Revista Eletrônica Interdisciplinar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Eletrônica Interdisciplinar"

Transcrição

1 ÍNDICE DE MORTALIDADE ASSOCIADO AO CÂNCER DE COLO UTERINO EM BARRA DO GARÇAS MT, ENTRE JANEIRO DE 2007 A JANEIRO DE 2012 Luanna Maria dos Santos Martins 1 Daniela Silva Reis 2 RESUMO O câncer de colo do útero é a principal causa de morte por câncer entre mulheres que vivem em países em desenvolvimento, é considerado o segundo tipo de câncer mais frequente entre a população feminina do estado do Mato Grosso elevando as taxas de mortalidade. Este estudo objetiva descrever o perfil epidemiológico levantando o índice de mortalidade associado à doença em Barra do Garças MT, entre janeiro de 2007 a janeiro de Para tanto buscou-se no Sistema de Informação sobre Mortalidade - SIM, via DATASUS, dados referentes ao período delimitado, tendo como resultado 33% e 34% dos óbitos ocorridos em mulheres com faixa etária entre e 51-60, respectivamente, e 78% de raça parda. Os resultados apontam para a necessidade de incentivo a medidas preventivas de rastreamento precoce da doença, para que haja uma redução significativa na incidência e morbimortalidade de mulheres por câncer de colo uterino. Palavras-chave: Mortalidade; Papanicolaou; Epidemiologia. ABSTRACT Cancer of the cervix is the leading cause of cancer death among women living in developing countries, is considered the second most common type of cancer among the female population of the state of Mato Grosso rising mortality rates. This study aims to describe the epidemiological profile raising the mortality rate associated with the disease in Barra do Garças - MT, between January 2007 and January Therefore we sought the Mortality Information System - YES, via DATASUS delimited data for the period, resulting in 33% and 34% of deaths in women aged between and 51-60, respectively, and 78% of mixed race. The results point to the need for preventive measures to encourage early screening of the disease, so there is a significant reduction in the incidence and mortality of women for cervical cancer. Key Words: Mortality; Papanicolaou; Epidemiology. 1 Graduada em Enfermagem. 2 Enfermeira Mestre, Doutoranda em Saúde Pública INTRODUÇÃO O câncer de colo do útero é a patologia que acomete a população feminina sendo considerada a principal causa de morte por câncer entre mulheres que vivem em países em vias de desenvolvimento (THULER, 2008). Segundo o Instituto Nacional do Câncer (2011) é caracterizado pela replicação desordenada do epitélio de revestimento do órgão, comprometendo o tecido subjacente (estroma) e podendo invadir estruturas e órgãos contíguos ou à distância. Já Rocha e Melo (2010) afirmam que o câncer cervical resulta do crescimento descontrolado de células anormais do colo uterino, sendo considerada uma doença de crescimento lento que acomete mulheres adultas, sexualmente ativas. Davim et al. (2005) o define [...] como afecção progressiva e é caracterizado por alterações intraepiteliais cervicais, podendo se desenvolver para um estágio invasivo ao longo de uma ou duas décadas. Possuindo etapas definidas e de lenta evolução, o que permite sua interrupção a partir de um diagnóstico precoce e tratamento oportuno a custos reduzidos. Segundo o INCA (2011), tem seu desenvolvimento lento, podendo cursar sem sintomas em fase inicial e evoluir para quadros de sangramento vaginal intermitente ou após a relação sexual, com secreção vaginal anormal e dor abdominal associada com queixas urinárias ou intestinais nos casos mais avançados. Dentre os fatores envolvidos no desenvolvimento do câncer de colo uterino, como afirmam Guerra et al. (2005), Robbins (2005) e Rocha e Melo (2010), o HPV (Papiloma Vírus Humano) é considerado o agente mais importante da oncogênese cervical, tendo sua transmissão por contato sexual, muito bem documentada na atualidade. O principal fator de risco para o desenvolvimento de lesões intraepiteliais de alto grau e do câncer do colo do útero é a infecção pelo HPV. Apesar de ser considerada uma condição 345

2 necessária, a infecção pelo HPV por si só não representa uma causa suficiente para o surgimento dessa neoplasia. Além de aspectos relacionados à própria infecção pelo HPV (tipo e carga viral, infecção única ou múltipla), outros fatores ligados à imunidade, à genética e ao comportamento sexual parecem influenciar os mecanismos ainda incertos que determinam a regressão ou a persistência da infecção e também a progressão para lesões precursoras ou câncer. A idade também interfere nesse processo, sendo que a maioria das infecções por HPV em mulheres com menos de 30 anos regride espontaneamente, ao passo que, acima dessa idade, a persistência é mais frequente. O tabagismo eleva o risco para o desenvolvimento do câncer do colo do útero. Esse risco é proporcional ao número de cigarros fumados por dia e aumenta sobretudo quando o ato de fumar é iniciado em idade precoce. Existem hoje 13 tipos de HPV reconhecidos como oncogênicos pela Agência Internacional para Pesquisa sobre o Câncer (IARC). Desses, os mais comuns são o HPV16 e o HPV18 (INCA, 2011). De acordo com INCA (2011) entre 2007 e 2010, esta neoplasia representou a terceira causa de morte por câncer em mulheres, representando uma taxa bruta de mortalidade de 5,68% de óbitos para cada 100 mil mulheres, prova de que o país avançou na sua capacidade de realizar diagnóstico precoce é que na década de 1990, 70% dos casos diagnosticados eram da doença invasiva, ou seja, o estágio mais agressivo da doença. Atualmente 44% dos casos são de lesão precursora do câncer, chamada in situ, ou seja, um tipo de lesão localizada. O câncer do colo do útero, também chamado de cervical, demora muitos anos para se desenvolver. As alterações das células que podem desencadear o câncer são descobertas facilmente no exame preventivo (conhecido também como Papanicolaou), por isso é importante a sua realização periódica (INCA, 2011). Zaponi e Melo (2010) afirmam que o Brasil, apesar de ser o precursor na utilização da colposcopia associada ao exame citopatológico para a detecção precoce do câncer uterino e de suas lesões precursoras, ainda mantem elevadas taxas de mortalidade sobre a doença. Para Marques et al. (2011), a Sociedade Americana de Colposcopia e Patologia Cervical (ASCCP), bem como o Ministério da Saúde no Brasil, indicam a imediata avaliação colposcópica com amostragem endocervical para os casos de Células Glandulares Atípicas (ACG). O câncer de colo uterino pode ser evitado ou minimizado por intermédio de cuidados simples e de prevenção, realizando os exames preventivos anualmente, através de ações preventivas, voltadas para a saúde da mulher, contribuindo para a redução de problema de saúde, evidenciado por um número elevado de morbimortalidade associado ao câncer de colo uterino (INCA, 2011). Tal fato justifica que mulheres diagnosticadas precocemente, se tratadas adequadamente, têm em torno de 100% de chance de cura. Os programas de saúde pública enfatizam a necessidade de promoção e prevenção à saúde, com acompanhamento periódico através de rastreamento citológico, realizados na atenção básica de saúde, para detectar precocemente as lesões precursoras de neoplasias cervicais em todas as mulheres que já iniciaram a vida sexual, minimizando o risco de desenvolver tais neoplasias, e reduzir a morbimortalidade da doença (ROCHA e MELO, 2010). Apesar dos avanços tecnológicos e da criação de programas voltados para a promoção e prevenção da saúde, existe a necessidade de consolidação das políticas de saúde voltadas para a mulher, viabilizando o seu acesso aos serviços, melhorando a qualidade da assistência prestada, visando à identificação precoce destas neoplasias, fator este fundamental para um tratamento com êxito e redução da morbimortalidade associada ao câncer cervical uterino (ZAPPONI e MELO, 2010). Segundo Gomes et al. (2012), dados de estudos realizados em 2008 evidenciam que cerca de 275 mil óbitos por ano no mundo, se deve à presença de neoplasia maligna do colo uterino. Já Nakagawa et al. (2011), apontam que em estudos realizados entre 2002 e 2007 foram registrados 18 casos de óbitos por câncer de colo do útero no Estado de Mato Grosso. Para tanto, deve haver uma preocupação maior dos órgãos responsáveis pela saúde pública para que se tenha uma redução no índice de mortalidade por câncer de colo uterino. Segundo o INCA (2011 apud GOMES et al., 2012), o número de novos casos previstos para 2012 é de e a estimativa prevista para os próximos anos é alarmante, e deve deixar os profissionais de saúde, bem como os serviços de saúde público ou privado, preparados para que sejam realizadas novas estratégias de enfrentamento do problema. Para Gomes et al. (2012, p. 42), o exame preventivo do câncer do colo uterino foi implantado na rede pública em 1999, e tem por finalidade a detecção precoce da neoplasia invasora e suas lesões precursoras por meio de análise citológica periódica do esfregaço obtido pela coleta utilizando a técnica de Papanicolaou. 346

3 O mesmo autor pontua que o Brasil, mesmo apresentando constantes esforços em educação da população e de disponibilização do exame pela rede pública, continua tendo taxas de incidência e mortalidade crescentes. Isso leva ao entendimento de que as ações propostas nos programas de prevenção do câncer de colo uterino não estão sendo eficazes para causar impacto na redução do índice de mortalidade no Brasil (GOMES et al, 2012). Conforme Bogliolo (2006), no Brasil, sobretudo em algumas regiões, as neoplasias malignas ainda se fazem presente, ao contrário de muitos outros países, devido ações bem-sucedidas de programas de atenção à saúde, lesões précancerígenas são precocemente detectadas, o que permite um tratamento eficaz da doença. Segundo o Ministério da Saúde (2004 apud BARROS, 2009), para que um programa de rastreamento cause impacto epidemiológico, é necessário realizar uma cobertura superior a 80%, o que representa um impacto de 50% na redução da mortalidade. Brunner e Suddarth (2008) trazem que o aconselhamento preventivo deve incluir o retardo da primeira relação sexual, prevenção quanto a infecção por HPV, bem como a imunização, educação sobre saúde reprodutiva e sexo mais seguro, cessação do tabagismo, a fim de se reduzir a incidência de câncer de colo uterino. Isso significa que os fatores de risco influenciam no aparecimento das lesões cancerígenas de forma drástica, podendo ser evitadas com a intensificação de medidas preventivas tais como, orientações relacionadas com a prevenção destes fatores, imunização através de vacinas reduzindo a exposição destas mulheres aos agentes potencialmente perigosos para o desencadeamento desta patologia, devendo estas, estarem presentes em políticas de saúde prioritárias para a redução da morbimortalidade associada ao câncer cervical uterino. Considerando rastreamento populacional, de acordo com as normas do Ministério da Saúde, a citologia é colhida a cada três anos após dois exames consecutivos anuais negativos, em mulheres de 25 e 60 anos de idade, por resultar no melhor custobenefício (DUNCAN et al., 2004, p. 472). Ao contrário do que é preconizado pelo Ministério da Saúde, este rastreamento feito através da coleta do exame preventivo, realizado no atendimento individual, nos ambulatórios e consultórios, é feito anualmente. Contudo, esta periodicidade trienal do exame citopatológico, estabelecida pelo Ministério da Saúde do Brasil no controle do câncer de colo o útero está em conformidade e, demonstra eficácia tanto quanto a anual, no que diz respeito à redução de taxas de incidência por este câncer, possibilitando a identificação de um possível resultado falsonegativo, no qual possa ter ocorrido em resultados de exames anteriores com intervalo anual (DUNCAN, 2004). Segundo BRASIL (2010), as estratégias para a detecção precoce são o diagnóstico precoce 5 (abordagem de pessoas com sinais e/ou sintomas da doença) e o rastreamento (aplicação de um teste ou exame numa população assintomática, aparentemente saudável, com objetivo de identificar lesões sugestivas de câncer e encaminhá-la para investigação e tratamento), conforme recomendado pelo Ministério da Saúde. O teste utilizado em rastreamento deve ser seguro, relativamente barato e de fácil aceitação pela população, ter sensibilidade e especificidade comprovadas, além de relação custoefetividade favorável. A análise epidemiológica da situação da mortalidade por câncer de colo uterino, segundo variáveis demográficas, se faz necessária por permitir avaliar o padrão de ocorrência e evolução da mortalidade em diferentes populações, avaliar indiretamente e identificar os grupos de mulheres com maior risco de morte. Diante do exposto o presente estudo objetiva descrever o perfil epidemiológico e levantar o índice de mortalidade associado ao câncer de colo uterino em Barra do Garças MT, no período de janeiro de 2007 a janeiro de METODOLOGIA A pesquisa trata de um estudo quantitativo de caráter exploratório com utilização de dados indiretos através do levantamento de registros disponíveis na Secretaria Municipal de Saúde de Barra do Garças MT, onde as informações de mortalidade e as variáveis relacionadas foram extraídas do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), referente ao período de janeiro de 2007 a janeiro de 2012, via DATASUS (ABEC, 2012; LOBIONDO-WOOD e HABER, 2001). Para a seleção das variáveis estudadas, levou-se em consideração a disponibilidade e a completitude das mesmas no banco de dados do SIM, sendo incluídas as variáveis idade, etnia/cor e localidade. Os dados obtidos na pesquisa foram submetidos à análise percentual, tendo sua apresentação de resultados auxiliados por meio de gráficos, construídos com o auxílio do programa Microsoft Office Excel

4 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os dados da pesquisa mostram que no período de janeiro de 2007 a janeiro de 2012 ocorreram nove óbitos em mulheres residentes no município de Barra do Garças - MT, por câncer de colo uterino, sendo 3 óbitos em 2007, 1 em 2008, 4 em 2009 e 2010, sendo 2 por ano, em 2012 foi registrado 1 óbito e não houve registrado de óbito para o ano de 2011 (Figura 1). O câncer do colo do útero conforme já descrito por Nakagawa et al (2011), é o segundo tipo de câncer mais frequente entre a população feminina do estado do Mato Grosso e também a segunda causa de mortalidade por neoplasia em Segundo INCA (2011), a região Centro-Oeste é o mais incidente com 28/100 mil casos apresentando também alta prevalência a nível nacional. O alto índice de mortalidade tem sido considerado uma grande preocupação por parte das autoridades, no que se refere à saúde da mulher, tornando necessária a criação de programas voltados para a população feminina mato-grossense. Total de Óbitos por Ano 3; 34% ; 22% ; 22% Figura 1. Total de óbitos associados ao câncer de colo uterino em Barra do Garças MT, entre janeiro de 2007 a janeiro de 2012, por ano. Dados do INCA obtidos a partir dos Registros Hospitalares de Câncer apontam para taxas de detecção em estágios avançados que chegam a 50%, comprovando a alta taxa de letalidade da doença (INCA, 2000). O Brasil mantém uma das mais altas taxas de mortalidade por câncer de colo uterino, apesar de ter sido um dos primeiros países a utilizar a colposcopia associada ao exame citopatológico para a detecção precoce desse tipo de câncer e de suas lesões precursoras (ZAPPONI e MELO, 2010). Conforme apresentado na figura abaixo, verificou-se um aumento na taxa de mortalidade por câncer de colo uterino a partir da faixa etária dos e anos, com taxa de 34% e 33%, respectivamente. Uma menor taxa de incidência de mortalidade foi observada na faixa etária entre anos, correspondente a 11% do total de óbitos referentes ao período. Entre a faixa etária dos anos não houve registro de óbito. Já a faixa etária de anos apresenta 22% dos óbitos registrados (Figura 2). 348

5 Total de Óbitos por Faixa Etária 2; 22% ; 33% 3; 34% Figura 2. Total de óbitos associados ao câncer de colo uterino em Barra do Garças MT, entre janeiro de 2007 a janeiro de 2012, por faixa etária. Tal evento demonstra a necessidade de implementação de medidas que visem o controle do câncer de colo uterino em curto prazo com foco em mulheres com idade entre 25 e 59 anos, conforme recomendado pelo Ministério da Saúde. Observa-se na área em estudo, que as mulheres pardas apresentaram maior risco de morte quando comparadas às brancas e pretas, representando um percentual de 78% entre as mulheres pardas, 11% entre pretas e 11% entre brancas (Figura 3). De fato, a falta de acesso aos exames preventivos entre as mulheres negras pôde ser constatada nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2006, pois entre aquelas com 25 anos ou mais que nunca tinham realizado o 9 exame citológico, a proporção das brancas era de 17%, e das negras, de 25% (BRASIL, 2008). Total de Óbitos por Etnia/Cor Branc a Parda 7; 78% Figura 3. Total de óbitos associados ao câncer de colo uterino em Barra do Garças MT, entre janeiro de 2007 a janeiro de 2012, por Etnia/Cor. De acordo com a figura 4, observou-se que 89% dos óbitos registrados no período ocorreram no hospital, enquanto que 11% tiveram seu registro no domicílio. 349

6 Um fator importante está relacionado ao estadiamento da doença, que depende de exames básicos de imagem, porém a gestão do SUS (Sistema Único de Saúde) ainda não permite facilidade no acesso a estes recursos, verificando-se um alto índice de pacientes sem diagnóstico preciso e com doença avançada, justificando as internações hospitalares por neoplasias de colo do útero, demandando gastos com as internações, apesar de ser uma doença em que a prevenção e o diagnóstico precoce estão dentro das possibilidades dos serviços de saúde, sem considerar gastos ambulatoriais e os custos relacionados à perda de produtividade das usuárias (LAGANA, 2010). Ainda sobre este assunto, Vasconcelos et al. (2011), afirmam que a hospitalização é considerada instrumento valioso que possibilita discutir o rastreamento do Programa Nacional de Controle do Câncer de Colo do Útero (PNCCU) especialmente em pacientes indigentes, cujo único contato com o sistema de saúde pode ser o período de hospitalização, momento este importante, pois as pessoas estão mais disponíveis para receber intervenções. 10 Total de Óbitos por Localidade Hospital Domicílio 8; 89% Figura 4. Total de óbitos associados ao câncer de colo uterino em Barra do Garças MT, entre janeiro de 2007 a janeiro de 2012, por localidade. Entretanto, as ações preventivas voltadas para a saúde da mulher, ainda constituem um problema sério de saúde, evidenciado por um número elevado de morbimortalidade associado ao câncer de colo uterino. Para reverter esses dados tão assustadores, práticas adotadas na atenção à saúde da mulher no que se refere ao processo de intensificação das ações propostas na realização do exame citopatológico de Papanicolaou devem ser intensificados a fim de se reduzir esses dados (BARROS, 2009). Fica claro que o rastreamento realizado através do esfregaço de Papanicolaou tem aumentado a detecção de cânceres potencialmente curáveis e a erradicação de lesão pré-invasivas, reduzindo assim a mortalidade em decorrência desta patologia em mulheres brasileiras (GOMES et al., 2012). A prevenção, o diagnóstico precoce e o tratamento curativo destas lesões cervicouterinas, implicam na redução da taxa de mortalidade do câncer de colo uterino, onde para Davim et al., (2005), a realização do exame Papanicolaou é considerado o instrumento mais adequado, prático e barato para o rastreamento do câncer de colo de útero, também denominado de colpocitologia e mais comumente referido pela clientela como exame preventivo. Porém afirmam Oliveira et al., (2010) que o câncer de colo uterino ainda é um problema de Saúde Pública em países em desenvolvimento, onde apresenta altas taxas de prevalência e mortalidade. Um importante aliado para reduzir a prevalência desta patologia é a promoção da saúde por intermédio de reuniões na comunidade, orientação quanto à importância da coleta do exame preventivo periodicamente, maximizando a 350

7 eficiência dos programas de prevenção, fazendo com que os profissionais da área da saúde utilizem-se destas estratégias, consideradas primordiais para a população feminina brasileira (OLIVEIRA et al. 2010). exposta aos riscos, identificando fatores que venham a desencadear o câncer de colo uterino, com vistas a prevenir o surgimento da doença, redução do índice de mortalidade, contribuindo pra uma melhor qualidade de vida das mulheres. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A importância de medidas preventivas envolvidas no rastreamento precoce de lesões cancerígenas, tanto na população assintomática quanto na sintomática, para a identificação do grau e do tratamento adequado através do exame Papanicolaou, tem forte influencia na redução da incidência e morbimortalidade das portadoras. As ações voltadas na detecção precoce das lesões em seu estágio inicial devem ser realizadas periodicamente, demonstrando resultados significativos na redução da mortalidade por câncer de colo de útero, e representa uma estratégia segura e eficiente para a promoção da saúde da população feminina, o que resulta em um diagnóstico precoce, facilitando a cura em até 100% destas lesões, através de rastreamento citológico periódico. A realização do exame preventivo periodicamente por parte das mulheres tem importância significativa na redução da incidência do câncer e consequentemente do índice aumentado da mortalidade, porém a maioria das mulheres percebe o exame como método de diagnóstico de doenças, quando que na verdade, este instrumento utilizado na prevenção do câncer de colo uterino é parte integrante da rotina da vida da mulher, estabelecido pelo Ministério da Saúde. Estudos mostram que ainda nos dias atuais existem mulheres que não realizam o exame preventivo periodicamente, ou ainda quando são descobertos tardiamente, essas mulheres em grande maioria, estão realizando o exame pela primeira vez, ultrapassando um intervalo entre uma coleta e outra, caracterizado por um período maior que três anos, implicando no diagnóstico tardio da doença, tornando a cura difícil e, às vezes, impossível, o que resulta em aumento das taxas de mortalidade. Contudo, constata-se que no Brasil a cobertura ainda não alcançou níveis suficientes. Atualmente, o câncer de colo uterino constitui um grave problema de saúde pública nos países em desenvolvimento, por sua elevada taxa de mortalidade entre a população feminina. Neste sentido, verificou-se a importância de se manter uma implementação de ações efetivas, voltadas para a prevenção como: criação de grupos educativos, programas voltados para a prevenção de DST, por meio de orientações para a população 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABEC FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA. Elaborando Trabalhos Científicos Normas para apresentação e elaboração. 1. ed., 3ª reimpressão. Barra do Garças: ABEC, p. BARROS, Sônia Maria Oliveira de. Enfermagem Obstétrica e Ginecológica: guia para a prática assistencial. 2. ed. São Paulo: Roca, p. BOGLIOLO, Luigi. Patologia. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Disponível em: area=0205. Acesso em: 23/03/2012. BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Retrato das desigualdades entre gênero e raça: analise preliminar dos dados. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde; p Disponível em: sa_retrato_das_desigualdades.pdf. Acesso em: 12 22/10/2012. BRUNNER & SUDDARTH. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 11. ed. vol. 2. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. DAVIM, Rejane Marie Barbosa; TORRES, Gilson de Vasconcelos; SILVA, Richardson Augusto Rosendo da; Silva, DANYELLA, Augusto Rosendo da. Conhecimento de mulheres de uma Unidade Básica de Saúde da cidade de Natal/RN sobre o 351

8 exame de Papanicolaou. Revista Escola de Enfermagem USP; 39(3): ; DUNCAN, Bruce B. et al. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, p. GOMES, Cláudio Henrique Rebello; SILVA, Jaqueline Abadia da Silva; RIBEIRO, Jeniffer Araújo; PENNA, Renata Moreira Mendonça. Câncer Cervicouterino: Correlação entre Diagnóstico e Realização Prévia de Exame Preventivo em Serviço de Referência no Norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Cancerologia; 58(1): 41-45; GUERRA, Maximiliano Ribeiro; GALLO, Cláudia Vitória de Moura; MENDONÇA, Gulnar Azevedo e Silva. Risco de câncer no Brasil: tendências e estudos epidemiológicos. Revista Brasileira de Cancerologia; 51(3): ; INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INCA (Brasil). Atlas da Mortalidade. Disponível em: Acesso em: 25/03/2012. INSTITUTO NACIONAL DO CANCER. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INCA (Brasil). Estimativa Incidência do Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER INCA (Brasil). Neoplasia intra-epitelial cervical - NIC. Revista Brasileira de Cancerologia; 46(4): ; Condutas do INCA/MS; LAGANA, Maria Teresa Cícero. Controlar o câncer ginecológico é preciso! Saúde Coletiva; 39(7): 70-72; LOBIONDO-WOOD, Geri; HABER, Judith. Pesquisa em Enfermagem: métodos, avaliação crítica e utilização. 4. ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, MARQUES, Juliana Pedrosa de Holanda; COSTA, Lívia Bandeira; PINTO, Ana Paula de Souza e; LIMA, Anacássia Fonseca de; DUARTE, Maria Eugênia Leite; BARBOSA, Ana Paula Fernandes; MEDEIROS, Paloma Lys de. Células glandulares atípicas e câncer de colo uterino: revisão sistemática. Revista Associação Médica Brasileira; 57(2): ; NAKAGAWA, Janete Tomiyoshi; ESPINOSA, Mariano Martínez; BARBIERI, Márcia; SCHIRMER, Janine. Carcinoma do colo do útero: taxa de sobrevida e fatores prognósticos em mulheres no Estado de Mato Grosso. Acta Paulista de Enfermagem; 24(5): ; OLIVEIRA, Albênia Façanha de; CUNHA, Carlos Leonardo Figueiredo; VIÉGAS, Ivan Sobreira de; BRITO, Luciane Maria de Oliveira; CHEIN, Maria Bethânia da Costa. Estudo sobre a adesão ao exame citopatológico de Papanicolaou em grupo de mulheres. Revista Pesquisa e Saúde; 11(1):32-37; ROBBINS, Stanley Leonard. Patologia Bases Patológicas das Doenças. Rio de Janeiro: Elsevier, p. ROCHA, Gustavo Alvarenga; MELO, Victor Hugo. Biologia Molecular no rastreamento das neoplasias cervicais uterinas. Femina; 38(3): ; THULER, Luiz Cláudio Santos. Mortalidade por câncer do colo do útero no Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 30(5): ; VASCONCELOS, Camila Teixeira; DAMASCENO, Marta Maria Coelho; LIMA, Francisca Elisângela Teixeira; PINHEIRO, Ana Karina Bezerra. Revisão integrativa das intervenções de enfermagem utilizadas para detecção precoce do câncer cervico-uterino. Revista Latino-Americana Enfermagem. [Internet]. mar - abr 2011; 19(2): [8 telas]. Disponível em: Acesso em: 23/10/

9 ZAPPONI, Ana Luiza Barreto; MELO, Enirtes Caetano Prates. Distribuição da mortalidade por câncer de colo de mama e de útero segundo regiões brasileiras. Revista Enfermagem UERJ; 18(4): ;

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BEM ADRIANA JUSSARA EM A MULHER QUE VALIA POR MUITAS CMY SAÚDE DA MULHER

folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BEM ADRIANA JUSSARA EM A MULHER QUE VALIA POR MUITAS CMY SAÚDE DA MULHER folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BE ADRIANA JUSSARA E A ULHER QUE VALIA POR UITAS SAÚDE DA ULHER folder_saude_da_mulher.pdf 2 19/07/16 16:48 Leia o código e assista a história de Adriana

Leia mais

CONHECIMENTO A RESPEITO DA IMPORTANCIA DO EXAME PAPANICOLAU NA PREVENÇÃO DO CANCER DE COLO UTERINO, NO MUNICIPIO DE BARBALHA.

CONHECIMENTO A RESPEITO DA IMPORTANCIA DO EXAME PAPANICOLAU NA PREVENÇÃO DO CANCER DE COLO UTERINO, NO MUNICIPIO DE BARBALHA. CONHECIMENTO A RESPEITO DA IMPORTANCIA DO EXAME PAPANICOLAU NA PREVENÇÃO DO CANCER DE COLO UTERINO, NO MUNICIPIO DE BARBALHA. Bárbara Thalyta Macedo 1 Nilene Clemente Barros Alves de Oliveira 2 Antônio

Leia mais

CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE GARCIA, Thaynara Soares 1 ; MAGALHÃES, Juliana Cristina; AMARAL, Rita

Leia mais

CÂNCER DE COLO ÚTERINO: DIAGNÓSTICOS E PREVENÇÃO, TRATAMENTO.

CÂNCER DE COLO ÚTERINO: DIAGNÓSTICOS E PREVENÇÃO, TRATAMENTO. CÂNCER DE COLO ÚTERINO: DIAGNÓSTICOS E PREVENÇÃO, TRATAMENTO. Allef Ravely Dias Gonzaga¹ Neilma Santos Cavalcanti De Andrade¹, Rúbia De Souza Porto¹, Simone De Carvalho Rocha¹ Giovanni Tavares De Sousa²

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU

TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CORADINI, Lidiane 3 ; COSER, Janaina 4 ; HANSEN, Dinara 4 ; GARCES,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA RIBEIRO, Juliane Portella 1 ; QUADROS, Lenice de Castro Muniz 2 ; LIMA, Luciana Rodrigues dos Santos 3 ;

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 Atualização em Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia - Capítulo II - Infecção por HPV e Lesões HHV-Induzidas Prof. Dr. Flávio Zucchi -

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS 10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS SOUZA-NETO, José Augusto; FREITAS-JUNIOR, Ruffo; CABERO, Flávia Vidal; FREITAS, Thaís Castanheira; TERRA,

Leia mais

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo GBECAM O Câncer de Mama no Estado de São Paulo Dra. Maria Del Pilar Estevez Diz Coordenadora Médica -Oncologia Clínica Diretora Médica Instituto do Câncer do Estado de São Paulo -ICESP Epidemiologia Incidência

Leia mais

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA Rita de Cássia Sousa Silva (1); Daniele Fidelis de Araújo (1); Ítalo de Lima Farias (2); Socorro Malaquias dos Santos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MOTIVOS DA NÃO ADESÃO AO EXAME DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

IDENTIFICAÇÃO DE MOTIVOS DA NÃO ADESÃO AO EXAME DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO SERVIÇO DE GINECOLOGIA MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV NO RASTREIO DO CÂNCER DE COLO UTERINO Dra Rejane

Leia mais

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Evidências da efetividade do rastreio citológico

Leia mais

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Ministério da Saúde junho de

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas Universidade Federal de Pelotas Unidade 1 - Análise Situacional Controle do Câncer de Colo de Útero e de Mama Questionário Nesta semana, você irá responder os blocos de perguntas sobre Controle do Câncer

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB Silmery da Silva Brito- UFPB- silmery_ce@hotmail.com Regiane Fixina de Lucena UEPB regi.rfl@bol.com.br Joyce Lane Braz Virgolino- UFPB- joyce.lane@hotmail.com

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007

MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007 Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-15 MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007 Resumo Eva

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE RH / DESENVOLVIMENTO 1 DENOMINAÇÃO Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino

Leia mais

Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil

Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil segunda-feira, outubro 03, 2016 Aspectos Socio-Econômicos do Câncer no Brasil André Medici Kaizô Beltrão Introdução Este artigo é a revisão de parte de um documento mais amplo escrito no ano de 2013 (Aspectos

Leia mais

PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV. UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos

PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV. UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos 2010 DÚVIDAS MAIS FREQUENTES A transmissão pelo HPV é só sexual? Peguei do meu parceiro? Quando?

Leia mais

HEPATITES VIRAIS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS: BRASIL, NORDESTE E PARAÍBA

HEPATITES VIRAIS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS: BRASIL, NORDESTE E PARAÍBA HEPATITES VIRAIS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS: BRASIL, NORDESTE E PARAÍBA Larissa Ferreira de Araújo Paz (1); Larissa dos Santos Sousa (1) Polyana Cândido de Andrade (2); Gilson Vasco da Silva

Leia mais

ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DO HPV DURANTE O PERÍODO DA ADOLESCÊNCIA

ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DO HPV DURANTE O PERÍODO DA ADOLESCÊNCIA ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DO HPV DURANTE O PERÍODO DA ADOLESCÊNCIA Juliana Romano de Lima¹ Marcone Almeida Dantas Junior¹ Maria Franncielly Simões de Morais¹ Carina Scanoni Maia¹ ¹ Universidade

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Exame Ginecológico. Teste de Papanicolaou. Leucorréia.

PALAVRAS-CHAVE Exame Ginecológico. Teste de Papanicolaou. Leucorréia. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA QUEIXA DE LEUCORRÉIA

Leia mais

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Fábio Russomano Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ 25 A 28 DE ABRIL DE

Leia mais

Nivaldo Vieira. Oncologista Clínico

Nivaldo Vieira. Oncologista Clínico Nivaldo Vieira Oncologista Clínico Câncer de Colo de Útero Terceira causa mais comum de câncer das mulheres Desenvolve-se a partir de lesões prémalignas Altamente prevenível Doença das regiões pobres do

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 2 012 ano I nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico - Sífilis

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA) PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA) Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Laboratórios Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação Um dos graves problemas de saúde pública que estamos combatendo ao longo dos anos é o câncer

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 Brum. C. N. ; Zuge. S. S. ; Ribeiro, A. C. ; Tronco, C. S. ; Tolentino, L. C. ; Santos, É. É. P. ;Padoin, S. M. M.

Leia mais

Incidência das Doenças Onco-Hematológicas no Brasil

Incidência das Doenças Onco-Hematológicas no Brasil Incidência das Doenças Onco-Hematológicas no Brasil Marceli de Oliveira Santos, Dr.PH Divisão de Vigilância e Análise de Situação Coordenação Geral de Prevenção e Vigilância CGPV Instituto Nacional de

Leia mais

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Atenção BásicaB Características Atuais do Diagnóstico do HIV/AIDS Predomina o diagnóstico tardio da infecção pelo HIV e Aids (43,6% dos diagnósticos) ( sticos

Leia mais

REALIZAÇÃO DOS EXAMES PREVENTIVOS PARA CÂNCER DE MAMA E CÉRVICO-UTERINO EM IDOSAS

REALIZAÇÃO DOS EXAMES PREVENTIVOS PARA CÂNCER DE MAMA E CÉRVICO-UTERINO EM IDOSAS REALIZAÇÃO DOS EXAMES PREVENTIVOS PARA CÂNCER DE MAMA E CÉRVICO-UTERINO EM IDOSAS PORTELLA, Bruna Maria Almeida 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 1 ; GARCES, Solange Beatriz Billig 2 ; COSER, Janaína 2 ; ROSA

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS

FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS Camila Rafaela Cavaglier¹, Maíra Oliveira Panão², Carolina Correia Billoti³,

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico.

Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico. NÃ Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico. Qual é a frequência do cancro do colo do útero? - A nível mundial, o cancro do colo do útero é muito frequente nas mulheres;

Leia mais

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp.

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem. 2011 na Clínica da Unaerp. Kelly Cristina do Nascimento

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 7º PERÍODO

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 7º PERÍODO EMENTÁRIO E E COMPLR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 7º PERÍODO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À SAÚDE DA MULHER Principais distúrbios fisiopatológicos e a atuação da Enfermagem na assistência integral

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico O QUE É? HPV é a sigla em inglês para papilomavírus humano. É um vírus de grande relevância médica pelo fato de estar relacionado a praticamente 100% dos casos de câncer de colo do útero (um dos tipos

Leia mais

HÁBITOS DE VIDA, CONHECIMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

HÁBITOS DE VIDA, CONHECIMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO HÁBITOS DE VIDA, CONHECIMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO INTRODUÇÃO MILENA NUNES ALVES DE SOUSA YNGRIDI RALINI FARIAS SILVA MONA LISA LOPES DOS SANTOS ROSA MARTHA VENTURA NUNES RAQUEL CAMPOS

Leia mais

Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Primeiro Autor. 2

Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Primeiro Autor. 2 399 IMPLANTAÇÃO DA VACINAÇÃO CONTRA O PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) NA POPULAÇÃO FEMININA EM IDADE FÉRTIL: PERSPECTIVAS DE DIMINUIÇÃO DA INCIDÊNCIA DE CASOS DE CÂNCER DE COLO DO ÚTERO 1 Kelen Lopes Da Silva

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Nomenclatura SISTEMA BETHESDA (1988) SISTEMA BETHESDA (1991) SISTEMA BETHESDA (2001) Nomenclatura

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO FICHA DE OBSERVAÇÃO ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina: Atenção Primária à Saúde e Estratégia de Saúde da Família Local: Profissional

Leia mais

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral Curso Técnico Subsequente em Curso Técnico em Enfermagem Nome do Curso - Curso Técnico em Enfermagem CÂMPUS Florianópolis/SC MATRIZ CURRICULAR Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular

Leia mais

HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO

HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Jader Iury de Souza Mercante Graduando em Fisioterapia, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Rafaela Giuzeppe Rodrigues Graduanda em Fisioterapia,

Leia mais

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Enfa Dayse Amarílio CA Colo uterino 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres Tem início com displasias de leve a acentuada. É classificado como

Leia mais

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS PACTO PELA VIDA PRIORIDADE: I - ATENCAO A SAUDE DO IDOSO. OBJETIVO: PROMOVER A FORMACAO

Leia mais

Tendência de mortalidade por neoplasia maligna da próstata na Região Nordeste do Brasil,

Tendência de mortalidade por neoplasia maligna da próstata na Região Nordeste do Brasil, Tendência de mortalidade por neoplasia maligna da próstata na Região Nordeste do Brasil, 1996 2014 Flávia Steffany L. Miranda 1, Karolayne Silva Souza 2, Kátia C. da Silva Felix 3, Raphael Batista 4. 1

Leia mais

CIR LITORAL NORTE. Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba

CIR LITORAL NORTE. Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba CIR LITORAL NORTE Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba População e Território Em 2016 a população estimada da região é de 308.843 habitantes, com 98% residindo em áreas

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

ANDRÉA PRAXEDES DE SOUZA A IMPORTÂNCIA DO EXAME PREVENTIVO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO PARA A SAÚDE DA MULHER

ANDRÉA PRAXEDES DE SOUZA A IMPORTÂNCIA DO EXAME PREVENTIVO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO PARA A SAÚDE DA MULHER ANDRÉA PRAXEDES DE SOUZA A IMPORTÂNCIA DO EXAME PREVENTIVO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO PARA A SAÚDE DA MULHER CAMPOS GERAIS/MINAS GERAIS 2012 SOUZA, ANDRÉA PRAXEDES DE. A IMPORTÂNCIA DO EXAME PREVENTIVO

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Vigilância da Influenza ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DA INFLUENZA E ORIENTAÇÃO PARA INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE E PREVENÇÃO

NOTA TÉCNICA. Vigilância da Influenza ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DA INFLUENZA E ORIENTAÇÃO PARA INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE E PREVENÇÃO 12 de abril de 2016 Página 1/5 VIGILÂNCIA DA INFLUENZA A vigilância da influenza no Ceará é composta pela vigilância sentinela da SG e vigilância universal da SRAG, além da vigilância de surtos de SG.

Leia mais

CIR DE VALE DO RIBEIRA

CIR DE VALE DO RIBEIRA CIR DE VALE DO RIBEIRA Possui 15 municípios: Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Eldorado, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Registro

Leia mais

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde Claudia Witzel CONCEITOS DE SAÚDE E DOENÇA Saúde pode ser definida como ausência de doença Doença ausência de saúde... Saúde é um

Leia mais

Artigo. Câncer de colo do útero: papel do enfermeiro na prevenção e detecção precoce dessa neoplasia na atenção básica

Artigo. Câncer de colo do útero: papel do enfermeiro na prevenção e detecção precoce dessa neoplasia na atenção básica Câncer de colo do útero: papel do enfermeiro na prevenção e detecção precoce dessa Cervical cancer: nurses' role in prevention and early detection of this neoplasm in primary Laís Marina dos Santos 1 Ana

Leia mais

Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV

Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV SCREENING SCREENING POR POR CITO CITO Miller AB. Screening

Leia mais

Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre

Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre ISSN: 1676-4285 Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre Emerson Marques Pessoa¹, Lucinete Souza Fernandes¹, Sandreya Maia Mendes¹, Creso Machado Lopes¹

Leia mais

FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA

FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA Paulo Sérgio de Morais da Silveira Mattos* Resumo O câncer

Leia mais

Análise de custo-efetividade regional da vacinação universal infantil contra hepatite A no Brasil

Análise de custo-efetividade regional da vacinação universal infantil contra hepatite A no Brasil Análise de custo-efetividade regional da vacinação universal infantil contra hepatite A no Brasil Patrícia Coelho de Soárez, Ana Marli Christovam Sartori, Hillegonda Maria Dutilh Novaes, Marcos Amaku,

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE GVAA - GRUPO VERDE DE AGROECOLOGIA E ABELHAS - POMBAL - PB ARTIGO CIENTÍFICO Percepção de mulheres acerca do exame de prevenção do câncer cérvico-uterino Sebastião

Leia mais

Prevenção do cancro do colo do útero

Prevenção do cancro do colo do útero Prevenção do cancro do colo do útero http:// Iechyd Cyhoeddus Cymru Public Health Wales Este folheto pretende dar informações que podem ajudar na prevenção do cancro do colo do útero. Ao realizar testes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde Considerando a confirmação de um caso de sarampo e quatro fortemente suspeitos no Ceará; Considerando a confirmação de surto de sarampo em Pernambuco e casos confirmados relacionados à importação, nos

Leia mais

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755/2812 NOTA TÉCNICA

Leia mais

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se!

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! O que é AIDS? Existem várias doenças que são transmissíveis através das relações sexuais e por isso são chamadas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). As mais conhecidas

Leia mais

Brasil vai incluir meninos na vacinação contra HPV

Brasil vai incluir meninos na vacinação contra HPV Brasil vai incluir meninos na vacinação contra HPV Brasil é o 1º país da América do Sul e 7º do mundo a inserir a vacina no programa nacional Apresenta 98% de eficácia para quem segue corretamente o esquema

Leia mais

MORTALIDADE EM IDOSOS POR DOENÇAS E AGRAVOS NÃO- TRANSMISSÍVEIS (DANTS) NO BRASIL: UMA ANÁLISE TEMPORAL

MORTALIDADE EM IDOSOS POR DOENÇAS E AGRAVOS NÃO- TRANSMISSÍVEIS (DANTS) NO BRASIL: UMA ANÁLISE TEMPORAL MORTALIDADE EM IDOSOS POR DOENÇAS E AGRAVOS NÃO- TRANSMISSÍVEIS (DANTS) NO BRASIL: UMA ANÁLISE TEMPORAL Autores: Wilton Rodrigues Medeiros, Grasiela Piuvezam, Andressa Vellasco Brito Costa, Felipe da Fonseca

Leia mais

Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS*

Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS* Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS* Daisy Maria Xavier de Abreu Cibele Comini César Elisabeth Barboza França * Parte integrante da Tese de Doutorado apresentada

Leia mais

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil APRESENTAÇÃO No Brasil os homens vivem em média 7,2 anos menos do que as mulheres, segundo dados do IBGE em 2015, a expectativa de vida da população masculina

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico 333 Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso Etec :Paulino Botelho Código:091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem

Leia mais

Rio de Janeiro, dezembro de 2006

Rio de Janeiro, dezembro de 2006 Política de indução das ações de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças, no âmbito do Setor de Saúde Suplementar, visando à integralidade da Atenção à Saúde. Rio de Janeiro, dezembro de 2006

Leia mais

Linha de Cuidado do Adulto: Atenção Integral à Saúde da Mulher

Linha de Cuidado do Adulto: Atenção Integral à Saúde da Mulher Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub- Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Atenção Primária Coordenação de Linhas de Cuidado e Programas Especiais

Leia mais

Solicitações de exames cardiológicos não invasivos: necessidades de saúde ou medicina defensiva?

Solicitações de exames cardiológicos não invasivos: necessidades de saúde ou medicina defensiva? 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém PA Solicitações de exames cardiológicos não invasivos: necessidades de saúde ou medicina defensiva? Dr. Roberto Morán Médico de Família

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

BREVE ANÁLISE DO AUTOCUIDADO EM RELAÇÃO A SAÚDE DA MULHER NO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO-SC

BREVE ANÁLISE DO AUTOCUIDADO EM RELAÇÃO A SAÚDE DA MULHER NO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO-SC BREVE ANÁLISE DO AUTOCUIDADO EM RELAÇÃO A SAÚDE DA MULHER NO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO-SC Bruna Luiza Spada; Paula Breda. Resumo Nas primeiras décadas do século XX, o corpo da mulher era visto apenas pela

Leia mais

PAPANICOLAOU EM MULHERES IDOSAS ATENDIDAS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

PAPANICOLAOU EM MULHERES IDOSAS ATENDIDAS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE PAPANICOLAOU EM MULHERES IDOSAS ATENDIDAS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE Francisca Maria Barbosa de Souza 1 ; Elaine Cristina Batista Tavares 1 ; Jéssica Tavares de Assis 2 ; Douglas Mendes Cavalcante

Leia mais

Artigo PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NA PARAÍBA EPIDEMIOLOGICAL PROFILE OF CERVICAL CANCER IN PARAÍBA

Artigo PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NA PARAÍBA EPIDEMIOLOGICAL PROFILE OF CERVICAL CANCER IN PARAÍBA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NA PARAÍBA EPIDEMIOLOGICAL PROFILE OF CERVICAL CANCER IN PARAÍBA Andressa Montenegro da Silva 1 Ayrlla Montenegro da Silva 2 Gerline Wanderley Guedes 3

Leia mais

Gestão do agendamento de exames em um setor de diagnóstico por imagem: contribuições para melhoria da satisfação do cliente

Gestão do agendamento de exames em um setor de diagnóstico por imagem: contribuições para melhoria da satisfação do cliente Nº DO TRABALHO: P_87_2011 EIXO TEMÁTICO: QUALIDADE E SEGURANÇA Gestão do agendamento de exames em um setor de diagnóstico por imagem: contribuições para melhoria da satisfação do cliente Resumo À medida

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO PAPANICOLAU PELAS MULHERES DO ESTADO DE MINAS GERAIS EM 2003.

FATORES ASSOCIADOS À REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO PAPANICOLAU PELAS MULHERES DO ESTADO DE MINAS GERAIS EM 2003. FATORES ASSOCIADOS À REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO PAPANICOLAU PELAS MULHERES DO ESTADO DE MINAS GERAIS EM 2003. Luiza de Marilac de Souza Edwan Fioravente Resumo As neoplasias constituem-se na segunda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ANA VIRGÍNIA EVANGELISTA DE MENDONÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ANA VIRGÍNIA EVANGELISTA DE MENDONÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ANA VIRGÍNIA EVANGELISTA DE MENDONÇA PLANO DE INTERVENÇÃO PARA SENSIBILIZAÇÃO DE MULHERES QUANTO À IMPORTÂNCIA DA REALIZAÇÃO DO PAPANICOLAU FLORIANÓPOLIS (SC) 2014

Leia mais

Validade da citologia cervicovaginal na detecção de lesões pré-neoplásicas e neoplásicas de colo de útero

Validade da citologia cervicovaginal na detecção de lesões pré-neoplásicas e neoplásicas de colo de útero ARTIGO ORIGINAL 0RIGINAL PAPER Validade da citologia cervicovaginal na detecção de lesões pré-neoplásicas e neoplásicas de colo de útero Recebido em 14/05/01 Aceito para publicação em 25/04/02 Validity

Leia mais

TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI

TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI CLASSIFICAÇÃO DOS ESTUDOS (LOBIONDO- WOOD, HABER, 2001) Experimentais Experimento clássico Experimento apenas depois Quase- Experimentais Grupo

Leia mais

TRABALHANDO A PREVENÇÃO DOS CÂNCERES DE MAMA, COLO DO ÚTERO E PRÓSTATA COM OS TRABALHADORES DA AGECOLD.

TRABALHANDO A PREVENÇÃO DOS CÂNCERES DE MAMA, COLO DO ÚTERO E PRÓSTATA COM OS TRABALHADORES DA AGECOLD. TRABALHANDO A PREVENÇÃO DOS CÂNCERES DE MAMA, COLO DO ÚTERO E PRÓSTATA COM OS TRABALHADORES DA AGECOLD. Jane Teixeira dos Santos¹; Arino Sales do Amaral². 1Estudante do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade

Leia mais