ACÇÃO POLÍTICA CONVITE A MAIS INTERVENÇÃO. 19 de JANEIRO de 2002 UNIVERSIDADE LUSÓFONA CAMPO GRANDE LISBOA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACÇÃO POLÍTICA CONVITE A MAIS INTERVENÇÃO. 19 de JANEIRO de 2002 UNIVERSIDADE LUSÓFONA CAMPO GRANDE LISBOA"

Transcrição

1 SEMINÁRIO sobre ACÇÃO POLÍTICA CONVITE A MAIS INTERVENÇÃO 19 de JANEIRO de 2002 LOCAL DE REALIZAÇÃO: UNIVERSIDADE LUSÓFONA CAMPO GRANDE LISBOA 510

2 ORGANIZAÇÃO POLÍTICA em VIGOR - Dr. JORGE LACÃO Défices relativamente ao Estado de Direito Estado e a Administração Pública como pessoas de bem criminal Limites, contra-poderes e fiscalização democrática Articulação e reforço das responsabilidades política, civil e Relacionamento eleitores - eleitos a Nível local e nacional Aparelhos partidários com mais democracia interna Eleitos mais próximos dos eleitores 1 OBJECTIVOS NACIONAIS Direitos humanos Liberdades e direitos fundamentais Direitos civis e políticos Cidadania europeia Imigrantes Direitos económicos e sociais Regulação e serviços de interesse geral pobreza Protecção dos mais débeis e luta contra a marginalização e a Preservação do ambiente Questões Nacionais Segurança, desemprego e educação Redução das assimetrias e reforma fiscal Descentralização administrativa Promoção dos valores morais e luta contra a corrupção OBJECTIVOS da ACÇÃO POLÍTICA - Eng.º JOÃO CRAVINHO Universo Político, limites e subordinações Mentalidades a alterar Como combater a ingovernabilidade Como melhorar a imagem dos políticos Construção colectiva do Bem Comum, base da Justiça e da Paz Como promover o sentido da integração num grupo

3 Direitos Humanos Objectivos a privilegiar. Restrições a gerir Globalização e Solidariedade Ameaças, objectivos e oportunidades Construção de um Mundo de Direito UE - Marcha em conjunto com outros povos Como apresentar o objectivo da convergência real de forma motivadora 2 FORÇAS e PODERES TRANSFORMANDO e RENOVANDO a SOCIEDADE Dr. Francisco Sarsfield Cabral Projectos de Sociedade e Poder Cultural Produção de Bens, Mercado e Poder Económico Estado de Direito e Poder Político Autonomias e limites de actuação de cada Poder Liberalização e Globalização A ACÇÃO POLÍTICA COMO MEIO de REALIZAÇÃO PESSOAL e de SERVIÇO PELO BEM COMUM Objectivos Políticos preferidos - (Testemunho Pessoal). Perfil Psicológico do Político SEMINÁRIO SOBRE ACÇÃO POLÍTICA: CONVITE A MAIS INTERVENÇÃO Este Seminário, promovido pelo Forum, teve lugar no dia 19 de Janeiro, no auditório da Universidade Lusófona, em Lisboa. A primeira parte do Seminário esteve a cargo do Dr. Jorge Lacão, deputado pelo Partido Socialista e professor de Ciência Política na Universidade Lusíada. O orador, patenteando um notável domínio - teórico e prático - das questões em debate, analisou com grande rigor e pormenor a "Organização Política em Vigor", nomeadamente no que se refere ao novo sistema eleitoral, seus défices (caso das listas de candidatos sem intervenção dos cidadãos, e outros) e suas

4 possíveis correcções (círculos uninominais, sistemas mistos - proporcional e por círculos nominais, etc.). A propósito sublinhou ser consensual para todos os partidos o diagnóstico das deficiências e insuficiências do actual sistema, e as medidas para a sua melhoria, mais difícil a concretização destes na prática. Abordando depois o "Relacionamento eleitores-eleitos a nível local e nacional", referiu-se à "democracia de opinião" e aos riscos das relações media - poderes políticos, que conduz frequentemente ao "vedetismo politico" e à "dissimulação e marketing dos políticos" e também a escolhas publicitárias de líderes, em contraposição ao conteúdo dos programas. De tudo isto resulta uma concentração de poderes, com o Parlamento submetido ao Governo, e ao Primeiro-Ministro e chefe do partido vencedor. 3 Poder Local Escola de Democracia Referiu-se também ao estatuto negativo dos partidos (em resultado do sistema eleitoral e das incompatibilidades) e à consequente necessidade da reforma desse estatuto e da Lei eleitoral. Quanto ao Poder Local, que considerou ter sido "escola de democracia", apontou as incoerências e vícios do sistema, demonstrando a necessidade de evoluir para um modelo que assegure executivos válidos e assembleias municipais efetivamente fiscalizadoras. Seguiu-se um animado debate, com numerosas e interessantes intervenções sobre questões concretas da vida politica nacional e internacional. Da parte da tarde, coube ao Eng.º João Cravinho abordar o tema "Objectivos da Acção Política" referindo-se aos limites e subordinações do universo político, e à necessidade de combater a ingovernabilidade e de melhorar a imagem dos políticos. O orador sublinhou que "vivemos numa democracia sob tutela dos poderes fáticos" do que resulta por vezes "serem os eleitos manipulados". Mas frisou também "haver sucessos importantes que não chegam à opinião pública". Referiu-se ainda à "construção colectiva do Bem Comum", como base da Justiça e da Paz, e à promoção dos direitos humanos, bem como às questões relacionadas com a Globalização e à Solidariedade. A esta intervenção, sucedeu-se um debate vivo e muito participado. A política de novo em foco A terceira parte do Seminário esteve a cargo do Dr. Francisco Sarsfield Cabral

5 que abordou a temática das "Forças e poderes transformando e renovando a Sociedade", referindo-se a projectos de Sociedade e de poder cultural; Produção de bens, mercado e poder económico; Estado de direito e Poder Político. O orador sublinhou ter o 11 de Setembro voltado "a pôr a política em foco", restabelecendo o "equilíbrio entre estatismo e liberalismo", afirmando a sua convicção de que "não pode haver economia sem Estado nem Política", e de que nesse sentido, "quer o marxismo quer o liberalismo são anti-políticos", e de que o "Estado tem de ser limitado pelo Direito". Quanto à Globalização, sublinhou que terá de sofrer um "indispensável enquadramento". Referiu-se ainda ao papel activo e positivo da Igreja na vida política internacional, e ao papel dos media na política nacional, ressalvando que, mau grado o crescente desinteresse de muitos por esta, continua a confiar no bom senso político dos portugueses. O debate que se seguiu foi igualmente muito participado, focando problemas de grande interesse e actualidade. O número de participantes deste Seminário foi reduzido, da ordem das cinco dezenas de pessoas, apesar do grande esforço de divulgação que se efectuou. 4 da Revista «TRANSFORMAR» / Ano V - Número Sentido da responsabilidade e de dedicação ao bem comum Tomar a sério a política, nos seus diversos níveis - local, regional, nacional e mundial - é afirmar o dever do homem, de todos os homens, de reconhecerem a realidade concreta e o valor da liberdade de escolha que lhes é proporcionada para procurarem realizar juntos o bem da cidade, da nação, da humanidade. (Paulo VI - Carta encíclica Octogesima Adveniens, n.º 48) Para que todos os cidadãos possam exercer o seu papel na vida da comunidade política, deve dar-se uma grande atenção à educação cívica e política. (GS, n.º

6 75.6) Aqueles que são, ou que podem vir a ser, capazes de exercer a arte difícil, mas nobre, da política, devem preparar-se para isso. Devem entregar-se a ela com zelo, sem se preocuparem com vantagens materiais nem com o seu interesse pessoal. (GS, n.º 75.6) Os partidos políticos, embora não esgotem os modos de participação democrática, são organizações fundamentais para dinamizar a acção política. (Paulo VI - Carta encíclica Octogesima Adveniens) É desejável que os cidadãos se empenhem nos partidos cujas orientações sejam consentâneas com a sua consciência e visão sobre a sociedade. (Paulo VI - Carta encíclica Octogesima Adveniens) 5

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA RESUMO Este texto expõe a relevância dos partidos políticos no contexto constitucional português. Para este efeito, analisam-se as linhas que institucionalizam as organizações político-partidárias; os

Leia mais

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) Vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA 15 de Outubro de 2009 Sr. as e Srs. Deputados: Como Presidente eleito da Assembleia da República,

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

I MAIO NOTAS PARA A INTERVENÇÃO

I MAIO NOTAS PARA A INTERVENÇÃO I MAIO 2011 - NOTAS PARA A INTERVENÇÃO Caras e caros Companheiros e Amigos Aqui, somos muitos, muitos mil para dizer ao País que os trabalhadores estão mobilizados na defesa de um PAÍS PROGRESSO ECONÓMICO

Leia mais

MAIS EUROPA, MELHOR PORTUGAL!

MAIS EUROPA, MELHOR PORTUGAL! MAIS EUROPA, MELHOR PORTUGAL! Conselho Nacional 1 de Outubro de 2013 O próximo desafio eleitoral do PSD serão as eleições europeias em Maio de 2014. No sentido de preparar estas eleições recorda-se a declaração

Leia mais

Escola: Nome: Nº: Turma:

Escola: Nome: Nº: Turma: Escola: Nome: Nº: Turma: Skimming e scanning Skimming e scanning são duas técnicas de leitura de textos. Utilizamos frequentemente estas duas técnicas em conjunto para poupar tempo na identificação, localização

Leia mais

ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR

ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS TÉCNICOS EM MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO PARANÁ SINDITTEMA-PR TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, PRERROGATIVAS, DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS Capítulo I

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 O Estado É uma comunidade de homens fixada sobre um território com poder de mando, ação e coerção (ato de pressionar, induzir) constituída

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS Lisboa, 10 de Dezembro 2007 DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS LIÇÕES DE UMA DÉCADA DE EXPERIMENTAÇÃO Alberto Melo Delegado Regional IEFP, Delegação Regional do Algarve

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

Campanha Nacional de Incentivo ao Voto para as Eleições Europeias. Apoio: Parceiros: Ecos

Campanha Nacional de Incentivo ao Voto para as Eleições Europeias. Apoio: Parceiros: Ecos Apoio: Campanha Nacional de Incentivo ao Voto para as Eleições Europeias Parceiros: Ecos 1. O PROJECTO 1.1 Enquadramento 1.2 Objetivos 1.3 Ligação à Campanha League of Young Voters 2. OS PARCEIROS 3. ATIVIDADES

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 01. Considere as seguintes normas constitucionais: I. A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando

Leia mais

TÍTULO VIII PODER LOCAL

TÍTULO VIII PODER LOCAL TÍTULO VIII PODER LOCAL CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 235.º Autarquias locais 1. A organização democrática do Estado compreende a existência de autarquias locais. 2. As autarquias locais são pessoas

Leia mais

Programa. Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013. Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira. Introdução

Programa. Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013. Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira. Introdução Programa Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013 Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira Introdução I. Aspectos gerais 1. As Finanças Públicas. Questões de ordem geral 2. Fixação

Leia mais

ÉTICA, POLÍTICA E TRANSPARÊNCIA (COM GALERIA DE FOTOS)

ÉTICA, POLÍTICA E TRANSPARÊNCIA (COM GALERIA DE FOTOS) N20120229n ÉTICA, POLÍTICA E TRANSPARÊNCIA (COM GALERIA DE FOTOS) A 29 de Fevereiro de 2012, Mendes Bota proferiu uma conferência no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Loulé, subordinada ao tema Ética,

Leia mais

SEMINÁRIO Reforma Política: Sistema Eleitoral em Debate. LOCAL: Auditório Prof. Oswaldo Fadigas Fontes - USP DATA: 30 de maio de 2011 RELATÓRIO

SEMINÁRIO Reforma Política: Sistema Eleitoral em Debate. LOCAL: Auditório Prof. Oswaldo Fadigas Fontes - USP DATA: 30 de maio de 2011 RELATÓRIO SEMINÁRIO Reforma Política: Sistema Eleitoral em Debate LOCAL: Auditório Prof. Oswaldo Fadigas Fontes - USP DATA: 30 de maio de 2011 RELATÓRIO O seminário teve a duração de um dia e contou com a participação

Leia mais

Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos,

Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos, Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos, Excelentíssima Primeira-Dama da República de Angola, Drª Ana Paula dos Santos, Excelentíssimo Senhor Vice-Presidente

Leia mais

5 2º RELAÇÕES INTERNACIONAIS E POLÍTICA INTERNACIONAL. 5 3º o DIÁLOGO INTERNACIONAL CAPÍTULO I. INTRODUÇÃO SIº A COMUNIDADE INTERNACIONAL

5 2º RELAÇÕES INTERNACIONAIS E POLÍTICA INTERNACIONAL. 5 3º o DIÁLOGO INTERNACIONAL CAPÍTULO I. INTRODUÇÃO SIº A COMUNIDADE INTERNACIONAL índice GERAL PREFÁCIO PARA A OITAVA EDIÇÃO NOTA PRÉVIA À PRIMEIRA EDIÇÃO NOTA PARA A SEGUNDA EDIÇÃO BREVE NOTA PRÉVIA À TERCEIRA EDIÇÃO PREFÁCIO PARA A QUARTA EDIÇÃO PREFÁCIO PARA A QUINTA EDIÇÃO PREFÁCIO

Leia mais

Fórum da OIT Trabalho Digno para uma Globalização Justa

Fórum da OIT Trabalho Digno para uma Globalização Justa Fórum da OIT Trabalho Digno para uma Globalização Justa Abertura pelo Senhor Primeiro Ministro Lisboa, FIL (Junqueira), 31 de Outubro de 2007, 17H00 Senhor Director-Geral do BIT, Senhoras e Senhores, Saúdo

Leia mais

Direito da Economia. Programa

Direito da Economia. Programa Docente: Profa. Maria Eduarda Gonçalves e-mail: mebg2009@gmail.com mebg@iscte.pt Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Licenciatura em Direito 2010/2011 Direito da Economia Programa 15 de

Leia mais

Mensagem da Direcção da A25A por ocasião das comemorações do 37.º aniversário do 25 de Abril

Mensagem da Direcção da A25A por ocasião das comemorações do 37.º aniversário do 25 de Abril Mensagem da Direcção da A25A por ocasião das comemorações do 37.º aniversário do 25 de Abril Foi há 37 anos. A ditadura foi lançada borda fora, a liberdade despontou e a democracia iniciou-se. A guerra

Leia mais

Intervenção III Fórum Abrigo

Intervenção III Fórum Abrigo Intervenção III Fórum Abrigo Este Fórum Social da Associação Abrigo convida-nos a dissertar sobre o papel da sociedade civil no mundo actual. O tema parece-me aliciante, importante e decisivo numa sociedade

Leia mais

Como funciona a UE. Como funciona a UE

Como funciona a UE. Como funciona a UE Como funciona a UE Como funciona a UE Três instituições principais O Parlamento Europeu, a voz dos cidadãos Jerzy Buzek, Presidente do Parlamento Europeu O Conselho de Ministros, a voz dos Estados-Membros

Leia mais

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL A VIDA ASSOCIATIVA É UM INSTRUMENTO DE EXERCÍCIO DA SOCIABILIDADE. POR MEIO DELA CONQUISTA SE NOVOS AMIGOS, EXPANDE SE CONHECIMENTOS,

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Angola e Moçambique Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Sofia Vivas 20

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Lei nº 23/92 de 16 de Setembro LEI DE REVISÃO CONSTITUCIONAL As alterações à Lei Constitucional introduzidas em Março de 1991, através da Lei nº. 12/91 destinaram

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA Proposta ****** Art. 1 Denominação e natureza 1. É constituída A Rede de Parlamentares

Leia mais

Excelência Jorge Carlos de Almeida Fonseca, Presidente da República de Cabo-Verde e Presidente em Exercício dos PALOP,

Excelência Jorge Carlos de Almeida Fonseca, Presidente da República de Cabo-Verde e Presidente em Exercício dos PALOP, Discurso pronunciado por Sua Excelência José Eduardo dos Santos, Presidente da República de Angola, por ocasião da Cimeira dos PALOP Luanda, 30 de Junho de 2014 Excelência Jorge Carlos de Almeida Fonseca,

Leia mais

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa Documento realizado para

Leia mais

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança Conclusões Senhor Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, Demais autoridades

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM Módulo A1: Empregabilidade I: Comunicação e Relações Interpessoais 1º Período Estratégias de autoconhecimento e de promoção da auto-estima. A Comunicação nas relações interpessoais. Tipos de comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ÉTICA

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

GLAP Sorocaba Grupo Local de Ação Política

GLAP Sorocaba Grupo Local de Ação Política São Paulo, Maio de 2016 GLAP Sorocaba Grupo Local de Ação Política PROJETO DE LEI PARLAMENTAR INCLUSÃO DA DISCIPLINA CIDADANIA NO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DO ESTADO DE SÃO PAULO Alexandre Ogusuko Coordenador

Leia mais

FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA

FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA Escola Secundária/3 de Barcelinhos ANO LETIVO 2012-2013 FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA 3.º Ciclo Ensino Básico A) ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS B) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ÍNDICE A) ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO ( ) Cidadania não é apenas o conjunto de direitos e deveres que os cidadãos devem exercer e cumprir. O exercício da Cidadania é sobretudo um comportamento, uma atitude

Leia mais

II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais. Palestra. Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro. Prof. Dr. Fernando S.

II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais. Palestra. Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro. Prof. Dr. Fernando S. II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais Palestra Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro Prof. Dr. Fernando S. COELHO Jundiaí, 27 de novembro de 2014 1 O que abordarei nesta exposição?

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA ÁRABE-PORTUGUESA

CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA ÁRABE-PORTUGUESA PATROCINADORES CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA ÁRABE-PORTUGUESA A Câmara de Comércio e Indústria Árabe-Portuguesa (CCIAP), Associação sem fins lucrativos/entidade de Utilidade Pública, tem como objectivo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 102/X. Primeira revisão da Lei nº 6/94, de 7 de Abril Segredo de Estado

PROJECTO DE LEI N.º 102/X. Primeira revisão da Lei nº 6/94, de 7 de Abril Segredo de Estado PROJECTO DE LEI N.º 102/X Primeira revisão da Lei nº 6/94, de 7 de Abril Segredo de Estado Passados já onze anos de vigência da Lei nº 6/94, de 7 de Abril, que pela primeira vez abordou, em termos democráticos,

Leia mais

Direito Constitucional Português

Direito Constitucional Português Direito Constitucional Português Legislação Fundamental I CONSTITUIÇÃO E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR 1. Constituição da República Portuguesa (depois da VII revisão constitucional Lei Constitucional nº 1/2005,

Leia mais

VOTO DE AGRADECIMENTO

VOTO DE AGRADECIMENTO VOTO DE AGRADECIMENTO Subscritora: a Mesa da AME A AME deliberou realizar uma audição pública sobre a problemática do funcionamento do ATERRO INTERMUNICIPAL DE RESÍDUOS URBANOS DE ÉVORA, tendo convidado,

Leia mais

8.1 Dimensões de um sistema eleitoral. eleitoral

8.1 Dimensões de um sistema eleitoral. eleitoral (ula 6) Métodos de votação e sistemas eleitorais. s dimensões de um sistema eleitoral (introd.). Os tipos de sistema eleitoral.. Sistemas maioritários.. Sistemas proporcionais.. Sistemas mistos.. Uma análise

Leia mais

Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira:

Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira: Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira: Amados irmãos e irmãs em Cristo Jesus, A Paz de Jesus! A

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO

INSTITUIÇÕES DE DIREITO INSTITUIÇÕES DE DIREITO Prof. Rogério Dias Correia Tipos de democracia Democracia direta Democracia indireta Democracia semidireta 2 Conceito de Sistemas eleitorais Conjunto de regras e procedimentos utilizados

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Cidadania e Mundo Atual ANO: 7º TURMA: A ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Empregabilidade: comunicação e relações pessoais AULAS PREVISTAS:

Leia mais

COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA?

COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA? COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA? O QUE É A UNIÃO EUROPEIA? A União Europeia é uma união de países democráticos europeus, que partilham valores comuns e que se encontram empenhados num projeto

Leia mais

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Novembro de 2016 I - IDENTIFICAÇÃO Nome - RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Estado civil - Casado Naturalidade - Luanda Nacionalidade - Angolana Data de nascimento

Leia mais

Que Reformas Para a Segurança Social?

Que Reformas Para a Segurança Social? A Redução da Taxa Social Única e a Reforma da Segurança Social Que Reformas Para a Segurança Social? Miguel Coelho Instituto de Direito Económico, Fiscal e Financeiro da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS PROPOSTAS DE TRABALHO A DESENVOLVER PELO CANDIDATO OBSERVADO

NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS PROPOSTAS DE TRABALHO A DESENVOLVER PELO CANDIDATO OBSERVADO GRUPO: ÁREA DE COMPETÊNCIAS-CHAVE CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO DIREITOS E DEVERES Identificar situações de autonomia e responsabilidades partilhadas

Leia mais

Política Externa do Brasil

Política Externa do Brasil Política Externa do Brasil A política externa é o conjunto de objetivos políticos que um determinado Estado almeja alcançar nas suas relações com os demais países do mundo. Definição planejada e objetiva

Leia mais

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L Mapa de Pessoal para o Ano de 0 - artigos 4.º e 5.º da Lei n.º -A/008 Unidades s/subunidades s Cargo/carreira /categoria Chefe de divisão - Dirigente intermédio

Leia mais

Grandes Linhas de Orientação Estratégica

Grandes Linhas de Orientação Estratégica Grandes Linhas de Orientação Estratégica Conselho de Administração da SRU 28.Novembro.2006 1. Passado 1.1. Caracterização Uma história de planeamento inconsequente; O desinteresse das entidades públicas;

Leia mais

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Porto, novembro de 2016 Criadas em 2001 LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Objectivo Promover os direitos da criança e do jovem

Leia mais

Pedro Bandeira Simões Professor

Pedro Bandeira Simões Professor Ano Lectivo 2010/2011 ÁREA DE INTEGRAÇÃO Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 12º Ano Apresentação nº 10 Os fins e os meios: que ética para a vida humana? Pedro

Leia mais

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Portugiesisch Niedersächsischer Landeswahlleiter Informações do Presidente da Comissão Eleitoral da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral

Leia mais

Projecto de Lei n.º /X

Projecto de Lei n.º /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º /X DEFINE A CATIVAÇÃO PÚBLICA DAS MAIS-VALIAS URBANISTICAS COMO MEDIDA PREVENTIVA DE COMBATE AO ABUSO DE PODER E À CORRUPÇÃO Exposição de motivos O presente projecto

Leia mais

PROGRAMA ELEITORAL LISTA A

PROGRAMA ELEITORAL LISTA A PROGRAMA ELEITORAL 2015-2016 LISTA A Tel: +351 225 322 068- Tlm: +351 939 376 393 - info@apgei.pt - www.apgei.pt ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. RELAÇÕES COM OUTROS ORGANISMOS 3. FORMAÇÃO 4. JANTARES-DEBATE E

Leia mais

Doutoramentos ENSINO PÚBLICO. 1. Universidade Nova de Lisboa

Doutoramentos ENSINO PÚBLICO. 1. Universidade Nova de Lisboa Doutoramentos ENSINO PÚBLICO 1. Universidade Nova de Lisboa *Doutoramento em Ciência Política Metodologias em Ciência Política 10.0 Problemáticas em Ciência Política 10.0 Tese em Ciência Política 180.0

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA REPÚBLICA DE ANGOLA COMISSÃO CONSTITUCIONAL PROJECTO DE CONSTITUIÇÃO B SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA (Texto de Apresentação Pública) O Projecto B comporta 195 artigos e os seus principais aspectos são

Leia mais

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE Sistema de Informação de Apoio à Gestão das Organizações da Sociedade Civil Direcção de Serviços de Prevenção e Controlo de Doenças Divisão

Leia mais

Projeto de Decreto Legislativo Regional. Regime dos Requerimentos Parlamentares

Projeto de Decreto Legislativo Regional. Regime dos Requerimentos Parlamentares Projeto de Decreto Legislativo Regional Regime dos Requerimentos Parlamentares As perguntas parlamentares constituem um instrumento de fiscalização e controlo parlamentar da atividade governativa cuja

Leia mais

PROGRAMA. 4. O conceito de crime e o processo penal: pressupostos materiais e processuais da responsabilidade penal.

PROGRAMA. 4. O conceito de crime e o processo penal: pressupostos materiais e processuais da responsabilidade penal. DIREITO PROCESSUAL PENAL PROGRAMA I INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL PENAL 1. O funcionamento real do sistema penal: os dados da PGR (2010), do Relatório Anual de Segurança Interna (2011) e o tratamento

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Palmela Nota Justificativa Reconhecendo: 1. A juventude como força motriz do desenvolvimento de uma comunidade, região, país, através das suas múltiplas

Leia mais

Na verdade, Brasil e Portugal têm uma responsabilidade especial relativamente à CPLP e que não pode ser rejeitada.

Na verdade, Brasil e Portugal têm uma responsabilidade especial relativamente à CPLP e que não pode ser rejeitada. Exmos. Minhas Senhoras e Meus Senhores Começo por agradecer o honroso convite do Governo da Bahia para proferir algumas palavras sobre a Actualidade da Lusofonia, convite a que naturalmente acedi com entusiasmo.

Leia mais

Diminuir o número de círculos de 22 para 2. Diminuir o número de deputados de 230 para 181. Só exige alteração de 3 artigos da Lei Eleitoral

Diminuir o número de círculos de 22 para 2. Diminuir o número de deputados de 230 para 181. Só exige alteração de 3 artigos da Lei Eleitoral RESUMO DA PROPOSTA Diminuir o número de círculos de 22 para 2 Diminuir o número de deputados de 230 para 181 Só exige alteração de 3 artigos da Lei Eleitoral DOIS PROBLEMAS DA LEI ACTUAL Desrespeito pelo

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA

Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA 5 Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA 1 CONTROLE SOCIAL: O controle social é entendido como a participação do cidadão na gestão

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) Ano lectivo PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA 3.º Ano Turno diurno

Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) Ano lectivo PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA 3.º Ano Turno diurno Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) Ano lectivo 2015-2016 PROGRAMA DIREITO DA ECONOMIA 3.º Ano Turno diurno Setembro 2015 REGENTE/COORDENADOR Professor Doutor Luís Silva Morais Membros

Leia mais

ENQUADRAMENTO CLIENTES

ENQUADRAMENTO CLIENTES ENQUADRAMENTO A promoção da integração na sociedade do cidadão com deficiência mental assim como a defesa dos seus direitos, são valores considerados como fundamentais pela APPACDM, no respeito pelos princípios

Leia mais

ª Fase AECVEXE10_04

ª Fase AECVEXE10_04 AECVEXE10_04 20 pontos 15 pontos 15 pontos 10 pontos 20 pontos 20 pontos 15 pontos 15 pontos 10 pontos TOTAL 200 pontos Exame Nacional de Economia A 10.º/11.º Anos, 2007, 2.ª fase in www.gave.min-edu.pt

Leia mais

LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL 2013

LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL 2013 LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL 2013 21. A função estabelecida constitucionalmente à Defensoria Pública consiste em (a) defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais indisponíveis.

Leia mais

EUROBARÓMETRO 65 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA PRIMAVERA

EUROBARÓMETRO 65 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA PRIMAVERA Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 65 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA PRIMAVERA 2006 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 65 / Spring 2006 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

A Educação para os Media em Portugal

A Educação para os Media em Portugal A Educação para os Media em Portugal Experiências, Actores e Contextos Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Novembro de 2009 1. Enquadramento Teórico A Educação para os Media é hoje uma área-chave

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia?

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Aula Teórica nº 1 Sumário: Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Objectivos da aula: No final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Identificar os principais problemas abordados pela Macroeconomia.

Leia mais

C.N.O.D. Confederação Nacional dos Organismos de Deficientes

C.N.O.D. Confederação Nacional dos Organismos de Deficientes Membro do Conselho Económico e Social Membro do Fórum Europeu da Deficiência PLANO DE ACTIVIDADES 2015 Preâmbulo Temos Direitos Pelos Quais Vale a Pena Lutar Guiando-nos pelos objectivos consignados nos

Leia mais

Pensões e Saúde na Banca

Pensões e Saúde na Banca Instituto de Formação Bancária IFB The Portuguese Bank Training Institute Associação Portuguesa de Bancos Seminário Pensões e Saúde na Banca Lisboa, 18 Novembro 2008 Razão de Ser O tema das pensões de

Leia mais

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO Congresso da Administração Pública 2015 Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO ENQUADRAMENTO Visão do INA: ser reconhecido como um serviço de referência na qualificação e

Leia mais

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Por: Cremildo Paca Falar sobre as garantias legais de equilíbrio do direito de antena é um exercício desafiante.

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA Victor Barau 1- O Conceito da palavra Democracia Democracia demos = povo, e kratos = autoridade Origem Conceito Moderno: Revoluções Francesa e Americana.

Leia mais

PROGRAMA ELEITORAL LISTA A

PROGRAMA ELEITORAL LISTA A PROGRAMA ELEITORAL 2011-2012 LISTA A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. RELAÇÕES COM OUTROS ORGANISMOS 3. FORMAÇÃO 4. JANTARES-DEBATES E CONFERÊNCIAS 5. ANGARIAÇÃO E RETENÇÃO DE ASSOCIADOS 2 1. INTRODUÇÃO A Lista

Leia mais

SEMINÁRIO Violência Doméstica 20 e 27 de Maio de 2011 Salão Nobre da Ordem dos Advogados. Questionários

SEMINÁRIO Violência Doméstica 20 e 27 de Maio de 2011 Salão Nobre da Ordem dos Advogados. Questionários SEMINÁRIO Violência Doméstica 20 e 27 de Maio de 2011 Salão Nobre da Ordem dos Advogados Questionários Dia 20 de Maio Manhã Moderador: Luís Silva Vice-Presidente do Dra. Florbela Sebastião Silva Juíza

Leia mais

Programa da disciplina de Direitos Fundamentais. Ano lectivo de 2011/2012

Programa da disciplina de Direitos Fundamentais. Ano lectivo de 2011/2012 Programa da disciplina de Direitos Fundamentais Ano lectivo de 2011/2012 Regente: Jorge Reis Novais 1- Apresentação da disciplina: programa, bibliografia, aulas e método de avaliação. O objectivo da disciplina:

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL

CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL Rui Leão Martinho 9 de Julho de 2013 INDÍCE Introdução Corporate Governance Princípios Corporate Governance em Portugal Estudo

Leia mais

CADERNO REIVINDICATIVO DO PARA 2009

CADERNO REIVINDICATIVO DO PARA 2009 CADERNO REIVINDICATIVO DO sintap/açores PARA 2009 INTRODUÇÃO O sintap/açores, ao elaborar o seu Caderno Reivindicativo, faz sempre questão de frisar a matriz caracterizadora da sua acção sindical, a saber,

Leia mais

Sua Excelência, Presidente do Parlamento Francisco Lu-Olo Guterres. Sr. Sukehiro Hasegawa, Representante Especial do Secretário-Geral

Sua Excelência, Presidente do Parlamento Francisco Lu-Olo Guterres. Sr. Sukehiro Hasegawa, Representante Especial do Secretário-Geral Sua Excelência, Primeiro Ministro Mari Alkatiri Sua Excelência, Presidente do Parlamento Francisco Lu-Olo Guterres Sr. Sukehiro Hasegawa, Representante Especial do Secretário-Geral Honoráveis Ministros

Leia mais

Definição como se transformam votos em poder

Definição como se transformam votos em poder Definição. Sistema eleitoral é o conjunto de regras que define como, em uma determinada eleição, o eleitor pode fazer suas escolhas e como os votos são contabilizados para serem transformados em mandatos.

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

I PARTE A ligação entre eleitores e eleitos e o papel dos deputados

I PARTE A ligação entre eleitores e eleitos e o papel dos deputados índice Geral índice de Tabelas 12 índice de Figuras 18 Agradecimentos 23 Introdução 27 I PARTE A ligação entre eleitores e eleitos e o papel dos deputados CAPÍTULO l Declínio, transformação e confiança

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA A MARCELO REBELO DE SOUSA Professor Catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa JOSÉ DE MELO ALEXANDRINO Assistente da Faculdade de Direito de Lisboa CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA ^ COMENTADA

Leia mais

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Março 2011 I - IDENTIFICAÇÃO Nome - RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Estado civil - Casado Naturalidade - Luanda Nacionalidade - Angolana Data de nascimento - 21 de

Leia mais

Façamos um trabalho que conduza à felicidade, seguindo os preceitos do Mestre Mikao Usui

Façamos um trabalho que conduza à felicidade, seguindo os preceitos do Mestre Mikao Usui 2016-2018 Façamos um trabalho que conduza à felicidade, seguindo os preceitos do Mestre Mikao Usui Princípios Fundamentais A Associação foi criada para o esclarecimento e apoio aos praticantes de Reiki.

Leia mais