REGULAMENTO TECNICO 2012 CAMPEONATO PIRACICABANO DE ARRANCADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO TECNICO 2012 CAMPEONATO PIRACICABANO DE ARRANCADA"

Transcrição

1 FEDERAÇÃO PAULISTA DE AUTOMOBILISMO - FASP ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO - ECPA REGULAMENTO TECNICO 2012 CAMPEONATO PIRACICABANO DE ARRANCADA ADENDO No 2 Conforme norma do conselho técnico e desportivo nacional, sobre adendos, segue abaixo o adendo de número 02 a ser colocado em vigor: ADENDO AO REGULAMENTO GERAL Capítulo I Definição Art.01 No ano de 2012, será organizado o CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA, com a supervisão da FASP - Federação de Automobilismo de São Paulo, sendo composto por um regulamento geral, um regulamento desportivo e um regulamento técnico, ( composto de 18 categorias homologadas para o campeonato ECPA de Arrancada 2012), sendo detalhadas no item regulamento técnico. Capítulo III Provas Art. 01 As provas do Campeonato ECPA de Arrancada 2012, serão realizadas conforme calendário oficial, homologado junto a FASP.. Art. 02 As etapas do Campeonato ECPA de Arrancada 2012, serão compostas de 05 (cinco) baterias válidas para cada categoria, sendo 02 no dia de sábado e 03 no dia de domingo. Na quinta e última bateria válida, só terão direito a participar, os (10) dez melhores tempos de cada categoria, obtido nas 04 baterias do dia de sábado e de domingo. Quando houver mais de 150 carros inscritos as largadas serão da seguinte forma: 1ª largada c/ todos os competidores/ 2ª largada c/ todos os competidores/ 3ª largada c/ todos os competidores/ 4ª largada somente os 20 melhores de cada bateria/ 5ª largada somente os 10 melhores de cada bateria. 1

2 ACRESENTAR A ESCRITA AO CAPITULO III ART. 02 ESTE ITEM: c) A escolha do lado da pista nas baterias válidas será sempre alternada, sendo cada largada em um dos lados da pista, não podendo o piloto largar seguidamente no mesmo lado até a 4ª largada. Na Ultima bateria válida, ( 5ª largada ) a escolha de pista será feita pelo piloto que tiver o menor tempo entre todas as sua largadas Ex: largada entre 1º colocado e 5º colocado A preferência de escolha de pista será do 1º colocado ADENDO AO REGULAMENTO DESPORTIVO Capítulo III Inscrições Art.02 - Não será permitida a inscrição de mais de um piloto no mesmo veículo, no mesmo evento e na mesma categoria, sendo que se este já estiver feito uma inscrição não poderá utilizar este veiculo mesmo com outro piloto para inscrevê-lo novamente no evento. Preparadores ou mecânicos que estejam regularmente filiados à CBA poderão efetuar testes no veículo de competição. Estes testes somente serão autorizados em horário de treinos sendo que no ato da inscrição o preparador/mecânico deverá solicitar sua autorização e preencher uma ficha para este fim. O controle será feito através de pulseira específica, que será entregue no ato da inscrição. Somente um preparador/mecânico será admitido para cada veículo inscrito. Capítulo V Critérios para Pontuação / Premiação / Bonificação / Descarte Art. 05 Uma etapa será considerada válida se o piloto tiver realizado ao menos 1 (uma) largada limpa/válida nas baterias de tomadas de tempo oficiais. Será considerada uma largada limpa quando o piloto obtiver pelo menos a sua reação de largada para efeito de tempo. 2

3 ADENDO AO REGULAMENTO TÉCNICO Artigo I. #1 - CATEGORIA STANDARD - ST #1.13 RODAS E PNEUS: O índice de dureza mínimo admitido será 60. Os veículos podem passar por vistoria a qualquer momento para verificação deste índice. Proibido qualquer tipo de tratamento químico ou mecânico nos pneus, sendo que o veiculo que possuir estes será automaticamente desclassificado da prova. #1.20 SEGURANÇA: Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição, colar cervical (protetor de pescoço) e capacete homologado e válido. Obrigatória a substituição do banco do motorista por banco de competição, bem como o uso de cinto de segurança de no mínimo 4 (quatro) pontos de fixação com 3 (três polegadas) de largura. Obrigatória, para veículos que não possuam originalmente, a fixação de um gancho de reboque tipo anel As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos internos e externos. com borda vermelha, com diâmetro mínimo de 10 cm (dez centímetros) na parte interna e externa, localizado abaixo do vidro dianteiro do veículo. Obrigatório o uso de duas chaves gerais de corte, à prova de faísca, uma interna ao alcance do piloto e outra externa abaixo do vidro dianteiro. Estas chaves devem possibilitar o desligamento de todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc., devendo mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul com bordas brancas de no mínimo 12 cm (doze 3

4 Proibido o uso de películas de qualquer espécie nos vidros do veículo. Caso seja utilizada a faixa testeira no para-brisas do veículo, esta poderá ter no máximo 15 (quinze) É obrigatória a instalação de uma gaiola de segurança na parte interna do veículo, de modo a evitar uma deformação mais séria do habitáculo em caso de acidente ou capotamento, para os veículos que atingirem velocidade igual ou superior a 195 km/h ou o tempo abaixo dos 11,700 s, ao final dos 402 metros. Para pistas de 201 metros, fica estabelecida a velocidade igual ou superior a 160 km/h ou o tempo abaixo do 8,000 s. Esta gaiola deve ser revestida com espuma anti-chama nos pontos onde é possível o contato com o corpo do piloto. Nesta gaiola de segurança deve haver em cada cano de 38 mm (trinta e oito milímetros) um furo de 5 mm (cinco milímetros) para conferência da espessura mínima de 2 mm (dois milímetros) para aço carbono e 1,2 mm (um vírgula dois milímetros) para cromo molibdênio. Obrigatório o uso de paraquedas nos veículos que atingirem velocidade igual ou superior a 190 km/h em pistas de 402 metros ou 170 km/h em pistas de 201 metros. Os casos omissos neste regulamento serão decididos pelos Comissários Desportivos. #2 - CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO #2.10 SUSPENSÃO: ALTERAR A ESCRITA DE: Proibido o uso de camber plate, PARA: Liberado o uso de camber plate. #2.20 SEGURANÇA: Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição, colar cervical (protetor de pescoço) e capacete homologado e válido. Obrigatória a substituição do banco do motorista por banco de competição, bem como o uso de cinto de segurança de no mínimo 4 (quatro) pontos de fixação com 3 (três polegadas) de largura. Obrigatória, para veículos que não possuam originalmente, a fixação de um gancho de reboque tipo anel As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos e internos. com borda vermelha, com diâmetro mínimo de 10 cm (dez centímetros) na parte interna e externa, localizado abaixo do vidro dianteiro do veículo. 4

5 Obrigatório o uso de duas chaves gerais de corte, à prova de faísca, uma interna ao alcance do piloto e outra externa abaixo do vidro dianteiro. Estas chaves devem possibilitar o desligamento de todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc., devendo mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul com bordas brancas de no mínimo 12 cm (doze Proibido o uso de películas de qualquer espécie nos vidros do veículo. Caso seja utilizada a faixa testeira no para-brisas do veículo esta poderá ter no máximo 15 (quinze) É obrigatória a instalação de uma gaiola de segurança na parte interna do veículo, de modo a evitar uma deformação mais séria do habitáculo em caso de acidente ou capotamento, para os veículos que atingirem velocidade igual ou superior a 195 km/h ou o tempo abaixo dos 11,700 s, ao final dos 402 metros. Para pistas de 201 metros, fica estabelecida a velocidade igual ou superior a 160 km/h ou o tempo abaixo do 8,000 s. Esta gaiola deve ser revestida com espuma anti-chama nos pontos onde é possível o contato com o corpo do piloto. Nesta gaiola de segurança deve haver em cada cano de 38 mm (trinta e oito milímetros) um furo de 5 mm (cinco milímetros) para conferência da espessura mínima de 2 mm (dois milímetros) para aço carbono e 1,2 mm (um vírgula dois milímetros) para cromo molibdênio. Obrigatório o uso de paraquedas nos veículos que atingirem velocidade igual ou superior a 190 km/h em pistas de 402 metros ou 170 km/h em pistas de 201 metros. Os casos omissos neste regulamento serão decididos pelos Comissários Desportivos. #3 - CATEGORIA DIANTEIRA SUPER DS #3.4 MOTOR: Liberado o uso de blocos de Alumínio, desde que mantenha as mesmas características do original. #3.13 RODAS E PNEUS: Proibido o uso de pneus recapados, remoldados ou similares. Permitido o uso, nas rodas traseiras, de pneus do tipo Front Runners, com especificação para uso em competições, na medida de aro máxima de 15. Proibido o uso de pneus de motocicleta. Medida mínima pneu traseiro 185. #4.5 SISTEMA DE IGNIÇÃO: #4 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C DT-C Proibido o uso do sistema tipo roda fônica. Só serão aceito sistemas eletrônicos para captação de dados sobre o funcionamento do veiculo, não podendo ser ligado no modulo ou bobina de veiculo. 5

6 #4.8 ALIMENTAÇÃO: Proibido o uso de CO2 e Booster eletrônico de qualquer tipo. O uso de booster só será permitido desde que seja acionado manualmente, não podendo este ser acionado pela alavanca de cambio. #4.13 RODAS E PNEUS: O índice de dureza mínimo admitido será 60. Os veículos podem passar por vistoria a qualquer momento para verificação deste índice. Proibido qualquer tipo de tratamento químico ou mecânico nos pneus, sendo que o veiculo que possuir estes será automaticamente desclassificado da prova. #4.14 SISTEMA DE FREIO: Fica liberado o uso de sistema de line lock. # SEGURANÇA: Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas ou tênis de amarrar, luvas de competição, colar cervical (protetor de pescoço) e capacete homologado e válido. Obrigatória a substituição do banco do motorista por banco de competição homologado, e o uso de cinto de segurança homologado de no mínimo 4 (quatro) pontos de fixação. Obrigatória, para veículos que não possuam originalmente, a fixação de um gancho de reboque tipo anel com borda vermelha, com diâmetro mínimo de 10 cm (dez centímetros) na parte interna e externa, localizado abaixo do vidro dianteiro do veículo. Obrigatório o uso de duas chaves gerais de corte, à prova de faísca, uma interna ao alcance do piloto e outra externa abaixo do vidro dianteiro. Estas chaves devem possibilitar o desligamento de todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc., devendo mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul com bordas brancas de no mínimo 12 cm (doze As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos internos e externos. 6

7 É obrigatória a instalação de uma gaiola de segurança na parte interna do veículo, de modo a evitar uma deformação mais séria do habitáculo em caso de acidente ou capotamento, para os veículos que atingirem velocidade igual ou superior a 195 km/h ou o tempo abaixo dos 11,700 s, ao final dos 402 metros. Para pistas de 201 metros, fica estabelecida a velocidade igual ou superior a 160 km/h ou o tempo abaixo do 8,000 s. Esta gaiola deve ser revestida com espuma anti-chama nos pontos onde é possível o contato com o corpo do piloto. Nesta gaiola de segurança deve haver em cada cano de 38 mm (trinta e oito milímetros) um furo de 5 mm (cinco milímetros) para conferência da espessura mínima de 2 mm (dois milímetros) para aço carbono e 1,2 mm (um vírgula dois milímetros) para cromo molibdênio. Obrigatório o uso de paraquedas nos veículos que atingirem velocidade igual ou superior a 190 km/h em pistas de 402 metros ou 170 km/h em pistas de 201 metros. Proibido o uso de películas de qualquer espécie nos vidros do veículo. Caso seja utilizada a faixa testeira no para-brisas do veículo esta poderá ter no máximo 15 (quinze) Os casos omissos neste regulamento serão decididos pelos Comissários Desportivos. #5 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO B - DT-B #5.13 RODAS E PNEUS: O índice de dureza mínimo admitido será 60. Os veículos podem passar por vistoria a qualquer momento para verificação deste índice. Proibido qualquer tipo de tratamento químico ou mecânico nos pneus, sendo que o veiculo que possuir estes será automaticamente desclassificado da prova. # SEGURANÇA: Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição, colar cervical (protetor de pescoço) e capacete homologado e válido. Obrigatória a substituição do banco do motorista por banco de competição homologado, e o uso de cinto de segurança homologado de no mínimo 4 (quatro) pontos de fixação. Obrigatória, para veículos que não possuam originalmente, a fixação de um gancho de reboque tipo anel As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos internos e externos. 7

8 com borda vermelha, com diâmetro mínimo de 10 cm (dez centímetros) na parte interna e externa, localizado abaixo do vidro dianteiro do veículo. Obrigatório o uso de duas chaves gerais de corte, à prova de faísca, uma interna ao alcance do piloto e outra externa abaixo do vidro dianteiro. Estas chaves devem possibilitar o desligamento de todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc., devendo mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul com bordas brancas de no mínimo 12 cm (doze Proibido o uso de películas de qualquer espécie nos vidros do veículo. Caso seja utilizada a faixa testeira no para-brisas do veículo, esta poderá ter no máximo 15 (quinze) É obrigatória a instalação de uma gaiola de segurança (santo antônio) na parte interna do veículo, de modo a evitar uma deformação mais séria do habitáculo em caso de acidente ou capotamento, para os veículos que atingirem velocidade igual ou superior a 190 km/h ou o tempo abaixo dos 11,900 s, ao final dos 402 metros. Para pistas de 201 metros, fica estabelecida a velocidade igual ou superior a 155 km/h ou o tempo abaixo do 8,000 s. Esta gaiola deve ser revestida com espuma anti-chama nos pontos onde é possível o contato com o corpo do piloto. O santo antônio deve ter a cada cano de 38 mm (trinta e oito milímetros) um furo de 5 mm (cinco milímetros) para conferencia da espessura mínima de 2 mm (dois milímetros) para aço carbono e 1,2 mm (um vírgula dois milímetros) para cromo molibdênio. Fica liberado o uso de policarbonato em substituição ao vidro traseiro das pick-up s para possibilitar a colocação do quinto e sexto pontos de fixação do santo antônio. Obrigatório o uso de paraquedas nos veículos que atingirem velocidade igual ou superior a 190 km/h em pistas de 402 metros ou 170 km/h em pistas de 201 metros. Os casos omissos neste regulamento serão decididos pelos Comissários Deportivos. #6.4 MOTOR: # 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A Liberado o uso de blocos de Alumínio, desde que mantenha as mesmas características do original. #6.20 SEGURANÇA: Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição, protetor da coluna cervical (protetor de pescoço),capacete homologado e válido. Obrigatória a substituição do banco do motorista por banco de competição homologado, e o uso de cinto de segurança homologado de no mínimo 4 (quatro) pontos de fixação. 8

9 Obrigatória, para veículos que não possuam originalmente, a fixação de um gancho de reboque tipo anel As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos internos e externos. com borda vermelha, com diâmetro mínimo de 10 cm (dez centímetros) na parte interna e externa, localizado abaixo do vidro dianteiro do veículo. Obrigatório o uso de duas chaves gerais de corte, à prova de faísca, uma interna ao alcance do piloto e outra externa abaixo do vidro dianteiro. Estas chaves devem possibilitar o desligamento de todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc., devendo mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul com bordas brancas de no mínimo 12 cm (doze Proibido o uso de películas de qualquer espécie nos vidros do veículo. Caso seja utilizada a faixa testeira no para-brisas do veículo, esta poderá ter no máximo 15 (quinze) Obrigatória a instalação de santo antônio ou gaiola de segurança, de modo a evitar uma deformação mais séria do habitáculo em caso de acidente ou capotamento. Esta gaiola deve ser revestida com espuma anti-chama nos pontos onde é possível o contato com o corpo do piloto. O santo antônio deve ter a cada cano de 38 mm (trinta e oito milímetros) um furo de 5 mm (cinco milímetros) para conferencia da espessura mínima de 2 mm (dois milímetros) para aço carbono e 1,2 mm (um vírgula dois milímetros) para cromo molibdênio. Fica liberado o uso de policarbonato em substituição ao vidro traseiro das pick-up s para possibilitar a colocação do quinto e sexto pontos de fixação do santo antonio. Obrigatório o uso de paraquedas, que deverá ser acionado ao final de cada largada, tanto nos treinos como no decorrer das largadas oficiais. Os casos omissos neste regulamento serão decididos pelos Comissários Desportivos. #7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA - FLD #7.4 MOTOR: Liberado o uso de blocos de Alumínio, desde que mantenha as mesmas características do original. 9

10 # 8 - CATEGORIA TRASEIRA ORIGINAL TO #8.20 SEGURANÇA: Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição, protetor da coluna cervical (protetor de pescoço),capacete homologado e válido. Obrigatória a substituição do banco do motorista por banco de competição homologado, bem como o uso de cinto de segurança de no mínimo 4 (quatro) pontos de fixação e homologado. Obrigatória, para veículos que não possuam originalmente, a fixação de um gancho de reboque tipo anel As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos internos e externos. com borda vermelha, com diâmetro mínimo de 10 cm (dez centímetros) na parte interna e externa, localizado na chapa final traseira do veículo. Obrigatório o uso de duas chaves gerais de corte, à prova de faísca, uma interna ao alcance do piloto e outra externa na chapa final traseira do veículo. Estas chaves devem possibilitar o desligamento de todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc., devendo mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul com bordas brancas de no mínimo 12 cm (doze Proibido o uso de películas de qualquer espécie nos vidros do veículo. Caso seja utilizada a faixa testeira no para-brisas do veículo, esta poderá ter no máximo 15 (quinze) É obrigatória a instalação de uma gaiola de segurança na parte interna do veículo, de modo a evitar uma deformação mais séria do habitáculo em caso de acidente ou capotamento. Esta gaiola deve ser revestida com espuma anti-chama nos pontos onde é possível o contato com o corpo do piloto. Nesta gaiola de segurança deve haver em cada cano de 38 mm (trinta e oito milímetros) um furo de 5 mm (cinco milímetros) para conferência da espessura mínima de 2 mm (dois milímetros) para aço carbono e 1,2 mm (um vírgula dois milímetros) para cromo molibdênio. Obrigatório o uso de paraquedas, que deverá ser acionado ao final de cada largada, tanto nos treinos como no decorrer das largadas oficiais. Os casos omissos neste regulamento serão decididos pelos Comissários Desportivos 10

11 #11 - CATEGORIA FORÇA LIVRE TRAÇÃO TRASEIRA - FLT #11.4 MOTOR: Para veiculos que utlizem motor AP fica liberado o uso de blocos de Alumínio, desde que mantenha as mesmas características do original. #16 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA-STT #16.12 RODAS E PNEUS: O índice de dureza mínimo admitido será 60. Os veículos podem passar por vistoria a qualquer momento para verificação deste índice. Proibido qualquer tipo de tratamento químico ou mecânico nos pneus, sendo que o veiculo que possuir estes será automaticamente desclassificado da prova. #16.19 SEGURANÇA: Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição, colar cervical (protetor de pescoço) e capacete homologado e válido. Obrigatória a substituição do banco do motorista por banco de competição, bem como o uso de cinto de segurança de no mínimo 4 (quatro) pontos de fixação com 3 (três polegadas) de largura. Obrigatória, para veículos que não possuam originalmente, a fixação de um gancho de reboque tipo anel As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos internos e externos. com borda vermelha, com diâmetro mínimo de 10 cm (dez centímetros) na parte interna e externa, localizado abaixo do vidro dianteiro do veículo. Obrigatório o uso de duas chaves gerais de corte, à prova de faísca, uma interna ao alcance do piloto e outra externa abaixo do vidro dianteiro. Estas chaves devem possibilitar o desligamento de todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc., devendo 11

12 mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul com bordas brancas de no mínimo 12 cm (doze Proibido o uso de películas de qualquer espécie nos vidros do veículo. Caso seja utilizada a faixa testeira no para-brisas do veículo, esta poderá ter no máximo 15 (quinze) É obrigatória a instalação de uma gaiola de segurança na parte interna do veículo, de modo a evitar uma deformação mais séria do habitáculo em caso de acidente ou capotamento, para os veículos que atingirem velocidade igual ou superior a 195 km/h ou o tempo abaixo dos 11,700 s, ao final dos 402 metros. Para pistas de 201 metros, fica estabelecida a velocidade igual ou superior a 160 km/h ou o tempo abaixo do 8,000 s. Esta gaiola deve ser revestida com espuma anti-chama nos pontos onde é possível o contato com o corpo do piloto. Nesta gaiola de segurança deve haver em cada cano de 38 mm (trinta e oito milímetros) um furo de 5 mm (cinco milímetros) para conferência da espessura mínima de 2 mm (dois milímetros) para aço carbono e 1,2 mm (um vírgula dois milímetros) para cromo molibdênio. Obrigatório o uso de paraquedas nos veículos que atingirem velocidade igual ou superior a 190 km/h em pistas de 402 metros ou 170 km/h em pistas de 201 metros. Os casos omissos neste regulamento serão decididos pelos Comissários Desportivos. #17 ANEXO 1 - CATEGORIA DESAFIO 9,0 e 9,5 # RODAS E PNEUS: O índice de dureza mínimo admitido será 60. Os veículos podem passar por vistoria a qualquer momento para verificação deste índice. Proibido qualquer tipo de tratamento químico ou mecânico nos pneus, sendo que o veiculo que possuir estes será automaticamente desclassificado da prova. # CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÃO NESTA CATEGORIA NÃO SERÃO ACEITOS VEICULOS QUE NÃO SE ENQUADREM NO REGULAMENTO TÉCNICO O presente adendo GERAL, DESPORTIVO E TÈCNICO, foi elaborado pelo ECPA e homologado pelo presidente da FASP. PIRACICABA SP, 23 de março de 2012 ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO - ECPA FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO - FASP 12

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA PRO DRAG PDRAG 5.5, PDRAG 6.3, PDRAG 7.3 Subdivisões 5.5, 6.3 e 7.3 segundos

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA PRO DRAG PDRAG 5.5, PDRAG 6.3, PDRAG 7.3 Subdivisões 5.5, 6.3 e 7.3 segundos REGULAMENTO TÉCNICO 2017 17- CATEGORIA PRO DRAG PDRAG 5.5, PDRAG 6.3, PDRAG 7.3 Subdivisões 5.5, 6.3 e 7.3 segundos Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE DRIFT CAMPEONATO BRASILEIRO DE DRIFT 2015 REGULAMENTO TÉCNICO GERAL

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE DRIFT CAMPEONATO BRASILEIRO DE DRIFT 2015 REGULAMENTO TÉCNICO GERAL 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE DRIFT CAMPEONATO BRASILEIRO DE DRIFT 2015 REGULAMENTO TÉCNICO GERAL Sumário 1. Regulamentação: 2 2. Participantes 2 3. Homologação: 3 4. Carroceria

Leia mais

Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança

Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO GERAL 2010 Caderno I I Capitulo III V Capitulo V Definição Organização Provas

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA E DRIFT CAMPEONATO BRASILEIRO DE DRIFT REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA E DRIFT CAMPEONATO BRASILEIRO DE DRIFT REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA E DRIFT CAMPEONATO BRASILEIRO DE DRIFT REGULAMENTO TÉCNICO - 2013 ARTIGO 1º - VEÍCULO 2 ARTIGO 2º - MANUTENÇÃO 2 ARTIGO 3º - APARÊNCIA

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores e equipes de todas as categorias. 1) Regulamentação:

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA COPA BRASIL DE ARRANCADA 2012 REGULAMENTO TÉCNICO 2012

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA COPA BRASIL DE ARRANCADA 2012 REGULAMENTO TÉCNICO 2012 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA COPA BRASIL DE ARRANCADA 2012 REGULAMENTO TÉCNICO 2012 1 - CATEGORIA FORÇA LIVRE TRAÇÃO TRASEIRA FLT REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos

Leia mais

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO - FASP ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO - ECPA. X CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA ª Etapa

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO - FASP ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO - ECPA. X CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA ª Etapa FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO - FASP ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO - ECPA X CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2015 5ª Etapa CONDIÇÕES GERAIS Artigo 1 Definição da Prova: 06, 07 e 08

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores e equipes de todas as categorias. 1) Regulamentação:

Leia mais

integral. veículos de 02 (dois) ou admitida de cúbicas: 1000 kg 1100 kg 1250 kg oxido nitroso; 1200 kg 1350 kg

integral. veículos de 02 (dois) ou admitida de cúbicas: 1000 kg 1100 kg 1250 kg oxido nitroso; 1200 kg 1350 kg 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam destas categorias veículos bipostos nacionais e importados, turismo de produçãoo em série, réplicas e protótipos, coupê, sedan ou pick upp de

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores e equipes de todas as categorias. 1) Regulamentação:

Leia mais

05- REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA SUPER (DS)

05- REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA SUPER (DS) 05- REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA SUPER (DS) 05.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Super deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 05.2 - DEFINIÇÃO: a)

Leia mais

Copa Alto Uruguai de Kart Cross. Erechim Rio Grande do Sul Brasil. 13 a 15 de Maio de REGULAMENTO TÉCNICO 2016

Copa Alto Uruguai de Kart Cross. Erechim Rio Grande do Sul Brasil. 13 a 15 de Maio de REGULAMENTO TÉCNICO 2016 Copa Alto Uruguai de Kart Cross Erechim Rio Grande do Sul Brasil 13 a 15 de Maio de 2016 www.rallyerechim.com REGULAMENTO TÉCNICO 2016 NOTA: Em caso de diferenças de interpretação entre os termos utilizados

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY DE VELOCIDADE 2016 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY DE VELOCIDADE 2016 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY DE VELOCIDADE 2016 REGULAMENTO TÉCNICO ARTIGO 1 - DEFINIÇÃO... 1 ARTIGO 2 - FICHA DE HOMOLOGAÇÃO... 1 ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2016 REGRAS GERAIS 2016

REGULAMENTO TÉCNICO 2016 REGRAS GERAIS 2016 REGULAMENTO TÉCNICO 2016 REGRAS GERAIS 2016 Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. As normas e regras aqui estabelecidas

Leia mais

CAMPEONATO METROPOLITANO DE VELOCIDADE NO ASFALTO LONDRINA REGULAMENTO DESPORTIVO

CAMPEONATO METROPOLITANO DE VELOCIDADE NO ASFALTO LONDRINA REGULAMENTO DESPORTIVO CAMPEONATO METROPOLITANO DE VELOCIDADE NO ASFALTO LONDRINA - 2017 REGULAMENTO DESPORTIVO ARTIGO 1 INTRODUÇÃO: A Federação Paranaense de Automobilismo - FPRA, no uso de suas atribuições estatutárias em

Leia mais

Categoria Desafio IMPORT

Categoria Desafio IMPORT Categoria Desafio IMPORT 1 - NORMAS TÉCNICAS: A categoria Desafio IMPORT deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 2 - DEFINIÇÃO: a) Poderão participar desta categoria veículos

Leia mais

REGULAMENTO PAULISTA DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO. 1. Categoria Standart ST Página Categoria Dianteira Original DO Página 07

REGULAMENTO PAULISTA DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO. 1. Categoria Standart ST Página Categoria Dianteira Original DO Página 07 REGULAMENTO PAULISTA DE ARRANCADA - 2012 REGULAMENTO TÉCNICO 1. Categoria Standart ST Página 02 2. Categoria Dianteira Original DO Página 07 3. Categoria Dianteira Super DS Página 13 4. Categoria Dianteira

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CAMPEONATO BRASILEIRO VELOCIDADE NA TERRA MINI FÓRMULA TUBULAR 2006 REGULAMENTO DESPORTIVO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO ARTIGO 1 - DEFINIÇÃO... 1 ARTIGO 2 - FICHA DE HOMOLOGAÇÃO... 1 ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2017 REGRAS GERAIS 2017

REGULAMENTO TÉCNICO 2017 REGRAS GERAIS 2017 REGULAMENTO TÉCNICO 2017 REGRAS GERAIS 2017 Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. As normas e regras aqui estabelecidas

Leia mais

03 REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL (DO)

03 REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL (DO) 03 REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL (DO) 03.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Original deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 03.2 - DEFINIÇÃO:

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE STOCK JR REGULAMENTO DESPORTIVO E TÉCNICO 2014 NORMAS DESPORTIVAS INTRODUÇÃO Será realizado em 2014 um Campeonato Paulista denominado Stock Jr, promovido pelo Esporte Clube Piracicabano

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY DE VELOCIDADE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY DE VELOCIDADE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY DE VELOCIDADE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO ARTIGO 1 - DEFINIÇÃO... 1 ARTIGO 2 - FICHA DE HOMOLOGAÇÃO... 1 ARTIGO

Leia mais

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 9 - CATEGORIA TRASEIRA SUPER TS 9.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGRAS GERAIS

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGRAS GERAIS CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGRAS GERAIS Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO DESPORTIVO 2007

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO DESPORTIVO 2007 1 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO DESPORTIVO 2007 I DISPOSIÇÕES GERAIS 1. CAMPEONATO 1.1- Organização A Confederação

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE MARCAS E PILOTOS Regulamento Desportivo Marcas 2017 Regulamento revisado em 18 de outubro de 2016 ARTIGO 1 : CATEGORIAS ARTIGO 2 : GRID DE LARGADA ARTIGO 3 : IDENTIFICAÇÃO DOS CARROS

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO ( FPA ) CAMPEONATO REGIONAL DE ARRANCADA (CARUARU-PE)

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO ( FPA ) CAMPEONATO REGIONAL DE ARRANCADA (CARUARU-PE) CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO ( FPA ) CAMPEONATO REGIONAL DE ARRANCADA (CARUARU-PE) REGULAMENTO TÉCNICO 2012 #1 - CATEGORIA STANDARD ST #1.1 - DEFINIÇÃO:

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL. CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY 4x4

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL. CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY 4x4 1 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY 4x4 REGULAMENTO TÉCNICO E DESPORTIVO 2017 O CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY 4X4, Desportivo

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGRAS GERAIS 2016

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGRAS GERAIS 2016 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGRAS GERAIS 2016 As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos

Leia mais

Todos os veículos inscritos, deverão passar por vistoria de segurança prévia.

Todos os veículos inscritos, deverão passar por vistoria de segurança prévia. 01.Regulamentação: Todos os veículos inscritos, deverão passar por vistoria de segurança prévia. Todos os competidores (pilotos) obrigatoriamente deverão ser maiores de 18 anos e possuir carteira nacional

Leia mais

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 Conj. 1 Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 Porto Alegre

Leia mais

Regulamento TÉCNICO ARRANCADA Categoria Standart ST Página Categoria Dianteira Original DO Página Categoria Dianteira Super DS

Regulamento TÉCNICO ARRANCADA Categoria Standart ST Página Categoria Dianteira Original DO Página Categoria Dianteira Super DS Regulamento TÉCNICO ARRANCADA 2012 1. Categoria Standart ST Página 02 2. Categoria Dianteira Original DO Página 08 3. Categoria Dianteira Super DS Página 13 4. Categoria Dianteira Turbo C DTC Página 17

Leia mais

#1 - CATEGORIA STANDARD - ST

#1 - CATEGORIA STANDARD - ST 1 #1 - CATEGORIA STANDARD - ST #1.1 - DEFINIÇÃO: Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração dianteira ou traseira

Leia mais

REGULAMENTO TECNICO CATEGORIA DRAGSTER LIGHT DL

REGULAMENTO TECNICO CATEGORIA DRAGSTER LIGHT DL REGULAMENTO TECNICO 2016 14 - CATEGORIA DRAGSTER LIGHT DL Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 14.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

Federação Gaúcha de Automobilismo Conselho Técnico Desportivo Gaúcho. Regulamento Técnico Categoria RCR

Federação Gaúcha de Automobilismo Conselho Técnico Desportivo Gaúcho. Regulamento Técnico Categoria RCR Federação Gaúcha de Automobilismo Conselho Técnico Desportivo Gaúcho Regulamento Técnico Categoria RCR 1 1. Disposições Gerais 1.1. É proibida toda modificação que não seja expressamente autorizada pelo

Leia mais

2 - CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO

2 - CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 1 2 - CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos pilotos deverão ter a cédula de piloto vigente no ano corrente para participar

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE DRAG RACE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DRAG RACE DIANTEIRA DD 1- REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos os pilotos deverão ter

Leia mais

REGULAMENTO 1º COPA DE KART INDOOR DAS EMPRESAS CAPIXABAS

REGULAMENTO 1º COPA DE KART INDOOR DAS EMPRESAS CAPIXABAS REGULAMENTO 1º COPA DE KART INDOOR DAS EMPRESAS CAPIXABAS CALENDÁRIO FASE CLASSIFICATÓRIA 1º Etapa Julho: Quarta, Quinta e Sexta noturno Sábado e Domingo diurno. 2º Etapa Agosto: Quarta, Quinta e Sexta

Leia mais

REGULAMENTO DESPORTIVO

REGULAMENTO DESPORTIVO ARTIGO 1º - ORGANIZAÇÃO: A Temporada 2014 do TROFÉU LIGHT GPCKA será realizada pelo GRUPO - Circuito de Kart Amador. ARTIGO 2º - CRONOGRAMA: A Temporada 2014 será disputada em 5 etapas e as etapas estão

Leia mais

Desafio dos Pampas. Erechim Rio Grande do Sul Brasil. 13 a 15 de Maio de REGULAMENTO DESAFIO DOS PAMPAS 2016

Desafio dos Pampas. Erechim Rio Grande do Sul Brasil. 13 a 15 de Maio de REGULAMENTO DESAFIO DOS PAMPAS 2016 Desafio dos Pampas Erechim Rio Grande do Sul Brasil 13 a 15 de Maio de 2016 www.rallyerechim.com REGULAMENTO DESAFIO DOS PAMPAS 2016 NOTA: Em caso de diferenças de interpretação entre os termos utilizados

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 2016

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 2016 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 2016 16 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 16.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015

FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015 FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015 REGULAMENTO DESPORTIVO CAPÍTULO I DA PROMOÇÃO, DA ORGANIZAÇÃO E DO CALENDÁRIO Artigo 1º Promoção: O FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015 será promovido pela promotora

Leia mais

FEDERAÇÃO POTIGUAR DE CLUBES DE JEEP (FPCJ)

FEDERAÇÃO POTIGUAR DE CLUBES DE JEEP (FPCJ) FEDERAÇÃO POTIGUAR DE CLUBES DE JEEP (FPCJ) REGULAMENTO GERAL DAS PROVAS INDOOR DO SEGUNDO CAMPEONATO POTIGUAR FORA DE ESTRADA 2015 INTRODUÇÃO: O Segundo Campeonato Potiguar Fora de Estrada é um evento

Leia mais

ART. 1º 50 - PROVA 1.1 ORGANIZAÇÃO

ART. 1º 50 - PROVA 1.1 ORGANIZAÇÃO 50 Milhas Kids ART. 1º - PROVA 1.1 ORGANIZAÇÃO As 50 Milhas Kids será organizada pelo Kart Clube Granja Viana e supervisionada pela Liga Paulista de Automobilismo. 1.2 FORMULA DA PROVA 1.2.1 DURAÇÃO DA

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY MITSUBISHI CUP 2007 REGULAMENTO TÉCNICO L200R

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY MITSUBISHI CUP 2007 REGULAMENTO TÉCNICO L200R 1 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY MITSUBISHI CUP 2007 REGULAMENTO TÉCNICO L200R Artigo 1 - Definição 1.1 Categoria Monomarca Mitsubishi

Leia mais

Regulamento Técnico Campeonato Paulista de Fórmula Inter 2017

Regulamento Técnico Campeonato Paulista de Fórmula Inter 2017 Regulamento Técnico Campeonato Paulista de Fórmula Inter 2017 A Fórmula Inter é regulamentada pelos Regulamentos Desportivo e Técnico, e Regulamentos Particulares de cada uma das provas, aprovados e supervisionados

Leia mais

REGULAMENTO TECNICO CATEGORIA TRASEIRA SUPER TS

REGULAMENTO TECNICO CATEGORIA TRASEIRA SUPER TS REGULAMENTO TECNICO 2017 9 - CATEGORIA TRASEIRA SUPER TS Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 9.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 5 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO B - DT-B 5.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

DESAFIO DE ARRANCADA Regulamento Técnico Atualizado em 08 de março de 2014

DESAFIO DE ARRANCADA Regulamento Técnico Atualizado em 08 de março de 2014 1 - O QUE É DESAFIO DE ARRANCADA - 2014 Regulamento Técnico Atualizado em 08 de março de 2014 É o regulamento que define, tecnicamente, quais as características que o veículo deve ter, dentro de cada categoria.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PADRÃO FMA PARA PROVAS DE ARRANCADA NO ESTADO DE MINAS GERAIS EM 2012

REGULAMENTO TÉCNICO PADRÃO FMA PARA PROVAS DE ARRANCADA NO ESTADO DE MINAS GERAIS EM 2012 REGULAMENTO TÉCNICO PADRÃO FMA PARA PROVAS DE ARRANCADA NO ESTADO DE MINAS GERAIS EM 2012 A Federação Mineira de Automobilismo FMA estabelece o presente Regulamento Técnico Padrão para as provas de Arrancada

Leia mais

Clube Automovel de Lousada REGULAMENTO TÉCNICO. II Edição TROFÉU DE RESISTENCIAS CLUBE AUTOMOVEL DE LOUSADA

Clube Automovel de Lousada REGULAMENTO TÉCNICO. II Edição TROFÉU DE RESISTENCIAS CLUBE AUTOMOVEL DE LOUSADA Clube Automovel de Lousada REGULAMENTO TÉCNICO II Edição TROFÉU DE RESISTENCIAS CLUBE AUTOMOVEL DE LOUSADA Aprovado em 18/02/2015 1 Os concorrentes, que pretendam, participar nas provas do Troféu de resistência

Leia mais

CAMPEONATO METROPOLITANO DE KART DE LONDRINA REGULAMENTO TÉCNICO DESPORTIVO

CAMPEONATO METROPOLITANO DE KART DE LONDRINA REGULAMENTO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO METROPOLITANO DE KART DE LONDRINA - 2014 REGULAMENTO TÉCNICO DESPORTIVO A Federação Paranaense de Automobilismo FPrA, e sua filiada: AKRL Associação dos Kartistas da Região de Londrina, farão

Leia mais

REGULAMENTO SHORT TRACK SHIMANO FEST 2017

REGULAMENTO SHORT TRACK SHIMANO FEST 2017 REGULAMENTO SHORT TRACK SHIMANO FEST 2017 1- Data: 14 e 17 de setembro 2017 2- Programação Dia 16 de setembro (sábado) - 9h00 às 17h Secretaria aberta para instalar o chip, numeral da bike, resultados

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 9 - CATEGORIA TRASEIRA SUPER TS 9.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY CROSS COUNTRY

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY CROSS COUNTRY 1 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY CROSS COUNTRY REGULAMENTO GERAL 2009 ADENDO N0. 01 7. VEÍCULOS

Leia mais

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DO MARANHÃO ILHA RACE ARRANCADA CAMPEONATO MARANHENSE DE ARRANCADA 201 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DO MARANHÃO ILHA RACE ARRANCADA CAMPEONATO MARANHENSE DE ARRANCADA 201 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DO MARANHÃO ILHA RACE ARRANCADA CAMPEONATO MARANHENSE DE ARRANCADA 201 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 8 - CATEGORIA TRASEIRA ORIGINAL TO 8.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

RALLY ROTA SUDESTE REGULAMENTO PARTICULAR DE PROVA CROSS COUNTRY CARROS E CAMINHÕES CBA

RALLY ROTA SUDESTE REGULAMENTO PARTICULAR DE PROVA CROSS COUNTRY CARROS E CAMINHÕES CBA RALLY ROTA SUDESTE REGULAMENTO PARTICULAR DE PROVA CROSS COUNTRY CARROS E CAMINHÕES CBA CARROS - 11ª E 12ª PROVA DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY CROSS COUNTRY FASP 5ª E 6ª ETAPAS DO CAMPEONATO PAULISTA

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam destas categorias

Leia mais

veículos de capacidade e cinqüenta

veículos de capacidade e cinqüenta 12 CATEGORIA PRO MOD PM 12.1) DEFINIÇÃO: Participam destas categorias veículos bipostos nacionais e importados, turismo, de produção em série, réplicas e protótipos, coupê, sedan ou pick upp de 2, 3, 4

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TECNICO 2017 8 - CATEGORIA TRASEIRA ORIGINAL TO Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 8.1) DEFINIÇÃO: a)

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de 02 (dois) ou mais lugares. c) A denominação desta categoria será Street Tração Traseira.

b) Permitido o uso de veículos de 02 (dois) ou mais lugares. c) A denominação desta categoria será Street Tração Traseira. 16 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 16.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas de tração traseira

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores e equipes de todas as categorias. 1) Regulamentação:

Leia mais

CAMPEONATOS NASCAR FEVEREIRO e MARÇO DE 2014 REGULAMENTO DESPORTIVO

CAMPEONATOS NASCAR FEVEREIRO e MARÇO DE 2014 REGULAMENTO DESPORTIVO CAMPEONATOS NASCAR FEVEREIRO e MARÇO DE 2014 REGULAMENTO DESPORTIVO Serão 6 categorias, BOLHA 1/24; BOLHA 1/32; FALCON; GRUPO 12; REPLICA 1/32 MONOPOSTO e REPLICA 1/32 1) SISTEMA DE DISPUTA ( valido para

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Super.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Super. 3 - CATEGORIA DIANTEIRA SUPER DS 3.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas,

Leia mais

Rally SLOT 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

Rally SLOT 2014 REGULAMENTO TÉCNICO Rally SLOT 2014 REGULAMENTO TÉCNICO Especificações PWRC WRC Classicos Carroçaria Origem Origem Alterada (Mínimo - 10g) Origem (Mínimo - 20g) Chassis Origem (Inline) Livre Origem (Inline) Transmissão Origem

Leia mais

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento.

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ADAPTADO TURBO 1-REGULAMENTAÇÃO Todos os veículos inscritos deveram passar por vistoria prévia. Os competidores deverão provar ao comissário técnicos e desportivos do evento,

Leia mais

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

REGULAMENTO TECNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A

REGULAMENTO TECNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A REGULAMENTO TECNICO 2017 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 6.1) DEFINIÇÃO:

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 2016

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 2016 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 2016 7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD 7.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2017 2- CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 2.1) DEFINIÇÃO: a)

Leia mais

7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD

7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD 1 7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos pilotos deverão ter a cédula de piloto vigente no ano corrente para participar

Leia mais

CATEGORIA: F DO EQUIPAMENTO: 1.1- Os Aros serão os do kart profissional, com ou sem cubo.

CATEGORIA: F DO EQUIPAMENTO: 1.1- Os Aros serão os do kart profissional, com ou sem cubo. R E G U L A M E N T O T É C N I C O CATEGORIA: F4 2015 1- DO EQUIPAMENTO: 1.1- Os Aros serão os do kart profissional, com ou sem cubo. 1.2- O chassi será de fabricação livre, podendo ser de qualquer ano

Leia mais

XVIII RALLYE CIDADE DE OURO BRANCO

XVIII RALLYE CIDADE DE OURO BRANCO XVIII RALLYE CIDADE DE OURO BRANCO Campeonato Brasileiro de Rallye de Velocidade 2009-7ª etapa Campeonato Mineiro de Rallye de Velocidade 2009 3ª e 4ª etapas Trofeo FIAT 3ª e 4ª etapas 18 a 20 de setembro

Leia mais

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2016 / 201 METROS ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO LIGA PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 5 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO B - DT-B 5.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 - CATEGORIA STANDARD ST 1.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

2.5. Não será permitido a pilotos ou mecânicos testar ou trafegar com suas motocicletas na área de Box.

2.5. Não será permitido a pilotos ou mecânicos testar ou trafegar com suas motocicletas na área de Box. Regulamento suplementar 2016 1 - TÍTULO E GENERALIDADES Este regulamento foi elaborado para Campeonatos de Motocross e Velocross 2016 supervisionado pela ASPMX Associação Paulista MX/VX, pelo grupo União

Leia mais

I FESTIVAL DE ARRANCADA JUIZ DE FORA

I FESTIVAL DE ARRANCADA JUIZ DE FORA FESTVAL DE ARRANCADA JUZ DE FORA - 2009 REGULAMENTO DESPORTVO A Federação Mineira de Automobilismo fará realizar, sob a supervisão do Conselho Técnico Desportivo Mineiro - CTDM, o evento intitulado FESTVAL

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 2016

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 2016 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 2016 8 - CATEGORIA TRASEIRA ORIGINAL TO 8.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA REGULAMENTO GERAL (Caderno 01) REGULAMENTO DESPORTIVO (Caderno 02)

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA REGULAMENTO GERAL (Caderno 01) REGULAMENTO DESPORTIVO (Caderno 02) FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO - FASP ESPORTE CLUBE PIRACICABANO DE AUTOMOBILISMO ECPA REGULAMENTO GERAL (Caderno 01) Capítulo I Definição Página 04 Capítulo II Organização Página 04 Capitulo

Leia mais

REGULAMENTO COPA NORDESTE PARÁ DE MOTOCROSS 2016

REGULAMENTO COPA NORDESTE PARÁ DE MOTOCROSS 2016 REGULAMENTO COPA NORDESTE PARÁ DE MOTOCROSS 2016 TITULO E GENERALIDADE A copa nordeste Pará de Motocross é realizado pela Ds Sports e supervisionado pela (FEPAM) Federação Paraense de Motociclismos. A)

Leia mais

RPP - Regulamento Particular de Prova 2º RALLY DE ITAJAÍ - SC 2011 CBR ª Prova do Campeonato Brasileiro de Rally de Velocidade

RPP - Regulamento Particular de Prova 2º RALLY DE ITAJAÍ - SC 2011 CBR ª Prova do Campeonato Brasileiro de Rally de Velocidade RPP - Regulamento Particular de Prova 2º RALLY DE ITAJAÍ - SC 2011 CBR 2011-3ª Prova do Campeonato Brasileiro de Rally de Velocidade 1. Autoridades: Presidente da CBA Presidente da CNR Presidente da FAUESC

Leia mais

REGULAMENTO TECNICO CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD

REGULAMENTO TECNICO CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD REGULAMENTO TECNICO 2016 7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 7.1) DEFINIÇÃO:

Leia mais

Assim, graças à ajuda de inúmeros apoiadores a RBC apresenta o VI Grande Prêmio RBC de Kart

Assim, graças à ajuda de inúmeros apoiadores a RBC apresenta o VI Grande Prêmio RBC de Kart Introdução A RBC Preparações de Motores, empresa mineira promotora e fornecedora dos motores de alguns dos principais campeonatos de kart do país, dando prosseguimento ao sucesso de uma idéia criada na

Leia mais

REGULAMENTO PARTICULAR DA PROVA

REGULAMENTO PARTICULAR DA PROVA CAMPEONATO SUL-BRASILEIRO DE KART 2ª ETAPA 28 de abril a 1º de maio de 2010 VELOPARK (RS) REGULAMENTO PARTICULAR DA PROVA Art. 1 - INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS DA PROVA a) NOME DA PROVA: 2ª Etapa do Campeonato

Leia mais

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO COPA FORÇA LIVRE DE ARANCADA 2016 REGULAMENTO TÉCNICO 11 - CATEGORIA FORÇA LIVRE TRAÇÃO TRASEIRA FLT

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO COPA FORÇA LIVRE DE ARANCADA 2016 REGULAMENTO TÉCNICO 11 - CATEGORIA FORÇA LIVRE TRAÇÃO TRASEIRA FLT FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO COPA FORÇA LIVRE DE ARANCADA 2016 REGULAMENTO TÉCNICO 11 - CATEGORIA FORÇA LIVRE TRAÇÃO TRASEIRA FLT 11.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo

Leia mais

XI RALLY CUESTA OFF ROAD REGULAMENTO PARTICULAR DE PROVA CROSS COUNTRY CARROS E CAMINHÕES CBA

XI RALLY CUESTA OFF ROAD REGULAMENTO PARTICULAR DE PROVA CROSS COUNTRY CARROS E CAMINHÕES CBA REGULAMENTO PARTICULAR DE PROVA CROSS COUNTRY CARROS E CBA CARROS -5ª E 6ª PROVA DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY CROSS COUNTRY FASP 3ª E 4ª ETAPAS DO CAMPEONATO PAULISTA DE RALLY CROSS COUNTRY 5,6,7

Leia mais

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO COMISSÃO DE ARRANCADA CAMPEONATO PAULISTA DE ARRANCADA 2017 REGULAMENTO DESPORTIVO

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO COMISSÃO DE ARRANCADA CAMPEONATO PAULISTA DE ARRANCADA 2017 REGULAMENTO DESPORTIVO FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO COMISSÃO DE ARRANCADA CAMPEONATO PAULISTA DE ARRANCADA 2017 REGULAMENTO DESPORTIVO Este Regulamento Desportivo é composto de 16 capítulos

Leia mais

Campeonato Brasileiro de Downhill 2015 CBC Ipatinga MG - Torre do Santa Mônica 24 a 26 de julho de 2015

Campeonato Brasileiro de Downhill 2015 CBC Ipatinga MG - Torre do Santa Mônica 24 a 26 de julho de 2015 GUIA TÉCNICO 1 INTRODUÇÂO O Campeonato Brasileiro de Downhill 2015 será realizado nos dias 24, 25 e 26 de julho de 2015, na cidade de Ipatinga - Minas Gerais, na pista da Torre do bairro Santa Mônica.

Leia mais

Abertura das pré inscrições 01/02/2016 pelo site do Kartódromo (

Abertura das pré inscrições 01/02/2016 pelo site do Kartódromo ( ARTIGO 1º- Organização: 24 Horas Rental Kart Interlagos. Organização Kartódromo Ayrton Senna Interlagos. ARTIGO 2º- Inscrição: Valor da inscrição é de R$ 7.200,00 por equipe. Abertura das pré inscrições

Leia mais

IV RALLY CUESTA OFF ROAD REGULAMENTO PARTICULAR DE PROVA CROSS COUNTRY CARROS E CAMINHÕES CBA

IV RALLY CUESTA OFF ROAD REGULAMENTO PARTICULAR DE PROVA CROSS COUNTRY CARROS E CAMINHÕES CBA REGULAMENTO PARTICULAR DE PROVA CROSS COUNTRY CARROS E CBA CARROS - 9ª E 10ª ETAPAS DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY CROSS COUNTRY - 5ª E 6ª ETAPAS DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY CROSS COUNTRY FASP

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE MERCEDES-BENZ CHALLENGE CLA 45 AMG REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE MERCEDES-BENZ CHALLENGE CLA 45 AMG REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE MERCEDES-BENZ CHALLENGE CLA 45 AMG REGULAMENTO TÉCNICO - 2017 1. DETERMINAÇÕES... 2 2. REGULAMENTO... 3 3. TANQUE DE COMBUSTÍVEL...

Leia mais

GUDUXU'S TRACK REGULAMENTO CAMPEONATO TURISMO 1/32 - TEMPORAD

GUDUXU'S TRACK REGULAMENTO CAMPEONATO TURISMO 1/32 - TEMPORAD GUDUXU'S TRACK REGULAMENTO CAMPEONATO TURISMO 1/32 - TEMPORAD 1 1.1 1.2 2 2.1 TEMPORADA: A TEMPORADA DE 2016, NA CATEGORIA TURISMO 1/32 SERÁ DISPUTADA NA MODALIDA E 2' DE BOX AS ETAPAS SERÃO DISPUTADAS

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Standard.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Standard. CATEGORIA STANDARD ST 1.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos nacionais de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração dianteira equipados

Leia mais

CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C DT-C

CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C DT-C CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C DT-C 4.1) - DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos nacionais de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração dianteira

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2017 3 - CATEGORIA DIANTEIRA SUPER DS Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 3.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY MITSUBISHI CUP 2014 REGULAMENTO TÉCNICO PAJERO TR4R

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY MITSUBISHI CUP 2014 REGULAMENTO TÉCNICO PAJERO TR4R 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY MITSUBISHI CUP 2014 REGULAMENTO TÉCNICO PAJERO TR4R ARTIGO 1 - DEFINIÇÃO... 2 ARTIGO 2 - REGULAMENTAÇÕES... 2 ARTIGO 3 - PAINEL, VOLANTE

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. 5 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO B - DT-B 5.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos nacionais de turismo de grande produção em série, cupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração

Leia mais