MONITORAMENTO DE VOCS PID OU FID?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAMENTO DE VOCS PID OU FID?"

Transcrição

1 MONITORAMENTO DE VOCS PID OU FID? PID OU FID? FID OU PID? Esta é a questão No Brasil não existe padrão de qualidade do ar para Hidrocarbonetos Totais (também conhecidos por HCT) ou Compostos Orgânicos Voláteis (conhecidos também como VOCs ou COVs). Porém, com frequência cada vez maior, os órgãos ambientais estão exigindo o monitoramento no ar deste grupo de poluentes. GERAL Uma das principais decisões a serem tomadas quando se pretende realizar o monitoramento de Hidrocarbonetos Totais ou VOCs no ar ambiente é qual a metodologia mais apropriada: PID ou FID. Nas próximas páginas tentaremos uma descrição de ambas as tecnologias assim como apresentaremos detalhes, vantagens e desvantagens de cada uma. Mencionaremos brevemente no final deste trabalho a existência de outras duas metodologias que na verdade não se aplicam a este caso, mas são também utilizadas para monitorar hidrocarbonetos no ar. Mas primeiro uma definição: Os nomes PID e FID vem de: PID: PHOTOIONISATION DETECTOR FID: FLAME IONISATION DETECTOR Em português o primeiro quer dizer: Detector por Foto Ionização e o segundo: Detector por Ionização por Chama NECESSIDADE DO MONITORAMENTO DOS HIDROCARBONETOS VOLÁTEIS OU VOCs Muitas indústrias usam solventes e outros hidrocarbonetos, seja no processo em si, seja por evaporação no uso de tintas, (pintura), impressoras de alta velocidade, colagem com adesivos, limpeza com solventes etc. Em outros casos, o problema é devido à contaminação do solo com hidrocarbonetos, seja por vazamento de tanques, por descaso ou descuido (lembrar que há mais de uns 15 a 20 anos atrás ninguém se interessava ou

2 se preocupava com estes problemas e borras de produtos de petróleo eram simplesmente jogadas no solo sem nenhum cuidado gerando os atuais passivos ambientais sérios). Na indústria de petróleo e petroquímica ocorrem continuamente milhares de pequenos vazamentos em eixos de bombas, de compressores, ao encher tanques, em suspiros e na tomada de amostras. Solventes típicos utilizados na indústria incluem MEC (metil etil cetona), Celusolve etc. Estes solventes precisam ser monitorados caso as taxas de emissão da fábrica sejam altas. Em indústrias com processos que emitem hidrocarbonetos para o ar são usados com frequência, filtros de adsorção com carvão ativo. É costume incluir na saída destes filtros um monitor contínuo de VOCs para detectar quando o filtro se saturou. Uma vez saturado, o filtro, praticamente não reterá os poluentes, aumentando a emissão em quase duas ordens de magnitude, o que pode gerar problemas sérios de poluição do ar. Finalmente existem processos como as coquerias das siderúrgicas que emitem uma grande quantidade de compostos orgânicos diferentes, alguns dos quais são altamente tóxicos (Benzeno e outros cancerígenos). Em resumo, frequentemente existe uma necessidade justificada para monitorar estes compostos orgânicos classificados como Hidrocarbonetos Totais ou VOCs. DESCRIÇÃO GERAL Ambos os métodos (FID e PID) conseguem detectar as moléculas de hidrocarbonetos no ar através da quebra das mesmas (na verdade quebram a ligação dos átomos de Carbono com os de Hidrogênio), gerando íons que, por ter carga, são atraídos a eletrodos com carga oposta. O desempenho de um instrumento de monitoramento de VOCs depende de sua habilidade em quebrar os hidrocarbonetos, seja com a energia de uma lâmpada Ultravioleta no caso do PID ou de uma chama no caso do FID. DESCRIÇÃO SIMPLIFICADA DO PID. De maneira simplificada, podemos dizer que um detector tipo PID usa a alta energia de uma lâmpada Ultravioleta especial, para quebrar as moléculas de hidrocarbonetos gerando radicais. Estes radicais que tem carga elétrica se descarregam nos eletrodos de um medidor /condensador. A corrente elétrica gerada por esta descarga é proporcional ao número de moléculas na amostra. Como o volume da amostra no instrumento é sempre o mesmo, pode se facilmente calcular então a concentração dos VOCs na amostra. A maioria dos monitores de VOCs opera com uma lâmpada de 10,6 ev. Porem existem disponíveis, para usos mais específicos ou especiais, lâmpadas de 10,0 ev e 11,8 ev. Em parágrafos posteriores explicaremos mais detalhadamente as vantagens e desvantagens de cada uma. Como a maioria das moléculas de hidrocarbonetos passam pela câmara sem serem quebradas ou se recombinam após sua exposição à forte luz ultravioleta, não ocorre nenhuma transformação material da amostra e podemos dizer, sem muitas restrições, que a análise é não destrutiva. A detecção PID, por ser um método óptico /físico, possui alta velocidade de resposta.

3 Na verdade a maior contribuição para a demora na leitura será o tempo que a amostra leva até entrar no instrumento e passar pela câmara de detecção. HISTÓRICO A metodologia de detecção PID é muito simples e compacta e os primeiros detectores PID foram comercializados na década de 70 do século passado. Seu primeiro uso importante foi na detecção do MVC (monômero utilizado para fabricação do PVC) após ser provado claramente por detalhados estudos médicos/toxicológicos que o MVC era, de fato, um forte cancerígeno e tóxico. Após esta primeira aplicação, e devido ao sucesso, seu uso foi ampliado para muitos outros hidrocarbonetos, sobretudo solventes, sendo uma tecnologia muito difundida em instrumentos portáteis para uso em segurança do trabalho e higiene industrial. No diagrama abaixo é mostrado um esquema simplificado do detector tipo PID. A sensibilidade de detecção a várias substâncias e compostos orgânicos pode ser controlada até certo ponto variando a energia da fonte ultravioleta. Existem lâmpadas comumente usadas de 10,0 ev, 10,6 ev e 11,8 ev (esta última usada com pouca frequência devido principalmente a sua curta vida útil). Outra grande vantagem do PID é que as lâmpadas não tem energia suficiente como para ionizar o Oxigênio, Dióxido de Carbono, Nitrogênio, Monóxido de Carbono ou Vapor d água e Metano. Portanto, o PID é um detector excelente para uso especificamente na medição de quantidades pequenas de vapores orgânicos (VOCs). A lâmpada de 11,8 ev permite a detecção de outros hidrocarbonetos além dos detectados pelas lâmpadas de 10,0 e 10,6 ev. Porem, o uso desta lâmpada, com energia maior, tem dois sérios inconvenientes: a) A sensibilidade (limite de detecção) é umas 10 vezes menor que as mais comuns e; b) A vida útil é de umas 200 horas comparada com mais de 8000 horas para uma lâmpada com energia menor.

4 FIG. 1. Na foto acima é mostrado um detector portátil de uso industrial tipo PID DESCRIÇÃO MAIS DETALHADA O detector por foto ionização utiliza a radiação ultravioleta de alta energia para ionizar uma pequena porção da amostra que foi introduzida na câmara de ionização. O processo de ionização em si é iniciado primeiro pela absorção de um fóton de alta energia por uma molécula e um composto orgânico nesta câmara. Se a molécula tem um potencial de ionização igual ou menor que a energia do Fóton (hv) a molécula é ionizada formando um íon positivo e um elétron. R+hv => R+ + e Esta formação de íon ocorre num campo elétrico entre os eletrodos do coletor da câmara de ionização do detector. Os íons e elétrons que alcançam os eletrodos formam uma pequena corrente de ionização que é amplificada pelo circuito eletrônico do instrumento. A quantidade de íons que chegam aos eletrodos (e, por consequência a corrente gerada) será diretamente proporcional, em qualquer momento dado, à concentração de moléculas ionizáveis dentro do detector. Afortunadamente, só uma percentagem extremamente pequena do total de moléculas potencialmente ionizáveis produze de fato íons e, deste modo contribuem na geração de corrente. Tem sido estimado que aproximadamente só 0,01% das moléculas se transformam em íons e atingem os eletrodos coletores. Assim, no caso de detecção por foto ionização, virtualmente todas as moléculas passam pelo detector sem sofrer nenhuma mudança física ou química. Portanto o PID é chamado de um detector virtualmente não destrutivo.

5 DESCRIÇÃO DO DETECTOR FID A tecnologia FID é mais antiga e vem sendo utilizada, há muitos anos, em cromatografia em laboratórios e processos industriais. Baseia se na geração de íons com carga elétrica após contato com uma chama que quebra a ligação Carbono Hidrogênio. Os detectores tipo FID, mencionados no primeiro parágrafo do tópico possuem alta eficiência, assim como uma ampla faixa de medição que é linear e são muito sensíveis aos compostos orgânicos normalmente encontrados no ar ambiente. No diagrama abaixo é apresentado um esquema simplificado do detector tipo FID mostrando à direita embaixo as entradas de ar de amostra e o combustível (H 2 ), à direita em cima o filamento utilizado para ignição da chama, no centro embaixo o jato para a chama, em cima a exaustão do lado esquerdo o sistema elétrico de medição da corrente gerada pelos íons gerados na chama. A chama oxida os compostos orgânicos resultando em CO 2 e água. Neste processo são formados íons que estando num campo elétrico no próprio detector geram uma corrente. ela. Este campo elétrico é formado pelo jato onde ocorre a chama e um eletrodo coletor cilíndrico próximo a A amostra de ar com hidrocarbonetos se mistura com o hidrogênio dentro do FID e na base do jato. Uma fonte externa adicional de ar ultra puro (sem hidrocarbonetos) fornece o oxigênio necessário para a combustão. Um diagrama simplificado do exposto acima pode ser visto na figura abaixo.

6 Devido à presença do campo elétrico entre o jato e o coletor, os íons negativos formados (gerados) na chama migram para o coletor. Ao chegarem ao coletor geram uma mínima corrente iônica. Esta corrente que pode ser de só até Amperes (ou seja, pode ser de milionésimos de micro Amperes) é proporcional ao número de íons gerados o que, por sua vez é proporcional às moléculas de CHx presentes. Diferentemente do PID, o detector de chama responde a praticamente todos os compostos orgânicos, incluindo principalmente o Metano. A corrente gerada pelos íons negativos depende da quantidade de ligações Carbono Hidrogênio quebradas, a resposta do instrumento na verdade está relacionada à concentração molar do composto e também ao número de átomos de carbono por molécula. Cabe, portanto, destacar que uma molécula de, por exemplo, C 6 H 12 gerará uma resposta muito maior que uma de metano (CH 4 ), pois a primeira tem seis ligações C H que podem ser rompidas gerando íons. Por isso, com frequência os resultados de um FID são dados como PPMC (ou seja, incluem um C no final da unidade para indicar que são para cada carbono). ALGUMAS VANTAGENS E DESVANTAGENS DO PID A metodologia PID é muito mais simples e compacta, permitindo um instrumento menor, mais leve e que não precisa de vários equipamentos ou reagentes auxiliares como combustível, ar puro de combustão etc. Podemos dizer que o fato de não precisar de H 2, que é um gás perigoso e explosivo em condições típicas de uso, é a principal vantagem do PID sobre o FID. A principal desvantagem (que compartilha com o FID) é que os instrumentos deste tipo não permitem determinar os hidrocarbonetos específicos presentes no ar. Ou seja, a análise não permite dizer, por exemplo, que o hidrocarboneto presente é Benzeno. No caso do FID isto não é totalmente verdade, pois são oferecidos instrumentos no mercado que fazem alguma diferenciação (ver abaixo nos parágrafos dedicados à separação Metano Não Metanos nos instrumentos FID). Uma possível vantagem adicional do PID (que em alguns casos pode ser considerado um defeito) é que não mede nem detecta METANO (CH 4 ). O FID detecta qualquer hidrocarboneto que tenha uma ligação C H obviamente incluindo o Metano. Os compostos orgânicos detectados e que podem ser medidos com um detector PID dependem principalmente do potencial de ionização de cada composto e da lâmpada utilizada. Outra vantagem comum com o FID é que os limites inferiores de detecção do PID são bastante baixos. Os PIDs possuem normalmente uma faixa de medição de 0 30 ppm com resolução normalmente de 1 ppm. Existem, porém modelos sofisticados que podem medir numa faixa menor e com resoluções de 0,5 e de até 0,1 ppm. Os instrumentos fixos com detector FID têm sensibilidade normalmente maior e podem medir em faixas de 0 5 ppm com resolução de 0,1 ppm. Mas ao custo de precisar de combustível e ar puro de combustão.

7 Afortunadamente e falando de forma bem ampla, o PID tem alta sensibilidade e excelente resposta para vários compostos considerados cancerígenos presentes no ar ambiente. Por exemplo, o Tolueno tem potencial de 8,82 ev e os Xilenos 8,45 ev. FIG. 2.: Visão do interior de um monitor de VOCs portátil tipo PID mostrando no lado direito o cilindro com a lâmpada e em baixo dele a bomba, uma mangueira de teflon e o conector para saída da amostra e do lado esquerdo a parte eletrônica do instrumento. OUTRA DESVANTAGEM DO PID Um fenômeno muito raro, mas que pode acontecer (ou seja, é possível, mas não provável) e que pode resultar em erros de leitura é o chamado efeito de quenching (não encontro uma boa tradução para esta palavra, mas a mais próxima e extinção). Na presença de concentrações muito altas de gases que absorvem luz na faixa do ultravioleta da lâmpada do PID, pode acontecer que a luz que sobra, pois não foi absorvida por estas moléculas, não seja suficiente para ionizar uma quantidade suficiente de moléculas dos VOCs presentes. Neste caso a leitura do instrumento será menor que a realidade. Mas isto é muito raro de acontecer, pois precisa de concentrações realmente altas de outros gases que absorvam justamente na faixa ultravioleta da lâmpada, o que não é comum. FIG. 3. Monitor portátil PID para compostos orgânicos voláteis.

8 FIG. 4. A foto acima mostra um monitor contínuo de VOCs fixo com metodologia PID, bomba de vácuo interna e saídas analógicas e de alarmes. Instrumento simples, robusto e para operação 24 horas por dia oferecido pela Energética. ATE AQUI CALIBRAÇÃO DO PID Para calibração dos instrumentos tipo PID o gás mais utilizado é o Isobutileno. As únicas exceções são quando sabemos, com bastante certeza, qual ou quais são os gases ou compostos presentes no local que queremos monitorar. Neste caso é melhor usar este mesmo gás ou combinação de gases para calibrar o instrumento. Um exemplo ajudará a entender melhor isto. Digamos que eu quero monitorar as concentrações de compostos orgânicos voláteis no interior de um galpão onde é realizada a pintura de peças metálicas. Conversando com o fornecedor da tinta ele informou que o solvente utilizado é o MEC. Neste caso específico é muito mais interessante e correto utilizar este solvente como gás padrão e não o Isobutileno. Voltando ao Isobutileno. Porque é o mais usado? A resposta é que este composto oferece uma serie de vantagens práticas entre as quais: é fácil de manusear não é tóxico é muito estável com o tempo nas concentrações normais está ainda bem longe da faixa de explosividade.

9 LIMPEZA DA LÂMPADA A lâmpada utilizada nos detectores PID vai ficando suja com o uso. Seja pela existência de partículas na amostra, seja pelo acúmulo dos próprios hidrocarbonetos ou os produtos de sua oxidação que se depositam ou grudam no vidro da lâmpada. À medida que a lâmpada vai ficando suja, o instrumento vai perdendo sensibilidade e obtém uma resposta menor à mesma concentração de poluentes. O usuário deve permanecer atento a esta possibilidade e, se durante uma calibração, percebe que a resposta do instrumento caiu abaixo do aceitável, vai ter que limpar a lâmpada. A limpeza da lâmpada normalmente consiste em retirá la do instrumento e fazer um polimento do Vidro/lente da mesma. Alguns fabricantes fornecem, junto com o instrumento, um pó fino para polir a lâmpada e, dependendo do uso, até especificam uma frequência recomendável para este processo. SEPARAÇÃO METANO NÃO METANOS USANDO FID Existem disponíveis no mercado mundial instrumentos tipo FID muito sofisticados que permitem uma separação do Metano do resto dos Hidrocarbonetos voláteis presentes no ar (estes outros hidrocarbonetos são comumente chamados de Não Metanos); A foto abaixo mostra um equipamento deste tipo oferecido pela Energética. Porque desta necessidade que complica e encarece o instrumento? Qual a vantagem de separar o Metano dos Não Metanos? A principal vantagem de poder separar o Metano do resto dos Hidrocarbonetos voláteis presentes é que o Metano não é considerado um poluente tóxico que tenha efeitos negativos sobre a saúde (cuidado não estamos aqui nos referindo aos efeitos negativos do metano como gás de efeito estufa). O Metano está, com grande frequência, presente no ar ambiente. Sobretudo próximo a pântanos, lixões e onde possam ocorrer processos de decomposição de material orgânico.

10 Se numa situação destas, nós monitorarmos a concentração de Hidrocarbonetos Totais (voláteis) podemos encontrar valores altos de concentração (digamos, por exemplo, 40 ppm de Hidrocarbonetos Totais), porém fica a dúvida de qual das duas situações abaixo está presente. a) 38 ppm de Metano e 2 dos outros Hidrocarbonetos Voláteis ou b) 2 ppm de Metano e 38 dos restantes Hidrocarbonetos voláteis. Como o Metano não é considerado um poluente a situação a) é muito mais confortável e tranquila com relação poluição do ar que a situação b). Os detectores tipo PID simplesmente não lêem o Metano; o ignoram completamente. FIG. 5. Visão interna de um monitor portátil de Hidrocarbonetos Totais tipo FID, mostrando do lado esquerdo o tanque de H 2 para a chama e do lado direito o abafador de chama que faz o instrumento ser intrinsecamente seguro. No centro a parte eletrônica do mesmo.

11 DETALHES DO DETECTOR FID Nos diagramas a seguir podemos ver vários detalhes de um detector FID de um instrumento de uso contínuo (não portátil) tipo FID. FIG. 6. Duas visões do detector tipo FID incluindo um esquema detalhado das peças internas. FIG. 7. O mesmo detector acima mostrando o sistema de ignição e o termopar que monitora a temperatura da chama (e desliga o fornecimento do H 2 caso a temperatura caia).

12 No diagrama abaixo se mostra a parte interna do Monitor contínuo de Hidrocarbonetos que usa o detector mostrado acima. FIG. 8. Diagrama mostrando os principais componentes internos de um monitor contínuo de Hidrocarbonetos Totais tipo FID (sem separação Metano/ Não Metanos) FIG. 9. Diagrama interno dos principais componentes de um monitor contínuo de Hidrocarbonetos totais tipo FID com separação Metano e Não Metanos mostrando as diferenças com relação ao instrumento similar sem separação. Estas diferenças incluem uma válvula giratória e uma coluna cromatográfica de separação mais elaborada e complexa.

13 FIG. 10. Diagrama mostrando o funcionamento da válvula de controle que permite a separação Metano /Não metano e as várias conexões pneumáticas. FIG. 11. Monitor portátil completo que possui detector PID e FID (ambos) no mesmo instrumento. Limite de detecção 100 ppb benzeno (PID); 300 ppb hexano (FID), utilizado principalmente para auditorias de vazamentos em refinaria de petróleo e indústria petroquímica onde são exigidos os dois métodos.

14 FIG. 12. Diagrama esquemático dos dois sensores em paralelo do instrumento da foto acima. RESPOSTA A DIFERENTES COMPOSTOS A resposta dos detectores PID varia muito dependendo do composto. Ou seja, não quer dizer que por um composto ser ionizável, que a resposta do instrumento será muito boa e com alta sensibilidade. Devido a estas variações, é necessário calibrar o instrumento com um composto reconhecidamente fácil de medir como Isobutileno e depois calibrar novamente com o composto que queremos medir (se soubermos qual é). Com isto podemos determinar um Fator de Resposta para este composto em particular. Na tabela abaixo são mostrados, para cinco compostos diferentes, seu potencial de ionização (ev) e o fator de resposta normal de um detector PID. Composto Potencial de Ionização (ev) Fator de Resposta Metano Benzeno 9,25 0,7 Óxido de Etileno 10,57 33,8 Hexano 10,18 11,3 Óxido Nítrico 9,25 44,9 Outro tipo de composto para o qual a resposta de um instrumento PID é bem baixa são os hidrocarbonetos altamente clorados. Possuem, alem de alto potencial de ionização, baixa resposta. Possivelmente isto seja devido a que as moléculas de Cl ligadas ao hidrocarboneto absorvem a energia da luz ultravioleta e atenuam os efeitos desta energia. Os detectores tipo PID NÃO são lineares. Isto e é frequentemente corrigido pelos fabricantes utilizando uma curva de correção inserida na memória do microcontrolador do instrumento, ou seja, no firmware.

15 Os fabricantes e fornecedores falam que os instrumentos tipo PID são analisadores de NÃO METANOS. Isto é verdade, mas só parcialmente, pois o instrumento realmente não mede ou detecta o Metano. Mas também não detecta nem Etano nem Propano. E estes dois compostos são NÃO METANOS. Cabe informar que o tipo FID detecta, e sem problemas, estes três hidrocarbonetos. Ou seja, o usuário tem que estar muito atento e ter cuidado, pois o PID pode estar enganando se estão presentes no ar sendo monitorado compostos com potencial de ionização elevados e que não são Metano. Pois não serão medidos. Uma vantagem de ambos os detectores PID e FID é que a qualidade do monitoramento independe da vazão de amostragem (obviamente até certo ponto, pois com vazão zero não vamos ter amostra renovada na câmara de detecção). Ou seja, se o instrumento está amostrando o ar ambiente com digamos 100 ou 200 ml /min os valores medidos não variarão se aumentamos a vazão de amostragem para uns 500 ml/min. Devido aos problemas de sujeira acumulada na lâmpada, muitos fabricantes de PID recomendam que a vazão seja diminuída espaçando com isto os períodos entre limpeza da lâmpada. OUTRAS METODOLOGIAS SIMILARES A pesar de não serem usadas em instrumentos típicos para monitoramento de hidrocarbonetos ou VOCs no ar ambiente existem, duas outras metodologias similares que mencionaremos brevemente, pois podem ser consideradas primas próximas. Muito utilizadas em instrumentos fixos e até portáteis para detecção de explosividade e segurança do trabalho, são instrumentos mais simples, com peso menor, e medem normalmente concentrações bem maiores. A faixa de medição normalmente está condicionada ou dirigida a medir o LEL (limite inferior de explosividade), ou seja, não estamos falando de ppms ou ppbs e sim de valores medidos normalmente em %. Não explicaremos em detalhe o que é o LEL, mas basta dizer que é uma faixa de concentrações na qual uma mistura do gás com ar ou oxigênio ocorrerá oxidação (uma oxidação rápida é uma combustão muito rápida é uma explosão). Com este objetivo principal existem, há muitos anos, instrumentos que se valem de duas outras tecnologias importantes e confiáveis: Detectores por Absorção no Infravermelho Detectores Catalíticos Como já mencionado várias vezes cada tecnologia ou metodologia tem vantagens e desvantagens que as fazem mais ou menos aplicáveis às diferentes situações.

16 SENSORES CATALÍTICOS Usados há mais de 50 anos, no campo, os sensores catalíticos, também conhecidos como pelistores, usam uma tecnologia com alta resposta. A metodologia baseia se no fato de que todo processo de oxidação (ou combustão) de gás combustível gera calor. O sensor detecta então este aumento de temperatura e converte a mudança de temperatura provocada pela oxidação num sinal analógico que pode então ser alimentado a um microprocessador do instrumento. Quanto mais gás combustível, maior o calor gerado, maior a temperatura do sensor e maior o sinal analógico gerado pelo sensor. O principal inconveniente deste tipo de sensor é que o elemento catalisador, chamado elemento ativo, precisa de uma superfície de troca e de reação ampla e não contaminada. Inicialmente o sensor está nestas condições, mas com o tempo vai ficando entupido ou envenenado (é o termo utilizado tecnicamente) perdendo sua eficiência e eficácia o que torna o instrumento inadequado. Por outro lado a simplicidade, robustez e tamanho menor deste tipo de instrumento são as principais vantagens que oferece. Podem se também destacar, a longa vida útil (caso não ocorra envenenamento) facilidade para instalação e calibração e ao fato de que um instrumento deste tipo permite detectar uma grande variedade de gases combustíveis compostos de hidrocarbonetos. Outro inconveniente menor é que a única maneira de saber com tranquilidade que o instrumento está funcionando corretamente é testando/verificando com um gás padrão de forma frequente e rotineira, sendo necessária uma recalibração frequente. DETECTORES POR ABSORÇÃO NO INFRAVERMELHO Os detectores por infravermelho (conhecidos como IR ou NDIR do inglês Infra Red ou Non Dispersive Infra Red) se baseiam no princípio de absorção de radiação seletiva pelas moléculas do gás que queremos detectar e medir. Em outras palavras, se um gás absorve luz na faixa infravermelha e eu faço passar um feixe desta luz por uma câmara onde estão presentes as moléculas do gás, a energia que chega ao outro lado desta câmara será tanto menor quanto maior seja a concentração de moléculas na câmara absorvendo a luz. Colocando um detector de luz infravermelha no lado oposto da lâmpada na câmara, seu sinal será inversamente proporcional à concentração do gás na câmara. Para muitos compostos, a absorção de energia é mais intensa e específica na faixa do Infravermelho. Com frequência os detectores deste tipo para instrumentos portáteis possuem duas fontes de radiação distintas, uma na frequência na qual os compostos absorvem e outra com um comprimento de onda no qual as moléculas NÃO absorvem luz. FIG. 13. Instrumento infravermelho fixo para segurança industrial

17 As principais vantagens de um instrumento deste tipo comparado com um catalítico (lembremos que a faixa de concentrações medidas é muito superior a os do PID ou FID) são que NÃO está sujeitos à contaminação ou envenenamento e que podem operar continuamente na presença do gás sendo medido. Outra grande vantagem que não deve ser desprezada, sobretudo para prevenção de acidentes em locais fechados é que o detector infravermelho não precisa de ar ou oxigênio para funcionar assim como também pode funcionar em atmosferas com níveis de O 2 superiores aos do ar ambiente. Os sensores catalíticos precisam de O 2 para a oxidação/combustão que gerará o calor necessário para a medição. Por outro lado, os detectores ou instrumentos baseados na absorção da luz no infravermelho possuem algumas desvantagens e inconvenientes que devem ser considerados. A primeira (meio óbvia) é que o gás/composto a ser medido ou detectado tem que absorver energia na frequência do infravermelho que a lâmpada emite. Por exemplo, o H 2 não absorve no infravermelho e sua presença será simplesmente ignorada pelo instrumento. Outro inconveniente é que a sensibilidade, para vários gases/compostos diferentes também será diferente de forma tal que a concentração resultante não será a real e sim uma mistura das respostas a cada gás (próximo a uma media ponderada). Cabe mencionar que para situações/localizações extremas, tais como temperaturas muito altas ou muito baixas, condições de muito alta umidade, vibrações fortes etc. normalmente são preferidos instrumentos catalíticos por sua robustez e tolerância a extremos, assim como manutenção mais simples. Resumindo existem duas outras tecnologias de detecção, já muito testadas no campo, que funcionam bem e que podem ser aplicadas em muitas situações industriais onde o interesse principal é a segurança. Porem, cada caso é um caso e a escolha de qual mais se adéqua depende de uma serie de fatores que tem que ser avaliados com cuidado. Esperamos ter dado nas páginas precedentes uma pincelada geral sobre o monitoramento dos Hidrocarbonetos Voláteis (VOCs,) as diferentes tecnologias utilizadas para sua medição e as principais vantagens, desvantagens e aplicações de cada tecnologia. ARQCAF/BIBLIOTECA / MONIT DE VOCS REV

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR Todo programa de monitoramento contínuo da qualidade do ar precisa de algum sistema que forneça uma garantia de que os valores medidos são válidos.

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO O analisador de CO para baixas concentrações (ppm - partes por milhão) no ar ambiente é um instrumento de alta sensibilidade, usado para monitorar

Leia mais

O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas

O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas III Seminário Sul-Brasileiro Gerenciamento de Áreas Contaminadas (12/11/15) Canoas/RS Vinhedo/SP Rio de Janeiro São

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

COMO ESCOLHER O INSTRUMENTO ADEQUADO PARA MONITORAR CONTINUAMENTE A POLUIÇÃO DO AR?

COMO ESCOLHER O INSTRUMENTO ADEQUADO PARA MONITORAR CONTINUAMENTE A POLUIÇÃO DO AR? COMO ESCOLHER O INSTRUMENTO ADEQUADO PARA MONITORAR CONTINUAMENTE A POLUIÇÃO DO AR? Com alguma frequência somos consultados sobre quais equipamentos são necessários para monitorar continuamente a poluição

Leia mais

Figura 1 - Utilização conjugada de Câmera IR, com sniffer - Fonte: FLIR Systems

Figura 1 - Utilização conjugada de Câmera IR, com sniffer - Fonte: FLIR Systems Câmera GasFindIR da FLIR Systems Por Aline Voigt Nadolni - Petrobras Sobre o GasFindIR Informações gerais - segundo o fabricante FLIR Systems, Inc. O GasFindIR é, segundo a FLIR Systems, uma câmera portátil,

Leia mais

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES Analise dos gazes de escapamento Surgiram junto com o automóvel mas a partir das legislações anti-polui poluição é que realmente se desenvolveram; Influenciam

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS Nos diversos ambientes, muitos deles existentes no subsolo, como galerias, esgotos, os porões nas edificações, tanques etc., pela natureza de seus projetos e finalidades,

Leia mais

TESTE DE ESTANQUEIDADE

TESTE DE ESTANQUEIDADE TESTE DE ESTANQUEIDADE Mais do que encontrar vazamentos... por: Mauricio Oliveira Costa Consumidores (e clientes) não querem produtos que vazem. De fato, eles estão cada vez mais, exigindo melhorias no

Leia mais

Detectores de Radiação Ionizante

Detectores de Radiação Ionizante Detectores de Radiação Ionizante As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível (detector).

Leia mais

Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos.

Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos. PETRÓLEO E DERIVADOS ASELCO / TELEDYNE TIPOS DE PETRÓLEO Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos. Mistos

Leia mais

Recursos Atmosfericos

Recursos Atmosfericos Recursos Atmosfericos Professor: Neyval Costa Reis Jr. Departamento de Engenharia Ambiental Centro Tecnológico UFES Programa Detalhado Atmosfera Camadas Constituintes Balanço de energia Ventos na atmosfera

Leia mais

Detector de Vazamento CPS- LS790B

Detector de Vazamento CPS- LS790B Detector de Vazamento CPS- LS790B I. Descrição Geral O LS790B é um detector de vazamento de refrigerante totalmente automático e controlado por microprocessador, capaz de localizar vazamentos extremamente

Leia mais

Soluções de detecção de gases tóxicos e combustíveis. Desempenho e segurança que vão além da conformidade com padrões

Soluções de detecção de gases tóxicos e combustíveis. Desempenho e segurança que vão além da conformidade com padrões Soluções de detecção de gases tóxicos e combustíveis Desempenho e segurança que vão além da conformidade com padrões Soluções confiáveis Det-Tronics, sua parceira em segurança Nosso sistema de detecção

Leia mais

Atendimento a Emergência nas instalações das Faculdades de Química e Farmácia da Universidade Nacional Autônoma de Honduras - UNAH

Atendimento a Emergência nas instalações das Faculdades de Química e Farmácia da Universidade Nacional Autônoma de Honduras - UNAH Atendimento a Emergência nas instalações das Faculdades de Química e Farmácia da Universidade Nacional Autônoma de Honduras - UNAH 1. Introdução Desde 1978 a CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento

Leia mais

www.engezer.com.br Medição de Impurezas em CO2

www.engezer.com.br Medição de Impurezas em CO2 www.engezer.com.br Medição de Impurezas em CO2 1 Utilização Segurança de Indústria de Bebidas e Alimentos (CO2) Saúde e Segurança Energia Controle de Processos (Light) 2 Utilização Segurança em Indústrias

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

Vôo por instrumentos. Brasil, 2010, Marcelo Moniz

Vôo por instrumentos. Brasil, 2010, Marcelo Moniz Vôo por instrumentos 1 Objetivo do Trabalho (1) Onde vou pousar? Qual o meu objetivo neste trabalho? (Um trabalho em EC; limpeza, pintura, corte, solda) O que eu preciso fazer para garantir a minha segurança

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

Advertência Para evitar ferimentos pessoais, leia Informações de Segurança e Regras para Operação Segura cuidadosamente antes de usar o instrumento.

Advertência Para evitar ferimentos pessoais, leia Informações de Segurança e Regras para Operação Segura cuidadosamente antes de usar o instrumento. ÍNDICE VISÃO GERAL...02 ACESSÓRIOS...02 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA...02 REGRAS PARA OPERAÇÃO SEGURA...03 ESTRUTURA DO INSTRUMENTO...04 OPERAÇÃO...05 ESPECIFICAÇÕES GERAIS...06 MANUTENÇÃO...07 A. Serviço

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA PETROQUÍMICA E PLÁSTICO O petróleo é um dos principais insumos

Leia mais

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de modo a

Leia mais

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel *MELO JUNIOR, A. S a.;gatti, L. b.; FERREIRA, P. G c.; FRUGOLLI, A. d a.universidade de São Paulo (USP)/Universidade Paulista,

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

Os ganhos ambientais para a sociedade

Os ganhos ambientais para a sociedade Proconve P7 Diesel e emissões A nova legislação 2012 Tudo o que você deve saber sobre o proconve P7 A nova etapa Proconve P7 estabelece limites de emissões mais rígidos para veículos pesados a diesel.

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

DETECÇÃO DE INCÊNDIOS E GASES

DETECÇÃO DE INCÊNDIOS E GASES DETECÇÃO DE INCÊNDIOS E GASES COMPLETAMENTE INTEGRADA O sistema de detecção de incêndios e de gases NFS2-3030 funciona com dispositivos padrão industrial 4-20 ma utilizando o módulo FMM-4-20 da NOTFIER

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

Monitoramento de Biogás Manual de aplicação

Monitoramento de Biogás Manual de aplicação / engezer@engezer.com.br Monitoramento de Biogás Manual de aplicação O biogás constitui uma fonte de energia renovável verdadeiramente sustentável. A utilização do biogás cresceu de forma exponencial nos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás 5 Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás Nos últimos anos a investigação da estrutura eletrônica de nanotubos de carbono têm atraído crescente interesse, e recentemente a síntese de nanotubos

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

ANALISADORES APLICADOS AO CONTROLE AMBIENTAL

ANALISADORES APLICADOS AO CONTROLE AMBIENTAL ANALISADORES APLICADOS AO CONTROLE AMBIENTAL CLASSIFICAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA Instrumentação Analítica Instrumentação Analítica de Laboratório Instrumentação Analítica de Processo SISTEMA ANALÍTICO

Leia mais

Capa. O QUE ESTÁ DENTRO É O QUE CONTA ALTAIR 5X detector multigás com tecnologia de sensor MSA XCell

Capa. O QUE ESTÁ DENTRO É O QUE CONTA ALTAIR 5X detector multigás com tecnologia de sensor MSA XCell Capa O QUE ESTÁ DENTRO É O QUE CONTA ALTAIR 5X detector multigás com tecnologia de sensor MSA XCell Totalmente compatível com MSA Link e sistema de teste automatizado MSA GALAXY Variedade de sensores infravermelhos

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5

Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5 Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5 L. P. MALLMANN 1 e O. W. P. LOPEZ 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Química E-mail

Leia mais

Detectores de incêndio Apollo

Detectores de incêndio Apollo Detector iónico de fumos Pág. 1 de 5 A parte sensível do detector consiste em duas câmaras uma câmara exterior aberta com uma câmara de referência semi-selada lá dentro. Montada dentro da câmara de referência,

Leia mais

CUIDADOS BÁSICOS COM FOTÔMETRO DE CHAMA

CUIDADOS BÁSICOS COM FOTÔMETRO DE CHAMA RECOMENDAÇÃO TÉCNICA ISSN 1413-9553 novembro, 1997 Número 7/97 CUIDADOS BÁSICOS COM FOTÔMETRO DE CHAMA Vicente Real Junior Luiz Francisco M. Ferraz Ladislau Marcelino Rabello Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR. 10º Período de Engenharia Mecânica

EQUIPAMENTOS DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR. 10º Período de Engenharia Mecânica EQUIPAMENTOS DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR 10º Período de Engenharia Mecânica Fernando Coradi Engenheiro Mecânico Engenheiro em Segurança do Trabalho Mestrando em Engenharia de Energia 1 Referências Bibliográficas

Leia mais

Monitores de Gás Ultima X

Monitores de Gás Ultima X 07-20-50-BR Imagens Ilustrativas Monitores de Gás Ultima X [Alta performance, flexibilidade, durabilidade] Os monitores de gases tóxicos, combustíveis ou oxigênio da série ULTIMA X são transmissores microprocessados,

Leia mais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Estudo técnico Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Aumento da segurança da cozinha através da monitoração de gás estratégica Visão geral Cozinhas comerciais são uma das áreas

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada Aumento de produtividade em plantas de uréia através aumento de capacidade e melhoria de confiabilidade quanto a resistência a corrosão COMO A NOVA TECNOLOGIA AJUDA OS FABRICANTES A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: A manutenção preditiva é a primeira grande quebra de paradigma nos tipos de manutenção. No Brasil a aplicação é pequena apenas

Leia mais

Detetores Analógicos

Detetores Analógicos Detetores Analógicos Certificado de qualidade Nº. 010 ISO 9001 Integridade do sistema confirmada Continuamente para operação segura Pré-alarme e verificação de níveis de alarme ajuda a reduzir falsos alarmes

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer A DIFERENÇA ENTRE GASOLINA E DIESEL HISTÓRICO Gasolina e diesel são produtos do refino de petróleo cru, achado no seu estado natural no subsolo em várias partes do mundo. Já o petróleo cru é um fluído

Leia mais

SOLUÇÕES EM INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA

SOLUÇÕES EM INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA SOLUÇÕES EM INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA Monitoramento de qualidade de água e sensores para gases A qualidade do ar que respiramos e da água que bebemos é uma preocupação básica de todos nós. A Analytical

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

O que são os Ensaios Não Destrutivos

O que são os Ensaios Não Destrutivos Resumo Nesse relatório vamos identificar as descontinuidade de uma peça usando ensaio por líquidos penetrantes, o qual consiste na aplicação do líquido penetrante e de um revelador que irá identificar

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Gás Multigás (GLP / GN / Gás de Carvão / Álcool) Com Saída Relé NA / NF Código: AFDG2 O Detector de Gás, código AFDG2 é um equipamento que deve ser instalado na parede de cozinhas,

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Soluções para produção de Oxigênio Medicinal

Soluções para produção de Oxigênio Medicinal Soluções para produção de Oxigênio Medicinal Page1 O propósito da BHP é de fornecer ao hospital uma usina de oxigênio dúplex e enchimento de cilindros para tornar o hospital totalmente independente do

Leia mais

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA Princípios básicos A espectrofotometria visível e ultravioleta é um dos métodos analíticos mais usados nas determinações analíticas em diversas áreas. É aplicada para

Leia mais

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3)

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3) química 2 Questão 37 Questão 38 abendo-se que a amônia (N 3) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (2 2) não possui isômeros. ua molécula apresenta polaridade,

Leia mais

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Durante milhões de anos a Terra passou por ciclos naturais de aquecimento

Leia mais

Apresentação comercial. REMAN Equipamentos. Linha de Instrumentação.

Apresentação comercial. REMAN Equipamentos. Linha de Instrumentação. Apresentação comercial REMAN Equipamentos Linha de Instrumentação. Índice Testes e calibração Mangueiras em aço inox 316 Cilindros de amostragem em aço inox 316 Kit de calibração Coletores de amostra liquida

Leia mais

Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON

Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON Este documento, e outros relativos à prevenção e protecção contra incêndio, encontra-se na página da Internet dos Consultores de Risco da Allianz

Leia mais

Exercícios 3º ano Química -

Exercícios 3º ano Química - Exercícios 3º ano Química - Ensino Médio - Granbery 01-ufjf-2003- Cada vez mais se torna habitual o consumo de bebidas especiais após a prática de esportes. Esses produtos, chamados bebidas isotônicas,

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q50 Forças intermoleculares

Química. Resolução das atividades complementares. Q50 Forças intermoleculares Resolução das atividades complementares 4 Química Q50 Forças intermoleculares p. 15 1 (Unifor-CE) Considerando a natureza das ligações químicas intermoleculares existentes nas substâncias: Etanol C 2 H

Leia mais

CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS

CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS RECOMENDAÇÃO TÉCNICA ISSN 1413-9553 agosto, 1998 Número 11/98 CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS Luiz F. de Matteo Ferraz Ladislau Marcelino Rabello Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional

Leia mais

C u r s o. Inspeção de sistemas de medição de Gás natural. Módulo 1 Cromatografia e Qualidade. do gás Natural

C u r s o. Inspeção de sistemas de medição de Gás natural. Módulo 1 Cromatografia e Qualidade. do gás Natural C u r s o Inspeção de sistemas de medição de Gás natural Módulo 1 Cromatografia e Qualidade do gás Natural C u r s o Inspeção de sistemas de medição de Gás natural Módulo 1 Cromatografia e Qualidade do

Leia mais

Paula Scardino. Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

Paula Scardino. Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Paula Scardino Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001 Membro do GT Tripartite da NR-33,

Leia mais

MF-607.R-3 - MÉTODO DE ESPECTROMETRIA NÃO DISPERSIVA DE INFRAVERMELHO (determinação contínua de monóxido de carbono)

MF-607.R-3 - MÉTODO DE ESPECTROMETRIA NÃO DISPERSIVA DE INFRAVERMELHO (determinação contínua de monóxido de carbono) MF-607.R-3 - MÉTODO DE ESPECTROMETRIA NÃO DISPERSIVA DE INFRAVERMELHO (determinação contínua de monóxido de carbono) Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 027, de 06 de julho de 1978 Publicada no DOERJ

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

Química D Extensivo V. 3

Química D Extensivo V. 3 Química D Extensivo V. 3 Exercícios 01) Alternativa correta: A 5 4 3 2 1 CH 3 CH 2 CH CH CH 2 OH CH 3 CH 3 metil metil 02) Alternativa correta: D 8 7 6 5 4 3 2 1 CH 3 C = CH CH 2 CH 2 CH CH 2 CH 2 OH CH

Leia mais

Bombas de Vácuo e Compressores de Anel Líquido Nash para Indústrias Químicas

Bombas de Vácuo e Compressores de Anel Líquido Nash para Indústrias Químicas Bombas de Vácuo e Compressores de Anel Líquido Nash para Indústrias Químicas Bombas de Vácuo e Compressores de Anel Líquido NASH Tecnologia e Experiência Gardner Denver Nash atende indústrias petroquímicas,

Leia mais

O CONTADOR GEIGER-MULLER

O CONTADOR GEIGER-MULLER O CONTADOR GEIGER-MULLER O contador Geiger (ou contador Geiger-Müller ou contador G-M) serve para medir certas radiações ionizantes. Este instrumento de medida, cujo princípio foi imaginado por volta de

Leia mais

Sobre as substâncias representadas pelas estruturas I e II, é INCORRETO afirmar:

Sobre as substâncias representadas pelas estruturas I e II, é INCORRETO afirmar: 8 GABARITO 1 1 O DIA 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 QUÍMICA QUESTÕES DE 16 A 30 16. Devido à sua importância como catalisadores, haletos de boro (especialmente B 3 ) são produzidos na escala de toneladas por

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Equipamentos portáteis de detecção Químico Agnaldo R. de Vasconcellos CETESB Sustância não identificada Mantenha

Leia mais

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006.

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Al. Iraé, 620 conjunto 56 Indianópolis São Paulo SP Tel: (11)

Leia mais

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina *MELO JÚNIOR, A. S a.; GATTI, L b.; SEVEGNANI, F c.; SATIE,I. d ; IZIDRO, J. e ; IANNUZZI, A. f a.universidade

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Gás Multigás (GLP / GN / Gás de Carvão / Álcool) + Módulo Endereçável Código: AFDG2-E O Detector de Gás, código AFDG2 é um equipamento que deve ser instalado na parede de cozinhas,

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 5 Cromatografia a Gás Profa. Daniele Adão CROMATÓGRAFO CROMATOGRAMA Condição para utilização da CG Misturas cujos constituintes sejam VOLÁTEIS Para assim dissolverem-se, pelo

Leia mais