Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -"

Transcrição

1 Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA Enf.ª ULSM - Coordenadora UCCSMI Título de Especialista em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiatria

2 AS UCC NA ULSM, E.P.E. Dão resposta as dez Freguesias do Concelho de Matosinhos. FREGUESIAS SMI Leça do Balio UCCSMI FREGUESIAS Sra. da Hora Custóias Guifões UCCSH FREGUESIAS Lavra Sta. Cruz Perafita Leça da Palmeira UCCLP FREGUESIAS Matosinhos UCCM NúmerototaldeResidenteséde Dão resposta as necessidades da população inscrita e residente da sua área geográfica de intervenção

3 PILARES DAS UCC DA ULSM Missão Obtenção de ganhos em saúde Visão Valores Garantindo a continuidade e qualidade dos cuidados prestados

4 PILARES DAS UCC DA ULSM Promoção Missão Tratamento Visão Valores Reabilitação UTENTES FAMÍLIAS COMUNIDADES Num contexto de proximidade

5 PILARES DAS UCC DA ULSM Missão Visão Valores Empoderamento comunitário no plano intrapessoal, interpessoal e organizacional Intervenção baseada em padrões de qualidade

6 ESTRUTURA PLANO ACÇÃO Para cada projecto definidos: Objectivo Geral Objectivos Específicos População Alvo Critérios de Referenciação Impresso próprio específico Fax Telemóvel de serviço Folha de Referenciação Cronograma (definido triénio de intervenção)

7 CARTEIRA DE SERVIÇOS Os projectos e programas da carteira de serviços que integram o plano de acção das UCC são desenvolvidos em articulação com: Restantes unidades funcionais do ACES da ULSM Hospital de Pedro Hispano Hospital Magalhães Lemos Centro Hospitalar do Porto Hospital de São João Parcerias

8 PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA Promoção da Saúde Mental do Idoso Promoção da Saúde Mental do Prestador de Cuidados Promover a Saúde Mental da população com patologia mental diagnosticada Programa Nacional de Saúde Escolar Projecto Bullying PROJECTOS DE INTERVENÇÃO

9 PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA Projecto Viver com Demência Projecto de Intervenção na pessoa com doença mental Projecto de Promoção da Saúde Mental do Idoso CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade

10 Projectos de parceria com o Programa Nacional de Saúde Escolar Projectos de Promoção e Prevenção da Saúde Mental Prevenção de Consumo de Substâncias lícitas -Álcool Apoiar quem Cuida Prevenção de Consumo de Substâncias lícitas Tabaco Vigilantes da Saúde Prevenção de Consumo de Substâncias ilícitas Drogas PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA Prevenção da violência escolar e bullying

11 PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA Patologia Mental Prevenir, Cuidar e Integrar o Idoso PNPSE: Prevenção da violência escolar/bullying Promoção da Saúde Mental do Cuidador Informal Saúde Mental na população da área de abrangência da UCC

12 RECURSOS HUMANOS/ARTICULAÇÃO 1 Enf. com título de especialista SMP em cada UCC da ULSM Parcerias Equipas de Saúde Familiar

13 DOCUMENTAÇÃO SAPE

14 SAPE - PARAMETRIZAÇÃO Durante ANO 2010: -4 enfermeiros com título de especialista SMP e elementos do GRECSP desenvolveram a parametrização; Enfermeiros representantes de todos os C.S. e USF (início em Maio de 2005) - Uniformizar registos nos CSP; - Optimizar a aplicação informática; - Reflectir sobre o cuidar nos CSP e a respectiva documentação; - Definir e implementar a parametrização no SAPE CS.

15 SAPE - PARAMETRIZAÇÃO FOCOS ATENÇÃO: PROGRAMA SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA PROGRAMA SAÚDE DA COMUNIDADE Processo de pensamento (Pensar) Alucinação Auto cuidado: comportamento sono repouso Coping Vontade de viver Interacção Social Autocuidado Actividade Recreativa Papel Prestador de Cuidados Stress Prestador Cuidados Comportamento de procura de saúde Ansiedade Uso de tabaco Uso de drogas Uso de álcool Gestão do Regime Terapêutico Adesão ao Regime Terapêutico Memória Orientação Bem-estar físico Bem-estar psicológico Bem-estar emocional Tristeza Solidão Processo de Luto Auto-estima Imagem Corporal Crença de Saúde

16 SAPE - PARAMETRIZAÇÃO PROGRAMA SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA PROGRAMA SAÚDE DA COMUNIDADE intervenções de grupo FOCO: Processo Comunitário STATUS: Gestão Comunitária Eficaz/Não Eficaz INTERVENÇÕES: Avaliar indicadores de actividade (taxa de execução) Avaliar indicadores de actividade (taxa de adesão) Planear educação para a saúde Executar educação para a saúde Executar sessão terapêutica Planear sessão terapêutica

17 PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL DO IDOSO POPULAÇÃO ALVO Os utentes inscritos no Centro de Saúde, residentes nas Freguesias de da área de intervenção, com idade a 65 anos inscritos em Famílias Unipessoais ou que residam sozinhos

18 PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL DO IDOSO OBJECTIVO GERAL Promover a saúde mental da população com mais de 65 anos, com isolamento social e inscritos em famílias unipessoais. Melhorar a qualidade de vida das pessoas com mais de 65 anos de idade.

19 PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL DO IDOSO CRITÉRIOS DE REFERENCIAÇÃO Indivíduos idosos com mais de 65 anos de idade que residam sozinhos na área de actuação da UCC; Indivíduos com mais de 65 anos de idade que estejam inscritos em processos unipessoais; Indivíduos com mais de 65 anos que residam sozinhos na área de actuação da UCC com focos atenção para intervenção de enfermagem, especificamente: auto-imagem; imagem corporal; identidade pessoal; bem-estar (físico, psicológico, emocional e espiritual), emoção (ansiedade, medo, angústia, solidão, tristeza); memória (curto prazo, longo prazo, orientação, cognição)

20 PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL DO IDOSO ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS -Caracterização da população idosa que reside sozinha -Construção de uma base de dados e tratamento dos dados -Elaboração de um questionário de colheita de dados com aplicação de instrumentos psicométricos -Visita domiciliária -Consulta de Enfermagem de Saúde Mental de acordo com as necessidades detectadas e referenciação pelas ESF

21 NOTA FINAL Com a reestruturação dos Cuidados de Saúde Primários, a criação das UCC constituem uma mais-valia para a promoção, manutenção e melhoria da saúde da comunidade, traduzindo-se assim em ganhos em saúde. A área da saúde mental e psiquiatria que muitas vezes é olvidada nos cuidados de saúde primários, por escassez de recursos humanos especializados nesta área, têm agora uma excelente oportunidade para evolução e construção de um caminho que se pauta pela diferença e na sua essência demonstre a sua importância para a comunidade.

22 NOTA FINAL O desenvolvimento de projectos de intervenção na comunidade como os que estão a ser desenvolvidos pelas UCC, promovem uma intervenção em saúde mental e psiquiatria estruturada e organizada, cuja avaliação é essencial para a continuidade e visibilidade dos cuidados nesta área de especialidade. O trabalho com a comunidade na área da saúde mental e psiquiatria é sem dúvida essencial, trazendo, novos conhecimentos e aprendizagens e colocando a descoberto realidades até agora desconhecidas. Os enfermeiros têm um papel preponderante na comunidade, no contexto do utente/família, pela proximidade que estabelecem e onde as necessidades são reais e perceptíveis.

23 Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA

Investigação em serviços de saúde

Investigação em serviços de saúde Ministério da Saúde Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Investigação em serviços de saúde Cuidados de saúde primários 2011-2015 Índice Tópicos Pág. Nota inicial.... 02 Prioridades

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Matriz estratégica do PEE

Matriz estratégica do PEE MEC02-000 MEC02-001 MEC02-002 MEC02-003 Matriz estratégica do PEE Ensino (Pré-) Primário MEC02 Ensino Primário Objectivo Geral Assegurar que todas as crianças tenham oportunidade de concluir uma educação

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3 ÍNDICE I - 1.1 Apresentação do Centro...2 1.2 Direitos......2 1.3 - Deveres...3 1.4 - Organização...3 II Voluntariado 2.1 Apresentação do Voluntário...4 2.2 Perfil do Voluntário...5 2.3 Funções...6 2.4

Leia mais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Capacitação em saúde como prioridade A capacitação dos cidadãos em saúde

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2009 CAO SÃO VICENTE - ÂNGELA MILHO 1.5 - FICHA DE ACTIVIDADE INSERIDA EM PROGRAMAS E PROJECTOS DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: DINAMIZAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO /SENSIBILIZAÇÃO CÓDIGO:

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 Unidade de Cuidados Continuados e Paliativos do Hospital da Luz Justificação, Finalidade e Objectivos: Os Cuidados Paliativos assumem-se

Leia mais

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos Regulamento Do Serviço Vamos até Si 2014. Regulamento do serviço Vamos Até Si 1 Regulamento do Serviço Vamos até Si Preâmbulo Vamos até si é um serviço

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

Projecto de Intervenção Comunitária Curso de Preparação para Prestadores de Cuidados Informais

Projecto de Intervenção Comunitária Curso de Preparação para Prestadores de Cuidados Informais Projecto de Intervenção Comunitária Curso de Preparação para Prestadores de Cuidados Informais Encontro Boas Praticas em Cuidados Saúde Primários Coimbra, 13/11/2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE Essência dos Cuidados

Leia mais

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos Relatório de Actividades Ano 2006 Rede Social de Lagos Núcleo Executivo e CLAS- Conselho Local de Acção Social Núcleo Executivo - 27 Reuniões de Trabalho Actividades (Trabalho de planificação, concepção,

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi)

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Serviço de Psicologia, adiante designado por Serviço, é uma estrutura de caráter permanente

Leia mais

Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica. Maio de 2015

Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica. Maio de 2015 Laboratório de Sustentabilidade Sessão 6: A planificação estratégica Maio de 2015 Do que estamos falando? SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2- FUNDAMENTOS DO PE 2.1. Conceito 2.2. Origem, Função e Características 3

Leia mais

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL ISEL ISEL Sessão de Apresentação no ISEL Manuel Pires Abraços 15 Novembro 2011 Apresentação O Poliempreende é um concurso de ideias e de planos de negócios que tem como objectivo avaliar e premiar projectos

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas.

Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Letícia Andrade Assistente Social HC-FMUSP: Ambulatório de Cuidados Paliativos e Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar Cuidados Paliativos:

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ULSM

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ULSM MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ULSM ELABORADO POR: Gabinete da Qualidade Data: 28 Abril de 2010 EDIÇÃO: 1.5 APROVADO POR: Conselho de Administração Data: Pág.1 de 30 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe...

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Responsabilidade Social na Galp Energia Responsabilidade Social na Galp Energia COLABORADORES ESPECIALISTAS PÚBLICO EM GERAL A Galp Energia foi

Leia mais

Projecto Educativo. de Escola

Projecto Educativo. de Escola Projecto Educativo de Escola 2006/2010 Nota Introdutória P.E.E. No seu primeiro ano de implementação 2006/07, com o objectivo de trabalhar os problemas seleccionados: dificuldades sentidas nas relações

Leia mais

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Psicóloga Ana Rita Antunes (2º e 3º Ciclos e Coordenadora do Serviço de Psicologia e Orientação) Psicóloga Filipa

Leia mais

Liga Nacional Contra a Fome

Liga Nacional Contra a Fome Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública PLANO DE ATIVIDADES 2016-2019 E ORÇAMENTO 2016 NOVEMBRO 2015 Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública A Liga Nacional Contra a Fome é

Leia mais

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Fevereiro / 2015 INDÍCE Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual I. Introdução II. III. IV.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informática e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

Missão Institucional Gerenciar unidades públicas de saúde alinhada à Secretaria de Estado de Saúde

Missão Institucional Gerenciar unidades públicas de saúde alinhada à Secretaria de Estado de Saúde 1 2 3 Missão Institucional Gerenciar unidades públicas de saúde alinhada à Secretaria de Estado de Saúde 1 Gestão de Recursos Gestão de Excelência Gestão de Serviços Gestão de Recursos Humanos Gerenciamento

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL CONEXÃO VERDE REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL IASEA INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL 1. APRESENTAÇÃO Conexão Verde é uma rede de aprendizagem e colaboração que envolve jovens

Leia mais

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante:

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA HANSENÍASE 1. Atribuições

Leia mais

Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios

Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Patrícia Barbosa Investigadora Escola nacional de Saúde Pública, Universidade Nova de Lisboa; Colaboradora do Observatório Português dos Sistemas

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. Sistemas Electrónicos e Computadores

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. Sistemas Electrónicos e Computadores INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SETÚBAL CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Decreto Lei nº88/2006 de 23 de Maio Sistemas Electrónicos e Computadores Área de formação

Leia mais

Regulamento Interno. Centro Ocupacional de São Brás. Capítulo I. Objectivos do Regulamento

Regulamento Interno. Centro Ocupacional de São Brás. Capítulo I. Objectivos do Regulamento Regulamento Interno Centro Ocupacional de São Brás Capítulo I Objectivos do Regulamento 1) O presente regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento do Espaço Educacional de São Brás,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014 PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR Ano lectivo de 2013 2014 A Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos, de acordo com o que está definido no Projecto educativo, deste agrupamento (...)

Leia mais

Acessibilidade e equidade em Saúde

Acessibilidade e equidade em Saúde Acessibilidade e equidade em Saúde DE LEIRIA NORTE A equipa de saúde mental comunitária trabalha desde 17 de março de 2011, após se ter instalado no centro de saúde de Figueiró dos Vinhos DE LEIRIA NORTE

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DA APAE DE UBERLÂNDIA APAE 2008

PLANO ESTRATÉGICO DA APAE DE UBERLÂNDIA APAE 2008 PLANO ESTRATÉGICO DA APAE DE UBERLÂNDIA APAE 2008 1. NEGÓCIO Inclusão Social 2. MISSÃO Promover a inclusão social, desenvolvendo os potenciais de pessoas com deficiência mental ou múltipla. Através de

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Treinamento e Desenvolvimento - T&D Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Políticas de RH As práticas de Recursos Humanos do Hospital Santa Catarina estão de acordo com as diretrizes apresentadas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 07/2016 Assunto: Atribuições da equipe em procedimentos estéticos e necessidade de especialização para realização das técnicas. Palavras-chave: Estética, Atribuições da equipe

Leia mais

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Núcleo Executivo / Secretariado Técnico Rede Social Loures Aprovado na reunião de CLAS de 19.Fevereiro.2009 Objectivo Superior Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Monitorização

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA NOSSA CASA A importância do Trabalho em Equipe Multidisciplinar Assistente Social Enfermeira Técnicos de enfermagem Fisioterapeuta Nutricionista Médico Psicólogo

Leia mais

Formação sobre o Consumo e Dependência de Heroína e de outros Opiáceos: Actualização em Tratamento e Prevenção da Recidiva

Formação sobre o Consumo e Dependência de Heroína e de outros Opiáceos: Actualização em Tratamento e Prevenção da Recidiva Formação sobre o Consumo e Dependência de Heroína e de outros Opiáceos: Actualização em Tratamento e Prevenção da Recidiva DESIGNAÇÃO DA FORMAÇÃO Consumo e dependência de heroína e de outros opiáceos:

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006

PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006 PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006 Aprova o Regulamento Técnico para estabelecer as atribuições, deveres e indicadores de eficiência e do potencial de doação de órgãos e tecidos

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. O aluno com deficiência intelectual

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. O aluno com deficiência intelectual ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO O aluno com deficiência intelectual Deliese Salcher Gasparetto Introdução A deficiência intelectual é conhecida por problemas causados no cérebro e que causam baixa

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

Comunicação de Crise na Saúde

Comunicação de Crise na Saúde Comunicação de Crise na Saúde Prevenir para melhorar a sociedade Conceição Martins Diretora de RH & IT Angelini - Hoje O resultado de uma história de sucesso 4ª companhia farmacêutica em Itália (em volume);

Leia mais

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 Índice Pág 1. Plano de Contingência para Vagas de Frio (PCVF)... 4 2. Grupos Vulneráveis. 4 3. Objetivos. 5 3.1 Objetivos gerais.

Leia mais

SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR Elza Cristina Giostri elza@sociesc.org.br PROGRAMA Apresentação Diagnóstico de conhecimento e necessidades Conceito Geral Elaboração do relatório

Leia mais

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano)

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) 2010-2013 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO - 2012 CMC/DIPS Ricardo Caldeira - Coordenador do Grupo de Planeamento da Intervenção com os

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento,

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

Pós Graduação em Nefrologia (Domingo, 03 de Agosto de 2008) -

Pós Graduação em Nefrologia (Domingo, 03 de Agosto de 2008) - Pós Graduação em Nefrologia (Domingo, 03 de Agosto de 2008) - 2º Curso de Pós-Graduação em Enfermagem Nefrológica Acreditado pela EDTNA/ERCA (European Dialysis & Transplant Nurse Association / European

Leia mais

CONSIDERANDO a Constituição da República Federativa do Brasil, nos artigos 197 e 199;

CONSIDERANDO a Constituição da República Federativa do Brasil, nos artigos 197 e 199; Resolução COFEN 292 / 2004 O Conselho Federal de Enfermagem, no uso de suas atribuições a que alude a Lei nº 5.905/73 e a Lei 7.498/86, e tendo em vista deliberação do Plenário em sua reunião ordinária

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta apresentada

Leia mais

REDE SOCIAL DE ALANDROAL

REDE SOCIAL DE ALANDROAL REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo Entidades/ Parceiros

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Programa SOS Emergências. Ministério da Saúde Brasil. Lançamento Nacional em 08/11/2011

REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Programa SOS Emergências. Ministério da Saúde Brasil. Lançamento Nacional em 08/11/2011 REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS Programa SOS Emergências Ministério da Saúde Brasil Ação Estratégica do Ministério da Saúde para as Portas de Entrada Hospitalares Prioritárias Lançamento Nacional

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS

TECNOLOGIAS APLICADAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0 Tecnologias

Leia mais

1º ENCONTRO DE CUIDADOS DOMICILIÁRIOS DA SOPRAR SORRISOS Auditório do Hotel Segredos de Vale Manso Aldeia do Mato Abrantes

1º ENCONTRO DE CUIDADOS DOMICILIÁRIOS DA SOPRAR SORRISOS Auditório do Hotel Segredos de Vale Manso Aldeia do Mato Abrantes 1º ENCONTRO DE CUIDADOS DOMICILIÁRIOS DA SOPRAR SORRISOS Auditório do Hotel Segredos de Vale Manso Aldeia do Mato Abrantes Encontros domiciliários: sopros de qualidade de vida Comissão Organizadora: Soprar

Leia mais

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor)

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Outubro 2006 Direcção Comercial e Gestão de Clientes www.apcer.pt Gonçalo Pires Índice: Certificação de S.G.: Qualidade (NP EN ISO 9001:2000); Ambiente (NP EN

Leia mais

ACADEMIA DE MOBILIDADE. Maio 2016

ACADEMIA DE MOBILIDADE. Maio 2016 ACADEMIA DE MOBILIDADE Maio 2016 O aumento da esperança de vida acarreta o Paradigma: (+) anos à vida versus(-) vida aos anos! Questões de saúde e bem-estar nas idades mais avançadas; Aumento significativo

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO. Saúde Escolar 2011/2012. Tema anual: Cuidar de mim

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO. Saúde Escolar 2011/2012. Tema anual: Cuidar de mim Tema anual: Cuidar de mim Cuidar de mim Jardim de Infância, 1º, 2º e 3º Ciclos Cuidar do Corpo, Cuidar de mim Cuidar de mim Secundário Cuidar de mim, Cuidar do outro Cuidar de mim Alimentação e Actividade

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

Plano de Actividades 2012. Envelhecimento Ativo e Solidariedade entre Gerações. Gerações

Plano de Actividades 2012. Envelhecimento Ativo e Solidariedade entre Gerações. Gerações Plano de Actividades 2012 Envelhecimento Ativo e Solidariedade entre Gerações Gerações _Santa Casa da Misericórdia Fátima-Ourém Introdução A Santa Casa tem como Missão servir a comunidade através de respostas

Leia mais

Memórias do trabalho

Memórias do trabalho Universidade Popular do Porto Candidatura de projecto à Porto 2001 SA, Capital da Cultura Memórias do trabalho testemunhos do Porto laboral no sé culo XX Agosto de 1999 (reformulação em Setembro de 2000)

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS ANO LETIVO 2012 / 2013 ÍNDICE ÍNDICE... 1 EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO... 2 1. Legislação:... 2 2. Finalidades da educação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE DIREITOS HUMANOS

Leia mais

WORKSHOP 1. Como reforçar o trabalho dos cuidados de saúde primários e das autarquias para mais ganhos em saúde?

WORKSHOP 1. Como reforçar o trabalho dos cuidados de saúde primários e das autarquias para mais ganhos em saúde? Como reforçar o trabalho dos cuidados de saúde primários e das autarquias para mais ganhos em GRUPO DE TRABALHO: Isabel Loureiro - ENSP Helena Cargaleiro - ACES Amadora Mª da Luz Pereira - ACES Seixal

Leia mais

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento:

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Gestão de Projetos é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos,

Leia mais

Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013):

Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013): Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013): I - promover a integração operacional e assistencial dos serviços de saúde vinculados ao Ministério

Leia mais

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Durante todo Estágio (Teórica e prática) Março a junho 2013 Mês de março e abril de 2013 25 a 31 março Preparação para o ingresso no Estágio Leitura obrigatória

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017 AEMB - DEPE PROJETO CURRICULAR DE DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR 2013/2017 O Jardim de Infância é um espaço mágico repleto de cores, sons, onde os grandes aprendem com os pequenos o que é ser realmente grande

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR A preocupação com o aumento e as características dos múltiplos episódios de violência vividos na e pela comunidade escolar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... 21/03/2014 EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? IMPORTANTE!!!!!

EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... 21/03/2014 EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? IMPORTANTE!!!!! EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... Profa. MsC. Célia Regina Beiro da Silveira celiabeiro@expresso.com.br EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? É aquele que destrói a ordem econômica existente pela introdução de novos

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO, COM FORMAÇÃO CONTINUADA

PROJETO BÁSICO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO, COM FORMAÇÃO CONTINUADA 1 PROJETO BÁSICO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO, COM FORMAÇÃO CONTINUADA 1. JUSTIFICATIVA DA PROPOSIÇÃO: 1.1.1. O Programa de Formação Continuada, para a Coordenação e Implementação das Diretrizes

Leia mais

Plano de Articulação Curricular

Plano de Articulação Curricular Plano de Articulação Curricular 2014-2015 Agrupamento de Escolas Fernando Pessoa Índice 1.Introdução... 3 2 2.Prioridades... 4 3.Operacionalização do Plano de Articulação Curricular... 5 4.Monitorização

Leia mais

AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Projeto de longo prazo Tem variados objetivos, focos e etapas; Depende de muitas pessoas, organizações, decisões em outras instâncias, grande captação de recursos

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária

Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária Junho 2014 Índice 1. A etiquetagem energética no contexto Europeu 2. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) 3. Produtos Etiquetados

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014 A MODELAGEM DA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL 1. A análise de situação de saúde 2. A escolha do modelo de 3. A definição do

Leia mais

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um.

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. A Educação Básica, B Avanços e Desafios Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada

Leia mais

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Contexto do Projecto Contexto Ambiental Descrever as calamidades climáticas presentes (eventos e condições) afectando

Leia mais

Plano de Ação para 2012

Plano de Ação para 2012 Área da Ação Plano de Ação para 2012 CRONOGRAMA ÁREA DE INTERVENÇÃO ATIVIDADES 2012 Recursos Humanos Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro O atendimento

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR nº 005, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI COMPLEMENTAR nº 005, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI COMPLEMENTAR nº 005, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. Altera a Lei Complementar nº 003/2006 que dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos servidores públicos do Município de Prata, MG, cria

Leia mais

- Comprovante de conclusão do curso de graduação nas seguintes áreas: Medicina, Psicologia, Psiquiatria ou Carteira profissional (CRP /CRM)

- Comprovante de conclusão do curso de graduação nas seguintes áreas: Medicina, Psicologia, Psiquiatria ou Carteira profissional (CRP /CRM) PÓS-GRADUAÇÃO EM TCC-TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL- A Diretora do ITCC- Instituto de Terapia Cognitivo-Comportamental, informa que será realizado nesta cidade Campo Grande, o Curso de Especialização

Leia mais

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa MARIA JOÃO ESTORNINHO Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa TIAGO MACIEIRINHA Assistente da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito

Leia mais

Metas / 2016 PESQUISA. Criados mais quatro projetos de pesquisa em desenvolvimento

Metas / 2016 PESQUISA. Criados mais quatro projetos de pesquisa em desenvolvimento PESQUISA Foram desenvolvidos 5 projetos de pesquisa; 1. Família e seus reflexos jurídicos na sociedade contemporânea; 2. Educação a distância: reflexões sobre o processo de ensinoaprendizagem; 3. Formação

Leia mais

Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base

Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base O QUE É REDEAMÉRICA? É UMA REDE TEMÁTICA LIDERADA PELO SETOR EMPRESARIAL COM UMA ESTRATÉGIA HEMISFÉRICA PARA FAZER DO

Leia mais

Concurso Agentes Comunitários de Saúde 2 Etapa

Concurso Agentes Comunitários de Saúde 2 Etapa Concurso Agentes Comunitários de Saúde 2 Etapa MÓDULO 1 O que é saúde? Determinantes em saúde Histórico do SUS Princípios Básicos do SUS Quem usa o SUS? MÓDULO 2 Os serviços de Saúde Redes de atenção a

Leia mais

Miguel Ângelo Fernando de Castro

Miguel Ângelo Fernando de Castro Curriculum Vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Miguel Ângelo Fernando de Castro [Todos os campos do CV são opcionais. Remova os campos não preenchidos.] Rua Soeiro Pereira Gomes, nº2, 2740-165 Porto Salvo 919173607

Leia mais

VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao Sábado. E-learning. 3 de Março de 2007

VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao Sábado. E-learning. 3 de Março de 2007 VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao Sábado E-learning 3 de Março de 2007 Plataformas de E-learning em contexto educativo Intervenção de José Luís

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL: ALPHA.

Leia mais

Medidas de Acolhimento para a População Idosa. Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008

Medidas de Acolhimento para a População Idosa. Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008 Medidas de Acolhimento para a População Idosa Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008 I Feira Social Novos Trilhos para a Participação Social Rede Social de Peso da Régua

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 Regulamento Municipal orçamento participativo de Lagoa NOTA JUSTIFICATIVA A implementação do primeiro orçamento participativo em Lagoa vai buscar

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR ALJEZUR, 4 DE DEZEMBRO DE 7 INTRODUÇÃO Desde a sua criação até aos dias de hoje, a formação interna dos elementos que constituem o Corpo de Bombeiros Voluntários de Aljezur, tem sido uma constante, na

Leia mais

PROJETO PROFESSOR DIRETOR DE TURMA (SEDUC/CE) DEFINIÇÃO: Tecnologia educacional de execução simples, em que um professor, ministrante de qualquer disciplina e com perfil adequado para exercer a função,

Leia mais

PROGRAMA EDP SOLIDÁRIA 2015 PROJETOS APOIADOS

PROGRAMA EDP SOLIDÁRIA 2015 PROJETOS APOIADOS PROGRAMA EDP SOLIDÁRIA 2015 PROJETOS APOIADOS EDP SOLIDÁRIA INCLUSÃO SOCIAL Associação Desportiva, Cultural e Social de Aldeia de S. Sebastião Projeto: Servir A Associação Desportiva, Cultural e Social

Leia mais