Sugestões para a revisão das carreiras de regime geral dos trabalhadores dos serviços públicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sugestões para a revisão das carreiras de regime geral dos trabalhadores dos serviços públicos"

Transcrição

1 Sugestões para a revisão das carreiras de geral dos trabalhadores dos serviços públicos Preâmbulo O jurídico da função pública vigente e regulado por diversas normas, nomeadamente pelos Decretos-lei n s.86/89/m e 87/89/M em vigor há 18 anos, já não pode satisfazer o desenvolvimento contínuo da Administração Pública e as exigências gerais dos trabalhadores dos serviços públicos, pelo que, é necessário proceder a uma revisão e alteração generalizada. Para o efeito, o Governo da RAEM procedeu a estudos sobre a revisão do jurídico da função pública, tendo sido efectuadas no ano passado duas consultas no âmbito do das carreiras, do de recrutamento e do de contrato. Com base nessas duas consultas, e após uma análise e estudo profundo, iremos apresentar uma proposta sobre a revisão das carreiras de geral que são mais abrangentes, e sobre a qual iremos ouvir as opiniões e sugestões dos trabalhadores dos serviços públicos, das associações dos trabalhadores dos serviços públicos e do Observatório da Administração Pública de Macau. 1. As carreiras de geral aplica-se, em princípio, apenas ao pessoal dos quadros. Ao pessoal fora do quadro e ao pessoal com de assalariamento, o das carreiras é aplicado como apenas uma referência, contudo, ao pessoal contratado com contrato individual de trabalho, este não é aplicável. Na sequência da aplicação generalizada do Regime de Previdência dos Trabalhadores dos Serviços Públicos a todos os trabalhadores dos serviços públicos, o de aposentação e desligação do pessoal está cada vez mais uniformizado, pelo que, há condições suficientes neste momento para rever o das carreiras para que o mesmo seja aplicado a todos os trabalhadores dos serviços públicos (tanto o pessoal dos quadros como o pessoal em 1/14

2 de contrato), por forma a prosseguir as orientações da reforma do jurídico da função pública, uniformizando gradualmente os direitos e deveres do pessoal dos quadros e do pessoal em de contrato, resolvendo também a injustiça suscitada pelos tratamentos diferentes, ou seja, trabalhos iguais mas com salários diferentes. 2. Para resolver o problema do pessoal que foi promovido até ao topo nas carreiras do geral, é necessário alargar, de forma adequada, as respectivas categorias e escalões, de modo a criar melhores e mais razoáveis condições de promoção, estimulando, assim, o empenho dos trabalhadores e fornecendo-lhes uma melhor perspectiva na vida profissional. 3. Além disso, há necessidade de ajustar os grupos de pessoal das carreiras de geral e respectivo índice de vencimentos, conforme as naturezas funcionais de cada carreira, elevando, de forma adequada, os requisitos de ingresso para determinadas carreiras, nomeadamente, as habilitações s, formação e experiência de trabalho. I - Revisão e alteração generalizada de todas as actuais carreiras de geral 1.1 Aperfeiçoar-se-ão os grupos de pessoal das carreiras de geral e respectivas carreiras, e de acordo com as necessidades reais, criar-se-ão algumas carreiras necessárias, eliminando aquelas que sejam inadequadas ou estejam destituídas de pessoal. 1.2 Segue-se a proposta de revisão de cada nível das carreiras de geral (vide o anexo): Integram-se os actuais níveis 1 e 2 no nível 1 do novo, sendo o vencimento, após a integração, o do actual nível 2, isto é porque as condições de ingresso (6 anos de escolaridade) destes dois níveis são completamente iguais e a natureza dos 2/14

3 trabalhos é idêntica. Esta proposta tem a vantagem de evitar a disposição errada de idêntico tipo de trabalho nos serviços públicos, e tornar ainda mais flexível a distribuição e colocação dos recursos humanos da Administração Para os actuais níveis 3 e 4, há três propostas alternativas: Proposta alternativa 1: (vide o mapa 1 em anexo) i) Uniformizam-se as condições de ingresso dos actuais níveis 3 e 4, quer dizer, com habilitações profissionais específicas ou respectiva experiência de trabalho, e integram-se estes dois níveis no nível 2 do novo, sendo o vencimento, após a integração, o do actual nível 4. Por outro lado, a carreira de operário qualificado será denominada carreira de operário técnico. ii) Em relação aos motoristas de ligeiros (nível 3) e motoristas de pesados (nível 4) dos actuais níveis 3 e 4, será criada uma carreira exclusiva de motoristas (do nível 3 do novo ). Nas condições de ingresso para os motoristas de ligeiros, aos candidatos são exigidas habilitações s correspondentes a a titularidade de carta de condução para veículo ligeiro bem como respectiva experiência de trabalho não inferior a 3 anos, cujo ingresso far-se-á no 1 grau do nível 3 do novo. Nas condições de ingresso para os motoristas de pesados, aos candidatos são exigidas habilitações s correspondentes a 6 anos de a titularidade de carta de condução para veículo pesado bem como respectiva experiência de trabalho não inferior a 3 anos, cujo ingresso far-se-á no 2 grau do nível 3 do novo. Proposta alternativa 2: (vide o mapa 2 em anexo) 3/14

4 i ) Vai-se adoptar o método referido no ponto i) da proposta 1; ii) Não se cria uma carreira exclusiva de motoristas, transitando os motoristas de ligeiros do actual nível 3 e os de pesados do actual nível 4 para o nível 2 do novo, sendo o índice de vencimento, tanto para os motoristas de ligeiros com para os de pesados, o do actual nível 4; Proposta alternativa 3: (vide o mapa 3 em anexo) i) Serão mantidos os actuais níveis 3 e 4, transitando os para o nível 2 e o nível 3 do novo, respectivamente. Além disso, as condições de ingresso para o nível 2 do novo passam a ser de habilitações profissionais específicas ou respectiva experiência de trabalho. Enquanto que as condições de ingresso para o nível 3 do novo passam a ser de 6 anos de habilitações profissionais específicas. ii ) Não se cria uma carreira exclusiva de motoristas Para as carreiras dos actuais níveis 5 a 9, sugere-se que seja mantido o actual nível 5, mas transita-se para o nível 4 do novo. Para se articular com a criação das carreiras de base, a denominação de técnico auxiliar será alterada para técnico profissional, passando o pessoal das carreiras de fiel, fiel de armazém, preparador de laboratório, técnico auxiliar de radiocomunicações, do actual nível 5, para a carreira de base de nível 4 do novo, eliminando as respectivas carreiras Elimina-se o actual nível 6, tendo em conta que: i) as carreiras de técnico auxiliar de finanças e técnico auxiliar de laboratório estão destituídas de pessoal, serão extintas imediatamente; ii) as carreiras de técnico auxiliar de manutenção de instrumentos de precisão e técnico auxiliar de radioelectrónica já não se 4/14

5 adaptam à realidade, por isso, serão extintas à medida que vagarem; iii) conforme a necessidade do exercício das funções, é necessário elevar os requisitos de ingresso para as carreiras de controlador de tráfego marítimo, hidrógrafo, topógrafo, desenhador e fiscal técnico, que passa dos actuais 9 anos de escolaridade (ensino secundário geral) e curso de formação com a duração não inferior a 1 ano para a conclusão do ensino secundário complementar (ou seja, 11 ou 12 anos de escolaridade) e formação profissional específica ou respectiva experiência de trabalho, inserindo essas carreiras do actual nível 6 no nível 6 do novo. E caso o pessoal existente possua habilitações s adequadas, então, pode ser transferido directamente ao nível 6 do novo, pelo contrário, seria tratado com regras transitórias a definir O actual nível 7 passa para o nível 5 do novo, cujo ingresso depende das habilitações s do ensino secundário complementar (11 ou 12 anos de escolaridade). Além disso, a carreira de técnico auxiliar de serviço social será extinta, inserindo-se o respectivo pessoal do actual nível 7 na carreira de adjunto técnico do nível 5 do novo, enquanto que a carreira de inspector do actual nível 7 será transferida para o nível 6 do novo O actual nível 8 passa para o nível 7 do novo, mantendo o curso superior como condições de ingresso O actual nível 9 passa para o nível 8 do novo, mantendo a licenciatura como condições de ingresso. Por outro lado, as carreiras de conservador, médico, técnico analista do actual nível 9 serão extintas, uma vez que estão destituídas de pessoal Além disso, no sentido de motivar a iniciativa dos trabalhadores efectivos com habilitações s elevadas e rica experiência e fornecer-lhes uma 5/14

6 oportunidade de promoção mais atractiva, bem como contratar qualificados na sociedade para constituir uma equipa de funcionários públicos com alta qualidade, sugere-se a criação da carreira de assessor especialista (do nível 9 do novo ), cujo ingresso depende das habilitações s correspondentes a mestrado ou mais elevado, e experiência de trabalho ou profissional nas respectivas áreas não inferior a 5 anos. O índice inicial de vencimento do nível 9 do novo é mais elevado do que o índice de vencimento correspondente ao último escalão do nível 8 do novo. 1.3 Após a alteração, em cada nível das carreiras de geral será criada, em princípio, uma carreira de base, com funções destinadas a técnico superior, técnico, adjunto-técnico, técnico-profissional, operário qualificado (operário técnico), operário semi-qualificado, operário e auxiliar, às quais, podendo, ainda, dividir-se detalhadamente em diversas áreas funcionais, tais como informática, engenharia, acção social, jurídica, postal, fiel de armazém, auxiliar, etc. II - Desenvolvimento nas carreiras dos trabalhadores dos serviços públicos 2.1 Mecanismo externo de ingresso No âmbito do ingresso na função pública, mantém-se as habilitações s, certa profissional ou formação específica como requisitos indispensáveis para efeitos de ingresso, sugere-se também que se defina a experiência profissional como requisito geral de ingresso Mantém-se que o ingresso na carreira faz-se apenas no 1.º escalão do grau 1, mas sugere-se, em situações excepcionais, desde que se determine as exigências relativas à categoria da carreira, índice de vencimento e experiência profissional no respectivo aviso de abertura do concurso, o pessoal que reunindo esses requisitos pode candidatar-se e ingressar na categoria com um índice superior. A definição de 6/14

7 experiência profissional e o estabelecimento do índice de vencimento fazem-se tendo como referência a carreira em causa. 2.2 Mecanismo interno de ingresso As características deste mecanismo residem no facto de permitir apenas a candidatura dos trabalhadores dos serviços públicos, tendo por objectivo estimular a aprendizagem contínua dos trabalhadores, bem como dar oportunidade de acesso, em melhores condições, aos trabalhadores dos serviços públicos que têm um bom desempenho Nos requisitos de ingresso, independentemente do conteúdo funcional da carreira de origem ser semelhante ou não ao da carreira a que pretende candidatar-se, o funcionário pode candidatar-se a concurso interno, desde que possua e profissional correspondente às exigências da carreira em causa e tenha obtido, sucessivamente, menções satisfaz muito nos últimos três anos. Nestes termos, o candidato ingressa-se, independentemente do índice anterior, no 1.º escalão do grau 1 da nova carreira, cuja mudança de escalão ou acesso depende da nova carreira. 2.3 Progressão dos trabalhadores dos serviços públicos nas carreiras Sugere-se que seja mantido o tempo de permanência num escalão para efeitos de progressão ao imediato no âmbito do grupo de pessoal operário e auxiliar, de nível 1 a nível 4 (ou seja, de nível 1 a nível 3 do novo ), mantendo-se, respectivamente, em 2, 3, 3, 4, 4 e 5 anos, do 1.º escalão para o 7.º escalão, enquanto que o tempo de permanência em cada escalão, do 7.º escalão para o 9.º escalão, seja alterado para 5 anos, desde que o trabalhador obtenha a menção não inferior a Satisfaz. No entanto, caso o trabalhador obtenha consecutivamente a menção de satisfaz muito ou superior, o tempo de permanência necessário em 7/14

8 cada escalão, do 4. escalão para o 9. escalão, será reduzido, respectivamente, um ano. Ou seja, do 4. escalão para o 5. escalão, é necessário de ter, em princípio, 4 anos para a progressão. Contudo, quando o trabalhador obtenha satisfaz muito na avaliação do desempenha, este é de apenas 3 anos No âmbito dos grupos de pessoal de nível 4 a nível 8 do novo de carreiras, mantém-se inalterado o tempo de permanência para mudança de escalão, bem como inalterada a menção da avaliação do desempenho, do 1.º escalão do grau 1 até ao 3.º escalão do grau 3 da carreira. Isto que dizer, o acesso a grau superior depende da permanência no grau imediatamente inferior por um período de 3 anos, com menção não inferior a satisfaz na avaliação do desempenho, ou de 2 anos com menção de satisfaz muito. Além disso, a mudança de escalão para os trabalhadores dos serviços públicos depende de menção não inferior a satisfaz na avaliação do desempenho e do tempo de permanência num escalão inferior por um período de 2 anos Sugere-se que é obrigatória a progressão para um outro escalão desde o 1.º escalão do grau 4 até ao 4.º escalão do grau 5, e mantêm-se em 2 anos, do 3.º escalão para o 4.º escalão do grau 4, com menção não inferior a satisfaz na avaliação do desempenho. A partir do 4.º escalão do grau 4, o tempo de permanência de cada mudança de escalão é de 4 anos, com menção não inferior a satisfaz. No caso do acesso do 4 escalão do grau 4 para o 1 escalão do grau 5, o tempo necessário para o efeito é de apenas 3 anos, desde que se obtenha a avaliação de satisfaz muito Criam-se quarto escalões na carreira de nível 9 (assessor especialista) do novo de carreiras, cujo tempo de permanência para mudança de escalão é de 4 anos, com a menção não inferior a satisfaz muito na avaliação do desempenho. 2.4 Acesso nas carreiras dos trabalhadores dos serviços públicos 8/14

9 2.4.1 No âmbito dos requisitos de acesso para além da permanência na categoria e da avaliação do desempenho, é acrescentada a formação como um dos requisitos de acesso. Para a formação, sugere-se duas soluções: i) é necessário receber formação antes do acesso, e obter aprovação no exame; ii) é necessário concluir o plano de formação com um determinado número de horas lectivas antes do acesso No caso de optar pela solução ii), mantém-se o concurso documental existente quanto à forma do acesso, e faz-se após a classificação atribuída pelo júri e publicada no Boletim Oficial A lei vigente não define explicitamente o prazo para a abertura de concurso de acesso, existe, assim, diferença no tempo para a abertura de concurso de acesso nos Serviços Públicos, sugere-se que a lei determine o início do processo de acesso para os trabalhadores dos serviços públicos que possuem os requisitos legais de acesso, a fim de evitar diferentes tratamentos nos Serviços Públicos. III - Reconversão profissional dos trabalhadores dos serviços públicos 3.1 Não está detalhadamente prevista a reconversão profissional dos trabalhadores dos serviços públicos no Decreto-lei 86/89/M vigente, sugere-se que seja atribuída a oportunidade de reconversão para outra carreira aos trabalhadores dos serviços públicos que se encontram em doença, acidente em serviço, ou que tenham obtido a menção satisfaz pouco na avaliação do desempenho (medidas a adoptar em conformidade com o n.º 5 do artigo 5.º da Lei n.º 8/ Princípios relativos à Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública 1 ). 1 Quando, por força da legislação aplicável, a atribuição da menção «Satisfaz Pouco» não implique a cessação imediata de funções, devem ser adoptadas medidas com vista à melhoria do desempenho do 9/14

10 IV - Criação de categorias e escalões e ajustamento do índice de vencimento no ingresso das carreiras de geral 4.1 Criam-se nove escalões nas carreiras de nível 1 a nível 3 do novo de carreiras. 4.2 Acrescenta-se mais um escalão no grau 4 e mais um grau que contenha 4 escalões nas carreiras de nível 4 a nível 8 do novo de carreiras. 4.3 Tendo em consideração os ajustamentos introduzidos nos requisitos de ingresso e de acesso (incluindo a elevação das exigências de e formação), será adequadamente ajustado o índice de vencimento das carreiras de geral. V - Revogações Tendo em conta as alterações mencionadas, será revogado o Decreto-lei 86/89/M, bem como outra legislação relativamente às disposições sobre as carreiras de geral, nomeadamente os artigos sobre intercomunicabilidade vertical, horizontal e reconversão profissional. trabalhador avaliado, designadamente formação, reclassificação ou reconversão profissional, redistribuição de tarefas ou afectação do trabalhador a uma outra subunidade. 10/14

11 Grupo de pessoal Assessor especialista (grupo novo) Técnico Superior (grupo mantido) (Anexo) Proposta de revisão sobre as carreiras de geral Carreira Grau Categoria - Assessor especialista (carreira nova) - Técnico superior / Médico veterinário - Conservador / Médico/ Técnico analista (01) - - Assessor 5 principal 4 Assessor Principal ª classe ª classe Mapa 1 Índice de vencimento Escalões 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º Actual nível e Trata-se de um nível novo criado. Nível 9 Licenciatura Nível e proposto Nível 9 do novo Mestrado ou superior e experiência profissional não inferior a 5 anos Nível 8 do novo Licenciatura Técnico (grupo mantido) Técnico-Profissional e Administrativo (grupo mantido) - Técnico - Controlador de tráfego marítimo* - Hidrógrafo* - Topógrafo* - Desenhador* - Fiscal técnico* - Inspector** Especialista 5 principal 4 Especialista Principal ª classe ª classe Especialista principal 4 Especialista Principal ª classe ª classe Nível 8 Curso superior *Nível 6 ( 9 anos de curso de formação não inferior a 1 ano) ** Nível 7 (11 anos de escolaridade) Nível 7 do novo Curso superior Nível 6 do novo Curso secundário complementar (11 ou 12 anos de escolaridade) e curso de formação específica ou respectiva experiência de trabalho A cor preta representa o actual; A cor vermelha é proposta da revisão. 01 Imediatamente eliminada 02 A extinguir quando vagarem 03 Transferido para carreiras de geral, de nível 6, de novo /14

12 Grupo de pessoal Mapa 1 Índice de vencimento Escalões Carreira Grau Categoria 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º - Adjunto-técnico/ Assistente de relações públicas - Técnico auxiliar de serviço social (01) - Inspector (03) 5 Especialista principal 4 Especialista Principal ª classe ª classe Actual nível e Nível 7 11 anos de escolaridade Nível e proposto Nível 5 do novo Curso secundário complementar (11 ou 12 anos de escolaridade) Técnico-Profissional e Administrativo (grupo mantido) - Técnico auxiliar de finanças/ Técnico auxiliar de laboratório (01) - Técnico auxiliar de manutenção de instrumentos de precisão/ Técnico auxiliar de radioelectrónica (02) - Controlador de tráfego marítimo/ Hidrógrafo/ Topógrafo/ Desenhador/ Fiscal técnico (03) - Agente de censos e inquéritos / Técnico auxiliar/ Oficial administrativo/ Oficial de exploração postal / Fotógrafo e operador de meios audiovisuais/ Operador de fotocomposição - Fiel/ Fiel de depósito/ Preparador de laboratório/ Técnico auxiliar de radiocomunicações (01) - Inspectorexaminador (02) 5 Especialista principal 4 Especialista Principal ª classe ª classe Especialista principal 4 Especialista Principal ª classe ª classe Nível 6 9 anos de curso de formação com duração não inferior a 1 ano Nível 5 9 anos de escolaridade Imediatamente eliminada Nível 4 do novo Curso secundário geral ( 9 anos de escolaridade) A cor preta representa o actual; A cor vermelha é proposta da revisão. 01 Imediatamente eliminada 02 A extinguir quando vagarem 03 Transferido para carreiras de geral, de nível 6, de novo /14

13 Grupo de pessoal Operário e Auxiliar (grupo mantido) Carreira - Motorista (carreira nova) Mapa 1 Índice de vencimento Grau Categoria Escalões 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º Actual nível e 2 de pesados Nível 4 curso de formação com duração não inferior a 6 meses 1 de ligeiros Nível 3 escolaridade e experiência de trabalho superior a 10 anos ou profissional específica Nível e proposto Nível 3 do novo escolaridade, carta de condução de veículo pesado e experiência de trabalho não inferior a 3 anos (proposta alternativa 1) Nível 3 do novo escolaridade, carta de condução de veículo ligeiro e experiência de trabalho não inferior a 3 anos (proposta alternativa 1) Operário e Auxiliar (grupo mantido) - Operário qualificado (operário técnico) - Operário semi-qualific ado (01) - Auxiliar qualificado (01) - Nível curso de formação com duração não inferior a 6 meses Nível 3 experiência superior a 10 anos ou 6 anos de profissional específica - Operário - Nível 2 - Auxiliar escolaridade Nível 1 escolaridade Nível 2 do novo (integram-se os actuais níveis 3 e 4) habilitações profissionais específicas ou respectiva experiência de trabalho (proposta alternativa 1) Nível 1 do novo (Integram-se os actuais níveis 1 e 2) escolaridade A cor preta representa o actual; A cor vermelha é proposta da revisão. 01 Imediatamente eliminada 02 A extinguir quando vagarem 03 Transferido para carreiras de geral, de nível 6, de novo. 13/14

14 Grupo de pessoal Operário e auxiliar (grupo mantido) Carreira - Operário qualificado (operário técnico) - Operário semiqualificado (01) - Auxiliar qualificado (01) Mapa 2 (proposta alternativa 2 em 1.2.2) Índice de vencimento Grau Categoria Escalões Actual nível e Nível 4 curso de formação com duração não inferior a 6 meses -- Nível 3 experiência superior a 10 anos ou profissional específica Nível e proposto Nível 2 do novo ( integram-se os actuais níveis 3 e 4) habilitações profissionais específicas ou respectiva experiência de trabalho Grupo de pessoal Operário e auxiliar (grupo mantido) Carreira - Operário qualificado (operário técnico) - Operário semiqualificado - Auxiliar qualificado (01) Mapa 3 (proposta alternativa 3 em 1.2.2) Índice de vencimento Grau Categoria Escalões Actual nível e Nível 4 curso de formação com duração não inferior a 6 meses Nível 3 experiência superior a 10 anos ou profissional específica Nível e proposto Nível 3 do novo habilitações profissionais específicas Nível 2 do novo habilitações profissionais específicas ou respectiva experiência de trabalho A cor preta representa o actual; A cor vermelha é proposta da revisão. 01 Imediatamente eliminada 02 A extinguir quando vagarem 03 Transferido para carreiras de geral, de nível 6, de novo. 14/14

Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001

Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001 Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001 REVALORIZAÇÃO DAS CARREIRAS DO PESSOAL TÉCNICO CONTABILISTA E DE AUXILIAR DE CONTABILIDADE DA DIRECÇÃO REGIONAL DO ORÇAMENTO E TESOURO O Decreto Regulamentar Regional

Leia mais

6934-(2) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 291 18-12-1998 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Artigo 2. o. Decreto-Lei n.

6934-(2) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 291 18-12-1998 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Artigo 2. o. Decreto-Lei n. 6934-(2) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 291 18-12-1998 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n. o 404-A/98 de 18 de Dezembro Com o acordo salarial de 1996 e compromissos de médio e longo

Leia mais

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 8/98, de 18 de Março 1, (Declaração de Rectificação n.º 11/98, de 8 de Junho) com as alterações

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Regulamento da Carreira Técnica do ISPA

Regulamento da Carreira Técnica do ISPA Regulamento da Carreira Técnica do ISPA PREÂMBULO O presente regulamento apresenta os princípios de orientação de gestão da carreira técnica do ISPA e considera os seguintes pressupostos: a) Simplificação

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 41 12-10-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 1535 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 50/2009 Ordem Executiva n.º 50/2009 Usando da faculdade conferida

Leia mais

Aviso. 1. Tipo, prazo e validade

Aviso. 1. Tipo, prazo e validade Aviso Faz-se público que, por despacho do Ex. mo Senhor Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, de 22 de Outubro de 2013, se acha aberto o concurso comum, de ingresso externo, de prestação de provas,

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006. Resolução n.

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006. Resolução n. UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Resolução n.º 94/2006 Por resolução do conselho directivo da Faculdade de Ciências

Leia mais

Por despacho do Presidente da Assembleia da República de 26 de Julho de 2004, foi aprovado

Por despacho do Presidente da Assembleia da República de 26 de Julho de 2004, foi aprovado Regulamento dos Estágios da Assembleia da República para Ingresso nas Carreiras Técnica Superior Parlamentar, Técnica Parlamentar, de Programador Parlamentar e de Operador de Sistemas Parlamentar Despacho

Leia mais

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto Tem a Administração Educativa recorrido, ora com carácter ocasional, ora com carácter regular, à contratação por oferta de escola de pessoal docente detentor de formação especializada para assegurar a

Leia mais

Decreto-Lei 557/99, de 17 de Dezembro - I Série

Decreto-Lei 557/99, de 17 de Dezembro - I Série Decreto-Lei 557/99, de 17 de Dezembro - I Série Sistema de carreiras da DGCI Decreto-Lei nº 557/99, de 17 de Dezembro - Sistema de carreiras da DGCI Na sequência do profundo processo de reestruturação

Leia mais

Presidência do Conselho de Ministros e Ministérios das Finanças do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação

Presidência do Conselho de Ministros e Ministérios das Finanças do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação O Decreto-Lei nº 4/98, de 8 de Janeiro, que estabelece o regime de criação, organização e funcionamento das escolas e cursos profissionais no âmbito do ensino não superior, erigiu o contrato individual

Leia mais

N. o 246 21-10-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

N. o 246 21-10-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7023 MAPA IV Anexo a que se refere o n. o 1 do artigo 10. o Consultor... MAPA V Assessor do tesouro. Anexo a que se refere o n. o 1 do artigo 11. o Técnico especialista principal... Chefe de secção...

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março

Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março O presente diploma, procedendo à revisão das carreiras de informática, procura perspectivar a função informática à luz da actual realidade informática, quer do ponto

Leia mais

Aviso. O concurso comum é válido até um ano, a contar da data da publicação da lista classificativa final.

Aviso. O concurso comum é válido até um ano, a contar da data da publicação da lista classificativa final. Aviso Faz-se público que, por despacho do Exmo. Senhor Secretário para os Transportes e Obras Públicas, de 8 de Maio de 2013, e nos termos definidos na Lei n. o 14/2009 Regime das carreiras dos trabalhadores

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Superior de Ciências Educativas O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março,

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos

Leia mais

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos.

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos. Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril Regulamento n.º 100/2006 (Diário da República II Série de 16 de Junho de 2006) Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade

Leia mais

Critérios para Avaliação do Desempenho

Critérios para Avaliação do Desempenho Critérios para Avaliação do Desempenho Índice AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 INFORMAÇÃO...5 O QUE É A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO?...5 OBJECTIVOS DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 A ENTREVISTA DE AVALIAÇÃO...6 OBJECTIVOS

Leia mais

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ. Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ. Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007 UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007 Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 64/2006, de 21 Março, acerca

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Superior de Ciências Educativas O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março,

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISVOUGA

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISVOUGA Página 1 de 6 Preâmbulo O presente regulamento define as regras de acesso e ingresso nos cursos técnicos superiores profissionais do e institui os critérios pelos quais se pautam as provas de avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 旅 遊 局 Direcção dos Serviços de Turismo 通 告

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 旅 遊 局 Direcção dos Serviços de Turismo 通 告 通 告 按 照 社 會 文 化 司 司 長 於 二 零 一 三 年 四 月 十 二 日 的 批 示, 以 及 根 據 第 14/2009 號 法 律 公 務 人 員 職 程 制 度 和 第 23/2011 號 行 政 法 規 公 務 人 員 的 招 聘 甄 選 及 晉 級 培 訓 的 規 定, 以 審 查 文 件 及 有 限 制 方 式, 為 以 編 制 外 合 同 任 用 的 翻 譯 員 職 程

Leia mais

Revisão do Regime Jurídico da Função Pública

Revisão do Regime Jurídico da Função Pública Revisão do Regime Jurídico da Função Pública Documento para Consulta 2.ª Consulta O presente documento encontra-se disponível no sítio do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica na Internet, em www.ccrj.org.mo

Leia mais

REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO

REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Outubro) O Despacho normativo n.º 29/2008, de 5 de Junho, introduziu alterações ao Despacho

Leia mais

11/2010 Lei n.º 11/2010 Regime da Carreira de Administrador Hospitalar

11/2010 Lei n.º 11/2010 Regime da Carreira de Administrador Hospitalar 11/2010 Lei n.º 11/2010 Regime da Carreira de Administrador Hospitalar Assembleia Legislativa da Região Administrativa Especial de Macau 11/2010 Lei n.º 11/2010 Regime da Carreira de Administrador Hospitalar

Leia mais

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores.

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores. Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores Preâmbulo De acordo com a portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril,

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado

Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado (Preâmbulo)

Leia mais

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e ESTATUTO DO PESSOAL Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, de 6 de Julho de 2000.

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI O presente Regulamento visa dar cumprimento ao estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 43/2014, de

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Regulamento de Acesso e Ingresso

Regulamento de Acesso e Ingresso Página 1 de 7 Preâmbulo O presente regulamento define as regras de acesso e ingresso nos cursos técnicos superiores profissionais do ISVOUGA e institui os critérios pelos quais se pautam as provas de avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014 Reitoria despacho RT-55/2014 A Universidade do Minho tem vindo a atrair um número crescente de estudantes estrangeiros, que hoje representam um importante contingente da sua comunidade estudantil. Com

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 澳 門 保 安 部 隊 事 務 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DAS FORÇAS DE SEGURANÇA DE MACAU 通 告

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 澳 門 保 安 部 隊 事 務 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DAS FORÇAS DE SEGURANÇA DE MACAU 通 告 通 告 按 照 保 安 司 司 長 二 零 一 三 年 五 月 二 十 二 日 之 批 示, 並 根 據 第 14/2009 號 法 律 及 第 23/2011 號 行 政 法 規 之 規 定, 現 通 過 以 審 查 文 件 及 有 限 制 方 式 進 行 普 通 晉 級 開 考, 以 填 補 編 制 外 合 同 人 員 第 一 職 階 一 等 翻 譯 員 三 缺 1. 種 類 期 限 及 有 效

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro OBJETIVOS (artigo 3º) Melhoria da qualidade do serviço educativo e

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO

REGULAMENTO DO CONCURSO REGULAMENTO DO CONCURSO Recrutamento para a O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os normativos de Recrutamento Centralizado,

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 O presente regulamento disciplina, no cumprimento da Portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril, os concursos

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示.

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示. 956 澳 門 特 別 行 政 區 公 報 第 一 組 第 40 期 2005 年 10 月 3 日 獨 一 條 許 可 透 過 三 月 二 十 二 日 第 89/99/M 號 訓 令 而 獲 授 許 可 於 澳 門 設 立 分 支 公 司 以 經 營 一 般 保 險 業 務 的 Companhia de Seguros Fidelidade S.A., 中 文 名 稱 為 忠 誠 保 險 公 司,

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

Alteração do Estatuto da Aposentação Corpos e Carreiras Especiais O PROJECTO DO GOVERNO

Alteração do Estatuto da Aposentação Corpos e Carreiras Especiais O PROJECTO DO GOVERNO Alteração do Estatuto da Aposentação Corpos e Carreiras Especiais O PROJECTO DO GOVERNO No quadro das iniciativas destinadas a reforçar a convergência e a equidade entre os subscritores da Caixa Geral

Leia mais

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica.

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica. Regulamento do Concurso Especial de Acesso aos Cursos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para Titulares de Cursos Médios, Superiores e Pós- Secundários Tendo por base

Leia mais

EGAS MONIZ COOPERATIVA DE ENSINO SUPERIOR, C. R. L.

EGAS MONIZ COOPERATIVA DE ENSINO SUPERIOR, C. R. L. EGAS MONIZ COOPERATIVA DE ENSINO SUPERIOR, C. R. L. Regulamento n.º 120/2006 (DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N.º 124 29 de Junho de 2006) Regulamento do Concurso Especial de Acesso e Ingresso no Ensino Superior

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2229 Associação Geral de Caça, com o número de identificação fiscal 508590558 e sede na Alameda de D. Afonso Henriques, 72, 2.º, direito, 1000-125

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Regulamento das Condições Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos. CAPÍTULO II. Artigo 4.º

Regulamento das Condições Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos. CAPÍTULO II. Artigo 4.º ESCOLA SUPERIOR DE EDUCADORES DE INFÂNCIA MARIA ULRICH Regulamento n.º 110/2006 (DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N.º 119 22 de Junho de 2006) Regulamento das Condições Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1.

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1. REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Objeto O presente regulamento disciplina os regimes de reingresso,

Leia mais

LINHAS PROGRAMÁTICAS DO ESTATUTO DA CARREIRA DOS PROFESSORES E INVESTIGADORES UNIVERSITÁRIOS

LINHAS PROGRAMÁTICAS DO ESTATUTO DA CARREIRA DOS PROFESSORES E INVESTIGADORES UNIVERSITÁRIOS LINHAS PROGRAMÁTICAS DO ESTATUTO DA CARREIRA DOS PROFESSORES E INVESTIGADORES UNIVERSITÁRIOS Carlos A. Mota Soares carlosmotasoares@dem.ist.utl.pt (Professor Catedrático do IST) INTRODUÇÃO O presente ECDU,

Leia mais

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos Parecer Projeto de Decreto-Lei que procede à revisão do regime jurídico da habilitação profissional para a docência dos educadores e professores dos ensinos básico e secundário Conselheiro/Relator: Maria

Leia mais

Avaliação do Desempenho 2007

Avaliação do Desempenho 2007 Outubro de 2008 Relatório Geral Avaliação do Desempenho 2007 Universidade de Coimbra Conselho de Coordenação da Avaliação da Universidade de Coimbra No ano de 2007, a avaliação do desempenho pelo Sistema

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Nos termos do disposto no artigo 10º do Regulamento

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

CAPÍTULO III INGRESSO E ACESSO NA CARREIRA. Artigo 11. (Normas Gerais de Ingresso e Acesso na Carreira)

CAPÍTULO III INGRESSO E ACESSO NA CARREIRA. Artigo 11. (Normas Gerais de Ingresso e Acesso na Carreira) CAPÍTULO III INGRESSO E ACESSO NA CARREIRA Artigo 11 (Normas Gerais de Ingresso e Acesso na Carreira) 1- O ingresso em qualquer uma das carreiras previstas no presente regulamento efectuase na categoria

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida.

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida. CONSIDERANDO a necessidade de conferir transparência e eficiência nos processos de contratações no âmbito dos serviços e gerenciamento de unidades públicas do Estado do Rio de Janeiro, pelo HOSPITAL E

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO Concurso externo de Ingresso para preenchimento de um posto de trabalho na categoria de Técnico de Informática do Grau 1, Nível 1, da carreira

Leia mais

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 1/6 Artigo 1.º Condições para inscrição Podem candidatar-se ao acesso ao ensino superior nas condições previstas no Decreto-Lei

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA BANCA E SEGUROS

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA BANCA E SEGUROS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA BANCA E SEGUROS ÁREA DE FORMAÇÃO Finanças, Banca e Seguros PERFIL PROFISSIONAL Técnico Especialistas em banca e Seguros LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Decreto-lei nº 88/2006,

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Considerando a necessidade de proporcionar aos Serviços da Secretaria-Geral,

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 7024 Diário da República, 1.ª série N.º 190 30 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 270/2009 de 30 de Setembro Com a revisão do Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos

Leia mais

Revisão da Legislação de Quadros e Concursos

Revisão da Legislação de Quadros e Concursos SPGL Sindicato dos Professores da Grande Lisboa Membro da FENPROF Revisão da Legislação de Quadros e Concursos Decreto-Lei n.º 51/2009 de 27 de Fevereiro de 2009 E. Especial; Pré-escolar; 1º Ciclo; 2º

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

DESPACHO Nº 18/2007. Assunto: Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso

DESPACHO Nº 18/2007. Assunto: Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso DESPACHO Nº 18/2007 Assunto: Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Nos termos do nº 1 do artigo 10º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso,

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

Decreto-Lei n.º 201/2009 de 28 de Agosto

Decreto-Lei n.º 201/2009 de 28 de Agosto Decreto-Lei n.º 201/2009 de 28 de Agosto A linha de actuação do Governo tem assumido como prioridade o combate à exclusão social bem como ao abandono escolar, nomeadamente através do apoio às famílias.

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 A avaliação é essencial em qualquer organização para garantir a qualidade do serviço prestado e a melhoria das práticas profissionais.

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência. Despacho n.º

Ministério da Educação e Ciência. Despacho n.º Ministério da Educação e Ciência Gabinetes dos Secretários de Estado do Ensino e da Administração Escolar e do Ensino Básico e Secundário Despacho n.º De acordo com o estabelecido na Portaria n.º 135-A/2013,

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Proposta de Lei Exposição de motivos

Proposta de Lei Exposição de motivos Proposta de Lei Exposição de motivos A modernização da Administração Pública constitui um dos pilares essenciais da estratégia de crescimento do País, destacando-se as várias medidas que o Governo tem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 3874 Diário da República, 1.ª série N.º 135 16 de julho de 2014 Artigo 13.º Unidades orgânicas flexíveis 1 O número máximo de unidades orgânicas flexíveis da SG é fixado em 16. 2 As unidades orgânicas

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Comunicação Social

Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Comunicação Social Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Comunicação Social Objecto e âmbito Artigo 1.º Objecto e âmbito O presente regulamento disciplina no cumprimento

Leia mais

通 告 本 開 考 的 有 效 期 自 個 人 勞 動 合 同 人 員 獲 晉 級 後 終 止

通 告 本 開 考 的 有 效 期 自 個 人 勞 動 合 同 人 員 獲 晉 級 後 終 止 通 告 按 照 終 審 法 院 院 長 二 零 一 五 年 三 月 二 十 日 之 批 示, 以 及 根 據 第 14/2009 號 法 律 公 務 人 員 職 程 制 度 和 第 23/2011 號 行 政 法 規 公 務 人 員 的 招 聘 甄 選 及 晉 級 培 訓 規 定, 茲 特 公 佈, 現 透 過 審 查 文 件 及 有 限 制 方 式, 為 本 辦 公 室 一 名 個 人 勞 動 合

Leia mais

Negociação da Carreira de Enfermagem PROPOSTA REFORMULADA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) Parte 1 (entregue a 20.Fevereiro.2009)

Negociação da Carreira de Enfermagem PROPOSTA REFORMULADA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) Parte 1 (entregue a 20.Fevereiro.2009) SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES Negociação da Carreira de Enfermagem PROPOSTA REFORMULADA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) Parte 1 (entregue a 20.Fevereiro.2009) Enquadramento, Âmbito de Aplicação, Estrutura

Leia mais

Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferências e Reingressos do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferências e Reingressos do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferências e Reingressos do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 - O presente regulamento disciplina, no cumprimento

Leia mais

Texto entregue na Provedoria de Justiça a 29 de Maio de 2007

Texto entregue na Provedoria de Justiça a 29 de Maio de 2007 Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Texto entregue na Provedoria de Justiça a 29 de Maio de 2007 Relativamente ao Decreto-Lei n.º 200/2007, de 22 de Maio, que regulamenta o primeiro concurso

Leia mais

«Sobre o local, data e horário» O local para apresentação de candidaturas situa-se na Rua do Campo, n. 162, Edifício Administração Pública, cave

«Sobre o local, data e horário» O local para apresentação de candidaturas situa-se na Rua do Campo, n. 162, Edifício Administração Pública, cave Concurso comum, de ingresso externo, os lugares vagos de técnico de 2.ª classe, 1.º escalão, da carreira de técnico, área de comunicação oral e escrita em língua chinesa Questões frequentes sobre a apresentação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA

REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA A vermelho as alterações REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA Artigo 1.º Fins O presente regulamento define as linhas gerais a que deve obedecer

Leia mais

NOVAS OPORTUNIDADES Cursos do Ensino Artístico Especializado Dança a e Canto Gregoriano

NOVAS OPORTUNIDADES Cursos do Ensino Artístico Especializado Dança a e Canto Gregoriano NOVAS OPORTUNIDADES Cursos do Ensino Artístico Especializado Domínio da Música, M Dança a e Canto Gregoriano Aprender Compensa DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO Equipa Multidisciplinar

Leia mais