Internet das Coisas - IoT. Secretaria de Política de Informática

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Internet das Coisas - IoT. Secretaria de Política de Informática"

Transcrição

1 Internet das Coisas - IoT Secretaria de Política de Informática

2 Linha do Tempo Decreto nº 8.234/2014 Determina a criação da Câmara M2M/IoT Lançamento da AIOTI, na União Europeia Terceira Reunião da Câmara M2M/IoT Divisão por verticais e pedido de um primeiro diagnóstico setorial Quarta Reunião da Câmara IoT Primeira versão do Plano Nacional de IoT Para avaliações e contribuições dos Membros da Câmara IoT Lançamento da Consulta`Pública de IoT Termo de Parceria ente BNDES e MCTIC para o Estudo de IoT Estudo de IoT: entrega da segunda fase para validação na Câmara IoT 10/ / / / / / /2014 Portaria MC n 1.420/2014 Primeira Reunião da Câmara M2M/IoT Workshop com diversos players do setor /2015 Segunda Reunião da Câmara M2M/IoT Apresentação da Proposta de Trabalho para o Plano Nacional de IoT Digital Act, é Lançado no Senado Americano para tratar de inovação para IoT 08/ /2016 Envio das Contribuições ao Plano Nacional de IoT pelos membros da Câmara 06/2017 Proposta de Plano Nacional de Internet das Coisas Estudo de IoT: entrega da primeira fase para validação na Câmara IoT

3 Câmara de Internet das Coisas Desde 2014, a Câmara IoT reune a iniciativa privada, a academia, os centros de pesquisa e desenvolvimento e o governo para entender, diagnosticar e formular propostas de ações para o desenvolvimento da Internet das Coisas no país.

4 Estudo IoT Em dezembro de 2016, o MCTIC firmou acordo de cooperação com o BNDES, para juntos conduzirem o estudo que havia sido contratado pelo BNDES e cujo consórcio vencedor é formado pela consultoria McKinsey, pelo centro de pesquisa e desenvolvimento CPqD e pelo escritório Pereira Neto Advogados.

5 Plano Nacional de Internet das Coisas MCTIC Acordo de Cooperação Técnica BNDES Câmara IoT Estudo de IoT Plano Nacional de IoT Setembro de 2017

6 Eixos de transformação do Plano Nacional de IoT Impacto na sociedade Ambiente regulatório Infraestrutura e conectividade Talento Inovação e Ecossistema Internacionalização

7 Etapas e Entregas do Estudo de IoT

8 Etapas do Estudo de IoT Diagnóstico e aspiração no Brasil (em fase de finalização); Seleção de verticais e horizontais (junho/2017); Investigação das verticais e elaboração da Visão e do Plano (setembro/2017); Suporte à implementação (até março/2018).

9 1ª Fase do Estudo: Beenchmark Internacional Papel Ativo do Estado União Europeia, Coreia do Sul, Alemanha, Emirados Árabes Unidos, Japão, China, Cingapura Formação do ecossistema e incentivos à inovação Reino Unido, Suécia Elaboração de diretrizes e investimentos em áreas-foco Estados Unidos, Índia Baixo Envolvimento Rússia

10 Competências de Gerenciamento 1ª Fase do Estudo: Roamap Tecnológico (modelo de Referência) Aplicações Suporte a Serviços e Aplicações Rede Dispositivo Agricultura Indústria Cidades e Pessoas Competências de Segurança Competência de Suporte Específica Capacidade da Rede Competências da Rede de Transporte Competências do Dispositivo Competências do Gatway Competêncisas de Segurança

11 1ª Fase do Estudo: Roamap Tecnológico (oferta)

12 Consulta Pública A consulta pública também foi um rico canal de contribuições para todos os eixos de transformação do Plano Nacional de IoT; Foram recebidas mais de duas mil contribuições.

13 Consulta Pública: Temas de Tecnologia Implantação e Suporte à Operação Segurança e Qualidade do Serviço Rede e Espectro de frequência Padrões e Interoperabilidade Identificação única por dispsitivo? Infraestrutura de chaves públicas para autenticar os dispositivos? Fomentar a adoção do esim e do IPv6 Estrutura específica para testes e homologações dos serviços? Mecanismos de controle da qualidade definido caso a caso, conforme o tipo de aplicação? Investir no core da rede e na universalização da Banda Larga Avaliar impacto da falta de uniformidade da faixa ISM em 900MHz na capacidade de desenvolver produtos com potencial de exportação Buscar o equilibrio entre a regulação e a força do mercado para traçar os padrões Incentivo aos padrões abertos

14 Consulta Pública: Temas Regulatórios Regulação Segurança e Qualidade do Serviço Harmonização do arcabouço regulatório às inovações do IoT Não enquadramento de aplicações de IoT como serviços de telecom Revisão do conceito do comunicação m2m (súmula da Anatel) Aplicação do FUST na expansão da Banda Larga Manutenção da neutralidade de rede, nos termos da Lei vigente Aprovação de uma Lei de Proteção de dados pessoais equilibrada Assegurar a transferência internacional de dados Adoção do privacy by design e security by design pelos desenvolvedores de IoT Criação de uma autoridade de Proteção de Dados Pessoais Tributação e burocracia Facilitar e diminuir os custos da importação de componentes eletrônicos Reduzir a carga tributária sobre serviços, dispositivos e investimento em Infraestrutura Reduzir as taxas de Fistel

15 Questões para identificarmos as aspirações do IoT para o Brasil Quais são os principais problemas que IoT pode resolver? Quais desafios IoT vai trazer? O Brasil deve focar em verticais chave ou trabalhar de maneira mais ampla? Qual deve ser o papel do Governo para fomentar IoT? Como o Brasil pode se destacar perante o mundo?

16 Eventos relevantes para a formulação do Plano Nacional de IoT

17 Obrigado! Maximiliano Martinhão Secretaria de Política de Informática

Banda Larga Móvel no Brasil: Cenário Regulatório, Espectro de Radiofrequências, Mercado, Perspectivas e Desafios

Banda Larga Móvel no Brasil: Cenário Regulatório, Espectro de Radiofrequências, Mercado, Perspectivas e Desafios Banda Larga Móvel no Brasil: Cenário Regulatório, Espectro de Radiofrequências, Mercado, Perspectivas e Desafios Maximiliano Martinhão Secretário de Telecomunicações Brasília, 3 de junho de 2013 Espectro

Leia mais

As Telecomunicações no Brasil

As Telecomunicações no Brasil As Telecomunicações no Brasil Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado 02/10/2013 2 Pauta O setor de Telecomunicações. A expansão dos serviços de comunicações no Brasil. Ações do. 3 Pauta O setor

Leia mais

Cidadãos Inteligentes

Cidadãos Inteligentes Cidadãos Inteligentes Senador Walter Pinheiro Março/2015 Agenda O panorama brasileiro Oportunidades Smart People 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Panorama 8.00 6.00 4.00

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016 Agenda Internacional da Indústria 22 de setembro de 2016 Apresentação 1. Panorama do Comércio Exterior Brasileiro 2. CNI 3. Área Internacional da CNI 4. Agenda Internacional da Indústria 5. Pesquisa Desafios

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Ministério das Comunicações Internet das coisas Privacidade CGI.br São Paulo, 15 de setembro de 2015 Tamanho do Mercado Fonte: Eletronic Design 2 Tamanho do Mercado Previsão Global Inves7mento setor público:

Leia mais

Diretrizes e programas prioritários do Ministério das Comunicações

Diretrizes e programas prioritários do Ministério das Comunicações Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) Diretrizes e programas prioritários do Ministério das Comunicações Paulo Bernardo Silva Ministro de Estado das Comunicações Brasília,

Leia mais

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016 Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. JARBAS BARBOSA Diretor-Presidente ANVISA Brasília, 22/06/2016 A ANVISA Primeira Agência da área

Leia mais

China: Oportunidades e Desafios. O Caso EMBRAER. Henrique Rzezinski Vice-Presidente Sênior de Relações Externas

China: Oportunidades e Desafios. O Caso EMBRAER. Henrique Rzezinski Vice-Presidente Sênior de Relações Externas China: Oportunidades e Desafios O Caso EMBRAER Henrique Rzezinski Vice-Presidente Sênior de Relações Externas Evento: Desafios Emergentes: A Ascenção econômica de China e índia e seus efeitos para o Brasil

Leia mais

A Apex-Brasil. Como funciona a Agência?

A Apex-Brasil. Como funciona a Agência? A Apex-Brasil Como funciona a Agência? Fundação e Missão A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) é um Serviço Social Autônomo que atua para: Promover os produtos e

Leia mais

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências Mercado Brasileiro de Software e Serviços - 2013 Jorge Sukarie Neto jorge.sukarie@abes.org.br Panorama e Tendências A ABES PERFIL DAS EMPRESAS ASSOCIADAS - 1.478 Associados (*) - US$ 19,8 bilhões de dólares

Leia mais

Explorando a visão do setor privado brasileiro sobre o potencial e possibilidades de projetos governamentais de Banda Larga no Brasil

Explorando a visão do setor privado brasileiro sobre o potencial e possibilidades de projetos governamentais de Banda Larga no Brasil TIM BRASIL Salvador, 22 de Fevereiro de 2016 Painel: Iniciativas de Projetos de Banda Larga: Experiências brasileiras e britânicas Explorando a visão do setor privado brasileiro sobre o potencial e possibilidades

Leia mais

Gestão 2009/ ª CNCTI Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

Gestão 2009/ ª CNCTI Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Gestão 2009/2011 4ª CNCTI Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Brasília 28 de maio de 2010 Histórico A formação do Fórum (Vitória 2001) a necessidade de maior articulação para estreitar

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Ministério das Comunicações Política de Comunicação M2M/IoT GUGST São Paulo, 18 de agosto de 2015 INTERNET DAS COISAS (IoT): REDE DE OBJETOS INCORPORADOS A DISPOSITIVOS E APLICATIVOS, CONECTADOS À INTERNET.

Leia mais

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade Objetivo do programa Desenvolvimento competitivo e sustentável Produtividade Promoção de parcerias estratégicas Valor agregado Ganho de qualidade Contextualização Os 3 Pilares para o desenvolvimento da

Leia mais

O papel do satélite no PNBL SGDC

O papel do satélite no PNBL SGDC O papel do satélite no PNBL SGDC Artur Coimbra Diretor do Departamento de Banda Larga Presidente do Comitê Diretor do Projeto do SGDC As comunicações satelitais no contexto do PNBL Telebrás expansão da

Leia mais

WORKSHOP A INCORPORAÇÃO DE VACINAS ATRAVÉS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NO BRASIL

WORKSHOP A INCORPORAÇÃO DE VACINAS ATRAVÉS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NO BRASIL WORKSHOP A INCORPORAÇÃO DE VACINAS ATRAVÉS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NO BRASIL Transferência de tecnologia e autossuficiência em vacinas Gina Camilo de Oliveira Coordenação Geral de Base Química e

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS 2012 MAR 06 A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS JOSÉ CARLOS CALDEIRA Administrador executivo PÓLO PRODUTECH Director INESC Porto (jcc@inescporto.pt) INDÚSTRIA TRANFORMADORA

Leia mais

Panorama das aplicações e tecnologias existentes no Brasil e principais desafios técnicos para tratamento de água e efluentes FTEC 2013 YVES BESSE

Panorama das aplicações e tecnologias existentes no Brasil e principais desafios técnicos para tratamento de água e efluentes FTEC 2013 YVES BESSE Panorama das aplicações e tecnologias existentes no Brasil e principais desafios técnicos para tratamento de água e efluentes FTEC 2013 YVES BESSE DESAFIOS BÁSICOS Agua e Esgoto para todos a custo justo

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE

REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE Clique para editar Marizélia o nome Leão do Moreira autor Gerente da Gerência Executiva de Clique Padronização

Leia mais

Software Público Brasileiro. Brasília, 10 de Novembro de 2016

Software Público Brasileiro. Brasília, 10 de Novembro de 2016 Software Público Brasileiro Brasília, 10 de Novembro de 2016 Conceito Software livre que atende às necessidades de modernização da administração pública de qualquer um dos Poderes da União, dos Estados,

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

Cenário sobre Governança, Regulação e Internet

Cenário sobre Governança, Regulação e Internet XIX Congresso Internacional de Direito Constitucional Escola de Direito de Brasília do Instituto Brasiliense de Direito Público (EDB/IDP) Cenário sobre Governança, Regulação e Internet Outubro/2016 Aspectos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA 4G NO BRASIL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA 4G NO BRASIL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA 4G NO BRASIL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES SÉRGIO KERN CURITIBA, 15 A 17 DE OUTUBRO DE 2013 crescimento do setor de telecomunicações está acelerado 8% 10% telefonia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN 3.1.6 - MCT 1 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de pessoa física para a elaboração de documento

Leia mais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais Usos Inovadores do Gás Natural (GN) Promoção da eficiência energética em Arranjos Produtivos Locais (APLs) Temas Estrutura Geral do Projeto As investigações em Viena As investigações em Viena Propostas

Leia mais

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática 08 de outubro de 2013

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática 08 de outubro de 2013 Marco Regulatório Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática 08 de outubro de 2013 Panorama do Setor Em 1997, na corrida pelo usuário, a telefonia fixa era o destaque

Leia mais

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

INOVAÇÃO E MANUFATURA AVANÇADA

INOVAÇÃO E MANUFATURA AVANÇADA 4ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 30 DE SETEMBRO DE 2016 INOVAÇÃO E MANUFATURA AVANÇADA Pedro Wongtschowski Grupo Ultra QUEM É A MEI? OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Ampliar a efetividade das políticas

Leia mais

Reestruturação do ICH e Anvisa. Brasil se tornará Membro? Renato Alencar Porto Diretor São Paulo, 13 de abril de 2015

Reestruturação do ICH e Anvisa. Brasil se tornará Membro? Renato Alencar Porto Diretor São Paulo, 13 de abril de 2015 Reestruturação do ICH e Anvisa Brasil se tornará Membro? Renato Alencar Porto Diretor São Paulo, 13 de abril de 2015 EUA, Japão, EU + Suíça e Canadá + PhRMA, JPMA, EFPIA OMS (observadora) Austrália Rússia

Leia mais

SMART GRID FORUM/2013

SMART GRID FORUM/2013 SMART GRID FORUM/2013 Smart Grid na América Latina O Desafio da Regulação Fernando Damonte 1 Agenda 1. Situação na América Latina e Caribe 2. Terceira Revolução Industrial 3. Regulação das Redes Inteligentes

Leia mais

Ministério das Comunicações Secretaria de Telecomunicações

Ministério das Comunicações Secretaria de Telecomunicações Ministério das Comunicações Secretaria de Telecomunicações Marco Civil da Internet Debates sobre neutralidade de rede, privacidade e conservação dos dados pessoais e outras questões controversas Brasília,

Leia mais

Políticas de Ciência, Tecnologia e de Inovação para o Setor de RFID no Brasil

Políticas de Ciência, Tecnologia e de Inovação para o Setor de RFID no Brasil 1 Políticas de Ciência, Tecnologia e de Inovação para o Setor de RFID no Brasil Henrique de Oliveira Miguel MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Política de Informática 2 Mercado

Leia mais

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira Seminário Nacional NTU - 2014 Lei Anticorrupção e Programa de Compliance Lélis Marcos Teixeira 28/agosto/2014 Iniciativas FETRANSPOR Lei 12.846/2013 Agenda Abertura Histórico Iniciativas Dúvidas Encerramento

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo Secretaria de Estado de Desenvolvimento.

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo Secretaria de Estado de Desenvolvimento. Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo 2015 Secretaria de Estado de Desenvolvimento. PROGRAMA ESTADUAL DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS Fórum Concessões

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 9º Diálogos da MEI ESTRATÉGIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL JAILSON BITTENCOURT DE ANDRADE SECRETÁRIO DE POLÍTICAS E PROGRAMAS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL OUTUBRO/2009 Experiências de Conselhos e Planos Locais de Habitação

Leia mais

Plano de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Inovação do Setor de Mineração e Transformação Mineral

Plano de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Inovação do Setor de Mineração e Transformação Mineral Inova Mineral Plano de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Inovação do Setor de Mineração e Transformação Mineral Articulação e participação MME, ABDI, MCTI, CETEM, MDIC, empresas e ICT s Crédito e renda

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação

Apoio do BNDES à Inovação Apoio do BNDES à Inovação 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Margarida Baptista 31 de Março, 2011 BNDES Instrumento chave para implementação de Políticas

Leia mais

Prof. Dr. Fernando Sarti

Prof. Dr. Fernando Sarti Os Desafios do Pré-sal: Riscos e Oportunidas para o País Sessão 3: O Brasil po se tornar uma referência em petróleo em águas profundas? As Políticas Industrial e Inovação Prof. Dr. Fernando Sarti Unicamp,

Leia mais

Políticas de incentivo a provedores regionais

Políticas de incentivo a provedores regionais 14º Encontro Provedores Regionais Políticas de incentivo a provedores regionais Montes Claros, julho de 2015 Evolução da penetração do acesso domiciliar à Internet Fonte: IBGE, PNAD Acessos fixos e móveis

Leia mais

Questões relevantes para o desenvolvimento da C&T&I na região Nordeste

Questões relevantes para o desenvolvimento da C&T&I na região Nordeste Questões relevantes para o desenvolvimento da C&T&I na região Nordeste Tecnologias de Informação e Comunicação Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Informática É preciso entender que Informática é meio Computação

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades Desafios e Oportunidades Conferência NORGARANTE Braga 29 Novembro 16 José Carlos Caldeira jcaldeira@ani.pt 1 O CONTEXTO 4.0 Principais tendências HUMAN CENTERED Customização de Produtos Processos Inteligentes

Leia mais

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS PROCESSO DE MAPEAMENTO DAS INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS NACIONAIS 9 de agosto de 2016 Página 1 de 6 Índice

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014 APRESENTAÇÃO DO CEBC 201 QUEM SOMOS FUNDADO EM 200, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA,

Leia mais

PARA DEBATER O TEMA CONTEÚDO AUDIOVISUAL EM TEMPOS DE CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA GICA

PARA DEBATER O TEMA CONTEÚDO AUDIOVISUAL EM TEMPOS DE CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA GICA AUDIÊNCIA PÚBLICA P PARA DEBATER O TEMA CONTEÚDO AUDIOVISUAL EM TEMPOS DE CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA GICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA DO SENADO FEDERAL. Brasília,

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL

TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL AUDIÊNCIA PÚBLICA NA CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA CARLOS DUPRAT BRASÍLIA, 05 DE MAIO DE 2015 1. O crescimento da demanda 2.

Leia mais

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Panorama

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SÉRGIO PAUPÉRIO SÉRIO FILHO DEZEMBRO/2015 24 QUEM SOMOS De origem

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

Regulação Estatal e Desenvolvimento

Regulação Estatal e Desenvolvimento Federal University of Minas Gerais From the SelectedWorks of Eduardo Meira Zauli 1998 Regulação Estatal e Desenvolvimento Eduardo Meira Zauli, Dr., Federal University of Minas Gerais Available at: http://works.bepress.com/eduardo_zauli/10/

Leia mais

Desafios do Mercado de Gás Natural no Brasil

Desafios do Mercado de Gás Natural no Brasil Desafios do Mercado de Gás Natural no Brasil 6% (0.5) 10% (0.7) Álvaro Ferreira Tupiassú Gerente Geral de Comercialização de Gás Natural e GNL - Petrobras AGENDA I A Cadeia do Gás Natural II Participação

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 PERFIL 3 INDICADORES CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-9 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 7 TELECOMUNICAÇÕES 8 SERVIÇOS,

Leia mais

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória.

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. 2 Apresentação do formulário completo. 3 Orçamento FEDER em conformidade com o que está

Leia mais

A Telefónica está à frente do setor com negócios inovadores baseados na tecnologia ADSL que alavancarão o crescimento do negócio de Banda larga.

A Telefónica está à frente do setor com negócios inovadores baseados na tecnologia ADSL que alavancarão o crescimento do negócio de Banda larga. Marcando tendências A Telefónica está à frente do setor com negócios inovadores baseados na tecnologia ADSL que alavancarão o crescimento do negócio de Banda larga. Nos últimos anos a Telefónica vem se

Leia mais

Competitividade global: métodos e experiências

Competitividade global: métodos e experiências Competitividade global: métodos e experiências Nicola Minervini Caxias do Sul, RS 02/10/2013 Competitividade Método Inovação Internacionalização Os desafios da empresa na globalização Custo Brasil X

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

O Ministério das Comunicações e a Radiodifusão Brasileira

O Ministério das Comunicações e a Radiodifusão Brasileira O Ministério das Comunicações e a Radiodifusão Brasileira 1 Secretaria de Serviços de Comunicação Eletrônica Ações 2011. 2 Comunicação Eletrônica A comunicação eletrônica está em fase de transição tecnológica

Leia mais

BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS)

BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS) BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS) Britcham: Políticas Públicas e Desenvolvimento Industrial do Setor de Saúde São Paulo, novembro de 2012 Agenda Saúde como desenvolvimento Transições

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA AsBEA Fundada em 1973, a AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura é uma entidade independente, que congrega empresas de arquitetura

Leia mais

UTILITIES E SETOR PÚBLICO

UTILITIES E SETOR PÚBLICO Segmento SERVIÇOS UTILITIES E SETOR PÚBLICO Para o subsegmento de utilities e setor público, as soluções de software de gestão para o segmento de serviços da TOTVS permitem controle, redução de custos,

Leia mais

Palestrante: Embaixador Norton de Andrade Mello Rapesta

Palestrante: Embaixador Norton de Andrade Mello Rapesta Palestrante: Embaixador Norton de Andrade Mello Rapesta Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral de Cooperação, Cultura e Promoção Comercial Departamento de Promoção Comercial e Investimentos

Leia mais

de fusões e aquisições no mercado brasileiro, criação de novas regras e estruturas jurídicas, o aperfeiçoamento

de fusões e aquisições no mercado brasileiro, criação de novas regras e estruturas jurídicas, o aperfeiçoamento FAMILY OFFICE Introdução Pai rico, filho nobre, neto pobre. São muito comuns histórias de famílias que conseguiram chegar a um bem- -sucedido patamar financeiro, mas que ao longo do tempo não formaram

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Regente Feijó 08/08

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Regente Feijó 08/08 P D E P P Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local para os Municípios do Pontal do Paranapanema APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Regente Feijó 08/08 Sumário 1. Motivação 2. Viabilização do projeto

Leia mais

Audiência Pública na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática. Brasília, 30 de junho de 2015

Audiência Pública na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática. Brasília, 30 de junho de 2015 Audiência Pública na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Brasília, 30 de junho de 2015 Associados p. 2 Associados Institucionais Setor de Tecnologia de Informação e Comunicação

Leia mais

Estudo dos mecanismos de financiamento para as atividades do INPE Versão Preliminar

Estudo dos mecanismos de financiamento para as atividades do INPE Versão Preliminar Workshop Intermediário do Planejamento Estratégico do INPE, 14-15 de setembro de 2006 Estudo dos mecanismos de financiamento para as atividades do INPE Versão Preliminar Grupo Temático 05 Financiamento

Leia mais

Apoio à Inovação. Novembro 2009

Apoio à Inovação. Novembro 2009 Apoio à Inovação Novembro 2009 Agenda O BNDES Inovação Política de Inovação do BNDES Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Prioridades 1950 1960 1970 1980 1990 Infra-estrutura

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE 2 Complexo Industrial da Saúde (CIS)

Leia mais

Instrução n. o 9/2016 BO n. o

Instrução n. o 9/2016 BO n. o Instrução n. o 9/2016 BO n. o 7 15-07-2016 Temas Supervisão Normas Prudenciais Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Autorização para a utilização de modelos internos para cálculo dos requisitos

Leia mais

É POSSÍVEL MEDIR A OCUPAÇÃO EFICIENTE DO ESPECTRO?

É POSSÍVEL MEDIR A OCUPAÇÃO EFICIENTE DO ESPECTRO? A OCUPAÇÃO DE ESPECTRO, O COMPARTILHAMENTO E OUTRAS QUESTÕES CONCEITUAIS É POSSÍVEL MEDIR A OCUPAÇÃO EFICIENTE DO ESPECTRO? SUPERINTENDÊNCIA DE OUTORGA E RECURSOS À PRESTAÇÃO 43º ENCONTRO TELE.SÍNTESE

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação Federação das Indústrias do Estado do Ceará Sistema FIEC Fortaleza, 18 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação João Carlos Ferraz Vice-Presidente 1 Mundo 2 Crise de longa

Leia mais

A Importância da Conectividade para o Acesso ao Conhecimento e seu Impacto na Saúde, Educação e Desenvolvimento Econômico.

A Importância da Conectividade para o Acesso ao Conhecimento e seu Impacto na Saúde, Educação e Desenvolvimento Econômico. Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática A Importância da Conectividade para o Acesso ao Conhecimento e seu Impacto na Saúde, Educação e Desenvolvimento Econômico.

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob:

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: a) visa estabelecer diretrizes sistêmicas aplicáveis à execução do Planejamento Estratégico em vigência, no que se refere às ações de

Leia mais

Apresentação Finep. APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás. Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015

Apresentação Finep. APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás. Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015 Apresentação Finep APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015 Agenda A FINEP Inova Empresa Modalidades de Financiamento (reembolsável, não reembolsável, renda variável)

Leia mais

Evolução da indústria farmacêutica brasileira

Evolução da indústria farmacêutica brasileira 7 o Encontro de Pesquisa Clínica do CEPIC Apoio à inovação no Brasil: a participação do BNDES 08/06/2013 Agenda Evolução da indústria farmacêutica brasileira Oportunidade em biotecnologia Cenário de pesquisa

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA P3LP

APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA P3LP APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA P3LP PONTES E PARCERIAS NOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - PLATAFORMA DE PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E CONHECIMENTO NO SETOR DA ÁGUA APDA, ENEG, Porto, Dezembro de 2015 Jaime Melo

Leia mais

2015 / Estudos de Caso. Randstad Brasil

2015 / Estudos de Caso. Randstad Brasil 2015 / 2016 Estudos de Caso Randstad Brasil Estudos de Caso 2015 / 2016 Sejam bem vindos a alguns estudos de casos da randstad Brasil 2015/2016. Semestralmente, atualizaremos com novos casos, onde o objetivo

Leia mais

Horizonte Eduardo Maldonado Coordenador dos Ponto de Contato Nacional PT

Horizonte Eduardo Maldonado Coordenador dos Ponto de Contato Nacional PT Eduardo Maldonado Coordenador dos Ponto de Contato Nacional PT H2020 (2014-2020) Três prioridades que se reforçam mutuamente ~79M 7% para o SME Instrument Projetos de uma única PME (ou consórcio de PMEs)

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT20 62 2015 10 Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública (SAMA2020) DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho Avaliação e Monitoramento do PME Professora Marcia Adriana de Carvalho TEMAS 1 Por que avaliar e monitorar o PME 2 Qual a diferença entre avaliar e monitorar 3 4 Como definir plano de ações para o período

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM MARKETING ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA

ESPECIALIZAÇÃO EM MARKETING ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA ESPECIALIZAÇÃO EM MARKETING ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA APRES ENTAÇÃO O mundo globalizado está em constante transformação em função da implementação de novas tecnologias ao ambiente dos

Leia mais

Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades

Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades João Alziro Herz da Jornada Presidente do Inmetro O contexto onde se insere a Metrologia: Ferramentas técnicas básicas para o desenvolvimento, provendo

Leia mais

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE PARTICIPAÇÃO NO BOOTCAMP EM EMPREENDEDORISMO SOCIAL SANTA MARIA DA FEIRA INOVAÇÃO SOCIAL

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE PARTICIPAÇÃO NO BOOTCAMP EM EMPREENDEDORISMO SOCIAL SANTA MARIA DA FEIRA INOVAÇÃO SOCIAL CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE PARTICIPAÇÃO NO BOOTCAMP EM EMPREENDEDORISMO SOCIAL SANTA MARIA DA FEIRA INOVAÇÃO SOCIAL Janeiro de 2016 ÍNDICE 1 Sumário Executivo 2 Concurso para atribuição de bolsas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE Cultura Religiosa O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano e da sociedade. As principais

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS BASE LEGAL - AÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS AÇOES DE GESTÃO DE RESÍDUOS - BASE LEGAL Lei nº 11.107/2005 Consórcios Públicos Decreto nº 6017/2007

Leia mais

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP )

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP ) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CONFERENCIA DE INVESTIDORES DO CORREDOR DE NACALA Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em

Leia mais

Parceiros Parceiro Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas

Parceiros Parceiro Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Parceiros Ramo Sistemas Diante do cenário atual (necessidades x investimentos), onde a participação dos parceiros/canais Ramo Sistemas é essencial para o crescimento dos negócios das empresas no Brasil, sugerimos fazer: 1. Mapear

Leia mais

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Seminário Internacional sobre Diretivas RoHS e WEEE Brasília, 08 de fevereiro de 2011 Complexo Industrial da Saúde

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras

Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras Dilemas da era da economia digital Descompasso envolvendo culturas e estruturas na maior parte das empresas Tecnologias do século

Leia mais

Recomendação de políticas Prevenção de crimes cibernéticos modernos

Recomendação de políticas Prevenção de crimes cibernéticos modernos Recomendação de políticas Prevenção de crimes modernos A oportunidade A combinação de um maior acesso à internet, do aumento explosivo dos dispositivos conectados, e da rápida expansão de serviços inovadores

Leia mais

10º Encontro Anual PRH / ANP. Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás

10º Encontro Anual PRH / ANP. Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás 10º Encontro Anual PRH / ANP 18-19.06.2008 Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás Rogério Amaury de Medeiros Área de Planejamento medeiros@finep.gov.br

Leia mais