Doing Business em Moçambique Tudo o que precisa de saber para investir em Moçambique

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doing Business em Moçambique Tudo o que precisa de saber para investir em Moçambique"

Transcrição

1 Tudo o que precisa de saber para investir em Moçambique \ 2013 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems

2 Índice 1. Introdução 2. Moçambique em Síntese 3. Investir em Moçambique 4. A Baker Tilly e Moçambique 5. Conclusão 2

3 Índice 1. Introdução 2. Moçambique em Síntese 3. Investir em Moçambique 4. A Baker Tilly e Moçambique 5. Conclusão 3

4 Introdução Num Mundo cada vez mais globalizado, onde as Leis, tecnologias e cultura tornam cada vez mais fácil o acesso a Mercados Internacionais, é de extrema relevância identificar todas as oportunidades para aumentar a População-alvo dos bens e serviços que cada Organização oferece. Nesse sentido, um olhar atento para os diversos Países, nos cinco principais Continentes, e um conhecimento específico das normas, características e especificidades que regem cada um deles é uma ferramenta de elevada importância para abrir portas a novos investimentos e levar as Organizações para novos padrões de excelência, rentabilidade e sustentabilidade. Neste contexto, o objectivo deste documento é apresentar, de forma genérica, a República de Moçambique a todas as Organizações Portuguesas que tenham o interesse ou ponderem entrar no Mercado Moçambicano, seja através de exportações, seja através de uma efectiva internacionalização. De entre os inúmero países que se encontram numa fase de desenvolvimento, Moçambique torna-se especialmente relevante dado o seu recente histórico de crescimento médio anual (Top 5 de crescimento mundial), a sua proximidade com Portugal, seja em termos de Legislação, cultura, língua e costumes e a sua grande abertura a investimento estrangeiro. Deste modo, este documento apresenta: Uma análise global a Moçambique, em termos Políticos, Económicos, Sociais e Tecnológicos; Uma análise específica ao processo de internacionalização para Moçambique, tendo em conta a definição da Estratégia, a escolha do Modelo de Negócio, as particularidades da e os cuidados ao nível dos Recursos Humanos. Pretende-se, assim, que este documento se torne uma ferramenta indispensável a todas as Organizações e respectivos Líderes, na estruturação do seu pensamento e no apoio à decisão de internacionalização. Paralelamente a este documento, é ainda importante referir que a Baker Tilly, através da sua experiência, conhecimentos técnicos e conhecimentos específicos relativamente a Moçambique, está totalmente disponível para apoiar os processos de internacionalização das diversas Organizações, sempre que estas o considerarem relevante. 4

5 Índice 1. Introdução 2. Moçambique em Síntese Análise Política Análise Económica Análise Social Análise Tecnológica 3. Investir em Moçambique 4. A Baker Tilly e Moçambique 5. Conclusão 5

6 Moçambique em Síntese Overview Niassa Cabo Delgado Designação Oficial: República de Moçambique Nampula Área: Km 2 Tete Zambezia População: 23,9 Milhões Capital: Maputo Sofala Unidade Monetária: Metical Manica Língua Oficial: Português Forma de Estado: República Unitária Inhambane Gaza PIB (preços de mercado): 15,7 (10 9 USD) PIB per capita em PPP: 1,082 (USD) Maputo Fontes: AICEP; UNDP; CIA World Factbook 6

7 Moçambique em Síntese Análise Política Actualmente, a República de Moçambique é um país com um sistema de Governo estável que prima pelos Princípios da Liberdade de Associação e Organização Política, Separação de Poderes e Liberdade de Eleições. Sistema de Governo: Regime Político: Presidencialismo, sendo o chefe de Estado simultaneamente chefe de Governo. Democracia Multipartidária, estando o partido Frelimo no poder desde Presidente: Armando Emílio Guebuza, em funções desde Primeiro Ministro: Aires Bonifácio Ali, em funções desde Parlamento: Assembleia da República, composto por 250 assentos. Constituição: Criada em 1990, datando a última alteração de 22 de Dezembro de Próximas Eleições: Principais Partidos Políticos: 2014, eleições Presidenciais, Legislativas e Provinciais. Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), actualmente no Governo e, Resistência Nacional de Moçambique (Renamo), principal partido da oposição. Fontes: Portal do Governo de Moçambique; Gabinete Legal Moçambique Advogados - Mozambique Overview 7

8 Moçambique em Síntese Análise Económica A economia Moçambicana tem vindo a crescer, nos últimos anos, a um ritmo elevado, sendo hoje em dia uma das economias com maior potencial de crescimento para os próximos anos. PIB a preços de mercado (10 9 USD) Composição do PIB por sector (2011) 3,0% 1,5% 12,8 14,3 TCMA 11,0% 15,5 17,5 19,5 4,4% 9,5% 41,0% Serviços Agricultura e Pescas Indústria 10,0 9,5 11,7% Transportes e TIC Gás, Electricidade e Água Construção 29,0% Extracção e 2012e 2013e 2014e 2015e A economia moçambicana cresceu, em média, na última década, mais de 7% ao ano, com previsões do FMI apontando para um aumento desse crescimento médio anual para 11% entre 2012 e 2015, fruto da dinâmica de diversos mega-projectos infraestruturais e do sector agrícola. A distribuição sectorial da economia moçambicana permanece relativamente concentrada, sendo o contributo do sector agrícola (29%) e dos serviços financeiros (aproximadamente 15%), para o PIB, preponderante. Fonte: Análise Baker Tilly e IMF - World Economic Outlook Database, April 2012 Fonte: Banco de Desenvolvimento Africano Moçambique XXI: Desenvolvimento Sustentado e Crescimento Económico 8

9 Moçambique em Síntese Análise Económica Com a evolução económica do País, o custo de vida tem vindo, lentamente, a aumentar. Com a estabilização de políticas monetárias a tendência é existir uma estabilização / redução da taxa de inflação. Evolução do Índice de Preços no Consumidor Taxa de Inflação (%) TCMA 7,7% , e 2013e O Índice de Preços no Consumidor Moçambicano revela uma tendência crescente que, segundo o FMI, manter-se-á com uma Taxa de Crescimento Médio Anual de aproximadamente 5,6%, entre 2014 e e 2012e 2013e Apesar da instabilidade da inflação em Moçambique entre 2009 e 2012, fruto das flutuações cambial e de preços das commodities, a Economist Intelligence Unit prevê uma taxas de inflação abaixo dos 6%, para os próximos anos, tendo em conta as políticas monetárias restritivas implementadas. Fonte: Análise Baker Tilly e IMF - World Economic Outlook Database, April 2012 Fonte: Análise Baker Tilly e AICEP Moçambique Ficha de Mercado 9

10 Moçambique em Síntese Análise Económica Parte do crescimento económico verificado em Moçambique prende-se com a sua abertura a mercados externos, verificando-se um crescimento das relações comerciais internacionais. A Europa é, actualmente, o principal cliente e fornecedor do País. Comércio Externo de Bens (10 3 Euros) Principais Clientes e Fornecedores (2010) Importações Exportações ,7% Clientes Fornecedores ,4% ,0% 20,8% ,8% 4,3% 3,5% 3,6% 3,2% 5,7% As exportações de Moçambique são dominadas por matériasprimas como o alumínio e combustíveis, enquanto que as importações são sobretudo constituídas por maquinaria. O aumento significativo de ambas prende-se com o desenvolvimento de mega-projectos infraestruturais que têm sido desenvolvidos. Holanda África do Sul Portugal China Zimbabwe Índia A Holanda e África do Sul destacam-se enquanto os principais Clientes e Fornecedores de Moçambique. Portugal, tem vindo a reforçar a sua posição enquanto parceiro, capitalizando a proximidade cultural e linguística. Fonte: AICEP Moçambique Ficha de Mercado Fonte: AICEP País em Síntese 10

11 Moçambique em Síntese Análise Económica A estabilidade política, os óptimos recursos naturais e a abertura aos mercados internacionais por parte de Moçambique permitem que exista um grande interesse estrangeiro em investir no país, permitindo desenvolver diversos sectores, em particular o primário. Comparação entre o Investimento por Sectores no período de e o ano de Comparação entre as principais fontes de Investimento Directo no período de e o ano de ,66% 15,59 % 28,49% 8,96% 50,54% ,24% ,84% 5,50% 14,80% 27,60% 18,96% 21,72% 30,50 % 32,11% 13,00% Portugal Agricultura e Agro-Indústrias Recursos Minerais e Energia Transportes e Comunicações Indústria Construção Outros 18,06% 21,04% China Noruega África do Sul Outros 11,03% 26,36% Moçambique tem vindo a apostar principalmente nos sectores relacionados com a actividade primária, aproveitando os seus recursos naturais ímpares. Para o futuro, espera-se que o sector energético, de transportes e de construção venham a desempenhar um papel fundamental na economia Moçambicana. Moçambique tem vindo a atrair investimento directo estrangeiro de variados países. África do Sul, China e Portugal são os principais investidores, sendo que este último detém capital em 28 das 100 maiores empresas Moçambicanas. Fonte: CPI e GAZEDA, 2012 Fonte: CPI e GAZEDA,

12 Moçambique em Síntese Análise Económica O sistema tributário moçambicano possui muitas semelhanças relativamente ao sistema tributário português assumindo, assim, a seguinte estrutura e características: Directos Incidência Impostos Nacionais Taxa Indirectos Incidência Taxa Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC) Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS) Lucro auferido por entidades colectivas, públicas e privadas sediadas em território nacional. Rendimento anual auferido por pessoas singulares residentes em Moçambique. 32% Varia com o rendimento Imposto Sobre Valor Acrescentado (IVA) Imposto Sobre Consumos Específicos (ICE) Imposto Complementar Transmissão de bens e prestação de serviços em território nacional, incluindo a importação de bens. Bens específicos. Mais-valias, rendimentos de capital e rendimento global. 17% Entre 20% e 75% Entre 8% e 40% Segurança Social São abrangidos pelo sistema de Segurança Social trabalhadores assalariados e familiares residentes em Moçambique. O registo é obrigatório e a taxa é de 4% paga pelo empregador e, 3% paga pelo trabalhador. Outros Impostos Imposto de Reconstrução Nacional, Imposto de Selo, Direitos Aduaneiros, SISA (Contribuição de Registo), Contribuição Predial, Imposto sobre Doações e Sucessões, Imposto de Turismo, Impostos Autárquicos. Fonte: Centro de Promoção de Investimento 12

13 e 2011e 2012e 2013e 2014e 2015e 2016e 2017e Milhares de Pessoas Moçambique em Síntese Análise Social A População Moçambicana está maioritariamente focada em áreas rurais, em particular nas Províncias de Nampula e Zambezia. A sua evolução tem sido constante (2% por ano) e é expectável que assim se mantenha nos próximos anos. Distribuição da População por Geografia (Habitantes) 2012 Tete Manica Mil Niassa Mil Mil Mil Mil Sofala Mil Mil Zambezia Cabo Delgado Nampula Evolução da População Moçambicana 24,8 M pax 17,7 M pax 22,5 M pax 2,20% 2,15% 2,10% 2,05% 2,00% 1,95% 1,90% 1,85% 1,80% Gaza Mil Mil Inhambane 0 População Taxa de Crescimento 1,75% Maputo Mil Moçambique tem, em 2012, uma população esperada de , da qual apenas 38,4% reside em áreas urbanas. A população residente na Província de Maputo está maioritariamente concentrada (44%) na Cidade de Maputo. A população Moçambicana tem crescido a uma Taxa de Crescimento Médio Anual de cerca de 2%, entre 2000 e 2011, sendo esperado, que esta tendência se mantenha constante até Fonte: Análise Baker Tilly, INE Moçambique Fonte: Análise Baker Tilly, IMF - World Economic Outlook Database, April

14 Moçambique em Síntese Análise Social Em termos sociais, tem-se assistido a uma aumento da educação da População Moçambicana, especialmente após o final da Guerra Civil, tornando-a cada vez mais preparada e qualificada. Taxa de Alfabetização (%) Tempo Médio de Escolaridade (Anos) 9,2 70,87 8,2 61,84 46,97 48,16 55,06 5,3 5,8 43,64 27,1 38,71 Jovens Adultos 4,1 3, A Taxa de Alfabetização Moçambicana tem vindo a crescer exponencialmente desde o século passado, atingindo, em 2009, 63%. Este crescimento é tendencialmente para se continuar a verificar no futuro, tendo em conta que actualmente, a despesa Pública em Educação ronda os 5% do PIB. Fonte: Análise Baker Tilly, United Nations Educational, Scientific, and Cultural Organization Institute for Statistics O tempo médio de escolaridade, em Moçambique, decresceu até 1992, altura em que a Guerra Civil terminou. A partir dessa data, este valor cresceu cerca de 150% e a tendência é de se manter crescente. Fonte: Análise Baker Tilly, United Nation Development Program 14

15 Moçambique em Síntese Análise Tecnológica O acesso a tecnologia e fontes de comunicação tem aumentado de forma constante nas últimas décadas, trazendo desta forma Moçambique para um novo patamar de desenvolvimento. Evolução do Número de Telefones Fixos e Telemóveis Telefones Fixos (milhares) O número de telefones móveis, em Moçambique teve uma evolução exponencial desde 2006, tendo crescido a uma taxa média anual (TCMA) de cerca de 25% até Esta evolução é acompanhada, a um ritmo mais modesto, pela utilização de telefones fixos, com uma TCMA de 6%, no mesmo período. Fonte: Análise Baker Tilly, União Internacional de Telecomunicações Telemóveis (milhares) n.d. Número de Acessos à Internet n.d n.d O número de computadores conectados directamente à internet tem, de forma geral, crescido ao longo do tempo atingindo uma taxa máxima de crescimento de 291% entre 2010 e É expectável que este crescimento se mantenha, com o investimento em infra-estruturas de comunicação e o aumento do poder de compra Moçambicano. Fonte: Análise Baker Tilly, CIA World Factbook 15

16 Índice 1. Introdução 2. Moçambique em Síntese 3. Investir em Moçambique Estratégia Modelo de Negócio Recursos Humanos 4. A Baker Tilly e Moçambique 5. Conclusão 16

17 Investir em Moçambique De forma a garantir uma total eficácia e sucesso da entrada no Mercado Moçambicano, será necessário ter em conta quatro dimensões e, antecipadamente, avaliar as opções possíveis, nomeadamente: Estratégia Desenvolver os pressupostos genéricos de operação da Organização, em particular dos objetivos estratégicos, dos princípios de actuação e da oferta a desenvolver. Modelo de Negócio Avaliar diferentes formas de se entrar no mercado Moçambicano, seja através de exportações ou através da constituição de uma Organização local. Identificar principais requisitos de operação da Organização, analisando necessidades e formas de as suprir. Recursos Humanos Avaliar as necessidades de Recursos Humanos para a eficaz e eficiente operação da actividade, quer a nível nacional, quer a nível internacional. 17

18 Investir em Moçambique Estratégia de Negócio A priori de se iniciar o investimento num negócio de exportação / internacionalização para Moçambique, será necessário avaliar a viabilidade do mesmo, definindo todos os pressupostos de actuação e a sua rentabilidade, através das seguintes actividades: Definição de Modelo de Negócio (Exportação Vs. Internacionalização); Estratégia Definição da Missão, Visão e dos Objectivos Estratégicos; Identificação dos Princípios orientadores do Negócios; Criação do Conceito da Marca; Modelo de Negócio Análise e decisão relativamente aos produtos a oferecer; Análise da Procura, avaliando mercados, segmentos e geografias; Identificação dos Canais de Venda a utilizar; Caracterização da Abordagem de Actuação para cada fase da Cadeia de Valor do Negócio; Avaliação do contexto de negócio específico; Criação de Plano Comercial, para cada uma das fases de desenvolvimento do Negócio; Criação de Plano de Marketing, para cada uma das fases de desenvolvimento do Negócio; Desenvolvimento de um Plano Financeiro detalhado, incluindo todos os pressupostos definidos e analisando a rentabilidade esperada no Negócio. Recursos Humanos Decisão relativamente ao Arranque ou Não Arranque do Projecto 18

19 Investir em Moçambique Modelo de Negócio Uma das formas de se investir no mercado Moçambicano é a Exportação de bens. Este processo é em geral simples, sendo necessário identificar quais as condições obrigatórias para cada tipo de produto. Existem ainda diversos incentivos que facilitam o investimento. Estratégia Exportação Legislação Incentivos Modelo de Negócio Recursos Humanos As Exportações para Moçambique são bastante flexíveis, não estando sujeitas a regras ou restrições especiais, sendo apenas necessário apenas necessário preencher o Documento Único fórmula de despacho alfandegário de todas as mercadorias que entram ou saem de Moçambique e enviá-lo para as Alfândegas. Contudo, existem alguma excepções, sendo proibida a importação de determinados produtos e obrigatória a préinspecção de alguns produtos das seguintes categorias: Carnes Farinhas; Óleos alimentares; Açúcares; Cimento; Produtos químicos; Medicamentos; Pneus novos e usados; Veículos. Sempre que desejar exportar produtos das naturezas acima descritas, deverá confirmar se estes exigem uma pré-inspecção. Em caso positivo, deverá preencher um Pre-Advice Form (PAF) e enviá-lo à entidade responsável pelas pré-inspecções (Intertek Existem à disposição do investidor inúmeras soluções de financiamento de apoio à Exportação entre as quais se destacam: Linha de crédito ao importador para apoio à exportação portuguesa para Moçambique resulta de um acordo entre a CGD, República de Moçambique e República de Portugal, contemplando a concessão de crédito a importadores moçambicanos. Encontra-se limitado a um prazo máximo de 10 anos e à exportação de bens de capital, equipamentos e infra-estruturas. Candidaturas devem ser submetidas à CGD; Sistema de Incentivos à Internacionalização de PME s do QREN financiamento de projectos com uma intensidade de exportação mínima de 20%, sendo que a entidade promotora deve possuir certificação PME. A candidatura deve ser submetida através do formulário online aquando da abertura de concurso; Capital de Risco AICEP Capital Global consiste na participação no capital da empresa pela AICEP. Candidaturas devem ser apresentadas junto do AICEP; Protocolos de colaboração AICEP com o Banco Popular, Santander Totta, Barclays, BES, BPI e Millennium BCP consiste no apoio para promover o financiamento da actividade exportadora. 19

20 Investir em Moçambique Modelo de Negócio O processo de efectiva internacionalização e estabelecimento de uma empresa em Moçambique é mais complexo e obriga a um conhecimento mais específico do mercado e da sua regulamentação. Estratégia Internacionalização O processo de estabelecimento e operação de uma Organização em Moçambique requer um conjunto de actividades e conhecimentos específicos que deverão ser tomados em conta antes de se avançar para o investimento propriamente dito. De entre os vários temas, sublinhamos os seguintes: Modelo de Negócio 1 Selecção do Sector de Actividade 2 Identificação de Oportunidades de Acesso a Crédito e Incentivos 3 Conhecimento da Legislação Registo de Propriedade Constituição da Empresa Apresentação de Proposta de Investimento Recursos Humanos 7 Licença de Construção 8 Acesso a Electricidade 20

21 Investir em Moçambique Modelo de Negócio Apesar da grande abertura de Moçambique ao investimento estrangeiro, existem alguns sectores cuja participação não nacional está vedada. Paralelamente, será importante analisar as hipóteses de Acesso a Crédito, sendo que é, normalmente, um processo moroso. Estratégia Internacionalização 1 Selecção do Sector de Actividade 2 Identificação de Oportunidades de Acesso a Crédito e Incentivos 1 Selecção do Sector de Actividade 2 Acesso a Crédito Modelo de Negócio Recursos Humanos A grande maioria dos Sectores de actividade em Moçambique não tem limite de participação de capital estrangeiro. Na realidade, Moçambique é um País que, em comparação com os restantes Países da África Subsariana, bastante aberto ao Investimento Estrangeiro, existindo apenas excepção nos sectores dos Media e telecomunicações. Abertura ao Investimento Estrangeiro Mineração, petróleo e gás Agricultura e silvicultura Produção Telecomunicações Serviços de Rede Fixa Outros Electricidade Banca Seguros Transportes Media Jornais Televisão Turismo, Construção e Retalho Saúde e Resíduos Moz. 100% 100% 100% 75% 0% 100% 100% 100% 100% 100% 20% 20% 20% 100% 100% Reg. 95,2% 97,6% 98,6% 84,1% n.d. n.d. 90,5% 84,7% 87,3% 86,6% 69,9% n.d. n.d. 97,6% 100% Glob. 92% 95,9% 96,6% 88% n.d. n.d. 87,6% 91% 91,2% 78,5% 68% n.d. n.d. 98,1% 96% O Acesso a Crédito em Moçambique é difícil, nomeadamente porque: Os Bancos requerem diferentes e exigentes garantias; São aplicadas taxas de juro elevadas; Existe uma complexa burocracia a reger todo o acesso a empréstimos bancários. Avaliação da facilidade de Acesso a Crédito em 2012: Ranking de 150 em 183 países avaliados Fonte: The World Bank Doing Business 21

22 Investir em Moçambique Modelo de Negócio Ao contrário do Acesso ao Crédito, os incentivos ao investimento em Moçambique são variados e de fácil acesso, existindo acordos bilaterais entre Portugal e Moçambique. O principal desafio é identificar aqueles que melhor se aplicam à situação concreta. Estratégia Internacionalização 2 Identificação de Oportunidades de Acesso a Crédito e Incentivos 2 Acesso a Incentivos (Moçambique) 2 Acesso a Incentivos (Portugal) Modelo de Negócio Recursos Humanos No sentido de promover o investimento estrangeiro, a legislação moçambicana contempla diversos benefícios, dependendo a sua aplicação do valor, localização e sector de actividade do investimento: Incentivos Genéricos isenção de taxas de importação e de IVA na importação de equipamento de classe k (e.g. maquinaria e mobiliário); 50% de redução de SISA na aquisição de infraestruturas para indústria, agricultura e hotelaria; crédito fiscal de 5% para Maputo, Nampula e Manica e de 10% para as restantes regiões. Incentivos Específicos para a criação de infraestruturas, comércio e indústria nas áreas rurais, indústria de manufactura e montagem, agricultura e pesca, hotelaria e turismo, parques tecnológicos, projectos de grande escala e zonas de rápido desenvolvimento. O acesso a estes benefícios implica o preenchimento dos seguintes requisitos pelo investidor: Valor mínimo de investimento = MZN; ou Volume de vendas anual a partir do 3º ano de actividade > MZN; ou Exportação anual > MZN; ou Criar e manter a partir do 2º ano de actividade 25 ou mais postos de trabalho para locais. Em 2010 foi criado o InvestimoZ - Fundo Português de Apoio ao Investimento em Moçambique - com o intuito de promover o financiamento de projectos de investimento especificamente em Moçambique nas seguintes modalidades: Participações com empresas portuguesas e em consórcios luso-moçambicanos. Critérios de financiamento: sede em Moçambique, capital > USD, capital português > 33% e, capital luso-moçambicano > 51%; Empréstimos para participações. Critérios de financiamento: sede em Moçambique, capital > USD, capital português > 51%. Relativamente às condições para beneficiar deste fundo, há que ter em conta que este é complementar à contribuição dos beneficiários e ao financiamento por outras instituições. Associado ao fundo existe uma taxa de juro em linha com financiamento não concessional e, está limitado a um prazo compreendido entre os 3 e os 7 anos. Muitos dos incentivos à exportação são, igualmente, aplicáveis à internacionalização. 22

23 Investir em Moçambique Modelo de Negócio Antes de existir um efectivo investimento em Moçambique, será necessário conhecer em detalhe todos os processos legais (que têm vindo a ser simplificados), bem como apresentar uma proposta de investimento ao CPI. Estratégia Modelo de Negócio Recursos Humanos Internacionalização 3 Conhecimento da Legislação Moçambique tem vindo a empreender importantes reformas legislativas no sentido de promover e agilizar o investimento. De entre as várias medidas nesse sentido destacam-se: Alargamento das isenções do IVA; Relativamente à Lei do Investimento destaque para o estabelecimento de valor mínimo de investimento estrangeiro ( MZN); supressão das áreas reservadas ao exercício de actividade económica; e descentralização da autorização de investimentos; Aprovação do Código de Benefícios Fiscais, o qual prevê benefícios genéricos e específicos; No Código Laboral, flexibilizaram-se as regras de contratação de estrangeiros; No Código Comercial agilizaram-se os procedimentos; Aprovação da Lei Cambial que visa eliminar restrições relativas a pagamentos e transferências internacionais; Criação do Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes. Não obstante, é importante ter em conta entraves à entrada no mercado como a excessiva burocracia dos serviços públicos, os limites na contratação de trabalhadores estrangeiros e as ineficiências do sistema jurídico. 3 Conhecimento da Legislação 4 Apresentação de Proposta de Investimento 4 Apresentação de Proposta de Investimento O investidor estrangeiro que pretenda investir em Moçambique deve: Apresentar uma proposta de projecto de investimento ao Centro de Promoção de Investimentos (CPI); Registar uma empresa em Moçambique, que opere a partir de território moçambicano; Para apresentar uma proposta de investimento há que obedecer às seguintes indicações: Submeter a proposta do projecto de investimento (em língua portuguesa ou inglesa) através do preenchimento do formulário do CPI para o efeito; Juntar à proposta os seguintes documentos: cópia do documento de identificação do proponente, certidão do registo comercial ou de reserva de denominação social e, planta topográfica ou esboço da localização onde se pretende implantar o projecto. A implementação do projecto deverá verificar-se no prazo de 120 dias após a notificação da aprovação ao proponente. O investidor deverá, por último, registar o investimento junto do Banco de Moçambique no prazo de 90 dias. 23

24 Investir em Moçambique Modelo de Negócio Após a pré-aprovação da intenção de investimento, será necessário iniciar o processo de Constituição da Empresa. Este processo é composto por diversas fases, tendo uma duração mínima aproximada de 11 dias. Estratégia Internacionalização Processo 5 Constituição da Empresa Obter Certidão de Reserva de Nome Demora 1 dia e custa 77 MZN Modelo de Negócio Recursos Humanos Abrir conta bancária local à Organização (respeitar o nome presente na certidão) Registar empresa na Conservatória do Registo de Entidades Legais Registar empresa na Repartição de Finanças e Obtenção do NUIT (Número Único de Informação Tributária) Realizar pedido de licença operacional ao Presidente do Concelho Municipal Declarar inicio de actividade (na Repartição de Finanças) Declarar inicio de actividade registar Candidatos no Departamento de Emprego da Província Registar Colaboradores na Segurança Social Subscrever ao Seguro de Cobertura de Compensação de Colaboradores Demora 1 dia e custa o valor da comissão do banco (pode não existir) Demora entre 3 dias e 1 semana e custa 1475 MZN Demora 1 dia e não tem custos associados Demora 1 dia e não tem custos associados Demora 1 dia e não tem custos associados Demora 1 dia e tem inerente os custos de cada cópia do documento (1 por Candidato) Demora 1 dia e não tem custos associados Demora 1 dia e não tem custos associados 24

25 Investir em Moçambique Modelo de Negócio Conforme o tipo de operação e a estratégia de negócio, poderá necessário adquirir um imóvel. Este processo é longo e oneroso, sendo necessário interagir com diversos organismos públicos. Estratégia Internacionalização Processo 6 Registo de Propriedade Modelo de Negócio Obter um certificado de registo imobiliário (Conservatória do Registo Predial) Obter um certificado do valor da propriedade (Repartição de Finanças) Elaborar contrato de compra e venda Demora 7 dias e custa 75 MZN Demora 7 dias e custa 100 MZN Demora 10 dias e custa entre e MZN Recursos Humanos Pagamento do imposto de transferência (SISA) Submeter contrato de compra e venda a notário público (para avaliação e escritura) Realizar registo de compra de propriedade no departamento de registo imobiliário Realizar submissão da escritura notarial na Repartição de Finanças Realizar submissão da escritura notarial na Conservatória do Registo Demora 7 dias e custa 2% do preço da propriedade (SISA) mais uma taxa adicional de 20% do valor específico do SISA Demora 2 dias e custa 0,2% do valor da propriedade mais a comissão notarial (0,4% do valor da propriedade até 5 Milhões MZN e 0,01% sobre o restante valor) Demora 7 dias e custa 0,4% do valor da propriedade até 5 Milhões MZN e 0,01% sobre o restante valor Demora 7 dias e custa 150 MZN Demora 7 dias e custa 150 MZN 25

26 Investir em Moçambique Modelo de Negócio No caso de ser necessário construir de base algum tipo de estrutura (e.g. fábrica) será necessário pedir, a priori, uma Licença de Construção. Este processo poderá demorar mais de 1 anos até se poder registar o novo edifício na Conservatória. Estratégia Internacionalização Requerer e obter direito de utilizar a propriedade Processo Demora 45 dias e custa 300 MZN 7 Licença de Construção Modelo de Negócio Recursos Humanos Requerer e obter plano topográfico Requerer e obter licença de construção do Departamento de Construção e Urbanização Receber Inspecção Municipal (por lei estão previstas duas ou três mas normalmente só acontece uma ou duas) Requerer conexão de água e esgotos Receber inspecção e obter aprovação de plano de canalização pelo Departamento da Água e Saneamento Conectar água e esgotos Requerer e obter conexão telefónica Requerer inspecção final (a ser realizada até 30 dias depois) Receber inspecção final realizada por várias agências apropriadas Requerer e obter licença de ocupação Registar novo edifício na Conservatória do Registo Demora 120 dias e custa 325 MZN Demora 60 dias e custa MZN Demora 1 dia e não tem custos associados Demora 1 dia e custa MZN Demora 1 dia e não tem custos associados Demora 43 dias e não tem custos associados Demora 2 dias e custa MZN Demora 1 dia e não tem custos associados Demora 1 dia e não tem custos associados Demora 95 dias e custa MZN Demora 45 dias e custa 410 MZN 26

27 Investir em Moçambique Modelo de Negócio Por final, e de forma a garantir as totais condições para a eficaz operação do negócio, será necessário pedir o Acesso a Electricidade. A elevada distância entre a produção de energia e o local principal do seu consumo, torna este processo moroso e com elevados custos. Estratégia Internacionalização Processo 8 Acesso a Electricidade Modelo de Negócio Realizar pedido de autorização ao Ministério de Energia Realizar pedido de serviço à EDM (Electricidade de Moçambique) Receber inspecção da EDM e da Direcção Provincial de Energia Enviar proposta de transformador a instalar à EDM Demora 9 dias e custa 150 USD Demora 10 dias e custa 80 USD Demora 2 dias e não tem custos associados Demora 7 dias e não tem custos associados Comprar e instalar transformador Receber inspecção da EDM (à instalação eléctrica e ao transformador) Conexão à rede eléctrica externa (realizada pela EDM) Demora 30 dias e custa USD Demora 10 dias e não tem custos associados Demora 30 dias * e custa USD Recursos Humanos Receber inspecção do Ministério de Energia à totalidade da instalação eléctrica Assinar contrato eléctrico e instalar contador Demora 21 dias e não tem custos associados Demora 7 dias e não tem custos associados (contador pode ter associado um depósito de 3 vezes o valor de consumo previsto) 27

28 Investir em Moçambique A República de Moçambique tem vindo a desenvolver esforços no sentido de agilizar e facilitar os processos de Importação e Exportação, sendo que, actualmente, estes são ainda demorados e com custos médios elevados por processo. Estratégia Modelo de Negócio Logística Para e De Moçambique Exportação e Importação - Procedimentos Processo de Importação e Exportação Em 2010, na sequência da reforma administrativa das alfândegas no sentido de agilizar os processos ao nível da respectiva duração, verificou-se uma clara evolução decrescente do tempo de despacho alfandegário o que, em última instância, promoveu e facilitou o comércio externo. Exportação Importação Duração (dias) * Custo (USD) * Duração (dias) * Custo (USD) * Preparação de Documentos Despacho Aduaneiro e Controlo Técnico Manipulação de Mercadorias via Portos e Terminais Manipulação e Transporte de Mercadorias via Terrestre Total Recursos Humanos Documentos necessários * Valores médios por operação Notificação de Embarque; Ordem de Carregamento; Factura; Declaração Alfandegária de Exportação; Relatório de Inspecção; Lista de Embalagem; Recibo de Manuseio de Carga. Notificação de Embarque; Ordem de Carregamento; Certificado de Origem; Factura; Declaração Alfandegária de Importação; Ordem de Entrega; Certificado de Registo de Equipamento; Relatório de Inspecção; Lista de Embalagem; Recibo de Manuseio de Carga. 28

29 Investir em Moçambique Deverá ter ainda em conta, as questões aduaneiras inerentes aos processos de Importação e Exportação. Para além dos Direitos Aduaneiros, existem ainda outros custos relevantes que deverá conhecer e que podem afectar a rentabilidade do seu negócios. Estratégia Logística Para e De Moçambique Exportação e Importação Taxas Aduaneiras Taxas Aduaneiras Exportação Importação Taxa Valor Taxa Valor Modelo de Negócio Inscrição e Renovação MZN Inscrição e Renovação Taxa de Imposto sobre Consumo Específico (ICE) MZN Constante de pauta aduaneira, varia de acordo com a mercadoria Recursos Humanos Direitos Aduaneiros 0% Taxa de Sobrevalorização Certificado de Origem Aplicação do factor definido para a mercadoria em legislação própria MZN Taxa de Serviços Aduaneiros (TSA) Direitos Aduaneiros Sobretaxa IVA Direitos Antidumping 50 USD por operação Constante de pauta aduaneira, varia de acordo com a mercadoria Aplicação de alíquota relativa à sobretaxa definida em legislação própria Calculado mediante a aplicação da alíquota para a mercadoria que incidirá sobre o valor aduaneiro adicionado do total dos direitos de importação ou TSA, do ICE e da sobretaxa, se for o caso Aplicação da taxa antidumping sobre a diferença entre o valor praticado com dumping e o valor real 29

30 Investir em Moçambique O Modelo de para Organizações que comercializem em Moçambique deverá contemplar a realidade das infra-estruturas de transporte presentes, bem como possíveis parceiros para a Função Logística. Estratégia Logística Interna de Moçambique Transporte/Armazenagem/Distribuição Infraestruturas e Parceiros Modelo de Negócio Portos Principais Aeroportos (pista pavim.) 23 Oleodutos Ferrovias Estradas Pavimentadas Beira, Maputo e Nacala Gás 918 Kms, Produtos Refinados 278 Kms Kms Kms Recursos Humanos Porto Comercial Porto Petrolífero Porto Pesqueiro Aeroporto Internacional A Geografia e as infraestruturas existentes em Moçambique tornam o Processo Logístico complexo e dispendioso. Nesse sentido, poderá fazer sentido apoiar a operação em parceiros externos especializados. Exemplos de possíveis parceiros logísticos: Estrada Principal Alman Global Logistics (AGL) Bakers Tankers Actualmente, está em construção um Barberry Group Cargo Services Durban grande Porto Comercial Marítimo (o Cascade Logistics maior da África Austral) e um Aeroporto Fairseas International Comercial Internacional em Nampula. FH Bertling Logistics 30

31 Agricultura, Pecuária Pesca Actividades Extractoras Indústria Electricidade, Gás Construção Actividades Não Financeiras Actividades Financeiras Administração Pública Investir em Moçambique Recursos Humanos De forma a garantir o sucesso da operação em qualquer tipo de negócio será necessário contar com Recursos Humanos. Se estes Recursos foram Nacionais terá que se ter em atenção algumas particularidades. Salário Mínimo por Sector Estratégia Principais obrigações, tendências e sugestões para com Recursos Humanos Nacionais: Modelo de Negócio Assegurar o respeito por todas as normas da Lei do Trabalho de Moçambique, em particular as do artigo nº 59 Direitos do Empregador (Lei nº 23/2007); Assegurar a existência de Seguro de Acidentes de Trabalho no contrato de trabalho (obrigatório); Garantir a contínua formação dos colaboradores, tanto em questões técnicas de negócio como em questões transversais (e.g. informática); Recursos Humanos O Salário Mínimo médio de todos os sectores de actividade situa-se nos MZN, o que representa cerca de 120. O sector das Actividades Bancárias é o que apresenta salários mínimos mais elevados, sendo mais do dobro do que em alguns outros sectores. Fonte: Wage Indicator, Org Garantir a existência de um Modelo de Evolução na Carreira que todos os Colaboradores conheçam e esteja assente na Avaliação de Performance, de modo a manter a motivação e empenho; Perceber as diferenças culturais e as particularidades intrínsecas a cada Colaborador (e.g. hora de chegada / saída, feriados, falta de infraestruturas). 31

32 Investir em Moçambique Recursos Humanos No caso de ser necessário contratar Colaboradores Estrangeiros, de modo a garantir a qualidade da operação, é necessário ter em atenção os seus custos mais elevados, a necessidade de Visto e o Rácio permitido por Lei. Estratégia Modelo de Negócio Recursos Humanos Entrada e Permanência em Moçambique De modo a garantir que os Colaboradores estrangeiros podem exercer a sua profissão em Moçambique será necessário ser pedido um Visto de Trabalho e uma Autorização para Residência. Visto de Trabalho Preenchimento do impresso próprio para o pedido; Anexar o passaporte valido; Anexar fotocópia do passaporte válido autenticada; Autorização ou permissão de trabalho emitida pela entidade competente; Carta emitida pela entidade empregadora, manifestando o justo interesse na sua contratação; Selos de MZN. Autorização de Residência O pedido de Autorização de Residência é ligeiramente diferente consoante o caso. Deverá identificar o procedimento específico para cada um dos seguintes casos: Trabalhadores; Directores ou Mandatários de Empresas; Menores de 18 anos. Pessoal Geral Gestão Júnior Gestão Média Gestão Sénior Executivos Média Rácio Colaboradores Nacionais / Estrangeiros: Segundo a Legislação Moçambicana o Rácio Máximo de Colaboradores Estrangeiros é de 1 para cada 10 Colaboradores Locais. % Típica de Benefícios e Compensações 32% 33% 31% 26% 36% 36% Benefícios 68% 67% 69% 74% 64% 64% Compensações Os Colaboradores são, geralmente, recompensados através de uma parte significativa de Benefícios, que é percentualmente decrescente com o nível de senioridade. De forma global, dependendo da posição hierárquica do Colaborador, estes benefícios tendem a ser: Seguro de Saúde com assistência na África do Sul; Pagamento de Despesas; Casa; Carro; Motorista; 2 a 3 viagens ao País de Origem. Fonte: PWC - Remuneration trends report Southern Africa 32

33 Índice 1. Introdução 2. Moçambique em Síntese 3. Investir em Moçambique 4. A Baker Tilly e Moçambique 5. Conclusão 33

34 A Baker Tilly e Moçambique A experiência e conhecimentos técnicos e práticos da Baker Tilly e dos seus parceiros internacionais, aliados ao profundo conhecimento do mercado, economia e dinâmicas de funcionamento de Moçambique permitem colocá-la enquanto um parceiro de referência em processos de internacionalização, em particular nos seguintes aspectos: Estratégia Análise de Mercados Construção de Planos de Negócios Definição de Plano de Marketing Determinação de Plano Comercial Construção de Plano Financeiro Exemplificativo e Não Exaustivo Modelo de Negócio Apoio à decisão Estruturação de Modelo de Negócio Avaliação e Identificação de Recursos necessários Definição de Plano Logístico de operação Identificação e Avaliação de Parceiros Optimização da Plataforma Logística Definição de Estrutura Organizativa Recursos Humanos Apoio no Planeamento de Recursos Humanos Estruturação de Políticas de Carreiras, Compensações e Benefícios Recrutamento e Selecção Formação de Colaboradores 34

35 Índice 1. Introdução 2. Moçambique em Síntese 3. Investir em Moçambique 4. A Baker Tilly e Moçambique 5. Conclusão 35

36 Conclusão A República de Moçambique tem diversos factores atractivos para o investimento Português. Em particular, a fácil ultrapassagem da barreira linguística e os sistemas legais semelhantes, torna Portugal num parceiro de eleição, do qual se espera uma participação activa na economia Moçambicana, sempre garantindo o desenvolvimento do País e as condições de vida da sua População. Pontos Fortes Desafios a Vencer Localização estratégica África Austral; Potencial do Mercado Alvo 250 Milhões de consumidores (SADC: Angola, Botswana, República Democrática do Congo, Lesoto, Madagáscar, Malawi, Maurícia, Moçambique, Namíbia, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia, Zimbabwe); Eficácia na adopção de Modelo de Negócio (organização do Mercado, facilidade na constituição de empresa e não imperativo de estabelecimento de parcerias); Solidez do Sistema Financeiro Movimentação, Gestão de Capitais e apoio de Banca Portuguesa; Sistema Jurídico e Regime Fiscal com afinidade ao Português. Exigência de Formação e Qualificação dos Recursos Humanos a integrar; Existência de limites à contratação de Colaboradores de nacionalidade estrangeira; Complexidade na Gestão Logística Custos Operacionais tendencialmente elevados; Evidência de aumento de concorrência em vários sectores de actividade (e.g. Construção); Necessidade de considerar que a Economia e o Sistema de Justiça ainda se encontram em estado de maturidade intermédio (e.g. celeridade). Fonte: Análise Baker Tilly e AICEP 36

37 Maputo Rua da Sé, 114, 4º - Sala 27 T: Luanda Travessa da Liga Africana, n.º 7/9 T: Lisboa Edifício Taurus Campo Pequeno, 48 4º Dto Lisboa T: Porto Praça Mouzinho de Albuquerque 113-3º andar Porto T: Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems \ Baker Tilly é uma marca da Baker Tilly, PG & Associados, SROC, S.A. e da Baker Tilly Portugal Consulting, S.A. A Baker Tilly, PG & Associados, SROC, S.A. e a Baker Tilly Portugal Consulting, S.A. são firmas membro da Baker Tilly International. A Baker Tilly International Limited é uma sociedade de direito inglês. A Baker Tilly International não presta serviços profissionais a clientes. Cada firma membro é uma entidade autónoma e independente, assumindo-se como tal. A Baker Tilly, PG & Associados, SROC, S.A. e a Baker Tilly Portugal Consulting, S.A. não actuam como agentes da Baker Tilly International e não têm poderes para vincular a Baker Tilly International ou actuar em nome da Baker Tilly International. A Baker Tilly International, a Baker Tilly, PG & Associados, SROC, S.A. e a Baker Tilly Portugal Consulting, S.A. ou qualquer outra firma membro não assumem qualquer responsabilidade pelos actos ou omissões das demais. Adicionalmente, nem a Baker Tilly International nem qualquer outra firma membro tem a capacidade de exercer o controlo de gestão de qualquer outra firma membro. Baker Tilly is a trademark of Baker Tilly, PG & Associados, SROC, S.A. and of Baker Tilly Portugal Consulting, S.A. Baker Tilly, PG & Associados, SROC, S.A. and Baker Tilly Portugal Consulting, S.A. are independent members of Baker Tilly International. Baker Tilly International Limited is an English company. Baker Tilly International provides no professional services to clients. Each member firm is a separate and independent legal entity and each describes itself as such. Baker Tilly, PG & Associados, SROC, S.A. and Baker Tilly Portugal Consulting, S.A. are not Baker Tilly International s agents and do not have authority to bind Baker Tilly International or act on Baker Tilly International s behalf. None of Baker Tilly International, Baker Tilly, PG & Associados, SROC, S.A. and Baker Tilly Portugal Consulting, S.A., nor any of the other independent member firms of Baker Tilly International have any liability for each other s acts or omissions. In addition, neither Baker Tilly International nor any other member firm has a right to exercise management control over any other member firm.

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management

Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management Incentivos Índice 1. Apresentação i. Incentivos Financeiros ii. Incentivos Fiscais 2. Metodologia i. Apresentação ii. iii. iv. Analysis & Reporting

Leia mais

Assurance Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance. Management Essentials I

Assurance Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance. Management Essentials I Assurance Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Management Essentials I Introdução A Baker Tilly Portugal, enquanto Organização de referência em Serviços Profissionais e a Baker Tilly Academy tendo

Leia mais

Internacionalização de PME. Mercado de MOÇAMBIQUE

Internacionalização de PME. Mercado de MOÇAMBIQUE Internacionalização de PME Mercado de MOÇAMBIQUE 12 de Junho de 2013 Mercado de MOÇAMBIQUE ÍNDICE Índice Introdução MOÇAMBIQUE Sociedades Comerciais e Representações Comerciais Estrangeiras Lei de Investimentos

Leia mais

PROGRAMA FOCUS CLIENTE

PROGRAMA FOCUS CLIENTE PROGRAMA 1 Focus Cliente O que é? O Programa consiste numa abordagem pioneira ao desenvolvimento de competências na área do serviço ao cliente alinhadas com uma visão de excelência na gestão da relação

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

Investimento estrangeiro em Moçambique: garantias e incentivos

Investimento estrangeiro em Moçambique: garantias e incentivos 1 /9 Investimento estrangeiro em Moçambique: garantias e incentivos Moçambique tem efectuado um esforço de desenvolvimento muito significativo, procurando fundar sustentadamente o seu processo de crescimento.

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Oportunidades de internacionalização do sector dos materiais da construção da Euro-região em Moçambique

Oportunidades de internacionalização do sector dos materiais da construção da Euro-região em Moçambique Oportunidades de internacionalização do sector dos materiais da construção da Euro-região em Moçambique Oportunidades para o sector dos materiais da construção da Euro-região em Moçambique Índice de conteúdos

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Workshop Internacionalização - Angola e Moçambique. Moçambique: Caracterização do Mercado e Oportunidades de Negócio

Workshop Internacionalização - Angola e Moçambique. Moçambique: Caracterização do Mercado e Oportunidades de Negócio Workshop Internacionalização - Angola e Moçambique Moçambique: Caracterização do Mercado e Oportunidades de Negócio 6 de Março de 2012 1 Agenda Dados Demográficos dados Sociais dados Políticos dados Económicos

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

Financiamento Bancário em Moçambique Sector da Água

Financiamento Bancário em Moçambique Sector da Água Financiamento Bancário em Moçambique Sector da Água Tiago Valença Pinto Maputo, 31 de Maio de 2013 tiago.pinto@mozabanco.co.mz O PIB Moçambicano cresceu 7,5% em 2012 e a inflação manteve-se em patamares

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DE MOÇAMBIQUE BENEFICIOS FISCAIS PARA O SECTOR DE HOTELARIA E TURISMO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DE MOÇAMBIQUE BENEFICIOS FISCAIS PARA O SECTOR DE HOTELARIA E TURISMO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DE MOÇAMBIQUE BENEFICIOS FISCAIS PARA O SECTOR DE HOTELARIA E TURISMO MAPUTO, 05 DE MARÇO DE 2012 REGIME FISCAL APLICÁVEL AO SECTOR

Leia mais

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário Cidade Maputo, 23 de Abril de 2015 CONTEÚDO Papel

Leia mais

Chave para Negócios. em Moçambique por Diogo Gomes de Araújo

Chave para Negócios. em Moçambique por Diogo Gomes de Araújo Case study SOFID: Chave para Negócios em Moçambique por Diogo Gomes de Araújo Business Roundtable: Moçambique Lisboa, 1 de Abril de 2011 1. O que é a SOFID? 2. O que oferece? 3. Onde actua? 4. Para quê?

Leia mais

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA SISTEMA FISCAL 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRPC ) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Moçambique Informações e Contactos Úteis Janeiro 2015 Índice Dados Gerais 03 Informações Úteis 06 Contactos Úteis 07 2 Dados Gerais: Fonte: EIU- The Economist Intelligence Unit

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Centro de Promoção de Investimentos. Rafique Jusob

Centro de Promoção de Investimentos. Rafique Jusob Centro de Promoção de Investimentos Rafique Jusob CPI - Centro de Promoção de Investimentos O CPI oferece um pacote de serviços para assistência aos investidores nacionais e estrangeiros facilitando o

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

FICHA DE MERCADO - MOÇAMBIQUE

FICHA DE MERCADO - MOÇAMBIQUE FICHA DE MERCADO - MOÇAMBIQUE DADOS SOBRE O PAÍS Moçambique República de Moçambique Área: 799.380 km2 População: 24,5 milhões de habitantes Bandeira/Flag Capital: Maputo (1,967 milhões de habitantes) Outras

Leia mais

Portugal 2020. Fundos Comunitários em Portugal

Portugal 2020. Fundos Comunitários em Portugal Fundos Comunitários em Portugal 24 de março de 2015 Agenda 1. Enquadramento fundos comunitários em Portugal 2. Estrutura do Portugal 2020 3. POCI - COMPETE 2020 1. Sistemas de incentivos às empresas (

Leia mais

A D V O G A D O S, L D A. Mozbuilding. Licenciamento de Empreiteiros de Obras Públicas e Construção Civil. Maputo, Novembro 2012.

A D V O G A D O S, L D A. Mozbuilding. Licenciamento de Empreiteiros de Obras Públicas e Construção Civil. Maputo, Novembro 2012. A D V O G A D O S, L D A. Mozbuilding Licenciamento de Empreiteiros de Obras Públicas e Construção Civil Maputo, Novembro 2012 Por: JM Caldeira Conteúdo 1. Constituição de Empresas 2. Licenciamento 3.

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11 Na sequência da aprovação do Decreto Presidencial n.º 265/10, de 26 de Novembro, sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO ANGOLA BREVE CARACTERIZAÇÃO Situa-se na região da África Subsariana, apresentando uma economia em forte crescimento, que converge para uma economia de mercado. É um país extremamente rico

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

Apoio à Internacionalização das Empresas

Apoio à Internacionalização das Empresas Apoio à Internacionalização das Empresas 26 de Novembro de 2009 Apoio à internacionalização das empresas Moçambique: Dados Gerais O Sector Financeiro em Moçambique O Grupo Caixa Geral de Depósitos Soluções

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique "Tendências do Investimento Privado em Moçambique: questões para reflexão" Nelsa Massingue da Costa Maputo, Setembro 2013 TENDÊNCIAS

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da Agricultura?

A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da Agricultura? A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da Agricultura? Outubro 2014 A agricultura é um importante contribuinte para a economia de Moçambique

Leia mais

Cortes nas Finanças Pessoais 2014

Cortes nas Finanças Pessoais 2014 Cortes nas Finanças Pessoais 2014 Baker Tilly Janeiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Cortes nas Finanças

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE ABRIL, 2015 Estrutura da Apresentação 2 I. Papel do CEPAGRI II. III. IV.

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Simplex Exportações Exportações mais Simplex

Simplex Exportações Exportações mais Simplex Simplex Exportações Exportações mais Simplex Este é o primeiro SIMPLEX dedicado a um tema específico: as EXPORTAÇÕES. É por isso um programa diferente. Mais participado e feito em verdadeira co produção:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade. 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro

III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade. 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro Índice 1. Tributação, crescimento económico e competitividade: algumas considerações de

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. EAU Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. EAU Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar EAU Condições Legais de Acesso ao Mercado Fevereiro 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 7 2 1. Regime Geral

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Rute Martins Santos & Kiluange Tiny. Março de 2005.

Rute Martins Santos & Kiluange Tiny. Março de 2005. PRINCIPAIS IMPOSTOS DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Rute Martins Santos & Kiluange Tiny Março de 2005. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário e

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 1 QREN Inovação Inovação Produtiva Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Aspectos Relevantes para Investidores Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Portugueses em Angola Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência.

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos. Maio, 2007.

Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos. Maio, 2007. JURISTEP OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos Maio, 2007. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Israel Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Israel Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Israel Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2011 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime Geral

Leia mais

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio.

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio. Missão Empresarial Moçambique 28 agosto 3 setembro 2014 Moçambique: porta de entrada na África Austral Moçambique é hoje um mercado em expansão com mais de 24 milhões de consumidores, que tem vindo a registar

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008

EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008 EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008 AEP - Associação Empresarial de Portugal Direcção de Serviços às Empresas Internacionalização e Promoção Externa Leça da Palmeira, 26 de Junho de 2008 A/C Direcção Comercial/Exportação

Leia mais

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola MÓDULO I - ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS E TENDÊNCIAS FUTURAS: REFORMA FISCAL Índice 1.

Leia mais

Contexto das PME s em Moçambique

Contexto das PME s em Moçambique MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Conferência sobre Fontes Alternativas de Financiamento às Contexto das em Moçambique Por Claire Zimba, Director Geral Indy Village, 09:30Hrs, 21 de Maio de 2015, Cidade

Leia mais

ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS. OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us.

ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS. OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us. ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us. Constituída em 1993 a AB é uma das maiores Sociedades de Advogados portuguesas

Leia mais

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS. Imposto Base de incidência Taxa

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS. Imposto Base de incidência Taxa CADERNO FISCAL Setembro 2015 MOÇAMBIQUE SISTEMA TRIBUTÁRIO QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS Imposto Base de incidência Taxa IRPS Os residentes sãos tributados relativamente ao seu rendimento

Leia mais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais 1 /5 Reforma Fiscal Angolana Foram publicados no início de Março, como suplemento ao Diário da República datado de dia 30 de Dezembro de 2011, os Decretos Legislativos Presidenciais n.º 5/11, n.º 6/11

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal

III Congresso de Direito Fiscal III Congresso de Direito Fiscal A REFORMA DO SISTEMA FISCAL ANGOLANO Rui Dinis Nascimento Advogado / Consultor Fiscal 25 e 26 de Outubro de 2012 A origem da Reforma Fiscal em Angola resulta de vários factores

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

CONCURSOS INTERNACIONAIS COMO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO Skyna Hotel 22 de Junho de 2015

CONCURSOS INTERNACIONAIS COMO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO Skyna Hotel 22 de Junho de 2015 LUANDA PROGRAMA AVANÇADO PARA DECISORES CONCURSOS INTERNACIONAIS COMO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO Skyna Hotel 22 de Junho de 2015 2.ª EDIÇÃO Inscrições e mais informações em: www.ambienteonline.pt/luanda-concursos-internacionais-2015

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 Colômbia Aspectos Gerais País muito jovem - 55% da população com menos de 30 anos. 7 Áreas Metropolitanas com

Leia mais

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA: DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO, RELAÇÕES E PARCERIAS 1 DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS 1. Introdução 2 2. Diagnóstico

Leia mais

Direção Internacional International Business Platform março de 2015 Internacionalização

Direção Internacional International Business Platform março de 2015 Internacionalização Direção Internacional International Business Platform março de 2015 Internacionalização > > ÍNDICE 1. PAÍS 2. ECONOMIA 3. SISTEMA BANCÁRIO E FINANCEIRO 4. REGIME CAMBIAL 5. REGIME FISCAL 6. INVESTIMENTO

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2012 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO

SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO SETOR FINANCEIRO 2014 SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO Tendo reestruturado recentemente o seu portefólio no setor financeiro, o Grupo Américo Amorim concentra

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE INVESTIR EM MOÇAMBIQUE CRIAR UMA EMPRESA DE DIREITO MOÇAMBICANO Constituição de uma sociedade de direito moçambicano (%) Capital social mínimo Representação do capital social Sociedade por Quotas Não existe

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Maio 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 5 3. Quadro Legal 7 2 1. Regime

Leia mais

Apresentação Do Banco. Setembro de 2010

Apresentação Do Banco. Setembro de 2010 Apresentação Do Banco Setembro de 2010 Conteúdos Onde estamos Missão Valores Accionistas Nosso mercado Responsabilidade social Factos Contactos Onde estamos Onde Estamos O Banco Terra está representado,

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

OPORTUNIDADES DO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES DO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE OPORTUNIDADES DO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE 1 O CEPAGRI (1-3) 2 Criado através do Decreto nº 20/2006 de 29 de Junho como instituição subordinada ao Ministério da Agricultura Criado com objectivo de: Estimular

Leia mais

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Coreia do Sul Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Coreia do Sul Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Coreia do Sul Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 7 2 1. Regime

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais