplicação, disposição e forma) LEGALIDADE: conformidade com o CTB, seus anexos, resoluções e portarias do CONTRAN, normas e recomendações técnicas existentes ECONOMIA: custos de implantação e manutenção

33 I.5. REQUISITOS FUNCIONAIS DA SINALIZAÇÃO (continuação) TTC - Sinalização de Áreas Escolares, DENATRAN

34 DEMANDAS NO SISTEMA VIÁRIO ALGUMAS DEMANDAS NA REGIÃO CENTRAL DO MUNICÍPIO Estacionamento de veículos de moradores na região central; Estacionamento de veículos de usuários do comércio local; Estacionamento de veículos de concessionárias de serviços de interesse público; Acesso a canteiros de obras - concretagem; Serviços de feiras livres; Transporte de combustíveis; Remoção de terra e ou entulho; Entrega de gases hospitalares; Imprensa coberturas jornalísticas; Coleta de lixo hospitalar; Obras nas vias centrais e logradouros públicos. Estacionamento de veículos de carga para mudanças residenciais e comerciais; Estacionamento de veículos para operação de carga e descarga de mercadorias;

35 CONTATO COM O AUTOR José Antonio da Silva Gonçalves Engenheiro Civil OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

Placas de regulamentação. R-4a Proibido virar à esquerda. R-8a Proibido mudar de faixa ou pista de trânsito da esquerda para direita

Placas de regulamentação. R-4a Proibido virar à esquerda. R-8a Proibido mudar de faixa ou pista de trânsito da esquerda para direita Sinalização Sinalização vertical Código de Trânsito Brasileiro (CTB) Anexo II Conselho Nacional de Trânsito (Contran) De acordo com sua função, a sinalização vertical pode ser de regulamentação, de advertência

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

NOVO SIMULADO DE SINALIZAÇÃO 2012

NOVO SIMULADO DE SINALIZAÇÃO 2012 1 O procedimento do pedestre diante da sinalização semafórica, identificada na cartela pelo código SS-07 é: a) Atenção; b) Pode seguir; c) Pare o veículo; d) Proibido a travessia; 2 São placas utilizadas

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO No Brasil a Engenharia de Tráfego evoluiu como um ramo da Engenharia a partir do final da década de 50, face ao aumento do processo de urbanização causado

Leia mais

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL É um subsistema da sinalização viária cujo meio de comunicação está na posição vertical, normalmente em placa, fixado ao lado ou

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Legislação de Trânsito 14, neste material. 115 Para

Leia mais

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes 21 3. Referenciais "Se a mobilidade física é condição essencial da liberdade, a bicicleta talvez tenha sido o instrumento singular mais importante, desde Gutenberg, para atingir o que Marx chamou de plena

Leia mais

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Secretaria de Infraestrutura UMA UNIDADE DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 05

PROJETO DE LEI Nº / 05 PROJETO DE LEI Nº / 05 DISPÕE SOBRE O USO DA BICICLETA E O SISTEMA CICLOVIÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Uberlândia, APROVA: Art. 1º. Esta lei regula o uso da bicicleta e o sistema

Leia mais

João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Bicicletas e ciclovias João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs O veículo Um prisma com: Largura: 1,0m Comprimento: 1,75m Altura: 2,25m Vantagens para saúde Ciclismo é um dos esportes aeróbicos

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

c Publicada no DOU de 2-9-2003.

c Publicada no DOU de 2-9-2003. RESOLUÇÃO DO CONTRAN N o 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de

Leia mais

POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! 2 o semestre de 2015

POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! 2 o semestre de 2015 2º semestre de 2015 POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 1 A Engenharia

Leia mais

Vamos começar pelas recomendações mais gerais e obrigatórias.

Vamos começar pelas recomendações mais gerais e obrigatórias. Normas gerais de circulação ABETRAN Detalhadas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) em mais de 40 artigos, as Normas Gerais de Circulação e Conduta merecem atenção especial de todos os usuários da

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

Í N D I C E PRÓLOGO 5

Í N D I C E PRÓLOGO 5 Í N D I C E PRÓLOGO 5 CAPÍTULO I - EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Trânsito e transporte II) EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Objetivos da educação e segurança para o trânsito A educação para o trânsito

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 5 Características do tráfego (cont.) fonte: revista 4 Rodas Publicidade, 1.962 5.1. Planejamento

Leia mais

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Infrações referentes a sinais, bloqueios e prioridades (Artigos 208 a 217 do CTB)

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Infrações referentes a sinais, bloqueios e prioridades (Artigos 208 a 217 do CTB) Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos Infrações referentes a sinais, bloqueios e prioridades (Artigos 208 a 217 do CTB) Art. 208. Avançar o sinal

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Rodízio. Critérios de Projeto Revisão 0. Volume 12

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Rodízio. Critérios de Projeto Revisão 0. Volume 12 Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Rodízio Critérios de Projeto Revisão 0 Volume 12 Fevereiro - 2014 Introdução Esta norma de projeto faz parte do Manual de Sinalização Urbana,

Leia mais

1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4

1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4 SUMÁRIO 1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4 2.1. Sinalização Vertical... 6 2.1.1. Sinalização de Regulamentação... 7 2.1.2. Sinalização de Advertência...

Leia mais

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO M. NAGAO 5060215720/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade

Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO M. NAGAO 5060215720/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade 0 EMISSÃO INICIAL 08/03/10 LG WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Coordenador de Projeto CREA / UF ENGº WILSON VIEIRA 060040558/SP Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO Sistema Nacional de Trânsito - Esquema Organizacional ESQUEMA Executivos Normativos Consultivos Coordenadores S.N.T De Trânsito De Rodoviárias Fiscalizadores Recursais Veículos CONTRAN: Máximo / Restrições

Leia mais

ANEXO I DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para efeito deste Código adotam-se as seguintes definições: ACOSTAMENTO - parte da via diferenciada da pista de

ANEXO I DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para efeito deste Código adotam-se as seguintes definições: ACOSTAMENTO - parte da via diferenciada da pista de ANEXO I DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para efeito deste Código adotam-se as seguintes definições: ACOSTAMENTO - parte da via diferenciada da pista de rolamento destinada à parada ou estacionamento de veículos,

Leia mais

Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus. Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU

Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus. Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus Marcos Bicalho dos

Leia mais

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. DISPÕE SOBRE A MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO E TRANSPORTE NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ALTO GARÇAS E CRIA O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO E A JUNTA ADMINISTRATIVA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. São Paulo, setembro de 2.007

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. São Paulo, setembro de 2.007 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO São Paulo, setembro de 2.007 2 CODIGO DE TRANSITO BRASILEIRO -PEDESTRES- INDICE 2 CAPITULO I (Artigos 1 a 4) sem citação de

Leia mais

ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO

ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano do Recife (SEMOC) Implantação 11 de dezembro,

Leia mais

PORTARIA Nº 407, DE 27 DE ABRIL DE 2011.

PORTARIA Nº 407, DE 27 DE ABRIL DE 2011. PORTARIA Nº 407, DE 27 DE ABRIL DE 2011. O DIRETOR SUBSTITUTO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições legais que lhe conferem os incisos I e XIII do artigo 19 da Lei nº

Leia mais

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo : Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Tema: Uma Agenda para a Mobilidade Urbana da Metrópole Planejamento Urbano, Mobilidade e Modos Alternativos de Deslocamento Engº Jaime

Leia mais

11 ideias para ciclovias mais seguras

11 ideias para ciclovias mais seguras 11 ideias para ciclovias mais seguras Legislação Política Nacional de Mobilidade Urbana A Política Nacional de Mobilidade Urbana é orientada pelas seguintes diretrizes: II prioridade dos modos de transportes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06)

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 160, DE 22 DE ABRIL DE 2004.

RESOLUÇÃO Nº 160, DE 22 DE ABRIL DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 160, DE 22 DE ABRIL DE 2004. Aprova o Anexo II do Código de Trânsito Brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN, usando da competência que lhe confere o art. 12, inciso VIII, da

Leia mais

ANEXO II 1.1. SINALIZAÇÃO DE REGULAMENTAÇÃO. Tem por finalidade informar aos usuários as condições, proibições, obrigações ou restrições no

ANEXO II 1.1. SINALIZAÇÃO DE REGULAMENTAÇÃO. Tem por finalidade informar aos usuários as condições, proibições, obrigações ou restrições no ANEXO II 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL É um subsistema da sinalização viária cujo meio de comunicação está na posição vertical, normalmente em placa, fixado ao lado ou suspenso sobre a pista, transmitindo

Leia mais

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO Uma responsabilidade de todos QUEM SOMOS A FUNDACIÓN MAPFRE, instituição criada em 1975 pela MAPFRE, desenvolve atividades de interesse geral na Espanha e em outros países

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta.

PALAVRAS-CHAVE: Campus universitário, Plano de mobilidade cicloviária, Fatores que incentivam o uso da bicicleta. Mobilidade cicloviária em Campus Universitário. Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 ; Suely da Penha Sanches 1 1: Universidade Federal de São Carlos, Rodovia Washington Luis, km 235 13565-905 São Carlos,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro;

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro; RESOLUÇÃO Nº 14/98 Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências. O Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN, usando da competência que lhe confere

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

O papel da mobilidade e da acessibilidade no Desenvolvimento de Aparecida de Goiânia

O papel da mobilidade e da acessibilidade no Desenvolvimento de Aparecida de Goiânia O papel da mobilidade e da acessibilidade no Desenvolvimento de Aparecida de Goiânia Os processos econômicos, tanto na fase de produção como na fase de consumo, são dependentes do deslocamento de cargas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

CIRCULAR 019/2008 AUTORIZAÇÃO ESPECIAL CADASTRAMENTO DOS VEÍCULOS EXCEPCIONALIZADOS PARA TRANSITAR NOS HORÁRIOS E FORMAS ESPECIFICADAS

CIRCULAR 019/2008 AUTORIZAÇÃO ESPECIAL CADASTRAMENTO DOS VEÍCULOS EXCEPCIONALIZADOS PARA TRANSITAR NOS HORÁRIOS E FORMAS ESPECIFICADAS São Paulo, 04 de Julho de 2.008. CIRCULAR 019/2008 AUTORIZAÇÃO ESPECIAL CADASTRAMENTO DOS VEÍCULOS EXCEPCIONALIZADOS PARA TRANSITAR NOS HORÁRIOS E FORMAS ESPECIFICADAS Portaria/SMT/GAB nºs 104 e 105 de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES MEMORIAL DESCRITIVO CADERNO Nº 04 Memorial Descritivo De

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009.

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Trânsito - CMT, órgão executivo de trânsito, vinculado à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, em conformidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), no que diz respeito às infrações, analise as assertivas a seguir. I. Confiar ou entregar a direção de veículo à pessoa

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mobilidade Urbana, Transporte não motorizado, Engenharia de Tráfego, Rio Paranaíba, Transportes.

PALAVRAS-CHAVE: Mobilidade Urbana, Transporte não motorizado, Engenharia de Tráfego, Rio Paranaíba, Transportes. Segurança viária em cidades de pequeno porte: Estudo em Rio Paranaíba MG. Luana Ferreira Borges¹; Vinícius Martins Vieira²; Camila Canhestro Guimarães³; Aline Monteiro dos Santos 4 ; Antônio José Prata

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE OBJETIVO DO PROGRAMA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE O objetivo do Programa de Proteção ao Pedestre, da Secretaria Municipal de Transportes SMT é criar a cultura de respeito ao pedestre, resgatando os

Leia mais

Plano de ações para segurança no corredor ferroviário

Plano de ações para segurança no corredor ferroviário Plano de ações para segurança no corredor ferroviário Fase 3 Elaboração das propostas Etapa 3.1, 3.2 e 3.4 Concepção, análise e detalhamento das propostas Página 1 de 10 Sumário 2.5. Plano de ações para

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos Infrações referentes ao estacionamento e às paradas (Artigos 181 a 183 do CTB) Art. 181. Estacionar o veículo:

Leia mais

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

Cód. 15 Analista Transporte e Trânsito Jr.

Cód. 15 Analista Transporte e Trânsito Jr. EMPRESA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DE CAMPINAS S/A EMDEC CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2007 Cód. 15 Analista Transporte e Trânsito Jr. 1. Na sinalização horizontal a linha simples secionada na cor amarela

Leia mais

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização 8. A sinalização Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do Manual de Direção Defensiva do DENATRAN Através da sinalização, os responsáveis pelo trânsito transmitem

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2011 Dezembro/2012 Relatório Geral 2011 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 28 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

Ver e ser visto no trânsito

Ver e ser visto no trânsito matéria de capa Ver e ser visto no trânsito CESVI realizou estudo para apontar as condições em que pedestres, motos e carros são mais bem visualizados à noite Por José Antonio Oka Segurança Viária Ver

Leia mais

PREÇO PÚBLICO PELA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA E REMOÇÃO DE LIXO EM IMÓVEIS NÃO RESIDENCIAIS COLETA E TRANSPORTE DE RESÍDUOS SÓLIDOS 120,00 160,00

PREÇO PÚBLICO PELA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA E REMOÇÃO DE LIXO EM IMÓVEIS NÃO RESIDENCIAIS COLETA E TRANSPORTE DE RESÍDUOS SÓLIDOS 120,00 160,00 DOM DE 29/12/2009 TABELA C do Dec. 20.505/09 PREÇO PÚBLICO PELA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA E REMOÇÃO DE LIXO EM IMÓVEIS NÃO RESIDENCIAIS ÍTEM DESCRIÇÃO UNIDADE VALOR UNITÁRIO (R$) 1 COLETA E TRANSPORTE

Leia mais

Caminhões A Experiência de São Paulo

Caminhões A Experiência de São Paulo TURBLOG Workshop Belo Horizonte, Setembro de 2011 Caminhões A Experiência de São Paulo Arq. Daphne Savoy A CET no Governo Municipal Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Transportes

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais

4. CRITÉRIOS GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

4. CRITÉRIOS GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 4. CRITÉRIOS GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA Este capítulo aborda um dos principais aspectos da sinalização semafórica, que é a decisão relativa à utilização ou não dessa sinalização

Leia mais

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE introdução Das temáticas de crise das grandes cidades nos dias de hoje, uma das questões mais contundentes é a mobilidade urbana. A cidade de São Paulo, metrópole que sofre

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a Política Nacional de Trânsito, seus fins e aplicação, e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando da competência

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

DECRETO Nº 254 DE 16 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 254 DE 16 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 254 DE 16 DE MARÇO DE 2015 Institui e regulamenta o Sistema de Estacionamento Rotativo Pago, nas vias e logradouros públicos do Município de Rio Branco e dá outras providências. O PREFEITO DO

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa) PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa) Altera a Lei nº LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997, tornando obrigatória por parte dos fabricantes, importadores e montadores de veículos, a inclusão

Leia mais

Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012

Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012 Rede Cicloviária Leblon. Rio de Janeiro 2012 Rede Cicloviária Leblon: O Leblon, passa por uma fase de intensas mudanças, com as obras da linha 4 do Metrô o trânsito do bairro sofreu e sofrerá várias alterações

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Mobilidade Urbana João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Aspectos conceituais Questões de mobilidade urbana Encaminhando soluções Aspectos conceituais Mobilidade urbana? É uma atividade

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação, sinalização e isolamento de obras e serviços

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação, sinalização e isolamento de obras e serviços PÁG. 1/16 1. OBJETIVO Estabelecer um padrão de sinalização, identificação e isolamento nas obras e serviços da Bahiagás, a fim de minimizar os riscos a das atividades em vias públicas, proteger os munícipes

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

Governo Estadual RS 509

Governo Estadual RS 509 1 - RODOVIAS / TRAVESSIA URBANA Governo Federal BR 158, BR 287 e BR 392 Governo Estadual RS 509 Governo Municipal Av. Helvio Basso 2 - MOBILIDADE URBANA Plano Diretor de Mobilidade Urbana TR está pronto.

Leia mais

Santa Cecília do Pavão

Santa Cecília do Pavão LEI N 759/2014 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIÁRIO DO MUNICÍPIO DE SANTA CECÍLIA DO PAVÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS; Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado do Paraná, aprovou e eu, José Sérgio Juventino,

Leia mais

Aplicação do dispositivo CAIXA DE SEGURANÇA (Safety Box) para Travessias de Pedestres em vias simples e mão dupla

Aplicação do dispositivo CAIXA DE SEGURANÇA (Safety Box) para Travessias de Pedestres em vias simples e mão dupla NT2162011 AplicaçãododispositivoCAIXADESEGURANÇA(SafetyBox)para TravessiasdePedestresemviassimplesemãodupla LuizAlbertoGonçalvesRebelo MarcosCézarZaccaria MarceloGuidolin MariaMargaridaNunesSobral 1 Apresentação

Leia mais

1 Educar para o Trânsito

1 Educar para o Trânsito PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão de Futuro: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

Manutenção e desenvolvimento das atividades da Secretaria. Atividade mantida. Manutenção da Limpeza pública Cidade Limpa

Manutenção e desenvolvimento das atividades da Secretaria. Atividade mantida. Manutenção da Limpeza pública Cidade Limpa LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO : Prestar serviços urbanos de utilidade pública visando proporcionar melhor qualidade de vida aos cidadãos. PROGRAMA:

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTES E MOBILIDADE URBANA PlanMob Município de Venâncio Aires

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTES E MOBILIDADE URBANA PlanMob Município de Venâncio Aires PLANO DIRETOR DE TRANSPORTES E MOBILIDADE URBANA PlanMob Município de Venâncio Aires LEI COMPLEMENTAR Nº 077/2014 Institui o Plano Diretor de Transportes e Mobilidade Urbana PlanMob, do, e determina outras

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

Prefeitura Municipal do Natal

Prefeitura Municipal do Natal Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Plano Plurianual 2010/2013 Programa Horizonte Público Objetivo: 8 Mobilidade e Cidadania Contínuo População do município

Leia mais

SOROCABA - DADOS ESTATÍSTICOS SOBRE ACIDENTES DE TRÂNSITO

SOROCABA - DADOS ESTATÍSTICOS SOBRE ACIDENTES DE TRÂNSITO 1 / 10 APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO Segundo dados apurados através do Censo - IBGE, Sorocaba possuia uma população de 586.311 habitantes no ano de 2010, com uma taxa de crescimento vegetativo de aproximadamente

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5.1 Placas de identificação Posicionam o condutor ao longo do seu deslocamento, ou com relação a distâncias, ou locais de destino. 5.1.1 Placas de identificação

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO outubro 2013 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Em atendimento à Lei Federal 12.587 Institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

Questões Comentadas Do Código de Trânsito Brasileiro Lei 9.503/97. 300 questões comentadas Do Código de Trânsito Brasileiro Lei 9.

Questões Comentadas Do Código de Trânsito Brasileiro Lei 9.503/97. 300 questões comentadas Do Código de Trânsito Brasileiro Lei 9. 300 questões comentadas 1 Para adquirir a apostila digital de 300 Do Código de Trânsito Brasileiro - Lei 9.503/97 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE POR E-MAIL ESSA

Leia mais

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS MOBILIDADE URBANA Na região Metropolitana de Florianópolis e o PLAMUS Superintendência da Região Metropolitana da Grande Florianópolis CIDADE DO AUTOMÓVEL CIDADE PARA PESSOAS RACIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO Espaço

Leia mais

Desenho de secções de infra-estrutura cicloviária

Desenho de secções de infra-estrutura cicloviária Desenho de secções de infra-estrutura cicloviária Eng. Jeroen Buis I-ce, Interface for Cycling Expertise (www.cycling.nl) buis_j@yahoo.com Curso Planejamento Cicloviário Dia 1 Rio de Janeiro, 26 de Novembro

Leia mais