Profª Márcia Rendeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profª Márcia Rendeiro"

Transcrição

1 Profª Márcia Rendeiro

2 CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS

3 O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO DOS SÉCULOS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO E DE SEU SUJEITO Divisão técnica horizontal e vertical Trabalho em Equipe

4 Conjunto de pessoas com habilidades complementares, comprometidas umas com as outras pela missão comum, objetivos comuns e um plano de trabalho definido

5 Equipe de Saúde Bucal As transformações no processo de trabalho odontológico levaram à divisão social e técnica, alterando o perfil de uma prática antes centrada no CD, trabalhando isoladamente, para uma equipe de saúde bucal.

6 Objetivos Construir uma prática de melhor qualidade; Possibilitar um melhor atendimento ao usuário; Melhorar as condições de trabalho da equipe; Reduzir os riscos de exposição aos agentes de carga de trabalho.

7 Efetivamente capaz de promover a saúde bucal a saúde bucal é parte integrante e inseparável da saúde geral do indivíduo e está relacionada diretamente com as condições de saneamento, alimentação, moradia, trabalho, educação, renda, transporte, lazer, liberdade, acesso e posse de terra, aos serviços de saúde e à informação II CNSB (1993)

8 As características epidemiológicas, a magnitude e a qualidade das necessidades da população Referencial para a formação de recursos humanos É indispensável que as Instituições formadores e as empregadoras devem orientar suas missões institucionais à efetiva implantação e desenvolvimento do SUS

9

10 A evolução profissional no Brasil registra um aumento vertiginoso de profissionais e de faculdades de Odontologia, no entanto, isso não tem significado melhores condições de saúde bucal para a população brasileira. INEFICAZ, INEFICIENTE, ALTO CUSTO, ALTA COMPLEXIDADE, BAIXA COBERTURA, MERCANTILISTA, DIRECIONADA ÀS ELITES, MUTILADORA, CURATIVA

11 TIPOS: Cirurgião-Dentista ou Odontólogo Técnico em Saúde Bucal TSB Técnico em Laboratório de Prótese Dental TPD Auxiliar em Saúde Bucal ASB Auxiliar em Laboratório de Prótese Dental - ATPD

12 RECURSOS HUMANOS - Brasil Má distribuição no território nacional Concentração nos centros urbanos. Região Sudeste CD 61,87%

13 Recursos Humanos RJ CFO Categoria: CD Cirurgião-Dentista TSB - Técnico em Saúde Bucal 961 ASB - Atendente em Saúde Bucal Nº de Faculdades: 19 (42,62%)

14 Cirurgião-Dentista Histórico: evolução profissional Nível de formação: Universitário Requisito: 3º grau completo Duração do Curso: cerca de 4 a 5 anos Atribuição: Atenção Odontológica Integral Atualmente: Adaptação do currículo acadêmico à realidade epidemiológica, social e econômica do País.

15 CAMPO DA SAÚDE objeto CURA Produção do cuidado

16 Trabalho em Saúde Não se realiza sobre coisas ou objetos PESSOAS Matéria prima: usuário Instrumentos: tecnologias Trabalhador: Operador do cuidado Produto: Produção do cuidado

17 Resignificar o trabalho em saúde Autonomização do sujeito Princípio da Integralidade Intersetorialidade Interdisciplinaridade Trabalho em equipe Humanização vínculos

18 Perfil do CD formado Generalista, Humanista, Crítico, Reflexivo Atuar em todos níveis de atenção à saúde Exercício de atividades referentes à saúde bucal da população princípios éticos e legais; compreensão da realidade local; cultural e econômica.

19 A formação do CD deverá contemplar o sistema de saúde vigente do país, a atenção integral da saúde num sistema regionalizado e hierarquizado de referência e contra-referência e o trabalho em equipe. Diretrizes Curriculares Nacionais, 2002

20 Competências Gerais Atenção à Saúde apto a desenvolver ações de prevenção, proteção e reabilitação, tanto a nível individual quanto coletivo. Responsabilidade Resolução do problema

21 Competências Gerais Tomada de decisões uso apropriado, eficácia, custo-efetividade da força de trabalho, de medicamentos, de equipamentos, de procedimentos e de práticas avaliar Resolução do Problema decidir sistematizar

22 Competências Gerais Comunicação profissionais acessíveis e confiáveis paciente CD população Comunicação verbal, não verbal, habilidades de escrita e leitura, domínio de pelo menos uma língua estrangeira e tecnologias de informação.

23 Competências Gerais Liderança compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz.

24 Competências Gerais Administração e gerenciamento tanto da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e de informação Educação permanente aprender continuamente e proporcionar treinamento/estágios

25 Técnico em Saúde Bucal - TSB Histórico: evolução profissional Nível de formação: técnica ou de nível médio Requisito: 2º grau completo (2200 horas) Duração do Curso: 2 anos Atribuição: trabalho na boca com atividades reversíveis Supervisão direta para atividades clínicas

26 Técnico em Saúde Bucal - TSB Pessoal auxiliar que, sob supervisão direta do CD, executa ações reversíveis, tais como: Participar do treinamento e capacitação do ASB e de agentes multiplicadores das ações de promoção à saúde; Participar nas ações educativas, atuando na promoção da saúde e na prevenção de doenças; Participar na realização de estudos epidemiológicos, exceto na categoria de examinador; Ensinar técnicas de higiene oral e realizar a prevenção de doenças bucais por meio de aplicação tópica de flúor, conforme orientação do CD; Fazer a remoção do biofilme, de acordo coma indicação técnica definida pelo CD; Supervisionar, sob alegação do CD, o trabalho dos ASB; Realizar fotografias e tomadas de uso odontológicos exclusivamente em consultórios ou clínicas odontológicas;

27 Inserir e distribuir no preparo cavitário materiais odontológicos na restauração dentária direta, vedado o uso de materiais e instrumentais não indicados pelo CD; Proceder limpeza e anti-sepsia de campo antes e após os atos cirúrgicos, inclusive em ambientes hospitalares; Aplicar medidas de biossegurança no armazenamento, manuseio e descarte de produtos e resíduos odontológicos; Realizar isolamento do campo operatório; Exercer todas as competências no âmbito hospitalar, bem como instrumentar o CD em ambientes clínicos e hospitalares;

28 É vedado ao TSB: Exercer atividade autônoma; Prestar assistência direta ou indiretamente ao paciente sem a supervisão do CD; Realizar tarefas fora de suas atribuições; Fazer propaganda dos seus serviços, mesmo em revistas, jornais e folhetos especializados da área odontológica.

29 Auxiliar em Saúde Bucal ASB Nível de formação: auxiliar ou de nível primário Requisito: 1º grau completo Duração do Curso: 600 a 800 horas Atribuição: Apoiar o CD/THD, sem autorização para operar diretamente na cavidade bucal.

30 Inscrição do ASB 01/01/2004 A inscrição mediante declaração do CD terá a duração de 1 ano, prorrogável por igual período. Definitiva- após apresentação de certificado de qualificação básica, emitido por estabelecimento de ensino, autorizado pelo MEC. 01/01/2006 registro e inscrição de ACD após apresentação de certificado de qualificação profissional

31 ASB FUNÇÕES: Organizar e executar ações de higiene bucal; Processar filme radiográfico; Preparar o paciente para ao atendimento; Auxiliar e instrumentar CD/TSB nas intervenções clínicas, inclusive em ambientes hospitalares; Manipular materiais de uso odontológico; Selecionar moldeiras; Preparar modelos em gesso;

32 Registrar dados e participar da análise das informações relacionadas ao controle administrativo em saúde bucal; Executar limpeza, assepsia, desinfecção e esterilização do instrumental, equipamentos odontológicos e do ambiente de trabalho; Realizar o acolhimento do paciente nos serviços de saúde bucal; e Adotar medidas de biossegurança visando o controle de infecção.

33 É vedado ao ASB: Exercer atividade autônoma; Prestar assistência direta ou indiretamente ao paciente sem a supervisão do CD ou do TSB Realizar tarefas fora de suas atribuições; Fazer propaganda dos seus serviços, mesmo em revistas, jornais e folhetos especializados da área odontológica.

34 O TSB e o ASB tem como obrigações: Registro no CFO Inscrição no CRO Pagamento de anuidade CRO

35 Técnico em Laboratório de Prótese Dentária TPD Nível de formação: Técnica ou de nível médio Requisito: 2º grau completo Duração do Curso: 2200 horas de ensino teórico-prático Atribuição: Sob orientação do CD, executa a confecção mecânica dos trabalhos de prótese.

36 Ao TPD é vedado: Prestar, sob qualquer forma, assistência direta a clientes; Manter, em sua oficina, equipamento e instrumental específico de consultório dentário; Fazer propaganda de seus serviços ao público em geral

37 Atribuições do TPD Executar a parte mecânica dos trabalhos odontológicos; Administrar laboratórios de prótese odontológica; Ser responsável, perante o CRO/CFO, pelo cumprimento das disposições legais que regem a profissão; Ser responsável pelo treinamento de auxiliares e serventes do laboratório de prótese odontológica.

38 Auxiliar de Prótese Dentária ATPD Nível de formação: auxiliar ou de nível primário Requisito: 1º grau completo Duração do Curso: mínimo de 300 horas Atribuição: Sob orientação do protético, auxilia na confecção mecânica dos trabalhos de prótese odontológica.

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB)

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO CARGA HORÁRIA: 1.200 HORAS COM ESTÁGIO DURAÇÃO : 2 ANOS PERIODICIDADE: SEMANAL (2ª, 3ª E 4ª) HORÁRIO DAS AULAS: 19H AS 21H INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003 Regulamenta o exercício das profissões de Técnico em Saúde Bucal - TSB e de Auxiliar em Saúde Bucal ASB.

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação

Leia mais

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde Trabalho em Saúde Economia globalizada transforma o trabalho afeta os meios e as relações de trabalho substituindo trabalho individual trabalho

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2.

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2. COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2.489, de 2003) Regulamenta o exercício das profissões de Técnico em Higiene

Leia mais

NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO

NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO 1. JUSTIFICATICAS Com a Globalização da Economia e a competitividade a cada dia mais presente no mercado

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) Regulamenta o exercício das profissões detécnico em Higiene Dental e de Atendente de Consultório Dentário. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ - SP

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ - SP PROTOCOLO Nº 1931/2014 - S.O.: 05/11/2014 Fls. 01/11 1) Indico a ALTERAÇÃO DA NOMENCLATURA DO CARGO DE AUXILIAR DE CONSULTÓRIO DENTAL (ACD) PARA AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL (ASB), adequando à Lei Federal nº

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DOS MEMBROS DAS EQUIPES DE AB I - Participar do processo de territorialização e mapeamento da área de atuação da equipe, identificando grupos, famílias e indivíduos

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01 RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01 A Associação Beneficente de Saúde ASBESAAN, entidade de direito privado e sem fins lucrativos, qualificado como Organização Social, através do Decreto

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI (Sra. Fátima Bezerra PT/RN)

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI (Sra. Fátima Bezerra PT/RN) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI (Sra. Fátima Bezerra PT/RN) Regulamenta o exercício das profissões de Técnico em Saúde Bucal (TSB) e de Auxiliar em Saúde Bucal (ASB). O CONGRESSO NACIONAL DECRETA:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

INSCRIÇÃO DE CLÍNICA, LABORATÓRIO DE PRÓTESE DENTÁRIA E ENTIDADES PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA ( EPAO) ( ) CLÍNICA ( ) MATRIZ

INSCRIÇÃO DE CLÍNICA, LABORATÓRIO DE PRÓTESE DENTÁRIA E ENTIDADES PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA ( EPAO) ( ) CLÍNICA ( ) MATRIZ INSCRIÇÃO DE CLÍNICA, LABORATÓRIO DE PRÓTESE DENTÁRIA E ENTIDADES PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA ( EPAO) ( ) CLÍNICA ( ) MATRIZ ( ) LABORATÓRIO ( ) FILIAL ( ) EPO (DENTAL) TIPO ( ) ISENTO ( )

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO

CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO E-mail: odontologia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 228 Objetivos do Curso Formar Odontólogo para atuar em todos os níveis de atenção

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Cirurgião dentista, profissional generalista, com sólida formação técnico-científica,

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 055/2013. PRCI nº 099.494 Tickets nº 282.274, 286.996, 290.861, 291.178, 293.283, 293.332, 293.370, 300.038, 307.

PARECER COREN-SP CT 055/2013. PRCI nº 099.494 Tickets nº 282.274, 286.996, 290.861, 291.178, 293.283, 293.332, 293.370, 300.038, 307. PARECER COREN-SP CT 055/2013 PRCI nº 099.494 Tickets nº 282.274, 286.996, 290.861, 291.178, 293.283, 293.332, 293.370, 300.038, 307.669 Ementa: Limpeza, desinfecção e esterilização de material odontológico:

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Proteção e prevenção SUBFUNÇÃO: SEGURANÇA NO TRABALHO E BIOSSEGURANÇA

Leia mais

Locais de trabalho: UBS da região de Capela do Socorro e Parelheiros

Locais de trabalho: UBS da região de Capela do Socorro e Parelheiros Edital do Processo Seletivo de Auxiliar de Consultório Dentário ACD e Técnico em Higiene Dental THD para compor a Equipe de Saúde Bucal do Programa Saúde da Família 2009 Obedecendo à Portaria nº 892/04,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. O Presidente

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

Sumário. Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Odontologia do Paraná

Sumário. Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Odontologia do Paraná Sumário A Importância da Responsabilidade Técnica... 1 1.. Quem pode assumir a função de Responsável Técnico?... 2 2.. Um TPD (Técnico em Prótese Dentária) pode ser responsável técnico por um estabelecimento

Leia mais

Edital do Processo Seletivo de Cirurgião Dentista para o Programa Saúde da Família 2008

Edital do Processo Seletivo de Cirurgião Dentista para o Programa Saúde da Família 2008 Edital do Processo Seletivo de Cirurgião Dentista para o Programa Saúde da Família 2008 Obedecendo à Portaria nº 892/04, SMS-G, publicada no D.O.M. de 29/12/2004, que aprova o Documento Norteador de Recursos

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas;

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas; CURSO: FISIOTERAPIA Missão O curso de Fisioterapia da Universidade Estácio de Sá, através de uma estrutura embasada em princípios contemporâneos, tem por missão a formação de um fisioterapeuta generalista,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 6, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 6, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 6, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Terapia Ocupacional. O

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. O Presidente

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001

PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001 PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001 Publicada no DOU de 07/03/2001, seção 1, pg. 67 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando a necessidade de: - regulamentação da Portaria

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 Define o currículo do Curso de Graduação em Odontologia. O REITOR

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA RESOLUÇÃO CFO-160, DE 2 DE OUTUBRO DE 2015 Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. O presidente do Conselho Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-156/2015

RESOLUÇÃO CFO-156/2015 DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO SEÇÃO 1, DE 23/03/2015 PÁGINAS: 79 e 80 RESOLUÇÃO CFO-156/2015 Estabelece novos procedimentos para o prêmio Brasil Sorridente, em consonância com a atual conjuntura sanitária nacional.

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Biomedicina. O Presidente

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sales

Prefeitura Municipal de Sales FUNDAMENTAL Prefeitura Municipal de Sales Av. Ramillo Salles, 717 Fone/Fax (17) 3557-90 CEP 14980-000 Estado de São Paulo CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2015 RETIFICAÇÃO Nº 01 O Prefeito do Município de Sales,

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

Especialização Profissional Técnica de Nível Médio

Especialização Profissional Técnica de Nível Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Especialização Profissional Técnica de Nível Médio Etec: Paulino Botelho Código: 091 Municipio: São Carlos Eixo Tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Habilitação

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA Este manual tem por finalidade orientar os alunos do curso de fisioterapia, sobre a sistemática e os procedimentos para a execução do Estagio Supervisionado

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

CURSO DE AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL: A EXPERIÊNCIA DE DOCÊNCIA AOS GRADUANDOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFPEL.

CURSO DE AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL: A EXPERIÊNCIA DE DOCÊNCIA AOS GRADUANDOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFPEL. CURSO DE AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL: A EXPERIÊNCIA DE DOCÊNCIA AOS GRADUANDOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFPEL. Renan Pablo Bittencourt Lobato (Acadêmico da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal

Leia mais

3.1.1 Atribuições Comuns a todos os profissionais:

3.1.1 Atribuições Comuns a todos os profissionais: PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA COM ENFOQUE NA EXPANSÃO E CONSOLIDAÇÃO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ITUPEVA- SP EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 01/2012 CIRURGIÃO DENTISTA E AUXILIAR DE SAÚDE

Leia mais

Sorriso de criança... Questão de educação!

Sorriso de criança... Questão de educação! Cidade Sorridente Sorriso de criança... Questão de educação! Dados oficiais (Mesmo entre os cidadãos com renda mensal acima de 6 SM) O Brasil é campeão mundial de cárie 60% dos dentes cariados estão sem

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA: A BOCA E A SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA:

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

Regimento como elaborar

Regimento como elaborar PGQ - Programa Gestão com Qualidade d Sistema 4 - Oficina Melhores Práticas Oficina i 1 Regimento como elaborar Facilitador Dr.Sérgio Luz sergiol@webcorensp.org.br Apresentação PGQ Programa Gestão com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO Nº 46, DE 2002

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO Nº 46, DE 2002 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO Nº 46, DE 2002 Dispõe sobre a criação de curso de Especialização de Odontologia do Trabalho e dá outras providências. Autor:Federação Nacional dos Odontologistas

Leia mais

INSTRUÇÕES ESPECIAIS. CARGO JORNADA SALÁRIO VAGAS Técnico em Higiene Dental Auxiliar de Consultório Dentário

INSTRUÇÕES ESPECIAIS. CARGO JORNADA SALÁRIO VAGAS Técnico em Higiene Dental Auxiliar de Consultório Dentário Edital do Processo Seletivo de Auxiliar de Consultório Dentário ACD e Técnico em Higiene Dental THD para compor a Equipe de Saúde Bucal do Programa Saúde da Família 2008 Obedecendo à Portaria nº 892/04,

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE FEIJÓ Comissão do Processo Seletivo Simplificado - Portaria n 210/2015 EDITAL N.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE FEIJÓ Comissão do Processo Seletivo Simplificado - Portaria n 210/2015 EDITAL N. EDITAL N.º 006/2015 Normatiza processo seletivo simplificado para contratação, por tempo determinado, de profissionais na área da saúde. O Prefeito do Município de Feijó - Acre, Hammerly da Silva Albuquerque,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

! PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: Curso: Odontologia. Carga Horária: 40h/a. Teórica: 40h/a. Professora: Patrícia Alvarez Ruiz Spyere do Nascimento.

! PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: Curso: Odontologia. Carga Horária: 40h/a. Teórica: 40h/a. Professora: Patrícia Alvarez Ruiz Spyere do Nascimento. ! PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: Curso: Odontologia. Disciplina: Odontologia, Ética e Legislação. Carga Horária: 40h/a. Teórica: 40h/a. Professora: Patrícia Alvarez Ruiz Spyere do Nascimento. 2. EMENTA:

Leia mais

REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS

REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS TÍTULO DA PRÁTICA: REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS CÓDIGO DA PRÁTICA: T66 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Complexo Regulador caracteriza-se

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Aprovado na CamEx, na 84 Sessão, realizada em 18 de março de 2015, apreciada no CONSEPE, na 54ª Sessão,

Leia mais

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de TÍTULO:PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE ALUNOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO FOP/UPE AUTORES: BARROS, E.S,, MACIEL, A*. E, MENEZES, V. A**., MESQUITA, M. F INSTITUIÇÃO: Faculdade de Odontologia

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

As escolas podem transformar os cenários de atuação?

As escolas podem transformar os cenários de atuação? As escolas podem transformar os cenários de atuação? Jorge Harada COSEMS/SP Premissas Relação da Instituição de Ensino com o serviço... com a gestão local é mais amplo do que a autorização ou disponibilização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE Florianópolis, 09 de novembro de 2007. Da: Coordenadoria do Curso de Graduação em

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOGERIATRIA Código: Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM HIGIENE DENTAL. ESTRUTURA CURRICULAR TURMA MONTES CLAROS / 2004 em diante

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM HIGIENE DENTAL. ESTRUTURA CURRICULAR TURMA MONTES CLAROS / 2004 em diante EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM HIGIENE DENTAL AUXILIAR DE CONSULTÓRIO DENTÁRIO CONVÊNIO COM MINISTÉRIO DA SAÚDE ESTRUTURA CURRICULAR TURMA MONTES CLAROS / 2004 em diante MODÚLO I Do Processo

Leia mais

Balanço Social UNINORTE 2015

Balanço Social UNINORTE 2015 Balanço Social UNINORTE 2015 Diretora Acadêmica Vanessa Voglio Igami Diretora Administra va Ká a Cris na Do o Gasparini Diretora Comercial Indira Maria Kitamura Diretor Financeiro Fábio Ricardo Leite Secretária

Leia mais

Matriz Curricular. Carga Horária. Unidades Acadêmicas. Período

Matriz Curricular. Carga Horária. Unidades Acadêmicas. Período Matriz Curricular Período 1º Unidades Acadêmicas UAI: Introdução ao Estudo da Odontologia Conhecer a estrutura do indivíduo nas suas bases biomoleculares e celulares quanto às propriedades e interrelações

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Recuperação / Reabilitação SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO. Profª Omara Machado Araujo de Oliveira

FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO. Profª Omara Machado Araujo de Oliveira FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO Profª Omara Machado Araujo de Oliveira Nutricionista (UFF) Mestre em Saúde Coletiva (UFF) Pós-Graduada em Nutrição Clínica ( UFF) Surgimento da Nutrição O campo da Nutrição

Leia mais