Laser de Baixa Potência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laser de Baixa Potência"

Transcrição

1 Rua Rondinha, 54 - C. Inglesa São Paulo - SP - CEP Julho Agosto Setembro 2010 nº 29 Laser de Baixa Potência Utilização no tratamento da parestesia pós exodontia de terceiros molares inferiores Expansão da largura óssea de rebordo associada ao uso de Straumann BoneCeramic comemoração da posse dos novos eleitos da diretoria resultados previsíveis na Implantodontia Enxerto ósseo Utilização do β-fosfato Tricálcio para preenchimento IMPRESSO Pode ser aberto pela ECT

2 2 APCD SAÚDE jul ago set 2010

3 Editorial Foto capa: Gehring János expediente Rua Rondinha, 54 - Chácara Inglesa São Paulo - SP - CEP Fone (11) Atendimento: 2ª a 6ª das 9h às 18h Presidente Wagner Nascimento Moreno 1º Vice-Presidente Gilberto Machado Coimbra 2º Vice-Presidente Arne Aued Guirar Ventura Assessor da Presidência Admar Kfouri Secretário Geral Ossamu Massaoka 1º Secretário Moacyr Nunes Leite Junior 2º Secretário Durval Paupério Sério Tesoureiro Geral Takashi Yagui 1º Tesoureiro Carlos Teruo Itabashi 2º Tesoureiro Kunio Shimabukuro Depto. Assessor de Benefícios Auro Massatake Minei Depto. Assessores Científico Cheng Te Hua Luci Z. Finotti Patricia Takahama Depto. Assessor de Comunicações Paulo Yoshiteru Nagamine Depto. Assessor de Congressos e Feiras Luiz Afonso de Souza Lima Depto. Assessores Cultural Marta Tashiro Valsuir José Vezzoni Depto. Assessores de Defesa de Classe Elizabeth Aparecida Braga Helenice Formentin Ikegami Depto. Assessores E.A.P Cidney Hiroaki Cato Hiroshi Miasiro Milton de Souza Teixeira Samuel Moraes Cecconi Depto. Assessor de Esportes Mauricio Fazzura Depto. Assessor de Patrimônio Luiz Carlos Serrano Lima Depto. Assessor de Prevenção Nicola Felipe Lopez Bempensante Depto. Assessor de Rel. Internacionais Jum Kasawara Depto. Assessor da Revista e Informática Sérgio Yunes Depto. Assessores Social Julia Hiçae Uchida Silvia Cristina Ramos Coimbra Depto. Assessor de Turismo Shindi Nakajima Depto. Assessor de Clínica Sônia Maria Moraes Cecconi Depto. Assessor Nova Geração Arlindo Carvalho de Oliveira Neto Jornalista Responsável Israel Correia de Lima (Mtb ) - Tel Editor de Arte Guilherme Gonçalves Impressão Input Comunicação Visual Ltda. Bem-vinda nova Diretoria Após o banho de democracia com eleições na APCD Central e Regionais, parabenizamos os novos dirigentes da nossa APCD Saúde, agora sob a presidência do doutor Wagner Nascimento Moreno. Esperamos que a promessa em seu discurso de posse não se confirme: pintar a sede da nossa Regional de preto e branco, conforme sua paixão corintiana e ainda mais no centenário do Timão. Brincadeiras a parte, o jantar de posse aconteceu no Bufê Évidence, no bairro de Vila Clementino e contou com o comparecimento maciço das Regionais da capital, conforme podemos confirmar nas fotos publicadas nesta edição. A importância do planejamento adequado para obtenção de resultados previsíveis na Implantodontia, demonstra um caso clínico de um paciente para sua total reabilitação oral. Um artigo escrito pelos professores Jum Kasawara, Rodrigo Salgado Schiavo, Cristine Haralambos Bassoukou, Alexander D Alvia Salvoni e Patricia D Alvia Salvoni Cassoli. Emergências médicas em ambiente odontológico, artigo do doutor Francisco Barata Ri- Índice A importância do planejamento adequado para obtenção de resultados previsíveis na Implantodontia...4 Emergências médicasem ambiente odontológico...6 Expansão da largura óssea de rebordo associada ao uso de Straumann BoneCeramic Utilização do β-fosfato Tricálcio no preenchimento da cavidade do seio maxilar Implantes Parestesia Dr. Sérgio Yunes - Editor beiro, mostra que todos os cirurgiões-dentistas e profissionais relacionados e ASBs, devem estar preparados para situações de emergências médicas em consultório ou ambulatório odontológico, uma vez que essas situações que apresentam potencial risco de vida, podem e devem ocorrer em ambiente odontológico e geralmente estão relacionadas ao aumento do estresse, medo e ansiedade. Outros artigos importantes constam em nossa revista. Boa leitura! para devolução de sua morfologia Utilização do Laser de Baixa Potência no tratamento da parestesia pós exodontia de terceiros molares inferiores Cursos - 1º Semestre APCD Saúde comemora posse dos novos eleitos Campeonato de Bilhar APCD Saúde Aniversariantes Indicador Profissional Eleições APCD APCD SAÚDE jul ago set

4 Reabilitação oral A importância do planejamento adequado para obtenção de resultados previsíveis na Implantodontia Figura 2A Figura 1A Figura 3A Figura 2B Figura 1B Figura 3B Atualmente a reabilitação oral através do sucesso dos implantes osseointegráveis, vem mostrando grande exigência quando se diz respeito à estética. Porém em alguns casos falhas ocorrem em função de planejamentos equivocados e precipitados. Paciente M.C.P., 41 anos, sexo feminino, apresentando doença periodontal severa com mobilidade grau 3 (figura 1A e 1B), e ausência de elementos dentais, principalmente na arcada superior, foi submetida a reabilitação protética após a realização de implantes. Na primeira etapa do tratamento optou-se pela exodontia dos elementos superiores e a instalação de Prótese Total Imediata (figura 2A), para recuperação da Dimensão Vertical de Oclusão, da estética e função mastigatória além da posterior avaliação do suporte ósseo remanescente. O planejamento inicial consistia na instalação de 6 implantes. Após 60 dias foi confeccionado um Guia Cirúrgico em resina acrílica através da duplicação da Prótese Total instalada anteriormente, onde foram colocados 8 anéis de titânio distribuídos bilateralmente (figura 2B), no intuito de aumentar as possibilidades de posicionamento dos implantes para a melhor distribuição das cargas oclusais. Solicitou-se então a Radiografia Panorâmica com o Guia em posição para o planejamento cirúrgico de acordo com a arquitetura óssea remanescente, confirmando assim a posição correta dos implantes. Todos os implantes ofereceram torques superiores à 45N, proporcionado a realização de moldagem transcirúrgica para a confecção de uma prótese imediata provisória aparafusada, sem a presença de flange (figura 5), com a intenção de aguardar a cicatrização, o condicionamento tecidual, a osseointegração, e para avaliar a necessidade estética da paciente. Após 6 meses foi instalada definitivamente uma prótese tipo Protocolo Bränemark, com a presença de flange (figura 6A e 6B) devolvendo o suporte labial, restabelecendo a estética e fonética. Todo tratamento tem como objetivo confeccionar uma restauração com as exigências de uma dentição natural, nos termos de função, conforto e aparência. 4 APCD SAÚDE jul ago set 2010

5 Figura 6A Figura 4 Figura 6B Figura 5 Referências bibliográficas 1. Atttard NJ, Zarb GA. Immediate and early implant loading protocols: a literature review of clinical studies. J Prosthet Dent Sept;94 (3): Francischone CE, Nary Filho H, Matos DAD, Lira HG, Neves JB, Vasconcelos LW et al. Osseointegração e o tratamento multidisciplinar. São Paulo: Quintessence; p Higginbottom FL. Implants as na option in the esthetic zone. J Oral Maxillofac Surg. 2005; 63 (Suppl 2): Profº Jum Kasawara Profª do Curso de Especialização em Implantodontia do CPO SL Mandic- Campinas; Profª do Curso de Atualização em Implantodontia da APCD-Saúde Profª Dr. Alexander D Alvia Salvoni Profº Coordenandor dos Curso de Especialização em Implantodontia do CPO SL Mandic- Campinas e São Paulo; Profº do Curso de Mestrado em Implantodontia do CPO SL Mandic- Campinas; Profº do Curso de Atualização em Implantodontia da APCD-Saúde Profª Patricia D Alvia Salvoni Cassoli Profº do Curso de Especialização em Implantodontia do CPO SL Mandic- Campinas e São Paulo; Profºdo Curso de Atualização em Implantodontia da APCD-Saúde Profº Rodrigo Salgado Schiavo Profº do Curso de Especialização em Implantodontia do CPO SL Mandic- Campinas; Profº do Curso de Atualização em Implantodontia da APCD-Saúde Profª Cristine Haralambos Bassoukou Profª do Curso de Especialização em Implantodontia do CPO SL Mandic- São Paulo; Profª do Curso de Atualização em Implantodontia da APCD-Saúde APCD SAÚDE jul ago set

6 Procedimentos Emergências médicas em ambiente odontológico Todos os Dentistas e profissionais relacionados, ACDs e pessoal de escritório, devem estar preparados para situações de emergências médicas em consultório e ou ambulatório Odontológico, uma vez que essas situações que apresentam potencial risco de vida, podem e devem ocorrer em ambiente Odontológico e geralmente estão relacionadas ao aumento do estresse, medo e ansiedade 1,2. Essas situações não estão restritas a ocorrerem na cadeira do dentista podendo acontecer em qualquer sítio do consultório Odontológico, tais como sala de espera, bem como nas dependências. Todo o pessoal deve estar envolvido, isto e, treinados e capacitados para administrar o Suporte Básico de Vida para controle destas situações. Raramente o Dentista será solicitado a realizar Ressuscitação Cardiorrespiratória em ambiente Odontológico, porém é mais do que provável que o profissional lance mão de manobras de suporte básico de vida, ao longo de sua vida profissional, embora alguns estudos 3 mostrem incidências de parada cardiorrespiratória em ambientes Médico e Odontológico. Preparação para as Emergências médicas A América Dental Association 4 em 2002, por meio do seu conselho científico determinou um protocolo e um kit mínimo que os Dentistas devem ter em consultórios e ou ambulatórios Odontológicos, esse protocolo que devem ser incluído na rotina do ambiente Odontológico. Então para o reconhecimento e o controle apropriado das situações mais comuns de Emergências Médicas no ambiente Odontológico incluem o seguinte Protocolo (Quadro 1). Suporte Básico de Vida Ao contrário do que muitos pensam nas situações de Emergências Médicas o mais importante para o seu efetivo controle são as manobras de Suporte Básico de Vida e não a administração de drogas que ficam em segundo plano na abordagem de situações que envolvem risco de vida. Os procedimentos incluem a manutenção das vias aéreas no paciente inconsciente, técnicas de administração de Oxigênio no paciente consciente ou inconsciente em ambiente Odontológico e monitoração dos dois mais importantes sinais vitais a pressão sanguínea e o pulso cardíaco (freqüência cardíaca), juntos vamos obter informações importantes quanto ao status do sistema cardiovascular. Juntos estes três procedimentos consistem o ABC do suporte básico de vida. Quando todos os 3 procedimentos (ABC) são empregados juntamente a técnica é chamada de Ressuscitação Cárdio Respiratória (RCP) em inglês CPR (cardiopulmonary resuscitation). Uma vez que o ABC tenha sido satisfatoriamente estabelecido missão cumprida então o profissional pode dar uma Quadro1. Protocolo da A.D.A APCD SAÚDE jul ago set 2010

7 atenção específica sobre qual ou quais foram as causas que determinaram a situação de emergências médicas e considerar então a administração de drogas. Manejo-Controle do Paciente Inconsciente em Ambiente Odontológico A perda da Consciência é uma ocorrência relativamente comum em consultório Odontológico. A situação clássica em ambiente Odontológico é o paciente desmaiar logo após a administração do anestésico local em função do medo, estresse e ansiedade 5,6,7. Independente do fator precipitante, a perda da consciência trará para o profissional uma situação com um potencial risco de vida, demandando cuidados imediatos. O Quadro 2 mostra a sequência dos acontecimentos após a obstrução das vias aéreas. língua (músculo relaxado-obstrução anatômica das vias aéreas) ocorre sempre quando a cabeça esta numa posição mediana (Figura 1), onde o queixo quase encosta no tronco, o paciente numa posição supina onde além do relaxamento muscular a força gravitacional empurra a língua para posterior obstruindo a orofaringe. Também que a língua obstrua a orofaringe. A obstrução completa das vias aéreas pode resultar em asfixia e parada cardíaca num período de 5 a 10 minutos, já uma obstrução parcial da vias aéreas, através de mecanismos mais complexos, pode levar ao mesmo resultado 9. Em todos os casos de inconsciência, o tratamento imediato consiste em reconhecer a obstrução das vias aéreas de imediato e iniciar as medidas necessárias para o problema. Uma vez que se mantenha a via aérea patente pela inclinação posterior da cabeça-elevação do queixo ou tração da mandíbula (Head tilt-chin lift) o profissional pode então proceder com medidas mais definitivas de suporte de vida 10,11,12 (RCP, administração de drogas, outras). Abordaremos as manobras básicas de suporte básico de vida. Administração do Suporte Básico de Vida: A-B-C Quadro 2 - Após a obstrução das vias aéreas (língua-anatômica ou por corpo estranho),originando uma Hipóxia, Bradicardia (diminuição dos batimentos cardíacos<60 batimentos/minuto) e o comprometimento cardiovascular ( parada cardíaca) A causa mais comum da perda da consciência na Odontologia é a sincope vasovagal 6,7,8, (desmaio) resultado do medo e ansiedade (apreensão), o tratamento inicial na maioria das situações de inconsciência é essencialmente o mesmo, uma única exceção é a reação anafilática aguda onde neste caso específico a administração de drogas (adrenalina/epinefrina) assim que possível é a primeira e mais importante medida que salvará a vida em questão. A Inconsciência é acompanhada de relaxamento muscular este fato que é responsável pelos problemas associados pela hipóxia e ou anóxia. O paciente inconsciente perde os reflexos de proteção das vias aéreas, o que resulta na obstrução da orofaringe pela base da Imediatamente após o reconhecimento do quadro de inconsciência, devemos assegurar a abertura das vias aéreas, seguindo o seguinte protocolo: 1.P - Posicionar o paciente em posição supina na cadeira Odontológica, com os pés ligeiramente elevados. Figura 1 - Paciente inconsciente APCD SAÚDE jul ago set

8 Procedimentos Figura 2 - Ver, Ouvir e Sentir a Respiração 2.A - Desobstrução das vias aéreas - acessar as vias aéreas. VER, OUVIR e SENTIR se o paciente esta respirando (Figura 2) a. Inclinação (extensão) da cabeça para trás (posterior) - Head Tilt (Figura 3). Aplicar a mão na testa do paciente e a outra na mandíbula fazendo a rotação da cabeça para trás (extensão dorsal da cabeça). b. Embora a inclinação ou extensão dorsal (posterior) da cabeça seja uma manobra efetiva no restabelecimento de uma via aérea patente, existem situações em que as vias aéreas ainda permanecerão obstruídas. Então nesses casos adicionalmente a inclinação da cabeça para trás, deveremos realizar o avanço da mandíbula para anterior, numa posição ou situação de prognatismo, fazendo com que a base da língua desobstrua completamente a orofaringe. Uma vez que a língua está aderida na mandíbula, e este avanço mandibular para frente desloca a língua juntamente com a mandíbula desobstruindo as vias aéreas 13,14 (Figura 4). Esta manobra é realizada colocando os 2 dedos (indicador e médio) no ângulo da mandíbula movendo, avançando a mandíbula anteriormente ou para frente, onde alcançaremos uma posição oclusal topo a topo ou de prognatismo. 3.C - Avaliação da Circulação - Após se estabelecer uma via aérea permeável (desobstruída), o socorrista deve determinar a avaliação da circulação. Devemos monitorar a ritmo cardíaco e pressão arterial. Vários sítios podem ser utilizados para verificação do ritmo cardíaco, pulso radial, pulso braquial e o pulso carotídeo (artéria carótida) no pescoço (Figura 5 e 6). A artéria carótida (Figura 3 e 4) é o sitio mais confiável indicador para a avaliação da função cardiovascular no adulto 9,2,10. O socorrista quando da localização do pulso, não deve demorar mais de dez segundo para avaliar o mesmo, e se o socorrista não encontrar o pulso, deve imediatamente iniciar as compressões torxicas externas (30:2), 2 respirações e 30 compressões compressões toráxicas por minuto. Porém se o pulso foi avaliado e está fraco, mas esta presente, o socorrista deve continuar os passos de suporte básico de vida até a chegada da assistência médica. Figura 4 - Deslocamento anterior da mandíbula (Jaw Thrust) 4.D - Tratamento Definitivo - Uma vez que as vias aéreas estão desobstruídas (estabelecidas) e a circulação esta adequada, o socorrista (doutor) poderá então prosseguir com o controle definitivo da situação, isto é, instituir tratamentos específicos, por exemplo: hipoglicemia; administração de glicose, simples desmaio: amônia-aromática-inalação. Conclusões Figura 3 - Inclinação posterior da cabeça e levantamento do queixo (Head Tilt) E evidente que as situações de emergências médicas não são freqüentes, porém podem e devem ocorrer em ambiente Odontológico. Todos os membros do time Odontológico devem estar preparados para administrar as manobras de Suporte Básico de Vida, e somente com treinamento e capacitação traz aos profissionais a experiência na abordagem destas situações para que se estabeleça uma sequência no 8 APCD SAÚDE jul ago set 2010

9 Figura 5 - Localização da Artéria Carótida - Pulso Carotídeo - (A) Localização da Cartilagem Tireóide (Pomo de Adão), (B) deslizamento lateral dos dedos indicador e médio até encontrar a fenda entre a cartilagem tireóide e o músculo esternocleido mastóideo atendimento tornando este efetivo. Estes passos discutidos em detalhes P-A-C são segmentos do Suporte Básico de Vida e estas medidas são essenciais na manutenção da vida da vítima ou paciente. Embora que C: circulation (circulação adequada) deve sempre ser determinada, se na palpação do pulso em 10 segundos e ele não estiver presente deveremos imediatamente iniciar as compressões toráxicas externas. A seguir no Quadro 3. Os algoritmos das Situações de Emergências Médicas. Referências bibliográficas 1. TB Fast, MD Martin, and TM Ellis Emergency preparedness: a survey of dental practitioners J Am Dent Assoc 1986; 112: SF Malamed. Managing medical emergencies - J Am Dent Assoc 1993; 124: Beckeret Linda et al, Cardiac Arrest in Medical and Dental Practices Implications for Automated External Defibrillators - Arch Intern Med vol161, June 25, Office emergencies and emergency kits: J Am Dent Assoc-Ada Counsil on Scientific Affairs ; 133; Boorin MR, Anxiety. Its manifestation and role in the dental patient; Dent Clin North Am Jul; 39(3): S.W.Parry and R.A. Kenny; The Management of vasovagal syncope, QJ Med 199; Matsuura H, Analysis of Systemic Complicatons and Deaths During Dental Treatment in Japan - Anesth Prog 36: Margrethe Vika et al; Fear of blood, injury, and injections, and its relationship to dental anxiety and probability of avoiding dental treatment among 18-year-olds in Norway, International Journal of Paediatric Dentistry. 18(3): , May McCarthy, M Frank, Medical Emergencies in Dentistry, 1982, Philadelphia, W.B.Sauders Company- 10. Malamed SF, Emergency medicine: beyond the basics, 1997;128; J Am Dent Assoc JADA Figura 6 - Crianças menores de 1 ano - verificar o pulso Braquial, na parte superior interna do braço 11. Peter Safar, M.D, Resuscitation in the Dental Office, Presented before the Sixth Annual Meeting, American Dental Society of Anesthesiology, Inc., New York, September 13, Part 3: Overview of CPR, full/112/24_suppl/iv-12 located on the World Wide Web at: The online version of this article, along with updated information and services, visitado em Malamed, S.F. Medical Emergencies in Dental Office-6th Edition- -Mosby Acute upper airway obstruction-med Line plus- visitado em Quadro 3 Dr. Francisco Barata Ribeiro Professor de Anestesia e Sedação; Capacitado em Sedação Inalatória - University of Birmingham AL; Capacitado em Sedação Enteral e Parenteral - University of Southern Califórnia; Máster Level Colege of Sedation American Society of Dental Anesthesiology APCD SAÚDE jul ago set

10 Implantes Expansão da largura óssea de rebordo associada ao uso de Straumann BoneCeramic Um dos principais fatores que podem impedir a colocação de implantes em uma reabilitação oral é a falta de espessura óssea, que ocorre com freqüência em regiões edêntulas de rebordos maxilares. Técnicas cirúrgicas invasivas como o uso de enxerto em bloco, embora sejam eficientes em casos de extrema reabsorção óssea, incluem a coleta de osso autógeno, e podem acarretar dor pós-operatória, lesão em nervos ou artérias, e infecção 1,2. Artigos atuais sobre expansão óssea têm descrito uma técnica nova, que é realizada de maneira atraumática, com o uso de um kit de expansores parafusados 3,4. Os parafusos são de diâmetros crescentes e apresentam um formato cônico, e são utilizados após a perfuração feita por uma broca de 2mm de diâmetro. Assim, ao invés de continuar com as outras brocas de diâmetros maiores do kit cirúrgico, procede-se com o uso dos parafusos expansores, que são rosqueados de maneira delicada, expandindo assim a região da perfuração, onde será colocado o implante. Enxertos de biomateriais particulados, como o Straumann BoneCeramic, podem auxiliar o procedimento quando a tábua vestibular se encontra frágil após a expansão 4. Caso clínico - A paciente A.L.P.C., sexo feminino, 67 anos, se apresentou à clínica para tratamento reabilitador da região anterior da maxila. A queixa principal era de insatisfação com uma prótese fixa anterior de 3 elementos (11, 21 e 22) que acabara de fraturar. Com o planejamento do caso, foi definido que seriam colocados dois implantes para reabilitar a região correspondente aos elementos 21 e 22. Na tomografia computadorizada, foi detectada uma largura óssea de 3,5mm na região do dente 21, correspondente ao pôntico da antiga prótese fixa. Já o dente 22, precisava ser extraído e seria substituído por um implante imediato. Assim, foram escolhidos dois implantes de 3,8mm Figura 2 Figura 1 Figura 3 10 APCD SAÚDE jul ago set 2010

11 de diâmetro (XiVE, Dentsply-Friadent, Alemanha), de modo que passou a ser requerido, na região do elemento 21, um aumento da largura óssea, que foi realizado com um kit de parafusos expansores (Microdent, Espanha) após a perfuração do rebordo, feita com uma broca cilíndrica de 2mm. Após a expansão óssea do rebordo (Figuras 1 e 2), os implantes foram colocados, porém deixando a tábua vestibular levemente fragilizada e com uma trinca vertical na região do elemento 21 (Figura 3). Para terminar a correção de volume ósseo, foi utilizado o biomaterial composto de fosfato de cálcio bifásico Straumann BoneCeramic (Instituto Straumann AG, Basel, Suíça) (Figura 4), preenchendo os defeitos ósseos, e recuperando o volume tecidual do rebordo (Figura 5). Seis meses após a cirurgia, com os implantes já osseointegrados e com o tecido mole periimplantar apresentando boas condições, procedeu-se com a confecção das coroas de metalocerâmica planejadas para reabilitar o paciente. A técnica de expansão óssea atraumática, combinada com o uso de Straumann BoneCeramic, se mostrou um eficiente método para aumentar a largura e restaurar o volume do rebordo maxilar. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Garg AK, Morales MJ, Navarro I, et al. Autogenous mandibular bone grafts in the treatment of the resorbed maxillary anterior alveolar ridge: Rationale and approach. Implant Dent. 1998;7: Li J, Wang HL. Common implant- related advanced bone grafting complications: classification, etiology, and management. Im- plant Dent. 2008;17: Siddiqui AA, Sosovicka M. Lateral bone condensing and expansion for place- ment of endosseous dental implants: A new technique. J Oral Implantol. 2006;32: Cortes ARG, Cortes DN. Nontraumatic bone expansion for immediate dental implant placement: An analysis of 21 cases. Implant Dent. 2010;19:92-7 Figura 4 Dr. Arthur R. G. Cortes Implantodontista; Mestre em Patologia Bucal Figura 5 APCD SAÚDE jul ago set

12 Enxerto ósseo Utilização do β-fosfato Tricálcio no preenchimento da cavidade do seio maxilar para devolução de sua morfologia Quando ocorre a perda de dentes em região posterior de maxila, há uma reabsorção fisiológica do tecido ósseo. A enxertia óssea para devolução da morfologia original é uma alternativa dentro do planejamento da reabilitação. O osso autógeno é considerado o padrão ouro das técnicas de reconstrução óssea, pois tem grande potencial osteogênico, osteoindutor e osteocondutor. Entretanto, há de se considerar inúmeros fatores antes de decidir qual técnica utilizar. No padrão ouro há, principalmente, maior morbidade devido à necessidade de duas áreas cirúrgicas (doadora e receptora), maior tempo operatório e limitação quanto à disponibilidade óssea. Atualmente o procedimento de levantamento do assoalho de seio maxilar com enxertos ósseos e com posterior instalação dos implantes osseointegráveis pode ser considerado um procedimento seguro e com resultados cada vez mais previsíveis, dependendo do tipo de biomaterial utilizado. A pesquisa constante em busca do melhor material de enxertia óssea que possa substituir o osso autógeno traz, a cada dia, novas alternativas para os profissionais. Hoje, há uma opção de biomaterial sintético composto de β-fosfato Tricálcio (β-tcp) que, quando comparado ao enxerto autógeno, apresenta algumas vantagens: - redução do tempo cirúrgico, - menor morbidade, - quantidade ilimitada, - menor risco de lesões vasculares e nervosas. O biomaterial β-tcp possui características que indicam a sua utilização em enxertos ósseos: - osteocondução, - interconectividade com multiporos, - porosidade, - estabilidade no preenchimento, - reabsorção completa em menor tempo, quando comparado à hidroxiapatita. No caso ilustrado, a paciente I.M.P., 69 anos, gênero feminino, apresentava pneumatização do seio maxilar direito com conseqüente perda óssea local (Fig. 1). O primeiro momento cirúrgico foi planejado para a enxertia óssea com β-tcp (Cerasorb ). Após todos os procedimentos de antissepsia e anestesia, o acesso local foi feito via parede anterior de seio maxilar através de incisão em crista com relaxante. A osteotomia foi realizada com fresas diamantadas esféricas em peça de mão com irrigação abundante, seguida pelo descolamento da membrana sinusal e preenchimento da loja com o biomaterial (Fig. 3). Por fim, foi realizada síntese utilizando fio de seda 4-0. A paciente foi orientada quanto à medicação e aos cuidados pós operatórios. O segundo momento cirúrgico, seis meses após o primeiro, foi para a instalação cirúrgica dos implantes BIOMET 3i Osseotite hexágono externo (HE), cônicos de 4x13mm (região do 14), 4x11,5mm (região do 15) e 4x10mm (região do 16) (Fig. 4). Após três meses foi realizada a reabertura e posteriormente à reparação tecidual foi confeccionada a prótese metalo-cerâmica parafusada sobre os implantes (Fig 6). Portanto, a utilização do biomaterial sintético β-tcp dá condição ao organismo para a neoformação óssea na região com densidade e quantidade adequada e possibilita a instalação de implantes osseointegráveis de forma previsível e segura, tanto ao profissional, quanto ao paciente. Figura 1 - região: 1 quadrante. Radiografia inicial Figura 2 - β-tcp + sangue Figura 3 - Colocação do enxerto 12 APCD SAÚDE jul ago set 2010

13 Figura 4 - Instalação dos implantes Biomet 3i seis meses após o enxerto Figura 5 - Radiografia com os implantes nove meses após o enxerto Referências bibliográficas 1. CLAVERO J.; LUNDGREN S. Ramus or chin grafts for maxillary sinus inlay and local onlay augmentation: comparison of donor site morbidity and complications. Clin. Implant. Dent. Relat. Res., Hamilton, v.5, n.3, p , DRISKELL TD.; HASSLER CR.; MCCOY LR. The significance of resorbable bioceramics in the report of bone defects. 26th Annu. Cons. Eng. Med. Biom., p , MISCH CM et al. Reconstruction of maxillary alveolar defects with mandibular symphysis grafts for dental implants: a preliminary procedural report. Int. J. Oral Maxillofac. Implants., v. 7, p , PETERS F.; REIF D. Funcional material for bone regeneration from Beta-Tricalcium phosphate. Mat-wiss. U. Werkstofftech, n.4, p , SIMUNEK A. et al. Deproteinized bovine bone versus β-tcp in sinus augmentation surgery: a comparative histologic and histomorphometric study. Int. J. Oral Maxillofac. Implants, v.23, p , SUBA Z et al. Maxillary sinus floor grafting with β-tricalcium Phosphate in humans: density and micro architecture of the newly formed bone. Clin. Oral Impl. Res., v. 17, p , ZIJDERVELD SA. et al. Maxillary sinus floor augmentation usin a β-tricalcium Phosphate (Cerasorb) alone compared to autogenous bone grafts. Int. Oral Maxillofac. Implants, v.20, p , Figura 6 - Prótese instalada Dr. Odair Borghi Mestre em Implantodontia; Especialista em Implantodontia e Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais; Coordenador do curso de Atualização em Implantodontia da APCD Jd. Paulista; Professor do curso de Especialização do Centro de Treinamento Biomet 3i Figura 7-24 meses após o enxerto Dr. Ricardo Ramalho Vecchiatti Especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco- -Maxilo-Faciais; Mestrando em Implantodontia; Professor do curso de Atualização em Implantodontia da APCD Jd. Paulista APCD SAÚDE jul ago set

14 Parestesia Utilização do Laser de Baixa Potência no tratamento da parestesia pós exodontia de terceiros molares inferiores A parestesia é a deficiência neurosensorial de maior ocorrência e consiste em sensações desagradáveis, anormais e espontâneas onde não há a total perda de sensibilidade. Podem ser permanentes traduzindo em irritação de nervos periféricos sensitivos. Costumam se traduzir principalmente por formigamento 1, 2, 3. Também são descritas como sensações estranhas. Sendo reconhecidas por qualquer pessoa que já recebeu uma injeção de anestésico local em tratamentos odontológicos. Quando não persistem, as parestesias podem não indicar uma lesão neurológica, mas já quando persistentes, indicam anormalidade das vias sensoriais. Na odontologia, a parestesia manifesta-se, na maioria das vezes, pelos nervos alveolar inferior, mentoniano e lingual e é decorrente de fatores locais e sistêmicos. Dos fatores locais podemos incluir: fraturas mandibulares, lesões compressivas (neoplasias benignas e malignas e cistos), dentes impactados, infecções locais, lesões iatrogênicas (após tratamento endodôntico, exodontias e bloqueios anestésicos), cirurgias de implantes e de finalidade ortodôntica e as pré-protéticas. Dos fatores sistêmicos podemos citar: doenças degenerativas, infecções virais, desordens metabólicas e algumas reações medicamentosas 4, 5, 6. Diversos tipos de tratamento têm sido propostos como a administração de medicação sistêmica, fisioterapia local, estimulação elétrica, cirurgia para reparação nervosa, aplicação de laser de baixa potência e outras terapêuticas como homeopatia e acupuntura, sendo que o prognóstico de recuperação varia consideravelmente de acordo com o grau de injúria. O uso de lasers de baixa potência (LILT Low Intensity Laser Therapy) tem sido citado na literatura, nas áreas odontológica apresentando efeito biomodulador e indicado nos casos de sintomatologia dolorosa, e reparo tecidual. A irradiação por laser de baixa potência no trajeto da inervação afetada demonstrou ser eficiente quanto à melhora sensorial sendo vantajosa por não ser dolorosa nem traumática promovendo maior conforto ao paciente. Alguns efeitos da terapia com os lasers de baixa potência em nível celular já estão bem estabelecidos como a estimulação da atividade mitocondrial, estimulação da síntese de DNA e RNA, variação do ph intra e extracelular, aceleração do metabolismo, e aumento da produção protéica e modulação da atividade enzimática. Quando a célula tem a sua função debilitada esses efeitos são bastante evidentes. Estudos mostram que a terapia com luz laser de baixa potência tem efeitos mais pronunciados sobre órgãos ou tecidos enfraquecidos, ou seja, em estresse. Os efeitos da irradiação com laser de baixa potência na regeneração nervosa pode acontecer pela ação direta em diferentes componentes celulares e extracelulares assim como uma ação indireta nos tecidos inervados pelas fibras nervosas que estão em reparação 7. Referências bibliográficas 1. MACHADO, A. V. Neuroanatomia Funcional. 2 ed. Ed. Atheneu: Guanabara Koogan: Rio de Janeiro, ROWLAND, L. P. Merritt. Tratado de Neurologia, 9 ed. Ed. Guanabara Koogan:Rio de Janeiro, SANVITO, W. L. Propedêutica Neurológica Básica. 6 ed. Ed. Atheneu: São Paulo, PRADO, M.M.B. Estudo sobre a parestesia do nervo alveolar inferior pós cirurgia de terceiros molares inferiores [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da USP; AKAL, U.K., SAYAN, N.B., AYDOGAN, S., YAMAN, Z. Evaluation of the neurosensory deficiencies of oral and maxillofacial region following surgery. Int J Oral Maxillofac Surg; v.29, p.331-6, GIULIANI, M., LAJOLO, C., DELI, G., SILVERI, C. Inferior alveolar nerve paresthesia caused by endodontic pathosis: A case report and review of the literature. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod, v.92, p.670-4, ANDERS, J.J.; GEUNA, S.; ROCHKIND, S. Phototherapy promotes regeneration and functional recovery of injured peripheral nerve. Neurol Res, v.26, p , Dr. Edgar Kazuyoshi Nakajima Cirurgião-dentista; Graduado pela Faculdade de Odontologia da USP; Mestre em Lasers em Odontologia IPEN/FOUSP; Professor do Mestrado em Lasers em Odontologia IPEN/FOUSP 14 APCD SAÚDE jul ago set 2010

T!"!#$!#$%&'()#(*#$&$+,!-##)!'*)#$,&.*/)!'*"!#0$12%#$

T!!#$!#$%&'()#(*#$&$+,!-##)!'*)#$,&.*/)!'*!#0$12%#$ 2 APCD SAÚDE JUL AGO SET 2010 PROCEDIMENTOS Emergências médicas em ambiente odontológico T!"!#$!#$%&'()#(*#$&$+,!-##)!'*)#$,&.*/)!'*"!#0$12%#$ e pessoal de escritório, devem estar preparados para situações

Leia mais

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso 43 44 7 47 8 9 Claudio Ferreira NóIA*de OlIveIRA**NóIA*** Rafael Ortega lopes****mazzonetto*****

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO

IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO * - Graduando em odontologia na Universidade Cidade de São Paulo ** - Graduando em odontologia na Universidade Cidade de São Paulo ***

Leia mais

Centro Av. Frei Pacífico Wagner,653 11660 903 Caraguatatuba SP T F 55 12 3897 2000

Centro Av. Frei Pacífico Wagner,653 11660 903 Caraguatatuba SP T F 55 12 3897 2000 Nome Curso: IMPLANTE. Implantando idéias, um curso diferente. Curso de extensão Universitária Natureza: Teórico prático Data do inicio do curso: 27 de agosto de 2010 Local: Clinica Universitário Módulo

Leia mais

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas Bruno Salles Sotto Maior 1 Henrique Furlani Sotto Maior 2 Rodrigo Guerra de Oliveira 3

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração?

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Hugo Nary Filho responde O tratamento do edentulismo maxilar, com a utilização de implantes osseointegráveis, vem experimentando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante Carga ou Função Imediata sobre Implantes Perda do elemento dental Coágulo O início Degradação ação da cortical alveolar periodontal Regeneração óssea Tratamento Prótese fixa convencional => sem estímulo

Leia mais

Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2

Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2 Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2 Francisco Barata Ribeiro: Professor de Anestesia & Sedação; Capacitado em Sedação Oral e Parental University

Leia mais

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica.

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. Fábio Gonçalves 1 Resumo O objetivo deste estudo é apresentar um caso clínico

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO Data: 19 a 23 de agosto de 2013. PROFESSORES Prof. Dr. Júlio César Joly Especialista em Periodontia CFO Mestre e Doutor em Clínica

Leia mais

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Maio/Junho 2010 Caso Clínico Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Di Alberti L, Donnini F, Camerino M, Di Alberti C, Rossi G, Perfetti G, Dolci M, Trisi P do Department of

Leia mais

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES Dr. Dario Adolfi Dr. Gustavo Javier Vernazza Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Data: 20 a 24 de setembro de 2010 PROGRAMA DO CURSO PRIMERO DIA Dr. Gustavo

Leia mais

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina ODT 7121 - Cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial I Departamento

Leia mais

Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais

Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais Retrospective study of 59 patients treated with intraoral autogenous bone graft and dental implants

Leia mais

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function Ponto de Contato Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function José Norberto Garcia Nesello* Manoel Martin Junior** Carlos Marcelo

Leia mais

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós-

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós- FOUSP Avaliação da precisão da tomografia computadorizada por feixe cônico (cone beam) como método de medição do volume ósseo vestibular em implantes dentários Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO ORAL E ESTÉTICA PERIIMPLANTAR

CURSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO ORAL E ESTÉTICA PERIIMPLANTAR CURSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO ORAL E ESTÉTICA PERIIMPLANTAR 2012 2013 INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Rose Cabral Telemóvel 935 014 972 e-mail: rose.cabral@signovinces.com.br Daniele Siqueira Telefones:

Leia mais

Cursos APCD Saúde. Valor: 12x R$ 380,00 (sócio efetivo) 12x R$ 190,00 (sócio recém-formado)

Cursos APCD Saúde. Valor: 12x R$ 380,00 (sócio efetivo) 12x R$ 190,00 (sócio recém-formado) Cursos APCD Saúde Cursos APCD Saúde 2012 1º SEMESTRE Curso de Atualização em Prótese Dentária Início: 10 de fevereiro de 2012 Dia da semana: sextas-feiras Horário: 18h às 22h Carga Horária: 144 horas/aula

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina 36 Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina Horizontal augmentation of anterior maxillary alveolar ridge using bovine bone graft Célia Maria Braga 1 Juliana de

Leia mais

Não percam! 2º Exposição Amigos da Arte e Bazar Beneficente Pró Amparo Maternal

Não percam! 2º Exposição Amigos da Arte e Bazar Beneficente Pró Amparo Maternal a a APCD Regional Saúde: Rua Rondinha, 54 CEP: 04140-010 São Paulo-SP Tels: (11) 5078-7960, de 2 a 6 das 9h às 18h e-mail: apcd_reg.saude@terra.com.br REVISTA REGIONAL SAÚDE www.apcd-saude.org.br Não percam!

Leia mais

Implantes Dentários Osseointegrados - Extensão em Implantodontia -Fase Cirúrgica

Implantes Dentários Osseointegrados - Extensão em Implantodontia -Fase Cirúrgica Implantes Dentários Osseointegrados - Extensão em Implantodontia -Fase Cirúrgica SIEXBRASIL: 17707 Área Temática Principal: Saúde Área Temática Secundária: Atenção à saúde e qualidade de vida das pessoas.

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág. CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: CLÍNICA INTEGRADA II Código: ODO-031 Pré-requisito: Clínica

Leia mais

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA?

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? 1 O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? A descoberta da Osseointegração pelo professor Brånemark, na década de 50, revolucionou a reabilitação dos pacientes com ausências dentárias, com a utilização dos

Leia mais

Análise da área doadora de enxerto mandibular por meio de tomografia computadorizada do feixe cônico para avaliação da remodelação óssea 1

Análise da área doadora de enxerto mandibular por meio de tomografia computadorizada do feixe cônico para avaliação da remodelação óssea 1 ORIGINAL ORIGINAL Análise da área doadora de enxerto mandibular por meio de tomografia computadorizada do feixe cônico para avaliação da remodelação óssea 1 Analysis of donor sites for mandibular bone

Leia mais

Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila

Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila Implantologia Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila A reabilitação total da arcada superior dentária constitui um desafio à escala das possibilidades

Leia mais

Catálogo de. Produtos

Catálogo de. Produtos Catálogo de Produtos Índice Introdução 5 Implantes Auto-Rosqueável Inserção Direta ID Auto-Rosqueável Standard STD Auto-Rosqueável Cônico HI Expansor Ósseo Wedge Mini-Implante Ortodôntico Ancodent Provisório

Leia mais

Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos

Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos lveolar reconstruction with autogenous bone graft and titanium micromesh: analysis of 16 cases Rafael Ortega-Lopes*

Leia mais

Instruções de Uso TCP DENTAL HP

Instruções de Uso TCP DENTAL HP Visando a praticidade e facilidade ao acesso às instruções de uso, a Ortech Medical está disponibilizando os documentos para download no site: www.ortechmedical.com.br. IMPORTANTE: Para baixar as instruções

Leia mais

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO Amanda Roberta Barbosa Juliasse Da Silva ¹ Márcio Baltazar Conz ² Diferentes biomateriais têm

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

CC oliveira+1.qxp 27/6/12 13:13 Página 48. Displasia ectodérmica hipohidrótica: relato de um caso clínico

CC oliveira+1.qxp 27/6/12 13:13 Página 48. Displasia ectodérmica hipohidrótica: relato de um caso clínico CC oliveira+1.qxp 27/6/12 13:13 Página 48 Displasia ectodérmica hipohidrótica: relato de um caso clínico 48 CC oliveira+1.qxp 27/6/12 13:13 Página 49 Introdução A displasia ectodérmica (ED) é um grupo

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

JERÔNIMO MARTINS DA SILVA NETO. TRATAMENTO DE MAXILA ATRÓFICA COM OVERDENTURE BARRA CLIPE: relato de caso clínico

JERÔNIMO MARTINS DA SILVA NETO. TRATAMENTO DE MAXILA ATRÓFICA COM OVERDENTURE BARRA CLIPE: relato de caso clínico JERÔNIMO MARTINS DA SILVA NETO TRATAMENTO DE MAXILA ATRÓFICA COM OVERDENTURE BARRA CLIPE: relato de caso clínico Goiânia 2013 JERÔNIMO MARTINS DA SILVA NETO TRATAMENTO DE MAXILA ATRÓFICA COM OVERDENTURE

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

DIVISÂO DE ENSINO E PESQUISA. Especialização em Cirurgia e Traumatologia Buco- Maxilo- Facial na Modalidade de Residência.

DIVISÂO DE ENSINO E PESQUISA. Especialização em Cirurgia e Traumatologia Buco- Maxilo- Facial na Modalidade de Residência. HOSPITAL FEDERAL DOS SERVIDORES DO ESTADO DIVISÂO DE ENSINO E PESQUISA. SERVIÇO DE CIRURGIA ORAL E MAXILOFACIAL EDITAL PARA O CONCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIRURGIA BUCO- MAXILO- FACIAL NA MODALIDADE DE

Leia mais

ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO RIO DE JANEIRO. CLIVO.

ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO RIO DE JANEIRO. CLIVO. ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO RIO DE JANEIRO. CLIVO. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA. A IMPLANTE E PROVISÓRIO IMEDIATO RELATO DE CASO CLÍNICO CORDENADOR: DR. SERGIO MOTTA. ALUNO: DR. FABIO CAMILO.

Leia mais

Ciência e prática. Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral

Ciência e prática. Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral 36 MAXILLARIS OUTUBRO 2015 Ciência e prática : Margarida Malta Médica dentista. Licenciada no Instituto Superior de Ciencias da Saúde

Leia mais

Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados

Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados Frederico dos Reis Goyatá 1 Universidade Severino Sombra, curso de Odontologia, Professor de Dentística,

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Enxerto. odontologia na vida de Déborah Ascenção IMPRESSO. Reintervenção endodôntica fragmentos metálicos. iatrogenia em Ortodontia como evitar?

Enxerto. odontologia na vida de Déborah Ascenção IMPRESSO. Reintervenção endodôntica fragmentos metálicos. iatrogenia em Ortodontia como evitar? iatrogenia em Ortodontia como evitar? Reintervenção endodôntica fragmentos metálicos Enxerto banco de ossos www.apcd-saude.org.br Rua Rondinha, 54 - C. Inglesa São Paulo - SP - CEP 04140-010 Janeiro Fevereiro

Leia mais

Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico

Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico Artigo Técnico Implantologia Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico José Ferreira Médico dentista Prática clínica em Implantologia Aluno

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

Há mais de 30 anos semeando sorrisos no Brasil e, agora, no mundo todo.

Há mais de 30 anos semeando sorrisos no Brasil e, agora, no mundo todo. Há mais de 30 anos semeando sorrisos no Brasil e, agora, no mundo todo. A Dentoflex vai ainda mais longe A Dentoflex está no mercado odontológico há mais de 30 anos e não para de se reiventar. Para ser

Leia mais

Palavras-Chave: enxerto autógeno, tórus mandibular, implante.

Palavras-Chave: enxerto autógeno, tórus mandibular, implante. ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO DE TÓRUS MANDIBULAR. DESCRIÇÃO DE CASO DE RECONSTRUÇÃO DE MAXILA E INSTALAÇÃO IMEDIATA DE UM IMPLANTE COLOCADO EM FUNÇÃO IMEDIATA AUTOGRAFT OF MANDIBULAR TORUS. DESCRIPTION FOR RECONSTRUCTION

Leia mais

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Juliana Marotti 1, Pedro Tortamano Neto 2, Dieter Weingart 3 1 Doutoranda do Departamento de Prótese da Faculdade de Odontologia da USP,

Leia mais

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. Aldous Huxley EMERGÊNCIA Éuma situação crítica, acontecimento perigoso ou dificuldade

Leia mais

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Buco Maxilo Facial Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Sistema de Buco Maxilo Facial Os princípios biomecânicos da osteossíntese com placas aplicável a mandíbula culminou

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

O ingresso no Programa de Mestrado é feito por meio do exame de seleção, que consta de:

O ingresso no Programa de Mestrado é feito por meio do exame de seleção, que consta de: EDITAL DE SELEÇÃO 002/2016 Estarão abertas, a partir do dia 04 de março de 2016, as inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas nas Áreas de Concentração

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

REVISÃO SISTEMÁTICA DA PERDA ÓSSEA AO REDOR DE IMPLANTES EM PRÓTESES MÚLTIPLAS E UNITÁRIAS

REVISÃO SISTEMÁTICA DA PERDA ÓSSEA AO REDOR DE IMPLANTES EM PRÓTESES MÚLTIPLAS E UNITÁRIAS REVISÃO SISTEMÁTICA DA PERDA ÓSSEA AO REDOR DE IMPLANTES EM PRÓTESES MÚLTIPLAS E UNITÁRIAS Marcela Melo Dos Santos ¹ Guaracilei Maciel Vidigal Júnior ² Na implantologia oral, as complicações mais comuns

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P 41 Coluna de Prótese Utilização de prótese parcial acrílica overlay para diagnóstico da dvo prévia a reabilitação estética Gil Montenegro 1 Weider Oliveira Silva 2 Tarcísio Pinto 3 Rames Abraão Basilio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

Biomateriais. Catálogo. Biomateriais. Excelência e Evolução

Biomateriais. Catálogo. Biomateriais. Excelência e Evolução Biomateriais Excelência e Evolução Catálogo Biomateriais Empresa Linha de Produtos Inovação com qualidade A Bionnovation é uma empresa brasileira especializada na fabricação de biomateriais, que oferece

Leia mais

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO 1 IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS PORQUE PODEM SER COLOCADOS QUANDO PODEM SER COLOCADOS COMO

Leia mais

CARGA IMEDIATA relato de caso clínico

CARGA IMEDIATA relato de caso clínico CARGA IMEDIATA relato de caso clínico Bruno Salles Sotto Maior 1 Bruno Feital Fusaro 2 Cláudia Cabrini 3 Leonardo Picinini 4 Rodrigo Guerra de Oliveira 5 Resumo A instalação de implantes com cargas imediata

Leia mais

Cicatrização de áreas doadoras de enxerto: observações clínicas

Cicatrização de áreas doadoras de enxerto: observações clínicas Artigo Inédito Cicatrização de áreas doadoras de enxerto: observações clínicas Rogério Gonçalves Velasco*, Pedro Velasco Dias**, Leandro Gonçalves Velasco***, Cecilia da Rocha Brito**** Palavras-chave

Leia mais

TREINO TEÓRICO E CLÍNICO: EXCELÊNCIA EM IMPLANTOLOGIA PORTUGAL E BRASIL. CREDENCIAMENTO DE 3ª TURMA

TREINO TEÓRICO E CLÍNICO: EXCELÊNCIA EM IMPLANTOLOGIA PORTUGAL E BRASIL. CREDENCIAMENTO DE 3ª TURMA TREINO TEÓRICO E CLÍNICO: EXCELÊNCIA EM IMPLANTOLOGIA PORTUGAL E BRASIL. CREDENCIAMENTO DE 3ª TURMA COORDENAÇÃO CIENTÍFICA Prof. Dr. Eduardo Januzzi ( Brasil ) Doutorado em Saúde Baseada em Evidências

Leia mais

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45 SMILt Tabela de Preços/Descontos Designação Público em geral Comunidade IPLeiria Consulta de Medicina Dentária Consulta de Medicina Dentária 50 45 Consulta de Urgência 50 45 Dentisteria e Estética Restauração

Leia mais

Os seus dentes, naturalmente. sãos. PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado

Os seus dentes, naturalmente. sãos. PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado Os seus dentes, naturalmente sãos PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado PRGF -Endoret O QUE É O PLASMA RICO EM FACTORES DE CRESCIMENTO? INVESTIGAÇÃO

Leia mais

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE Dr. Dario Adolfi Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Dr. Maurício Adolfi Data: 7 a 11 de outubro de 2013 OBJETIVOS: Saiba como planejar uma reabilitação total e mostrar ao paciente

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA RESOLUÇÃO CFO-160, DE 2 DE OUTUBRO DE 2015 Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. O presidente do Conselho Federal

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral. Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS

Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral. Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS Página propositalmente em branco Este foi o melhor investimento que fiz em toda

Leia mais

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011 Dental Clinic New Generaction www.newgeneraction.com.pt Os sócios, colaboradores e familiares do SIT, poderão usufruir do Plano de Medicina Oral - DentalClinic New Generaction, mediante o pagamento de

Leia mais

TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING

TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING AUTORES: MOTTA, Sergio. Coordenador dos Cursos de Aperfeiçoamento de

Leia mais

8º Curso de Aperfeiçoamento em Implantologia e Prótese sobre Implantes (2014)

8º Curso de Aperfeiçoamento em Implantologia e Prótese sobre Implantes (2014) 8º Curso de Aperfeiçoamento em Implantologia e Prótese sobre Implantes (2014) ESTA PÓS GRADUAÇÃO DESTINA-SE A TODOS OS MÉDICOS DENTISTAS QUE PRETENDAM INICIAR OU APROFUNDAR CONHECIMENTOS NA ÁREA DE REABILITAÇÃO

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2013-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2013-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Odontologia 2013-1 INCIDÊNCIA DE HIPERTROFIA DE CORNETOS NASAIS INFERIORES NUMA POPULAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral

Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral Resumo O Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral, com ênfase em cirurgia dos dentes retidos, tem como objetivo capacitar

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

PRÓTESE TOTAL INFERIOR IMPLANTO-SUPORTADA COM CARGA IMEDIATA

PRÓTESE TOTAL INFERIOR IMPLANTO-SUPORTADA COM CARGA IMEDIATA PRÓTESE TOTAL INFERIOR IMPLANTO-SUPORTADA COM CARGA IMEDIATA Bruno Feital Fusaro 1 Rodrigo Guerra de Oliveira 2 Bruno Salles Sotto Maior 3 Henrique Furlani Sotto Maior 4 Fabrício de Draper Vieira 5 Resumo

Leia mais

VITALIDADE E VOLUME ÓSSEO AO REDOR DOS IMPLANTES DENTÁRIOS. Straumann BoneCeramic

VITALIDADE E VOLUME ÓSSEO AO REDOR DOS IMPLANTES DENTÁRIOS. Straumann BoneCeramic VITALIDADE E VOLUME ÓSSEO AO REDOR DOS IMPLANTES DENTÁRIOS Straumann BoneCeramic A VITALIDADE QUE VOCÊ QUER AO REDOR DOS SEUS IMPLANTES RESTAURAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO VOLUME ÓSSEO PARA UM ÓTIMO RESULTADO

Leia mais

DOSSIER. Biomateriais. Recriar a Biologia. Texto: ANA ALBERNAZ. 28 www.saudeoral.pt

DOSSIER. Biomateriais. Recriar a Biologia. Texto: ANA ALBERNAZ. 28 www.saudeoral.pt Biomateriais Recriar a Biologia Texto: ANA ALBERNAZ 28 Mesmo em época de crise económica em que o investimento em Investigação e desenvolvimento abrandou, continuam a surgir novos diária e cujo valor é

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO

LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO PUC MINAS FAC. DE ODONTOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO - 2007 LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ESTOMATOLOGIA Profª. Franca Arenare Jeunon (Coordenadora) - Mestre Prof. Carlos Roberto Martins - Doutor

Leia mais

Dentição Convênios Odontológicos Tabela de Procedimentos Odontológicos Dentalprev - descrição e códigos TUSS

Dentição Convênios Odontológicos Tabela de Procedimentos Odontológicos Dentalprev - descrição e códigos TUSS Dentição Convênios Odontológicos Tabela de Procedimentos Odontológicos Dentalprev - descrição e códigos TUSS Nome Código Observações Cir.Traum.Buco-Max-Fac Aprofundamento/aumento de vestíbulo 82000190

Leia mais

Fascículo de Educação Continuada em Odontologia

Fascículo de Educação Continuada em Odontologia Fascículo de Educação Continuada em Odontologia Atendimento ao paciente politraumatizado Função imediata na reabilitação com implantes osseointegrados COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCO-MAXILO-FACIAL

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

MAXILLARY SINUS LIFT WITH AUTOGENOUS GRAFT WITH IMMEDIATE INSTALLATION OF DENTAL IMPLANTS SURGICAL CLINIC CASE REPORT

MAXILLARY SINUS LIFT WITH AUTOGENOUS GRAFT WITH IMMEDIATE INSTALLATION OF DENTAL IMPLANTS SURGICAL CLINIC CASE REPORT LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR COM ENXERTO AUTÓGENO E INSTALAÇÃO IMEDIATA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRÁVEIS MAXILLARY SINUS LIFT WITH AUTOGENOUS GRAFT WITH IMMEDIATE INSTALLATION OF DENTAL IMPLANTS SURGICAL

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO

CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO Equipe: Coordenador Geral: Prof. Dr. Rafael Pinelli Henriques Doutor pela FOB USP Bauru S.P. Diretor COPH Bauru Coordenadora Específica: Profa. Dra. Gabriela Gennaro Especialista

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Tratamento endodôntico em Gato Doméstico (Felis Catus): Relato de caso Jaime Sardá Aramburú Junior 1, Cristiano Gomes 2, Ney Luis Pippi 3, Paulo

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA KAREN DO AMARAL CARARD

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA KAREN DO AMARAL CARARD UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA KAREN DO AMARAL CARARD REVISÃO CRÍTICA DA LITERATURA SOBRE LONGEVIADE DE ENXERTOS ÓSSEOS NA MAXILA E NA MANDÍBULA

Leia mais

Planejamento Reverso e Cuidados Transoperatórios em Carga Imediata Inferior com Prótese Protocolo de Bränemark

Planejamento Reverso e Cuidados Transoperatórios em Carga Imediata Inferior com Prótese Protocolo de Bränemark Planejamento Reverso e Cuidados Transoperatórios em Carga Imediata Inferior com Prótese Protocolo de Bränemark AUTORES Prof. Dr. Cláudio Marcantonio Especialista em Implantodontia - SOLAIAT Especialista

Leia mais

Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE DE CIRURGIA BUCO MAXILAR III

Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE DE CIRURGIA BUCO MAXILAR III MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA, TRAUMATOLOGIA E PRÓTESE BUCO-MAXILO-FACIAIS Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

REABILITAÇÃO DA MUSCULATURA PERIORAL: GENGIVA ARTIFICIAL REMOVÍVEL

REABILITAÇÃO DA MUSCULATURA PERIORAL: GENGIVA ARTIFICIAL REMOVÍVEL 115 REABILITAÇÃO DA MUSCULATURA PERIORAL: GENGIVA ARTIFICIAL REMOVÍVEL Lydia de Brito Santos* Nélia de Medeiros Sampaio** Atlas Edson Moleros Nakamae*** RESUMO Prótese gengival, epítese gengival ou máscara

Leia mais