Revista Eletrônica Interdisciplinar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Eletrônica Interdisciplinar"

Transcrição

1 ÍNDICE DE MORTALIDADE ASSOCIADO AO CÂNCER DE COLO UTERINO EM BARRA DO GARÇAS MT, ENTRE JANEIRO DE 2007 A JANEIRO DE 2012 Luanna Maria dos Santos Martins 1 Daniela Silva Reis 2 RESUMO O câncer de colo do útero é a principal causa de morte por câncer entre mulheres que vivem em países em desenvolvimento, é considerado o segundo tipo de câncer mais frequente entre a população feminina do estado do Mato Grosso elevando as taxas de mortalidade. Este estudo objetiva descrever o perfil epidemiológico levantando o índice de mortalidade associado à doença em Barra do Garças MT, entre janeiro de 2007 a janeiro de Para tanto buscou-se no Sistema de Informação sobre Mortalidade - SIM, via DATASUS, dados referentes ao período delimitado, tendo como resultado 33% e 34% dos óbitos ocorridos em mulheres com faixa etária entre e 51-60, respectivamente, e 78% de raça parda. Os resultados apontam para a necessidade de incentivo a medidas preventivas de rastreamento precoce da doença, para que haja uma redução significativa na incidência e morbimortalidade de mulheres por câncer de colo uterino. Palavras-chave: Mortalidade; Papanicolaou; Epidemiologia. ABSTRACT Cancer of the cervix is the leading cause of cancer death among women living in developing countries, is considered the second most common type of cancer among the female population of the state of Mato Grosso rising mortality rates. This study aims to describe the epidemiological profile raising the mortality rate associated with the disease in Barra do Garças - MT, between January 2007 and January Therefore we sought the Mortality Information System - YES, via DATASUS delimited data for the period, resulting in 33% and 34% of deaths in women aged between and 51-60, respectively, and 78% of mixed race. The results point to the need for preventive measures to encourage early screening of the disease, so there is a significant reduction in the incidence and mortality of women for cervical cancer. Key Words: Mortality; Papanicolaou; Epidemiology. 1 Graduada em Enfermagem. 2 Enfermeira Mestre, Doutoranda em Saúde Pública INTRODUÇÃO O câncer de colo do útero é a patologia que acomete a população feminina sendo considerada a principal causa de morte por câncer entre mulheres que vivem em países em vias de desenvolvimento (THULER, 2008). Segundo o Instituto Nacional do Câncer (2011) é caracterizado pela replicação desordenada do epitélio de revestimento do órgão, comprometendo o tecido subjacente (estroma) e podendo invadir estruturas e órgãos contíguos ou à distância. Já Rocha e Melo (2010) afirmam que o câncer cervical resulta do crescimento descontrolado de células anormais do colo uterino, sendo considerada uma doença de crescimento lento que acomete mulheres adultas, sexualmente ativas. Davim et al. (2005) o define [...] como afecção progressiva e é caracterizado por alterações intraepiteliais cervicais, podendo se desenvolver para um estágio invasivo ao longo de uma ou duas décadas. Possuindo etapas definidas e de lenta evolução, o que permite sua interrupção a partir de um diagnóstico precoce e tratamento oportuno a custos reduzidos. Segundo o INCA (2011), tem seu desenvolvimento lento, podendo cursar sem sintomas em fase inicial e evoluir para quadros de sangramento vaginal intermitente ou após a relação sexual, com secreção vaginal anormal e dor abdominal associada com queixas urinárias ou intestinais nos casos mais avançados. Dentre os fatores envolvidos no desenvolvimento do câncer de colo uterino, como afirmam Guerra et al. (2005), Robbins (2005) e Rocha e Melo (2010), o HPV (Papiloma Vírus Humano) é considerado o agente mais importante da oncogênese cervical, tendo sua transmissão por contato sexual, muito bem documentada na atualidade. O principal fator de risco para o desenvolvimento de lesões intraepiteliais de alto grau e do câncer do colo do útero é a infecção pelo HPV. Apesar de ser considerada uma condição 345

2 necessária, a infecção pelo HPV por si só não representa uma causa suficiente para o surgimento dessa neoplasia. Além de aspectos relacionados à própria infecção pelo HPV (tipo e carga viral, infecção única ou múltipla), outros fatores ligados à imunidade, à genética e ao comportamento sexual parecem influenciar os mecanismos ainda incertos que determinam a regressão ou a persistência da infecção e também a progressão para lesões precursoras ou câncer. A idade também interfere nesse processo, sendo que a maioria das infecções por HPV em mulheres com menos de 30 anos regride espontaneamente, ao passo que, acima dessa idade, a persistência é mais frequente. O tabagismo eleva o risco para o desenvolvimento do câncer do colo do útero. Esse risco é proporcional ao número de cigarros fumados por dia e aumenta sobretudo quando o ato de fumar é iniciado em idade precoce. Existem hoje 13 tipos de HPV reconhecidos como oncogênicos pela Agência Internacional para Pesquisa sobre o Câncer (IARC). Desses, os mais comuns são o HPV16 e o HPV18 (INCA, 2011). De acordo com INCA (2011) entre 2007 e 2010, esta neoplasia representou a terceira causa de morte por câncer em mulheres, representando uma taxa bruta de mortalidade de 5,68% de óbitos para cada 100 mil mulheres, prova de que o país avançou na sua capacidade de realizar diagnóstico precoce é que na década de 1990, 70% dos casos diagnosticados eram da doença invasiva, ou seja, o estágio mais agressivo da doença. Atualmente 44% dos casos são de lesão precursora do câncer, chamada in situ, ou seja, um tipo de lesão localizada. O câncer do colo do útero, também chamado de cervical, demora muitos anos para se desenvolver. As alterações das células que podem desencadear o câncer são descobertas facilmente no exame preventivo (conhecido também como Papanicolaou), por isso é importante a sua realização periódica (INCA, 2011). Zaponi e Melo (2010) afirmam que o Brasil, apesar de ser o precursor na utilização da colposcopia associada ao exame citopatológico para a detecção precoce do câncer uterino e de suas lesões precursoras, ainda mantem elevadas taxas de mortalidade sobre a doença. Para Marques et al. (2011), a Sociedade Americana de Colposcopia e Patologia Cervical (ASCCP), bem como o Ministério da Saúde no Brasil, indicam a imediata avaliação colposcópica com amostragem endocervical para os casos de Células Glandulares Atípicas (ACG). O câncer de colo uterino pode ser evitado ou minimizado por intermédio de cuidados simples e de prevenção, realizando os exames preventivos anualmente, através de ações preventivas, voltadas para a saúde da mulher, contribuindo para a redução de problema de saúde, evidenciado por um número elevado de morbimortalidade associado ao câncer de colo uterino (INCA, 2011). Tal fato justifica que mulheres diagnosticadas precocemente, se tratadas adequadamente, têm em torno de 100% de chance de cura. Os programas de saúde pública enfatizam a necessidade de promoção e prevenção à saúde, com acompanhamento periódico através de rastreamento citológico, realizados na atenção básica de saúde, para detectar precocemente as lesões precursoras de neoplasias cervicais em todas as mulheres que já iniciaram a vida sexual, minimizando o risco de desenvolver tais neoplasias, e reduzir a morbimortalidade da doença (ROCHA e MELO, 2010). Apesar dos avanços tecnológicos e da criação de programas voltados para a promoção e prevenção da saúde, existe a necessidade de consolidação das políticas de saúde voltadas para a mulher, viabilizando o seu acesso aos serviços, melhorando a qualidade da assistência prestada, visando à identificação precoce destas neoplasias, fator este fundamental para um tratamento com êxito e redução da morbimortalidade associada ao câncer cervical uterino (ZAPPONI e MELO, 2010). Segundo Gomes et al. (2012), dados de estudos realizados em 2008 evidenciam que cerca de 275 mil óbitos por ano no mundo, se deve à presença de neoplasia maligna do colo uterino. Já Nakagawa et al. (2011), apontam que em estudos realizados entre 2002 e 2007 foram registrados 18 casos de óbitos por câncer de colo do útero no Estado de Mato Grosso. Para tanto, deve haver uma preocupação maior dos órgãos responsáveis pela saúde pública para que se tenha uma redução no índice de mortalidade por câncer de colo uterino. Segundo o INCA (2011 apud GOMES et al., 2012), o número de novos casos previstos para 2012 é de e a estimativa prevista para os próximos anos é alarmante, e deve deixar os profissionais de saúde, bem como os serviços de saúde público ou privado, preparados para que sejam realizadas novas estratégias de enfrentamento do problema. Para Gomes et al. (2012, p. 42), o exame preventivo do câncer do colo uterino foi implantado na rede pública em 1999, e tem por finalidade a detecção precoce da neoplasia invasora e suas lesões precursoras por meio de análise citológica periódica do esfregaço obtido pela coleta utilizando a técnica de Papanicolaou. 346

3 O mesmo autor pontua que o Brasil, mesmo apresentando constantes esforços em educação da população e de disponibilização do exame pela rede pública, continua tendo taxas de incidência e mortalidade crescentes. Isso leva ao entendimento de que as ações propostas nos programas de prevenção do câncer de colo uterino não estão sendo eficazes para causar impacto na redução do índice de mortalidade no Brasil (GOMES et al, 2012). Conforme Bogliolo (2006), no Brasil, sobretudo em algumas regiões, as neoplasias malignas ainda se fazem presente, ao contrário de muitos outros países, devido ações bem-sucedidas de programas de atenção à saúde, lesões précancerígenas são precocemente detectadas, o que permite um tratamento eficaz da doença. Segundo o Ministério da Saúde (2004 apud BARROS, 2009), para que um programa de rastreamento cause impacto epidemiológico, é necessário realizar uma cobertura superior a 80%, o que representa um impacto de 50% na redução da mortalidade. Brunner e Suddarth (2008) trazem que o aconselhamento preventivo deve incluir o retardo da primeira relação sexual, prevenção quanto a infecção por HPV, bem como a imunização, educação sobre saúde reprodutiva e sexo mais seguro, cessação do tabagismo, a fim de se reduzir a incidência de câncer de colo uterino. Isso significa que os fatores de risco influenciam no aparecimento das lesões cancerígenas de forma drástica, podendo ser evitadas com a intensificação de medidas preventivas tais como, orientações relacionadas com a prevenção destes fatores, imunização através de vacinas reduzindo a exposição destas mulheres aos agentes potencialmente perigosos para o desencadeamento desta patologia, devendo estas, estarem presentes em políticas de saúde prioritárias para a redução da morbimortalidade associada ao câncer cervical uterino. Considerando rastreamento populacional, de acordo com as normas do Ministério da Saúde, a citologia é colhida a cada três anos após dois exames consecutivos anuais negativos, em mulheres de 25 e 60 anos de idade, por resultar no melhor custobenefício (DUNCAN et al., 2004, p. 472). Ao contrário do que é preconizado pelo Ministério da Saúde, este rastreamento feito através da coleta do exame preventivo, realizado no atendimento individual, nos ambulatórios e consultórios, é feito anualmente. Contudo, esta periodicidade trienal do exame citopatológico, estabelecida pelo Ministério da Saúde do Brasil no controle do câncer de colo o útero está em conformidade e, demonstra eficácia tanto quanto a anual, no que diz respeito à redução de taxas de incidência por este câncer, possibilitando a identificação de um possível resultado falsonegativo, no qual possa ter ocorrido em resultados de exames anteriores com intervalo anual (DUNCAN, 2004). Segundo BRASIL (2010), as estratégias para a detecção precoce são o diagnóstico precoce 5 (abordagem de pessoas com sinais e/ou sintomas da doença) e o rastreamento (aplicação de um teste ou exame numa população assintomática, aparentemente saudável, com objetivo de identificar lesões sugestivas de câncer e encaminhá-la para investigação e tratamento), conforme recomendado pelo Ministério da Saúde. O teste utilizado em rastreamento deve ser seguro, relativamente barato e de fácil aceitação pela população, ter sensibilidade e especificidade comprovadas, além de relação custoefetividade favorável. A análise epidemiológica da situação da mortalidade por câncer de colo uterino, segundo variáveis demográficas, se faz necessária por permitir avaliar o padrão de ocorrência e evolução da mortalidade em diferentes populações, avaliar indiretamente e identificar os grupos de mulheres com maior risco de morte. Diante do exposto o presente estudo objetiva descrever o perfil epidemiológico e levantar o índice de mortalidade associado ao câncer de colo uterino em Barra do Garças MT, no período de janeiro de 2007 a janeiro de METODOLOGIA A pesquisa trata de um estudo quantitativo de caráter exploratório com utilização de dados indiretos através do levantamento de registros disponíveis na Secretaria Municipal de Saúde de Barra do Garças MT, onde as informações de mortalidade e as variáveis relacionadas foram extraídas do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), referente ao período de janeiro de 2007 a janeiro de 2012, via DATASUS (ABEC, 2012; LOBIONDO-WOOD e HABER, 2001). Para a seleção das variáveis estudadas, levou-se em consideração a disponibilidade e a completitude das mesmas no banco de dados do SIM, sendo incluídas as variáveis idade, etnia/cor e localidade. Os dados obtidos na pesquisa foram submetidos à análise percentual, tendo sua apresentação de resultados auxiliados por meio de gráficos, construídos com o auxílio do programa Microsoft Office Excel

4 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os dados da pesquisa mostram que no período de janeiro de 2007 a janeiro de 2012 ocorreram nove óbitos em mulheres residentes no município de Barra do Garças - MT, por câncer de colo uterino, sendo 3 óbitos em 2007, 1 em 2008, 4 em 2009 e 2010, sendo 2 por ano, em 2012 foi registrado 1 óbito e não houve registrado de óbito para o ano de 2011 (Figura 1). O câncer do colo do útero conforme já descrito por Nakagawa et al (2011), é o segundo tipo de câncer mais frequente entre a população feminina do estado do Mato Grosso e também a segunda causa de mortalidade por neoplasia em Segundo INCA (2011), a região Centro-Oeste é o mais incidente com 28/100 mil casos apresentando também alta prevalência a nível nacional. O alto índice de mortalidade tem sido considerado uma grande preocupação por parte das autoridades, no que se refere à saúde da mulher, tornando necessária a criação de programas voltados para a população feminina mato-grossense. Total de Óbitos por Ano 3; 34% ; 22% ; 22% Figura 1. Total de óbitos associados ao câncer de colo uterino em Barra do Garças MT, entre janeiro de 2007 a janeiro de 2012, por ano. Dados do INCA obtidos a partir dos Registros Hospitalares de Câncer apontam para taxas de detecção em estágios avançados que chegam a 50%, comprovando a alta taxa de letalidade da doença (INCA, 2000). O Brasil mantém uma das mais altas taxas de mortalidade por câncer de colo uterino, apesar de ter sido um dos primeiros países a utilizar a colposcopia associada ao exame citopatológico para a detecção precoce desse tipo de câncer e de suas lesões precursoras (ZAPPONI e MELO, 2010). Conforme apresentado na figura abaixo, verificou-se um aumento na taxa de mortalidade por câncer de colo uterino a partir da faixa etária dos e anos, com taxa de 34% e 33%, respectivamente. Uma menor taxa de incidência de mortalidade foi observada na faixa etária entre anos, correspondente a 11% do total de óbitos referentes ao período. Entre a faixa etária dos anos não houve registro de óbito. Já a faixa etária de anos apresenta 22% dos óbitos registrados (Figura 2). 348

5 Total de Óbitos por Faixa Etária 2; 22% ; 33% 3; 34% Figura 2. Total de óbitos associados ao câncer de colo uterino em Barra do Garças MT, entre janeiro de 2007 a janeiro de 2012, por faixa etária. Tal evento demonstra a necessidade de implementação de medidas que visem o controle do câncer de colo uterino em curto prazo com foco em mulheres com idade entre 25 e 59 anos, conforme recomendado pelo Ministério da Saúde. Observa-se na área em estudo, que as mulheres pardas apresentaram maior risco de morte quando comparadas às brancas e pretas, representando um percentual de 78% entre as mulheres pardas, 11% entre pretas e 11% entre brancas (Figura 3). De fato, a falta de acesso aos exames preventivos entre as mulheres negras pôde ser constatada nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2006, pois entre aquelas com 25 anos ou mais que nunca tinham realizado o 9 exame citológico, a proporção das brancas era de 17%, e das negras, de 25% (BRASIL, 2008). Total de Óbitos por Etnia/Cor Branc a Parda 7; 78% Figura 3. Total de óbitos associados ao câncer de colo uterino em Barra do Garças MT, entre janeiro de 2007 a janeiro de 2012, por Etnia/Cor. De acordo com a figura 4, observou-se que 89% dos óbitos registrados no período ocorreram no hospital, enquanto que 11% tiveram seu registro no domicílio. 349

6 Um fator importante está relacionado ao estadiamento da doença, que depende de exames básicos de imagem, porém a gestão do SUS (Sistema Único de Saúde) ainda não permite facilidade no acesso a estes recursos, verificando-se um alto índice de pacientes sem diagnóstico preciso e com doença avançada, justificando as internações hospitalares por neoplasias de colo do útero, demandando gastos com as internações, apesar de ser uma doença em que a prevenção e o diagnóstico precoce estão dentro das possibilidades dos serviços de saúde, sem considerar gastos ambulatoriais e os custos relacionados à perda de produtividade das usuárias (LAGANA, 2010). Ainda sobre este assunto, Vasconcelos et al. (2011), afirmam que a hospitalização é considerada instrumento valioso que possibilita discutir o rastreamento do Programa Nacional de Controle do Câncer de Colo do Útero (PNCCU) especialmente em pacientes indigentes, cujo único contato com o sistema de saúde pode ser o período de hospitalização, momento este importante, pois as pessoas estão mais disponíveis para receber intervenções. 10 Total de Óbitos por Localidade Hospital Domicílio 8; 89% Figura 4. Total de óbitos associados ao câncer de colo uterino em Barra do Garças MT, entre janeiro de 2007 a janeiro de 2012, por localidade. Entretanto, as ações preventivas voltadas para a saúde da mulher, ainda constituem um problema sério de saúde, evidenciado por um número elevado de morbimortalidade associado ao câncer de colo uterino. Para reverter esses dados tão assustadores, práticas adotadas na atenção à saúde da mulher no que se refere ao processo de intensificação das ações propostas na realização do exame citopatológico de Papanicolaou devem ser intensificados a fim de se reduzir esses dados (BARROS, 2009). Fica claro que o rastreamento realizado através do esfregaço de Papanicolaou tem aumentado a detecção de cânceres potencialmente curáveis e a erradicação de lesão pré-invasivas, reduzindo assim a mortalidade em decorrência desta patologia em mulheres brasileiras (GOMES et al., 2012). A prevenção, o diagnóstico precoce e o tratamento curativo destas lesões cervicouterinas, implicam na redução da taxa de mortalidade do câncer de colo uterino, onde para Davim et al., (2005), a realização do exame Papanicolaou é considerado o instrumento mais adequado, prático e barato para o rastreamento do câncer de colo de útero, também denominado de colpocitologia e mais comumente referido pela clientela como exame preventivo. Porém afirmam Oliveira et al., (2010) que o câncer de colo uterino ainda é um problema de Saúde Pública em países em desenvolvimento, onde apresenta altas taxas de prevalência e mortalidade. Um importante aliado para reduzir a prevalência desta patologia é a promoção da saúde por intermédio de reuniões na comunidade, orientação quanto à importância da coleta do exame preventivo periodicamente, maximizando a 350

7 eficiência dos programas de prevenção, fazendo com que os profissionais da área da saúde utilizem-se destas estratégias, consideradas primordiais para a população feminina brasileira (OLIVEIRA et al. 2010). exposta aos riscos, identificando fatores que venham a desencadear o câncer de colo uterino, com vistas a prevenir o surgimento da doença, redução do índice de mortalidade, contribuindo pra uma melhor qualidade de vida das mulheres. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A importância de medidas preventivas envolvidas no rastreamento precoce de lesões cancerígenas, tanto na população assintomática quanto na sintomática, para a identificação do grau e do tratamento adequado através do exame Papanicolaou, tem forte influencia na redução da incidência e morbimortalidade das portadoras. As ações voltadas na detecção precoce das lesões em seu estágio inicial devem ser realizadas periodicamente, demonstrando resultados significativos na redução da mortalidade por câncer de colo de útero, e representa uma estratégia segura e eficiente para a promoção da saúde da população feminina, o que resulta em um diagnóstico precoce, facilitando a cura em até 100% destas lesões, através de rastreamento citológico periódico. A realização do exame preventivo periodicamente por parte das mulheres tem importância significativa na redução da incidência do câncer e consequentemente do índice aumentado da mortalidade, porém a maioria das mulheres percebe o exame como método de diagnóstico de doenças, quando que na verdade, este instrumento utilizado na prevenção do câncer de colo uterino é parte integrante da rotina da vida da mulher, estabelecido pelo Ministério da Saúde. Estudos mostram que ainda nos dias atuais existem mulheres que não realizam o exame preventivo periodicamente, ou ainda quando são descobertos tardiamente, essas mulheres em grande maioria, estão realizando o exame pela primeira vez, ultrapassando um intervalo entre uma coleta e outra, caracterizado por um período maior que três anos, implicando no diagnóstico tardio da doença, tornando a cura difícil e, às vezes, impossível, o que resulta em aumento das taxas de mortalidade. Contudo, constata-se que no Brasil a cobertura ainda não alcançou níveis suficientes. Atualmente, o câncer de colo uterino constitui um grave problema de saúde pública nos países em desenvolvimento, por sua elevada taxa de mortalidade entre a população feminina. Neste sentido, verificou-se a importância de se manter uma implementação de ações efetivas, voltadas para a prevenção como: criação de grupos educativos, programas voltados para a prevenção de DST, por meio de orientações para a população 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABEC FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA. Elaborando Trabalhos Científicos Normas para apresentação e elaboração. 1. ed., 3ª reimpressão. Barra do Garças: ABEC, p. BARROS, Sônia Maria Oliveira de. Enfermagem Obstétrica e Ginecológica: guia para a prática assistencial. 2. ed. São Paulo: Roca, p. BOGLIOLO, Luigi. Patologia. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Disponível em: area=0205. Acesso em: 23/03/2012. BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Retrato das desigualdades entre gênero e raça: analise preliminar dos dados. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde; p Disponível em: sa_retrato_das_desigualdades.pdf. Acesso em: 12 22/10/2012. BRUNNER & SUDDARTH. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 11. ed. vol. 2. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. DAVIM, Rejane Marie Barbosa; TORRES, Gilson de Vasconcelos; SILVA, Richardson Augusto Rosendo da; Silva, DANYELLA, Augusto Rosendo da. Conhecimento de mulheres de uma Unidade Básica de Saúde da cidade de Natal/RN sobre o 351

8 exame de Papanicolaou. Revista Escola de Enfermagem USP; 39(3): ; DUNCAN, Bruce B. et al. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, p. GOMES, Cláudio Henrique Rebello; SILVA, Jaqueline Abadia da Silva; RIBEIRO, Jeniffer Araújo; PENNA, Renata Moreira Mendonça. Câncer Cervicouterino: Correlação entre Diagnóstico e Realização Prévia de Exame Preventivo em Serviço de Referência no Norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Cancerologia; 58(1): 41-45; GUERRA, Maximiliano Ribeiro; GALLO, Cláudia Vitória de Moura; MENDONÇA, Gulnar Azevedo e Silva. Risco de câncer no Brasil: tendências e estudos epidemiológicos. Revista Brasileira de Cancerologia; 51(3): ; INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INCA (Brasil). Atlas da Mortalidade. Disponível em: Acesso em: 25/03/2012. INSTITUTO NACIONAL DO CANCER. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INCA (Brasil). Estimativa Incidência do Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER INCA (Brasil). Neoplasia intra-epitelial cervical - NIC. Revista Brasileira de Cancerologia; 46(4): ; Condutas do INCA/MS; LAGANA, Maria Teresa Cícero. Controlar o câncer ginecológico é preciso! Saúde Coletiva; 39(7): 70-72; LOBIONDO-WOOD, Geri; HABER, Judith. Pesquisa em Enfermagem: métodos, avaliação crítica e utilização. 4. ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, MARQUES, Juliana Pedrosa de Holanda; COSTA, Lívia Bandeira; PINTO, Ana Paula de Souza e; LIMA, Anacássia Fonseca de; DUARTE, Maria Eugênia Leite; BARBOSA, Ana Paula Fernandes; MEDEIROS, Paloma Lys de. Células glandulares atípicas e câncer de colo uterino: revisão sistemática. Revista Associação Médica Brasileira; 57(2): ; NAKAGAWA, Janete Tomiyoshi; ESPINOSA, Mariano Martínez; BARBIERI, Márcia; SCHIRMER, Janine. Carcinoma do colo do útero: taxa de sobrevida e fatores prognósticos em mulheres no Estado de Mato Grosso. Acta Paulista de Enfermagem; 24(5): ; OLIVEIRA, Albênia Façanha de; CUNHA, Carlos Leonardo Figueiredo; VIÉGAS, Ivan Sobreira de; BRITO, Luciane Maria de Oliveira; CHEIN, Maria Bethânia da Costa. Estudo sobre a adesão ao exame citopatológico de Papanicolaou em grupo de mulheres. Revista Pesquisa e Saúde; 11(1):32-37; ROBBINS, Stanley Leonard. Patologia Bases Patológicas das Doenças. Rio de Janeiro: Elsevier, p. ROCHA, Gustavo Alvarenga; MELO, Victor Hugo. Biologia Molecular no rastreamento das neoplasias cervicais uterinas. Femina; 38(3): ; THULER, Luiz Cláudio Santos. Mortalidade por câncer do colo do útero no Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 30(5): ; VASCONCELOS, Camila Teixeira; DAMASCENO, Marta Maria Coelho; LIMA, Francisca Elisângela Teixeira; PINHEIRO, Ana Karina Bezerra. Revisão integrativa das intervenções de enfermagem utilizadas para detecção precoce do câncer cervico-uterino. Revista Latino-Americana Enfermagem. [Internet]. mar - abr 2011; 19(2): [8 telas]. Disponível em: Acesso em: 23/10/

9 ZAPPONI, Ana Luiza Barreto; MELO, Enirtes Caetano Prates. Distribuição da mortalidade por câncer de colo de mama e de útero segundo regiões brasileiras. Revista Enfermagem UERJ; 18(4): ;

Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Primeiro Autor. 2

Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Primeiro Autor. 2 399 IMPLANTAÇÃO DA VACINAÇÃO CONTRA O PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) NA POPULAÇÃO FEMININA EM IDADE FÉRTIL: PERSPECTIVAS DE DIMINUIÇÃO DA INCIDÊNCIA DE CASOS DE CÂNCER DE COLO DO ÚTERO 1 Kelen Lopes Da Silva

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento,

Leia mais

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 1 VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 2 3 Como muitas mulheres, Ângela Helena tem uma vida corrida. Ela trabalha, cuida da família, faz cursos e também reserva um tempo para cuidar

Leia mais

A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ

A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ 1 A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ Luciano Bárbara dos Santos 1 1 Cirurgião-dentista, aluno do curso de pós-graduação

Leia mais

Projeto 10Envolver. Nota Técnica

Projeto 10Envolver. Nota Técnica Nota Técnica Referência: Análise dos dados do componente Educação do Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios de 2013 (Atlas do Desenvolvimento Humano 2013, PNUD, IPEA, FJP) para os municípios incluídos

Leia mais

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS PACTO PELA VIDA PRIORIDADE: I - ATENCAO A SAUDE DO IDOSO. OBJETIVO: PROMOVER A FORMACAO

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO 1. CARACTERIZAÇÃO DA MORTALIDADE 1.1 Principais causas de morte, 2010-2013, RAM 1.2 Taxa de mortalidade padronizada (/100.000 hab), Região (RAM, RAA e Portugal), 2009 a 2012 Fonte: Estatísticas da Saúde,

Leia mais

Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA)

Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA) Versão de 2016 1. O QUE É A PFAPA 1.1 O que é? PFAPA significa Febre Periódica, Estomatite

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA).

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Versão 2.0 Fevereiro/2016 1 Histórico de Alterações Versão Data Responsável Alterações/Observações 1.0 Julho/15 2.0 Fevereiro/16 Jeniffer Caroline Rugik

Leia mais

Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias

Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias Sandra Terumi Yoshino 1 1. Enfermeira graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e pós graduada em Enfermagem em

Leia mais

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS RCBP e Vigilância de DCNT Ferramenta para vigilância e monitoramento das neoplasias

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial na Doença de Chagas

Diagnóstico Laboratorial na Doença de Chagas Diagnóstico Laboratorial na Doença de Chagas Silvana Maria Eloi Santos Departamento de Propedêutica Complementar Faculdade de Medicina - UFMG Laboratório de Doença de Chagas CPqRR - FIOCRUZ Ministério

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 12 - outubro/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da asma pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da asma pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da asma pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Cristiane Olinda Coradi, Marina Guimarães Lima Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia da Universidade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS *

ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS * ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS * Estela Regina Garlet 1 José Luís Guedes dos Santos 2 Maria Alice Dias da Silva

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA - A VACINAÇÃO CONTRA O PAPILOMA VÍRUS HUMANO (HPV)

DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA - A VACINAÇÃO CONTRA O PAPILOMA VÍRUS HUMANO (HPV) DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA - A VACINAÇÃO CONTRA O PAPILOMA VÍRUS HUMANO (HPV) Ivonice Mendes de Oliveira Guimarães 1, Joanice dos Santos Gonçalves 2, Karine Sânya Dutra Silva 3 1 Instituto Federal de Goiás

Leia mais

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTERIO DA SAÚDE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O MINISTÉRIO DO TRABALHO, DA SAÚDE E DAS POLÍTICAS SOCIAIS DA REPÚBLICA ITALIANA SOBRE COOPERAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 2 Estrutura para o Teste de Software SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Vertentes

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA E DO PROFESSOR NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) Introdução

O PAPEL DA ESCOLA E DO PROFESSOR NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) Introdução 421 O PAPEL DA ESCOLA E DO PROFESSOR NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) Amanda Ferreira dos Santos², Felipe Vidigal Sette da Fonseca²,

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto USP Departamento de Economia

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto USP Departamento de Economia Pobreza e Desigualdade 1) Que é pobreza? Inicio dos anos 1970: percepção de que as desigualdades sociais e a pobreza não estavam sendo equacionadas como resultado do crescimento econômico. Países ricos:

Leia mais

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante:

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA HANSENÍASE 1. Atribuições

Leia mais

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR FIXO: Uma análise do nível de conhecimento dos enfermeiros de PSF, à luz da Portaria 2048/GM (2002).

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR FIXO: Uma análise do nível de conhecimento dos enfermeiros de PSF, à luz da Portaria 2048/GM (2002). ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR FIXO: Uma análise do nível de conhecimento dos enfermeiros de PSF, à luz da Portaria 2048/GM (2002). Considerando que a área de urgência e emergência constitui um importante

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE DIREITOS HUMANOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE NO USO DO SISTEMA PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO DA Fase 1 (magistrados e servidores da Justiça do Trabalho) Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS

PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS EMENTA O presente estudo tem por finalidade abordar o comportamento recente das pequenas empresas na

Leia mais

O ENVELHECIMENTO NAS DIFERENTES REGIÕES DO BRASIL: UMA DISCUSSÃO A PARTIR DO CENSO DEMOGRÁFICO 2010 Simone C. T. Mafra UFV sctmafra@ufv.br Emília P.

O ENVELHECIMENTO NAS DIFERENTES REGIÕES DO BRASIL: UMA DISCUSSÃO A PARTIR DO CENSO DEMOGRÁFICO 2010 Simone C. T. Mafra UFV sctmafra@ufv.br Emília P. O ENVELHECIMENTO NAS DIFERENTES REGIÕES DO BRASIL: UMA DISCUSSÃO A PARTIR DO CENSO DEMOGRÁFICO 2010 Simone C. T. Mafra UFV sctmafra@ufv.br Emília P. Silva UFV emilia.ergo@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br

Leia mais

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Camila Gomes de Souza Andrade 1 Denise Nunes Viola 2 Alexandro Teles de Oliveira 2 Florisneide

Leia mais

IDOSOS VÍTIMAS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO E VIOLÊNCIA ATENDIDOS POR UM SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL

IDOSOS VÍTIMAS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO E VIOLÊNCIA ATENDIDOS POR UM SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL IDOSOS VÍTIMAS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO E VIOLÊNCIA ATENDIDOS POR UM SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL Hilderjane Carla da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte / E-mail: hilderjanecarla@hotmail.com

Leia mais

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos.

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. ARTIGO Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Autor: Marcos José Sanvidotti Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. Resumo: O monitoramento a distância

Leia mais

Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13.

Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13. Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13. PORTARIA Nº 2.458, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e Considerando a necessidade de criar mecanismos

Leia mais

INTERAÇÃO DE ACADÊMICOS DE MEDICINA COM AS CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

INTERAÇÃO DE ACADÊMICOS DE MEDICINA COM AS CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA INTERAÇÃO DE ACADÊMICOS DE MEDICINA COM AS CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Lucas Garcez Novaes Piccinato 1 ; Renan Rocha Cabrera 2 ; Willian Augusto de Melo 3 RESUMO: O presente

Leia mais

Roteiro para o Monitoramento das Doenças Diarréicas Agudas

Roteiro para o Monitoramento das Doenças Diarréicas Agudas SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Av. 136 s/n, Quadra F44, Lotes 22 a 24,

Leia mais

ANÁLISE DE PREÇO E DISPONIBILIDADE DE RANITIDINA 150MG EM DROGARIAS

ANÁLISE DE PREÇO E DISPONIBILIDADE DE RANITIDINA 150MG EM DROGARIAS ANÁLISE DE PREÇO E DISPONIBILIDADE DE RANITIDINA 150MG EM DROGARIAS MOREIRA, Paula.T.D* 1 ; ROMERO, Catarina * 1 ; TACCONI, Isabella D.R.G.B. *1 ; FARIA, Luciane G. *2 *1 Estudante do Curso de Farmácia

Leia mais

O ESTILO DE VIDA E A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FUNCIONÁRIOS DA REITORIA / UFAL PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL

O ESTILO DE VIDA E A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FUNCIONÁRIOS DA REITORIA / UFAL PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL O ESTILO DE VIDA E A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FUNCIONÁRIOS DA REITORIA / UFAL PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL ANDRÉA BENTO DOS SANTOS¹ CASSIO HARTMANN² (1)GRADUADA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR.

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. Gabriela Salim Xavier, André Luiz Moreno da Silva,

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A TEORIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL NA INTERVENÇÃO TELEFÔNICA PARA CESSAÇÃO DO TABAGISMO Profa. Dra. Eliane Corrêa Chaves (EEUSP)

Leia mais

FITOTERAPIA NO SUS RESUMO PALAVRAS-CHAVE

FITOTERAPIA NO SUS RESUMO PALAVRAS-CHAVE FITOTERAPIA NO SUS FIGUEREDO 1, Climério A; GOUVEIA 2, Iasmin C.; OLIVEIRA 3, Anna Karoline M. Núcleo de Estudos e Pesquisas Homeopáticas e Fitoterápicas Centro de Ciências da Saúde PROBEX RESUMO Em 2006,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO TOR/FNDE/DTI/MEC

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar?

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 3 Farm. André Cabral Contagem, 19 de Maio de 2010 Rastreabilidade É definida como a habilidade

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO Autores Terezinha Mônica Sinício Beltrão. Professora da Rede Pública Municipal de Ensino da Prefeitura do Recife e Professora Técnica da Gerência de Educação

Leia mais

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO UM JOGO BINOMIAL São muitos os casos de aplicação, no cotidiano de cada um de nós, dos conceitos de probabilidade. Afinal, o mundo é probabilístico, não determinístico; a natureza acontece

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Assessorar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades relacionadas com as iniciativas governamentais para

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3CCP HUWC

Gaudencio Barbosa R3CCP HUWC Gaudencio Barbosa R3CCP HUWC Pacientes com carcinoma de celulas escamosas (CEC) comumente se apresentam com massa cervical O primario geralmente é revelado após avaliação clínica O primário pode ser desconhecido

Leia mais

PARECER COREN-SP 020/2014 CT PRCI n 100.473/2012 Ticket n : 277.785, 280.399, 281.427, 284.665, 288.133, 289.653, 291.712, 292.543, 293.445, 299.381.

PARECER COREN-SP 020/2014 CT PRCI n 100.473/2012 Ticket n : 277.785, 280.399, 281.427, 284.665, 288.133, 289.653, 291.712, 292.543, 293.445, 299.381. PARECER COREN-SP 020/2014 CT PRCI n 100.473/2012 Ticket n : 277.785, 280.399, 281.427, 284.665, 288.133, 289.653, 291.712, 292.543, 293.445, 299.381. Ementa: Abertura de clínicas de estética e formação

Leia mais

PRINCIPAIS AGRAVOS UROLÓGICOS FORUM POLÍTICAS PUBLICAS E SAÚDE DO HOMEM/2014

PRINCIPAIS AGRAVOS UROLÓGICOS FORUM POLÍTICAS PUBLICAS E SAÚDE DO HOMEM/2014 PRINCIPAIS AGRAVOS UROLÓGICOS FORUM POLÍTICAS PUBLICAS E SAÚDE DO HOMEM/2014 CARLOS CORRADI CHEFE SERV. UROLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL MINAS GERAIS PRESIDENTE SOCIEDADE BRASILEIRA DE UROLOGIA 2014-2015

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 030 - Plano Online 500MB Requerimento de Homologação Nº 8886 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária CLARO

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa 1 Introdução Este capítulo irá descrever o objeto do estudo, o problema de pesquisa a ser estudado, o objetivo do estudo, sua delimitação e sua limitação. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

Leia mais

E-Learning Uma estratégia para a qualidade do ensino/aprendizagem. Ensino a Distância

E-Learning Uma estratégia para a qualidade do ensino/aprendizagem. Ensino a Distância E-Learning Uma estratégia para a qualidade do ensino/aprendizagem (num contexto académico) Vou dividir a minha apresentação sobre... em 3 partes: Conceito de e-learning Apresentar a intranet dos alunos

Leia mais

Rabobank International Brazil

Rabobank International Brazil Rabobank International Brazil Política de Gerenciamento de Capital Resolução 3.988/2011 Conteúdo 1. Introdução... 3 Patrimônio de Referência Exigido (PRE)... 3 2. Princípios... 4 3. Papéis e Responsabilidades...

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso. I Congresso Mato-Grossense de Medicina de Família e Comunidade

Universidade Federal de Mato Grosso. I Congresso Mato-Grossense de Medicina de Família e Comunidade Data: 17, 18 e 19/03/2016 Horário: 07h 30 às 19h 00. Universidade Federal de Mato Grosso I Congresso Mato-Grossense de Medicina de Família e Comunidade Local: 17/03 (Teatro da UFMT); 18 e 19/03 (INPP)

Leia mais

Manual Mobuss Construção - Móvel

Manual Mobuss Construção - Móvel Manual Mobuss Construção - Móvel VISTORIA & ENTREGA - MÓVEL Versão 1.0 Data 22/04/2014 Mobuss Construção - Vistoria & Entrega Documento: v1.0 Blumenau SC 2 Histórico de Revisão Versão Data Descrição 1.0

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006

PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006 PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006 Aprova o Regulamento Técnico para estabelecer as atribuições, deveres e indicadores de eficiência e do potencial de doação de órgãos e tecidos

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SÃO PAULO CREA-SP ATO NORMATIVO Nº, DE DE DE.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SÃO PAULO CREA-SP ATO NORMATIVO Nº, DE DE DE. ATO NORMATIVO Nº, DE DE DE. Dispõe sobre celebração de convênios com entidades de classe para maior eficiência da fiscalização profissional, através da expansão das Anotações de Responsabilidade Técnica

Leia mais

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20 1 Introdução Projetos de software normalmente estão bastante suscetíveis a passar por inúmeras modificações ao longo do seu ciclo de vida. Muitos deles falham ao atingir seus resultados necessários dentro

Leia mais

DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL

DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL Felipe Gava SILVA 1 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade mostrar o que é a desigualdade social. A desigualdade social é resumida, em muitos com pouco e poucos com

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO POJUCA CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM GISELLE VIERA VIDAL

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO POJUCA CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM GISELLE VIERA VIDAL SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO POJUCA CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM GISELLE VIERA VIDAL AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER: MORTALIDADE POR CÂNCER DE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BIOLOGIA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA. Tema: Identidade dos Seres Vivos COMPETÊNCIA HABILIDADE CONTEÚDO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BIOLOGIA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA. Tema: Identidade dos Seres Vivos COMPETÊNCIA HABILIDADE CONTEÚDO BIOLOGIA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA Tema: Identidade dos Seres Vivos Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento de fatos

Leia mais

FACULDADES NORDESTE - FANOR CURSO DE GRADUAÇÃO EM GASTRONOMIA

FACULDADES NORDESTE - FANOR CURSO DE GRADUAÇÃO EM GASTRONOMIA FACULDADES NORDESTE - FANOR CURSO DE GRADUAÇÃO EM GASTRONOMIA CARLA VITORIA CAVALCANTE DE FREITAS LARISSA PEREIRA AGUIAR JANAINA MARIA MARTINS VIEIRA LARISSA PONCIANO LIMA COSTA CARLILSE DA SILVA GOMES

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

Projeto de Incentivo à Vigilância e Prevenção de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde

Projeto de Incentivo à Vigilância e Prevenção de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde Projeto de Incentivo à Vigilância e Prevenção de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde PROJETO SAÚDE É O QUE INTERESSA Guarantã do Norte - Mato Grosso Estado de Mato Grosso Município

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FOLHA DE VERIFICAÇÃO

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FOLHA DE VERIFICAÇÃO FERRAMENTAS DA QUALIDADE FOLHA DE VERIFICAÇÃO 1 A Folha de Verificação é utilizada para permitir que um grupo registre e compile sistematicamente dados de fontes com experiência na área (históricos), ou

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Distúrbios neurológicos. Crianças. Aprendizado. Professores.

PALAVRAS-CHAVE Distúrbios neurológicos. Crianças. Aprendizado. Professores. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

MODELAGENS. Modelagem Estratégica

MODELAGENS. Modelagem Estratégica Material adicional: MODELAGENS livro Modelagem de Negócio... Modelagem Estratégica A modelagem estratégica destina-se à compreensão do cenário empresarial desde o entendimento da razão de ser da organização

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CONHECIMENTO DOS AGRICULTORES DO ASSENTAMENTO SANTA CRUZ, NO MUNICIPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CONHECIMENTO DOS AGRICULTORES DO ASSENTAMENTO SANTA CRUZ, NO MUNICIPIO DE CAMPINA GRANDE - PB DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CONHECIMENTO DOS AGRICULTORES DO ASSENTAMENTO SANTA CRUZ, NO MUNICIPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Autor: Josué Souza Martins Universidade Federal da Paraíba josué.mart@hotmail.com;

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

Os recursos tecnológicos na Educação de Jovens e Adultos: um diferencial no processo ensino aprendizagem.

Os recursos tecnológicos na Educação de Jovens e Adultos: um diferencial no processo ensino aprendizagem. Os recursos tecnológicos na Educação de Jovens e Adultos: um diferencial no processo ensino aprendizagem. Fátima Aparecida Machado dos Santos Centro Educacional de Jovens e Adultos /Secretaria Municipal

Leia mais

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO 1. TRIAGEM SOROLÓGICA - É recomendada a realização de teste anti-hiv com aconselhamento e com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal; - Enfatiza-se

Leia mais

Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP

Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP São Paulo, 13 de julho de 2015. Ilmo Sr. Jorge Alves de Almeida Venâncio Coordenador da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Handhelds, Manutenção de Subestação, Tecnologia da Informação.

PALAVRAS-CHAVE Handhelds, Manutenção de Subestação, Tecnologia da Informação. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Utilização de Computadores de Mão (Handheld) pelos Eletricistas da Manutenção de Subestação e Linhas da AES Eletropaulo no Controle de Inspeções e Ordens de

Leia mais

Palavras-chave: Segurança, sons, tranquilidade, transgressor, transtornos. Hudson Gonçalves Neves 2,Luciene da Silva Dias 3.

Palavras-chave: Segurança, sons, tranquilidade, transgressor, transtornos. Hudson Gonçalves Neves 2,Luciene da Silva Dias 3. 103 PERTURBAÇÃO DO SOSSEGO ALHEIO: Uma análise dessa infração na cidade de Viçosa - MG e uma proposta de mudança no comportamento do cidadão infrator 1 Hudson Gonçalves Neves 2,Luciene da Silva Dias 3

Leia mais

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte

Leia mais

ALTERAÇÕES TORÁCICAS CORREÇÕES CIRÚRGICAS

ALTERAÇÕES TORÁCICAS CORREÇÕES CIRÚRGICAS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde ALTERAÇÕES TORÁCICAS CORREÇÕES CIRÚRGICAS Prof. Dr. Luzimar Teixeira 1. Técnica cirúrgica corrige não só a região anterior do

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DE DEFICIENTES FÍSICOS E/OU MOBILIDADE REDUZIDA PERANTE O CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DE DEFICIENTES FÍSICOS E/OU MOBILIDADE REDUZIDA PERANTE O CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DE DEFICIENTES FÍSICOS E/OU MOBILIDADE REDUZIDA PERANTE O CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA Franciele Martins Marqueze Gabriel Henrique de Oliveira

Leia mais

Gestão de Projeto para Leigos: Uma Síntese para Fácil Compreensão

Gestão de Projeto para Leigos: Uma Síntese para Fácil Compreensão Gestão de Projeto para Leigos: Uma Síntese para Fácil Compreensão Ana Flavia Meireles Rodrigues (FCSGN) 1 Gesielen Souto lima Paranhos (FCSGN) 2 Laíde dos Anjos Santos (FCSGN) 3 Lucélia Aparecida Rothermel

Leia mais

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização Suelen Moraes de Lorenzo 1 e-mail: suelen.lorenzo@gmail.com Amabriane da Silva Oliveira e-mail: amabriane@r7.com

Leia mais

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1 Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina - Departamento de Medicina Social Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Monitoramento e Avaliação do Programa de Expansão e Consolidação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Código: CONSPROC 2010 Prestação de serviço técnico especializado, modalidade de consultoria

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: - - - - - ÁREA TEMÁTICA: Objetivo

TÍTULO: AUTORES: - - - - - ÁREA TEMÁTICA: Objetivo TÍTULO: TECNOLOGIA E PRÁTICAS EDUCATIVAS NA PREVENÇÃO DO HIV/AIDS EM MULHERES AUTORES: Luciana Patrícia Zucco - Núcleo de Estudos e Ações em Saúde Reprodutiva e Trabalho Feminino da Escola de Serviço Social

Leia mais

PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088

PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088 PARECER COREN-SP 041 /2013 CT PRCI n 101.064 Tickets nº 291.263, 300.088 Ementa: Passagem de plantão ao turno seguinte. Quando caracteriza-se abandono de plantão. 1. Do fato Enfermeiro solicita parecer

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS Júlio César Neis 1 ; Rosangela Aguiar Adam 2 ; Tiago Lopes Gonçalves 3 ; Vera Regina Mazureck

Leia mais

Plano de Manejo Parque Natural Municipal Doutor Tancredo de Almeida Neves. Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO. IVB-2012 Página 1

Plano de Manejo Parque Natural Municipal Doutor Tancredo de Almeida Neves. Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO. IVB-2012 Página 1 Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO IVB-2012 Página 1 CONTEÚDO 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 6.1 Monitoramento e avaliação anual da implementação do Plano 6.2 Monitoramento e avaliação da efetividade do

Leia mais

1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016

1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016 1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016 Justificativa O Movimento Maio Amarelo nasceu com uma só proposta: chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e

Leia mais

Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária.

Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária. Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária. - Planejar, programar, executar, avaliar, capacitar, orientar e fiscalizar as atividades relacionadas à análise, avaliação e aprovação

Leia mais

Identidade e trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar

Identidade e trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar 9 Considerações finais A partir da análise dos dados coletados nessa pesquisa algumas considerações finais se fazem pertinentes em relação às questões iniciais levantadas nesta pesquisa. 9.1 Identidade

Leia mais

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura António Firmino da Costa Elsa Pegado Patrícia Ávila CIES-ISCTE 2008 BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL: ALPHA.

Leia mais

- ; - -1,- NOTA TÉCNICA N`&5-7.12016/ CGNOR/DSST/SIT/MTPS

- ; - -1,- NOTA TÉCNICA N`&5-7.12016/ CGNOR/DSST/SIT/MTPS . - ; - -1,- - MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Anexo, Ala B, 1 andar, sala 176 - CEP: 70056-900 - Brasilia/DF sitgmte

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia)

PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia) *C0048302E* C0048302E CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia) Altera a Lei nº 8.080, de 11 de setembro, de 1990, para determinar a realização de campanhas destinadas

Leia mais

O AMAMENTAR PARA MÃES COM NECESSIDADES ESPECIAIS

O AMAMENTAR PARA MÃES COM NECESSIDADES ESPECIAIS O AMAMENTAR PARA MÃES COM NECESSIDADES ESPECIAIS XI ENCONTRO NACIONAL DE ALEITAMENTO MATERNO I ENCONTRO NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL SANTOS, SP 8 A 12 DE JUNHO DE 2010 O AMAMENTAR PARA

Leia mais