Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil"

Transcrição

1 Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil Ricardo Paes de Barros DIPES/IPEA Rosane Mendonça UFF/IPEA Gostaríamos de agradecer a toda a nossa equipe no IPEA pelo excelente trabalho de assistência a este projeto. Julho de

2 Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil 1. Introdução e objetivos Esta nota investiga a estrutura salarial brasileira com base nas informações da Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) realizada em 1996/97. Três tipos básicos de diferenciais salariais foram analisados: (a) os diferenciais salariais decorrentes de diferenças em atributos produtivos, como escolaridade e experiência no mercado de trabalho e na empresa, (b) os diferenciais salariais originados pela discriminação por gênero ou cor e (c) os diferenciais salariais decorrentes da segmentação do mercado de trabalho, conseqüência da ocupação, ou do tamanho da empresa ou da localização geográfica. Toda a análise se restringe aos trabalhadores ocupados com salário positivo. Para este grupo de trabalhadores define-se como salário o rendimento do último mês no trabalho principal, dividido por quatro vezes o número de horas trabalhadas por semana. No caso do trabalhador por conta-própria ou empregador utiliza-se o rendimento líquido dos últimos trinta dias. No caso dos empregados opta-se, como rendimento, pelo salário bruto recebido no último pagamento, ajustado pela periodicidade de pagamento para se obter um valor mensal. A amostra da PPV consta de trabalhadores ocupados nos últimos sete dias. Deste total, entretanto, apenas (83%) tiveram salário positivo nos últimos trinta dias; estes constituíram a amostra utilizada na análise desta nota. 2. Diferenciais salariais devido a atributos produtivos Esta nota analisa a importância de três atributos produtivos sobre o nível salarial: (a) escolaridade, (b) experiência no mercado de trabalho e (c) experiência na empresa. Para se investigar o impacto destas características sobre o nível salarial estima-se duas regressões. Na primeira, procura-se explicar o nível salarial com base apenas em características do trabalhador, incluindo suas características produtivas e, também, não produtivas, como gênero e cor. Na segunda regressão considera-se igualmente variáveis que procurassem captar o impacto das diversas formas de segmentação do mercado de trabalho. 2

3 2.1. Diferenciais salariais devido a escolaridade A escolaridade nesta nota se mede pelo número de séries completadas com sucesso. A Tabela 1 apresenta a distribuição da escolaridade para a força de trabalho com salário positivo obtida a partir da PPV. A Tabela 1a sintetiza algumas das principais características dessa distribuição e revela uma escolaridade média desta população de 6,5 anos de estudo. A Tabela 1 mostra uma desigualdade educacional elevada com, por um lado, cerca de 13% dos trabalhadores sem qualquer escolaridade e, por outro, 11% possuindo alguma educação superior. Como resultado final a variância da escolaridade é de 21 e o desvio padrão de 4,6 anos de estudo, resultando num coeficiente de variação de 0,8. A Tabela 2 apresenta o ganho salarial médio da educação e revela que um ano a mais de escolaridade eleva os salários em 14%, quando as variáveis que procuram captar discriminação e segmentação no mercado de trabalho não são incluídas. Quando incluídas estas variáveis, este impacto da escolaridade declina para 10%. Este resultado esclarece que parte dos ganhos salariais decorrentes da educação advém de um maior acesso aos melhores postos de trabalho. Através da Tabela 2a, entretanto, percebe-se que os ganhos salariais com educação não são uniformes. O ganho salarial por ano de educação no nível fundamental se revela bem inferior aos ganhos com a educação secundária e, em particular, com a educação superior. No caso da educação fundamental, os ganhos aparecem maiores nas primeiras séries, e em particular na primeira, do que nas últimas. Os ganhos salariais se mostram igualmente extremamente sensíveis ao controle pela natureza dos postos de trabalho, indicando que uma das principais vantagens da educação fundamental é o acesso a postos de trabalho de melhor qualidade. A pequena sensibilidade dos salários à segunda etapa do ensino fundamental preocupa, uma vez que nesta região se concentra a maioria da expansão educacional hoje no Brasil. Um ano de escolaridade nesta região eleva o nível salarial em menos de 8%. No caso do ensino secundário e superior o impacto de um ano a mais de escolaridade é elevado, aproximando-se de 15% no caso do secundário e de 20% no caso do superior Diferenciais salariais devido a experiência no mercado de trabalho Como medidas de experiência no mercado de trabalho utiliza-se dois indicadores: (a) o fato do trabalho atual ser o primeiro e (b) quantos anos se passaram desde que a pessoa começou a trabalhar. Caso a pessoa tenha permanecido no mercado de trabalho 3

4 ininterruptamente, este segundo indicador representaria a sua experiência no mercado de trabalho. A Tabela 3 apresenta alguns parâmetros da distribuição da experiência no mercado de trabalho de acordo com a PPV e revela que tanto a experiência média como a mediana encontram-se em torno de 20 anos, com 75% das pessoas possuindo menos de 30 anos de experiência e 25% menos de 10 anos. Estes valores indicam um nível relativamente elevado para a experiência da população dada a sua estrutura etária e representam o resultado da entrada prematura no mercado de trabalho, onde 75% das pessoas ingressam com menos de 16 anos e mais da metade com menos de 14 anos. Quanto à proporção dos trabalhadores no primeiro emprego, a Tabela 3 indica que cerca de 19% encontram-se no seu primeiro emprego. A Tabela 4 apresenta o impacto destas duas variáveis (experiência no mercado de trabalho e o fato de se estar no primeiro emprego) sobre o nível salarial e mostra um impacto de se estar no primeiro emprego desprezível e estatisticamente não significante. Quanto ao impacto da experiência no mercado de trabalho, esta tabela revela que, inicialmente, o impacto é de cerca de 3% a 4% por ano adicional de experiência no mercado de trabalho. Entretanto, este impacto tende a declinar com a experiência do trabalhador, se anulando após 35 a 40 anos de experiência Diferenciais salariais devido a experiência na empresa Como medida de experiência na empresa emprega-se o tempo em que o trabalhador encontra-se na empresa atual. A Tabela 5 apresenta algumas características desta distribuição e revela que a mediana da distribuição é 3,5 anos, com 75% dos trabalhadores permanecendo na mesma empresa a menos de 10 anos e 25% a menos de 1,2 ano. A média da distribuição é muito elevada, 7,2, devido a alguns valores extremos. A Tabela 4 também apresenta o impacto de um ano a mais na empresa, além do impacto que representa em termos de maior experiência no mercado de trabalho. Esta tabela mostra que um a ano mais de experiência numa mesma empresa eleva os salários em 1% a mais do que se este ano adicional de experiência fosse alcançado no mercado de trabalho em outra empresa. Em suma, para um trabalhador com cerca de vinte anos de experiência no mercado de trabalho, um ano a mais de experiência numa dada empresa eleva seu salário em 2% devido ao acumulo de experiência geral e em 1% como conseqüência da experiência específica na empresa. 4

5 3. Diferenciais salariais associados a características adscritas A Tabela 6 apresenta a composição da população ocupada por gênero e cor. No que se refere a cor investiga-se o diferencial entre os brancos e amarelos, por um lado, e os pretos e pardos do outro. Esta tabela revela que este universo se compõe de 37% de mulheres e de 43% de não-brancos. A Tabela 7 apresenta os diferenciais por gênero e cor sem qualquer tipo de controle e utilizando dois tipos de controles. No primeiro caso, controla-se pelas características produtivas, ao passo que no segundo, tanto pelas características produtivas como pelas características dos postos de trabalho. Esta tabela revela que, em geral, sem qualquer tentativa de controle, as mulheres obtêm salários 25% inferiores aos dos homens e os não-brancos 64% inferiores aos dos brancos. Quando se introduz controles por características produtivas, i.e., quando se compara o salário de homens e mulheres e brancos e não-brancos com idênticas características produtivas observadas, o diferencial de salário se eleva, no caso das mulheres, para 34% e declina substancialmente no caso dos não-brancos para 29%. Estes movimentos decorrem do fato das mulheres serem, em média, mais escolarizadas do que os homens, ao passo que os não-brancos são menos escolarizados. Assim, enquanto diferenças em escolaridade explicam grande parte do diferencial de salário entre brancos e não-brancos, tal fato não se verifica no caso do diferencial salarial por gênero, já que as mulheres possuem uma escolaridade média superior a dos homens. Finalmente, quando se introduz controles para as características dos postos de trabalho, o diferencial, tanto por cor quanto por gênero, declina, indicando que tanto mulheres como não-brancos têm pior acesso aos melhores segmentos do mercado de trabalho. De fato, ao se incluir estes controles o diferencial por gênero declina de 34% para 28% ao passo que o diferencial por cor declina de 29% para 14%. No geral, os piores atributos produtivos e o pior acesso aos melhores segmentos do mercado de trabalho explicam grande parte do elevado diferencial salarial por cor. No caso do diferencial por gênero, entretanto, estes dois fatores operam em direções contrárias e, em conjunto, pouco explicam deste diferencial. 5

6 4. Diferenciais salariais entre segmentos do mercado de trabalho Quanto às características do posto de trabalho, investiga-se seis aspectos: (a) localização geográfica, (b) tamanho da empresa, (c) posição na ocupação, (d) condição de sindicalização, (e) local onde a atividade é realizada, e (f) característica sazonal da atividade. Ao se analisar os diferenciais salariais ao longo de cada uma destas dimensões, seguise três etapas. Em primeiro lugar, investiga-se o diferencial salarial bruto entre as categorias de cada dimensão sem procurar controlar por quaisquer diferenças. Em segundo, estima-se o diferencial entre as categorias controlando-se por diferenças nos atributos produtivos dos trabalhadores. Finalmente, em terceiro lugar, investiga-se o diferencial salarial entre as categorias controlando-se por diferenças nos atributos produtivos dos trabalhadores e nas características dos postos de trabalho Diferenciais salariais inter-regionais Com base na PPV torna-se possível investigar ao menos 10 extratos do mercado de trabalho das regiões Nordeste e Sudeste. A Tabela 8 apresenta a distribuição da população ocupada nestes 10 extratos e o salário médio em cada um destas regiões. Este último se revela mais baixo nas regiões rurais, em particular, no Nordeste. Em seguida, cerca de 40% acima, encontra-se a área urbana do Nordeste e as regiões metropolitanas de Fortaleza e Recife. Num terceiro plano, cerca de 40% acima do grupo anterior, surge a área urbana do Sudeste e a região metropolitana de Salvador. Num plano ligeiramente superior (10 a 20% acima) vêm as regiões metropolitanas de Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Por fim, com um nível salarial 30 a 40% superior ao grupo anterior, encontra-se a região metropolitana de São Paulo. Na Tabela 9 são apresentados os diferenciais de salário quando controles pelas características produtivas dos trabalhadores são introduzidos. A introdução destes controles reduz os diferencias a cerca da metade, mantendo-se entretanto a ordenação das regiões. Esta redução nos diferencias com a introdução de controles por características produtivas indica uma qualidade média dos trabalhadores nos piores segmentos do mercado de trabalho mais baixa. Finalmente, a introdução de controles para as características dos postos de trabalho reduzem ainda mais os diferencias salariais inter-regionais. Conforme revela a Tabela 9, apesar de uma redução importante nos diferenciais salariais, a ordenação permanece a mesma. Como resultado final, pode-se organizar os 10 mercados de trabalho podem ser organizados em três grupos. Com baixos salários encontram-se os mercados rurais, das regiões urbanas e 6

7 metropolitanas do Nordeste, exceto Salvador. Com salários entre 25% e 35% superiores estão Salvador e as áreas urbanas e metropolitanas do Sudeste, com exceção de São Paulo. Na região metropolitana de São Paulo os salários tendem a ser 30% mais elevados, mesmo quando se compara trabalhadores com idênticas características observadas em postos de trabalho também com características observadas idênticas Diferenciais salariais por tamanho da empresa Com base na PPV torna-se possível investigar o impacto do tamanho da empresa sobre o nível salarial utilizando-se a informação do número de pessoas que trabalham na empresa. Ao menos 8 tamanhos distintos podem ser analisados. A Tabela 8 apresenta a distribuição da população ocupada entre estes 8 extratos e o salário médio em cada um dos extratos. A partir desta tabela descobre-se que o salário médio cresce significativamente com o tamanho do estabelecimento, sendo mais de 80% mais elevado nas empresas com mais de 200 trabalhadores do que nas empresas com um único trabalhador. Quando controles para as características produtivas dos trabalhadores são introduzidos, os diferencias salariais por tamanho da empresa continuam a existir. Porém, como revela a Tabela 9, estes diferenciais são significativamente reduzidos a cerca de um terço do seu valor inicial, mostrando que trabalhadores mais qualificados tendem, com maior freqüência, a trabalhar em empresas maiores. Por fim, quando se controla tanto pelas características dos trabalhadores como dos postos de trabalho, os diferenciais salariais por tamanho da empresa crescem significativamente, passando de um terço para cerca da metade do diferencial inicial. Assim, trabalhadores com características observadas idênticas em postos de trabalho similares recebem salários 40% maiores, se trabalham em empresas com mais de 200 trabalhadores, do que obteriam em empresas com um único trabalhador Diferenciais salariais por posição na ocupação Com base na PPV pode-se identificar uma variedade de posições na ocupação. Esta nota se limita a investigar sete posições alternativas: (a) empregados sem carteira, (b) empregados com carteira, (c) funcionário público, (d) conta-própria com registro, (e) contaprópria sem registro, (f) empregador com registro e (g) empregador sem registro. A Tabela 8 apresenta a prevalência de cada uma destas possibilidades no universo de análise e o salário médio em cada um dos extratos. De acordo com a tabela, o salário médio é mais baixo nas 7

8 posições informais (empregados com carteira e trabalhadores por conta-própria sem registro). Num segundo nível vêm os empregados com carteira e empregadores sem registro. Em seguida, num terceiro nível, estão os trabalhadores por conta-própria com registro e os funcionários públicos. Por fim, com um nível de renda muito mais elevado do que os demais encontram-se os empregadores com registro. Quando controles para as características produtivas dos trabalhadores são introduzidos, os diferencias salariais por posição na ocupação declinam substancialmente. Porém, como revela a Tabela 9, a ordenação das categorias se altera ligeiramente. Uma vez introduzido os controles por qualificação, os funcionários públicos passam a receber salários inferiores aos dos empregados com carteira, se juntando, em termos salariais, ao grupo dos trabalhadores por conta-própria e empregados informais. Além disso, a introdução de controles faz com que o salário médio dos trabalhadores por conta-própria com registro passe a se assemelhar ao dos empregados com carteira. O salário médio dos empregadores com registro, entretanto, permanece acima daquele para os demais grupos. Por fim, quando se controla tanto pelas características dos trabalhadores como dos postos de trabalho os diferenciais salariais por posição na ocupação crescem significativamente. Os resultados encontrados revelam que trabalhadores com características observadas idênticas em postos de trabalho similares recebem salários menores quando empregados sem carteira ou funcionários públicos. Quando estes são empregados com carteira ou trabalhadores por conta-própria sem registro possuem salários medianos. Finalmente, quando estes são trabalhadores por conta-própria com registro ou empregadores recebem os maiores salários (cerca de 50% acima do salário dos empregados com carteira) Sindicalização e nível salarial Com base na PPV pode-se identificar se um trabalhador é sindicalizado ou não. A Tabela 8 apresenta a prevalência da sindicalização, revelando que apenas 20% dos trabalhadores estão associados a algum sindicato. Esta mesma tabela revela o diferencial de salário entre trabalhadores sindicalizados e não sindicalizados, indicando que o salário médio é mais de 90% superior entre os trabalhadores sindicalizados. Quando controles para as características produtivas dos trabalhadores são introduzidos, o diferencial salarial declina substancialmente, passando a ser apenas cerca de 1/3 do valor original, revelando que os trabalhadores sindicalizados tendem a ser mais qualificados do que os não sindicalizados. 8

9 Por fim, quando se controla tanto pelas características dos trabalhadores como dos postos de trabalho o diferencial salarial continua a declinar mas apenas ligeiramente, indicando que os postos de trabalho sindicalizados tendem a ser melhores do que os demais. No final, trabalhadores com características observadas idênticas em postos de trabalho similares recebem salários cerca de 23% maiores quando sindicalizados. 9

10 Tabela 1: Distribuição de escolaridade da força de trabalho com salário positivo Número de séries Não completadas com sucesso Acumulada Acumulada Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. 10

11 Tabela 1a: Características da distribuição de escolaridade da força de trabalho com salário positivo Característica Estimativa Média 6.5 Variância 21.0 Desvio-padrão 4.6 Coeficiente de variação 0.8 Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. 11

12 Tabela 2: Ganho salarial médio da educação Utilizando controles para características produtivas Utilizando controles para características produtivas e do posto de trabalho Educação p-valor Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. (%) 12

13 Tabela 2a: Ganho salarial por nível educacional Utilizando controles Utilizando controles para Nível educacional para características características produtivas produtivas e do posto de trabalho Educação fundamental 0 a a a Ensino secundário 8 a Ensino superior 12 a Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. (%) 13

14 Tabela 3: Características da distribuição da experiência no mercado de trabalho Característica Estimativa Experiência média (em anos) 21 Experiência mediana (em anos) 20 Proporção dos trabalhadores com menos de 30 anos de experiência 75 Proporção dos trabalhadores com menos de 10 anos de experiência 25 Proporção dos trabalhadores no primeiro emprego 19 Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. 14

15 Utilizando controles Utilizando controles para Variável para características características produtivas Mercado de trabalho Tabela 4: O impacto da experiência no mercado de trabalho, do fato de ser o primeiro emprego e da experiência na empresa sobre o salário do trabalhador produtivas p-valor e do posto de trabalho p-valor Experiência (exp) Experiência ao quadrado (exp^2) Primeiro emprego exp + 2.(exp^2).exp exp = 0 anos exp = 5 anos exp = 10 anos exp = 20 anos exp = 30 anos exp = 40 anos exp / 2.(exp^2) Empresa Experiência Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. 15

16 Tabela 5: Características da distribuição da experiência do trabalhador na empresa Característica Valor Experiência média (em anos) 7.2 Experiência mediana (em anos) 3.5 Proporção dos trabalhadores com menos de 10 anos de experiência na empresa 75.0 Proporção dos trabalhadores com menos de 1,2 ano de experiência na empresa 25.0 Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. 16

17 Tabela 6: Composição da população ocupada por gênero e cor Grupo Gênero Cor Percentual Homem 63.0 Mulher 37.0 Preto + pardo 42.8 Branco + amarelo 57.2 Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. 17

18 Gênero Tabela 7: Diferenciais salariais, controlados e não controlados, por gênero e cor Controlados por Não características características produtivas controlados produtivas e dos postos de trabalho Homem - Mulher Cor Brancos - não-brancos (%) Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. 18

19 Tabela 8: Composição da população ocupada por segmento do mercado de trabalho Segmento Percentual Salário médio Localização geográfica Região metropolitana Recife Salvador Fortaleza Rio de Janeiro Belo Horizonte São Paulo Nordeste rural Nordeste urbano Sudeste rural Sudeste urbano Tamanho da empresa Trabalha sozinho a 5 trabalhadores a 10 trabalhadores a 20 trabalhadores a 50 trabalhadores a 100 trabalhadores a 200 trabalhadores e mais trabalhadores Posição na ocupação Empregado sem carteira Empregados com carteira Funcionário público Conta-própria com registro Conta-própria sem registro Empregador com registro Empregador sem registro Condição de sindicalização Sim Não Local de realização da atividade Loja, escritório, galpão, fábrica, etc Local fixo em via pública No próprio domicílio Em outros domicílios Via pública, sem local fixo Transporte de pessoa ou carga Fazenda, sítio, chácara, etc Outros Característica sazonal da atividade Irregular Regular Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. 19

20 Tabela 9: Diferenciais salariais, controlados e não controlados, por segmento do mercado de trabalho Controlados por Segmento Não características características produtivas controlados p-valor produtivas p-valor e dos postos de trabalho p-valor Localização geográfica Região metropolitana Recife Salvador Fortaleza Rio de Janeiro Belo Horizonte São Paulo Nordeste rural Nordeste urbano Sudeste rural Sudeste urbano Tamanho da empresa Trabalha sozinho a 5 trabalhadores a 10 trabalhadores a 20 trabalhadores a 50 trabalhadores a 100 trabalhadores a 200 trabalhadores e mais trabalhadores Posição na ocupação Empregado sem carteira Empregados com carteira Funcionário público Conta-própria com registro Conta-própria sem registro Empregador com registro Empregador sem registro Condição de sindicalização Sim Local de realização da atividade Loja, escritório, galpão, fábrica, etc Local fixo em via pública No próprio domicílio Em outros domicílios Via pública, sem local fixo Transporte de pessoa ou carga Fazenda, sítio, chácara, etc Outros Característica sazonal da atividade Fonte: Construída com base nas informações contidas na Pesquisa sobre Padrões de Vida (PPV) de 1996/97. 20

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O comércio sempre foi considerado como porta de entrada para o mercado de trabalho sendo, assim, um dos principais setores econômicos em termos de absorção da população

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Indicadores Sociais Municipais 2010 Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Rio, 16/11/ 2011 Justificativa:

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO

DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO 535 DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO Rosycler Cristina Santos Simão (USP) 1. INTRODUÇÃO É de conhecimento geral que o Brasil destaca-se no cenário mundial como um dos

Leia mais

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura António Firmino da Costa Elsa Pegado Patrícia Ávila CIES-ISCTE 2008 BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes

Leia mais

racismo, a fato é que a pesquisa que ora publicamos revela que o quadro apenas se agravou.

racismo, a fato é que a pesquisa que ora publicamos revela que o quadro apenas se agravou. Página 1 de 15 Apresentação Com o objetivo de examinar o quadro atual da discriminação racial nas relações de trabalho, o INSPIR - Instituto Sindical lnteramericano pela Igualdade Racial, encomendou ao

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDA E POBREZA RURAL NO BRASIL SEGUNDO O GÊNERO: UMA ABORDAGEM REGIONAL COM OS RESULTADOS DA PNAD 2009

DESIGUALDADE DE RENDA E POBREZA RURAL NO BRASIL SEGUNDO O GÊNERO: UMA ABORDAGEM REGIONAL COM OS RESULTADOS DA PNAD 2009 DESIGUALDADE DE RENDA E POBREZA RURAL NO BRASIL SEGUNDO O GÊNERO: UMA ABORDAGEM REGIONAL COM OS RESULTADOS DA PNAD 2009 Ezequiel da Silva Calisto Faculdade de Ciências Econômicas Centro de Economia e Administração

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO ANO VI POPULAÇÃO E COMÉRCIO

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO ANO VI POPULAÇÃO E COMÉRCIO MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO ANO VI POPULAÇÃO E COMÉRCIO 2013 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO O objetivo principal deste estudo é investigar a utilização dos Meios Eletrônicos de pagamento e as percepções

Leia mais

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Camila Gomes de Souza Andrade 1 Denise Nunes Viola 2 Alexandro Teles de Oliveira 2 Florisneide

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

A Inserção da População do Rio de Janeiro no Mundo do Trabalho

A Inserção da População do Rio de Janeiro no Mundo do Trabalho A Inserção da População do Rio de Janeiro no Mundo do Trabalho Adriana Fontes Andréia Arpon Os efeitos da desaceleração da atividade econômica resultante da instabilidade internacional, elevação dos juros

Leia mais

BOLETIM TRABALHO NO COMÉRCIO Mulher Comerciária: Trabalho e Família

BOLETIM TRABALHO NO COMÉRCIO Mulher Comerciária: Trabalho e Família BOLETIM TRABALHO NO COMÉRCIO Mulher Comerciária: Trabalho e Família No ano do centenário da Declaração do Dia Internacional da Mulher e diante da importância feminina para a categoria comerciária, o DIEESE

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado

Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado Luiz Guilherme Dácar da Silva Scorzafave RESUMO - Esse artigo realiza uma análise descritiva

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI Indicadores CNI SONDAGEM ESPECIAL 64 Comércio Exterior Exportações ganham importância para indústria brasileira A queda na demanda doméstica e a desvalorização da moeda estão estimulando o aumento das

Leia mais

Educação Financeira no Brasil - abertura

Educação Financeira no Brasil - abertura Educação Financeira no Brasil - abertura Investimentos Fevereiro 2014 Pesquisa do SPC Brasil traça perfil dos brasileiros em relação a investimento; maioria prefere consumir a poupar. O brasileiro não

Leia mais

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização Suelen Moraes de Lorenzo 1 e-mail: suelen.lorenzo@gmail.com Amabriane da Silva Oliveira e-mail: amabriane@r7.com

Leia mais

Projeto 10Envolver. Nota Técnica

Projeto 10Envolver. Nota Técnica Nota Técnica Referência: Análise dos dados do componente Educação do Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios de 2013 (Atlas do Desenvolvimento Humano 2013, PNUD, IPEA, FJP) para os municípios incluídos

Leia mais

Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN

Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL CENTRO DE APOIO AOS MICROEMPREENDEDORES Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN Equipe: Iraê Cardoso, Isabela Almeida, Lilian Prado,

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

André Urani (aurani@iets.inf.br)

André Urani (aurani@iets.inf.br) Um diagnóstico socioeconômico do Estado de a partir de uma leitura dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE (1992-4) André Urani (aurani@iets.inf.br) Maceió, dezembro de 5 Introdução

Leia mais

Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais

Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais 1 Introdução A Estatística Espacial é uma área da Estatística relativamente recente, que engloba o estudo dos fenômenos em que a

Leia mais

Estudos. População e Demografia

Estudos. População e Demografia População e Demografia Prof. Dr. Rudinei Toneto Jr. Guilherme Byrro Lopes Rafael Lima O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1991, divulga anualmente uma base com a população dos

Leia mais

a) No Projeto d) Em sua residência b) No Escritório da UNESCO e) Outros c) No Escritório Antena

a) No Projeto d) Em sua residência b) No Escritório da UNESCO e) Outros c) No Escritório Antena REQUERIMENTO PARA PUBLICAÇÃO DE EDITAL DE PESSOA FÍSICA Parte A INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO Preenchimento do Formulário 1. Parte B2 A vaga cuja lotação seja no Escritório UNESCO ou Antena deve ser conduzida

Leia mais

Critérios utilizados pelas empresas para fazer o provisionamento (RM) por porte Processos e ações trabalhistas em curso

Critérios utilizados pelas empresas para fazer o provisionamento (RM) por porte Processos e ações trabalhistas em curso PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA PASSIVO TRABALHISTA, CONDIÇÕES DE TRABALHO E TRABALHADORES TERCEIRIZADOS Setembro/2010 OBJETIVO: Esta pesquisa tem como objetivo avaliar o controle de geração de passivo

Leia mais

AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO

AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam ligeira redução da taxa de desemprego e

Leia mais

Bem-estar, desigualdade e pobreza

Bem-estar, desigualdade e pobreza 97 Rafael Guerreiro Osório Desigualdade e Pobreza Bem-estar, desigualdade e pobreza em 12 países da América Latina Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, México, Paraguai, Peru,

Leia mais

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL I. ENQUADRAMENTO A pobreza e a desigualdade na distribuição de rendimentos são problemas que persistem na sociedade portuguesa,

Leia mais

J.I.T. - Just In Time

J.I.T. - Just In Time Publicação Nº 1-2 Dezembro 2009 J.I.T. - Just In Time PONTOS DE INTERESSE: Vantagens e desvantagens 5 S SMED Kanban Just In Time (JIT) é uma filosofia Global de produção, com origem oriental, que consiste

Leia mais

FATOS RELEVANTES SOBRE A DISTRIBUIÇÃO da RENDA no BRASIL. Rodolfo Hoffmann Junho de 2014

FATOS RELEVANTES SOBRE A DISTRIBUIÇÃO da RENDA no BRASIL. Rodolfo Hoffmann Junho de 2014 FATOS RELEVANTES SOBRE A DISTRIBUIÇÃO da RENDA no BRASIL Rodolfo Hoffmann Junho de 2014 Observação discrepante em 2012 São utilizados dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

MOQ-14 Projeto e Análise de Experimentos

MOQ-14 Projeto e Análise de Experimentos Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MOQ-14 Projeto e Análise de Experimentos Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br Regressão Linear

Leia mais

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. E-mail: renatachequer@yahoo. com.br. 2

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. E-mail: renatachequer@yahoo. com.br. 2 AVALIAÇÃO DO PERFIL DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS DE TRABALHO EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÃO NA CIDADE DE VIÇOSA, MG Renata Chequer de Souza 1, Veydiana Costa Condé 2, Rayane Terezinha Teixeira 3, Cristiane

Leia mais

Education at a Glance: Indicadores OCDE 2012

Education at a Glance: Indicadores OCDE 2012 COUNTRY NOTE Education at a Glance: Indicadores OCDE 2012 BRASIL Dúvidas podem ser enviadas para: Andreas Schleicher, Assessor do Secretário-Geral sobre Política de Educação, Vice-Diretor de Educação E-mail:

Leia mais

Aula 3 MODALIDADES DO CONTRATO DE TRABALHO

Aula 3 MODALIDADES DO CONTRATO DE TRABALHO Aula 3 MODALIDADES DO CONTRATO DE TRABALHO Prazo indeterminado: O contrato de trabalho comum. Não há prazo para seu encerramento. Prazo determinado: Contrato de trabalho com tempo determinado para sua

Leia mais

1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza

1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza 1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza 1) Arredonde os valores abaixo, para apenas dois algarismos significativos: (a) 34,48 m (b) 1,281 m/s (c) 8,563x10

Leia mais

Política de Valorização do Salário Mínimo: valor para 2016 é fixado em R$ 880,00

Política de Valorização do Salário Mínimo: valor para 2016 é fixado em R$ 880,00 Nota Técnica Número 153 - Dezembro de 2015 Atualizada em janeiro de 2016 Política de Valorização do Salário Mínimo: valor para 2016 é fixado em R$ 880,00 Salário mínimo de 2016 é de R$ 880,00 A partir

Leia mais

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014 Natália de Oliveira Fontoura Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Brasília, março de 2014 Apesar das conquistas das mulheres, são ainda observadas muitas desigualdades

Leia mais

DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL

DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL Felipe Gava SILVA 1 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade mostrar o que é a desigualdade social. A desigualdade social é resumida, em muitos com pouco e poucos com

Leia mais

PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Instituição Executora: Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional CEDEPLAR / UFMG Ministério

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 Convenção Coletiva de Trabalho, que entre si ajustam a FEDERAÇÃO NACIONAL DOS EMPREGADOS EM POSTOS DE SERVIÇOS DE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS DE PETRÓLEO - FENEPOSPETRO,

Leia mais

Avaliação do Risco Isolado

Avaliação do Risco Isolado Avaliação do Risco Isolado! O que é! Onde é utilizada! Análise de Sensibilidade! Análise de Cenários! Exemplos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados,

Leia mais

ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo

ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo SINDSAÚDE-SP 17/10/2008 COMPORTAMENTO DOS PREÇOS No período 2001-2008, presenciamos

Leia mais

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE -

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Elaboração: (SPM), Fundo de Desenvolvimento das Nações

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares 1 Rio de Janeiro, 17/01/2014 S I P D Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares O IBGE iniciou uma importante etapa no aprimoramento de seu sistema de pesquisas domiciliares, que propiciará maior eficácia

Leia mais

Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital. Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social

Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital. Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social Estrutura da Apresentação 1) O que é a Avaliação Econômica?

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

Resolução da Lista de Exercício 6

Resolução da Lista de Exercício 6 Teoria da Organização e Contratos - TOC / MFEE Professor: Jefferson Bertolai Fundação Getulio Vargas / EPGE Monitor: William Michon Jr 10 de novembro de 01 Exercícios referentes à aula 7 e 8. Resolução

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo SUMÁRIO EXECUTIVO O Produto Interno Bruto (PIB) do estado do Espírito Santo é calculado anualmente pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) em parceria com o Instituto eiro de Geografia e Estatística

Leia mais

O PROGRAMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PROJETOS SOCIAIS conta com a coordenação técnica da Gerência de Avaliação de Projetos do Itaú Unibanco.

O PROGRAMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PROJETOS SOCIAIS conta com a coordenação técnica da Gerência de Avaliação de Projetos do Itaú Unibanco. 1 2 O PROGRAMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PROJETOS SOCIAIS conta com a coordenação técnica da Gerência de Avaliação de Projetos do Itaú Unibanco. Equipe responsável pela avaliação: Itaú Unibanco: Lígia Vasconcellos

Leia mais

CATEGORIA 2 INICIATIVAS DE INOVAÇÃO

CATEGORIA 2 INICIATIVAS DE INOVAÇÃO ESAF Escola de Administração Fazendária CATEGORIA 2 INICIATIVAS DE INOVAÇÃO 3º Lugar 020I FERNANDO VENANCIO PINHEIRO* 26 Anos RIO DE JANEIRO - RJ SKYLOGS - Aplicativo Para Diário de Bordo Eletrônico *

Leia mais

Direitos dos Trabalhadores Domésticos na Irlanda

Direitos dos Trabalhadores Domésticos na Irlanda Direitos dos Trabalhadores Domésticos na Irlanda O que é um trabalhador doméstico? Em geral, de acordo com a legislação irlandesa, um trabalhador é definido como uma pessoa que exerce uma atividade vinculada

Leia mais

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação 33 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil,

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

Unidade 1: O Computador

Unidade 1: O Computador Unidade : O Computador.3 Arquitetura básica de um computador O computador é uma máquina que processa informações. É formado por um conjunto de componentes físicos (dispositivos mecânicos, magnéticos, elétricos

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1 Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 1 anos 1 Marcio Pochmann 2 São Paulo fevereiro de 2.7. 1 Texto preliminar, sujeito a modificações. Situação do jovem no mercado

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 03/2013 A década virtuosa: pobreza e desigualdade

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Renda Fixa Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI O produto O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é um título que gera um direito de crédito ao

Leia mais

Geografia População (Parte 2)

Geografia População (Parte 2) 1. Estrutura Etária: Geografia População (Parte 2) A Transição Demográfica corresponde à mudança no perfil de idade dos habitantes, engloba proporções de crianças, jovens/adultos, idosos, homens e mulheres.

Leia mais

Previdência Complementar no Brasil e seu Potencial de Crescimento VOCÊ

Previdência Complementar no Brasil e seu Potencial de Crescimento VOCÊ Previdência Complementar no Brasil e seu Potencial de Crescimento VOCÊ José Edson da Cunha Júnior Secretaria de Políticas de Previdência Complementar Sumário I Cenário Atual da Previdência Complementar

Leia mais

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Demonstração da composição e diversificação

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional sobem 0,1% em maio de 2016, acumulando alta de 2,0% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO Ano V Maio de 2011 Nº 8 INFORME ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação-AEPA Célula de Estudos e Pesquisas Macroeconômicas, Industriais

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº06

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº06 Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº06 Assunto: Noções de Estatística 1. Conceitos básicos Definição: A estatística é a ciência que recolhe, organiza, classifica, apresenta

Leia mais

Nome da Empresa: Check-List preenchido por: Data: Check-List de Madeira Controlada Política da Empresa Comentários Conformidade Uma política de comprometimento público foi elaborada declarando que a empre-

Leia mais

Consumo como alcance da felicidade Julho/2015

Consumo como alcance da felicidade Julho/2015 Consumo como alcance da felicidade Julho/2015 Seis em cada dez consumidores consideram-se felizes O estudo O consumo como alcance da felicidade, conduzido pelo SPC Brasil e Meu Bolso feliz, busca compreender

Leia mais

Organização da Disciplina. Técnicas de Negociação e Mediação. Aula 1. Contextualização. O Conflito. Instrumentalização

Organização da Disciplina. Técnicas de Negociação e Mediação. Aula 1. Contextualização. O Conflito. Instrumentalização Técnicas de Negociação e Mediação Aula 1 Prof. Me. Fernando Eduardo Mesadri Organização da Disciplina Conceitos de conflitos Dificuldades para lidar com os conflitos Movimentos de rompimento dos paradigmas

Leia mais

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Geral Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Indicador 1 - Compromisso Fundamental 1. A empresa, por meio de sua alta administração,

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 2 do livro de Taha (2008): Introdução O modelo de PL de duas variáveis Propriedades

Leia mais

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS ENTRADA DE DADOS - Convenção Coletiva de Trabalho 2013/2014 DATA BASE DA CATEGORIA: 01 de março I - REMUNERAÇÃO

Leia mais

1Por que o Sistema CNDL está promovendo uma reestruturação no seu modelo de governança?

1Por que o Sistema CNDL está promovendo uma reestruturação no seu modelo de governança? 1Por que o Sistema CNDL está promovendo uma reestruturação no seu modelo de governança? Porque o Sistema CNDL possui uma grande rede de representação do segmento varejista, com limitações que prejudicam

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

Para iniciantes os primeiros 90 dias:

Para iniciantes os primeiros 90 dias: CIRCULAR CONJUNTA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DATA BASE - NOVEMBRO DE 2013 O SINDICATO DA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA DE RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO, celebrou com os SINDICATOS DOS TRABALHADORES

Leia mais

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros?

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? José Luís Oreiro * O Banco Central do Brasil iniciou o recente ciclo de flexibilização da política

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas RISCO E RETORNO Aula 2 Retorno Total É a variação total da riqueza proporcionada por um ativo ao seu detentor. Fonte: Notas de Aula do Prof. Claudio Cunha Retorno Total Exemplo 1

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques. Prof. Ruy Alexandre Generoso

Conceitos de Gestão de Estoques. Prof. Ruy Alexandre Generoso Conceitos de Gestão de Estoques Análise Numérica Prof. Ruy Alexandre Generoso Cálculo do Nível N de Serviço Ótimo Nível de Serviço o (NS): Determinado nível n de estoque E. É a probabilidade de que a demanda

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013)

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Viçosa Minas Gerais Junho de 2013 1 DEMOGRAFIA BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA TABELA 1 Evolução

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2009 Duração: 2 horas Prova com consulta Questão 1 (Construção de modelo ER) Deseja-se projetar a base de

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Cidade

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF.

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. Sidney Figueiredo de Abreu¹; Arsênio Carlos Andrés Flores Becker² ¹Meteorologista, mestrando

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001009/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034284/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.010483/2015-40 DATA DO

Leia mais

EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA

EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA Cláudia Santos Silva (1), Américo Iorio Ciociola Júnor (2), José Mauro Valente Paes (2),

Leia mais

FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS

FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS Júlia Carla de Queiroz 1, Veronica Rodrigues de Mendonça 2, Ammanda Adhemer Albuquerque Bandeira 3, Etienne

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril 2016 2016 367 Prova 11º Ano de escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Dados das organizações:

Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Dados das organizações: 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Dados das organizações: Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015

PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015 POLÍTICA REMUNERATÓRIA 1. PISO DO MAGISTÉRIO 1.1. Reajuste de 31,78% no vencimento

Leia mais

Estatística Analítica

Estatística Analítica Teste de Hipótese Testes Estatísticos 2 Teste de Hipótese Testes Estatísticos 3 1 Teste de Hipótese Testes Estatísticos 4 Principais Testes: Teste Qui-quadrado Teste T de Student Teste ANOVA Teste de Correlação

Leia mais

2.2 Estruturar ação de oficina de integração com gestores, trabalhadores, usuários e familiares da RAPS, redes de saúde e rede intersetorial.

2.2 Estruturar ação de oficina de integração com gestores, trabalhadores, usuários e familiares da RAPS, redes de saúde e rede intersetorial. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. II Chamada para Seleção de Redes Visitantes

Leia mais

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados.

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados. O FEI que investe em Produtos Estruturados. UMA NOVA FORMA DE INVESTIR O BPI Alpha é o primeiro Fundo Especial de Investimento (FEI) do BPI e tem como objectivo principal dar aos clientes o acesso a uma

Leia mais