CONVERSANDO COM OS CONSULTORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONVERSANDO COM OS CONSULTORES"

Transcrição

1 CONVERSANDO COM OS CONSULTORES

2 Pronaf Mais Alimentos: É a linha mais geral e mais usada. Não tem uma finalidade ou beneficiário específico, atende a basicamente todos os produtores rurais em diversos itens financiáveis na propriedade. Limite máximo de financiamento da linha de R$ ,00. R$ ,00. Pronaf Mais Alimentos Suinocultura, Avicultura e Fruticultura: Como o próprio nome demonstra, é uma linha com as condições do PRONAF MAIS ALIMENTOS convencional, porém voltada a investimentos em suinocultura, avicultura e fruticultura. Limite máximo de financiamento da linha de R$ ,00. R$ ,00.

3 Pronaf Mais Alimentos Armazenagem: A exemplo do que foi descrito no item acima, é uma linha com as condições do PRONAF MAIS ALIMENTOS, voltada para investimentos em estruturas de armazenagem. Limite máximo de financiamento da linha de R$ ,00. R$ ,00. Pronaf Mulher: Linha voltada para as mulheres agricultoras. Uma observação interessante a respeito desta linha é que a produtora rural só poderá contratar uma segunda Operação no PRONAF MULHER se já tiver pago pelo menos 3 parcelas da primeira Operação contratada. Limite máximo de financiamento da linha de R$ ,00. R$ ,00.

4 Pronaf Eco: Linha voltada para investimentos como armazenamento hídrico, aproveitamento de potenciais hidroenergéticos e tratamento de água. Limite máximo de financiamento da linha de R$ ,00. R$ ,00. Pronaf Eco Silvicultura: Linha voltada para financiamentos de florestas plantadas (eucalipto, seringueira, etc). Pelos itens financiáveis, o PRONAF ECO SILVICULTURA pode chegar a 8 anos de carência e 12 anos para pagar (incluída a carência). Limite máximo de financiamento da linha de R$ ,00. R$ ,00.

5 Pronaf Eco Solo:Linha do Pronaf voltada à recuperação e melhoria das condições do solo. Limite máximo de financiamento da linha de R$ ,00. R$ ,00. Obs: Para as linhas do PRONAF ECO SILVICULTURA e PRONAF ECO SOLO, a exemplo do PRONAF MULHER, a contratação de uma segunda Operação depende da amortização de pelo menos 3 parcelas da primeira Operação. Pronaf Agroindústria: Linha voltada para a instalação e modernização de agroindústrias. Limite máximo de financiamento da linha de R$ ,00. R$ ,00.

6 Pronaf Agroecologia: Linha Voltada principalmente para financiar investimentos ecologicamente sustentáveis, principalmente agricultura orgânica, conforme normas estabelecidas pela Secretaria da Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Limite máximo de financiamento da linha de R$ ,00. R$ ,00. Pronaf Jovem: Linha destinada a jovens empreendedores rurais. Os beneficiários devem ter idade entre 16 e 29 anos de idade, estarem cursando ou tenha concluído cursos de formação de nível médio na área rural (escolas de alternância ou escolas agrícolas). Limite máximo de financiamento da linha de R$ ,00.

7 Novo item financiável: Veículos utilitários, exceto para cafeicultores, com comprovação técnica de no mínimo 120 dias de uso por ano na atividade agropecuária, que constem da relação da SAF/MDA ( observada a descrição mínima e o valor máximo de cada item. No caso de financiamento de veículos utilitários, o pagamento será feito diretamente ao fornecedor

8 Itens NÃO financiáveis: Equipamentos de Irrigação que não seja localizada (ex: aspersão, pivô central), salvo no caso da irrigação de pastagens e olericultura; Caminhões; Veículos utilitários para cafeicultores; Aquisição de propriedades; Casas de colono ou casa sede; Bezerros, garrotes e novilhos para engorda.

9 Limites de Finaciamento: O limite para cada linha é de R$ ,00 R$ , exceto o PRONAF JOVEM, cujo limite é de R$ ,00. Ou seja, existem dois limites a serem observados: o limite da linha, que é de R$ ,00 R$ ,00, e o limite geral de endividamento, que é de R$ ,00.

10 Exemplo: Se uma produtora rural já tem um financiamento pelo PRONAF MAIS ALIMENTOS de R$ ,00 no Banco do Brasil, outro pelo PRONAF ECO no valor de R$ ,00 no SICOOB, a soma de todos os seus financiamentos será de R$ ,00. Logo, o valor máximo que ele poderia contratar no BANDES (na linha PRONAF MULHER, por exemplo) seria de R$ ,00 para ficar dentro do limite máximo de R$ ,00.

11 Ítem Carência (anos) Amortização (anos) Máquinas e equipamentos* Derriçadeira e Roçadeira 0 3 Construções rurais** Pecuária*** 1 6 Agroturismo 3 6 Agroindústria Irrigação Isolada 1 7 Irrigação junto com cultura De acordo com a cultura e capacidade de pagamento De acordo com a capacidade de pagamento Mamão 1 2 Banana 2 5 Maracujá 1 2 Coco 3 6 Cacau 3 6 Palmito 3 6 Eucalipto 6 6 Seringueira 7 5 Café Cana-de-açúcar 1 6 Pimenta-do-reino 3 6 Veículo 0 5

12 Cliente com saldo devedor no Bandes + valor do financiamento proposto menor que R$ ,00 R$ ,00 (considerando o grupo econômico, ou seja, somando o marido e a esposa): Pode ser usado como garantia aval ou garantia real (imóvel). Por exemplo, se um produtor ou sua esposa tiverem financiamentos no Bandes com saldos devedores de R$ ,00 R$ ,00 (Valor Financiado + Juros) o máximo que ele poderá financiar com garantia por aval é de R$ ,00 R$ ,00. Acima desse valor, ele obrigatoriamente terá que apresentar uma garantia real (imóvel).

13 Imóveis em comodato, arrendamento, parceria: O proprietário do imóvel no caso de comodato, arrendamento, parceria ou outros obrigatoriamente terá que ser avalista da Operação, exceto em casos de comodato de pais para filhos. Para valores de financiamento até R$ ,00, o proprietário do imóvel no caso de comodato, arrendamento, parceria ou outros não precisa ser avalista da operação, bastando uma carta de anuência. Acima deste valor, o proprietário do imóvel deverá ser avalista.

14 Alienação/Hipoteca de imóveis ao BANDES: Se o imóvel já está alienado ao BANDES, o mesmo não poderá ser utilizado como garantia para outro financiamento. Se o imóvel já está alienado ao BANDES, mas tem valor suficiente para garantir um novo financiamento, poderá ser retirada a alienação e feitas hipotecas de primeiro e segundo grau sobre ele.

15 Plantio de Café: O plantio de café pode ser financiado seguintes condições: Produtores entrantes na atividade agrícola a fim de gerar renda na propriedade (ex: ex-meeiro, ex-colono, programa Jovem Empreendedor); Plantio de café associado com investimentos em outras atividades, como pimenta do reino, fruticultura, piscicultura, eucalipto, seringueira, agroindústria, pecuária, etc. Nestes casos, o investimento no plantio de café está limitado a 45% do valor total do projeto.

16 Análise de Solos: Plantio, reforma de pastagens e formação de reserva alimentar (capineira): É necessária a apresentação da análise química de solo, e recomendação de correção e adubação para todas as propostas, independente do tamanho da área de plantio. É necessária a apresentação da análise química do solo ou seu protocolo. Para plantio de culturas agrícolas em áreas acima de 10 ha é necessária a apresentação de análise de solos ou seu protocolo.

17 ABC 3 MODALIDADES: ABC Recuperação ABC Integração ABC Florestas

18 OBJETIVOS ABC Reduzir as emissões de gases de efeito estufa oriundas das atividades agropecuárias; Reduzir o desmatamento; Aumentar a produção agropecuária em bases sustentáveis; Adequar as propriedades rurais à legislação ambiental; Ampliar a área de florestas cultivadas; Estimular a recuperação de áreas degradadas.

19 Empreendimentos Apoiáveis: ABC ABC Integração: Implantação e melhoramento de sistemas de integração lavoura-pecuária, lavoura-floresta, pecuária-floresta ou lavoura-pecuária-floresta e de sistemas agroflorestais. ABC Recuperação: Recuperação de pastagens degradadas. ABC Florestas: Implantação, manutenção e melhoramento do manejo de florestas comerciais, inclusive aquelas destinadas ao uso industrial ou à produção de carvão vegetal.

20 ABC Itens Financiáveis: Obs: Tem que ser vinculados a projetos em conformidade com os empreendimentos apoiáveis. Elaboração de projeto técnico e georreferenciamento das propriedades rurais, inclusive despesas técnicas e administrativas relacionadas ao processo de regularização ambiental; Assistência técnica necessária até a fase de maturação do projeto; Realocação de estradas internas das propriedades rurais para fins de adequação ambiental; Aquisição de insumos e pagamento de serviços destinados a implantação e manutenção dos projetos financiados; construção e modernização de benfeitorias e de instalações, na propriedade rural;

21 ABC aquisição, transporte, aplicação e incorporação de corretivos agrícolas (calcário e outros); marcação e construção de terraços e implantação de práticas conservacionistas do solo; adubação verde e plantio de cultura de cobertura do solo; aquisição de sementes e mudas para a formação de pastagens e de florestas; implantação de viveiros de mudas florestais; operações de destoca; implantação e recuperação de cercas; aquisição de energizadores de cerca; aquisição, construção ou reformas de bebedouros e de saleiros ou cochos para sal; aquisição de bovinos, ovinos e caprinos, para reprodução e recria, e sêmen, óvulos e embriões dessas espécies, limitada a 40% (quarenta por cento) do valor financiado.

22 Taxa de Juros: 5% a.a. ABC Carência: Até 36 meses (Integração e Recuperação) ou até 96 meses (Florestas) Amortização: Até 96 meses (Integração e Recuperação) ou até 144 meses (Florestas) Limite de financiamento: R$

23 PRONAMP OBJETIVO: Promover o desenvolvimento das atividades rurais dos médios produtores rurais, proporcionando o aumento da renda e a geração de empregos no campo. BENEFICIÁRIOS: Produtores rurais (pessoas físicas ou jurídicas) que explorem a terra na condição de proprietário, posseiro, arrendatário e parceiro e que, cumulativamente: Tenham, no mínimo, 80% (oitenta por cento) de sua Receita Operacional Bruta/Renda Anual originária da atividade agropecuária; Possuam Receita Operacional Bruta/Renda Anual de até R$ ,00 (um milhão e seiscentos mil reais)

24 Itens Financiáveis: PRONAMP Construção, reforma ou ampliação de benfeitorias e instalações permanentes; Obras de irrigação, açudagem, drenagem, proteção e recuperação do solo; Destoca, florestamento e reflorestamento; Formação de lavouras permanentes; Formação ou recuperação de pastagens; Eletrificação e telefonia rural; Aquisição de animais de pequeno, médio e grande porte, para criação, recriação, engorda ou serviço; Aquisição de equipamentos empregados na medição de lavouras; Despesas com projeto ou plano (custeio e administração); Aquisição de máquinas, tratores, veículos, embarcações, aeronaves, equipamentos e implementos financiados, desde que destinados especificamente à atividade agropecuária.

25 Taxa de Juros: 4,5% a.a. PRONAMP Carência: Até 36 meses Amortização: Até 96 meses Limite de financiamento: R$

26 Obrigado! Fabrício César de Lima Fraga Analista de Crédito Rural

Quadro resumo do crédito do Pronaf

Quadro resumo do crédito do Pronaf Pronaf custeio Quadro resumo do crédito do Pronaf 2016-2017 Linha Finalidade/empreendimento Condições Encargos (taxa de juros) Para financiamentos destinados ao cultivo de arroz, feijão, mandioca, feijão

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio Diretoria de Agronegócios BB e o Agronegócio Importância do Agronegócio no Brasil + 35% nas exportações do país 197,9 40,9% 41,1% 37,4% 55,1 58,2 60,4 20,6 23,8 24,8 41,9% 73,1 30,6 160,6 40,4% 137,5 118,3

Leia mais

POSSIBILIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A APICULTURA

POSSIBILIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A APICULTURA POSSIBILIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A APICULTURA MECANISMOS DE POLÍTICAS DE CRÉDITO RURAL JOÃO CLAUDIO DA SILVA SOUZA SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Brasília, 27 de novembro de 2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 Institui linha de crédito denominada PROGER Urbano Micro e Pequena Empresa Capital de Giro, no âmbito do Programa de Geração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.483, DE 3 DE MAIO DE 2016

RESOLUÇÃO Nº 4.483, DE 3 DE MAIO DE 2016 RESOLUÇÃO Nº 4483, DE 3 DE MAIO DE 2016 Ajusta as normas a serem aplicadas às operações contratadas no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) a partir de 1º de julho

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

CRÉDITO RURAL PARA A CADEIA BRASÍLIA, 04/08/2014

CRÉDITO RURAL PARA A CADEIA BRASÍLIA, 04/08/2014 CRÉDITO RURAL PARA A CADEIA PRODUTIVA DO MEL BRASÍLIA, 04/08/2014 CUSTEIO: O limite de crédito de custeio rural, por beneficiário, em cada safra e em todo o Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR), é

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Programa ABC Linha de Crédito para Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Sidney

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010

Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010 Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010 EDILSON GUIMARÃES Secretário de Política Agrícola Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 26 de junho de 2009 Principais Objetivos do PAP 2009-2010 Aumentar

Leia mais

BANCO DE DESENVOLVIMENTO DO ESPÍRITO SANTO BANDES MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO PARA OPERAÇÕES RURAIS ANO SAFRA 2015/2016

BANCO DE DESENVOLVIMENTO DO ESPÍRITO SANTO BANDES MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO PARA OPERAÇÕES RURAIS ANO SAFRA 2015/2016 BANCO DE DESENVOLVIMENTO DO ESPÍRITO SANTO BANDES MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO PARA OPERAÇÕES RURAIS ANO SAFRA 2015/2016 VITÓRIA ES Julho 2015 1 MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO PARA OPERAÇÕES RURAIS ANO SAFRA

Leia mais

O empreendedor poderá permanecer com no máximo duas operações ativas.

O empreendedor poderá permanecer com no máximo duas operações ativas. 1 CONDIÇÕES GERAIS: Poderá ser financiada qualquer atividade produtiva urbana e as atividades relacionadas a ganhos complementares de renda realizados no meio rural. Ex.: Artesanato, turismo rural, agroindústria,

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

Financiamento ao Fomento Florestal

Financiamento ao Fomento Florestal Financiamento ao Fomento Florestal 03/10/2012 FINANCIAMENTO A PROJETOS DE FOMENTO FLORESTAL Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Programa ABC / BNDES Automático 1 Agenda

Leia mais

AGRICULTURA SUSTENTÁVEL: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

AGRICULTURA SUSTENTÁVEL: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE MECANISMOS DE POLÍTICAS DE CRÉDITO RURAL JOÃO CLAUDIO DA SILVA SOUZA SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Brasília, 31 de julho de 2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Principais Objetivos PAP 2011/2012

Principais Objetivos PAP 2011/2012 Cenário Cenário Cenário Baixos estoques mundiais de alimentos Tendência de elevação gradual da Selic Relativa estabilidade da taxa de câmbio Preços agrícolas em níveis historicamente elevados Crescente

Leia mais

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014 Programa ABC Banco do Brasil Safra 2013/2014 Balanço da Safra 2012/2013 Plano Safra 2012/2013 Crédito Rural - Desembolsos R$ 61,5 bilhões CRESCIMENTO de 28% em relação à safra anterior R$ 6,5 bilhões acima

Leia mais

Seminário Certificação e Fomento Florestal

Seminário Certificação e Fomento Florestal Programa Klabin Fomento Florestal Seminário Certificação e Fomento Florestal Diálogo Florestal Canoinhas SC Out 2012 Fomento Florestal Fomento Florestal tem o objetivo formar florestas produtivas em áreas

Leia mais

Superintendência Estadual de Mato Grosso

Superintendência Estadual de Mato Grosso Superintendência Estadual de Mato Grosso Programa ABC Conceito Crédito Fixo orientado com o objetivo de: - reduzir das emissões de Gases de Efeito Estufa; - reduzir o desmatamento; - aumentar a produção

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 679 Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural. DEPARTAMENTO DO CRÉDITO RURAL Geraldo Martins Teixeira Chefe

CARTA-CIRCULAR N 679 Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural. DEPARTAMENTO DO CRÉDITO RURAL Geraldo Martins Teixeira Chefe CARTA-CIRCULAR N 679 Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural Comunicamos a introdução, no capítulo 32 do Manual do Crédito Rural (MCR), das alterações indicadas nas folhas anexas.

Leia mais

Programa ABC. Agricultura de Baixo Carbono. Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura

Programa ABC. Agricultura de Baixo Carbono. Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Programa ABC Agricultura de Baixo Carbono Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Emissões globais de GEEs Participação dos diferentes setores nas emissões de GEE, 2004

Leia mais

c) o valor do crédito de custeio concedido na forma deste item é independente do limite estabelecido no item 5 por tomador." (NR)

c) o valor do crédito de custeio concedido na forma deste item é independente do limite estabelecido no item 5 por tomador. (NR) RESOLUCAO 3.986 Altera condições para contratação de operações de custeio, comercialização, Empréstimo do Governo Federal (EGF), Linha Especial de Crédito (LEC), e dos Programas do BNDES, Moderagro, Prodecoop

Leia mais

AGRICULTURA. Manutenção e desenvolvimento das atividades da Secretaria da Agricultura

AGRICULTURA. Manutenção e desenvolvimento das atividades da Secretaria da Agricultura LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO : desenvolver a produção agrícola. PROGRAMA: 009 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Financiamentos para o Agronegócio

Financiamentos para o Agronegócio Financiamentos para o Agronegócio Banco do Brasil Maior Parceiro do Agronegócio Carteira em Dez/2012 R$ 100 bilhões Banco do Brasil Sustentabilidade e Meio Ambiente Programa ABC Em Dezembro de 2012 R$

Leia mais

*Consulte informações no site. LINHA DE FINANCIAMENTO PARA O VALE DO RIBEIRA. TAXA DE JURO ZERO* E LONGO PRAZO PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO DO VALE.

*Consulte informações no site. LINHA DE FINANCIAMENTO PARA O VALE DO RIBEIRA. TAXA DE JURO ZERO* E LONGO PRAZO PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO DO VALE. LINHA DE FINANCIAMENTO PARA O VALE DO RIBEIRA. TAXA DE JURO ZERO* E LONGO PRAZO PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO DO VALE. OBJETIVO Promover o desenvolvimento econômico dos municípios situados na região do

Leia mais

RESOLUÇÃO N RESOLVEU:

RESOLUÇÃO N RESOLVEU: RESOLUÇÃO N 3.475 Dispõe sobre redução de encargos financeiros aplicáveis aos financiamentos com recursos controlados do crédito rural e às operações do Programa de Geração de Emprego e Renda Rural (Proger

Leia mais

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA CRÉDITO COMO SOLUÇÃO PARA PRODUZIR COM SUSTENTABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL BNDES PRODUSA Objetivos Disseminar o conceito de agronegócio responsável e sustentável, agregando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 Estabelece critérios, condições e prazos para a concessão de financiamentos ao amparo de recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA) e do Fundo

Leia mais

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento.

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. São objetivos do ABC: Reduzir as emissões de gases de efeito estufa oriundas

Leia mais

Lançamento do Plano Safra 2012/2013 Banco do Brasil

Lançamento do Plano Safra 2012/2013 Banco do Brasil Lançamento do Plano Safra 2012/2013 Banco do Brasil Plano Safra 2011/2012 Volume de crédito rural desembolsado R$ 2.965,9 bilhões CRESCIMENTO de 59,8% Plano Safra 2011/2012 Comparativo: Safras 2010/2011

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS Maio/2014 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL DISPONIBILIZADO - BRASIL (R$ BILHÕES)

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC BANCO DO BRASIL Seminário de Sensibilização do Programa ABC LINHAS DE CRÉDITO Crédito Rural; Pronaf; Fundos Constitucionais. CRÉDITO RURAL Suprimento de recursos financeiros, disponibilizados por instituições

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) Normas BACEN Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM DEZEMBRO/2013 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL DISPONIBILIZADO - BRASIL (R$ BILHÕES) 157* 32,6

Leia mais

Dívidas dos pequenos agricultores junto ao Banco do Nordeste do Brasil S.A. Audiência Pública 13/3/2012

Dívidas dos pequenos agricultores junto ao Banco do Nordeste do Brasil S.A. Audiência Pública 13/3/2012 1 Dívidas dos pequenos agricultores junto ao Banco do Nordeste do Brasil S.A. Audiência Pública 13/3/2012 1 2 2003 - Lei 10.696 (MP 114, de 31/3/2003), de 02/07/2003 Repactuação e alongamento de dívidas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana do Livramento-RS LDO-2015-Alteração Legal 1 Metas das Ações Prog. Gov.

Prefeitura Municipal de Santana do Livramento-RS LDO-2015-Alteração Legal 1 Metas das Ações Prog. Gov. Página: 1 de 7 Filtros: Campos: Conteúdos Classificação Institucional 601 Classificação Institucional 701 Classificação Institucional 801 Classificação Institucional 804 Classificação Institucional 901

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

Diversificação para a sustentabilidade da produção

Diversificação para a sustentabilidade da produção Diversificação para a sustentabilidade da produção Introdução O aumento populacional mundial e a inserção de novos contingentes no mercado consumidor têm gerado crescente demanda mundial por matérias-primas,

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR Ministério do Desenvolvimento Agrário DESTAQUES SEAF 2009-2010 Aprovado pelo CMN em 2007 CONTRATAÇÃO. Orçamento Simplificado: Especificar valor de Insumos Tipos de Insumos Sementes, Defensivos, Fertilizantes,

Leia mais

370 Administração de Empresa Rural - PROGRAMA GERALEITE. 123 Administração de Propriedade em Regime de Economia Familiar

370 Administração de Empresa Rural - PROGRAMA GERALEITE. 123 Administração de Propriedade em Regime de Economia Familiar 1 de 5 121 Administração de Empresa Rural 360 Administração de Empresa Rural - PROGRAMA CAPRICORTE 369 Administração de Empresa Rural - PROGRAMA CABRAUNE 370 Administração de Empresa Rural - PROGRAMA GERALEITE

Leia mais

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento O BB em Mato Grosso Agências 571 Posição em Agosto/2011 Terminais de Autoatendimento Municípios com Presença do BB 267 Correspondentes 202 Número de Municípios com Presença do BB 897 126 102 PABs + PAEs

Leia mais

Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável. Financiamento do Desenvolvimento Regional

Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável. Financiamento do Desenvolvimento Regional Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável Financiamento do Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Visão Participativa - Concertação BB Associações Universidades Região Empresas

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2015 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 333.627 1.548.845 530.231 201.169 664.932 3.278.803 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.241,80 R$ 1.148,62 R$

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2016/2017 MATO GROSSO - Março/2016

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2016/2017 MATO GROSSO - Março/2016 MATO GROSSO - Março/2016 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 357.536 1.585.024 583.054 209.446 750.982 3.486.042 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.397,93 R$ 1.282,86 R$ 1.292,30

Leia mais

ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados

ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados Cesar José de Oliveira MDA 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO COOPERATIVISMO

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet São José do Rio Preto - SP 29.setembro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº a) cafeicultores, diretamente ou mediante repasse por suas cooperativas; b) cooperativas de produtores rurais;

RESOLUÇÃO Nº a) cafeicultores, diretamente ou mediante repasse por suas cooperativas; b) cooperativas de produtores rurais; RESOLUÇÃO Nº 3.238 Define condições para concessão de crédito destinado ao financiamento de estocagem de café do período agrícola 2003/2004. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595,

Leia mais

x Contabilidade Rural Crepaldi

x Contabilidade Rural Crepaldi Sumário Prefácio à 8 a edição, xix Prefácio à 7 a edição, xxi Prefácio à 6 a edição, xxiii Prefácio à 4 a edição, xxv Prefácio à 3 a edição, xxvii Prefácio à 2 a edição, xxix Prefácio à 1 a edição, xxxi

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2015 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.448.440 3.365.849 1.710.450 668.615 1.914.651 9.108.005 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.513,57 R$ 1.611,79

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Novembro/2014

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Novembro/2014 MATO GROSSO - Novembro/2014 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.448.440 3.365.849 1.710.450 668.615 1.914.651 9.108.005 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.437,49 R$ 1.612,95

Leia mais

SOLUÇÕES CAIXA PARA CONSTRUÇÃO CIVIL. Crédito Imobiliário Produtos e Serviços Comerciais

SOLUÇÕES CAIXA PARA CONSTRUÇÃO CIVIL. Crédito Imobiliário Produtos e Serviços Comerciais SOLUÇÕES CAIXA PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Crédito Imobiliário Produtos e Serviços Comerciais Outubro/2016 Cenário Balanço PMCMV 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 TOTAL MCMV 286.305 718.823 508.199 798.749

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BNDES BK Usados

Ass.: Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BNDES BK Usados Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 60/2012-BNDES Rio de Janeiro, 28 de setembro de 2012. Ref.: BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Ass.: Programa BNDES de Apoio à Aquisição

Leia mais

Agência do Paraná. Paulo Marques Ferreira. Analista econômico-financeiro e representante do BRDE na região Oeste do PR

Agência do Paraná. Paulo Marques Ferreira. Analista econômico-financeiro e representante do BRDE na região Oeste do PR Agência do Paraná Paulo Marques Ferreira Analista econômico-financeiro e representante do BRDE na região Oeste do PR O BRDE Região de atuação: MS - PR SC - RS Criado em 1961 por três estados da região

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

Currículo do Curso de Agronomia

Currículo do Curso de Agronomia Currículo do Curso de Agronomia Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas na Resolução nº 218, de 29.6.73, do CONFEA, e atuar nos seguintes

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II

Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II Seminário de Integração e Missão de Supervisão DEZEMBRO-2010 COAGRE/DEPROS/SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PROJETO:

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 392, DE 6 DE JUNHO DE 2002 Altera a Resolução n.º 289, de 30 de junho de 1998, e dá outras providências O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR

Leia mais

Tabela de produtos esquema de rebate 7 (Janeiro 2013) COD PRODUTO CONSIDERAR RELATORIO

Tabela de produtos esquema de rebate 7 (Janeiro 2013) COD PRODUTO CONSIDERAR RELATORIO Tabela de produtos esquema de rebate 7 (Janeiro 2013) COD PRODUTO CONSIDERAR RELATORIO 90001 AVICULTURA INTEGRADA 0.10 1 90002 SUINOCULTURA INTEGRADA 0.10 1 3500 ALHO 0.30 2 11500 CEBOLA 0.30 2 21219 QUEIJOS

Leia mais

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Hernon José Ferreira - Presidente Mercado Florestal A indústria de base florestal no Brasil vive um momento de franca expansão, devido principalmente

Leia mais

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento CIRCULAR SUP/AGRIS Nº 16/2015-BNDES Rio de Janeiro, 01 de julho de 2015 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento O Superintendente da

Leia mais

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica Belo Horizonte MG dezembro /2007 Missão do BNDES Promover o desenvolvimento econômico e social Redução das desigualdades sociais e regionais Geração

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

FLO032 - Gênese, Física e Classificação do Solo- 75 h ZOO042 Metodologia Científica xxx

FLO032 - Gênese, Física e Classificação do Solo- 75 h ZOO042 Metodologia Científica xxx MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Estrutura Curricular - vigência a partir de 2008 (Alteração

Leia mais

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento

Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento CIRCULAR SUP/AGRIS Nº 19/2016-BNDES Rio de Janeiro, 07 de junho de 2016 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Investimento O Superintendente da

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Programa ABC Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE.

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. PRODUTOR RURAL: fale com o gerente do seu banco e saiba como ter acesso aos créditos e benefícios do Plano Agrícola e Pecuário 2014/2015. DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. Para

Leia mais

PLANO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA E DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO RURAL NO DISTRITO FEDERAL

PLANO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA E DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO RURAL NO DISTRITO FEDERAL PLANO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA E DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO RURAL NO DISTRITO FEDERAL Foto: Ganem, S. Apresentação A qualidade de vida passa, necessariamente, pelo uso sustentável e equilibrado

Leia mais

Programação de Cursos. Agosto / 2016

Programação de Cursos. Agosto / 2016 Programação de Cursos Agosto / 2016 Solicitante Plano de Ação Data Início Data Final FABRICAÇÃO DE IOGURTE E DOCES DE LEITE FABRICAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS (COMPOTAS, GELEIAS E DOCES PASTOSOS) TRABALHADORES

Leia mais

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014 Crédito Agro Principais Linhas de Crédito Fortaleza (CE), maio de 2014 Agricultura Familiar Principais Linhas de Crédito Pronaf Custeio - Beneficiários: Agricultores familiares, exceto dos grupos A e B;

Leia mais

Programa Nacional de Crédito Fundiário

Programa Nacional de Crédito Fundiário Programa Nacional de Crédito Fundiário PRINCÍPIOS GERAIS E MODELO DE GESTÃO Participação Descentralização Transparência Projeto complementar à RA: financia aquisição de imóveis não desapropriáveis (< 15

Leia mais

VP Negócios Emergentes SN Agronegócios. Crédito Rural

VP Negócios Emergentes SN Agronegócios. Crédito Rural VP Negócios Emergentes SN Agronegócios Crédito Rural Agronegócio no Brasil fonte: SECEX/MDIC PIB Brasil 2013 R$ 4.838 bi Agronegócios R$ 1.020 bi * 21.08% US$ Bilhões 300 250 200 Exportações Brasileiras

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PRESIDÊNCIA DO CONDEL/FCO. RESOLUÇÃO N.º 442, de 03 de maio de 2012

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PRESIDÊNCIA DO CONDEL/FCO. RESOLUÇÃO N.º 442, de 03 de maio de 2012 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PRESIDÊNCIA DO CONDEL/FCO RESOLUÇÃO N.º 442, de 03 de maio de 2012 PROGRAMAÇÃO DO FCO PARA 2012. - Condições Gerais de Financiamento. - Restrições. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Sessão de Divulgação PDR DLBC Terras de Basto

Sessão de Divulgação PDR DLBC Terras de Basto Sessão de Divulgação PDR 2020 - DLBC Terras de Basto Operação 10.2.1.1 - Pequenos investimentos nas explorações agrícolas Promover a melhoria das condições de vida, de trabalho e de produção dos agricultores;

Leia mais

A diferença entre o remédio e o veneno é a dose! Luís Carlos Silva de Moraes

A diferença entre o remédio e o veneno é a dose! Luís Carlos Silva de Moraes A diferença entre o remédio e o veneno é a dose! Luís Carlos Silva de Moraes moraes.luis@terra.com.br Entendendo o problema 38%: prop. rurais 4%: urbano 58%: qual destinaçã ção? 58%: ponto de partida do

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM GANDU-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM GANDU-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM GANDU-BA Os produtores de Gandu se reuniram, em 13/05, para participarem do levantamento de custos de produção de cacau para o projeto Campo Futuro, uma

Leia mais

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS Contribuições do

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PRODUÇÃO LEITEIRA Nova Candelária/RS

PROGRAMA DE INCENTIVO À PRODUÇÃO LEITEIRA Nova Candelária/RS MUNICÍPIO DE NOVA CANDELÁRIA - RS PROGRAMA DE INCENTIVO À PRODUÇÃO LEITEIRA Nova /RS Prefeito Municipal: Carlos Alberto Dick Secretário da Agricultura: Jorge Luis Steiger Responsáveis Técnicos: Engº Agrº

Leia mais

O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural

O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural 7º Seminário Estadual de Agricultura O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural Deputado Estadual José Milton Scheffer Vice-Presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural da ALESC Território

Leia mais

BNDES Programas Agrícolas ABC Pronamp Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Programas Agrícolas ABC Pronamp Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Programas Agrícolas ABC Pronamp Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

Cliente Novo: Custeio/investimento até R$10.000; Cliente Normal: Custeio/investimento até R$ 20.000,00

Cliente Novo: Custeio/investimento até R$10.000; Cliente Normal: Custeio/investimento até R$ 20.000,00 PLANO SAFRA 20132014 LINHAS DE FINANCIAMENTO E ENQUADRAMENTO DE CRÉDITO RURAL AFEAM BANCO DO BRASIL BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O presente documento contém as principais linhas e enquadramento de crédito

Leia mais

Parque Tecnológico de Botucatu Junho / 2015

Parque Tecnológico de Botucatu Junho / 2015 Parque Tecnológico de Botucatu Junho / 2015 São Paulo Inova O Programa São Paulo Inova é uma iniciativa do Estado de São Paulo para apoiar empresas paulistas de base tecnológica e de perfil inovador em

Leia mais

Regularize sua posse

Regularize sua posse ÁREAS RURAIS Regularize sua posse TERRA PARA VIVER E PRESERVAR O Governo Federal vai titular a propriedade de terras públicas ocupadas por posseiros na Amazônia Legal. Nos próximos três anos, a meta é

Leia mais

Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados

Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados Definição A Agenda de P&D da Embrapa Cerrados é um documento de caráter estratégico, construído em consonância com o Sistema de Inteligência Estratégica

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Londrina - PR 26.janeiro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações

Leia mais

Bilhões de Pessoas. Cenário Global. Fonte: ONU (dez/2010). Elaboração:FIEP-Deagro

Bilhões de Pessoas. Cenário Global. Fonte: ONU (dez/2010). Elaboração:FIEP-Deagro Maringá(PR) 18.05.2012 Bilhões de Pessoas Cenário Global Demanda População Mundial Mundial por Alimentos Fonte: ONU (dez/2010). Elaboração:FIEP-Deagro Cenário Global Urbanização 1,34 bi hab. 1,2 bi hab.

Leia mais

EMENTÁRIO. Ementa: Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas.

EMENTÁRIO. Ementa: Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas. EMENTÁRIO 1º SEMESTRE CALCULO I Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas. AGROINFORMÁTICA Conceitos básicos da informação. Organização de máquinas, Sistemas operacionais, Ambiente

Leia mais

GERÊNCIA DE ANÁLISE DE CRÉDITO RURAL

GERÊNCIA DE ANÁLISE DE CRÉDITO RURAL GERÊNCIA DE ANÁLISE DE CRÉDITO RURAL TANIA ARAÚJO SILVA THOMAZINI IDENTIFICAR BOAS PRÁTICAS DOS CONSULTORES PARA DIVULGAÇÃO E REPLICAR PARA OS DEMAIS - Consistência de informações (indicação de fontes,

Leia mais

Rede de Pesquisa, Inovação, Tecnologia, Serviços e Desenvolvimento Sustentável. em Microbacias Hidrográficas

Rede de Pesquisa, Inovação, Tecnologia, Serviços e Desenvolvimento Sustentável. em Microbacias Hidrográficas PROGRAMA RIO RURAL Núcleo de Pesquisa Participativa Pesagro-Rio / Rio Rural Rede de Pesquisa, Inovação, Tecnologia, Serviços e Desenvolvimento Sustentável em Microbacias Hidrográficas Facilitar a integração

Leia mais

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES 2009-2014 FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS MINHA CASA, MINHA VIDA - ENTIDADES PMCMV ENTIDADES/ FDS Produção e aquisição de unidades habitacionais

Leia mais

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Construção de Infraestrutura para Comercialização da Produção Agropecuária.

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Construção de Infraestrutura para Comercialização da Produção Agropecuária. MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO AGRARIO PORTAL DOS CONVÊNIOS SICONV - SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS Nº / ANO DA PROPOSTA: 032134/2015 OBJETO: DADOS DO CONCEDENTE JUSTIFICATIVA: MUNICÍPIO: IBARAMA - RS está

Leia mais

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio São Paulo, 22 de Setembro de 2015 Parece que estamos decolando ECONOMIA A BRASILEIR Agronegócio - Balança Comercial

Leia mais

LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO BNDES

LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO BNDES LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO Linhas de Financiamento para Geração Distribuída O APOIO DO AO SETOR SOLAR FOTOVOLTAICO NELSON TORTOSA - Credenciamento Setor Solar Fotovoltaico EMPRESAS CREDENCIADAS NO Já

Leia mais

Identificação do Projeto Simplificado de Recuperação de Área Degradada ou Alterada PRAD Simplificado:

Identificação do Projeto Simplificado de Recuperação de Área Degradada ou Alterada PRAD Simplificado: ANEXO II Termo de Referência para elaboração de Projeto Simplificado de Recuperação de Área Degradada ou Alterada de Pequena Propriedade ou Posse Rural Familiar TR - PRAD Simplificado Identificação do

Leia mais

Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de. reserva legal e áreas de preservação permanente, possivelmente terão

Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de. reserva legal e áreas de preservação permanente, possivelmente terão Panorama Global Crescente preocupação com relação aos IMPACTOS AMBIENTAIS Panorama Nacional Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de reserva legal e áreas de preservação permanente,

Leia mais