Plano de Atendimento a Emergência e Sinistro - PAES. 1. Dados da Empresa:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Atendimento a Emergência e Sinistro - PAES. 1. Dados da Empresa:"

Transcrição

1 Plano de Atendimento a Emergência e Sinistro - PAES 1. Dados da Empresa: Unidade: Têxtil Localização: Urbana Endereço: Rua São Pedro, 2647, Brusque (SC) Vizinhança e arredores: Baixa concentração de residências Distância do Corpo de Bombeiros de Brusque até a Tecebem: 6,2 km Distância do Corpo de Bombeiros de Guabiruba até a Tecebem: 4,9 km Construção: A empresa possui, em sua estrutura, um total 7 galpões de alvenaria, sendo que 6 deles, com área de 4050m², estão encostados uns nos outros e outro, com 1300 m², separado dos demais, todos com cobertura em alumínio, piso em concreto usinado nos setores produtivos e piso cerâmico nas áreas administrativas. Atividade: Indústria NBR Departamento de Pessoal: 79 colaboradores fixos. Brigada de incêndio com 15 membros. Horário de funcionamento: Matutino (05h00min às 13h30minh), Vespertino (13h30min às 22h00minh), Noturno (22h00min às 05h00minh) e Comercial (07h30min às 17h30minh). 2. Objetivo: Determinar os procedimentos e respostas às emergências e sinistros, definindo as responsabilidades e ações dos profissionais no combate ao incêndio, vazamento de líquido, derramamento, explosão, técnicas de abandono de área, primeiros socorros e controle de impactos ambientais. 3. Política: Assegurar a proteção da vida humana, prevenindo danos físicos, o meio ambiente e a proteção ao patrimônio. 4. Abrangência:

2 Todas as áreas. 5. Documentos Associados: Relatório de Análise de Emergências e Sinistros, Calendário Anual de Treinamentos da Brigada, Formulário Relatório de Despesas de Viagem, Normas de Segurança e de Proteção ao Meio Ambiente, Apólice de Seguro da Tecebem. 6. Definições: 6.1 Coordenação de Brigada: A Coordenação da Brigada de emergências e sinistros, por ser a empresa de pequeno porte, e não tendo obrigatoriedade de manter um técnico de segurança em seu quadro de pessoal, será formada por profissional treinado com técnicas de segurança. O Coordenador de Brigada deve ser escolhido segundo alguns critérios, como ser bem relacionado, ter liderança, ser engajado e comprometido com os trabalhos de emergências e sinistros. No turno em que não houver o Coordenador de Brigada, a Brigada se reportará ao Chefe de Brigada. 6.2 Chefe de Brigada: Toda Brigada, conforme seu turno de trabalho, deve ter um Chefe de Brigada, que terá atribuições de comandar e direcionar as atividades, ficando sujeito ao direcionamento e orientação do Coordenador de Brigada. 6.3 Brigadista: Pessoa ou equipe treinada e habilitada para combate a princípios de incêndios, atendimentos de primeiros socorros, coordenação de pessoal para abandono de área e controle de impactos ambientais. Cada Brigadista deve ter funções específicas definidas, visando rapidez no socorro para preservação da vida humana e proteção ao patrimônio. 6.4 Princípio de Incêndio:

3 Situação em que o fogo está se originando em pequenas proporções. Como exemplo tem-se a queima de objetos existentes dentro de um compartimento, porém sem apresentar perigo iminente de propagação, podendo ser extinto por meio métodos naturais e de Extintores. 6.5 Incêndio de Pequeno Porte: Incêndio de proporção relativamente pequena, porém com grande risco de propagação, podendo ser extinto por meio de Extintores de Incêndio e, dependendo o caso, do uso de mangueiras dos hidrantes de incêndio, com o desligamento dos disjuntores elétricos. Como exemplo tem-se a queima na parte interna e externa de uma construção, destruindo parcialmente as instalações. 6.6 Incêndio de Grande Porte: Incêndio de proporção grande e com grande risco de propagação para outros galpões, podendo ser extinto somente por meio do uso de mangueiras dos hidrantes de incêndio, necessitando para sua extinção o auxílio do Corpo de Bombeiros. Como exemplo tem-se um incêndio de propagação crescente com grande poder de destruição na parte interna e externa de uma construção, necessitando para o seu combate, do emprego de todos os meios internos e externos disponíveis. 6.7 Emergências: Emergências são situações reais de origem inesperada, que possam gerar pequenos danos materiais, seguidas ou não, de leves lesões pessoais. As Emergências enquadram: Princípio de incêndio, Acidente de trabalho leve, Desmaio e extremo mal estar de algum funcionário, Sensação de choque elétrico ocasionado por eletricidade estática, passagem de energia pelo de cabo retorno e outros. Furtos e arrombamentos, Perfurações acidentais de recipientes com produtos químicos. 6.8 Sinistros: Sinistros são situações reais de origem inesperada, a princípio desconhecida, e que possam gerar danos materiais, seguidas ou não de lesões pessoais. Os sinistros enquadram:

4 Incêndio de Pequeno Porte, Incêndio de Grande Porte, Explosões, Sabotagem, Perigo iminente à vida humana, Assaltos, Acidente de trabalho grave, Vazamentos de líquidos inflamáveis, Vazamentos de líquidos químicos, Desabamento, Vendaval, Queda de raios. 6.9 Relatório de Análise de Emergências e Sinistros: O Relatório de Análise de Emergências e Sinistros é o registro para análise posterior do evento ocorrido Simulados: É a colocação em prática das técnicas, procedimentos e táticas especiais para a execução das atividades da Brigada Evacuação ou Abandono de Área: É a remoção rápida, segura e eficiente das pessoas, parcial ou total, conforme comunicação préestabelecida, para os casos de emergência real ou simulada Equipe de Combate a Incêndio: Formada por Brigadistas que chegarem primeiro ao local de combate ao fogo Equipe de Primeiros Socorros: Formada pelos Brigadistas que chegarem primeiro ao local de socorro às vítimas.

5 6.14 Equipe de Controle de Impactos Ambientais: Formada pelos Brigadistas que chegarem primeiro ao local onde haja o impacto ambiental Controle de Impactos Ambientais: Medidas de segurança tomadas para minimizar, neutralizar, conter e eliminar toda a forma de agressão ao meio ambiente Central de Emergência: A Central de Emergência é formada pelo Coordenador de Brigada, e na ausência deste, pelo Chefe de Brigada Profissionais de Suporte Técnico Interno: Formado pelos profissionais de diversas áreas, que possuem a função de assessorar e prestar suporte técnico à Brigada nas situações de Emergência e Sinistro: a) Coordenador de Brigada b) Recepcionista c) Auxiliar de Expedição d) Auxiliar de RH e) Eletricista f) Supervisor g) Gerentes h) Diretores 6.18 Profissionais de Suporte Técnico Externo: Órgãos e instituições externas, que podem assessorar a empresa nas situações críticas de emergências: a) Corpo de Bombeiros de Brusque, b) Corpo de Bombeiro de Guabiruba, c) Posto de Saúde da Rua São Pedro, d) Samu,

6 e) Hospital Evangélico, f) Hospital de Azambuja, g) Hospital Dom Joaquim, h) Celesc, i) Defesa Civil, j) Polícia Civil de Brusque, k) Polícia Rodoviária Estadual, l) Polícia Militar de Brusque, m) Fatma, n) Empresa Segurança Patrimonial, o) Empresa Vigilância Patrimonial, p) Empresa de Manutenção Elétrica Pontos de Segurança: A empresa deve representar graficamente, através de croquis espalhados pelos corredores internos, os locais destinados à aglomeração de pessoas durante os procedimentos de evacuação ou abandono de área. Os Pontos de Segurança devem estar sinalizados com uma placa de tamanho 50cm x 70cm, escrita Ponto de Segurança 1 na cor amarela e, Ponto de Segurança 2 na cor azul, assim determinados: a) Ponto de Segurança 1, localizado no estacionamento de motos e bicicleta, b) Ponto de Segurança 2, localizado próximo à malharia Telefones de Emergências e Sinistros: São os aparelhos de telefones espalhados pela planta industrial e usados para a comunicação das Emergências e Sinistros População: São todas as pessoas que estão no ambiente fabril na hora da Emergência ou Sinistro, composta por funcionários, prestadores de serviço, clientes, fornecedores, visitantes, etc. 7. Procedimentos: 7.1 Telefones de Emergências e Sinistros:

7 Todos Telefones de Emergências e Sinistros podem ser do tipo fixo, extensões de troncos ou ramais, como podem ser do tipo móvel. Devem ter sinais através de linha de forma a permitir ligações internas, para o Suporte Técnico Interno, e ligações externas para o Suporte Técnico Externo, durante 24 horas por dia e sete dias na semana e devem ser colocados em pontos, a saber: a) Portaria. b) Talhação c) Oficina d) Balança Próximo ao telefone de emergência deve ter um Quadro de Telefones de Emergência e Sinistros informando os principais números usados em emergência e sinistros, de acordo com Anexo Ramais Internos: Próximo de cada aglomeração humana deve ter um ramal interno e próximo a ele deve ter uma lista com o número do ramal do Coordenador de Brigada e seu nome, como também os ramais próximos aos Chefes de Brigada e seus nomes. 7.1 Comunicação de uma Emergência : A comunicação da Emergência deve ser feita, através de qualquer ramal, para o Coordenador da Brigada, Chefe da Brigada ou Brigadista. 7.2 Comunicação de um Sinistro : A comunicação de um sinistro deve ser feita através do Alarme de Sinistro. 7.3 Alarmes de Sinistro: A empresa deve manter um sistema de Alarme de Sinistro com as seguintes características: a) Possuir sirenes que emitem som por toda planta fabril e que sejam ouvidos por todos os postos de trabalho,

8 b) Funcionar através de eletricidade e bateria, c) Devem ser instalado de forma que todas as pessoas tenham fácil acesso para acioná-lo. Os Alarmes de Sinistro devem ser acionados por qualquer funcionário, seja ele membro da Brigada ou não. 7.4 Apitos de Sinistro: O Apito de Sinistro é um meio de comunicação que devem ser acionados por qualquer funcionário, por um membro da Brigada, pelo Chefe de Brigada ou Coordenador da Brigada quando o Alarme de Sinistro não funcionar. Os apitos devem ser usados conforme abaixo: a) Silvos breves: situações de Evacuação Parcial do Local, como também dando um sinal de Alerta ou pedido de Ajuda a outros brigadistas, b) Silvos longos: situações de Evacuação Total da Fábrica, c) Silvos longos seguidos de silvos breves: convocação extraordinária da Brigada de Emergência 7.5 Ocorrência do Sinistro: Quando houver a Comunicação de Sinistro, o Chefe de Brigada e os Brigadistas deverão deslocar-se, rapidamente, até o local do evento e, após análise preliminar, os Brigadistas juntamente com o Chefe e o Coordenador da Brigada devem tomar as medidas necessárias em relação ao Sinistro e verificar a necessidade de evacuação e abandono da área. 7.6 Abandono de Área: a) O Coordenador de Brigada, o Chefe da Brigada ou o Brigadista, deve definir estratégias e metodologias de ação a serem tomadas, durante as situações de sinistro, caso elas não estejam previstas no P.A.E.S. b) O Coordenador de Brigada, o Chefe da Brigada e o Brigadista terão autoridade para dar início e conduzir a evacuação parcial ou total dos profissionais das áreas atingidas, durante as situações de sinistro.

9 c) O Coordenador de Brigada, o Chefe da Brigada ou o Brigadista deve conduzir a evacuação ou abandono de área, da seguinte forma: Deve iniciar ao procedimento de evacuação usando o Apito, emitindo silvos longos para chamar a atenção da população. Em seguida deve apontar à população a rota de saída indicadas nas Placas de Saída de Emergência. Depois deve formar com a população uma fila indiana em movimento até o Ponto de Segurança. Deve ordenar, continuamente, a população para seguirem até a saída de forma organizada e com rapidez, caminhando apressadamente, porém sem correr, Ninguém poderá resistir ao comando do Coordenador de Brigada, do Chefe da Brigada ou do Brigadista, quando for dada a ordem para evacuação e abandono de área. As pessoas que resistirem ficarão sujeitas a retirada à força e serão aplicadas sanções disciplinares. Em qualquer uma das etapas da evacuação ou abandono de área, em que houver resistência ou desacato da autoridade dos membros da Brigada, profissionais de Suporte Técnico Interno e Externo poderão ser convocados para o apoio e controle da situação. Após a evacuação de todas as áreas da empresa, o Brigadista deve voltar ao local do sinistro e dar apoio ao restante da Brigada. 7.7 Permanência nos Ponto de Segurança: a) A Brigada deve manter a população nos Pontos de Segurança, até que a situação de sinistro seja controlada e não haja mais risco para a população. b) Durante o período em que a população estiver nos Pontos de Segurança, será proibida qualquer evasão do local, salvo quando houver extrema necessidade e com a autorização da Brigada. 7.8 Retorno ao Trabalho: a) Quando a situação de Emergência ou Sinistro estiver controlada, a Coordenação ou Chefe da Brigada, dará o comando para os Brigadistas reconduzirem as pessoas para os seus postos de trabalho, salvo quando houver novas ordens por parte da Diretoria. b) O retorno às áreas de trabalho deverá ser de forma tranqüila e segura. A Brigada conduzirá as pessoas até as entradas principais de acesso à Empresa e logo após os profissionais se deslocarão para os seus postos de trabalho.

10 7.9 Identificação da Brigada de Emergência: Coordenador de Brigada, Chefes de Brigada e Brigadistas serão identificados com o uso de uma camisa de cor vermelha com o brasão estampado na frente e nas costas Relatório de Análise de Emergências e Sinistros : a) A Central de Emergências deve fazer o registro detalhado da ocorrência no Relatório de Análise de Emergências e Sinistros, após o término e controle da situação de Emergência ou Sinistro, no primeiro dia de trabalho seguinte ao da ocorrência. b) Após o atendimento da Emergência ou Sinistro, a Central de Emergências deve acionar imediatamente a Diretoria repassando as informações Situações Particulares de Emergências e Sinistros: Quando houver uma situação particular de Emergência ou Sinistro, o Coordenador de Brigada ou Chefe da Brigada deverá: a) Informar os profissionais da área Para-médica para que se desloquem até a área do sinistro. b) Deslocar veículos da frota para cada Ponto de Segurança a fim de prestar auxílio e socorros de urgência para as pessoas, portanto deverão estar posicionados em locais estratégicos, próximo aos portões de saída da Empresa. c) Os veículos de auxílio e socorros de urgência poderão ser a Ambulância ou outros veículos fechados, que possibilitem o transporte de pessoas com segurança. d) Quando não houver nenhum veículo da empresa adequado para a prestação de auxílio e socorro de urgência, a Coordenação ou o Chefe da Brigada deve solicitar ao proprietário de qualquer veículo que esteja no estacionamento para que auxilie a Brigada no transporte de pessoas para atendimentos especializados. e) Quando a Coordenação ou o Chefe da Brigada solicitar o uso de veículo particular para a prestação de socorro ou auxílio às pessoas, a empresa fará o reembolso das despesas. f) Em seguida deve abrir o portão localizado entre o Estacionamento Nº 01 e a Rua São Pedro, para permitir a passagem das pessoas. g) Dar suporte e apoio à Brigada, quando houver situações de descontrole emocional. h) Impedir o acesso à TECEBEM de polícia, imprensa, órgãos ambientais, curiosos e qualquer outra pessoa, salvo quando solicitado ou autorizado pela Diretoria.

11 i) Impedir o acesso de profissionais da Tecebem, visitantes, terceiros que desejarem entrar na planta no momento da ocorrência. Os acessos somente serão permitidos quando autorizados pela Coordenação ou Chefe da Brigada. j) A Segurança Patrimonial, se houver, deverá posicionar-se nos locais estratégicos da entrada da Tecebem e nas áreas de acesso ao local do sinistro, para facilitar a chegada dos profissionais de Suporte Técnico Interno e Externos. k) A prestação de informação ou entrevista à imprensa, emissora de rádio, televisão, jornal e outros somente poderá ser feita pela Diretoria da Tecebem, ou por pessoa credenciada pela mesma. l) A Central de Emergência deve ficar em alerta nas situações de emergência, para contatar os profissionais de Suporte Técnico Interno e Externo Encaminhamento de Vítimas: A Central de Emergências deve prestar as seguintes informações aos Hospitais, quando for necessário o encaminhamento de vítimas: a) Identificar-se, b) Relatar a ocorrência, c) Informar os dados pessoais da vítima, d) Informar as condições gerais de saúde da vítima, e) Informar o tempo estimado para chegada Solicitação de Suporte Técnico Interno ou Externo: A Central de Emergências ao solicitar ajuda de profissionais de Suporte Técnico Interno e Externo, deve prestar as seguintes informações: a) Identificar-se, b) Relatar a ocorrência, c) Solicitar o tempo estimado para chegada Vazamentos de Produtos Químicos: Para os vazamentos de Produtos Químicos, em Áreas Internas e Externas da Fábrica, qualquer pessoa próxima do vazamento deve procurar ou telefonar para um Brigadista ou a Central de

12 Emergências. A Central de Emergências ao solicitar ajuda de profissionais de Suporte Técnico Interno e Externos deve: a) Identificar a área de vazamento. b) Solicitar ajuda de outros membros da Brigada, fazer convocação extraordinária da Brigada, primeiramente através dos ramais de telefone e se necessário usando o Alarme de Sinistro ou o Apito de Sinistro. c) A Central de Emergência deve acionar, imediatamente, o Suporte Técnico Interno e Externos conforme o caso, bem como a localização exata do vazamento. d) A Coordenação e ou Chefe da Brigada, deverão adotar os seguintes procedimentos: Levar o Kit de Emergência até o local do acidente, Fazer a contenção do produto químico, impedindo que o mesmo chegue até as bocas de lobo e rede de água pluvial, Fazer a contenção do produto químico, espalhando serragem sobre toda a área afetada, Certificar-se de que a fonte de vazamento do líquido esteja sob controle, Recolher a serragem contaminada com o auxílio de vassouras, rodos e pás, Colocar a serragem contaminada nos tambores de cor laranja (Classe I). e) Nos casos de contaminação do solo, devem ser tomadas as seguintes providências: Eliminar a fonte geradora do líquido derramado, Remover o solo (terra/areia/grama), contaminado com o líquido, Colocar o material contaminado nos tambores de cor laranja (Classe I). Verificar se os tambores estão cheios, tomando as seguintes providências: Nível > 50% - Acionar o Serviço de Manutenção, para recolher os tambores, despejandoos na caçamba de resíduos, Nível < 50% - Recolocar o tambor laranja (Classe I), no seu local de origem. Isolar, com fitas zebradas ou qualquer outro material disponível, o local onde foi feita a retirada do solo, para que não haja acidente no local. f) Vazamento ou perfuração de mangueiras e tambores de produtos químicos: Mangueiras - conter o vazamento e acionar o Serviço de Manutenção; Tambores - conter o vazamento e realizar o transbordo Acidente Ambiental:

13 Caso o Acidente Ambiental tenha acontecido em horário ou dia em que não há nenhum Profissional do Meio Ambiente e ou do Coordenador da Brigada, o Vigilante de Segurança Patrimonial deve adotar os seguintes procedimentos: a) Contatar imediatamente a Central de Emergência, repassando as informações sobre a situação de emergência, b) A Central de Emergência avaliará a situação e decidirá se há necessidade de deslocamento imediato para a Empresa da Brigada. c) A Central de Emergência deve repassar as instruções cabíveis para a o Vigilante de Segurança Patrimonial, d) Após o controle da situação, o Vigilante de Segurança Patrimonial deve informar, para o posterior registro no Relatório de Análise de Emergências e Sinistros, no primeiro dia de trabalho seguinte ao da ocorrência, as informações com o máximo de detalhes Emergência e Sinistro no Refeitório: a) O Refeitório não deve dispor de fogão a gás GLP. b) Para aquecimento de água deve ser utilizado utensílios de resistência elétrica. c) Para os casos de quaisquer Emergências que vierem acontecer a Central de Emergência deve ser notificada. d) Para os casos de Sinistros o Alarme de Sinistro ou o Apito de Sinistro deve ser acionado Incêndio e Outros Sinistros em Áreas Fabris e Administrativas: a) Os Alarmes de Sinistro devem ser acionados por qualquer funcionário que esteja próximo ao sinistro. b) O Apito de Sinistro deve ser acionado quando o Alarme de Sinistro não funcionar. c) Quando os Alarmes de Sinistro ou Apito de Sinistro forem acionados, o Chefe de Brigada e todos os Brigadistas deverão deslocar-se, rapidamente, até o local acionado. d) Após análise preliminar, o Chefe de Brigada deve informar o Coordenador de Brigada sobre as medidas a serem tomadas em relação ao Incêndio em si ou ao Sinistro e a necessidade de evacuação e abandono da área. e) Com a chegada do Chefe da Brigada e dos demais Brigadistas, serão definidas as técnicas de abordagem e extinção do incêndio, através de extintores apropriados para cada classe de incêndio ou até mesmo a rede de hidrante, conforme a gravidade de cada situação. Outros Sinistros serão avaliados pelo Chefe de Brigada.

14 f) Um membro da Brigada, determinado pelo Coordenador da Brigada, deverá acionar os Bombeiros Emergências, Incêndio e Outros Sinistros em Veículos Estacionados: Quando a Recepcionista/Telefonista ou o Segurança Patrimonial identificar, ou for informada de qualquer situação de incêndio, vazamentos de combustíveis, janelas abertas, alarmes disparados ou qualquer outra situação de sinistro ocorrido nos veículos estacionados, deverão ser adotados os seguintes procedimentos: a) Identificar o proprietário de veículo sinistrado e solicitar a presença do mesmo até o local; b) Quando houver necessidade, identificar os proprietários dos veículos que estiverem ao lado do veículo sinistrado e pedir que os mesmos retirem seus veículos da área de risco; c) No caso de incêndio, apagar o fogo com o uso de extintores apropriados: Pó Químico para classes (B e C) e Pó Químico (A, B, e C); d) Quando o incêndio fugir do controle, não havendo mais possibilidade de combate com extintores portáteis, a Coordenação da Brigada ou o Chefe da Brigada de Emergência ou o Segurança Patrimonial deverá realizar o combate ao fogo através de rede de hidrantes; e) No incêndio de veículos, quando a situação estiver descontrolada, os profissionais que estiverem realizando o combate através de rede de hidrante, deverão realizar a aproximação com o máximo de cuidado, buscando locais estratégicos e abrigos para proteção, procurando prever possíveis explosões Incêndios Florestais: a) Qualquer sinistro que houver na vegetação existente nas propriedades da Tecebem ou em áreas próximas as propriedades, deverá ser comunicado imediatamente para a Coordenação da Brigada, a qual deixará em estado de alerta Chefe de Brigada, Brigadistas e profissionais responsáveis pelo Meio Ambiente da empresa. b) A Coordenação da Brigada deve realizar a vistoria na área suspeita e/ou incendiada e avaliará sua extensão, podendo ou não solicitar a ajuda da Brigada, devendo proceder da seguinte forma: Nos dias em que não houver expediente e estiverem ausentes os profissionais da Coordenação e/ou Chefe da Brigada, a Segurança Patrimonial, avaliará as proporções da área

15 incendiada e decidirá se deve ou não contatar o Corpo de Bombeiros e em seguida deverá comunicar a Coordenação da Brigada e/ou Chefe da Brigada, Nos dias de expediente quando a Segurança Patrimonial identificar que a área incendiada atingiu ou atingirá proporções graves e/ou críticas será acionado por telefone a Central de Emergência, a qual deverá acionar a Chefe da Brigada, que convocará a Brigada para deslocamento até a área incendiada, Chegando na área incendiada, a Brigada e Segurança Patrimonial aguardarão as ordens e as definições das estratégias de combate ao fogo da Coordenação da Brigada ou Chefe da Brigada, A Coordenação ou o Chefe da Brigada de Emergência, avaliará a proporção do incêndio, podendo solicitar ajuda de profissionais de Suporte Técnico Externo, já no início e/ou no decorrer do combate, conforme a gravidade de cada situação Primeiros Socorros à Vítimas: a) Quando houver vítimas de acidentes de trabalho em qualquer área da Empresa, os profissionais que tomarem conhecimento deverão acionar o ramal de emergências da Central de Emergência ou solicitar ajuda a Brigada de Emergência. b) A Brigada de Emergência fará a avaliação do estado das vítimas, prestando os primeiros socorros no local e quando for possível encaminhará as vítimas ao Posto de Saúde e/ou Hospital mais próximo. c) Nos casos em que não houver possibilidade de remover as vítimas do local do acidente, a Brigada deve solicitar o socorro imediato dos profissionais de Suporte Técnico Externo. d) Nas situações em que houverem vítimas de acidentes em meio a uma evacuação ou abandono de área, ou treinamentos simulados, às vítimas deverão ser encaminhadas para os Pontos de Segurança Simulados de Evacuação ou Abandono de Área: a) Deverão ser realizados obrigatoriamente uma vez por ano. b) Havendo concordância da Diretoria, a Coordenação da Brigada poderá solicitar a realização de mais um simulado de caráter extraordinário, totalizando dois eventos no ano Recomendações Gerais: a) Todos os pequenos incêndios poderão ser combatidos com o uso de extintores de incêndio portáteis.

16 b) Todo escoamento ou fluxo de material perigoso (inflamável, tóxico) para a área afetada deve ser bloqueado. c) A energia elétrica deverá ser cortada quando equipamentos elétricos estiverem envolvidos no incêndio. d) Utilizar o tipo adequado de extintor de incêndio (A,B,C) dependendo da natureza do incêndio. e) Nunca tentar combater um incêndio caso esteja sozinho na área e/ou não tiver conhecimentos técnicos. Solicitar sempre a ajuda da Brigada de Emergência.

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Saída de alguns integrantes da Brigada 02 Alteração do item 4.5 composição da brigada e 4.7 Plano de abandono Demais envolvidos

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA PR.11 Revisão: 00 Página 1 de 4 1. OBJETIVO Estabelecer e manter planos

Leia mais

INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Nº PE 4604.52-6270-948-SMS-011 CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: PETROBRAS MODERNIZAÇÃO DO PONTO DE ENTREGA DE ARAÇAS FOLHA 1/12 TÍTULO: ENGENHARIA/IENE /IETEG/CMIPE PLANO DE EMERGÊNCIAS MEDICAS E PRIMEIROS SOCORROS

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO Agosto/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa Brigada de Emergência O que é a Brigada de Emergência? A

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE ANO I Nº 1 Junho 2011 2011MARCO 2010 INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE (Plano em Desenvolvimento) Página 1 de 8 Apresentação Instrução elaborada para o Condomínio do edifício

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO Cria e regulamenta a Brigada de Incêndio e Emergência do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE

Leia mais

SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS

SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS SEGURANÇA DO TRABALHO E BOMBEIROS UNIFESP GUARULHOS 2013/2014 Prezad@s companheiros de atividades, UNIFESP GUARULHOS A notícia que correu o mundo neste inicio de

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

Proteção contra Incêndio

Proteção contra Incêndio CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Proteção contra Incêndio Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

1 Fique atento ao entrar ou sair de sua casa ou apartamento

1 Fique atento ao entrar ou sair de sua casa ou apartamento 1 Fique atento ao entrar ou sair de sua casa ou apartamento O momento em que entramos ou saímos de nossas residências, costuma oferecer grande risco, pois normalmente estamos distraídos, além de abrirmos,

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 33/2004 Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS

TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS 1/17 TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS Figura 1: vista do local onde o Terminal será instalado. PLANO DE ATENDIMENTO À EMERGÊNCIAS - PAE Novembro de 2011 2/17 ÍNDICE 1. FINALIDADE:... 3/17 2. CAMPO DE

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

1.PLANO AUTO STANDARD

1.PLANO AUTO STANDARD 1.PLANO AUTO STANDARD 1.1.Definições ACIDENTE/SINISTRO Colisão, abalroamento ou capotagem envolvendo direta ou indiretamente o veículo e que impeça o mesmo de se locomover por seus próprios meios. COBERTURA

Leia mais

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimento e Cuidados II Verificação pelo usuário do funcionamento seguro do elevador III Procedimentos a evitar na utilização do elevador IV Orientação para a escolha

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5 MÓDULO 5 1 PREVENÇÃO A INCÊNDIO 2 QUÍMICA DO FOGO 3 CLASSES DE INCÊNDIO 4 EXTINTORES PORTÁTEIS 5 PLANO DE EMERGÊNCIA PREVENÇÃO A INCÊNDIO Na PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A., só será permitido fumar em locais

Leia mais

REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO

REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO DE EMERGÊNCIA FILIAL DUQUE DE CAXIAS ANO BASE 2009 1. INTRODUÇÃO Todas as instalações que operem com derivados de petróleo devem possuir um PLANO DE EMERGÊNCIA para controle

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

PLANO DE ATENDIMENTO MÉDICO A EMERGÊNCIA

PLANO DE ATENDIMENTO MÉDICO A EMERGÊNCIA PLANO DE ATENDIMENTO MÉDICO A EMERGÊNCIA Rio Polímeros S.A 1 1 OBJETIVO O presente plano tem por objetivo estabelecer os recursos e instruções necessárias para uma ação coordenada visando o atendimento,

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência.

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência. INTRODUÇÃO Em virtude do grande número de vítimas que os incêndios tem causado nos locais de maior concentração humana, principalmente edifícios e, tendo como causas principais à falta de conhecimento

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO DESCRIÇÃO: 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: - vermelho; - amarelo; - branco; - preto; - azul; - verde; - laranja; - púrpura;

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

Além da definição dos procedimentos emergenciais, o presente plano possui uma estrutura específica de forma a:

Além da definição dos procedimentos emergenciais, o presente plano possui uma estrutura específica de forma a: 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho tem por objetivo apresentar o Plano de Ação de Emergência PAE da empresa SANTA RITA S.A. Terminais Portuários, localizada em Santos, estado de São Paulo. O plano foi desenvolvido

Leia mais

3 Manual de Instruções

3 Manual de Instruções 3 Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se

Leia mais

PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA

PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Quattor UN QB e PE / DCX REVISÃO MODIFICAÇÃO DATA 0 Emissão Inicial 31.03.2006 1 Revisão conforme solicitação do Subcomitê de Análise de Risco a acréscimo do hiperlink

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2

INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2 1 INTRODUÇÃO É importante a Escola ter um Plano de Evacuação para que todos saibam o que fazer em caso de incêndio. Depois de feito há que treinar regularmente com professores e colegas. A prática permite

Leia mais

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 031 Segurança Contra Incêndio para Heliponto e Heliporto CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Fase: Diagnóstico Eloisa Barroso de Mattos Nutricionista Raquel Leão Firmino Reis

Leia mais

ASSISTÊNCIA SERVIÇOS EXECUTIVOS

ASSISTÊNCIA SERVIÇOS EXECUTIVOS ASSISTÊNCIA SERVIÇOS EXECUTIVOS O objeto da assistência serviços executivos é facilitar a vida do Segurado, em caso de mal súbito, doença ou acidente, com serviços domésticos provisórios, ambulância, Motorista

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C Designação do estabelecimento: MegaExpansão LDA. Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C 8300-135 Silves Telefone: 282441111 Localização geográfica Sul Estrada Nacional 124 Norte Este

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Corpo de Bombeiros. Plano de emergência contra incêndio

Corpo de Bombeiros. Plano de emergência contra incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 16/2011 Plano de emergência contra incêndio SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 6 1 CONCEITO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL 3 CRACHÁS ESQUECIMENTO OU PERDA 6 ENTRADA DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E MAT.

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 6 1 CONCEITO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL 3 CRACHÁS ESQUECIMENTO OU PERDA 6 ENTRADA DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E MAT. TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 6 1 CONCEITO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL 2 ENTRADA E SAÍDA NA PORTARIA 3 CRACHÁS ESQUECIMENTO OU PERDA 4 ACHADOS E PERDIDOS 5 PROIBIÇÕES 6 ENTRADA DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS

Leia mais

MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL SUMÁRIO ASSISTÊNCIA EMRESARIAL...4 SINISTROS COBERTOS:...4 CONSULTORIA ORÇAMENTÁRIA:...

MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL SUMÁRIO ASSISTÊNCIA EMRESARIAL...4 SINISTROS COBERTOS:...4 CONSULTORIA ORÇAMENTÁRIA:... PÁG 1 SUMÁRIO ASSISTÊNCIA EMRESARIAL...4 SINISTROS COBERTOS:...4 CONSULTORIA ORÇAMENTÁRIA:...5 MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS COBERTURAS ADICIONAIS EM CASO DE EVENTO PREVISTO...5 Problemas Emergenciais...

Leia mais

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado Março 2015 Vigência: 15 de março de 2015 NPT 001. Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.... 4 1.1OS DESASTRES MAIS RECENTES... 4 2 PLANO DE ABANDONO... 4 2.1 LEGISLAÇÃO... 5 3 TERMINOLOGIA......

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Título: Tipo do Documento: SubTipo: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Plano de Controle a Emergências

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11

Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11 FACULDADES INTEGRADAS SANTA CRUZ DE CURITIBA FARESC Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11 Responsáveis pela elaboração: Daiane Lorente Palmas Douglas Simão de Moraes Nilton Vieira Pedro

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR

MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR 1. OBJETIVO Este manual contém informações acerca dos procedimentos que deverão ser tomados na ocorrência de qualquer fato que acarrete na utilização

Leia mais

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA EDUARDO RODOLPHO ALCANTÚ VALDOMIRO SANTI NETO

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA EDUARDO RODOLPHO ALCANTÚ VALDOMIRO SANTI NETO NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA EDUARDO RODOLPHO ALCANTÚ VALDOMIRO SANTI NETO O QUE E NR26? É a NORMA REGULAMENTADORA 26 que tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais de trabalho para

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br. Manual de Segurança

Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br. Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Instituições de Ensino Vol. VIV Manual de Segurança U Apresentação m dos maiores desafios durante a elaboração de um sistema de segurança para uma instituição

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho.

Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho. 0 IMPORTANTE LEIA E SIGA AS SEGUINTES INSTRUÇÕES Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho. ATENÇÃO Atenção indica uma situação potencialmente

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16/2011 Instrução Técnica nº 16/2011 - Plano de emergência contra incêndio 409 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

Primeiros Socorros Volume III

Primeiros Socorros Volume III Manual Primeiros Socorros Volume III um Manual de Agosto de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Manualnão pode

Leia mais

Projeto Unimed Vida 2012. Projeto Unimed Vida 2012

Projeto Unimed Vida 2012. Projeto Unimed Vida 2012 Rev.00 Aprovação: 22/12/2011 Pg.: 1 de 4 Número de escolas participantes: 20 Projeto Unimed Vida 2012 Público alvo: escolas municipais, estaduais e particulares 1 com ensino fundamental completo de Blumenau.

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais Agosto/2015 Fazer obras e serviços para transmissão, distribuição e uso de energia. Contribuir para o bem estar e o desenvolviment

Leia mais

O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS?

O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? O QUE É TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS? É o deslocamento de produtos perigosos de um lado para outro com técnicas e cuidados especiais. Os explosivos, os gases, líquidos e sólidos inflamáveis, substâncias

Leia mais