KPMG Business Magazine 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "KPMG Business Magazine 1"

Transcrição

1 KPMG Business Magazine 1

2 2 KPMG Business Magazine

3 Nem tsunami, nem marolinha A exemplo de 2008, novamente acompanhamos pela mídia os mais variados prognósticos sobre como a crise vai atingir o Brasil. Todos nos lembramos da intensa disputa retórica entre os adeptos do tsunami e da marolinha. Esta edição da KPMG Business Magazine chega às suas mãos com uma mensagem isenta de paixões: apesar do desaquecimento, a economia do Brasil está muito melhor que as de outros países. Portanto, a questão que está posta é como aproveitar essa vantagem competitiva, que continua fazendo do nosso um mercado muito atraente. Claro que o outro lado da moeda dessa atração exercida sobre players globais é o acirramento da competição. O que nos traz às reportagens apresentadas nesta 24ª edição da BM: as organizações melhor preparadas são as que terão maiores chances de manter o crescimento. A matéria Inovação e parceria: a nova era da indústria global indica que uma boa alternativa para não perder terreno é criar uma teia de relacionamentos e trocar experiências. No varejo, que teve o crescimento alavancado pelo maior poder de compra do brasileiro, o desafio é entender esse novo consumidor. A matéria A nova classe média vai às compras mostra que também neste segmento o Brasil atrai a concorrência global. Para estar à altura dos competidores internacionais e preservar receitas sem realizar cortes indiscriminados, um caminho interessante é o de melhorar as estruturas internas. Os textos Chega de redundâncias, Compliance tributário na era digital e Visão estratégica para compras apresentam alternativas interessantes para as empresas reduzirem custos. Racionalização e governança são as palavras-chave para momentos delicados e cenários futuros ainda nebulosos. Espero que a leitura desta edição contribua com informações úteis para a tomada de decisões estratégicas em seus negócios. Um abraço, Pedro Melo Presidente KPMG Business Magazine 1

4 4 A nova era da indústria global Executivos apostam em inovação e parceria para potencializar desenvolvimento tecnológico 9 A Coreia descobriu o Brasil Poder de compra do mercado interno cativa investidores 12 Menores, mas com potencial de gigantes Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes 18 A nova classe média vai às compras Cenário é positivo para o varejo, mas ainda falta entender melhor o perfil do novo consumidor 24 Governança, risco e compliance: chega de redundâncias Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios 30 Compliance tributário na era digital Melhoria de processos reduz o risco de inconsistências de dados transmitidos ao Fisco 34 Tudo que é bom pode ser melhorado Nova conjuntura local e global impõe ajustes para afinar a sintonia com o mercado

5 40 Visão estratégica para compras Mudanças de cenário exigem reposicionamento da área de suprimentos 45 O mal das margens de lucro fixas Mudança na legislação de preços de transferência não atende expectativas Junho de 2012 Presidente da KPMG no Brasil: Pedro Melo Fone: (11) A KPMG Business Magazine é uma publicação trimestral da KPMG Auditores Independentes, sob responsabilidade da equipe de Marketing: Elizabeth Campos, Susi Donabella e Lucia Mesquita Produção/Edição Ex-Libris Comunicação Integrada Editor-responsável: Jayme Brener (MTb ) Editora-chefe: Geralda Privatti Projeto gráfico e diagramação AreaDesign WilmaTemin Tiragem: exemplares Impressão: Primepress Teatro Nacional da China em Pequim (Istockphoto/Thinkstock)

6 Inovação e parceria: a nova era da indústria global 4 KPMG Business Magazine

7 Executivos apostam na troca de experiências e na criação de uma teia de relacionamentos para potencializar desenvolvimento tecnológico Em 2010, o mundo todo estava com os olhos voltados para o Brasil. Enquanto as grandes economias europeias e os Estados Unidos cambaleavam, ainda sentindo os efeitos da crise de 2008, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro crescia notáveis 7%. O salto teve como força motriz, sobretudo, o vibrante mercado interno. O desemprego chegou aos menores níveis históricos, combinado com um aumento significativo da massa salarial e uma série de estímulos ao consumo e à tomada de crédito. O resultado foi excepcional para o varejo e o setor de serviços. A indústria apresentou números extraordinários, fechando o ano com um satisfatório crescimento de 10,1%. No ano seguinte, a história foi bem diferente. A situação de economias europeias como as da Grécia, de Portugal e da Espanha tornou-se cada vez mais frágil. O temor de um colapso fiscal na zona do euro contaminou os mercados e freou o crescimento brasileiro. O país encerrou 2011 com um avanço de 2,7% no PIB, prejudicado, essencialmente, pelo fraco desempenho do setor industrial. Setor ganha força para iniciar caminhada rumo à recuperação As taxas de juros elevadas e o real ainda valorizado em relação ao dólar impactaram ainda mais a atividade industrial, que teve seu pior resultado nos últimos anos, crescendo apenas 1,6%. No fim do ano, quando a temperatura entre os representantes da indústria já estava elevada, palavras como competitividade e inovação marcaram presença em dez de cada dez discursos feitos pela presidente Dilma Rousseff. A luta em favor da indústria nacional entrou na lista de urgências da equipe econômica de tal forma que se chegou a falar em uma investida protecionista por parte do governo. A indústria brasileira, entretanto, não foi a única a sentir o baque quando a economia mundial perdeu ritmo de crescimento. Uma pesquisa feita pela KPMG International, em parceria com a Unidade de Inteligência da revista britânica The Economist, mostra que, para 241 executivos de grandes indústrias no mundo todo, a atividade econômica global ainda não voltou à velha forma. O setor continua ganhando força para iniciar sua caminhada rumo à recuperação. KPMG Business Magazine 5

8 Embora os empresários estejam otimistas, segundo a pesquisa, eles estão certos de que a retomada do crescimento não será uma tarefa simples, a começar pela própria maneira de pensar a produção. Na visão dos participantes do estudo, se as empresas quiserem competir por maiores margens em seus negócios, elas terão que procurar novas formas de trabalhar, formando parcerias que as ajudarão a agregar valor aos serviços básicos oferecidos. Desperdício zero Embora o trauma da desaceleração econômica mundial tenha sido considerável, o estudo da KPMG mostra que os líderes de grandes indústrias estão aproveitando o período para fazer profundas avaliações que vão resultar em mudanças. Os empresários reconhecem que ainda falta muito para que a atividade industrial retome seus melhores dias, mas estão otimistas sobre as perspectivas de curto prazo para seus negócios. Eles estão se aproveitando do ambiente de lento crescimento para tornarem suas empresas mais enxutas e eficientes. A crise mostrou aos executivos a importância de trabalhar com uma mentalidade de desperdício zero, pois assim terão uma vantagem competitiva quando se der a recuperação econômica, explica Charles Krieck, sócio-líder da KPMG no Brasil nas áreas de Industrial Markets e Audit. O estudo mostra que 57% dos entrevistados acreditam que sua estrutura de custos terá de ser reestruturada nos próximos 12 a 24 Intenção de colaboração com grupos externos Muito mais colaboração Mais colaboração Mesmo nível de colaboração Menos colaboração Muito menos colaboração Competidores* 3% 21% 56% 8% 3% Empresas parceiras 5% 45% 41% 5% 2% Clientes 13% 48% 31% 7% 1% Fornecedores 12% 48% 32% 5% 1% Provedores de tecnologia 7% 39% 46% 5% 1% Instituições acadêmicas 4% 35% 46% 8% 2% Governo/setor público 7% 34% 46% 5% 2% Outros 4% 24% 52% 8% 0% Fonte: KPMG e Economist Intelligence Unit *Colaboração para redução de custos ou aproveitamento de habilidades complementares 6 KPMG Business Magazine

9 Empresas priorizam a racionalização e aprendem a gastar menos meses. A racionalização da produção também é prioridade: 54% dos executivos afirmam que extinguir linhas de produtos não lucrativas ou locais de produção que resultam em custos muito elevados será uma prioridade nos dois próximos anos. Mas as empresas não estão apenas aprendendo a gastar menos. Seus líderes também mostram preocupação em inovar. Desde a revolução industrial do século XIX, períodos de grande depressão da economia são seguidos por surtos de inovação. Segundo a pesquisa da KPMG, a visão dos executivos é de que, dada a fragilidade atual da economia mundial, está para acontecer um grande boom de inovação, impulsionado pelo avanço da tecnologia. Do total de entrevistados, 72% acreditam que esta nova onda de inovação nos processos de produção já está começando e vai ganhar força nos próximos dois anos. Cerca de 70% dos participantes acreditam em uma fase de grande inovação incremental, ou seja, a expansão ou melhoria de produtos e serviços já existentes. Outros 59% mostram também um grande apetite por inovação radical, ou seja, criação e KPMG Business Magazine 7

10 desenvolvimento de novos produtos e serviços. E para 54% dos líderes de grandes indústrias, pesquisa e desenvolvimento serão essenciais para o avanço nos processos de produção. Cooperação é a chave Individualismo não gera bom negócio Outra constatação relevante da pesquisa é que, para os grandes produtores, a colaboração tem se tornado cada vez mais importante, no que diz respeito ao avanço da inovação. A maioria dos entrevistados (60%) respondeu que planeja grandes parcerias nos próximos dois anos. A percepção das maiores indústrias é de que a troca de experiências e as parcerias serão cada vez mais importantes para as organizações que quiserem emergir da crise com sucesso. A criação de uma teia de relacionamentos e contatos será a chave para potencializar a onda de desenvolvimento tecnológico que os empreendedores acreditam estar começando, analisa o sócio da KPMG. Embora ideias como inovação e integração dos processos já estivessem presentes na economia global, é indiscutível que elas ganharam força nos últimos anos. Governos e lideranças empresariais vêm notando a fragilidade de alguns sistemas que, até então, eram vistos como absolutamente sólidos. O individualismo na hora de fazer negócios se tornou mais perigoso. A pesquisa mostra que, na visão de grandes corporações industriais, não poderia haver momento mais propício para se falar em inovação, quebra de paradigmas, diferenciação de produtos e serviços e desenvolvimento tecnológico. Mas, acima de tudo, nunca foi tão importante considerar o avanço fundamentado na colaboração. A crise na zona do euro tem posto à prova a capacidade de governos e empresas se organizarem, buscando a cooperação mútua e o interesse comum. Os empresários parecem entender que, sem essa visão, a tarefa de superar as incertezas dessa fase tempestuosa da economia mundial é praticamente impossível. 8 KPMG Business Magazine

11 A Coreia descobriu o Brasil KPMG Business Magazine 9

12 Investidores sul-coreanos apostam no poder de compra do mercado interno brasileiro Idioma, choque cultural e a complexidade dos sistemas tributário e regulatório brasileiros. Essas são apenas algumas das dificuldades enfrentadas pelas empresas estrangeiras que queiram se instalar no Brasil. E o cenário se torna ainda mais complicado quando a companhia vem de um ambiente completamente diferente, como é o caso das corporações originárias da Ásia. Empresas optam por produzir aqui e exportar para a América Latina Mesmo assim, a realidade demonstra que os desafios, quando enfrentados da maneira correta, são amplamente compensados pelo excelente momento econômico brasileiro. O potencial do mercado interno estimula os investidores, com destaque para os sul-coreanos. Apenas em 2011, os investimentos realizados por empresas da Coreia do Sul no país somaram cerca de US$ 3,8 bilhões, segundo dados do The Export-Import Bank of Korea. Jeewon Shin, sul-coreana de nascimento e executiva líder do Korea Desk, grupo criado pela KPMG no Brasil com expertise na cultura empresarial da Coreia do Sul, avalia que esse movimento tende a continuar. Já há muitas empresas coreanas instaladas no Brasil e a tendência é de intensificação do movimento de aporte de capitais de organizações daquele país em território brasileiro, diz. O país abriga 189 companhias sul-coreanas, desde as gigantes do setor eletroeletrônico até as montadoras, sendo que 33 delas se instalaram apenas no ano passado. Segundo Shin, as cidades de Piracicaba, Campinas e Americana, no interior de São Paulo, e Manaus e Rio de Janeiro são as preferidas para esses novos investimentos. E já começam a chegar as grandes empresas das áreas de autopeças e complementos para o setor automotivo e gigantes que atuam na área de infraestrutura. Segundo a líder do Korea Desk, algumas fábricas devem entrar em operação em outubro. 10 KPMG Business Magazine

13 Com o desenvolvimento econômico do Brasil, as boas oportunidades no setor de infraestrutura e as condições do mercado brasileiro, as empresas coreanas voltaram seus investimentos para cá, mas com uma mudança de foco: sair da área de importação e exportação para se estabelecer em território brasileiro, produzir aqui e exportar para a América Latina, afirma Shin, lembrando ainda da expansão do próprio mercado consumidor brasileiro, considerado um dos maiores do mundo e que tende a seguir crescendo nos próximos anos. Desafios A líder do Korea Desk da KPMG lembra que os desafios enfrentados por essas companhias são muito complexos. A carga tributária e o modelo regulatório são terrenos considerados áridos para os investidores estrangeiros, em especial aqueles que, como os sulcoreanos, compartilham de tradições, idiomas e cultura das relações de trabalho tão diferentes dos brasileiros. Setores de autopeças e infraestrutura atraem os novos players A legislação trabalhista, por exemplo, é um grande desafio, talvez o maior de todos, porque no Brasil as regras são muito diferentes das praticadas na Coreia, diz Shin, que também viveu muitos anos nos Estados Unidos. Para ela, as relações trabalhistas praticadas no país não se assemelham em nada às adotadas na maioria dos países. A líder do Korea Desk da KPMG avalia que essas dificuldades tendem a ser superadas gradativamente. A maioria dos trabalhadores das empresas coreanas instaladas aqui é formada por profissionais brasileiros e muitos já estão em cargos de chefia, o que não acontecia há alguns anos. A base era de brasileiros, mas o comando ficava nas mãos dos coreanos. Isso está mudando. O que é muito bom, diz. KPMG Business Magazine 11

14 Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine

15 Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica das últimas décadas. Os primeiros sinais de que a bolha imobiliária nos Estados Unidos traria mais do que alguns problemas financeiros ainda não apontavam com precisão para as consequências da crise quando alguns importantes bancos começaram a dar sinal de fraqueza. Depois que instituições como o Lehman Brothers e o Bear Sterns quebraram, o mundo contemplou os desdobramentos de um evento cujos reflexos ainda hoje podem ser sentidos, tanto pelos norte-americanos quanto pelos europeus. Na sequência, outros gigantes tiveram sua fragilidade exposta. Montadoras, como General Motors e Ford e seguradoras, como a AIG, prenderam o fôlego por um momento, aguardando em suspense a turbulência econômica perder força. 35% da renda do mid-market das Américas provém de mercados estrangeiros Se o cataclismo financeiro desafiou a máxima até então incontestável too big to fail principalmente no caso dos bancos, também abriu espaço para uma nova etapa no processo de desenvolvimento de empresas. Ao mesmo tempo em que a forma de pensar dos grandes executivos era posta em xeque, o avanço tecnológico e a integração global cada vez maior pavimentaram o caminho dos empreendedores. Empresas de médio porte pertencentes ao segmento conhecido como mid-market, também denominado mercado empreendedor começaram a ganhar força e relevância em um cenário no qual o consumo interno passou a ser privilegiado, sobretudo nos mercados emergentes. Anos depois do choque inicial, essas empresas parecem ter atingido uma nova fase. Já experientes em lidar com os mercados nacionais, as companhias de médio porte buscam um passo mais longo. Segundo a pesquisa Global Rewards Within Reach Survey of Mid- Market, Multinational Companies in the Americas, essas empresas estão se saindo bem na caminhada para realizar negócios em escala global. O estudo, que consultou executivos do mercado empreendedor nas Américas, abrangendo Estados Unidos, México, Canadá e Brasil, verificou que elas extraem 35% das suas receitas dos mercados estrangeiros. De acordo com o estudo, 84% dessas empresas atingem mercados fora de seu país de origem por meio de vendedores ou distribuidores; 67% optam por parcerias ou joint ventures; 60% terceirizam serviços; 59% têm fábricas, escritórios ou outras instalações em solo estrangeiro; e 33% KPMG Business Magazine 13

16 comercializam franquias. Empresários dos Estados Unidos e do Canadá foram os que afirmaram ter maior atividade internacional. Já os brasileiros e mexicanos estão buscando ampliar sua presença global de maneiras indiretas. No Brasil, o recente crescimento econômico combinado ao aumento dos investimentos estrangeiros no país estimulou o segmento do mercado empreendedor. Com o espaço aberto às empresas menores, a competição se tornou mais intensa, forçando as companhias, muitas delas familiares, a buscar expansão para outras regiões além da sua cidade ou estado e, até mesmo, do país. Brasileiras têm grande potencial de evolução, mas precisam adotar postura proativa Sidney Ito, sócio-líder da KPMG no Brasil e na América do Sul na área de Risk Consulting e um dos responsáveis pela elaboração da pesquisa regional, analisa que é notório o grande potencial de evolução das empresas brasileiras do mercado empreendedor, principalmente diante do avanço percebido nos últimos anos nesse segmento. Entretanto, a internacionalização dos negócios das empresas brasileiras tem se dado mais de maneira reativa em resposta à demanda ou às necessidades apresentadas por clientes e consumidores estrangeiros do que em função de uma busca organizada por novos mercados. Reverter essa postura, no curto prazo, para uma atitude mais proativa representará grande evolução para nossas empresas, diz Ito. Ele observa que grande parte das companhias brasileiras tende a estabelecer sua presença no exterior por intermédio de representantes, como fornecedores e distribuidores. Para ele, essa abordagem é privilegiada por conta da menor complexidade na hora de intermediar os negócios fora do Brasil. A escolha também é mais barata, já que representa investimentos menos vultosos do que, por exemplo, ter instalações próprias no exterior. Mas o que é notável é a baixa adoção pelos brasileiros de serviços terceirizados para administrar funções e processos em outros países, destaca. A pesquisa mostra que apenas 29% das empresas nacionais indicaram utilizar tal solução, o menor percentual entre os países pesquisados, enquanto 74% das companhias norte-americanas se valem desse tipo de serviço no exterior, por exemplo. Raízes em solo nacional Em países como Estados Unidos e Canadá, é possível notar nas empresas do mercado empreendedor que o aumento da sua participação nos mercados internacionais passa, necessariamente, por uma redistribuição da força de trabalho. A pesquisa da KPMG mostra que, entre as empresas canadenses, quase um quarto dos executivos afirmaram ter pelo menos metade de seus 14 KPMG Business Magazine

17 Empresas nacionais preferem trabalhar com representantes no exterior, sem instalações próprias empregados trabalhando fora do país. A proporção é semelhante nos Estados Unidos. Em ambos os países, os controladores de companhias afirmam que essa estratégia é essencial para entender os mercados estrangeiros, sua cultura e suas necessidades. No Brasil, a situação se inverte. Funcionários das empresas do mercado empreendedor têm suas raízes fincadas em solo nacional. As empresas brasileiras neste segmento concentram 93% de sua força de trabalho dentro do próprio país. Esse dado reflete a opção majoritária por ter representantes no exterior e não pela presença com instalações próprias, o que reduz a necessidade de pessoal fora do território nacional, explica Ito. Onde estão os empregados das empresas do mercado empreendedor EUA Canadá Américas Brasil México 36% 34% 25% 7% 4% 64% 66% 75% 93% 96% Percentual de empregados no mercado doméstico Percentual de empregados em outros países Ele destaca, no entanto, que um número crescente de empreendedores começa a investir na contratação de profissionais locais em outros países, para estar mais perto das necessidades e conhecer melhor as características desses clientes e consumidores. Boa parte das empresas que mantêm pelo menos 7% de seus funcionários fora do Brasil já percebe esse diferencial como uma vantagem competitiva para alavancar seus negócios, afirma. A pesquisa mostra, ainda, que Estados Unidos e Canadá lideram a lista com mais empresas que pretendem aumentar a quantidade de funcionários trabalhando no exterior nos próximos anos. Pelo menos 70% dos empresários norte-americanos querem ampliar a força de trabalho em outros países, enquanto no Canadá essa proporção é de 54%. No Brasil e no México o percentual é bem menor: 29% e 26%, respectivamente. Mirando alto Nos últimos anos, o Brasil assistiu ao crescimento significativo de seu mercado interno, com a inclusão de milhões de pessoas à parcela da KPMG Business Magazine 15

18 Expectativas quanto à alocação de empregados nos próximos cinco anos Américas EUA Canadá Brasil México 53% Aumento 40% Inalterada 7% Redução 72% Aumento 20% Inalterada 8% Redução 54% Aumento 32% Inalterada 13% Redução 29% Aumento 71% Inalterada 1% Redução 26% Aumento 71% Inalterada 3% Redução população que tem potencial para consumir. Muitas empresas pegaram carona nesse movimento e expandiram notavelmente seus negócios. Agora, entretanto, a pesquisa da KPMG mostra que os empreendedores querem novas e maiores oportunidades. Entre os empresários brasileiros, 71% afirmam ter planos de expandir as companhias para além das fronteiras nacionais nos próximos anos. E a parcela dos que pretendem cortar funcionários no exterior está entre as menores, chegando a 1%. Nos Estados Unidos e no Canadá, onde a visão de expansão das empresas do mercado empreendedor já está consolidada, o percentual de entrevistados que pretende expandir as contratações no exterior é menor, chegando a pouco mais de 50%. Entre os alvos de expansão dos negócios pelas empresas brasileiras do mercado empreendedor, os Estados Unidos são citados por 49% dos brasileiros entrevistados como o principal destino. Outros países nos quais os brasileiros estão de olho são Argentina (41%), Chile (41%), Como o mercado empreendedor planeja evoluir globalmente nos próximos cinco anos Américas EUA Canadá (20%) (11%) (12%) 50% 58% 61% Brasil (1%) 71% México (1%) 50% Expandir Reduzir Respostas manter o mesmo nível não estão no gráfico 16 KPMG Business Magazine

19 países europeus (37%) e os demais da América do Sul (45%). Notamos que o natural espírito empreendedor dos brasileiros tem se somado a uma sensibilidade mais atenta em relação às oportunidades oferecidas pela atual economia globalizada, afirma o sócio-líder da KPMG. Sensibilidade parece ser mesmo a palavra-chave para a nova etapa que a economia do Brasil vive. Apesar das consequências da crise de 2008 e da atual turbulência na Europa terem abalado a confiança do empresariado, perceber a força do mercado interno brasileiro é essencial. Aos poucos, as empresas de médio porte recuperam o otimismo e os planos de crescer, inclusive em escala global. E à medida em que elas começam a dominar os processos tecnológicos e superar os desafios culturais, ganhar o mundo parece ser apenas uma questão de tempo. O que procuram as empresas? A literatura de negócios está recheada com casos de companhias que, na pressa por alcançar outros países, cometeram o erro de selecionar mercados em expansão tendo como critério apenas seu tamanho, sem se preocupar com a adaptação. Elas descobriram tarde demais alguns obstáculos praticamente intransponíveis para realizar suas expectativas de negócios. Os líderes das empresas do mercado empreendedor já aprenderam que fatores econômicos, políticos, geográficos e culturais interferem em suas decisões de mercado. Embora o tamanho de mercado ainda seja citado como prioridade por 34% dos entrevistados na pesquisa da KPMG, a atenção a outros detalhes que ajudam a dar uma indicação mais precisa tem crescido de forma significativa. Similaridade com outros mercado, citada por cerca de metade dos entrevistados, é uma informação crucial para os brasileiros entrevistados. Segundo o estudo da KPMG, ter fronteiras em comum faz com que as negociações bilaterais entre mercados aumentem 80%. Se a língua for comum ou semelhante, o percentual vai para 200%. Havendo uma área de livre comércio, ou bloco econômico, o aumento é de mais de 300%. Metodologia da pesquisa Em sua terceira edição, a pesquisa Global Rewards Within Reach Survey of Mid-Market, Multinational Companies in the Americas traz uma inovação, ao comparar os quatro principais mercados das Américas: EUA, Canadá, México e Brasil. Juntos, eles representam cerca de um quinto do PIB mundial. As entrevistas foram realizadas entre outubro e dezembro de 2011, com líderes seniores do mercado empreendedor, representantes de uma ampla gama de indústrias. Foram incluídas empresas com receitas de US$ 200 milhões a US$ 1 bilhão, nos Estados Unidos; de US$ 5 milhões a US$ 500 milhões, no Canadá; e de US$ 1 milhão a US$ 249 milhões no Brasil e no México. KPMG Business Magazine 17

20 A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine

21 Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro experimentou uma expansão surpreendente. Pelo menos 32 milhões de pessoas ascenderam à classe média em uma década. E, acredita-se, outras 35 milhões subirão na escala social até Não é sempre que o setor varejista se depara com um panorama tão propício. Esse cenário aponta para profundas transformações, que podem representar grandes oportunidades. Ou riscos, para as companhias que não estiverem preparadas para o acirramento da disputa por novas e maiores fatias de mercado. Tão importante quanto sair na frente é entender a transição e o perfil do novo consumidor, para atender às suas expectativas, explica Carlos Pires, sócio-líder da área de Consumer Markets da KPMG no Brasil. Outra questão relevante é o interesse de players globais. O estudo Turning global risk into opportunity: key priorities for consumer company CFOs, realizado pela KPMG International, coloca o país em terceiro lugar na lista dos mercados que apresentam maiores perspectivas de crescimento. Mercado registra tendência de sofisticação do consumo A atratividade brasileira se mantém, apesar da crise internacional. E setores como os de alimentos, bebidas, supermercados e shopping centers, além de segmentos importantes na área de serviços (como educação e saúde), vislumbram grandes perspectivas pela frente, aponta. De fato, há estimativas de que, nos próximos dez anos, o brasileiro passe a gastar pelo menos 55% mais com consumo, com fortes reflexos na cesta de produtos. Boa parcela da população ainda se enquadra no padrão de consumo básico que gasta a maior parte da renda com alimentação. Mas a tendência é de sofisticação. Os gastos com lazer e diversão, além de novas tecnologias para comunicação, devem aumentar, afirma. KPMG Business Magazine 19

22 Novos hábitos A mudança nos hábitos de consumo reflete a alteração no perfil dos consumidores brasileiros que está mais diversificado. O aumento da expectativa de vida criou um mercado para pessoas que antes não consumiam tanto. Os idosos demandam mais serviços específicos, sejam eles de saúde ou de lazer, e exigem ser bem atendidos. Multinacionais apostam na rápida recuperação da economia da região Os jovens da classe média emergente estudaram mais que os pais, têm maior acesso à informação e estão ávidos por comprar. Mas não desenvolveram familiaridade com poupança ou planejamento financeiro. Não à-toa são eles os mais endividados tanto no cartão de crédito quanto no cheque especial, as duas modalidades de crédito mais caras do país. Na avaliação de Carlos Pires, esse cenário cria um ciclo difícil de ser quebrado: o endividamento acima do recomendado leva à inadimplência, que, ao crescer, faz com que os bancos aumentem as exigências para concessão de crédito. Com isso, os juros bancários sobem e, para que recuem, seria preciso que a taxa de poupança do país aumentasse, o que não tem se registrado nos últimos anos, apesar da expansão econômica e do aumento da renda da população, avalia Carlos Pires. O nível de poupança do brasileiro em relação ao PIB é de apenas 4,5%, similar ao dos norte-americanos (4,6%), mas muito aquém dos 30% dos indianos e dos 22% dos chineses. O sócio da KPMG avalia que as taxas de juros continuam altas, apesar da queda na taxa Selic e das recentes movimentações pela redução de juros promovidas pelo Banco Central e por bancos estatais e privados. Além disso, o mercado de private equity ainda é relativamente pequeno, já que os fundos fazem negócios com recursos próprios, modelo muito diferente do adotado por países da Europa e pelos Estados Unidos. Diante disso, é preciso muita confiança e certeza de retorno para investir no Brasil, que tem sido, de certa maneira, beneficiado também pela queda de confiança dos investidores em outros países, realidade provocada pela atual crise mundial, analisa Carlos Pires. Várias multinacionais que cobiçam o mercado consumidor brasileiro já prospectam oportunidades no país, com a perspectiva de recuperação mais rápida da economia na América Latina, em geral, e no Brasil, em particular. Para elas, o recado é um só: o mercado de consumo do Brasil é rico, mas difícil. A complexidade da tributação e o tamanho da carga de impostos são os maiores desafios. O país precisa de uma reforma tributária e fiscal muito bem planejada e estruturada, diz o sócio da KPMG. Ele lembra, ainda, os problemas de logística, os altos custos do transporte e a inflação nos salários. É certo que a taxa de desemprego está baixa, mas a inflação salarial já causou um apagão de mão de obra nas cidades, conclui. 20 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped.

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped. Panorama da área fiscal e tributária A área fiscal no Brasil recebe constantemente mudanças e atualizações ligadas aos processos de fiscalização, tributação, contribuição, regulamentação entre outros.

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS EM RELAÇÃO AO SPED

PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS EM RELAÇÃO AO SPED Apresentação O Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) tem promovido grandes mudanças, as quais não se restringem à substituição do papel por informações digitais ou a questões puramente tecnológicas.

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Rumo à abertura de capital

Rumo à abertura de capital Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios 15º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais 4 de julho de 2013 Pontos de partida

Leia mais

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN O que é o GVN Parceiro: O GVN Parceiro é uma modalidade de parceria de negócios criada pelo Grupo Vila Nova para ampliar sua capilaridade de oferta e garantir que

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Otimismo desenvolvedoras de softwares

Otimismo desenvolvedoras de softwares Otimismo nas nuvens Ambiente favorável alavanca negócios das empresas desenvolvedoras de softwares, que investem em soluções criativas de mobilidade e computação em nuvem para agilizar e agregar flexibilidade

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate KPMG no Brasil Building, Construction & Real Estate FINANCIAL SERVICES kpmg.com/br Quem somos Constituída na Suíça e com sede em Amsterdã, a KPMG International Cooperative (KPMG International) é uma rede

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Principais dificuldades

Principais dificuldades Principais dificuldades A maior dificuldade apontada pelas organizações contábeis pesquisadas foi receber informações dos clientes com qualidade e prazo. Apenas 16% delas indicaram problemas com a aderência

Leia mais

Desafios e alternativas para o setor elétrico. 8 KPMG Business Magazine

Desafios e alternativas para o setor elétrico. 8 KPMG Business Magazine Desafios e alternativas para o setor elétrico 8 KPMG Business Magazine Concessionárias enfrentam o dilema de elevar receitas em um cenário de alta concorrência e redução de tarifas O consumo nacional de

Leia mais

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS EDITORIAL Bem vindos à nossa pesquisa. No Brasil desde 2000, a Michael Page foi a primeira consultoria internacional de recrutamento

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Os fundos de previdência privada, sejam fechados ou abertos, têm características próprias e vantagens tributárias em relação aos investimentos

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Sumário. (11) 3177-7700 www.systax.com.br

Sumário. (11) 3177-7700 www.systax.com.br Sumário Introdução... 3 Amostra... 4 Tamanho do cadastro de materiais... 5 NCM utilizadas... 6 Dúvidas quanto à classificação fiscal... 7 Como as empresas resolvem as dúvidas com os códigos de NCM... 8

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Estudo de Remuneração

Estudo de Remuneração 2012 2013 Estudo de Remuneração Cenário atual e perspectivas para 2013 Uma onda positiva atingiu o mercado de trabalho brasileiro até o início de 2012, que apresentou taxas de desemprego baixíssimas e

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

O papel do CFO na estratégia corporativa

O papel do CFO na estratégia corporativa O papel do CFO na estratégia corporativa Paola Sardi Madueño, Diretora de Estratégia da Monitor Deloitte Dezembro 2014 Tendências globais (1/2) Embora com pesos diferentes, existem algumas tendências globais

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

Como esta nova geração está mudando o setor de finanças. Brasil Julho de 2015

Como esta nova geração está mudando o setor de finanças. Brasil Julho de 2015 Conquistando Millennials: Como esta nova geração está mudando o setor de finanças Brasil Julho de 2015 1 Metodologia PESQUISA GLOBAL AMOSTRA GLOBAL CRITÉRIOS RESULTADOS DO BRASIL Pesquisa online de 20

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

46 KPMG Business Magazine. Corrida contra o tempo

46 KPMG Business Magazine. Corrida contra o tempo 46 KPMG Business Magazine Corrida contra o tempo Impacto das novas tecnologias no vazamento de receitas preocupa empresas de telecomunicações O desenvolvimento econômico do país e a evolução do mercado

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS

FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) abre inscrições para o curso elearning:

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

Núcleo de Inovação e Empreendedorismo. CRI Nacional. Relatório de Evento 11 de Dezembro de 2013

Núcleo de Inovação e Empreendedorismo. CRI Nacional. Relatório de Evento 11 de Dezembro de 2013 Data Núcleo de Inovação e Empreendedorismo CRI Nacional Relatório de Evento 11 de Dezembro de 2013 Encontro do CRI Nacional 11 de Dezembro de 2013 Cenários Econômicos e Impactos para a Inovação em 2014

Leia mais

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira

Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores A sua empresa sabe como se preparar para as incertezas do futuro? Conheça

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador 25 de Abril de 2014 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

Projeto Setorial de Exportação. ABF Associação Brasileira de Franchising

Projeto Setorial de Exportação. ABF Associação Brasileira de Franchising Projeto Setorial de Exportação ABF Associação Brasileira de Franchising Abril / 2013 INTRODUÇAO A ABF A Associação Brasileira de Franchising é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 1987. Hoje a ABF

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O especialista em inovação Bruno Moreira analisa as dificuldades que impedem um maior nível de colaboração por parte das empresas brasileiras

Leia mais