Abril 2015 São Paulo, 19 de maio de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA NOVO SUPERÁVIT EM ABRIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abril 2015 São Paulo, 19 de maio de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA NOVO SUPERÁVIT EM ABRIL"

Transcrição

1 Abril 2015 São Paulo, 19 de maio de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA NOVO SUPERÁVIT EM ABRIL A balança comercial brasileira registou superávit de pouco mais de US$ 500 milhões em abril, próximo ao resultado do mês anterior. No entanto, o saldo no ano segue negativo, em US$ 5,1 bilhões. Tanto as exportações quanto as importações do Brasil mantiveram trajetória de queda nos quatro primeiros meses de 2015, de 16,4% e 15,9% respectivamente, na comparação interanual. O arrefecimento das trocas externas do Brasil ocorre de forma generalizada entre nossos principais parceiros. De janeiro a abril, dos dez países que juntos representaram quase 60% da corrente de comércio brasileira, México e Coreia do Sul apresentaram, respectivamente, a menor e maior queda nas trocas comerciais com o Brasil (5,8% e 23,7% na mesma ordem). Dentre os 10 principais produtos exportados pelo Brasil em 2015, apenas um item (aviões) é manufaturado. No grupo de produtos básicos, os embarques de óleos brutos de petróleo praticamente dobraram no quadrimestre (+94,5%), apesar da queda de 4% no valor das exportações. Nas importações, destaque também para a conta petróleo, com forte queda nas compras de óleos brutos de petróleo (29,9% em volume e 58,2% em valor) e óleos combustíveis (12,1 % em volume e 41,9% em valor). Com relação à balança de produtos manufaturados verifica-se, no acumulado do ano, uma tendência de enfraquecimento maior nas importações (-13,4%), frente às exportações (-10,5%). Com isso, o déficit do Brasil em manufaturados passou de US$ 37,3 em 2014 para US$ 31,6 bilhões nos quatro primeiros meses de 2015.

2 Evolução da Balança Comercial Brasileira (US$ bilhões) 19,7 19,2 20,8 20,0 20,5 18,1 Saldo Peso 23,0 21,5 20,5 19,3 19,6 20,6 18,3 19,5 15,6 18,1 17,5 17,2 13,7 16,9 12,1 14,9 17,0 16,5 15,2 14,7 0,5 0,7 Balança comercial por período Período Δ% Δ% Δ% Abril 15,2 19,7-23,2% 14,7 19,2-23,7% 0,5 0,5-3% Abr 57,9 69,3-16,4% 63,0 74,9-15,9% -5,1-5,6 9,1% Últimos 12 meses¹ 213,7 239,9-10,9% 217,3 237,0-8,3% -3,5 2,9-222% Balança comercial por fator agregado 2,3 1,6 1,2 ² Δ% anual Δ% anual Saldo (US$ bi) Δ% anual 25,9 33,9-23,6% 6,8 10,3-34,0% 19,1 23,6-19,0% Semi-Manufaturados 8,5 8,8-2,5% 2,2 2,2 0,2% 6,4 6,6-3,4% Manufaturados 22,4 25,0-10,5% 54,0 62,4-13,4% -31,6-37,3 15,4% Balança comercial por produto -0,9-1,2 (US$ bilhões) Saldo Abr/2015 PPE US$ mi Part. no Part. No PPI US$ mi total total Soja, mesmo triturada ,9% Partes e peças para veículos ,2% Minérios de ferro ,7% Óleos brutos de petróleo ,2% Óleos brutos de petróleo ,6% Medicamentos ,0% Café em grão ,5% Automóveis de passageiros ,9% Carne de frango ,2% Óleos combustíveis ,6% Açúcar, em bruto ,0% Gás natural liquefeito ,4% Farelo de soja ,0% Circuitos eletrônicos ,3% Celulose ,0% Partes p/ aparelhos de telefonia ,0% Carne de bovino ,3% Naftas ,9% Aviões 993,3 1,7% Gás natural ,7% Outros ,3% Outros ,9% Total % Total % Fonte: AliceWeb/MDIC ¹ Maio/14 a ²Exclusive Operações Especiais 01-2,4 0,3-3,2-2,8 0,5 0,5 abr/14 mai jun jul ago set out nov dez jan/15 fev mar abr/15

3 Composição por países de origem e destino País Δ% País 1º China ,6% 1º China ,0% 2º E.U.A ,7% 2º E.U.A ,7% 3º Argentina ,6% 3º Argentina ,0% 4º Países Baixos¹ ,7% 4º Alemanha ,0% 5º Alemanha ,2% 5º Coreia do Sul ,6% 6º Japão ,3% 6º Índia ,9% 7º Chile 1.183, ,5-28,2% 7º Japão ,9% 8º Índia 1.103, ,3-3,4% 8º Itália ,7% 9º Itália 1.096, ,2-19,7% 9º México ,1% 10º México 1.080, ,3-2,2% 10º França ,3% Total ,4% Total ,9% País (US$ mi) Corrente de Comércio (US$ mi) Δ% País 1º China ,5% 1º Países Baixos ,9% 2º E.U.A ,7% 2º E. Árabes 799,7 521,9 53,2% 3º Argentina ,7% 3º Hong Kong 582,9 790,9-26% 4º Alemanha ,1% 4º Venezuela 582,4 855,6-31,9% 5º Países Baixos ,4% 5º Irã 493,6 471,4 4,7% 6º Coreia do Sul ,7% 6º Egito 477,6 662,6-27,9% 7º Japão ,1% 7º Paraguai 443,4 697,3-36,4% 8º Índia ,0% 8º Argentina 439,1 280,8 56,4% 9º Itália ,7% 9º Aráb. Saudita 414,0-435,3 195,1% 10º México ,8% 10º Uruguai 408,7 22,1 ** Total ,1% Total ,1% Composição por origens e destinos União Europeia US$ 40,2 Bi Outros US$ 70,3 Bi 19% 12% 18% 33% 19% EUA US$ 26,6 Bi China US$ 36,2 Bi Am. Latina US$ 40,4 Bi União Europeia US$ 44,0 Bi Outros US$ 69,9 Bi (US$ mi) Saldo Comercial (US$ mi) 20% 15% 17% 32% Δ% Δ% Maio/14 a EUA US$ 33,0 Bi 16% China US$ 36,8 Bi Am. Latina US$ 33,6 Bi Fonte: AliceWeb/MDIC ¹Principal hub logístico da Europa **Variação superior a 1000% 02

4 Evolução da balança comercial de manufaturados (US$ bilhões) Saldo Peso 6,6 6,8 6,9 8,1 7,6 7,1 7,0 6,1 7,1 5,1 5,0 6,7 5,6 15,9 16,8 14,9 17,3 16,1 16,6 16,6 14,8 14,2 14,8 12,4 14,1 12,7 abr/14 mai jun jul ago set out nov dez jan/15 fev mar abr/15-9,3-10,1-8,0-9,2-8,4-9,5-9,6-8,7-7,1-9,7-7,4-7,4-7,0 Composição por países de origem e destino (US$ mi) (US$ mi) (US$ mi) País Δ% País Δ% 1º Estados Unidos ,4% 1º China ,4% 2º Argentina ,2% 2º Estados Unidos ,1% 3º Países Baixos¹ ,0% 3º Alemanha ,9% 4º México 929,8 984,0-5,5% 4º Argentina ,8% 5º Paraguai 742,2 977,2-24,0% 5º Coreia do Sul ,5% Total ,5% Total ,4% Corrente de Comércio (US$ mi) Saldo Comercial (US$ mi) (US$ mi) (US$ mi) País Δ% País Δ% 1º Estados Unidos ,0% 1º Argentina 914,8 603,4 51,6% 2º China ,7% 2º Paraguai 614,8 866,0-29,0% 3º Argentina ,1% 3º Bolívia 452,4 465,4-2,8% 4º Alemanha ,3% 4º Chile 427,0 449,1-4,9% 5º Coreia do Sul ,2% 5º Países Baixos¹ 423,6 753,3-43,8% Total ,6% Total ,4% Composição por origens e destinos (US$ mi) Maio/14 a Outros US$ 17,4 Bi ² Am. Latina US$ 31,3 Bi 22% 40% União Europeia US$ 13,5 Bi 17% EUA 19% US$ 15,3 Bi 2% China US$ 1,6 Bi União Europeia US$ 41,9 Bi 23% Outros US$ 51,1 Bi 28% 12% 17% 20% EUA US$ 30,8 Bi China US$ 35,9 Bi Am. Latina US$ 21,5 Bi Fonte: AliceWeb/MDIC ¹Principal hub logístico da Europa 03

5 China Balança comercial por fator agregado¹ Semi- US$ 4,8 bi 4% US$ 1,6 bi 13% 83% US$ 29,8 bi Maio/14 a Semi- US$ 0,1 bi US$ 0,8 bi 98% US$ 35,9 bi Estados Unidos Semi- US$ 5,1 bi ² US$ 15,3 bi US$ 5,8 bi 20% 22% 58% US$ 1,7 bi Semi- US$ 0,4 bi 5% 94% 1% US$ 30,8 bi América Latina US$ 31,3 bi US$ 7,7 bi 19% 77% 4% Semi- US$ 1,4 bi US$ 21,5 bi 64% Semi- US$ 2,5 bi 7% 29% US$ 9,6 bi União Europeia Semi- US$ 5,9 bi 15% 34% US$ 13,5 bi US$ 20,6 bi 51% Semi- US$ 1,3 bi US$ 41,9 bi 95% US$ 0,7 bi Fonte: AliceWeb/MDIC ¹ Participação no fluxo de comércio bilateral 04

6 Principais produtos exportados (PPE) Total 100% (US$ milhões) Variação Participação¹ Valor Volume 100% ,4% 9,6% 44,7% ,6% 11,0% Soja, mesmo triturada 8,9% ,0% -24,3% Minérios de ferro e seus concentrados 8,7% ,1% 12,0% Óleos brutos de petróleo 6,6% ,0% 94,5% Café em grão 3,5% ,9% 3,3% Carne de frango 3,2% ,9% -1,0% Outros 14,0% ,2% 11,9% Semimanufaturados 14,8% ,5% 6,4% Açúcar, em bruto 3,0% ,8% -5,1% Celulose 3,0% ,3% 13,3% Produtos semimanufaturados de ferro ou aços 1,7% 966,6 865,0 11,7% 30,5% Ferroligas 1,5% 848,2 935,6-9,3% -30,3% Couros e peles depilados 1,4% 837,6 953,8-12,2% -15,1% Outros 4,2% ,1% 9,1% Manufaturados 38,7% ,5% -1,3% Aviões 1,7% 993,3 939,3 5,7% -1,2% Óxidos e hidróxidos de alumínio 1,5% 895,1 692,2 29,3% 10,6% Automóveis de passageiros 1,5% 869, ,0% -13,5% Partes e peças para veículos 1,3% 756,2 886,6-14,7% -12,0% Motores p/ veículos automóveis e suas partes 1,2% 673,0 761,4-11,6% 0,4% Partes de motores e turbinas p/ aviação 1,0% 564,9 413,8 36,5% -43,4% Açúcar refinado 1,0% 561,6 622,5-9,8% -1,4% Laminados planos de ferro ou aços 0,9% 532,2 376,4 41,4% 57,3% Polímeros plásticos 0,9% 498,9 597,3-16,5% 2,6% Máquinas e aparelhos p/ terraplanagem, etc 0,8% 484,9 612,4-20,8% -20,9% Motores, geradores e transformadores elétricos 0,8% 459,9 596,5-22,9% -7,6% Veículos de carga 0,8% 446,3 493,1-9,5% -7,4% Tubos de ferro fundido ou aço 0,7% 416,2 472,1-11,8% 13,3% Bombas e compressores 0,6% 369,2 429,8-14,1% -14,8% Papel e cartão 0,6% 362,4 378,8-4,3% -2,4% Outros 23,3% ,9% -8,6% ¹Participação sobre o total exportado no período de Janeiro a Abril de A soma das participações é inferior a 100% devido às Operações Especiais, não incluídas aqui. Fonte: AliceWeb/MDIC 05

7 Principais produtos importados (PPI) Total 100% (US$ milhões) Variação Participação¹ Valor Volume 100% ,9% -1,3% 10,8% ,0% -4,7% Óleos brutos de petróleo 3,2% ,2% -29,9% Gás natural 1,7% ,3% 3,3% Hulhas, mesmo em pó, não aglomeradas 1,3% 813,5 877,1-7,3% 11,2% Trigo, em grãos 0,7% 415,7 643,6-35,4% -19,9% Minérios de cobre e seus concentrados 0,5% 311,9 291,6 6,9% 22,8% Outros 3,5% ,1% 0,2% Semimanufaturados 3,5% ,2% -8,6% Cloreto de potássio 1,0% 600,1 607,6-1,2% -13,8% Catodos de cobre e seus elementos 0,7% 425,6 439,8-3,2% 13,6% Alumínio em bruto 0,3% 210,8 130,7 61,3% 42,5% Borracha sintética e borracha artificial 0,3% 165,6 231,9-28,6% -21,3% Celulose 0,2% 111,9 96,4 16,0% 10,9% Outros 1,1% 674,7 677,5-0,4% 7,9% Manufaturados 85,7% ,4% 2,7% Partes e peças para veículos 3,2% ,7% -18,8% Medicamentos para medicina humana e veterinária 3,0% ,8% -4,3% Automóveis de passageiros 2,9% ,6% -25,9% Óleos combustíveis 2,6% ,9% -12,1% Gás natural liquefeito 2,4% ,3 123,7% 220,9% Circuitos integrados e microconjuntos eletrônicos 2,3% ,4% -17,4% Circuitos impressos e partes p/ aparelhos de telefonia 2,0% ,3% 14,2% Naftas 1,9% ,3% 41,7% Partes de aparelhos transmissores ou receptores 1,5% 914, ,0% -40,5% Motores, geradores e transformadores elétricos 1,4% 892,4 988,8-9,8% 8,3% Intrumentos e aparelhos de medida, verificação, etc 1,4% 884, ,3% -7,3% Polímeros 1,3% 829,7 831,9-0,3% 6,7% Compostos heterocíclicos, seus sais e sulfonamidas 1,2% 754,2 793,1-4,9% -20,0% Veículos de carga 1,2% 749,7 868,1-13,6% -14,6% Rolamentos e engrenagens, suas partes e peças 1,2% 736,1 863,7-14,8% -5,1% Outros 56,3% ,0% -6,6% ¹Participação sobre o total importado no perído de Janeiro a Abril de Fonte: AliceWeb/MDIC 06

8 EQUIPE TÉCNICA Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP Presidente: Paulo Skaf Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior DEREX Diretor Titular: Thomaz Zanotto Gerente: Magaly M. Menezes Área de Negociações Internacionais e Estudos de Comércio Exterior Coordenador: José Luiz Pimenta Jr. Equipe: Fernando Marques, Juliana Pucci, Laura Gonçalves Bilbao, Vinícius Santos, Clarice Tambelli, Bernardo Hernandez e Bruno Freire. Endereço: Av. Paulista, 1313, 4º andar São Paulo/SP Telefone: (11) / 4493 Fax: (11)

Maio 2014 São Paulo, 27 de junho de 2014 EM MAIO, BALANÇA COMERCIAL REGISTROU MAIOR SALDO POSITIVO DO ANO

Maio 2014 São Paulo, 27 de junho de 2014 EM MAIO, BALANÇA COMERCIAL REGISTROU MAIOR SALDO POSITIVO DO ANO Maio 2014 São Paulo, 27 de junho de 2014 EM MAIO, BALANÇA COMERCIAL REGISTROU MAIOR SALDO POSITIVO DO ANO A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 712 milhões em maio, no segundo mês consecutivo

Leia mais

São Paulo, 16 de julho de 2013.

São Paulo, 16 de julho de 2013. São Paulo, 16 de julho de 2013. Junho 2013 Balança comercial tem resultado inesperado em junho: o resultado da balança comercial brasileira surpreendeu as expectativas para o mês de junho. O superávit

Leia mais

Em 2014, IED registra queda de 2,3%

Em 2014, IED registra queda de 2,3% São Paulo, 04 de fevereiro de 2015. Dezembro de 2014 Em 2014, IED registra queda de 2,3% O total de investimentos estrangeiros diretos (IED) que ingressou no Brasil em 2014 foi de US$ 62,5 bilhões, uma

Leia mais

Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED*

Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED* São Paulo, 29 de abril de 2015 Março de 2015 Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED* No primeiro trimestre de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil registraram um total

Leia mais

Fluxos de IED apresentam retração de 26,5% em 2015

Fluxos de IED apresentam retração de 26,5% em 2015 São Paulo, 30 de março de 2015 Fevereiro de 2015 Fluxos de IED apresentam retração de 26,5% em 2015 Entre os meses de janeiro e fevereiro de 2015, o ingresso acumulado de investimentos estrangeiros diretos

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi São Paulo, 31 de agosto de 2015 JULHO DE 2015 Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi Entre janeiro e julho de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$

Leia mais

Acumulado de IED até setembro é de US$ 41,8 bi

Acumulado de IED até setembro é de US$ 41,8 bi São Paulo, 04 de novembro de 2015 SETEMBRO DE 2015 Acumulado de IED até setembro é de US$ 41,8 bi Ao final do terceiro trimestre de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

Primeiro semestre registra retração no IED

Primeiro semestre registra retração no IED JUNHO DE 2015 Primeiro semestre registra retração no IED São Paulo, 29 de julho de 2015 No primeiro semestre de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil registraram um total de

Leia mais

Investimentos estrangeiros totalizaram US$ 48,3 bi até outubro

Investimentos estrangeiros totalizaram US$ 48,3 bi até outubro São Paulo, 04 de novembro de 2015 OUTUBRO DE 2015 Investimentos estrangeiros totalizaram US$ 48,3 bi até outubro Entre janeiro e outubro de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil

Leia mais

IED em Serviços se intensifica com a Copa do Mundo

IED em Serviços se intensifica com a Copa do Mundo São Paulo, 25 de junho de 2014. Maio de 2014 IED em Serviços se intensifica com a Copa do Mundo Até maio de 2014, o Brasil foi o destino de US$ 25,3 bilhões de investimentos estrangeiros diretos (IED).

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 7 7 de fevereiro de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 7 7 de fevereiro de 2007 M A C R O C H I N A Ano Nº 7 7 de fevereiro de 7 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Consolidado de. Em, a China registrou o maior crescimento anual

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Introdução a Agronegócios

Introdução a Agronegócios Introdução a Agronegócios Professor: Me. Claudio Kapp Junior juniorkapp@hotmail.com Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Pilares do Agronegócio Sustentabilidade Segurança Alimentar

Leia mais

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil Relação Econômica Bilateral e Ⅰ.Comércio Exterior e Os principais parceiros de intercâmbio comercial brasileiro são os, a e a. A presença do não é significativa comparando a esses países. As exportações

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Junho 2013 Panorama Econômico da Argentina: [pág. 02-03] Panorama do Comércio Bilateral: [pág. 03-04] Restrições Comerciais: [pág.

Junho 2013 Panorama Econômico da Argentina: [pág. 02-03] Panorama do Comércio Bilateral: [pág. 03-04] Restrições Comerciais: [pág. Junho 2013 Panorama Econômico da Argentina: o saldo comercial argentino de maio apresentou queda de 2,8% em relação ao mesmo mês de 2012. Ademais, observa-se uma redução das reservas internacionais argentinas,

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Março de 2012. Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil

Março de 2012. Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil Março de 2012 Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior Retorno do Investimento Brasileiro Direto Líquido se acentua no ano: Os dados apurados no mês de março, de US$ 5,0 bilhões, acentuaram

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

INFORMATIVO DO DEREX JANEIRO DE 2015

INFORMATIVO DO DEREX JANEIRO DE 2015 INFORMATIVO DO DEREX JANEIRO DE 2015 SUMÁRIO Sumário CONHEÇA O DEREX 1 PLEITOS DA INDÚSTRIA 1 Acompanhamento legislativo de matérias da indústria...1 Propostas para alavancar as exportações...1 ANÁLISE

Leia mais

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Irailton Silva Santana Júnior 1 Vinícius de Araújo Mendes 1 Introdução O presente relatório concentra a análise da economia brasileira

Leia mais

Investimentos estrangeiros registram leve recuo em 2013

Investimentos estrangeiros registram leve recuo em 2013 Dezembro de 2013 Investimentos estrangeiros registram leve recuo em 2013 Em 2013, o ingresso de investimentos estrangeiros diretos (IED) recuou 1,9% frente ao acumulado de 2012. Ao se decompor os fluxos,

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil, São Paulo 25 de outubro de 2010 O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO Dr. Ivan Ramalho, Secretário-Executivo Ministério

Leia mais

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil Brasil África do Sul Chile México Coréia do Sul Rússia Austrália Índia Suíça Turquia Malásia Europa China Argentina São Paulo, 26 de setembro de 2011. Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

IED cresce 6,9% no primeiro trimestre de 2014

IED cresce 6,9% no primeiro trimestre de 2014 São Paulo, 28 de abril de 2014 Março de 2014 IED cresce 6,9% no primeiro trimestre de 2014 O ingresso de IED no Brasil registrou US$ 14,2 bilhões no primeiro trimestre de 2014, o que representa uma elevação

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Resultados de Janeiro-Agosto/2015 US$ milhões FOB Exportação: -16,7% Importação: -21,3% Corrente: -19,0% Saldo: +US$ 7,092 bilhões Variação % em Valor, Preço e Quantum Janeiro

Leia mais

Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro semestre de 2007 11,9 11,1 11,1.

Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro semestre de 2007 11,9 11,1 11,1. M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 9 15 de agosto de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro semestre de 27 O crescimento do PIB chinês no primeiro

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50%

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50% dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13-870 -953-919 -937-1.015-601 -623-714 -780-780 -860-266 Novembro de edição n. 28 I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano:

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR GLOBAL BRASIL: janeiro-dezembro 2015

COMÉRCIO EXTERIOR GLOBAL BRASIL: janeiro-dezembro 2015 Secretaria-Geral ALADI/SEC/di 2668 12 de janeiro de 2016 COMÉRCIO EXTERIOR GLOBAL BRASIL: janeiro-dezembro 2015 Os fluxos globais do comércio exterior brasileiro contraíram-se significativamente em 2015

Leia mais

Raio-X dos Investimentos

Raio-X dos Investimentos Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior: Investimento líquido brasileiro no exterior foi negativo: No mês de abril de 2010 os investidores brasileiros internalizaram US$ 365 milhões. Entretanto,

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

COREIA DO SUL Comércio Exterior

COREIA DO SUL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO SUL Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Janeiro 2012 Perspectivas para a balança comercial da Argentina [pág. 02] Criação da Secretaria de Comércio Exterior

Janeiro 2012 Perspectivas para a balança comercial da Argentina  [pág. 02] Criação da Secretaria de Comércio Exterior Janeiro 2012 Perspectivas para a balança comercial da Argentina: a forte seca que atinge a Argentina poderá reduzir as exportações de commodities e aumentar a importação de energia, com reflexos importantes

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r?

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r? A CRISE MUNDIAL DOS ALIMENTOS: O que o Brasil pode fazer? Geraldo Barros USA: Inflation, Interest Rates, GDP Int rates Infl 12 14 16 18 6% 8% 1% GDP -4-2 2 4 6 8 1 198 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC BALANÇA COMERCIAL DE SC BALANÇA COMERCIAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES CATARINENSES 1 EXPORTAÇÕES CATARINENSES - DEZEMBRO/2015 As exportações catarinenses cresceram 1,10 no mês de dezembro de 2015 em relação

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo.

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Comércio exterior Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Janeiro 2015 Sindusfarma Gerência de Regulação de Mercados Índice Brasil...

Leia mais

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 Ano IV No 2 O nosso

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Gerência de Estudos Técnicos

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Gerência de Estudos Técnicos Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia (RACEB - 02//2015) JJullho dee 2015 - Fechamento 1º Semestre de 2015 Data de fechamento: 23.07.2015 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DA BAHIA

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior Welber Barral Junho 2012 Brasil: Acordos Internacionais Multilateral Agreements World Trade Organization Agreements. Regional and Bilateral Agreements MERCOSUR

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas NOTA TÉCNICA MERCOSUL* - Agronegócio, Eletrônica e TIC e Biotecnologia 2010-2014 * Mercado Comum do Sul, composto pela República Federativa do Brasil, República da Argentina, República do Paraguai, República

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

RÚSSIA Comércio Exterior

RÚSSIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC RÚSSIA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

RADIOGRAFIA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

RADIOGRAFIA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO RADIOGRAFIA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO Rio de Janeiro, 15 de janeiro de 2012 Av. General Justo, 335 4º andar Cep 20021-130 Rio de Janeiro Brasil Tel.: (21) 2544-0048 -

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

Fevereiro de 2012. Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil

Fevereiro de 2012. Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil Fevereiro de 2012 Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior Retorno do Investimento Brasileiro Direto Líquido ainda supera as saídas: O saldo líquido do IBD no acumulado dos dois primeiros meses

Leia mais

Defesa Comercial na Argentina: sumário das investigações em curso e medidas em vigor na Argentina contra produtos brasileiros [págs.

Defesa Comercial na Argentina: sumário das investigações em curso e medidas em vigor na Argentina contra produtos brasileiros [págs. Setembro 2013 Panorama Econômico da Argentina: entre janeiro e julho, o saldo comercial argentino apresentou queda de 27,8% em relação ao mesmo período de 2012. Diante da redução das reservas internacionais,

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 1 pico = 100 Valor de Mercado das Bolsas Mundiais pico 100 Atual 80 Japão 60 40 crise 1929 20

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

Setores - Produtos Importado

Setores - Produtos Importado Dados Setor Soma de 1996 Soma de 2007 Sementes 782,500.00 92,212,831.00 Cereais 34,227,662.00 9,718,570.00 Carnes - 9,364,400.00 Resíduos Metálicos 279,675.00 4,695,119.00 Leveduras 3,500.00 4,508,636.00

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA Expedições 4.646.753 4.957.528 4.954.299 4.099.667 4.771.584 1,4 16,4 Chegadas 8.054.468 8.367.508 8.594.931 6.813.091 7.886.527 0,4 15,8 Saldo -3.407.716-3.409.980-3.640.632-2.713.423-3.114.943 -- --

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Dezembro/2013 12.000 Gráfico 1 - Balança Comercial do Agronegócio

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 MERCADO INTERNACIONAL O Brasil teve uma performance impressionante na produção de carnes nos últimos anos: tornou-se o maior exportador

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

SONDAGEM ECONÔMICA DA AMÉRICA LATINA. Sondagem da América Latina

SONDAGEM ECONÔMICA DA AMÉRICA LATINA. Sondagem da América Latina SONDAGEM ECONÔMICA DA AMÉRICA LATINA Novembro, 2013 O QUE É A SONDAGEM IFO/FGV? Decisões econômicas são pautadas por avaliações a respeito da situação atual e na expectativa de comportamento futuro das

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

As mudanças que o Investment grade pode trazer para o setor agropecuário

As mudanças que o Investment grade pode trazer para o setor agropecuário As mudanças que o Investment grade pode trazer para o setor agropecuário JOSÉ VICENTE FERRAZ JULIANA MORETTI ANGELO 20 de Junho 2008 Investment Grade Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (milhões

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Gerência de Estudos Técnicos

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Gerência de Estudos Técnicos Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia (RACEB - 01//2015) Feeveerreeiirro dee 2015 - Fechamento de 2014 - Data de fechamento: 11.02.2015 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DA BAHIA Superintendência

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004 03 DE MAIO DE 2004 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA JANEIRO/ABRIL -

Leia mais

LIGA ÁRABE Comércio Exterior

LIGA ÁRABE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LIGA ÁRABE Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

O comércio exterior do Estado do Espírito Santo

O comércio exterior do Estado do Espírito Santo O comércio exterior do Estado do Espírito Santo 1 Introdução Lia Valls Pereira 1 Diego Silveira Maciel 2 A importância do comércio exterior para a economia brasileira aumentou no início do século XXI.

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos

Leia mais