GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO"

Transcrição

1 CALENDARIZAÇÃO PARA NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2016 Destinados a quem gere a Segurança na Empresa ou é Interlocutor com a Prestadora externa de Serviços GESTÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO Legislação laboral - As obrigações das Empresa no dominio 1 7h da Segurança e Saúde do Trabalho Conhecer as obrigações impostas às empresas pelo Código do Trabalho e pelo Regime Júridico de Segurança e Saúde no Trabalho 12 Dez. Segurança e Higiene no Trabalho para Representante do 2 36h Empregador e Trabalhador Designado Adquirir os conhecimentos de legislação de Segurança e Higiene no Trabalho e as competências necessárias à identificação de riscos profissionais e as técnicas de prevenção que permitam ao empregador, trabalhador designado na empresa ou ao interlocutor com o prestador de serviços externos, o desenvolvimento da política de prevenção na empresa. 22,23,29,30 Nov e 4 Dez Segurança e Higiene no Trabalho para Representante dos 35h Conhecer as funções específicas a desempenhar enquanto Representantes dos da empresa, para as matérias de Segurança e Saúde no Trabalho. 4 Metodologias de Gestão do Risco/Norma (NOVO) 30h* A Organização do Trabalho e a Saúde Mental dos 5 14h 6 Segurança Contra Incêndios em Edificios, Medidas de AutoProtecção 7 Segurança de Máquinas e Equipamentos, Directiva CE 30h *16h em sala, 14h de Prática em contexto de trabalho. 14h Ser capaz de efectuar uma identificação e análise dos riscos detectados de acordo com a referida Norma. Sensibilizar as chefias para os aspectos psíquicos do trabalho e o seu impacto na saúde (mental e física) e na vida em geral dos trabalhadores. Reconhecer os factores individuais, organizacionais e sociais de risco para a saúde mental no trabalho e identificar estratégias para um maior envolvimento na construção de um ambiente de trabalho saudável. Saiba como as medidas de autoprotecção protegem o seu património, os recursos humanos, materiais e tecnológicos. Aplicar os princípios de avaliação de uma máquina ou equipamento de acordo com a legislação em vigor; de identificar e controlar os riscos associados à actividade com máquinas e equipamentos. 21 a 24 Nov e 13 Nov e 29 Nov a 20 Dez. A sua empresa vai agora iniciar a actividade de Segurança e Saúde no Trabalho? Na qualidade de interlocutor, responsável na empresa, aconselhamos a frequência dos cursos 1, 2, 8, 21e 27. Na compra do pacote terá 10% desconto no valor total. (NOVO)

2 Necessários a todos os trabalhadores PREVENÇÃO DE RISCOS GERAIS 8 Segurança no Trabalho, Prevenção de Riscos Profissionais 7h 9 Prevenção e Combate a incêndios, 1ª intervenção 7h Qual a importância da Segurança e Saúde do Trabalho. O que são riscos profisssionais. Saber identificar os que estão presentes na actividade e a adoptar comportamentos seguros. Identificar meios de protecção colectiva e individual. Conhecer aforma como um incêndio surge e progride.saber como utilizar correctamente o extintor, dar o alarme e alerta de forma efcaz.. 8 Nov. 12 Dez. 7 Nov. 16 Dez. 10 Procedimentos de Evacuação 4h 11 Riscos Psicossociais no Trabalho, o que são e como geri-los 7h Realizar a evacuação de pessoas em condições de segurança, num cenário de emergência. O que são riscos psicossociais. Conhecer os mais caracteristicos em ambiente de trabalho. Conhecer os factores pessoais, sociais e laborais desencadeantes e as estratégias de prevenção e gestão dos mesmos. 8 Nov. 17 Dez. 17 Nov.

3 Necessários a alguns trabalhadores (a seleccionar de acordo coma actividade que o trabalhador exerce) PREVENÇÃO DE RISCOS ESPECIAIS 12 Riscos Químicos, Ruído e Vibrações 21h Conhecer os factores de risco de exposição a produtos químicos, ruído e vibrações, na actividade industrial. Identificar as medidas de controlo e acções de prevenção promovidas pela empresa. 28,29,30 Nov. 180 Riscos Biológicos (em matadouros, serviços de recolha de 13 7h lixo, empresas de limpeza) No final os participantes conhecerão o que são agentes biológicos e as formas de contaminação e serão capazes de adoptar medidas de prebvenção em vigor na empresa. 9 Nov. 14 Trabalho em Espaços Confinados (NOVO) 12h Reconhecer os factores de riscos para a saúde e a integridade física, do trabalho em espaço confinado. Ser capaz de utilizar os meios de respiração autónoma se necessário. Conhecer e garantir o respeito pelas medidas de protecção. 21 e 22 Nov. 14 e 15 Dez. 110 Segurança na Operação de Máquinas (Empilhadores, 15 8h Gruas ) Identificar os riscos associados à manobra de equipamentos móveis de movimentação de cargas em condições de segurança para o próprio e para terceiros. 16 Ruído Laboral 14h 17 Trabalhos em Altura e Resgate em Situação de Emergência (NOVO) 21h Conhecer as fontes de ruído na actvidade profissional. Conhecer os prejuízos para a saúde da exposição prolongada. Conhecer as medidas de protecção a adoptar. Conhecer as técnicas para a realização de trabalhos em altura em condições de segurança e de resgate de colegas em situação de emergência. 17 e 18 Out Segurança no Trabalho Portuário 8h Identificar os riscos profissionais na actividade portuária. A prevenção de lesões músculo esqueléticas. Vibrações. Riscos na actividade por turnos. 21 Nov Segurança no Manuseamento de Matérias Perigosas - 8h Reconhecr os riscos especificos presentes na actividade de Remoção de Amianto (NOVO) remoção do amianto e as medidas de protecção a adoptar. 16 Nov. 80 CABE NESTE DOMINIO A CONCEPÇÃO DE CURSOS AJUSTADOS AOS RISCOS ESPECIFICOS DE CADA ACTIVIDADE, NA EMPRESA

4 Necessários a alguns trabalhadores (a seleccionar de acordo coma actividade que o trabalhador exerce) SAÚDE DO TRABALHO 20 Requisitos de Saúde Ocupacional a Cumprir Pelas Empresas 4h Conhecer as obrigações da emoresaa no dominio da saúde do trabalho. Que tipos e exames existem e em que condições se aplicam. O que é a Ficha de aptidão, procedimentos a adoptar. 19 Out. Primeiros Socorros, Formação Base 21 14h (inclui SBV/Acreditado pelo INEM) Adquirir conhecimentos e competências que permitam aplicar as medidas de primeiros socorros em situações de emergência que ocorram no contexto de trabalho. Contribuir para minimizar as consequências adversas na saúde dos trabalhadores vítimas de acidentes e/ou de doença súbita no local de trabalho. 12 e 13 Dez Primeiros Socorros, Formação Actualização 7h Refrescar conhecimentos e competências adquiridas no curso de formação base. Responder a situações de doença súbita ou vítimas de acidentes até à chegada de socorro especializado. 16 Nov. 12 Dez. 23 Implicações do Trabalho por Turnos, na Saúde dos 4h 24 Prevenção do Consumo de Alcool e Drogas em Meio Laboral 4h Conhecer o conceito e requisitos legais a cumprir pelo empregador e seus representantes, na organização do trabalho por turnos. Conhecer os efeitos do trabalho por turnos e nocturno, no organismo. Sensibilizar os participantes para a necessidade de implementação de estratégias de prevenção, dissuasão, controlo e combate ao consumo de álcool e drogas. Dar a conhecer o regulamento de controlo de álcool e drogas da empresa. 23 Nov. 22 Nov. Prevenção de Lesões Músculo Esqueléticas na 25 7h Movimentação Manual de Cargas Reconhecer os riscos e os comportamentos ou posturas que originam Lesões Musculo Esqueléticas. Saber como actuar preventivamente aplicando as boas práticas para a movimentação manual de cargas. 29 Nov. 14 Dez.

5 Necessário aos trabalhadores com funções na equipa de Segurança, da empresa Refª ORGANIZAÇÃO DA EMERGÊNCIA Duração Objectivos Data Realização Valor PROTECÇÃO DE PESSOAS E BENS Individual 26 Prevenção e Combate a incêndios, 2ª intervenção 14h 27 Formação de Brigadas de Segurança 8h Nota: Aos valores apresentados acresce IVA à taxa legal em vigor. Saber actuar com meios de 1ª e 2ª intervenção. Ser capaz derealizar a evacuação de pessoas de forma segura Conhecer o PEI e saber como actuar em conformidade e de forma eficaz 28 e 29 Nov. 240 WORKSHOP'S (NOVO) Duração Grupos 20 Pessoas Soluções para Viver Saudável 2h Aprenda a Fazer uma Alimentação Correcta 2h Prevenir o Tabagismo 2h Utilização e manutenção de EPI's 2h Líderes na Gestão de Segurança no Trabalho 2h SOMOS UMA EQUIPA QUE GOSTA DE DESAFIOS, DE CONCEBER CURSOS NOVOS PARA REALIDADES ESPECIFICAS. QUER UM TRABALHO À MEDIDA? TODOS OS CURSOS APRESENTADOS PODEM SER PERSONALIZADOS E REALIZADOS APENAS PARA A SUA EMPRESA. Entre em e Consulte as Condições Gerais de Funcionamento da Formação, em Regulamento de Formação, in Catálogo de Formação. INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES

PLANO DE FORMAÇÃO 2014 ECOSAÚDE, S. A.

PLANO DE FORMAÇÃO 2014 ECOSAÚDE, S. A. Segurança e Higiene no Trabalho para Representante do Empregador e Trabalhador Designado PLANO DE FORMAÇÃO 2014 ECOSAÚDE, S. A. Todos os cursos se destinam a realização para Grupos, em empresas. Condições

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Formadora - Magda Sousa MÓDULO 1 NORMATIVOS LEGAIS OBJECTIVO Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

Entidades gestoras de fluxos específicos de resíduos

Entidades gestoras de fluxos específicos de resíduos AMBIENTE, SEGURANÇA, HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO DESTINATÁRIOS Todos os colaboradores que pretendam adquirir conhecimentos na área do ambiente, segurança, higiene e segurança no trabalho. OBJETIVO

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST?

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

Catálogo de Formação

Catálogo de Formação Cérebro Centro de Formação, Lda. Sede: Av. José Afonso, nº. 92, cv Cavaquinhas, Arrentela, 2840-735 Seixal Tel./Fax: 212 225 028 Telem.: 912 583 546 info@cerebro-online.com Direcção: Engª. Manuela Partidário

Leia mais

HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO RISCOS PROFISSIONAIS (recapitular) Qualquer situação de perigo que seja associada a uma actividade profissional, podendo atingir a saúde do trabalhador. O desconhecimento

Leia mais

Formação Inicial para motorista de táxi

Formação Inicial para motorista de táxi Formação Inicial para motorista de táxi PROGRAMA Duração e calendário do curso O Curso de Formação Inicial de Motorista de Táxi ministrado pela Protaxisó é constituído pela Componente Teórica e Componente

Leia mais

IRATA. Níveis 1, 2 ou 3 5 dias formação + 1 dia de Exame (Inclui Taxas Exame + Registo IRATA)

IRATA. Níveis 1, 2 ou 3 5 dias formação + 1 dia de Exame (Inclui Taxas Exame + Registo IRATA) DIRIGIDO A Colaboradores de empresas e particulares que queiram obter/manter uma acreditação internacional para acesso e posicionamento por corda. Níveis 1, 2 ou 3 5 dias formação + 1 dia de Exame (Inclui

Leia mais

Relatório Anual da Atividade do Serviço de SHST (Anexo D do Relatório Único): Os desafios à organização da informação

Relatório Anual da Atividade do Serviço de SHST (Anexo D do Relatório Único): Os desafios à organização da informação Relatório Anual da Atividade do Serviço de SHST (Anexo D do Relatório Único): Os desafios à organização da informação Por: Fernando M. D. Oliveira Nunes Aula aberta: 28 de abril de 2014 Autor: Fernando

Leia mais

Manuseamento de Produtos Químicos

Manuseamento de Produtos Químicos SAÚDE EM PISCINAS II Encontro Manuseamento de Produtos Químicos Ana Filipa Pires FIL, Fevereiro 2005 Centro Regional de Saúde Pública de Lisboa e Vale do Tejo OBJECTIVO Manipular correctamente produtos

Leia mais

Convento de Cristo. Tomar. Obras de Conservação e Reabilitação. Locais de trabalho seguros e saudáveis. José Delgado

Convento de Cristo. Tomar. Obras de Conservação e Reabilitação. Locais de trabalho seguros e saudáveis. José Delgado Convento de Cristo Tomar Obras de Conservação e Reabilitação Locais de trabalho seguros e saudáveis ACÇÕES DO DONO DE OBRA Na fase de concepção: - Definir objectivos da empreitada; - Contratar projectistas

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D E B A R C E L O S

C Â M A R A M U N I C I P A L D E B A R C E L O S O presente regulamento visa dar cumprimento ao disposto no artigo 5.º do REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO do MUNICIPIO DE BARCELOS. Pretende-se estabelecer um conjunto de normas

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Sistemas de Responsabilidades 1 Filosofia Europeia para a SST Directiva Europeia 89/391/CEE SST: deve ser assumida nas empresas como uma obrigação de resultados(e não de meios)

Leia mais

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL O amor á profissão pode torná-lo um bom profissional, mas só um diploma pode formar um profissional completo 1. OBJECTIVOS GERAIS O curso Profissional

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA PARA INSTALADORES

REGRAS DE SEGURANÇA PARA INSTALADORES 9 REGRAS DE SEGURANÇA PARA INSTALADORES 9. REGRAS DE SEGURANÇA PARA INSTALADORES Deve ser cumprido o disposto no plano de segurança e na regulamentação em vigor. 9.1 IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS OPERAÇÕES,

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais- 10ºano

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais- 10ºano Turmas: 10ºI Professora: Susana Borges 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina

Leia mais

Miriam Marques. Curso: EFA NS TSHT Técnico de Segurança e Higiene no Trabalho. Introdução 3. O que é um EPI? 4

Miriam Marques. Curso: EFA NS TSHT Técnico de Segurança e Higiene no Trabalho. Introdução 3. O que é um EPI? 4 Formadora: Eunice Florêncio UFCD: 3782 Segurança no Trabalho - Equipamentos Introdução 3 O que é um EPI? 4 Obrigações do empregador e dos trabalhadores 4 De que riscos protegem e em que profissões se utilizam

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

José Magalhães. Fevereiro de 2013

José Magalhães. Fevereiro de 2013 SESSÃO DE ESCLARECIMENTO OBRIGAÇÕES LEGAIS NO QUADRO DA LEGISLAÇÃO LABORAL José Magalhães Fevereiro de 2013 OBRIGAÇÕES DO EMPREGADOR EM MATÉRIA DE SHST O empregador deve assegurar aos trabalhadores condições

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS Saúde e Seguranca Ocupacional Prof. Carlos William de Carvalho 1 NR-1 Disposições Gerais Determina a aplicabilidade de todas as normas regulamentadoras, assim como os direitos e

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

SERVIÇOS FLORESTAIS: TRABALHO COM SEGURANÇA PRINCIPAIS RISCOS DOS TRABALHOS FLORESTAIS. Interprev Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

SERVIÇOS FLORESTAIS: TRABALHO COM SEGURANÇA PRINCIPAIS RISCOS DOS TRABALHOS FLORESTAIS. Interprev Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SERVIÇOS FLORESTAIS: TRABALHO COM SEGURANÇA PRINCIPAIS RISCOS DOS TRABALHOS FLORESTAIS Interprev Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Cecília Leonor Guarda, 02 de Outubro de 2012 PRINCIPAIS RISCOS DOS

Leia mais

CFI CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CFI - CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CONTROLO DE SOCORRISMO NÍVEL II

CFI CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CFI - CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CONTROLO DE SOCORRISMO NÍVEL II IBERÁFRICA ANGOLA SOCORRISMO CFI - CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CONTROLO DE SOCORRISMO NÍVEL II 210 HORAS 30 DIAS FORMAÇÃO CERTIFICADA PELO INEFOP www.iberafrica.net geral@iberafrica.net 1 CURSO DE SOCORRISMO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA MOTORISTA DE TÁXI PROGRAMA Duração e calendário do curso O Curso de Formação Contínua de Motorista de Táxi ministrado pela Protaxisó é constituído pela Componente Teórica e Componente

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2014 FORMAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PARA EMPRESAS PARA PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA NO TRABALHO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2014 FORMAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PARA EMPRESAS PARA PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA NO TRABALHO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2014 FORMAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PARA EMPRESAS COM POSSIBILIDADE DE INSCRIÇÃO INDIVIDUAL PARA PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA NO TRABALHO INDICE Áreas de intervenção formativa

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Planificação Anual da Disciplina de P.A.F.D. 10º ano Ano Letivo de 2016/2017 Calendarização Domínios e Objetivos Sequências/Conteúdos

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA 1 / 5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA 1 / 5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1 /

Leia mais

ANEXO D - Relatório Anual da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

ANEXO D - Relatório Anual da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho CERTIFICADO Data e hora de entrega: 2013-04-16 16:14 Chave de certificação: 30019WVD972195I MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Autoridade para as Condições de Trabalho MINISTÉRIO DA SAÚDE Direcção Geral

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

As máquinas no dia-a-dia das empresas. Vânia Xisto

As máquinas no dia-a-dia das empresas. Vânia Xisto As máquinas no dia-a-dia das empresas Vânia Xisto Índice: - Apresentação da empresa - Enquadramento Legal - Riscos associados -Metodologia de implementação e controlo de equipamentos -Formação - Considerações

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO 1 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17

ÍNDICE CAPÍTULO 1 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 ÍNDICE ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA 1. EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO CONTRA QUEDAS EM ALTURA 23 1.1. Introdução 23 1.2. Guarda-corpos 25 1.3.

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

Entrevista n.º Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 3 Empresa: Aurélios Sobreiros Técnico Superior de Higiene e Segurança 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem

Leia mais

MPT. Ministério Público do Trabalho RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS

MPT. Ministério Público do Trabalho RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS MPT Ministério Público do Trabalho RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS JULIANA BORTONCELLO FERREIRA Procuradora do Trabalho EXEMPLOS DE FATORES OCUPACIONAIS DE RISCO

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO PROFISSIONAL CIVIL

CURSO DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO PROFISSIONAL CIVIL O BRASIL MAIS SEGURO. OBJETIVO DO CURSO Promover a formação do aluno a Bombeiro Profissional Civil, com técnicas, competências, habilidades e valores que lhes possibilitem a inserção no mercado de trabalho

Leia mais

Mod rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Construção Civil

Mod rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Construção Civil Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Construção Civil Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de um Sistema

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA - Prova teórica e prática 2016 Prova 28. 2º Ciclo do Ensino Básico 1. OBJETO DE AVALIAÇÃO A prova de Educação Física tem por referência o programa

Leia mais

Cartão Formação Positiva

Cartão Formação Positiva Profissional Catálogo Programas Objectivos dos Cursos Condições Mínimas de Acesso Nº de Formandos Duração Local Formação Positiva Responsabilidade Laboral Segurança no Trabalho Primeiros Socorros Combate

Leia mais

Segurança em Atmosferas Explosivas. Carlos Ferreira

Segurança em Atmosferas Explosivas. Carlos Ferreira Segurança em Atmosferas Explosivas Objetivo Sensibilizar para a relevância do risco de explosão em locais com zonas ATEX 2 Conteúdo 1. Introdução 2. Enquadramento legal 3. Parâmetros críticos estudo ATEX

Leia mais

PROPOSTA FORMATIVA SOLUÇÃO INTEGRADA À MEDIDA

PROPOSTA FORMATIVA SOLUÇÃO INTEGRADA À MEDIDA PROPOSTA FORMATIVA SOLUÇÃO INTEGRADA À MEDIDA ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PROPOSTA FORMATIVA A. Modelo formativo B. Proposta pedagógica C. Modelo de planeamento operacional D. Adjudicação e prazo de validade

Leia mais

S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR)

S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR) CIPATR S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR) A CIPATR tem uma grande importância na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais nas atividades

Leia mais

Cérebro Centro de Formação, Lda.

Cérebro Centro de Formação, Lda. Catálogo de Formação Cérebro Centro de Formação, Lda. Desde 1990 a apostar no Futuro com Qualidade e Formação! Sede: Av. José Afonso, nº. 92, cv Cavaquinhas, Arrentela, 2840-735 Seixal Tel./Fax: 212 225

Leia mais

ESTRUTURA DO CURSO DE CONSELHEIROS DE SEGURANÇA DO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS

ESTRUTURA DO CURSO DE CONSELHEIROS DE SEGURANÇA DO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS ESTRUTURA DO CURSO DE CONSELHEIROS DE SEGURANÇA DO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS MÓDULO 1 SEGURANÇA DO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS CAP. 1 CONSELHEIRO DE SEGRANÇA 1. Introdução objectivos

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO. 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO. 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação Código da Operação Projeto Nº.: Norte-02-0853-FEDER-000891 Designação do Projeto Projetos Individuais

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

A Intervenção da APSEI no âmbito da Segurança e Saúde no Trabalho. Ana Ferreira

A Intervenção da APSEI no âmbito da Segurança e Saúde no Trabalho. Ana Ferreira A Intervenção da APSEI no âmbito da Ana Ferreira 2 MISSÃO DA APSEI Contribuir para a valorização da atividade de segurança e para a construção de uma sociedade mais segura através da informação aos profissionais

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Aperfeiçoamento em Máquinas e Equipamentos de Tratamento e Protecção das Plantas Nº Local Duração 35 horas Data a Laboral

Leia mais

Formador: Fátima Bernardo. Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho

Formador: Fátima Bernardo. Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho 1 CONCLUINDO A SST e a defesa do trabalhador, da comunidade e do meio ambiente Na promoção da segurança e saúde no trabalho o indivíduo

Leia mais

Curso de qualificação em sensibilização para a protecção (proficiency in security awareness course) Secção VI/6-4, Quadro VI/6-1, STCW/10

Curso de qualificação em sensibilização para a protecção (proficiency in security awareness course) Secção VI/6-4, Quadro VI/6-1, STCW/10 Curso de qualificação em sensibilização para a protecção (proficiency in security awareness course) Secção VI/6-4, Quadro VI/6-1, STCW/10 1. Enquadramento O presente curso enquadra-se no definido pela

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Dec. Lei 220/2008 de 12 novembro (224/2015 de 9/10) Regime Jurídico

Leia mais

ANEXO D - Relatório Anual da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

ANEXO D - Relatório Anual da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho CERTIFICADO Data e hora de entrega: 2012-06-11 13:09 Chave de certificação: 95512JNE593754N MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Autoridade para as Condições de Trabalho Gabinete de Estratégia

Leia mais

SECRETARIA DOS PORTOS SECRETARIA DE POLÍTICAS PORTUÁRIAS

SECRETARIA DOS PORTOS SECRETARIA DE POLÍTICAS PORTUÁRIAS SECRETARIA DOS PORTOS SECRETARIA DE POLÍTICAS PORTUÁRIAS II SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO SOBRE SAÚDE E SEGURANÇA NA ÁREA PORTUÁRIA PLANO DE CONTROLE DE EMERGÊNCIA-PCE EM CONFORMIDADE COM A NORMA REGULAMENTADORA

Leia mais

851 Tecnologia de Proteção do Ambiente

851 Tecnologia de Proteção do Ambiente 851 Tecnologia de Proteção do Ambiente Educação Ambiental de Adultos Destinatários Público em geral. Requisitos de acesso 9º ano de escolaridade. Modalidade de Formação Formação Continua. Objetivo Geral

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Professor: Graduação: Valmir Gonçalves Carriço www.professorvalmir.com.br / valmir.carrico@anhanguera.com Engenheiro Industrial Mecânico UNISANTA Universidade Santa Cecília Pós Graduação: Engenheiro de

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho CURSO Gestão de Recursos Humanos ÁREA CIENTÍFICA Gestão de Pessoal CICLO 1º GRAU Licenciatura PROGRAMA DA DISCIPLINA DOCENTE(S) RESPONSÁVEL(EIS) Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Filipe Alberto Marques

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO. Curso Prático de Socorrismo Pediátrico Código da Área de Formação: 729

PROGRAMA DE FORMAÇÃO. Curso Prático de Socorrismo Pediátrico Código da Área de Formação: 729 Curso Prático de Socorrismo Pediátrico Código da Área de Formação: 729 APRESENTAÇÃO DO CURSO: CURSO PRÁTICO DE SOCORRISMO PEDIÁTRICO Difundir medidas preventivas de acidentes frequentes no grupo etário

Leia mais

DATA : Quarta-feira, 29 de Novembro de 1995 NÚMERO : 276/95 SÉRIE I-A. EMISSOR : Ministério do Emprego e da Segurança Social

DATA : Quarta-feira, 29 de Novembro de 1995 NÚMERO : 276/95 SÉRIE I-A. EMISSOR : Ministério do Emprego e da Segurança Social DATA : Quarta-feira, 29 de Novembro de 1995 NÚMERO : 276/95 SÉRIE I-A EMISSOR : Ministério do Emprego e da Segurança Social DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 324/95 SUMÁRIO : Transpõe para a ordem jurídica

Leia mais

Curso de Qualificação para Marítimos com Funções Específicas de Protecção (Proficiency for Designated Security Duties PDSD)

Curso de Qualificação para Marítimos com Funções Específicas de Protecção (Proficiency for Designated Security Duties PDSD) Curso de Qualificação para Marítimos com Funções Específicas de Protecção (Proficiency for Designated Security Duties PDSD) 1. Enquadramento O presente curso enquadra-se no definido pela Directiva nº 94/58/CE,

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

Introdução à Segurança e Saúde no Trabalho. Tópicos de Segurança e Saúde no Trabalho

Introdução à Segurança e Saúde no Trabalho. Tópicos de Segurança e Saúde no Trabalho Introdução à Segurança e Saúde no Trabalho Tópicos de Segurança e Saúde no Trabalho Trabalho - Conceito Para Adam Smith, o trabalho é considerado a causa da riqueza das nações e um meio de promover o progresso

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SEGURANÇA NO TRABALHO

FUNDAMENTOS DA SEGURANÇA NO TRABALHO FUNDAMENTOS DA SEGURANÇA NO TRABALHO 1 FUNDAMENTOS DA SEGURANÇA NO TRABALHO 1 FUNDAMENTOS DA SEGURANÇA NO TRABALHO 1 Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Artigo 3.º -

Leia mais

Avaliação Global. Empresa: TRANSGLOBAL SERVIÇOS LTDA. Responsável Técnico: Reginaldo Beserra Alves Engº Segurança no Trabalho CREA 5907-D/PB

Avaliação Global. Empresa: TRANSGLOBAL SERVIÇOS LTDA. Responsável Técnico: Reginaldo Beserra Alves Engº Segurança no Trabalho CREA 5907-D/PB Avaliação Global VIGÊNCIA: SETEMBRO DE 2015 à SETEMBRO DE 2016. Empresa: TRANSGLOBAL SERVIÇOS LTDA. Responsável Técnico: Reginaldo Beserra Alves Engº Segurança no Trabalho CREA 5907-D/PB Avaliação Global

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Centro de Convívio de Portimão Capítulo I Disposições Gerais Norma I Âmbito da Aplicação O Centro de Convívio Sénior, estrutura da Câmara Municipal de Portimão, sediada

Leia mais

NOVO REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NOVO REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NOVO REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MANUTENÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS JORGE BERNARDO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SAÚDE DE COIMBRA 13 OUTUBRO 2010 TEMAS A

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Inserir texto Morada. Nº trabalhadores. Inserir texto Código Postal. Inserir texto E-mail. Inserir texto Pessoa de contacto.

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ref #GRH090 Nº Horas: 48 h Nº de Dias: 8 dias Hora de Início:

Leia mais

Perfil Profissional das funções desempenhadas pelo Pessoal Marítimo. Descrição sumária das Tarefas:

Perfil Profissional das funções desempenhadas pelo Pessoal Marítimo. Descrição sumária das Tarefas: Perfil Profissional das funções desempenhadas pelo Pessoal Marítimo PM - 001 Mestre de Pesca Descrição sumária das Tarefas: Comandar a embarcação, superintendendo todas as secções a bordo, competindo-lhe

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS

TECNOLOGIAS APLICADAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0 Tecnologias

Leia mais

O CASO MONTEPIO (CEMG)

O CASO MONTEPIO (CEMG) 4.ª CONFERÊNCIA FACTORES HUMANOS E PRODUTIVIDADE DESAFIOS NA ENGENHARIA INDUSTRIAL SECTOR SERVIÇOS Monte da Caparica, 2007-Janeiro-12 HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO COMISSÕES DE SHST E PRODUTIVIDADE O

Leia mais

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional INFORMATIVO SENAI 5.5 TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O MUNDO SENAI PESQUISA INSTITUCIONAL S E N A I - R O. 2 01 5 MOSTRAR SEU SORRISO DE SATISFAÇÃO Sua participação é importante para o SENAI continuar

Leia mais

Socorrismo (com Suporte Básico de Vida)

Socorrismo (com Suporte Básico de Vida) Socorrismo (com Suporte Básico de Vida) DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 23h00, mais um Sábado das 10h00 às 13h00

Leia mais

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos

Leia mais

AVISO DE RECRUTAMENTO FEB

AVISO DE RECRUTAMENTO FEB AVISO DE RECRUTAMENTO FEB 12 de Dezembro de 2013 1/6 2/6 1. OBJECTIVO a. O presente concurso visa dotar o sistema de operações de proteção e socorro com o efetivo aprovado para os elementos da Força Especial

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DA VILA

CENTRO ESCOLAR DA VILA CENTRO ESCOLAR DA VILA Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Arnaldo Pereira Cheregatti Código: 215 Município: Aguaí Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

O curso de Gestão e Coordenação de Formação tem como objetivo principal planear, executar e avaliar ações de formação profissional.

O curso de Gestão e Coordenação de Formação tem como objetivo principal planear, executar e avaliar ações de formação profissional. 0. ENQUADRAMENTO Hoje em dia fala-se muito de formação, nos incentivos existentes à formação, através de por exemplo cheques-formação, mas raramente se fala sobre o que se formar e quem formar. No nosso

Leia mais

Segurança do Trabalho na Construção Civil. Enga. Civil Olivia O. da Costa

Segurança do Trabalho na Construção Civil. Enga. Civil Olivia O. da Costa Segurança do Trabalho na Construção Civil Enga. Civil Olivia O. da Costa Qual a importância da Segurança do Trabalho na Construção Civil? A construção civil é o quinto setor econômico em número de acidentes

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%) PORTUGUÊS DOMÍNIOS DE Leitura / Educação literária (25) Escrita (25) Gramática (15) Oralidade (15) 80 Assiduidade/Pontualidade (2) Comportamento / Relação com os outros (6) Organização do material (2)

Leia mais

Inventário e registo de substâncias Aplicação da Directiva SEVESO e do Regulamento REACH

Inventário e registo de substâncias Aplicação da Directiva SEVESO e do Regulamento REACH Inventário e registo de substâncias Aplicação da Directiva SEVESO e do Regulamento REACH Objectivo Esclarecer todos os colaboradores da Empresa, que participam na compra de matérias primas e produtos,

Leia mais

Referencial de Formação

Referencial de Formação Referencial de Formação Curso: Capacidade Profissional de Transportes de Mercadorias DURAÇÃO: 64 Horas presenciais DESTINATÁRIOS: Gerentes de Empresas de Transportes Rodoviários de Mercadorias OBJECTIVOS

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio : Técnico em Panificação Descrição do Perfil Profissional: O profissional será capaz de planejar, coordenar, orientar e controlar ações próprias do setor de fabricação, relacionadas aos processos financeiro-administrativos

Leia mais

840 Serviços de Transporte

840 Serviços de Transporte 840 Serviços de Transporte CAM para Formação Inicial Acelerada de Passageiros Destinatários Motoristas com mais de 23 anos nas categorias D e D+E que tiverem obtido a sua carta de condução após 9 de Setembro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Formação ENB - CITO (Certified ICET Training Organization) Método SAVER - um protocolo internacional de actuação

Formação ENB - CITO (Certified ICET Training Organization) Método SAVER - um protocolo internacional de actuação Formação ENB - CITO (Certified ICET Training Organization) A ENB tem como missão formar, simultaneamente, bombeiros e cidadãos capazes de responder eficazmente, nas vertentes técnica e humanista, aos desafios

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Edital n.º 82/2000 (2.ª série). AP. Carlos Alberto Pinto de Oliveira, presidente da Câmara Municipal da Azambuja: Torna público

Leia mais

[RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO EM PORTUGAL] COMPILAÇÃO DE DADOS BASEADA NO ESENER

[RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO EM PORTUGAL] COMPILAÇÃO DE DADOS BASEADA NO ESENER 2012 Resultados do 5.º Inquérito Europeu sobre as Condições de Trabalho União Geral de Trabalhadores [RISCOS PSICOSSOCIAIS NO TRABALHO EM PORTUGAL] COMPILAÇÃO DE DADOS BASEADA NO ESENER 2 Introdução O

Leia mais

2º Work Shop Internacional de Trabalhos em Altura engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho

2º Work Shop Internacional de Trabalhos em Altura engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho 14/03/2011 2º Work Shop Internacional de Trabalhos em Altura engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho NR.36 TRABALHOS EM ALTURA Esta norma é aplicável a qualquer trabalho realizado acima de

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D E B A R C E L O S

C Â M A R A M U N I C I P A L D E B A R C E L O S O presente regulamento visa dar cumprimento ao disposto no artigo 5.º do REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO do MUNICIPIO DE BARCELOS. Pretende-se estabelecer as prescrições mínimas

Leia mais