REGULAMENTO DO CONSELHO DE CURADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO CONSELHO DE CURADORES"

Transcrição

1 DOCUMENTO 7 REGULAMENTO DO CONSELHO DE CURADORES Artº 1 Definição e Competências O Conselho de Curadores de Delegação Local, é o órgão social local da CVP com as competências, direitos, deveres e composição estabelecidos pelos Estatutos, pelo Presente Regulamento e pelas deliberações emanadas dos órgãos nacionais, de acordo com os poderes que os Estatutos lhes conferem. Artº 2 Da Perda do Mandato 1 - Os membros do Conselho de Curadores exercerão o seu mandato pelo período de quatro (4) anos, conforme previsto pelo nº1 do artº 34º dos Estatutos, salvo se:?? Perderem a qualidade que lhes determinou a integração no Conselho ou?? Suspenderem o seu vínculo à Instituição; 2 - No momento da perda ou da suspensão de vínculo, cessará o respectivo mandato. Artº 3º Da Posse dos Membros Os membros do Conselho de Curadores, serão empossados pelo Presidente Nacional ou em quem este delegar segundo Termo de Posse aprovado pela Direcção Nacional. 1

2 Artº 4º Da Presidência. Suas Competências 1 - O Conselho de Curadores é, presidido pelo Delegado Regional, a quem compete: a) Representar o Conselho de Curadores junto dos demais órgãos da Instituição; b) Convocar ordinariamente as respectivas reuniões; c) Convocar extraordinariamente o Conselho, sem prejuízo dos direitos atribuídos aos demais membros pelo nº nº1 do artº 48º dos Estatutos; d) Dirigir, orientar os respectivos trabalhos; e) Assinar o recebimento de qualquer documento que lhe seja presente por membro do Conselho, dando do respectivo conteúdo conhecimento aos demais; f) Decidir da aceitabilidade de documentos apresentados por membros do Conselho, e em caso de não rejeição entregá-lo ao Secretário para anexação à acta; g) Nos casos em que rejeite o documento apresentado, ditará para a acta o respectivo fundamento; h) Assegurar o cumprimento, pelos membros que compõem o órgão, dos deveres a que estão sujeitos; i) Escolher e nomear, de entre os membros que integram o Conselho, o respectivo Secretário, substituindo-o e/ ou exonerando-o, sempre que o tenha por necessário. 2

3 Artº 5º Do Secretário 1 - A função de Secretário do Conselho de Curadores só pode ser exercida por um dos membros deste órgão, competindo-lhe secretariar as respectivas reuniões e, em especial: a) Proceder à conferência das presenças nas reuniões e verificar do quorum, antes do início dos trabalhos e de qualquer deliberação; b) Servir de escrutinador e registar quaisquer votações que ocorram, bem como o conteúdo de quaisquer declarações de voto que sejam apresentadas; c) Numerar, rubricar e anexar à respectiva acta, qualquer documento ou declaração escrita, cumpridos que estejam os requisitos mencionados na alínea f) do artigo anterior; d) Elaborar as actas, assinando-as, depois de aprovadas, conjuntamente com o Presidente do Conselho; e) Assinar, por delegação do respectivo Presidente, a correspondência expedida em nome do Conselho; f) Providenciar quanto ao expediente, praticando os demais actos que lhe sejam determinados pelo Presidente do Conselho; Artº 6º Das Ausências e Impedimentos Temporários 1 - Em caso de ausência ou impedimento temporários do Presidente do Conselho de Curadores, que não determine a nomeação provisória de Delegado Regional substituto ou a nomeação definitiva de um novo Delegado Regional, será o mesmo Conselho, durante esse período, dirigido por membro eleito pelos seus pares. 3

4 2 - Ao membro do Conselho de Curadores eleito nos termos do nº anterior, está vedado o exercício das competências previstas pelas alíneas a) e i) do nº1 do artº 4º do presente Regulamento, bem como de qualquer outra competência atribuída nos termos Estatutários ao Delegado Regional temporariamente ausente. Artº 7º Das Reuniões 1 - O Conselho de Curadores reunirá em privado, apenas com a presença dos seus membros, sem prejuízo dos direitos consignados ao Presidente Nacional. 2 - O Conselho de Curadores reúne e delibera validamente quando presentes dois terços dos seus membros. 3 - Não é admitida a figura da Representação nas reuniões, deliberações ou votações deste órgão. Artº 8º Da Convocatória 1 - As reuniões do Conselho de Curadores são convocados, por carta registada ou, caso expressamente o solicitem, via fax, pelo menos, com 10 dias de antecedência, sobre a respectiva realização. 2 - A convocatória, indicará dia, hora, local e a agenda de trabalhos. Artº 9º Do Consenso 1 - São tomadas por Consenso, as deliberações do Conselho de Curadores que se reportam à nomeação do Presidente da Delegação Local nos termos da alínea a) do artº 47º dos Estatutos. 2 - Para cumprimento do estabelecido no nº anterior, só serão consideradas validamente tomadas as deliberações que, em debate presencial e oral, não 4

5 determinem a qualquer dos seus membros, a dedução de acto de oposição expressa. 3 - Considera-se existir oposição expressa, se esta for apresentada pessoalmente, no decurso da sessão em que a decisão/ deliberação seja tomada em definitivo e, se a mesma, for deduzida por escrito em termos devidamente fundamentados. Artº 10º Dos Limites ao Consenso 1 - Nas reuniões convocadas para os efeitos nas alíneas a), não sendo obtido consenso imediato, mantém-se este órgão em sessão, se necessário em reuniões diárias, até que o consenso seja obtido. 2 - Caso não seja obtido consenso ao fim de três reuniões consecutivas, a realizar no prazo máximo de cinco dias úteis, o Conselho de Curadores elaborará a respectiva acta, enviando-a, à Direcção Nacional, no prazo máximo de 48 h, para que, este órgão delibere e decida, ao abrigo do estabelecido pela alínea i) do nº1 do artº 17º dos Estatutos. Artº 11º Das Votações 1 - No exercício das demais competências, o Conselho de Curadores deliberará e decidirá, na sua qualidade de órgão colegial, por maioria simples. 2 - Apurado o resultado da deliberação, tendo este sido obtido por votação, será dada a palavra aos membros que pretendam apresentar declaração de voto. Artº 12º Do Escrutínio 1 - No Conselho de Curadores não há lugar a escrutínio secreto, sendo todas as votações verbais e individuais. 5

6 Artº 13º Das Propostas de Nomeação de Presidente de Delegação 1 - As propostas para nomeação de Presidente da Delegação Local, só poderão ser apresentadas pelos membros do Conselho de Curadores e ou pela Direcção Nacional. 2 - As propostas a que se reporta o nº anterior serão sempre apresentadas pelos membros do Conselho ou por representante da Direcção Nacional em sessão devidamente convocada e em cuja agenda de trabalhos esteja, tal apresentação e/ou deliberação, expressamente previstas. 3 - A proposta aprovada terá de ser endereçada, devidamente fundamentada, à Direcção Nacional e nela incluída o nome e a idade do elemento proposto para Presidente da Delegação Local. Artº 14º Das Inabilidades Os Presidentes de Delegação Local e os Presidentes das Comissões Executivas, na sua qualidade de membros do Conselho de Curadores, são considerados inábeis para participar, não tendo assento neste órgão, durante o período de trabalhos em que se encontrem em apresentação, audição, debate e/ou aprovação, quaisquer propostas que importem à nomeação ou exoneração do Presidente da Delegação Local. Artº 15º Das Actas 1 - De todas as reuniões serão elaboradas actas que, depois de aprovadas, serão de imediato assinadas pelo Presidente e Secretário do Conselho e, no prazo máximo de dois ( 2) dias úteis, endereçadas ao órgão a que se destinem. 2 - As actas serão elaboradas, aprovadas e assinadas no termo da reunião a que respeitarem, só se considerando esta encerrada após o cumprimento do aqui estabelecido. 6

7 Artº 16º Da Disciplina Compete ao Presidente do Conselho de Curadores comunicar, à Direcção Nacional, de forma fundamentada, qualquer infracção aos Estatutos, Regulamentos e Compromissos, praticada, por qualquer membro do Conselho, no exercício das respectivas funções. Artº 17º Das Disposições Finais 1 - Compete à Direcção Nacional resolver os casos omissos do presente Regulamento e aprovar as alterações que se mostrem necessárias. Artº 18º Da Entrada em Vigor O presente regulamento entra em vigor no dia... de...de

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza O Conselho Geral é o órgão deliberativo intermédio do Fórum Académico

Leia mais

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Art.º 1º Composição e competências O Grupo de Recrutamento tem a composição e as competências determinadas pelo Decreto-lei 75/2008 de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE DIRECÇÃO REG.03_

REGULAMENTO DO CONSELHO DE DIRECÇÃO REG.03_ REG.03_13.07.011 INTRODUÇÃO O Estatuto da Escola Superior de Enfermagem S. Francisco das Misericórdias, determina que cada órgão aprova o respectivo regulamento interno. Como este, tem por base as competências

Leia mais

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A.

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA E FINANÇAS NOS, SGPS, S.A. 1/5 O presente instrumento regulamenta o exercício de competências e deveres, e o funcionamento, da Comissão de Auditoria e Finanças da NOS

Leia mais

Regimento do Conselho de Escola

Regimento do Conselho de Escola Escola de Ciências Regimento do Conselho de Escola da Escola de Ciências Maio 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º - Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional. Artº. 1º (Aprovação) Artº. 2º (Entrada em vigor)

ASSEMBLEIA NACIONAL. Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional. Artº. 1º (Aprovação) Artº. 2º (Entrada em vigor) ASSEMBLEIA NACIONAL Deliberação nº8/vi/01 de 31 de Maio da Mesa da Assembleia Nacional Artº. 1º (Aprovação) É aprovado ao abrigo da alínea c) do nº 1 do artº. 30º do Regimento da Assembleia Nacional o

Leia mais

Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti

Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti Artigo 1º (Da Constituição) 1. O Conselho Técnico-Científico é composto por 16 membros, para além do Director.

Leia mais

CONSELHO GERAL - REGIMENTO -

CONSELHO GERAL - REGIMENTO - CONSELHO GERAL - REGIMENTO - 2013-2017 Aprovado em reunião plenária de 30 de outubro de 2013 Preâmbulo O Regimento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Carcavelos tem por objetivo definir os

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição...

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição... Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO Índice Artigo 1º Objeto... 2 Artigo 2º Definição... 2 Artigo 3º Composição... 2 Artigo 4º Eleição... 2 Artigo 5º Competências... 3

Leia mais

Regimento. Conselhos de Turma dos Cursos Profissionais e CEF. Capítulo I Enquadramento, composição e competências. Artigo 1º. Enquadramento.

Regimento. Conselhos de Turma dos Cursos Profissionais e CEF. Capítulo I Enquadramento, composição e competências. Artigo 1º. Enquadramento. Capítulo I Enquadramento, composição e competências Artigo 1º Enquadramento 1. O presente documento estabelece o Regimento Interno de funcionamento dos Profissionais e dos Cursos de Educação e Formação.

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL Proposta de adequação ao novo EOE (Lei n.º 123/2015, de 2 de Setembro) PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

Leia mais

Conselho das Comunidades Portuguesas

Conselho das Comunidades Portuguesas Regulamento Interno do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na América do Norte Aprovado nos termos do número 3 do artigo 39.º-A e do número 1 do artigo 39.º-C da Lei n.º 66- A/2007, de 11 de

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB 1 Preâmbulo O Conselho de Docentes do 1.º ciclo do ensino básico é uma estrutura constituída para efeitos de avaliação dos alunos. Artigo 1.º

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO Artigo 1.º Âmbito Visa o presente regulamento definir o procedimento a seguir para a eleição do Presidente

Leia mais

(ERC/API/SJ) C. À ERC cumpre também, nos termos do artigo 9.º dos seus Estatutos, promover a coregulação em colaboração estreita com os regulados;

(ERC/API/SJ) C. À ERC cumpre também, nos termos do artigo 9.º dos seus Estatutos, promover a coregulação em colaboração estreita com os regulados; ACORDO DE CO-REGULAÇÃO EM MATÉRIA DE CLASSIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS (ERC/API/SJ) Considerando que: A. A classificação das publicações periódicas é, nos termos dos artigos 9.º a 14.º da Lei de

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO Regimento Interno Art. 1 º A Comissão de Direito Securitário é composta de: I Membros Efetivos, dentre eles o Presidente, o Vice-Presidente, Secretário e Membros Consultores;

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA CÓDIGO DA ESCOLA 404457 CONTRIBUINTE Nº: 600074129 RUA LONGJUMEAU 3150-122 CONDEIXA-A-NOVA Telf.: 239940200 Fax: 239941090 Email: info@eps-condeixa-a-nova.rcts.pt REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Ténis de Mesa MODALIDADE OLÍMPICA CAPITULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Objeto) 1. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010

DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010 DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010 Aprova o Regulamento das Câmaras Técnicas do CRF-RJ e dá outras providências. O ESTADO DO RIO DE JANEIRO / CRF-RJ, no uso de suas atribuições legais e em conformidade com

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU. Artigo 1.º Disposições gerais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU. Artigo 1.º Disposições gerais REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU Artigo 1.º Disposições gerais O presente regulamento completa as disposições dos estatutos da Escola Superior Agrária

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

Para conhecimento dos Clubes, Árbitros filiados e demais interessados se. informa que a Direção da A.F. Leiria aprovou em sua reunião do dia

Para conhecimento dos Clubes, Árbitros filiados e demais interessados se. informa que a Direção da A.F. Leiria aprovou em sua reunião do dia ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LEIRIA COMUNICADO OFICIAL N.º 155 Data: 09.12.2015 Para conhecimento dos Clubes, Árbitros filiados e demais interessados se informa que a Direção da A.F. Leiria aprovou em sua

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE MENTAL. Regulamento Interno

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE MENTAL. Regulamento Interno Aprovadoo na Reunião de 24.set.2014 Por unanimidade dos presentes CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE MENTAL Regulamento Interno Artigo 1º Composição do Conselho Nacional de Saúde Mental 1 O Conselho Nacional de

Leia mais

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DA COMISSÃO EXECUTIVA DO BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. («BES») ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DA ESCOLA

REGIMENTO DO CONSELHO DA ESCOLA REGIMENTO DO CONSELHO DA ESCOLA Braga, junho, 2016 Índice CAPÍTULO I... 4 (Natureza e Competência)... 4 Artigo 1.º... 4 (Definição)... 4 Artigo 2.º... 4 (Competências)... 4 Artigo 3.º... 4 (Composição

Leia mais

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora O Conselho Geral da Universidade de Évora, adiante designado por Conselho Geral, é o órgão de governo previsto no n.º 1 da alínea a) do artigo 11.º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor OBJECTO O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas para a eleição do diretor da Escola Secundária Quinta das Palmeiras,

Leia mais

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento aplica-se exclusivamente ao processo eleitoral para os membros do Conselho Geral, de acordo com o regime

Leia mais

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA Setembro 2001 REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CAPÍTULO I Natureza e objectivos Artigo 1º O Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio

Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ARMANDO DE LUCENA MALVEIRA Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio 2017-2021 Preâmbulo O presente regulamento define as regras

Leia mais

Aprovado por: Unanimidade Data: 18/02/2010

Aprovado por: Unanimidade Data: 18/02/2010 DELIBERAÇÃO CTC 2/2010 ASSUNTO Aprovação do Regimento Interno do CTC da Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Portalegre Aprovado por: Unanimidade Data: 18/02/2010 Considerando o disposto:

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO (Aprovado em reunião do Senado Académico de 2 de fevereiro de 2012) Artigo 1.º Objeto O presente regulamento rege a eleição dos representantes dos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado em Assembleia Geral Extraordinária 13 Setembro de 2014 Regulamento Eleitoral Página 1 de 8 Artigo 1º Objeto 1º O presente regulamento estabelece os princípios reguladores

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO. Artigo 1.º Âmbito dos poderes do Conselho Fiscal

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO. Artigo 1.º Âmbito dos poderes do Conselho Fiscal Justificação: O Conselho Fiscal da FPO vem apresentar o seu Regimento Interno à Assembleia Geral da FPO para homologação, com vista dar cumprimento às disposições estatutárias, possibilitar o regular e

Leia mais

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DO CENFORMA 2 Artigo 1.º Definição 1. O Regimento Interno da Secção de Formação e

Leia mais

Regulamento para a Eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto,

Regulamento para a Eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, Regulamento para a Eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, Artigo 1º Objetivo Este regulamento organiza o procedimento para a eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO DECISÃO Nº 88/96 O, em sessão de 18.10.96, D E C I D E aprovar o seu Regimento Interno, como segue: TÍTULO I DO CONSELHO Art.1º- O Conselho Universitário - CONSUN - é o órgão máximo de função normativa,

Leia mais

Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul

Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OVAR SUL DGEstE Direção de Serviços Região Centro Sede: Escola Secundária Júlio Dinis Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul Artigo 1.º

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Escola Básica 2/3 Martim de Freitas Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS REGIMENTO

Leia mais

Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/ /17

Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/ /17 /3 Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/14 2016/17 outubro de 2013 SECÇÃO I OBJETO E ÂMBITO Artigo 1 Objeto e âmbito 1. O Observatório da Qualidade da Escola (OQE)

Leia mais

Regimento da Mesa da R.G.A.

Regimento da Mesa da R.G.A. Regimento da Mesa da R.G.A. Capítulo I Disposições orgânicas Secção I Da Reunião Geral de Alunos Art. 1.º Reunião Geral de Alunos A Reunião Geral de Alunos (R.G.A.) é o órgão deliberativo máximo da Associação

Leia mais

Regimento do Conselho Científico. Escola de Ciências

Regimento do Conselho Científico. Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho Científico da Escola de Ciências Abril 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º - Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Aviso Convocatório Nos termos do disposto no artigo 22.º dos Estatutos da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD ( Sociedade ) e no artigo 377.º do Código das Sociedades Comerciais,

Leia mais

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições:

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições: Concurso para Director (a) Agrupamento Vertical de escolas de ferreira de Aves Procedimento concursal: 1 Nos termos do disposto nos artigos 21.º e 22.º, do Decreto Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, e da

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA Artigo 1º Objecto 1º. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação Portuguesa de Petanca (adiante

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL

REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL 2014-2020 ARTIGO PRIMEIRO O Regulamento Eleitoral estabelece as normas que regulam o Processo Eleitoral da Mesa do Conselho de Parceiros, Seis

Leia mais

Preâmbulo. O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do

Preâmbulo. O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ SARAMAGO-MAFRA Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio 2015-2019 Preâmbulo O presente regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO ISPAJ

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO ISPAJ REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO ISPAJ Versão aprovada em CD de 09 de Julho de 2015 Documento Regulamento do Conselho Científico do ISPAJ Data 08/06/2015 Conselho de Direcção 09/07/2015 Data entrega

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração Banco BIC Português, S.A.

Regulamento do Conselho de Administração Banco BIC Português, S.A. Regulamento do Conselho de Administração Banco BIC Português, S.A. ARTIGO 1.º - OBJETO 1. O presente regulamento estabelece as regras de organização e de funcionamento do Conselho de Administração do Banco

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 ÍNDICE 2 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES OBJECTO O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES Objecto O presente regulamento, elaborado nos termos e ao abrigo do disposto nos artigos 21.º a 23.º do Decreto Lei

Leia mais

Comissão de Atletas Regulamento

Comissão de Atletas Regulamento Comissão de Atletas Regulamento 1. Missão 1.1. A Comissão de Atletas do COB tem por missão representar os Atletas Olímpicos perante o COB, fortalecendo os laços de comunicação e interação entre as partes.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Santa Maria da Feira

Agrupamento de Escolas de Santa Maria da Feira Agrupamento de Escolas de Santa Maria da Feira - 151660 Regulamento Interno 2015 Capítulo II ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL E ADMINISTRATIVA Artigo 3º ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO Nos termos do regime de autonomia,

Leia mais

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado a 29 de Outubro de 2010 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL ENA - AGÊNCIA DE ENERGIA E AMBIENTE DA ARRÁBIDA REGULAMENTO ELEITORAL --------- --------- CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA ELEITORAL Artº 1º Constituição da Assembleia Eleitoral A

Leia mais

COORDENAÇÃO NACIONAL DAS CENTRAIS DE SERVIÇOS ELETRÔNICOS COMPARTILHADOS DO REGISTRO DE IMÓVEIS COMITÊ GESTOR REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

COORDENAÇÃO NACIONAL DAS CENTRAIS DE SERVIÇOS ELETRÔNICOS COMPARTILHADOS DO REGISTRO DE IMÓVEIS COMITÊ GESTOR REGIMENTO INTERNO CAPITULO I COORDENAÇÃO NACIONAL DAS CENTRAIS DE SERVIÇOS ELETRÔNICOS COMPARTILHADOS DO REGISTRO DE IMÓVEIS COMITÊ GESTOR REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA Proposta ****** Art. 1 Denominação e natureza 1. É constituída A Rede de Parlamentares

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO. Artigo 1.º. (Processo Eleitoral)

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO. Artigo 1.º. (Processo Eleitoral) REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Artigo 1.º (Processo Eleitoral) 1. Até 15 de Agosto do ano em que cessa o mandato do Presidente do ISEG, o Conselho de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO GERAL Biénio 2015/ /17

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO GERAL Biénio 2015/ /17 REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO GERAL Biénio 2015/16 2016/17 Nota Justificativa: Com o objetivo de regular o processo eleitoral de eleição

Leia mais

Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013)

Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013) ASSEMBLEIA DA FMUC Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013) REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I Princípios Gerais

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

REGIMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA REGIMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA O Conselho de Representantes da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais

Leia mais

1. - Todas as matérias que lhe sejam atribuídas pelo Prelado da Arquidiocese;

1. - Todas as matérias que lhe sejam atribuídas pelo Prelado da Arquidiocese; Estatuto do Conselho Pastoral Paroquial Capitulo I Natureza Jurídica Art. 1 - O CPP é um órgão representativo do Povo de Deus constituído na paróquia para promover um diálogo institucionalizado entre o

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES]

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES] 2012 Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES] Artigo 1º Âmbito e Aplicação 1. O presente Regimento regulamenta a atividade do Departamento do

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO TURISMO DE CASCAIS, VISITORS AND CONVENTION BUREAU CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE E DURAÇÃO. Artº 1º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO TURISMO DE CASCAIS, VISITORS AND CONVENTION BUREAU CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE E DURAÇÃO. Artº 1º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO TURISMO DE CASCAIS, VISITORS AND CONVENTION BUREAU CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE E DURAÇÃO Artº 1º Denominação, Natureza, Sede e Duração 1. A associação denomina-se Associação

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Considerando que compete ao conselho de representantes das unidades orgânicas de ensino

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo Conselho de Faculdade da da Universidade Nova de Lisboa REGIMENTO Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Faculdade da FCM é constituído por treze membros, sendo oito docentes e investigadores, um estudante,

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL ELABORADO NOS TERMOS DO ARTIGO 50.º DOS ESTATUTOS Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento contém as normas a que se devem submeter as eleições para os órgãos sociais

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016 O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO do município de Areal, no âmbito de ação e conforme preceitua sua Lei de Criação

Leia mais

Regulamento do processo eleitoral para o Conselho Geral Transitório

Regulamento do processo eleitoral para o Conselho Geral Transitório Regulamento do processo eleitoral para o Conselho Geral Transitório Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento aplica-se exclusivamente ao processo eleitoral para os membros do Conselho Geral Transitório,

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL DA PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA (PPA) Artigo 1.º 1. A eleição da Mesa da Assembleia Geral,

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS HISTÓRICAS ESTATUTOS. Artigo 1.º. Âmbito, Sede e Duração

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS HISTÓRICAS ESTATUTOS. Artigo 1.º. Âmbito, Sede e Duração CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS HISTÓRICAS ESTATUTOS Artigo 1.º Âmbito, Sede e Duração 1. Ao abrigo dos presentes Estatutos é criado o Centro de Investigação em Ciências Históricas, adiante designado

Leia mais

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 Deliberação n.º 83 /2015 Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 A CIC Portugal 2020, na reunião ordinária de 21 de dezembro de 2015, deliberou, nos temos da alínea q) do n.º 2 do artigo 10.º do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Regulamento Eleitoral para Eleição dos Órgãos Sociais da Casa do Povo de Alvito - IPSS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento contém as normas a que

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA Nos termos do artigo 20.º dos Estatutos da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, homologados pelo Despacho n.º 15674-C/2013, de 27 de novembro de 2013, do Reitor

Leia mais

Regulamento de concurso para Diretor

Regulamento de concurso para Diretor Regulamento de concurso para Diretor Nos termos do disposto no artigo 22.º, do Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, e do Decreto-Lei nº 137/2012 de 2 de Julho, torna-se público, que se encontra aberto

Leia mais

ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º

ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Fundada em 1934 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º 1. A Delegação Nacional Portuguesa da Câmara de Comércio

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação)

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação) Estatutos Capítulo I Disposições fundamentais Art.1º (Denominação) A Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação, abreviadamente designada por APCT, é uma associação que se rege pelos

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013.

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013. Salvador, Bahia Quarta-feira 4 de Setembro de 2013 Ano XCVII N o 21.227 RES. RESOLUÇÃO CONSU N.º 07/2013 O Conselho Universitário - CONSU da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, no uso de

Leia mais

Código Cooperativo. CAPÍTULO V - Dos Órgãos das Cooperativas. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro

Código Cooperativo. CAPÍTULO V - Dos Órgãos das Cooperativas. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Código Cooperativo CAPÍTULO V - Dos Órgãos das Cooperativas Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Alterada pelos DL n.º 343/98 de 6 de Nov., DL n.º 131/99 de 21 de Abril e DL n.º 108/2001 de 6 de Abril. Secção

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Associação de Atletismo de Braga (adiante

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO DE JUIZ DE FORA - COMTUR CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO REGIMENTO INTERNO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO DE JUIZ DE FORA - COMTUR CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO DE JUIZ DE FORA - COMTUR CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Art.1º O presente Regimento Interno foi estabelecido pelos membros do Conselho

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL CONVOCATÓRIA

ASSEMBLEIA GERAL CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL CONVOCATÓRIA Sociedade Comercial Orey Antunes, SA. (Sociedade Aberta) Sede: Rua dos Remolares, n.º 14, freguesia de São Paulo, concelho de Lisboa Capital Social: 10.000.000,00 (dez milhões

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º - Denominação e regime jurídico

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º - Denominação e regime jurídico ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Denominação e regime jurídico 1. É constituída a InComunidade Cooperativa de Solidariedade Social CRL, doravante designada como Cooperativa,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento contém as normas e procedimentos a que obedecerá o processo eleitoral para a Mesa da Assembleia-Geral, para

Leia mais