USO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS PELOS CIRURGIÕES-DENTISTAS NA GESTÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS PELOS CIRURGIÕES-DENTISTAS NA GESTÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL UM ESTUDO EXPLORATÓRIO"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO ÁLVARES PENTEADO UNIFECAP MESTRADO EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE ESTRATÉGICA LUCIANA APARECIDA DE OLIVEIRA USO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS PELOS CIRURGIÕES-DENTISTAS NA GESTÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL UM ESTUDO EXPLORATÓRIO São Paulo 2005

2 CENTRO UNIVERSITÁRIO ÁLVARES PENTEADO UNIFECAP MESTRADO EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE ESTRATÉGICA LUCIANA APARECIDA DE OLIVEIRA USO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS PELOS CIRURGIÕES- DENTISTAS NA GESTÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Dissertação apresentada ao Centro Universitário Álvares Penteado - UNIFECAP, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica. Orientador: Prof. Dr. Mauro Neves Garcia São Paulo 2005

3 CENTRO UNIVERSITÁRIO ÁLVARES PENTEADO UNIFECAP Reitor: Prof. Dr. Alfredo Behrens Pró-reitor de Extensão: Prof. Dr. Fábio Appolinário Pró-reitor de Graduação: Prof. Jaime de Souza Oliveira Pró-reitor de Pós-Graduação: Prof. Dr. Alfredo Behrens Coordenador do Mestrado em Administração de Empresas: Prof. Dr. Dirceu da Silva Coordenador do Mestrado em Controladoria e Contabilidade Estratégica: Prof. Dr. Anisio Candido Pereira FICHA CATALOGRÁFICA O48u Oliveira, Luciana Aparecida de Uso de contabilidade e finanças pelos cirurgiões dentistas na gestão da atividade profissional: um estudo exploratório / Luciana Aparecida de Oliveira. - - São Paulo, f. Orientadora: Prof. Dr. Mauro Neves Garcia. Dissertação (mestrado) - Centro Universitário Álvares Penteado UniFecap - Mestrado em Controladoria e Contabilidade Estratégica. 1. Clínicas dentárias - Contabilidade 2. Cirurgiões-dentistas Finanças. CDD

4 FOLHA DE APROVAÇÃO LUCIANA APARECIDA DE OLIVEIRA USO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS PELOS CIRURGIÕES-DENTISTAS NA GESTÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Dissertação apresentada ao Centro Universitário Álvares Penteado UNIFECAP, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica. COMISSÃO JULGADORA: Prof. Dr. Jerônimo Antunes Universidade de São Paulo USP Prof. Dr. Ivam Ricardo Peleias Centro Universitário Álvares Penteado UNIFECAP Prof. Dr. Mauro Neves Garcia Centro Universitário Álvares Penteado UNIFECAP Professor Orientador - Presidente da Banca Examinadora São Paulo, 18 de julho de 2005

5 A João e Maria, Geórgia e Arthur, e ao Douglas.

6 AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer a todos que contribuíram direta ou indiretamente para a conclusão deste trabalho. Ao meu orientador, Professor Dr. Mauro Neves Garcia, por todos os ensinamentos e dedicação. Ao Professor Dr. Ivam Ricardo Peleias pela orientação, paciência e apoio no decorrer deste trabalho. Aos Professores Doutores Dalton Luiz de Paula Ramos, Carlos de Paula Eduardo e Jerônimo Antunes que possibilitaram a realização da pesquisa na Fundecto, e a todos os funcionários e alunos da fundação que colaboraram com este estudo. Aos Professores Doutores Jerônimo Antunes, Ivam Ricardo Peleias e Mauro Neves Garcia, por terem participado da minha banca. A todos os professores do mestrado em Controladoria e Contabilidade Estratégica da UNIFECAP pela seriedade com que conduziram as disciplinas que serviram de base para minha formação de mestre e para a elaboração deste trabalho. A Amanda e Leslie, secretárias do mestrado, pela atenção, delicadeza e extrema paciência. A todos os colegas que compartilharam comigo desta brilhante experiência de fazer um mestrado, pelo espírito de equipe e ajuda mútua durante todo o curso, em especial a Valeria Petrucci, pelo apoio inestimável. A Geórgia e ao Arthur por serem doces e compreensivos na minha ausência. Ao meu marido, pelo amor e amizade. A Valdeni e Nice pela infra-estrutura de apoio. Enfim, a todos que, neste momento, cometo a ingratidão de não mencionar seus nomes.

7 Seja universal, goste igualmente de todas as coisas jamais despreze a diversidade infinita das coisas e de suas formas. Leonardo da Vinci

8 RESUMO Em estudos anteriores foi constatado que cirurgiões-dentistas têm dificuldades para lidar com contabilidade e finanças, bem como se percebeu que há uma distância entre o profissional tecnicamente capaz e o profissional que necessita, além desse conhecimento técnico, agregar características de gestor para adequar-se ao mercado de trabalho atual, altamente competitivo. Assim sendo, o objetivo proposto neste estudo foi identificar quais conteúdos de contabilidade e finanças são valorizados pelos cirurgiões-dentistas na gestão de sua atividade profissional. Para tanto, foi realizada uma pesquisa exploratória, cuja metodologia aplicada combinou pesquisa de campo, documental e bibliográfica. Foi aplicado um questionário a cirurgiões-dentistas, englobando conteúdo de contabilidade e finanças, com base nos dados levantados em programas de curso de três faculdades de odontologia da Universidade de São Paulo. O questionário constitui-se de blocos compostos por assertivas que dizem respeito a três visões diferentes ligadas à percepção dos conteúdos contábeis e financeiros pelos cirurgiões-dentistas. O primeiro bloco engloba a importância atribuída pelo profissional aos referidos conteúdos, o que ele usa e o que deveria ser praticado. O segundo bloco caracteriza a amostra, ou seja, o perfil dos respondentes. Para avaliar os resultados, foi aplicada a estatística descritiva com tabelas de freqüência. Como resultado, identificou-se que os cirurgiões-dentistas reconheceram que os conteúdos de contabilidade e finanças são relevantes para seu desempenho profissional e, embora se ensine esses conteúdos em algumas faculdades, declararam, em sua maioria, não tê-los aprendido na graduação. Assim sendo, este estudo pode ser um balizador na identificação das deficiências contábeis e financeiras do cirurgião-dentista, bem como pode ser utilizado para aperfeiçoar a formação desse profissional, possibilitando a ele melhor conduzir sua carreira. Palavras-chave: contabilidade e finanças, odontologia, gestão da atividade profissional, consultório odontológico, ensino.

9 ABSTRACT Prior studies disclosed that dentists have difficulty in dealing with finance and accounting, and it was possible to realize that there is a long distance between the professional technically capable and the professional that needs, besides technical knowledge, to add management skills to fit to the present labour market, which is highly competitive. Given that, the objective proposed in this study was to identify which financial and accounting matters are considered important by dentists. An exploratory research was performed, and its methodology combined field research, documental and bibliographical. A questionnaire was applied to the dentists, considering accounting and financial matters, and considering data collected in three institutions of higher dental education of São Paulo. The questionnaire is constituted by parts comprised of assertions regarding the three different views of the dentists for the financial and accounting contents. The first part comprises the importance given by the dentist to the referred contents, what he uses and how it should be put in practice. The second part discloses about the sample, or in other words, respondents profile. To evaluate the results, it was applied the descriptive statistics with tables of frequency. As a result, it was identified that the dentists recognize that financial and accounting matters are important for their professional performance and, although such matters are studied in some institutions, they declared, in majority, that they have not learned in graduation. Given that, this study may be a base for identifying accounting and financial deficiencies of the dentists, as well as be used to enhance their professional development, giving him the possibility of conducting his career in a better way. Key words: accounting and finance, dentistry, office management, dental office, teaching.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - Perspectivas da profissão no setor público...33 FIGURA 2 - Perspectivas da profissão no setor privado...34 FIGURA 3 - A função Finanças em uma organização...52 GRÁFICO 1 - Representação do ponto de equilíbrio...66 GRÁFICO 2 - Questão 8 - Você pretende investir em atualização profissional em 2005?...95 GRÁFICO 3 - Questão 10 - Você participou de algum curso, seminário ou palestra sobre Contabilidade, Finanças ou Administração de Consultórios?...96

11 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 - Especialidades definidas pela resolução CFO nº 185/ QUADRO 2 - Especialidades definidas pela Resolução CFO nº 22/ QUADRO 3 - Temas para o cirurgião-dentista...75 QUADRO 4- Categorias encontradas durante o levantamento...76

12 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - Vagas preenchidas e ociosas no setor público e privado...15 TABELA 2 - Crescimento de 1983 a 2005 do número de cirurgiões-dentistas registrados no Conselho Federal de Odontologia no Brasil e no estado de São Paulo...26 TABELA 3 - Cirurgiões-dentistas registrados no CFO Dez/1999 a Jun/ TABELA 4 - Profissionais registrados no estado de São Paulo...28 TABELA 5 - Proporção cirurgião-dentista por habitante...29 TABELA 6 - Distribuição das faculdades de odontologia pelo Brasil...30 TABELA 7 - Crescimento das faculdades de odontologia de 1884 a TABELA 8 - Quantidade de especialistas por modalidade em todo o Brasil...43 TABELA 9 - Categoria resultado...83 TABELA 10 - Categoria Investimento / Poupança...84 TABELA 11 - Categoria estoque...85 TABELA 12 - Categoria manutenção...86 TABELA 13 - Categoria controle financeiro...87 TABELA 14 - Finanças pessoais...88 TABELA 15 - Instituição de origem do respondente...89 TABELA 16 - Localização da instituição de ensino...90 TABELA 17 - Questão 2: Ano de graduação...91 TABELA 18 - Questão 3 - Especialidade Clínica do respondente...92 TABELA 19 - Horas trabalhadas em consultório próprio e de terceiros...93 TABELA 20 - Questão 6: Você estimou seu faturamento em 2004 com convênios e com particulares...94 TABELA 21 - Questão 7: Para o ano de 2004 você estimou valores para custos fixos, honorários e investimento em equipamentos...94 TABELA 22 - Questão 9 - Na faculdade você estudou conteúdos de finanças, contabilidade ou administração...95 TABELA 23 - Questão 9 - Na faculdade você estudou conteúdos de finanças, contabilidade ou administração, respondentes apenas originados da USP...96 TABELA 24 - Questões 11 e 12 - Sistema informatizado...97

13 LISTA DE SIGLAS ANS ANVISA CAPES CEC CFO CROSP FOUSP FUNDECTO IBGE IES INBRAPE INEP MEC PNAD SEBRAE SPE UMC UMESP UNAERP UNESP UNG UNICAMP UNICASTELO UNICID UNISA UNISANTA UNIP USF USP Agência Nacional de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Comissão de Educação e Cultura Conselho Federal de Odontologia Conselho Regional de Odontologia São Paulo Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Odontologia Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Instituição de Ensino Superior Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisa Sócio-Econômicos Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação e Cultura Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sociedades de Propósito Específico Universidade de Mogi das Cruzes Universidade Metodista de São Paulo Universidade de Ribeirão Preto Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Universidade Guarulhos Universidade Estadual de Campinas Universidade Camilo Castelo Branco Universidade Cidade de São Paulo Universidade de Santo Amaro Universidade Santa Cecília Universidade Paulista Universidade São Francisco Universidade de São Paulo

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contexto Caracterização do problema Objetivos Justificativa Estrutura do trabalho A ODONTOLOGIA Exigências e competências legais no exercício da odontologia Os cirurgiões-dentistas no Brasil A concentração geográfica dos cirurgiões-dentistas As faculdades de Odontologia As possibilidades profissionais no setor odontológico A decisão pelo curso de odontologia Breve história da odontologia Ramos de especialização do profissional CONTABILIDADE E FINANÇAS Gestão de caixa Cobrança e pagamentos Contabilidade Princípio da entidade Ativos Depreciação Custos e despesas Despesas e custos fixos Despesas e custos variáveis Margem de contribuição Ponto de equilíbrio Produtividade Administração de estoques Valor dos honorários A PESQUISA Taxonomia da pesquisa Elaboração do instrumento de pesquisa Coleta de dados Resultados Tratamento dos dados sob a ótica da estatística inferencial Análise e discussão Caracterização da amostra CONSIDERAÇÕES FINAIS...99 REFERÊNCIAS APÊNDICE A QUESTIONÁRIO PARA ELABORAÇÃO DO INSTRUMENTO DE PESQUISA...113

15 APÊNDICE B QUESTIONÁRIO...121

16 14 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contexto O ofício do cirurgião-dentista caracteriza-se como profissão liberal e proporciona liberdade para a escolha do local, horário e o preço de seu trabalho. É uma profissão de prestígio, segundo Drucker (1999, p ), que classifica os dentistas e todo pessoal de apoio dental como tecnólogos e acredita que estes profissionais [...] aplicam conhecimento da mais alta ordem. Em 2003 foi realizada, pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisa Sócio- Econômicos (INBRAPE), uma pesquisa contratada pelas entidades nacionais de odontologia com o objetivo de delinear o perfil dos profissionais da categoria. O resultado classifica que 77,6% dos cirurgiões-dentistas são pertencentes à classe sócio-econômica A ou B; 72,2% possuem seu próprio consultório; e 70,2% trabalham até 44 horas semanais. A carreira de odontologia sempre atraiu muitos candidatos para o vestibular e a demanda pelo curso costumava ser maior que a oferta de vagas nas faculdades. A relação média candidato / vagas nas três faculdades da Universidade de São Paulo (USP) no ano de 1996 era de 22,5, sendo que, em 2005, esta relação foi de 8,16, podendo-se observar como a proporção indicada caiu. Isto foi uma tendência de todos os cursos de nível superior nos últimos anos, demonstrada através dos relatórios divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) em 2004, sobre o crescimento no setor de ensino. O número de vagas em todos os cursos do ensino superior em 2003 foi superior ao número de concluintes do ensino médio. No ano de 1998 existiam 973 instituições de educação superior e, em 2003, eram 1.859, representando um crescimento de 91% no número de instituições. Nas informações do Conselho Federal de Odontologia (CFO) e do INEP visualiza-se que até setembro de 2003 existiam 174 cursos de Odontologia em todo o país, mais de 70% nas regiões Sul e Sudeste. Ainda de acordo com o CFO, havia

17 mil cirurgiões-dentistas ao final de julho de 2004, quase 68 mil estabelecidos no estado de São Paulo. Nos últimos dez anos foram criadas muitas instituições de ensino superior, aumentando a oferta de vagas. Segundo levantamento realizado pelo Conselho Regional de Odontologia São Paulo (CROSP ), em 2003, em São Paulo, das vagas oferecidas nos cursos de odontologia, não foram preenchidas, o equivalente a 43% das vagas totais. As faculdades particulares respondem por 96% das vagas ociosas. Na tabela 1, apresentam-se as informações do jornal do CROSP (2004). TABELA 1 - Vagas preenchidas e ociosas no setor público e privado QUANTIDADE DE VAGAS Públicas INSTITUIÇÕES Particulares TOTAL Preenchidas Ociosas Total Fonte: Adaptado CROSP (2004) O aumento das vagas acarretou um maior número de profissionais no mercado de trabalho (MICHEL-CROSATO, 2001, p.3), entretanto o aumento na quantidade de consumidores do serviço odontológico não cresceu na mesma proporção que a oferta de cirurgiões-dentistas nos últimos anos. Em 1994 foi divulgado um relatório do CFO, o qual informava que o crescimento dos habitantes foi de 1,89% e o crescimento do número de cirurgiõesdentistas foi de 6,04% ao ano. A conseqüência desta relação é a existência de um maior número de profissionais disputando os mesmos clientes, e ocasionando a redução de pacientes ou valores praticados, com o conseqüente decréscimo no faturamento (BELARDINELLI; RANGEL, 1999, p ). O aumento da concorrência coloca ao cirurgião-dentista a necessidade da gestão estratégica de sua atividade profissional; o consultório precisa ser tratado tal qual uma empresa. O consultório deve passar a ser administrado como uma

18 16 empresa inserida num contexto altamente competitivo, em que se fazem necessárias mudanças por vezes drásticas, rápidas e de grande intensidade (VASCONCELOS, 2002, p. 12). Esta necessidade requer ações de natureza estratégica e operacional. Nos aspectos estratégicos, estão, por exemplo, a escolha do local, o perfil do paciente que se pretende atender e a especialidade odontológica. A efetivação dos aspectos estratégicos ocorre por meio das ações de natureza operacional e a gestão financeira faz parte destes elementos operacionais. Planejar é, antes de mais nada, decidir antecipadamente (OLIVEIRA, In: CATELLI, 2001, p.156). Para o exercício da odontologia, a busca de competitividade tornou-se um grande desafio. Segundo Tortamano (2004, p.1): O mundo atravessa um momento no qual encontramos um mercado de trabalho cada vez mais complexo e competitivo, marcando este século de maneira bastante peculiar. Até a década de 70, a odontologia comportou-se como uma carreira ascendente. A partir deste período passou a enfrentar problemas como a diminuição da receita, aumento de custos, novas despesas, pacientes mais exigentes, aumento da concorrência, queda nos valores dos honorários, condições de pagamento, convênios e planos de saúde, redução no número de procedimentos em decorrência de prevenção e educação, má distribuição dos cirurgiões-dentistas no espaço geográfico do Mercosul, interrupção no tratamento em virtude de dificuldades financeiras, clínicas de cursos que tratam pacientes que poderiam ser tratados em consultórios particulares, e inadimplência (RIBEIRO, 2001, p ). No final de 1983, o Brasil possuía 55,7 mil cirurgiões-dentistas cadastrados no Conselho Federal de Odontologia. Em 7 de junho de 2005, o mesmo órgão possuía 200,6 mil cadastrados. O crescimento no número de profissionais no patamar de 260% nestes 22 anos sugere que aumentou a concorrência. Se a concorrência aumentou, possivelmente a margem de lucro foi reduzida. Esta situação de concorrência enseja a necessidade de melhor gestão da atividade profissional, e abre espaço para o uso de conteúdos contábeis e financeiros. O maior cuidado na gestão é recomendado por Robles (2002, p. 76), sugerindo que [...] é preciso aumentar o grau de controle, previsão, flexibilidade, adaptação e transformações ou mudanças por parte dos cirurgiões-dentistas.

19 17 O cirurgião-dentista, como todo profissional liberal, precisa montar uma estrutura física para exercer suas atividades. Além da administração financeira pessoal, há também a gestão da atividade profissional. Com os recursos oferecidos pelas áreas de Contabilidade e Finanças o profissional pode aprimorar a gestão da atividade profissional através de planejamento e controle, podendo manter uma boa performance apesar do aumento da concorrência. Kiyan (2001, p 12) afirma que a força exercida pela concorrência leva as empresas a buscarem [...] novas idéias, ferramentas e métodos, a fim de aperfeiçoarem o processo de gestão e a melhorar continuamente o desempenho. A função do planejamento é assegurar a eficácia empresarial por meio da análise de todos os elementos antes da implementação do negócio (OLIVEIRA, In: CATELLI, 2001, p.157). O controle diz respeito à avaliação do resultado obtido a partir das decisões que foram tomadas no planejamento e eventuais correções de rota. A atividade profissional pode ser bem ou mal gerida, pois, a partir do momento que o profissional utiliza seus próprios recursos e promove o atendimento aos clientes, estará exercendo a gestão de seu negócio, com ou sem técnica. Borges et al. (1989, p.67) afirmam: [...] cremos que o profissional bem-sucedido já deva ter alguns conhecimentos de administração contábil e financeira e está preocupado e à espreita de novas informações que possam ser proveitosas à prática cotidiana. Em função do exposto, este estudo aborda o uso de conteúdos contábeis e financeiros pelos cirurgiões-dentistas na gestão de seus consultórios. 1.2 Caracterização do problema O problema de pesquisa tratado neste estudo é: Qual é a percepção dos cirurgiões-dentistas sobre o uso de conteúdos de contabilidade e finanças na gestão de sua atividade profissional?

20 18 A atividade odontológica é composta por procedimentos. Cada procedimento é específico, realizado num curto período de tempo, de forma eventual para o tomador do serviço, sem cumprimento de horário ou subordinação a outrem, caracterizando-se como prestação de serviços. A prestação de serviço é intangível, pois o produto não pode ser visto ou tocado; a produção e utilização ocorrem ao mesmo tempo e não resultam na posse de um bem. Caracteriza-se assim pelo fornecimento de um beneficio que é intangível, não estocável e de consumo simultâneo à sua produção (LAS CASAS, 2000). Serviços, segundo Kotler, Hayes e Bloom (2002, p.15-17), são caracterizados pela intangibilidade antes de serem adquiridos, indivisibilidade entre relação ao prestador de serviços, variabilidade de acordo com cada consumidor, perecibilidade decorrente da impossibilidade de armazenamento, subjetividade quanto ao critério de satisfação e participação do consumidor durante o processo de elaboração. A natureza do serviço prestado pelo cirurgião-dentista é cuidar da saúde bucal. Sua formação acadêmica não é voltada para ser um homem de negócios. Entretanto, uma vez graduados, para se estabelecerem profissionalmente, necessitarão comportar-se como gestores que possuem visão de mercado consumidor e habilidade para administração financeira. A formação acadêmica do cirurgião-dentista cria um perfil de profissional com profundo conhecimento dos aspectos da saúde bucal em detrimento do perfil de gestor. Os profissionais bem sucedidos são os que complementam sua formação nos aspectos que são percebidos como deficitários. Belardinelli e Rangel (1999, p.157) acreditam que [...] não existe sucesso em um consultório sem o devido preparo técnico-científico, administrativo, publicitário e humanístico. Bastos et al. (2003, p.287) mencionam que a administração das Finanças é uma das maiores deficiências desse profissional. O cirurgião poderia tornar-se proativo, incluindo a gestão do seu negócio como parte do seu ofício, utilizando planejamento e controle. Esta postura contrapõe-se ao profissional que se limita a verificar o resultado financeiro ao final de cada mês e que se expõe a riscos que poderiam ser evitados. Ao discorrer sobre administração de qualquer atividade, Drucker (2001c, p.134) alerta para se evitar a

21 19 [...] ênfase em uma única parte do trabalho em inevitável detrimento de todo o resto. O cirurgião-dentista como qualquer outro profissional liberal necessita, por exemplo, cuidar das contas a pagar e receber, solicitar material, lidar com os aspectos psicológicos dos pacientes e renovação da licença junto à vigilância sanitária, além de empenhar-se nos aspectos técnicos dos tratamentos odontológicos realizados no consultório. Alguns autores acreditam na necessidade de maiores conhecimentos não técnicos para os cirurgiões-dentistas. Robles (2001, p.39) disserta sobre a preparação do profissional para a inserção no mercado de trabalho e a inclusão no conteúdo curricular das faculdades de odontologia de disciplinas correlacionadas com Economia, Administração, Contabilidade, e Relações Públicas. A capacitação técnica do cirurgião-dentista, sua destreza manual e o primor com que o profissional realiza seu trabalho visando a qualidade do serviço odontológico são elementos obrigatórios. Entretanto, apenas a qualidade técnica de seu trabalho poderá ser insuficiente para seu sucesso financeiro. O sucesso financeiro é fundamental, pois, sem ele, de acordo com Belardinelli e Rangel (1999 p.156): [...] as outras metas não conseguirão perseverar sem que exista um retorno financeiro adequado. Saindo do âmbito odontológico e tratando dos aspectos gerenciais, pouco adiantará ao cirurgião-dentista apenas a qualidade técnica de seu trabalho. O cenário do mercado composto por uma concorrência acirrada acarreta margens de lucro estreitas em razão da oferta superior à demanda. O conhecimento de conteúdos de Contabilidade e Finanças oferece subsídios para melhorar o seu desempenho nos resultados econômicos e financeiros. O gerenciamento através dos recursos fornecidos por Contabilidade e Finanças visa ao aproveitamento máximo dos recursos através de um conjunto de processos de planejamento, organização, direção, distribuição e controle. A gestão da atividade profissional, em geral, é feita de maneira intuitiva, pois a formação acadêmica de cirurgião-dentista, como não poderia deixar de ser, privilegia as técnicas odontológicas. O método de gerenciamento assemelha-se ao das pequenas empresas. Sobre isto, Barbosa e Teixeira (2003, p. 41) afirmam que:

22 20 A gestão se concentra na mão de empresários empreendedores de cuja intuição, muitas vezes depende o sucesso ou fracasso da empresa, que dedicam às pequenas crises cotidianas um tempo que deveria ser dedicado à formulação de estratégias. A pequena empresa pode ser caracterizada segundo diversos critérios. A classificação ocorre em função de aspectos de ordem econômica e/ou contábil ou de cunho gerencial ou social (MOTTA, 2000, p 67-68). Segundo Leone (1999, p. 92), as pequenas e médias empresas são identificadas como mais centralizadas, com estrutura organizacional simples, menor controle sobre seu ambiente externo, nível baixo de maturidade organizacional, estratégia intuitiva e pouco formalizada e reativa ao ambiente, em contraposição à antecipação e controle dos acontecimentos. Um consultório odontológico pode ser considerado como uma pequena empresa na medida em que sua organização se aproxima das especificidades fornecidas por Leone. Segundo Van Loye apud Leone (1999, p. 92): [...] para o dirigente é preferível agir só e guiado mais pela sua sensibilidade do que pelos meios técnicos de administração fornecidos pela Ciência. Muitas vezes sem preparo ou informações, cabe-lhe tomar uma decisão para a qual não lhe é facultada a possibilidade de delegar. Segundo Heller (1991, p. 227), [...] em qualquer negócio a administração certamente deve expressar claramente onde está indo, e o que espera conseguir, e quando. Para esse autor (1991, p. 173), [...] trata-se de uma forma de administração pela exceção decidir onde interferir, tanto regularmente como ao acaso, da forma que melhor beneficie a organização e sua própria eficiência. Como em qualquer empresa, são necessários mecanismos de gestão, que possibilitarão, com um pequeno esforço, a ordenação das informações sobre o exercício da atividade pela ótica financeira, de forma que as decisões possam ser tomadas de forma acertada. A forma de gestão adotada pode depender da especialidade do cirurgiãodentista e da estrutura física de que dispõe. O uso de diversos conteúdos contábeis e financeiros comporá a forma de gestão mais acertada a cada caso. Segundo Lupoli Jr. e Ângelo (2002, p.3):

23 21 Não se podem classificar os modelos de gestão como melhores ou piores do que outros. Entre as diversas abordagens de gestão, existem as mais ou menos adequadas a uma ou outra organização. Portanto, a gestão é realizada independentemente da consciência que o cirurgião-dentista tenha sobre os processos envolvidos. Com maior ou menor desenvoltura o profissional incorrerá em eventos como, por exemplo, administração de estoque e compra de materiais, negociação de prazos de pagamento, efetivação de pagamento. Na medida em que estas tarefas são realizadas sem programação ou subsídios para tomada de decisão, a gestão financeira pode ser considerada inadequada. 1.3 Objetivos O objetivo principal deste trabalho é verificar quais conteúdos de Contabilidade e Finanças são valorizados pelos cirurgiões-dentistas na gestão de sua atividade profissional. Para a construção do objetivo final serão percorridos os seguintes objetivos específicos: Caracterizar a atividade odontológica, seu ensino e o profissional do setor; Identificar, dentre o instrumental disponível de Contabilidade e de Finanças, quais são os elementos relevantes para a gestão da atividade profissional; Verificar o que os cirurgiões-dentistas utilizam efetivamente na administração financeira de sua atividade profissional.

24 Justificativa O Governo Federal, através do Ministério da Educação e Cultura, delimita quais as linhas gerais de todos os cursos de nível superior no país, para garantir uniformidade nos profissionais formados em cada habilitação distinta. A odontologia faz parte destes cursos regulamentados. As diretrizes curriculares básicas do curso de odontologia são definidas pela Resolução 3 do Conselho Nacional da Educação e Câmara de Educação Superior, emitida em 19 de fevereiro de As definições deste documento são gerais para que a ênfase seja dada a cada instituição, de acordo com a região geográfica que atende. A seguir, transcreve-se o art. 4º, inciso V, que trata sobre habilidades e competências no gerenciamento da atividade: Art. 4º A formação do Cirurgião-dentista tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades gerais: (...) V - Administração e gerenciamento: os profissionais devem estar aptos a tomar iniciativas, fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a serem empreendedores, gestores, empregadores ou lideranças na equipe de saúde; A leitura e interpretação do inciso V, acima, permitem concluir que os cirurgiões-dentistas devem possuir conhecimentos contábeis e financeiros, que lhes permitam administrar recursos financeiros e materiais. A segurança financeira do profissional é obtida por meio da conjugação de sua expertise técnica, que lhe permitirá cobrar honorários que cubram o custo dos recursos consumidos em sua atividade e gerar um excedente que permita remunerar seu trabalho, garantindo a segurança financeira almejada.

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

(YROXomR GR(QVLQR *UDGXDomR

(YROXomR GR(QVLQR *UDGXDomR (YROXomR GR(QVLQR 6XSHULRU² *UDGXDomR,QVWLWXWRÃ1DFLRQDOÃGHÃ(VWXGRV (& HÃ3HVTXLVDVÃ(GXFDFLRQDLV Brasília, 2 1 DIRETORIA DE INFORMAÇÕES E ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS João Batista Ferreira Gomes Neto COORDENAÇÃO-GERAL

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas 2012Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 Sumário Prova ABC

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo 2014 2 Índice Palavra do Presidente 4 Educação Superior no Brasil: crescimento forte e constante 5 Instituições de Ensino Superior 6 por Estado Presenciais

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Casalechi, V. L. 1,2, Sonnewend, D.. 1,2, Oliveira, J. L. 1,2 Dejuste, M. T. 2

Casalechi, V. L. 1,2, Sonnewend, D.. 1,2, Oliveira, J. L. 1,2 Dejuste, M. T. 2 A MOTIVAÇÃO PARA O INGRESSO DA CARREIRA DE CIRURGIÃO DENTISTA E A PERSPECTIVA DO MERCADO ODONTOLÓGICO ENTRE ACADÊMICOS DE 1º E 5º ANO DA UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA Casalechi, V. L. 1,2, Sonnewend,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO ORÇAMENTÁRIA JOSÉ TADEU JORGE REITOR UNICAMP 26/08/2015 - ALESP 1 PRIMEIROS ANOS -CAMPUS CAMPINAS 2 MARÇO 2014 -CAMPUS CAMPINAS 3 HOJE -CAMPUS CAMPINAS UNIVERSIDADE

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Índice Palavra do Presidente 5 Panorama do Ensino Superior - Brasil 6 / Evolução 7 por Estado / Número de IES 8 Pirâmides Etárias - Presenciais e de EAD

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Brasília DF 2009 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO.... 3 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes.

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Essa iniciativa da CNTU, em conjunto com

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA HOSPITALAR Unidade Dias

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Escova dentes 2x ou + p/dia...

Leia mais

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional NOTA TÉCNICA 24 2012 Programa de Curso Técnico em Prótese Dentária a Nível Nacional Proposta da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde SGETS/MS para pactuação na CIT de 26/07/2012 Introdução:

Leia mais

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO 1.1. O Prêmio Sebrae de Jornalismo (PSJ) é um concurso jornalístico instituído pelo Sebrae Nacional Serviço Brasileiro

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BOLETIM DE SERVIÇO ANO XLIV N. 082 28/05/2014 SEÇÃO IV PÁG. 09 SEÇÃO IV

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BOLETIM DE SERVIÇO ANO XLIV N. 082 28/05/2014 SEÇÃO IV PÁG. 09 SEÇÃO IV ANO XLIV N. 082 28/05/2014 SEÇÃO IV PÁG. 09 SEÇÃO IV Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde EDITAL PARA SELEÇÃO DE TUTORES A Universidade Federal Fluminense,

Leia mais

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Rio de Janeiro, em 06 de outubro

Leia mais

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009 O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil Julho de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras quanto

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

PROCESSO N 051/05 PROTOCOLO N.º 8.348.915-4 PARECER N.º 628/05 APROVADO EM 05/10/05 INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL HERRERO - SEDE

PROCESSO N 051/05 PROTOCOLO N.º 8.348.915-4 PARECER N.º 628/05 APROVADO EM 05/10/05 INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL HERRERO - SEDE PROTOCOLO N.º 8.348.915-4 PARECER N.º 628/05 APROVADO EM 05/10/05 CÂMARA DE PLANEJAMENTO INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL HERRERO - SEDE MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO: Pedido de Autorização para

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Certificação digital e SIOPS Previsão legal

Certificação digital e SIOPS Previsão legal O Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS) é um software desenvolvido pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), em linguagem Delphi, com o objetivo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A Fundação Interuniversitária de Estudos e Pesquisa sobre o Trabalho (UNITRABALHO), criada em 1996 com a missão de integrar universidades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense)

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense) A Pesquisa com Egressos como Fonte de Informação Sobre a Qualidade dos Cursos de Graduação e a Responsabilidade Social da Instituição Universidade Federal Fluminense (UFF) Eixo II Indicadores e instrumentos

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA NA SAÚDE DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO A TRAJETÓRIA. Brasília DF Abril 2006

MEDICINA VETERINÁRIA NA SAÚDE DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO A TRAJETÓRIA. Brasília DF Abril 2006 9 A TRAJETÓRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA SAÚDE MEDICINA VETERINÁRIA Brasília DF Abril 2006 PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DA EDUCAÇÃO Fernando Haddad MINISTRO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional João Alberto Viol Diretor Executivo Antonio Othon Pires Rolim Gerente Executivo Claudinei Florencio Consultor

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 REUNIÕES DE GRUPO CO/CRA-DF SE/CRA-SP INSUMOS

O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 REUNIÕES DE GRUPO CO/CRA-DF SE/CRA-SP INSUMOS Metodologia da Pesquisa O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: 1ª ETAPA PESQUISAS EXPLORATÓRIAS 2ª ETAPA PESQUISA QUANTITATIVA FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 DESK RESEARCH ENTREVISTAS

Leia mais

No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos

No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos RADIOGRAFIA DO ENSINO MÉDICO No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos Do início de 2003 a 2015, a quantidade de cursos particulares de Medicina

Leia mais

Exame do Cremesp 2007

Exame do Cremesp 2007 Exame do Cremesp 2007 Reprovados 56% dos estudantes de sexto ano de Medicina que compareceram às provas em 2007 Índice de reprovação cresceu 18 pontos percentuais em um ano e 25 pontos percentuais em dois

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SECR ETARIA D E AVALIA ÇÃO INSTITUCIONAL FAQ ENADE 2013 QUESTÕES FORMULADAS COM FREQÜÊNCIA SOBRE O ENADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SECR ETARIA D E AVALIA ÇÃO INSTITUCIONAL FAQ ENADE 2013 QUESTÕES FORMULADAS COM FREQÜÊNCIA SOBRE O ENADE FAQ ENADE 2013 QUESTÕES FORMULADAS COM FREQÜÊNCIA SOBRE O ENADE 1) O que é ENADE? O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) integra o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES)

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 65/2009 ESCLARECIMENTO 1

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 65/2009 ESCLARECIMENTO 1 MENSAGEM Assunto: Esclarecimento Referência: Pregão Eletrônico n. 65/2009 Data: 12/11/2009 Objeto: Contratação de pessoa jurídica especializada na prestação de serviços de assistência médica, ambulatorial

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2.

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2. COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2.489, de 2003) Regulamenta o exercício das profissões de Técnico em Higiene

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Recursos Humanos em Nutrição no Brasil Nutricionistas

Recursos Humanos em Nutrição no Brasil Nutricionistas Recursos Humanos em Nutrição no Brasil Nutricionistas INTRODUÇÃO A formação em Nutrição no país é relativamente recente, sendo portanto, recente a inserção maciça do profissional no mercado de trabalho.

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação.

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Publicidade na Odontologia: como fazer Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Você sabia que nos anúncios, placas e impressos publicitários, por exemplo,

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco 349 PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE INFRAESTRUTURA DOS CURSOS DE PSICOLOGIA: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO ENADE-2006 Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

Porto Alegre Maio/2011

Porto Alegre Maio/2011 II Encontro Regional da ABRAFI A Influência do Censo nos resultados do CPC Porto Alegre Maio/2011 Matéria do Jornal da Globo de 23/05/2011 Série especial mostra desafios no crescimento do ensino superior

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2013 Março Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense

Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense 1 Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Rio de Janeiro, em 12 de maio de 2014. Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) Regulamenta o exercício das profissões detécnico em Higiene Dental e de Atendente de Consultório Dentário. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010

RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010 RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010 Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica Transferência dos Ativos de Iluminação Pública P aos Municípios Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO Manual do participante Autoria: Renato Fonseca de Andrade Responsáveis pela atualização: Consultores da Unidade de Orientação Empresarial

Leia mais