Desinfecção, Acondicionamento e Vazamento de Moldes de Alginato por Alunos de Graduação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desinfecção, Acondicionamento e Vazamento de Moldes de Alginato por Alunos de Graduação"

Transcrição

1 Desinfecção, Acondicionamento e Vazamento de Moldes de Alginato por Alunos de Graduação DISINFECTION, TEMPERING AND POURING OF IRREVERSIBLE HYDROCOLLOID IMPRESSIONS BY DENTAL UNDERGRADUATES Rodrigo Othávio de Assunção e SOUZA* Romildo Antônio dos SANTOS FILHO** Helga Adachi Medeiros BARBOSA*** Denise Kanashiro OYAFUSO**** Fernando Eidi TAKAHASHI***** RESUMO Devido à alta aplicabilidade do alginato e do gesso pedra na Odontologia, o presente estudo teve como proposição avaliar os procedimentos de desinfecção, acondicionamento e vazamento de moldes de alginato por acadêmicos na Clínica Odontológica da UNESP/CSJCAMPOS, bem como sugerir manobras a fim de otimizarem os resultados desses trabalhos na clínica diária. Para tanto, um questionário com perguntas abertas e fechadas foi aplicado a 63 alunos do último ano do curso de Odontologia. Baseado nos resultados, os seguintes procedimentos foram sugeridos: providenciar água destilada para a manipulação do gesso; alertar os acadêmicos sobre a importância de uma espatulação vigorosa do gesso por no máximo 1 minuto, além de conscientizá - los da necessidade de manter o molde sempre no umidificador depois de ter sido vertido com gesso. ABSTRACT Because of the high applicability of alginate and calcium sulfate, the present study had as purpose evaluate the procedures of disinfection, tempering and pouring of irreversible hydrocolloid impressions by academic students at UNESP/CSJCAMPOS odontological clinic, as well as suggest maneuvers in order to optimize the results in the daily clinic. For that, an open/close questionary was applied to 63 last year students of dentistry school. Based on the results, the following procedures were suggested in order to optimize the obtaining of the casts in the daily clinic: provide distilled water for the calcium sulfate manipulation, alert academic students about the importance of vigorous calcium sulfate spatulation for a maximum of 1 minute, beyond alerting them about the necessity of keep up the mold at the humidifier after it has been poured. DESCRITORES Desinfecção; Colóide; Sulfato de cálcio. DESCRIPTORS Disinfection; Colloid; Calcium sulfate. * Aluno do curso de Especialização em Prótese Dentária da Universidade Paulista UNIP/SP e do Programa de Aperfeiçoamento Continuado (PROAC) em Prótese Parcial Fixa da UNESP/CSJCAMPO. ** Aluno do Programa de Aperfeiçoamento Continuado (PROAC) em Prótese Parcial Fixa da UNESP/CSJCAMPOS. *** Aluna do Curso de Graduação da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN. **** Aluna do Curso de Pós-Graduação (Doutorado) em Prótese Parcial Fixa da UNESP/CSJCAMPOS. **** Professor Assistente Doutor da Disciplina de Prótese Parcial Fixa da UNESP/CSJCAMPOS. 91

2 INTRODUÇÃO A obtenção de modelos como meio auxiliar de diagnóstico, planejamento e tratamento em Prótese Dentária exige do profissional muita atenção, já que os modelos devem reproduzir com exatidão os tecidos moldados e apresentar acuidade dimensional (VANZILLOTA; SOARES; FERNANDES, 2002; PHILLIPS et al., 1998). Tais aspetos merecem atenção especial quando se utiliza o hidrocolóide irreversível (alginato) como material de moldagem, desde a manipulação, armazenamento e desinfecção do molde até o vazamento do gesso. A preferência pelo alginato prende - se ao fato de seu custo ser relativamente baixo, a facilidade de uso, dispensando equipamentos sofisticados para sua preparação (BASTOS; SOUZA, 2003; PHILLIPS et al., 1998), além de ser de fácil limpeza e permitir o controle do tempo de trabalho (UEDA; MODAFFORE, 2001). Muitos são os trabalhos existentes e em desenvolvimento a cerca dos alginatos, principalmente no que diz respeito à desinfecção, alteração dimensional e detalhes da área chapeável dos seus moldes, objetivando uma melhora no aproveitamento de suas propriedades. Embora seja o material de moldagem mais utilizado na Odontologia, sofre grandes alterações dimensionais toda vez que o molde não é preenchido com gesso num determinado espaço de tempo e em condições ambientais adequadas (SCARANELO; PEREIRA; BOMBONATTI, 2002; UEDA; MODAFFORE, 2001; ARAÚJO; MORAES, 1993). Tais cuidados são negligenciados pela maioria dos profissionais, levando muitas vezes ao insucesso do procedimento, e conseqüentemente à formação de uma imagem negativa deste material de moldagem. Com o crescente número de doenças infecto contagiosas, a necessidade da desinfecção dos moldes tornou - se um procedimento indispensável nos consultórios odontológicos. O alginato, durante a moldagem, entra em contato com a saliva, biofilme dental e sangue do paciente, podendo transmitir facilmente doenças virais (herpes, hepatite e AIDS) para o cirurgião - dentista como também para o corpo auxiliar (MINAGI et al., 1987; MENEZES et al., 1998; OSORIO et al., 1998; BERGMAN, 1989). Pesquisas têm demonstrado que a desinfecção dos moldes é um passo estritamente necessário (MINAGI et al., 1987; SCHUTT, 1989; MENEZES et al., 1998; TOBIAS; BROWNE; WILSON, 1989; CURTI JÙNIOR; CAMPANHA, 1976; CRAIG; POWERS; WATAHA, 2002). Num estudo realizado por OSORIO et al. (1998), verificou-se que dos moldes de alginato que não passaram pelo processo de desinfecção 100% apresentaram resultado positivo nas análises de turvação dos meios de cultura e na analise microscópica da presença de bactérias. Segundo VANDEWALLE et al. (1994), é importante que o agente desinfectante, além de possuir um potencial antimicrobiano satisfatório, não degrade as propriedades físicas do material de impressão e dos modelos de gesso resultantes. De acordo com BERGMAN (1989), todo molde deve ser lavado em água corrente, para remover a saliva e o sangue, e desinfectado e vazado com gesso logo em seguida; assim, os modelos de gesso poderiam ser transferidos para o laboratório. Tal procedimento resulta na eliminação ou redução da distorção e numa diminuição substancial do risco de infecção cruzada. Várias pesquisas têm sido realizadas com o intuito de determinar qual o método de desinfecção mais adequado, com um objetivo único de obter um modelo desinfectado e o mais fiel possível. Para PHILLIPS et al. (1998) o procedimento de desinfecção de deve ser rápido, a fim de prevenir alterações dimensionais. CUCCI et al. (1984) acrescentou ainda que o molde deve ser armazenado em ambiente de umidade relativa a 100%, durante o período transcorrido desde a moldagem até o vazamento com gesso. Além dos cuidados que se deve ter com o molde, o gesso também merece atenção especial, principalmente no que diz respeito à sua manipulação, proporção água/pó e seu armazenamento durante a presa. O primeiro passo para uma manipulação correta do gesso, é utilizar a quantidade de água e de hemiidratado indicados pelo fabricante de cada produto, porque tanto o excesso quanto a falta de água na mistura afetam a resistência do modelo (PHILLIPS et al., 1998). É interessante notar que o tempo de espatulação também influencia na resistência final do gesso (PEREIRA et al., 2002). Devido à alta aplicabilidade desses materiais na Odontologia, o presente trabalho tem como proposição analisar e sugerir procedimentos relacionados à desinfecção, acondicionamento e vazamento dos moldes de alginato com gesso, para a obtenção de melhores resultados nas Clínicas Odontológicas. METODOLOGIA Para o desenvolvimento desta pesquisa um questionário foi aplicado a 63 Graduandos do último ano do Curso de Odontologia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP/CSJCAMPOS. O questionário aborda aspectos importantes, como: a realização, tipo e tempo de desinfecção do molde; proporção água/gesso; tipo de água utilizada; espatulação do gesso; vazamento e presa do gesso. 92

3 Modelo do Questionário Faculdade de Odontologia/ UNESP/CSJCAMPOS PESQUISA: Desinfecção, Acondicionamento e Vazamento dos Moldes de Alginato por Alunos de Graduação da UNESP/CSJCAMPOS. Nº Desinfecção do molde Sim ( ) Não ( ) 2-Tipo de Desinfecção Spray de glutaraldeído a 2% em recipiente fechado ( ) Spray de hipoclorito de sódio a 1% em recipiente fechado( ) Imersão em glutaraldeído a 2% ( ) Imersão em hipoclorito de sódio a 1% ( ) Outros: Tempo de Desinfecção 10 min ( ) 30 min ( ) 1h ( ) Outro: Proporção Água/gesso Aleatória ( ) Peso/Volume ( ) 5-Tipo de Água Destilada ( ) Torneira ( ) Bidestilada ( ) 6-Espatulação do Gesso Manual ( ) Mecânica ( ) 7-Vazamento do Gesso Manual ( ) Auxílio do vibrador ( ) 8- Presa do Gesso No umidificador ( ) Ao ar livre ( ) RESULTADOS Tabela 3 - Proporção água/gesso. Proporção Freqüência (%) Aleatória 16 25,40 Peso/volume 47 74,60 Tabela 4 - Tipo de água utilizada. Água Freqüência (%) Torneira Tabela 5 - Espatulação do gesso. Espatulação Freqüência (%) Manual Tabela 6 - Vazamento do gesso. Vazamento Freqüência (%) Com auxílio do vibrador Tabela 5 - Presa do gesso. Presa Freqüência (%) Ao ar livre Os dados foram obtidos através da aplicação do questionário e foram analisados e representados em seguida na forma de tabelas, em valores numéricos e percentuais. Tabela 1 - Desinfecção do molde. Desinfecção Freqüência (%) Realizam 54 85,71 Não Realizam 09 14,29 Tabela 2 - Tipo e tempo de Desinfecção do molde. Tipo de Desinfecção Freqüência (%) Spray de glutaraldeído a 2% - recipiente fechado / 10 min. Spray de glutaraldeído a 2% - recipiente fechado / 10 min. 05 9, ,74 Total ,0 DISCUSSÃO O presente estudo procurou abordar aspectos que devem ser seguidos a fim de se obter resultados satisfatórios na desinfecção do molde e qualidade final do modelo. Observou - se que o processo de desinfecção do molde de alginato é realizado por 85,71% dos alunos (Tabela 1). Segundo Craig e Powers (2004) todos os moldes de alginato devem ser desinfetados antes de serem vazados com gesso. Recomendações para a diminuição dos riscos de infecções cruzadas entre o consultório dentário e o laboratório dental também têm sido feitas pela Associação Dental Americana (ADA) e apenas a utilização de soluções desinfetantes é que pode evitar tal contaminação cruzada. Esse procedimento é de fundamental importância para a prevenção de doenças, além de que, quando corretamente conduzido, não provoca alteração na moldagem (NASCIMENTO et al., 1999; TULLNER; COMMETTE; MOON, 1988; CRAIG; POWERS, 2004). 93

4 De acordo com a Tabela 2, 90,94% dos alunos que realizam a desinfecção utilizam o hipoclorito de sódio a 1% na forma de spray, durante 10 minutos e o restante, 9,26%, utiliza o glutaraldeído a 2% na forma de spray. Como os moldes de alginato são muito sensíveis a alterações ambientais, durante a desinfecção devem ser mantidos em recipiente fechado a 100% de umidade, seja em um saco plástico fechado ou em um umidificador (NASCIMENTO et al., 1999; CRAIG; POWERS, 2004; CUCCI et al., 1984). Segundo Barbosa et al. (2003), os moldes de alginato expostos a condições ambientais durante 15 minutos sofrem alteração dimensional, entretanto mantêm a sua estabilidade quando armazenados no umidificador durante o mesmo período. Segundo Bergman, Maud e Olson (1985) e Olsson, Bergman e Bergman (1987), as soluções desinfetantes na forma de spray apresentaram resultados superiores quando comparada à forma de imersão. Já para Vanderwalle et al. (1994) e Osório et al. (1998), a imersão dos moldes de alginato em soluções desinfetantes durante 10 minutos, é um método eficaz de desinfecção, além de não provocar nenhuma alteração no modelo de gesso. Entretanto, a maioria dos estudos têm demonstrado que o hipoclorito de sódio 1% na forma de spray é o método mais indicado para a desinfecção dos moldes de alginato, uma vez que esta substância na forma de imersão tende a corroer as moldeiras metálicas, além de consumir mais material. Já o glutaraldeído a 2% embora seja tão eficaz quanto o hipoclorito de sódio 1%, deve ser evitada, pois a inalação do aldeído é altamente tóxica ao nosso organismo (COUNCIL ON DENTAL MATERIALS, 1998; Menezes et al., 1998; NASCIMENTO et al., 1999; TAN et al., 1993; CRAIG; POWERS, 2004). Com relação à proporção água: gesso constatou - se que 74,6% dos graduandos pesam o gesso e medem a água para o processo de espatulação, e apenas 25,4% manipulam o gesso aleatoriamente (Tabela 3). A prática comum e repetida de se adicionar água e pó várias vezes para conseguir a consistência adequada deve ser evitada, pois provoca expansão higroscópica e distúrbios na presa do gesso, causando, respectivamente, diminuição da resistência e distorção do modelo final (PEREIRA et al., 2002). Segundo Phillips et al. (1998), a relação correta água:pó é um fator importante para determinar as propriedades físicas e químicas do produto final da gipsita. Tal afirmação pôde ser comprovada nos estudos de Vanzillotta, Soares e Fernandes (2002), onde avaliando a resistência à compressão e as microestruturas do gesso tipo V, concluíram que uma alteração na proporção água:pó, independente do tipo de manipulação utilizada, causará uma diminuição da resistência à compressão desse modelo. Embora seja tentador aumentar o tempo de presa, aumentando-se a quantidade de água, isso não é 94 aconselhável, já que a resistência do material reduz a resistência do modelo, pois haverá a formação de lacunas no gesso após a evaporação da água em excesso. Portanto, é crucial proporcionar o pó e a água corretamente (CRAIG; POWERS; WATAHA, 2002). A alta incidência de acadêmicos da UNESP que pesam o gesso e medem a água para a espatulação do mesmo, deve - se à presença de balanças e provetas suficientes para atender as necessidades dos graduandos na Clínica de Prótese Dentária da UNESP/CSJCAMPOS e da disposição de pacotes de gessos previamente pesados (100gr) pelos funcionários da clínica, cabendo ao aluno o cuidado apenas de medir a água a ser utilizada na espatulação. No que diz respeito ao tipo de água empregada na manipulação do gesso, a água de torneira foi a utilizada por todos os acadêmicos, uma vez que a sua obtenção é mais fácil e de maior comodidade (Tabela 4). Entretanto, sempre que possível a água destilada deve ser utilizada, pois sabe - se que a água de torneira apresenta uma grande quantidade de elementos químicos em sua composição, particularmente de sais a base de sulfetos e fluoretos, que podem interferir na reação de presa do gesso (MILLER; GRASSO, 1990; BASTOS; SOUSA, 2003). Uma outra preocupação é com relação à temperatura da água utilizada na manipulação do gesso. De acordo com Craig e Powers (2004), a elevação da temperatura da água aumenta a mobilidade dos íons de cálcio e de sulfato, o que tende a aumentar a velocidade de reação e diminuir o tempo de presa do gesso, além de alterar a solubilidade relativa do sulfato de cálcio hemiidratado e do sulfato de cálcio diidratado. Segundo Craig, Powers e Wataha (2002) e Anderson (1976), se a temperatura da água é elevada acima de 37,5ºC o tempo de presa aumenta, porque o diidratado se torna mais solúvel em água, entretanto, se a água utilizada atingir 100ºC, o gesso não irá tomar presa. Sendo assim, com a utilização da água de torneira (Tabela 4), não se tem um controle da sua temperatura, principalmente nas épocas quentes. Portanto, seria melhor obter uma mistura resfriada a uma aquecida. A espatulação também é um passo extremamente importante, pois está diretamente relacionada ao tempo de presa do gesso e à resistência final do modelo. Freqüentemente, uma espatulação inadequada é causada pelo receio de que o material tome presa antes de ser vazado, entretanto tal receio não é justificável, a não ser que o gesso contenha aceleradores. De acordo com Craig, Powers e Wataha (2002) e Phillips et al. (1998), quando o gesso é misturado manualmente, a água e o pó devem ser espatulados vigorosamente durante 1 minuto. Já na espatulação mecânica, ainda é aconselhado mexer

5 manualmente o pó e a água por alguns segundos e só em seguida levar para o misturador mecânico por mais 30 segundos, pois só assim teremos uma espatulação eficiente. O tempo de espatulação está diretamente relacionado com a resistência final do gesso, pois tanto uma sub espatulação quanto uma superespatulação diminuem a resistência do modelo. Neste trabalho foi constatado que todos os graduandos realizam a espatulação manual (gral e espátula) para a obtenção dos modelos de gesso (Tabela 5). Embora a espatulação manual satisfaça as exigências clínicas, a espatulação mecânica gera modelos com resistência à tração superior, por incorporar uma quantidade menor de bolhas (PEREIRA et al., 2002; KIMBALLI, 1934). A máquina utilizada para a manipulação do gesso trabalha como uma centrífuga, numa alta velocidade, misturando o gesso e forçando o ar para fora, daí a explicação de uma menor presença de bolhas no modelo quando comparada com a técnica manual (ROSE, 1982; CRAIG; POWERS; WATAHA, 2002; ANDERSON, 1976). Alguns estudos têm demonstrado que quando se utiliza a espatulação mecânica, o tempo de presa e expansões de presa do gesso diminuem (ARAÚJO; NOLASCO, 1972; NOLASCO et al., 1990). Contudo, de acordo com Lima (1982), as técnicas de espatulação (manual a céu aberto e mecânica a vácuo) não modificaram a expansão de presa do gesso estudado. Portanto, devido á necessidade de um equipamento especial, parece-nos então que a espatulação mecânica está restrita aos trabalhos científicos. Outro passo importante na confecção do modelo de gesso é o vazamento do molde. Nesta pesquisa constatou - se que 100% dos alunos utilizam o vibrador como meio auxiliar para o vazamento dos moldes com gesso (Tabela 6). De acordo com os estudos de Kimbali (1934), os modelos de gesso que foram vazados com o auxílio de um vibrador obtiveram uma resistência de seis a oito por cento maior que os vazados manualmente. Verificou ainda que quando a espatulação mecânica é associada ao uso do vibrador, obtêm - se modelos aproximadamente 40% mais fortes. Esse aumento da resistência é explicado pelo fato da vibração minimizar a inclusão de bolhas de ar no interior do gesso, que por sua vez geram porosidades no modelo diminuindo a resistência, e por gerar uma excelente compactação do gesso no interior do molde (PEREIRA et al., 2002; ANDERSON, 1976). Dessa forma é importante que vibradores estejam disponíveis aos graduandos, a fim de melhorar o resultado dos trabalhos na clínica. Como constatado neste estudo (Tabela 7), no que diz respeito ao acondicionamento do molde de alginato vertido com gesso, verificou-se que todos os ), é graduandos questionados deixam a presa do gesso ocorrer ao ar livre. Contudo, vários trabalhos ressaltam a importância da presa do gesso sempre ocorrer em uma atmosfera com 100% de umidade, seja em um umidificador ou no interior de um saco plástico fechado contendo uma gaze úmida (ANDERSON, 1976; UEDA; MODAFFORE, 2001). Scaranelo et al. (2002) verificaram em seus estudos que quando se utilizou um meio de armazenamento para o molde de alginato, permitindo que o gesso em seu interior tomasse presa final, uma menor alteração dimensional ocorreu. A explicação para este fato é que como o alginato perde água para o meio ambiente, ele absorve água da superfície do gesso durante o endurecimento deste, alterando a proporção água:hemiidratado. Um outro motivo para a utilização do umidificador, de acordo com Craig, Powers e Wataha (2002), é impedir que os moldes de alginato sequem após serem vazados com gesso, pois eles se tornam rígidos e inflexíveis, aumentando o risco de fratura dos dentes no momento da remoção do molde. Os acadêmicos consultados deveriam ter uma preocupação maior com o molde depois de vazado com gesso, pois trata - se uma etapa tão essencial ao resultado final dos trabalhos clínico-laboratoriais quanto todas as outras analisadas anteriormente, além de ser de fácil execução e não demandar muito tempo para exercê - la. CONCLUSÕES Baseado nos resultados deste estudo pôde - se concluir que: 1) A maioria dos alunos realiza a desinfecção dos moldes de alginato; 2) A balança e a proveta são utilizadas pela maioria para proporcionar a quantidade de água e de gesso na espatulação; 3) A água destilada não é utilizada para espatulação do gesso; 4) A espatulação mecânica não é utilizada na clínica diária; 5) O vibrador é utilizado por todos os graduandos como meio auxiliar para o vazamento do gesso; 6) O umidificador não é utilizado como meio de armazenamento do molde durante a presa do gesso. REFERÊNCIAS ANDERSON, J. M. Applied dental materials. 5. Ed. São Paulo: Santos, 1976, p ARAÚJO, P. A.; NOLASCO, G. A. B. Influência da espatulação sobre a estrutura do gesso. Observação microscópica. 95

6 Estomat Cult, São Paulo, v. 6, n. 1, p , jan./jun ARAÚJO, J. E. J.; MORAES, J. V. Alginato armazenamento em cuba umidificadora e tratamento de superfície. RBO, Rio de Janeiro, v. 50, n. 3, p , mai./jun BARBOSA, G. A. S. et al. Avaliação da estabilidade dimensional do alginato em relação ao tempo entre moldagem e vazamento e ao acondicionamento do molde. PCL, Curitiba, v. 5, n. 24, p , mar./abr BASTOS, E. L. S.; SOUSA, V. O uso de alginato por alunos de graduação - Parte I. PCL, Curitiba, v. 5, n. 23, p , jan./fev BERGMAN, B.; MAUD, B.; OLSSON, S. Alginate impression materials, dimensional stability and surface detail sharpness following treatment with disinfection solutions. Swed Dent J, Jonkoping, v. 9, n. 6, p , BERGMAN, B. Disinfection of prosthodontic impression materials: a literature review. Int J Prosthodont, Philadelphia, v. 2, n. 6, p , Nov./Dec COUNCIL ON DENTAL MATERIALS, INSTRUMENTS AND EQUIPMENT, DENTAL PRACTICE AND DENTAL THERAPEUTICS. Infection control recommendations for the dental office and dental laboratory. J Am Dent Assoc, Chicago, v. 116, n. 2, p , Feb CRAIG, R. G.; POWERS, J. M.; WATAHA, J. C. Materiais dentários: propriedades e manipulação. 7. ed. São Paulo: Santos, 2002, p CRAIG, R. G.; POWERS, J. M. Materiais dentários restauradores. 11. ed. São Paulo: Santos, p CUCCI, A. L. M. et al. Hidrocolóide irreversível ou alginato. Estudo de alterações dimensionais lineares em moldes de alginato em função do tempo de armazenamento, em umidade relativa a 100%. Rev Assoc Paul Cirur Dent, São Paulo, v. 38, n. 2, p , mar./abr CURTI JÚNIOR, A.; CAMPANA, R. A. Verificação do contaminação do hidrocolóide reversível em moldagens sucessivas. Rev Fac Odontol São José dos Campos, São José dos Campos, v. 5, n. 2, p , jul./dez KIMBALL, H. D. The study of the properties of plaster of paris and the effect of varying the manipulation. Dent Cosmos, Chicago, v. 76, p , LIMA, E. D. Influência da solução endurecedora sobre a expansão de presa do gesso pedra melhorado. Rev Odontol UNESP, Araçatuba, v. 11, n. 1/2, p , MENEZES, L. M. et al. Avaliação dos efeitos da desinfecção nas moldagens de alginato. Ortodont Gaúcha, Porto Alegre, v. 2, n. 1, p , jan./jun MILLER, E. L.; GRASSO, J. E. Prótese parcial removível. 2. ed. São Paulo: Santos, 1990, p MINAGI, S. et al. Prevention of acquired immunodeficiency syndrome and hepatitis B. II: disinfection method for hydrophilic impression materials. J Prosthet Dent, Philadelphia, v. 58, n. 4, p , Oct NASCIMENTO, W. F. et al. Desinfecção de moldes: como, quando e por que? Rev Assoc Paul Cirur Dent, São Paulo, v. 53, n. 1, p , jan./fev NOLASCO, G. A. B.; FRANZON FILHO, P. R.; SOUZA, E. H. A. G. Influência da espatulação sobre o gesso. RGO, Porto Alegre, v. 38, n. 2, p , mar./abr OLSSON, S.; BERGMAN, B.; BERGMAN, M. Agar impression materials, dimensional stability and surface detail sharpness following treatment with disinfection solutions. Swed Dent J, Jonkoping, v. 11, n. 4, p , OSORIO, A. F. et al. Avaliação da eficácia de agentes químicos na desinfecção de moldes de alginato. Rev Fac Odontol Porto Alegre, Porto Alegre, v. 39, n. 1, p , jul

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE ODONTOLOGIA CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS ODONTOLÓGICAS Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL

CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL Rosana Izabela Spiller 1 Rosana Aparecida dos Santos INTRODUÇÃO: Com a propagação

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

Clinical Update. Materiais de Moldagem Hidroclóides Irreversíveis (Alginato) Preparação. (Fig. 1) JELTRATE e JELTRATE PLUS

Clinical Update. Materiais de Moldagem Hidroclóides Irreversíveis (Alginato) Preparação. (Fig. 1) JELTRATE e JELTRATE PLUS Materiais de Moldagem Hidroclóides Irreversíveis (Alginato) A construção de modelos e troquéis sempre foi uma etapa importante para os mais variados procedimentos odontológicos. Sobre os modelos obtidos

Leia mais

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO Prof. Dr. Alfredo Júlio Fernandes Neto - 2005 A obtenção do molde e posterior modelo de estudo em gesso é um procedimento crítico e, como em qualquer outro trabalho

Leia mais

CONTROLE DE INFECÇÃO CRUZADA : LABORATÓRIO DE PRÓTESE VERSUS CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

CONTROLE DE INFECÇÃO CRUZADA : LABORATÓRIO DE PRÓTESE VERSUS CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO CONTROLE DE INFECÇÃO CRUZADA : LABORATÓRIO DE PRÓTESE VERSUS CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO THE CROSS-INFECTION CONTROL: DENTAL LABORATORY X DENTAL OFFICE Marcelo Vilas Bôas Maria Rozeli de Souza Quirino Departamento

Leia mais

Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF. Materiais de Moldagem

Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF. Materiais de Moldagem Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Materiais de Moldagem MATERIAIS DE MOLDAGEM Material de moldagem ideal: É o material que captura com precisão os detalhes das estruturas

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPB0714 COMPARAÇÃO DA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE MODELOS OBTIDOS COM

Leia mais

ANAIS DA 11ª JORNADA ACADÊMICA DE ODONTOLOGIA UFPI ISSN 2318-616X. FÓRUM CIENTÍFICO PRÓTESE Pós-gradunado/Profissional Pesquisa científica

ANAIS DA 11ª JORNADA ACADÊMICA DE ODONTOLOGIA UFPI ISSN 2318-616X. FÓRUM CIENTÍFICO PRÓTESE Pós-gradunado/Profissional Pesquisa científica FÓRUM CIENTÍFICO PRÓTESE Pós-gradunado/Profissional Pesquisa científica 1. PRECISÃO DIMENSIONAL DOS MOLDES DE ALGINATO MANIPULADO COM SOLUÇÃO DE CLOREXIDINA Lorenna Bastos Lima Verde Nogueira*; Alana de

Leia mais

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM. Aula 2

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM. Aula 2 SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE ODONTOLOGIA CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS ODONTOLÓGICAS Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

Gesso Odontológico. Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB

Gesso Odontológico. Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB Curso de ASB Gesso Odontológico Modelos Modelos Modelos Modelos Moldes para fabricação de dentaduras GESSO Revestimentos Sulfato de cálcio di-hidratado, quimicamente quase puro (Gipsita) (CaSO 4. 2H 2

Leia mais

Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil

Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil Santos MACÁRIO, Cláudia; Araújo GÓIS, Gleyciane de; Araújo RODRIGUES,

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Dentários Professora: Patrícia Cé Introdução AULA II Materiais de Moldagem Alginato Polissulfeto Poliéter Silicone de condensação

Leia mais

Desinfecção de moldes

Desinfecção de moldes 32 Desinfecção de moldes Márcia Caroline Marins Santos 1 Glauber Vieira Duarte 1 Lívia Carvalho 2 Andrea Pereira Mota 2 José Flávio Wanderley-Cruz 3 Resumo Devido à necessidade de prevenção da contaminação

Leia mais

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

Avaliação da alteração dimensional de modelos obtidos a partir de moldagens com alginato tradicional e outro com desinfetante

Avaliação da alteração dimensional de modelos obtidos a partir de moldagens com alginato tradicional e outro com desinfetante REVISTA DE ODONTOLOGIA DA UNESP ARTIGO ORIGINAL Rev Odontol UNESP, Araraquara. jan./fev., 2010; 39(1): 41-47 2009 - ISSN 1807-2577 Avaliação da alteração dimensional de modelos obtidos a partir de moldagens

Leia mais

MANUAL DE PRÓTESE FIXA

MANUAL DE PRÓTESE FIXA MANUAL DE PRÓTESE FIXA INDICE Materiais e Equipamentos 05 Materiais e Técnicas de Moldagem 07 Vazamento de Modelos 08 Montagem em Articulador 17 Enceramento 20 Preparo de Troquel 23 Inclusão 25 Fundição

Leia mais

Nome Técnico: Material de moldagem odontológico Nome comercial: Alginatos Cavex

Nome Técnico: Material de moldagem odontológico Nome comercial: Alginatos Cavex Relatório Técnico da família de material de moldagem odontológico Cavex. Nome Técnico: Material de moldagem odontológico Nome comercial: Alginatos Cavex Modelos: CA 37, Impressional, ColorChange, Orthotrace,

Leia mais

Biossegurança em Prótese Dentária: Proposta de Protocolo. Parte I 1 Clinic Dental Prosthesis Biosecurity: Protocol Propose. Part I

Biossegurança em Prótese Dentária: Proposta de Protocolo. Parte I 1 Clinic Dental Prosthesis Biosecurity: Protocol Propose. Part I REVISÃO DA LITERATURA Biossegurança em Prótese Dentária: Proposta de Protocolo. Parte I 1 Clinic Dental Prosthesis Biosecurity: Protocol Propose. Part I Kalena de Melo Maranhão* Renata Antunes Esteves**

Leia mais

07/10/2009. Vazamento imediato. Silicona por condensação. Polissulfetos. Poliéter < < > > Silicona por Condensação. Elastômeros

07/10/2009. Vazamento imediato. Silicona por condensação. Polissulfetos. Poliéter < < > > Silicona por Condensação. Elastômeros 07/10/2009 ELASTÔMERS QuickTime and a Sorenson Video 3 decompressor are needed to see this picture. Siliconas por condensação Siliconas por adição Polissulfetos Poliéter Elastômeros Silicona por condensação

Leia mais

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio Prof. Dr. Glauco Rangel Zanetti Doutor em Clínica Odontológica - Prótese Dental - FOP-Unicamp

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/ SOEBRAS ELASTÔMEROS. Autor: Christian Ravel dos Santos

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/ SOEBRAS ELASTÔMEROS. Autor: Christian Ravel dos Santos INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/ SOEBRAS ELASTÔMEROS Autor: Christian Ravel dos Santos FLORIANÓPOLIS 2009 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/ SOEBRAS ELASTÔMEROS Autor: Christian Ravel dos Santos

Leia mais

Cimentos para cimentação

Cimentos para cimentação Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Requisitos de um agente cimentante ideal Cimentos para cimentação Ser adesivo; Ser insolúvel no meio bucal; Permitir bom selamento

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA Vanara Florêncio Passos * Thyciana Rodrigues Ribeiro * João Arruda Cajazeira Neto * Sérgio Lima Santiago ** PET Odontologia Universidade

Leia mais

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

EFEITO DA DESINFECÇÃO E DO TEMPO DE ARMAZENAGEM NA MOLHABILIDADE DE MOLDES DE ALGINATO

EFEITO DA DESINFECÇÃO E DO TEMPO DE ARMAZENAGEM NA MOLHABILIDADE DE MOLDES DE ALGINATO EFEITO DA DESINFECÇÃO E DO TEMPO DE ARMAZENAGEM NA MOLHABILIDADE DE MOLDES DE ALGINATO EFFECT OF DISINFECTION AND STORAGE TIME ON THE WETTABILITY OF IRREVERSIBLE HYDROCOLLOID IMPRESSION MATERIAL Maria

Leia mais

Introdução. Acadêmicas do curso de Odontologia pela Universidade de Uberaba, Laboratório de Biomateriais, Uberaba, MG, Brasil. **

Introdução. Acadêmicas do curso de Odontologia pela Universidade de Uberaba, Laboratório de Biomateriais, Uberaba, MG, Brasil. ** Efeito de diferentes técnicas de desinfecção na precisão de moldes de alginato avaliada em modelos de gesso Effect of different disinfection techniques on the accuracy of alginate impressions evaluated

Leia mais

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 6NF_Endurecedor G 130 Blue Resina para aplicação

Leia mais

CUIDADOS ESSENCIAIS COM OS GESSOS ODONTOLÓGICOS

CUIDADOS ESSENCIAIS COM OS GESSOS ODONTOLÓGICOS Bibnote, CCS-0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAUDE DEPARTAMENTO DE ESTOMATOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA CUIDADOS ESSENCIAIS COM OS GESSOS ODONTOLÓGICOS

Leia mais

Técnicas De Fundição. Page 1. Saúde Forma Função Estética. Fundição em areia.

Técnicas De Fundição. Page 1. Saúde Forma Função Estética. Fundição em areia. Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

MATERIAIS ODONTOLÓGICOS II

MATERIAIS ODONTOLÓGICOS II CURSO DE ODONTOLOGIA MATERIAIS ODONTOLÓGICOS II CADERNO DIDÁTICO TURMA 2011 Autores: ANZILIERO, Luciano Esp. Curso de Odontologia da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e Missões Campus de

Leia mais

CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 1 MÓDULO B EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS

CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 1 MÓDULO B EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 1 MÓDULO B EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS DIVIDIDOS EM: EQUIPAMENTOS PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS PERIFÉRICOS CONHECENDO OS EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS EQUIPAMENTOS

Leia mais

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 26_Endurecedor G 226_Carga EF 35/P Resina

Leia mais

Precisão dimensional de moldes de hidrocoloide irreversível manipulado com solução de clorexidina

Precisão dimensional de moldes de hidrocoloide irreversível manipulado com solução de clorexidina Precisão dimensional de moldes de hidrocoloide irreversível manipulado com solução de clorexidina Dimensional accuracy of irreversible hydrocolloid impressions manipulated with chlorhexidine solution Carmem

Leia mais

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Maior qualidade, segurança e eficiência nos processos de limpeza profissional. Quem olha para o futuro com vontade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Desinfecção; Modelos dentários; Prótese; Infecção

PALAVRAS-CHAVE: Desinfecção; Modelos dentários; Prótese; Infecção TRABALHO DE PESQUISA Comportamento do Cirurgiãodentista em Relação aos Métodos de Desinfecção de Moldes, Modelos de Gesso e Próteses Dentist s Behavior Towards Disinfection Methods of Molds, Stone Casts

Leia mais

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita.

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita. JohnsonDiversey Suma Supersol LG Detergente em pó para limpeza geral. Versátil A formulação balanceada permite que o detergente Supersol LG seja utilizado tanto para limpeza geral, quanto para lavagem

Leia mais

Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil

Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-1 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil Capla de Vasconcellos dos Santos da SILVA, Manoela; Queiroga CARTAXO, José

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

FISPQ FLÚOR GEL NEUTRO

FISPQ FLÚOR GEL NEUTRO Página : 1 de 6 SEÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: FLUOR GEL NEUTRO MAQUIRA Sabor: Menta Capacidade: frasco com 200 ml Teor: fluoreto de sódio a 2% Registro na Anvisa: 80322400048

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE GESSOS ODONTOLOGICOS

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA.

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. Hepatites B e C são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. heto hepatite manucure.indd 1 Faça sua parte. Não deixe as hepatites virais frequentarem seu salão.

Leia mais

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA Autores: Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro (*) Dr. Leonardo Marchini (**) Nas últimas décadas, têm-se observado, em

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: FOSFATO DE CÁLCIO MONOBÁSICO H 2O - Código interno de identificação do produto: F1027 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Técnica 1: Faceta I.Dente vital e preparo protético pronto. 1. Medir a altura e a largura do dente homológo do

Leia mais

Técnicas De. Fundição. Fundição. Odontológica. Page 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética

Técnicas De. Fundição. Fundição. Odontológica. Page 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética Técnicas FUNDIÇÃO: DEFINIÇÃO De É o processo de se obter objetos vazando líquidos ou metal viscoso em um molde preparado ou forma. Anusavice, 11ª Ed. - Cap. 12 p. 275 a 324 Fundição O objetivo de uma fundição

Leia mais

Avaliação da alteração dimensional em modelos de gesso manipulado com duas soluções desinfetantes

Avaliação da alteração dimensional em modelos de gesso manipulado com duas soluções desinfetantes 282 PROSTHESIS Avaliação da alteração dimensional em modelos de gesso manipulado com duas soluções desinfetantes Evaluation of dimensional change in stone casts manipulated with two disinfectants solutions

Leia mais

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO,

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO, JohnsonDiversey SAFE BIO C 520 Remediador para Estação de Tratamento de Efluentes em geral e com a Presença de Contaminantes Tóxicos. Indicado para indústrias em geral. Descrição: Benefícios: Este produto

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

Avaliação da contaminação dos tubos de resina composta nas clínicas do Curso de Odontologia de uma universidade particular em Manaus-AM

Avaliação da contaminação dos tubos de resina composta nas clínicas do Curso de Odontologia de uma universidade particular em Manaus-AM Avaliação da contaminação dos tubos de resina composta nas clínicas do Curso de Odontologia de uma universidade particular em Manaus-AM Assessment of contamination of composite resins tubes in Dental School

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada.

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Grill Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Alto poder de limpeza A composição de Suma Grill confere-lhe a propriedade de remover com eficiência sujidades provenientes

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA DESINFECÇÃO QUÍMICA SOBRE A ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE MATERIAIS DE MOLDAGEM 1. INTRODUÇÃO

A INFLUÊNCIA DA DESINFECÇÃO QUÍMICA SOBRE A ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE MATERIAIS DE MOLDAGEM 1. INTRODUÇÃO A INFLUÊNCIA DA DESINFECÇÃO QUÍMICA SOBRE A ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE MATERIAIS DE MOLDAGEM PINTADO, Laura 1 ; CUBAS, Gloria B de A 1 ; CAMACHO, Guilherme Brião 1. 1 Deptº de Odontologia Restauradora

Leia mais

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA 2 Getinge FD1800 Getinge FD1800 3 COMPROVADAS NA LUTA CONTRA A INFECÇÃO CRUZADA O excelente desempenho de lavagem e desinfecção da Getinge FD1800 garantiu-lhe o respeito

Leia mais

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística.

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. MANUAL DO NEBULIZADOR Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. Veja como utilizar e cuidar corretamente do seu Compressor e Nebulizador. Eu sou o compressor. Eu sou o Nebulizador, sou o grande goleador.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98)

REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98) MERCOSUL/XLIII SGT N 11/P. RES. N /15 REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

2011.1 IMPLANTODONTIA - UFPE UFPE

2011.1 IMPLANTODONTIA - UFPE UFPE 2011.1 UFPE IMPLANTODONTIA - UFPE Manual da Disciplina Eletiva de Implantodontia do Departamento de Prótese e Cirurgia Buco Facial da Universidade Federal de Pernambuco UNIDADES PROGRAMÁTICAS DATA CONTEÚDO

Leia mais

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Biocomposto BLF - Código interno de identificação do produto: 020 - Nome da empresa: Biotecma Biotecnologia

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL 2 Getinge FD1600 Getinge FD1600 3 COMBATENDO A INFECÇÃO CRUZADA DE MANEIRA SIMPLES E EFETIVA Com seu projeto moderno e atraente, operação fácil

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Graduação em Odontologia pelo Instituto Superior de Ciências, Letras e Artes de Três Corações - INCOR. Conclusão do curso: 1993

Graduação em Odontologia pelo Instituto Superior de Ciências, Letras e Artes de Três Corações - INCOR. Conclusão do curso: 1993 Graciene Mesquita Odontologia Estética G Formada em Odontologia pelo Instituto Superior de Ciências, Letras e Artes de Três Corações (INCOR) em dezembro de 1993, aos 21 anos de idade, a Dra. Graciene Mesquita

Leia mais

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano PROTOCOLOOPERACIONALPADRÃO (POP) para processamento de materiais utilizados nos exames de videonasoscopia, videolaringoscopia e videonasolaringoscopia nos consultórios e serviços de otorrinolaringologia

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC ) Elaboração: 03/12 Revisão: 0-03/12 RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: LIMPA BAÚ Sinônimo: Detergente Ácido Composição: Linear Alquil Benzeno Sulfonado, Ácido Clorídrico, Ácido Cítrico,

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

As moldagens são procedimentos realizados rotineiramente na prática

As moldagens são procedimentos realizados rotineiramente na prática ARTIGO ORIGINAL Estabilidade dimensional de modelos obtidos com poliéter e silicone de adição após desinfecção com ácido peracético e hipoclorito de sódio Dimensional stability of casts obtained with polyether

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

Que é necessário ter um regulamento para produtos à base de Hipocloritos Aditivados (Água Lavandina Aditivada / Alvejante / Água Clorada Aditivada).

Que é necessário ter um regulamento para produtos à base de Hipocloritos Aditivados (Água Lavandina Aditivada / Alvejante / Água Clorada Aditivada). MERCOSUL/GMC/RES. N 57/98 REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS DOMISANITARIOS A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (AGUA LAVANDINA ADITIVADA/ALVEJANTE/AGUA CLORADA ADITIVADA) (REVOGA RES. GMC Nº 46/97) TENDO

Leia mais

UMA PLANTA MODELO. Kalanchoe daigremontiana

UMA PLANTA MODELO. Kalanchoe daigremontiana UMA PLANTA MODELO Kalanchoe daigremontiana O gênero Kalanchoe (família Crassulaceae, ordem Saxifragales) apresenta algumas interessantes adaptações a climas áridos e quentes, tais como a abertura noturna

Leia mais

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório.

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório. Tripolifosfato de Sódio Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Tripolifosfato de Sódio Código do produto : 001.019 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: BENZOATO DE SÓDIO Page: (1 de 5) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO Gesso. Especificações e propriedades. GESSO Definição: Aglomerante inorgânico

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL 1 Produtos da Linha Profissional Recomendações p/ se trabalhar com artigos Profissionais 3 Limpeza de Uniformes Profissionais 100% Algodão c/ Sujidade Leve 4 Limpeza de Uniformes

Leia mais

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde Trabalho em Saúde Economia globalizada transforma o trabalho afeta os meios e as relações de trabalho substituindo trabalho individual trabalho

Leia mais

Mantém cores originais A aplicação de TASKI Tapi 101 não altera as cores originais das superfícies.

Mantém cores originais A aplicação de TASKI Tapi 101 não altera as cores originais das superfícies. TASKI Tapi 101 Detergente para limpeza de tapetes e carpetes. Alto nível de espuma. F71a Detergente neutro TASKI Tapi 101 é um detergente neutro específico para a limpeza de tapetes, carpetes e revestimentos

Leia mais

SISTEMA LAPIDUR BOLETIM TÉCNICO

SISTEMA LAPIDUR BOLETIM TÉCNICO BOLETIM TÉCNICO SISTEMA LAPIDUR Trata-se de um processo inovador de polimento do concreto existente, conferindo-lhe o aspecto brilhante e reduzindo a porosidade. SISTEMA LAPIDUR Concreto lapidado é uma

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONDUTA DE BIOSSEGURANÇA EM CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS DE GRADUAÇÃO

AVALIAÇÃO DA CONDUTA DE BIOSSEGURANÇA EM CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS DE GRADUAÇÃO AVALIAÇÃO DA CONDUTA DE BIOSSEGURANÇA EM CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS DE GRADUAÇÃO EVALUATION OF THE BIOSECURITY BEHAVIOUR IN GRADUATE DENTAL OFFICES Paulo Eduardo Biancheti da Silva Mônica Cesar do Patrocínio

Leia mais

Instalação Fixa. Sistema UV DURON

Instalação Fixa. Sistema UV DURON Instalação Fixa Sistema UV DURON Mais ecológico, mais eficiente... Simplesmente melhor Novas luzes sobre nossas ideias originais A WEDECO é conhecida há quase 40 anos por fornecer soluções eficientes de

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA Estudo da composição dos solos A turfa 10-10-2000 Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA INTRODUÇÃO Os solos são sistemas trifásicos pois são constituídos por componentes sólidos, líquidos e gasosos. Cerca

Leia mais