Direito de nacionalidade é a expressão jurídica da nacionalidade.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito de nacionalidade é a expressão jurídica da nacionalidade."

Transcrição

1 Direito Constitucional II Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero (19) DIREITO DE NACIONALIDADE BRASILEIRA Da Nacionalidade (Arts. 12 e 13) Conceito de Nacionalidade Nacionalidade é o vínculo jurídico político que liga um indivíduo a um certo e determinado Estado, capacitando-o a exigir sua proteção e sujeitando-o ao cumprimento de deveres impostos. Direito de nacionalidade é a expressão jurídica da nacionalidade. Aluísio Dardeau de Carvalho A nacionalidade, por sua vez, é o vínculo jurídico-político de direito público interno, que faz da pessoa um dos elementos componentes do dimensão pessoal do Estado. Definições Importantes Pontes de Miranda Povo: é o conjunto de pessoas que fazem parte de um Estado, é o elemento humano do Estado, ligado a este pelo vínculo da nacionalidade. População: é conceito meramente demográfico, mais amplo que o conceito de povo, utilizado para designar o conjunto de residentes de um território, quer sejam nacionais, quer sejam estrangeiros Nação: agrupamento humano fixado num território, ligados por um vínculo cultural, histórico, econômico ou lingüístico; o fato de possuírem as mesmas tradições e costumes, bem como a consciência coletiva dão os contornos ao conceito de nação. Nacionais: são todos aqueles que o Direito de um Estado define como tais; são todos aqueles que se encontram presos ao Estado por um vínculo jurídico que os qualifica como seus integrantes. Cidadão: É o nacional no gozo dos direitos políticos e participante da vida do Estado, Alexandre de Moraes.

2 Estrangeiros: são todos aqueles que não são tidos como nacionais, em relação a um determinado Estado, isto é, as pessoas a que o Direito do Estado não atribui a qualidade de nacionais. Espécies de Nacionalidade Nacionalidade Originária (involuntária, nata, primária, de origem ou de primeiro grau): resulta do nascimento, adquirida pela vinculação de sangue (ius sanguinis) ou pelo nascimento em território de um Estado (ius solis ou ius loci). Nacionalidade Secundária (voluntária, derivada, adquirida ou de segundo grau): adquirida após o nascimento, por ato voluntário do indivíduo, ou do Estado. Polipátrida (conflito positivo): É quem tem mais de uma nacionalidade, o que acontece quando sua situação de nascimento se vincula aos dois critérios de determinação da nacionalidade primária, José Afonso da Silva. Heimatlos (conflito negativo): Expressão alemã que significa sem pátria, apátrida, é também um efeito possível da diversidade de critérios adotados pelos Estados na atribuição da nacionalidade, José Afonso da Silva. Formas de aquisição originária de nacionalidade Os critérios adotados foram o ius solis, e também o ius sanguinis combinado com alguns requisitos. Art. 12, I, a - ius solis. Art. 12, I, b - ius sanguinis + critério funcional. Art. 12, I, c - ius sanguinis + registro em repartição pública brasileira competente ou critério residencial + opção confirmativa (Nacionalidade Potestativa) EC nº 54/2007. Forma de aquisição secundária da nacionalidade A única forma de aquisição secundária é a naturalização, sempre mediante manifestação de vontade do interessado. A naturalização não se configura como direito público subjetivo do indivíduo. A plena satisfação das condições e dos requisitos não assegura ao estrangeiro o direito à nacionalização, visto que a nacionalidade brasileira é ato de soberania nacional, discricionário do Chefe do Poder Executivo.

3 Espécies de naturalização Naturalização Tácita: art. 69, 4º, da Constituição de 1891, cidadãos brasileiros os estrangeiros que, achando-se no Brasil aos 15 de novembro de 1889, não declararem, dentro em seis meses depois de entrar em vigor a Constituição, o ânimo de conservar a nacionalidade de origem. Esta possibilidade foi suprimida pela CF/88. Naturalização Expressa: quando fica condicionada ao requerimento do interessado, esta é a espécie adotada pela CF/88. Divide-se em ordinária e extraordinária: a) ordinária: concede-se a nacionalidade os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e idoneidade moral (requisitos: capacidade civil de acordo com a lei brasileira; visto permanente no País, saber ler e escrever em Português; exercício de profissão etc.). (art. 12, II, a, e 1º da CF/88, e art. 112, da Lei 6.815/80) b) extraordinária: concede-se a nacionalidade aos estrangeiros de qualquer nacionalidade residentes na República Federativa do Brasil há mais de 15 anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade brasileira (art. 12, II, b). Nessa espécie de naturalização, ao contrário da ordinária, não há discricionariedade para o Chefe do Poder Executivo, tendo o interessado direito subjetivo à nacionalidade brasileira, desde que preenchidos os pressupostos. Cumpridos os 15 anos de residência no Brasil sem condenação penal, efetivado o requerimento, o Poder Executivo não pode negar a naturalização. Condição Jurídica do brasileiro nato e naturalizado As diferenças existentes entre as condições de ambos são apenas as mencionadas pela CF/88, conforme a determinação do art. 12, 2º. As diferenças existente entre a condição jurídica do nato e do naturalizado são as seguintes: CARGOS Art. 12, 3º FUNÇÃO EXTRADIÇÃO Art. 89, VII Art. 5º, LI DIREITO DE PROPRIEDADE Art. 222

4 Perda da nacionalidade brasileira Esta possibilidade ocorre exclusivamente nos casos previstos no 4º do art. 12 da CF/88 (EC nº 3, de 7 de junho de 1994). a) tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial, em virtude de atividade nociva ao interesse nacional; b) adquirir outra nacionalidade, salvo nos casos de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei estrangeira ou de imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao brasileiro residente em Estado estrangeiro, como condição para permanência em seu território ou para o exercício de direitos civis. A sentença judicial que decreta a perda da nacionalidade não retroage, dada a sua eficácia ex nunc. Seus efeitos são para o futuro, produzindo-se depois do seu trânsito em julgado. Resultado: o indivíduo apenas perde a naturalização a partir da sentença. Reaquisição da nacionalidade brasileira Regra geral é vedada a reaquisição da nacionalidade brasileira, salvo se o cancelamento for desfeito em ação rescisória. O que a perdeu por naturalização voluntária, só virá a readiquiri-la por decreto do Presidente da República, se estiver domiciliado no Brasil (Lei 818/49, art. 36) Aquele que, eventualmente, a tenha perdido, nos termos de constituições anteriores, por ter aceitado comissão, emprego ou pensão de governo estrangeiro, sem licença do Presidente da República, poderá agora recuperá-la sem mesmo renunciá-los, como se exigia antes, porquanto não constitui mais causa de perda da nacionalidade. Condição jurídica do estrangeiro no Brasil Estrangeiro: Quem tenha nascido fora do território nacional que, por qualquer forma prevista na Constituição, não adquira a nacionalidade brasileira. José Afonso da Silva A condição jurídica, no âmbito dos direitos e deveres civis, do estrangeiro residente no Brasil é equiparada quase que por completo à dos brasileiros (Lei 6.815/1980, arts. 95 a 110, com as alterações da Lei 6.964/1981). Condição Jurídica dos portugueses no Brasil A Constituição Federal confere tratamento favorecido aos portugueses residentes no Brasil, ao dispor que aos portugueses com residência permanente no País, se

5 houver reciprocidade em favor dos brasileiros, serão atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos previstos nesta constituição (art. 12, 1º). Nessa hipótese, não se trata de concessão aos portugueses da nacionalidade brasileira (se assim o desejarem, deverão instaurar o processo de naturalização ordinária, valendo-se da condição de estrangeiro originário de país de língua portuguesa). Pressupostos para o exercício dos direitos: a) que tenha residência permanente no país; b) que o ordenamento jurídico português outorgue o mesmo direito requerido a brasileiros. A condição dos portugueses residentes no Brasil, conforme o entendimento que se pode alcançar do 1º, art. 12, da CF/88 é a de brasileiro naturalizado, não de brasileiro nato. Constituição Portuguesa, art. 15: Aos cidadãos dos países de língua portuguesa podem ser atribuídos, mediante convenção internacional e em condições de reciprocidade, direitos não conferidos a estrangeiros, salvo o acesso à titularidade dos órgãos de soberania e dos órgãos de governo próprio das regiões autônomas, o serviço das forças armadas e a carreira diplomática. Locomoção no Território Nacional A liberdade de locomoção no território nacional é assegurada a qualquer pessoa no art. 5º, XV. O estrangeiro residente no País goza dessa liberdade como qualquer brasileiro; assim, também, o estrangeiro não residente, que tenha ingressado regularmente no País. Em tempo de paz a liberdade de locomoção dentro do território nacional é ampla. A lei, contudo, disciplina o direito de qualquer pessoa entrar no território nacional, nele permanecer ou dele sair, só ou com seus bens (art. 5º, XV). A lei, que estabelece esses preceitos em relação ao estrangeiro, é o Estatuto dos Estrangeiros (Lei nº 6.815/1980, alterada pela Lei nº 6.964/1981). Requisitos: a) Entrada: Visto de entrada, conforme o caso: de trânsito, de turista, temporário, permanente, de cortesia; oficial ou diplomático. O visto pode ser extensivo aos dependentes. Não se concederá. Porém, visto ao estrangeiro menor de dezoito anos (salvo se viajar acompanhado de responsável) nem a estrangeiros nas situações enumeradas no art. 7º da Lei nº 6.815/1980. o visto não cria direito subjetivo, mas mera expectativa de direito.

6 b) Permanência: entende-se como permanência a estada do estrangeiro no Brasil, sem limitação de tempo, assim a quem obtenha o visto com o intuito de fixar-se definitivamente aqui, como ao que, obtendo o visto de turista ou temporário, resolva permanecer no País definitivamente, desde que preencha as condições para o visto permanente. Há que registrar-se no Ministério da Justiça, sendo-lhe fornecida a chamada carteira de identidade de estrangeiros (Decreto-lei nº 499/1969). c) Saída: o estrangeiro, como qualquer pessoa, pode deixar o território nacional, com visto de saída. Se for registrado como permanente, poderá regressar independentemente de visto, se o fizer dentro de dois anos. Findo esse prazo, o reingresso no País, como permanente, dependerá de concessão de novo visto. Aquisição e gozo de direitos civis Direitos Civis: O princípio é o de que a lei não distingue entre nacionais e estrangeiros quanto à aquisição e ao gozo dos direitos civis. Há, porém, limitações aos estrangeiros estabelecidos na Constituição, de sorte que podemos asseverar que eles só não gozam dos mesmos direitos assegurados aos brasileiros quando a própria Constituição autorize a distinção. Art. 22, XV compete à União legislar sobre emigração e imigração, entrada, extradição e expulsão de estrangeiros. Art. 190 determina que a lei regule e limite a aquisição ou arrendamento de propriedade rural por pessoa física ou jurídica estrangeira e estabeleça os casos em que tais negócios dependam de autorização do Congresso Nacional. Art. 172 a lei disciplinará, com base no interesse nacional, os investimentos de capital estrangeiro, incentivará os reinvestimentos e regulará a remessa de lucros. Art. 176, 1º - é vedado autorizar ou conceder a estrangeiros, mesmo a residentes, a pesquisa e a lavra de recursos minerais ou o aproveitamento de potencial de energia hidráulica. Art. 222 não podem ser proprietários de empresa jornalística e de radiodifusão sonora e de sons e imagens, nem responsáveis por sua administração e orientação intelectual. Art. 5º, XXXI a sucessão de bens de estrangeiros situados no Brasil rege-se pela lei brasileira, sempre que lhe não seja mais favorável a lei pessoal do de cujus. Art. 2227, 5º - a lei estabelecerá os casos e condições em que estrangeiros podem adotar crianças brasileiras.

7 Direito Individuais e Sociais: No âmbito dos direitos individuais o estrangeiro é equiparado ao brasileiro (art. 5º, caput). Já os direitos sociais não são expressamente assegurados, porém não estão descartados. Vê-se bem ao contrário, por exemplo, no referente aos direitos dos trabalhadores, que são extensivos a todos, urbanos e rurais, sem restrições (art. 7º). Direitos Políticos: Os estrangeiros não adquirem direitos políticos (art. 14, 2º), só atribuídos aos brasileiros natos ou naturalizados. Asilo Político: Consiste no recebimento de estrangeiros no território nacional, a seu pedido, sem os requisitos de ingresso, para evitar punição ou perseguição política no seu país de origem por delito de natureza política ou ideológica. A Constituição prevê a concessão do asilo político sem restrições, considerado como um dos princípios que regem as relações internacionais da República Federativa do Brasil (art. 4º, X). Obs.: O asilado não poderá sair do País sem prévia autorização do governo brasileiro, sob pena de renúncia ao asilo e de impedimento de reingresso nessa condição. Extradição: É ato pelo qual um Estado entrega um indivíduo, acusado de um delito ou já condenado como criminoso, à justiça de outro, que o reclama, e que é competente para julgá-lo e puni-lo. Compete a União legislar sobre extradição (art. 22, XV), vigorando atualmente sobre ela os arts. 76 a 94 da Lei nº 6.815/1980 (alterada pela Lei nº 6.964/1981). A CF veda a extradição do estrangeiro por crime político ou de opinião, e a de brasileiro nato de modo absoluto, e a de brasileiro naturalizado, salvo em relação a crime comum cometido antes da naturalização ou envolvido em tráfico de entorpecentes e drogas afins (art. 5º, LI). É, portanto, inconstitucional o 1º do art. 77 da Lei nº 6.815/1980 ao declarar que o fato político não impedirá a extradição quando constituir, principalmente, infração da lei penal comum, ou quando o crime comum, conexo ao delito político, constituir fato principal. Competência para processar e julgar ordinariamente a extradição A competência para processar e julgar ordinariamente a extradição solicitada por Estado estrangeiro é o STF (art. 102, I, g). E a lei lhe atribuiu, com exclusividade, a apreciação do caráter da infração, dando-lhe ainda a faculdade de não considerar crimes políticos os atentados contra os Chefes de Estado ou qualquer outra pessoa que exerça autoridade, assim como os atos de anarquismo, terrorismo, ou sabotagem, ou que importem propaganda de guerra ou de processos violentos para subverter a ordem política e social (art. 77, 2º e 3º da Lei nº 6.815/1980.

8 Obs.: Leia o art. 4º, VIII e o art. 5º, XLIII. Expulsão: É um modo coativo de retirar o estrangeiro do território nacional por delito ou infração ou atos que o tornem inconveniente. É decretada exclusivamente pelo Presidente da República, mas o controle de constitucionalidade do ato é feito pelo Judiciário. É passível de expulsão o estrangeiro que, de qualquer forma, atentar contra a segurança nacional, a ordem política e social, a tranqüilidade ou moralidade pública e a economia popular, ou cujo procedimento o torne nocivo à convivência e aos interesses nacionais, entre outros casos previstos em lei (arts. 65 a 75 da Lei 6815/80). Reserva-se exclusivamente ao Presidente da República resolver sobre a conveniência e a oportunidade da expulsão ou sua revogação, que se fará por decreto. Mas o ato expulsório fica sujeito ao controle de constitucionalidade e de legalidade pelo Poder Judiciário. Deportação: Consiste na saída compulsória do estrangeiro. Fundamenta-se no fato de o estrangeiro entrar ou permanecer irregularmente no território nacional. A deportação só ocorre contra estrangeiro, visto que o banimento foi vedado pelo art. 5º, XLVII, d.

Obtendo a Nacionalidade brasileira

Obtendo a Nacionalidade brasileira Direito Constitucional Da Nacionalidade A nacionalidade é o vínculo jurídico-político que liga um indivíduo a um certo e determinado Estado, fazendo deste indivíduo um componente do povo, da dimensão pessoal

Leia mais

Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela

Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela Nacionalidade Ponto 3.3. População; nacionalidade; tratados multilaterais; estatuto da igualdade. Professor: Paulo Henrique Gonçalves

Leia mais

CARREIRAS LEGISLATIVAS. https://www.pontodosconcursos.com.br Prof. Karina Jaques

CARREIRAS LEGISLATIVAS. https://www.pontodosconcursos.com.br Prof. Karina Jaques CARREIRAS LEGISLATIVAS https://www.pontodosconcursos.com.br Prof. Karina Jaques Edital CESPE 2014 Câmara de Dep. Federais LEGISLAÇÃO: 1 Constituição Federal. 1.1 Título I: Dos Princípios Fundamentais.

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 4. NACIONALIDADE O tema guarda grande complexidade,

Leia mais

NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NATOS

NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NATOS CONCEITO Nacionalidade é o vínculo jurídico-político que liga um indivíduo a um certo e determinado Estado POVO ESPÉCIES Nacionalidade primária/originária: Nacionalidade secundária/adquirida: A) Ius soli:

Leia mais

Lei n.º 2/92. De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º - Objecto. ARTIGO 2º - Modalidade

Lei n.º 2/92. De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º - Objecto. ARTIGO 2º - Modalidade Lei n.º 2/92 De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º - Objecto A presente lei estabelece as condições de atribuição, aquisição, perda e requisição da Nacionalidade Guineense. ARTIGO 2º

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.379, DE 2006 (MENSAGEM N o 20, de 2006) Aprova o texto do Tratado sobre Extradição entre o Governo da República Federativa

Leia mais

ww.concursovirtual.com.b

ww.concursovirtual.com.b NACIONALIDADE (ART. 12 E 13) Fábio Ramos FGV TCM/RJ PROCURADOR 2008 1.O critério adotado pelo direito brasileiro para atribuir a nacionalidade a é: a) o do jus soli, com exceções. b) o do jus sanguinis,

Leia mais

CURSO ESCOLA DE DEFENSORIA PÚBLICA Nº

CURSO ESCOLA DE DEFENSORIA PÚBLICA Nº CURSO ESCOLA DE DEFENSORIA PÚBLICA 2016.1 Nº DATA DISCIPLINA Direito Constitucional PROFESSOR Paulo Nasser MONITOR Bruna Oliveira AULA Aula 10 TEMA: DIREITOS POLÍTICOS E NACIONALIDADE DIREITOS POLÍTICOS:

Leia mais

Questões Aplicadas no Exame de Ordem (OAB/RJ) e outros Concursos; Referências Bibliográficas.

Questões Aplicadas no Exame de Ordem (OAB/RJ) e outros Concursos; Referências Bibliográficas. ASSUNTO: Nacionalidade (Texto 9) OBJETIVOS: Conceituar Nacionalidade; Identificar e caracterizar Nacionalidade. SUMÁRIO: I INTRODUÇÃO II DESENVOLVIMENTO 1 Nacionalidade 2 - Tipos de Nacionalidade 3- Brasileiros

Leia mais

PONTO 1: Nacionalidade PONTO 2: Direitos Políticos. NACIONALIDADE - ART.12 CF: faz parte de um núcleo de direitos fundamentais.

PONTO 1: Nacionalidade PONTO 2: Direitos Políticos. NACIONALIDADE - ART.12 CF: faz parte de um núcleo de direitos fundamentais. 1 DIREITO CONSTITUCIONAL PONTO 1: Nacionalidade PONTO 2: Direitos Políticos NACIONALIDADE - ART.12 CF: faz parte de um núcleo de direitos fundamentais. Conceito: (Paulo Bonavides) é vínculo jurídico, político,

Leia mais

PONTO 1: Nacionalidade PONTO 2: Nacionalidade Brasileira PONTO 3: Deportação e Expulsão PONTO 4: Deportação PONTO 5: Asilo Político. 1.

PONTO 1: Nacionalidade PONTO 2: Nacionalidade Brasileira PONTO 3: Deportação e Expulsão PONTO 4: Deportação PONTO 5: Asilo Político. 1. 1 DIREITO INTERNACIONAL PONTO 1: Nacionalidade PONTO 2: Nacionalidade Brasileira PONTO 3: Deportação e Expulsão PONTO 4: Deportação PONTO 5: Asilo Político 1. Nacionalidade: Vinculo político entre o Estado

Leia mais

DECRETO N.º DE 15 DE MAIO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas disposições legais, e

DECRETO N.º DE 15 DE MAIO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas disposições legais, e DECRETO N.º 35610 DE 15 DE MAIO DE 2012 Institui o regime FICHA LIMPA como requisito para o ingresso em cargo ou emprego público no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Município do Rio

Leia mais

NACIONALIDADE. Inicialmente, para compreender a matéria é precisa-se de alguns conceitos:

NACIONALIDADE. Inicialmente, para compreender a matéria é precisa-se de alguns conceitos: NACIONALIDADE Segundo Paulo e Alexandrino, nacionalidade é o vínculo jurídico-político de direito público interno que faz da pessoa um dos elementos componentes da dimensão do Estado (p. 246: 2010). Inicialmente,

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO MASTER JURIS RJ Prof. LUIZ OLIVEIRA CASTRO JUNGSTEDT Agosto/2015 Aula 3 41 NACIONALIDADE DIREITO HUMANO FUNDAMENTAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DUDH - 1948

Leia mais

RESTRIÇÕES À AQUISIÇÃO E ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS POR EMPRESAS ESTRANGEIRAS

RESTRIÇÕES À AQUISIÇÃO E ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS POR EMPRESAS ESTRANGEIRAS RESTRIÇÕES À AQUISIÇÃO E ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS POR EMPRESAS ESTRANGEIRAS Fabiano Ricardo Luz de Brito Outubro de 2015 Onde está a questão? LEI Nº 5.709, de 07 de Outubro de 1971 Promulgada sob

Leia mais

GABARITO (E ) Não paga taxas. Não extradita por crime político ou de opinião. Não depende de licença. Transmissível aos herdeiros. Correta.

GABARITO (E ) Não paga taxas. Não extradita por crime político ou de opinião. Não depende de licença. Transmissível aos herdeiros. Correta. Prepare-se para o concurso TJ-SP! Todas as semanas, FOLHA DIRIGIDA, em parceria com especialistas, publica um novo simulado para os seus estudos nesta seleção. Resolva abaixo algumas questões de Direito

Leia mais

Disciplina: Direito Internacional Público

Disciplina: Direito Internacional Público Disciplina: Direito Internacional Público Tema: Nacionalidade, condição jurídica dos estrangeiros, formas de saída compulsória (extradição, expulsão e deportação, asilo e refúgio Prof. Rodrigo de Victor

Leia mais

Comentários às questões de Direito Constitucional Prova: Técnico do Seguro Social Professor: Jonathas de Oliveira

Comentários às questões de Direito Constitucional Prova: Técnico do Seguro Social Professor: Jonathas de Oliveira Comentários às questões de Direito Constitucional Prova: Professor: Jonathas de Oliveira 1 de 5 Comentário às questões de Direito Constitucional Técnico do INSS Caderno Beta 1 No cômputo do limite remuneratório

Leia mais

Ponto 12 do plano de ensino

Ponto 12 do plano de ensino Ponto 12 do plano de ensino Livramento condicional: conceito e natureza jurídica, requisitos (objetivos e subjetivos), concessão, condições, revogação obrigatória e revogação facultativa, prorrogação,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Uma breve análise sobre o direito à nacionalidade Ana Carolina Frazão* Sumário: 1. Generalidades; 2. Nacionais e estrangeiros; 3. Os critérios para a atribuição da nacionalidade;

Leia mais

Direitos fundamentais propriedade. João Miguel da Luz Rivero Fundamento constitucional

Direitos fundamentais propriedade. João Miguel da Luz Rivero Fundamento constitucional Direitos fundamentais propriedade João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com Fundamento constitucional O regime jurídico da propriedade tem seu fundamento na Constituição. Esta garante o direito de

Leia mais

NACIONALIDADE 1. Acerca dos princípios fundamentais e direitos individuais, julgue o item a seguir.

NACIONALIDADE 1. Acerca dos princípios fundamentais e direitos individuais, julgue o item a seguir. Cleiton Coutinho 1. Acerca dos princípios fundamentais e direitos individuais, julgue o item a seguir. a) São brasileiros natos os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL

DIREITO INTERNACIONAL DIREITO INTERNACIONAL Mendonça, João Victor Mendes de Gomes e. M539d Direito internacional : aula 10 / João Victor Mendes de Gomes e Mendonça. Varginha, 2015. 80 slides. Sistema requerido: Adobe Acrobat

Leia mais

PROVA ESCRITA PRELIMINAR PARA CLASSE INICIAL DA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO - RJ (PROMOTOR DE JUSTIÇA SUBSTITUTO)

PROVA ESCRITA PRELIMINAR PARA CLASSE INICIAL DA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO - RJ (PROMOTOR DE JUSTIÇA SUBSTITUTO) PROVA ESCRITA PRELIMINAR PARA CLASSE INICIAL DA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO - RJ (PROMOTOR DE JUSTIÇA SUBSTITUTO) PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO 89. Considerando os princípios institucionais

Leia mais

DA NACIONALIDADE - ARTIGO 12

DA NACIONALIDADE - ARTIGO 12 DA NACIONALIDADE - ARTIGO 12 Nacionalidade qualidade de quem é nacional. Origem (do lugar) de nascimento. Condição própria de cidadão de um país quer por naturalidade ORIGINÁRIA quer por naturalização

Leia mais

Evolução da Disciplina. Direito Constitucional CONTEXTUALIZAÇÃO INSTRUMENTALIZAÇÃO

Evolução da Disciplina. Direito Constitucional CONTEXTUALIZAÇÃO INSTRUMENTALIZAÇÃO Evolução da Disciplina Direito Constitucional Aula 1: Evolução histórica das constituições brasileiras Aula 2: Princípios fundamentais Aula 3: Direitos e garantias fundamentais Prof. Silvano Alves Alcantara

Leia mais

EXTENSIVO PLENO Direito Internacional Prof. Diego Pereira Machado

EXTENSIVO PLENO Direito Internacional Prof. Diego Pereira Machado MATERIAL DE AULA NACIONALIDADE Nacionalidade é o vínculo jurídico-político que liga um indivíduo a um determinado Estado, permitindo que ele (nacional) desfrute de direitos e submeta-se a obrigações. Princípio

Leia mais

Marcos Soares da Mota e Silva

Marcos Soares da Mota e Silva Marcos Soares da Mota e Silva Pós-graduado em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET) e em Direito Processual Tributário pela Universidade de Brasília (UnB). Graduado

Leia mais

DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL E DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL

DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL E DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL Em virtude do novo Código de Processo Civil (Lei 13.105, de 16.3.15, que entrará em vigor em 17.3.16, passará a vigorar as novas disposições sobre a Competência Internacional, conforme os artigos abaixo

Leia mais

Através de certidão consular ou parecer de dois advogados estrangeiros.

Através de certidão consular ou parecer de dois advogados estrangeiros. Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 44 Aplicação de direito estrangeiro: Ao aplicar o direito estrangeiro determinado por regra do D.I.P., o magistrado deverá atentar para a lei

Leia mais

Os Direitos Políticos na CF/88 Parte II

Os Direitos Políticos na CF/88 Parte II Os Direitos Políticos na CF/88 Parte II Olá Concursando, Hoje vamos continuar estudando um pouco de Direito Constitucional, finalizando o tema dos direitos políticos tratados na Constituição Federal de

Leia mais

CADERNO DE ESTUDO DIRIGIDO ESTUDO DE LEI

CADERNO DE ESTUDO DIRIGIDO ESTUDO DE LEI CADERNO DE ESTUDO DIRIGIDO ESTUDO DE LEI REGIME JURIDICO ÚNICO LEI 8.112/90 2016 4 ABRANGÊNCIA Disciplina sobre o regime estatutário dos servidores civis (efetivo ou em comissão) da União, Autarquias Federais

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000071982 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Habeas Corpus nº 0243217-95.2012.8.26.0000, da Comarca de São José dos Campos, em que

Leia mais

PROJETO DE EMENDA A LEI ORGÂNICA Nº 13/2011

PROJETO DE EMENDA A LEI ORGÂNICA Nº 13/2011 PROJETO DE EMENDA A LEI ORGÂNICA Nº 13/2011 Acrescenta o art. 109-A ao Capítulo II do Título IV da Lei Orgânica do Município. A Câmara Municipal de São Paulo PROMULGA: Art. 1º Fica acrescido o art. 109

Leia mais

Curso TRE/RS 2010 EXERCÍCIOS DE NACIONALIDADE E DE DIREITOS POLÍTICOS

Curso TRE/RS 2010 EXERCÍCIOS DE NACIONALIDADE E DE DIREITOS POLÍTICOS EXERCÍCIOS DE NACIONALIDADE E DE DIREITOS POLÍTICOS Professora Alessandra Vieira 1. NACIONALIDADE 1) Do direito brasileiro, decorre a existência de duas classes de nacionalidade: a) A do nato e a do equiparado;

Leia mais

O PROCEDIMENTO DE EXTRADIÇÃO PARECER

O PROCEDIMENTO DE EXTRADIÇÃO PARECER O PROCEDIMENTO DE EXTRADIÇÃO PARECER É um mecanismo de cooperação judicial internacional em virtude do qual, mediante um pedido formal, um Estado obtém de outro a entrega de um processado ou condenado

Leia mais

Como a Constituição trata tal imposto:

Como a Constituição trata tal imposto: Como a Constituição trata tal imposto: Art. 155. Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 3, de 1993) (...) II - operações relativas

Leia mais

a) Objetivo ou material: é a fixação da prática como habitual, durante período razoável de tempo.

a) Objetivo ou material: é a fixação da prática como habitual, durante período razoável de tempo. 1. Teoria Geral e Fundamentos. O Direito Internacional Público ou Direito das Gentes se fundamenta no consentimento. Pressupõe uma sociedade descentralizada, com Estados soberanos, dispostos horizontalmente.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 001/15/2017

PROJETO DE LEI Nº 001/15/2017 PROJETO DE LEI Nº 001/15/2017 Súmula: Institui a Ficha Limpa Municipal na nomeação de secretários, diretores e cargos comissionados para a administração direta (Prefeitura e Câmara Municipal) e na administração

Leia mais

Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO -

Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO - Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos! Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO - Trabalho finalizado em julho/2015.

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012

D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012 D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012 Nome do Candidato: Nome do pai: Nome da mãe: Partido Político ou Coligação: Cargo a que concorre: ( ) Prefeito ( ) Vice-Prefeito ( ) Vereador Município: Declaro,

Leia mais

NACIONALIDADE. Questões CESPE

NACIONALIDADE. Questões CESPE NACIONALIDADE Ano: 2015Banca: CESPEÓrgão: MPOGProva: Analista Técnico Administrativo - Cargo 2 Acerca dos princípios fundamentais e dos direitos e deveres individuais e coletivos, julgue o item a seguir.

Leia mais

Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia

Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia No Brasil, vigora o princípio da Supremacia da Constituição, segundo

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PEÇA PROFISSIONAL O governo brasileiro, preocupado com os índices crescentes de ataques terroristas no mundo, vinculou-se à Convenção sobre os Direitos Humanos das Vítimas de Atividades

Leia mais

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS 1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS DIREITOS POLÍTICOS e REGIME DEMOCRÁTICO O REGIME DEMOCRÁTICO como princípio:

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre escritório de representação, no País, de ressegurador admitido, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no

Leia mais

O SISTEMA FEDERATIVO E A INTERVENÇÃO FEDERAL

O SISTEMA FEDERATIVO E A INTERVENÇÃO FEDERAL O SISTEMA FEDERATIVO E A INTERVENÇÃO FEDERAL GUSTAVO GUSMÃO O SISTEMA FEDERATIVO E A INTERVENÇÃO FEDERAL INTRODUÇÃO: O Brasil é uma República Federativa, isto é, uma Federação composta de Estados- membros

Leia mais

Direito Penal. Causas de Extinc a o da Punibilidade. Professor Adriano Kot.

Direito Penal. Causas de Extinc a o da Punibilidade.  Professor Adriano Kot. Direito Penal Causas de Extinc a o da Punibilidade Professor Adriano Kot www.acasadoconcurseiro.com.br www.estudaquepassa.com.br DIREITO PENAL CAUSAS DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE ROL CAUSAS DE EXTINÇÃO

Leia mais

DIREITOS COLETIVOS E CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE II. Professor Juliano Napoleão

DIREITOS COLETIVOS E CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE II. Professor Juliano Napoleão DIREITOS COLETIVOS E CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE II Professor Juliano Napoleão UNIDADE 1 O controle de constitucionalidade no Brasil 1.1 Considerações iniciais: conceito, pressupostos e objetivos do

Leia mais

Legislação de Trânsito

Legislação de Trânsito Legislação de Trânsito Regulamentação do Candidato ou Condutor Estrangeiro Professor Leandro Macedo www.acasadoconcurseiro.com.br Legislação de Trânsito RESOLUÇÕES DO CONTRAN - RESOLUÇÃO nº 193/06 REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

I. DOCUMENTOS INDIVIDUAIS A SEREM ENTREGUES PELOS INTEGRANTES DA CHAPA

I. DOCUMENTOS INDIVIDUAIS A SEREM ENTREGUES PELOS INTEGRANTES DA CHAPA INSCRIÇÃO DE CHAPAS A Resolução CFN 564/2015 determina os procedimentos necessários para efetivar o registro de chapas. Com o intuito de facilitar a interpretação dos dispositivos legais pertinentes, a

Leia mais

5.6 Ações Trabalhistas Advindas da Relação de Emprego

5.6 Ações Trabalhistas Advindas da Relação de Emprego Dano moral individual o Competência Súmula nº 392 do TST - DANO MORAL. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO (conversão da Orientação Jurisprudencial nº 327 da SBDI-1) - Res. 129/2005, DJ 20, 22 e 25.04.2005

Leia mais

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Alessandro Dantas Coutinho CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 - Introdução A Administração Pública atua por meio de seus órgãos e seus agentes, os quais são incumbidos do exercício das funções

Leia mais

RESOLUÇÃO N Relator: Ministro Barros Monteiro. Interessada: Corregedoria Regional Eleitoral cio Distrito Federal.

RESOLUÇÃO N Relator: Ministro Barros Monteiro. Interessada: Corregedoria Regional Eleitoral cio Distrito Federal. PUBL1CAÜÜ NQ ÜlARíG OA JUSTIÇA TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 21.385 PROCESSO ADMINISTRATIVO N 6 19.020 - CLASSE 19 a - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Barros Monteiro. Interessada:

Leia mais

Princípios da Administração Pública

Princípios da Administração Pública Princípios da Administração Pública PRINCÍPIO DA LEGALIDADE Conceito: Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei (art. 5º, II da CF). O Princípio da legalidade

Leia mais

FGV SEJAP/MA AGENTE PENITENCIÁRIO 2013

FGV SEJAP/MA AGENTE PENITENCIÁRIO 2013 FGV SEJAP/MA AGENTE PENITENCIÁRIO 2013 01. Acerca dos direitos fundamentais inscritos na Constituição de 1988, assinale a afirmativa correta. (A) A Constituição, em garantia ao princípio da igualdade,

Leia mais

Ministério Público DO ESTADO DE MATO GROSSO 1ª Promotoria de Justiça Cível da Comarca de Barra do Bugres

Ministério Público DO ESTADO DE MATO GROSSO 1ª Promotoria de Justiça Cível da Comarca de Barra do Bugres SIMP nº. 000954-033/2016 NOTIFICAÇÃO RECOMENDATÓRIA nº 002/2016 O Promotor de Justiça, oficiante na Comarca de Barra do Bugres/MT, no uso de suas atribuições legais e constitucionais, na defesa do patrimônio

Leia mais

DECRETO N.º 125/IX AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA. Artigo 1.

DECRETO N.º 125/IX AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA. Artigo 1. DECRETO N.º 125/IX AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição,

Leia mais

COMENTÁRIOS PROVA TRE/RS PROFª MARTHA MESSERSCHMIDT CÓDIGO DE ÉTICA DOS SERVIDORES DO TRE/RS RESOLUÇÃO Nº 246/2014

COMENTÁRIOS PROVA TRE/RS PROFª MARTHA MESSERSCHMIDT CÓDIGO DE ÉTICA DOS SERVIDORES DO TRE/RS RESOLUÇÃO Nº 246/2014 COMENTÁRIOS PROVA TRE/RS PROFª MARTHA MESSERSCHMIDT CÓDIGO DE ÉTICA DOS SERVIDORES DO TRE/RS RESOLUÇÃO Nº 246/2014 - QUESTÃO 07 GABARITO = D Segundo o inciso I, Art. 7º, da Resolução nº 246/2014 é vedado

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO IV DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA Seção I Do Ministério Público Art. 127. O Ministério Público é instituição

Leia mais

Direito Penal. Livramento Condicional. Professor Joerberth Nunes.

Direito Penal. Livramento Condicional. Professor Joerberth Nunes. Direito Penal Livramento Condicional Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Penal LIVRAMENTO CONDICIONAL CÓDIGO PENAL TÍTULO V DAS PENAS CAPÍTULO V DO LIVRAMENTO CONDICIONAL Requisitos

Leia mais

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA ESTADO Conjunto de regras, pessoas e organizações que se separam da sociedade para organizá-la. - Só passa a existir quando o comando da comunidade

Leia mais

Pessoas Jurídicas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Pessoas Jurídicas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Pessoas Jurídicas Pessoas Jurídicas Pessoas jurídicas são entidades criadas para a realização de um fim e reconhecidas pela ordem jurídica como sujeitos de direitos e deveres. Pessoas Jurídicas Características:

Leia mais

EC 7/77 (Congresso fechado) falta de um perfil nacional previsão de uma lei complementar regras gerais preparação da LC 40/81

EC 7/77 (Congresso fechado) falta de um perfil nacional previsão de uma lei complementar regras gerais preparação da LC 40/81 Escola Superior do Ministério Público SP O Promotor de Justiça como agente político Hugo Nigro Mazzilli Antecedentes históricos Origem ligada à defesa do rei e à acusação penal Fins do Séc. XIII instituição

Leia mais

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1 DIREITOS POLÍTICOS Prof. Fábio Ramos prof.fabioramos@hotmail.com Conjunto de normas que disciplinam as formas de exercício da soberania popular. Princípio da Soberania Popular: Art. 1º, par. único: Todo

Leia mais

FIXAÇÃO DE REGIME INICIAL

FIXAÇÃO DE REGIME INICIAL FIXAÇÃO DE REGIME INICIAL Regime Inicial de Cumprimento de Pena É estabelecido pelo conjunto do artigo 33, 2º, a, b, c (levam em conta o tempo de pena e a primariedade e a reincidência) e o artigo 59,

Leia mais

LEGALIDADE EM MATÉRIA PENAL TRIBUNAL DO JÚRI PUNIÇÃO DAS DISCRIMINAÇÕES RETROATIVIDADE DA LEI PENAL BENIGNA RESPONSABILIDADE PESSOAL

LEGALIDADE EM MATÉRIA PENAL TRIBUNAL DO JÚRI PUNIÇÃO DAS DISCRIMINAÇÕES RETROATIVIDADE DA LEI PENAL BENIGNA RESPONSABILIDADE PESSOAL TRIBUNAL DO JÚRI É reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurados (VIII): a) a plenitude de defesa; b) o sigilo das votações; c) a soberania dos veredictos; d) a competência

Leia mais

Índice. Aquisições da nacionalidade portuguesa (Nº), por tipo de aquisição e sexo,

Índice. Aquisições da nacionalidade portuguesa (Nº), por tipo de aquisição e sexo, Índice Processos Entrados e Findos de Concessão de Nacionalidade Portuguesa, de 2007 a 2011, por Artigo da Lei da Nacionalidade (Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro alterada e republicada pela Lei Orgânica

Leia mais

Departamento PENITENCIÁRIO NACIONAL

Departamento PENITENCIÁRIO NACIONAL Departamento PENITENCIÁRIO NACIONAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL Departamento PENITENCIÁRIO NACIONAL Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 8 às 18 horas Telefone:

Leia mais

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL 1 Constituição. 1.1 Conceito, classificações, princípios fundamentais. 2 Direitos e garantias fundamentais. 2.1 Direitos e deveres individuais e coletivos, Direitos sociais,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA RESOLUÇÃO CONFE N.º 311 de 14 de OUTUBRO de 2015. DISPÕE SOBRE O VALOR DA ANUIDADE, TAXAS E MULTAS DEVIDAS AOS CONSELHOS REGIONAIS DE ESTATÍSTICA PARA O EXERCÍCIO DE 2016. O CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA,

Leia mais

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR.

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR. PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR asjunior2004@uolcombr JURISDIÇÃO Poder Judiciário: garantir a realização dos direitos através de seus órgãos; Órgãos devem ter jurisdição (função de conhecer os

Leia mais

EXERCÍCIOS DIREITOS FUNDAMENTAIS CURSO MÚLTIPLA PROFESSORA : MYRIAN BRANDAO myrianpcdireito@yahoo.com.br

EXERCÍCIOS DIREITOS FUNDAMENTAIS CURSO MÚLTIPLA PROFESSORA : MYRIAN BRANDAO myrianpcdireito@yahoo.com.br EXERCÍCIOS ARTIGO 5º Assinale V para verdadeira ou F para falso as alternativas seguintes: 1 - ( ) é livre a manifestação do pensamento, sendo permitido o anonimato 2 - ( ) a casa é asilo inviolável do

Leia mais

CENTRO DE INTEGRAÇÃO EMPRESA-ESCOLA CIEE

CENTRO DE INTEGRAÇÃO EMPRESA-ESCOLA CIEE CADERNO DE QUESTÕES Data: 2/07/2016 Horário: 08:00 Duração: 03 (três) horas 20 Questões Específicas de Direito - 01 Questão Subjetiva Nome Completo: R.G.: C.P.F.: Número Inscrição: Assinatura: Data: CONHECIMENTOS

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA RESOLUÇÃO CONFE N. º 296 de 08 de NOVEMBRO de 2011. DISPÕE SOBRE O VALOR DA ANUIDADE, TAXAS E MULTAS DEVIDAS AOS CONSELHOS REGIONAIS DE ESTATÍSTICA PARA O EXERCÍCIO DE 2012. O CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA,

Leia mais

Direito Penal. Progressão de Regime Penitenciário. Professor Adriano Kot.

Direito Penal. Progressão de Regime Penitenciário.  Professor Adriano Kot. Direito Penal Progressão de Regime Penitenciário Professor Adriano Kot www.acasadoconcurseiro.com.br www.estudaquepassa.com.br DIREITO PENAL PROGRESSÃO E REGRESSÃO DE REGIME PROGRESSÃO DE REGIME Visa

Leia mais

PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS

PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS DIREITO PENAL MILITAR Prof. Rogério PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS PENAS PRINCIPAIS (art. 55) QUADRO ESQUEMÁTICO PENAS ACESSÓRIAS (art. 98) Morte Perda do posto e da patente Multa PENAS PREVISTAS CPM NÃO

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Prof. Ricardo Torques. fb.com/direitoshumanosparaconcursos. periscope.tv/rstorques.

DIREITOS HUMANOS. Prof. Ricardo Torques. fb.com/direitoshumanosparaconcursos. periscope.tv/rstorques. DIREITOS HUMANOS Prof. Ricardo Torques fb.com/direitoshumanosparaconcursos periscope.tv/rstorques rst.estrategia@gmail.com Teoria Geral dos Direitos Humanos Características, Eficácia e Classificação de

Leia mais

ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO

ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO Conceito de Ato Administrativo Ato administrativo é todo ato praticado no exercício da função administrativa.

Leia mais

CIRCULAR GEPE Nº 004/2004 ABONO DE PERMANÊNCIA

CIRCULAR GEPE Nº 004/2004 ABONO DE PERMANÊNCIA 1 CIRCULAR GEPE Nº 004/2004 De: Para: Gerência de Administração de Pagamento de Pessoal Gerências da GEPE, Gerências Regionais de Recursos Humanos e unidades de pessoal das demais Secretarias ABONO DE

Leia mais

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa.

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa. Artigo 1º Objetivo e âmbito de aplicação O presente regulamento tem como objetivo dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 março e aplica-se exclusivamente aos estudantes internacionais

Leia mais

Diploma legal. Nestes termos, ao abrigo do disposto na alínea b) do artigo 88.º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte:

Diploma legal. Nestes termos, ao abrigo do disposto na alínea b) do artigo 88.º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte: A Lei n.º 1/05, de 1 de Julho veio aprovar a Lei da Nacionalidade revogando a legislação anteriormente existente sobre esta matéria. Este diploma regula as condições de atribuição, aquisição, perda e reaquisição

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL EFICÁCIA JURÍDICA Atualizado em 12/01/2016 NACIONALIDADE: ARTS. 12 E 13 CF88 A nacionalidade é o vínculo jurídico-civil que liga o indivíduo a um determinado território e é considerada

Leia mais

Decreto n.º 4/82 Convenção Europeia sobre o Reconhecimento Académico de Qualificações Universitárias

Decreto n.º 4/82 Convenção Europeia sobre o Reconhecimento Académico de Qualificações Universitárias Decreto n.º 4/82 Convenção Europeia sobre o Reconhecimento Académico de Qualificações Universitárias O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único.

Leia mais

Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso.

Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso. Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso. Cretella Júnior e Cretella Neto Direito Constitucional III Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com Base da ordem social

Leia mais

LIBERDADE PROVISÓRIA SEM A NECESSIDADE DE RECOLHIMENTO DE FIANÇA

LIBERDADE PROVISÓRIA SEM A NECESSIDADE DE RECOLHIMENTO DE FIANÇA LIBERDADE PROVISÓRIA Instituto processual que garante ao acusado o direito de aguardar em liberdade o transcorrer do processo até o trânsito em julgado, vinculado ou não a certas obrigações, podendo ser

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 6.966, DE 2006 (Apenso: PL nº 2.880/2008) Cria a profissão de Cuidador Autor: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA Relatora: Deputada GORETE

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE NACIONAIS E ESTRANGEIROS SEGUNDO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

DIFERENÇAS ENTRE NACIONAIS E ESTRANGEIROS SEGUNDO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 DIFERENÇAS ENTRE NACIONAIS E ESTRANGEIROS SEGUNDO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Felipe Eidi Semencio CHIYODA¹ Flademir Jeronimo Belinati MARTINS² 1 RESUMO: o trabalho científico aborda a estrutura do

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.614, DE 2010

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.614, DE 2010 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.614, DE 2010 Autoriza o Guia de Turismo a usar seu próprio veículo, sob sua condução, no desempenho de suas atividades profissionais,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. Projeto de Lei da Câmara nº 3131/2008 (Projeto de Lei do Senado nº 88/2007)

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. Projeto de Lei da Câmara nº 3131/2008 (Projeto de Lei do Senado nº 88/2007) COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO Projeto de Lei da Câmara nº 3131/2008 (Projeto de Lei do Senado nº 88/2007) (Apensos os Projetos de Lei nºs. 6132, de 2002; 3716, de 2004;

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948)

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) PREÂMBULO Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 133.536 - SP (2014/0094067-4) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES SUSCITANTE : JUÍZO FEDERAL DA 24A VARA CÍVEL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO SUSCITADO : JUÍZO

Leia mais

Legislação Aplicada - Polícia Federal AULA I Agente Administrativo PROFESSOR MATEUS SILVEIRA

Legislação Aplicada - Polícia Federal AULA I Agente Administrativo PROFESSOR MATEUS SILVEIRA Legislação Aplicada - Polícia Federal AULA I Agente Administrativo PROFESSOR MATEUS SILVEIRA LEI Nº 6.815, DE 19 DE AGOSTO DE 1980. Define a situação jurídica do estrangeiro no Brasil, cria o Conselho

Leia mais

Conceito de Nação de Nacionalidade: o Nato e o Estrangeiro

Conceito de Nação de Nacionalidade: o Nato e o Estrangeiro Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 22 Conceito de Nação de Nacionalidade: o Nato e o Estrangeiro Nação é a comunidade forjada pela soma de um ou mais vínculos em comum das mais

Leia mais

TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO APLICADA A POLÍCIA FEDERAL

TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO APLICADA A POLÍCIA FEDERAL TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO APLICADA A POLÍCIA FEDERAL Lei 6.815/80 (Estatuto do Estrangeiro) 1- (PF/2013/Escrivão) Julgue o item abaixo, a respeito da deportação de estrangeiro prevista na Lei n.º 6.815/1980.

Leia mais

DA ENTRADA E PERMANÊNCIA DO ESTRANGEIRO NO BRASIL

DA ENTRADA E PERMANÊNCIA DO ESTRANGEIRO NO BRASIL DA ENTRADA E PERMANÊNCIA DO ESTRANGEIRO NO BRASIL Viviane dos santos SANCHES 1 Louise de ARAUJO 2 Marcelo AGAMENON 3 RESUMO: Este artigo foi motivado pela necessidade de maiores esclarecimentos a respeito

Leia mais

Revisão Geral. 1. A idade mínima para ser elegível aos cargos de Deputado Federal, Prefeito e Vereador, respectivamente, é de:

Revisão Geral. 1. A idade mínima para ser elegível aos cargos de Deputado Federal, Prefeito e Vereador, respectivamente, é de: Constitucional Excelência Professor Nilo Roberto Revisão Geral Revisão Constitucional 1. A idade mínima para ser elegível aos cargos de Deputado Federal, Prefeito e Vereador, respectivamente, é de: a)

Leia mais

Kimonos Torah Programa de fidelidade

Kimonos Torah Programa de fidelidade REGULAMENTO DO PROGRAMA FAXIA PRETA KIMONOS TORAH VERSÃO_4 JUN/2016 I DO PROGRAMA FAIXA PRETA - KIMONOS TORAH 1.1. O objetivo do PROGRAMA FAIXA PRETA - KIMONOS TORAH ( PROGRAMA ) é conceder benefícios

Leia mais

EDITAL N. 03/2009 I DAS VAGAS DE ESTÁGIO:

EDITAL N. 03/2009 I DAS VAGAS DE ESTÁGIO: EDITAL N. 03/2009 PROVA DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO ESCRITÓRIO MODELO - DOM PAULO EVARISTO ARNS A Coordenadoria Geral de Estágios, através de sua Coordenadora Prof ª. Dra.

Leia mais