Eco Bairros. Isabel Santos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eco Bairros. Isabel Santos"

Transcrição

1 Eco Bairros Isabel Santos Janeiro 2012

2 SERVIÇOS 3 UNIDADES DE NEGÓCIO 3 PÚBLICOS-ALVO ENERGIA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AMBIENTE URBANO SUSTENTÁVEL Todos os sectores de actividade Promotores, Construtores, Projectistas e Indústria Municípios

3 AMBIENTE URBANO SUSTENTÁVEL SERVIÇOS A PRESTAR A MUNICÍPIOS Integração da sustentabilidade em planos e projectos de planeamento urbano; Planos de Acção de Energia Sustentável (Pacto dos Autarcas); Elaboração de pré-diagnósticos de sustentabilidade dos municípios; Realização de auditorias à sustentabilidade; Implementação de sistemas de gestão ambiental; Elaboração de planos municipais de ambiente; Lançamento e coordenação de Agendas 21 Locais e Agendas 21 Escolares; Organização de actividades de sensibilização ambiental; Elaboração de guias de sustentabilidade sectoriais; Estudos de urbanismo e de revitalização urbana sustentável; Ecoturismo, definição de estratégia e planeamento turístico tendo em vista os três pilares da sustentabilidade;

4 SUMÁRIO ESTRATÉGIA/PLANEAMENTO URBANO SUSTENTÁVEL EXEMPLOS DE ÁREAS URBANAS SUSTENTÁVEIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS MUNICÍPIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS NOVOS MODELOS DE NEGÓCIO ESCO EXEMPLOS ECOCHOICE

5 AMBIENTE URBANO SUSTENTÁVEL Ambiente urbano, a contribuição da política ambiental para o desenvolvimento sustentável das zonas urbanas, nomeadamente orientando as medidas a desenvolver em torno de quatro eixos: gestão das cidades, transportes, construção e urbanismo. COM (2004) 60 FONTE: SUSTAINABLE CITY VISUALISATION TOOL

6 SOCIAL COMUNIDADES CONSOLIDADAS EQUIDADE SOCIAL ECONÓMICO ECONOMIA AUTO-SUFICIENTE DS ENVOLVENTE EDIFICADA E NATURAL SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO SUSTENTÁVEL ENVOLVENTE NATURAL AMBIENTAL

7 EXEMPLOS INTERNACIONAIS Comunidade BED ZED ( Beddington Zero Energy Development) Maior comunidade sustentável de uso misto ficou pronta e foi ocupada em 2002

8 EXEMPLOS INTERNACIONAIS Comunidade BED ZED (cont.) Resposta à Agenda 21 e Protocolo de Quioto Conceito ZED Zero energia Zero carbono Projecto com custos de 16,4 milhões de euros Reabilitação de uma zona degradada

9 EXEMPLOS INTERNACIONAIS Comunidade BED ZED (cont.) Energia Eólica Zero produção de CO2 pelo consumo de energia medidas 1. Usa somente energia proveniente de fontes renováveis, produzida no local; Aspecto do Isolamento colocado no interior dos panos 2. Diminuição das perdas de calor (através de isolamento especial; vidros triplos e as caixilharias em madeira)

10 EXEMPLOS INTERNACIONAIS Comunidade BED ZED (cont.) 3. Orientação das habitações para Sul 4. Instalação de painéis fotovoltaicos em todas as habitações 5. Equipamentos electrodomésticos mais eficientes e uma rede de iluminação de baixo consumo 6. Plano verde de transportes

11 EXEMPLOS INTERNACIONAIS Comunidade BED ZED (cont.) Factos: 45 % nos gastos com energia 81 % nos gastos energéticos de aquecimento (comparado à média local)

12 EXEMPLOS INTERNACIONAIS Bairro Ecológico de Viikkϊ Localiza-se em Helsínquia na Finlândia Área total de projecto é de 1130 ha O início do planeamento foi em 1989

13 EXEMPLOS INTERNACIONAIS Bairro Ecológico de Viikkϊ (cont.) Usos mistos Edifícios de habitação Edifícios de serviços

14 EXEMPLOS INTERNACIONAIS Bairro Ecológico de Viikkϊ (cont.) Poupança no consumo de energia e água; Utilização de energia solar passiva e activa; Qualidade do ar interior saudável; Flexibilidade dos edifícios; Materiais sustentáveis (p.e. a madeira)

15 EXEMPLOS INTERNACIONAIS Bairro Ecológico de Viikkϊ (cont.) 9 sistemas solares para 412 habitações; Total de área ocupada por colectores é de 1400m2 Garante aproximadamente 30% das necessidades de AQS e 10% das necessidades anuais de aquecimento

16 Bairro Ecológico de Viikkϊ - Consumos ; Edifício convencional Critério mínimo de ecológico Valor mais alto Viikki Valor mais baixo Viikki

17 Creating Sustainable Communities ENQUADRAMENTO - BREEAM Communities AS BREEAM COMMUNITIES E A METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SÃO FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA ESTABELECER E DESENVOLVER COMUNIDADES VERDADEIRAMENTE SUSTENTÁVEIS. BREEAM COMMUNITIES É UMA NOVA ABORDAGEM PARA A AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUE IRÁ AJUDAR OS PROMOTORES E OS PLANEADORES LOCAIS A ESTABELECER OBJECTIVOS DE SUSTENTABILIDADE E REQUISITOS DE PLANEAMENTO SUSTENTÁVEL EM FASES INICIAIS DE PROJECTOS DE AMBIENTE URBANO. É CONSTITUÍDA POR OBJECTIVOS DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL, SOCIAL E ECONÓMICA QUE ESTÃO LIGADAS A NECESSIDADES DE POLÍTICAS E INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO UTILIZADOS PARA ORIENTAR E APOIAR A EXECUÇÃO DOS OBJECTIVOS DAS POLÍTICAS NACIONAL, REGIONAL E LOCAL.

18 Creating Sustainable Communities A VISÃO BREEAM COMMUNITIES É A PRIMEIRA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE E PROJECTADO ESPECIFICAMENTE PARA O AMBIENTE URBANO QUE OFERECE O PLANEAMENTO E GESTÃO NECESSÁRIOS PARA CRIAR UMA COMUNIDADE VERDADEIRAMENTE SUSTENTÁVEL. FONTE: breglobal

19 A GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE Creating Sustainable Communities 8 categorias de avaliação da sustentabilidade que cobrem os seguintes vectores: Ambiental Social Económico Foco inicial Etapa de planeamento Processo de Desenvolvimento das Comunidades 3 Etapas de Processo: 1. Registo da ferramenta de avaliação; 2. Esboço da Certificação da fase de planeamento (Provisório) 3. Certificação da fase de planeamento (Final) FONTE: breglobal

20 Creating Sustainable Communities FONTE: breglobal Clima e Energia Recursos Transportes Edifícios Ecologia Negócios Comunidades Lugares

21 Creating Sustainable Communities A VISÃO BREEAM COMMUNITIES É A PRIMEIRA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE E PROJECTADO ESPECIFICAMENTE PARA O AMBIENTE URBANO QUE OFERECE O PLANEAMENTO E GESTÃO NECESSÁRIOS PARA CRIAR UMA COMUNIDADE VERDADEIRAMENTE SUSTENTÁVEL. FONTE: breglobal

22 Creating Sustainable Communities A VISÃO BREEAM COMMUNITIES É A PRIMEIRA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE E PROJECTADO ESPECIFICAMENTE PARA O AMBIENTE URBANO QUE OFERECE O PLANEAMENTO E GESTÃO NECESSÁRIOS PARA CRIAR UMA COMUNIDADE VERDADEIRAMENTE SUSTENTÁVEL. FONTE: breglobal

23 Creating Sustainable Communities Media City Salford Quays (Manchester) Resultado provisório do certificado: - Média 76%: Potencial de Cert. Final - Excelente Recursos de sustentabilidade - Nível de Código 4 do BREEAM: Excelente Tri-gen = poupança 20,000 T/CO2/Ano Localização Canal = Oportunidades únicas: Transportes / Recursos hídricos/ Forma urbana Factores de desenvolvimento: Implantação cerca de 200 hectares Usos mistos 630,000m 2 Comercial e Residencial FONTE: breglobal FONTE: breglobal

24 Creating Sustainable Communities Athletes Village Stratford (London) Resultado provisório do certificado: Média 73%: Potencial de Cert. Final - Excelente Recursos de sustentabilidade FONTE: breglobal Edifícios - Nível de Código 4 do BREEAM: Excelente Novos transportes públicos e redes de ciclovias Mais de 10 mil hectares de domínio público Factores de desenvolvimento: Implantação: 2.5 km2 Comercial 365,000m2 Residencial 80,000m2 FONTE: breglobal

25 Creating Sustainable Communities BENEFÍCIOS DO BREEAM COMMUNITIES Uma estrutura aberta e transparente para promotores e projectistas Segurança e verificação dos compromissos da comunidade Auxilia o avanço do processo de planeamento para os promotores Assistência no controle e redução de custos associados à construção de comunidades sustentáveis Gestão e planeamento de todo o processo de desenvolvimento de comunidades sustentáveis.

26 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS MUNICÍPIOS

27 A ENERGIA NAS CIDADES INFRA-ESTRUTURAS ENERGÉTICAS ENERGIA NO ESPAÇO EDIFICADO FUNÇÕES DOS EDIFÍCIOS

28 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM BAIRROS/COMUNIDADES

29 INFRA-ESTRUTURAS ENERGÉTICAS Microturbinas eólicas Solar Fotovoltaico e Solar Térmico Sistema de microgeração (fonte: Futursolotions) Sistema Solar Térmico (fonte: Engifluido)

30 INFRA-ESTRUTURAS ENERGÉTICAS REDE URBANA DE FRIO E CALOR ATRAVÉS DE UM SISTEMA CENTRALZIADO DE DISTRIBUIÇÃO DE FRIO E CALOR LIGADO A UMA CENTRAL DE TRIGERAÇÃO DE ALTA EFICIÊNCIA. Central de trigeração (fonte: Climaespaço) Subestação (fonte: Climaespaço) Ventiloconvector para montagem em tecto falso (fonte: Climaespaço)

31 ENERGIA nos edifícios Energia solar passiva Fontes de energia renovável Eficiência de consumo de energia Produção descentralizada de energia

32 ENERGIA SOLAR PASSIVA ARQUITECTURA BIOCLIMÁTICA ESCOLHA DE MATERIAIS DE ACORDO COM OS NÍVEIS DE ISOLAMENTO E MASSA TÉRMICA PRETENDIDOS CONTROLO E DESENHO DE VÃOS PARA O CONTROLO DOS GANHOS E PERDAS DE CALOR UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO SOLAR PASSIVA COMO AS PAREDES DE TROMBE OU ESTUFAS, PARA AUMENTAR O POTENCIAL DE CAPTAÇÃO E ARMAZENAGEM TÉRMICA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ARREFECIMENTO PASSIVO (FONTES, VEGETAÇÃO, ETC.) PARA O AUMENTO DOS NÍVEIS DE HUMIDADE E SOMBREAMENTO

33 EFICIÊNCIA DE CONSUMO DE ENERGIA Produção de energia através de fontes de energia renovável Iluminação Equipamentos eléctricos

34 SISTEMA DE GESTÃO DE ENERGIA EFICIÊNCIA DE CONSUMO DE ENERGIA Gestão Técnica e Económica da Energia: Acesso a perfis de consumo, indicadores chave, configurações, relatórios de eficiência Indicadores de consumos específicos Web 2.0 Integração AVAC, Iluminação, BMS FONTE: ISA INTELLIGENT SENSING ANYWHERE Relatórios de gestão Utilizadores: Indicadores chave gráficos Acesso a relatórios simplificados

35 E X E M P L O S E C O C H O I C E

36 COMPLEXO ESCOLAR DOS ARCOS LOCAL: ÓBIDOS CLIENTE: CÂMARA MUNICIPAL DE ÓBIDOS AREAS DE INTERVENÇÃO: PLANEAMENTO BIOCLIMÁTICO ENERGIA E QUALIDADE DO AR INTERIOR ÁGUA E EFLUENTES MATERIAIS E RESÍDUOS

37 COMPLEXO ESCOLAR DA FURADOURO LOCAL: ÓBIDOS CLIENTE: CÂMARA MUNICIPAL DE ÓBIDOS AREAS DE INTERVENÇÃO: PLANEAMENTO BIOCLIMÁTICO ENERGIA E QUALIDADE DO AR INTERIOR ÁGUA E EFLUENTES MATERIAIS E RESÍDUOS SIMULAÇÃO TÉRMICA EM ECOTECT

38 COMPLEXO ESCOLAR DO ALVITO LOCAL: ÓBIDOS CLIENTE: CÂMARA MUNICIPAL DE ÓBIDOS AREAS DE INTERVENÇÃO: PLANEAMENTO BIOCLIMÁTICO ENERGIA E QUALIDADE DO AR INTERIOR ÁGUA E EFLUENTES MATERIAIS E RESÍDUOS SIMULAÇÃO TÉRMICA EM ECOTECT

39 VILA LAGO MONSARAZ GOLFE & NAUTIC RESORT LOCAL: REGUENGOS DE MONSARAZ CLIENTE: IMOHOLDING AREAS DE INTERVENÇÃO: ESTRATÉGIA DE AMBIENTE URBANO SUSTENTÁVEL PLANEAMENTO BIOCLIMÁTICO MOBILIDADE SUSTENTÁVEL BIODIVERSIDADE, SOLO E PAISAGEM ENERGIA, EMISSÕES E QUALIDADE DO AR INTERIOR ÁGUA E EFLUENTES MATERIAIS E RESÍDUOS CERTIFICAÇÃO DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PELO SISTEMA LIDERA

40 GPA ROAD SHOW LOCAL: MUNICÍPIOS NACIONAIS CLIENTE: GRUPO GCI AREAS DE INTERVENÇÃO: APOIO À POPULAÇÃO LOCAL AO NÍVEL DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE LOCAL

41 AGENDA 21 PORTEL LOCAL: PORTEL CLIENTE: CÂMARA MUNICIPAL DE PORTEL AREAS DE INTERVENÇÃO: IMPLEMENTAÇÃO DA AGENDA 21 LOCAL

42 AGENDA 21 REGUENGOS LOCAL: REGUENGOS DE MONSARAZ CLIENTE: C. M. REGUENGOS DE MONSARAZ AREAS DE INTERVENÇÃO: IMPLEMENTAÇÃO DA AGENDA 21 LOCAL

43 PAESFA PACTO DOS AUTARCAS LOCAL: FERREIRA DO ALENTEJO CLIENTE: C.M. DE FERREIRA DO ALENTEJO AREAS DE INTERVENÇÃO: PLANO DE ACÇÃO DE ENERGIA SUSTENTÁVEL PARA O MUNICÍPIO

44 Obrigada Isabel Santos

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário...

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... ÍNDICE Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... XXIV CAPÍTULO 1 1.1. - Introdução... 1 1.2. - Metodologia

Leia mais

Potencial de eficiência energética em edifícios

Potencial de eficiência energética em edifícios Potencial de eficiência energética em edifícios PORTUGAL EM CONFERÊNCIA PARA UMA ECONOMIA ENERGETICAMENTE EFICIENTE Coimbra, 22 de Junho de 2012 Potencial de eficiência energética em edifícios Enquadramento

Leia mais

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética Complexos Escolares Exemplos de Eficiência Energética Empresa de consultoria em Construção Sustentável, especializada no acompanhamento ao Gabinete de Arquitectura ou Promotor. Desde o inicio em assessoria

Leia mais

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONFERÊNCIA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 21 de Abril de 2009 Consumo de Energia

Leia mais

ÍNDICE. Sistema de Certificação Energética. Revisão da Legislação. Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação

ÍNDICE. Sistema de Certificação Energética. Revisão da Legislação. Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação Congresso LiderA 2011 IST Lisboa, 25 e 26 de Maio de 2011 ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista sce@adene.pt ÍNDICE Sistema de Certificação Evolução

Leia mais

DASE Aula 9 (2008) Gabinete Ambiente e Sustentabilidade Tópicos Abordados. 1. Ambiente e Impactes

DASE Aula 9 (2008) Gabinete Ambiente e Sustentabilidade Tópicos Abordados. 1. Ambiente e Impactes Ambiente e construção sustentável (O Sistema LiderA) DASE Aula 9 (2008) Gabinete 3.42 manuel.pinheiro@civil.ist.utl.pt Ambiente e Sustentabilidade Tópicos Abordados 1. Ambiente e Impactes 2. 3. Sistema

Leia mais

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Workshop Os Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Carlos Sousa Elisabete Serra AGENEAL, Agência Municipal de Energia de Almada Fórum Romeu Correia

Leia mais

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem as suas próprias necessidades. COMISSÃO

Leia mais

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq.

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq. O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção João Mariz Graça, Arq. joao.mariz@lneg.pt Introdução conceito de sustentabilidade Bom desempenho Ambiental ciclo de vida do edifício; Fase

Leia mais

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil Manuela Almeida Universidade do Minho 12.as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO

Leia mais

Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas

Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas AdaPT AC:T Método para integração da adaptação às Alterações Climáticas no Setor do Turismo LNEC 4 de junho 2015 CATARINA GONÇALVES

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

Habitar (n)a Natureza

Habitar (n)a Natureza Habitar (n)a Natureza Habitar (n)a Natureza Projecto de uma habitação pré-fabrica em madeira com impacto residual no ambiente para aplicação em zonas paisagisticamente sensíveis use the ephemeral. Work

Leia mais

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Despesas Elegíveis a) Intervenções que visem o aumento

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS... 7

ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS... 7 1 BoPS Matosinhos ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 Governância... 5 Pacto de Autarcas... 5 Referências de Excelência... 6 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS...

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos SECÇÃO 4 Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas da Administração Local Objetivos Específicos: Os apoios têm como

Leia mais

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em:

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: www.ccdr-n.pt/agendastematicas Índice Contexto União Europeia Portugal Região do Norte Análise SWOT Plano de Acção

Leia mais

Introduz áreas adicionais de conhecimento (reabilitação, segurança, sustentabilidade...)

Introduz áreas adicionais de conhecimento (reabilitação, segurança, sustentabilidade...) Aprofunda conhecimentos específicos já introduzidos nos anos anteriores nas cadeiras de Materiais de Construção, Física das Construções, Tecnologia das Construções e Direcção de Obras; Introduz áreas adicionais

Leia mais

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS DE ACTUAÇÃO Arq. Joana Mourão 28.11.2011 Solo Recursos Naturais

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação Funchal, 4 Junho 2 instrumentos para a Responsabilidade Social, Económica e Ambiental na Edificação Declaração de conformidade que visa verificar o cumprimento

Leia mais

Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos

Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos Seminário Aproveitamento de Águas Pluviais e Cinzentas Aveiro, 18/02/2011 M. Couto, C. Ferreira, A. Silva Afonso, V. M. Ferreira (CIRA; UA) Fases do Projecto:

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Rosário Fino

Leia mais

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PRIORIDADES PARA PORTUGAL João Bernardo, DGEG Workshop QUERCUS: Eficiência Energética Desafios e Oportunidades para Portugal 6/março/2015 Principais normativos de orientação

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços Lisboa, 15 de julho de 2016 Ordem dos Engenheiros Oportunidades de Financiamento

Leia mais

Congresso LiderA Criar valor com a sustentabilidade Maio 2010

Congresso LiderA Criar valor com a sustentabilidade Maio 2010 Congresso Criar Valor com a Sustentabilidade Prof. Congresso LiderA Criar valor com a sustentabilidade Maio 2010 Ph.D., Engº do Ambiente DECivil / Instituto Superior Técnico manuel.pinheiro@civil.ist.utl.pt

Leia mais

A Reabilitação Urbana de Santarém e a Eficiência Energética

A Reabilitação Urbana de Santarém e a Eficiência Energética A Reabilitação Urbana de Santarém e a Eficiência Energética Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos Santarém, 23 de Julho de 2014 Área de Intervenção ARU da Ribeira de Santarém e Alfange

Leia mais

Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente. Financiamento de projetos para Cidades Analíticas

Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente. Financiamento de projetos para Cidades Analíticas Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente Financiamento de projetos para Cidades Analíticas Rio Maior 13 de Março 2015 Estratégia Regional de Especialização

Leia mais

Fonte: KAWAKAMI (2009)

Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) 4 LEED s no Brasil

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE CLÁUDIO CASIMIRO claudio.casimiro@ceeeta.pt A única coisa que sabemos sobre o futuro é que será diferente Peter Drucker Paradigma Actual - UE Nos

Leia mais

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria Carlos Duarte 8 Maio 2017 O Hospital de Santa Maria Inicialmente com o nome de Hospital Escolar de Lisboa, o Hospital de Santa Maria foi projetado em 1938

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS Disposição final Planejamento Uso e Operação ENVELOPE ESTRUTURAS Projeto SISTEMAS PREDIAIS Construção Implantação PPI Conceituação Planejamento Definição Módulo escopoi Documentação Estudos de Projeto

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde no Trabalho Edição N.º 17 Problemática da Segurança e Saúde Com a introdução de novas tecnologias e processos na economia verde, quais serão as implicações para a Saúde

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

João Mariz Graça,

João Mariz Graça, Formação Para as Renováveis e Eficiência Energética no sector da Construção João Mariz Graça, joao.mariz@lneg.pt Formação Para as Renováveis e Eficiência Energética no sector da Construção 1 O Projecto

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo)

Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo) Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo) = Como as autarquias encaram a problemática da eficiência energética = TIAGO GAIO tiago.gaio@areanatejo.pt Otimização de Soluções Construtivas Coimbra,

Leia mais

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda 11 Municípios 1 Comunidade Intermunicipal 1 Projeto de Sustentabilidade A RUCI da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, visa desenvolver uma estratégia

Leia mais

Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras. Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV

Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras. Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV Arquitectura e Sustentabilidade: O caso do Centro de Educação Ambiental de Torres Vedras Centro de Educação Ambiental. Área de Projecto CMTV Da construção sustentável e da ideia de projecto responsável

Leia mais

Plano de Adaptação às Alterações Climáticas

Plano de Adaptação às Alterações Climáticas Plano de Adaptação às Alterações Climáticas O Município de Alfândega da Fé tem vindo a desenvolver ações no sentido alcançar uma maior sustentabilidade energética e ambiental, que têm expressão em áreas

Leia mais

AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações

AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações 1. O que são e onde ocorrem as perdas de energia? O serviço prestado pela Climaespaço consiste no fornecimento

Leia mais

"A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios

A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios "A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios Ordem dos Engenheiros Lisboa ADENE Pedro Mateus A nova regulamentação de eficiência energética em edifícios 1. Sistema de Certificação

Leia mais

Arq.º Jorge Graça Costa

Arq.º Jorge Graça Costa Dia 28 de Maio Construir com Sustentabilidade Arq.º Jorge Graça Costa Casa DT JORGE GRAÇA COSTA ARQUITECTO Casa DT ARQUITECTURA SUSTENTÁVEL PARA 1 0. Estrutura de apresentação 1. Introdução 2. Mudança

Leia mais

Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS

Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS Instituições Particulares sem Fins Lucrativos e Associações Desportivas de Utilidade Pública

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

Projeto de Ampliação do Aproveitamento Hidroelétrico da Calheta

Projeto de Ampliação do Aproveitamento Hidroelétrico da Calheta Projeto de Ampliação do Aproveitamento Hidroelétrico da Calheta Projeto de Ampliação do Aproveitamento Hidroelétrico da Calheta Infraestrutura energética de armazenamento de energia Envolve o aumento da

Leia mais

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia 14 Março 2006 Auditório da Câmara Municipal de Mirandela Vítor Lopes EDV ENERGIA Agência de Energia do Entre o Douro e Vouga Região constituída por 5 municípios:

Leia mais

Produtos e soluções. Energias renováveis e eficiência energética. 3 principais vectores. Energia Solar Térmica. Energia Fotovoltaica

Produtos e soluções. Energias renováveis e eficiência energética. 3 principais vectores. Energia Solar Térmica. Energia Fotovoltaica 06/07/2012-3ª Convenção Daxis / Fagor Produtos e soluções António Ferreira Energias renováveis e eficiência energética. Instalações em Estarreja 3 principais vectores Energia Solar Térmica Energia Fotovoltaica

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO

PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO janeiro de 2012 ÍNDICE 1 PROGRAMA DE EXECUÇÃO... 3 1.1 IMPLEMENTAÇÃO DO

Leia mais

Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade. Arq.º Miguel Nery OASRN

Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade. Arq.º Miguel Nery OASRN 04-06-2009 Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade Arq.º Miguel Nery OASRN 1 oasrn edifício sede porto criatividade sustentabilidade O Conceito _ a oasrn estableceu um compromisso para a promoção da

Leia mais

Incentivos à Eficiência Energética. Isabel Damasceno Vogal Executiva do Centro 2020

Incentivos à Eficiência Energética. Isabel Damasceno Vogal Executiva do Centro 2020 Incentivos à Eficiência Energética Isabel Damasceno Vogal Executiva do Centro 2020 Portugal 2014-2020 Acordo de Parceria, julho 2014 As regiões menos desenvolvidas, onde se inclui a Região Centro, vão

Leia mais

DIVERSIFICAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SOLAR TÉRMICO. Sistema de Incentivos PME e Pessoas Colectivas de Direito Privado sem Fins Lucrativos

DIVERSIFICAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SOLAR TÉRMICO. Sistema de Incentivos PME e Pessoas Colectivas de Direito Privado sem Fins Lucrativos DIVERSIFICAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SOLAR TÉRMICO Sistema de Incentivos PME e Pessoas Colectivas de Direito Privado sem Fins Lucrativos Junho 2010 1 Enquadramento Nos últimos 2 anos o investimento superou

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto ESTUDO DE CASO: CENPES II DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO Uma atitude ambiental inovadora na arquitetura brasileira Joana Gonçalves jocarch@usp.br Arquiteta Dra. Profa. FAU USP Pesquisadora do LABAUT/ FAU

Leia mais

PROJECTO COLMEIA SINTRA

PROJECTO COLMEIA SINTRA PROJECTO COLMEIA SINTRA COLMEIA SINTRA - EMPREENDIMENTO BIOCLIMATICO EM SINTRA COLMEIA, COOPERATIVA DE HABITAÇÃO E CONSTRUÇÃO, CRL; Realiza empreendimentos a custos controlados e para o mercado imobiliário,

Leia mais

O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável

O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável João Nunes1,2; Paulo Serra e Silva2; Helena Freitas1,2 1 2 Universidade de Coimbra Associação Blc.Ceres.2G Plataforma

Leia mais

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 0 Execução acima dos objectivos Será superada a meta a 2015, mantendo a actual tendência de crescimento Economias energéticas acumuladas

Leia mais

JORNADAS DA CONSTRUÇÃO EM CIMENTO 2013 REABILITACÃO CASOS DE REFERÊNCIA. VILA d ESTE: Reabilitação e Requalificação Arquitectónica Vila Nova de Gaia

JORNADAS DA CONSTRUÇÃO EM CIMENTO 2013 REABILITACÃO CASOS DE REFERÊNCIA. VILA d ESTE: Reabilitação e Requalificação Arquitectónica Vila Nova de Gaia JORNADAS DA CONSTRUÇÃO EM CIMENTO 2013 REABILITACÃO CASOS DE REFERÊNCIA. 29 DE MAIO DE 2013, CENTRO CULTURAL DE BELÉM VILA d ESTE: Reabilitação e Requalificação Arquitectónica Vila Nova de Gaia PROF. VITOR

Leia mais

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07 ENERGIA EÓLICAE Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de 2007 Enquadramento (Convenção Quadro NU Alterações Climáticas) Electricidade Directiva UE para as renováveis Actividade humana Gases c/efeito

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Licenciatura em Engenharia e Gestão do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Responsável: Professor Doutor Rui Bento Elias Objectivos: Na sequência da adequação dos cursos

Leia mais

Sustentabilidade e Ambiente em Masterplan Communities Gilberto Jordan CEO Grupo André Jordan

Sustentabilidade e Ambiente em Masterplan Communities Gilberto Jordan CEO Grupo André Jordan Sustentabilidade e Ambiente em Masterplan Communities Gilberto Jordan CEO Grupo André Jordan Building Energy Symposium 24 e 25 de Novembro de 2015 Fundação Oriente, Lisboa Missão, Visão e Valores Missão

Leia mais

Mauricio Cruz Lopes. Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas

Mauricio Cruz Lopes. Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas Mauricio Cruz Lopes Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas Impacto da Construção Civil 20 a 30% de produção de gases de Efeito Estufa 12 a 16% de consumo de água 30% a 40%

Leia mais

Matriz Energética do Porto

Matriz Energética do Porto Matriz Energética do Porto - Resultados Preliminares - José Eduardo Amorim de Sousa Administrador-Delegado Estratégia e Plano Matriz Energética Definições Oferta Procura Benchmarking Conclusões Estratégia

Leia mais

Evento EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações.

Evento EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Evento EDIFÍCIOS BALANÇO Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades PARTICIPE 22 Novembro 2011 Museu das Comunicações Lisboa ORGANIZAÇÃO UMA PUBLICAÇÃO APOIO APRESENTAÇÃO A conferência

Leia mais

EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Lisboa.

EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Lisboa. Evento EDIFÍCIOS BALANÇO Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades PARTICIPE 22 Novembro 2011 Museu das Comunicações Lisboa ORGANIZAÇÃO UMA PUBLICAÇÃO APOIO APRESENTAÇÃO A conferência

Leia mais

Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos. Ventilação Natural Entradas de Ar Auto-Reguláveis e Higro-Reguláveis

Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos. Ventilação Natural Entradas de Ar Auto-Reguláveis e Higro-Reguláveis Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos Ventilação Natural Entradas de Ar Auto-Reguláveis e Higro-Reguláveis Quem somos? A France Air Portugal pertence ao grupo France Air, sediado

Leia mais

Formação Para as Renováveis e Eficiência Energética no sector da Construção. João Mariz Graça,

Formação Para as Renováveis e Eficiência Energética no sector da Construção. João Mariz Graça, Formação Para as Renováveis e Eficiência Energética no sector da Construção João Mariz Graça, joao.mariz@lneg.pt Formação Para as Renováveis e Eficiência Energética no sector da Construção 1 O Projecto

Leia mais

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Empresa de Engenharia Integradora de Serviços: Projectos Fiscalização Auditorias Certificações Energéticas e QAI Implementação de medidas de melhoria

Leia mais

ECO.AP. 29 de Março de 2011

ECO.AP. 29 de Março de 2011 ECO.AP 29 de Março de 2011 1 O SUCH como Empresa de Serviços Energéticos 2 Energia Concluído o quadro legislativo aplicável à formatação e execução de contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS E O SEU CONTRIBUTO PARA A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NOPAPER GISMATMOBILE-ANNEX 56- MORECONNECT

O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS E O SEU CONTRIBUTO PARA A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NOPAPER GISMATMOBILE-ANNEX 56- MORECONNECT O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS E O SEU CONTRIBUTO PARA A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NOPAPER GISMATMOBILE-ANNEX 56- MORECONNECT QUALIDADE AMBIENTAL Daniel Couto Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

O caminho para nzeb na Legislação Portuguesa

O caminho para nzeb na Legislação Portuguesa O caminho para nzeb na Legislação Portuguesa Workshop LNEG 11 de Dezembro 2015 RUI FRAGOSO DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE EDIFÍCIOS ADENE AGÊNCIA PARA A ENERGIA RUI.FRAGOSO@ADENE.PT Estrutura da apresentação

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

Plano Integrado de Energia Doméstica. Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique

Plano Integrado de Energia Doméstica. Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique Plano Integrado de Energia Doméstica Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique Resumo Energia doméstica está intrinsecamente ligada ao desenvolvimento humano. O acesso universal a fontes modernas

Leia mais

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminários de Divulgação nos Municípios da CIRA Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-15-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente. Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia

Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente. Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia Definição Uma rede de aquecimento e arrefecimento urbano

Leia mais

Eficiência Energética na Agro-Indústria

Eficiência Energética na Agro-Indústria Eficiência Energética na Agro-Indústria Marta Viegas 12 junho 2014 I II III IV V Aplicação e Registo de Instalações Impacto expectável com a Isenção de ISP Planos de Racionalização do Consumo de Energia

Leia mais

MONTE TRIGO: Gestão da demanda em um sistema eléctrico com geração 100% renovável

MONTE TRIGO: Gestão da demanda em um sistema eléctrico com geração 100% renovável MONTE TRIGO: Gestão da demanda em um sistema eléctrico com geração 100% renovável ILHA DE SANTÃO ANTÃO CABO VERDE PROJECTO SESAM-ER I. O projeto SESAM-ER II. Localização e caracterização da aldeia de Monte

Leia mais

economias criativas rede urbana para a competitividade e inovação

economias criativas rede urbana para a competitividade e inovação economias criativas rede urbana para a competitividade e inovação montemor-o-novo óbidos portalegre montemor-o-velho guimarães rede urbana para a competitividade e inovação economias criativas com a candidatura

Leia mais

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Impactos internos da aplicação do SGCIE Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Tipicamente o potencial de poupança energética nas

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa MINISTÉRIO DA ENERGIA Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa Marcelina Mataveia Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis Maputo - Moçambique 7 de Fevereiro

Leia mais

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética.

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética. SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Workshop Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas PAINEL II O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência

Leia mais

Enquadramento. Estratégia Europa 2020: Seminário Energia e Ambiente - Empresas

Enquadramento. Estratégia Europa 2020: Seminário Energia e Ambiente - Empresas Seminário Energia e Ambiente - Empresas Enquadramento Estratégia Europa 2020: Reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em pelo menos 20 % relativamente aos níveis 1990 Aumentar para 20 % a quota

Leia mais

ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO:

ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO: MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO: TERRITÓRIO E GESTÃO DO AMBIENTE E TECNOLOGIA E GESTÃO DO AMBIENTE MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 Teresa Almeida A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 1. O Quadro Europeu 2. O Quadro Municipal 3. As

Leia mais

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos é o Banco que lidera o maior grupo financeiro Português. Presente em 23 países e 4 continentes, detém

Leia mais

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Lisboa, LNEC, 25 de maio de 2016 Divulgação Alterações climáticas Definição

Leia mais

Utilização de diferentes formas de energias renováveis no Município da Sertã:

Utilização de diferentes formas de energias renováveis no Município da Sertã: Seminário para entidades locais "RETS: renewable energies transfer system" stem" 7 de Julho de 2011 Casa da Cultura da Sertã SERTÃ, Portugal Utilização de diferentes formas de energias renováveis no Município

Leia mais

PROGRAMA POLIS OUTUBRO

PROGRAMA POLIS OUTUBRO OUTUBRO 2008 1 PROGRAMA POLIS OUTUBRO 2008 2 O PROGRAMA POLIS Objectivos Desígnios Tipologias PLANO ESTRATÉGICO MODELO ORGANIZACIONAL GESTÃO DE PROJECTO OUTUBRO 2008 3 Objectivos Desenvolver grandes operações

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. TIC e Eficiência Energética, o Estado a dar o exemplo APDC Lisboa, 23 de Junho de 2010

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. TIC e Eficiência Energética, o Estado a dar o exemplo APDC Lisboa, 23 de Junho de 2010 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA TIC e Eficiência Energética, o Estado a dar o exemplo APDC Lisboa, 23 de Junho de 2010 0 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA 1 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2009 1 Programas do Portugal

Leia mais

Energias Renováveis:

Energias Renováveis: Energias Renováveis: o contributo da Investigação e Desenvolvimento. António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do

Leia mais

Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Perfil de Ordenamento do Território e Impactes Ambientais

Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Perfil de Ordenamento do Território e Impactes Ambientais Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Perfil de Ordenamento do Território e Impactes Ambientais ANA MORGADO DE BRITO NEVES Orientador: Mestre José Carlos Ribeiro Ferreira

Leia mais

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética Process Automation Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética A ABB é líder em tecnologias electrotécnicas e de automação que tornam possível às indústrias aumentarem a sua eficiência,

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil 1 Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil Estratégia Nacional de Energia Barragens e Mini-Hídricas Luís Braga da Cruz (FEUP) PORTO 21 de Maio de 2011 2 Índice 1. Estratégia Nacional

Leia mais

Política de Coesão da UE

Política de Coesão da UE da UE 2014 2020 Propostas da Comissão Europeia da União Europeia Estrutura da apresentação 1. Qual é o impacto da política de coesão da UE? 2. A que se devem as alterações propostas pela Comissão para

Leia mais

Água Quente Solar para PORTUGAL. Helder Gonçalves Presidente da ADENE

Água Quente Solar para PORTUGAL. Helder Gonçalves Presidente da ADENE Água Quente Solar para PORTUGAL Helder Gonçalves Presidente da ADENE O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério da Economia inclui explicitamente uma iniciativa de promoção da energia solar

Leia mais