Plano Diretor Estratégico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Diretor Estratégico"

Transcrição

1 Plano Diretor Estratégico

2 PARTE I Lógicas de produção e transformação do espaço urbano e o planejamento urbano

3 3 processos simultâneos de produção e transformação das cidades Adensamento Consolidação Expansão Porto Velho/RO Parcelamento, urbanização e edificação consolidados nas áreas centrais. Tendência ao adensamento e à transformação de usos. Parcelamento, urbanização e edificação em processo de consolidação, porém não necessariamente de modo coordenado. Parcelamento, urbanização e edificação inexistentes. Atividades rurais e ocupação espontânea, isolada e pontual de usos com finalidades urbanas. Adaptado de Eduardo Reese, Manta, Equador, 2010

4 São Paulo/SP A lógica do zoneamento

5 São Paulo/SP A lógica dos investimentos públicos em desenvolvimento urbano

6 PARTE II Plano Diretor Estratégico

7 Principais estratégias de desenvolvimento urbano e ordenamento territorial pretendido

8 Principais estratégias de desenvolvimento urbano e ordenamento territorial pretendido Organização do território em macroáreas, com objetivos de desenvolvimento urbano, estratégias, instrumentos e priorização dos investimentos por macroárea.

9 O que o Substitutivo mudou do PL 688/13: ajustes de denominação das macroáreas; criação de uma nova macroárea; divisão da macroárea de estruturação metropolitana em setores.

10 Principais estratégias de desenvolvimento urbano e ordenamento territorial pretendido Estruturação de eixos urbanísticos ao longo da rede de transporte público coletivo de média e alta capacidade: Adensamento demográfico onde tem oferta de transporte público coletivo. Condicionamento do adensamento à existência ou implantação da infraestrutura de transporte. Maiores coeficientes de aproveitamento combinados com cota de terreno por habitação (aumento da densidade demográfica). ZEIS ao longo dos corredores.

11 O que o Substitutivo mudou do PL 688/13: Retirada da autoaplicabilidade dos eixos na macroárea de estruturação metropolitana. Alteração de parâmetros. Alteração da área de influência.

12

13

14 Eixos de estruturação da transformação urbana O que o Substitutivo mudou do PL 688/13: quadras inteiramente contidas nas faixas entre 150 e 300m e nos raios entre 400 e 600m.

15 Eixos de estruturação da transformação urbana

16 Características de aproveitamento construtivo das áreas de influência dos Eixos de Estruturação da Transformação Urbana no PL 688/13

17 Características de aproveitamento construtivo das áreas de influência dos Eixos de Estruturação da Transformação Urbana no Substitutivo O que o Substitutivo mudou do PL 688/13: instituição de limite de altura máxima para edifícios fora do eixo.

18 Coeficiente de aproveitamento

19 Coeficiente de aproveitamento

20 Taxa de ocupação

21 Recuos

22 Gabarito de altura máxima

23 Taxa de permeabilidade Taxa de permeabilidade 30% Taxa de permeabilidade 15% Não permeável

24 Fachada ativa

25 Fachada ativa

26 Fruição pública

27 Cota parte

28 Cota parte

29 Exemplo cota parte edifício Copam Área de terreno: 6.006,35m² Área construída: m² Número de apartamentos: Número de lojas: 73 Número de vagas de garagem: 221 Número estimado de moradores: Cota parte: 5,17 m² / unidade

30 Exemplo cota parte edifício Louveira Área de terreno: 1.575m² Área construída: 5.400m² Número de apartamentos: 30 Número estimado de moradores: 105 Cota parte: 50,5 m² / unidade

31 Uso misto

32 Uso misto

33 Eixos de estruturação da transformação urbana

34 Principais estratégias de desenvolvimento urbano e ordenamento territorial pretendido Enfrentamento das desigualdades socioterritoriais: ZEIS e investimentos prioritários em territórios com grande vulnerabilidade social.

35 Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS) antes depois Zonas Especiais de Interesse Social em áreas ocupadas (ZEIS 1) Zonas Especiais de Interesse Social em áreas vazias (ZEIS 2, 3, 4 e 5)

36 O que o Substitutivo mudou do PL 688/13: Criação de nova categoria de ZEIS. Inclusão de perímetros. Alteração de parâmetros.

37

38 Percentuais mínimos de área construída total por usos residenciais e não residenciais em ZEIS no PL 688/13 Percentuais mínimos de área construída total por usos residenciais e não residenciais em ZEIS no Substitutivo

39 Principais estratégias de desenvolvimento urbano e ordenamento territorial pretendido Definição de diretrizes de investimentos prioritários que possibilitem o alcance dos objetivos de ordenamento territorial (ações estruturantes).

40

41 Principais estratégias de desenvolvimento urbano e ordenamento territorial pretendido Utilização de instrumentos que recuperam para a coletividade a valorização imobiliária gerada por ações públicas e coletivas.

42 Principais estratégias de desenvolvimento urbano e ordenamento territorial pretendido Instituição de um sistema de gestão que permite o controle social do processo de implementação do Plano Diretor: FUNDURB; CMPU; CTLU; CPPU; Conselhos Regionais; Indicadores de monitoramento.

43 Estratégias de desenvolvimento urbano: síntese ESTRUTURAÇÃO METROPOLITANA OTIMIZAÇÃO DOS EIXOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO + REDUÇÃO DA VULNERBILIDADE PROTEÇÃO E RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

44 Estratégias de desenvolvimento urbano: síntese Estruturação metropolitana Otimização dos eixos de transporte público coletivo Redução da vulnerabilidade Recuperação e proteção ambiental

45 Estratégias de desenvolvimento urbano: síntese

46 Instrumentos estratégicos de indução do desenvolvimento urbano

47 Outorga Onerosa do Direito de Construir

48 Operações Urbanas Consorciadas Operação urbana é, na sua essência, um projeto urbano, com estratégia de gestão para sua implementação, prevendo a parceria entre Poder Público e iniciativa privada

49 Operações Urbanas Consorciadas Ciclo do CEPAC 1. Desenvolvimento do plano Definição do estoque de potencial adicional de construção 2. Lei específica - Número total de Cepac - Valor mínimo do Cepac - Obras e investimentos públicos - Tabela de conversão(cepac/m²) 5. Compra do CEPAC Bolsa de valores 6. Conversão do CEPAC - Somente na operação que o gerou (tabla de conversão) - Concretização do potencial adicional em novos edifícios MOMENTO 3 Resultado urbanístico da participação privada: novos serviços e adensamento 4. Aplicação dos recursos adquiridos Realização da obra pública MOMENTO 2: - Investimentos públicos realizados - Transformação da contribuição financeira em contrapartida física 3. Leilão / emissão do CEPAC - Definição da obra pública - Valor mínimo do Cepac (atualizado) - Número de Cepac MOMENTO 1: - Efetuação da contribuição privada - Antecipação de recursos - Vinculação dos recursos a determinadas obras Elaboração: Daniel Todtmann Montandon

50 Transferência do Direito de Construir Imóvel cedente Imóvel receptor Por restrições impostas a seu imóvel pela legislação de uso e ocupação do solo em função do interesse de preservação cultural ou de promoção de ações estratégicas de urbanização o proprietário pode transferir o potencial construtivo para outro imóvel

51 Parcelamento, edificação e utilização compulsórios X

52 Fortalecimento do controle social na implementação do Plano Diretor

53 Sistema de gestão e participação

54 Sistema de gestão e participação

55 Síntese

56 Principais avanços da proposta de revisão do Plano Diretor Adota uma concepção de estruturação urbana em rede, proporcionando uma inflexão à tendência de desenvolvimento do vetor sudoeste da cidade. Confere centralidade na mobilidade urbana sustentável como atributo indutor das transformações urbanas. Fortalece estratégias de desenvolvimento urbano voltadas à redução das desigualdades sociais. Estabelece limites para a expansão urbana, combinando proteção e preservação ambiental com o reconhecimento do direito à moradia. Explora o potencial indutor dos instrumentos urbanísticos para reorientar a produção imobiliária. Reconhece uma agenda de longo prazo para a transformação da cidade, com foco em mudanças de caráter estruturante. Fortalece a gestão democrática.

57

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador

Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador FÓRUM TEMÁTICO DO PLANO SALVADOR 500 Camila Maleronka camila@p3urb.com.br c.maleronka@gmail.com 17 de abril de 2015. OPERAÇÃO

Leia mais

RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015

RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015 FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AUP 268 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURA URBANAS E REGIONAIS I RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015 INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE PLANEJAMENTO URBANO NO BRASIL

Leia mais

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE Land use and densification along mass transit corridors in Belo Horizonte Daniel Freitas Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR E TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR

OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR E TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR E TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR Constituição Federal Art. 182. A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011

CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011 CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011 CAPACITAÇÃO e ASSESSORIA: UNIVALI UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CURSO DE ARQUITETURA

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS como estratégia para a reabilitação urbana DEAP/SNAPU/MCIDADES MAIO/2015 O que são Operações Urbanas Consorciadas? PREMISSA: GESTÃO DA VALORIZAÇÃO DA TERRA O solo urbano

Leia mais

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Brasília, 07 de maio de 2015 Roteiro 1. A Política Nacional de Desenvolvimento Urbano 2. Avanços institucionais

Leia mais

TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS

TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP CENÁRIO Apresentação do PL 688/13 na CMSP Promulgado o PDE Lei nº 16.050/14 Apresentação

Leia mais

Data: 14 de novembro de A Câmara Municipal de Guaratuba, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei:

Data: 14 de novembro de A Câmara Municipal de Guaratuba, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1. 1 7 2 Data: 14 de novembro de 2005. Súmula: Dispõe sobre a Transferência do Direito de Construir e dá outras providências. A Câmara Municipal de Guaratuba, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito

Leia mais

Porto Maravilha. Out/2013

Porto Maravilha. Out/2013 Porto Maravilha Out/2013 O Projeto Porto Maravilha Operação Urbana Consorciada A Operação Urbana Consorciada do Porto do Rio de Janeiro é o maior projeto de revitalização urbana do mundo na atualidade

Leia mais

Urbanismo e Mobilidade

Urbanismo e Mobilidade Urbanismo e Mobilidade Área de Abrangência: 3,8 milhões de m² Inclui 5 bairros completos (Centro, São Domingos, Gragoatá, Boa Viagem e Morro do Estado) e parte de 2 bairros (Ponta D Areia e São Lourenço).

Leia mais

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011)

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011) Zona da Orla - ZO Área caracterizada pela predominância de empreendimentos residenciais verticais de uso fixo e de temporada, permeada pela instalação de atividades recreativas e turísticas onde se pretende

Leia mais

Glossário. Parâmetros de parcelamento, uso e ocupação do solo

Glossário. Parâmetros de parcelamento, uso e ocupação do solo Glossário Parâmetros de parcelamento, uso e ocupação do solo A Lei de Zoneamento define parâmetros de parcelamento, uso e ocupação do solo e a aplicação desses parâmetros no território. O número de zonas,

Leia mais

ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011

ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011 ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011 1ª Parte: Pauta Conteúdos centrais da revisão do plano diretor (Prefeitura) 2ª Parte: Propostas do Segmento Macrozoneamento MACROZONAS Urbana

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas

PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas EDUARDO DELLA MANNA DIRETOR-EXECUTIVO SECOVI-SP VICE-PRESIDÊNCIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS E URBANISMO METROPOLITANO número mínimo de vagas LEI

Leia mais

Regularização Fundiária

Regularização Fundiária Regularização Fundiária Aspectos Legais Beatriz Kauduinski Cardoso 3º. Seminário Estadual de Habitaçao Florianópolis, 29 outubro 2013 QUAL É A VERDADE? Querem, de todas as formas, impedir a construção

Leia mais

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos MONTE MOR MACROZONA 6 INDAIATUBA Barreiras físicas Rodovia Santos Dumont principal ligação com Viracopos; utilizada para tráfego urbano, opera já no

Leia mais

FÓRUM DE DEBATES APROVAÇÕES DE GRANDE PORTE - SECRETARIA DA HABITAÇÃO/APROV.

FÓRUM DE DEBATES APROVAÇÕES DE GRANDE PORTE - SECRETARIA DA HABITAÇÃO/APROV. FÓRUM BATES APROVAÇÕES GRAN PORTE - SECRETARIA DA HABITAÇÃO/APROV. EMPREENDIMENTOS GRAN PORTE nr3 Lei 13.885/04 Usos R e nr 1. Compatíveis com R. 2. Toleráveis: não causam impactos nocivos. nr 3. Potencialmente

Leia mais

DECRETO Nº , DE 4 DE MAIO DE 2004 Regulamenta a outorga onerosa de potencial construtivo adicional, nos termos dos artigos 209 a 216 da Lei nº

DECRETO Nº , DE 4 DE MAIO DE 2004 Regulamenta a outorga onerosa de potencial construtivo adicional, nos termos dos artigos 209 a 216 da Lei nº 1 DECRETO Nº 44.703, DE 4 DE MAIO DE 2004 Regulamenta a outorga onerosa de potencial construtivo adicional, nos termos dos artigos 209 a 216 da Lei nº 13.430, de 13 de setembro de 2002, que aprovou o Plano

Leia mais

Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável

Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2009 Desenvolvimento Urbano Sustentável Desafios Oportunidades

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo INTRODUÇÃO PLANEJAMENTO URBANO é um campo do conhecimento auxiliado por várias disciplinas como: Geografia,

Leia mais

INSTRUMENTOS DE POLÍTICA URBANA

INSTRUMENTOS DE POLÍTICA URBANA INSTRUMENTOS DE POLÍTICA URBANA PROPOSTA 1 Parcelamento, Edificação ou Utilização Compulsórios Aplicação do instrumento parcelamento e edificação compulsórios em todas as zonas, exceto aquelas de preservação

Leia mais

Prof. RAQUEL ROLNIK REGULAÇÃO URBANISTÍCA E ZONEAMENTO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO 2011

Prof. RAQUEL ROLNIK REGULAÇÃO URBANISTÍCA E ZONEAMENTO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO 2011 FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO REGULAÇÃO URBANISTÍCA E ZONEAMENTO ORIGENS (EUROPÉIA E NORTE AMERICANA E SUA DISSEMINAÇÃO NA AMERICA LATINA) Prof. RAQUEL ROLNIK AGOSTO 2011

Leia mais

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES 2009-2014 FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS MINHA CASA, MINHA VIDA - ENTIDADES PMCMV ENTIDADES/ FDS Produção e aquisição de unidades habitacionais

Leia mais

Propostas do Plano Diretor Participativo de Carapicuíba

Propostas do Plano Diretor Participativo de Carapicuíba Propostas do Plano Diretor Participativo de Carapicuíba A minuta do Projeto de Lei está com 145 artigos divididos em 5 títulos TÍTULO I - DA CONCEITUAÇÃO, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E OBJETIVOS GERAIS TÍTULO

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA Prof. Ms.

Leia mais

VIII ENESE Maio / 2015

VIII ENESE Maio / 2015 Propostas voltadas para a futura Reforma Urbana, considerando a experiência do Estatuto da Cidade do Estatuto da Metrópole... e do processo de planejamento de Curitiba VIII ENESE Maio / 2015 FATORES CRÍTICOS:

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA Prof. Ms.

Leia mais

Entre Rios PROJETO ESTRATÉGICO

Entre Rios PROJETO ESTRATÉGICO Entre Rios PROJETO ESTRATÉGICO SOBRE O MUNICÍPIO domicílios com renda mensal até 2 s.m. 2010 Fonte: IBGE 2010 Base Cartográfica: MDC/SMDU; Emplasa, 2007 Elaboração: SMDU/SPurbanismo, 2013 3 domicílios

Leia mais

MINUTA DA LEI DE TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

MINUTA DA LEI DE TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO MINUTA DA LEI DE TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO LEI COMPLEMENTAR Nº Súmula: Dispõe sobre o Instrumento Urbanístico de Transferência do Potencial Construtivo e disciplina o artigo da Lei Complementar,

Leia mais

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta:

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta: DOCUMENTO DE REFERÊNCIA DA POLÍTICA NACIONAL DE PREVENÇÃO E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS Esta proposta preliminar é resultado de um esforço coletivo do Grupo de Trabalho de Conflitos Fundiários

Leia mais

Lei Municipal N.º 1412

Lei Municipal N.º 1412 Lei Municipal N.º 1412 Art. 7º -- Para cada uma das zonas em que se divide a área urbana, a presente Lei, estabelece, as tabelas de 1 a 7 e no gráfico anexos: I -- os usos adequados, tolerados e inadequados;

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES RELATÓRIO

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES RELATÓRIO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES ALTERAÇÃO ABRIL DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Relatório Data:

Leia mais

DECRETO N.º DE 11 DE ABRIL DE 2011.

DECRETO N.º DE 11 DE ABRIL DE 2011. DECRETO N.º 33648 DE 11 DE ABRIL DE 2011. Regula a construção de edificação em favelas declaradas áreas de especial interesse social, estabelece as normas para a legalização das edificações nas áreas que

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS OS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS TÊM O PAPEL DE INTERMEDIAR OS INTERESSES COLETIVOS E OS INDIVIDUAIS VIABILIZANDO A CIDADE PARA TODOS Direito de Preempção;

Leia mais

Foi base para a estruturação da Lei Nº /2014 Estatuto da Metrópole. Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006

Foi base para a estruturação da Lei Nº /2014 Estatuto da Metrópole. Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006 1 SBC 09/06/2016 1 2 Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006 Cidade Pólo: Belo Horizonte Foi base para a estruturação da Lei Nº 13.089 /2014 Estatuto da Metrópole Área: 9.472,4 Km 2 (1,6%

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, Plano Diretor. Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado

GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, Plano Diretor. Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado GA079 Cadastro Técnico e Planejamento Urbano, 2011 Plano Diretor Resultante das Ações do Planejamento Urbano Integrado CONCEITO: O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação

Leia mais

ESTUDOS URBANO-AMBIENTAIS parte 02

ESTUDOS URBANO-AMBIENTAIS parte 02 ESTUDOS URBANO-AMBIENTAIS parte 02 HABITAÇÃO: MARCOS DA DEMOCRATIZAÇÃO FMH Salvador ConCidades - BA PDDU (ZEIS) PMH Salvador Planehab SALVADOR / BA 1967 CDRU 1988 Constituição Federal Usucapião urbana

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU Solicitante: 1 CASO O IMÓVEL SEJA ATINGIDO POR ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) - MARGEM DE CURSO D ÁGUA, DEVERÁ OBEDECER A LEI FEDERAL Nº 12651 - CÓDIGO FLORESTAL, DE 25 DE MAIO DE 2012. CONFORME

Leia mais

Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC

Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC Luis Paulo Bresciani Consórcio Intermunicipal Grande ABC Universidade Municipal de São Caetano do Sul ciclo de debates A indústria

Leia mais

Rede de Avaliação e capacitação para implementação dos Planos Diretores Participativos. 1. Caracterização sócio-demográfica e econômica do Município.

Rede de Avaliação e capacitação para implementação dos Planos Diretores Participativos. 1. Caracterização sócio-demográfica e econômica do Município. Rede de Avaliação e capacitação para implementação dos Planos Diretores Participativos Nome do Pesquisador: Ana Paula Casassola Gonçalves contato: anacasassola@gmail.com; 94565145 Município: São Francisco

Leia mais

DE APLICAÇÃO DA OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR

DE APLICAÇÃO DA OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR DE APLICAÇÃO DA OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR Linha divisor do Manancial Parque Estadual da Serra do Mar Represa Billings Plano Diretor - 1. ÁREA DE INCIDÊNCIA Macrozona Urbana

Leia mais

AS MAIS-VALIAS FUNDIÁRIAS URBANAS E OS INTRUMENTOS TRIBUTÁRIOS PARA A SUA RECUPERAÇÃO

AS MAIS-VALIAS FUNDIÁRIAS URBANAS E OS INTRUMENTOS TRIBUTÁRIOS PARA A SUA RECUPERAÇÃO AS MAIS-VALIAS FUNDIÁRIAS URBANAS E OS INTRUMENTOS TRIBUTÁRIOS PARA A SUA RECUPERAÇÃO Marcelo Dias Ferreira Procuradoria-Geral do Município de Porto Alegre 2012 MAIS VALIAS FUNDIÁRIAS: UM CONCEITO Determinadas

Leia mais

PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB

PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB AP 10 UP 8 Folha 1 / 6 AP 10 UP 8 Folha 2 / 6 DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA

Leia mais

CURITIBA 1966 2016 50 ANOS de PLANO DIRETOR e IPPUC

CURITIBA 1966 2016 50 ANOS de PLANO DIRETOR e IPPUC CURITIBA 1966 2016 50 ANOS de PLANO DIRETOR e IPPUC Estatuto da Cidade O Estatuto da Cidade é a denominação oficial da lei 10.257 de 10 de julho de 2001, que regulamenta o capítulo "Política Urbana" da

Leia mais

O PROCESSO INTERATIVO NA ELABORAÇÃO DA CARTA GEOTÉCNICA DE APTIDÃO

O PROCESSO INTERATIVO NA ELABORAÇÃO DA CARTA GEOTÉCNICA DE APTIDÃO III Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana IPT, São Paulo, Brasil 10 a 13 de Maio de 2016 Desenvolvimento e Riscos no Contexto Latinoamericano O PROCESSO INTERATIVO NA ELABORAÇÃO DA

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO ALTERAÇÃO FEVEREIRO DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Justificação para não sujeição a avaliação

Leia mais

BELO HORIZONTE >> PLANO DIRETOR

BELO HORIZONTE >> PLANO DIRETOR BELO HORIZONTE >> PLANO DIRETOR CRESCER BEM É CRESCER COM QUALIDADE DE VIDA A Prefeitura de Belo Horizonte encaminha agora à Câmara Municipal o resultado de um amplo trabalho construído de forma compartilhada

Leia mais

DECRETO Nº DE 20 DE MAIO DE 2011

DECRETO Nº DE 20 DE MAIO DE 2011 DECRETO Nº 33866 DE 20 DE MAIO DE 2011 Regulamenta a Lei n.º 3.688, de 24 de novembro de 2003, modificada pelas Leis n. os 4.815, de 25 de abril de 2008 e 5.102, de 28 de outubro de 2009, estabelecendo

Leia mais

TÍTULO I PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA URBANA MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO I PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA URBANA MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS I; PREFEITURA MUNICIPAL./ PROJETO DE LEI N I 7+ 14 3 / 15 Aprova o Plano Diretor do Município de Belo Horizonte e dá outras providências. TÍTULO I PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA URBANA MUNICIPAL CAPÍTULO

Leia mais

E AUTONOMIA DAS MULHERES

E AUTONOMIA DAS MULHERES E AUTONOMIA DAS Faz-se necessário identificar as organizações de mulheres artesãs e possibilitar a articulação das cadeias produtivas de artesanatos geridas por mulheres. o que orienta o Programa O desafio

Leia mais

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento Eleições Programas partidários Coalisão Plataforma eleitoral Plano de Desenvolvimento e outros em andamento na Administração Pública Médio prazo

Leia mais

A Dimensão Social e o Conceito de Desenvolvimento Sustentável

A Dimensão Social e o Conceito de Desenvolvimento Sustentável V Mesa-Redonda da Sociedade Civil Brasil EU A Dimensão Social e o Conceito de Desenvolvimento Sustentável Apresentação da Conselheira Lúcia Stumpf Porto, Portugal 7 a 9 de novembro de 2011 1 Contextualização

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação:

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: SUGESTÃO Nº 113 Autor: MÁRCIA O. KAUFFMAN O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 22 -... 1º -... 2º - Para a elaboração de Planos de Estruturação Urbana, conforme o estabelecido

Leia mais

Diretrizes, Programas e Metas do PHIS Porto

Diretrizes, Programas e Metas do PHIS Porto O Plano de Habitação de Interesse Social do Porto Maravilha: avanços e controvérsias a superar Ana Paula Soares Carvalho Mariana Werneck Orlando Santos Junior Na última sexta-feira, 24 de julho, membros

Leia mais

Visão para o ordenamento do território e das cidades

Visão para o ordenamento do território e das cidades Visão para o ordenamento do território e das cidades Ganhos e Desafios Jeiza Barbosa Tavares Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano 16 de Maio de 2014 WS 4.1 Visão para o

Leia mais

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010 Regionalização e Segmentação do Turismo Natal, 23 de março de 2010 Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego Seu tamanho no Brasil 21.859 EES 1,7 Milhão de Pessoas 2.934 municípios (52%)

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS POR CONVITE PI 6.3 PROMOÇÃO DO PATRIMÓNIO CULTURAL UNESCO AVISO N.º CENTRO-14-2016-14 O Mérito do Projeto (MP) é determinado

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto

Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto Página 1 de 10 Considerando que o acesso à terra é fundamental para o processo de reconstrução, construção e desenvolvimento económico e social do País e

Leia mais

janeiro/2016 Em janeiro, vendas de imóveis aumentaram em relação ao mesmo período de 2015 CIDADE DE SÃO PAULO Números do mês: Acumulado 12 meses

janeiro/2016 Em janeiro, vendas de imóveis aumentaram em relação ao mesmo período de 2015 CIDADE DE SÃO PAULO Números do mês: Acumulado 12 meses janeiro/2016 CIDADE DE SÃO PAULO Números do mês: Vendas = 950 unidades Lançamentos = 956 unidades Oferta Final = 27.014 unidades VSO Mensal = 3,4% VSO 12 Meses = 42,0% Em janeiro, vendas de imóveis aumentaram

Leia mais

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO SEMINÁRIO RIO METROPOLITANO: DESAFIOS COMPARTILHADOS O FUTURO DA MOBILIDADE NA METRÓPOLE VERTICALIDADES Aspectos metropolitanos HORIZONTALIDADES Interações entre

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009 I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO 1º de outubro de 2009 (112 MUNICÍPIOS) (64 MUNICÍPIOS) (91 MUNICÍPIOS) (16 MUNICÍPIOS) (10 MUNICÍPIOS) (IDH Médio M Nacional = 0,766) Especificação

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 9º Diálogos da MEI ESTRATÉGIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL JAILSON BITTENCOURT DE ANDRADE SECRETÁRIO DE POLÍTICAS E PROGRAMAS

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL Núcleo de Coordenação da Assistência Social IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO VIII CONFERÊNCIA ESTADUAL DE

Leia mais

O IMPACTO DAS OBRAS METROVIÁRIAS NA VALORIZAÇÃO IMOBILÁRIA E NO DESENVOLVIMENTO URBANO: EXEMPLOS PAULISTANOS

O IMPACTO DAS OBRAS METROVIÁRIAS NA VALORIZAÇÃO IMOBILÁRIA E NO DESENVOLVIMENTO URBANO: EXEMPLOS PAULISTANOS O IMPACTO DAS OBRAS METROVIÁRIAS NA VALORIZAÇÃO IMOBILÁRIA E NO DESENVOLVIMENTO URBANO: EXEMPLOS PAULISTANOS AEAMESP 12a. Semana de Tecnologia Metroferroviária Agosto de 2006 ENG. EDUARDO ROTTMANN ARQ.

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

Política Territorial da Pesca e Aquicultura

Política Territorial da Pesca e Aquicultura Política Territorial da Pesca e Aquicultura Esplanada dos Ministérios, bloco D, CEP 70.043-900 - Brasília/DF Telefone: (61) 3218-3865 Fax (61)3218-3827 www.mpa.gov.br comunicacao@mpa.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

UNIDADE DE EXECUÇÃO BORRAGEIROS

UNIDADE DE EXECUÇÃO BORRAGEIROS UNIDADE DE EXECUÇÃO BORRAGEIROS [ESTUDO TERRITORIAL] NOVEMBRO 2016 DGOU- DPUPE SPDM DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ORDENAMENTO URBANÍSTICO DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANÍSTICO E PROJETOS ESTRUTURANTES SECTOR DO

Leia mais

ARCO METROPOLITANO. Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense. Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil

ARCO METROPOLITANO. Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense. Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil ARCO METROPOLITANO Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil 29 de setembro de 2015 Baixada Fluminense I & II Municípios:

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 Gabinete do Prefeito PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº ----, DE ----- DE DEZEMBRO DE 2012 Altera a Lei Complementar nº 171, de 29 de maio de 2007, que Dispõe sobre o Plano Diretor e processo de planejamento

Leia mais

Por que Haddad deveria ter vetado o artigo 174 da nova lei de...

Por que Haddad deveria ter vetado o artigo 174 da nova lei de... Por que Haddad deveria ter vetado o artigo 174 da nova lei de zoneamento Publicado em março 3, 016 Por Aline Viotto* e Bianca Tavolari** O prefeito Fernando Haddad sancionou hoje a lei de parcelamento,

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro Copa do Mundo da FIFA Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 2014 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro O MTUR e a Ponto de partida : garantias oferecidas pelo governo federal, estados e

Leia mais

L E I TÍTULO I DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

L E I TÍTULO I DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Lei nº 2392 14 de novembro de 2006. Dispõe sobre o Plano Diretor de Desenvolvimento Ambiental Integrado PDDAI do Município de São Francisco de Paula, estabelecendo as diretrizes gerais da política municipal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARTUR NOGUEIRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARTUR NOGUEIRA DECRETO N.º 199/2012 Aprova o projeto do Loteamento RESIDENCIAL DA TORRE e dá outras providências. MARCELO CAPELINI, Prefeito do Município de Artur Nogueira, comarca de Moji-Mirim, estado de São Paulo,

Leia mais

40ª Reunião Ordinária do Conselho da Cidade de Curitiba 31 de março de 2016

40ª Reunião Ordinária do Conselho da Cidade de Curitiba 31 de março de 2016 Adequação da Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo ao Plano Diretor de Curitiba 2015 40ª Reunião Ordinária do Conselho da Cidade de Curitiba 31 de março de 2016 Em dezembro de 2015, após 20 meses de

Leia mais

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS. Secretaria Nacional de Programas Urbanos REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS OBJETIVOS DA REDE Mobilizar atores sociais e pesquisadores para avaliação dos Planos Diretores Participativos elaborados,

Leia mais

II Seminário Estadual sobre Política Municipal de Habitação de Interesse Social. Planejamento territorial local e o PLHIS

II Seminário Estadual sobre Política Municipal de Habitação de Interesse Social. Planejamento territorial local e o PLHIS II Seminário Estadual sobre Política Municipal de Habitação de Interesse Social Planejamento territorial local e o PLHIS Prof. Rosana Denaldi Florianópolis 01-12-2010 Estrutura da Aula 1. Introdução: habitação

Leia mais

Regularização Fundiária em Área de Preservação Permanente na

Regularização Fundiária em Área de Preservação Permanente na Regularização Fundiária em Área de Preservação Permanente na forma da Lei n.º 11.977/09 Gustavo Burgos de Oliveira, Assessor Jurídico do MP/RS. Porto Alegre, 14 de dezembro de 2010. Regularização Fundiária:

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO 1 1. APROPRIAÇÃO FÍSICA DE GLEBAS URBANAS: 1.1. PARCELAMENTO DO SOLO (Lei Federal nº 6.766/79, alterada pela

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

PLENÁRIA LESTE 1. Residenciais Milton Santos / Santa Zita

PLENÁRIA LESTE 1. Residenciais Milton Santos / Santa Zita PLENÁRIA LESTE 1 Residenciais Milton Santos / Santa Zita 18 09 2016 DADOS DO PROJETO MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES TERRENO DE 15.500 m² (adquirido de proprietário privado) BAIRRO CANGAÍBA (ZONA LESTE)

Leia mais

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A.

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A. Infraestruturas de Portugal, S.A Plano de Ação Resumo Não Técnico IC10 Santarém / Almeirim (N118) Relatório nº AG/08/0424-5RNT Página 1 de 11 IC10 Santarém / Almeirim (N118) PLANO DE AÇÃO Resumo Não Técnico

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

1 Imóveis Indústria. Terrenos - Armazéns Montijo (UL /83) Rua José Mundet, Montijo

1 Imóveis Indústria. Terrenos - Armazéns Montijo (UL /83) Rua José Mundet, Montijo Imóvel constituído por duas parcelas de terreno urbano, com vários Armazéns e Edifícios de apoio para demolição localizado na Rua José Mundet, próximo do cruzamento com a Rua José Joaquim Marques, perto

Leia mais

NATHÁLIA OLIVEIRA LOYOLA DE SOUZA

NATHÁLIA OLIVEIRA LOYOLA DE SOUZA NATHÁLIA OLIVEIRA LOYOLA DE SOUZA Análise de impactos do Plano Diretor em empreendimentos residenciais verticais localizados na Macroárea de Urbanização Consolidada e fora da área de influência do Eixo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 083. Capítulo I Das Disposições Preliminares

LEI COMPLEMENTAR Nº 083. Capítulo I Das Disposições Preliminares LEI COMPLEMENTAR Nº 083 ALTERA O PLANO DIRETOR DE PALOTINA E ESTABELECE DIRETRIZES PARA O DESENVOLVIMENTO PARTICIPATIVO, ABRANGENDO TODO O TERRITÓRIO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS RELATIVAS AO PLANEJAMENTO

Leia mais

o patrimônio urbano e o desenvolvimento da cidade

o patrimônio urbano e o desenvolvimento da cidade 121 o patrimônio urbano e o desenvolvimento da cidade estudo de caso: subprefeitura da lapa maria lucia bressan pinheiro agnes helena chiuratto objetivo 122 Tentar conciliar a preservação do patrimônio

Leia mais

TÍTULO I. Das Disposições Preliminares

TÍTULO I. Das Disposições Preliminares LEI N o 2.566, DE 24 DE AGOSTO DE 2010 Substitui o Plano Diretor Participativo de Desenvolvimento Municipal de Três de Maio, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL Faço saber que a Câmara de Vereadores

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado Gestão do Território e Habitação SEGETH PARCELAMENTO DO SOLO URBANO

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado Gestão do Território e Habitação SEGETH PARCELAMENTO DO SOLO URBANO SEGETH URBANO PROCEDIMENTOS CONPLAN 30/04/2015 TEREZA LODDER COORDENADORA DE URBANISMO - / URBANO Sob o ponto de vista legal, o parcelamento do solo é o processo físico-jurídico pelo qual o proprietário

Leia mais