Relação do segmento supermercadista com os meios de pagamento e o varejo financeiro Panorama, evolução e tendências

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relação do segmento supermercadista com os meios de pagamento e o varejo financeiro Panorama, evolução e tendências"

Transcrição

1 Relação do segmento supermercadista com os meios de pagamento e o varejo financeiro Panorama, evolução e tendências 5 de maio de 2017

2 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro ATUAMOS JUNTO A ESTES TRÊS GRUPOS DE EMPRESAS AJUDANDO-OS A ATENDER DA MELHOR MANEIRA ÀS NECESSIDADES DO CONSUMIDOR 2

3 Atendemos às necessidades específicas dos nossos clientes em TRÊS GRANDES FRENTES ATUAMOS JUNTO A ESTES TRÊS GRUPOS DE EMPRESAS AJUDANDO-OS A ATENDER DA MELHOR MANEIRA ÀS NECESSIDADES DO CONSUMIDOR 3

4 E nestes poucos slides queremos ajudar vocês a se EMPODEDAREM EMPODERAMENTO (do inglês Empowerment) Aumento do poder através da liberação de conhecimento, habilidades e energia......em meios de pagamento, de forma a entender e explorar as ENORMES oportunidades do varejo financeiro no Setor Supermercadista 4

5 Cenário macroeconômico mostra uma retomada gradual no crescimento do PIB e do Consumo Privado a partir de 2018 Relação Consumo Privado / PIB (%) 63,4% 63,3% 63,2% 63,1% 63,2% 63,3% 63,4% 63,5% 63,6% 63,7% 63,8% 64,0% 60,4% 4,4 62,0% 59,9% 59,7% 5,1 5,3 4,8 60,2% 60,3% 5,8 6,1 62,4% 61,4% 61,6% 6,7 6,7 6,4 Projetado 6,3 6,1 6,1 6,2 6,3 6,5 Somente em 2021 devemos retomar o patamar de PIB de ,7 7,0 7,2 7,5 7,7 8,0 2,7 2,8 3,1 3,3 3,5 3,7 3,9 4,1 4,2 4,0 3,8 3,8 3,9 4,0 4,1 4,3 4,4 4,6 4,8 4,9 5, Consumo Privado - R$ trilhões PIB - R$ trilhões O Consumo Privado deve ter caído um pouco mais do que o PIB em 2016 e espera-se que volte a crescer ligeiramente abaixo do PIB em 2017 e 2018 A partir de 2019 o CP deve voltar a crescer acima do PIB, como no passado, superando o patamar de 2014 em 2021 CAGR PIB 4,4% 6,1% -3,1% 2,1% 2,1% 3,5% Consumo Privado 3,7% 7,5% -2,2% 2,5% 2,2% 3,7% Valores a preços de 2016 pelo IPCA 5

6 No Brasil, a participação dos meios eletrônicos de pagamento no Consumo das Famílias já é elevada... Participação dos meios de pagamento no consumo privado - Brasil - % 2006 Consumo privado R$ bi % 15% 8% 12% 45% 2% 4% 9% 38% Cartões já representam 33% do Consumo das Famílias (R$ 1,2 trilhão) 3% 17% Dinheiro 33%* Cartões Pré-pago Cheque Outros Cartões crescem inicialmente ocupando o espaço do cheque e se favorecendo também das melhorias nas condições de consumo e, daqui para frente, ganhando participação em cima do Dinheiro Mesmo em cenário de crise, quando todos os gastos caem, independente do meio de pagamento, o Cartão cai menos e volta a crescer mais rápido * 2016: Gastos com cartão R$ bi % Crédito (grandes bandeiras) 706,7 18,4% Débito (grandes bandeiras) 425,2 11,1% Rede (bandeiras nacionais) 43,3 1,1% Loja (Private Labels) 87,6 2,3% 1.262,7 32,9% Valores a preços de 2016 Principais fontes: Banco Central / ABECS / IBGE / Febraban / The Nilson Report - Análises Boanerges & Cia. 6

7 ...e, nos próximos anos, o cartão deve se consolidar como o principal meio de pagamento Evolução dos principais meios de pagamento no Brasil Participação no consumo privado - % 2006 Consumo privado R$ bi % 12% 15% 45% 2% 4% 9% 15% 38% 0,4% 9% 6% 15% 25% 3% 17% 33%* 45% Dinheiro Cartões Pré-pago Cheque Outros Não monetário Em 2026 os cartões como meio de pagamento responderão por 45% do Consumo das Famílias Valores a preços de 2016 Principais fontes: Banco Central / ABECS / IBGE / Febraban / The Nilson Report - Análises Boanerges & Cia. 7

8 Um dos maiores destaques dentro do Varejo Financeiro é o setor de Cartões Cartões exercem efeito direto sobre o poder de compra da baixa renda Promove a bancarização Oferece opções de financiamento com e sem juros Porta de entrada para serviços financeiros Acesso ao crédito pré-aprovado Oferece maior segurança para todos os envolvidos Baixo risco de inadimplência para os estabelecimentos credenciados Facilita acesso ao e-commerce Fácil manuseio Opção de compra cada vez mais comum Uso cada vez mais corriqueiro Dispensa a presença de dinheiro vivo, apesar da cultura do dinheiro ainda estar muito presente Serve como canal de oferta e venda de outros serviços Recarga de celular Programa de fidelidade Serviços Assistências Crédito Pessoal Seguros Cartão 8

9 Em suma, o Cartão é um instrumento multifacetado Serviços agregados Seguros, promoções, serviços de viagem etc Meio de pagamento Independente de ser débito, crédito ou pré-pagamento Instrumento de crédito No momento da compra (parcelado com ou sem juros) No pagamento da fatura (rotativo ou parcelado com juros) Em situações de emergência (saques) Aspectos intangíveis Instrumento de identificação, idoneidade, status, causas sociais etc Meio de relacionamento Programas de fidelidade e recompensa pelo relacionamento 9

10 Principais números do setor no Brasil ao final de 2016 Mais de 185 milhões de cartões ativos 86 MM cartões de crédito 99 MM cartões de débito 4,8 milhões de POS 670 mil PDV Crescendo a um ritmo de 7,2% a.a. Faturamento anual de R$ 1,3 trilhão Mais de 13 bilhões de transações no ano Fonte: Bacen e ABECS com estimativas e análises da Boanerges & Cia. 10

11 O mercado de cartões de grandes bandeiras transacionou R$ 1,1 trilhão em 2016 Entre 2008 e 2014 os valores transacionados cresceram de forma acelerada ( ritmo chinês ) Taxa anual real (descontada a inflação) de 12,7% Crise levou à estabilização nas vendas a partir de 2015 Pequeno aumento real (0,5%) em 2016 Em 2016 os cartões de crédito movimentaram 61,5% do total transacionado (R$ 691 bilhões) Em 2008 essa participação foi de 67,3% Valor das transações Em R$ bilhões de mar/2017 Excluindo cartões de Loja e Rede Valores atualizados pelo IPCA Total Cartão de Crédito Cartão de Débito E E o Setor Supermercadista tem um papel muito relevante no mercado de cartões Fonte: Ranking ABRAS com análises da Boanerges & Cia. 11

12 1º empoderamento Relevância do setor supermercadista na indústria de meios de pagamento Setor supermercadista responde por aproximadamente 8,8% do Consumo Privado Consumo Privado 2016 R$ bilhões Vendas Supermercados R$ 338,7 bilhões 8,8% do Cons. Privado...e por 14,7% do total transacionado com cartões no Brasil Vendas por meio de pagamento Em R$ bilhões e % s/ total Outros V. alimentação 22,0 24,4 6,5% 7,2% Dinheiro 106,7 31,5% Por volta de R$ 186 bilhões das vendas nos supermercados foram pagas com cartão Equivalente a 54,8% do total das vendas P. Label Débito Crédito 23,0 6,8% 62,0 18,3% 100,6 29,7% Fonte: Ranking ABRAS, IBG, ABECS, Banco Central, com análises da Boanerges & Cia. 12

13 Principais players envolvidos no mercado de cartões Bandeiras Credenciadoras Processadoras Emissores Private Label Administradoras Regionais Com Bandeiras e Redes próprias Subadquirentes online Diversas processadoras pequenas Subadquirentes mundo físico Reguladores Bancos Mercado de Cartões Gateways Diversos bancos menores Varejistas (físico e online) Outros prestadores de serviços 13

14 Taxa de administração de Cartões de Crédito cobrada pelas Credenciadoras caiu 9% nos últimos 10 anos Taxa de administração tem pouca margem para novas quedas, principalmente entre grandes varejistas Entre 2006 e 2016 a Taxa de Administração (paga pelos varejistas) caiu 9% (de 2,98% para 2,72%) Pequenos e médios ainda possuem espaço para negociação, principalmente junto a credenciadoras entrantes/novas A taxa líquida de administração (Net MDR), que fica com as credenciadoras, decresceu 33% entre 2006 e 2016 (de 1,60% em 2006 para 1,07% em 2016) Já a taxa que fica com as Bandeiras e Emissores cresceu 20% no período, de 1,38% em 2006 para 1,65% em 2016 Taxa estável antes da abertura do mercado Taxa de Administração (bruta) Crédito em % Abertura do mercado Queda de 3,8% Ritmo anual de queda de 0,6% Estimado/Projetado Queda de 2,9% Ritmo anual de queda de 0,6% Net MDR (o que de fato fica com as credenciadoras) 2,98 3,00 2,96 2,96-4,4% 2,83 2,79 2,78 2,77 2,84 2,75 2,72 2,70 2,67 2,66 2,64 2,64 46% 46% 48% 61% 62% 1,60 1,55 1,61 1,59 1,46 1,42 1,40 54% 54% 52% 1,20 1,24 1,12 1,07 1,05 1,03 1,01 1,00 1,00 39% 38% Fontes: BACEN; Relatórios das empresas. Análises e estimativas Boanerges & Cia. 14

15 Entre 2006 e 2016 a Taxa de administração de Cartões de Débito caiu 6% e tende a cair menos ainda que a de crédito Taxa estável antes da abertura do mercado Maior queda já ocorreu logo após a abertura do mercado Pressão do governo e do mercado deve manter o processo de queda, mas em menor ritmo, até se estabilizar Entre 2006 e 2016 a Taxa de Administração (paga pelos varejistas) caiu 6% (de 1,60% para 1,51%) Já o Net MDR, caiu 14% entre 2006 e 2016, de 0,8% em 2006 para 0,69% em 2016 A taxa que fica com as Bandeiras e Emissores cresceu um pouco menos que a do crédito (2,5% no período, de 0,80% em 2006 para 0,82% em ,60 1,58 1,60 1,61 Taxa de Administração (bruta) Débito em % Abertura do mercado -3,2% Queda de 6,3% Ritmo anual de queda de 0,6% 1,56 1,58 1,59 1,56 1,58 Net MDR (o que de fato fica com as Estimado/Projetado credenciadoras) Queda de 2,3% Ritmo anual de queda de 0,5% 1,51 1,51 1,50 1,49 1,48 1,47 1,47 50% 49% 48% 54% 57% 0,80 0,78 0,80 0,82 0,81 0,86 0,86 0,78 0,78 0,70 0,69 0,68 0,66 0,65 0,64 0,64 50% 51% 52% 46% 43% Fontes: BACEN; Relatórios das empresas. Análises e estimativas Boanerges & Cia. 15

16 Diferenças entre as taxas de desconto dos principais players vem se reduzindo Taxa de desconto Crédito em % 2,96 2,96 1,60 1,61 2,83 2,79 2,78 2, ,84 Taxa de desconto Débito em % 1,56 1,58 1,59 1,56 1,58 2,92 2,75 2,68 2,63 Bin 2,53 2,12 1,60 1,54 1,51 1,46 Bin 1,38 Grandes varejistas pressionam as taxas para baixo, enquanto os pequenos e médios pagam taxas mais elevadas Em geral, as credenciadoras entrantes praticam taxas menores Mercado Cielo Rede Santander Vero Elavon 1,12 Fontes: BACEN; Relatórios das empresas. Análises e estimativas Boanerges & Cia. Bin só disponível a partir de

17 Resultados oriundos do Varejo Financeiro são bem relevantes para os varejistas Números de 2016 Varejistas Setor EBITDA Varejo Financeiro % EBITDA Total Vestuário 19% Vestuário 54% Vestuário 99% Vestuário / Eletroeletrônico 67% Supermercados 25% Supermercados 6% Fontes: Relatórios e balanços das empresas. Análises e estimativas Boanerges & Cia. 17

18 EBITDA gerado pelo negócio de Serviços Financeiros apresenta grandes variações entre segmentos EBITDA 2016 Em R$ milhões Varejo Financeiro 2.661, ,0 Varejo Comercial 1.339, ,8 251,3 723,4 335,3 19% 388,1 54% 333,1 180,8 109,3 1,8 179,0 223,8 99% ,0 67% 25% 121,0 6% Varejistas de MODA EBITDA gerado pelo negócio de Serviços Financeiros se mostra bastante relevante: em média 40% do EBITDA Total SUPERMERCADISTAS Case Carrefour Soluções Financeiras mostra o potencial que EBITDA Serviços Financeiros pode representar sobre o total: 25% 2016 Margem EBITDA Média Varejo comercial 19,0% 7,9% 0,1% 4,0% 4,4% 4,6% 6,7% Varejo financeiro 31,5% 23,0% 36,3% 17,5% 15,8% n/d 24,8% Fontes: Relatórios e balanços das empresas. Análises e estimativas Boanerges & Cia. 18

19 E quais são as tendências? Negociação junto a credenciadoras por redução de taxas tende a se tornar cada vez mais difícil Apesar do fim da exclusividade de bandeiras ter elevado a concorrência entre as credenciadoras, estas têm pouca margem para negociação de taxas no setor supermercadista Principalmente junto aos grandes players Médios e pequenos varejistas ainda têm algum espaço para negociação Novas negociações devem se concentrar na diferenciação Máquinas/tecnologia Informações dos clientes Agilidade Relacionamento Tecnologia Bandeiras e emissores têm potencialmente maior espaço para diminuição de taxas, porém... Regulador Banco Central não dá sinais de pressão junto a esses players Grande concentração do mercado de cartões entre poucos emissores, o que dificulta ainda mais uma potencial negociação Pouco emissores bancos detêm a maior parte dos cartões em circulação no Brasil 19

20 E quais são as tendências? O Varejo Financeiro deve aumentar sua relevância para o varejista Maior participação nos resultados de serviços financeiros Ampliação do leque de serviços financeiros oferecidos ao consumidor Gerando aumento na frequência dos cientes, atração de novos clientes e aumentos nos resultados Aumento da capacidade de influenciar a decisão de compra do consumidor O porcentual de consumidores que usavam cartão de crédito caiu de 42% em 2015 para 40% em Já o total que usava cartão de loja e supermercados avançou de 25% para 28% no período, maior patamar em pelo menos dez anos Com o cenário de crise, o Varejo volta se tornar relevante na oferta de crédito ao consumidor Os estabelecimentos estão cada vez mais envolvidos na forma de pagamento. É o varejo tendo que se reinventar para não perder mercado 20

21 E quais são as tendências? As mudanças na regulação de Cartões devem impactar as receitas financeiras Pressão do BACEN para reduzir taxas de juros e mudanças na forma de cobrança do crédito rotativo (limitação a 30 dias com parcelamento automático na sequência) se estendem para Private Labels financiados por instituições financeiras (próprias ou de terceiros) - Mudanças trazem dois vetores de impacto Vetor negativo A curto prazo, queda nas taxas de juros e limitação do rotativo devem reduzir a rentabilidade de negócios de cartões como um todo, inclusive aqueles de varejistas ligados a bancos Vetor positivo A média prazo, mais pessoas devem financiar seus cartões e de forma mais saudável, aumentando o volume financiado, reduzindo a inadimplência e retomando o crescimento das receitas provenientes de juros + 21

22 E quais são as tendências? Mobile Solutions devem ir muito além de meios de pagamento Mobile solutions devem cada vez mais abarcar o ciclo completo de relacionamento com cliente: antes, durante e após as compras 10 Comportamentos típicos dos Mobile Consumers Buscar Localização de Estabelecimento $$$ Comparar Preços Efetuar compras Planejamento e controle Programa de fidelidade Comparar Informações de Produtos Comparar Ofertas Opiniões e análises de Estabelecimentos Resgatar cupons de desconto e prêmios Relacionamento com outros consumidores Tipicamente Pré-Compra Tipicamente Pós-Compra 22

23 E quais são as tendências? Há muito ainda o que se fazer em programas de relacionamento com clientes Percentual da população que utiliza de forma recorrente algum programa de fidelidade EUA 44,5% Canadá 35% 8,6% População brasileira ainda vê pouco valor em programas de fidelidade e o Varejo tem um papel importante para mudar essa cultura Mas não basta adaptar o modelo atual e oferecer resgates de menor valor. É necessário criar novas mecânicas, comunicar muito bem e aumentar o envolvimento do varejo Reino Unido 35% Programas podem ou não estar ligados aos private labels 23

24 Muito obrigado!! Contate-nos:

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Fiscalização Financeira e Controle 20/05/2014

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Fiscalização Financeira e Controle 20/05/2014 Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Fiscalização Financeira e Controle 20/05/2014 Sobre a Abecs e seu papel Criada em 1971 para representar o setor de meios eletrônicos de pagamento junto

Leia mais

SEBRAE CARTÕES DE PAGAMENTO. Como as vendas por cartão de crédito e de débito. podem melhorar os negócios de sua empresa

SEBRAE CARTÕES DE PAGAMENTO. Como as vendas por cartão de crédito e de débito. podem melhorar os negócios de sua empresa CARTÕES DE PAGAMENTO Como as vendas por cartão de crédito e de débito podem melhorar os negócios de sua empresa O mundo mudou Nos hábitos: de consumo tecnologias formas de pagar Do ponto de vista do consumidor:

Leia mais

Estudo. Meios Eletrônicos de Pagamento (MEPs) superam o dinheiro em 2013 Evolução na última década ( ) e previsão para a próxima ( )

Estudo. Meios Eletrônicos de Pagamento (MEPs) superam o dinheiro em 2013 Evolução na última década ( ) e previsão para a próxima ( ) Estudo Meios Eletrônicos de Pagamento () superam o dinheiro em 2013 Evolução na última década (2003-2013) e previsão para a próxima (2013-2023) 9 de Junho de 2014 Consumo das Famílias Adequação aos conceitos

Leia mais

O que deve mudar no mercado de meios de pagamentos com a Circular do Banco Central

O que deve mudar no mercado de meios de pagamentos com a Circular do Banco Central O que deve mudar no mercado de meios de pagamentos com a Circular 3.765 do Banco Central 20 de setembro de 2016 Panorama do mercado Regulação e autorregulação Conteúdo Circular 3.765 do Banco Central e

Leia mais

Copyright Cielo Todos os direitos reservados

Copyright Cielo Todos os direitos reservados Copyright Cielo Todos os direitos reservados Copyright Cielo Todos os direitos reservados Copyright Cielo Todos os direitos reservados Copyright Cielo Todos os direitos reservados Copyright

Leia mais

Teleconferência Santander Adquirência / Conta Integrada. São Paulo, 18 de março de 2010

Teleconferência Santander Adquirência / Conta Integrada. São Paulo, 18 de março de 2010 Teleconferência Santander Adquirência / Conta Integrada São Paulo, 18 de março de 2010 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Cenário Macroeconômico Positivo

Leia mais

VAREJO AMPLIADO CRESCE 0,4% EM MAIO, APONTA ICVA

VAREJO AMPLIADO CRESCE 0,4% EM MAIO, APONTA ICVA CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado VAREJO AMPLIADO CRESCE 0,4% EM MAIO, APONTA ICVA Percentual é calculado a partir da receita de vendas deflacionada pelo IPCA em comparação com

Leia mais

Crédito ao Consumo Principais Produtos. Financiamento de veículos

Crédito ao Consumo Principais Produtos. Financiamento de veículos 1 Crédito ao Consumo Principais Produtos Financiamento de veículos 2 Rede de Atendimento Crédito ao Consumo Correntistas Estrutura de Atendimento Correntistas Rede Prime 305 Agências Rede Varejo 4.387

Leia mais

DE 6 A 8 DE JUNHO TRANSAMERICA EXPO CENTER SÃO PAULO - SP. Indústria de Meios de Pagamento, suas complexidades e seus desafios

DE 6 A 8 DE JUNHO TRANSAMERICA EXPO CENTER SÃO PAULO - SP. Indústria de Meios de Pagamento, suas complexidades e seus desafios DE 6 A 8 DE JUNHO TRANSAMERICA EXPO CENTER SÃO PAULO - SP Indústria de Meios de Pagamento, suas complexidades e seus desafios CRIADA EM 1971 REPRESENTA AS EMPRESAS DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO ATUA

Leia mais

APIMEC - SUL. 15 de Dezembro de Copyright Cielo Todos os direitos reservados

APIMEC - SUL. 15 de Dezembro de Copyright Cielo Todos os direitos reservados APIMEC - SUL 15 de Dezembro de 2015 Copyright Cielo Todos os direitos reservados A COMPANHIA FAZ DECLARAÇÕES SOBRE EVENTOS FUTUROS QUE ESTÃO SUJEITAS A RISCOS E INCERTEZAS Tais declarações têm como base

Leia mais

4T14 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

4T14 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T14 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 29 de Janeiro de 2014 AVISO LEGAL A COMPANHIA FAZ DECLARAÇÕES SOBRE EVENTOS FUTUROS QUE ESTÃO SUJEITAS A RISCOS E INCERTEZAS Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Maio Divulgado em 16 de junho de 2015.

Maio Divulgado em 16 de junho de 2015. Maio - 2015 Divulgado em 16 de junho de 2015. VAREJO AMPLIADO CRESCE 0,4% EM MAIO, APONTA ICVA Percentual é calculado a partir da receita de vendas deflacionada pelo IPCA em comparação com maio de 2014;

Leia mais

VAREJO AMPLIADO CRESCE 1,1% EM ABRIL, APONTA ICVA

VAREJO AMPLIADO CRESCE 1,1% EM ABRIL, APONTA ICVA CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado VAREJO AMPLIADO CRESCE 1,1% EM ABRIL, APONTA ICVA Indicador considera a receita de vendas deflacionada pelo IPCA em comparação com abril de 2014;

Leia mais

ÍNDICE CIELO APONTA CRESCIMENTO DE 3,7% PARA O VAREJO EM OUTUBRO

ÍNDICE CIELO APONTA CRESCIMENTO DE 3,7% PARA O VAREJO EM OUTUBRO CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado ÍNDICE CIELO APONTA CRESCIMENTO DE 3,7% PARA O VAREJO EM OUTUBRO Alta foi registrada em comparação com outubro de 2013 e leva em conta a receita

Leia mais

Cielo Day 2011 RÔMULO DE MELLO DIAS CEO

Cielo Day 2011 RÔMULO DE MELLO DIAS CEO Cielo Day 2011 RÔMULO DE MELLO DIAS CEO CIELO EM RESUMO PRESENÇA EM MAIS DE UMAS DAS A MAIOR ADQUIRENTE E PROCESSADORA DE MEIOS DE PAGAMENTO DO BRASIL E DA AMÉRICA LATINA 98,8% DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Abril de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Números de Mercado 2 Mercado de Cartões 2008 Indicadores

Leia mais

ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,3% NO VAREJO EM OUTUBRO

ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,3% NO VAREJO EM OUTUBRO CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,3% NO VAREJO EM OUTUBRO Indicador considera a receita de vendas do varejo deflacionada pelo IPCA em relação a outubro

Leia mais

Cielo Day. CFO Clovis Poggetti Jr

Cielo Day. CFO Clovis Poggetti Jr Cielo Day CFO Clovis Poggetti Jr Aviso Legal A companhia faz declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas Tais declarações têm como base crenças e suposições de nossa Administração

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

SINCOR-SP 2017 MARÇO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 MARÇO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS MARÇO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário SINCOR-SP 2017 Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Reunião Pública Anual com Investidores, Analistas e Profissionais de Mercado

Reunião Pública Anual com Investidores, Analistas e Profissionais de Mercado Reunião Pública Anual com Investidores, Analistas e Profissionais de Mercado Dezembro 2011 Nota de Ressalva E s t a a p r e s e n t a ç ã o pode i n c l u i r d e c l a r a ç õ e s que p o d e m r e p

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Janeiro de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Mercado de Cartões Faturamento anual: R$ bilhões

Leia mais

ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 6,2% PARA O VAREJO EM AGOSTO

ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 6,2% PARA O VAREJO EM AGOSTO CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 6,2% PARA O VAREJO EM AGOSTO Indicador considera a receita deflacionada de vendas do varejo em relação ao mesmo mês

Leia mais

Copyright Cielo Todos os direitos reservados

Copyright Cielo Todos os direitos reservados CIELO DAY EVOLUÇÃO DA INDÚSTRIA DE CARTÕES NO PAÍS E DESAFIOS CEO Rômulo de Mello Dias Crescimento (% yoy) 23,2% 25,2% 19,6% 23,8% 23,4% 18,1% 17,9% Volume capturado (R$ bilhões) MERCADO BRASILEIRO DE

Leia mais

ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,6% PARA O VAREJO EM NOVEMBRO

ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,6% PARA O VAREJO EM NOVEMBRO I C V A N O V E M BRO D E 2 0 1 6 CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,6% PARA O VAREJO EM NOVEMBRO Indicador considera a receita deflacionada de vendas

Leia mais

TRADE CARD.

TRADE CARD. TRADE CARD Quem Somos... A Trade Card fundada em 2008, com o objetivo de alcançar o mercado do mundo evangélico, especializou-se no cartão fidelidade. Com isso atingiu um número tão expressivo em seu desenvolvimento

Leia mais

Aquisiçã. ção o da HiperCard

Aquisiçã. ção o da HiperCard Aquisiçã ção o da HiperCard 1º de março o de 2004 0 Histórico O Cartão HiperCard foi lançado em 1968 como cartão de relacionamento das lojas Bompreço (rede de supermercados localizada no Nordeste do Brasil)

Leia mais

SINCOR-SP 2017 MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 7 1. Carta de Conjuntura... 8 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 9 3. Análise macroeconômica... 12

Leia mais

MEIOS DE PAGAMENTOS NO VAREJO E SERVIÇOS

MEIOS DE PAGAMENTOS NO VAREJO E SERVIÇOS MEIOS DE PAGAMENTOS NO VAREJO E SERVIÇOS Dezembro 2016 Cartões fazem parte da realidade da grande maioria do varejo e serviços Crédito ou débito? É cada vez mais comum para o consumidor ouvir esta pergunta

Leia mais

COM IMPACTO DO CARNAVAL, VAREJO TEM RETRAÇÃO DE 2,4% EM FEVEREIRO, APONTA ICVA

COM IMPACTO DO CARNAVAL, VAREJO TEM RETRAÇÃO DE 2,4% EM FEVEREIRO, APONTA ICVA CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado COM IMPACTO DO CARNAVAL, VAREJO TEM RETRAÇÃO DE 2,4% EM FEVEREIRO, APONTA ICVA O desempenho das vendas do comércio varejista brasileiro, medido

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T de novembro de 2016

Divulgação de Resultados 3T de novembro de 2016 Divulgação de Resultados 04 de novembro de 2016 Aviso Importante Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam ocasionar

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Um retrato do empreendedor do varejo brasileiro

Um retrato do empreendedor do varejo brasileiro Um retrato do empreendedor do varejo brasileiro Julho 2012 METODOLOGIA Plano amostral Público alvo: Comércio Varejista de todas as Capitais do Brasil. Tamanho amostral da Pesquisa: 605 casos, gerando um

Leia mais

Comunicado ao Mercado VAREJO DESACELERA EM MARÇO E TEM CRESCIMENTO DE 2,2% CONTRA O MESMO MÊS EM 2013 NA RECEITA DEFLACIONADA, APONTA ÍNDICE DA CIELO

Comunicado ao Mercado VAREJO DESACELERA EM MARÇO E TEM CRESCIMENTO DE 2,2% CONTRA O MESMO MÊS EM 2013 NA RECEITA DEFLACIONADA, APONTA ÍNDICE DA CIELO CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 NIRE 35.300.144.112 Comunicado ao Mercado VAREJO DESACELERA EM MARÇO E TEM CRESCIMENTO DE 2,2% CONTRA O MESMO MÊS EM 2013 NA RECEITA DEFLACIONADA, APONTA ÍNDICE DA

Leia mais

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Mensagem do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica... 10

Leia mais

A INDÚSTRIA DOS CARTÕES DE PAGAMENTO

A INDÚSTRIA DOS CARTÕES DE PAGAMENTO A INDÚSTRIA DOS CARTÕES DE PAGAMENTO 1 O QUE ELA REPRESENTA Em 2010, a Indústria dos Cartões de Pagamento movimentou mais de R$500 bilhões. Prestou serviços no valor de R$15 a R$20 bilhões, o que significa

Leia mais

Redução no Endividamento das famílias evidencia a queda nas vendas do varejo e reflexo da instabilidade econômica e política no País.

Redução no Endividamento das famílias evidencia a queda nas vendas do varejo e reflexo da instabilidade econômica e política no País. Redução no Endividamento das famílias evidencia a queda nas vendas do varejo e reflexo da instabilidade econômica e política no País. Lúcia Cristina de Andrade Lisboa Assessora Econômica / Fecomércio-PA

Leia mais

METODOLOGIA Plano amostral

METODOLOGIA Plano amostral METODOLOGIA Plano amostral Público alvo: Consumidores de todas as Capitais do Brasil. Tamanho amostral da Pesquisa: 646 casos, gerando um erro máximo de 3,9% com uma confiança de 95%. Alocação amostral:

Leia mais

Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às

Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às R e s u l t a d o s 4 t 1 3 Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas de crescimento

Leia mais

ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,1% PARA O VAREJO EM JUNHO

ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,1% PARA O VAREJO EM JUNHO CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,1% PARA O VAREJO EM JUNHO Indicador considera a receita deflacionada de vendas do varejo em relação a junho de 2015

Leia mais

Painel I: Negócios não-financeiros no BB. Denilson Gonçalves Molina Diretor de Cartões

Painel I: Negócios não-financeiros no BB. Denilson Gonçalves Molina Diretor de Cartões Painel I: Negócios não-financeiros no BB Denilson Gonçalves Molina Diretor de Cartões Mercado Brasileiro de Cartões 312,7 R$ bilhões 265,1 18,0% 41,7 Private Label 37,1 12,5% 90,6 Débito 74,8 21,1% 153,2

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

SINCOR-SP 2016 SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Setembro Divulgado em 15 de outubro de 2015.

Setembro Divulgado em 15 de outubro de 2015. Setembro - 2015 Divulgado em 15 de outubro de 2015. ICVA APONTA RETRAÇÃO DE 3,4% PARA O VAREJO EM SETEMBRO Indicador considera a receita de vendas do varejo deflacionada pelo IPCA em comparação com setembro

Leia mais

SINCOR-SP 2017 JUNHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 JUNHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica... 10

Leia mais

Guia do cartão de crédito: Você usa bem o seu?

Guia do cartão de crédito: Você usa bem o seu? Guia do cartão de crédito: Você usa bem o seu? Cuidar bem do seu orçamento inclui utilizar, de forma responsável, os meios de pagamento à sua disposição. O cartão de crédito é um deles. Como utilizar o

Leia mais

A Dimensão Econômico-Financeira da UNIMED BH

A Dimensão Econômico-Financeira da UNIMED BH A Dimensão Econômico-Financeira da UNIMED BH Prof. Haroldo Vale Mota 2013 A DINÂMICA DO AMBIENTE COMPETITIVO O setor de saúde está passando por um processo de transformação, com destaque demanda ainda

Leia mais

Destaques 1T17. Recuperação das vendas para as Lojas Físicas, com crescimento de vendas mesmas lojas de +2,5% no 1T17

Destaques 1T17. Recuperação das vendas para as Lojas Físicas, com crescimento de vendas mesmas lojas de +2,5% no 1T17 13 de abril de 2017 Via Varejo S.A., maior varejista de eletroeletrônicos e móveis do Brasil, anuncia o desempenho de vendas para o primeiro trimestre (). Todas as comparações são referentes ao mesmo período

Leia mais

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen Consultoria Conjuntura Econômica e Perspectivas 2017-22 Setembro/2016 Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.br PIB Confiança segue mostrando recuperação na margem, ainda que nível ainda seja baixo Estamos

Leia mais

Estado de São Paulo tem a maior quantidade de POS a cada mil habitantes; Maranhão, a menor

Estado de São Paulo tem a maior quantidade de POS a cada mil habitantes; Maranhão, a menor INFORMATIVO PARA A IMPRENSA ML&A Comunicações Fernanda Elen fernanda@mla.com.br (11) 3811-2820 ramal 833 Cresce a aceitação de cartões em 2015, aponta a Boanerges & Cia. Estado de São Paulo tem a maior

Leia mais

A HISTÓRIA SE REPETE Recessão Induzida = Coma Induzido. ALFA - MESTRADO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Departamento de Economia

A HISTÓRIA SE REPETE Recessão Induzida = Coma Induzido. ALFA - MESTRADO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Departamento de Economia A HISTÓRIA SE REPETE Recessão Induzida = Coma Induzido ALFA - MESTRADO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Departamento de Economia Longo e Curto Prazo É preciso sim realizar soluções estruturais de longo prazo.

Leia mais

SINCOR-SP 2017 FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Resultados 4T11 e 2011

Resultados 4T11 e 2011 Resultados 4T11 e 2011 09 de Março, 2012 Resumo operacional e financeiro Resultados Receita bruta totaliza R$ 108,3 milhões e supera em 10,7% o faturamento do 4T10 Evolução de 13,6% a.a. no lucro bruto,

Leia mais

Conjuntura Atual e Perspectivas para o Setor Têxtil e Confeccionista no Brasil

Conjuntura Atual e Perspectivas para o Setor Têxtil e Confeccionista no Brasil apresenta: Conjuntura Atual e Perspectivas para o Setor Têxtil e Confeccionista no Brasil Novembro 2013 Varejo Indústria Perspectivas Varejo do Vestuário Varejo - Vestuário Evolução do consumo privado

Leia mais

Encontro com a TIM APIMEC RJ. Rio de Janeiro. 22 de Setembro de 2016

Encontro com a TIM APIMEC RJ. Rio de Janeiro. 22 de Setembro de 2016 Encontro com a TIM APIMEC RJ Rio de Janeiro 22 de Setembro de 2016 Quem é a TIM? 18 a maior empresa privada do Brasil (Revista Exame - 2015) Em operação desde 1998 R$19 bilhões em valor de mercado 1º lugar

Leia mais

Resultados 1º Trimestre de de Maio de 2015

Resultados 1º Trimestre de de Maio de 2015 Resultados 1º Trimestre de 2015 8 de Maio de 2015 Receita líquida avança 14,8%, com sólido crescimento orgânico Cnova Receita líquida: +14,8% Vendas mesmas lojas: +4,0% EBITDA (1) : R$ 1,057 bilhão Margem

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

CURSO NEGÓCIOS CERVEJEIROS

CURSO NEGÓCIOS CERVEJEIROS CURSO NEGÓCIOS CERVEJEIROS Visão Geral do Curso Módulo 1 Panorama do Mercado Cervejeiro Módulo 2 Inovação em Negócios Cervejeiros Módulo 3 Planejamento estratégico Módulo 4 Como começar meu negócio? Módulo

Leia mais

CIELO S.A. CNPJ/MF / Comunicado ao Mercado

CIELO S.A. CNPJ/MF / Comunicado ao Mercado CIELO S.A. CNPJ/MF 01.027.058/0001-91 Comunicado ao Mercado ICVA REGISTRA CRESCIMENTO DE 1,9% PARA O VAREJO EM JUNHO O indicador é calculado a partir da receita de vendas do comércio varejista deflacionada

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais

Relatório de Resultado de Vendas do Natal 2015

Relatório de Resultado de Vendas do Natal 2015 Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Relatório de Resultado de Vendas do Natal 2015 O perfil do empresário e resultado de vendas para o período de Natal em Santa Catarina

Leia mais

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 05 de Outubro de 2015 ECONOMIA INTERNACIONAL: TAXAS DE JUROS DE

Leia mais

BALANÇO DO MERCADO IMOBILIÁRIO 1º TRIMESTRE/2013. Versão CPE - ACCB/CCMA/JJA/MAB/RSO 1/37

BALANÇO DO MERCADO IMOBILIÁRIO 1º TRIMESTRE/2013. Versão CPE - ACCB/CCMA/JJA/MAB/RSO 1/37 BALANÇO DO MERCADO IMOBILIÁRIO 1º TRIMESTRE/2013 Versão 1005133-20100617 CPE - ACCB/CCMA/JJA/MAB/RSO 1/37 1/39 1/74 1/6 INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO ECONOMIA PIB CRESCIMENTO NO ANO 8,0% 7,5% 7,0% 6,0% 5,0%

Leia mais

Agosto Divulgado em 15 de setembro de 2015.

Agosto Divulgado em 15 de setembro de 2015. Agosto - 2015 Divulgado em 15 de setembro de 2015. ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 2,8% PARA O VAREJO EM AGOSTO Indicador considera a receita de vendas do varejo deflacionada pelo IPCA em comparação com agosto

Leia mais

1 Introdução. Figura 1 - Faturamento anual do comércio eletrônico no Brasil (em R$ bilhões) (E-Commerce, Set/2009) 10,0 8,2 6,3 4,4

1 Introdução. Figura 1 - Faturamento anual do comércio eletrônico no Brasil (em R$ bilhões) (E-Commerce, Set/2009) 10,0 8,2 6,3 4,4 1 Introdução A Internet nos últimos anos vem apresentando crescimento inquestionável, transformando a sociedade como um todo, influenciando comportamentos e transformando a economia. Para diversos setores

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a dezembro de 2016 RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

Ranking ABAD/Nielsen de Maio 2012

Ranking ABAD/Nielsen de Maio 2012 Ranking ABAD/Nielsen 2012 21 de Maio 2012 Agenda Quais são as forças que estão transformando o consumo? Qual o desempenho do setor Atacadista-Distribuidor? Quais são os desafios e oportunidades? Reflexões

Leia mais

Junho Divulgado em 15 de julho de 2015.

Junho Divulgado em 15 de julho de 2015. Junho - 2015 Divulgado em 15 de julho de 2015. ICVA REGISTRA CRESCIMENTO DE 1,9% PARA O VAREJO EM JUNHO O indicador é calculado a partir da receita de vendas do comércio varejista deflacionada pelo IPCA

Leia mais

CPMF Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CPMF Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CPMF 2011 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 IMPACTO DA CPMF NA ECONOMIA 2 Volta da CPMF é uma contribuição IMPOPULAR Tema é bastante impopular para ser tratado em início de Governo. Pesquisa

Leia mais

Fevereiro Divulgado em 15 de março de 2016.

Fevereiro Divulgado em 15 de março de 2016. Fevereiro - 2016 Divulgado em 15 de março de 2016. ICVA: BENEFICIADO PELO CALENDÁRIO, VAREJO AMPLIADO REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,4% EM FEVEREIRO Indicador considera a receita deflacionada de vendas do varejo

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T16. 6 de maio de Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T16. 6 de maio de Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 6 de maio de 2016 Magazine Luiza Destaques Vendas E-commerce Margem Bruta EBITDA e Lucro Líquido Capital de Giro Endividamento Luizacred Aumento da receita bruta de 3% totalizando

Leia mais

NIM, líquida de provisões

NIM, líquida de provisões Brasil 26 Var. M 15 / M 14 +6% / 4T'14 Volumes 1 +2% / 4T'14 Atividade Margem Líquida de Juros NIM 6,5% 6,3% 5,9% 5,7% 5,8% Milhões de EUR L&P 1T15 %4T14 %1T14 * NII + receita de tarifas 2.997 2,2 5,2

Leia mais

Março Divulgado em 14 de abril de 2015.

Março Divulgado em 14 de abril de 2015. Março - 2015 Divulgado em 14 de abril de 2015. VAREJO AMPLIADO CRESCE 3,3% EM MARÇO, APONTA ICVA O comércio varejista brasileiro apresentou alta de 3,3% em março em relação ao mesmo período do ano passado,

Leia mais

Brasil perde fatia da riqueza mundial

Brasil perde fatia da riqueza mundial Boletim Econômico Edição nº 32 junho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Brasil perde fatia da riqueza mundial 1 Peso econômico menor no mundo Levantamento feito com base

Leia mais

Em 2016, trabalhadores lutarão por emprego, renda e em defesa da Previdência pública

Em 2016, trabalhadores lutarão por emprego, renda e em defesa da Previdência pública Boletim Econômico Edição nº 7 janeiro de 1 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em 1, trabalhadores lutarão por emprego, renda e em defesa da Previdência pública 1 I - Balanço econômico

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Balanço de 2014 Expectativas para 2015

Coletiva de Imprensa. Balanço de 2014 Expectativas para 2015 Coletiva de Imprensa Balanço de 2014 Expectativas para 2015 Octavio de Lazari Junior Presidente São Paulo, 21 de Janeiro de 2015 Sumário 1. Cenário Macroeconômico 2. Construção Civil 3. Mercado de Crédito

Leia mais

SINCOR-SP 2016 JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Pesquisa Dia das Mães 2017 EXPECTATIVA DOS LOJISTAS

Pesquisa Dia das Mães 2017 EXPECTATIVA DOS LOJISTAS Pesquisa Dia das Mães 2017 EXPECTATIVA DOS LOJISTAS Expectativa Dia das Mães 2017 A estimativa da CDL/BH é de crescimento de 1,25%nas vendas do Dia das Mães de 2017, em relação ao mesmo período do ano

Leia mais

Taxas praticadas no Cartão de Crédito Modalidades: Rotativo e Parcelado. Maio 2015

Taxas praticadas no Cartão de Crédito Modalidades: Rotativo e Parcelado. Maio 2015 Taxas praticadas no Cartão de Crédito Modalidades: Rotativo e Parcelado Maio 2015 1 Observações Levantamento realizado com base nas informações do Banco Central Divulgação destas informações começou em

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T de fevereiro de 2013

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T de fevereiro de 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T12 07 de fevereiro de 2013 AVISO LEGAL A Companhia faz declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e

Leia mais

Economia Brasileira em Perspectiva

Economia Brasileira em Perspectiva 13 de agosto - 2010 O relatório é publicado bimestralmente pelo Ministério da Fazenda Essa versão do Relatório correspondente ao bimestre junho/julho foi divulgada no dia 10/08. Seu objetivo é apresentar

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Financiamento Imobiliário 1º Semestre de São Paulo 26 de Julho de Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente

Coletiva de Imprensa. Financiamento Imobiliário 1º Semestre de São Paulo 26 de Julho de Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente Coletiva de Imprensa Financiamento Imobiliário 1º Semestre de 2016 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo 26 de Julho de 2016 Índice 1 2 3 4 5 6 Conjuntura Construção Civil Financiamento Imobiliário

Leia mais

JBS S.A. JBS S.A. Resultado do 3º Trimestre de Reunião Pública com Analistas e Investidores 16 de novembro de 2009

JBS S.A. JBS S.A. Resultado do 3º Trimestre de Reunião Pública com Analistas e Investidores 16 de novembro de 2009 Resultado do 3º Trimestre de 2009 Reunião Pública com Analistas e Investidores 16 de novembro de 2009 JBS S.A. JBS S.A. Confiamos em Deus, respeitamos a natureza Apresentadores Joesley Mendonça Batista

Leia mais

Mercado global de mídia e entretenimento vai movimentar US$ 2,14 trilhões em 2020

Mercado global de mídia e entretenimento vai movimentar US$ 2,14 trilhões em 2020 Mercado global de mídia e entretenimento vai movimentar US$ 2,14 trilhões em 2020 Enviado por DA REDAÇÃO 10-Jun-2016 PQN - O Portal da Comunicação A receita global do setor de mídia e entretenimento deve

Leia mais

Resultados 1º Trimestre de 2015

Resultados 1º Trimestre de 2015 Resultados 1º Trimestre de 2015 07 de Maio de 2015 Principais Destaques do Resultado do Receita Líquida de R$ 5,4 bilhões, estável vs. excluindo-se o 1 efeito CADE 1 Ganho de market share no período 2

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO ANO VI POPULAÇÃO E COMÉRCIO

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO ANO VI POPULAÇÃO E COMÉRCIO MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO ANO VI POPULAÇÃO E COMÉRCIO 2013 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO O objetivo principal deste estudo é investigar a utilização dos Meios Eletrônicos de pagamento e as percepções

Leia mais

Importância dos Medicamentos no MIX de Produtos em Farmácias e Drogarias

Importância dos Medicamentos no MIX de Produtos em Farmácias e Drogarias Importância dos Medicamentos no MIX de Produtos em Farmácias e Drogarias 31.03.2016 Importância dos Medicamentos no MIX de Produtos em Farmácias e Drogarias Paulo Paiva Diretor Regional LATAM O Brasil

Leia mais

Como os Aplicativos (smartphones) estão mudando os hábitos de Consumo

Como os Aplicativos (smartphones) estão mudando os hábitos de Consumo Como os Aplicativos (smartphones) estão mudando os hábitos de Consumo O usuário integrado O maior acesso da população à internet e aos smartphones vem mudando o comportamento do consumidor de e-commerce.

Leia mais

Paulo Paiva Diretor Regional LATAM. Oportunidades do Mercado Farmacêutico São Paulo Agosto de 2015

Paulo Paiva Diretor Regional LATAM. Oportunidades do Mercado Farmacêutico São Paulo Agosto de 2015 Paulo Paiva Diretor Regional LATAM Oportunidades do Mercado Farmacêutico São Paulo Agosto de 2015 Quem Somos Fundadaem1968sobaliderançadeum prestigioso grupo de profissionais em química, saúde e farmácia;

Leia mais

Receita Líquida Consolidada de Mercadorias

Receita Líquida Consolidada de Mercadorias 2 Nota Importante Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas de crescimento da Guararapes

Leia mais

PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE

PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE O trabalho de projeções do mercado de seguros, previdência privada e capitalização, realizado pela SISCORP, é desenvolvido com detalhes

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados 1S10 em IFRS

Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados 1S10 em IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados 1S10 em IFRS 29 de Julho de 2010 Índice 2 1 Cenário Macroeconômico 2 Estratégia 3 Negócios 4 Resultado 5 Qualidade da Carteira de Crédito 6 Conclusões Cenário Macroeconômico

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00*

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00* INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % 1994 916,43 1995 22,41 1996 9,56 1997 5,22 1998 1,66 1999 8,94 2000 5,97 2001 7,67 2002 12,53 2003 9,30 2004 7,00* * Previsão Fonte: Estado de Minas, 1 o Julho de 2004 - Especial

Leia mais

Cartão de Crédito Bradesco Empresarial Elo Grafite

Cartão de Crédito Bradesco Empresarial Elo Grafite Cartão de Crédito Bradesco Empresarial Elo Grafite 1. CONHEÇA O CARTÃO...2 Dados do Cartão...2 Desbloqueio...3 Senha...3 Chip...3 Aceitação na Rede Elo...3 Utilização no Exterior...3 2. FACILIDADES...4

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA. 1º semestre de São Paulo 26 de Julho de Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente

COLETIVA DE IMPRENSA. 1º semestre de São Paulo 26 de Julho de Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente COLETIVA DE IMPRENSA 1º semestre de 2017 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo 26 de Julho de 2017 1 PAUTA 1) Conjuntura Econômica 2) Financiamento Imobiliário 3) Funding 4) Inadimplência

Leia mais

Diretoria/Responsáveis: Superintendente ABRAS Tiaraju Pires Presidente ABRAS Sussumu Honda Nº 18

Diretoria/Responsáveis: Superintendente ABRAS Tiaraju Pires Presidente ABRAS Sussumu Honda Nº 18 Diretoria/Responsáveis: Superintendente ABRAS Tiaraju Pires Presidente ABRAS Sussumu Honda Nº 18 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 31 de Julho de 2012 Vendas crescem 6,68%

Leia mais

ECONOMIA 25 de junho de 2015 Relatório de Crédito (dados de maio)

ECONOMIA 25 de junho de 2015 Relatório de Crédito (dados de maio) 11 12 13 14 15 16 jan/02 ago/02 mar/03 out/03 mai/04 dez/04 jul/05 fev/06 set/06 abr/07 nov/07 jun/08 jan/09 ago/09 mar/ out/ mai/11 dez/11 jul/12 fev/13 set/13 abr/14 nov/14 ECONOMIA 25 de junho de 15

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA V - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES VALE DO RIO DOCE CNPJ: /

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA V - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES VALE DO RIO DOCE CNPJ: / LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA V - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES VALE DO RIO DOCE Informações referentes à Agosto de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Santander com resultados de milhões de euros em 2016 (+4%)

NOTA DE IMPRENSA. Santander com resultados de milhões de euros em 2016 (+4%) Santander com resultados de 6.204 milhões de euros em 2016 (+4%) O lucro ordinário antes de impostos foi de 11.288 milhões de euros, subindo 11,7%, excluindo o efeito da taxa de câmbio Madri, 25 de janeiro

Leia mais