QUALIDADE DE APLICAÇÃO DE CALDA DE PULVERIZAÇÃO COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS EM CONDIÇÕES AMBIENTAIS DISTINTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE DE APLICAÇÃO DE CALDA DE PULVERIZAÇÃO COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS EM CONDIÇÕES AMBIENTAIS DISTINTAS"

Transcrição

1 QUALIDADE DE APLICAÇÃO DE CALDA DE PULVERIZAÇÃO COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS EM CONDIÇÕES AMBIENTAIS DISTINTAS Cristiane Fernandes Lisboa 1, Luana Alves Akamine 2, Mateus Morais Santos 2, Elton Fialho Reis 3, Sueli Martins Freitas Alves 3 1 Mestranda em Engenharia Agrícola, Bolsista CAPES, Unidade Universitária de Ciência Exatas e Tecnológicas de Anápolis, 2 Mestranda (o) em Engenharia Agrícola, Bolsista CAPES, Unidade Universitária de Ciência Exatas e Tecnológicas de Anápolis. 3 Docente do curso em Engenharia Agrícola, Unidade Universitária de Ciência Exatas e INTRODUÇÃO Tecnológicas de Anápolis, Anápolis, GO. A pulverização é um processo mecânico de geração de um grande número de pequenas partículas (gotas) de uma calda (mistura, suspensão ou diluição), e a aplicação é o processo de se colocar o produto químico pulverizado no alvo (CHRISTOFOLETTI, 1999). A qualidade de uma aplicação de agrotóxicos pode ser analisada pela deposição, cobertura, deriva e eficácia do controle desejado. Porém, diversos fatores podem interferir nesse processo e o tamanho das gotas utilizadas é de fundamental importância para garantir a eficiência, ou para causar o fracasso da aplicação. Se as gotas são pequenas, conseguem-se maior cobertura superficial e melhor uniformidade de distribuição da calda, mas elas podem evaporar, em altas temperaturas e baixa umidade relativa, ou ser levadas pela corrente de ar. Se são gotas grandes, podem escorrer da superfície da folha, antes mesmo de o produto ser absorvido pelo alvo (BAESSO et al., 2014). Pirenópolis Goiás Brasil 20 a 22 de outubro de 2015

2 O início da manhã, o final da tarde e à noite são períodos onde a umidade relativa é maior e a temperatura é menor, sendo considerados mais adequados para as aplicações. Do ponto de vista prático, é possível e recomendável a utilização de gotas finas nestes horários. Porém, é necessário um monitoramento das condições ambientais com o passar das horas do dia, pois no caso de haver um aumento considerável da temperatura (com redução da umidade relativa), o padrão de gotas precisa ser mudado (passando-se a usar gotas maiores). Neste caso, o volume de aplicação deve ser aumentado, para não haver efeito negativo na cobertura dos alvos (ANTUNIASSI, 2005). Em determinadas condições climáticas o uso de adjuvantes é de fundamental importância. Wolf (2000) e Sumner (1997) relataram que a adição de adjuvantes à calda de pulverização pode alterar o diâmetro das gotas pulverizadas, reduzindo o risco potencial de deriva. No entanto, Wolf e Gardisser (2003), avaliando a influência da adição de adjuvantes à calda de pulverização em aplicações aéreas, concluíram que alguns produtos apresentaram ação antideriva, enquanto outros aumentaram o risco potencial de deriva. Diante da importância da influência do horário do dia na qualidade de aplicação de agrotóxicos, será conduzida esta pesquisa. OBJETIVO(S) Avaliar o espectro de gotas e a deposição de calda de pulverização com uso de adjuvante e de pontas de pulverização em diferentes condições ambientais. METODOLOGIA Os ensaios foram realizados no Laboratório de Engenharia Agrícola da Universidade Estadual de Goiás e na área livre do Campus da Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas, Anápolis GO. As pontas utilizadas foram dos modelos AVI e CVI , cor verde, de jato plano tipo leque. De acordo com o fabricante, as pontas AVI e CVI fornecem vazões de 0,60; 0,66 e 0,69 L m -1 quando utilizadas pressões de 310, 379 e 414 kpa, respectivamente. Foi empregado o delineamento inteiramente casualizado, em parcela subdividida com esquema fatorial na parcela 2 x 2 x 3 com três repetições. Os tratamentos foram constituídos por duas pontas (AVI e CVI ), dois tipos de calda de pulverização (com Break Thru e

3 sem Break Trru) e três horários de aplicação (8:00-8:40; 12:00-12:40 e 16:00-16:40). A pressão utilizada para todas as aplicações foi de 60 psi. Foram avaliadas as seguintes características: Determinação do espectro de gotas e deposição da calda de pulverização. Para a aplicação da calda foi utilizado um pulverizador costal de CO2 com reservatório de 2L para calda. A calda com adjuvante foi preparada com 1,6g L -1 de corante alimentício azul brilhante (Corante Azul FCF, Duas Rodas Industrial) e 1ml L -1 de adjuvante (Break Thru), já a calda sem adjuvante foi preparada apenas com o corante alimentício azul brilhante (Corante Azul FCF, Duas Rodas Industrial) com concentração de 1,6g L -1. Para cada coleta foi colocada uma etiqueta de papel hidrossensível (SUMNER e SUMNER, 1999; WOLF e FROGBERG, 2002) e uma placa de vidro de 76 x 26 mm (BAUER e RAETANO, 2000), ambos situadas à 0,50 m de altura em relação ao bico de aplicação. O pulverizador costal de CO2 passou com velocidade aproximada de 0,72m s -1 (essa velocidade foi calculada a partir da recomendação de velocidade de aplicação das pontas, 5 Km h -1 ) sobre a etiqueta de papel hidrossensível à 0,50 m do bico e efetuou a aplicação, em seguida essa etiqueta foi recolhida, guardada em um envelope e levada para o laboratório. Em laboratório foram analisadas as seguintes características, através do programa CIR (Conteo y tipification de impactos de pulverización): 1. Dv0,5 diâmetro de gota tal que 50% do volume do líquido pulverizado é constituído de gotas de tamanho menor que esse valor, também conhecido como diâmetro da mediana volumétrica (DMV); 2. AR amplitude relativa, relação entre a diferença entre o Dv0,9 (Diâmetro de gota que constitui 90% do volume do líquido pulverizado) e Dv0,1 (Diâmetro de gota que constitui 10% do volume do líquido pulverizado) pelo DMV. AR=(DV0,9 DV0,1)/DV0,5; e, 3. Cobertura. Para a análise de deposição de calda de pulverização, foi feita a quantificação de um traçador, adicionado à calda. Para isso, a solução traçadora adicionada à calda foi constituída do corante alimentício azul brilhante (Corante Azul FCF, Duas Rodas Industrial) catalogado Pirenópolis Goiás Brasil 20 a 22 de outubro de 2015

4 internacionalmente pela Food, Drug&Cosmetic como FD&C Blue n 1, na proporção de 1,6 g L - 1, conforme metodologia descrita por Palladini et al., O pulverizador costal de CO2 aplicou a calda a 0,50m do solo sobre uma placa de vidro (0,10m x 0,10m x 0,002m). Foi aguardado um minuto para secagem e melhor fixação do traçante nas placas de vidro, em seguida esta placa foi colocada em um saco plástico (0,20m x 0,35m) e levada para o laboratório. Durante as coletas de aplicação foram monitorados a velocidade do vento, temperatura e umidade relativa do ar através do Termo-higro-anemometro digital portátil. No laboratório, as placas de vidro de 0,10m x 0,10m x 0,002m foram lavadas com 50 ml de água destilada em saco de polietileno, por 30 segundos com agitações leves. Posteriormente, foi determinada a absorbância da água de lavagem, em espectrofotômetro no comprimento de onda de 630 nm, realizado em triplicatas. Os dados obtidos de absorbância foram utilizados para cálculo de retorno da concentração de traçante nas placas. Para a determinação de concentração do traçante via espectrofotômetria, foi utilizado a curva de calibração encontrada por CARVALHO (2014) para o intervalo de absorbância de 0 a 0,04. Foi realizada a análise de variância e o teste de Tukey, a 5% de probabilidade para comparação das médias dos tratamentos utilizando o software Sisvar 5.3 (FERREIRA, 2005). RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados da análise de variância para os dois tipos de pontas em relação aos três horários de aplicação e os dois tipos de calda estão apresentados na Tabela 1. Tabela 1. Resumo da análise de variância oriunda dos valores médios do diâmetro da mediana volumétrica das gotas (DMV), diâmetro da mediana numérica das gotas (DMN), amplitude relativa (AR), área de cobertura alcançada nas etiquetas hidrossensíveis (AC) e concentração de corante em mg L -1 (C) coletados em diferentes horários do dia. Causa de Variação G.L. Quadrado Médio DMV DMN AR AC C Ponta (P) ,901 ns 156,125 ns 0,043 ns 1,284 ns 0, ns Calda (C) ,562 ** 8036,824 * 0,087 ns 21,778 ** 0, ns P*C 1 255,307 ns 485,394 ns 0,026 ns 2,250 ns 0, ns

5 Erro ,402 ns 1517,212 ns 0,058 ns 1,462 ns 0, ns Hora (H) ,199 ** 6063,445 ** 0,042 ns 24,225 ** 0,00016 ** H*P ,219 ns 128,974 ns 0,022 ns 18,287 * 0, ns H*C ,204 * 4109,149 * 0,101 ns 3,708 ns 0, * H*P*C 2 500,534 ns 629,659 ns 0,036 ns 0,833 ns 0, ns Erro ,948 ns 851,437 ns 0,042 ns 3,285 ns 0, ns Total CV(%) 1-14,51 37,19 22,08 8,79 24,85 CV(%) 2-17,01 27,86 18,71 13,17 31,14 G.L. Graus de Liberdade; **Significativo a 1% de probabilidade; * Significativo a 5% de probabilidade; ns - não significativo pelo teste F. Para a variável Calda (C), verificou-se diferença significativa a 1% de probabilidade para o diâmetro da mediana volumétrica das gotas (DMV) e área de cobertura alcançada nas etiquetas hidrossensíveis (AC). Ainda para a variável Calda (C), foi verificada diferença significativa a 5% de probabilidade para o diâmetro da mediana numérica das gotas (DMN). Para a variável Hora (H), verificou-se diferença significativa a 1% de probabilidade para o diâmetro da mediana volumétrica das gotas (DMV), diâmetro da mediana numérica das gotas (DMN), área de cobertura alcançada nas etiquetas hidrossensíveis (AC) e concentração de corante (C). Com isso, pode-se verificar diferença significativa a 5% de probabilidade para a interação H*C em relação ao diâmetro da mediana volumétrica das gotas (DMV), diâmetro da mediana numérica das gotas (DMN) e concentração de corante (C). A Tabela 2 apresenta os valores médios em micrômetros (µm) para diâmetro da mediana volumétrica das gotas (DMV) aplicadas em diferentes horários do dia para interação calda x hora. Observou-se que, a calda com adjuvante obteve diâmetro da mediana volumétrica das gotas (DMV) maior que a calda sem adjuvante sendo que, houve diferença significativa para ambas às caldas em relação a todos os horários de aplicação. Estes resultados corroboram com dados encontrados por Wolf (2000) e Sumner (1997) onde verificaram que a adição de adjuvantes à calda de pulverização pode alterar o diâmetro das gotas pulverizadas, reduzindo o risco potencial de deriva. Porém, o Pirenópolis Goiás Brasil 20 a 22 de outubro de 2015

6 aumento do tamanho da gota pode oferecer risco à segurança na aplicação, principalmente quando se trata de escorrimento (CARVALHO, 2014). Tabela 2. Valores médios em micrômetros (µm) para diâmetro da mediana volumétrica das gotas (DMV) aplicadas em diferentes horários do dia para interação calda x hora. Calda Horário de Aplicação 8:00-8:40 12:00-12:40 16:00-16:40 Com Adjuvante 387,5 Aa 273,3 Ab 295,6 Ab Sem Adjuvante 232,9 Ba 211,4 Ba 217,5 Ba Médias 310,3 242,4 256,5 Médias seguidas pela mesma letra maiúscula na coluna e minúscula na linha, não diferem estatisticamente entre si, pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. Em relação aos horários de aplicação observou-se que, apenas o horário de 8:00-8:40 apresentou diferença significativa quando relacionado a calda com adjuvante, além disso, este horário apresentou o maior valor médio em micrômetros (µm) para diâmetro da mediana volumétrica das gotas (DMV). Este resultado pode ser justificado pelo fato do horário das 8:00 8:40 ter apresentado valores médios de temperatura de 26,59ºC, umidade relativa do ar de 43,17% e velocidade do vento de 10,45 Km h -1 durante o período de aplicação. Os valores citados anteriormente estão próximos das condições ideais de aplicação de agrotóxicos propostos por Antuniassi, (2005), o que justifica o maior valor médio em micrômetros (µm) para diâmetro da mediana volumétrica das gotas (DMV) quando a calda possuía adjuvante. Segundo Antuniassi, (2005) as condições ideais de temperatura no momento da aplicação devem ser inferiores a 30ºC, a umidade relativa do ar superior a 50% e a velocidade do vento deve estar na faixa de 3 a 10 Km h -1. A Tabela 3 apresenta os valores médios em micrômetros (µm) para diâmetro da mediana numérica das gotas (DMN) aplicadas em diferentes horários do dia para interação calda x hora. Os valores de DMN encontrados para o uso da calda sem adjuvante apresentaram valores inferiores a 100µm para todos os horários de aplicação, assim como, a calda com adjuvante apresentou o mesmo comportamento para o horário de 12:00-12:40. Segundo MURPHY et al. (2000) e WOLF e FROHBERG (2002) gotas menores que 100µm apresentam alta susceptibilidade à deriva. A calda com adjuvante apresentou o maior valor de DMN para o horário de aplicação de 8:00 8:40, sendo este horário o que propicia a aplicação mais segura nas dadas condições climáticas, apresentando

7 assim, menor densidade de gotas sobre o alvo, menor deriva conforme Cross et al. (2001) analisando estas características para situação similar. Portanto a adição de adjuvante alterou o padrão das gotas pulverizadas, corroborando com trabalho realizado por Azevedo (2001). Tabela 3. Valores médios em micrômetros (µm) para diâmetro da mediana numérica das gotas (DMN) aplicadas a diferentes horários do dia para interação calda x hora. Calda Pirenópolis Goiás Brasil 20 a 22 de outubro de 2015 Horário de Aplicação 8:00-8:40 12:00-12:40 16:00-16:40 Com Adjuvante 166,52 Aa 90,70 Ab 101,83 Ab Sem Adjuvante 94,06 Ba 85,30 Aa 90,04 Aa Médias 130,29 88,00 95,94 Médias seguidas pela mesma letra maiúscula na coluna e minúscula na linha, não diferem estatisticamente entre si, pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. Para os valores médios percentuais de concentração (C) (Tabela 4), houve diferença significativa para a calda com e sem adjuvante apenas no horário de 12:00-12:40, sendo que, a calda com adjuvante apresentou maior média de concentração, comprovando que nas condições climáticas no momento das coletas, onde as médias de temperatura, velocidade do vento e umidade relativa do ar foram 32ºC, 5,88 Km h -1 e 41,7%, respectivamente, o uso de adjuvante foi de fundamental importância para minimizar as perdas por deriva, uma vez que, as condições climáticas não foram as recomendadas para a aplicação de agrotóxicos. Segundo Cunha e Peres (2010), os adjuvantes atuam de maneira diferente entre si, promovendo melhoras no molhamento, na aderência, no espalhamento, na redução de espuma e na dispersão da calda de pulverização. As maiores médias percentuais para concentração (C), foram observadas no horário das 8:00 às 8:40, para ambas as caldas, diferindo dos demais horários. Este resultado pode ser justificado pelo fato do horário das 8:00 8:40 ter apresentado valores médios de temperatura, umidade relativa do ar e velocidade do vento de 26,6ºC, 43,2% e 10,4 Km h -1 respectivamente, durante o período de aplicação. Os valores citados anteriormente estão próximos das condições ideais de aplicação de agrotóxicos propostos por Antuniassi (2005), o que justifica o maior valor médio em percentual para concentração (C). Tabela 4. Valores médios em mg L -1 para concentração (C) aplicadas a diferentes horários do dia

8 para interação Calda x Hora. Calda Horário de Aplicação 8:00-8:40 12:00-12:40 16:00-16:40 Com Adjuvante 0,014 Aa 0,0124 Aab 0,00745 Ab Sem Adjuvante 0,0156 Aa 0,0067 Bb 0,0082 Ab Médias 0,0148 0, , Médias seguidas pela mesma letra maiúscula na coluna e minúscula na linha, não diferem estatisticamente entre si, pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. Em relação à tabela 5, pode-se observar que não houve diferença significativa para a área de cobertura (AC) nos diferentes horários do dia, entretanto no horário das 16:00-16:40 observa-se que a ponta com indução de ar obteve maior média de área de cobertura (AC), mostrando-se mais eficiente na aplicação para as condições climáticas do local, onde foram observados valores médios de temperatura, umidade relativa do ar e velocidade do vento de 27,38ºC, 48,33% e 4,25 Km h -1 respectivamente, durante o período de aplicação. De acordo com Santos (2005), a umidade relativa do ar mínima ideal para aplicação de agrotóxicos é de 55 %, e no presente experimento foi observado um valor inferior a faixa ideal, o que pode explicar a maior área de cobertura (AC) alcançada pela ponta com indução de ar para o referido horário. Tabela 5. Valores médios percentuais para área de cobertura (A.C.) aplicadas a diferentes horários do dia para interação Ponta x Hora. Horário de Aplicação Ponta 8:00-8:40 12:00-12:40 16:00-16:40 Sem Indução 12,47Aa 14,62Aa 13,63Ba Com Indução 12,21Aa 12,9Aa 16,73Aa Médias 12,34 13,76 15,18 Médias seguidas pela mesma letra maiúscula na coluna e minúscula na linha, não diferem estatisticamente entre si, pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. No caso de aplicações em condições climáticas menos favoráveis, o uso de gotas muito finas deve ser evitado, devido ao grande risco de perdas e deriva, devendo ser dada preferência às pontas que produzam gotas finas ou médias (ANTUNIASSI, 2005). De acordo com Cunha e Peres (2010), as pontas com indução de ar possuem sistema Venturi

9 que faz com que as gotas se tornem mais grossas, com bolhas de ar em seu interior, sendo mais indicadas para o valor umidade relativa do ar observado no horário de aplicação. CONSIDERAÇÕES FINAIS O uso de adjuvante proporcionou aumento no diâmetro da mediana volumétrica das gotas em todos os horários de aplicação e ainda proporcionou maior deposição no horário de 12:00 12:40h. AGRADECIMENTOS A CAPES pela concessão da bolsa e a UEG/UnUCET pela disponibilização da infraestrutura para realização da pesquisa. REFERÊNCIAS ANTUNIASSI, U. R. Qualidade em tecnologia de aplicação de defensivos. In: V CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 5, 2005, Salvador. Anais... Salvador, BA : Fundeagro, v.1. p.1-6. AZEVEDO, L. A. S.: Proteção integrada de plantas com fungicidas, São Paulo, p. BAESSO, M. M., TEIXEIRA, M. M., RUAS, A. A., BAESSO, R. C. E. Tecnologias de aplicação de agrotóxicos. Revista Ceres, Viçosa, v. 61, p , BAUER, F. C.; RAETANO, C. G. Assistência de ar na deposição e perdas de produtos fitossanitários em pulverizações na cultura da soja. Scientia Agricola, Piracicaba, v. 57, n. 2, p , CARVALHO, L. R. Influência de pontas de pulverização e estandes no espectro e deposição de calda na cultura do feijoeiro p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) Universidade Estadual de Goiás, Anápolis, CHRISTOFOLETTI, J.C. Considerações sobre a deriva nas pulverizações agrícolas e seu controle. São Paulo: Teejet South América, p. CROSS, J.V.; P.J WALKLATE; R.A. MURRAY; G.M. RICHARDSON: Spray deposits and losses in different sized apple trees from an axial fan orchard sprayer: 2. Effects of spray quality. Crop Pirenópolis Goiás Brasil 20 a 22 de outubro de 2015

10 Protection, v,20, p, , CUNHA, J. P. A., TEIXEIRA, M. M. VIEIERA, R. F., FERNANDES, H. C., COURY, J. R. Espectro de gotas de bicos de pulverização hidráulicos de jato plano e de jato cônico vazio. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.39, n.10, p , CUNHA, J. P. A.; PERES, T. C. M. Influência de pontas de pulverização e adjuvante no controle químico da ferrugem asiática da soja. Acta Scientiarum. Agronomy, Maringá, v. 32, n. 4, p , FERREIRA, D. F. Sisvar Análises estatísticas por meio do Sisvar para Windows. Lavras: Universidade Federal de Lavras, MURPHY, S.D.; P.C.H. MILLER; C.S. PARKIN: The effect of boom section and nozzle configuration on the risk of spray drift. J. Agric. Eng. Res., v. 75, p , PALLADINI, L. A.; RAETANO, C. G.; VELINI, E. D. Choice of tracers for the evaluation of spray deposits. Science agriculture. Piracicaba, v. 62, n. 5, p SANTOS, J. M. F. Aspectos críticos na aplicação de defensivos agrícolas. In: XIII REUNIÃO ITINERANTE DE FITOSSANIDADE DO INSTITUTO BIOLÓGICO, Anais, Registro/SP, nov Disponível em: <http://www.biologico.sp.gov.br/rifib/xiii%20rifib/santos.pdf>. Acesso em: 6 jul. de SUMNER, P. E. Reducing spray drift. Georgia: University of Georgia, p. (ENG97-005). SUMNER, P. E.; SUMNER, S. A. Comparison of new drift reduction nozzles. St. Joseph: ASAE, p. (ASAE Paper n ). WOLF, R. E. Strategies to reduce spray drift. Kansas: Kansas State University, p. (Application Technology Series). WOLF, R. E.; FROHBERG, D. D. Comparison of drift for four drift-reducing flat-fan nozzle types measured in a wind tunnel and evaluated using dropletscan software. St. Joseph: ASAE, p. (ASAE Paper n ). WOLF, R. E.; GARDISSER, D. R. Field comparisons for drift reducing/deposition aid tank mixes. In: ASAE/NAAA Technical Meeting, 37, 2003, St. Joseph. Proceedings... St. Joseph: ASAE, Paper No. AA

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL Página 1 de 5 RELATÓRIO DE ANÁLISE CARACTERIZAÇÃO DE GOTAS PRODUZIDAS POR BICO DE PULVERIZAÇÃO EM DIFERENTES

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO Elivânia Maria Sousa NASCIMENTO (1); Francisco Alexandre de Lima SALES (2); Weberte Alan SOMBRA (3); Igor Martins

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO Patrícia da Silva Simão 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 ; André Luiz Ribas de Oliveira

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO E. D. ARAÚJO 1 ; A. M. A. AVILEZ 1 ; J. M. SANTOS 1 ; E. C. MANTOVANI 2 1 Estudante de Mestrado, Universidade Federal

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1

AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1 AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1 FRAGA JUNIOR, E. F. 2 ; VALLE JUNIOR, R.F. 3 ; FERREIRA JUNIOR, J. A. 4 ; CASSIA, M. T. 4 ; BONTEMPO, A.R. 4 ; FERREIRA,

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: tecnologia de aplicação, controle químico, Phakopsora pachyhizi.

PALAVRAS-CHAVE: tecnologia de aplicação, controle químico, Phakopsora pachyhizi. DEPOSIÇÃO DE CALDA EM DIFERENTES POSIÇÕES DA PLANTA E PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA (Glycine max (L.) Merril) COM O USO DE BARRA AUXILIAR DE PULVERIZAÇÃO Guilherme Sousa Alves 1, João Paulo Arantes

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

RENDIMENTO OPERACIONAL DE UM PULVERIZADOR DE BARRAS EM DIFERENTES PRESSÕES DE SERVIÇO E VELOCIDADE

RENDIMENTO OPERACIONAL DE UM PULVERIZADOR DE BARRAS EM DIFERENTES PRESSÕES DE SERVIÇO E VELOCIDADE RENDIMENTO OPERACIONAL DE UM PULVERIZADOR DE BARRAS EM DIFERENTES PRESSÕES DE SERVIÇO E VELOCIDADE Kristhiano Chagas ¹, Francisco Castro Rocha Neto ¹, José de Oliveira Rodrigues ¹, Alex Favaro Nascimento

Leia mais

EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA

EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA Jaqueline CARVALHO 1, Leandro L. MARCUZZO 2 1 Bolsista PIBITI/CNPq; 2 Orientador IFC-Campus Rio do Sul). Introdução A cebola (Allium cepa L.) é

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BIULCHI, P.A. 2 ; VASCONCELOS, R.F. 3 1 Estudante de Agronomia do CEFET Uberaba MG, bolsista FAPEMIG, e-mail:

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

COMPARAÇÃO DA TEMPERATURA DE AREIA LAVADA E DE LATOSSOLO VERMELHO

COMPARAÇÃO DA TEMPERATURA DE AREIA LAVADA E DE LATOSSOLO VERMELHO COMPARAÇÃO DA TEMPERATURA DE AREIA LAVADA E DE LATOSSOLO VERMELHO Jaqueline Ferreira Vieira Bessa 1 ; Anailda Angélica Lana Drumond 2 ; Eduardo Barbosa Costa 3 1 Graduanda em Engenharia Agrícola, Universidade

Leia mais

Efeito da adição de glicerina como adjuvante à calda de pulverização em aplicação terrestre

Efeito da adição de glicerina como adjuvante à calda de pulverização em aplicação terrestre Resumo A aplicação de produtos fitossanitários é uma prática que apresenta deficiências como baixa eficácia, contaminação ambiental, perdas significativas com deriva, escorrimento superficial e evaporação.

Leia mais

QUALIDADE DA APLICAÇÃO AÉREA LÍQUIDA COM UMA AERONAVE AGRÍCOLA EXPERIMENTAL NA CULTURA DA SOJA (Glycine Max L.)

QUALIDADE DA APLICAÇÃO AÉREA LÍQUIDA COM UMA AERONAVE AGRÍCOLA EXPERIMENTAL NA CULTURA DA SOJA (Glycine Max L.) QUALIDADE DA APLICAÇÃO AÉREA LÍQUIDA COM UMA AERONAVE AGRÍCOLA EXPERIMENTAL NA CULTURA DA SOJA (Glycine Max L.) ELTON F. DOS REIS 1, DANIEL M. DE QUEIROZ 2, JOÃO P. A. R. DA CUNHA 3, SUELI M. F. ALVES

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE GOTAS DE UM PULVERIZADOR HIDRÁULICO DE BARRAS DE BAIXO CUSTO

DISTRIBUIÇÃO DE GOTAS DE UM PULVERIZADOR HIDRÁULICO DE BARRAS DE BAIXO CUSTO ROMEIRO, B. P.; FRANÇA, J. A. L.; GONÇALVES, W. S.; BENETT, C. G. S. Distribuição de gotas de um pulverizador hidráulico de barras de baixo custo. Revista de Agricultura Neotropical, Cassilândia-MS, v.

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

Distribuição volumétrica e espectro de gotas de pontas de pulverização de jato cônico vazio DDC2 novas e usadas

Distribuição volumétrica e espectro de gotas de pontas de pulverização de jato cônico vazio DDC2 novas e usadas Revista Agro@mbiente On-line, v., n., p. -, setembro-dezembro, Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal de Roraima, Boa Vista, RR www.agroambiente.ufrr.br DOI:./Z - Artigo Científico ISSN - Distribuição

Leia mais

Interação entre pressão e tamanho de gota por instrumentação eletrônica em pulverizador pressurizado por CO 2

Interação entre pressão e tamanho de gota por instrumentação eletrônica em pulverizador pressurizado por CO 2 Interação entre pressão e tamanho de gota por instrumentação eletrônica em pulverizador pressurizado por CO 2 1 Raul Rodolfo Francischetti Gabriel 2, Fábio Henrique Rojo Baio 2 ABSTRACT Interaction between

Leia mais

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Pesquisa em laboratórios na Embrapa Anos 70 Anos 80 Anos 90 Século 21 Precisão em Laboratórios:

Leia mais

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044 Página 1044 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO FUNGICIDA TIOFANATO METÍLICO-CIPROCONAZOLE NO CONTROLE DA MANCHA DE RAMULÁRIA (RAMULARIA AREOLA) EM ALGODOEIRO Luiz Gonzaga Chitarra (Embrapa Algodão / chitarra@cnpa.embrapa.br),

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BOTUCATU FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BOTUCATU FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DISCIPLINA: Estatística Experimental CURSO: Mestrado ( X ) Doutorado ( X ) DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL:

Leia mais

PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE

PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE Carla M. de MORAES 1

Leia mais

REDUÇÃO DE DERIVA DE HERBICIDAS COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO

REDUÇÃO DE DERIVA DE HERBICIDAS COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO REDUÇÃO DE DERIVA DE HERBICIDAS COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO Taffaréu Oliveira Agostineti (PIBIC/CNPq), Marco Antonio Gandolfo (Orientador), e-mail: agostineti@outlook.com Universidade

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO Empresa Contratante: GOTA Indústria e Comércio Ltda. Execução: - CNPJ 7.839.686/1-58 EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DE HERBICIDAS E VOLUME DE CALDA APLICADA POR VIA AÉREA

Leia mais

EFEITO DE CAULIM E ÓLEOS VEGETAIS SOBRE MICROTHECA PUNCTIGERA (ACHARD) (COLEPTERA: CHRYSOMELIDAE) EM COUVE CHINESA (BRASSICA PEKINENSIS)

EFEITO DE CAULIM E ÓLEOS VEGETAIS SOBRE MICROTHECA PUNCTIGERA (ACHARD) (COLEPTERA: CHRYSOMELIDAE) EM COUVE CHINESA (BRASSICA PEKINENSIS) EFEITO DE CAULIM E ÓLEOS VEGETAIS SOBRE MICROTHECA PUNCTIGERA (ACHARD) (COLEPTERA: CHRYSOMELIDAE) EM COUVE CHINESA (BRASSICA PEKINENSIS) Nathalie Kristine Prado Maluta (PIBIC/CNPq-UEL), Maurício Ursi Ventura

Leia mais

EFEITO DO ÓLEO DE NIM INDIANO E EXTRATOS AQUOSOS DE FOLHAS DE CINAMOMO E DE NIM INDIANO SOBRE O PULGÃO BRANCO DO ALGODOEIRO (Aphis gossypii).

EFEITO DO ÓLEO DE NIM INDIANO E EXTRATOS AQUOSOS DE FOLHAS DE CINAMOMO E DE NIM INDIANO SOBRE O PULGÃO BRANCO DO ALGODOEIRO (Aphis gossypii). EFEITO DO ÓLEO DE NIM INDIANO E EXTRATOS AQUOSOS DE FOLHAS DE CINAMOMO E DE NIM INDIANO SOBRE O PULGÃO BRANCO DO ALGODOEIRO (Aphis gossypii). Fabio S. Takatsuka 1 ; C. Czepak 2 (1) Escola de Agronomia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 Taise Pacheco Paganini 2 ; Janaina Emerim de Souza 3 ; Naracelis Poletto

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

Influência de pontas de pulverização e estandes no espectro e deposição de calda na cultura do feijoeiro

Influência de pontas de pulverização e estandes no espectro e deposição de calda na cultura do feijoeiro UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS MESTRADO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA AGRÍCOLA Influência de pontas de pulverização e estandes no espectro e deposição

Leia mais

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO EM FUNÇÃO DA PRESSÃO DE TRABALHO E ALTURA DA BARRA

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO EM FUNÇÃO DA PRESSÃO DE TRABALHO E ALTURA DA BARRA Original Article 5 UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO EM FUNÇÃO DA PRESSÃO DE TRABALHO E ALTURA DA BARRA VOLUMETRIC DISTRIBUTION UNIFORMITY OF SPRAY NOZZLES UNDER DIFFERENT

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO DO PERCEVEJO Piezodorus guildinii (Westw.) NA CULTURA DA SOJA

CONTROLE QUÍMICO DO PERCEVEJO Piezodorus guildinii (Westw.) NA CULTURA DA SOJA CONTROLE QUÍMICO DO PERCEVEJO Piezodorus guildinii (Westw.) NA CULTURA DA SOJA Fernando Alves de Albuquerque Luciana Maestro Borges Carlos Alberto Bastos Andrade RESUMO: O presente ensaio foi realizado

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA DA CALDA NAS CARACTERÍSTICAS DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA DA CALDA NAS CARACTERÍSTICAS DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA Revista Agrotecnologia, Anápolis, GO, PrP/UEG INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA DA CALDA NAS CARACTERÍSTICAS DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA Hélio de Souza Queiroz 1, Elton Fialho dos Reis 2, Emerson Wruck

Leia mais

11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF

11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF 11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF Avaliação de pontas de pulverização utilizadas em diferentes empresas florestais na aplicação do herbicida pré-emergente Fordor 750 WG. Eng. Agro.MS.João Alexandre Galon R T

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS Resumo Danilo Franco 1 Minoru Yasuda 2 Rafael Curimbaba Ferreira 3 Leandro Aparecido Fukuda 4 Rafael Trombin Ferracini 5 O presente

Leia mais

Autores: considerado como não seletivo, atuando apenas em pósemergência

Autores: considerado como não seletivo, atuando apenas em pósemergência UEM - Universidad e Estadual de Maringá DAG - Departamento de Agronomia PGA - Programa de Pós-graduação em Agronomia ISSN 2 238-2 879 Vol. 02 Número - 001 Jul ho 2013 INFORME TÉCNICO PGA-UEM Programa de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata).

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). Rezanio Martins Carvalho (bolsista do PIBIC/CNPq), Fabiano André Petter

Leia mais

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO Leonardo Campos Faria (1), Paulo César de Lima (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Waldênia de Melo Moura (2), Edimaldo Garcia Júnior

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ESTUDO DE LIGAÇOES DE PEÇAS DE BAMBU REFORÇADAS COM GRAUTE Josiane Elidia de Faria 1,4 ; José Dafico Alves 2,4 ; Alba Pollyana Silva 3,4. 1 Bolsista PIBIC/CNPq 2 Pesquisadora - Orientadora 3 Voluntário

Leia mais

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Página 1650 COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Marcelo Abdon Lira 1 ; Máira Milani 2 ; Hélio Wilson Lemos de Carvalho 3 ; João

Leia mais

Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2

Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2 ALTURA DE PLÂNTULAS E NÚMERO DE PARES DE FOLHAS DE MUDAS DE CAFEEIRO Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2 1 Estudante do curso de agronomia, Bolsista PET, Universidade Estadual de Mato Grosso do

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 AVALIAÇÃO DA MORFOLOGIA DOS GRÂNULOS DE

Leia mais

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Gabriel Avelar LAGE 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO²; Iul Brinner Expedito de SOUZA³; Marcus Vinicius SANTOS 3 ; Guilherme

Leia mais

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Júnio Oliveira Ferreira (1),

Leia mais

PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS

PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS Fred Carvalho Bezerra 1 ; Tiago da Costa Silva²; Fernando Vasconcellos Meyer Ferreira²; Daniel Barbosa Araújo 3 1 Eng.

Leia mais

QUANTIDADE DE TRANSPOSIÇÃO DO LÍQUIDO PULVERIZADO SOBRE PALHA DE CANA-DE-AÇÚCAR COM PONTAS DE PULVERIZAÇÃO TIPO LEQUE E CONE 1

QUANTIDADE DE TRANSPOSIÇÃO DO LÍQUIDO PULVERIZADO SOBRE PALHA DE CANA-DE-AÇÚCAR COM PONTAS DE PULVERIZAÇÃO TIPO LEQUE E CONE 1 Quantidade de transposição do líquido pulverizado sobre palha... 211 QUANTIDADE DE TRANSPOSIÇÃO DO LÍQUIDO PULVERIZADO SOBRE PALHA DE CANA-DE-AÇÚCAR COM PONTAS DE PULVERIZAÇÃO TIPO LEQUE E CONE 1 Transposition

Leia mais

ISSN:

ISSN: 11 ISSN: 2316-4093 Comparação de pulverização de baixa (60 L ha -1 ) com alta vazão (170 L ha -1 ) em pulverização de barras Marciane Braun 1, Tania Claudia Pintro 1, Vanderlei Artur Bier 1, Marcio Furlan

Leia mais

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Prof. Dr. João Paulo Rodrigues da Cunha jpcunha@iciag.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Sumário A aviação agrícola

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP

Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP Lêda Valéria Ramos Santana Prof. Dra. Cláudia Helena Dezotti Prof. Dra. Tatijana Stosic Evelyn Souza Chagas Hérica Santos da Silva Introdução

Leia mais

PERDAS NA COLHEITA MECANIZADA DA SOJA NO TRIÂNGULO MINEIRO LOSSES IN THE AUTOMATED CROP OF THE SOY IN THE MINING TRIANGLE

PERDAS NA COLHEITA MECANIZADA DA SOJA NO TRIÂNGULO MINEIRO LOSSES IN THE AUTOMATED CROP OF THE SOY IN THE MINING TRIANGLE 89 PERDAS NA COLHEITA MECANIZADA DA SOJA NO TRIÂNGULO MINEIRO CARVALHO FILHO, Alberto 1 CORTEZ, Jorge Wilson 2 SILVA, Rouverson Pereira da 3 ZAGO, Marcelo de Souza 4 RESUMO: A soja (Glicine max) é muito

Leia mais

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade

Leia mais

PROJETO DE SEDIMENTADOR CONTÍNUO A PARTIR DE ENSAIOS DE PROVETA COM SUSPENSÃO DE CARBONATO DE CÁLCIO UTILIZANDO O MÉTODO DE TALMADGE E FITCH

PROJETO DE SEDIMENTADOR CONTÍNUO A PARTIR DE ENSAIOS DE PROVETA COM SUSPENSÃO DE CARBONATO DE CÁLCIO UTILIZANDO O MÉTODO DE TALMADGE E FITCH PROJETO DE SEDIMENTADOR CONTÍNUO A PARTIR DE ENSAIOS DE PROVETA COM SUSPENSÃO DE CARBONATO DE CÁLCIO UTILIZANDO O MÉTODO DE TALMADGE E FITCH Guimarães, L. de M. J. (1); Oliveira, L. G. (Orientador) Universidade

Leia mais

Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico

Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Curso Experimental de Transformações Químicas 2010 Prof. Dr. Anselmo (adaptado, Agustina) Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico 1 Objetivo Nesta

Leia mais

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 3 (1): 1-, 1 UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1 João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha e Renato Adriane

Leia mais

Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha

Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha Alberto Cargnelutti Filho 1 Cláudia Burin 2 Marcos Toebe 3 André Luis Fick 2 Giovani Facco 4 1 - Introdução O nabo forrageiro (Raphanus

Leia mais

PAPEL HIDROSSENSÍVEL E ALTERNATIVO FOTOGRÁFICO EM ENSAIOS DE DEPOSIÇÃO DE GOTAS. F. H. R. Baio * ; I. M. Scarpin; E. E. da Silva

PAPEL HIDROSSENSÍVEL E ALTERNATIVO FOTOGRÁFICO EM ENSAIOS DE DEPOSIÇÃO DE GOTAS. F. H. R. Baio * ; I. M. Scarpin; E. E. da Silva PAPEL HIDROSSENSÍVEL E ALTERNATIVO FOTOGRÁFICO EM ENSAIOS DE DEPOSIÇÃO DE GOTAS F. H. R. Baio * ; I. M. Scarpin; E. E. da Silva UFMS Univ Federal de Mato Grosso do Sul, Campus Universitário de Chapadão

Leia mais

Pontas de pulverização e eletrificação das gotas na deposição da calda em plantas de crisântemo

Pontas de pulverização e eletrificação das gotas na deposição da calda em plantas de crisântemo Pontas de pulverização e eletrificação das gotas 479 Pontas de pulverização e eletrificação das gotas na deposição da calda em plantas de crisântemo Marina Elisei Serra (1), Aldemir Chaim (2) e Carlos

Leia mais

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO Rodrigo de Rezende Borges Rosa 1 ; Delvio Sandri 2 1 Eng. Agrícola, Discente do Mestrando Engenharia

Leia mais

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT RELATÓRIO TÉCNICO ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT Executora: RURAL TÉCNICA EXPERIMENTOS AGRONÔMICOS LTDA Av. Norte,

Leia mais

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Tubulações Prof. Vicente Luiz Scalon 1181 - Lab. Mecânica dos Fluidos Objetivo: Medida de perdas de carga linear ao longo de tubos lisos e rugosos.

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA CARVALHO, MYCHELLE 1 ; VALLONE, HAROLDO SILVA 2 ; DIAS, FÁBIO PEREIRA

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS

1. INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS 1. INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS A metodologia conhecida como projeto de experimentos foi introduzida por Fischer em 1935 e inicialmente aplicada a experimentos de agricultura. Posteriormente,

Leia mais

ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP INTRODUÇÃO

ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP INTRODUÇÃO Página 985 ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP Luiz Henrique Carvalho 1 ; Nelson Machado da Silva 1 ; Julio Isao Kondo 1 ; Edivaldo Cia 1 ; Ederaldo José Chiavegato

Leia mais

Alternativas para o manejo adequado de percevejos

Alternativas para o manejo adequado de percevejos Alternativas para o manejo adequado de percevejos MSc. José Fernando Jurca Grigolli Pesquisador Fitossanidade Fundação MS 1 O MONITORAMENTO E A IDENTIFICAÇÃO DAS PRAGAS INFLUENCIA DIRETAMENTE A EFICIÊNCIA

Leia mais

DELINEAMENTO FATORIAL. Profª. Sheila Regina Oro

DELINEAMENTO FATORIAL. Profª. Sheila Regina Oro DELINEAMENTO FATORIAL Profª. Sheila Regina Oro Existem casos em que vários fatores devem ser estudados simultaneamente para que possam nos conduzir a resultados de interesse. Experimentos fatoriais: são

Leia mais

ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007

ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007 ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007 Francislene Angelotti 1, Tamara Trindade de Carvalho Santos 1, Junior

Leia mais

4. Reagentes e Metodologia Analítica

4. Reagentes e Metodologia Analítica 4. Reagentes e Metodologia Analítica 4.1. Reagente para os testes de oxidação Os reagentes P.A empregados durante os testes de oxidação foram: KCN (Merck) NaOH (Vetec) H 2 SO 4 (Vetec) H 2 O 2 (Peróxidos

Leia mais

Medidas de Dispersão 1

Medidas de Dispersão 1 Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Dispersão 1 Introdução Uma breve reflexão sobre as medidas de tendência central permite-nos concluir que elas não

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INTRODUÇÃO Os índices físicos determinados

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill)

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) Gleberson Guillen Piccinin 1, Lilian Gomes de Moraes

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SEMENTES DE MAMONA: TAMANHO, PESO, VOLUME E UMIDADE

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SEMENTES DE MAMONA: TAMANHO, PESO, VOLUME E UMIDADE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SEMENTES DE MAMONA: TAMANHO, PESO, VOLUME E UMIDADE Alberto Kazushi Nagaoka 1 Angela de Emília de Almeida Pinto 2 Pedro Castro Neto 3 Antônio Carlos Fraga 4 Afonso Lopes 5 José

Leia mais

ANÁLISE DA SEMEADORA PNEUMÁTICA E DISCOS HORIZONTAIS POR CAPABILIDADE DO PROCESSO

ANÁLISE DA SEMEADORA PNEUMÁTICA E DISCOS HORIZONTAIS POR CAPABILIDADE DO PROCESSO ANÁLISE DA SEMEADORA PNEUMÁTICA E DISCOS HORIZONTAIS POR CAPABILIDADE DO PROCESSO Jorge Wilson Cortez (1), Roberto Carlos Orlando (2), Cristiano Márcio Alves de Souza (1), Leidy Zulys Leyva Rafull (2),

Leia mais

DETECÇÃO QUALITATIVA DE ARGILAS PREJUDICIAIS DO GRUPO ESMECTITA EM AGREGADOS UTILIZANDO AZUL DE METILENO

DETECÇÃO QUALITATIVA DE ARGILAS PREJUDICIAIS DO GRUPO ESMECTITA EM AGREGADOS UTILIZANDO AZUL DE METILENO DETECÇÃO QUALITATIVA DE ARGILAS PREJUDICIAIS DO GRUPO ESMECTITA EM AGREGADOS UTILIZANDO AZUL DE METILENO C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2015 DESIGNAÇÃO - ARTERIS T- 330-07 (2011)¹

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DA SOJA EM FUNÇÃO DO MANEJO E TIPO DE COBERTURA DO SOLO

DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DA SOJA EM FUNÇÃO DO MANEJO E TIPO DE COBERTURA DO SOLO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DA SOJA EM FUNÇÃO DO MANEJO E TIPO DE COBERTURA DO SOLO Alberto Kazushi Nagaoka 1 Pedro Castro Neto 2 Antônio Carlos Fraga 3 Marcos Antonio Piccini 4 Saulo Philipe Sebastião

Leia mais

USO DE PRODUTOS ADJUVANTES EM APLICAÇÕES AÉREAS E TERRESTRES DE INSETICIDAS NO CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO 1

USO DE PRODUTOS ADJUVANTES EM APLICAÇÕES AÉREAS E TERRESTRES DE INSETICIDAS NO CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO 1 USO DE PRODUTOS ADJUVANTES EM APLICAÇÕES AÉREAS E TERRESTRES DE INSETICIDAS NO CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO 1 José Ednilson Miranda (Embrapa Algodão / miranda@cnpa.embrapa.br), Paulo Cesar Bettini

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE TOMATE Sweet Grape PRODUZIDO COM EFLUENTE DE ESGOTO TRATADO ENRIQUECIDO 1

CLASSIFICAÇÃO DE TOMATE Sweet Grape PRODUZIDO COM EFLUENTE DE ESGOTO TRATADO ENRIQUECIDO 1 CLASSIFICAÇÃO DE TOMATE Sweet Grape PRODUZIDO COM EFLUENTE DE ESGOTO TRATADO ENRIQUECIDO 1 Ananda Helena Nunes Cunha 2, Rafael Batista Ferreira 3, Delvio Sandri 4 RESUMO: O objetivo desse trabalho foi

Leia mais

Matiello, Paiva e Figueiredo EFEITO ISOLADO E COMBINADO DE TRIAZÓIS E ESTROBILURINAS NO CONTROLE DA FERRUGEM E DA CERCOSPORIOSE EM CAFEEIROS

Matiello, Paiva e Figueiredo EFEITO ISOLADO E COMBINADO DE TRIAZÓIS E ESTROBILURINAS NO CONTROLE DA FERRUGEM E DA CERCOSPORIOSE EM CAFEEIROS Matiello, Paiva e Figueiredo EFEITO ISOLADO E COMBINADO DE TRIAZÓIS E ESTROBILURINAS NO CONTROLE DA FERRUGEM E DA CERCOSPORIOSE EM CAFEEIROS Justificativas O uso de formulações de fungicidas triazois mais

Leia mais

NOME DO LABORATÓRIO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO

NOME DO LABORATÓRIO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO da Prova Prática QUESTÃO 1: Cargo: D-46 Técnico em Química Metrologia Química Esboce um certificado de calibração com as informações mínimas obrigatórias que nele devem estar contidas. Use o formato a

Leia mais

Influência de pontas de pulverização e adjuvante no controle químico da ferrugem asiática da soja

Influência de pontas de pulverização e adjuvante no controle químico da ferrugem asiática da soja DOI: 10.4025/actasciagron.v32i4.2502 Influência de pontas de pulverização e adjuvante no controle químico da ferrugem asiática da soja João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha * e Thiago Cintra Manssano Peres

Leia mais

Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro

Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro Substrates for Tomato Seedlings Production PEREIRA, Dercio Ceri. UNIOESTE, dcpereirasp@hotmail.com; COSTA, Luiz Antonio de Mendonça. UNIOESTE, lmendo@ig.com.br;

Leia mais

Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso.

Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso. Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso. Edson R. de Andrade Junior (Pequisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br) Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de herbicidas

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 16 POTENCIAL PRODUTIVO DE HÍBRIDOS DE MILHO EM DOIS NÍVEIS TECNOLÓGICOS Objetivo Avaliar o potencial produtivo de diversos híbridos de milho na segunda safra de 2015 em dois níveis de tecnologia em Lucas

Leia mais

5. Análise dos deslocamentos verticais

5. Análise dos deslocamentos verticais 5. Análise dos deslocamentos verticais Os deslocamentos verticais em aterros fundados em solos altamente compressíveis apresentam-se como uma das principais preocupações do engenheiro projetista. A busca

Leia mais

Coordenação de Engenharia de Alimentos Química Analítica - QA32A Professora: Ailey Ap. Coelho Tanamati MEDIDAS E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS

Coordenação de Engenharia de Alimentos Química Analítica - QA32A Professora: Ailey Ap. Coelho Tanamati MEDIDAS E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Coordenação de Engenharia de Alimentos - QA32A Professora: Ailey Ap. Coelho Tanamati MEDIDAS E ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Processo de determinar o valor, a quantidade, o grau ou a capacidade de uma grandeza

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Comparativo entre suínos castrados pelo método tradicional (castração cirúrgica ) e o método imunocastração. Palavras-chave: suínos imunocastrados, vacina anti-gnrh, castração cirúrgica.

Leia mais