PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br"

Transcrição

1 PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia

2 CONCEITOS ABSORÇÃO Passagem da droga do local de administração p/ a corrente sangüínea FÍGADO TGI METABOLISMO PLASMA PULMÃO RIM METABOLISMO DE 1 a PASSAGEM BIODISPONIBILIDADE Extensão da absorção de uma droga após sua administração. Fração da droga que acessa a circulação sistêmica.

3 FARMACOCINÉTICA EXCREÇÃO / REABSORÇÃO RENAL VIA DE ADMINISTRAÇÃO ABSORÇÃO METABOLISMO HEPÁTICO SANGUE FÁRMACO LIVRE FÁRMACO LIGADO EXCREÇÃO / REABSORÇÃO INTESTINAL TECIDO DEPÓSITO

4 MEDICAMENTO: Produto farmacêutico, tecnicamente obtido, com com finalidade profilática, curativa ou ou diagnóstica. FÁRMACO PRINCÍPIO ATIVO Substância quimicamente caracterizada responsável pelos efeitos do medicamento FÓRMULA: Adjuvantes Aglutinantes Tampões PRINCÍPIO(S) ATIVO(S) + ADITIVOS Emulsificantes Lubrificantes Desintegrantes Corantes Aromatizantes Diluentes

5 VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE FÁRMACOS ENTERAIS PARENTERAIS Oral Bucal Sublingual Retal DIRETAS Intravenosa Intramuscular Subcutânea Intra-arterial Intracardíaca Intraperitoneal Intratecal Peridural Intra-articular INDIRETAS Cutânea Respiratória Conjuntival Rino e orofaríngea Geniturinária

6 VIA ORAL VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS FÍSICAS (fármaco) ph Área de superfície absortiva Fluxo sangüíneo Esvaziamento gástrico Local de absorção Volume de ingestão Motilidade intestinal Estado físico Concentração Prop. Físico-químicas Hidro/ Lipossolubilidade Carga

7 VIA ORAL -- Vantagens Comodidade Menor custo operacional Maior segurança: Elevação gradual das concentrações plasmáticas Efeitos colaterais mais graduais Possibilidade de remoção da droga: Vômito Adsorção com carvão ativado Lavagem

8 VIA ORAL -- Desvantagens Metabolismo de 1 a passagem Requer cooperação Casos de patologias do TGI Irritação das mucosas Disponibilidade errática: Fármacos instáveis (inativação) Fármacos pouco solúveis Fármacos de baixa absorção intestinal

9 METABOLISMO DE PRIMEIRA PASSAGEM Intestino Parede do intestino Veia port a Fígado Circulação sistêmica Metabolismo Metabolismo Fezes

10 VIA VIA SUBLINGUAL Pq. área de superfície CARACTERÍSTICAS Boa vascularização Drenagem venosa p/ veia cava superior VANTAGENS e DESVANTAGENS Exemplos de fármacos Absorção rápida Resposta rápida Evita inativação p/ sucos digestivos Não sofre metabol. de 1 a passagem Nitroglicerina Trinitrato de glicerina Absorção de pequenas quantidades Exige colaboração Maior adeqüação p/ drogas ñ iônicas e lipossolúveis

11 VIA RETAL Para efeitos locais ou sistêmicos Impossibilidade da via oral Pacientes inconscientes ADEQUAÇÕES Casos de vômitos Falta de controle da deglutição CARACTERÍSTICAS Absorção errática Previne os efeitos do TGI Menor incidência de metabolismo de 1 a passagem Cerca de 50% do absorvido sofre Met. de 1 a passagem

12 VIAS DE ADMINISTRAÇÃO PARENTERAIS Intravenosa Subcutânea Intramuscular

13 VIA ENDOVENOSA Possibilidade de administração de grandes volumes Rápida obtenção da concentração plasmática terapêutica Efeito imediato Acurácea no estimado das concentrações plasmáticas Substâncias irritantes Evita os fenômenos de absorção Biodisponibilidade 100% Ajuste da dose à resposta Baixa sensibilidade nos vasos Efeito de diluição VIA ADEQUADA EM EMERGÊNCIAS / URGÊNCIAS

14 VIA ENDOVENOSA Incômodo Necessidade de colaboração Dificuldade na execução Custo operacional Somente para soluções aquosas Menor segurança Cuidados especiais com as soluções: Isotonia Neutralidade Pirogênio Não há possibilidade de remoção * Riscos: Sobredosagem Sens. individual Infecções Flebite Trombose

15 VIA VIA INTRAMUSCULAR Elevada vascularização Mais segura que a intravenosa SOLUÇÕES AQUOSAS Absorção rápida Absorção lenta SUSPENSÕES / EMULSÕES

16 VIA INTRAMUSCULAR EVITA O METABOLISMO DE 1 a PASSAGEM DESVANTAGENS ADEQUAÇÕES Dor Lesão celular Desconforto Hematomas Fármacos sensíveis ao TGI Vol. de injeção até 10 ml Reações alérgicas Abscessos estéreis / sépticos Previsibilidade da absorção Requer < colaboração

17 VIA SUBCUTÂNEA CARACTERÍSTICAS Absorção lenta e constante Pq. vascularização Várias barreiras teciduais (difusão passiva) Fármacos não irritantes Pequenos volumes (0,3 a 1 ml) ADEQUAÇÕES Formas sólidas de desintegração lenta Ideal p/ administração contínua e longa de drogas em pellets

18 VIA INALATÓRIA OU RESPIRATÓRIA Para obtenção de ef. locais ou sistêmicos CARACTERÍSTICAS G de área absortiva Efeito rápido ADEQUAÇÃO DAS DROGAS Voláteis Partículas atomizadas VARIÁVEIS Cooperação Forma de administração Dificuldades p/ regular a dose Irritação do epitélio pulmonar

19 APLICAÇÃO TÓPICA Utilizada quando se requer um efeito local Conjuntiva MUCOSAS Nasofaringe Orofaringe Vagina Uretra ou EPIDERME VARIÁVEIS DA ABSORÇÃO PODEM DETERMINAR A ABSORÇÃO TRANSDÉRMICA TIPO DE VEÍCULO Ex.: EFEITOS SISTÊMICOS DROGAS LIPOFÍLICAS ÁREA DE SUPERFÍCIE Escopolamina Nitroglicerina INTEGRIDADE DO TECIDO VASODILATAÇÃO / VASOCONSTRIÇÃO

20 VIA INTRATECAL Espaço subaracnoideano e ventrículos cerebrais INDICAÇÕES Raquianestesias Infecções agudas do SNC Atravessar a barreira hematoencefálica Pouca ou nenhuma droga na corrente sangüínea Riscos associados

21 VIA PERIDURAL Espaço entre a duramáter, os ligamentos vertebrais e o periósteo ANESTESIAS 1 o Raízes nervosas 2 o -Medula Riscos de absorção ou injeção intravascular

22 Métodos para retardar absorção de fármacos Objetivos: Reduzir as ações sistêmicas para fármacos usados para efeito local Aumentar a duração da ação de um fármaco Ex.: Adrenalina / Noradrenalina + anestésico local Fármacos de liberação lenta sais, ésteres, complexos pouco solúveis. Exemplos: Penicilina procaína Acetato de medroxiprogesterona Insulina zinco Implantes de pílulas sólidas Taxa de absorção superfície implante

Farmacologia Formas farmacêuticas e administração

Farmacologia Formas farmacêuticas e administração PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Formas farmacêuticas e administração Prof. Raimundo Jr, M.Sc Desenvolvimentos dos fármacos 1. Síntese

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA: VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIFERENTES VIAS DRUG ADMINISTRATION: ADVANTAGES AND DISADVANTAGES OF DIFFERENT WAYS

ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA: VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIFERENTES VIAS DRUG ADMINISTRATION: ADVANTAGES AND DISADVANTAGES OF DIFFERENT WAYS ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA: VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIFERENTES VIAS DRUG ADMINISTRATION: ADVANTAGES AND DISADVANTAGES OF DIFFERENT WAYS MONTANHA, Francisco Pizzolato Docente do curso de Medicina

Leia mais

Concentração no local do receptor

Concentração no local do receptor FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA O que o organismo faz sobre a droga. FARMACODINÂMICA O que a droga faz no organismo. RELAÇÕES ENTRE FARMACOCINÉTICA E FARMACODINÂMICA DROGA ORGANISMO FARMACOCINÉTICA Vias

Leia mais

Faculdade de Imperatriz FACIMP

Faculdade de Imperatriz FACIMP Faculdade de Imperatriz FACIMP Disciplina: Farmacologia Prof. Dr. Paulo Roberto da Silva Ribeiro 5 o Período de Farmácia e Bioquímica 1 o Semestre de 2007 Prof. Paulo Roberto 1 FARMACOLOGIA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com FATORES QUE DETERMINAM A ESCOLHA VIA Tipo de ação desejada Rapidez de ação desejada Natureza do medicamento CLASSIFICAÇÃO Enterais Parenterais Tópica

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br EXEMPLOS DE ESQUEMAS COMPARTIMENTAIS DO CORPO TGI COMPARTIMENTO CENTRAL CÉREBRO FÍGADO ELIMINAÇÃO METABÓLICA EXCREÇÃO RENAL OUTROS

Leia mais

União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos

União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos Yanna C. F. Teles yannateles@gmail.com FARMACOCINÉTICA Estuda o caminho que os fármacos

Leia mais

Dose da droga administrada ABSORÇÃO Concentração da droga na circulação sistêmica DISTRIBUIÇÃO ELIMINAÇÃO Droga nos tecidos de distribuição FARMA- COCINÉ- TICA FARMACOCINÉTICA Concentração da droga no

Leia mais

Farmacologia. Definição: É a ciência que estuda os efeitos das substâncias químicas sobre a função dos sistemas biológicos.

Farmacologia. Definição: É a ciência que estuda os efeitos das substâncias químicas sobre a função dos sistemas biológicos. Farmacologia Definição: É a ciência que estuda os efeitos das substâncias químicas sobre a função dos sistemas biológicos. Farmacologia Conceitos Básicos: Fármaco: Uma substância química definida, com

Leia mais

2 - Biodisponibilidade. Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração

2 - Biodisponibilidade. Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração 2 - Biodisponibilidade TOXICOCINÉTICA Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração Fator de Biodisponibilidade (F) Fração da dose administrada

Leia mais

Módulo:Princípios de Farmacologia

Módulo:Princípios de Farmacologia Módulo:Princípios de Farmacologia Vias de Administração de Fármacos Prof. Dr. Ronaldo A. Ribeiro! "! # ",-( $% & ' ADMINIS TRAÇÃO COM ABSORÇÃO ABSORÇÃO ADMINIS TRAÇÃO SEM ABS ORÇÃO Memb rana Tecidos: gordura,

Leia mais

12/11/2012. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos.

12/11/2012. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos. Mestranda - Rosana Mírian Barros Mendes Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas/UFPI

Leia mais

Semiotécnica- Prof: Renato de Oliveira Capitulo 03. (Vias de administração medicamentosa)

Semiotécnica- Prof: Renato de Oliveira Capitulo 03. (Vias de administração medicamentosa) Semiotécnica- Prof: Renato de Oliveira Capitulo 03 (Vias de administração medicamentosa) Conceito: organismo. Chama-se via de administração o local onde o fármaco entra em contato com o Classificação:

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA. Professor Bruno Aleixo Venturi

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA. Professor Bruno Aleixo Venturi Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA Professor Bruno Aleixo Venturi Farmacologia fármacon: drogas lógos: estudo É a ciência que estuda como os medicamentos

Leia mais

Resumo Aula 1 e 2- Introdução à Farmacologia e Princípios de Farmacologia. Farmacocinética: estuda o que o organismo faz com o fármaco;

Resumo Aula 1 e 2- Introdução à Farmacologia e Princípios de Farmacologia. Farmacocinética: estuda o que o organismo faz com o fármaco; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 1 e 2- Introdução à Farmacologia e Princípios de Farmacologia Farmacocinética: estuda o que o organismo faz com o fármaco; Farmacodinâmica:

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

9/9/2008 CONSIDERAÇÕES GERAIS. Toxicidade. Faixa terapêutica. Concentrações sub-terapêuticas. - Não sofre efeito de primeira passagem

9/9/2008 CONSIDERAÇÕES GERAIS. Toxicidade. Faixa terapêutica. Concentrações sub-terapêuticas. - Não sofre efeito de primeira passagem CONSIDERAÇÕES GERAIS Princípios de Farmacologia: Farmacocinética Farmacodinâmica Concentração plasmática Toxicidade Faixa terapêutica Concentrações sub-terapêuticas Tempo VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS No Brasil, a venda de medicamentos é feita em estabelecimentos devidamente registrados em órgãos específicos que visam a monitorar a venda correta desses produtos,

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Farmacocinética INTRODUÇÃO. Caso. John C. LaMattina e David E. Golan

Farmacocinética INTRODUÇÃO. Caso. John C. LaMattina e David E. Golan 3 Farmacocinética John C. LaMattina e David E. Golan Introdução Caso Barreiras Fisiológicas Membranas Biológicas Atravessando a Membrana Difusão Através da Membrana Sistema Nervoso Central Absorção Vias

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS ANEST SICOS LOCAIS. Dr. Hilary Edgcombe, Dr. Graham Hocking John Radcliffe Hospital, Oxford, UK

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS ANEST SICOS LOCAIS. Dr. Hilary Edgcombe, Dr. Graham Hocking John Radcliffe Hospital, Oxford, UK TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS ANEST SICOS LOCAIS Dr. Hilary Edgcombe, Dr. Graham Hocking John Radcliffe Hospital, Oxford, UK Tradução autorizada pela ATOTW #5 por Dra. Maria Eduarda

Leia mais

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO VIA ENTERAL VIA ORAL: Estômago e Intestino delgado VIA SUBLINGUAL: VIA RETAL: VIA PARENTERAL USO TÓPICO : - Mucosas: vaginal, conjuntival, nasal - Pele: INALAÇÃO: Uso tópico vs uso sistêmico IV, IM, SC:

Leia mais

Formas farmacêuticas líquidas - Soluções

Formas farmacêuticas líquidas - Soluções Formas farmacêuticas líquidas - Soluções Preparações líquidas: Podem conter uma ou mais substâncias químicas dissolvidas em solvente adequado ou em mistura de solventes mutuamente miscíveis ou dispersíveis.

Leia mais

Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem

Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SAÚDE Cap BMQOS/Enf/02 Vívian Marinho

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE TERAPIA NUTRICIONAL - EMTN ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Enfª Danielli Soares Barbosa Membro do Grupo

Leia mais

XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína

XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína APRESENTAÇÕES Pomada 50 mg/g em embalagem com uma bisnaga contendo 25 g. VIA TÓPICA SOBRE MUCOSA E PELE USO ADULTO

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA SEMESTRE 2011/2 Nome da disciplina ODT 7111 Terapêutica Medicamentosa I Departamento

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína MODELO DE TEXTO DE BULA PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína TRATAMENTO LOCAL DAS HEMORRÓIDAS Formas farmacêuticas, via de administração e apresentações: Supositórios. Embalagens com 5 ou 10 supositórios.

Leia mais

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso Administração de medicamentos via parenteral Profª Leticia Pedroso INJETÁVEIS- VIA PARENTERAL É a administração de medicamentos através das vias: Endovenosa (EV), intramuscular (IM, subcutânea (SC) e Intradérmica

Leia mais

Semissólidos ERIKA LIZ

Semissólidos ERIKA LIZ Semissólidos ERIKA LIZ Ação As preparações são aplicadas à pele por seus efeitos físicos, ou seja, sua capacidade de agir como protetores, lubrificantes, emolientes, secantes, ou devido ao efeito específico

Leia mais

BULA DE NALDECON DIA Comprimidos

BULA DE NALDECON DIA Comprimidos BULA DE NALDECON DIA Comprimidos NALDECON DIA paracetamol 800mg cloridrato de fenilefrina 20mg Sem anti-histamínico Não causa sonolência COMBATE OS SINTOMAS DA GRIPE Dores em geral Febre Congestão nasal

Leia mais

Generalidades sobre Farmacologia. L. C. Lucio Carvalho

Generalidades sobre Farmacologia. L. C. Lucio Carvalho Generalidades sobre Farmacologia L. C. Lucio Carvalho Ciência que estuda os fármacos. Sua Fonte, solubilidade, absorção, destino no organismo, mecanismo de ação, efeito, reação adversa (RAM) Farmacologia

Leia mais

Prova para o Título de Especialista em Farmácia Hospitalar SBRAFH 2009

Prova para o Título de Especialista em Farmácia Hospitalar SBRAFH 2009 Prova para o Título de Especialista em Farmácia Hospitalar SBRAFH 2009 1. Para um paciente que apresenta alergia a penicilina cristalina, uma alternativa terapêutica seria: a) cefalotina b) amoxicilina

Leia mais

Seminário de Farmacologia Absorção. Diellen Oliveira Gustavo Alcebíades Patrícia Matheos Raissa Batista

Seminário de Farmacologia Absorção. Diellen Oliveira Gustavo Alcebíades Patrícia Matheos Raissa Batista Seminário de Farmacologia Absorção Diellen Oliveira Gustavo Alcebíades Patrícia Matheos Raissa Batista Dose da droga administrada ABSORÇÃO Concentração da droga na circulação sistêmica AÇÃO DA DROGA Droga

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 15 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Fertagyl, 0,1 mg/ml solução injetável para bovinos e coelhos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

caixas com 25 ampolas de 1 ml

caixas com 25 ampolas de 1 ml AROVIT Palmitato de retinol (gotas e ampolas) Acetato de retinol (drágeas) VITAMINA A IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO - AROVIT Nomes genéricos Palmitato de retinol (gotas e ampolas) Acetato de retinol (drágeas)

Leia mais

OTO-XILODASE. Apsen Farmacêutica S.A. Solução Otológica 100 UTR + 50 mg + 5 mg / 1 ml

OTO-XILODASE. Apsen Farmacêutica S.A. Solução Otológica 100 UTR + 50 mg + 5 mg / 1 ml OTO-XILODASE Apsen Farmacêutica S.A. Solução Otológica 100 UTR + 50 mg + 5 mg / 1 ml OTO-XILODASE cloridrato de lidocaína + sulfato de neomicina + hialuronidase APSEN FORMAS FARMACÊUTICAS Solução otológica

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa

11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa 11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa Bruno Viana de Andrade Enfermeiro do Serviço de Oncologia do Hospital Mater Dei Belo Horizonte MG 2014 História

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO. Lidonostrum 20 mg/ml Gel bucal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO. Lidonostrum 20 mg/ml Gel bucal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Lidonostrum 20 mg/ml Gel bucal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 ml de Lidonostrum contém 20 mg de cloridrato de lidocaína. Lista

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22 Sistema endócrino Apostila 3 Página 22 Sistema mensageiro Hormônios: informacionais, produzidas pelas glândulas endócrinas e distribuídas pelo sangue. Órgão-alvo: reage ao estímulo do hormônio. Sistema

Leia mais

Farmacoterapia da Obstipação

Farmacoterapia da Obstipação Farmacoterapia da Obstipação João Rocha Farmacoterapia do Tracto Gastro-Intestinal PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS Obstipação Problema: Hipocondria utilização não-racional do medicamento 1 Obstipação

Leia mais

DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS

DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS DIGESTÃO E SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES = Ingestão e Digestão = Alimentos = Absorção = Nutrientes = Eliminação = Restos (não-digeridos / não-absorvidos) 1. Mecânicos

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

Lipossomas e as suas aplicações na actualidade

Lipossomas e as suas aplicações na actualidade Universidade de Évora Departamento de Química Célia Antunes Lipossomas e as suas aplicações na actualidade Os lipossomas foram descobertos em 1960 pelo cientista inglês Alec Bangham. No entanto, somente

Leia mais

Biofarmácia. Farmacotécnica

Biofarmácia. Farmacotécnica Biofarmácia Prof. Luis Antonio Paludetti Agradecimentos especiais aos Professores Robson M. Gama e André Rolim Babii pela criação de parte das transparências desta apresentação 1/26 Farmacotécnica Disciplina

Leia mais

Planejamento de PIE- Guilherme de Almeida. 2º EM Biologia Frente B. Prof. Jairo José Matozinho Cubas

Planejamento de PIE- Guilherme de Almeida. 2º EM Biologia Frente B. Prof. Jairo José Matozinho Cubas Planejamento de PIE- Guilherme de Almeida 2º EM Biologia Frente B Prof. Jairo José Matozinho Cubas 3º Trimestre: Fisiologia animal e humana: a)fisiologia e relações entre sistemas respiratório e circulatório

Leia mais

Trombofilias. Dr Alexandre Apa

Trombofilias. Dr Alexandre Apa Trombofilias Dr Alexandre Apa TENDÊNCIA À TROMBOSE TRÍADE DE VIRCHOW Mudanças na parede do vaso Mudanças no fluxo sanguíneo Mudanças na coagulação do sangue ESTADOS DE HIPERCOAGULABILIDADE

Leia mais

Conteúdo programático para Prova de Aprimoramento em Medicina Veterinária da UNIME

Conteúdo programático para Prova de Aprimoramento em Medicina Veterinária da UNIME 1 União Metropolitana de Educação e Cultura Conteúdo programático para Prova de Aprimoramento em Medicina Veterinária da UNIME Subárea: Clínica Médica de Pequenos Animais MANEJO HIGIÊNICO, DIETÉTICO E

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Acetilcisteína Sandoz 600 mg Comprimidos efervescentes 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido efervescente contém

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Aula 9 Sistema digestório

Aula 9 Sistema digestório Aula 9 Sistema digestório Os alimentos fornecem nutrientes para construção de estruturas celulares e, ainda, liberação de energia para as atividades celulares. A função da digestão é converter os alimentos

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos.

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. LACTO-PURGA bisacodil 5mg Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de 4 anos) USO ORAL

Leia mais

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS INTRODUÇÃO As informações contidas neste folheto têm a finalidade de orientar as pessoas que passaram ou que podem passar pela experiência não-desejada dos efeitos adversos

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

Para que Serve? Tratamento

Para que Serve? Tratamento Quimioterapia O que é? É um tratamento que utiliza medicamentos quimioterápicos para eliminar células doentes. Cada agente quimioterápico tem diferentes tipos de ação sobre as células e, consequentemente,

Leia mais

ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II

ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II NESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II A Terapêutica é um torrencial de Drogas das quais não se sabe nada em um paciente de que

Leia mais

Aesculus hippocastanum

Aesculus hippocastanum Novarrutina Aesculus hippocastanum FITOTERÁPICO Parte utilizada: semente Nomenclatura botânica Nome científico: Aesculus hippocastanum Nome popular: Castanha da Índia Família: Hippocastanaceae. Formas

Leia mais

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte:

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte: 1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido. O aparelho digestivo, com a colaboração importante do aparelho circulatório, forma como que uma refeição

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 Digestão É o conjunto de transformações fisioquímicas ou físico-químicas que os alimentos

Leia mais

Flextoss. Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL

Flextoss. Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL Flextoss Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Flextoss dropropizina APRESENTAÇÕES Xarope Adulto

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais

Boas Práticas no Manuseio de Animais de Laboratório: Cuidado com os Animais Experimentais

Boas Práticas no Manuseio de Animais de Laboratório: Cuidado com os Animais Experimentais Boas Práticas no Manuseio de Animais de Laboratório: Cuidado com os Animais Experimentais Marcella M. Terra Biomédica 2013 1 Pesquisa Pré-Cliníca - Importância Melhorar a Qualidade de Vida Buscar a cura

Leia mais

INSTITUTO DE FARMACOLOGIA E TERAPÊUTICA EXPERIMENTAL FACULDADE DE MEDICINA DE COIMBRA

INSTITUTO DE FARMACOLOGIA E TERAPÊUTICA EXPERIMENTAL FACULDADE DE MEDICINA DE COIMBRA INSTITUTO DE FARMACOLOGIA E TERAPÊUTICA EXPERIMENTAL FACULDADE DE MEDICINA DE COIMBRA GUIA DE FARMACOLOGIA: módulo I Formas farmacêuticas, Vias e Técnicas de administração de medicamentos 1 ÍNDICE Página

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

Estrutura adrenal. Função da medula adrenal. Função da medula adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal

Estrutura adrenal. Função da medula adrenal. Função da medula adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal Estrutura adrenal Função da medula adrenal O córtex compreende a zona glomerulosa, secretora dos minelocorticóides, e a zona reticulada, secretora de glicocorticóides e dos androgênios adrenais. A medula

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof.Msc.MoisésMendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular Esse sistema é constituído por um fluido circulante (o

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica A absorção, a distribuição, o metabolismo e a excreção de um fármaco envolvem

Leia mais

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta?

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Como as fezes são formadas? Como a urina é formada no nosso corpo? Sistema Cardiovascular Funções Gerais: Transporte de nutrientes,

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Formulações de Adjuvantes Agrícolas

Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES: - Substância inerte adicionados à formulação ou à calda para melhorar a eficiência da aplicação. Podem ser divididos em 2 grupos: a) Surfatantes:

Leia mais

A natureza dos medicamentos utilizados em Terapia Intravenosa: prevenção de erros e segurança do paciente

A natureza dos medicamentos utilizados em Terapia Intravenosa: prevenção de erros e segurança do paciente Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT3: Os avanços tecnológicos na TI: medicamentos, remoção de cateteres e complicações, prevenção e segurança

Leia mais

Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais

Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais Qual é a faixa normal de osmolalidade plasmática? 260-290 - 310 mosm/kg H 2 0 Super-hidratação Desidratação NORMAL Osmolalidade é uma função do número total

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml

SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml USO INTRANASAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal

Leia mais

TEMPERATURA E TERMORREGULAÇÃO TERMORREGULAÇÃO ENDOTÉRMICA

TEMPERATURA E TERMORREGULAÇÃO TERMORREGULAÇÃO ENDOTÉRMICA TEMPERATURA E TERMORREGULAÇÃO TERMORREGULAÇÃO ENDOTÉRMICA Animais endotermos Geram seu próprio calor produção metabólica Possuem condutividade térmica baixa (isolamento alto) Endotermia Alto custo metabólico:

Leia mais

Medicamentos I MEDICAMENTOS I. Pág.:1

Medicamentos I MEDICAMENTOS I. Pág.:1 MEDICAMENTOS I Pág.:1 INTRODUÇÃO A administração de medicamentos é entendida como um cuidado de enfermagem, cabendo aos enfermeiros e técnicos de enfermagem assistirem ao cliente no que diz respeito à

Leia mais

MEIOS DE CONTRASTE NA TC. Profº. Emerson Siraqui

MEIOS DE CONTRASTE NA TC. Profº. Emerson Siraqui MEIOS DE CONTRASTE NA TC Profº. Emerson Siraqui MEIOS DE CONTRASTE NA TC Em termos amplos, meios de contrastes radiológicos, são compostos que, uma vez dentro de estruturas orgânicas, conseguem dar as

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR BANCO DE QUESTÕES CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR NT1: A importância do conhecimento de anatomia e fisiologia no UE1: Uma abordagem

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais