Flávia da Fonseca Feitosa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Flávia da Fonseca Feitosa"

Transcrição

1 Sensoriamento Remoto Flávia da Fonseca Feitosa Disciplina PGT 035 Geoprocessamento Aplicado ao Planejamento e Gestão do Território Aula disponível em: Julho de 2015

2 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

3 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

4 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

5 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

6 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

7 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

8 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

9 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

10 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

11 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

12 O que vem à cabeça quando ouve Sensoriamento Remoto?

13 Sensoriamento Remoto

14 Sensoriamento Remoto

15 Sensoriamento Remoto

16 Sensoriamento Remoto QUASE ISSO... TEM A VER COM REMOTO! COM DISTÂNCIA, E AUSÊNCIA DE CONTATO DIRETO.

17 Planejamento Territorial & Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Conjunto de técnicas relacionadas à utilização de sensores para a aquisição de informações sobre objetos ou fenômenos sem que haja contato direto entre eles. Sensoriamento Remoto Obtenção de dados Distante

18 Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto é uma ciência que visa o desenvolvimento da obtenção de IMAGENS DA SUPERFÍCIE TERRESTRE por meio da detecção e medição quantitativa das respostas das interações da RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA com os materiais terrestres (Meneses & Almeida, 2012) Sensores Imageadores São os de maior interesse para o planejamento territorial, são aqueles que fornecem como resultado uma imagem da superfície observada.

19 SENSORES IMAGEADORES SENSORES A BORDO DE SATÉLITES - SENSORES ORBITAIS Rastreamento da Superfície Terrestre (Scanning) Imagem Orbitais - várias resoluções

20 SENSORES IMAGEADORES SENSORES A BORDO DE AVIÕES - CÂMERAS FOTOGRÁFICAS Imagem obtida instantaneamente Fotografia Aérea Em geral, apresentam resolução fina (grande escala)

21 Aquisição de Dados PRINCÍPIO BÁSICO Os sensores captam a energia eletromagnética irradiada pelos objetos na superfície terrestre

22 Fundamentos do Sensoriamento Remoto PRINCÍPIOS FÍSICOS Interação entre a energia e a matéria

23 Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto é uma ciência que visa o desenvolvimento da obtenção de imagens da SUPERFÍCIE TERRESTRE por meio da detecção e medição quantitativa das respostas das interações da RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA com os materiais terrestres (Meneses & Almeida, 2012)

24 Princípios Físicos O que é Radiação Eletromagnética? O calor é um tipo de energia que pode ser transferido de um corpo para o outro quando há diferença de temperatura entre eles. A transferência de calor pode ocorrer de três formas: radiação, condução e convecção.

25 Princípios Físicos A radiação térmica, também conhecida como irradiação, é uma forma de transferência de calor que ocorre por meio de ondas eletromagnéticas. Como essas ondas podem propagar-se no VÁCUO, não é necessário que haja contato entre os corpos para haver transferência de calor.

26 Princípios Físicos Todos os corpos emitem radiações térmicas que são proporcionais à sua temperatura. Quanto maior a temperatura, maior a quantidade de calor que o objeto irradia. Um exemplo desse processo é o que acontece com a Terra, que, mesmo sem estar em contato com o Sol, é aquecida por ele.

27 Radiação Eletromagnética (REM) Dualidade do comportamento da natureza da radiação eletromagnética (REM): onda (modelo ondulatório) e energia (modelo corpuscular).

28 Modelo Ondulatório Uma partícula carregada eletricamente gera um campo elétrico em torno de si e o movimento dessa partícula gera, por sua vez, um campo magnético. Ambos os campos, elétrico e magnético, atuam vibrando ortogonalmente entre si e possuem as mesmas amplitudes.

29 Modelo Ondulatório Conceitos fundamentais: Comprimento de onda Comprimento de um ciclo completo, distância entre duas cristas; Freqüência quantidade de ciclos por segundo (medida em Hertz) c velocidade da Luz (m/s) λ comprimento de onda (m) f freqüência (Hz) Velocidade da no vácuo = 3 x 108m/s c=f λ frequência Comprimento de onda

30 Modelo Ondulatório

31 Espectro eletromagnético

32 Espectro eletromagnético Fonte:

33 Espectro eletromagnético

34 Espectro eletromagnético FAIXA DO VISÍVEL (Cores) Pequena faixa em relação a todo o espectro Fonte: A Canada Centre for Remote Sensing: Remote Sensing Tutorial

35 Espectro eletromagnético INFRAVERMELHO de 0.7 μm a to 100 μm vezes maior que a porção do visível Duas categorias: Refletido de 0.7 a 3.0 μm Emitido 3.0 a 100 μm (radiação emitida pela Terra principalmente na forma de temperatura) Fonte: A Canada Centre for Remote Sensing: Remote Sensing Tutorial

36 Espectro eletromagnético MICROONDAS de 1 mm a 1 m; Cobre os maiores comprimentos de onda utilizados pelo SR; Os comprimentos de onda mais curtos têm propriedades similares ao termal; Os maiores comprimentos de onda são de ondas de rádio. Fonte: A Canada Centre for Remote Sensing: Remote Sensing Tutorial

37 Interações Energia-Matéria INTERAÇÃO COM OS ALVOS Energia Incidente (I): Absorção; Transmissão; Reflexão; A quantidade de energia de cada tipo de interação é determinada pelas propriedades físico químicas do alvo. Fonte: A Canada Centre for Remote Sensing: Remote Sensing Tutorial

38 Interações Energia-Matéria ABSORÇÃO É o processo pelo qual a energia radiante é absorvida e convertida em outras formas e energia. Banda de absorção é um intervalo de comprimento de onda do espectro no qual a energia é absorvida por uma determinada substância.

39 Interações Energia-Matéria REFLEXÃO ESPECULAR superfícies lisas DIFUSA superfícies rugosas Tamanho dos λs vs. variações na superfície Fonte: A Canada Centre for Remote Sensing Remote Sensing Tutorial

40 As cores de um objeto são dependentes dos comprimentos de onda que são refletidos por ele. Fonte: INPE

41 Fonte: INPE

42 Reflectância É a razão entre a quantidade de energia refletida e recebida por um superfície. É uma grandeza adimencional e que reflete algumas características do alvo estudado. É dependente do comprimento de onda. Assinatura Espectral

43 Comportamento espectral FOLHAS A clorofila absorve energia no vermelho e reflete no verde; A estrutura interna de folhas sadia reflete bastante no infravermelho próximo. Fonte: A Canada Centre for Remote Sensing Remote Sensing Tutorial

44 FOLHAS A clorofila absorve energia no vermelho e reflete no verde; A estrutura interna de folhas sadia reflete bastante no infravermelho próximo.

45 Vegetação

46 Solos

47 Água

48 Água

49 Curvas de reflectância da água obtidas nos rios Tietê e Piracicaba e no reservatório de Barra Bonita, Estado de São Paulo Elevada concentração de material inorgânico em suspensão, com acentuda reflectância na faixa do vermelho. Água dos dois rios já misturadas, mostrando claramente a transição entre os dois espectros anteriores. Elevada concentração de matéria orgânica na água. Fonte: Geomática Aplicada à Gestão de Recursos Hídricos. PROF. ALEXANDRE ROSA DOS SANTOS Engenheiro Agrônomo UFES. Mestrado em Meteorologia Agrícola UFV

50 Fundamentos do Sensoriamento Remoto Geração da Imagem

51 Sensores: Fonte de Energia Sensores Passivos Coleta radiação refletiva ou emitida pelos objetos da superfície. Depende das condições atmosféricas, pois áreas com nuvens não serão imageadas adequadamente. Ex: Câmera Fotográfica

52 Sensores: Fonte de Energia Sensores Ativos Possuem própria fonte de radiação, a qual incide em um alvo, captando em seguida o seu reflexo. Ex.: Radar

53 Sensores: Órbita Caminho seguido por um satélite é chamado de sua órbita Satélites são projetados em órbitas específicas para atender às características e objetivo do(s) sensor(es) que eles levam.

54 Sensores: Órbita Órbita Geossíncrona Equatorial Localiza-se diretamente acima da linha do Equador, aproximadamente a 3600 km de altura. Nesta distância o satélite demora 24h para dar uma volta completa no planeta. Sabendo que a Terra demora 24h para dar uma volta sobre o seu eixo (rotação), podemos observar que o satélite e a Terra se movem juntos.

55 Sensores: Órbita Órbitas Polares Muito usadas para o observação da superfície de nosso planeta. Como a órbita do planeta tem direção NorteSul e a Terra gira na direção Leste-Oeste, isto resulta que um satélite em órbita polar pode eventualmente varrer a superfície inteira da Terra.

56 Satélites Swath ou FOV (field of view), afeta: LARGURA DA IMAGEM Sobreposição em altas latitudes (órbitas polares e quase polares) Fonte: A Canada Centre for Remote Sensing Remote Sensing Tutorial; Florenzano, 2002

57 Geração da Imagem Características das imagens Energia captada sinal elétrico discretizado em números digitais (ND). pixel Fonte: A Canada Centre for Remote Sensing Remote Sensing Tutorial

58 Geração da Imagem Bandas Faixa do espectro detectada pelo sensor Composição colorida As cores primárias RGB são associadas as bandas; Depende da interação do alvo com a energia eletromagnética em cada intervalo de banda. Um mesmo alvo assume cores diferentes em composições distintas.

59 Assinatura Espectral X Bandas Fonte: Pinho et. al, (2012)

60 Assinatura Espectral X Bandas Fonte: Pinho et. al, (2012)

61 Assinatura Espectral X Bandas Fonte: Nasa

62

63 Bandas Para cada banda é gerada uma imagem. Landsat ETM+ Ubatuba, 11/08/1999 Fonte: Florenzano, 2002

64 Bandas Pouca energia Muita Energia Valor baixo px (ND) Valor alto px (ND) Landsat ETM+ Ubatuba, 11/08/1999 Fonte: Florenzano, 2002

65 Bandas O intervalo espectral de cada banda é que define a tonalidade de cada alvo ou objeto na imagem. Relação com o comportamento espectral. Landsat ETM+ Ubatuba, 11/08/1999 Fonte: Florenzano, 2002

66 Imagem Composições coloridas Fonte: Florenzano, 2002

67 Imagem Composições coloridas Florianópolis Fonte: Florenzano, 2002

68 Composições Coloridas e o padrão RGB

69 Bandas Landsat 7 e 8 Fonte: Nasa

70 Bandas Landsat 7

71 Composições Coloridas Composição Colorida RGB 543 Landsat ETM+ Ubatuba, 11/08/1999 Fonte: Florenzano, 2002

72 Composições Coloridas Composição Colorida RGB 453 Landsat ETM+ Ubatuba, 11/08/1999 Fonte: Florenzano, 2002

73 Composições Coloridas Composição Colorida RGB 321 Landsat ETM+ Ubatuba, 11/08/1999 Fonte: Florenzano, 2002

74 Imagem RESOLUÇÃO Espacial Espectral Radiométrica Temporal

75 Resolução Espacial Tamanho da menor feição que pode ser detectada pelo sensor.

76 Landsat 8 30m

77 Quickbird 2.8m /0.6m

78 Resolução Espectral Função: Número de bandas; Largura das bandas; Posição das bandas no espectro eletromagnético. Um sensor tem melhor resolução espectral se ele possui maior número de bandas situadas em diferentes regiões espectrais e com larguras estreitas de comprimentos de onda.

79 Resolução Espectral Imagem pancromática e Imagem multiespectral

80 Resolução Espectral a) Pancromática b) Multiespectral c) Sintética Fonte: Fusão imagem Worldview.

81 Resolução Radiométrica Descreve a habilidade de um sistema de imageamento distinguir pequenas diferenças na detecção de energia. Maior será a resolução radiométrica, quanto maior for a capacidade do detector para medir as diferenças de intensidades dos níveis de energia. Ela define o número de níveis de energia que o detector pode discriminar. Números positivos que variam de zero até uma potencia de 2.

82 Resolução Radiométrica Bits Quant. de ND

83 Resolução Radiométrica Fonte:

84 QUICKBIRD Machado (2002) O DIFERENCIAL 11-Bits 8-Bits 11-Bits

85 Resolução Temporal Tempo de revisita Capacidade de visada lateral Capacidade de imageamento no sentido inverso da órbita Constelação de Satélites Fonte: A Canada Centre for Remote Sensing Remote Sensing Tutorial

86 Resolução Temporal

87 A Série Landsat Os dados Landsat constituem a mais longa série histórica de imagens das superfícies continentais, obtidos a partir de uma perspectiva do espaço. qualidade, detalhamentos, cobertura e valor. Representa uma fonte de: medições globais, calibradas e de resolução espacial média da superfície terrestre, que pode ser comparada com dados e registros históricos prévios. Fonte: Formaggio, 2007

88 A Série Landsat Landsat 1: Lançado em 23/07/72 - Desativado em 06/01/78; Landsat 2: Lançado em 22/01/75 - Desativado em 52/02/82; Landsat 3: Lançado em 05/03/78 - Desativado em 31/03/83; Landsat 4: Lançado em 16/07/82 - Não imageia, porém não está desativado; Landsat 5: Lançado em 01/03/84 - Ativo até abril / 2002 em 2003 foi reativado com a quebra do espelho do 7; Funcionou até novembro de 2011; Landsat 6: Lançado em 05/10/93 - Perdido após o lançamento Landsat 7: Lançado em 15/04/99 Com problemas (vida útil estava prevista para ser superior a 5 anos em órbita), quebou o espelho em 2003 até hoje há cenas dele porém com apenas 25% da área aproveitável. Landsat Data Continuity Mission (LCDM Landsat 8) Lançado em 11 de fevereiro de 2013

89 A Série Landsat Fonte: Formaggio, 2007

90 A série Landsat Fonte: Formaggio, 2007

91 TM - (Thematic Mapper) Satélites Landsat 4 e Landsat 5 Bandas espectrais Resolução Espectral Resolução Espacial (B1) Azul µm (B2) Verde µm (B3) Vermelho µm (B4) Infravermelho Próximo µm (B5) infravermelho médio µm (B6) infravermelho termal µm 120 m (B7) Infravermelho médio µm 30 m Fonte: Resolução Temporal Área Imageada 16 dias 185 km Resolução radiométrica 30 m 8 bits

92 ETM+ - (Enhanced Thematic Mapper Plus) Satélite Landsat 7 O sensor ETM+, a bordo do satélite Landsat 7, foi o sucessor operacional do instrumento TM e manteve configurações técnicas muito semelhantes a ele. Além disso, contribuiu para ampliar o uso dos produtos, pois conseguiu melhorar a acurácia do sistema, ampliou a resolução espacial da banda 6 (infravermelho termal) para 60 metros. Tornou a banda pancromática operante e permitiu a geração de composições coloridas com 15 metros de resolução. Em 31/05/2003 o sensor apresentou problemas de Funcionamento e a partir dessa data as cenas do Landsat 7 são enviadas em modo SLC-Off e necessitam de correções prévias e análise de acurácia no posicionamento e calibração dos pixels. Fonte:

93 ETM+ - (Enhanced Thematic Mapper Plus) Satélite Landsat 7 Bandas Espectrais Resolução Espectral (B1) Azul µm (B2) Verde µm (B3) Vermelho µm (B4) Infravermelho próximo µm Resolução Espacial Área Imageada 16 dias 183 km Resolução Radiométrica 30 m (B5) Infravermelho médio µm (B6) Infravermelho termal µm 60 m (B7) Infravermelho médio µm 30 m (B8) Pancromático µm 15 m Fonte: Resolução Temporal 8 bits

94 Landsat 8 Sensor OLI (Operational Land Imager) É um sensor de varredura com quantização de 12 bits (4096 Níveis de Cinza). O OLI coleta dados para bandas do visível, do infra vermelho para o infravermelho de ondas curtas e uma banda pancromática. Tem um projeto de vida útil de cinco anos.

95 Landsat 8 Sensor OLI (Operational Land Imager)

96

97 MENESES, P. R. e ALMEIDA, T. Introdução ao processamento de imagens de sensoriamento remoto. Brasília: UNB, 2012, p Evelyn M. L. de Moraes Novo - INPE 308 pp. 4 edição, Editora Edgar Blucher, 2011

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11 Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Manuel Campagnolo ISA Manuel Campagnolo (ISA) Geomática e SIGDR 2010-2011 17/05/11 1 / 16 Tipos de resolução

Leia mais

Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências da Terra

Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências da Terra Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências da Terra APLICAÇÃO DE DIFERENTES NÍVEIS DE REALISMO DERIVADOS DE IMAGEM DE SATÉLITE NA REALIDADE VIRTUAL Juliana Moulin Fosse - jumoulin@ufpr.br Mosar

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless) Prof. Fred Sauer. email: fsauer@gmail.com. Redes Sem Fio (Wireless) 1

Redes Sem Fio (Wireless) Prof. Fred Sauer. email: fsauer@gmail.com. Redes Sem Fio (Wireless) 1 Redes Sem Fio (Wireless) Prof. Fred Sauer email: fsauer@gmail.com Redes Sem Fio (Wireless) 1 Bibliografia Wireless Communication : O Guia Essencial de Comunicação sem Fio (Livro texto) Andy Dornan Editora

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO

NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 3 PARTE B IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE Paulo Roberto Martini INPE

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

IMAGENS DIGITAIS APLICADAS PARA DETERMINAÇÃO DE ÁREAS AGRÍCOLAS ATRAVÉS DO CLASSIFICADOR BAYES

IMAGENS DIGITAIS APLICADAS PARA DETERMINAÇÃO DE ÁREAS AGRÍCOLAS ATRAVÉS DO CLASSIFICADOR BAYES IMAGENS DIGITAIS APLICADAS PARA DETERMINAÇÃO DE ÁREAS AGRÍCOLAS ATRAVÉS DO CLASSIFICADOR BAYES RAFAEL COLL DELGADO 1 ; GILBERTO CHOHAKU SEDIYAMA 2 ; EVALDO DE PAIVA LIMA 3, RICARDO GUIMARÃES ANDRADE 4

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

APOSTILA PARA O CURSO 6 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS

APOSTILA PARA O CURSO 6 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS APOSTILA PARA O CURSO 6 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS Dias: 16 e 17 de abril (sábado e domingo) Horário: 8:00 às 12:00 e das 14:00 às 18:00 horas Autores/Instrutores: Getulio

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PLANO DE ENSINO

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA PERÍODO HORÁRIO 970 GEOPROCESSAMENTO E SENSORIAMENTO REMOTO 80 HORAS (40h teóricas e 40h práticas) 4º QUARTA-FEIRA 19:00-20:40 e 20:50 22:30

Leia mais

Geografia. Aula 02. Projeções Cartográficas A arte na construção de mapas. 2. Projeções cartográficas

Geografia. Aula 02. Projeções Cartográficas A arte na construção de mapas. 2. Projeções cartográficas Geografia. Aula 02 Projeções Cartográficas A arte na construção de mapas 2. Projeções cartográficas 2.1. Como representar figuras tridimensionais em um plano sem que ocorra deformidades? É possível eliminar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 1 Recife, 2014 Conceito de Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto consiste

Leia mais

Modelagem simultânea do óptico e raios X de CP Tuc

Modelagem simultânea do óptico e raios X de CP Tuc Modelagem simultânea do óptico e raios X de CP Tuc Karleyne M. G. Silva C. V. Rodrigues (Orientadora), J. E. R. Costa, C. A. de Souza, D. Cieslinski e G. R. Hickel Resumo Polares são uma subclasse de variáveis

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Definição e Histórico. O que é o Sensoriamento Remoto? Introdução ao Sensoriamento Remoto GN-207

SENSORIAMENTO REMOTO. Definição e Histórico. O que é o Sensoriamento Remoto? Introdução ao Sensoriamento Remoto GN-207 UNICAMP Introdução ao Sensoriamento Remoto GN-207 Instituto de Geociências Universidade stadual de Campinas DFINIÇÕS HISTÓRICAS. M. L. M. Novo, Sensoriamento Remoto - Princípios e Aplicações, 1989 Genérica:O

Leia mais

Fundamentos. Autor: Gil Gonçalves Disciplina: Detecção Remota Aplicada Curso: Mestrado em Engenharia Geográfica Ano Lectivo: 07/08.

Fundamentos. Autor: Gil Gonçalves Disciplina: Detecção Remota Aplicada Curso: Mestrado em Engenharia Geográfica Ano Lectivo: 07/08. Fundamentos Autor: Gil Gonçalves Disciplina: Detecção Remota Aplicada Curso: Mestrado em Engenharia Geográfica Ano Lectivo: 07/08 Conteúdo Detecção Remota: i) Definição; ii) DR vs. Fotogrametria Elementos

Leia mais

ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal

ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal Análise de imagens processadas pelo sistema DETEX e PRODES para detecção de desmatamento e da intervenção seletiva nas Unidades de Manejo

Leia mais

Resolução Comentada Unesp - 2013-1

Resolução Comentada Unesp - 2013-1 Resolução Comentada Unesp - 2013-1 01 - Em um dia de calmaria, um garoto sobre uma ponte deixa cair, verticalmente e a partir do repouso, uma bola no instante t0 = 0 s. A bola atinge, no instante t4, um

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais

Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas. Flávia F. Feitosa

Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas. Flávia F. Feitosa Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas Flávia F. Feitosa Disciplina PGT 035 Geoprocessamento Aplicado ao Planejamento e Gestão do Território Junho de 2015 Dados Espaciais são Especiais!

Leia mais

ONDULATÓRIA. Neste capítulo vamos definir e classificar as ondas quanto à sua natureza e estudar alguns fenômenos ondulatórios.

ONDULATÓRIA. Neste capítulo vamos definir e classificar as ondas quanto à sua natureza e estudar alguns fenômenos ondulatórios. AULA 19 ONDULATÓRIA 1- INTRODUÇÃO Neste capítulo vamos definir e classificar as ondas quanto à sua natureza e estudar alguns fenômenos ondulatórios. 2- DEFINIÇÃO Onda é qualquer perturbação que se propaga

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Daniel C. Zanotta RAZÃO DE BANDAS Dividir uma banda por outra (pixel a pixel) pode trazer diversas informações a respeitos dos alvos contidos

Leia mais

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo STV 8 SET 2008 1 ANÁLISE DOS SINAIS DE VÍDEO as três partes do sinal composto de vídeo, ilustradas na figura abaixo, são: 1 o sinal da câmera correspondendo às variações de luz na cena 2 os pulsos de sincronismo

Leia mais

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Os sensores instalados em satélites artificiais são o resultado

Leia mais

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO Samuel da Silva Farias, Graduando do curso de geografia da UFPE samuel.farias763@gmail.com Rafhael Fhelipe de Lima Farias, Mestrando do PPGEO/UFPE, rafhaelfarias@hotmail.com USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR

Leia mais

7- GPS 2-D. GPS Global Positioning System

7- GPS 2-D. GPS Global Positioning System 7- GPS GPS Global Positioning System o GPS é um sistema de navegação baseado numa rede de 24 satélites. Começou oficialmente há cerca de 20 anos, como aplicação militar dos E.U.A. Hoje em dia existe uma

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO Autor: CARLOS ALBERTO STEFFEN Instituto Nacional de pesquisas Espaciais Divisão de Sensoriamento Remoto steffen@ltid.inpe.br RADIAÇÃO SOLAR O Sol é a principal

Leia mais

Ondas EM no Espaço Livre (Vácuo)

Ondas EM no Espaço Livre (Vácuo) Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações ELM20704 Eletromagnetismo Professor: Bruno Fontana da Silva 2014-1 Ondas EM

Leia mais

Considerando as cores como luz, a cor branca resulta da sobreposição de todas as cores, enquanto o preto é a ausência de luz. Uma luz branca pode ser

Considerando as cores como luz, a cor branca resulta da sobreposição de todas as cores, enquanto o preto é a ausência de luz. Uma luz branca pode ser Noções de cores Cor é como o olho dos seres vivos animais interpreta a reemissão da luz vinda de um objeto que foi emitida por uma fonte luminosa por meio de ondas eletromagnéticas; Corresponde à parte

Leia mais

Princípios de Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia

Princípios de Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia Princípios de Sensoriamento Remoto Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia Princípios de Sensoriamento Remoto Procedimentos destinados a obtenção de imagens mediante o registro

Leia mais

Atividade de revisão do 1º semestre de 2009 e autoavaliação de recuperação

Atividade de revisão do 1º semestre de 2009 e autoavaliação de recuperação Física Atividade 3 os anos Glorinha ago/09 Nome: Nº: Turma: Atividade de revisão do 1º semestre de 2009 e autoavaliação de recuperação Essa atividade tem o objetivo de revisar alguns conceitos estudados

Leia mais

Capítulo 5. Sensores Digitais

Capítulo 5. Sensores Digitais Sensores Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 5 Sensores Digitais Capítulo 5 Codificador Incremental de Posição Capítulo 5 Codificador Incremental

Leia mais

TÉCNICAS DE INTERPRETAÇÃO

TÉCNICAS DE INTERPRETAÇÃO Definição: A interpretação de foto ou imagem é o exame de imagens com o propósito de identificar objetos e avaliar o seu significado (Phisipson, 1997; McGlone, 2004). Aspectos Importantes da interpretação

Leia mais

Mapeamento Costeiro. Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas

Mapeamento Costeiro. Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas Mapeamento Costeiro Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

Apostila 1 Física. Capítulo 3. A Natureza das Ondas. Página 302. Gnomo

Apostila 1 Física. Capítulo 3. A Natureza das Ondas. Página 302. Gnomo Apostila 1 Física Capítulo 3 Página 302 A Natureza das Ondas Classificação quanto a natureza Ondas Mecânicas São ondas relacionadas à oscilação das partículas do meio. Portanto, exige a presença de meio

Leia mais

CARTOGRAFIA. Sistemas de Coordenadas. Prof. Luiz Rotta

CARTOGRAFIA. Sistemas de Coordenadas. Prof. Luiz Rotta CARTOGRAFIA Sistemas de Coordenadas Prof. Luiz Rotta SISTEMA DE COORDENADAS Por que os sistemas de coordenadas são necessários? Para expressar a posição de pontos sobre uma superfície É com base em sistemas

Leia mais

Conheça todas as opções de satélites à disposição. Wilson Holler. Embrapa Monitoramento por Satélite Gestão Territorial Estratégica

Conheça todas as opções de satélites à disposição. Wilson Holler. Embrapa Monitoramento por Satélite Gestão Territorial Estratégica Conheça todas as opções de satélites à disposição Wilson Holler Embrapa Monitoramento por Satélite Gestão Territorial Estratégica Conheça todas as opções de satélites à disposição Em todo o mundo, dezenas

Leia mais

Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente

Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente. Afinal de contas, como tudo isso começou?. Conceitos básicos. Principais sensores orbitais. Cartografia para Florestas

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A CURTAS DISTÂNCIAS

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A CURTAS DISTÂNCIAS LOGO FQA COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A CURTAS DISTÂNCIAS Propagação de um sinal Energia e velocidade de propagação (modelo ondulatório) Transmissão de sinais Sinal - é qualquer espécie de perturbação que

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

EXTERNATO MATER DOMUS

EXTERNATO MATER DOMUS EXTERNATO MATER DOMUS RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 MATÉRIA: FÍSICA PROFESSORA: RENATA LEITE QUARTIERI ALUNO: Nº Série: 3º TURMA: Única DATA: 02 /03/2015 ASSINATURA DO

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Energia produzida Para a industria eólica é muito importante a discrição da variação da velocidade do vento. Os projetistas de turbinas necessitam da informação para otimizar o desenho de seus geradores,

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

Sensoriamento Remoto e PDI

Sensoriamento Remoto e PDI Sensoriamento Remoto e PDI Introdução REM e Comportamento Espectral Sistemas Sensores Imagens de Sensoriamento Remoto Aplicações Processamento Digital de Imagens - PDI Imagem de satélite mostrando o furacão

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

MÓDULO III SENSORIAMENTO REMOTO E GEOPROCESSAMENTO

MÓDULO III SENSORIAMENTO REMOTO E GEOPROCESSAMENTO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Pato Branco/PR Departamento Acadêmico de Agrimensura CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE CADASTRO TERRITORIAL

Leia mais

AQUISIÇÃO DOS DADOS Componentes do Sistema de SR

AQUISIÇÃO DOS DADOS Componentes do Sistema de SR AQUISIÇÃO DOS DADOS Componentes do Sistema de SR SUB-SISTEMA ESPACIAL - PLATAFORMA - SENSOR (Carga útil Payload ) SUB-SISTEMA TERRESTRE - ESTAÇÃO DE RECEPÇÃO - CENTRO DE PROCESAMENTO E DISTRIBUIÇÃO SUB-SISTEMA

Leia mais

CBERS SATÉLITE SINO-BRASILEIRO DE RECURSOS TERRESTRES

CBERS SATÉLITE SINO-BRASILEIRO DE RECURSOS TERRESTRES CBERS SATÉLITE SINO-BRASILEIRO DE RECURSOS TERRESTRES JOSÉ CARLOS N. EPIPHANIO Instituto Nacional de Pesquisas Espacias INPE Av. dos Astronautas, 1758 12201-970 São José dos Campos, SP Brasil e-mail: epiphanio@dsr.inpe.br

Leia mais

Termômetros de Radiação. Prof. Valner Brusamarello

Termômetros de Radiação. Prof. Valner Brusamarello Termômetros de Radiação Prof. Valner Brusamarello Termômetros de Radiação Todos os corpos na natureza são formados por moléculas, formadas por átomos. Todas as partículas são em essência cargas elétricas.

Leia mais

CURSOS OFERECIDOS PELO ITA

CURSOS OFERECIDOS PELO ITA CURSOS OFERECIDOS PELO ITA Formação, Atribuições da Profissão, Áreas de Atuação Engenharia Aeronáutica É a área da engenharia que se ocupa do projeto, fabricação e manutenção de aeronaves e do gerenciamento

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA.

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA. MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro gilberto.pessanha@gmail.com Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Instituto do Mar Campus Baixada Santista www.mapasdigitais.uerj.br

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS Gilberto Pessanha Ribeiro ¹, ², ³ gilberto@globalgeo.com.br ¹ Globalgeo Geotecnologias www.globalgeo.com.br ² Faculdade

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

Processamento Digital de Sinais. Conversão A/D e D/A. Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti

Processamento Digital de Sinais. Conversão A/D e D/A. Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti Processamento Digital de Sinais Conversão A/D e D/A Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti Introdução A maioria dos sinais encontrados na natureza é contínua Para processá los digitalmente, devemos: Converter

Leia mais

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS BD convencional Repositório de fatos do mundo real que possuem atributos

Leia mais

FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO E METODOLOGIAS DE APLICAÇÃO

FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO E METODOLOGIAS DE APLICAÇÃO Atualização do Livro FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO E METODOLOGIAS DE APLICAÇÃO O assunto contido nesta revisão tem como objetivo complementar e/ou esclarecer melhor, alguns tópicos sobre sistemas

Leia mais

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO DESMATAMENTO DO PARQUE NATURAL DE PORTO VELHO/RO, COM O USO DE GEOTECNOLOGIAS.

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO DESMATAMENTO DO PARQUE NATURAL DE PORTO VELHO/RO, COM O USO DE GEOTECNOLOGIAS. I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO DESMATAMENTO DO PARQUE NATURAL DE PORTO VELHO/RO, COM O USO DE GEOTECNOLOGIAS. INTRODUÇÃO ANTONIO RAIMUNDO DE SOUSA FELIX 1 JOÃO HENRIQUE DE SOUSA

Leia mais

Controle Primário rio do tempo e do clima

Controle Primário rio do tempo e do clima Controle Primário rio do tempo e do clima Condução entre corpos em contato físico direto. Transferência de energia entre as moléculas Convecção Somente ocorre em líquidos e gases. Transferência de calor

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO

SENSORIAMENTO REMOTO SENSORIAMENTO REMOTO O Sensoriamento Remoto pode ser entendido como um conjunto de atividades que permite a obtenção de informações dos objetos que compõem a superfície terrestre sem a necessidade de contato

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Ceará e o eclipse que ajudou Einstein

Ceará e o eclipse que ajudou Einstein Ceará e o eclipse que ajudou Einstein Eixo(s) temático(s) Terra e Universo Tema Sistema Solar Conteúdos Sistema Terra-Lua-Sol / eclipses Usos / objetivos Retomada de conhecimentos / avaliação / problematização

Leia mais

IMESTSIO DA (7834 E TECNOtOGIA Ch A INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS

IMESTSIO DA (7834 E TECNOtOGIA Ch A INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS IMESTSIO DA (7834 E TECNOtOGIA Ch A INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Coordenadoria de Ensino, Documentação e Programas Especiais Atividade de Treinamento

Leia mais

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CAMPO LARGO, 15 DE ABRIL DE 2013 Cartografia Cartografia é o conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseado

Leia mais

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (janeiro de 2015) SAD

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (janeiro de 2015) SAD Resumo Em janeiro de 2015, metade (50%) da área florestal da Amazônia Legal estava coberta por nuvens, uma cobertura inferior a de janeiro de 2014 (58%), mas que se distribuiu em grande proporção em regiões

Leia mais

Seminário Disciplina de Fotointepretação. Bruno Beust - João Paulo

Seminário Disciplina de Fotointepretação. Bruno Beust - João Paulo Seminário Disciplina de Fotointepretação Bruno Beust - João Paulo Prof. Dr. Getulio T. Batista 2 o Bimestre de 2004 Histórico Julho de 1988 um acordo de parceria envolvendo o INPE (Instituto Nacional de

Leia mais

Física Experimental III

Física Experimental III Física Experimental III Unidade 4: Circuitos simples em corrente alternada: Generalidades e circuitos resistivos http://www.if.ufrj.br/~fisexp3 agosto/26 Na Unidade anterior estudamos o comportamento de

Leia mais

CAPÍTULO 4 Sistemas Sensores e Orbitais

CAPÍTULO 4 Sistemas Sensores e Orbitais CAPÍTULO 4 Sistemas Sensores e Orbitais 1.0. Resolução das imagens de sensoriamento remoto a) Resolução espacial: a resolução espacial é determinada pela capacidade do detector em distinguir objetos na

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES 1 1. VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Muitas situações cotidianas podem ser usadas como experimento que dão resultados correspondentes a algum valor, e tais situações

Leia mais

Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias

Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Geoprocessamento e Tecnologia da Informação Ambiental -

Leia mais