Luanda, 30.Março SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1"

Transcrição

1 Luanda, 30.Março.2015 SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1

2 EXW DTA FAS FOB CFR CIF VANTAGENS NA IMPORTAÇÃO DA MODALIDADE FOB 2

3 ÍNDICE 1. Introdução 2. Os INCOTERMS Os INCOTERMS FOB e CIF 4. A Diversidade de Regimes e suas Consequências 5. Vantagens e Inconvenientes dos Regimes FOB e CIF 6. Conclusão 3

4 UMA REFLEXÃO PRÉVIA O COMÉRCIO INTERNACIONAL VIVE DAS RELAÇÕES ENTRE OS VÁRIOS PLAYERS E O SUCESSO DAS OPERAÇÕES DEPENDE, NORMALMENTE, DA BOA RESOLUÇÃO DOS CONTRATOS NO DOMÍNIO DOS INCOTERMS 4

5 1. INTRODUÇÃO Regras de interpretação de termos de comércio internacional; Criadas e desenvolvidas pela Câmara de Comércio Internacional (ICC sede em Paris); Não são lei, sendo aplicáveis apenas se as partes acordarem nesse sentido; A Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda de Mercadorias, assinada em 1980, não define o significado das várias regras comerciais, remetendo antes para as regras Incoterms ; As regras Incoterms são conhecidas mundialmente como instrumentos práticos indispensáveis à melhor clarificação das trocas internacionais. 5

6 1. INTRODUÇÃO Âmbito de aplicação Aplicáveis aos contratos de compra e venda internacional de mercadorias; Aplicáveis apenas se o vendedor e o comprador acordarem na sua utilização; A jurisprudência internacional reconhece o recurso às regras Incoterms. 6

7 1. INTRODUÇÃO O que as regras Incoterms regulam: a divisão entre o vendedor e o comprador do risco de perda ou danos sobre a mercadoria; divisão de custos; transporte das mercadorias do vendedor para o comprador; desembaraço aduaneiro na exportação e importação. O que as regras Incoterms não regulam As regras Incoterms 2010 não estabelecem regras de propriedade da mercadoria no destino, que são definidas pela lei de cada país; Nada têm a ver, pois, com questões relacionadas com a transferência da propriedade da mercadoria, pois não foi possível acordar regras uniformes sobre esta questão. 7

8 2. OS INCOTERMS São num total 11 (onze) os Termos encontrados como identificativos da prática corrente no Comércio Internacional sobre as responsabilidades a repartir pelas partes. Estão divididos em 4 (quatro) Grupos, que se distinguem por se aumentar gradativamente a responsabilidade de uma das partes em detrimento da outra. 8

9 2. OS INCOTERMS Estrutura das regras Incoterms 2010 Qualquer modo ou modos de transporte EXW (Ex Works) FCA (Free Carrier) CPT (Carriage paid to) CIP (Carriage & Insurance Paid to) DAT (Delivered at Terminal) DAP (Delivered at Place) DDP (Delivered Duty Paid) Apenas para transporte marítimo ou por vias interiores navegáveis FAS (Free Alongside Ship) FOB (Free on Board) CFR (Cost and Freight) CIF (Cost, Insurance and Freight) 9

10 2. OS INCOTERMS Estrutura das regras Incoterms

11 2. OS INCOTERMS Graficamente a situação pode ser traduzida conforme se apresenta no esquema seguinte: 11

12 3. OS INCOTERMS FOB E CIF No comércio marítimo internacional a prática tem afirmado com grande preponderância 2 (dois) INCOTERMS incontornáveis. É por eles que passa uma larga percentagem das transacções efectuadas entre empresas de países diferentes, em que as mercadorias viajam por meio do transporte marítimo. São eles, os seguintes: FOB CIF 12

13 3. OS INCOTERMS FOB E CIF Recuperando os significados já anteriormente apresentados em relação a estes dois INCOTERMS, temos, assim, em contraste, duas modalidades que diferem entre si pelo facto de, no primeiro caso, ser da responsabilidade do COMPRADOR o pagamento do transporte (frete) e do seguro desde o porto de origem ao até ao porto de destino (e, eventualmente, até ao local do seu estabelecimento), enquanto que no segundo caso esse encargo passa a ser de sua conta, ou seja, do VENDEDOR. 13

14 3. OS INCOTERMS FOB E CIF Com efeito, conforme já foi anteriormente visto, os dois conceitos caracterizam-se respectivamente, por: FOB O VENDEDOR dá por concluídas as suas obrigações quando a mercadoria transpõe a amurada do navio (ship's side) no porto de embarque indicado e, a partir daquele momento, o COMPRADOR assume todas as responsabilidades quanto a perdas e danos. CIF Além das responsabilidades inerentes ao INCOTERM anterior, o VENDEDOR deve pagar o prémio de seguro do transporte principal. Ou seja, é responsável pelo pagamento dos custos para colocar a mercadoria a bordo do navio, e pelo pagamento do frete e do seguro até ao porto de destino. 14

15 3. OS INCOTERMS FOB E CIF Graficamente, a situação pode traduzir-se conforme se ilustra na continuação: FOB CIF 15

16 4. A DIVERSIDADE DE REGIMES E SUAS CONSEQUÊNCIAS No texto de introdução à apresentação dos INCOTERMS-2010 sugere-se que a escolha do termo contratual a usar na operação deve ser adequada aos bens, deve levar em conta os meios de transporte e, sobretudo, as obrigações que as partes desejam assumir, tais como a obrigação de contratar, em alternativa, transporte e seguro pelo vendedor ou pelo comprador. 16

17 4. A DIVERSIDADE DE REGIMES E SUAS CONSEQUÊNCIAS E isso faz toda a diferença e tem consequências para cada um dos lados, porque implica responsabilidades e tem efeitos que podem ir desde a dilatação do tempo da operação, atraso no recebimento da mercadoria, protelamento do recebimento inerente à venda e, inclusivamente, tempo e dinheiro perdido com demandas judiciais e processos litigiosos junto das seguradoras, associados a requerimentos de indeminizações por prejuízos causados por avarias nas mercadorias que ocorram no trânsito entre o local de expedição e o estabelecimento do comprador no destino. 17

18 4. A DIVERSIDADE DE REGIMES E SUAS CONSEQUÊNCIAS Perante a diversidade dos regimes para determinadas cláusulas do contrato de compra e venda (transportes e seguros, nomeadamente), os INCOTERMS, sendo eles também em número significativo (onze), vieram disciplinar, orientar e uniformizar procedimentos, que facilitam imenso as negociações pela padronização dos modelos utilizados que são conhecidos da generalidade dos agentes económicos. EXW FCA CPT CIP DAP DDP DAT FAS FOB CFR CIF A simples indicação de uma sigla define com rigor qual a modalidade e os termos (trade terms) em que ambas as partes acordam para realizar a operação. 18

19 4. A DIVERSIDADE DE REGIMES E SUAS CONSEQUÊNCIAS Há, por assim dizer, modalidades para todos os gostos, mas, em definitivo, para a aplicação a cada caso concreto, tem de haver acordo entre COMPRADOR e VENDEDOR para coincidirem numa, e apenas numa, das alternativas existentes por cada operação. FOB CIP FAS CIF 19

20 4. A DIVERSIDADE DE REGIMES E SUAS CONSEQUÊNCIAS FOB CIF? No tabuleiro das transacções comerciais tem de haver acordo entre COMPRADOR e VENDEDOR na escolha da modalidade a observar e cada um deles defende necessariamente os seus interesses. 20

21 4. A DIVERSIDADE DE REGIMES E SUAS CONSEQUÊNCIAS Fala-se muito nas vantagens e inconvenientes da prática da modalidade contratual em que se opta pelo regime de FOB, que é o tema desta apresentação. Face ao que foi referido anteriormente é fundamental haver acordo entre as partes: SENDO QUE O COMPRADOR TEM, EM PRINCÍPIO, UM PODER ACRESCIDO DE NEGOCIAÇÃO, PODENDO, DE ALGUM MODO, IMPOR A SUA VONTADE. NO ENTANTO, O VENDEDOR PODE SEMPRE RECUSAR E, NESSE CASO, NÃO HÁ TRANSACÇÃO. 21

22 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF No final tudo se resume ao conjunto das VANTAGENS e INCONVENIENTES que cada INCOTERM tem para as partes contratantes. Não sendo objecto desta apresentação discutir a globalidade dos INCOTERMS, vejamos, em particular, a modalidade FOB No contexto que mais interessa a Angola que é o das operações comerciais com o exterior é este um dos termos mais utilizados. Concorre activamente com o regime CIF, que é a modalidade que mais directa e usualmente mais se lhe opõe. Vejamos, a seguir, as vantagens e inconvenientes para o COMPRADOR e para o VENDEDOR de ambos os regimes. 22

23 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF VANTAGENS F O B INCONVENIENTES Fica com liberdade para escolher o transportador e a companhia de seguros; Negoceia directamente com ambos; Não está dependente dos tempos do vendedor na negociação do transporte e do seguro para embarque da mercadoria; Pode escolher o Porto de embarque. Beneficio do efeito de economia de escala COMPRADOR Tem que dialogar com vários interlocutores; No caso de importadores de pequena dimensão, existe o risco de eventuais descoordenações, as quais, podem originar custos menos vantajosos, Tem de alocar mais recursos para uma mesma operação, com perda de tempo e incremento nos custos de estruturas. 23

24 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF C I F VANTAGENS INCONVENIENTES VENDEDOR Faz uma operação integrada, podendo apenas negociar com um transitário que lhe resolve os problemas da logística e do seguro; Pode, por isso, obter vantagens no custo, que tenderá a reflectir no preço cobrado ao cliente e ganhar credibilidade no mercado; No caso de o não fazer aumenta a sua margem comercial. Se não for uma empresa com experiência em transacções comerciais com o exterior, pode enfrentar dificuldades na selecção do transitário e no processo negocial com este, que pode acarretar algum prejuízo; Na situação referida não disporá dos descontos que a existência de operações correntes com o exterior pode pressupor. 24

25 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF Nas operações "F" (Free) o VENDEDOR não tem controle dos embarques. Particularmente, em FOB existe uma grande preocupação dos VENDEDORES, pois, não raras vezes, o COMPRADOR não faz a nomeação tempestiva do navio. Alguns "players" têm procurado inserir nos contratos cláusulas de "desfobização" da operação, prevendo a entrega na modalidade FCA (Free Carrier) a um transportador designado pelo COMPRADOR e não a bordo de um navio nomeado por este. 25

26 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF Assim, caso o VENDEDOR em FOB esteja impedido de contratar ou nomear o navio por conta e risco do COMPRADOR, será preferível ter uma cláusula contratual de salvaguarda que permita, face à ocorrência de determinadas circunstâncias (por exemplo, não notificação pelo COMPRADOR de nomeação do navio até determinada data), que a entrega seja efectuada em subordinação a outro regime, ou seja, sob outra condição de venda. 26

27 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF Para o COMPRADOR, a utilidade de FOB resulta basicamente da possibilidade de, em certas alturas, poder nomear um único navio e uma única companhia seguradora para embarcar mercadorias de diferentes proveniências (operadores) em determinado Porto ou em Portos de escala do navio, quando ocorra a possibilidade de juntar num único transporte e numa única viagem as mercadorias que importe de distintas origens. Por outro lado, não só dessa junção resultam benefícios inequívocos em termos de custo, como também, no caso de ser um importador frequente, dispor já, no contexto do seu relacionamento comercial, de experiência com Armadores com os quais opera com maior frequência, e isso pode traduzir-se em reduções apreciáveis de custos derivadas das economias de escala e do factor fidelização. 27

28 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF Por tudo o que foi referido, o regime em CIF tem vindo a alcançar maior preferência da parte do COMPRADOR, pese embora o facto de poder acarretar mais preocupações. No entanto, tem a vantagem não despicienda de permitir um maior controlo da totalidade dos custos que integram a operação de importação, para além do custo da própria mercadoria e do transporte até ao Porto de embarque. Com efeito verifica-se: CUSTO DA MERCADORIA + TRANSPORTE ATÉ AO PORTO DE EMBARQUE (Valor de Factura) + + TRANSPORTE MARÍTIMO (FRETE) + SEGURO + DESALFANDEGAMENTO + TRANSPORTE ATÉ AO ESTABELECIMENTO DO COMPRADOR (valor das operações e serviços acessórios, contratados directamente pelo COMPRADOR) 28

29 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF Esta é genericamente a situação vigente no mercado das operações comerciais a nível internacional, que envolvem a contratação de transporte marítimo (frete) e das inerentes apólices de seguro para protecção da carga e dos interesses do COMPRADOR. Existem, contudo, situações particulares que pesam na ponderação sobre a melhor opção, isto é, a mais favorável, quanto á tipologia do INCOTERM a usar nas transacções, que conduzam à selecção, por princípio ou por norma, de uma das duas modalidades referidas nesta apresentação o FOB versus CIF. 29

30 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF No caso particular de ANGOLA é necessário, contudo, atender a outras questões relevantes para a economia nacional e para as empresas angolanas do sector (transitários, agentes de navegação, seguradoras, entre outras), que levam a que aquilo que noutros países pode representar, no conjunto dos interesses em presença, determinadas vantagens objectivas, seja no nosso País um constrangimento limitativo, por que diminui a possibilidade de os agentes económicos nacionais intervirem em duas áreas fundamentais do negócio, mormente no caso das importações (o transporte marítimo e o seguro), e daí retirarem importantes mais-valias para as suas empresas, ao mesmo tempo que criam valor acrescentado na economia que, pelo volume da carga transaccionada, tem um significado económico bastante expressivo. 30

31 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF Com efeito, com a criação de condições para a SECIL MARÍTIMA vir, a curto prazo, a operar, como Armador, uma linha internacional de transporte marítimo a SECIL MARÍTIMA CONTAINER LINE, que pode trazer para ANGOLA (e daqui levar também para o exterior) uma importante quota-parte do total das mercadorias transportadas anualmente, e com a progressiva capacitação das SEGURADORAS NACIONAIS para intervir no seguro marítimo, encontram-se reunidas as condições para se dever privilegiar a modalidade de FOB em detrimento da modalidade de CIF, em prol dos interesses da economia e das empresas angolanas e da protecção da carga nacional. 31

32 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF O agenciamento das operações posteriores à intervenção e responsabilidades do VENDEDOR, recairá, assim, sobre operadores nacionais, que actuarão por conta do COMPRADOR e que apropriarão para si e para a economia nacional um parte da riqueza gerada no desenvolvimento das respectivas actividades. 32

33 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF A perspectiva da contratação FOB releva de manifesto interesse nacional: representa, de facto, uma evolução importante na nossa autonomia e capacidade para gerir, com vantagens apreciáveis para todos, uma parte importante da CADEIA DA LOGÍSTICA DAS CARGAS a partir da colocação destas no Porto de origem e isso é evidente no caso das IMPORTAÇÕES. 33

34 5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS REGIMES FOB E CIF Nesta conjuntura a actuação dos IMPORTADORES e EXPORTADORES deve, objectivamente, pugnar pela defesa das modalidades de INCOTERMS mais apropriadas, não apenas optando decisivamente pelo FOB nas IMPORTAÇÕES, como tentando vender junto dos seus clientes no exterior na opção de CIF no caso das EXPORTAÇÕES, embora aqui haja uma dependência significativa das preferências e indicações dadas pelo IMPORTADOR no país de destino das mercadorias, para que as transacções se processem desta forma. FOB CIF 34

35 5. CONCLUSÃO Recomenda-se a aquisição de mercadorias na base FOB, pelas seguintes razões principais: i. Para um maior controlo, por parte do importador de todos os custos reais envolvidos na operação; ii. Benefícios para a economia nacional resultante de alguns dos custos decorrentes poderem ser liquidados em Angola ( Frete & Seguro). Nota: Utilizando qualquer uma das supracitadas opções de compra (FOB ou CIF), o importador, deverá sempre, providenciar para que seja efectuado um seguro da mercadoria, situação que, em caso de acidente, decerto lhe permitirá ser directamente indemnizado pela sua companhia de seguros. FOB CIF 35

36 MUITO OBRIGADO 36

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que CONTRATOS E INCOTERMS 01 - (CODESP/2011) Um contrato internacional de compra e venda de mercadorias é um instrumento complexo, pois inclui não somente as condições de compra e venda, mas também acordos

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 samir keedi samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 PUBLICAÇÃO Nº 560 / 715E VIGOR A PARTIR DE 01.01.2000 / 2011 CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CCI - PARIS O QUE É E O OBJETIVO

Leia mais

Módulo 21 Comércio Internacional

Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Módulo 21 Comércio Internacional Exportação e Importação Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 12.ºS Importação e Exportação A Exportação é a saída de

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7 Informa INCOTERMS 2010 Tendo em vista a publicação do Incoterms 2010 pela Câmara de Comércio Internacional (International Chamber of Commerce - ICC)

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem a) a modalidade de transporte e a forma de contratação e liquidação de câmbio b)

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira

Escola Secundária de Paços de Ferreira Cândida Raquel Brandão Carneiro Nº4 12ºS 11-11-2009 1 Importação e Exportação Importação é o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que pode ser um produto ou um serviço, do exterior

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

Seguros de Mercadorias Transportadas

Seguros de Mercadorias Transportadas Seguros de Mercadorias Transportadas Via Marítima, Aérea ou Terrestre Índice Introdução Parte 1 - Breve Resumo Histórico Parte 2 - O Seguro de Mercadorias O Tráfego de Mercadorias O Seguro de Mercadorias

Leia mais

CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO

CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO AIMINHO - CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO I.- Contratos de compra e venda II.- Contratos de agência e distribuição III.- Factuar para cobrar 2 I.- CONTRATOS DE COMPRA

Leia mais

Joana Nunes Coelho 19.11.2014

Joana Nunes Coelho 19.11.2014 Joana Nunes Coelho 19.11.2014 1 INDICE TEMÁTICO 1. Contrato de compra e venda internacional 2. Incoterms 2010 que diferenças? 3. Análise das regras Incoterms 2010 a. Para qualquer modo ou modos de transporte;

Leia mais

Prof. Glauco Carvalho. INCOTERMS e LOGÍSTICA INTERNACIONAL

Prof. Glauco Carvalho. INCOTERMS e LOGÍSTICA INTERNACIONAL Prof. Glauco Carvalho INCOTERMS e LOGÍSTICA INTERNACIONAL INCOTERMS Em qualquer transação de compra e venda internacional as responsabilidades se dividem. A globalização promoveu a criação de uma normatização

Leia mais

INCOTERMS. (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio)

INCOTERMS. (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) INCOTERMS INCOTERMS (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) Servem para definir, dentro da estrutura de um contrato de compra e venda internacional, os direitos e obrigações

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

SEMINÁRIO. JJ Cerveira Afonso-JCA. Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria

SEMINÁRIO. JJ Cerveira Afonso-JCA. Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria SEMINÁRIO JJ Cerveira Afonso-JCA Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Luanda, 30.Março.2015 O CONTRATO DE TRANSPORTE E AS OBRIGAÇÕES DAS PARTES Índice O Contrato de Transporte e as obrigações

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira Módulo 21 Comércio Internacional Trabalho realizado por: Mafalda Neves 12ºS 2009/2010 Importação É o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros.

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros. ÁREA TEMÁTICA DESIGNAÇÃO CONTEÚDO COMÉRCIO ESPECIAL Sistema de comércio que inclui nas entradas, as chegadas, as importações em regime normal e as mercadorias importadas para aperfeiçoamento activo e após

Leia mais

Glossário. Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do

Glossário. Alfândega (do árabe al-fundaq, hospedaria, estalagem) ou aduana (do Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe ad-dīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controle do movimento de

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL 01. Sobre regimes aduaneiros, marque a opção incorreta: a) Regimes Aduaneiros Atípicos são criados para atender a determinadas situações econômicas peculiares, de pólos regionais

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni Unidade II LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Termos comerciais internacionais: Incoterms 2000 São regras que limitam os direitos e as obrigações de compradores e vendedores no

Leia mais

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS MILLENNIUM. É PARA AVANÇAR. MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização

Leia mais

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES: RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS)

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES: RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS) AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS) Olá pessoal. Hoje falaremos sobre o tema Incoterms, que tanto cai nas provas. É a nossa última aula. As próximas serão ministradas pelo professor Rodrigo

Leia mais

(ECT/2011) Considerando as diferentes modalidades de pagamento previstas na legislação Brasileira, julgue os itens seguintes.

(ECT/2011) Considerando as diferentes modalidades de pagamento previstas na legislação Brasileira, julgue os itens seguintes. FORMAS DE PAGAMENTO E SEGUROS (ECT/2011) Considerando as diferentes modalidades de pagamento previstas na legislação Brasileira, julgue os itens seguintes. 1. Na modalidade denominada carta de crédito,

Leia mais

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br EMENTA Introdução ao transporte internacional. INCOTERM s. Transporte marítimo, aéreo,

Leia mais

INCOTERMS Check list para uma boa utilização na prática

INCOTERMS Check list para uma boa utilização na prática INCOTERMS 2010 INCOTERMS 2010 1. O que são? 2. Antecedentes históricos e evolução 3. Elementos chave 4. 2 classes & principais diferenças entre D e C 5. As obrigações ao abrigo de cada regra Incoterms

Leia mais

104 Introdução ao e-learning

104 Introdução ao e-learning 104 Introdução ao e-learning Ficha Técnica Título: Comércio Internacional Autor: Alfredo Motty Editor: Companhia Própria Formação e Consultoria Lda. Edifício World Trade Center, Avenida do Brasil, n.º

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 I Ciclo de Debates da Administração da PROAD Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 (*) Administrador, Chefe da Divisão de Importação da UFABC, desde 2010. Graduado em Administração

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. Logística : incoterms / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, slides : il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. Logística : incoterms / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, slides : il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística : incoterms / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 23 slides : il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

Curso de Consultoria Empresarial

Curso de Consultoria Empresarial Curso de Consultoria Empresarial (Curso Presencial em Belo Horizonte) Início - 23/08 Objetivo: Capacitar o aluno para atuar na área de consultoria e gestão empresarial. Este é um curso livre de capacitação

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA

CONTRATO DE COMPRA E VENDA CONTRATO DE COMPRA E Contrato de compra e venda É um acordo pelo qual o vendedor se obriga a transmitir a propriedade e a entregar um bem/serviço ao comprador mediante um preço, originando direitos e obrigações

Leia mais

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados Logística Movimentação de materiais na cadeia de suprimentos Para que a matéria-prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material,

Leia mais

AS FÓRMULAS CONTRATUAIS TÍPICAS UTILIZADAS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL

AS FÓRMULAS CONTRATUAIS TÍPICAS UTILIZADAS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AS FÓRMULAS CONTRATUAIS TÍPICAS UTILIZADAS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL Elaborado em 09.2007 Cátia Cristina de Oliveira Bethonico Advogada formada pela Universidade Federal de Ouro Preto e Mestranda em Direito

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ!

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! ZM TRADE A ZM pensou nisso para você, e agora pode lhe oferecer os serviços da ZM TRADE. Qualidade, preço

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 1/91 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÃO DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Objectivo A presente directriz visa normalizar os procedimentos contabilísticos necessários para

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

INCOTERMS GRUPO E ENTREGA NO ESTABELECIMENTO DO IMPORTADOR/ EXPORTADOR

INCOTERMS GRUPO E ENTREGA NO ESTABELECIMENTO DO IMPORTADOR/ EXPORTADOR Introdução Nas relações de Comércio Internacional, tanto o exportador quanto o importador devem agir de acordo com normas estabelecidas pelos órgãos competentes a fim de haver êxito na logística das mercadorias.

Leia mais

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral DECISÃO D SOBRE OS TERMOS DE ENTREGA DAS MERCADORIAS NAS TRANSAÇÕES INTERNACIONAIS SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS 2000 DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Wagner Botelho Godinho Victor Aurélio Antunes

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado por: Sara Gonçalves n.º16 12ºS. Meios de Pagamento utilizados no Comércio Internacional

Leia mais

Pedro Galvão. Paço d Arcos, 29 de Setembro 2011

Pedro Galvão. Paço d Arcos, 29 de Setembro 2011 Pedro Galvão Paço d Arcos, 29 de Setembro 2011 BENIN: Product tanker (MATTHEOS I) hijacked on 14 September at 0121 UTC during ship-to-ship (STS) transfer operations approximately 62NM southwest of Cotonou

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

$ $ $ $ $ ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B.

$ $ $ $ $ ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B. XXVIENANGRAD ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B. Godinho! FOZDOIGUAÇU,2015 GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA2GOL ALTERNATIVAS

Leia mais

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira Sumário Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira 1.1. Escolha da Mercadoria 1.2. Licenciamento das Importações 1.3. Siscomex e Habilitação 1.4. Deferimento da Licença de Importação e Embarque

Leia mais

DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO

DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO Página1de6 DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO O tema demurrage, embora não seja novo, é o de maior contencioso do Direito Marítimo. Assim, e sabendo-se que a quase totalidade das mercadorias importadas ou

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

Curso Analista de Importação

Curso Analista de Importação Curso Analista de Importação (Curso Presencial em Belo Horizonte) Objetivo: Capacitar o aluno para planejar e gerenciar os processos de importação de uma empresa, atuando como analista de importação ou

Leia mais

Práticas Internacionais

Práticas Internacionais Práticas Internacionais Barcelos, 16.02.2011 Danuta Kondek Urânia Guimarães 1. Competitividade e Internacionalização; 2. Organização de empresa para a internacionalização e implementação das actividades

Leia mais

Apoio Jurídico FRANCHISING

Apoio Jurídico FRANCHISING Apoio Jurídico FRANCHISING Agência dos Empresários Casa do Farol Rua Paulo Gama - 4169-006 Porto Telefone: 22 0108000 Fax: 22 0108020 monicapiressilva@anje.pt -Franchising- Nos últimos anos as actividades

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Webinar Especial Workshop Empresarial

Webinar Especial Workshop Empresarial Webinar Especial Workshop Empresarial Como preparar sua empresa para Exportação Como escolher os produtos exportáveis? Como definir os mercados reais e potenciais? Como formar o preço de vendas e as estratégias

Leia mais

ZONAS FRANCAS. PDF criado com versão de teste do pdffactory. Para comprar, acesse www.divertire.com.br/pdffactory UNIDADE I PARTE II

ZONAS FRANCAS. PDF criado com versão de teste do pdffactory. Para comprar, acesse www.divertire.com.br/pdffactory UNIDADE I PARTE II RELAÇÕES INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO Profª [ Sidney Jaciana Reis] Amorim UNIDADE I PARTE II ZONAS FRANCAS PRINCIPAIS CONCEITOS UTILIZADOS PORTO SECO LIVRE denominação dada as Zonas Francas onde não há portos

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo de Paços de Ferreira

Escola Secundária com 3º ciclo de Paços de Ferreira INCOTERMS CATARINA CAMPOS, Nº7 CATARINA PINTO, Nº8 12ºS INCOTERMS Os INCOTERMS (International Commercial Terms) podem ser considerados como um conjunto de regras internacionais de carácter facultativo

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA DA NEFAB (tradução para Português)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA DA NEFAB (tradução para Português) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA DA NEFAB (tradução para Português) Válidas desde 10-10-2005 Em caso de discrepância entre a versão inglesa e a tradução portuguesa das condições gerais de venda, ou em caso de

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Circular n.º 37/2011 Série II

Circular n.º 37/2011 Série II Proc.º 205.15.03.01-01/2011 DSIVAVA Circular n.º 37/2011 Série II Assunto: Facturas comercias (Ref.ª às circulares n.ºs 14/2004 e 31/2008, Série II) De harmonia com o Despacho Conjunto de 12 de Maio de

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS O Aviso n.º 19/2012, de 19.04., do Banco Nacional de Angola estabelece o novo regime para as operações cambiais referentes

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva NOVEMBRO DE 2009 COMÉRCIO INTERNACIONAL Trabalho realizado por: Sara Gonçalves n.º16 12ºS Importação Importação é o processo

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL E OS TRANSPORTES Rogério Alves Vieira

COMÉRCIO INTERNACIONAL E OS TRANSPORTES Rogério Alves Vieira COMÉRCIO INTERNACIONAL E OS TRANSPORTES Rogério Alves Vieira 1 INDICE TEMÁTICO 1. Contrato de compra e venda internacional e Incoterms 2. Especificidades dos modos de transporte rodoviário marítimo e aéreo

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

1. Objecto e âmbito de aplicação

1. Objecto e âmbito de aplicação As presentes Condições Gerais de Contratação são acordadas entre a Lusodidacta Sociedade Portuguesa de Material Didáctico, Lda, com o número de pessoa colectiva e matrícula na Conservatória do Registo

Leia mais

Curso Analista de Comércio Exterior

Curso Analista de Comércio Exterior Curso Analista de Comércio Exterior Curso Presencial em Belo Horizonte Aviso: O curso presencial é bem mais completo do que o curso de analista à distância Objetivo: Capacitar o aluno para atuar como analista

Leia mais

INCOTERMS. (International Commercial Terms)

INCOTERMS. (International Commercial Terms) Página 1 INCOTERMS (International Commercial Terms) André de Farias Albuquerque Recife PE 2016 Página 2 ANDRÉ DE FARIAS ALBUQUERQUE INCOTERMS (International Commercial Terms) Recife, janeiro de 2016. Página

Leia mais

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para facilitar o comércio. Elas tratam das condições e responsabilidades

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12º Ano do Curso Técnicas de Secretariado 2009/2010. Formas de Pagamento no comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12º Ano do Curso Técnicas de Secretariado 2009/2010. Formas de Pagamento no comércio Internacional Formas de Pagamento no comércio Internacional Formas de Pagamento Tanto o exportador como o importador devem evitar os riscos de natureza comercial a que estão sujeitas as transacções internacionais. Ao

Leia mais