Seminário T&N- Transporte Aéreo SIMPLIFICAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E NOVAS TECNOLOGIAS NA APRESENTAÇÃO DAS MERCADORIAS E MEIOS DE TRANSPORTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário T&N- Transporte Aéreo SIMPLIFICAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E NOVAS TECNOLOGIAS NA APRESENTAÇÃO DAS MERCADORIAS E MEIOS DE TRANSPORTE"

Transcrição

1 Seminário T&N- Transporte Aéreo 8 de Novembro 2012 SIMPLIFICAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E NOVAS TECNOLOGIAS NA APRESENTAÇÃO DAS MERCADORIAS E MEIOS DE TRANSPORTE Ana Paula Caliço Raposo Subdiretora geral

2 Âmbito da Apresentação Fronteira Externa Missão AT Desafios Segurança Formalidades E-Customs e a simplificação declarativa SDS e apresentação das Mercadorias e Meios de Transporte SDS como sistema de interligação externa Formalidades aduaneiras SDS como sistema de interligação interna Procedimentos aduaneiros automáticos Conclusão

3 Funções das Alfândegas Cobrança dos direitos de importação, IVA e IEC.s Proteção da economia nacional e comunitária Proteção e segurança dos cidadãos Facilitação do comércio <Competitividade> Segurança da cadeia logística Funções Alfândegas Ambiente, espécies da fauna e flora

4 Fronteira Externa Autoridade Tributária e Aduaneira Missão no âmbito aduaneiro Assegurar o controlo da fronteira externa da União Europeia garantir a aplicação das normas a que se encontram sujeitas as mercadorias introduzidas no território da União Europeia e efetuar os controlos relativos à entrada, saída e circulação das mercadorias no território nacional, prevenindo e combatendo a fraude e evasão fiscais e aduaneiras e os tráficos ilícitos.

5 Fronteira Externa - Segurança Novas responsabilidades em matéria de segurança face a ameaças terroristas. Facilitar o comércio e simultaneamente tornar mais segura a cadeia logística Assim: Regulamentos relativos aos procedimentos de segurança; O estatuto de Operador Económico Autorizado (AEO); Import Control System (ECS); Sistema de Gestão de Risco Comunitário Security Container Iniciative Megaports (ICS) e Export Control System

6 Fronteira Externa - Formalidades O Fluxo dos Meios de Transporte e das Mercadorias, por via área, pressupõe, assim, um conjunto de formalidades no âmbito: Código Aduaneiro Comunitário Convenções Internacionais Legislação Nacional

7 e-customs Decisão 70/2008/CE - Criação de um ambiente sem papel para as alfândegas e o comércio. Determina que os Estados-Membros têm que estabelecer sistemas de informação e comunicação eficientes, efetivos e interoperáveis para o intercâmbio de informações entre as administrações públicas e os cidadãos comunitários.

8 Portugal e o e-customs Portugal tem vindo a desenvolver a estratégia e-customs através de diversos sistemas comunitários: NSTI - Sistema do Trânsito Permite o controlo da circulação no Território Aduaneiro Comunitário (TAC) das mercadorias sujeitas a Regime de Trânsito. ICS Import Control System Permite a disponibilização de informação antecipada das mercadorias que se destinam à UE (Protecção e Segurança). ECS Export Control System Permite o controlo das mercadorias que saem do TAC. CRMS Customs Risk Management System Sistema para a troca de informação sobre risco. EMCS - Excise Movement and Control System Sistema que permite o controlo do movimento das mercadorias sujeitas a Impostos Especiais sobre o Consumo (IEC).

9 Portugal e o e-customs A nível nacional, Portugal também tem promovido, a desmaterialização de procedimentos aduaneiros: Importação STADA IMP Já em piloto, com alargamento a nível nacional em Janeiro 2013, permite a Declaração electrónica para um Destino Aduaneiro das mercadorias sem apresentação de papel. Exportação STADA EXP Em produção desde 2007, permite a Declaração electrónica da Exportação sem apresentação de papel. Apresentação das Mercadorias e Meio de Transporte (SDS) Permite o controlo do movimento das mercadorias, bem como dos respetivos meios de transporte, à entrada, saída e entre o Território Aduaneiro da União Europeia (TAC). Em produção desde 2008 para a Via Marítima e desde Janeiro de 2012 para a Via Aérea.

10 Apresentação Merc. e MT. O Sistema Integrado da Apresentação das Mercadorias e Meios de transporte implementa e gere a simplificação, racionalização e harmonização dos procedimentos legalmente exigidos desde a apresentação dos meios de transporte e das mercadorias introduzidas ou expedidas do território aduaneiro nacional até à atribuição de um destino aduaneiro, nomeadamente na: Atribuição de uma Contramarca Meio de Transporte Atribuição da Declaração Sumária de Depósito Temporário - Mercadorias

11 SDS - Objectivos Controlo aduaneiro da circulação dos meios de transporte, bem como da atribuição de destino aduaneiro às mercadorias. Racionalização e facilitação dos procedimentos. Disponibilização, interna e externa, da informação, actualizada e fiável, a todas as entidades intervenientes. Articulação sistematizada e rápida entre a Administração Aduaneira e as diversas Entidades (Operadores, AP s, Emigração, Saúde, Capitanias, etc).

12 SDS - Estrutura SDS VIA MARÍTIMA VIA AÉREA VIA FÉRREA VIA RODOVIÁRIA MEIO TRANSPORTE MERCADORIA (MANIFESTOS) MERCADORIA (DEPOSITÁRIOS) CONTRAMARCA DECLARAÇÃO SUMÁRIA MOVIMENTOS Nº CM Form. Tráfego Nº Declaração Sumária DT Autorizações Saida/Embarque

13 Fluxos de Informação - Externo Operador Aéreo Representante Transitário Administração Aeroportuária SDS Processo das Mercadorias Processo do Meio de Transporte Movimentação Autorizações Depositário 13

14 Fluxos de Informação - Interno SSA STADA IMP STADA EXP Trânsitos SDS ICS ECS Declarações Controlos Resultados/Autor. Apuramentos 14

15 SDS - Transmissão de Dados Declarações Eletrónicas Acesso Direto Portal AT Webforms Upload - Mensagens XML Webservice - Mensagens XML

16 SDS - Entidades Externas Administração portuária Companhias de Navegação Agentes de Navegação Despachantes Depositários/Concessionários Caminhos-de-Ferro Administração Aeroportuária Companhias Aéreas Agentes de Handling Transitários

17 Formalidades Aduaneiras Formalidades Meio de Transporte Pedido e Abertura de Contramarca Dados Formulário Tráfego Informação Passageiros e Tripulantes Declaração Geral da Carga Pedidos de Retificação Autorizações para Descarregar, Carregar e Sair Automáticas

18 Formalidades Aduaneiras Formalidades Mercadorias Apresentação das Mercadorias Notificação de Chegada Declaração Sumária Depósito Temporário Retificações e harmonizações às declarações Recepção de mercadorias Entrada e Saídas de Depósito Supressão de vários tipos de documentação numa única mensagem evolutiva Várias versões de Manifestos (provisórios e definitivos) em vários exemplares Cópia dos Documentos de Transporte Pedidos de junção, harmonização e retificação

19 Autorizações Electrónicas Autorizações Automáticas imediatas Possibilidade de Intervenção manual Procedimentos Aduaneiros Apuramento e controlo de destinos aduaneiros Automáticos por ligação aos sistemas aduaneiros Possibilidade de Intervenção manual Gestão da situação aduaneira das mercadorias Controlo dos Depósitos Conferência Descarga/Carga Indicação Carga a Mais e a Menos Junção de Carga a Mais Apuramento automático da Carga a menos Controlo das Mercadorias em Depósito Controlo de Demorados e Abandono

20 Conclusão Tecnologias de informação e comunicação (TIC) Simplificação de Procedimentos/Melhores Controlos Conferir maior eficiência às formalidades de desalfandegamento, Reduzir a carga administrativa, Lutar contra a fraude, o crime organizado e o terrorismo, Proteger os interesses financeiros, a propriedade intelectual e o património cultural, Reforçar a segurança das mercadorias e do comércio internacional Melhorar a protecção da saúde e do ambiente.

21 Seminário T&N- Transporte Aéreo SIMPLIFICAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E NOVAS TECNOLOGIAS NA APRESENTAÇÃO DAS MERCADORIAS E MEIOS DE TRANSPORTE Obrigada Ana Paula Caliço Raposo

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos,

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, Alfândegas Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 Alfândegas O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, com

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira Curso Profissional de Técnicas de Secretariado. Escola Secundária de Paços de Ferreira

Escola Secundária de Paços de Ferreira Curso Profissional de Técnicas de Secretariado. Escola Secundária de Paços de Ferreira Escola Secundária de Paços de Ferreira Curso Profissional Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado

Leia mais

Estágio ITE 2015 Noções de Direito Aduaneiro DSF 2015

Estágio ITE 2015 Noções de Direito Aduaneiro DSF 2015 Estágio ITE 2015 Noções de Direito Aduaneiro DSF 2015 21/23.Janeiro.2015 Ricardo de Deus DIREITO ADUANEIRO Ramo do Direito Público que visa regular as trocas internacionais de mercadorias. Nesse sentido

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

Comprometendo-se a proteger a Comunidade do comércio desleal e ilegítimo apoiando a actividade económica legítima.

Comprometendo-se a proteger a Comunidade do comércio desleal e ilegítimo apoiando a actividade económica legítima. Sendo o objectivo dos Regulamentos (CE) nº 1005/2008 do Conselho e (CE) nº1010/2009, da Comissão, assegurar que todos os produtos de pesca comercializados e importados ou exportados pela comunidade, tenham

Leia mais

ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO ANEXOS VERSÃO

ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO ANEXOS VERSÃO 1 ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO VERSÃO abril 2016 1 VERSÕES DATA AUTOR VERSÃO COMENTÁRIO Criação do Documento 01-02-2016 Ana Bela Ferreira 1ª (original) 20-04-2016 Ana Bela Ferreira 2ª versão

Leia mais

IVA na importação. Tânia Carvalhais Pereira. Assistente da UCP e jurista do CAAD

IVA na importação. Tânia Carvalhais Pereira. Assistente da UCP e jurista do CAAD IVA na importação Tânia Carvalhais Pereira Assistente da UCP e jurista do CAAD Importação de bens Entrada em território nacional de: a) bens originários ou procedentes de países terceiros e que não se

Leia mais

Segurança e Conformidade no Comércio Internacional

Segurança e Conformidade no Comércio Internacional Segurança e Conformidade no Comércio Internacional Programa de Operador Econômico Autorizado Consiste na certificação concedida pelas Aduanas aos operadores da cadeia logística internacional que atendem

Leia mais

Atuação da POLÍCIA FEDERAL no Intercâmbio Internacional de Patrimônio Genético Brasília, 7 de junho de 2016

Atuação da POLÍCIA FEDERAL no Intercâmbio Internacional de Patrimônio Genético Brasília, 7 de junho de 2016 Atuação da POLÍCIA FEDERAL no Intercâmbio Internacional de Patrimônio Genético Brasília, 7 de junho de 2016 SUMÁRIO 1 A POLÍCIA FEDERAL: Atribuições e Organização 2 CRIMES RELACIONADOS AO INTERCÂMBIO DE

Leia mais

REGISTOS CONTABILÍSTICOS

REGISTOS CONTABILÍSTICOS OPERADOR ECONÓMICO AUTORIZADO REGISTOS CONTABILÍSTICOS MAPUTO MARÇO DE 2016 CONTEXTO PRINCIPAIS DISPOSIÇÕES PARA O OEA Legais Acordos Código Aduaneiro CONVENÇÃO DE QUIOTO REVISTA QUADRO SAFE DA OMA Políticas

Leia mais

Apoio. Patrocinadores Globais APDSI

Apoio. Patrocinadores Globais APDSI Apoio Patrocinadores Globais APDSI Transparência e Sigilo na Administração Pública: A questão dos dados fiscais XV Tomada de Posição GAN / APDSI Lisboa, 24 de abril de 2013 Princípios regentes da Administração

Leia mais

INOVAÇÃO PARA O PROGRESSO ADUANEIRO. Pemba, 26 de Janeiro de Se não fazes parte da solução então és parte do problema! Provérbio Africano

INOVAÇÃO PARA O PROGRESSO ADUANEIRO. Pemba, 26 de Janeiro de Se não fazes parte da solução então és parte do problema! Provérbio Africano INOVAÇÃO PARA O PROGRESSO ADUANEIRO Pemba, 26 de Janeiro de 2013 Se não fazes parte da solução então és parte do problema! Provérbio Africano Tópicos 1. Introdução; 2. Inovação; 3. Riscos de não Inovar;

Leia mais

Indicar a referência atribuída pela pessoa interessada à remessa em causa no plano comercial.

Indicar a referência atribuída pela pessoa interessada à remessa em causa no plano comercial. CASA 7 NÚMERO DE REFERÊNCIA Indicar a referência atribuída pela pessoa interessada à remessa em causa no plano comercial. Esta casa é de preenchimento facultativo para todo o tipo de declarações. NOTA:

Leia mais

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa 2018 Cabe à LCT Lisbon Cruise Terminals, Ld.ª, enquanto empresa concessionária do Terminal de Cruzeiros de Lisboa, nos termos do Contrato

Leia mais

Segurança Marítima: Objetivos, Desafios e Iniciativas. 06 novembro 2015

Segurança Marítima: Objetivos, Desafios e Iniciativas. 06 novembro 2015 Segurança Marítima: Objetivos, Desafios e Iniciativas 06 novembro 2015 Enquadramento Legal Missão Organização Segurança Marítima Objetivos Desafios Conclusão Enquadramento Legal A DGRM é o resultado da

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

FINANCIAMENTO. PEDRO FILIPE Director Geral-Adjunto para a área de Segurança Social ENAD. 22 de Março MANUEL MOREIRA - Coordenador PSGSS

FINANCIAMENTO. PEDRO FILIPE Director Geral-Adjunto para a área de Segurança Social ENAD. 22 de Março MANUEL MOREIRA - Coordenador PSGSS Acções O SISTEMA do INSS DA para PROTECÇÃO o Cumprimento SOCIAL EM das ANGOLA: Obrigações Declarativas FUNDAMENTOS, e Contributivas OBJECTIVOS pelos E Contribuintes MEIOS DE FINANCIAMENTO PEDRO FILIPE

Leia mais

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário -Sumário O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário 1.ª Convenção SOGILUB Porque o Óleo tem mais Vidas Enquadramento legal Comunitário nacional Mário Grácio 9 de Novembro de 2010 O sector

Leia mais

BENS DE DUPLO USO CONTROLOS NA EXPORTAÇÃO LUISA NOBRE MARIA MANUEL OLIVEIRA

BENS DE DUPLO USO CONTROLOS NA EXPORTAÇÃO LUISA NOBRE MARIA MANUEL OLIVEIRA Direcção Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo BENS DE DUPLO USO CONTROLOS NA EXPORTAÇÃO LUISA NOBRE MARIA MANUEL OLIVEIRA O quê? Porquê? Quem? Como? O quê? Quaisquer produtos,

Leia mais

PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda

PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda 1 PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda Regulamento (UE) nº 305/2011 versus Diretiva nº 89/106/CEE Melo Arruda Encontro promovido pelo Bureau Veritas e IPQ 6 de novembro de 2012 2 Tópicos

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 146/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/879 DA COMISSÃO de 2 de junho de 2016 que estabelece, nos termos do Regulamento (UE) n. o 517/2014 do Parlamento Europeu

Leia mais

O ano de 2013 tem sido fértil em alterações fiscais que levam a mudanças de procedimentos com o objetivo e combater a fraude e evasões fiscais.

O ano de 2013 tem sido fértil em alterações fiscais que levam a mudanças de procedimentos com o objetivo e combater a fraude e evasões fiscais. As alterações tiveram origem no Decreto-Lei nº 198/2012, de 24 de Agosto que procedeu a alterações do regime de bens em circulação objeto de transações entre sujeitos passivos de IVA, aprovado em anexo

Leia mais

Controle administrativo no comércio exterior

Controle administrativo no comércio exterior Controle administrativo no comércio exterior O que é o controle administrativo Controle exercido com o objetivo de verificar a consonância da operação pretendida em relação às normas comerciais, técnicas,

Leia mais

Analista-Tributários da RFB. Porte de arma MP 693/15 altera a Lei /02

Analista-Tributários da RFB. Porte de arma MP 693/15 altera a Lei /02 Analista-Tributários da RFB Porte de arma MP 693/15 altera a Lei 10.593/02 O exercício da administração aduaneira compreende a fiscalização e o controle sobre o comércio exterior, essenciais à defesa dos

Leia mais

Direcção-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Direcção-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Direcção-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Plano de Actividades 2011 htc2010 Direcção-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Plano de Actividades 2011

Leia mais

PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P.

PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P. PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P. Acelerador da Inovação dos Serviços 1 ESTRATÉGIA Modernização administrativa transversal às áreas de atuação do Camões, I.P. 2 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2012 MFZ /06/2012 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL A S S U N T O

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2012 MFZ /06/2012 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL A S S U N T O Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima Rua Visconde de Inhaúma, 134 Gr 1005 CEP 20094-900 - Centro - Rio de Janeiro RJ Brasil Tel.: (55 21) 3232-5600 Fax.: (55 21) 3232-5619 E-mail: syndarma@syndarma.org.br

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

Aula Demonstrativa. Legislação Aduaneira Professores: Rodrigo Luz e Luiz Missagia

Aula Demonstrativa. Legislação Aduaneira Professores: Rodrigo Luz e Luiz Missagia Aula Demonstrativa Legislação Aduaneira Professores: Rodrigo Luz e Luiz Missagia Aula 00 Aula Demonstrativa Aula Conteúdo Programático Data 00 Demonstrativa 22/07 01 Jurisdição Aduaneira e Controle Aduaneiro

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: nº 10177

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: nº 10177 Diploma: Artigo: Assunto: CIVA; RITI FICHA DOUTRINÁRIA 1.º; 3.º; n.º 1 do art. 6.º; nº.s 8 e 9 do art. 29.º. Art.s 7º, 10.º, 14º e 23º do RITI; Enquadramento - Vendas, via internet, de peças de vestuário

Leia mais

Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012

Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012 Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012 Serviços Prestados Indicadores de Qualidade dos Serviços Previsibilidade de Cumprimento Taxa de Cumprimento 2012 1 Extensão de Patente de

Leia mais

PROGRAMA QUADRO SOLID. Fundo para as Fonteiras Externas Casos de Sucesso DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS

PROGRAMA QUADRO SOLID. Fundo para as Fonteiras Externas Casos de Sucesso DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS PROGRAMA QUADRO SOLID Fundo para as Fonteiras Externas Casos de Sucesso Índice Gestão das Fronteiras na União Europeia Fronteiras da União Fundo Europeu para as Fronteiras Externas Fundo Europeu para as

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 77/25

Jornal Oficial da União Europeia L 77/25 23.3.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 77/25 REGULAMENTO (UE) N. o 284/2011 DA COMISSÃO de 22 de Março de 2011 que fixa as condições específicas e os procedimentos pormenorizados para a importação

Leia mais

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo 2016/2017

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo 2016/2017 INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA Condições de acesso ao incentivo 2016/2017 A Lei nº 82-D/2014, de 31 de dezembro (Lei da Fiscalidade Verde ), alterada pela Lei n.º 7-A/2016 de 30 de

Leia mais

Circular n.º 102/2010 Série II

Circular n.º 102/2010 Série II Proc.º 205.50.01/16-1/2010 DSIVAVA Circular n.º 102/2010 Série II Assunto: Instruções de aplicação do regime de isenção do IVA nas importações de bens em território nacional que se destinam a outro Estado-Membro

Leia mais

CURRÍCULO PROFISSIONAL

CURRÍCULO PROFISSIONAL CURRÍCULO PROFISSIONAL CURRÍCULO PROFISSIONAL Nome - António Manuel Correia Valente I Habilitações Académicas 1 - Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa, em

Leia mais

OPERAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS E TRANSMISSÕES EM CADEIA

OPERAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS E TRANSMISSÕES EM CADEIA OPERAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS E TRANSMISSÕES EM CADEIA MÁRIO SILVA COSTA LISOA, 23 DE JUNHO DE 2016 COLOCAÇÃO DO PROLEMA Operações em cadeia em contexto cross-border: Qual deverá ser o tratamento, em sede

Leia mais

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016 Agenda Internacional da Indústria 22 de setembro de 2016 Apresentação 1. Panorama do Comércio Exterior Brasileiro 2. CNI 3. Área Internacional da CNI 4. Agenda Internacional da Indústria 5. Pesquisa Desafios

Leia mais

ANEXO ANEXO VIII. Proposta de Decisão do Conselho

ANEXO ANEXO VIII. Proposta de Decisão do Conselho COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 10.3.2014 COM(2014) 148 final ANNEX 8 ANEXO ANEXO VIII Acordo de Associação entre a União Europeia e a Comunidade Europeia da Energia Atómica e os seus Estados-Membros, por

Leia mais

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Panorama

Leia mais

Regulamento da União Europeia sobre a Madeira e Produtos da Madeira (RUEM)

Regulamento da União Europeia sobre a Madeira e Produtos da Madeira (RUEM) Regulamento da União Europeia sobre a Madeira e Produtos da Madeira (RUEM) Ponto da situação em Portugal (2013 a março de 2015) Divisão de Apoio à Produção Florestal e Valorização dos Recursos Silvestres

Leia mais

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Como gasta a UE o seu dinheiro? Orçamento da UE para 2010: 141,5 mil milhões de euros = 1,20% do Rendimento Nacional Bruto Acção da UE na

Leia mais

Acompanhamento dos Processos de Despacho. Conaportos Agosto de 2013

Acompanhamento dos Processos de Despacho. Conaportos Agosto de 2013 Acompanhamento dos Processos de Despacho Conaportos Agosto de 2013 Fluxo Logístico/Processual da Carga na Importação 1 2a 4 Atracação do Navio no Porto Deferimento de LI pelo Órgão Anuente, nos casos em

Leia mais

Ferramenta desenvolvida com software livre aprimora e amplia sistemas de importação na Receita Federal

Ferramenta desenvolvida com software livre aprimora e amplia sistemas de importação na Receita Federal Ferramenta desenvolvida com software livre aprimora e amplia sistemas de importação na Receita Federal FEVEREIRO/2016 Perfil A Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB desempenha funções essenciais

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MODERNAS AO SERVI- ÇO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MODERNAS AO SERVI- ÇO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL EDIÇÃO Nº 24 Periodicidade: MENSAL Boletim Informativo DISP. REGº Nº 48/GABINFO-DEC/2012 DIRECÇÃO: Cacilda Z. Chicalia NOVEMBRO/2013 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MODERNAS AO SERVI- ÇO DO COMÉRCIO

Leia mais

Logística em Portugal Comentário. Mário Lopes

Logística em Portugal Comentário. Mário Lopes Logística em Portugal Comentário Mário Lopes Professor do IST, Presidente da ADFERSIT mariolopes@tecnico.ulisboa.pt CONCLUSÕES: (conceitos) Assertivas, concordo totalmente DISCORDÂNCIAS E/OU OMISSÕES:

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

COMPLEXIDADE TRIBUTÁRIA E REFLEXOS NOS NEGÓCIOS SETEMBRO DE 2016

COMPLEXIDADE TRIBUTÁRIA E REFLEXOS NOS NEGÓCIOS SETEMBRO DE 2016 COMPLEXIDADE TRIBUTÁRIA E REFLEXOS NOS NEGÓCIOS SETEMBRO DE 2016 A Complexidade tributária comprovada por números Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), apenas no ano de 2014,

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

Importação: Regras básicas

Importação: Regras básicas Importação: Regras básicas Pagamentos de importação de mercadorias em Angola 1 Procure o Ministério do Comércio (MINCO) para proceder ao registo de Exportador e Importador (REI). 3 Negocie com seu Exportador/Fornecedor:

Leia mais

Portal da Janela Única Electrónica

Portal da Janela Única Electrónica Portal da Janela Única Electrónica Instruções para acesso a funcionalidade Busque & Encontre A funcionalidade Busque e Encontre têm como objectivo proporcionar aos operadores de comércio externo, de entre

Leia mais

Curso de Legislação Aduaneira para ATRFB. Prof. Thális Andrade

Curso de Legislação Aduaneira para ATRFB. Prof. Thális Andrade Curso de Legislação Aduaneira para ATRFB Prof. Thális Andrade -Professor -Importância da matéria de Legislação Aduaneira -Bibliografia básica BRASIL. Ministério da Fazenda. Disponível em: .

Leia mais

Quadro Estratégico Comum

Quadro Estratégico Comum Quadro Estratégico Comum 2014-2020 Objetivos Prioridades Estrutura Orgânica Sociedade de Geografia de Lisboa, 8 de Julho de 2013 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Quadro Estratégico

Leia mais

CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO

CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO Versão julho de 2016 1 VERSÕES DATA AUTOR VERSÃO COMENTÁRIO 01-02-2016 Ana Bela Ferreira 1ª (original) 14-06-2016 Ana Bela Ferreira 1.1 13-07-2016 Ana Bela Ferreira 1.1.1 Criação

Leia mais

BRASIL-BOLÍVIA COLEÇÃO DE ATOS INTERNACIONAIS Nº 616 CONVÊNIO PARA O ESTABELECIMENTO, EM CORUMBÁ, DE UM ENTREPOSTO DE DEPÓSITO FRANCO

BRASIL-BOLÍVIA COLEÇÃO DE ATOS INTERNACIONAIS Nº 616 CONVÊNIO PARA O ESTABELECIMENTO, EM CORUMBÁ, DE UM ENTREPOSTO DE DEPÓSITO FRANCO COLEÇÃO DE ATOS INTERNACIONAIS Nº 616 BRASIL-BOLÍVIA CONVÊNIO PARA O ESTABELECIMENTO, EM CORUMBÁ, DE UM ENTREPOSTO DE DEPÓSITO FRANCO Assinado em La Paz a 29 de março de 1958 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em CÓDIGO DO IRS Artigo 16.º Residência 6 - Considera-se que não têm residência habitual em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes, nomeadamente ao abrigo do disposto

Leia mais

Alfândegas no séc. s

Alfândegas no séc. s Alfândegas no séc. s 21 Conferência dos Directores Gerais das Alfândegas da CPLP Porto - Portugal, 02 de Outubro de 2009 Kunio Mikuriya Secretário Geral Organização Mundial das Alfândegas (OMA) 1 OMA em

Leia mais

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A.

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. _Objectivos e Fins Exploração do serviço público aeroportuário de apoio à aviação civil nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, bem como no terminal civil de Beja,

Leia mais

Manual do Utilizador do Documento Único : alterações. ( Ref. à circular nº. 36 / 2002, Série II).

Manual do Utilizador do Documento Único : alterações. ( Ref. à circular nº. 36 / 2002, Série II). DSRA Proc. 4.9 (5)/2001 CIRCULAR N.º 37/2003 SÉRIE II Assunto: OPTIMIZAÇÃO DO STADA IMPORTAÇÃO Manual do Utilizador do Documento Único : alterações. ( Ref. à circular nº. 36 / 2002, Série II). Atendendo

Leia mais

A Transformação da Administração Pública

A Transformação da Administração Pública A Transformação da Administração Pública Lisboa, 3 e 4 Novembro 2008 www.ama.pt Transformar o Sector Público Definição A mudança de funcionamento do sector público, de um modelo estático, focado na organização,

Leia mais

Regulamentação externa e interna

Regulamentação externa e interna Regulamentação externa e interna Dada a extensão das atribuições da APL, S.A. e da sua área de jurisdição, as normas que regem a respetiva atividade ou que têm interesse para a mesma são muito diversas.

Leia mais

Formação para Executivos Curso de Regimes e Procedimentos Aduaneiros. Maio de ª Edição Porto

Formação para Executivos Curso de Regimes e Procedimentos Aduaneiros. Maio de ª Edição Porto Formação para Executivos Curso de Regimes e Procedimentos Aduaneiros Maio de 2009 1ª Edição Porto --------------- -------- 1ª sessão 11 de Maio 2ª sessão 12 de Maio 3ª sessão 18 de Maio 4ª sessão 19 de

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 20/2012, de 14 de maio A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei altera a Lei n.º 64-B/2011, de

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica: Processo de Implantação e seus Benefícios em Mato Grosso.

Nota Fiscal Eletrônica: Processo de Implantação e seus Benefícios em Mato Grosso. Nota Fiscal Eletrônica: Processo de Implantação e seus Benefícios em Mato Grosso. Dirce da Conceição Silva Jackeline de Souza Cruz Leila Pereira Campos Vanessa Patrizia Cortez Unirondon Centro Universitário

Leia mais

OEA é diferencial definitivo para o setor aduaneiro

OEA é diferencial definitivo para o setor aduaneiro OEA é diferencial definitivo para o setor aduaneiro kpmg.com/br Introdução Prezado (a), O controle das mercadorias que entram e saem da fronteira é necessário para manter a segurança no País, mas esse

Leia mais

Simplex Exportações Exportações mais Simplex

Simplex Exportações Exportações mais Simplex Simplex Exportações Exportações mais Simplex Este é o primeiro SIMPLEX dedicado a um tema específico: as EXPORTAÇÕES. É por isso um programa diferente. Mais participado e feito em verdadeira co produção:

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2013/0027(COD) da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2013/0027(COD) da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos 2013/0027(COD) 2.9.2013 PROJETO DE PARECER da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de laboratório de análises clínicas 2015/S Anúncio de concurso. Serviços

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de laboratório de análises clínicas 2015/S Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:287589-2015:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de laboratório de análises clínicas 2015/S 157-287589 Anúncio

Leia mais

ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO

ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO VERSÃO 4 abril de 2016 AT Versão consolidada abril de 2016 1 VERSÕES DATA AUTOR VERSÃO COMENTÁRIO 01-02-2016 Ana Bela Ferreira 1.ª (original) 30-03-2016 Ana Bela

Leia mais

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1 - PLANEJAMENTO Novos mercados Mais lucros Mais empregos Maior escala de produção e vendas Separar uma parte da produção para o mercado interno

Leia mais

B-Bruxelas: Prestação de serviços administrativos e de recepção 2012/S Anúncio de concurso. Serviços

B-Bruxelas: Prestação de serviços administrativos e de recepção 2012/S Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:207878-2012:text:pt:html B-Bruxelas: Prestação de serviços administrativos e de recepção 2012/S 126-207878 Anúncio de

Leia mais

Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis

Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis Circular nº 34/2015 15 de Setembro de 2015 Assunto: Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis Caros Associados, Os sujeitos passivos de IVA (singulares

Leia mais

DESPACHOS ADUANEIROS SUPRINDO A NECESSIDADE CADA VEZ MAIS EXIGENTE E DINÂMICA DO COMERCIO EXTERIOR.

DESPACHOS ADUANEIROS SUPRINDO A NECESSIDADE CADA VEZ MAIS EXIGENTE E DINÂMICA DO COMERCIO EXTERIOR. DESPACHOS ADUANEIROS SUPRINDO A NECESSIDADE CADA VEZ MAIS EXIGENTE E DINÂMICA DO COMERCIO EXTERIOR. EMPRESA Nosso objetivo é personalizar o atendimento para cada empresa, dando-as exclusividade com células

Leia mais

COMPARATIVO. Instrução Normativa SRF nº 102, de 20 de dezembro de 1994 Instrução Normativa SRF nº 1.479, de 07 de julho de 2014

COMPARATIVO. Instrução Normativa SRF nº 102, de 20 de dezembro de 1994 Instrução Normativa SRF nº 1.479, de 07 de julho de 2014 COMPARATIVO Instrução Normativa SRF nº 102, de 20 de dezembro de 1994 Instrução Normativa SRF nº 1.479, de 07 de julho de 2014 Disciplina os procedimentos de controle aduaneiro de carga aérea procedente

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO E - NAVEGAÇÃO MARÍTIMA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO E - NAVEGAÇÃO MARÍTIMA E - NAVEGAÇÃO MARÍTIMA I.E.1.379 L 0115 Directiva 79/115/CEE do Conselho, de 21 de Dezembro de 1978, relativa à pilotagem de navios por pilotos de alto mar no Mar do Norte e no Canal da Mancha. (JO L 33/32

Leia mais

Carta de apresentação

Carta de apresentação Carta de apresentação Perfil Somos uma media empresa composta por uma equipa de profissionais formados nas áreas de Técnicas de Contas, Recursos Humanos e Técnicas Aduaneiras, com mais de 5anos de experiencia

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 17.8.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 216/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 737/2010 DA COMISSÃO de 10 de Agosto de 2010 que estabelece as normas de execução do Regulamento

Leia mais

Comunicação da Comissão. Exemplo de declaração relativa a informações sobre a qualidade de PME de uma empresa (2003/C 118/03)

Comunicação da Comissão. Exemplo de declaração relativa a informações sobre a qualidade de PME de uma empresa (2003/C 118/03) 20.5.2003 Jornal Oficial da União Europeia C 118/5 Comunicação da Comissão Exemplo de declaração relativa a informações sobre a qualidade de PME de uma empresa (2003/C 118/03) A presente comunicação visa

Leia mais

O Comércio Exterior. a Receita Federal do Brasil. Itajaí, 18 de fevereiro de 2011

O Comércio Exterior. a Receita Federal do Brasil. Itajaí, 18 de fevereiro de 2011 O Comércio Exterior & Itajaí, 18 de fevereiro de 2011 Contexto A RFB é o órgão responsável pela administração e controle aduaneiro no País. Missão Institucional: Arrecadaçãod ã dos tib tributost sobre

Leia mais

DECRETOS-LEIS. 25 de 30 de novembro de 1937 Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional.

DECRETOS-LEIS. 25 de 30 de novembro de 1937 Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. DECRETOS-LEIS 25 de 30 de novembro de 1937 Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. 341 de 17 de março de 1938 Regula a apresentação de documentos, por estrangeiros, ao Registro

Leia mais

1) A finalidade de tornar competitiva a utilização da retroárea de Capuaba para operações de armazenagem de granito em blocos.

1) A finalidade de tornar competitiva a utilização da retroárea de Capuaba para operações de armazenagem de granito em blocos. RESOLUÇÃO 068 27 de outubro de 2008 DISPÕE SOBRE DESCONTO TARIFÁRIO REFERENTE ÀS TABELAS DE ARMAZENAGEM DE CARGA. O DIRETOR-PRESIDENTE DA COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO - CODESA, no uso da atribuição

Leia mais

Portaria n.º 879-A/2010, de 29 de Novembro, Série II, n.º231

Portaria n.º 879-A/2010, de 29 de Novembro, Série II, n.º231 Aprova os modelos oficiais do recibo designado de recibo verde electrónico A generalização da utilização das tecnologias da informação e da comunicação nos procedimentos administrativos é reconhecida internacionalmente

Leia mais

AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO

AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO 01 MULTIMODALIDADE 02 HUB DE TRANSPORTES 03 EIXO ANTLÂNTICO - ÍNDICO AFRICA AUSTRAL 04 AEROPORTO CATUMBELA INFRA-ESTRUTURA INTERNACIONAL

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Guiné Equatorial Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Guiné Equatorial Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Guiné Equatorial Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2010 Aicep Portugal Global Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Fiscalidade Internacional

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Fiscalidade Internacional INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Fiscalidade

Leia mais

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Portos. (Extensão EE Padre Bartolomeu de Gusmão)

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Portos. (Extensão EE Padre Bartolomeu de Gusmão) Habilitação: Portos (Extensão EE Padre Bartolomeu de Gusmão) Aviso: Este catálogo pode ter sofrido alterações. A versão oficial encontra-se para consulta na Unidade Escolar. Gerado em 24/06/2016 Pág. 2/7

Leia mais

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases..

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases.. SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases.. A Emenda Constitucional nº 42/2003 introduziu o inciso XXII ao artigo 37 da Constituição Federal, que determina que as administrações tributárias

Leia mais

Dos quais relativos a exportações

Dos quais relativos a exportações Desde o dia 1 de Abril de 2010, encontra-se em funcionamento um novo sistema de declarações electrónicas para os operadores da área dos impostos especiais sobre o consumo, o sistema SIC-EU (vertente nacional

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

O Governo da República Socialista Federativa da Iugoslávia,

O Governo da República Socialista Federativa da Iugoslávia, aprofundar ACORDO DE COMÉRCIO E PAGAMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDE- RATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA SOCIALISTA FEDERATIVA DA IUGOSLÁVIA e O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

Artigo 116.º da Lei n.º 64-A/2008, de 31 de Dezembro de

Artigo 116.º da Lei n.º 64-A/2008, de 31 de Dezembro de Artigo 116.º da Lei n.º 64-A/2008, de 31 de Dezembro de 2008 1 Aprovação do regime de isenção do IVA e dos IEC na importação de mercadorias transportadas na bagagem dos viajantes provenientes de países

Leia mais

A Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, camara-e.net, é a principal entidade multissetorial da América Latina e entidade brasileira de maior

A Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, camara-e.net, é a principal entidade multissetorial da América Latina e entidade brasileira de maior A Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, camara-e.net, é a principal entidade multissetorial da América Latina e entidade brasileira de maior representatividade da Economia Digital. Além disso, possui

Leia mais

Facilitações para o Comércio Exterior

Facilitações para o Comércio Exterior EXPORTAÇÕES POR ENVIOS POSTAIS Facilitações para o Comércio Exterior São Paulo 18 de novembro de 2009 José Barroso Tostes Neto Coordenação Geral de Administração Aduaneira FACILITAÇÕES PARA O COMÉRCIO

Leia mais

DECLARAÇÃO PERIÓDICA DE IVA

DECLARAÇÃO PERIÓDICA DE IVA DECLARAÇÃO PERIÓDICA DE IVA NOVAS INSTRUÇÕES E ANEXOS 40 / 41 W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com T: (+351) 231 209 530 Portugal Angola Moçambique Cabo Verde 1987-2013 CentralGest - Produção

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

XIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Lisboa, 24 de Julho de 2008

XIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Lisboa, 24 de Julho de 2008 XIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Lisboa, 24 de Julho de 2008 Acordo de Cooperação Consular entre os Estados Membros da Comunidade dos Países

Leia mais

PORTUGAL AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

PORTUGAL AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA VI REUNIÃO DE PONTOS FOCAIS DA GOVERNAÇÃO ELETRÓNICA DA CPLP PORTUGAL AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DEZEMBRO 2016 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 1 2 A AMA ATENDIMENTO SIMPLIFICAÇÃO

Leia mais