Teoria Cinética dos Gases

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Teoria Cinética dos Gases"

Transcrição

1 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 1 Teora Cnétca dos Gases 19.1 Introdução Um gás consste em átomos que preenchem o volume de seu recpente. As varáves volume, pressão e temperatura, são conseqüêncas do movmento dos átomos. olume resultado da lberdade dos átomos; Pressão resultado das colsões dos átomos com as paredes do recpente; Temperatura relaconada com a energa cnétca dos átomos. 19. Número de Avogadro mol número de átomos em uma amostra de 1g do carbono-1. Num mol de qualquer substânca exstem 3 1 N A 6,0x10 mol NÚMERO DE AOGADRO O número de moles n contdos em uma amostra de qualquer substânca é gual a razão entre o número de moléculas N na amostra e o número de moléculas N A em 1mol: N n O número de moles n pode ser encontrado dvdndo a massa M am da amostra pela sua massa molar M. M am M am n M mn A onde m é a massa de uma molécula. N A

2 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 19.3 Gases Ideas Expermentos mostraram que, para densdades sufcentemente baxas, todos os gases tendem a obedecer à relação: p nrt LEI DOS GASES IDEAIS Onde p é a pressão absoluta (não manométrca), n é o número de moles do gás confnado e T é a temperatura em kelvns. R é a constante dos gases deas. R 8,31J / mol. K Em termos da constante de Boltzmann, temos: k R N A 8,31J / mol. K 3 1,38x10 J / K 3 1 6,0x10 mol Podemos escrever, R kn A o que nos permte usar a equação e obtermos nr Nk n N / N, Substtundo na equação dos gases deas temos p NkT Trabalho Realzado por um Gás Ideal a Temperatura Constante Em um dagrama p, uma soterma é uma curva que conecta pontos que possuem a mesma temperatura. Para n moles de um gás deal, ela é o gráfco da equação 1 1 p nrt ( cons tan te) A

3 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 3 Para encontrar o trabalho realzado durante qualquer varação de volume de qualquer gás, podemos usar p nrt para substtur p, W f nrt W W f d nrt f pd 1 d nrtln f nrt ln GÁS IDEAL, PROCESSO ISOTÉRMICO. Trabalho Realzado a olume Constante e a Pressão Constante Se o volume do gás é constante, a equação anteror nos fornece W 0 PROCESSO ISOCÓRICO Se o volume vara enquanto a pressão é mentda constante, a equação f W pd nos dá W f p d p( ) PROCESSO ISOBÁRICO f f p Exercíco Um clndro contém 1L de oxgêno a 0 o C e 15atm. A temperatura é aumentada para 35 o C e o volume é reduzdo para 8,5L. Qual é a pressão fnal do gás em atmosferas? Suponha que o gás seja deal.,3atm.

4 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 4 Exercíco: Um mol de oxgêno (suponha deal) se expande a uma temperatura constante de 310K de um volume ncal =1L até um volume fnal f =19L. Que trabalho é realzado pelo gás durante a expansão? (1183J) 19.4 Pressão, Temperatura e elocdade Méda Quadrátca. Consdera n moles de um gás deal confnado numa caxa cúbca de volume. As paredes da caxa são mantdas a temperatura T. Qual a lgação entre a pressão p exercda pelo gás sobre as paredes e as velocdades das moléculas? Quando a molécula da fgura coldr com a parede, a varação do momento ao longo do exo x é dada por: p ( mv ) ( mv ) mv x x x x A molécula va atngr a parede váras vezes. O tempo entre duas colsões na mesma parede será dado por L t A taxa méda com que o momento é transmtdo para a parede sombreada é v x

5 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 5 px mvx mvx t L / vx L De acordo com a ª le de Newton ( F dp / dt ), a taxa com a qual o momento é transferdo para a parede é a força que atua sobre a mesma. A pressão exercda devdo a contrbução de todas as moléculas na parede do cubo é Fx mvx 1 / L mvx / L... mvxn / L p L L m p ( v 1... ), 3 x vx vxn L onde N é o número de moléculas na caxa. Como N nn A, exstem nn A termos no segundo conjunto entre parêntess da equação anteror. Substtundo esta quantdade por nn A( v x ) méd, onde ( v x ) méd é o valor médo do quadrado da componente x de todas as velocdades moleculares. A equação da pressão torna-se então nmn p A ( v x ) 3 méd L Como há mutas moléculas, v vx v y vz, os valores médos dos quadrados das componentes da velocdade são guas, 1 de modo que vx v. Consderando que mn M 3 A, L 3 e substtundo na equação teremos: nm p ( v ) méd 3 A raz quadrada de ( v ) méd vrms é uma velocdade conhecda como velocdade méda quadrátca, smbolzada por v rms. Assm nm p v rms 3

6 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 6 A equação anteror pode ser Algumas elocdades RMS à nvertda para se calcular a Temperatura Ambente (T=300K) Massa Molar Gás v (10-3 rms kg/mol) (m/s) velocdade quadrátca méda. 3p 3RT v rms nm M sendo que p nrt. Exercíco: (a) Encontre o valor médo dos números: 5, 11, 3, 67, e 89 (resp 40,8) n médo 40,8 5 (b) Encontre o valor rms destes números n rms , Energa Cnétca Translaconal Consderando uma molécula coldndo com outras moléculas do gás no nteror da caxa, sua energa cnétca translaconal méda será dada por K méd 1 mv méd 1 m( v ) méd 1 mv rms que pode ser escrta na forma 1 3RT K méd m M K méd mas M mn A, logo 3RT N, sendo k R / N A A m 1 M 3 K méd kt Hdrogêno,0 190 (H ) Hélo (He) 4, apor d água (H O) Ntrogêno (N ) Oxgêno (O ) Dóxdo de carbono (CO ) Dóxdo de enxofre (SO ) 64,1 34 Em uma dada temperatura T, todas as moléculas de um gás deal, ndependentemente de suas massas, têm a mesma energa cnétca translaconal méda, 3 kt. N A

7 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr Camnho Lvre Médo O Camnho lvre médo descreve o movmento aleatóro que ndca a dstânca méda percorrda por uma molécula entre colsões. Espera-se que este parâmetro vare nversamente com N/, o número de moléculas por undade de volume ( densdade de moléculas). Quanto maor for N/, maor o número de colsões e menor o camnho lvre médo. Esperase também que vare nversamente com o tamanho das moléculas. A expressão para o camnho lvre médo é: 1 d N / Na fgura ao lado, (a) ocorre uma colsão quando os centros de duas moléculas estverem a uma dstânca d. Se consderarmos nossa molécula (b) com rao d e as demas como sendo puntformes, o crtéro para colsão não muda. Entre uma colsão e outra, a molécula varre uma dstânca compreendda por um clndro de área de seção d. Num tempo t a molécula percorre uma dstânca v t, e o volume do clndro será dado por ( d )( vt).

8 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 8 O número de colsões que ocorrem num ntervalo de tempo t é gual ao número de moléculas puntformes que estão no volume do clndro. Como N / é o número de moléculas por undade de volume, ( N / )( d vt), que é o número de colsões que ocorrem neste ntervalo de tempo. O camnho lvre médo será o comprmento da trajetóra (do clndro) dvddo por este número. vt 1 d vtn / d N / Esta equação leva em conta que somente uma das moléculas do gás está em movmento. Se consderarmos o movmento das outra, ela se transforma em. 1 d N / Consderando as moléculas do ar: 0, 1m ao nível do mar; 16cm 100km de alttude; 0km 300km de alttude. Exercíco: (a) Qual é o camnho lvre médo para moléculas de oxgêno na temperatura T 300K e pressão p 1, 0atm? Suponha que o dâmetro molecular seja d 90 pm e que o gás seja deal. (b) Suponha que a velocdade méda das moléculas de oxgêno é v 450m / s. Qual é o tempo médo t entre colsões sucessvas para qualquer molécula? A que taxa as moléculas coldem, ou seja, qual a freqüênca f das colsões? (resp. 1,1 x10 m ;,44x10 s ; 4,1x 10 s )

9 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr A dstrbução de elocdades Moleculares A fgura (a) mostra uma dstrbução para as moléculas de oxgêno na temperatura ambente (T=300K). A fgura (b) compara este resultado com a dstrbução a T=80K. Le da Dstrbução de elocdades de Maxwell (185) - Encontra a dstrbução das velocdades moleculares de um gás. P(v) M Mv / RT P( v) 4 v e RT é a função dstrbução de probabldade de velocdade A área sob a curva será 0 P( v) dv 1 A fração (fr) das moléculas com velocdades em um ntervalo de v1 a v será. 3 / fr v v 1 P( v) dv

10 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 10 elocdades Méda, RMS e Mas Provável. A velocdade méda v méd, é obtda multplcando-se v pela fração P ( v) dv das moléculas com velocdades em um ntervalo dferencal dv centrado em v. Adconando todos estes valores, de vp ( v) dv. Substtundo P (v) por P( v) 4 M RT 3 / v e Mv / RT v méd 0 vp( v) dv e usando o resultado genérco da ntegral (0 apêndce E) para encontrar, 8RT v méd M ELOCIDADE MÉDIA Para encontrar a méda dos quadrados da velocdades fazse: 0 ( ) v P( v) dv v méd Substtundo P (v) e resolvendo através da ntegral (16 em apêndce), encontramos: 3RT ( v ) méd M A raz quadrada de ( v ) méd é a velocdade méda quadrátca v rms : M v rms 3RT ELOCIDADE RMS

11 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 11 A velocdade mas provável vp é aquela na qual P(v) é máxma. Fazendo dp / dt 0 temos um valor máxmo na curva e então, RT v p M ELOCIDADE MAIS PROÁEL Exercíco: Um recpente com gás oxgêno é mantdo na temperatura ambente de (300K). Qual é a fração das moléculas que possuem velocdades no ntervalo de 599 a 601 m/s? A massa molar M do oxgêno é 0,030 kg/mol. Resp.,6x10-3. A massa molar M do oxgêno é 0,030kg/mol. (a) Qual a velocdade méda vméd das moléculas do gás oxgêno a T=300K? (b) Qual é a velocdade méda quadrátca rms em v T=300K? (c) Qual a velocdade mas provável Resp. 445m/s; 483m/s; 395m/s. vp a 300K? 19.8 Os Calores Específcos Molares de um Gás Ideal Energa Interna E nt - Supondo um gás deal monoatômco (hélo, neôno, argôno...), cuja energa nterna esteja assocada apenas as energas de cnétcas de translação de seus átomos, teremos: 3 E nt ( nn A ) K méd ( nn A )( kt )

12 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 1 Usando k R / N A, teremos: E nt 3 nrt GÁS IDEAL MONOATÔMICO A energa nterna de um gás deal é função apenas da temperatura do gás; ela não depende de qualquer outra varável. Calor Específco Molar a olume Constante Na fgura ao lado, o gás é elevada lentamente de T a T T, enquanto a pressão passa de p para p p em um processo a volume constante. O calor é adconado, mas nenhum trabalho é realzado, como mostra o dagrama p-. Neste caso, o calor Q está relaconado com a varação da temperatura por: Q nc v T C v é uma constante chamada calor específco molar a volume constante. Usando a 1ª le da termodnâmca e substtundo Q, teremos: nt E ncvt W

13 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 13 Como o volume é mantdo constante, W 0 e então: E 3 C v nrt Ent nt Sabemos que, de modo que a varação da energa nterna seja da forma E nt 3 nrt nt, logo: 3/ nrt 3 C v R nt, assm, C v 1,5J / mol. K Gás monoatômco Generalzando para qualquer gás deal temos, E nc T nt v, o que nos leva a uma varação de energa do tpo: E nc nt v T Gás deal, qualquer processo. Uma varação na energa nterna Ent de um gás deal confnado depende apenas da varação na temperatura do gás; ela não depende do tpo de processo que produz a varação de temperatura Calores Específcos Molares a olume Constante Molécula Exemplo ( J / mol. K) Monoatômca Datômca Polatômcas Na fgura acma, os três processo, volume constante (1), pressão constante() e sem troca de colar com o meo (3), A varação da energa nterna é a mesma, pos ad temperaturas ncal e fnal são as mesmas. C v Ideal 3 R 1, 5 Real He 1,5 Ar 1,6 Ideal 5 R 0, 8 Real N 0,7 O 0,8 Ideal 3R 4, 9 Real NH 4 9,0 CO 9,7

14 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 14 Calor Específco Molar a Pressão Constante Nesta stuação, a temperatura de um gás deal é elevada de T para T T em um processo a pressão p constante. Calor é adconado e trabalho é realzado levantando o pstão carregado. Este processo é mostrado no dagrama p- abaxo. O valor de Q está assocado com a varação de temperatura T por: Q nc p C p é uma constante chamada calor específco molar a pressão constante. T Usando a 1ª le da termodnâmca, temos: E nt Q W mas E nc nt v T, Q ncpt e W p, logo: ncv T nc pt p, como C e p nrt, chegamos a uma relação entre p C v nc C v v T nc C p R logo: p T nrt C p C v R

15 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 15 Exercíco: Uma bolha de 5,00mol de hélo está submersa a uma certa profunddade na água quando a água (e, portanto o hélo) sofre um aumento de temperatura de 0 0 C a pressão constante. Como resultado, a bolha se expande. O hélo é monoatômco e deal. (a) Quanta energa é adconada ao hélo sob a forma de calor durante esta expansão com o aumento de temperatura? (b) Qual é a varação Ent do hélo durante o aumento de temperatura? (c) Que trabalho W é realzado pelo hélo quando ele se expande contra a pressão da água ao seu redor durante o aumento de temperatura? Respostas: Q 077, 5J ; Ent 146, 5J ; W 831J 19.9 Graus de Lberdade e Calores Específcos Molares. 3 Na últma tabela, verfcou-se que C v R concorda para gases monoatômco, mas falha para gases datômcos e polatômcos. Isto ocorre porque as moléculas com mas de um átomo armazenam energa numa forma dferente do que a cnétca translaconal Teorema da equpartção da energa de James Clerk Maxwell Todo tpo de molécula tem um certo número f de graus de lberdade, que são maneras ndependentes pelas quas uma molécula pode armazenar energa. Cada grau de lberdade tem a ele assocada 1 na méda uma energa de kt por molécula (ou por mol).

16 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 16 Para os gases datômcos e polatômcos, é necessáro 3 refazer os cálculos. Prmero, trocamos a equação Ent nrt por E nt ( f / ) nrt, onde f é o número de graus de lberdade lstado na tabela abaxo. Graus de Lberdade Para áras Moléculas Calores Específcos Graus de Lberdade Molares Prevstos f Molécula Exemplo Translação Rotação Total ( f ) C v R C C Monoatômca He R Datômca O 3 5 R Fazendo sto, podemos prever que: f C v R 4,16 f ( J Gás datômco e polatômco / mol. K) Exercíco: Uma cabana de volume está preenchda com ar (que vamos consderar um gás deal datômco) em uma temperatura ncal T 1. Após acender uma larera, a temperatura do ar aumenta para T. Qual é a varação resultante E na energa nterna do ar na cabana? Resposta: 0 nt p v R 3 5 R 5 7 R Polatômca CH R 4R

17 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr Uma Sugestão da Teora Quântca. Se a temperatura do gás for sufcentemente alta, outro movmento (outro grau de lberdade) pode aparecer, o osclatóro. No caso do O, os átomos começaram a osclar um em relação ao outro, como se conectados por uma mola A Expansão Adabátca de um Gás Ideal Este processo ocorre sem troca de calor entre o sstema e o meo, ou seja, Q 0. Na fgura, o volume de um gás deal é expanddo removendo-se massa do pstão processo adabátco de para f - como mostra o dagrama p-. Neste caso, podemos escrever, p const. Processo Adabátco Onde C / C p.

18 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 18 nrt Num processo adabátco, p p ff. Usando p, podemos elmnar p, fcando com; nrt const. Como nr são constantes, podemos escrever: 1 T const. Processo Adabátco Quando o gás va de um estado ncal até um estado fnal: T 1 1 Tf f Processo Adabátco Expansões Lvres: É um processo adabátco que não envolve trabalho realzado pelo gás ou sobre o gás e nem vara sua energa nterna. Logo as equações anterores não se aplcam. As temperaturas ncal e fnal devem ser a mesma, ou seja, o processo ocorre sobre uma soterma. T T f Expansão Lvre Se não há varação na temperatura, não pode haver varação no produto p, logo: p p Expansão Lvre Exercíco: No segundo exercíco, 1 mol de oxgêno (por hpótese, um gás deal) se expande sotermcamente (a 310K) a partr de um volume ncal 1L a um volume fnal 19L. (a) Qual sera a temperatura fnal se o gás tvesse expanddo adabatcamente até este mesmo volume fnal? O oxgêno é datômco e aqu possu rotação, mas não oscla. (b) Qual sera a temperatura fnal e a pressão fnal se, em vez dsso, o gás tvesse expanddo lvremente para o novo volume a partr de uma pressão de,0pa? Resp. 58K; 310K e 1,3Pa. f f

19 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 19 Resumndo, os quatro processos em gases: 1- Isobárco - Isotérmco 3- Adabátco 4- Isocórco (sovolumétrco) Quatro Processos Especas Trajetóra do gráfco acma Grandeza constante 1 p 3 4 T 1 p, T Tpo de processo Isobárco Alguns resultados especas Ent Q W Ent ncvt (para todas as trajetóras) Q nc pt W p Isotérmco Q W nrt ln Adabátco Isocórco E nt 0 Q 0 W E nt Q Ent ncv W 0 f T

20 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 0 Exercícos do Cap 19 1) Encontre a massa em qulograma de 7,50x10 4 átomos de arsênco, que tem uma massa molecular de 74,9g/mol. 3) Calcule (a) o número de moles e (b) o número de moléculas em 1,00cm 3 de um gás deal numa pressão de 100Pa e numa temperatura de 0K. 5) Uma amostra de gás oxgêno tendo volume de 1000cm 3 a 40 o C e 1,01x10 5 Pa se expande até que seu volume seja de 1500cm 3 e sua pressão seja de 1,06x10 5 Pa. Encontre (a) o número de moles do oxgêno presente e (b) a temperatura fnal da amostra. 7) Uma certa quantdade de um gás deal a 10,0 o C e 100kPa ocupa um volume de,50m 3. (a) Quantos moles do gás estão presentes? (b) Se a pressão for aumentada para 300kPa e a temperatura elevada para 30,0 o C, que volume o gás passará a ocupar? Suponha que não há vazamento. 11) No ntervalo de temperatura de 310K para 330K, a pressão p de um certo gás não deal está relaconada com seu volume e temperatura T por T T p ( 4,9J / K) (0,0066J / K ). Que trabalho é realzado pelo gás se a sua temperatura aumentar de 315K para 35K a pressão constante? 17) A menor temperatura possível no espaço sderal é,7k. Qual é a velocdade rms de moléculas de hdrogêno nesta temperatura? (A massa molar das moléculas de hdrogêno (H ) é dada na tabela 19-1). 19) (a) calcule a velocdade rms de uma molécula de ntrogêno a 0,0 o C. A massa molar das moléculas de (N ) é dada na tabela Em que temperatura a velocdade rms será (b) metade desse valor e (c) o dobro desse valor? 1) Um fexe de moléculas de hdrogêno (H ) está dreconado para uma parede, em um ângulo de 55 o com a normal à parede.

21 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 1 Cada molécula no fexe tem uma velocdade de 1,0km/s e uma massa de 3,3x10-4 g. O fexe atnge a parede sobre uma área de cm, a uma taxa de 10 3 moléculas por segundo. Qual é a pressão do fexe sobre a parede? 4) Determne o valor médo da energa cnétca de translação das moléculas de um gás deal a (a) 0,00 o C e (b) 100 o C. Qual é a energa cnétca de translação méda por mol de um gás deal a (c) 0,00 o C e (d) 100 o C? 7) A densdade atmosférca em uma alttude de 500km está em torno de uma molécula/cm 3. (a) Supondo que o dâmetro da molécula seja de,0x10-8 cm, determne o camnho lvre médo 1 prevsto por. (b)explque se o valor prevsto é sgnfcatvo. d N / 30) A 0 o C e a uma pressão de 750torr, os camnhos lvres médos para o gás argôno (Ar) e o gás ntrogêno (N ) são 6 6 Ar 9,9x10 cm e N 7,5x10 cm. (a) Encontre a razão entre o dâmetro de um átomo de Ar e o de uma molécula de N. Qual é o camnho lvre médo do argôno a (b) 0 o C e 150torr, e (c) 40 o C e 750torr? 3) As velocdades de partículas são as seguntes (N representa o número de partículas que têm velocdade v ): N (m/s) 1,0,0 3,0 4,0 5,0 Quas são (a) v méd, (b) v rms, (c) v p? 39) A fgura abaxo mostra uma dstrbução de velocdades hpotétca para uma a mostra de um gás com N partículas (note que P( v) 0 para velocdades v v0 ). Quas são os valores de (a) av v 0, (b) méd v e (c) rms, (d) qual a v 0 v 0 fração das partículas que têm velocdades entre 1,5v 0 e,0v 0?

22 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 41) A temperatura de,00mol de um gás deal monoatômco aumenta de 15,0K a volume constante. Quas são (a) o trabalho realzado pelo gás, (b) a energa transferda como calor, (c) a varação da energa nterna do gás e (d) a varação da energa cnétca méda por átomo. 44) Quando 0,9J foram adconados como calor a um gás deal partcular, o volume do gás varou de 50,0cm 3 para 100cm 3 enquanto a pressão permaneceu em 1,00atm. (a) De quanto varo a energa nterna do gás? Se a quantdade de gás presente era de,00x10-3 mol, encontre (b) C p e (c) C v. 46) Um mol de um gás deal datômco va de a para c ao longo da trajetóra dagonal na fgura abaxo. Durante a transção, (a) qual é a varação na energa nterna do gás e (b) quanta energa é adconada ao gás como calor? (c) Que calor é necessáro se o gás va de a para c ao longo da trajetóra abc? 49) Quando 1 mol de gás oxgêno (O ) é aquecdo a pressão constante ncando a 0 o C, quanta energa deve ser adconada ao gás como calor para dobrar seu volume? 51) Suponha que 4,00 mol de um gás deal datômco, com rotação molecular, mas sem osclação, sofrem um aumento de temperatura de 60,0K sob pressão constante. Quas são (a) a energa transferda como calor Q, (b) a varação Ent na energa nterna do gás, (c) o trabalho realzado pelo gás e (d) a varação K na energa cnétca translaconal total do gás? 53) Um certo gás ocupa um volume de 4,3L na pressão de 1,atm e uma temperatura de 310K. Ele é comprmdo adabatcamente para um volume de 0,76L. Determne (a) sua pressão fnal e (b) a temperatura fnal, supondo que o gás é deal e que 1, 4.

23 Cap 19: Teora Cnétca dos Gases - Prof. Wladmr 3 55) A fgura abaxo mostra duas trajetóras que podem ser segudas por um gás de um ponto ncal até um ponto fnal f. A trajetóra 1 consste em uma expansão sotérmca (o trabalho tem módulo de 50J), uma expansão adabátca (trabalho com módulo de 40J), uma compressão sotérmca (trabalho 30J em módulo) e então uma compressão adabátca (o trabalho tem módulo de 5J). Qual é a varação na energa nterna do gás se ele for do ponto para o ponto f segundo a trajetóra?

Capítulo 19. A teoria cinética dos gases

Capítulo 19. A teoria cinética dos gases Capítulo 19 A teora cnétca dos gases Neste capítulo, a ntroduzr a teora cnétca dos gases que relacona o momento dos átomos e moléculas com olume, pressão e temperatura do gás. Os seguntes tópcos serão

Leia mais

19.2 Número de Avogadro mol número de átomos em uma amostra de 12g do carbono-12. Num mol de qualquer substância existem

19.2 Número de Avogadro mol número de átomos em uma amostra de 12g do carbono-12. Num mol de qualquer substância existem Cap. 19 Um gás consiste em átomos que preenchem o volume de seu recipiente. As variáveis volume, pressão e temperatura, são conseqüências do movimento dos átomos. Volume resultado da liberdade dos átomos;

Leia mais

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico Q1 Um clndro feto de materal com alta condutvdade térmca e de capacdade térmca desprezível possu um êmbolo móvel de massa desprezível ncalmente fxo por um pno. O rao nterno do clndro é r = 10 cm, a altura

Leia mais

Unidade II 1. Estudo dos gases e primeira Lei da Termodinâmica

Unidade II 1. Estudo dos gases e primeira Lei da Termodinâmica Governo do Estado do Ro Grande do Norte Secretara de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Retora de Ensno de Graduação PROEG Home Page: http://www.uern.br

Leia mais

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria.

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria. Elementos de Engenhara Químca I II. Frações e Estequometra (problemas resolvdos) Problemas Propostos. Frações másscas, volúmcas ou molares. Estequometra.. Em 5 moles de Benzeno (C 6 H 6 ) quanto é que

Leia mais

Dinâmica do Movimento de Rotação

Dinâmica do Movimento de Rotação Dnâmca do Movmento de Rotação - ntrodução Neste Capítulo vamos defnr uma nova grandeza físca, o torque, que descreve a ação gratóra ou o efeto de rotação de uma força. Verfcaremos que o torque efetvo que

Leia mais

QiD 6 3ª SÉRIE/PRÉ - VESTIBULAR PARTE 3 QUÍMICA

QiD 6 3ª SÉRIE/PRÉ - VESTIBULAR PARTE 3 QUÍMICA PARA A VALIDADE DO QD, AS RESPOSTAS DEVEM SER APRESENTADAS EM FOLHA PRÓPRIA, FORNECIDA PELO COLÉGIO, COM DESENVOLVIMENTO E SEMPRE A TINTA. TODAS AS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA DEVEM SER JUSTIFICADAS.

Leia mais

Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA. Teoria Cinética do Gases

Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA. Teoria Cinética do Gases Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA Teoria Cinética do Gases Introdução A descrição de um gás por inteiro (descrição macroscópica) pode ser feito estabelecendo as grandezas macroscópicas que caracterizam

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha)

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha) Estatístca p/ Admnstração II - Profª Ana Cláuda Melo Undade : Probabldade Aula: 3 Varável Aleatóra. Varáves Aleatóras Ao descrever um espaço amostral de um expermento, não especfcamos que um resultado

Leia mais

2/Mar/2016 Aula 4. 26/Fev/2016 Aula 3

2/Mar/2016 Aula 4. 26/Fev/2016 Aula 3 6/Fev/016 Aula 3 Calor e Primeira Lei da Termodinâmica Calor e energia térmica Capacidade calorífica e calor específico Calor latente Diagrama de fases para a água Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br 1 soluções eletrolítcas Qual a dferença entre uma solução 1,0 mol L -1 de glcose e outra de NaCl de mesma concentração?

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 11: Varáves Aleatóras (webercampos@gmal.com) VARIÁVEIS ALEATÓRIAS 1. Conceto de Varáves Aleatóras Exemplo: O expermento consste no lançamento de duas moedas: X: nº de caras

Leia mais

Física I p/ IO FEP111 ( )

Física I p/ IO FEP111 ( ) ísca I p/ IO EP (4300) º Semestre de 00 Insttuto de ísca Unversdade de São Paulo Proessor: Antono Domngues dos Santos E-mal: adsantos@.usp.br one: 309.6886 4 e 6 de setembro Trabalho e Energa Cnétca º

Leia mais

Algarismos Significativos Propagação de Erros ou Desvios

Algarismos Significativos Propagação de Erros ou Desvios Algarsmos Sgnfcatvos Propagação de Erros ou Desvos L1 = 1,35 cm; L = 1,3 cm; L3 = 1,30 cm L4 = 1,4 cm; L5 = 1,7 cm. Qual destas meddas está correta? Qual apresenta algarsmos com sgnfcado? O nstrumento

Leia mais

Fone:

Fone: Prof. Valdr Gumarães Físca para Engenhara FEP111 (4300111) 1º Semestre de 013 nsttuto de Físca- Unversdade de São Paulo Aula 8 Rotação, momento nérca e torque Professor: Valdr Gumarães E-mal: valdrg@f.usp.br

Leia mais

EXPANSÃO TÉRMICA DOS LÍQUIDOS

EXPANSÃO TÉRMICA DOS LÍQUIDOS Físca II Protocolos das Aulas Prátcas 01 DF - Unversdade do Algarve EXPANSÃO ÉRMICA DOS ÍQUIDOS 1 Resumo Estuda-se a expansão térmca da água destlada e do glcerol utlzando um pcnómetro. Ao aquecer-se,

Leia mais

Capítulo 24: Potencial Elétrico

Capítulo 24: Potencial Elétrico Capítulo 24: Potencal Energa Potencal Elétrca Potencal Superfíces Equpotencas Cálculo do Potencal a Partr do Campo Potencal Produzdo por uma Carga Pontual Potencal Produzdo por um Grupo de Cargas Pontuas

Leia mais

FÍSICO-QUÍMICA I Termodinâmica do Equilíbrio

FÍSICO-QUÍMICA I Termodinâmica do Equilíbrio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Químca, ICEx, Setor de Físco-Químca FÍSICO-QUÍMICA I Termodnâmca do Equlíbro Prof. Wellngton Ferrera de MAGALHÃES, Departamento de Químca, e-mal: welmag@ufmg.br

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

Física Geral I - F Aula 12 Momento Angular e sua Conservação. 2º semestre, 2012

Física Geral I - F Aula 12 Momento Angular e sua Conservação. 2º semestre, 2012 Físca Geral I - F -18 Aula 1 Momento Angular e sua Conservação º semestre, 01 Momento Angular Como vmos anterormente, as varáves angulares de um corpo rígdo grando em torno de um exo fxo têm sempre correspondentes

Leia mais

Expansão livre de um gás ideal

Expansão livre de um gás ideal Expansão lvre de um gás deal (processo não quase-estátco, logo, rreversível) W=0 na expansão lvre (P e = 0) Paredes adabátcas a separar o gás das vznhanças Q = 0 ª Le U gás = Q + W = 0 U = U Para um gás

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

Mecânica Estatística. - Leis da Física Macroscópica - Propriedades dos sistemas macroscópicos

Mecânica Estatística. - Leis da Física Macroscópica - Propriedades dos sistemas macroscópicos Mecânca Estatístca Tal como a Termodnâmca Clássca, também a Mecânca Estatístca se dedca ao estudo das propredades físcas dos sstemas macroscópcos. Tratase de sstemas com um número muto elevado de partículas

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ 1 É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Numa relação expermental os valores de uma das

Leia mais

Interpretação Molecular da Temperatura de um Gás Ideal

Interpretação Molecular da Temperatura de um Gás Ideal Interpretação Molecular da Temperatura de um Gás Ideal Já vimos que a pressão está relacionada com a energia cinética média das moléculas. Agora relacionaremos a temperatura à uma descrição microscópica

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

Capítulo 26: Corrente e Resistência

Capítulo 26: Corrente e Resistência Capítulo 6: Corrente e esstênca Cap. 6: Corrente e esstênca Índce Corrente Elétrca Densdade de Corrente Elétrca esstênca e esstvdade Le de Ohm Uma Vsão Mcroscópca da Le de Ohm Potênca em Crcutos Elétrcos

Leia mais

Capítulo 21 Teoria Cinética dos Gases

Capítulo 21 Teoria Cinética dos Gases apítulo eora nétca dos Gases Hallyday Resnck a Edção Eercícos e robleas oléculas de ar estão contnuaente atngndo esta págna Estas bolas de têns eculares são tão pequenas que sera precso cerca de delas

Leia mais

V.1. Introdução. Reações Químicas.

V.1. Introdução. Reações Químicas. V.1. Introdução. Reações Químcas. V. Balanços Materas a Processos com Reação Químca Uma equação químca acertada ornece muta normação. Por exemplo, a reação de síntese do metanol: CO (g) + 3H (g) CH 3 OH

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r F Físca 1998 1. Um certo calorímetro contém 80 gramas de água à temperatura de 15 O C. dconando-se à água do calorímetro 40 gramas de água a 50 O C, observa-se que a temperatura do sstema, ao ser atngdo

Leia mais

Nenhum desses processos violaria a Lei de Conservação de Energia se ocorresse no sentido inverso.

Nenhum desses processos violaria a Lei de Conservação de Energia se ocorresse no sentido inverso. SEGUNDA LEI E ENROPIA Processos rreversíves e entroa Alguns rocessos termodnâmcos num só sentdo. Exemlos: - grão de mlho se transformando em oca; - caneca de café esfrando - exansão lvre de um gás. ocorrem

Leia mais

Termodinâmica Exercícios resolvidos Quasar. Termodinâmica. Exercícios resolvidos

Termodinâmica Exercícios resolvidos Quasar. Termodinâmica. Exercícios resolvidos erodnâca Exercícos resolvdos Quasar erodnâca Exercícos resolvdos. Gases peretos Cp e Cv a) Mostre que a relação entre o calor especíco olar a pressão constante Cp e a volue constante Cv é dada por Cp Cv

Leia mais

11/Mar/2016 Aula 7 Entropia Variação da entropia em processos reversíveis Entropia e os gases ideais

11/Mar/2016 Aula 7 Entropia Variação da entropia em processos reversíveis Entropia e os gases ideais 11/Mar/016 Aula 7 Entropia ariação da entropia em processos reversíveis Entropia e os gases ideais Entropia no ciclo de Carnot e em qualquer ciclo reversível ariação da entropia em processos irreversíveis

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

2 - Análise de circuitos em corrente contínua

2 - Análise de circuitos em corrente contínua - Análse de crcutos em corrente contínua.-corrente eléctrca.-le de Ohm.3-Sentdos da corrente: real e convenconal.4-fontes ndependentes e fontes dependentes.5-assocação de resstêncas; Dvsores de tensão;

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 16 Prof. Luz Alexandre Peternell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Exercícos Propostos 1) Consderando os dados amostras abaxo, calcular: méda artmétca, varânca, desvo padrão, erro padrão da méda e coefcente

Leia mais

Física II FEP 112 ( ) 1º Semestre de Instituto de Física - Universidade de São Paulo. Professor: Valdir Guimarães

Física II FEP 112 ( ) 1º Semestre de Instituto de Física - Universidade de São Paulo. Professor: Valdir Guimarães Física II FEP 11 (4300110) 1º Semestre de 01 Instituto de Física - Universidade de São Paulo Professor: Valdir Guimarães E-mail: valdir.guimaraes@usp.br Fone: 3091-7104(05) Aula 1 Temperatura e Teoria

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

AMPLIAÇÃO DE ESCALA. Adimensionais: dq dq dqs. dt dt dt. Reynolds. Número de Potência. Número de Froude

AMPLIAÇÃO DE ESCALA. Adimensionais: dq dq dqs. dt dt dt. Reynolds. Número de Potência. Número de Froude AMPLIAÇÃO E ESCALA Admensonas: Reynolds Re ρ N /μ Número de Potênca dq dq dqs o dqv Número de Froude Fr N / g AMPLIAÇÃO E ESCALA COMO CORRELACIONAR k L a com potênca de agtação? Os japoneses propões aquecer

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Prof. Lorí Val, Dr. UFRG Insttuto de Matemátca

Leia mais

Capítulo 9. Colisões. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 9. Colisões. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo 9 Colsões Recursos com copyrght ncluídos nesta apresentação: http://phet.colorado.edu Denremos colsão como uma nteração com duração lmtada entre dos corpos. Em uma colsão, a orça externa resultante

Leia mais

Apêndice B Frações mássicas, molares e volúmicas. Estequiometria.

Apêndice B Frações mássicas, molares e volúmicas. Estequiometria. Elementos de Engenhara Químca I Apêndce B Apêndce B Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra. O engenhero químco lda constantemente com msturas de compostos químcos em stuações que mporta caracterzar

Leia mais

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-10b UNICAMP IFGW

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-10b UNICAMP IFGW F-18 Físca Geral I Aula exploratóra-10b UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br O teorema dos exos paralelos Se conhecermos o momento de nérca I CM de um corpo em relação a um exo que passa pelo seu centro de

Leia mais

25/Fev/2015 Aula 2. 20/Fev/2015 Aula 1

25/Fev/2015 Aula 2. 20/Fev/2015 Aula 1 /Fe/15 Aula 1 Temperatura e a Lei Zero da Termodinâmica Sistema Termodinâmico Termómetros e Escalas de Temperatura Descrição macroscópica dos gases ideais Equação dos gases ideais 5/Fe/15 Aula Teoria Cinética

Leia mais

Física I para Oceanografia FEP111 ( ) Aula 10 Rolamento e momento angular

Física I para Oceanografia FEP111 ( ) Aula 10 Rolamento e momento angular Físca para Oceanograa FEP (4300) º Semestre de 0 nsttuto de Físca- Unversdade de São Paulo Aula 0 olamento e momento angular Proessor: Valdr Gumarães E-mal: valdr.gumaraes@usp.br Fone: 309.704 olamento

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

DISPONIBILIDADE DE ENERGIA

DISPONIBILIDADE DE ENERGIA Notas de Físca II Pros Amaur e Rcardo DISPONIBILIDADE DE ENERGIA Neste capítulo será estudado a Segunda Le da ermodnâmca sob város aspectos: ecênca e otmzação de máunas térmcas, rergeradores e entropa.

Leia mais

Física. Física Módulo 1. Sistemas de Partículas e Centro de Massa. Quantidade de movimento (momento) Conservação do momento linear

Física. Física Módulo 1. Sistemas de Partículas e Centro de Massa. Quantidade de movimento (momento) Conservação do momento linear Físca Módulo 1 Ssteas de Partículas e Centro de Massa Quantdade de ovento (oento) Conservação do oento lnear Partículas e ssteas de Partículas Átoos, Bolnhas de gude, Carros e até Planetas... Até agora,

Leia mais

Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA. Teoria Cinética do Gases

Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA. Teoria Cinética do Gases Universidade Federal do ampa UNIAMA Teoria inética do Gases 7.alores específicos molares de um gás ideal A quantidade de gás ideal é medida pelo número de moles n, em vez da massa m O gás é submetido

Leia mais

Filtros são dispositivos seletivos em freqüência usados para limitar o espectro de um sinal a um determinado intervalo de freqüências.

Filtros são dispositivos seletivos em freqüência usados para limitar o espectro de um sinal a um determinado intervalo de freqüências. 1 Fltros são dspostvos seletvos em freqüênca usados para lmtar o espectro de um snal a um determnado ntervalo de freqüêncas. A resposta em freqüênca de um fltro é caracterzada por uma faxa de passagem

Leia mais

Realimentação negativa em ampliadores

Realimentação negativa em ampliadores Realmentação negatva em ampladores 1 Introdução necessdade de amplfcadores com ganho estável em undades repetdoras em lnhas telefôncas levou o Eng. Harold Black à cração da técnca denomnada realmentação

Leia mais

2010 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

2010 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho rof.: nastáco nto Gonçalves lho Introdução Nem sempre é possível tratar um corpo como uma únca partícula. Em geral, o tamanho do corpo e os pontos de aplcação específcos de cada uma das forças que nele

Leia mais

MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR. Princípio do modelo:

MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR. Princípio do modelo: MODELO RECEPTOR Não modela a dspersão do contamnante. MODELO RECEPTOR Prncípo do modelo: Atacar o problema de dentfcação da contrbução da fonte em ordem nversa, partndo da concentração do contamnante no

Leia mais

Módulo 4 Sistema de Partículas e Momento Linear

Módulo 4 Sistema de Partículas e Momento Linear Módulo 4 Sstea de Partículas e Moento Lnear Moento lnear Moento lnear (quantdade de oento) de ua partícula: Grandeza etoral Undades S.I. : kg./s p Moento lnear e ª Le de ewton: Se a assa é constante: F

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012 Notas Processos estocástcos Nestor Catcha 23 de abrl de 2012 notas processos estocástcos 2 O Teorema de Perron Frobenus para matrzes de Markov Consdere um processo estocástco representado por um conunto

Leia mais

Mecânica. Sistemas de Partículas

Mecânica. Sistemas de Partículas Mecânca Sstemas de Partículas Mecânca» Sstemas de Partículas Introdução A dnâmca newtonana estudada até aqu fo utlzada no entendmento e nas prevsões do movmento de objetos puntformes. Objetos dealzados,

Leia mais

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA II.1. HIPOTESES BASICAS A modelagem aqu empregada está baseado nas seguntes hpóteses smplfcadoras : - Regme permanente; - Ausênca de forças de campo; - Ausênca de trabalho

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte. Esta aula tratará de gases e termodinâmica:

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte. Esta aula tratará de gases e termodinâmica: Esta aula tratará de gases e termodinâmica: Estudando a matéria, os cientistas definiram o mol. Um mol corresponde a 6,02. 10 " unidades de algo, número conhecido por N A, número de Avogadro. A importância

Leia mais

2ª PARTE Estudo do choque elástico e inelástico.

2ª PARTE Estudo do choque elástico e inelástico. 2ª PARTE Estudo do choque elástco e nelástco. Introdução Consderemos dos corpos de massas m 1 e m 2, anmados de velocdades v 1 e v 2, respectvamente, movmentando-se em rota de colsão. Na colsão, os corpos

Leia mais

LISTA de GASES e TERMODINÂMICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GASES e TERMODINÂMICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA de GASES e TERMODINÂMICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ug 01)O ntrogêno líqudo é requentemente utlzado em sstemas crogêncos, para trabalhar a baxas temperaturas. A gura a segur lustra um reservatóro de 100

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 1 T.195 esposta: d De U r, sendo 0, resulta U. Portanto, a força eletromotrz da batera é a tensão entre seus termnas quando

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

Critério de Equilíbrio

Critério de Equilíbrio Crtéro de Equlíbro ara um sstema echado onde exstem ases em equlíbro, o crtéro geral de equlíbro de ases mpõe que o potencal químco de cada espéce presente seja gual em todas as ases. α β π µ = µ = K=

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Física II 2012 UNICAMP Quadro de Joseph Wrigth of Derby (1768) representando experimento de Robert Boyle Equação de estado dos gases ideais Qualquer objeto macroscópico

Leia mais

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão).

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão). Mestrado Integrado em Engenhara Aeroespacal Mecânca e Ondas 1º Ano -º Semestre 1º Teste 31/03/014 18:00h Duração do teste: 1:30h Lea o enuncado com atenção. Justfque todas as respostas. Identfque e numere

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física

Universidade de São Paulo Instituto de Física Universidade de São Paulo Instituto de Física FEP - FÍSICA II para o Instituto Oceanográfico º Semestre de 009 Sexta Lista de Exercícios a. Lei da Termodinâmica e Teoria Cinética dos Gases ) Uma máquina

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Estudos Básicos e Instrumentais 4 Termodinâmica Física II Ferreira 1 ÍNDICE 1. Conceitos Fundamentais; 2. Sistemas Termodinâmicos; 3. Leis da

Leia mais

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV)

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV) Prncpo do Trabalho rtual (PT)..Contnuo com mcroestrutura Na teora que leva em consderação a mcroestrutura do materal, cada partícula anda é representada por um ponto P, conforme Fgura. Porém suas propredades

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA

INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA Introdução à Astrofísca INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA LIÇÃO 7: A MECÂNICA CELESTE Lção 6 A Mecânca Celeste O que vmos até agora fo um panorama da hstóra da astronoma. Porém, esse curso não pretende ser de dvulgação

Leia mais

Capítulo 30: Indução e Indutância

Capítulo 30: Indução e Indutância Capítulo 3: Indução e Indutânca Índce Fatos xpermentas; A e de Faraday; A e de enz; Indução e Tranferênca de nerga; Campos létrcos Induzdos; Indutores e Indutânca; Auto-ndução; Crcuto ; nerga Armazenada

Leia mais

ANÁLISE DA VARIÂNCIA DA REGRESSÃO

ANÁLISE DA VARIÂNCIA DA REGRESSÃO ANÁLISE DA VARIÂNCIA DA REGRESSÃO PROCEDIMENTO GERAL DE REGRESSÃO Em um modelo de análse de varânca, como no DIA, o fator em estudo pode ser quanttatvo ou qualtatvo. FATOR QUANTITATIVO: é aquele cujos

Leia mais

Física I LEC+LET Guias de Laboratório 2ª Parte

Física I LEC+LET Guias de Laboratório 2ª Parte Físca I LEC+LET Guas de Laboratóro 2ª Parte 2002/2003 Experênca 3 Expansão lnear de sóldos. Determnação de coefcentes de expansão térmca de dferentes substâncas Resumo Grupo: Turno: ª Fera h Curso: Nome

Leia mais

ANÁLISE MATRICIAL DE ESTRUTURAS DE BARRAS PELO MÉTODO DE RIGIDEZ

ANÁLISE MATRICIAL DE ESTRUTURAS DE BARRAS PELO MÉTODO DE RIGIDEZ ANÁISE MATRICIA DE ESTRUTURAS DE BARRAS PEO MÉTODO DE RIGIDEZ A análse matrcal de estruturas pelo método de rgdez compreende o estudo de cnco modelos estruturas báscos: trelça plana, trelça espacal, pórtco

Leia mais

Conhecimentos Específicos

Conhecimentos Específicos PROCESSO SELETIVO 010 13/1/009 INSTRUÇÕES 1. Confra, abaxo, o seu número de nscrção, turma e nome. Assne no local ndcado. Conhecmentos Específcos. Aguarde autorzação para abrr o caderno de prova. Antes

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

BC0406 Introdução à Probabilidade e à Estatística Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2011

BC0406 Introdução à Probabilidade e à Estatística Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2011 BC0406 Introdução à Probabldade e à Estatístca Lsta de Eercícos Suplementares novembro 0 BC0406 Introdução à Probabldade e à Estatístca Lsta de Eercícos Suplementares quadrmestre 0 Além destes eercícos,

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

F-328 Física Geral III

F-328 Física Geral III F-328 Físca Geral III Aula exploratóra- 06 UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br F328 2 o Semestre de 2013 1 Corrente elétrca e resstênca Defnção de corrente: Δq = dq = t+δt Undade de corrente: 1 Ampère =

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016 Robótca Prof. Renaldo Banch Centro Unverstáro FEI 2016 6 a Aula IECAT Objetvos desta aula Momentos Lneares, angulares e de Inérca. Estátca de manpuladores: Propagação de forças e torques. Dnâmca de manpuladores:

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Lnear com Restrções Aula 9: Programação Não-Lnear - Funções de Váras Varáves com Restrções Ponto Regular; Introdução aos Multplcadores de Lagrange; Multplcadores de Lagrange e Condções

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

8. Estudo da não-idealidade da fase líquida

8. Estudo da não-idealidade da fase líquida PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II 009 8. Estudo da não-dealdade da fase líquda Assuntos. A le de Raoult. Defnção de atvdade 3. Convenções assmétrcas e a le de Henry 4. Exercícos 8..

Leia mais

Contabilometria. Aula 8 Regressão Linear Simples

Contabilometria. Aula 8 Regressão Linear Simples Contalometra Aula 8 Regressão Lnear Smples Orgem hstórca do termo Regressão Le da Regressão Unversal de Galton 1885 Galton verfcou que, apesar da tendênca de que pas altos tvessem flhos altos e pas axos

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso Superor de tecnólogo em Gestão Ambental Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos

Leia mais

Atividade em Soluções Eletrolíticas

Atividade em Soluções Eletrolíticas Modelo de solução eletrolítca segundo Debye-Hückel. - A le lmte de Debye-Hückel (LLDH) tem o lmte que está em: I 0,01. log z.z A I 1/ valêncas do íons + e do eletrólto I 1 [ z b / b ] constante que depende

Leia mais

Gases. 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação?

Gases. 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação? Capítulo 2 Gases 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação? Van der Waals verificou que o fato do gás real não se comportar como o gás ideal é

Leia mais

Análise Descritiva com Dados Agrupados

Análise Descritiva com Dados Agrupados Análse Descrtva com Dados Agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas descrtvas

Leia mais

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO 1 Um modelo lnear generalzado é defndo pelos seguntes três componentes: Componente aleatóro; Componente sstemátco; Função de lgação; Componente aleatóro: Um conjunto

Leia mais

As moléculas se encontram em movimento desordenado, regido pelos princípios fundamentais da Mecânica newtoniana.

As moléculas se encontram em movimento desordenado, regido pelos princípios fundamentais da Mecânica newtoniana. Estudo dos gases Gás Ideal As moléculas se encontram em movimento desordenado, regido pelos princípios fundamentais da Mecânica newtoniana. As moléculas não exercem força uma sobre as outras, exceto quando

Leia mais