Modelo de Avaliação de Impacto da Linha 4 Amarela nas Condições de Vida e Viagem da População Pobre Residente em suas Áreas de Influência

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo de Avaliação de Impacto da Linha 4 Amarela nas Condições de Vida e Viagem da População Pobre Residente em suas Áreas de Influência"

Transcrição

1 Modelo de Avaliação de Impacto da Linha 4 Amarela nas Condições de Vida e Viagem da População Pobre Residente em suas Áreas de Influência Maria Alice Cutrim (Fundação Seade) Maria Paula Ferreira (Fundação Seade)

2 CONTEXTO DO PROJETO Banco Mundial Exigência contratual para o financiamento da linha 4: estudo de avaliação de impacto nas condições de vida e viagem da população da área de influência da linha Fundação Seade contratada pelo Metrô para: Execução das pesquisas domiciliares Processamento dos dados

3 OBJETIVOS Identificar os impactos dos investimentos realizados no âmbito da construção da Linha 4 do Metrô sobre a população direta e indiretamente afetada pela obra com relação a: melhoria das Condições de Vida Urbana melhoria das Condições de Viagem melhoria da acessibilidade aos polos de emprego, educação e serviços

4 AVALIAÇÃO DE IMPACTOS EM POLITICAS DE TRANSPORTES Questões a serem consideradas Como delimitar espacialmente os efeitos das ações na área de transportes? Quais segmentos populacionais são afetados (em diferentes graus e tipos)? Maior complexidade na avaliação, no que diz respeito à conceituação do que é população alvo e à mensuração dos impactos nas distintas dimensões das condições de vida.

5 DESENHO DA AVALIAÇÃO Objetivo da Avaliação Área de Entorno Área de Influência Regional Impacto nas Condições de Vida e na Mobilidade e Acesso aos Transportes da População Residente Impacto nas Condições de Vida e na Mobilidade e Acesso aos Transportes de Famílias Pobres Metodologia de Avaliação Pesquisa de Condições de Vida e Viagem (PCVV) Pesquisas Origem Destino Pesquisa Qualitativa Pesquisa Painel com Grupo Controle Pesquisas Origem Destino Pesquisa Qualitativa Tempos da Avaliação 1997 e /13 (finalizada) 2014

6 AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA LINHA 4 DO METRÔ Comparação entre as condições de vida e de viagem de populações pobres e não pobres residentes nas áreas de influência da linha, nos períodos de pré e pós implantação; Comparação das condições de vida e viagem das populações foco e das populações pobres de outras áreas metropolitanas, denominadas no estudo como áreas de controle, visando medir o peso do fator Metrô nas eventuais mudanças ocorridas.

7 METODOLOGIA Definição das áreas de influência da linha Identificação da população pobre residente na área de influência da linha Pesquisas quantitativas Pesquisa domiciliar transversal comparados no tempo (períodos Pré e Pós-implantação) Constituição de um painel de domicílios com grupo controle Pesquisas qualitativas com entrevistas em domicílios do entorno da linha Georreferenciamento de todos os endereços das viagens pesquisa quantitativa

8 ÁREAS DE INFLUÊNCIA DA LINHA Áreas de influência da linha: Área Lindeira (entorno): Área que abrange cerca de 1 km ao redor do traçado da linha, com os contornos de área definidos pelas zonas OD* Área de Influência Regional: Área coberta pela bacia dos ônibus (intermunicipais e municipais) que serão integrados na Fase 1 da Linha, de modo a garantir que, na fase pós implantação, os entrevistados tivessem acessibilidade a nova linha. Área de controle * Zonas OD : são unidades territoriais mínimas da Pesquisa de Origem e Destino do Metrô, compatíveis com os setores censitários, recortadas segundo características do uso do solo, da estruturação urbana e do viário local, da localização de equipamentos públicos, entre outros.

9 Área Lindeira: Área que abrange cerca de 1 km ao redor do traçado da linha, com os contornos de área definidos pelas zonas OD* Subdividida em três trechos, com diferentes características de ocupação urbana Trecho 1- abrange a área do Centro Histórico da Capital, distrito da Sé e parte dos distritos Bom Retiro, República e Santa Cecília; Trecho 2 - abrange a área da Avenida Paulista, com parte dos distritos de Bela Vista, Consolação, Jardim Paulista, Pinheiros; Trecho 3 - abrange a área além do Rio Pinheiros, com parte dos distritos de Butantã, Morumbi e Vila Sônia * Zonas OD : são unidades territoriais mínimas da Pesquisa de Origem e Destino do Metrô, compatíveis com os setores censitários, recortadas segundo características do uso do solo, da estruturação urbana e do viário local, da localização de equipamentos públicos, entre outros.

10 Fonte: Metrô / SP. ÁREA LINDEIRA (entorno) E SEUS TRECHOS URBANOS

11 Área de Influência Regional: Área coberta pela bacia dos ônibus (intermunicipais e municipais) que serão integrados na Fase 1 da Linha, de modo a garantir que, na fase pós implantação, os entrevistados tivessem acessibilidade a nova linha. Composta por três eixos viários: Eixo Corifeu (Av. Vital Brasil/Corifeu de Azevedo Marques/Av. dos Autonomistas), envolvendo zonas dos municípios de Osasco e Carapicuíba; Eixo Raposo (Rodovia Raposo Tavares) envolvendo zonas do município de ( Paulo Cotia e distritos da região oeste do Município de São Eixo Francisco Morato (Av. Francisco Morato/Régis Bittencourt e Estrada do Campo ( Limpo envolvendo os municípios de Taboão, Embu, Itapecerica da Serra e zonas de distritos da região oeste do Município de São Paulo.

12 ÁREA DE INFLUÊNCIA REGIONAL Bacia de ônibus integrados na Área de Influência Regional Fonte: Metrô / SP.

13 Áreas de Controle conjuntos de zonas OD com perfil urbano semelhante à Área Regional, sem linhas de Metrô nas proximidades. São áreas localizadas: na Região Leste do Município de São Paulo, nas zonas localizadas no norte do município de Osasco, nas zonas do município de Diadema e São Bernardo do Campo

14 DEFINIÇÃO DAS ÁREAS DE CONTROLE Área de Estudo Outras Áreas da RMSP Total de Macro-áreas: 134 Área de Estudo: 14 Outras Áreas da RMSP: 120 Macro-área: distritos do Município de São Paulo e demais municípios da RM Perfil Socioeconômico da Macro-área Similar Predominantemente Ricos Predom. Classe Média 2 Distritos e 1 Município Transição p.classe Média 2 Distritos e 5 Municípios Predominantemente Pobre Perfil Socioeconômico da Macro-área 2 Distritos 23 Distritos e 6 Municípios Transição p.classe Média 2 Distritos 15 Distritos e 15 Municípios Predominantemente Pobre Perfil Urbano e de Viagem da Zona OD/1997 Perfil Urbano e de Viagem da Zona OD/ Zonas OD 34 Zonas OD Estruturada Estruturada 12 Zonas OD 127 Zonas OD Não Estruturada Não Estruturada Total de Zonas OD 25 Zonas OD 161 Zonas OD

15 ÁREAS ESTRUTURADAS E NÃO ESTRUTURADAS (Categorias utilizadas na análise dos dados) Mobilidade Infra-estrutura e Emprego Piores indicadores (Em média) Melhores indicadores (Em média) Menor Mobilidade (Índice de mobilidade motorizada dos residentes inferior a média da RMSP (1,23) e Mais de 50% das viagens produzidas são a pé) Maior Mobilidade (Índice de mobilidade motorizada dos residentes superior a média da RMSP (1,23) e Mais de 50% das viagens produzidas são por modo coletivo ou individual) Não Estruturada (54 Zonas OD) Não Estruturada (12 Zonas OD) Não Estruturada (73 Zonas OD) Estruturada (47 Zonas OD)

16 ÁREAS LINDEIRA (entorno), REGIONAL E DE CONTROLE Fonte: Metrô / SP.

17 IDENTIFICAÇÃO DA POPULAÇÃO POBRE RESIDENTE NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA LINHA Linha de Pobreza* RMSP em março de 2007: Linha de Indigência: 0,21 SM ou R$72,00 per capita (ou R$2,40 / dia ou US$ 1,15/dia) Linha de Pobreza: 0,77 SM ou R$ 269,00 per capita (ou R$8,97/dia ou US$ 4,29/dia) * Baseada na linhas de pobreza construídas por Sonia Rocha

18 PCVV (ÁREA LINDEIRA OU ENTORNO) AMOSTRA domicílios (500 domicílios por trecho) Amostragem probabilística estratificada em dois estágios: unidade do primeiro estágio: setor censitário do IBGE/2000 Unidade de segundo estágio: domicílio particular permanente Estratos amostrais: definidos a partir da classificação dos setores censitários segundo o Índice Paulista de Vulnerabilidade Social IPVS 2000: Estrato 1 (setores censitários de nenhuma ou muito baixa vulnerabilidade); Estrato 2 (setores censitários de vulnerabilidade baixa) e Estrato 3 (setores censitários de média e alta vulnerabilidade social). o O estrato 3 foi sobrerrepresentado na amostra, garantindo-se assim a representatividade dos resultados para a população de baixa renda em todos os trechos.

19 PCVV (ÁREA LINDEIRA OU ENTORNO) AMOSTRA Erros Amostrais para o Número Médio de Viagens, Tamanho da Amostra, Número de Setores Censitários da Amostra e Número Médio de Domicílios a Selecionados por Setor Censitário, segundo Trechos da Área de Entorno Área de Entorno Erro Amostral (%) (1) Tamanho da Amostra (Número de Domicílios) Número de Setores Censitários na Amostra Número Médio de Domicílios Selecionados por Setor Censitário Total 5, Trecho 1 12, Trecho 2 10, Trecho 3 3, Fonte: Fundação Seade. Metrô Aferição da OD/2002; processamento Fundação Seade. (1) Com coeficiente de confiança de 95%.

20 PESQUISA PAINEL COM GRUPO CONTROLE AMOSTRA domicílios: domicílios na área de influência regional domicílios na área de controle 1ª Tomada: amostragem probabilística estratificada em dois estágios: unidade do primeiro estágio: setor censitário do IBGE/2000 Unidade de segundo estágio: domicílio particular permanente 2ª Tomada: mesmos domicílios entrevistados na primeira tomada

21 PESQUISA PAINEL COM GRUPO CONTROLE AMOSTRA Total de Setores Censitários e Domicílios Particulares no Universo e na Amostra Áreas de Estudo e de Controle Área Total de Setores Censitários (1) Total de Domicílios Amostra Total de Setores Censitários (1) Total de Domicílios Estudo Corredor Corifeu/Vital Raposo Tavares Franciso Morato Tipo de Zona OD Estruturada Não Estruturada Controle Região Sudeste I Sudeste II Leste Oeste Tipo de Zona OD Estruturada Não Estruturada Fonte: Fundação IBGE; Fundação Seade. (1) Em alguns casos os setores censitários foram divididos e as respectivas partes entraram para sorteio como conglomerados distintos. Nota: Em cada setor censitário o número de domicílio a ser selecionado é 10.

22 LINHA DE BASE 2007 POPULAÇÃO Em 2007, nas áreas de influência da nova linha 2,5 milhões de pessoas cerca de 712 mil viviam abaixo da linha de pobreza: 5% na área lindeira 95% em sua área de influência regional 56,1 mil eram situados em favelas 7,1% do total de domicílios das áreas em estudo localizados principalmente nas regiões periféricas, e no Trecho 3 da área do entorno 5,5 mil eram cortiços e pensões concentrados basicamente na área central da cidade

23 LINHA DE BASE 2007 ÁREA DE INFLUÊNCIA REGIONAL VS ÁREA DE CONTROLE Não há diferença estatisticamente significante em relação a renda média das famílias residentes nas áreas painel e controle (p = 0,459) Não há diferença estatisticamente significante em relação ao número de viagens entre a população residente nas áreas painel e controle (p=0,922) Não há diferença estatisticamente significante em relação ao custo da viagem entre a população residente nas áreas painel e controle (p = 0,526)

24 POPULAÇÃO POBRE LINHA DE BASE 2007 Não há diferença estatisticamente significante em relação a média de renda entre as famílias pobres residentes nas áreas de painel e controle (p = 0,922) Não há diferença estatisticamente significante em relação ao número de viagens entre a população pobre residente nas áreas de painel e controle (p = 0,174) Não há diferença estatisticamente significante em relação ao custo da viagem entre a população pobre residente nas áreas painel e controle (p = 0,744)

25 DESEMPENHO DA AMOSTRA PESQUISA PAINEL GRUPOR CONTROLE 2013 Em % Nota: Entrevista realizada inclui realizada com viagem, realizada sem viagem e incompleta.

26 DESEMPENHO DA AMOSTRA PESQUISA PAINEL GRUPOR CONTROLE 2013 PAINEL: entrevistas realizadas segundo Corredores 74,0 72,0 Em % 72,0 70,0 68,0 66,0 65,0 64,0 62,0 60,0 58,0 56,0 54,0 60,4 Corredor Corifeu/Vital Corredor Raposo Tavares 60,1 Corredor Francisco Morato Total CONTROLE: entrevistas realizadas segundo áreas 70,0 60,0 Em % 59,2 62,9 55,2 56,4 50,0 48,2 40,0 30,0 Nota: Entrevista realizada inclui realizada com viagem, realizada sem viagem e incompleta. 20,0 10,0 0,0 Área Estruturada Sudeste Área Estruturada Leste Área não Estruturada Sudeste Área não estruturada Oeste Total

27 PESQUISA PAINEL COM GRUPO CONTROLE 2013 Fator de Ponderação Domicílios e pessoas: peso original (tomada de 2007) corrigido pelo fator de não resposta e projeção populacional de 2013 Viagens: fator de ponderação de domicílios e pessoas corrigido pelo número de viagens Linha de Pobreza

DIVISÃO GEOGRÁFICA DA CIDADE DE FOZ DO IGUAÇU:

DIVISÃO GEOGRÁFICA DA CIDADE DE FOZ DO IGUAÇU: Página 1 METODOLOGIA Dia de Coleta: 22 e 23 de agosto de 2016; Município: Foz do Iguaçu - PR Questionário: Quantitativo, aplicado por aferição; Amostragem: 603 eleitores, com idade acima de 16 anos; Divisão

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012

EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 Maria Cecilia Masagão Andreoli de Oliveira 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA CATEGORIA

Leia mais

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra 1 Índice 2 1. Metodologia e objetivo 2. Praticantes de skate: penetração nos lares 3. Perfil da amostra Objetivo 3 A pesquisa tem como objetivo medir a penetração e conhecer o perfil de praticantes de

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego CET

Companhia de Engenharia de Tráfego CET Secretaria Municipal de Transporte SMT Sec e a a u cpa de a spo e S Companhia de Engenharia de Tráfego CET Anhanguera Bandeirantes Fernão Dias Presidente Dutra Ayrton Senna MAIRIPORÃ Castello Branco CAIEIRAS

Leia mais

CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO

CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO Autor: Engº Roberto Carlos Fazilari Chefe do Departamento de Implantação de Obras da EMTU/SP, Gestor de Projeto do Plano de Expansão do Governo do Estado de São

Leia mais

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP Lucas Alonso 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP 2 Análise da

Leia mais

METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ

METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO 2012-2030 ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ SÃO PAULO 13//06/2012 Expansão 2012-2030 2 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

Leia mais

Criação de Indicadores Urbanísticos: Impacto do Metrô na Dinâmica Imobiliária.

Criação de Indicadores Urbanísticos: Impacto do Metrô na Dinâmica Imobiliária. 14 ª SEMANA DE Criação de Indicadores Urbanísticos: Impacto do Metrô na O Caso do Mercado Imobiliário no Entorno da Linha 3 do Metrô de São Paulo. Engº Socióloga Arquitª Irany Mariana Santos Miranda Setembro

Leia mais

Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar. Dezembro de 2013

Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar. Dezembro de 2013 Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SÍNTESE DAS INFORMAÇÕES PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO

Leia mais

USO DE CADEIRINHA NO AUTOMÓVEL. Relatório em Setembro de 2012

USO DE CADEIRINHA NO AUTOMÓVEL. Relatório em Setembro de 2012 1 1 USO DE CADEIRINHA NO AUTOMÓVEL Relatório em Setembro de 2012 Índice 2 2 Objetivo Metodologia Hábito de transportar crianças com até 10 anos em automóvel de passeio Perfil População adulta Transporta

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 ASPECTOS A SEREM ABORDADOS 1. A Mobilidade na RMSP 2. Integração

Leia mais

2ª Região SP Ano de 2013

2ª Região SP Ano de 2013 1ª de Arujá 483 304... 1ª de Barueri 2.966 2.299 2.988 2ª de Barueri 3.250 3.073 2.408 3ª de Barueri 3.093 2.544 2.559 1ª de Caieiras 1.046 1.001 545 1ª de Cajamar 264 799 394 1ª de Carapicuíba 34 447

Leia mais

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços.

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Apresentação Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Diagnóstico Socioterritorial Os indicadores e informações

Leia mais

Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos.

Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos. Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos. Autores: Angelique Joseli de Oliveira 1 ; Tamara Crioruska Tarasiuk 1 ¹ Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DEZEMBRO 2013 DENSIDADE DE EMPREGOS ÁREA CENTRAL Plano Diretor 2013 Referências Trata da política de transporte e mobilidade urbana integrada com

Leia mais

Meio Ambiente e Geoprocessamento SUMÁRIO EXECUTIVO

Meio Ambiente e Geoprocessamento SUMÁRIO EXECUTIVO Meio Ambiente e Geoprocessamento Estudo sócio, econômico e ambiental dos municípios de Cabo Verde/MG e Divisa Nova/MG para avaliação de eventual pavimentação viária SUMÁRIO EXECUTIVO Cabo Verde, 19 de

Leia mais

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO SEMINÁRIO RIO METROPOLITANO: DESAFIOS COMPARTILHADOS O FUTURO DA MOBILIDADE NA METRÓPOLE VERTICALIDADES Aspectos metropolitanos HORIZONTALIDADES Interações entre

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana Março / 2012 Mobilidade é o deslocamento de pessoas e bens nas cidades. É sustentável quando: Valoriza o deslocamento do pedestre. Proporciona mobilidade às

Leia mais

SP 09/94 NT 184/94. Volume das rodovias de acesso e saída da capital. Engº Fernando G. Gonçalves Salvador Engº Marcos Vinicius Brito

SP 09/94 NT 184/94. Volume das rodovias de acesso e saída da capital. Engº Fernando G. Gonçalves Salvador Engº Marcos Vinicius Brito SP 09/94 NT 184/94 Volume das rodovias de acesso e saída da capital Engº Fernando G. Gonçalves Salvador Engº Marcos Vinicius Brito O crescimento populacional no município de SP, aliado a outros fatores

Leia mais

A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera frente ao O O por segmentos da população O O ao longo do dia O O por motivos de viagem O O por regiões d

A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera frente ao O O por segmentos da população O O ao longo do dia O O por motivos de viagem O O por regiões d 15ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA TRANSPORTE COLETIVO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO A RECUPERAÇÃO DO MODO COLETIVO FRENTE AO MODO INDIVIDUAL A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera

Leia mais

Principais Conceitos em Estatística

Principais Conceitos em Estatística 1 Principais Conceitos em Estatística Ernesto F. L. Amaral 08 de outubro de 2009 www.ernestoamaral.com/met20092.html Fonte: Triola, Mario F. Introdução à estatística. 10 ª ed., Rio de Janeiro: LTC, 2008.

Leia mais

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR MUNICÍPIO DE LONDRINA CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Situado ao norte do estado do Paraná Município foi criado em dezembro de 1934 e acaba de

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB 2013 O desafio de: - Fortalecer espaços produtivos - Aproximar a oferta de empregos dos locais de moradia Fonte: Pesquisa

Leia mais

O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva*

O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva* O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva* Com a divulgação da Pesquisa da Mobilidade de São Paulo, com dados de 2012 (OD 2012) pelo Metrô-SP, torna-se

Leia mais

Desenvolvimento da Zona Leste

Desenvolvimento da Zona Leste Cidade de Oportunidades Desenvolvimento da Zona Leste SEMINÁRIO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO URBANO E SUSTENTABILIDADE Maria Teresa Oliveira Grillo ESCOLA DE FORMAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL Março/

Leia mais

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS OPORTUNIDADES PROMOVER ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO E ALÍVIO DOS VOLUMES DE TRÁFEGO IMPORTANTE VIA ESTRUTURAL.

Leia mais

São Paulo 2030 Painel Mobilidade Urbana. Março/2016

São Paulo 2030 Painel Mobilidade Urbana. Março/2016 São Paulo 2030 Painel Mobilidade Urbana Março/2016 OBJETIVO Mapear as opiniões e as percepções dos moradores da cidade da São Paulo em relação a temas do cotidiano e à prestação de políticas públicas,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana O Brasil vai continuar crescendo O Brasil vai continuar crescendo PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO

Leia mais

Entre Rios PROJETO ESTRATÉGICO

Entre Rios PROJETO ESTRATÉGICO Entre Rios PROJETO ESTRATÉGICO SOBRE O MUNICÍPIO domicílios com renda mensal até 2 s.m. 2010 Fonte: IBGE 2010 Base Cartográfica: MDC/SMDU; Emplasa, 2007 Elaboração: SMDU/SPurbanismo, 2013 3 domicílios

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE BUROCRACIA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE BUROCRACIA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE BUROCRACIA DEZEMBRO DE 2008 JOB12-9 OBJETIVO LOCAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA Levantar junto aos eleitores da área em estudo opiniões relacionadas a burocracia

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE AS ELEIÇÕES 2014

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE AS ELEIÇÕES 2014 PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE AS ELEIÇÕES 2014 JULHO DE 2013 JOB1036 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL O principal objetivo desse projeto é levantar um conjunto de informações sobre

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

ARCO METROPOLITANO. Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense. Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil

ARCO METROPOLITANO. Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense. Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil ARCO METROPOLITANO Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil 29 de setembro de 2015 Baixada Fluminense I & II Municípios:

Leia mais

Uso de Serviços Públicos de Saúde

Uso de Serviços Públicos de Saúde Uso de Serviços Públicos de Saúde Metodologia Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. OBJETIVO GERAL Levantar junto à população da área em estudo

Leia mais

CBL/BRACELPA/SNEL/ABRELIVROS Retrato da Leitura no Brasil. Retrato da Leitura no Brasil

CBL/BRACELPA/SNEL/ABRELIVROS Retrato da Leitura no Brasil. Retrato da Leitura no Brasil Retrato da Leitura no Brasil 1549 1 l Introdução: Metodologia 1549 2 Objetivo DESCRIÇÃO DO DO PROJETO Principal: Identificar a penetração da leitura de livros no Brasil e o acesso a livros Secundários:

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO CENÁRIO POLÍTICO MUNICIPAL SANTA MARIA/RS

PESQUISA DE AVALIAÇÃO CENÁRIO POLÍTICO MUNICIPAL SANTA MARIA/RS 1 PESQUISA DE AVALIAÇÃO CENÁRIO POLÍTICO MUNICIPAL SANTA MARIA/RS 27 de outubro de 2016 2 Especificações técnicas da pesquisa: Tamanho da amostra, período da coleta de dados e área física de realização

Leia mais

Noções de Amostragem

Noções de Amostragem Noções de Amostragem AMOSTRAGEM Amostragem: é a área da estatística que estuda técnicas e procedimentos para retirar e analisar uma amostra com o objetivo de fazer inferência a respeito da população de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 Carlos Paiva paivacardoso@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO Dando continuidade ao estudo iniciado no artigo Escolha

Leia mais

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE 1 IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE AUDIÊNCIA PÚBLICA OUTRAS INFORMAÇÕES 2266-0369 SMTR www.rio.rj.gov.br 2589-0557 SMO Rio de Janeiro

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS MARÇO DE 2014 JOB0311 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO O principal objetivo desse projeto é levantar a intenção de voto do eleitorado acerca

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

Mariana Balboni. de Gestor de TI CONIP DF 22 e 23 de novembro e CONIP Brasília

Mariana Balboni. de Gestor de TI CONIP DF 22 e 23 de novembro e CONIP Brasília Indicadores TIC no Brasil: Iniciativas do CGI.br Mariana Balboni II Fórum F de Gestor de TI CONIP DF Brasília 22 e 23 de novembro e 2005 O que é o Comitê Gestor da Internet no Brasil? Quais as iniciativas

Leia mais

Avaliação da flexibilização do horário do programa de rádio A Voz do Brasil - Março/2014 -

Avaliação da flexibilização do horário do programa de rádio A Voz do Brasil - Março/2014 - Avaliação da flexibilização do horário do programa de rádio A Voz do Brasil - Março/2014 - 2 Objetivo Metodologia Perfil da amostra Programa A Voz do Brasil Transmissão em horário fixo / flexível Importância

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

EMPREENDIMENTO DO VLT

EMPREENDIMENTO DO VLT SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS Comitê técnico II - Desenvolvimento Socioeconômico,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA NO BRASIL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA NO BRASIL PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA NO DEZEMBRO DE 2008 JOB12-9 OBJETIVO LOCAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA Levantar junto aos eleitores da área em estudo opiniões relacionadas

Leia mais

Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo. Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010

Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo. Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010 Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010 Índice de Atendimento Sabesp Abastecimento de Água 1994 95% 2001 100% 2010 Final de 2010

Leia mais

Cidades Inclusivas e Integradas: Exemplos de São Paulo

Cidades Inclusivas e Integradas: Exemplos de São Paulo Cidades Inclusivas e Integradas: Exemplos de São Paulo Rio de Janeiro 24/05/2012 SP-URBANISMO Região Metropolitana de São Paulo População RMSP: 20 milhões São Paulo: 11 milhões Desenvolvimento Urbano 1929

Leia mais

A pesquisa foi realizada em 58 países, totalizando mais de 52 mil entrevistas e representando mais de 70% da população global.

A pesquisa foi realizada em 58 países, totalizando mais de 52 mil entrevistas e representando mais de 70% da população global. A WIN é uma associação que reúne as maiores empresas independentes de Pesquisa de Mercado do mundo. É uma plataforma global para intercâmbio de negócios internacionais entre mais de 65 países, presentes

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE VALORES PESSOAIS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE VALORES PESSOAIS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE VALORES PESSOAIS DEZEMBRO DE 2016 JOB1713 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL O principal objetivo desse projeto é avaliar a adesão da população à pautas

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO: AINDA EXISTE RIVALIDADE NO FUTEBOL PERNAMBUCANO? RECIFE PESQ. Nº 035.1/2009

PESQUISA DE OPINIÃO: AINDA EXISTE RIVALIDADE NO FUTEBOL PERNAMBUCANO? RECIFE PESQ. Nº 035.1/2009 PESQUISA DE OPINIÃO: AINDA EXISTE RIVALIDADE NO FUTEBOL PERNAMBUCANO? RECIFE PESQ. Nº 035.1/2009 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA: OBJETIVO: Investigar a posição da população residente na área de abrangência

Leia mais

Cicloativismo: uma experiência de participação. Melina Rombach Santiago, 01 de abril de 2016

Cicloativismo: uma experiência de participação. Melina Rombach Santiago, 01 de abril de 2016 Cicloativismo: uma experiência de participação Melina Rombach Santiago, 01 de abril de 2016 Plano de Mobilidade de Osasco e o cicloativismo: uma experiência de participação Introdução Leis e instituições

Leia mais

Sistema Cantareira: RMSP e PCJ escassez hídrica (muita gente: 20 milhões de pessoas só na RMSP e pouca água)

Sistema Cantareira: RMSP e PCJ escassez hídrica (muita gente: 20 milhões de pessoas só na RMSP e pouca água) Sistema Cantareira: RMSP e PCJ escassez hídrica (muita gente: 20 milhões de pessoas só na RMSP e pouca água) Franco da Rocha Bragança Paulista Mairiporã Nazaré Paulista Piracaia São Paulo Escassez hídrica:

Leia mais

Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo. Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008

Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo. Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008 Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008 PESQUISA ORIGEM E DESTINO 2007 SÍNTESE DAS INFORMAÇÕES PESQUISA DOMICILIAR

Leia mais

PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas

PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas EDUARDO DELLA MANNA DIRETOR-EXECUTIVO SECOVI-SP VICE-PRESIDÊNCIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS E URBANISMO METROPOLITANO número mínimo de vagas LEI

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vila Rica, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7468,7 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 21382 hab. Densidade

Leia mais

PORQUE VENDER NUNCA SAI DE MODA.

PORQUE VENDER NUNCA SAI DE MODA. SE A SUA LOJA QUER GANHAR EM VENDAS E LUCRATIVIDADE, SEU LUGAR É AQUI. PORQUE VENDER NUNCA SAI DE MODA. INAUGURAÇÃO NOVEMBRO 2016 ÍNDICE 1 ABERTURA 2 MERCADO DE OUTLET 3 A REGIÃO 4 O PÚBLICO 5 O EMPREENDIMENTO

Leia mais

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GCN 7901 ANÁLISE ESTATÍSTICA EM GEOCIÊNCIAS PROFESSOR: Dr. ALBERTO FRANKE CONTATO: alberto.franke@ufsc.br F: 3721 8595 CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA As pesquisas de opinião

Leia mais

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A.

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. Transporte Público: Origens, Evolução e Benefícios Sociais do Bilhete Único 05/04/2005 Antecedentes Bilhetagem Automática 1974: Metrô de São Paulo bilhete magnético Edmonson Seguem-se:

Leia mais

Seminário Espaços Urbanos Seguros

Seminário Espaços Urbanos Seguros Seminário Espaços Urbanos Seguros A atuação da CAIXA e seu impacto no desenvolvimento de cidades sustentáveis Vice-Presidência de Governo Superintendência Nac de Ass Técnica e Desenv Sustentável Jean R.

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos

Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos 24/01/2017 Iniciou suas atividades em 1998 Oferece um amplo conjunto de serviços especializados de consultoria

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ELEITORAIS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ELEITORAIS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ELEITORAIS JOÃO PESSOA - PB DEZEMBRO DE 2011 CONTATO Fone : 9979 0891 9372 6312 3055 0868 E-mail: instituto.datavox@gmail.com Enquanto um homem individualmente

Leia mais

Pesquisa de Opinião Manaus Eleições Majoritárias 2º Turno

Pesquisa de Opinião Manaus Eleições Majoritárias 2º Turno Pesquisa de Opinião Manaus Eleições Majoritárias 2º Turno - 2016 Número de Registro da Pesquisa Pesquisa registrada no TRE-AM sob o Nº AM-06440/2016 em 03/10/2016 Estatístico Responsável João Caldas do

Leia mais

TIC DOMICÍLIOS 2015 Apresentação dos principais resultados TIC Domicílios 2015

TIC DOMICÍLIOS 2015 Apresentação dos principais resultados TIC Domicílios 2015 TIC DOMICÍLIOS 15 Apresentação dos principais resultados TIC Domicílios 15 São Paulo 13 de Setembro de 16 SOBRE O CETIC.br PRODUÇÃO DE ESTATÍSTICAS TIC PARA POLÍTICAS PÚBLICAS Modelo Multissetorial de

Leia mais

Aula 5:Amostragem e tipos de. amostra. Métodos e Técnicas de Pesquisa I Márcia Lima Murillo Maschner

Aula 5:Amostragem e tipos de. amostra. Métodos e Técnicas de Pesquisa I Márcia Lima Murillo Maschner Aula 5:Amostragem e tipos de amostra Métodos e Técnicas de Pesquisa I 2015 Márcia Lima Murillo Maschner Roteiro: A lógica da amostragem por survey. Conceitos elementares Tipos alternativos de amostras

Leia mais

Palavras-chave: Atividades Turísticas, Qualidade de Vida e Estância Turística de Presidente Epitácio (Estado de São Paulo, Brasil).

Palavras-chave: Atividades Turísticas, Qualidade de Vida e Estância Turística de Presidente Epitácio (Estado de São Paulo, Brasil). Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-5 ATIVIDADES TURÍSTICAS E QUALIDADE DE VIDA: ESTUDO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE EPITÁCIO (ESTADO DE SÃO

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O ESTATUTO DO DESARMAMENTO SETEMBRO DE 2003 OPP 153 OBJETIVO LOCAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA - Levantar junto a eleitores da área em estudo opiniões relacionadas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarujá, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 143,71 km² IDHM 2010 0,751 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 290752 hab. Densidade

Leia mais

Lúcia Rolim Santana de Freitas, Leila Posenato Garcia, Ana Cláudia Sant Anna, Luís Carlos Garcia de Magalhães, Adriana Pacheco Aurea.

Lúcia Rolim Santana de Freitas, Leila Posenato Garcia, Ana Cláudia Sant Anna, Luís Carlos Garcia de Magalhães, Adriana Pacheco Aurea. Condições de vida das famílias brasileiras e gastos com medicamentos: estudo das desigualdades a partir das Pesquisas de Orçamentos Familiares 2002-2003 e 2008-2009 Eixo: Financiamento dos Sistemas de

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Capítulo 1 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Tecnologia dos Transportes 2 SISTEMAS DE TRANSPORTE E SOCIEDADE De extrema importância para o desenvolvimento de uma sociedade O desenvolvimento está diretamente

Leia mais

Atuação SH/CDHU Projeto ZL Vórtice. setembro/2014

Atuação SH/CDHU Projeto ZL Vórtice. setembro/2014 Atuação SH/CDHU Projeto ZL Vórtice setembro/2014 PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO 2011-2023 www.cdhu.sp.gov.br/peh-new/peh.asp NECESSIDADES HABITACIONAIS - PROJEÇÃO 2011 ESTADO DE SÃO PAULO TOTAL DE DOMICÍLIOS

Leia mais

Políticas públicas, Pobreza Urbana e Território

Políticas públicas, Pobreza Urbana e Território Políticas públicas, Pobreza Urbana e Território Eduardo Marques DCP/USP e CEM/CEBRAP www.centrodametropole.org.br Sumário da apresentação 1. Porque usar a dimensão territorial nas políticas sociais 2.

Leia mais

PIRACICABA ANGELO FRIAS NETO

PIRACICABA ANGELO FRIAS NETO PIRACICABA ANGELO FRIAS NETO Presidente da ACIPI Associação Comercial e Industrial de Piracicaba e Diretor do Secovi SP PIRACICABA CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS Território e População Área: 1.378,501 km²

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rondonópolis, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4181,58 km² IDHM 2010 0,755 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 195476 hab. Densidade

Leia mais

A menor distância entre você mil consumidores

A menor distância entre você mil consumidores A menor distância entre você e 200 mil consumidores O privilégio de estar localizado no melhor pontode Cotia! Entrada da Cidade Av. Antônio Mathias de Camargo São Roque Itapevi Barueri Jandira Carapicuíba

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização da CPTM

Projetos de Expansão e Modernização da CPTM Projetos de Expansão e Modernização da CPTM Jun/2012 Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento e Projetos Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco da Rocha Caieiras

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Novo do Parecis, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9480,98 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 27577

Leia mais

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE Jilmar Tatto Secretário municipal de transportes GERENCIAMENTO DA DEMANDA DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE URBANA E TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO SÃO PAULO

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Real do Colégio, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 240,46 km² IDHM 2010 0,551 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cáceres, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 24478,87 km² IDHM 2010 0,708 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 87942 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Juara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 21474,36 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 32791 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Projeções Populacionais e Primeiros Resultados do Censo de 2010

Projeções Populacionais e Primeiros Resultados do Censo de 2010 Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 1 Janeiro 2011 Projeções Populacionais e Primeiros Resultados do Censo de 2010 Os resultados do Censo Demográfico, realizado pelo IBGE em

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Boca da Mata, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 187,11 km² IDHM 2010 0,604 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Matupá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5172,94 km² IDHM 2010 0,716 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14174 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Lucas do Rio Verde, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3674,76 km² IDHM 2010 0,768 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 45556 hab.

Leia mais

PENSAR BRASÍLIA. TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo. Brasília/DF, 30 de agosto de 2012. Secretaria de Transportes - DF

PENSAR BRASÍLIA. TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo. Brasília/DF, 30 de agosto de 2012. Secretaria de Transportes - DF PENSAR BRASÍLIA TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo Brasília/DF, 30 de agosto de 2012 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GOVERNO PARA O DISTRITO FEDERAL Postura de Estado. Visão > Eixo de Desenvolvimento

Leia mais

Povoamento disperso; económicas predominantes: agricultura, pecuária e silvicultura.

Povoamento disperso; económicas predominantes: agricultura, pecuária e silvicultura. Ano Lectivo 2010/2011 Geografia 8º Ano de escolaridade Professora Márcia Monsanto Áreas de fixação humana Espaço rural: Povoamento disperso; Actividades económicas predominantes: agricultura, pecuária

Leia mais

A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS

A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS 1 A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS A importância dos cuidados com as crianças na primeira infância tem sido cada vez mais destacada

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Major Isidoro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 455,14 km² IDHM 2010 0,566 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1 Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1 INEP Ana Djéssika Silva Cruz Vidal Abril 2012 UFJF (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 10 Introdução Sistema de Avaliação

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Outubro 2015

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Outubro 2015 Estoque de Outorga Onerosa Residencial Outubro 2015 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na cidade

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa não Residencial

Estoque de Outorga Onerosa não Residencial Estoque de Outorga Onerosa não Residencial Setembro 2015 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Dezembro 2014

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Dezembro 2014 Estoque de Outorga Onerosa Residencial Dezembro 2014 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na cidade

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Julho 2014

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Julho 2014 Estoque de Outorga Onerosa Residencial Julho 2014 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na cidade

Leia mais

1ª PESQUISA OD NA BAIXADA. Estudo sobre a mobilidade da população:

1ª PESQUISA OD NA BAIXADA. Estudo sobre a mobilidade da população: 1 1ª PESQUISA OD NA BAIXADA Estudo sobre a mobilidade da população: 2 PESQUISA OD VIAGEM MODO MOTIVO Informações adicionais: Tempo de viagem Características socioeconômicas Localização dos pólos de produção

Leia mais

Dados relativos à pesquisa do mês de novembro/16 Pulso Brasil / ACSP

Dados relativos à pesquisa do mês de novembro/16 Pulso Brasil / ACSP Dados relativos à pesquisa do mês de novembro/16 Pulso Brasil / ACSP PULSO BRASIL AMOSTRA 1.200 entrevistas, pessoais e domiciliares, realizadas mensalmente em 72 municípios no Brasil inteiro. Amostra

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE SP SETEMBRO 2014 ANTECEDENTES CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 182/183 > CONDICIONAM O DIREITO DE PROPRIEDADE A SUA FUNÇÃO SOCIAL INSTRUMENTOS PARA CUMPRIR FUNÇÃO SOCIAL DA

Leia mais