Reabilitação estética de dente fraturado relato de caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reabilitação estética de dente fraturado relato de caso"

Transcrição

1 249 Rebilitção estétic de dente frturdo relto de cso Aesthetic rehbilittion of frctured tooth cse report Fernnd Pereir Silv 1 Giselle Rodrigues dos Reis 1 An Lur Rezende Vilel 2 Murilo de Sous Menezes 3 Resumo Trumtismo em dentes nteriores é queix comum nos consultórios odontológicos e pode estr ssocido frturs coronáris, o que result em comprometimento d função e estétic. As principis técnics pr reconstrução de dentes frturdos utilizm mteriis resturdores desivos diretos por possuírem proprieddes físics e mecânics semelhntes à estrutur dentári, lém de ser técnic minimmente invsiv. O presente rtigo relt um cso clínico de resturção em dente nterior frturdo, utilizndo resin compost nnoprticuld ssocid o clremento dentl. O trtmento relizdo possibilitou restbelecer função e devolver hrmoni e estétic do sorriso. Descritores: Resins composts, clremento dentl, estétic dentári. Abstrct Trumtic injuries in nterior teeth re common complint in the dentl office. These trums cn result in crown frctures cusing impirment of esthetics nd function. The min techniques for reconstruction of frctured teeth include the use of direct dhesive restortive mterils becuse of their physicl nd mechnicl properties tht re similr to the tooth structure nd minimlly invsive technique. This rticle reports clinicl cse of restortion in frctured nterior teeth using composite resin with dentl bleching. The result ws stisfctory becuse they restored function nd hrmonic smile. Descriptors: Composite resins, tooth bleching, dentl esthetics. 1 Ms. em Clínic Integrd FOUFU. 2 Alun de Grdução FOUFU. 3 Dr. em Clínic Odontológic Integrd FOP/UNICAMP, Prof. Adjunto d Áre de Dentístic e Mteriis Odontológicos UFU. E-mil do utor: Recebido pr publicção: 08/08/2014 Aprovdo pr publicção: 28/01/2015 Como citr este rtigo: Silv FP, Reis GR, Vilel ALR, Menezes MS. Rebilitção estétic de dente frturdo relto de cso. Full Dent. Sci. 2015; 6(22): Relto de cso / Cse report

2 250 Full Dent. Sci. 2015; 6(22): Relto de cso / Cse report Introdução O trumtismo dentl é comum em dentes nteriores e epidemiologi dest injúri depende de diversos ftores, como idde, gênero e tipo de oclusão 3. O trum pode levr à frtur coronári, o que compromete os ftores biológicos, funcionis, estéticos e psicossociis do pciente 12. Assim, rebilitção dos elementos cometidos torn-se procedimento essencil no restbelecimento d hrmoni dentári e, consequentemente, n qulidde de vid do pciente 20. Com o desenvolvimento e inovção dos mteriis e técnics resturdors d Odontologi, surgirm váris lterntivs pr rebilitção de dentes frturdos, podendo ser destcds s técnics de colgem de frgmento 18, resturção diret em resin compost 14 e resturções indirets 21. Qundo possível, colgem do frgmento deve ser opção de primeir escolh, pois é um procedimento conservdor que mntém s crcterístics morfológics dos dentes nturis 17,18. No entnto, durnte relizção do procedimento devem ser observdos ftores como dptção e semelhnç d colorção do frgmento, pois este pode sofrer processo de desidrtção, podendo lterr cor e comprometer estbilidde e estétic do trtmento 8. No cso de resturções indirets, existe necessidde de mior desgste d estrutur dentl, lém de ser mis oneroso. A resturção diret, em resin compost, permite preservção do remnescente dentário e represent lterntiv de trtmento conservdor 7, lém de permitir crcterístics óptics que mimetizm s estruturs dos dentes e presentm bo dptção mrginl, biocomptibilidde e proporcionm proprieddes físico-mecânics fvoráveis como resistênci à compressão, trção, brsão e o desgste e lto módulo de elsticidde 23. Todos esses ftores permitem devolver o pciente função e estétic. O trtmento resturdor em dentes nteriores com resin compost diret é documentdo n litertur e demonstr tx de sobrevivênci de 84,6% pós 5 nos de compnhmento. As flhs mis frequentes estão ssocids frturs, cárie recorrente e pigmentção. No entnto, ests podem ser resolvids por meio de repros 10. A rebilitção diret com resin compost pode ser relizd pel técnic de estrtificção, qul utiliz inserção de resin compost com diferentes proprieddes, visndo reproduzir o specto de nturlidde dos dentes 7,21. Nest técnic diret, hbilidde do profissionl é ftor de grnde importânci pr o sucesso do trtmento 7. Existe tmbém possibilidde d relizção do trtmento com o uxílio de um mtriz ou gui de silicone 7, no entnto, ess modlidde de trtmento exige mior número de sessões clínics, um vez que há necessidde de um modelo de trblho, onde será relizdo o encermento dignóstico, o que tmbém greg mior custo o trtmento. Assim, o presente trblho vis reltr e discutir um cso clínico de resturção diret com resin compost, nnoprticuld, em dente nterior frturdo, tipo Clsse IV 8, com envolvimento ds estruturs esmlte e dentin, sem comprometimento pulpr. Relto de cso Pciente do gênero msculino, 22 nos de idde, compreceu à clínic d Fculdde de Odontologi d Universidde Federl de Uberlândi, instisfeito com estétic do seu sorriso. N nmnese, o pciente reltou que hvi sofrido um trum no dente nterior há 13 nos, o que ocsionou frtur do mesmo. Reltou ind que form relizds váris resturções direts, em resin compost, no entnto, sempre instisftóris. Durnte o exme clínico foi observd resturção de resin compost com frtur, resultnte de outro trum dentário, e pigmentção dos demis dentes nteriores, que gerv instisfção do pciente (Figur 1). Dinte d queix principl e d situção clínic observd, foi plnejdo o restbelecimento funcionl e estético do sorriso por meio d ssocição de clremento dentário dos dentes nteriores e resturção diret em resin compost no incisivo centrl superior esquerdo. Figur 1 Aspecto inicil do sorriso. O procedimento relizdo foi clremento externo pel técnic de consultório. Inicilmente foi relizdo o registro d cor dos dentes, por meio de escl VITA (Vit Toothguide, Zhnfbrik, d Säckingen, Alemnh), qul foi definid como cor 2 (Figur 2 A). O isolmento reltivo foi relizdo com brreir gengivl (Top Dm, FGM Produtos Odontológicos, Joinville, SC, rsil) recobrindo superfície vestibulr dos dentes nteriores um milímetro quém d gengiv mrginl, recobrindo s ppils e lgums áres de retrção gengivl. Em seguid, foi relizd tivção do gente protetor com luz

3 251 LED (Rdii-Cl - SDI, yswter, Austráli). Pr relizção do clremento foi utilizdo o gel clredor à bse de peróxido de hidrogênio 35% (Pol Office, SDI, Austráli), que foi proporciondo e mnipuldo de cordo com s recomendções do fbricnte. Este foi plicdo sobre superfície vestibulr dos dentes nteriores com o uxílio de um microbrush (Cvibrush, FGM Produtos Odontológicos, rsil) (Figur 2 ), sendo relizds qutro plicções de oito minutos cd. Entre s plicções o gel foi removido com uxílio de um sugdor de rch e os resíduos lvdos com jtos de águ e r, por meio de um sering tríplice. Após cd um ds três sessões de clremento, foi relizdo o polimento com pst dimntd (KG Sorensen, Indústri e Comércio LTDA, rsil) e disco de feltro (DH Pro, Prnguá, PR, rsil). O pciente foi orientdo qunto às restrições em relção os limentos ácidos e com corntes, pois estes, consumidos durnte o período de clremento podem provocr pigmentção do esmlte, que se encontr mis poroso, com mior rugosidde superficil e com microdurez diminuíd 10. Após qutorze dis d finlizção ds sessões do clremento externo, foi relizdo novo registro de cor e observdo redução de um nível de sturção dos dentes, sendo definid cor finl 1 (Figur 3). Pr rebilitção do incisivo frturdo, resturção instisftóri foi removid completmente utilizndo pont dimntd número 2143 (KG Sorensen, Indústri e Comércio LTDA, rsil), em turbin de lt rotção, sob refrigerção constnte (Figur 4 A). O bisel foi confecciondo com objetivo de mscrr trnsição d interfce entre o dente e o mteril resturdor (Figur 4 ). Em seguid foi relizd profilxi com pst de pedr pomes e águ e o isolmento bsoluto do cmpo opertório. Pr hibridizção do substrto, foi plicdo ácido fosfórico 37% (Figur 5 A) (Condc 37; FGM, Joinville, SC, rsil) por 30 segundos no esmlte e 15 segundos n dentin, sendo removido com jto de r/águ pelo mesmo tempo (Figur 5 ). O controle de umidde foi relizdo com ppel bsorvente. A solução de digluconto de clorexidin 2% foi plicd n dentin e gurdou- -se um minuto. Um novo controle de umidde foi relizdo; um tir de poliéster posiciond entre o dente ser resturdo e os djcentes e, em seguid, plicdo o sistem desivo convencionl de dois pssos (Figur 5 C) (Adper Single ond 2; 3M ESPE, St. Pul, Mn, EUA) que foi fototivdo com unidde LED (Rdii-Cl; SDI, Victori, Austráli) por 20 segundos, cd fce. Figur 2 (-b) A) Seleção de cor inicil, ) plicção do gel à bse de peróxido de hidrogênio 35%, estendido no setor nterior té os pré-molres de cd qudrnte. Figur 3 (A-) Seleção de cor pós o clremento. Silv FP, Reis GR, Vilel ALR, Menezes MS.

4 252 Full Dent. Sci. 2015; 6(22): Figur 4 (A-) A) Confecção do bisel, ) bisel. c Figur 5 (A-C) Hibridizção do substrto. A) Condicionmento com ácido fosfórico, ) lvgem com águ por 30 segundos. C) Aplicção do sistem desivo. Relto de cso / Cse report Em seguid, relizou-se inserção d resin compost nnoprticuld por meio d técnic incrementl. A prede pltin do dente foi confecciond com resin cor 1E (Filtek Z350; 3M ESPE ) simulndo o esmlte (Figur 6A). O corpo d resturção foi construído com resin cor 1D (Filtek Z350; 3M ESPE ) (Figur 6), mimetizndo ssim s crcterístics e ntomi do incisivo centrl superior direito. Pr finlizr resturção, o esmlte vestibulr foi simuldo com resin cor 1E (Filtek Z350; 3M ESPE ). Após remoção do isolmento bsoluto, os conttos oclusis form verificdos, justdos, e depois relizdo o refinmento d resturção, removendo-se os excessos por meio de ponts dimntds de grnulção fin e extrfin (Figur 7A-) (KG Sorensen, rueri, SP, rsil), seguidos de um sequênci de ponts brsivs e discos de feltro pr polimento (Figur 8A-F) (Dhpro, Prnguá, PR, rsil).

5 253 Figur 6 (A-) A) Inserção de resin compost de esmlte, ) inserção de resin compost de dentin. Figur 7 (A-) Acbmento com ponts dimntds. A) Grnulção fin. ) grnulção extrfin. b c Figur 8 (A-D) A-C) Polimento com ponts de óxido de silício (Jiffy Polishers, Ultrdent, South Jordn, UT), d) polimento com pont de lto brilho, disco de pêlo de cbr e disco de lgodão (Dhpro, Prnguá, PR, rsil), respectivmente. d Silv FP, Reis GR, Vilel ALR, Menezes MS.

6 254 Full Dent. Sci. 2015; 6(22): Figur 9 (A-) A) Antes do procedimento resturdor, ) depois do procedimento resturdor. b Figur 10 Aspecto finl do sorriso. Relto de cso / Cse report Discussão O clremento dentário é um dos procedimentos mis requisitdos n Odontologi estétic. Trt-se de procedimento conservdor, seguro e de simples execução 6. Ao indicr o clremento, o profissionl deve fzer o dignóstico d descolorção dos dentes, embsndo- -se nos chdos d nmnese, exme clínico e do exme rdiográfico, pr posteriormente selecionr técnic de clremento ser utilizd. Mesmo qundo o prognóstico é fvorável, é de grnde importânci discutir com o pciente s expecttivs do trtmento e conscientizá-lo que nem todos os dentes clreim com mesm intensidde e que cd dente lcnç um ponto de sturção máximo do clremento, estbilizndo cor, lém de discutir tmbém que o sucesso não está n dependênci d técnic ou dos mteriis utilizdos 13. O clremento de consultório foi o procedimento de escolh no cso por presentr modlidde de trtmento com resultdos mis rápidos, lém de permitir mior controle do procedimento por prte do profissionl 13. O produto utilizdo foi o peróxido de hidrogênio 35%. Este produto possui bixo peso moleculr e lto poder de penetrção no esmlte e n dentin, e qundo em contto com esses tecidos, liberm rdicis livres, principlmente o oxigênio, que oxid os pigmentos possibilitndo lterção d cor dos dentes 6,13. Após finlizção do clremento, gurdou-se qutorze dis pr substituição d resturção. Este período, d últim sessão de clremento té substituição d resturção, é necessário pr possibilitr um desão mis stisftóri dos compósitos resinosos à estrutur dentl 2, um vez que o oxigênio residul, resultnte do clremento dentário, pode interferir negtivmente n resistênci de união entre o mteril resinoso e os substrtos dentários. Pr rebilitção de dentes frturdos, decorrentes de trumtismo, é necessário um plnejmento criterioso pr obtenção de prognóstico fvorável. A vlição rdiográfic torn-se imprescindível pr verificr o cometimento pulpr ou periodontl e detectr presenç de possíveis frturs rdiculres 16,24. No presente cso, foi consttd frtur restrit o esmlte e à dentin, mntendo os tecidos subjcentes íntegros. Em cso de frtur com envolvimento dentinário, relizção d resturção promove o selmento d dentin expost, o que evit colonizção de bctéris e permite tmbém que polp exerç seus mecnismos fisiológicos de defes em respost à gressão sofrid 8, mesmo nos csos de frturs mis simples (restrit o esmlte e à dentin). O compnhmento longitudinl é necessário, um vez que injúris pulpres e periodontis podem se desenvolver longo przo 11. Pr relizção d resturção, foi utilizd re-

7 255 sin compost nnoprticuld, que possui vntgens qundo comprds às resins microprticulds e híbrids, como melhores proprieddes mecânics, já que possuem prtículs de reforço com tmnho reduzido; possibilit lto pdrão de excelênci estétic, lém de proporcionr excelente polimento superficil e durdouro 5, o que s tornm um excelente opção pr rebilitção estétic d região nterior 4,9. A cor d resturção é um ponto crítico do procedimento e represent um ds miores dificulddes pr miori dos profissionis. Atulmente, existem no mercdo resins composts com diferentes proprieddes óptics, que permitem simulr os diferentes substrtos dentários. A utilizção desss resins composts pr esmlte e pr dentin ns diferentes etps do procedimento resturdor e ns diferentes regiões do dente, cervicl, médi e incisl, deve ser relizd de modo criterioso, um vez que espessur do incremento de resin compost pode interferir no resultdo finl d resturção 22. No entnto, se utilizds de form corret, o que depende d hbilidde do profissionl, ests são cpzes de produzir resultdos estéticos stisftórios com resturções imperceptíveis 1,15. A textur de superfície é outro ftor importnte ser considerdo, pois proporcion crcterístics de nturlidde às resturções. O polimento superficil tmbém mud percepção cromátic ds resins composts 23, ssim influenci no resultdo finl d resturção, ou sej, n lisur de superfície, n retenção de plc bcterin, n estbilidde d cor, bem como n longevidde desss resturções. Portnto, o cbmento e polimento são procedimentos imprescindíveis tnto pr função qunto pr estétic e, consequentemente, sucesso d resturção 19. Conclusão O emprego de resturções direts em resin compost é um lterntiv viável pr rebilitção de dentes nteriores frturdos, um vez que presentm resultdos clinicmente stisftórios com funcionlidde, mscrndo s imperfeições resultntes d frtur dentári e contribuindo com utoestim do pciente o devolver estétic do sorriso (Figurs 9 A- e 10). Referêncis 1. Arujo EM Jr, Fortkmp S, rtieri LN. Closure of distem nd gingivl recontouring using direct dhesive restortions: cse report. Journl of Esthetic nd Restortive Dentistry: officil publiction of the Americn Acdemy of Esthetic Dentistry [et l]. 2009;21(4): Attin T, Hnnig C, Wiegnd A, Attin R. Effect of bleching on restortive mterils nd restortions - systemtic review. Dent Mter Nov;20(9): stone E, Freer TJ, McNmr JR. Epidemiology of dentl trum: review of the literture. Austrlin dentl journl. 2000;45(1): ruer DS, Hilton JF, Mrshll GW, Mrshll SJ. Nno nd micromechnicl properties of dentine: investigtion of differences with tooth side. Journl of iomechnics. 2011;44(8): Cn Sy E, Yurdguven H, Ymn C, Ozer F. Surfce roughness nd morphology of resin composites polished with two-step polishing systems. Dentl Mterils Journl. 2014;33(3): Dhl JE, Pllesen U. Tooth bleching - criticl review of the biologicl spects. Crit Rev Orl iol Med. 2003;14(4): Review. 7. Dietschi D. Optimising esthetics nd fcilitting clinicl ppliction of free-hnd bonding using the nturl lyering concept. ritish Dentl Journl. 2008;204(4): Frik, Munksgrd EC, Andresen JO, Kreiborg S. Drying nd rewetting nterior crown frgment prior to bonding. Endod Dent Trumtol 1999;15(3): Ferrcne JL. Resin composite - stte of the rt. Dentl mterils: officil publiction of the Acdemy of Dentl Mterils. 2011;27(1): Frese C, Schiller P, Stehle HJ, Wolff D. Recontouring teeth nd closing distems with direct composite buildups: 5-yer follow-up. J Dent. 2013;41(11): Gungor HC. Mngement of crown-relted frctures in children: n updte review. Dentl trumtology: officil publiction of Interntionl Assocition for Dentl Trumtology. 2014;30(2): Hunter ML, Hunter, Kingdon A, Addy M, Dummer PM, Shw WC. Trumtic injury to mxillry incisor teeth in group of South Wles school children. Endodontics & dentl trumtology. 1990;6(6): Kihn PW. Vitl tooth whitening. Dent Clin North Am Apr;51(2):319-31, viii. Review. 14. Mnut J, Slt A, Putignno A, Devoto W, Polone G, Hrdn LS. Strtifiction in nterior teeth using one dentine shde nd predefined thickness of enmel: new concept in composite lyering - Prt I. Odontostomtol Trop Jun;37(146): Menezes MS, Reis GR, orges MG, Rposo LHA. Trnsformção do sorriso por meio de fechmento de distem utilizndo resin compost nnoprticuld - relto de cso. Full Dentistry in Science. 2013;17: Oliveir FAM, Oliveir MGD, Orso VDA, Oliveir VRD. Trumtismo dentolveolr: revisão de litertur. Revist de Cirurgi e Trumtologi uco-mxilo-fcil. 2004;4: Olsburgh S, Jcoby T, Krejci I. Crown frctures in the permnent dentition: pulpl nd restortive considertions. Dentl trumtology: officil publiction of Interntionl Assocition for Dentl Trumtology. 2002;18(3): Ozel E, Cildir A, Ozel Y. Re-ttchment of nterior tooth frgment using self-etching dhesive: cse report. J Contemp Dent Prct Jn 1;9(1): Ozel E, Krpinr-Kzndg M, Soymn M, yirli G. Resin composite restortions of permnent incisors with crown frctures: cse report with six-yer follow-up. Opertive dentistry. 2011;36(1): Porritt JM, Rodd HD, Ruth ker S. Qulity of life impcts following childhood dento-lveolr trum. Dentl trumtology: officil publiction of Interntionl Assocition for Dentl Trumtology. 2011;27(1): Qultrough AJ, urke FJ. A look t dentl esthetics. Quintessence interntionl. 1994;25(1): Reis A, Higshi C, Loguercio AD. Re-ntomiztion of nterior eroded teeth by strtifiction with direct composite resin. Journl of Esthetic nd Restortive Dentistry: officil publiction of the Americn Acdemy of Esthetic Dentistry [et l]. 2009;21(5): Villrroel M, Fhl N, De Sous AM, De Oliveir JrO. Direct esthetic restortions bsed on trnslucency nd opcity of composite resins. Journl of Esthetic nd Restortive Dentistry: officil publiction of the Americn Acdemy of Esthetic Dentistry [et l]. 2011;23(2): Wng C, Qin M, Gun Y. Anlysis of pulp prognosis in 603 permnent teeth with uncomplicted crown frcture with or without luxtion. Dentl trumtology: officil publiction of Interntionl Assocition for Dentl Trumtology Silv FP, Reis GR, Vilel ALR, Menezes MS.

Interrelação Periodontia e Dentística Restauradora na lapidação de facetas cerâmicas

Interrelação Periodontia e Dentística Restauradora na lapidação de facetas cerâmicas Cunh LF, Coest PTG, Escóssi Jr. J, Mondelli J 47 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 cso clínico Interrelção Periodonti e Dentístic Resturdor n lpidção de fcets cerâmics Assocition of Periodontics nd Restortive

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Avaliação de dentes reimplantados submetidos a um novo protocolo terapêutico

Avaliação de dentes reimplantados submetidos a um novo protocolo terapêutico Artigo originl BUCK CLBP; SOARES AJ; BUCK A; NAGATA JY; ZAIA AA; FILHO FJS; Avlição de dentes reimplntdos sumetidos um novo protocolo terpêutico Receido em: Agosto/12 Aprovdo em: Outuro/12 Evlution of

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Avaliação do clareamento dental exógeno por meio de fotografia digital

Avaliação do clareamento dental exógeno por meio de fotografia digital REVISTA DE ODONTOLOGIA DA UNESP ARTIGO ORIGINAL Rev Odontol UNESP, Arrqur. jn./fev., 2010; 39(1): 9-13 2009 - ISSN 1807-2577 Avlição do clremento dentl exógeno por meio de fotogrfi digitl Breno CARNEVALLI,

Leia mais

Caso Clínico. Sanzio Marques* 64 Rev Dental Press Estét. 2010 jul-set;7(3):64-79

Caso Clínico. Sanzio Marques* 64 Rev Dental Press Estét. 2010 jul-set;7(3):64-79 Caso Clínico Sanzio Marques* * Mestre em Dentística Restauradora (FO-UFMG). Especialista em Prótese Dental (FORP-USP). utor do livro Estética com resinas compostas em dentes anteriores: percepção, arte

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Martensítico Macio CA6NM

Martensítico Macio CA6NM Desenvolvimento de procedimentos de repro de trincs e recuperção de cvitção em turbins hidráulics fundids em Aço Inoxidável Mrtensítico Mcio CA6NM A. R. Cpr, R. R. de Gouvei, P. C. Okimoto, A. G. M. Puksiewisz,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.)

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.) INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Cmpomnesi spp.) Jênifer Silv NOGUEIRA¹, Fbino Guimrães d SILVA², Antônio Pulino d COSTA NETTO³, Pedro Ferreir MORAIS 4, Geicine Cintr de SOUZA

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Tecnologias digitais e sistemas CAD/CAM aplicados à Ortodontia Lingual: o futuro já é a realidade atual

Tecnologias digitais e sistemas CAD/CAM aplicados à Ortodontia Lingual: o futuro já é a realidade atual O q u e h á d e n o v o n O d o n t o l o g i Tecnologis digitis e sistems CAD/CAM plicdos à Ortodonti Lingul: o futuro já é relidde tul Crl Mri Melleiro Gimenez* A Ortodonti Lingul vem gnhndo espço no

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Colchões mais seguros

Colchões mais seguros Colchões mis seguros Eficáci comprovd n prevenção e terpi de úlcers por pressão Úlcers por pressão um grve risco à súde Apesr de todos os vnços d medicin, s úlcers por pressão (tmbém denominds escrs de

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Lesões cariosas incipientes e formação de cavidades durante o tratamento ortodôntico

Lesões cariosas incipientes e formação de cavidades durante o tratamento ortodôntico Controvérsi Lesões crioss incipientes e formção de cviddes durnte o trtmento ortodôntico É ppel do ortodontist dignosticr, prevenir e té trtr mnchs brncs crioss e não crioss no esmlte? Por Alberto Consolro*

Leia mais

Tratamento compensatório da Classe III no paciente adulto, uma abordagem em Ortodontia Lingual relato de caso

Tratamento compensatório da Classe III no paciente adulto, uma abordagem em Ortodontia Lingual relato de caso 324 Trtmento compenstório d lsse III no pciente dulto, um bordgem em Ortodonti Lingul relto de cso ompenstory tretment of lss III in dult ptient n pproch in lingul orthodontics cse report Mrcos Gbriel

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

TEXTURA E COMPORTAMENTO MECÂNICO DE AÇOS IF ESTABILIZADOS AO Ti E Nb-Ti

TEXTURA E COMPORTAMENTO MECÂNICO DE AÇOS IF ESTABILIZADOS AO Ti E Nb-Ti http://dx.doi.org/10.4322/tmm.2012.044 TEXTURA E COMPORTAMENTO MECÂNICO DE AÇOS IF ESTABILIZADOS AO Ti E N-Ti Fio Moreir d Silv Dis 1 Fino Augusto Vllim Fonsec 2 Christien Guisrd Huegen 3 Jefferson Fricio

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr.

Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr. Artigos Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr. Agregando valor aos procedimentos diários: do clareamento à fratura dental. Atualmente, observa-se que as novas idéias e a avaliação contínua

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Estética Dental: Clareamento e Resina Composta Dental Aesthetic: bleaching and composite resin

Estética Dental: Clareamento e Resina Composta Dental Aesthetic: bleaching and composite resin Estética Dental: Clareamento e Resina Composta Dental Aesthetic: bleaching and composite resin Frederico dos Reis GOYATÁ Doutor em Prótese UNITAU Taubaté-SP. Pós Doutorando em Prótese UNITAU Taubaté-SP.

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Flavia Artese responde:

Flavia Artese responde: Pergunte um Expert RECOMENDADO Flvi Artese responde: N Ortodonti lguns ssuntos, pesr de vstmente pesquisdos, ind são controversos, como por exemplo os terceiros molres. Pergunt-se: é possível prever formção

Leia mais

Pistas diretas Planas: terapia ortopédica para correção de mordida cruzada funcional

Pistas diretas Planas: terapia ortopédica para correção de mordida cruzada funcional Cso Clínico Pists direts Plns: terpi ortopédic pr correção de mordid cruzd funcionl An Cláudi Rodrigues Chiinski*, Gisline Denise Czlusnik**, Mrielle Dher de Melo*** Resumo A mordid cruzd é um tipo de

Leia mais

Fechamento de Diastemas Unitários com Resinas Compostas: um tratamento conservador, reversível e estético

Fechamento de Diastemas Unitários com Resinas Compostas: um tratamento conservador, reversível e estético Fechamento de Diastemas Unitários com Resinas Compostas: um tratamento conservador, reversível e estético Frederico dos Reis GOYATÁ Leonardo Fernandes da Cunha*, Rafaella Caramori Saab**, Juliana de Souza

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

Aseleção correta dos materiais auxilia na otimização dos custos de produção de um ferramental,

Aseleção correta dos materiais auxilia na otimização dos custos de produção de um ferramental, VINÍCIUS MARTINS - viniciushiper@yhoo.com.br PAULO RICARDO BÖESCH JÚNIOR - pulo.boesch@ufrgs.br RODRIGO GONZATTI - rgonztti@yhoo.com.br WILSON CORRÊA RODRIGUES - wilson.rodrigues@ufrgs.br ALEX FABIANO

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia:

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia: Cdstro de Instlções e Sistems de Armzenmento de Derivdos de Petróleo e Outros Combustíveis 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.2. Doc. Identidde: Órgão Expedidor: UF: 1.3.

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Ramularia areola) EM ALGODÃO ADENSADO

PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Ramularia areola) EM ALGODÃO ADENSADO PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Rmulri reol) EM ALGODÃO ADENSADO Autores: Alfredo Riciere Dis Fundção Chpdão Rento Anstácio Guzin - UFMS Cleer Brndino Ferreir

Leia mais

MANUAL TÉCNICO para FIAÇÕES

MANUAL TÉCNICO para FIAÇÕES MANUAL TÉCNICO pr FIAÇÕES Rev 01-Abril/2000 F i b r C e l ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. CARACTERÍSTICAS DAS FIBRAS DE VISCOSE...4 3. CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS...4 4. IDENTIFICAÇÃO DO FARDO...5 5. SISTEMA

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW

SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW http://dx.doi.org/10.322/tmm.2012.01 Ricrdo Mirnd Alé 1 Adão Vieir de Fri 2 Rmsés Ferreir d Silv 3 Antônio Crlos Depizzol Wgner de Almeid

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO Mrin Borges de Lim d Silv 1, Jeniffer Rodrigues de Sous 2, An Crolin Bernrdes Borges Silv 2, Jnin de Oliveir Queiroz 2, Jéssic Krine

Leia mais

RESTAURAÇÕES DIRETAS COM RESINA EM CLASSES III E V

RESTAURAÇÕES DIRETAS COM RESINA EM CLASSES III E V RESTAURAÇÕES DIRETAS COM RESINA EM CLASSES III E V Indicações: Cavidades de Classe V, casos de erosão cervical/lesões de abrasão e lesões cariosas de raiz. Cavidades de Classe III. Preparo do Dente: Selecione

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Citologia das alterações leucocitárias

Citologia das alterações leucocitárias Citologi ds lterções leucocitáris Principis lterções leucocitáris recionis o Infecções bcterins e processos inflmtórios gudos: frequentemente há leucocitose com desvio à esquerd gerlmente esclondo nesss

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRÉ-TRATAMENTO A BASE DE NANOTECNOLOGIA EM LINHA DE PINTURA DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

UTILIZAÇÃO DE PRÉ-TRATAMENTO A BASE DE NANOTECNOLOGIA EM LINHA DE PINTURA DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA http://dx.doi.org/10.4322/tmm.2012.029 UTILIZAÇÃO DE PRÉ-TRATAMENTO A BASE DE NANOTECNOLOGIA EM LINHA DE PINTURA DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Alerto Nei Crvlho Cost 1 José Crlos dos Sntos 2 José Edurdo

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

Perfil epidemiológico da hanseníase em menores de quinze anos de idade, Manaus (AM), 1998-2005

Perfil epidemiológico da hanseníase em menores de quinze anos de idade, Manaus (AM), 1998-2005 Rev Súde Públic 2008;42(6):1021-6 Elsi Belo Imbirib I,II José Cmilo Hurtdo- Guerrero I,III Luiz Grnelo I,IV Antônio Levino I,IV Mri d Grç Cunh V Vlderiz Pedros V Perfil epidemiológico d hnseníse em menores

Leia mais

GEO046 Geofísica. Fenômeno observado. Polarização elétrica induzida. Polarização de eletrodo

GEO046 Geofísica. Fenômeno observado. Polarização elétrica induzida. Polarização de eletrodo GEO046 Geoísic Aul n o 09 MÉTODOS ELÉTRICOS Polrizção induzid e potencil espontâneo enômeno observdo Após interrupção de um corrente elétric contínu, observse que o potencil elétrico não deci instntnemente

Leia mais

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL INICIALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE CONTROLADORES DEFINIDOS PELO USUÁRIO DO PROGRAMA PACDYN MARCOS INÍCIUS GONÇALES DA SILA FARINHA PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

D I V I S Ã O D E S O L D A S P A R A B R A S A G E M. Nossas inovações, suas soluções

D I V I S Ã O D E S O L D A S P A R A B R A S A G E M. Nossas inovações, suas soluções D I V I S Ã O D E S O L D A S P A R A B R A S A G E M Nosss inovções, sus soluções ÍICE 03 Sobre Cennbrs / O que é brsgem 04 Vntgens do processo de brsgem / Termos utilizdos nos processos de brsgem 05

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1 CIV 47 OBRAS DE TERRA Prof. Romero Césr Gomes 1.1 Introdução. 1. Tipos de Estruturs de Contenção. 1.3 Empuxos de Terr. Aul 1 Introdução São estruturs projetds pr resistir

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais