PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO"

Transcrição

1 Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Graduação em Educação Física Bacharelado Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

2 FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IGUAÇU CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Coordenação Geral de Elaboração Prof. Edson Aires da Silva Diretor Geral da IES NDE Núcleo Docente Estruturante do Curso Profª. Rosicler Duarte Barbosa Prof. Andrey Portela Profª. Rosana Ansai Prof Élcio Volsnei Borges Profª Jéssica Chaiane Brem Marinhuk Redação e Organização Profª. Rosicler Duarte Barbosa Profª. Jéssica Chaiane Brem Marinhuk 2 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

3 Apresentação O Projeto Político Pedagógico do Curso de Graduação em Educação Física Bacharelado, das Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu, foi pautado em cima de grandes reflexões sobre a finalidade do Ensino Superior, considerando além da formação de graduação profissional, o papel social de cada indivíduo. É inegável a importância social das Faculdades, Centros Universitários e Universidades como formadoras de mão-de-obra altamente especializada, profissionalmente moldada ao mercado e sócio-culturalmente preparada para o exercício de sua especialidade. Muitos caminhos podem ser percorridos, mas, o melhor caminho sempre é aquele que guia um profissional, não apenas como especialista, mas, também, como membro de uma sociedade. É um documento de suma importância, pois reflete a realidade do Curso, sendo um clarificador da ação educativa em sua totalidade. Dessa forma, trata-se de uma construção permanentemente discutida pela coletividade, com atores atuantes em sua organização. Formulado por docentes que vem atuando no Curso desde sua implantação, conhecedores de sua trajetória histórica. O presente projeto é resultado de um percurso marcado por discussões do NDE (Núcleo Docente Estruturante), reforçada pelo Colegiado do curso e representante discente, norteado por avaliações realizadas com a comunidade. Nesse contexto a comunidade acadêmica se une para que a o Curso seja palco de inovações, investigações e de grandes ações, pautadas em dois princípios: o da necessidade e da possibilidade, contemplando ações interdisciplinares, de respeito mútuo, de formação não somente técnica, mas de cidadania nossos acadêmicos. Este projeto político pedagógico considera: a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) nº 9394/96; os princípios norteadores do parecer CNE/CES 58/2004; a Resolução CNE/CES 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004, que institui as diretrizes curriculares para os cursos de graduação em Educação Física; a resolução CNE/CES 7 DE 4 DE OUTUBRO DE 2007 que altera o 3º do art. 10 da resolução citada anterior; ainda as recomendações dadas pela CPA da IES e o Instrumento de Avaliação de Cursos, estando em consonância com o PDI (Plano de Desenvolvimento Institucional) e com o PPI (Plano Pedagógico Institucional). Sua organização versa sobre: dados gerais da IES, concepção do Curso e sua inserção regional, perfil do egresso, objetivos e competências desejadas, matriz curricular, regulamentos em geral do Curso, subsidiando informações necessárias para garantir que o trabalho desenvolvido no Curso de Graduação em Educação Física - Bacharelado, seja uma prática crescente que possa ser seguida por todos. 3 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

4 Sumário Apresentação... 3 Sumário Introdução Perfil Institucional da IES Histórico Missão institucional Diretrizes Pedagógicas Gerais da Instituição Organização Acadêmica Projeto Pedagógico do Curso Introdução Perfil Econômico da Região Perfil Social da Região Inserção do curso no contexto econômico e social da região Concepção do curso Base Legal e Referências Objetivos do curso Caracterização do curso Perfil do Egresso Competências Esperadas do Egresso Estrutura Curricular do Curso Matriz Curricular Ementas das Disciplinas Estágio Curricular no Curso Caracterização do estágio curricular obrigatório de Graduação em Educação Física Atividades Complementares de Integralização Curricular Critérios para Desenvolvimento de Atividades Complementares Modalidades das Atividades Complementares e Sociais Controle e Registro das Atividades Complementares e Sociais Núcleo de Formação Ampliada Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

5 5.9. Núcleo de Conteúdos Específicos Conselhos Superiores e Colegiados Composição e Funcionamento do Colegiado de Curso Participação do Coordenador e dos Docentes em Colegiado de Curso e Colegiados Superiores Corpo Docente Núcleo Docente Estruturante Coordenação de Curso Coordenador do Curso: Titulação, Regime de Trabalho e Dedicação Coordenador do Curso nos Órgãos Colegiados Acadêmicos da IES Apoio Pedagógico ao Docente Órgãos de Apoio Técnico e Administrativo Secretaria Geral Organização do Controle Acadêmico Pessoal Técnico e Administrativo e Políticas de Capacitação Corpo Técnico da Secretaria Corpo Técnico da Biblioteca Corpo Técnico de outros Setores Atenção aos Discentes Apoio à Participação em Eventos Apoio Pedagógico ao Discente Acompanhamento Psicopedagógico Mecanismos de Nivelamento Acompanhamento de Egressos Central de Estágio e Trabalhos de Conclusão de Curso Instalações Físicas Laboratórios Biblioteca Acervo Política Institucional de Atualização do Acervo Quanto à seleção quantitativa a Biblioteca estabelece os seguintes critérios: ) Literatura Básica: ) Literatura Complementar: Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

6 Livros Periódicos Multimídia Trabalhos de Conclusão de Cursos de Graduação e Pós-Graduação Intercâmbio Internet Bases de Dados Relação com a Comunidade Programa de Iniciação Científica Incentivos à Iniciação Científica Programas de Extensão Temas Norteadores Relacionamento com o Setor Produtivo e de Serviços Política de Incentivo e Concessão de Bolsas Bolsas de Trabalho ou de Administração Programa de Incentivo Social Solidário Bolsa Melhor Aluno Bolsa Esporte Prouni Programa Estude FIES Sistemas de Avaliação Avaliações Institucionais Processo de Avaliação do Curso Avaliação Ensino-Aprendizagem Referências Bibliográficas Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

7 1. Introdução O projeto pedagógico do Curso de Graduação em Educação Física é norteado pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação, lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que propõe uma cultura orientada para as necessidades regionais e institucionais. O projeto pedagógico apresentado é uma proposta de trabalho integrado que descreve um conjunto de competências a serem desenvolvidas nos alunos, através de uma forma estruturada de organização, baseada em referenciais a elas associados e a metodologia adotada. Em primeiro lugar será apresentado o histórico da mantenedora e da mantida, onde consta a missão e as diretrizes pedagógicas gerais da instituição. Os fundamentos teóricos e os objetivos do Curso de Graduação em Educação Física através da organização didáticopedagógica, também, são discutidos. A seguir, como segundo tópico, apresenta-se a estrutura curricular necessária e a concepção do Curso para a formação profissional e humana do discente para que ele esteja apto a ingressar no mundo do trabalho ou iniciar sua própria empresa. Como terceiro enfoque apresenta a descrição de toda a infraestrutura já existente para que haja o desenvolvimento do projeto pedagógico do Curso de Graduação em Educação Física Bacharelado. Finalizando, o projeto traz as diretrizes do sistema de avaliação do Curso. 7 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

8 2. Perfil Institucional da IES 2.1. Histórico A Unidade de Ensino Superior Vale do Iguaçu - UNIGUAÇU, mantenedora das Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu, foi criada, em 1999, por um grupo de professores comprometidos com o ensino superior de qualidade e socialmente responsável. O início de suas atividades se deu no segundo semestre de 2001 quando a então Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de União da Vitória e a Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas de União da Vitória foram credenciadas, ofertando os cursos de graduação em Administração com habilitação em Administração Pública, Agronegócios e Marketing, além do curso de graduação em Sistemas de Informação. No início do ano de 2002, foi credenciada a Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde de União da Vitória, e então autorizados os cursos de Nutrição, Educação Física, Enfermagem. No mesmo ano foi autorizado o curso de Fisioterapia. Com a disposição de criar alternativas para suprir as expectativas da sociedade regional, a UNIGUAÇU, mantenedora das faculdades, solicitou ao MEC os cursos de graduação de Farmácia e Serviço Social, autorizados nos final de ano de 2003, de Direito, autorizado no início do ano de 2005, de Medicina Veterinária e Agronomia, autorizados no final do ano de 2005 e os cursos de Biomedicina e de Graduação em Educação Física (Bacharelado) autorizados no mês de dezembro de Com exceção dos dois últimos cursos autorizados recentemente, a IES solicitou o reconhecimento de seus cursos e, atualmente, tem todos eles reconhecidos ou com pareceres favoráveis para o reconhecimento, num total de 11 cursos. Em 2009, as três faculdades mantidas pela UNIGUAÇU foram unificadas passando a serem denominadas de Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu, doravante denominada IES. O Corpo dirigente, docente e técnico administrativo da IES concentram-se na busca permanente de qualidade no desempenho de suas funções, com vistas a garantir o aperfeiçoamento constante do projeto político pedagógico dos cursos, objetivando maior qualidade na formação dos acadêmicos e egressos e dos serviços prestados à sociedade Missão institucional A IES foi criada com a missão, ainda atual, de ser Instituição de referência no Estado, assumindo o compromisso institucional de promover o desenvolvimento educacional e social da região através da oferta do Ensino Superior de qualidade em diferentes áreas do conhecimento, integrado à iniciação científica e à extensão. 8 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

9 2.3. Diretrizes Pedagógicas Gerais da Instituição Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu A IES, mantida pela Unidade de Ensino Superior Vale do Iguaçu, visa à formação de profissionais e especialistas de nível superior competentes e aptos a participarem no processo de desenvolvimento da sociedade. Para tanto, promove ações visando a qualidade e a excelência na formação, respeitando e considerando a importância do compromisso social. O homem age na realidade em que vive e, nessa relação, busca compreendê-la utilizando-se de diversas formas de mediação. Nessa perspectiva, a aprendizagem reflete um processo de aquisição e reconstrução do conhecimento, que se dá pela constante mediação entre sua representação teórica e a prática social. Assumindo essa perspectiva, a IES elege como eixo central de suas diretrizes pedagógicas a aprendizagem em sua relação dialética com o ensino. Entende-se o acadêmico como sujeito de sua própria aprendizagem, capaz de, numa ação deliberada e consciente, buscar o domínio dos conteúdos necessários à vida cidadã e à profissionalização. Para isso, mais do que dominar enorme massa de conteúdos e técnicas, o estudante deverá aprender a se relacionar com o conhecimento de forma ativa, construtiva, criadora e ética. A aquisição do conhecimento pelo sujeito aprendiz se dá através da mediação, que não ocorre só na sala de aula. Compreende-se, assim, que o papel do professor é justamente o de mediar, intencionalmente, a relação entre o sujeito-aprendente e o objeto a ser apreendido. Tem, portanto, uma especificidade a ser respeitada: trata-se de um profissional a serviço da orientação e condução do processo de aprendizagem, a partir de uma metodologia que favoreça a construção de sujeitos autônomos, hábeis e competentes. Nesse movimento, a pesquisa e a elaboração pessoal são essenciais. Na ordem das atividades didáticas, os planos de ensino devem orientar a aprendizagem visando o desenvolvimento de competências, ou seja, o domínio de conteúdos, o desenvolvimento de habilidades e atitudes primordiais ao exercício da profissão e da cidadania, considerando também, a necessidade de promover a capacidade de elaboração pessoal e a pesquisa. Estas deverão estar sempre em relação com a prática social e balizada pelas discussões coletivas, orientadas pelo docente durante as aulas. Em síntese: a) a Instituição deve garantir a aprendizagem adequada aos acadêmicos; b) a aprendizagem deve assentar-se no desenvolvimento de competências, ao mesmo tempo, no domínio dos conteúdos, no desenvolvimento de habilidades e atitudes consideradas essenciais e relevantes à formação profissional; c) a avaliação se inscreve como momento de aprendizagem, se baseia na expectativa qualitativa e quantitativa e se realiza mediante processos transparentes, abrangentes e éticos. 9 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

10 2.4. Organização Acadêmica Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu A organização acadêmica da IES, obedece ao disposto em seu Regimento Interno. Conta com conselhos normativos e deliberativos, órgãos executivos e órgãos de apoio técnico e administrativo. Os Conselhos Normativos e Deliberativos possuem funções de natureza normativa, consultiva e deliberativa em matérias acadêmico-administrativas e disciplinares. O Conselho Superior é composto pelo Diretor, seu presidente; pelos Coordenadores de Curso; por representantes da Mantenedora; por professores em exercício, eleitos por seus pares com mandato de dois anos, podendo ser reconduzidos por um representante discente, indicado pelo respectivo órgão de representação para mandato de um ano, permitida recondução. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão é constituído pelo Diretor, seu presidente; pelos Coordenadores de Curso; por professores em exercício, eleitos por seus pares, com mandato de um ano, permitida recondução e por um representante discente, indicado pelo respectivo órgão de representação, com mandato de um ano, permitida recondução. A Diretoria é o órgão executivo superior de coordenação e fiscalização das atividades da Instituição. A Diretoria compõe-se de um Diretor Geral, um Diretor Financeiro, um Coordenador Acadêmico e um Coordenador Administrativo. A Direção Geral e a Direção Financeira são designadas pela Mantenedora. A Coordenação Administrativa e a Coordenação Acadêmica são designadas pela Direção Geral. A Coordenação de Curso é exercida pelo coordenador e é o órgão de acompanhamento das atividades acadêmicas. Os Colegiados de Curso são constituídos por todos os professores das disciplinas (unidades de ensino) que ministram aulas em um mesmo curso e um representante do corpo discente; sendo dirigido pelo coordenador, substituído em suas faltas e impedimentos por um professor do respectivo curso. O colegiado reúne-se ordinariamente em datas fixadas no calendário escolar e, extraordinariamente, quando convocado pelo Coordenador, por iniciativa própria, por solicitação do Diretor ou a requerimento de 1/3 (um terço) de seus membros. Os Órgãos de Apoio Técnico e Administrativo são órgãos criados por proposta do Diretor, ouvida a entidade Mantenedora, para atendimento às necessidades de organização e expansão acadêmica e administrativa da IES, com vistas ao desempenho e qualidade de suas atividades. Os órgãos de apoio são: secretaria, tesouraria, contabilidade, biblioteca e demais serviços de manutenção e limpeza. A estrutura administrativa descrita anteriormente é apresentada no fluxograma da figura 2.1, logo abaixo: 10 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

11 CONSU CONSEPE COLEGIADOS DE CURSO CPA DIREÇÃO GERAL COORDENAÇÃO ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS DIRETORIA FINANCEIRA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO ADMINISTRATIVA PROCURADORIA INSTITUCIONAL COORDENAÇÕES DE CURSOS ATIVIDADES COMPLEMENTARES SECRETARIA GERAL BIBLIOTECA LABORATÓRIOS MANUTENÇÃO E SERVIÇOS PROFESSORES ACADÊMICOS Figura 2.1 Estrutura Administrativa das Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu. 11 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

12 3. Projeto Pedagógico do Curso 3.1. Introdução Na concepção do curso, considerou-se, como ponto de partida, a contextualização do Curso de Graduação em Educação Física, como fator de desenvolvimento econômico e social da região de União da Vitória e arredores. Para apresentar as características da cidade e arredores utilizou-se das denominações criadas pelo IBGE para congregar diversos municípios de uma área geográfica com similaridades econômicas e sociais: mesorregião e microrregião. Já o governo do estado do Paraná agrupa vários municípios em Núcleos Regionais de Educação NRE, com o objetivo de desenvolver o ensino fundamental e médio da região. Outra forma de visualizar as influências locais é através dos Arranjos Produtivos Locais APL que reúnem empresas, fornecedores de insumos, prestadores de serviços, cooperativas, associações etc, localizadas numa mesma região, com o foco em atividades econômicas correlatas. A localização de União da Vitória é apresentada na figura 3.1. O município de União da Vitória está localizado às margens do Rio Iguaçu no sudeste do Estado do Paraná, e faz parte da mesorregião do Sudeste Paranaense, uma das dez mesorregiões do Paraná. Essa mesorregião é formada pela união de 21 municípios: Antônio Olinto, Bituruna, Cruz Machado, Fernandes Pinheiro, General Carneiro, Guamiranga, Imbituva, Ipiranga, Irati, Ivaí, Mallet, Paula Freitas, Paulo Frontin, Porto Vitória, Prudentópolis, Rebouças, Rio Azul, São João do Triunfo, São Mateus do Sul, Teixeira Soares e União da Vitória. Estes municípios são agrupados em quatro microrregiões: Irati, Prudentópolis, São Mateus do Sul e União da Vitória e ocupam uma área total de km 2, assentada nas bacias hidrográficas dos rios Iguaçu e Tibagi Perfil Econômico da Região A economia de União da Vitória é muito influenciada pelo setor de serviços, comércio, agropecuária e indústria. O setor industrial da região apresenta destaque com o setor madeireiro, fabricando portas e janelas que são exportadas para todo o Brasil e exterior. O perfil econômico será tratado dentro da Mesorregião do Sudeste Paranaense e dentro do Arranjo Produtivo Local - APL de Porto União / União da Vitória. 12 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

13 Figura 3.1 Localização de União da Vitória Fonte: APL da Madeira (2007). Figura 3.2 Mesorregião do Sudeste Paranaense Mesorregião do Sudeste Paranaense A região tem uma pequena participação no total do Valor Adicionado Fiscal (VAF) estadual, em torno de 2%. Os principais segmentos industriais representativos em termos de VAF são: madeireiro (55% do VAF da indústria regional), mineral (25% do VAF da indústria 13 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

14 regional) e agroindustrial. Estes segmentos podem ser subdivididos em: lâminas e chapas de madeira, desdobramento de madeira, celulose, papel e papelão, embalagens de papel e papelão, extração xisto e gás natural (14% do VAF da indústria regional) e o segmento cerâmico (9% do VAF da indústria regional). Cabe registrar que a região tem destaque na produção estadual de fumo, erva-mate e arroz. Essa produção abastece as diversas empresas beneficiadoras desses produtos na região. A pecuária abastece as agroindústrias da região que produzem embutidos (lingüiça, o salame, o lombo defumado, a costelinha, o bacon e a linguicinha). O segmento cerâmico se destaca com uma unidade de produção de cerâmica branca, a INCEPA em São Mateus do Sul, várias indústrias de cerâmica vermelha principalmente em Guamiranga, Imbituva e Prudentópolis, e uma empresa de cerâmica refratária, localizada no município de Lapa. Nesta região existem alguns fatores que favorecem o florescimento de indústrias cerâmicas tais como a abundância de argilas e a produção de gás em São Mateus do Sul que é o combustível preferencial da indústria de cerâmica branca. Outro fato importante que pode atrair segmentos industriais na região, além do cerâmico, é que do processamento do xisto resultam rejeitos com características físico-químicas regulares e homogêneos que podem servir de matéria-prima para outros segmentos industriais. Arranjo Produtivo Local de Porto União União da Vitória Especificamente nesta região sul do Paraná e planalto norte de Santa Catarina (no Vale do Rio Iguaçu, no território denominado Médio Iguaçu), há o polo conhecido como Arranjo Produtivo Local (APL) de Porto União / União da Vitória. Originário da organização denominada Núcleo das Esquadrias de Madeira, o APL da Madeira de União da Vitória (PR) e Porto União (SC), com sua composição ampliada para todos os segmentos madeireiros dos dois municípios, foi oficializado em 10 de março de 2005, congregando inicialmente em torno de 50 empresas. Nesse APL as indústrias utilizam madeira de Pinus e espécies tropicais, como jatobá, canela, itaúba, cedro, angelim, copaíba e virola, para o desenvolvimento de suas atividades, sendo essa região conhecida principalmente por sua produção de esquadrias de madeira. A área do APL abrange os municípios de União da Vitória, Bituruna, Cruz Machado, General Carneiro, Mallet, Paula Freitas, Porto Vitória, Paulo de Frontin e, no estado de Santa Catarina, o município de Porto União, com a existência de mais de 250 estabelecimentos formais nas principais atividades do APL. A capacidade instalada de produção brasileira de portas é de aproximadamente 6 milhões de peças por ano, sendo que a região do PR e SC, produz aproximadamente 20% da produção brasileira de portas, já que é responsável por uma produção de aproximadamente portas/ano e janelas/ano. 14 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

15 As empresas participantes constituem os ramos de desdobramento de madeira, chapas, laminados e compensados e esquadrias. Entre elas, predominam firmas de micro e pequeno porte, que representam 96,5% do total de estabelecimentos. No segmento de desdobramento de madeira, verifica-se a existência de aproximadamente 90 empresas; no segmento de chapas, laminados e compensados, outras 90 empresas; e no segmento de esquadrias, aproximadamente 80 empresas. A consolidação e desenvolvimento do APL da madeira tem origem nos seguintes fatores: grande aglomeração de plantas industriais do setor madeireiro, mão-de-obra especializada, conhecimento tácito disseminado, forte tradição e identidade cultural da região, alta capacidade de articulação dos atores locais e presença de instituições que ofertam cursos de nível superior e técnico para formação e qualificação profissional Perfil Social da Região A cidade de União da Vitória é um centro educacional de ensino superior, atraindo estudantes de vários municípios da região sul do Paraná e norte de Santa Catarina, que moram e trabalham num raio de até 150 km. Alguns estudantes originados de cidades mais distantes passam a morar em União da Vitória. De acordo com as estimativas do IBGE, o município de União da Vitória possui em torno de 50 mil habitantes, sendo que 94% da população vive em área urbana assentada na bacia do Rio Iguaçu. Apresentou em 2000 um Índice de Desenvolvimento Humano Municipal IDH-M de 0,79 (33 a melhor posição do Estado) e um PIB Per Capita (IBGE/IPARDES 2008) de R$ 9 794,95. A primeira influência, econômica e social, do município de União da Vitória é sobre os municípios que formam a denominada microrregião de União da Vitória (uma das microrregiões da mesorregião do Sudeste Paranaense). A população da microrregião de União da Vitória foi estimada em 2009 pelo IBGE em 122 mil habitantes e está dividida em sete municípios: Bituruna; Cruz Machado; General Carneiro; Paula Freitas; Paulo Frontin; Porto Vitória; União da Vitória. A população da Mesorregião do Sudeste Paranaense foi estimada em 2009 pelo IBGE em 415 mil habitantes, dos quais 54% na área urbana. Esta Mesorregião conta, com aproximadamente estabelecimentos industriais, distribuídos em 62 segmentos representativos que ofertaram em torno de postos de trabalho, correspondendo a 4% na participação do total de empregos industriais do Estado. O segmento madeireiro da Mesorregião do Sudeste Paranaense congrega em torno de 600 empresas e conta com um efetivo aproximado de empregados que representam 70% do total da mão-de-obra industrial ocupada na região. Ainda no setor madeireiro os três segmentos mais representativos em mão de obra são: lâminas e chapas de madeira (30%), desdobramento de madeira (20%) e celulose, papel e papelão (10%). 15 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

16 União da Vitória também tem influência sobre o desenvolvimento das microrregiões limítrofes, principalmente sobre os municípios menos desenvolvidos situados nas microrregiões de Guarapuava, Irati, Palmas, São Mateus do Sul, Joaçaba (SC) e Canoinhas (SC). A influência sobre o estado de SC ocorre principalmente na microrregião de Canoinhas, uma das microrregiões mais pobres do Estado de Santa Catarina ( habitantes- IBGE 2010). Esta microrregião está dividida em doze municípios sendo que os três maiores são: Mafra ( habitantes), Canoinhas ( habitantes) e Porto União ( habitantes). A economia da microrregião de Canoinhas não possui uma atividade de grande valor agregado, as que mais se destacam são: a produção de grãos, o setor madeireiro, o setor de serviços e a atividade dos frigoríficos em Itaiópolis, Canoinhas e Mafra Inserção do curso no contexto econômico e social da região As mudanças corridas nos diferentes setores da sociedade decorrentes de uma nova situação socioeconômica resultam em oportunidades de empregos para o bacharel em Educação Física, percebido nitidamente a conscientização das pessoas de que o exercício físico é a mola propulsora capaz de gerar melhor qualidade de vida. Em uma perspectiva econômica, vem se considerando os custos monetários das doenças hipocinéticas, destacada pela Organização Mundial da Saúde que estima um gasto de 49 bilhões de dólares entre os anos 2005 e 2015 no Brasil. Em União da Vitória, a preocupação com esta questão vem se evidenciando nas ações propostas pelas Prefeituras e por empresas privadas. O surgimento de academias ao ar livre, programas de caminhadas, projetos de atividade física para idosos, inserção do profissional de Educação Física em concursos públicos na área da saúde de municípios da região e o considerável aumento do número de academias na região nos últimos 5 anos, apontam para o crescimento da área. Em um estudo realizado pelo Instituto Data Popular (2010), existem mais de 16 mil academias em todo o País e Santa Catarina está na vice-liderança com cerca de academias registradas, demonstrando que o Sul do país apresenta uma população mais consciente e consumidora de mão de obra especializada. (ECONOMIA SC) Em outra vertente, a proximidade da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos do Rio e Paraolímpicos de 2016, promete aquecer o mercado do esporte. O Ministério do Esporte indica que os impactos econômicos podem chegar a R$ 285,2 bilhões. O mercado para o profissional de Educação Física dessa forma deve crescer, uma vez que eventos dessa magnitude acabam estimulando não só os atletas, como a população em geral a fazer exercícios físicos. Considera-se também a localização geográfica para promover o crescimento do turismo ecológico regional, há comprovada escassez de profissionais capacitados na área dos esportes da natureza, tanto no Paraná, como no Brasil. Sabe-se que essa atividade vem sendo desenvolvidas por práticos da modalidade configurando-se em um forte campo de atuação emergente, principalmente para os municípios que apresentam favorecidos por sua localização geográfica. Há um modesto movimento das prefeituras locais para utilização dos recursos 16 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

17 naturais para alavancar o turismo ecológico, porém estancada pela dificuldade de mão de obra especializada e acima de tudo qualificada. Dessa forma observa-se, uma forte possibilidade de inserção econômica do curso de Graduação em Educação Física Bacharelado, no desenvolvimento econômico local e regional Concepção do curso O Curso busca prover a região de União da Vitória de profissionais aptos a valorizar a promoção e manutenção da saúde humana, as habilidades e competências para trabalhar questões relacionadas ao lazer e a recreação e ao treinamento técnico e tático das diversas modalidades esportivas. Profissionais estes calcados no conhecimento científico, na reflexão filosófica e na conduta ética. A definição da concepção do curso que culminou na elaboração deste projeto, levou em consideração a discussão acerca da dicotomia Licenciatura x Bacharelado. O curso possui como base, as orientações das Diretrizes Curriculares para Graduação em Educação Física com as suas especificidades para atendimento a área não escolar e reconhecendo ser a Graduação em Educação Física Bacharelado, um campo do conhecimento novo. Prioritariamente definiu-se o campo de intervenção profissional de cada uma dessas áreas, onde se configura a área de atuação do bacharel e do licenciado. Seguido da análise da situação atual da população brasileira onde concorda-se que tal transformação na formação do profissional/ professor, vem atender às mudanças sociais contemporâneas. O Brasil em sua totalidade, de Norte a Sul, vem discutindo amplamente a prática do exercício físico como forma de minimizar os impactos ocasionados pelas doenças hipocinéticas, assim como aumento da população de idosos, que se apresentam nessa fase da vida em sua maioria de forma senescente e com limitações físicas. Mediante essas considerações o papel do educador físico passou a ser de fundamental importância para promoção da saúde da população. Ainda considera-se, o momento histórico que o Brasil se encontra no contexto esportivo, os mega eventos da Copa do Mundo de Futebol de 2014 e as Olimpíadas e Paraolimpíadas de 2016, fomentarão a prática esportiva no Brasil inteiro, com escolinhas que desenvolvam desde a base do treinamento esportivo ao alto nível de diversas modalidades, necessitando de profissionais habilitados para tal. Por outro prisma, destaca-se a influência econômica e social do município de União da Vitória, composta por pessoas, abrangendo os municípios da microrregião do Paraná e da microrregião de Santa Catarina. Entende-se que o profissional Bacharel em Educação Física encontra nessa ampla região, espaço geograficamente favorável para a prática de atividades de aventura e da natureza, espaço esse até então pouco explorado, possibilitando através desse alavancar o turismo e a economia regional. A região conta com mais de 100 cachoeiras, sendo que, atualmente a exploração sustentável da chamada rota das cachoeiras encontra-se obsoleta, demostrando a falta de profissionais habilitados, técnica e cientificamente. 17 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

18 Justifica-se dessa forma a relevância do Curso de Graduação em Educação Física na área de atuação da IES. O propósito das Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu é formar profissionais com sólida formação básica, valorizando a orientação cientifica a integração entre teoria e a prática e o conhecimento do homem, da cultura e da sociedade. Percebe-se a viabilidade regional para o curso, tanto para concluintes do ensino médio que poderão procurar mais esta alternativa oferecida pelas Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu, quanto para futuros egressos que tem no bacharel em Educação Física um vasto campo de inserção profissional. Nesta perspectiva, o Curso de Graduação em Educação Física passa a ser entendida como um campo acadêmico-profissional em constante construção, a partir de uma perspectiva interdisciplinar, corroborando com a atual visão do ser humano de forma holística, facilitada pelas ações inter e transdisciplinares com os demais cursos que a IES possui. Para tanto, a exigência da formação de profissionais competentes, éticos e comprometidos com o melhoramento da realidade regional e brasileira, imprime a matriz do que se espera de qualquer Instituição de Ensino Superior, também nossa principal responsabilidade. Para que esse perfil seja obtido, as práticas pedagógicas sugeridas para a condução das disciplinas visam o estabelecimento das dimensões investigativa e interativa como princípios formativos e condição central da formação profissional e da relação teoria e realidade, por meio de práticas pedagógicas, focadas na formação e participação do acadêmico, que incluem: apoio à iniciação científica e à produção de artigos de base científica neste caso, pretende-se despertar o interesse pela inovação e pela crítica abrangente dos processos de formação educacional e profissional; atividades de pesquisa bibliográfica, utilizando-se do acervo da biblioteca e de consultas a bancos de dados; exposição dos próprios trabalhos dos alunos por vários meios de divulgação (publicação de artigos, participação em seminários, congressos, simpósios iniciação científica na própria IES, revistas eletrônicas, etc.); apoio à iniciação científica e ao trabalho acadêmico interdisciplinar, sobretudo nos seguintes momentos: Estágio Supervisionado, Trabalho de Conclusão de Curso e Atividades Complementares; aulas práticas, a partir das disciplinas curriculares onde será trabalhado simulações de prestação de serviço inerente ao educador físico; o relacionamento direto com a comunidade local e regional, pela extensão do ensino e da iniciação científica mediante cursos e serviços especiais como: prescrição de exercício físico personalizados; orientações de atividade física a grupos especiais (hipertensos, cardiopatas, idoso), treinamento em clubes e associações, atividades físicas de academia, etc), numa relação recíproca; 3.3. Base Legal e Referências O projeto pedagógico do Curso de Graduação em Educação Física, foi elaborado de forma coletiva pelo NDE Núcleo Docente Estruturante, colegiado, representante discente, constituído para esse fim. Sua elaboração tomou como base as diretrizes curriculares 18 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

19 nacionais, dispostos na Resolução CNE/CES nº 7 de 31 de março de 2004, fundamentado pelo Parecer CNE/CES 58/2004 de 18 de fevereiro de 2004, sendo observada a Resolução CNE/CES nº 1/2004 de 4 de outubro de 2007 que altera o 3 do art. 10 das Diretrizes curriculares do Curso, que versa sobre as atividades complementares Objetivos do curso Objetivo Geral Formar profissionais qualificados para intervir no movimento corporal humano nos seus aspectos de Saúde, Lazer, Esporte e Rendimento de forma competente, respeitando os princípios éticos e bioéticos, morais e culturais do indivíduo e da coletividade, visando preservar, desenvolver e proteger a dignidade da pessoa, sendo um profissional voltado ao desenvolvimento científico e apto a adquirir, por iniciativa própria, conhecimentos que possam garantir sua atualização continuada e permanente Objetivos Específicos - Qualificar o bacharel em Educação Física a prestar serviços relacionados ao estudo, planejamento, execução e avaliação de programas de exercício físico em academias, clubes, associações, hotéis, etc. - Planejar intervenções individualizadas e/ou para grupos populacionais por meio de programas de exercício físicos sistematizados, considerando as especificidades de cada grupo; excluído o ensino formal (licenciatura); - Gerenciar empreendimentos, eventos e serviços referentes a área do bacharel em Educação Física; - Preparar profissionais para atuar junto aos diversos segmentos da organização social, pública e particular, Instituições e Academias Especializadas, Centros Comunitários, Condomínios, Hospitais, Creches, Hotéis, Clínicas, Prestação de Serviço e tudo o mais que se relacionar com a Educação Física, o Esporte, a saúde e o Lazer Caracterização do curso A partir da idealização do Curso de Graduação em Educação Física as pretensões tomaram forma com a elaboração de um projeto inicial, que passou por uma fase de ampla discussão, levando em consideração as necessidades regionais, as demandas e exigências profissionais, a característica da IES e o interesse da comunidade. O projeto pedagógico do curso de Graduação em Educação Física, é re-elaborado de forma coletiva, organizada pelo Núcleo Docente Estruturante (NDE) em conjunto com a 19 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

20 coordenação do curso, com a participação do corpo docente (Colegiado de Curso). Sua elaboração tomou como base as diretrizes curriculares do Curso de Graduação em Educação Física do Ministério da Educação. A construção deste Projeto baseou-se inicialmente na proposta do Curso de Licenciatura, após estudo do mesmo procurou-se estabelecer o perfil do profissional que se deseja formar no curso de Graduação em Educação Física, bem como as necessidades da comunidade e as restrições e abrangências inerentes a nossa realidade. Assim, a estrutura deste projeto parte de uma contextualização do Curso, seguido por discussão com docentes, discentes, órgãos e grupos de apoio. Para traçar as perspectivas futuras, realizou-se uma leitura possível do contexto externo em que o curso se coloca e a partir dele traçaram-se possibilidades que podem nortear a construção do saber no que se refere ao Bacharel em Educação Física. A dinâmica de socialização do projeto foi pensada a partir de uma série de reuniões, em horários e dias diferenciados, a fim de possibilitar a ampla participação dos professores do curso e representantes de alunos. Ao inicio de cada ano letivo, o texto é revisto, dando origem à versão atual, que é submetida ao Colegiado do Curso de Educação Física. O projeto pedagógico é norteado por necessidades curriculares orientadas pelo Ministério da Educação, integrados e envolvidos com a atividade profissional que será desenvolvida pelo egresso do curso. O Curso está focado no conjunto de experiências de aprendizagem, organizadas em nível crescente de complexidade, capacitando o aluno ao exercício da profissão de bacharel. 20 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

21 4. Perfil do Egresso Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu Muito embora o atual momento da humanidade tenha a expectativa da formação do homem como um ser total, ou seja, em plena harmonia ele mesmo e com o Universo, ao mesmo tempo exige que o homem enquanto profissional tenha uma ampla visão de mundo. Nessa perspectiva o graduado em Educação Física das Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu, deverá estar plenamente capacitado a atuar nos diversos segmentos da organização social, pública e particular, Instituições e academias especializadas, centros comunitários, condomínios, hospitais, Hotéis, Clínicas, Prestação de Serviço e tudo o mais que se relacionar com a movimento fora do contexto escolar, destacando-se: performace física, o esporte, a saúde e o Lazer. O Curso de Graduação em Educação Física das Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu está fundamentado em objetivos e princípios condizentes com a realidade sócio-econômica da região, sendo que o ensino teórico e prático serão norteados e balizados para formação de egressos com qualificações para: Realizar estudos e pesquisas de forma sistemática, aplicando o conhecimento adquirido através desse hábito em projetos de extensão, com objetivos de intervenção e investigação da cultura do movimento fora do contexto educacional/escolar. Dominar técnicas e metodologias que lhe permitam desenvolver progressivamente sua profissão de educador físico; Contextualizar os conteúdos específicos da área com os aspectos do mundo; Utilizar-se de recursos da tecnologia da informação e da comunicação de forma a aumentar as possibilidades do processo, para melhor atender seus clientes; Reconhecer e respeitar a diversidade em seus aspectos sociais, culturais e físicos, detectando e combatendo todas as formas de discriminação; Resolver problemas concretos da prática profissional e da dinâmica das instituições afins; Considerar criticamente as características, interesses e necessidades e as diversidades das pessoas nos momentos de planejamento, aplicação e avaliação dos programas de intervenção profissional; Demonstrar liderança na relação com as pessoas, clareza, adequação e objetividade nas formas de comunicação escrita, verbal e não-verbal promovendo o (re conhecimento da linguagem corporal) e desenvoltura no fazer didático, de modo a conduzir adequadamente sua atividade profissional. 21 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

22 4.1. Competências Esperadas do Egresso Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu Tendo como referência os objetivos acima elencados, pretende-se possibilitar aos acadêmicos da Graduação em Educação Física - Bacharelado o desenvolvimento das seguintes competências: Competências Gerais Os profissionais formados nas Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu, dentro de seu âmbito profissional, devem realizar seus serviços dentro do mais alto padrão de qualidade, devendo para tal utilizar condutas adequadas e princípios éticos. Devem ainda estar aptos a assumir posições de liderança e serem capazes de se comunicar da forma verbal, não-verbal, e deter habilidades de escrita e leitura, além de domínio de tecnologias de informação. Adicionalmente, estar consciente que para o exercício profissional devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática Competências e Habilidades Específicas do Graduado/Bacharel O Curso de Graduação em Educação Física deve assegurar, também, a formação de profissionais com competência e habilidades específicas para: desenvolvimento e mediação de atividades físicas educacionais em espaços não escolares, estando aptos a: - Dominar os conceitos, procedimentos e atitudes específicas, baseados em valores sociais, morais e éticos. - Intervir acadêmica e profissionalmente na prevenção e promoção da saúde, da formação cultural, da educação e reeducação motora, do rendimento físico-esportivo, do lazer, da gestão de empreendimentos relacionados às atividades físicas, recreativas e esportivas; - Ser capaz de diagnosticar as necessidades, interesses e expectativas de modo a planejar, prescrever, ensinar, orientar, assessorar, supervisionar, controlar e avaliar projetos e programas de atividades físicas, recreativas e esportivas considerando os interesses, as expectativas e as necessidades das pessoas em todas as faixas etárias, assim como em grupos especiais. - Ser capaz de conhecer, selecionar adequadamente e avaliar os efeitos da aplicação de diferentes técnicas, instrumentos, equipamentos, procedimentos e metodologias para a produção e a intervenção acadêmico profissional nas diferentes áreas da graduação em Educação Física; - Demonstrar conhecimentos para participar, assessorar, coordenar, liderar e gerenciar equipes multiprofissionais de discussão, de definição e de operacionalização de políticas públicas e institucionais nos campos de atuação do graduado em Educação Física. - Ter condições de avaliar a realidade social para intervir academicamente e profissionalmente, por meio das manifestações e expressões do movimento humano, focando as diferentes modalidades de exercício físico (ginástica, jogo, esporte, luta, dança) disseminando a adoção de estilo de vida saudável. 22 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

23 - Acompanhar o desenvolvimento acadêmico e cientifico da educação física, de forma crítica, utilizando-se de literatura especializada. - Utilizar recursos da tecnologia, da informação e da comunicação de forma a facilitar a interagir com as fontes de produção e de difusão de conhecimentos específicos da Educação Física, com o propósito de continua atualização e produção acadêmico profissional. 23 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

24 5. Estrutura Curricular do Curso O curso de Graduação em Educação Física - Bacharelado da IES adota o regime seriado semestral, a fim de absorver os princípios de integração e integralidade que a proposta do curso apresenta, além de permitir o máximo desempenho do acadêmico. Para a integralização do Curso e obtenção do Diploma, o aluno deve cumprir horas, sendo, horas aula em disciplinas, conforme a distribuição da carga horária contida na matriz curricular, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Educação Física, além de realizar 240 horas aula de Atividades Complementares, conforme as normas deste PPC. Deverá, ainda, elaborar Trabalho de Conclusão de Curso com 80 horas aula e publicar em iniciação científica e cumprir no mínimo 480 horas aula de estágio curricular obrigatório. O curso apresenta duração formal de quatro anos (oito semestres), com duração mínima de oito semestres e com duração máxima de dezesseis semestres. As aulas são oferecidas no turno noturno, de modo a proporcionar ao acadêmico liberação do outro turno para participar de outras atividades que completam a sua formação. O curso oferecerá anualmente 50 vagas, em um único ingresso anual, no primeiro semestre de cada ano. Considerando que as aulas são ministradas em blocos de 50 minutos, o quadro a seguir mostra a distribuição da carga horária do Curso em aulas e em horas, bem como o tempo mínimo e máximo de integralização do Curso. DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA (BACHARELADO) Exigência Horas Aulas Mínimo Máximo Disciplinas Obrigatórias semestres 16 semestres Estágio Supervisionado Trabalho Conclusão de Curso Atividades Complementares Total semestres 10 semestres Os conteúdos curriculares do curso está em conformidade com as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Educação Física - Bacharelado, procuram revelar inter-relações com a realidade regional, nacional e internacional, segundo perspectiva 24 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

25 histórica e contextualizada, relacionadas com os aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais. A estrutura curricular do Curso de Graduação em Educação Física da IES está distribuída semestralmente e pelos núcleos de Formação Ampliada e Formação Específica de acordo com o Parecer CNE/CES 58/2004 e diretriz curricular proposta para o curso. Também estão presentes na matriz curricular o estágio curricular supervisionado obrigatório, as atividades complementares e o trabalho de conclusão do curso Matriz Curricular A Matriz Curricular é uma expressão sintética através de meio gráfico do processo de desenvolvimento e formação dos acadêmicos. A integração multidisciplinar é estimulada nas disciplinas do mesmo período, assim como, nas disciplinas de períodos e cursos diferentes. O oferecimento do curso no horário noturno favorece que o estudante realize, além do estágio supervisionado obrigatório, outros estágios durante sua vida acadêmica, desta forma o acadêmico pode visualizar inter-relações também entre a vida acadêmica e a vida profissional. A multidisciplinaridade é trabalhada no curso por meio de trabalhos bimestrais, que na medida do possível abrangem conhecimentos de várias disciplinas do período. Estes trabalhos, principalmente os de final de disciplina, versam também sobre conceitos e conteúdos que fazem parte de outros períodos, promovendo, desta forma, uma interdisciplinaridade. A multidisciplinaridade é fundamental para a formação do profissional, pois elimina a fragmentação do conhecimento, mostrando que o saber é único e uniforme. A integralização da carga horária com disciplinas optativas possui um total de 280 horas. As disciplinas optativas têm por finalidade suplementar a formação integral do acadêmico, o qual pode escolher em rol de disciplinas as que permite atender melhor a expectativas individuais dos acadêmicos e a atualização constante dos conteúdos. As disciplinas ofertadas pelos demais cursos da IES e relacionadas com a formação pretendida ao egresso bacharel em Educação Física podem ser cursadas pelos acadêmicos, a fim de ser validada como disciplina optativa para integralização das atividades complementares do acadêmico. As atividades acadêmicas ligadas à formação envolvem, além das disciplinas, as atividades complementares, os estágios supervisionados obrigatórios e os trabalhos de conclusão de curso que serão apresentados na sequência. 25 Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

26 Matriz Curricular Graduação em Educação Física Período Unidade Curricular Horas -aula Anatomia Humana 80 1º Bases Biológicas 40 Período Bioquímica 40 Comunicação e Expressão 40 Ginástica I 80 História da Educação Física 40 Lazer e Recreação 80 Subtotal 400 2º Período 3º Período 4º Período 5º Período Atividades Rítmicas 80 Fisiologia Humana 80 Ginástica II 80 Métodos de Estudo e Pesquisa 40 Sociologia e Filosofia 80 Socorros de Urgência 40 Subtotal 400 Administração e Organização de Eventos 40 Bioestatística 40 Desenvolvimento Motor 80 Didática do Exercício Físico 40 Esportes Individuais I 80 Fisiologia do Exercício 80 Optativa I 40 Subtotal 400 Aprendizagem Motora 80 Cinésiologia e Biomecânica 80 Esportes Individuais II 80 Medidas de Avaliação 40 Metodologia da Pesquisa 80 Metodologia do Ensino da Educação 40 Subtotal 400 Esportes Coletivos I 80 Natação 80 Nutrição Esportiva 40 Optativa II 80 Optativa III 80 Subtotal 360 6º Período Esportes Coletivos II 80 Esportes de Aventura e da Natureza 40 Ética e Cidadania 40 Exercício Físico Adaptado 80 Lutas I 40 Optativa IV 80 Subtotal Curso de Graduação em Educação Física Projeto Pedagógico

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Engenharia de Produção 2012 FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IGUAÇU CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Coordenação

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado)

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) Missão Sua missão é tornar-se referência na formação de profissionais para atuar nos diferentes segmentos humanos e sociais, considerando a atividade física e promoção

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Minuta de Projeto de Resolução para audiência pública de 11/12/2015 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Educação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE APRESENTAÇÃO DO CURSO O curso de licenciatura em Educação Física da FAPEPE tem como objetivo formar profissionais que estejam aptos a atuarem no contexto escolar,

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu

Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Engenharia Civil 2011 1 Projeto Pedagógico FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IGUAÇU CURSO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Educação Física - Área de Saúde e Qualidade de Vida - Bacharelado Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Engenharia Mecânica 2011 FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IGUAÇU CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Coordenação

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

FEFUC CURSO DE BACHAREL EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

FEFUC CURSO DE BACHAREL EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 FEFUC CURSO DE BACHAREL EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA CAMPO DE ATUAÇÃO O profissional de educação física têm garantido sua atuação plena no

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011)

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) Aplicável a partir de 2013/1 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 Quais os critérios para que a Instituição de Ensino Superior altere a

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO De acordo com a nova LDB, no Artigo 82, fica estabelecido que: Os sistemas de ensino estabelecerão as normas para a realização dos estágios dos alunos regularmente matriculados no ensino

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu Rua Padre Saporiti, 717 84600-000 União da Vitória PR (42) 3522-6192 www.uniguacu.edu.

ENGENHARIA CIVIL. Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu Rua Padre Saporiti, 717 84600-000 União da Vitória PR (42) 3522-6192 www.uniguacu.edu. Rua Padre Saporiti, 717 84600-000 União da Vitória PR (42) 3522-6192 www.uniguacu.edu.br Projeto Pedagógico de Curso ENGENHARIA CIVIL Prof. Coordenador Esp. Eng. Adailton Marcelo Lehrer - 2013 - SUMÁRIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 2/2013-CONSUNIV Dispõe sobre diretrizes para estruturação e organização curricular dos Cursos de Graduação da UEA e dá outras providências.

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

CENÁRIO DA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM

CENÁRIO DA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM CENÁRIO DA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM Nível Superior Profª Drª Márcia Barbieri Docente Depto Enfermagem/UNIFESP Membro da Comissão Assessora de Avaliação da área de Enfermagem INEP/MEC Quem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Aprovação das Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite Maio 2013 Macaé- RJ Rafael Pacheco Lívia Leite Matriz do Curso de Engenharia Química 2013 Page 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. DA CONCEPÇÃO DO CURSO 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 5. A MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS Art. 1º. O Núcleo de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, doravante

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES Com a crescente produção de conhecimento e ampliação das possibilidades de atuação profissional, o curso proporciona atividades extra curriculares

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DO ALUNO DO CURSO DE FISIOTERAPIA

ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DO ALUNO DO CURSO DE FISIOTERAPIA manual_ativ_compl_fisio.p65 1 Associação Teresinense de Ensino S/C Ltda - ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO - NUAPE COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação -CPA. Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012

Comissão Própria de Avaliação -CPA. Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012 Comissão Própria de Avaliação -CPA Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012 Comissão Própria de Avaliação - CPA A auto-avaliação objetiva sempre a melhoria da qualidade dos serviços educacionais

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Aprovado pelo Colegiado do Curso de Bacharelado em Educação Física, em reunião

Leia mais

ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA ISSN 2238-300X ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Francisco Pitanga 1 A Educação Física passa por momento bastante difícil no Estado da Bahia e precisamos

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais