AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIANA DOS PROCEDIMENTOS DE RADIOLOGIA NO AMBIENTE ODONTOLÓGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIANA DOS PROCEDIMENTOS DE RADIOLOGIA NO AMBIENTE ODONTOLÓGICO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIANA DOS PROCEDIMENTOS DE RADIOLOGIA NO AMBIENTE ODONTOLÓGICO Sílvia Coletti Martoni Faculdade de Odontologia Centro de Ciências da Vida Sérgio Luiz Pinheiro Dentística Minimamente Invasiva Centro de Ciências da Vida Resumo: o objetivo desse trabalho foi avaliar a contaminação microbiana dos procedimentos de radiologia. Foram selecionados 10 pacientes que necessitavam de exame radiográfico e a técnica utilizada foi a bissetriz: G1- (controle): ausência de barreira plástica e sobre-luva ou soluções desinfetantes; G2 - borrifamento com álcool; G3 - proteção do filme com barreira plástica e borrifamento com álcool; G4 - proteção do filme com barreira plástica, utilização de sobreluva e borrifamento com álcool. As regiões para avaliação foram: disparador, tubo de raios-x, manga da câmara escura portátil, água, revelador e fixador. Antes e após as tomadas radiográficas foram realizadas as coletas microbiológicas. Um ml do revelador, água e fixador antes e após as revelações dos filmes também foram coletados. As amostras foram incubadas em anaerobiose e aerobiose. Os resultados foram submetidos ao teste Q de Cochran e Mann-Whitney. A manga da câmara de revelação apresentou a maior contaminação anaeróbica seguida do tubo de raios-x e somente a utilização do álcool associado com as barreiras mecânicas foi eficaz no controle dessa microbiota. O disparador apresentou maior contaminação microbiana aeróbica e a utilização do álcool ou do álcool associado com as barreiras mecânicas foi eficaz no controle dessa microbiota. As soluções de revelação não apresentaram crescimento significativo de bactérias anaeróbicas e aeróbicas. A característica da cepa microbiana, aeróbica ou anaeróbica, influencia na contaminação microbiana durante as tomadas radiográficas e a utilização do álcool associado com barreira plástica e sobre-luva está indicado para redução dessa microbiota. 1. INTRODUÇÃO Os procedimentos radiográficos representam uma ferramenta complementar para o diagnóstico das principais patologias da cavidade bucal [1]. Durante a tomada radiográfica, o dentista manipula o filme na cavidade bucal do paciente possibilitando o contato com saliva e sangue que podem ser transferidos para o tubo de raios-x, disparador, manga da câmara escura e soluções reveladoras [2,3]. Infecções cruzadas podem acontecer durante todas essas fases do processamento radiográfico. Pesquisadores [4] avaliaram a contaminação microbiológica de pacientes após exames radiográficos, verificando a transferência de Streptococcus pyogenes, Staphylococcus aureus e pneumoniae. Alternativas foram propostas para o controle da contaminação durante a tomada radiográfica: utilização de desinfetantes [5], barreiras de proteção [6, 7, 8] e sobre-luva [9]. Alguns trabalhos mostram a necessidade da utilização simultânea desses três métodos de proteção para alcançar níveis aceitáveis de contaminação [10]. A remoção de resíduos da cavidade bucal e a secagem do filme também são procedimentos que auxiliam na redução microbiana [5,11]. Escassos são os trabalhos que se preocuparam em quantificar a microbiota existente nas regiões passiveis de contaminação durante a tomada e processamento radiográfico. Portanto, o objetivo desse trabalho foi quantificar o total de bactérias anaeróbicas e aeróbicas viáveis no tubo de raios-x, disparador, manga da câmara escura, soluções reveladoras assim como a eficiência do desinfetante, barreira de proteção e sobre-luva no controle dessa microbiota. Palavras-chave: Radiografia, Controle de Infecção, ambiente microbiológico. Área do Conhecimento: Grande Área do Conhecimento: Ciências da Saúde Sub-Área do Conhecimento: Odontologia CNPq. 2. MATERIAIS E MÉTODOS Este trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC- Campinas, protocolo 107/07). Foram selecionados 10 pacientes na Clínica Odontoló-

2 gica que necessitavam de exame radiográfico. A técnica radiográfica utilizada nesse trabalho foi a bissetriz ( Cieszynski, 1907) no aparelho Prodental (Ribeirão Preto, São Paulo, Brazil 70 Kvp e 8 ma). Para avaliar a contaminação microbiana durante as tomadas radiográficas 4 grupos foram estudados: Grupo 1 (controle, ausência de barreiras mecânicas ou soluções desinfetantes): as radiografias foram executadas com o profissional usando luvas de látex (Descarpack, Itajaí, Santa Catarina, Brazil). O filme (Kodak, São Paulo, Brazil) revelado em câmara escura portátil (Unemol, São Paulo,Brazil) permanecendo 45 segundos no revelador (Kodak, São Paulo, Brazil), 10 segundos na água e 10 minutos no fixador (Kodak, São Paulo, Brazil). Grupo 2 (borrifamento com álcool): as tomadas radiográficas e a revelação foram executadas conforme descrito para o Grupo 1. A única diferença em relação ao grupo 1 é que logo após as tomadas radiográficas, o filme foi borrifado por 3 vezes consecutivas com álcool 70% (Emfal, Betim, Minas Gerais Brazil) a uma distância de 5 cm obtida por meio de régua milimetrada ( Polibras, São Paulo, Brazil). O borrifamento foi realizado em todas as faces do filme. Grupo 3 (proteção do filme com barreira e borrifamento com álcool): as tomadas radiográficas, revelação e o borrifamento foram realizados conforme descrito para o grupo 2. A única diferença existente entre os grupos 2 e 3 é que neste último, o filme foi envolto manualmente por 2 camadas barreira mecânica (filme de PVC, Magipack, São Paulo, Brazil) previamente a tomada radiográfica. Após essa etapa, a barreira (filme de PVC, Magipack, São Paulo, Brazil) foi retirada para o borrifamento com álcool 70% ( Emfal, Betim, Minas Gerais, Brazil). Grupo 4 (proteção do filme com barreira, utilização de sobre-luva e borrifamento com álcool 70%): o profissional utilizou sobre-luva (Lagrotta A- zurra, São Paulo, Brazil) previamente a tomada radiográfica e essa foi retirada após a revelação. O restante dos procedimentos foi executado conforme descrito para os grupos 3 e 4. As regiões para avaliação da contaminação microbiana foram: disparador, tubo de raio-x, manga da câmara escura portátil, água, revelador e fixador. Previamente as tomadas radiográficas, o disparador, tubo de raios-x e manga da câmara escura portátil foram desinfetados gaze estéril (Neve, São Paulo, Brazil) embebido com álcool 70% em movimento de varredura por 30 segundos. A padronização das á- reas para coleta microbiológica foi feita com etiqueta (Flax, São Paulo, Brazil) recortada internamente de maneira que a área vazada apresentasse 5 cm de comprimento por 2 cm de largura. Antes e após as tomadas radiográficas foram realizadas as coletas microbiológicas com um swab estéril (Zaragatoa Hisopo, São Paulo, Brazil) embebido no meio de cultura enriquecedor BHI(Acumedia Manufacturers, Inc. Lasing, Michigan 48912) por um minuto com movimentos de varredura nos locais previamente demarcados. Um ml do revelador, água e fixador antes e após as revelações dos filmes também foram coletados com o auxílio de pipeta de Pasteur (Zangatoa Hisopo, São Paulo, Brazil) e todo material coletado foi transportado no meio de cultura enriquecedor BHI para o processamento microbiológico (Figura 1). A semeadura foi realizada em placas de ágar-sangue por estriamento com a técnica de esgotamento utilizando fluxo laminar (Veco, Campinas, Brazil). As placas foram incubadas em anaerobiose e aerobiose na estufa (Fanem, São Paulo, Brazil) a 37 C por 72 ho - ras. O ambiente de anaerobiose foi obtido por meio de envelope geradores (Anaerobac, Probac, São Paulo, Brazil). Todas as coletas foram realizadas as terças-feiras no início do atendimento clínico das 13:15 h até as 15:45 hrs e a semeadura a partir das 16:00 hrs. Foi realizado o cálculo do aumento das unidades formadoras de colônias de cada região coletada dos diferentes grupos e os resultados submetidos ao teste Q de Cochran e Mann-Whitney Figura 1. Regiões das coletas. 3. RESULTADOS Foi realizado o cálculo do aumento das unidades formadoras de colônias de cada região coletada dos diferentes grupos e os resultados submetidos ao teste Q de Cochran e Mann-Whitney (Tabelas 1 e 2). Avaliando a microbiota anaeróbica, foi possível observar diferenças significantes na contaminação pelo

3 total de bactérias viáveis entre as regiões analisadas. A manga da câmara de revelação portátil foi a que apresentou a maior contaminação microbiana anaeróbica seguida do tubo do aparelho de Rx e somente a utilização do álcool 70% associado com as barreiras mecânicas (PVC e sobre-luva) foi eficaz no controle desta microbiota. As soluções de revelação (revelador, água e fixador) não apresentaram crescimento significativo de bactérias anaeróbicas. Tabela 1. Análise comparativa do aumento da contaminação microbiana entre as regiões analisadas (teste Q de Cochran) e entre os grupos amostrais (teste de Mann-Whitney) - anaeróbicas, ufc/ml. REGIÃO DA COLETA AUMENTO de ufc/ml Médias Aritméticas Mann- Whitney G1 G2 G3 G4 P DISPARADOR >0.05 CONE * * <0.05 MANGA * 0.00* <0.05 ÁGUA >0.05 FIXADOR >0.05 REVELADOR >0.05 MÉDIAS E DESVIOS- PADRÃO Valor de p Q de Cochran 4.05 (4.63) 3.88 (3.15) 4.44 (6.43) < (2.03) *Grupos que apresentam o mesmo símbolo no sentido horizontal: diferenças significantes Em relação à microbiota aeróbica, foi o disparador que apresentou a maior contaminação microbiana aeróbica significativa e assim como aconteceu para a microbiota anaeróbica, somente a utilização do álcool 70% associado com as barreiras mecânicas (PVC e sobre-luva) foi eficaz no controle desta microbiota. As soluções de revelação (revelador, água e fixador) e o cone do aparelho de RX não apresentaram crescimento significativo de bactérias aeróbicas (Tabela 2). Tabela 2. Análise comparativa do aumento da contaminação microbiana entre as regiões analisadas (teste Q de Cochran) e entre os grupos amostrais (teste de Mann-Whitney) - aeróbicas, ufc/ml. REGIÃO DA COLETA AUMENTO de ufc/ml Médias Aritméticas Mann W. G1 G2 G3 G4 P DISPARADOR 30.66* * <0.05 CONE >0.05 MANGA * * <0.05 ÁGUA >0.05 FIXADOR >0.05 REVELADOR >0.05 MÉDIAS E DESVIOS- PADRÃO Valor de p Q de Cochran 7.38 (11.58) 1.83 (2.04) 4.11 (5.44) 0.83 (1.39) < * Grupos que apresentam o mesmo símbolo no sentido horizontal: diferenças significantes 4. DISCUSSÃO A literatura descreve experimentos in vitro por meio de cepas padrão para avaliar a contaminação durante o processamento radiológico [12,7,5,13,14]. A vantagem de se utilizar cepas padrão em laboratório é o controle microbiológico do experimento. Na maioria desses trabalhos, são utilizados microrganismos, com destaque para Cândida albicans, Streptococcus pneumoniae, Staphylococcus aureus, Klebsiella pneumoniae, Escherichia coli. Stanczyk et al. (1993) [12] observaram contaminação cruzada nos filmes radiográficos durante o processamento automático, porém Parks e Farmam (1992) [15] afirmaram que durante a exposição do filme os operadores estão mais suscetíveis a contaminação cruzada do que no processamento. Hubar et al. (1994) [7] relataram que a utilização de barreiras confeccionadas manualmente para proteção do filme apresentam 57% de contaminação quando são retiradas com luvas e 33% quando são retiradas com tesoura esterilizada. Em 1993, Bajuscak et al. [10] ressaltaram a importância da utilização de agentes desinfetantes, proteção plástica e uso da sobre-luva para a manipulação dos filmes e Hubar et al. (1995) [5] destacaram a necessidade de secagem e utilização do hipoclorito de sódio 2.63% como solução desinfetante. A contaminação no ambiente odontológico pode influenciar na microbiota presente durante o processamento radiográfico. Zijnge et al. (2010) [16] analisaram a arquitetura do biofilme dentário e observaram Actinomyces sp., F. nucleatum, T. forsythia e espiroquetas no biofilme subgengival; Actinomyces, estreptococcus, leveduras e Lactobacillus sp. no biofilme supragengival. Hubar et al. (2005) [13] observaram bactérias cultiváveis nos monitores dos consultórios odontológicos e Goksay et al. (2008) [14] demonstraram que a água dos reservatórios de 20 consultórios particulares em Istambul excederam os padrões recomendados pela ADA (200 CFU-ml -1 ). Porém, Tuttlebee et al. (2002) [17] observaram que a adição semanal de soluções

4 desinfetantes a base peróxido de hidrogênio nos tubos de água acarreta redução microbiana abaixo do nível recomendado pela ADA [18]. Douglas et al. (1993) [19] mostraram que a adição de resina metilmetacrilato associada com acetato de clorexidina em pó elimina totalmente a contaminação bateriana dos equipamentos odontológicos por 3 meses. Na metodologia desse trabalho foi realizado estudo clínico com o objetivo de simular a contaminação que acontece durante as tomadas radiográficas no consultório dentário. Packota et al. (1992) [11] avaliaram clinicamente 2 métodos para desinfecção dos filmes radiográficos: 1} esfregaço único com gaze embebida em solução desinfetante e secagem imediata com papel estéril ou 2} duplo esfregaço com gaze embebida em solução desinfetante e secagem ao ar livre. Esses pesquisadores observaram que o segundo método foi mais eficiente na redução microbiana. Wolfgrang et al. (1992) [8] avaliaram clinicamente a eficiência da barreira de proteção em 300 filmes radiográficos e observaram que 233 filmes permaneceram estéreis com redução de 77.7% da microbiota e marcas diferentes de filmes radiográficos não influenciaram na contaminação. Porém, em 2000, Hokett et al. [9] observaram que a associação da barreira com a sobre-luva é mais eficiente do que a utilização exclusiva da barreira. Wenzel et al. (1999) [20] estudaram a contaminação microbiana em tomadas radiográficas interproximais e observaram pequeno número de bactérias cultiváveis com predominância de cocos catalase positivos e Gram-positivos, provavelmente Staphylococcus; e bacilos Gram-positivos indicando a possibilidade dessa contaminação ter origem na pele e não na cavidade bucal. Os resultados desse trabalho do grupo que não recebeu desinfecção e nenhum tipo de barreira em comparação com o grupo que recebeu desinfecção com álcool não mostraram redução significativa de bactérias anaeróbicas. Uma hipótese que pode explicar esse resultado é a predominância de bacilos a- naeróbicos Gram-negativos fermentadores de glicose na contaminação dos filmes radiográficos. Essas bactérias anaeróbias possuem paredes celulares com alto teor de lipídeos (principalmente o ácido micólico) e são resistentes na presença do álcool. Esses resultados concordam com Coogan et al. (2004) [21] que observaram menor capacidade de redução de Streptococcus mutans e Lactobacillus em condições de anaerobiose de desinfetantes a base de álcool-fenol-iodado. A utilização de desinfecção e barreira com filme de PVC nesse trabalho não acarretou em redução significativa de bactérias anaeróbicas. Esses resultados concordam com Packota (1992), Hubar et al. (1995) e Thomas et al. (2005) [11,5,22] que observaram que a simples utilização das barreiras sem a prévia remoção de detritos e a secagem do filme não produz redução da microbiota, porém Wolfgrang et al. (1992) [8] observaram redução de 77.7% da microbiota de filmes radiográficos utilizando somente a barreira de proteção. Hubar et al. (1994) [7] relataram que a utilização de barreiras confeccionadas manualmente para proteção do filme contem 57% de contaminação e o melhor vedamento dos filmes ocorre quando as barreiras são confeccionadas pelo fabricante. Concordando com Hubar et al. (1994), Neaverth et al. (1991) [7,23] observaram que as barreiras plásticas produzidas pelos fabricantes não apresentam vazamento, fato esse importante para prevenir a contaminação dos filmes e a penetração do desinfetante na película radiográfica. Os resultados desse trabalho do grupo que não recebeu desinfecção e nenhum tipo de barreira em comparação com o grupo que recebeu desinfecção com álcool mostraram redução significativa de bactérias aeróbicas. Isso pode ser explicado pela predominância entre as bactérias aeróbicas nos filmes radiográficos, de cepas Gram-positivas que são mais suscetíveis a ação química do álcool que promove desnaturação protéica. Esses resultados concordam com Neaverth et al. (1991) [23] que observaram redução significativa da microbiota presente nos filmes radiográficos, porém, esses pesquisadores utilizaram como solução desinfetante o hipoclorito de sódio 5.25% por 30 segundos e esse trabalho o borrifamento com álcool 70%. A utilização da desinfecção e proteção do filme com barreira plástica não promoveu redução significativa na contaminação de bactérias aeróbicas nos filmes radiográficos. Isto pode ter ocorrido porque na metodologia desse trabalho foi feito o borrifamento do filme radiográfico envolvo com proteção plástica, porém não houve espera da secagem do excesso de saliva ou da solução desinfetante. Esses resultados concordam com Packota et al. (1992) e Hubar et al. (1995) [11 e 13] que destacaram que a secagem dos filmes após a aplicação da solução desinfetante acarreta em maior redução microbiana em relação ao processamento do filme que ainda contém resíduos de solução desinfetante ou saliva. O fator diferencial para a redução do total de bactérias (anaeróbicas e aeróbicas) do grupo que não a- presentou nenhum tipo de barreira para o grupo que apresentou desinfecção com álcool 70% associado com as barreiras mecânicas (PVC e sobre-luva) foi à utilização da sobre-luva. Esses resultados estão de acordo com Hokett (2000) e Bajuscak et al. (1993) [9,10] que observaram que a utilização de proteção

5 plástica com sobre-luva preveniu melhor a contaminação cruzada do que a barreira plástica, principalmente em procedimentos altamente invasivos. Os resultados desse trabalho mostraram maior contaminação microbiana anaeróbica na manga da câmara escura e no tubo de Rx. Em relação às bactérias aeróbicas, houve contaminação significativa no disparador e manga. Nessas superfícies somente houve redução microbiana total (anaeróbicas e aeróbicas) quando os filmes foram desinfetados, protegidos com barreira plástica e o profissional utilizou a sobre-luva. As soluções de revelação apresentaram baixa contaminação microbiana anaeróbica e aeróbica. Esses resultados concordam com Parks; Farmam (1992) e Bachman et al. (1990) [15, 24] que observaram que durante a exposição dos filmes os operadores estão mais suscetíveis a contaminação cruzada do que no processamento. Os resultados desse trabalho mostraram que a característica da cepa microbiana, aeróbica ou anaeróbica, influencia na contaminação microbiana durante as tomadas radiográficas e a utilização do álcool associado com barreira plástica e sobre-luva está indicado para redução dessa microbiota. 5. CONCLUSÃO A característica da cepa microbiana, aeróbica ou a- naeróbica, influencia na contaminação microbiana durante as tomadas radiográficas e a utilização do álcool associado com as barreiras mecânicas está indicado para redução dessa microbiota. AGRADECIMENTOS Ao CNPQ pela bolsa de iniciação científica. A PUC- Campinas pela oportunidade de realização desse trabalho. Aos funcionários da Clínica Odontológica e da Microbiologia pelo auxílio na execução dessa pesquisa. REFERÊNCIAS [1] Thomas, LP., et. al. (2005), Infection Control for Dental Radiographic Procedures. Tex Dent J., vol. 122, p [2] Puttaiah R, Langlais RP, Katz JO, Langland OE. Infection Control in Dental Radiology. W V Dent J Jun;69: [3] Wyche CJ., (1996) Infection Control Protocols for Exposing and Processing Radiographs. J Dent Hyg. Vol, 70, p [4] White SC., et al (1978), Interpatient Microbiological Cross-contamination After Dental Radiographic Examination. J Am Dent Assoc vol. 96, p [5] Hubar JS., et al. (1995), Optimizing Efficiency of Radiograph Disinfection. Gen Dent., vol. 43, p [6] Ash JL., et al.(1984), The Use of a Sealed Plastic Bag for Radiographic Film to Avoid Crosscontamination. J Endod, vol. 10, p [7] Hubar JS., et al. (1994), Effectiveness of Radiographic Film Barrier Envelopes. Gen Dent, vol. 42, p [8] Wolfgang L., et al. (1992), Analysis of a New Barrier Infection Control System for Dental Radiographic Film. Compendium., vol. 13, p [9] Hokett SD., et al. (2000), Assessing the Effectiveness of Direct Digital: Radiographic Barrier Sheaths and Fingers Cots. J Am Dent Assoc., vol. 13, p [10] Bajuscak RE., et al. (1993), Bacterial Contamination of Dental Radiographic Film. Oral Surg Oral Med Oral Pathol, vol. 76, p [11] Packota CV., et al. (1992), Surface Disinfection of Saliva-contaminated Dental X-ray Film Packets. J Can Dent Assoc, vol. 58, p [12] Stanczyk DA., et al. (1993), Microbiologic Contamination during Dental Radiographic Film. Oral Surg Oral Med Oral Pathol, vol. 76, p [13] Hubar JS., et al. (2005), Low-cost Screening for Microbial Contaminants in Aerosols Generated in a Dental Office. Gen Dent, vol. 53, p [14] Goksay D., et al. (2008), Microbial Contamination Nation of Dental Unit Water Lines in Istambul, Turkey. Environ Monit Assess., vol. 147, p [15] Parks ET., et al. (1992),. Infection Control for Dental Radiographic procedures in US dental Hygiene Programmes. Dentomaxillofac Radiol, vol. 21, p [16] Zijnge V., et al. (2010) Oral Biofilm Architecture on natural teeth. PloS ONE 5:e9321 doi: /journal.pone , capturado online em 02/06/2010 de <http:// [17] Tuttlebee CM., et al. (2002), Effective Control of Dental Chair Unit Waterline Biofilm and marked Reduction of Bacterial Contamination of Output Wa-

6 ter using a Two Peroxide-based Disinfectants. J Hosp Infect., vol. 52, p [18] ADA Council on Scientific affairs., (2001) An Update on Radiographic Practices Information and Recommendations. J Am Dent Assoc., vol. 132, p [19] Douglas CWI., et al. (1993), Control of Bacteria in Dental Water Supplies. Br Dent J., vol. 6;n. 174, p [20] Wenzel A., et al. (1999), Patient Discomfort and Cross-infection Control in Bitewing Examination with a Storage Phosphor Plate and a CCd-based Sensor. J Dent, vol.27, p [21] Coogan MM., et al.(2004), Efficacy of three surface disinfectants for dental radiographic films and gloves. J Dent., vol. 32, p [22] Thomas LP., (2005), Infection Control for Dental Radiographic. Tex Dent J., vol.122, p [23] Neaverth EJ., et al. (1991), Chairside Disinfection of Radiographs. Oral Surg Oral Med Oral Pathol., vol. 71, p [24] Bachman CE., et al. (1990), Bacterial Adherence and Contamination During Radiographic Processing. Oral Surg Oral Med Oral Pathol., vol.70, p

ESTUDO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA EM EQUIPAMENTOS RADIOGRÁFICOS

ESTUDO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA EM EQUIPAMENTOS RADIOGRÁFICOS ESTUDO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA EM EQUIPAMENTOS RADIOGRÁFICOS A STUDY OF THE MICROBIOLOGICAL CONTAMINATION IN EQUIPMENTS IN ORAL RADIOLOGY Francine Cristina da Silva Mônica Cristina Camargo Antoniazzi

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DESINFECÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS PERIAPICAIS UTILIZANDO DIFERENTES SOLUÇÕES

AVALIAÇÃO DA DESINFECÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS PERIAPICAIS UTILIZANDO DIFERENTES SOLUÇÕES ARTIGO AVALIAÇÃO DA DESINFECÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS PERIAPICAIS UTILIZANDO DIFERENTES SOLUÇÕES EVALUATION OF DISINFECTION OF INTRAORAL RADIOGRAPHIC FILMS USING DIFFERENT SOLUTIONS Baldissera, Elaine

Leia mais

Biossegurança na clínica de radiologia odontológica

Biossegurança na clínica de radiologia odontológica Biossegurança na clínica de radiologia odontológica Biosafety in dental radiology practice Bioseguridad en radiología clínica dental Leda Maria Pescinini SALZEDAS¹ Andre Hergesel de OLIVA 2 Lenara Queiroz

Leia mais

Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor Raul Instituição: UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC

Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor Raul Instituição: UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC Titulo: ESTUDO COMPARATIVO DA MICROBIOTA ENCONTRADA NO AMBIENTE ODONTOLÓGICO DURANTE UM DIA DE TRABALHO SOB VENTILAÇÃO NATURAL E NA SUPERFÍCIE DO AR CONDICIONADO. Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor

Leia mais

Eficácia de Soluçoes Desinfetantes em Filmes Radiográficos Periapicais

Eficácia de Soluçoes Desinfetantes em Filmes Radiográficos Periapicais Eficácia de Soluçoes Desinfetantes em Filmes Radiográficos Periapicais MARIA LUZIA DOS ANJOS PONTUAL, ANA I SABEL ORTEGA*, MARCELO HENRIQUE NAPIMOGA**, FRANCISCO HATTER NETO, REGINALDO BRUNO GONÇALVES***

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIANA DO EQUIPAMENTO ODONTOLÓGICO E PERIFÉRICOS

AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIANA DO EQUIPAMENTO ODONTOLÓGICO E PERIFÉRICOS AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIANA DO EQUIPAMENTO ODONTOLÓGICO E PERIFÉRICOS Mariana Lisboa Castro Faculdade de Odontologia Centro de Ciências da Vida Email:marilisboa19@hotmail.com Sérgio Luiz Pinheiro

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPB0714 COMPARAÇÃO DA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE MODELOS OBTIDOS COM

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

O NÚMERO DE BACTÉRIAS

O NÚMERO DE BACTÉRIAS O NÚMERO DE BACTÉRIAS A CONTAGEM EM PLACAS A contagem em placas é um dos métodos mais utilizados para determinar qual o número de microrganismos viáveis em um meio líquido. Quando a concentração é baixa,

Leia mais

EFICÁCIA DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE CLOREXIDINA PARA DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES

EFICÁCIA DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE CLOREXIDINA PARA DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES EFICÁCIA DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE CLOREXIDINA PARA DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES EFFICACY OF CHLOREXIDINE AQUEOUS SOLUTIONS TO DISINFECT SURFACES Andrea Moreira Jacobucci Bambace Érica Joseline de Almeida Barros

Leia mais

ANÁLISE QUANTITATIVA DA CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA DAS TUBULAÇÕES DE EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS

ANÁLISE QUANTITATIVA DA CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA DAS TUBULAÇÕES DE EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS ANÁLISE QUANTITATIVA DA CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA DAS TUBULAÇÕES DE EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS QUANTITATIVE ANALYSIS OF WATERLINE CONTAMINATION IN DENTAL UNITS Clarice Ferreira Galvão 1 Gustavo de Freitas Motta

Leia mais

CONTROLE DE INFECÇÃO CRUZADA : LABORATÓRIO DE PRÓTESE VERSUS CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

CONTROLE DE INFECÇÃO CRUZADA : LABORATÓRIO DE PRÓTESE VERSUS CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO CONTROLE DE INFECÇÃO CRUZADA : LABORATÓRIO DE PRÓTESE VERSUS CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO THE CROSS-INFECTION CONTROL: DENTAL LABORATORY X DENTAL OFFICE Marcelo Vilas Bôas Maria Rozeli de Souza Quirino Departamento

Leia mais

CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL

CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL Rosana Izabela Spiller 1 Rosana Aparecida dos Santos INTRODUÇÃO: Com a propagação

Leia mais

Monitoramento da qualidade da limpeza nos serviços de saúde

Monitoramento da qualidade da limpeza nos serviços de saúde Monitoramento da qualidade da limpeza nos serviços de saúde Enf. Renata D. Lobo Hospital das Clinícas-USP Hospital Sírio Libanês 19º Jornada De Controle de Infecção Hospitalar Ribeirão Preto Importância

Leia mais

EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO

EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO Desiree Augusta M. B. NOVATO Giovania Pereira D. SILVA Karina Peres FERRASSOLI Luana Pizoni SIQUEIRA Paolla Moraes MURONI Paulo Francisco R.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Memorial Descritivo de Proteção Radiológica 1 Estabelecimento Consultório Odontológico do Dr.(a). XXX (nome do dentista), CRORJ nº XXX, inscrito no CPF sob nº.

Leia mais

Avaliação da contaminação dos tubos de resina composta nas clínicas do Curso de Odontologia de uma universidade particular em Manaus-AM

Avaliação da contaminação dos tubos de resina composta nas clínicas do Curso de Odontologia de uma universidade particular em Manaus-AM Avaliação da contaminação dos tubos de resina composta nas clínicas do Curso de Odontologia de uma universidade particular em Manaus-AM Assessment of contamination of composite resins tubes in Dental School

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Efetividade no processo de desinfecção de escovas de cabelo utilizadas em salões de beleza da cidade de São Carlos por meio da utilização do

Efetividade no processo de desinfecção de escovas de cabelo utilizadas em salões de beleza da cidade de São Carlos por meio da utilização do Efetividade no processo de desinfecção de escovas de cabelo utilizadas em salões de beleza da cidade de São Carlos por meio da utilização do equipamento SHIVA da empresa Bio Art. 2007 Efetividade no processo

Leia mais

APOSTILA DE RADIOLOGIA

APOSTILA DE RADIOLOGIA APOSTILA DE RADIOLOGIA 2013 Autores ANZILIERO, Luciano. Esp. Curso de Odontologia da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e Missões Campus de Erechim. BELEDELLI, Rodrigo. Ms. Curso de Odontologia

Leia mais

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Curso Técnico em Saúde Bucal Aula disponível: www.portaldoaluno.bdodonto.com.br Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Prof: Bruno Aleixo Venturi 1 O que é a doença cárie? 2 CÁRIE DENTAL Do#La&m# Carious

Leia mais

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires Enquadramento O INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP Mariane L. ESPERANDIO Discente FACULDADE DE TECNOLOGIA TECMED Mario A.VERGANI Discente

Leia mais

CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 1 MÓDULO B EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS

CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 1 MÓDULO B EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 1 MÓDULO B EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS DIVIDIDOS EM: EQUIPAMENTOS PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS PERIFÉRICOS CONHECENDO OS EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS EQUIPAMENTOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Flávia Cristina Salvador 1

Leia mais

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM. Aula 2

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM. Aula 2 SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE ODONTOLOGIA CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS ODONTOLÓGICAS Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIE EM CADEIRA ODONTOLÓGICA

AVALIAÇÃO DE DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIE EM CADEIRA ODONTOLÓGICA AVALIAÇÃO DE DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIE EM CADEIRA ODONTOLÓGICA EVALUATION OF SURFACE DISINFECTION OF DENTISTRY CHAIR Karla de Barbosa Almeida Antonio Olavo Cardoso Jorge Departamento de Odontologia da

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO

FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO Preparo de uma região para cirurgia FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO Clinica Integrada II 3º Período Diurno Professores: Carmen Lucia Mueller Storrer Eli Luis Namba Fernando

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA. ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS,

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE RESERVATÓRIOS DE EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE RESERVATÓRIOS DE EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE RESERVATÓRIOS DE EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS ANALYSIS OF THE WATER QUALITY FROM THE DENTAL EQUIPMENT RESERVOIRS Caroline Montemor de Araújo Adriene Mara Souza Lopes-Silva

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. demais aspectos avaliados não ocorreram diferenças, estatisticamente, significativas. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. demais aspectos avaliados não ocorreram diferenças, estatisticamente, significativas. Resumo 1806-4280/07/36-01/85 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 36, n o. 1, de 2007 85 ARTIGO ORIGINAL Avaliação da integridade das luvas cirúrgicas após a utilização em

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CAVIDADE BUCAL DE PACIENTES INTERNADOS NA UTI

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CAVIDADE BUCAL DE PACIENTES INTERNADOS NA UTI ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA CAVIDADE BUCAL DE PACIENTES INTERNADOS NA UTI Amanda Caroline Kuchla 1, Paula Sposito de Paiva 2, José Ricardo Colleti Dias 3, Maria Paula Jacobucci Botelho 4 RESUMO: Diversos

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida ESTERILIZAÇÃO Eliminação de todas as formas de vida SISTEMA BEDA BARREIRAS - avental, máscara, gorro, luvas, óculos de proteção. ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO ANTI-SEPSIA ESTERILIZAÇÃO Materiais ( instrumental

Leia mais

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS Tipo de amostra Análises SIF Método CQ Método Água M 04 Contagem de Clostridium perfringens Membrana Filtrante M 08 Contagem de Coliforme Total Membrana

Leia mais

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano PROTOCOLOOPERACIONALPADRÃO (POP) para processamento de materiais utilizados nos exames de videonasoscopia, videolaringoscopia e videonasolaringoscopia nos consultórios e serviços de otorrinolaringologia

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Características Gerais das Bactérias

Características Gerais das Bactérias Universidade Estadual do Oeste do Paraná Especialização em Microbiologia Aplicada Características Gerais das Bactérias Profª. Graziela Braun Características Gerais das Bactérias Morfologia Cocos: bactérias

Leia mais

Professor Msc. Departamento de Informática, dcfoltran@gmail.com

Professor Msc. Departamento de Informática, dcfoltran@gmail.com 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENGENHARIAS

Leia mais

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies Página 1 de 6 Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies ALTERAÇÃO (ÕES) À ÚLTIMA VERSÃO Pág. 3 RESPONSÁVEIS PELO DOCUMENTO Nome Função Rubrica/Data Elaborado por Isabel Costa

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 6 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Microrganismos Mesófilos Aeróbios Totais edição, 2010. 5.5.3.1.2 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Fungos

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 Microrganismos Localização em todos os ambientes naturais; Populações mistas; Necessidade de isolamento. Cultura

Leia mais

PROTOCOLO DE BIOSSEGURANÇA NO CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO: CUSTO E TEMPO

PROTOCOLO DE BIOSSEGURANÇA NO CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO: CUSTO E TEMPO PROTOCOLO DE BIOSSEGURANÇA NO CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO: CUSTO E TEMPO BIOSECURITY PROTOCOL AT DENTAL OFFICE: TIME AND COST Katiúcia Mara Lopes Pinto Célia Regina de Paula Departamento de Odontologia da

Leia mais

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES Anais da Academia de Ciências e Tecnologia de São José do Rio Preto. 2008: 1(1): FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES FERNANDA CRISTOVÂO CATTÂNEO Resumo. As micoses superficiais de pele são

Leia mais

Recomendação ERSAR n.º 03/2010

Recomendação ERSAR n.º 03/2010 Recomendação ERSAR n.º 03/2010 PROCEDIMENTO PARA A COLHEITA DE AMOSTRAS DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO (Substitui a Recomendação IRAR n.º 08/2005) Considerando que: O procedimento

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Aula 05 Manejo de Ordenha Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Introdução Em geral, a ordenha determina a quantidade e a qualidade do leite. Retorno do investimento

Leia mais

Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação

Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação Rossana Sette de Melo Rêgo Francisco Montenegro de Melo Kedma de Magalhães Lima INTRODUÇÃO O cateterismo venoso

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO CULTIVO IN VITRO DE BROTOS DE BATATA

MICROPROPAGAÇÃO CULTIVO IN VITRO DE BROTOS DE BATATA MICROPROPAGAÇÃO CULTIVO IN VITRO DE BROTOS DE BATATA A batata (Solanum tuberosum, família Solanaceae) é uma planta originária da região andina. No século XVI chegou à Europa onde, depois de vencer a resistência

Leia mais

7. SEÇÃO DE MICOLOGIA

7. SEÇÃO DE MICOLOGIA 7. SEÇÃO DE MICOLOGIA 7.1 Orientações gerais de coleta e transporte das amostras em relação ao exame solicitado EXAMES MATERIAL BIOLÓGICO ONDE COLHER Pele, couro cabeludo, unha, cabelo em placa de Petri

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

SUSCEPTIBILIDADE A ANTIMICROBIANOS DE BACTÉRIAS ISOLADAS EM CÃES COM OTITE EXTERNA

SUSCEPTIBILIDADE A ANTIMICROBIANOS DE BACTÉRIAS ISOLADAS EM CÃES COM OTITE EXTERNA ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 SUSCEPTIBILIDADE A ANTIMICROBIANOS DE BACTÉRIAS ISOLADAS EM CÃES COM OTITE EXTERNA Veruska

Leia mais

AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA VERFICAR O NÍVEL DE CONTAMINAÇÃO EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA

AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA VERFICAR O NÍVEL DE CONTAMINAÇÃO EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA VERFICAR O NÍVEL DE CONTAMINAÇÃO EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA Thaís Mara Giroto Piccinin 1 ; Maiara Giongo 2 ; Fausto Rodrigo Victorino 3 ; Ana Claudia Baladelli Silva Cimardi

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAI VI Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias Bactérias anaeróbias não-esporuladas Participam

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais

VistaScan Combi View Eficiência com precisão

VistaScan Combi View Eficiência com precisão VistaScan Combi View Eficiência com precisão O novo digitalizador de placas de fósforo com tela touch screen para todos os formatos Ar comprimido Aspiração Imagiologia Tratamento Higiene Placas de fósforo

Leia mais

Análise microbiológica em ambiente odontológico. Microbiological analysis in dental environment

Análise microbiológica em ambiente odontológico. Microbiological analysis in dental environment 0 Análise microbiológica em ambiente odontológico Microbiological analysis in dental environment João Nilton Lopes de Sousa* Arnaldo Marques Filho** Renato Lopes de Sousa*** RESUMO - O objetivo desta pesquisa

Leia mais

Adriano de Lima Machado

Adriano de Lima Machado 1. Sinonímia: POP: M 15 Página 1 de 8 - Cultura ou secreção de orofaringe, cultura ou secreção de nasofaringe, secreção nasal, punção de seios maxilares, raspado de lesão da boca. - Secreção conjuntival,

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DO AMBIENTE ODONTOLÓGICO POR AEROSSÓIS DURANTE ATENDIMENTO CLÍNICO COM USO DE ULTRASSOM

CONTAMINAÇÃO DO AMBIENTE ODONTOLÓGICO POR AEROSSÓIS DURANTE ATENDIMENTO CLÍNICO COM USO DE ULTRASSOM Braz J Periodontol - June 2011 - volume 21 - issue 02 CONTAMINAÇÃO DO AMBIENTE ODONTOLÓGICO POR AEROSSÓIS DURANTE ATENDIMENTO CLÍNICO COM USO DE ULTRASSOM Environmental contamination by aerosols during

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA CASCAVEL - 2009 Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior Profa. Vera Lucia Dias Siqueira Bacteriologia Clínica DAC - UEM Sistema Respiratório Pneumonias

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS 12 QUESTÕES

CONHECIMENTOS GERAIS 12 QUESTÕES CONHECIMENTOS GERAIS 12 QUESTÕES Texto para as questões 1 a 4 O Ministério da Saúde e o Ministério da Justiça aprovaram, através da Portaria Interministerial nº 1777/GM, em 9 de setembro deste ano, o Plano

Leia mais

III-186 - DESINFECÇÃO DE RESÍDUO HOSPITALAR INFECCIOSO UTILIZANDO MICROONDAS

III-186 - DESINFECÇÃO DE RESÍDUO HOSPITALAR INFECCIOSO UTILIZANDO MICROONDAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-186 - DESINFECÇÃO DE RESÍDUO HOSPITALAR INFECCIOSO UTILIZANDO MICROONDAS Sebastião

Leia mais

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO E AUTO-INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ODONTOLOGIA 1 -INTRODUÇÃO:

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO E AUTO-INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ODONTOLOGIA 1 -INTRODUÇÃO: ROTEIRO PARA INSPEÇÃO E AUTO-INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ODONTOLOGIA 1 -INTRODUÇÃO: A vigilância Sanitária com suas atribuições definidas pela Carta Magna, pela Lei 8080/90 (Dispõe sobre as condições

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1. O paciente João compareceu ao consultório odontológico uma semana depois de realizar uma exodontia do segundo molar inferior esquerdo. Qual das alternativas abaixo contém os

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL

NORMA PROCEDIMENTAL BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL 10.03.003 1/09 1. FINALIDADE Garantir que os princípios e normas de Biossegurança sejam implementados e seguidos permanentemente nos laboratórios e instalações do Hospital de Clínicas HC. 2. ÂMBITO DE

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CTDTQAMT02.P QUALIDADE HIGIENICO SANITÁRIO DE MANIPULADORES DE ALGUMAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DO MUNICIPIO DE JOAO PESSOA PB Maria Amélia de Araújo Vasconcelos (2), Ana Maria Vieira de Castro (1), Angela

Leia mais

Aula 04 - Equipamentos de proteção coletiva - EPC

Aula 04 - Equipamentos de proteção coletiva - EPC Equipamentos de Proteção Coletiva EPC O que são EPCs São equipamentos de contenção que possibilitam a proteção do trabalhador e do meio ambiente em uma determinada área. Devem estar instalados em locais

Leia mais

Preparo de Materiais em microbiologia,meios de cultura usados no laboratório, técnicas de semeadura e Colorações

Preparo de Materiais em microbiologia,meios de cultura usados no laboratório, técnicas de semeadura e Colorações Preparo de Materiais em microbiologia,meios de cultura usados no laboratório, técnicas de semeadura e Colorações Prof (a) Dr Luciana Debortoli de Carvalho Preparo de materiais Meios de Cultura O crescimento

Leia mais

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Perda localizada dos tecidos calcificados dos dentes, decorrentes da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos do biofilme Princípios

Leia mais

Urocultura. Introdução

Urocultura. Introdução Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Urocultura Introdução A infecção do trato urinário (ITU) situa-se entre as

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

ESTUDO DO CONTROLE DA INFECÇÃO CRUZADA UTILIZADA PELOS CIRURGIÕES-DENTISTAS DE TAUBATÉ

ESTUDO DO CONTROLE DA INFECÇÃO CRUZADA UTILIZADA PELOS CIRURGIÕES-DENTISTAS DE TAUBATÉ ESTUDO DO CONTROLE DA INFECÇÃO CRUZADA UTILIZADA PELOS CIRURGIÕES-DENTISTAS DE TAUBATÉ THE STUDY OF THE CROSS INFECTION CONTROL USED BY THE DENTISTS FROM TAUBATÉ Giovanna Lucy Machado Jane Mathias Kather

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Fev 2011 1 Como prevenir a disseminação de Enterobactérias

Leia mais

Contaminação da água de equipos odontológicos por Pseudomonas sp.

Contaminação da água de equipos odontológicos por Pseudomonas sp. 146 Contaminação da água de equipos odontológicos por Pseudomonas sp. Ana Cristina Azevedo Moreira 1 Antônio Figueirêdo Pereira 2 Antônio Rogério Menezes 2 Resumo A contaminação da água utilizada nas unidades

Leia mais

AVALIAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DOS RESTAURANTES SELF-SERVICES

AVALIAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DOS RESTAURANTES SELF-SERVICES Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia. Ano 2, V. 2, Número Especial, jun, 2014. Faculdade Leão Sampaio Resumo Expandido ISSN 2317-434X AVALIAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DOS RESTAURANTES SELF-SERVICES

Leia mais

Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde

Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde Edição Comemorativa para o IX Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar Salvador, 30 de agosto

Leia mais

COCOS GRAM-POSITIVOS. Alfa Hemolítico. Beta Hemolítico. Gama Hemolítico

COCOS GRAM-POSITIVOS. Alfa Hemolítico. Beta Hemolítico. Gama Hemolítico COCOS GRAM-POSITIVOS Catalase Positiva Catalase Negativa STAPHYLOCOCCUS STREPTOCOCCUS Coagulase (+) S. aureus Coagulase (-) S. epidermidis S. saprophyticus Alfa Hemolítico S. pneumoniae sensível à Optoquina.

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DE BACTÉRIAS PRESENTES NA SUPERFÍCIE DE TECLADOS E MOUSE DE COMPUTADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DE BACTÉRIAS PRESENTES NA SUPERFÍCIE DE TECLADOS E MOUSE DE COMPUTADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NO BRASIL TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DE BACTÉRIAS PRESENTES NA SUPERFÍCIE DE TECLADOS E MOUSE DE COMPUTADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA:

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 3as Jornadas APHH 1 Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 Alexandra Coelho 2 Fabrico de Dispositivos Médicos PME Líder ISO 9001 ISO 13485 Marcação CE, Dispositivos Médicos classe I

Leia mais

CENAP- CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM RAFAEL CIPRIANO DA SILVA

CENAP- CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM RAFAEL CIPRIANO DA SILVA CENAP- CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM RAFAEL CIPRIANO DA SILVA RADIOPROTEÇÃO EPI`s: AVENTAL PUMBLÍFERO E PROTETOR DE TIREÓIDE CASCAVEL-PR RAFAEL CIPRIANO

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP)

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA MARQUE A ALTERNATIVA CORRETA UTILIZE O TEXTO I PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 01 A 10. Texto I

LÍNGUA PORTUGUESA MARQUE A ALTERNATIVA CORRETA UTILIZE O TEXTO I PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 01 A 10. Texto I Texto I LÍNGUA PORTUGUESA MARQUE A ALTERNATIVA CORRETA UTILIZE O TEXTO I PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 01 A 10. O Último Computador Luís Fernando Veríssimo Um dia, todos os computadores do mundo estarão

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

Os dentifrícios são produtos cosméticos utilizados na limpeza da cavidade bucal. Sua composição se encontra na Figura 1.

Os dentifrícios são produtos cosméticos utilizados na limpeza da cavidade bucal. Sua composição se encontra na Figura 1. OS DENTIFRÍCIOS OS DENTIFRÍCIOS E A HIGIENE ORAL Diferentes tipos de microrganismos se desenvolvem na cavidade oral. Muitos são inofensivos, outros não. Algumas bactérias fermentam os carboidratos (predominantemente

Leia mais