Resolução de circuitos usando lei de Kirchhoff

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resolução de circuitos usando lei de Kirchhoff"

Transcrição

1 Resolução de circuitos usando lei de Kirchhoff 1º) Para o circuito abaixo, calcular todas as correntes. a) Definimos as correntes nas malhas e no ramo central e damos nomes a elas. A definição do sentido das correntes é aleatória. b) Identifique os nós e defina as polaridades das tensões. Lembre-se que o positivo da tensão em um resistor está no lado por onde a corrente entra no resistor. Na fonte de energia, o traço mais largo indica o positivo. c) Para maior clareza, desenhe as setas que identificam o sentido das tensões no circuito. 18/09/14 1/6

2 d) O circuito está pronto para análise. Vamos analisar primeiramente o nó (a). Aplicando a 1ª lei de Kirchhoff, ΣI = 0, temos: I1 + I3 = I2 (1) (I1 e I3 chegam ao nó, I2 sai do nó) e) Analisemos agora a malha 1, definida pela corrente I1, aplicando a 2ª lei de Kirchhoff, ΣV = 0. As tensões sobre os resistores serão indicadas pela letra V seguido pelo nome do resistor, por exemplo, a tensão sobre o resistor R1 é VR1, sobre R2 é VR2 e assim suscetivamente. Tensões com o mesmo sentido da corrente da malha são positivas e tensões com sentido diferente são negativas. V1 VR1 + VR3 V2 VR4 = 0 Substituindo as tensões das fontes pelos seus valores e as tensões dos resistores pelo produto R*I, temos então: 2 1 I1 + 4 I3 4 1 I1 = 0 (2) f) Analisando a malha 2, pela segunda lei de Kirchhoff, temos: V2 VR3 VR2 V3 VR5 = 0 Substituindo as tensões das fontes pelos seus valores e as tensões dos resistores pelo produto R*I, temos então: 4 4 I3 1 I2 2 1 I2 = 0 (3) g) Temos então as seguintes equações para o circuito: I1 + I3 = I2 (1) 2 1 I1 + 4 I3 4 1 I1 = 0 (2) 4 4 I3 1 I2 2 1 I2 = 0 (3) h) Agrupando os termos comuns nas equações (2) e (3): 2 2 I1 + 4 I3 = 0 (2) 2 4 I3 2 I2 = 0 (3) i) Substituindo I2 de (1) em (3): 2 4 I3 2 (I1 + I3) = 0 ==> 2 4 I3 2 I1 2 I3 = 0 ==> 2 6 I3 2 I1 = 0 (4) j) Isolando I1 de (2) e (4) e igualando os resultados: 2 2 I1+4 I3=0 2 I1=2 4 I3 2 I1=4 I3 2 I1= 4 I3 2 I1=2 I3 1 (5) I3 2 I1=0 2 I1=6 I I1=2 6 I3 I1= 2 6 I3 I1=1 3 I3 2 2 I3 1=1 3 I3 2 I3+3 I3=1+1 5 I 3=2 I3= 2 5 I3=0,4 A k) Substituindo I3 em (5): 18/09/14 2/6

3 I1=2 I 3 1 I1=2 0,4 1 I1=0,8 1 I1= 0,2 A l) Calculando I2: I2=I1+I3 I 2= 0,2+0,4 I2=0,2 A m) Resposta: I1 = -0,2A, I2 = 0,2A e I3 = 0,4A. 2º) Determine a tensão em R6 no circuito abaixo. a) Analisando o circuito ao lado, temos que determinar a corrente que circula por R6 para determinarmos sua tensão. Percebemos também que para determinarmos IR6, teremos que analisar o circuito por Kirchhoff, pois não há associações possíveis para reduzirmos o circuito. b) Definimos as correntes nas malhas e no ramo central e damos nomes a elas. A definição do sentido das correntes é aleatória. c) Identifique os nós e defina as polaridades das tensões. Lembre-se que o positivo da tensão em um resistor está no lado por onde a corrente entra no resistor. Na fonte de energia, o traço mais largo indica o positivo. Para maior clareza, desenhe as setas que identificam o sentido das tensões no circuito. 18/09/14 3/6

4 d) Analisemos agora o nó (a) e as malhas 1 e 2. Do nó (a): I3 + I1 = I2 (Equação 1) Da malha 1: V1 VR1 V2 + VR3 VR6 VR4 = 0 (Equação 2) Da malha 2: V2 VR2 V3 VR5 VR3 = 0 (Equação 3) e) Substituindo as tensões das fontes pelos seus valores e as tensões dos resistores pelo produto R I na equação 2, temos: I I 3 2 I1 3 I1= I1+5 I3=0 (4) Fazendo o mesmo para a equação 2: I I 2 5 I3= I2 5 I 3=0 (5) f) Portanto ficamos com as seguintes equações para solução do problema: I3 + I1 = I2 (1) I1 + 5 I3 = 0 (4) I2 5 I3 = 0 (5) g) Para calcular VR6 temos que determinar I1. Para tanto, substituiremos (1) em (5) e isolaremos I3 em (4) e (5) I2 5 I3= (I1+I 3) 5 I3= I1 20 I3 5 I3= I1 25 I3= I1 I3= I1+5 I3=0 5 I3=35 I1+100 I3= 35 I (6) ==> de (5) (7) ==> de (4) h) Igualando (6) e (7): I1 25 = 35 I I1= 390 I1= I1= 2 A i) VR6 = R6 I1. Portanto, VR6 = -4 Volts I1 =35 I I1=175 I j) Resposta: A tensão sobre VR6 é de -4 Volts. Isso indica que a polaridade de VR6 é inversa a definida no circuito. 18/09/14 4/6

5 3º) No circuito abaixo, as correntes têm os sentidos indicados. Se a intensidade da corrente I3 é 5A, então o valor da resistência do resistor R é: Para determinarmos o valor de R, precisamos achar a tensão sobre R (VR) e a corrente I1. Como o circuito não permite associações de resistores para simplificação, temos que aplicar as leis de Kirchhoff para solução do problema. Como o sentido das correntes já está definido, vamos polarizar as tensões e definir os nós. d) Substituindo os valores fornecidos pelo problema, teremos: (1) I1 = I2 + 5 (2) V1 R1 I3 R I1 = 0 ==> R I1 = 0 (3) VR1 V3 VR2 = 0 ==> I2 = 0 e) De (1) temos: I1 = I2 + 5 ==> I2 = I1 5 (4) f) Substituindo (4) em (3) e isolando I1: a) Aplicando a 1ª lei de Kirchhoff no nó (a), temos: I1 = I2 + I3 (1) b) Aplicando a 2ª lei de Kirchhoff na malha 1, temos (o sentido da corrente é horário, definido na descrição do problema): V1 VR1 VR = 0 (2) c) Idem para malha 2, temos: VR1 V3 VR2 = 0 (3) (I1 5) = 0 ==> I = 0 ==> 16 2 I1 = 0 ==> 2 I1 = 16 ==> I1 = 16/2 ==> I1 = 8 A g) Substituindo I1 em (2) temos: R 8 = 0 ==> R = 0 ==> 8 R = 40 ==> R = 40/8 ==> R = 5 Ω h) Resposta: O valor de R é 5 Ω. 18/09/14 5/6

6 Exercícios Propostos: 1º) Para o circuito abaixo, calcular todas as correntes. As correntes devem resultar 17,5A / 11,25A / 6,25A) 2º) Para o circuito abaixo, calcular a tensão sobre R7. (VR7 = 3 Volts / positivo para cima) 3º) Para o circuito abaixo, determinar V e R, sendo que os sentidos das correntes fornecidas estão corretos. (R = 10Ω / V = 52V) 18/09/14 6/6

Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff

Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff Circuitos Complexos Regra de Kirchhoff Existem alguns circuitos em que não é possível fazer a separação de partes em série e/ou em paralelo e além disto podem ter

Leia mais

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara ELETICIDADE Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Circuito Elétrico Chamamos de circuito elétrico a um caminho fechado, constituído de condutores,

Leia mais

ELETROTÉCNICA (ENE078)

ELETROTÉCNICA (ENE078) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenharia Civil ELETROTÉCNICA (ENE078) PROF. RICARDO MOTA HENRIQUES E-mail: ricardo.henriques@ufjf.edu.br Aula Número: 06 Revisão Aula Anterior... Revisão

Leia mais

No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos, seus verdadeiros sentidos e quais elementos são geradores e receptores.

No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos, seus verdadeiros sentidos e quais elementos são geradores e receptores. No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos, seus verdadeiros sentidos e quais elementos são geradores e receptores. Dados do problema Resistores: R 1 = 0, Ω; R = 0, Ω; R 3 = 1 Ω; R 4 = 0, Ω;

Leia mais

Métodos de Análise de Circuitos

Métodos de Análise de Circuitos 1 utor: Prof Paulo icardo Telles angel Elétricos 1 Introdução Os métodos de análise de circuitos elétricos são ferramentas que envolvem os conceitos de eletricidade, como a Lei de Ohm, em conjunto com

Leia mais

Resolução de circuitos usando Teorema de Thévenin Exercícios Resolvidos

Resolução de circuitos usando Teorema de Thévenin Exercícios Resolvidos Resolução de circuitos usando Teorema de Thévenin Exercícios Resolvidos 1º) Para o circuito abaixo, calcular a tensão sobre R3. a) O Teorema de Thévenin estabelece que qualquer circuito linear visto de

Leia mais

Capítulo 27: Circuitos

Capítulo 27: Circuitos Capítulo 7: Circuitos Índice Força letromotriz Trabalho, nergia e Força letromotriz Calculo da Corrente de um Circuito de uma Malha Diferença de Potencial entre dois Pontos Circuitos com mais de uma Malha

Leia mais

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série.

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série. Circuitos em Série Um circuito consiste em um número qualquer de elementos unidos por seus terminais, com pelo menos um caminho fechado através do qual a carga possa fluir. Dois elementos de circuitos

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores 1 2 Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores Utilizando as chaves

Leia mais

Capítulo 4. Métodos de Análise

Capítulo 4. Métodos de Análise Capítulo 4 Métodos de Análise 4. Análise Nodal Análise de circuitos mais gerais acarreta na solução de um conjunto de equações. Análise nodal: Tensões são as incógnitas a serem determinadas. Dee-se escolher

Leia mais

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 3.1 OBJETIVOS Verificar experimentalmente as Leis de Kirchhoff 3.2 INTRODUÇÃO Para a resolução de um circuito de corrente contínua (cc), com várias malhas,

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Circuito Série Paralelo Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

Aula 14 Leis de Kirchhoff

Aula 14 Leis de Kirchhoff Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III Prof. Dr. Ricardo Luiz Viana Referências bibliográficas: H. 9-, 9-4, 9-5, 9-6 S. 7- T. - Aula 4 Leis de Kirchhoff

Leia mais

Método das Malhas. Abordagem Geral

Método das Malhas. Abordagem Geral Método das Malhas Abordagem Geral Método das Malhas 1. Associe uma corrente no sentido horário a cada malha fechada e independente do circuito. Não é necessário escolher o sentido horário para todas as

Leia mais

Circuitos de Corrente Contínua

Circuitos de Corrente Contínua UNVESDDE nstituto de Física de São Carlos Nesta prática estudaremos as leis de Kirchoff para análise de circuitos de corrente contínua. Nos experimentos, investigaremos alguns circuitos simples formados

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA Um circuito série é aquele que permite somente um percurso para a passagem da corrente. Nos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF Introdução Associação de Resistores Em muitas aplicações na engenharia elétrica e eletrônica é muito comum fazer associações de resistores com o objetivo de

Leia mais

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é:

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é: Circuitos Elétricos Para fazer passar cargas elétricas por um resistor, precisamos estabelecer uma diferença de potencial entre as extremidades do dispositivo. Para produzir uma corrente estável é preciso

Leia mais

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. Habilidades: Diferenciar as formas de associação de resistores, bem como determinar

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA 1. RESISTORES EM SÉRIE E EM. Resistores em série: V = I.R1 + I.R2 = I.(R1 + R2) = I.Req, com Req = Ri

CORRENTE CONTÍNUA 1. RESISTORES EM SÉRIE E EM. Resistores em série: V = I.R1 + I.R2 = I.(R1 + R2) = I.Req, com Req = Ri 25 - CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 1. RESISTORES EM SÉRIE E EM PARALELO: Resistores em série: V = I.R1 + I.R2 = I.(R1 + R2) = I.Req, com Req = Ri 1 Solução: Primeiro se calcula a resistência equivalente

Leia mais

DIVISOR DE TENSÃO COM CARGA

DIVISOR DE TENSÃO COM CARGA DIVISOR DE TENSÃO COM CARGA OBJETIVOS: a) observar os efeitos causados por uma carga em um circuito divisor de tensão; b) aprender a calcular a distribuição de tensão na rede de resistores em um divisor

Leia mais

CIRCUITOS COM CAPACITORES

CIRCUITOS COM CAPACITORES CIRCUITOS COM CAPACITORES 1. (Ufpr 13) Considerando que todos os capacitores da associação mostrada na figura abaixo têm uma capacitância igual a C, determine a capacitância do capacitor equivalente entre

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 2 Circuitos Série e a Associação Série de Resistores Utilizando as chaves disponíveis

Leia mais

Universidade de Mogi das Cruzes Engenharia Curso Básico Prof. José Roberto Marques EXERCÍCIOS RESOLVIDOS DE ELETRICIDADE BÁSICA FORMULÁRIO UTILIZADO

Universidade de Mogi das Cruzes Engenharia Curso Básico Prof. José Roberto Marques EXERCÍCIOS RESOLVIDOS DE ELETRICIDADE BÁSICA FORMULÁRIO UTILIZADO rof. José oberto Marques XCÍCOS SOLDOS D LTCDAD BÁSCA FOMULÁO UTLZADO L D OHM Usamos quando se trata de uma de tensão elétrica e quando se trata da tensão sobre um resistor elétrico. Quando estamos alimentando

Leia mais

Estudo dirigido. Tecnologia Eletrônica 1

Estudo dirigido. Tecnologia Eletrônica 1 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI DR/MG Estudo dirigido Tecnologia Eletrônica 1 Página 1 de 15 4.2 O CIRCUITO ELÉTRICO A eletricidade e usada para gerar os mais diversos efeitos: movimentar,

Leia mais

Circuitos Elétricos Simples

Circuitos Elétricos Simples Circuitos Elétricos Simples Circuitos elétricos que contém apenas resistores e fontes. A corrente elétrica se move sempre no mesmo sentido, ou seja, são circuitos de corrente contínua. Circuitos com mais

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 02

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 02 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 02 1) O princípio da superposição pode ser aplicado a um circuito

Leia mais

A diferença entre as intensidades das correntes que passam nos pontos x e y é: a) 0,5 A. b) 1,5 A. c) 2,0 A. d) 4,0 A.

A diferença entre as intensidades das correntes que passam nos pontos x e y é: a) 0,5 A. b) 1,5 A. c) 2,0 A. d) 4,0 A. 1. Seja o circuito elétrico apresentado, onde R = ohms. A diferença entre as intensidades das correntes que passam nos pontos x e y é: a) 0,5 A. b) 1,5 A. c),0 A. d) 4,0 A.. Um circuito de malha dupla

Leia mais

EELi04 Eletricidade Aplicada I Aula 4

EELi04 Eletricidade Aplicada I Aula 4 UNIFEI - campus ITABIRA EELi04 Eletricidade Aplicada I Aula 4 Professor: Valmor Ricardi Junior Transparências: Prof. Clodualdo Sousa Prof. Tiago Ferreira Prof. Valmor Junior Sumário Circuito CC série (revisão):

Leia mais

Resistores e Associação de Resistores

Resistores e Associação de Resistores Resistores e Associação de Resistores Gabarito Parte I: O esquema a seguir ilustra a situação: Como mostrado, a resistência equivalente é Ω. Aplicando a lei de Ohm-Pouillet: = R eq i 60 = i i = 15 A. a)

Leia mais

No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos e seus verdadeiros sentidos.

No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos e seus verdadeiros sentidos. No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos e seus verdadeiros sentidos. Dados do problema Resistores R 1 = Ω; R = Ω R = Ω; R 4 = Ω R = Ω; R 6 = Ω; R 7 = Ω; R 8 = Ω. f.e.m. das pilhas E 1 = V;

Leia mais

Física II - AV 1 (parte 2.2) 3º período de Eng. Civil Prof. Dr. Luciano Soares Pedroso Data: / /2014 valor: 10 pontos Aluno (a) Turma

Física II - AV 1 (parte 2.2) 3º período de Eng. Civil Prof. Dr. Luciano Soares Pedroso Data: / /2014 valor: 10 pontos Aluno (a) Turma Física II - AV (parte 2.2) 3º período de Eng. Civil Prof. Dr. Luciano Soares Pedroso Data: / /204 valor: 0 pontos Aluno (a)turma _. Considere que um determinado estudante, utilizando resistores disponíveis

Leia mais

Método dos Mínimos Quadrados

Método dos Mínimos Quadrados Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise Numérica 1998/99 Método dos Mínimos Quadrados Objectivos: Estimação de valores pelo método dos mínimos quadrados. PROBLEMAS 1 Determine

Leia mais

R R R. 7. corrente contínua e circuitos os circuitos são constituídos por um gerador e cargas ligadas em: Série. resistências & lei de Ohm R A

R R R. 7. corrente contínua e circuitos os circuitos são constituídos por um gerador e cargas ligadas em: Série. resistências & lei de Ohm R A resistências & lei de Ohm R A V R 7. corrente contínua e circuitos os circuitos são constituídos por um gerador e cargas ligadas em: Série Paralelo corrente Rsérie R R Rparalelo R R2 2 SÉREigual corrente

Leia mais

CAPÍTULO 5 TRANSISTORES BIPOLARES

CAPÍTULO 5 TRANSISTORES BIPOLARES CAPÍTULO 5 TRANSSTORES BPOLARES O transistor é um dispositivo semicondutor de três terminais, formado por três camadas consistindo de duas camadas de material tipo "n", de negativo, e uma de tipo "p",

Leia mais

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura:

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica dos fios que fazem a ligação entre a bateria e as

Leia mais

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PROF JOÃO RODRIGO ESCALARI ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSICA II GERADORES E LEI DE POULIETT

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PROF JOÃO RODRIGO ESCALARI ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSICA II GERADORES E LEI DE POULIETT FÍSIC GERL E EXPERIMENTL II PROF JOÃO RODRIGO ESCLRI - 2012 ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSIC II GERDORES E LEI DE POULIETT 1. 4. figura representa um trecho de um circuito percorrido por uma corrente com intensidade

Leia mais

wlad 2. O gráfico abaixo apresenta a medida da variação de potencial em função da corrente que passa em um circuito elétrico.

wlad 2. O gráfico abaixo apresenta a medida da variação de potencial em função da corrente que passa em um circuito elétrico. 1. Suponha um fio cilíndrico de comprimento L, resistividade ρ 1 e raio da seção transversal circular R. Um engenheiro eletricista, na tentativa de criar um fio cilíndrico menor em dimensões físicas, mas

Leia mais

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i 3 6 ADL aula 2 Função de Transferência Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, onde c(t) é a saída, r(t) é a entrada e os a i, b i e a forma

Leia mais

Ánalise de Circuitos. 1. Método Intuitivo

Ánalise de Circuitos. 1. Método Intuitivo Ánalise de Circuitos 1. Método Intuitivo Ramo de um circuito: é um componente isolado tal como um resistor ou uma fonte. Este termo também é usado para um grupo de componentes sujeito a mesma corrente.

Leia mais

O circuito elétrico em série é um divisor de tensão.

O circuito elétrico em série é um divisor de tensão. 01 O circuito elétrico em série é um divisor de tensão. Como as lâmpadas são idênticas, tem-se: U 1 = U 2 = U 3 = U 4 = U = lâmpada i Assim: U 1 + U 2 + U 3 + U 4 = 220 4U = 220 U = 55 V esposta: A 1 02

Leia mais

INSTITUTO SÃO JOSÉ - RSE LISTA PREPARATÓRIA PARA PROVA DO TERCEIRO TRIMESTRE

INSTITUTO SÃO JOSÉ - RSE LISTA PREPARATÓRIA PARA PROVA DO TERCEIRO TRIMESTRE 1. (Unesp) Mediante estímulo, 2 10 íons de K atravessam a membrana de uma célula nervosa em 1,0 milisegundo. Calcule a intensidade dessa corrente elétrica, sabendo-se que a carga elementar é 1,6 10 ª C.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PREPARAÇÃO B1i EXERCÍCIO REFERENTE À AULA DE AMPLIFICADORES DIFERENCIAIS.

EXERCÍCIOS DE PREPARAÇÃO B1i EXERCÍCIO REFERENTE À AULA DE AMPLIFICADORES DIFERENCIAIS. EXERCÍCIOS DE PREPARAÇÃO B1i Exercícios Preparação B1i EXERCÍCIO REFERENTE À AULA DE AMPLIFICADORES DIFERENCIAIS. Exercício Resolvido : Projetar a polarização de um amplificador diferencial, segundo os

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS ) Dado o circuito da figura, determinar a corrente I, a potência dissipada pelo resistor R 2.

CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS ) Dado o circuito da figura, determinar a corrente I, a potência dissipada pelo resistor R 2. FSP CRCUTOS ELÉTRCOS EXERCÍCOS RESOLVDOS 00 CRCUTOS ELÉTRCOS EXERCÍCOS 00 ) Dado o circuito da figura, determinar a corrente, a potência dissipada pelo resistor R. ssumindo que a corrente flui no sentido

Leia mais

ATENÇÃO! FORMULÁRIO. a) a corrente elétrica que atravessa esse chuveiro; b) quanto, em reais, é consumido por esse chuveiro durante um mês de 30 dias.

ATENÇÃO! FORMULÁRIO. a) a corrente elétrica que atravessa esse chuveiro; b) quanto, em reais, é consumido por esse chuveiro durante um mês de 30 dias. FÍSICA AVALIAÇÃO RAFAEL III UNIDADE Aluno(a): COMENTADA Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 10/09/2016 1. A prova é composta de 05 questões abertas e 02 questões objetivas. 2. Não será

Leia mais

BIPOLOS NÃO ÔHMICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA

BIPOLOS NÃO ÔHMICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA BIPOLOS NÃO ÔHMICOS OBJETIVOS: a) verificar o comportamento de bipolos que não obedecem a lei de ohm; b) construir experimentalmente as características de bipolos não ôhmicos; c) distinguir a diferença

Leia mais

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Na figura abaixo, exemplificamos um circuito simples, onde aplicamos uma fonte de energia (V), ligada a um resistor (R) e que resultará em uma corrente

Leia mais

LEIS DE KIRCHHOFF LKC e LKT I = 0

LEIS DE KIRCHHOFF LKC e LKT I = 0 LEIS DE KIRCHHOFF LKC e LKT 1. LKC Comprovação 2. LKT Comprovação 3. Análise das equações As Leis de Kirchhoff são assim denominadas em homenagem ao físico alemão Gustav Kirchhoff 1. Formuladas em 1845,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Técnico Integrado em Informática. Resposta: Resposta:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Técnico Integrado em Informática. Resposta: Resposta: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE 4ª Lista de Exercícios Eletricidade Instrumental Técnico Integrado em Informática Aluno (a): Ano/Série: Matrícula: Professor:

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Guia de aplicação de apoio ao experimento Painel Elétrico CC Experimentação Remota Móvel para o Ensino Básico e Superior Associação de Resistores Guia de Aplicação UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Leia mais

ADL A Representação Geral no Espaço de Estados

ADL A Representação Geral no Espaço de Estados ADL14 3.3 A Representação Geral no Espaço de Estados definições Combinação linear: Uma combinação linear de n variáveis, x i, para r = 1 a n, é dada pela seguinte soma: (3.17) onde cada K i é uma constante.

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Lei de Kirchhoff

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Lei de Kirchhoff 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Lei de Kirchhoff 1 2 Leis de Kirchhoff As leis de Kirchhoff, chamadas em homenagem ao cientista alemão Gustav Robert Kirchhoff. As duas leis

Leia mais

Circuitos com Cargas em Série e em Paralelo

Circuitos com Cargas em Série e em Paralelo PONTFÍCA UNERSDADE CATÓLCA DE GOÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARA ENG04 Circuitos Elétricos Exper. 3 Circuitos com Cargas em Série e em Paralelo Objetivo dentificar, em um circuito resistivo, as associações

Leia mais

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função Suponhamos que a função y = f() possua derivada em um segmento [a, b] do eio-. Os valores da derivada f () também dependem de, ou seja, a derivada

Leia mais

4. Teoremas de circuitos em corrente contínua

4. Teoremas de circuitos em corrente contínua Sumário: Teorema de Thevenin Teorema de Norton Teorema da Sobreposição L FÍSC 1 m qualquer circuito é sempre possível destacar um ramo e substituir o resto por um bloco (c). C elativamente ao ramo destacado,

Leia mais

LISTA 4A: Teoremas Básicos de Análise de Circuitos: Superposição, Thevenin, Norton e Máxima Transferência de Potência. Observação

LISTA 4A: Teoremas Básicos de Análise de Circuitos: Superposição, Thevenin, Norton e Máxima Transferência de Potência. Observação Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Circuitos Elétricos 01 Professor Wesley Peres wesley.peres@ufsj.edu.br LISTA 4A: Teoremas Básicos de Análise de Circuitos: Superposição, Thevenin, Norton e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 02 VOLTÍMETRO E AMPERÍMETRO DE CORRENTE CONTÍNUA 1 INTRODUÇÃO Na primeira aula

Leia mais

Conteúdo programático: Quadripolos. Notas de aula e exercícios: 1. Apresentação do Tópico

Conteúdo programático: Quadripolos. Notas de aula e exercícios: 1. Apresentação do Tópico Conteúdo programático: Quadripolos Notas de aula e exercícios: 1. Apresentação do Tópico Um dos principais métodos de análise de circuitos consiste na substituição de blocos complexos em circuitos equivalentes

Leia mais

Amplificadores de Potência Classe A

Amplificadores de Potência Classe A Universidade do Estado de Santa Catarina CCT Centro de Ciências Tecnológicas Amplificadores de Potência Classe A Professor: Disciplina: Celso José Faria de Araújo Eletrônica Analógica I Joinville SC Introdução

Leia mais

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V)

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V) Acesse. www.professorarnon.com Eletricidade Básica. Associação de Resistências em Série Vários resistores estão associados em série quando são ligados um em seguida do outro, de modo a serem percorridos

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 FÍSICA EXPERIMENTAL 300 EXPERIÊNCIA 6 TRANSFERÊNCIA DE POTÊNCIA. OBJETIVOS.. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com fontes de tensão (baterias) na condição de máxima transferência de potência para

Leia mais

6. CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

6. CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 6. CCUTOS DE COENTE CONTÍNUA 6.. Força Electromotriz 6.2. esistências em Série e em Paralelo. 6.3. As egras de Kirchhoff 6.4. Circuitos C 6.5. nstrumentos Eléctricos Análise de circuitos simples que incluem

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Curso de Engenharia Eletrônica

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Curso de Engenharia Eletrônica Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Curso de Engenharia Eletrônica LT33A Princípio de Circuitos Elétricos Profa. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Lista de Exercícios 1 ***

Leia mais

Capacitância C = Q / V [F]

Capacitância C = Q / V [F] Capacitância Na figura abaixo, como exemplo, tem-se duas placas paralelas, feitas de um material condutor e separadas por um espaço vazio. Essas placas estão ligadas a uma fonte de tensão contínua através

Leia mais

Eletrotécnica. Circuitos Elétricos

Eletrotécnica. Circuitos Elétricos Eletrotécnica Circuitos Elétricos Introdução Caracterizamos um circuito elétrico como sendo um conjunto de componentes elétricos / eletrônicos ligados entre si formando pelo menos um caminho para a passagem

Leia mais

Capítulo 4 Ohmímetros

Capítulo 4 Ohmímetros Capítulo 4 Ohmímetros 4.1. Introdução Dá-se o nome de ohmímetro ao instrumento capaz de medir o valor de resistências. O ohmímetro também é construído a partir de um galvanômetro de bobina móvel e pode

Leia mais

Capítulo 3 Fonte Regulada de Tensão com Transistor TJB e Diodo Zener

Capítulo 3 Fonte Regulada de Tensão com Transistor TJB e Diodo Zener UDADE DE TNOOGA Disciplina Eletrônica Analógica apítulo 3 Fonte egulada de Tensão com Transistor TJB e Diodo ener Uma fonte estabilizada de tensão é uma fonte onde as variações sofridas pela tensão de

Leia mais

Circuitos com Amperímetro e Voltímetro

Circuitos com Amperímetro e Voltímetro Circuitos com Amperímetro e Voltímetro 1. (Pucrs 2014) Considere o texto e a figura para analisar as afirmativas apresentadas na sequência. No circuito elétrico mostrado na figura a seguir, um resistor

Leia mais

Relatório do Projeto do 3º Estágio Análogos Elétricos

Relatório do Projeto do 3º Estágio Análogos Elétricos UFCG Universidade Federal de Campina Grande CCT Centro de Ciências e Tecnologia UAF Unidade Acadêmica de Física Mecânica II Turma 01 Professor: Rômulo Rodrigues Relatório do Projeto do 3º Estágio Análogos

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Exercícios de Eletricidade Aplicada

Exercícios de Eletricidade Aplicada Exercícios de Eletricidade Aplicada 1º) Calcular o que se pede: (Lei de Ohm e Cálculo de Potência) a) R=10Ω V=10V I=? b) I=0,5A V=25V R=? c) R=1KΩ I=2mA V=? d) V=38,25V R=4,5Ω I=? e) I=5A V=40V R=? f)

Leia mais

ELETRICIDADE APLICADA RESUMO DE AULAS PARA A 1ª PROVA

ELETRICIDADE APLICADA RESUMO DE AULAS PARA A 1ª PROVA ELETRICIDADE APLICADA RESUMO DE AULAS PARA A 1ª PROVA Eletricidade Aplicada I 1ª Aula Apresentação CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO P 1, P 2 = Prova de teoria (0 10) P lab = Prova de laboratório (0-10) Rel = Somatória

Leia mais

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos Estudos e Analogias de modelos de funções de transferências. Prof. Edgar Brito Introdução Os sistemas elétricos são componentes essenciais de muitos sistemas

Leia mais

Programa de engenharia biomédica

Programa de engenharia biomédica Programa de engenharia biomédica princípios de instrumentação biomédica COB 781 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto

Leia mais

Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas

Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas ELETROMAGNETISMO Vimos que a dissipação de energia num circuito nos fornece uma condição de amortecimento. Porém, se tivermos uma tensão externa que sempre forneça energia ao sistema, de modo que compense

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420 16/04/2015

Circuitos Elétricos I EEL420 16/04/2015 Circuitos Elétricos I EE420 16/04/2015 Nome: 1) COOQUE SEU NOME E NUMERE AS FOHAS DOS CADERNOS DE RESPOSTA 2) RESPONDA AS QUESTÕES EM ORDEM UTIIZANDO ATÉ 2 PÁGINAS POR QUESTÃO (NO MÁXIMO 3) 3) REDESENHE

Leia mais

40.(ASSEMB.LEG-SP/FCC/2010) Um circuito RLC paralelo é alimentado por uma tensão v(t). A expressão da corrente total i(t) no domínio do tempo é: C dt

40.(ASSEMB.LEG-SP/FCC/2010) Um circuito RLC paralelo é alimentado por uma tensão v(t). A expressão da corrente total i(t) no domínio do tempo é: C dt 40.(ASSEMB.LEG-SP/FCC/00) Um circuito RLC paralelo é alimentado por uma tensão. A expressão da corrente total i( no domínio do tempo é: A) i( = R. + L dt + C dt B) i( = R + L + C dt dt dt C ) e( = + L

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Exper. 4 Objetivo Associação de esistores dentificar em um circuito resistivo as associações serie, paralela e mista. Determinar a resistência equivalente entre dois pontos de um circuito elétrico resistivo,

Leia mais

Cap. 6 Conversores DC-DC

Cap. 6 Conversores DC-DC Cap. 6 Conversores DC-DC CONVERSORES DC-DC Regulador Linear de Tensão Conversores Chaveados Conversor Buck (abaixador) Conversor Boost (elevador) Conversor Buck-Boost Conversores Cuk Outros REGULADOR LINEAR

Leia mais

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1 Diretoria Regional de Ensino de Araguaína Colégio Estadual Campos Brasil Tocantins - Brasil Um circuito elétrico pode ser definido como uma interligação de componentes básicos formando pelo menos um caminho

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 03 PONTE DE WHEATSTONE

Roteiro-Relatório da Experiência N o 03 PONTE DE WHEATSTONE COMPONENTES DA EQUIPE: Roteiro-Relatório da Experiência N o 03 PONTE DE WHEATSTONE ALUNOS NOTA 1 2 3 Data: / / : h 1. OBJETIVOS: Verificação experimental de ciruito em ponte de Wheatstone e variação de

Leia mais

Eletrônica II. Germano Maioli Penello. Aula 13

Eletrônica II. Germano Maioli Penello. Aula 13 Eletrônica II Germano Maioli Penello gpenello@gmail.com Aula 13 1 BJT como amplificador BJT tem que estar na região ativa (fonte de corrente controlada por tensão) Corrente i c em função de v BE Claramente

Leia mais

a) 100 J. b) 150 J. c) 200 J. d) 300 J. e) 400 J.

a) 100 J. b) 150 J. c) 200 J. d) 300 J. e) 400 J. 1. Os capacitores planos C 1 e C mostrados na figura têm a mesma distância d e o mesmo dielétrico (ar) entre suas placas. Suas cargas iniciais eram Q 1 e Q, respectivamente, quando a chave CH1 foi fechada.

Leia mais

Experiência 02: RETIFICADORES MONOFÁSICOS DE ONDA COMPLETA A DIODO

Experiência 02: RETIFICADORES MONOFÁSICOS DE ONDA COMPLETA A DIODO ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA

CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA CADERNO DE EXERCÍCIOS 1. Duas cargas pontuais q1 = 30µ C e q2 = 100µ C encontram-se localizadas em P1 (2, 0) m e P2 (0, 2) m. Calcule a força eléctrica que age sobre

Leia mais

Método dos Mínimos Quadrados

Método dos Mínimos Quadrados Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise Numérica 2004/2005 Método dos Mínimos Quadrados PROBLEMAS 1 Determine a aproximação dos mínimos quadrados aos pontos por: x 1 3 4 6 8

Leia mais

Teorema da superposição

Teorema da superposição Teorema da superposição Esse teorema é mais uma ferramenta para encontrar solução de problemas que envolvam mais de uma fonte que não estejam em paralelo ou em série. A maior vantagem desse método é a

Leia mais

ENEM 2013 Resolução de Física Caderno ROSA = 5 40 = 0,125

ENEM 2013 Resolução de Física Caderno ROSA = 5 40 = 0,125 ENEM 203 Resolução de Física Caderno ROSA 47. Alternativa (B) Sendo uma troca de calor, podemos resolver da seguinte orma: Q q Q p m q c T m c T m q.. (70 30) m.. (25 30) m q. 40 m. 5 m q m 5 40 0,25 49.

Leia mais

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 3ª. Série Aula 13

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 3ª. Série Aula 13 Aula 13 Circuitos Elétricos 1. Resistência dos materiais (R) Qualquer material oferece determinada resistência à fluidez das cargas (corrente elétrica). Bons condutores oferecem menos resistência, enquanto

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Conceitos básicos Eletricidade Eletrostática Eletrodinâmica Cargas elétricas em repouso

Leia mais

Aula 3. Circuitos Complexos via Método das Malhas. Função de transferência múltiplas malhas

Aula 3. Circuitos Complexos via Método das Malhas. Função de transferência múltiplas malhas 2 Aula 3 Circuitos Complexos via Método das Malhas 1. Substituir todos os valores dos elementos passivos por suas impedâncias. 2. Substituir todas as fontes e todas as variáveis no domínio do tempo pelas

Leia mais

Médio. Física. Exercícios de Revisão I

Médio. Física. Exercícios de Revisão I Nome: n o : Médio E nsino: S érie: T urma: Data: 3 a Prof(a): Ivo Física Exercícios de Revisão I Exercícios referentes aos capítulos 5 e 6 (livro 3). As resoluções dos exercícios (1 a 7) devem ser fundamentadas

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LEIS DE KIRCHHOFF

Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LEIS DE KIRCHHOFF COMPONENTES DA EQUPE: Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LES DE KRCHHOFF ALUNOS NOTA 1 2 3 Data: / / : h 1. OBJETVOS: Verificação experimental da Lei de Kirchhoff das Tensões e a Lei de Kirchhoff

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

12/04/2012 a 11/08/2012

12/04/2012 a 11/08/2012 ELETRICIDADE PARTE 1 1º SEMESTRE 2012 12/04/2012 a 11/08/2012 Professor: Júlio César Madureira Silva < jmadureira@ifes.edu.br > 1 EMENTA: 1. Revisão sobre unidades de medida no SI. múltiplos m e submúltiplos

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares

ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares SANTOS, Cleber de Oliveira dos RESUMO Este artigo apresenta algumas aplicações de sistemas lineares, conteúdo estudado na disciplina de Álgebra linear da

Leia mais

QUESTÕES DE FÍSICA QUESTÕES

QUESTÕES DE FÍSICA QUESTÕES QUESTÕES 1. Um macaco que pula de galho em galho em um zoológico, demora 6 segundos para atravessar sua jaula, que mede 12 metros. Qual a velocidade média dele? S=12m t=6s, se isolarmos S: 5. Durante uma

Leia mais

Associações de componentes elétricos em série e em paralelo

Associações de componentes elétricos em série e em paralelo Componentes de um circuito elétrico Gerador Transforma qualquer tipo de energia em energia elétrica, fornecendo-a ao circuito elétrico. As pilhas são geradores de tensão contínua. Símbolo de gerador. Um

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais