Avaliação do VO²máx. Teste de Esforço Cardiorrespiratório. Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação do VO²máx. Teste de Esforço Cardiorrespiratório. Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²;"

Transcrição

1 Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²; Avaliação Cardiorrespiratória 1

2 Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação do Consumo Máximo de O² Conceitos e definições 2

3 Pode ser definida como a capacidade de realizar atividade física de caráter dinâmico envolvendo grandes massas musculares com intensidade moderada a alta por períodos prolongados. (ACSM, 2003; FERNDES FILHO, 2003). Capacidade e produzir trabalho em uma unidade de tempo. 3

4 Seus resultados são expressos na forma absoluta (l/min) e relativa (ml/kg/min) Fatores limitantes do consumo máximo de O² 4

5 Avaliação Cardiorrespiratória Ergômetros Ergo = trabalho Metro = medida Sendo assim, um ergômetro é basicamente um instrumento que mede trabalho físico (PITANGA, 2004; FERNDES FILHO, 2003). Avaliação Cardiorrespiratória Modelos de Ergômetros Esteira Rolante Banco Cicloergômetro Testes de campo 5

6 Esteira X Bicicleta Esteira X Bicicleta Reproduz melhor o gesto do dia-dia; Maior alteração cardiovascular Menor solicitação cardiovascular; Maior probabilidade de fadiga local e não cardiovascular 6

7 VO 2 (l min -1 ) A relação permanece linear independente do grau 5 de treinamento endurance 4 athlete conditioned 3 normally active 2 1 sedentary Rowell, Work rate (W) Teste Cardiorrespiratório Teste sub-máximo, indireto Teste máximo direto 7

8 Método Direto Método Indireto Vantagens Desvantagens Vantagens Desvantagens Análise direta Não representa o gesto esportivo Análise indireta Maior margem de erro Representação gráfica constrangedor Baixo custo Similar ao gesto esportivo Mais cômodo Teste máximo Teste máximo Presença do médico Desfibrilador Resultado direto Complicações associadas ao teste de esforço parecem ser relativamente baixas; Conhecimento de quando não realizar o teste e encerrar, e capacidade de lidar com situações de emergência. Teste submáximo Teste submáximo Não obrigatoriedade de um médico Não obrigatoriedade de um desfibrilador Resultado indireto Mais cômodo Riscos associados ao teste submáximo ainda são mais baixos 8

9 Testes máximos e submáximos na esteira Testes máximos 9

10 VO²máx = 1,61 (Tempo) + 3,60 Homens: Cardíacos 10

11 VO²máx = 1,44 (Tempo) + 14,99 Homens: Ativos e Sedentários VO²máx = 1,38 (Tempo) + 5,22 Mulheres: Ativos e Sedentários 11

12 Tempo Velocidade Km/h Inclinação Protocolo de Bruce Cardiopata : VO²máx = 2,282 (Tempo) + 8,545 Homem sedentário VO²máx = (3,288 X Tempo) + 4,07 Homem ativo VO²máx = (3,778 X Tempo) + 0,19 Mulher ativa VO²máx = (3,36 X Tempo) + 1,06 Exemplo: Homem ativo que encerrou o teste no 4º estágio Tempo Velocidade Km/h Inclinação Homem ativo VO2máx = (3,778 X Tempo) + 0,19 VO2máx = (3,778 X 12) + 0,19 Protocolo de Bruce VO2máx = 45,53 12

13 Testes submáximo em esteira Modelo de estágio único Modelo de múltiplos estágios Testes submáximo em esteira Modelo de múltiplos estágios 13

14 Aplicar 2 cargas (estágio) onde a frequencia cardíaca deverá estabilizar entre 135 e 155bpm. Caso necessário uma terceira carga deverá ser aplicada. Estágio Minutos Velocidade Km/h Inclinação (%) VO² 1 3 2, , , , , ,4 Pollock,Wilmore e Fox (1994) Equação de predição: 21,4 13,4 VO² máx 21,4 ( )*( FCM FC2) FC2 FC1 onde: FC1=FC do estágio 1; FC2 = FC do estágio 2 e FCM = FCM estimada (FCM = (0,7* idade)) 14

15 Testes submáximo em esteira Modelo de estágio único Cargas progressivas, até se alcançar os 85% da FCM (220 idade) Estágio Vel. Km/h Incli. % Tempo (min) 1 2, , , , , , VO² máx [0,25( V )] (0,95* G) 3,5 Bruce, 1992 V = m/min 15

16 Exemplo: Homem de 33 anos que encerrou o teste no estágio 3 (FC = 159 bpm (85%). Estágio Vel. Km/h Incli. % Tempo (min) Bruce, , , , , , , VO² máx [0,25( V )] (0,95* G) 3,5 VO²máx = 39,3 V = m/min m/min km/h = V (m/min)*1000/60 Testes máximos e submáximos em cicloergometro 16

17 Teste máximo Estágios múltiplos com duração de 2 iniciando do zero W; Incrementos de cargas de 25W para não atletas e 50W para indivíduos bem condicionados, até chegar na FCM; Ritmo constante de 60 RPM. VO²máx = (12 X W) Peso corporal Protocolo de Balke Testes submáximos em cicloergometro 17

18 Protocolo de Fox estágio único Pedalar com carga constante (150 W) durante 5 minutos com uma velocidade de 60 rpm; Aferir a FC ao final do quinto minuto; Em seguida utilizar a seguinte equação: VO²máx (l/min) = 6,3 (0,0193 * (FC5) Idade (anos) Fator de correção 15 a 24 1,10 25 a 34 1,00 35 a 44 0,97 45 a 54 0,78 55 a 64 0,71 >65 0,65 18

19 Testes cardiorrespiratório submáximo em banco Avaliações Indiretas Banco na altura de 40,6 cm Metodologia: o avaliado deverá manter um ritmo 96 (Homens) e 88 (mulheres) respectivamente, durante 3 minutos e ao final do 3º minuto a FC deverá ser aferida começando após 5s da interrupção do teste. Homens - VO2 máx = 111,33 (0,42 X FCF) Mulheres VO2 máx = 66,81 (0,1847 X FCF) Katch & McArdle, Estágio único 19

20 Teste submáximo Testes cardiorrespiratório submáximo em banco - Avaliações Indiretas Katch & McArdle, Estágio único Exemplo: Homem de 29 anos FCF = 138bpm Homens VO² máx = 111,33 (0,42 X FCF) VO²máx =

21 Testes de Campo 21

22 Teste de Campo 12 min Cooper Objetivo: Percorrer a maior distância possível no tempo de 12 minutos. VO²máx = Distância Percorrida ,9 Obs: Apesar de ser permitido caminhar durante o teste, o avaliador deve incentivar o cliente percorrer a maior distância correndo 22

23 Resposta da FCpico em testes máximos de campo e laboratório Rer. Bras. Med. Esporte Santos, A.L; Silva, S.C.; Farinatti, P.T.V.;Monteiro, W.D. V.11, nº 3, 2005 Amostra: 25 homens fisicamente ativos e 28,9 ± 8,5 anos; Protocolo: TE máximo em esteira (laboratório) e teste de m, no menor tempo possível (campo); Resultados: Valores de FCpico verificados nos testes de campo e laboratório Estatística descritiva FCpico (bpm) Campo FCpico (bpm) Laboratório Média 196* 192 DP 12,2 12,1 Mínimo Máximo *Diferença significativa em relação ao valor obtido em laboratório (p 00,5) Justificativas! Condições ambientais 1. Temperatura 2. Umidade relativa do ar. Teste de Corrida de 2.400m Objetivo: Este protocolo consiste em incentivar o avaliado a percorrer a distância de 2.400m no menor tempo possível. VO² máx ( D*60*0,2) 3,5 TS Onde: D = distância em metros; TS = Tempo em seg. para percorrer 2.400m 23

24 Costill, 1986 VO 2MAX (ml/kg/min) Menor que 39,0 Tempo na corrida de 10 km (min:seg) 53:10 ou mais 40,0 a 44,0 52:30 a 49:50 45,0 a 49,0 49:15 a 46:40 50,0 a 54,0 46:00 a 43:25 55,0 a 59,0 42:45 a 40:10 60,0 a 64,0 39:30 a 36:50 65,0 a 69,0 36:15 a 33:40 Acima de 70,0 33:00 ou menos 24

25 CLASSIFICAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE METAS Calculo para VO²máx previsto (ml/kg/min) - Bruce Homem sedentário VO²máx. Previsto = 57,8 0,445*Idade Mulher sedentária VO²máx. Previsto = 42,3 0,356*Idade Homem ativo VO²máx. Previsto = 69,7 0,612*Idade Mulher ativa VO²máx. Previsto = 42,9 0,312*Idade Défict Aeróbio Funcional - FAI FAI VO² máx. obtido VO² máx. previsto 100 VO² máx. previsto Aplicação do FAI Aluno: Homem sedentário de 37 anos VO2máx previsto = 57,8 0,445*Idade VO2máx previsto = 57,8 16,46 VO2máx previsto = 41,34 ml/kg/min VO2máx avaliado = 37 ml/kg/min 37 41,34 FAI ,34 FAI 10,4% 25

26 Avaliação do Limiar de Lactato Limiar de Lactato É definido como a intensidade do exercício (envolvendo grandes massas musculares), sobre a qual a captação e consumo de oxigênio não podem suprir todo o requerimento de energia (Svedal e Macintosh, 2003) 26

27 Limiar de Lactato O teste tradicional e considerado gold standard, para determinação do LL, é um procedimento que consome muito tempo e requer que o atleta seja testado em 4 a 5 dias distintos, exercitando-se com uma carga constante por aproximadamente 30 minutos (Kilding e Jones, 2005). Equipamento -Lactímetro 27

28 Lactato 4 M.mol 03/06/2016 Treinamento de Resistência Anaeróbia Treinamento de Resistência Aeróbia Velocidade em Km/h Estimativa de limiar de lactato Prediction of Lactate Threshold and Fixed Blood Lactate Concentrations from 3200m Running Performance in Runners Weltman e colaboradores Protocolo: Percorrer m no menor tempo possível Resultados: Velocidade de limiar e Velocidade pico 28

29 Estimativa de limiar de lactato Homens Vel_Lim_2mM = (tempo mim, 3.200m) Vel_Lim_2.5mM = (tempo mim, 3.200m) Vel_Lim_4.0mM = (tempo mim, 3.200m) Vel_Pico = (tempo mim, 3.200m) Mulheres Vel_Lim_2mM = (tempo mim, 3.200m) Vel_Lim_2.5mM = (tempo mim, 3.200m) Vel_Lim_4.0mM = (tempo mim, 3.200m) Vel_Pico = (tempo mim, 3.200m) OBS: Converter o resultado de m/min para Km/h m/min km/h = V (m/min)*60/1000 Estimativa de limiar de lactato Homem Teste (3.200m) = 14 min Vel_Lim_4.0mM = (tempo mim, 3.200m) (14) (14) (m/min) (km/h) OBS: Converter o resultado de m/min para Km/h m/min km/h = V (m/min)*60/

30 Exemplo Avaliação da Aptidão Aeróbia Equação para estimativa do VO²máx (Weltman e cols) Homens VO²máx = 118,4 4,770 (tempo dos 3.200m) Mulheres VO²máx = 1,07 X (tempo dos 3.200m) + 63,48 Obrigado professoralexandrerocha.com.br 30

A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas.

A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas. Mst.. Sandro de Souza A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas. Para a aptidão cardiorrespiratória,

Leia mais

Consumo Máximo de Oxigênio

Consumo Máximo de Oxigênio Consumo Máximo de Oxigênio Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD BE066 Consumo Máximo de Oxigênio VO2max BE066 Sistema Portátil K4b 2 BE066 VO2max Definição: É a razão máxima de O2 que uma pessoa pode absorver,

Leia mais

BE066 - Fisiologia do Exercício. Consumo Máximo de Oxigênio

BE066 - Fisiologia do Exercício. Consumo Máximo de Oxigênio BE066 - Fisiologia do Exercício Consumo Máximo de Oxigênio Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos Conceituar Consumo Máximo de Oxigênio Descrever os Fatores que influenciam o VO2max Meios para determinação

Leia mais

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Bioquímica da Atividade Motora Calorimetria Medida do Gasto Energético No Exercício Físico Objetivo da aula Medida do gasto energético no exercício

Leia mais

Fisiologia do Esforço

Fisiologia do Esforço Fisiologia do Esforço Curso Desporto e BemEstar 3º Semestre 008/09 Capítulo II Bases da Bioenergética Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Leiria 7 Out 08 ATP-CP e energia O sistema ATP-CP

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

Fisiologia do Esforço

Fisiologia do Esforço Fisiologia do Esforço Curso PEB Educação Física 8º Semestre 2008/09 Capítulo IV Sistemas Fisiológicos de Suporte 2. Adaptações Cardiovasculares 2.1. O sistema Cardiovascular 2.2. Regulação Cardiovascular

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 3 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA ORGANIZAÇÃO E CONDUÇÃO DO PROCESSO DE TREINO As Componentes da Carga de Treino A Carga...no esforço

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações Metabólicas do Treinamento Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações ao Treinamento Aeróbio Adaptações centrais e periféricas Realização do exercício submáximo

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5 CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Habilidade de realizar atividades físicas de caráter dinâmico que envolvam grande massa muscular com intensidade de moderada a alta por períodos prolongados (Fernandes Filho,

Leia mais

Bioenergética. Trabalho Biológico. Bioenergetica. Definição. Nutrição no Esporte. 1

Bioenergética. Trabalho Biológico. Bioenergetica. Definição. Nutrição no Esporte. 1 Bioenergética Trabalho Biológico Contração muscular * Digestão e Absorção Função glandular Manter gradientes de concentração Síntese de novos compostos Profa. Raquel Simões M. Netto 4 Exercício para saúde

Leia mais

ESTRUTURA FREQUÊNCIA CARDÍACA 09/06/2013. O número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm).

ESTRUTURA FREQUÊNCIA CARDÍACA 09/06/2013. O número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm). Revisar alguns conceitos da fisiologia cardiovascular; Revisar alguns conceitos da fisiologia do exercício do sistema cardiovascular; Estudar as adaptações do treinamento aeróbico e de força no sistema

Leia mais

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios??

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? RISCOS BENEFÍCIOS RISCO DE MORTE POR DOENÇAS 100 % CARDIOVASCULARES 80 Diminuição de 34% 66% 60 40 20 0 AGITA São Paulo Sedentário Pouco Ativo Ativo Muito

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance.

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO FÍSICO Repetição sistemática de exercícios que produz fenômenos

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO Prof. Hassan Mohamed Elsangedy hassanme20@hotmail.com Hassan M. Elsangedy, MS. Especialização em Fisiologia do Exercício - 2009 1 INCIDÊNCIAS Hassan M. Elsangedy,

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol

Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol Aspectos Físicos do Futebol Aprofundamento em Futebol QUAIS AS AÇÕES A SEREM FEITAS? 3 Testar, Medir e Avaliar Teste - É um instrumento, procedimento ou técnica usado para se obter uma informação. Medida

Leia mais

Divisão de Actividade Física e Rendimento Desportivo Ficha Informativa

Divisão de Actividade Física e Rendimento Desportivo Ficha Informativa Divisão de Actividade Física e Rendimento Desportivo Ficha Informativa Instituto do Desporto de Portugal, I.P. Piscinas do Jamor Av. Pierre Coubertin 1495-751 Cruz Quebrada Tel.: 21 415 64 00 Fax.: 21

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 CARGO E UNIDADES: Instrutor de Esportes (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas. I N S T

Leia mais

II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste. Dr. Maurício Milani

II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste. Dr. Maurício Milani Teste ergométrico II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste Dr. Maurício Milani 15/08/2009 Teste ergométrico Método para avaliar a resposta cardiovascular ao esforço físico

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO MARINHA (12 s).

Leia mais

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior Data: Avaliador: Avaliado: 07/03/2013 Flávio Modelo Bem Vindo ao AVAESPORTE! Esporte Sistemas Incubadora de Empresas UFV (31)3892-5117 31-9332-3136 contato@esportesistemas.com.br www.esportesistemas.com.br

Leia mais

Equação de Corrida. I inclinação da corrida em percentual (%)

Equação de Corrida. I inclinação da corrida em percentual (%) Equação de Corrida VO 2 = (0,2 x V) + (0,9 x V x I) + VO 2rep VO 2 consumo de oxigênio em mililitros por quilo por minuto (ml.kg -1.min -1 ) V velocidade da caminhada em metros por minuto (m.min -1 ) I

Leia mais

Métodos de Treino da Resistência. António nio Graça a * 2006

Métodos de Treino da Resistência. António nio Graça a * 2006 Métodos de Treino da Resistência Introdução - Classificação da resistência Duração Curta, média e longa duração De acordo com s condicionais Resistência (aeróbia e anaeróbia) Resistência Orgânica Velocidade

Leia mais

Doença arterial periférica não revascularizável

Doença arterial periférica não revascularizável Reabilitação cardiovascular para além do enfarte do miocárdio: o que existe de novo? Doença arterial periférica não revascularizável Ângela Maria Pereira Sobrevivência (%) Doença Arterial Periférica Sobrevivência

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA PARA A MELHORIA DO VO2 MÁXIMO DOS CORREDORES DE RUA

A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA PARA A MELHORIA DO VO2 MÁXIMO DOS CORREDORES DE RUA A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA PARA A MELHORIA DO VO2 MÁXIMO DOS CORREDORES DE RUA CEAFI- GOIÂNIA-GOIÁS-BRASIL vitor_alvesmarques@hotmail.com RESUMO VITOR ALVES MARQUES Este trabalho teve como objetivo

Leia mais

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100.

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100. PERIODIZAÇÃO CURVA DE PERFORMANCE Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos VO2máx desejado: 40ml/kg/min 40 32 x x Homens Treinados: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 69,7 - (0,62 x idade) Homens Sedentários:

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios do Treinamento: São os aspectos cuja observância irá diferenciar o trabalho feito à base de ensaios e erros, do científico. (DANTAS, 2003)

Leia mais

APOSTILA LIMIAR ANAERÓBIO. Prof. Alex Oliveira

APOSTILA LIMIAR ANAERÓBIO. Prof. Alex Oliveira APOSTILA LIMIAR Prof. Alex Oliveira Essa apostila tem como objetivo apresentar algumas referências sobre o assunto: LIMIAR ANAEROBIO (LA), pois entendemos que este assunto é de fundamental importância

Leia mais

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso).

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso). Caro Sr(a) alunos do Curso de Formação de Oficiais de Arbitragem de Futsal, estamos nos dirigindo a VSrª, para convocá-lo a participar de mais uma etapa componente do processo geral. Nesta etapa, como

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA CIVIL

Leia mais

Metabolismo do exercício e Mensuração do trabalho, potência e gasto energético. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Metabolismo do exercício e Mensuração do trabalho, potência e gasto energético. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Metabolismo do exercício e Mensuração do trabalho, potência e gasto energético Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Metabolismo do exercício Durante o exercício físico

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica COMPARAÇÃO DAS RESPOSTAS CARDIOPULMONARES DE MULHERES SUBMETIDAS A EXERCÍCIO DE RESISTÊNCIA DE FORÇA E AERÓBIO

19 Congresso de Iniciação Científica COMPARAÇÃO DAS RESPOSTAS CARDIOPULMONARES DE MULHERES SUBMETIDAS A EXERCÍCIO DE RESISTÊNCIA DE FORÇA E AERÓBIO 19 Congresso de Iniciação Científica COMPARAÇÃO DAS RESPOSTAS CARDIOPULMONARES DE MULHERES SUBMETIDAS A EXERCÍCIO DE RESISTÊNCIA DE FORÇA E AERÓBIO Autor(es) TIAGO VIEIRA ARBEX Orientador(es) MARCELO DE

Leia mais

Interferência nos testes de potência aeróbia pelo uso de fármacos: Efeito em indivíduos saudáveis e portadores de doenças. PhD. Daniele Gabriel Costa

Interferência nos testes de potência aeróbia pelo uso de fármacos: Efeito em indivíduos saudáveis e portadores de doenças. PhD. Daniele Gabriel Costa Interferência nos testes de potência aeróbia pelo uso de fármacos: Efeito em indivíduos saudáveis e portadores de doenças PhD. Daniele Gabriel Costa Correlação entre aptidão cardiorrespiratória e mortalidade

Leia mais

2 MÉTODO DE ESFORÇOS (OU RITMOS) VARIADOS

2 MÉTODO DE ESFORÇOS (OU RITMOS) VARIADOS MÉTODOS DE TREINAMENTO CONTÍNUOS NA NATAÇÃO 1 INTRODUÇÃO Os métodos contínuos são aqueles que envolvem a aplicação de cargas caracterizadas pelo predomínio do volume sobre a intensidade, trata-se de cargas

Leia mais

Congresso da Associação de Fisioterapia do Estado do Rio de Janeiro (AFERJ) 2011

Congresso da Associação de Fisioterapia do Estado do Rio de Janeiro (AFERJ) 2011 Congresso da Associação de Fisioterapia do Estado do Rio de Janeiro (AFERJ) 2011 Prof. Dr. Bruno M. Silva Laboratório de Ciências do Exercício - LACE Universidade Federal Fluminense - UFF 1. Fisiologia

Leia mais

Interferência. Mecanismos???? Efeito de Interferência 30/07/2015. Definição Treinamento concorrente. Na força máxima (1RM) Na TDF.

Interferência. Mecanismos???? Efeito de Interferência 30/07/2015. Definição Treinamento concorrente. Na força máxima (1RM) Na TDF. Definição Treinamento concorrente Realização de exercícios que desenvolvam a força muscular e a resistência aeróbia dentro da mesma unidade de treino X Interferência Efeito de Interferência Na força máxima

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO NEWTON NUNES nnunesusp@hotmail.com REFERÊNCIAS Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição Fisiologia do Exercício de William McCardle Fisiologia do Exercício

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez PREPARAÇÃO FÍSICA Qualidades físicas e métodos de treinamento PREPARAÇÃO FÍSICA ou Treinamento Físico Conceito: componente que compreende os meios utilizados para o desenvolvimento das qualidades físicas

Leia mais

MÉTODOS de Treinamento

MÉTODOS de Treinamento Metodologia do TREINAMENTO FÍSICO AULA 7 MÉTODOS de Treinamento MÉTODOS de Treinamento Métodos CONTÍNUOS Métodos INTERVALADOS Métodos FRACIONADOS Métodos em CIRCUITO Métodos ADAPTATIVOS São as DIFERENTES

Leia mais

Avaliação da Composição Corporal. Profª Tatianne Estrela

Avaliação da Composição Corporal. Profª Tatianne Estrela Avaliação da Composição Corporal Profª Tatianne Estrela Constituição, Tamanho e Composição Corporais Constituição: Muscularidade; Linearidade; Gordura. Tamanho: Estatura; Massa. Constituição, Tamanho e

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO AERÓBICO NO CARDIOPATA

PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO AERÓBICO NO CARDIOPATA PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO AERÓBICO NO CARDIOPATA Doutor Paulo Ricardo Nazario Viecili INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA www.icca-rs.com.br DECLARO NÃO HAVER CONFLITOS DE INTERESSE E NÃO POSSUO VÍNCULOS

Leia mais

BPM: Número de vezes que o coração bate por minuto.

BPM: Número de vezes que o coração bate por minuto. A B Altimetria: Representada por gráficos ou mapas, demonstra o relevo dos percursos das provas. Com isso, os atletas podem visualizar as subidas e descidas que enfrentarão ao longo da corrida. BPM: Número

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE Tiago de Oliveira Santos 1 ; Renato Aparecido de Souza 1 LAFIPE/Faculdade Educação

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

- Definir os termos trabalho, potência, energia e eficiência mecânica, dar uma breve explicação sobre o método utilizado para calcular o trabalho

- Definir os termos trabalho, potência, energia e eficiência mecânica, dar uma breve explicação sobre o método utilizado para calcular o trabalho PLANO DE CURSO CURSO: Curso de Fisioterapia DEPARTAMENTO: RECURSOS TERAPÊUTICOS E FÍSICO FUNCIONAIS CRÉDITOS: 4 (2 2) DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PROFESSOR: RODRIGO DELLA MEA PLENTZ EMENTA: Esta

Leia mais

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA LEIRIA, 21/11/2009 plano da apresentação 1. Jovens meio-fundistas? 2. Que capacidades devem ser desenvolvidas por um jovem meiofundista? 3. Como desenvolver essas

Leia mais

INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM

INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM ARTIGO ORIGINAL INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM Fábio Yuzo Nakamura 1,2 Thiago Oliveira Borges 1,2 Fabrício Azevedo Voltarelli 3 Luis Alberto Gobbo

Leia mais

1-Centro Universitário Vila Velha - UVV. Rua Comissário José Dantas de Melo, 21,

1-Centro Universitário Vila Velha - UVV. Rua Comissário José Dantas de Melo, 21, 1 Artigo Original COMPARAÇÃO ENTRE AS FAIXAS DE INTENSIDADE PARA EXERCÍCIO AERÓBICO PROPOSTAS PELO ACSM COM AS OBTIDAS NA ERGOESPIROMETRIA COMPARE THE ACMS ZONES OF AEROBIC EXERCISES INTENSITIES TO THE

Leia mais

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO Maria Cristina Andrade Lopes Graduada Educação Física pelo Unileste-MG. Carlos Augusto

Leia mais

NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA

NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA Ementa Nutrição na atividade física: A atividade física na promoção da saúde e na prevenção e recuperação da doença. Bases da fisiologia do exercício e do metabolismo energético

Leia mais

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Tubulações Prof. Vicente Luiz Scalon 1181 - Lab. Mecânica dos Fluidos Objetivo: Medida de perdas de carga linear ao longo de tubos lisos e rugosos.

Leia mais

Comprando equipamentos de ginástica

Comprando equipamentos de ginástica Exercício Comprando equipamentos de ginástica Os equipamentos de ginástica são uma ótima opção para dias em que o clima está muito quente ou muito frio, ou ainda quando não é possível exercitar-se ao ar

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2º Ciclo

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

Comparação entre a Prescrição de Intensidade de Treinamento Físico Baseada na Avaliação Ergométrica Convencional e na Ergoespirométrica

Comparação entre a Prescrição de Intensidade de Treinamento Físico Baseada na Avaliação Ergométrica Convencional e na Ergoespirométrica Arq Bras Cardiol Artigo Original Rondon e col Comparação entre a Prescrição de Intensidade de Treinamento Físico Baseada na Avaliação Ergométrica Convencional e na Ergoespirométrica Maria Urbana Pinto

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica RELAÇÃO ENTRE TESTES INVASIVO E NÃO INVASIVO, VERIFICADA ATRAVÉS DO LIMIAR ANAERÓBIO OBSERVANDO O PONTO DE MENOR VALOR GLICÊMICO E O PONTO DE PERDA DE LINEARIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM INDIVÍDUOS FISICAMENTE

Leia mais

FAEFI - UFU LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DO DESEMPENHO (LAFIDE)

FAEFI - UFU LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DO DESEMPENHO (LAFIDE) UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UFU FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA - FAEFI FAEFI - UFU LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DO DESEMPENHO (LAFIDE) Coordenador: Prof. Ms. Guilherme Gularte De Agostini UBERLÂNDIA

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Teste de Aptidão Básica (Fleishman, 1964) 1. Teste

Leia mais

QUESTÕES DE CÁLCULO (2) = 2 ( ) = 1. O valor do limite L = lim se encontra no intervalo:

QUESTÕES DE CÁLCULO (2) = 2 ( ) = 1. O valor do limite L = lim se encontra no intervalo: 1. O valor do limite L = lim se encontra no intervalo: a) 0 L 1 b) 1 L c) L 3 d) 3 L 4 e) L 4. A função f(x) é continua em x= quando f() vale: = + 3 10 () = a) - b) -5 c) d) 5 e) 7 3. A derivada da função

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova escrita e prática Prova 26 2016 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

III Ciclo de Atualização do Cavalo Atleta. Marcos Jun Watanabe

III Ciclo de Atualização do Cavalo Atleta. Marcos Jun Watanabe Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro UFRRJ Escola de Equitação do Exército - EsEqEx III Ciclo de Atualização do Cavalo Atleta Marcos Jun Watanabe Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade

Leia mais

Manual de utilização Beat Training & Test

Manual de utilização Beat Training & Test Manual de utilização Beat Training & Test Backup Seleção de sons Comunicação com dispositivo de habilitação Execução de Protocolos Cadastro de Protocolos Clicando no Ícone Cadastro de Protocolos será aberta

Leia mais

RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA

RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA Linhas de Pesquisa de Fisioterapia em Cardiologia RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA VI Simpósio de Fisioterapia em Cardiologia Fisiot. Espec. Cleusa Maria Richter INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA www.icca-rs.com.br

Leia mais

TREINANDO IDOSOS: DA BENGALA AO SRINT (Módulo I)

TREINANDO IDOSOS: DA BENGALA AO SRINT (Módulo I) TREINANDO IDOSOS: DA BENGALA AO SRINT (Módulo I) Prof. Dr. Igor Conterato Gomes E-mail: igorcontgomes@gmail.com @igorconterato Conteúdos que serão abordados O envelhecimento populacional é a oportunidade;

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Denomina-se bateria a um conjunto de testes cujos resultados possam ser analisados

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO: EDFFIE DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO PRÉ - REQUISITO: FISIOLOGIA GERAL CARGA HORÁRIA: 80 CRÉDITOS: 04

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Estudo do Movimento Professor Ricardo Ramos Ano letivo 2014/2015 Módulo 4 Qualidades Físicas Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Aluno: N.º : Classificação:

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA SOBRE O DESEMPENHO DE RESISTÊNCIA

EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA SOBRE O DESEMPENHO DE RESISTÊNCIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Artigo de Revisão EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA SOBRE O DESEMPENHO DE RESISTÊNCIA Prof. Esp. Rommel

Leia mais

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR ASPECTOS A CONSIDERAR: A motivação do treinador e as oportunidades. Os atletas e a sua motivação. Como chegar

Leia mais

PADRÃO NÍVEL DE ACTIVAÇÃO MUSCULAR NUM NOVO CICLOERGÓMETRO

PADRÃO NÍVEL DE ACTIVAÇÃO MUSCULAR NUM NOVO CICLOERGÓMETRO PADRÃO NÍVEL DE ACTIVAÇÃO MUSCULAR NUM NOVO CICLOERGÓMETRO Roberto Aguado-Jiménez 1, Miriam González-Izal 1, Jon Navarro 1, Esteban Gorostiaga 1, Mikel Izquierdo 1 Centro de Estudos, Investigação e Medicina

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

Prof.. Claudio Pavanelli

Prof.. Claudio Pavanelli Comparação de resultados de testes por posição em jogadores de futebol profisional Prof.. Claudio Pavanelli CEMAFE Universidade Federal de São Paulo - EPM Exigência Fisiológica no Futebol: Grau de intensidade

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO O fenômeno do personal trainer teve seu início na década de 90. Nesta mesma época, com os avanços tecnológicos como a internet, que permitiram que um grande número de estudos

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica 505 PERFIL DO VO 2 MÁXIMO EM ATLETAS DE VOLEIBOL DA CATEGORIA SUB 17 José Nogueira dos Santos Neto 1,3, Francisco Navarro 1,2 RESUMO O objetivo deste trabalho é verificar os níveis de consumo de oxigênio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Página 1 de 9 Provas de ingresso específicas para avaliar a capacidade para a frequência do ciclo de estudos de licenciatura, pelos titulares de um diploma de especialização tecnológica, Decreto-Lei n.º

Leia mais

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015 no esporte, como atleta,

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira COMPARAÇÃ ÇÃO O DA RECUPERAÇÃ ÇÃO O ATIVA EM INDIVIDUOS TREINADOS E NÃO N O TREINADOS EM MEIOS AQUÁTICO E TERRESTRE Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira Orientador: Prof.Ms.

Leia mais

EXERCÍCIO PARA IDOSOS

EXERCÍCIO PARA IDOSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR PÓS-GRADUAÇ GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FISIOLÓ FISIOLÓGICAS PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO PARA IDOSOS Qual o tipo de exercício e carga em que os idosos podem se exercitar?

Leia mais

SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E ESTÁGIO DE MUDANÇA DE COMPORTAMENTO DE TRABALHADORES PRATICANTES DE GINÁSTICA LABORAL JORNALISMO ESPORTIVO E A COBERTURA DOS MEGAEVENTOS:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NA CAPACIDADE AERÓBIA

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NA CAPACIDADE AERÓBIA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NA CAPACIDADE AERÓBIA MEDEIROS, Ronaldo Anderson de 1 CHAGAS, Eduardo Federighi Baisi 2 RESUMO Esta pesquisa teve como objetivo verificar se exercícios resistidos com

Leia mais

ANÁLISE DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO EM ATLETAS PARTICIPANTES DE CORRIDA DE RUA DE 10 KM

ANÁLISE DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO EM ATLETAS PARTICIPANTES DE CORRIDA DE RUA DE 10 KM ANÁLISE DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO EM ATLETAS PARTICIPANTES DE CORRIDA DE RUA DE 10 KM Marcelo Cabrini* Cássio Mascarenhas Robert Pires** Resumo: O objetivo deste estudo foi analisar o consumo máximo

Leia mais

PREDIÇÃO DA VELOCIDADE DE LIMIAR ANAERÓBIO PARA JOGADORES DE FUTEBOL EM PRÉ-TEMPORADA ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PICO EM TESTE DE RAMPA EM ESTEIRA

PREDIÇÃO DA VELOCIDADE DE LIMIAR ANAERÓBIO PARA JOGADORES DE FUTEBOL EM PRÉ-TEMPORADA ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PICO EM TESTE DE RAMPA EM ESTEIRA PREDIÇÃO DA VELOCIDADE DE LIMIAR ANAERÓBIO PARA JOGADORES DE FUTEBOL EM PRÉ-TEMPORADA ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PICO EM TESTE DE RAMPA EM ESTEIRA Prof CLAYTON DE AVILA RODRIGUES* E-mail: remandoavida@popcombr

Leia mais

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008).

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008). PERIODIZAR é dividir de forma organizada o ciclo anual ou semestral de treinamento dos atletas, em períodos e etapas, buscando prepará-los para atingir objetivos pré-estabelecidos, na direção de encontrar

Leia mais

YOUR FUTURE O FUTURO 2

YOUR FUTURE O FUTURO 2 2 WWW.BWH.PT O FUTURO DO TREINO CARDIO COM IMPACTO ZERO 3 TREINO MAIS EFICIENTE COM A ZERO RUNNER ZR8 CORRERÁ MAIS LONGE, COM MAIS ENERGIA E POR MAIS TEMPO A revolucionária Zero Runner confere ao utilizador

Leia mais