Sistemas de fornecimento de energia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de fornecimento de energia"

Transcrição

1

2 Sistemas de fornecimento de energia 1

3 COBERTURA ESTRATÉGICA Fundada em 28/12/1951 Matriz em Porto Alegre/RS e outras 52 operações distribuídas em 24 estados do país, com estrutura própria de atendimento técnico/comercial Unidade Fabril em Itumbiara/GO com mais de m² de área construída e capacidade para produzir mais de grupos geradores/mês 2

4 ESTRUTURA Mais de grupos geradores comercializados; Mais de grupos geradores com contrato de manutenção preventiva; Unidade Fabril recém inaugurada, com área de m² construídos e 1,1MMm² de área total. Maior cobertura nacional de serviços e peças no segmento; Mais de funcionários. 2

5 GRUPOS GERADORES A DIESEL OU GÁS 1. Geração em emergência; 2. Geração em horário de ponta; 3. Geração e cogeração para operação contínua. 3

6 GRUPOS GERADORES A DIESEL Perkins 25 a 750 kva MWM 40 a 315 kva FPT Fiat 55 a 250 kva Scania 330 a 800 kva Volvo 460 a 757 kva MTU 1000 a 1500 kva Cummins 1941 a 3438 kva 4

7 4 GRUPOS GERADORES A GÁS

8 5 SILENCIADOS

9 UPS DINÂMICO - ROTABLOC O sistema UPS Dinâmico Rotabloc, quando combinado com um Grupo Gerador, traz para a carga do cliente qualidade, estabilidade, garantia plena no fornecimento de energia e segurança para operar com cargas críticas que não podem sofrer interrupção. Desta forma, o cliente contará com energia plena e sem interrupções durante 24 horas do dia, não necessitando mais se preocupar com as falhas ou faltas da Rede Concessionária de energia. 6

10 UPS ROTATIVA ROTABLOC 400 A 2000kVA Alternador Síncrono: Máquina Elétrica Brushless Acumulador de Energia: Armazena energia cinética 7

11 CONFIGURAÇÕES DE FORÇA Singelos e Paralelos 8

12 FUNCIONAMENTO Rede Normal Estando a Rede Concessionária presente, a UPS Dinâmica será alimentada através do fechamento do disjuntor DM, proporcionando a energização do ROTABLOC com o fechamento do disjuntor D1. Após o ROTABLOC atingir sua rotação nominal e ter a totalidade da energia cinética armazenada, será efetuado o fechamento do disjuntor D2, passando a carga a ser alimentada pela UPS Dinâmica, com total qualidade, estabilidade e confiabilidade, isolando-se de qualquer perturbação que possa ocorrer junto a Rede Concessionária. 9

13 Rede Anormal Com a ocorrência da falta ou falha da Rede Concessionária, será comandada a imediata abertura dos disjuntores D1 e DM, permanecendo a alimentação da carga pela UPS Dinâmica, com a energia cinética armazenada no ROTABLOC, sem qualquer interrupção ou perturbação. Somente após comprovada a falta ou falha da Rede Concessionária com ultrapassagem do tempo limite de 1 segundo, é que será comandado o acionamento do Grupo Gerador. 10

14 Operação com Grupo Gerador Com a partida do Grupo Gerador, será comandado o fechamento do disjuntor DG, bem como efetuado o sincronismo entre o Grupo Gerador e o ROTABLOC. No momento deste sincronismo será comandado o fechamento do disjuntor D1, passando o ROTABLOC a ser alimentado pelo Grupo Gerador, sem qualquer perturbação ou interrupção no fornecimento de energia para a carga. O Grupo Gerador permanecerá alimentando o ROTABLOC, até que este atinja sua carga máxima de armazenamento de energia cinética, mesmo que a Rede Concessionária retorne em curto espaço de tempo. 11

15 Retorno da Rede Normal Com o retorno de Rede Concessionária em condições normais e o ROTABLOC tenha atingido pleno carregamento de sua energia cinética, será comandada a transferência do Grupo para Rede, através dos disjuntores DG e DM, sem qualquer interrupção ou perturbação no fornecimento de energia para a carga. Após a abertura do disjuntor DG, o Grupo Gerador permanecerá por 3 minutos em operação para resfriamento. Caso ocorra uma nova falta ou falha de Rede Concessionária durante este período, o Grupo Gerador retomará a carga imediatamente.

16 BENEFÍCIOS RBT ROTABLOC D3 D1 D2 13

17 Total de perdas 4% 100% 96% GMG + ROTABLOC Benefícios do sistema RBT: - Eficiência (Sem conversões de potência) - Confiabilidade (poucos elementos) - Menor manutenção - Amigável ao meio ambiente (sem baterias) - Vida útil do sistema (>25 anos) UPS Estática Total de perdas >8% 100% Proteção contra incêndio <92% Ar Condicionado Baterias UPS Inversores Banco de Capacitores Iluminação a Prova de explosão Dutos e cabos especiais 14

18 CASOS DE SUCESSO: 1. GERAÇÃO EMERGÊNCIA E HP Equipamento: (4x) GMG de 330/300 kva a GN Localidade: Recofarma (Coca-Cola) Rio de Janeiro / RJ 15

19 2. GERAÇÃO EM HP E COGERAÇÃO Equipamento: (2x) GMG de 400/364 kva a GN Cogeração: Água quente para piscinas e vestiários Localidade: UNILASALLE Canoas / RS 18

20 3. GERAÇÃO EMERGÊNCIA E HP Equipamento: (5x) GMG de 1000 kva a GN Localidade: CENU São Paulo / SP 18

21 4. GERAÇÃO CONTÍNUA E COGERAÇÃO Equipamento: Usina Termoelétrica de 6 MW a GN Cogeração: Água Gelada, Água Quente e Vapor Localidade: ULBRA Canoas / RS 18

22 5. CENPES CENTRO DE PESQUISA PETROBRAS Equipamento: (3x) GMG DIESEL de 3500 kva (3x) GMG GÁS NATURAL de 3700 kva TOTAL: 21,6 MVA Localidade: Rio de Janeiro / RJ 18

23 6. SANTANDER DATA CENTER Equipamento: (16x) UPS DIESEL de 1300 kva, cada (total 20,8 MVA) Localidade: Campinas / SP 18

24 7. COOPLAR COOPERATIVA LAR Equipamento: (6x) GMG DIESEL de 2500 kva em paralelo (15 MVA) Horário de Ponta Localidade: Medianeira / PR 18

25 8. NOV NATIONAL OILWELL VARCO Equipamento: (3x) UPS Dinâmica DIESEL de 1600 kva Carga Crítica Localidade: Porto Açu / RJ 18

26 9. MULTIPLAN MORUMBI CORPORATE Equipamento: (2x) UPS Rotativa Rotabloc Dual 2000kVA Localidade: São Paulo / SP 18

27 CANAL NACIONAL DE SERVIÇOS E PEÇAS Linha direta com a STEMAC disponível 24 horas, sem custo adicional* durante toda a vida do equipamento através do Técnicos capacitados para diagnosticar e solucionar ocorrências no seu equipamento Fácil acesso para compra de serviços e peças de reposição *custo de uma ligação local 18

28 Obrigado! Zenon Meireles Diretor de Engenharia e Suprimentos Divisão Engenharia e Suprimentos Fone: (51) (51)

29

Sabesp. Geração de energia elétrica a Diesel e Gás

Sabesp. Geração de energia elétrica a Diesel e Gás Sabesp Geração de energia elétrica a Diesel e Gás Enfrentamento da Crise Hídrica / 2014-2015 Reserva Técnica Cantareira Case 1 Geradores a Diesel Reserva Técnica Cantareira A necessidade de energia elétrica

Leia mais

Energia para quem não pode parar

Energia para quem não pode parar Energia para quem não pode parar Especificação Técnica Básica Motor Diesel Refrigerado a água por radiador incorporado, ventilador e bomba centrífuga, 1, 2, 3, 4 ou 6 cilindros dependendo da potência,

Leia mais

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Comparativo entre São Paulo e o Brasil Tipos de Geração Capacidade Instalada

Leia mais

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN MICROPROCESSADO SAÍDA SENOIDAL ISOLADA OPÇÃO EM RACK 19 Modelos de gabinetes auto-sustentados, tipo torre e rack 19. Disponíveis também em gabinete para fixação em parede.

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA de Desenho Retificador IGBT Dupla Conversão Tensão e Frequência Independentes (VFI) Energia

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES PROJETO PRELIMINAR GMG PROJETO PRELIMINAR Para dimensionar um GMG o primeiro passo é a determinação

Leia mais

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA O Que é Cogeração? SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA A cogeração a partir do gás natural é o processo que permite a produção de energia elétrica e térmica, de forma simultânea,

Leia mais

KEOR HP. TRIFÁSICO UPS 100 a 800 kva

KEOR HP. TRIFÁSICO UPS 100 a 800 kva KEOR HP TRIFÁSICO UPS 100 a 800 kva Fator de potência de saída 0,9 Alto rendimento até 95% em modo dupla conversão (certificado TüV) Maior economia com custos de infraestrutura, eletricidade e refrigeração

Leia mais

Cogen Gás Comércio & Serviços > eletricidade + vapor + água quente + água fria

Cogen Gás Comércio & Serviços > eletricidade + vapor + água quente + água fria Gás Natural > oferta crescente Bacias de Santos, Espírito Santo, Campos e importação Bolívia e GNL Cogen Gás Indústria > eletricidade + vapor + água quente + água fria + utilidades de processo turbina

Leia mais

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Grupo Light Distribuição Geração Serviços de Energia Restrita a parte do estado do RJ (incluindo a Grande Rio) Light Energia Itaocara Paracambi

Leia mais

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

Grupo Kohler - Segmentos de Atuação

Grupo Kohler - Segmentos de Atuação C 2016 Grupo Kohler - Segmentos de Atuação KOHLER Co., uma das maiores e mais tradicionais empresas privadas dos EUA Mais de 30.000 associados em mais de 50 unidades fabris pelo mundo Motores e Sistemas

Leia mais

/sonarengenharia

/sonarengenharia A Sonar Engenharia, empresa atuante nos setores de ELÉTRICA e GÁS, possui em seu quadro profissionais graduados em Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Eletrotécnica e Engenharia de Segurança no Trabalho.

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

CARREGADOR DE BATERIA

CARREGADOR DE BATERIA *Imagens meramente ilustrativas CARREGADOR DE BATERIA Manual de Instruções www.v8brasil.com. br Prezado Cliente Este Manual tem como objetivo orientá-lo na operação e informações gerais de seu carregador

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO - Painéis

ÁREAS DE ATUAÇÃO - Painéis E N G E N H A R I A PA I N É I S S E R V I Ç O S ÁREAS DE ATUAÇÃO - Painéis Soluções de Engenharia nos Segmentos de Automação, Sistemas elétricos e Montagens Industriais. Em parceria com a Eaton, a AVOLT

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra

Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra Miguel Gil Mata 29 Maio 2009 FEUP Semana da Energia e Ambiente 1 Centrais de Cogeração em edifícios o caso da Sonae Sierra 1. O conceito de Cogeração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR MÁQUINAS SÍNCRONAS (2º RELATÓRIO PARALELISMO DE ALTERNADORES) UBERLÂNDIA MG 2013 INTRODUÇÃO O paralelismo

Leia mais

portfólio Forceware Tecnologia Industrial

portfólio Forceware Tecnologia Industrial portfólio Forceware Tecnologia Industrial Engenharia Elétrica Engenharia de Telecomunicação Projetos, instalações e manutenção; baixa e alta tensão Instalação e manutenção elétrica predial Soluções para

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONCURSO

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONCURSO TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONCURSO Nº 01/DSI/2010 Fornecimento e Montagem de Equipamentos de Energia Eléctrica Em 21 de Junho de 2010 INTRODUÇÃO O Instituto Nacional de Previdência Social - INPS pretende

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO Especificação Técnica LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO 10 / 15 / 20 / 25 / 30 / 40 / 50 / 60 / 80 / 120 / 150 / 160 / 180/ 250kVA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31)

Leia mais

FENERGIA

FENERGIA FENERGIA 2016 28.11.2016 Eficiência Energética: Cenários e Oportunidades CENÁRIO DE ENERGIA - MUNDO Mudança na demanda de Energia: atual - 2035 Insights» 21 % do consumo mundial atual = China» Crescimento

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma. Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015

Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma. Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015 Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015 LANXESS Porto Feliz Uma importante unidade da área de produção de IPG

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM O Inversor de Emergência SLIM trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação

Leia mais

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA 01/12/2016 Ildeu Marques Senior Engenharia Rodrigo Cenizio Unitec Semicondutores INTRODUÇÃO Esta palestra tem por objetivo apresentar um case da solução

Leia mais

em gás e 25 de clientes no na atualidade eletricidade 18 mil 15 GW GNL 30 BCMs da Espanha Quem somos 3ºoperador mundial de na Espanha

em gás e 25 de clientes no na atualidade eletricidade 18 mil 15 GW GNL 30 BCMs da Espanha Quem somos 3ºoperador mundial de na Espanha Quem somos na atualidade Mais de 20 M 25 de clientes no países mundo Maior companhia integrada em gás e eletricidade 18 mil funcionários Capacidade instalada 3ºoperador mundial de GNL 30 BCMs O Grupo tem

Leia mais

Msc. Eng. Fernando Pozza

Msc. Eng. Fernando Pozza Sistemas de Climatização por Condensação a Ar: Maximizando o Desempenho do Sistema em Cargas Parciais Através da Análise do Perfil de Temperaturas Externas Msc. Eng. Fernando Pozza Situação da Energia

Leia mais

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios) Universidade Federal de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Área de Concentração: Engenharia de Potência EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

Leia mais

O Presidente da República usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, Decreta:

O Presidente da República usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, Decreta: DECRETO Nº 93.412, de 14/10/1986 Revoga o Decreto nº 92.212, de 26 de dezembro de 1985, regulamenta a Lei nº 7.369, de 20 de setembro de 1985, que institui salário adicional para empregados do setor de

Leia mais

PACO SOLAR 400W 12V. 12V± 5% (10-15V) 33,3A 220V/230V ± 8% 1,82A 400W 800W 50Hz. 170mm 125mm 52mm 0,87kg

PACO SOLAR 400W 12V. 12V± 5% (10-15V) 33,3A 220V/230V ± 8% 1,82A 400W 800W 50Hz. 170mm 125mm 52mm 0,87kg PACO SOLAR 400W 12V 12V± 5% (10-15V) 33,3A 1,82A 400W 800W 170mm 125mm 52mm 0,87kg Alarme baixa das baterias 25mm 2 (1100mm) 4,2W 10,5V DC ± 0,5V 10,0V DC ± 0,5V 0º-40ºC Protecção de fusível integrada:

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA Especificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br Link:

Leia mais

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA Infraestrutura e Tecnologia Líder nacional na fabricação e comercialização de grupos geradores, s STEMAC projeta e executa soluções em energia oferecendo a maior estrutura de atendimento

Leia mais

ANDRITZ turbinas reversíveis Série ACT/FPT

ANDRITZ turbinas reversíveis Série ACT/FPT ANDRITZ turbinas reversíveis Série ACT/FPT www.andritz.com/pumps ANDRITZ turbina centrífuga reversível Por mais de 100 anos, a ANDRITZ tem sido um sinônimo de competência e inovação no projeto de turbinas

Leia mais

Edição Controladores para Aquecimento

Edição Controladores para Aquecimento Edição 2016 Controladores para Aquecimento Controlador Lógico para Aquecimento Conjugado O Controlador Lógico para Aquecimento Conjugado (CLAC) foi desenvolvido para o controle de sistemas de aquecimento

Leia mais

Aproveitamento da energia eólica. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1

Aproveitamento da energia eólica. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1 Aproveitamento da energia eólica Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1 Formas de aproveitamento Denomina-se energia eólica a energia cinética contida nas massas de ar em movimento

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): Aula 4 : Motores de indução trifásicos (MIT). Partida manual, reversão e ligação em estrela/triângulo. 1 - Introdução: Chaves manuais de partida de motores de indução trifásicos

Leia mais

Os No-break s desempenham um papel fundamental na prevenção de uma queda repentina de energia. Equipamentos essenciais em seu dia-a-dia.

Os No-break s desempenham um papel fundamental na prevenção de uma queda repentina de energia. Equipamentos essenciais em seu dia-a-dia. Os No-break s desempenham um papel fundamental na prevenção de uma queda repentina de energia. Equipamentos essenciais em seu dia-a-dia. Fabricamos com conhecimento e tecnologia para você e sua empresa.

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6. Power Quality

Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6. Power Quality Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6 Power Quality Introdução As chaves de abertura sob carga isoladas em SF6, modelo JK-Arteche foram projetadas para atender as crescente exigências do

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência EPO I Aula 01 ELETRÔNICA DE POTÊNCIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula

Leia mais

UPS. SYS pro 201 rt INFINITE POWER. Aplicações para Missões Críticas. Monofásica-Monofásica de 6 kva a 10 kva Trifásica-Monofásica de 10k VA a 20 kva

UPS. SYS pro 201 rt INFINITE POWER. Aplicações para Missões Críticas. Monofásica-Monofásica de 6 kva a 10 kva Trifásica-Monofásica de 10k VA a 20 kva INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA SYS pro 201 rt Monofásica-Monofásica de 6 kva a 10 kva Trifásica-Monofásica de 10k VA a 20 kva Tecnologia Online

Leia mais

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos Workshop Climatização e Cogeração Abril de 2008 Ronaldo Andreos Cia de Gás de São Paulo Fone: (11) 4504-5238/5072 Cel.: (11) 9638-8907 e-mail: randreos@comgas.com.br Climatização (Ar Condicionado) Agenda

Leia mais

MANUAL DE SERVIÇO. Condicionadores de Ar Split High-Wall. Modelos LX-HX

MANUAL DE SERVIÇO. Condicionadores de Ar Split High-Wall. Modelos LX-HX Condicionadores de Ar Split High-Wall Modelos LX-HX Prezado Assistente Técnico, Este documento foi desenvolvido com o objetivo de proporcionar a você, o maior número de informações possíveis, buscando

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 2. Prof. Cassiano Rech

Eletrônica de Potência II Capítulo 2. Prof. Cassiano Rech Eletrônica de Potência II Capítulo 2 cassiano@ieee.org 1 Conversores CC-CC Não Isolados Buck (abaixador) Boost (elevador) Buck-boost (abaixador-elevador) Conversores reversíveis Reversível em corrente

Leia mais

Carla Sautchuk Gerente Executiva de Desenvolvimento e Inovação

Carla Sautchuk Gerente Executiva de Desenvolvimento e Inovação Carla Sautchuk Gerente Executiva de Desenvolvimento e Inovação csautchuk@comgas.com.br ENERGIA para nós é muito mais do que fornecer gás natural. É unir forças para IMPULSIONAR pessoas, empresas, um país

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA

INVERSOR DE EMERGÊNCIA INVERSOR DE EMERGÊNCIA O Inversor de Emergência trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação normal e emergência.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GERAÇÃO DISTRIBUIDA. Prof. Electo Eduardo Silva Lora

FUNDAMENTOS DA GERAÇÃO DISTRIBUIDA. Prof. Electo Eduardo Silva Lora FUNDAMENTOS DA GERAÇÃO DISTRIBUIDA Prof. Electo Eduardo Silva Lora electo@unifei.edu.br Avg. Generation Cost, $/MW 1930 1990 1950 1970 1980 50 200 600 1,000 Plant Size, MW O retorno às ideias de Edison

Leia mais

ENGENHARIA DE CAMPO E SERVIÇOS

ENGENHARIA DE CAMPO E SERVIÇOS ENGENHARIA DE CAMPO E SERVIÇOS 2 A DBTEC Presente em três segmentos diferentes, sendo eles o de Sinalização de Obstáculos; Montagem de Quadros e Painéis Elétricos e Eletrônicos; e Engenharia de Campo e

Leia mais

Modelos de negócios para modernização da iluminação pública nas Cidades do Brasil. Christophe de Gouvello Megan Meyer Luiz Maurer Javier Freire

Modelos de negócios para modernização da iluminação pública nas Cidades do Brasil. Christophe de Gouvello Megan Meyer Luiz Maurer Javier Freire Modelos de negócios para modernização da iluminação pública nas Cidades do Brasil Christophe de Gouvello Megan Meyer Luiz Maurer Javier Freire Sumário CONTEXTO MAPEAMENTO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO

Leia mais

SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA ADMISSÃO DE AR EM TURBINAS - TIAC

SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA ADMISSÃO DE AR EM TURBINAS - TIAC SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA ADMISSÃO DE AR EM TURBINAS - TIAC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COLDCLIMA ENGENHARIA Nos dias atuais a geração de energia elétrica é uma necessidade imediata para o desenvolvimento

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD 1/6 1. Objetivo O objetivo desta orientação técnica é estabelecer planos de contingência a serem aplicados nos casos de alteração das condições normais de operação do COD, seja por motivo de concentração

Leia mais

Cogeração em ambiente urbano

Cogeração em ambiente urbano Cogeração em ambiente urbano MAIO 2010 Miguel Gil Mata 1 Índice Cogeração Conceito Energia térmica vs energia eléctrica Estratégia energética Regulamentação nacional Externalidades Cogeração em ambiente

Leia mais

Metrologia 30 Não há Eletricidade 60 Não há Tecnologia dos Materiais I 30 Não há

Metrologia 30 Não há Eletricidade 60 Não há Tecnologia dos Materiais I 30 Não há Curso Técnico Subsequente em Eletromecânica Técnico em Eletromecânica CÂMPUS LAGES MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 285h Introdução à Eletromecânica 15 Não há Qualidade, meio ambiente,

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição)

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Conversão da Energia Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) 5.3) Cálculos

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 : A 13º norma regulamentadora, estabelece todos os requisitos

Leia mais

9.1 TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL:

9.1 TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL: 103 9 RETROFIT EM AR CONDICIONADO Retrofit é uma modificação de um equipamento ou instalação existente, visando a melhoria de seu desempenho, de sua operação ou de ambos. Surgiu em meados da década de

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II Data: / / 20 Aluno(a): 1ª Aula Prática: Partida de motores de indução monofásicos com contatores. Prof. Epaminondas de Souza Lage 1 - Objetivos: -Identificar as partes constituintes do motor de indução

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Laboratório de Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Comissão de Padronização Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Ilha Solteira, Janeiro de 2011 TR Dados da Linha (Código

Leia mais

OFERTA DE SERVIÇOS DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

OFERTA DE SERVIÇOS DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Lançamento do PROMINP na Bahia Auditório FIEB OFERTA DE SERVIÇOS DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL SENAI - IEL OFERTA DE SERVIÇOS DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO QUEM SOMOS Fundadada em dezembro de 2013 Missão ser um canal de interlocução com a sociedade civil, os governos federal e estaduais, as autarquias e os órgãos

Leia mais

SANTOS DUMONT HOSPITAL

SANTOS DUMONT HOSPITAL UNIMED SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SANTOS DUMONT HOSPITAL Responsável: Felix Aidar Quem é o SDH? a. Características funcionais i. Planejado/Executado entre 2007 e 2009 ii. 70 leitos de internação iii. 10 leitos

Leia mais

AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A ÓLEO OU GÁS

AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A ÓLEO OU GÁS AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A ÓLEO OU GÁS Características e Vantagens Tipo vertical, com serpentina dupla e camisa de ar (em lugar de refratários), que evita a formação de incrustações de carvão no fluído..

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO CAIXA DE CALIBRAÇÃO E AFERIÇÃO DE RELÉS CCR-100

MANUAL DE OPERAÇÃO CAIXA DE CALIBRAÇÃO E AFERIÇÃO DE RELÉS CCR-100 MANUAL DE OPERAÇÃO CAIXA DE CALIBRAÇÃO E AFERIÇÃO DE RELÉS INSTRUTEMP Instrumentos de Medição Ltda Rua Fernandes Vieira, 156 Belenzinho - São Paulo - SP CEP.: 03059-023 Fone : 11 3488-0200 ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

Equipamentos Água Gelada Água Torre

Equipamentos Água Gelada Água Torre Água Gelada Água Torre Equipamentos Equipamentos Bombeamento Água Torre Bombeamento Água Gelada Torres de Resfriamento Fancoil de Alvenaria Equipamentos Vista Externa Fancoil de Alvenaria Equipamentos

Leia mais

Nobreaks. New Offtice Security One com Filtro de Linha Interno. Melhor custo benefício do mercado! Bivolt Automático 115/220V

Nobreaks. New Offtice Security One com Filtro de Linha Interno. Melhor custo benefício do mercado! Bivolt Automático 115/220V Nobreaks 5 New Offtice Security One com Filtro de Linha Interno Melhor custo benefício do mercado! Carregador Fast Charger: Recarga 3x mais rápida*. Garante maior segurança em interrupções de energia Acabamento

Leia mais

Qtde Ata e. Pregão UASG Item Descrição para Empenho Características do Produto/Serviço Marca Modelo Site Valor. Validade

Qtde Ata e. Pregão UASG Item Descrição para Empenho Características do Produto/Serviço Marca Modelo Site Valor. Validade Pregão UASG Item Descrição para Empenho Características do Produto/Serviço Marca Modelo Site Valor Qtde Ata e Reg Validade 162/2013 153114 1 Sistema de alimentação de potência ininterrupta, com saida em

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS

ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS OBRA : Edifício Residencial LOCAL : Avenida Jurucê, 194 / 196 CONSTRUÇÃO : SKR Engenharia Ltda. REVISÃO : ØØ 05/06/2014 EMISSÃO INCIAL Jurucê JUR3 (9)Pág 1/9 ÍNDICE

Leia mais

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Associação Nacional de Transportes Públicos

Leia mais

Apoio à Eficiência Energética. Financiamento pelo BDMG

Apoio à Eficiência Energética. Financiamento pelo BDMG Apoio à Eficiência Energética Financiamento pelo BDMG 08/06/2016 3 Agenda 1. Sobre o BDMG 2. Financiamento a Eficiência Energética 3. Produtos Financeiros Foco Atendimento ao Mercado Atributos Segmentos

Leia mais

Latex 850 & 820 Impressoras Scitex LX850 & LX820. Lista de verificação de preparação do site

Latex 850 & 820 Impressoras Scitex LX850 & LX820. Lista de verificação de preparação do site Latex 850 & 820 Impressoras Scitex LX850 & LX820 Lista de verificação de preparação do site 2013 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Primeira edição Avisos legais As informações contidas neste documento

Leia mais

CONTROLADOR DE CARGA CTL-100

CONTROLADOR DE CARGA CTL-100 Manual do usuário Série: A MAN-DE- Rev.: 01.01-10 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível a leitura completa deste manual para um bom entendimento

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

CAESB. Aplicação de Inversores de Freqüência em sistemas de Bombeamento WORKSHOP SOBRE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. PoToPS. Philosophy

CAESB. Aplicação de Inversores de Freqüência em sistemas de Bombeamento WORKSHOP SOBRE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. PoToPS. Philosophy WORKSHOP SOBRE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aplicação de Inversores de Freqüência em sistemas de Bombeamento CAESB Brasília DF 31/05/2006 Perfect Harmony Drive System 04.10.2006 1 Máquinas de Deslocamento Positivo

Leia mais

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento - Tipos e características de motores trifásicos; -. Introdução com rotor gaiola de

Leia mais

Ficha Técnica IE01 ESTRUTURA: Piso e Cobertura

Ficha Técnica IE01 ESTRUTURA: Piso e Cobertura Ficha Técnica IE01 Piso e Cobertura Função: Acomodar a Estação Renova e seus leitos de secagem de lodo, protegendo-os dos raios solares e intempéries. O piso deverá ser construído de acordo com as dimensões

Leia mais

Sistemas Ininterruptos de Energia

Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos de Energia Nikolas Libert Aula 13 Manutenção de Sistemas Eletrônicos Industriais ET54A Tecnologia em Automação Industrial Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27 Fundamentos Prof. Dr. Gustavo Della Colletta Universidade federal de Itajubá-UNIFEI 1 / 27 Agenda 1 Introdução Definições 2 Legislação NBR 5410 Normas específicas 3 Componentes das instalações Componente

Leia mais

Reguladores de Velocidade e Regulação Primária

Reguladores de Velocidade e Regulação Primária Reguladores de Velocidade e Regulação Primária Controle de Freqüência - Aspectos Gerais Razões Principais Contínua variação da carga; Eventos não previstos (contingências; Requisito de Freqüência Constante;»

Leia mais

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos 1 COMANDOS INDUSTRIAIS Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Simulado 1 (S1) QUESTÕES DE CONCURSOS / ENADE * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Leia mais

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 Página 1 de 12 NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE INSTALAÇÃO DE GRUPOS GERADORES PARTICULARES Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Planejamento do Sistema Gerência da

Leia mais

A Energia solar. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1

A Energia solar. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1 A Energia solar Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1 Forma de aproveitamento Quase todas as fontes de energia hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 2009/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT- 016/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO GÁS

MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO GÁS MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO GÁS Progás Indústria Metalúrgica Ltda. Av. Eustáquio Mascarello, 5 - Desvio Rizzo Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 0800.979. www.progas.com.br - e-mail: progas@progas.com.br

Leia mais

Controle de Frequência Variável de Tensão Média

Controle de Frequência Variável de Tensão Média Instalações de Testes Industriais Controle de Frequência Variável de Tensão Média A Eaton testa todos aparelhos AMPGARD SC9000. Pegue uma carona conosco. Aprovação só com 100% de precisão. As ultramodernas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO Sistema de Ar-Condicionado Tipo Split. ÌNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1 NORMAS TÉCNICAS 1. 2 ORIENTAÇÕES INICIAIS 2. SERVIÇOS 3. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS 4. REQUISITOS PARA FORNECEDORES

Leia mais

SYS 200 INFINITE POWER. 1000VA a 3000VA. Aplicações para Missões Críticas

SYS 200 INFINITE POWER. 1000VA a 3000VA. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA SYS 200 1000VA a 3000VA Tecnologia Online de Dupla Conversão Fator de Potência de Entrada Unitário Fator de Potência

Leia mais

Serviços MANUTENÇÃO INSTALAÇÃO LOCAÇÃO REFORMAS PROJETOS ESPECIAIS. Grupos Geradores Subestações Motobombas

Serviços MANUTENÇÃO INSTALAÇÃO LOCAÇÃO REFORMAS PROJETOS ESPECIAIS. Grupos Geradores Subestações Motobombas Apresentação Institucional APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Soluções em Sistemas de Energia VENDA LOCAÇÃO INSTALAÇÃO MANUTENÇÃO ASSISTÊNCIA 24H LIGUE OU FAÇA-NOS UMA VISITA (19) 3894-5048 www.manitec.com.br

Leia mais

UTE-IGUATEMI Central de Cogeração. Eng Fleury Ferreira Filho

UTE-IGUATEMI Central de Cogeração. Eng Fleury Ferreira Filho UTE-IGUATEMI Central de Cogeração Eng Fleury Ferreira Filho SHOPPING IGUATEMI Nossos Números Área total construída - 166.680 m² Área Bruta Locavel (ABL) 73.719 m² Fluxo médio de clientes 140.000 pessoas/dia

Leia mais

Nobreaks. Smart-UPS C. Proteção e disponibilidade para aplicações críticas.

Nobreaks. Smart-UPS C. Proteção e disponibilidade para aplicações críticas. Nobreaks Smart-UPS C Proteção e disponibilidade para aplicações críticas. APC Smart-UPS C Proteção inteligente e eficiente de energia, ideal para servidores, pontos de venda e equipamentos de rede. Design

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES REVISÃO 01 SETEMBRO/2011 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES - TNC Informações operacionais do Terminal Aquaviário Norte Capixaba - Espírito Santo ELABORADO PELA Gerência de Comercialização de Serviços de Terminais

Leia mais

MANUAL. Qualidade DO REATOR. DEMAPE Reatores para Iluminação Tel.: 55 (11) Fax.: 55 (11)

MANUAL. Qualidade DO REATOR.  DEMAPE Reatores para Iluminação Tel.: 55 (11) Fax.: 55 (11) Qualidade A DEMAPE oferece produtos e serviços com excelente qualidade, contínuo processo de melhoria e certificações de acordo com o INMETRO. MANUAL DO REATOR Segredo da qualidade Equipamentos, pesquisas,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES TRANSFORMADOR A SECO ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1 Instruções para a instalação.................................... 02 2 Instruções para a manutenção..................................

Leia mais

CASE ROCHAVERÁ CORPORATE TOWER

CASE ROCHAVERÁ CORPORATE TOWER CASE ROCHAVERÁ CORPORATE TOWER ROCHAVERÁ CORPORATE TOWERS SP CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDIMENTO Solução desenvolvida na Fase de Projeto; Implantação em 2 fases, iniciando a 1ª fase em 2008 e a 2º fase em

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA

CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA. - 1 Todo o aterramento/conexão à terra e vinculação de terras (bonding) deverá atender aos códigos e regulamentos aplicáveis. Proteção de Circuito - 2

Leia mais