Oferta formativa 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oferta formativa 2013"

Transcrição

1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice-Presidência do Governo, Emprego e Competitividade Empresarial Direcção Regional do Emprego e Qualificação Profissional Oferta formativa 2013 "O segredo do sucesso não é prever o futuro. É preparar-se para um futuro que não pode ser previsto." (Michael Hammer). 1

2 Índice Nota introdutória 7 Inscrição e seleção 9 Pág. N.º Área de Formação Ação Desenvolvimento Pessoal 1 Comunicação e Comportamento Organizacional 12 2 Comunicação Interpessoal e Assertividade 14 3 Motivação e Gestão de Equipas de Trabalho 16 4 Motivação e Gestão de Equipas de Trabalho 16 5 Ética e Deontologia Profissionais 18 6 Ética e Deontologia Profissionais 18 7 Ética e Deontologia Profissionais 18 Língua Estrangeira 8 Língua Estrangeira: Iniciação/Inglês 22 9 Língua Estrangeira: Continuação/Inglês Inglês para Contatos com o Público - Escrever Cartas, Faxes e Mails Inglês para Contatos com o Público - Escrever Cartas, Faxes e Mails Inglês para Contatos com o Público - Escrever Cartas, Faxes e Mails 30 Biblioteconomia, Arquivo e Documentação 13 Arquivo - Organização e Manutenção Gestão Informatizada de Documentos Métodos e Técnicas de Tratamento Físico de Documentos Técnicas de Diagnóstico e Avaliação 37 Contabilidade e Fiscalidade 17 Orçamentação dos Serviços Públicos Sistema de Normalização Contabilística Código dos Contratos Públicos: A Execução dos Contratos Contabilidade Pública 45 2

3 Gestão e Administração 21 Inventariação e Gestão Avançada do Património Gestão Integrada de Recursos Humanos 49 Qualidade 23 Compras e Avaliação de Fornecedores Análise da Satisfação dos Clientes Melhoria da Qualidade Melhoria da Qualidade Qualidade: Instrumentos de Gestão Gestão e Motivação para a Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade - ISO Sistema de Gestão da Qualidade - ISO Sistema de Gestão da Qualidade - ISO Auditorias da Qualidade Metodologias de Implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade Implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade nas Respostas Sociais (ISO 9001:2008) 66 Direito 35 Função Pessoal Legislação Laboral Tramitação do Procedimento Concursal Código da Contratação Pública - Execução dos Contratos Contrato de Trabalho em Funções Públicas Código do Trabalho Código das Expropriações 75 Segurança e Higiene no Trabalho 40 Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho conceitos básicos Segurança e Saúde no Trabalho - identificação, avaliação e prevenção dos riscos de trabalho Importância, Objetivos e Fundamentos de Segurança e Saúde no Trabalho 82 Informática na Ótica do Utilizador 43 Aplicações Informáticas - Folha de Cálculo (Excel) Ficheiros e Bases de Dados Access 87 3

4 45 Folha de Cálculo - Funcionalidades Avançadas Folha de Cálculo - Funcionalidades Avançadas Secretariado e Recursos Eletrónicos 92 Informática para Profissionais de Informática 48 Gestão da Segurança da Informação (ISO E 27002) Tecnologia SIG: Gestão e Análise de Informação Geográfica (DIRECTIVA INSPIRE) Tecnologias e Sistemas de Informação Geográfica Open Source para a WEB Gestão de Tecnologias para Virtualização de Servidores (HIPER V) Sistema Operativo Servidor (Plataforma Proprietária) Bases de Dados (Modelo Relacional e Linguagem SQL) Gestão de Riscos em Projetos Eficiência Energética e TIC na AP 111 Bibliotecas 56 A Gestão Documental das Organizações segundo a Norma Portuguesa 4438: Principais requisitos e instrumentos Introdução Arquivística à Gestão de Documentos em Formato Digital e à Sua Preservação a Longo Prazo e a Avaliação e Preservação Digital 116 Formação em 1º Socorros 58 Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida Curso Básico de Proteção Civil Curso Básico de Proteção Civil Curso Básico de Proteção Civil Curso Básico de Proteção Civil Curso Básico de Proteção Civil 122 4

5 71 Curso Básico de Proteção Civil Curso Básico de Proteção Civil Curso Básico de Proteção Civil 122 Diploma de Especialização 74 Diploma de Especialização Jurídica na Administração Pública 126 Sessões de Trabalho 75 Código de Procedimento Administrativo Código de Procedimento Administrativo Código de Procedimento Administrativo Código de Procedimento Administrativo Código de Procedimento Administrativo Código de Procedimento Administrativo Procedimento Concursal Procedimento Concursal Procedimento Concursal Procedimento Concursal Procedimento Concursal Procedimento Concursal Regime de Contrato em Funções Públicas Regime de Contrato em Funções Públicas Regime de Contrato em Funções Públicas Regime de Contrato em Funções Públicas Regime de Contrato em Funções Públicas Regime de Contrato em Funções Públicas Regime de Vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas Regime de Vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas Regime de Vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas Regime de Vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas Regime de Vinculação, de carreiras e de remunerações dos 148 5

6 trabalhadores que exercem funções públicas 98 Regime de Vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas Código das Empreitadas Código das Empreitadas Código das Empreitadas O procedimento contraordenacional do auto de notícia, instrução e decisão / uniformização de procedimentos ao nível do processo de 160 contraordenação desde a abertura ao encerramento do processo 103 O procedimento contraordenacional do auto de notícia, instrução e decisão / uniformização de procedimentos ao nível do processo de 160 contraordenação desde a abertura ao encerramento do processo 104 O procedimento contraordenacional do auto de notícia, instrução e decisão / uniformização de procedimentos ao nível do processo de 160 contraordenação desde a abertura ao encerramento do processo 105 Lei dos Compromissos e dos pagamentos em atraso Lei dos Compromissos e dos pagamentos em atraso Lei dos Compromissos e dos pagamentos em atraso Lei dos Compromissos e dos pagamentos em atraso Lei dos Compromissos e dos pagamentos em atraso Lei dos Compromissos e dos pagamentos em atraso Lei dos Compromissos e dos pagamentos em atraso Lei dos Compromissos e dos pagamentos em atraso SIADAPRA para avaliadores - aspetos genéricos SIADAPRA para avaliadores - aspetos genéricos SIADAPRA para avaliadores - aspetos genéricos SIADAPRA para avaliadores - aspetos genéricos SIADAPRA para avaliadores - aspetos genéricos SIADAPRA para avaliadores - aspetos genéricos 167 Extra Responsabilidade Social das Organizações A Norma ISO Extra Responsabilidade Social das Organizações A Norma ISO Extra Segurança dos Sistemas de Informação Isso

7 Nota Introdutória O Centro de Formação da Administração Pública dos Açores, enquanto serviço público responsável e mediador da promoção da valorização atualizada dos recursos humanos das carreiras comuns da Administração Pública Regional, tem vindo a desenvolver uma atividade que se pretende como contributo às necessidades transversais e específicas dos seus trabalhadores. Mantendo a linha dos anos anteriores, o CEFAPA continua com um Programa Formativo que, não sendo especificamente dirigido para aqueles que possuam escolaridade e qualificação mais baixa, permite a alguns dos seus participantes fazerem uso desses módulos de conhecimento UFCDs e, através da Rede Valorizar, integra-los num processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências. Em 2013 pretende-se continuar a investir na promoção de ações que promovam a melhoria do desempenho dos trabalhadores e, paralelamente, contribuam e sejam motores da necessidade de melhoria contínua e de (re) encontro com a responsabilidade individual de cada um e de todos, no seu processo de autoformação. Nesse sentido, mantemos algumas ações em formato de Unidade de Formação de Curta Duração (UFCD) em horário laboral e pós-laboral cujos conteúdos consideramos complementares para um bom exercício profissional. As Sessões de Trabalho com a duração de 7 horas/1 dia de trabalho e o Curso de Especialização em formato à distância (eleaning), ambos iniciados em 2012, continuam presentes no Programa de 2013 como componentes formativas privilegiadas da formação. Na escolha das ações foi tido em consideração as necessidades expressas pelos serviços da administração pública regional. É de referir que a execução do plano de formação continua a contar com a colaboração das escolas profissionais da Região, aproveitando, assim, a sua larga experiência na 7

8 área. Por fim, é de aludir que, paralelamente ao Plano Regular de Formação 2012 poderão ser desenvolvidas ações de formação dirigidas a grupos de profissionais específicos e sessões de trabalho temáticas, através dos Cursos Especiais de Intervenção, CEI o que implicam uma identificação prévia da necessidade por parte dos serviços. 8

9 Inscrição e Seleção Inscrição Podem inscrever-se nas ações de formação funcionárias/os, agentes e contratadas/os da Administração Pública Regional e Local e de outros Organismos Públicos protocolados. As inscrições efetuam-se mediante o envio, pelo serviço da/o candidata/o, do Boletim de Inscrição dirigido ao Centro de Formação da Administração Pública dos Açores por correio eletrónico (documento digitalizado), por fax ou por correio e devem dar entrada até 30 dias antes da data do início da ação de formação. Endereço eletrónico: (Indicar no Assunto: Inscrição) Fax: Endereço: Rua de São João, n.º ANGRA DO HEROÍSMO. Seleção No processo de seleção serão ponderados vários fatores, nomeadamente, as/os destinatárias/os definidos para a ação de formação, as funções desempenhadas pela/o candidata/o, as ações frequentadas por esta/e e a prioridade atribuída pelo respetivo serviço. Caso deste processo resulte um número excessivo de candidatas/os, será ainda feita uma distribuição equitativa de vagas pelos diferentes departamentos. Critérios de seleção: Para além das/os destinatárias/os definidos para a ação de formação e dos requisitos definidos (escolaridade mínima de acesso e conhecimentos prévios) atribui-se a seguinte ponderação: - Prioridade atribuída pelo respetivo serviço (45%) - Funções desempenhadas (35%) - Menor número de ações frequentadas na área por esta/e (20%) Convocação e Confirmação A convocação dos candidatos será feita por escrito, em ofício dirigido aos respetivos serviços, não sendo feita qualquer comunicação às/aos não selecionadas/os. As/Os candidatas/os convocadas/os deverão confirmar a sua presença para o CEFAPA até à data prevista no ofício, sem o que a respetiva inscrição deixará de ser considerada sendo a/o candidata/o substituída/o por outra/o, em condições de participar. 9

10 UFCD, o que é? É uma Unidade de Formação de Curta Duração, ou seja, são formações modulares capitalizáveis, definidas no Catalogo Nacional de Qualificações (CNQ) e que permitem a obtenção de uma ou mais qualificação presente no CNQ. Estas unidades poderão fazer parte de percursos formativos diferenciados, flexíveis e com duração variada e a frequência com sucesso poderá permitir aceder a um processo de RVCC. 10

11 Ações de Formação 11

12 Comunicação e Comportamento Organizacional Ação n.º 1/2013 Objetivos: Programa: Desenvolver as competências pessoais no contexto relacional, com recurso ao desenvolvimento da assertividade e da inteligência emocional. Identificar a importância da motivação no desempenho profissional. Aplicar as competências pessoais mais eficazes para a prevenção e resolução de conflitos interpessoais. Comunicação - Autodiagnóstico das atitudes comunicacionais e os seus efeitos no comportamento do outro - A assertividade na comunicação eficaz - A importância do feedback na comunicação e na motivação - Desenvolver as competências sociais e pessoais através da inteligência emocional Motivação - A motivação: o conhecimento dos objetivos e dos resultados; o reforço e o desafio - Principais teorias sobre a motivação Gestão de conflitos - Os conflitos nas organizações: causas, manifestações e contextos - Os processos de negociação - A autoconsciência e o autocontrolo como domínios da inteligência emocional Destinatários: Dirigentes, Técnicos superiores, Coordenadores técnicos, Assistentes técnicos, Assistentes operacionais, Técnicos de informática. 12

13 Local: Escola Profissional do Pico Rua D. Jaime Duarte, n.º 1 Telefone: / MADALENA - PICO Duração: 25 horas Data: De 23 a 26 de setembro Horário: 1º e 2º dias, 09:00 12:30 e 14:00 17:00; 3º e 4º dias, 09:00 12:30 e 14:00 16:30 Formador (a): Isabel Catarina Cordeiro N.º máximo de participantes: 20 Catálogo Nacional de Qualificações: UFCD n.º 6233 Habilitação escolar mínima de ingresso: 9.º ano de escolaridade 13

14 Comunicação Interpessoal e Assertividade Ação n.º 2/2013 Objetivos: Programa: Distinguir e identificar os elementos básicos do processo comunicacional e identificar os fatores determinantes da comunicação eficaz na dinamização das equipas de trabalho. Identificar e desenvolver estilos de comportamento assertivo. Comportamento humano e comunicação: Os elementos básicos do processo comunicacional; Determinantes da comunicação eficaz; Estilos comunicacionais; A comunicação como objeto de dinamização de uma equipa de trabalho. Estilos de comportamento e comportamento assertivo: Estilos típicos de comportamento assertivo; Dimensões do comportamento assertivo; A componente emocional da assertividade; Desenvolvimento da assertividade jogos pedagógicos. Destinatários: Dirigentes, Técnicos superiores, Coordenadores técnicos, Assistentes técnicos, Assistentes operacionais, Técnicos de informática. Local: Escola Profissional da Santa Casa da Misericórdia de Ponta Delgada - MEP Ilha de Santa Maria, a definir Duração: 25 horas Data: De 23 a 26 de setembro Horário: 1º e 2º dias, 09:00 12:30 e 14:00 17:00; 3º e 4º dias, 09:00 12:30 e 14:00 16:30 14

15 Formador (a): Josué da Costa Gaspar N.º máximo de participantes: 20 Catálogo Nacional de Qualificações: UFCD n.º 5440 Habilitação escolar mínima de ingresso: 9.º ano de escolaridade 15

16 Motivação e Gestão de Equipas de Trabalho Ações n.º 3 e 4 Objetivos: Identificar diferentes teorias de motivação. Identificar e diferenciar diferentes estilos de liderança. Distinguir e caracterizar estilos comunicacionais. Programa: Motivação - Principais teorias da motivação - Inteligência emocional e criatividade - A motivação e as diferentes formas de organização do trabalho - A motivação e a liderança Grupos e liderança - As equipas de trabalho - Estruturação e desenvolvimento das equipas - Coordenação e complementaridade das práticas de cada equipa - O aparecimento do líder e o seu relacionamento com o grupo - Perfis de liderança Comunicação nas equipas de trabalho - Estilos comunicacionais - Comunicação como objeto de dinamização de uma equipa de trabalho - A comunicação assertiva na resolução de conflitos - Jogos Pedagógicos 16

17 Destinatários: Dirigentes, Técnicos superiores, Coordenadores técnicos, Assistentes técnicos, Assistentes operacionais, Técnicos de informática. Catálogo Nacional de Qualificações: UFCD n.º 5436 Habilitação escolar mínima de ingresso: 9.º ano de escolaridade Ação n.º 3 Local: Escola Profissional da Santa Casa da Misericórdia de Ponta Delgada - MEP Praça 5 de Outubro PONTA DELGADA Telefone: Duração: 50 horas Data: De 03 a 13 de junho Horário: 1º e 2º dias, 09:00 12:30 e 14:00 17:00; 3º ao 8º dias, 09:00 12:30 e 14:00 16:30 Formador (a): Josué da Costa Gaspar N.º máximo de participantes: 20 Ação n.º 4 Local: Escola Profissional da Praia da Vitória Morada: Rua S. Salvador, n.º PRAIA DA VITÓRIA Telefone: Duração: 50 horas Data: De 10 a 19 de setembro Horário: 1º e 2º dias, 09:00 12:30 e 14:00 17:00; 3º ao 8º dias, 09:00 12:30 e 14:00 16:30 Formador (a): Ana Maria da Câmara Toste Ávila N.º máximo de participantes: 20 17

18 Ética e Deontologia Profissionais Ações n.º 5, 6 e 7 Objetivos: Reconhecer as exigências ética associadas à sua atividade profissional. Identificar os fatores deontológicos associados à sua atividade profissional. Reconhecer as suas próprias competências e funções. Reconhecer as exigências éticas e deontológicas em relação aos seus colegas de trabalho, à própria organização e ao público externo Programa: Exigências éticas - Discrição - Consciência dos valores hierárquicos - Sentido de disciplina - Disponibilidade - Pontualidade - Assiduidade Fatores deontológicos - Capacidade de organização - Sentido de antecipação - Capacidade de realização profissional - Boa cultura geral - Facilidade de expressão oral e escrita - Criatividade - Polivalência - Facilidade nas relações interpessoais - Sigilo profissional - Vivência do sentido da solidariedade social - Sentido da obrigação da competência Exigências em relação a si próprio/a e às suas funções - Competências 18

19 - Aptidões - Responsabilidade na tomada de decisões e ações - Uso dos conhecimentos e experiências no sentido da produtividade - Objetividade (análise racional dos factos) Exigências em relação aos colegas de trabalho - Respeito pela dignidade da pessoa humana - Valorização pessoal e profissional dos colegas - Consideração por sugestões, problemas e necessidades dos outros - Exercício da liberdade com responsabilidade no trabalho Exigências em relação à organização - Participação nos objetivos da organização - Promoção do desenvolvimento da imagem da organização - Uso correto de materiais e equipamentos - Discernimento de julgamento em eventuais situações de conflito - Sigilo profissional Exigências em relação ao público externo - Respeito e confiança - Princípio da livre concorrência 19

20 - Comunicação bilateral Destinatários: Dirigentes, Técnicos superiores, Coordenadores técnicos, Assistentes técnicos, Assistentes operacionais, Técnicos de informática. Catálogo Nacional de Qualificações: UFCD n.º 0683 Habilitação escolar mínima de ingresso: 6.º ano de escolaridade Ação n.º 5/2013 Local: Escola Profissional do Sindicato de Escritório e Comércio da RAA Morada: Rua Dr. Bruno Tavares Carreiro, n.º PONTA DELGADA Telefone: Duração: 25 horas Data: De 17 a 20 de junho Horário: 1º e 2º dias, 09:00 12:30 e 14:00 17:00; 3º e 4º dias, 09:00 12:30 e 14:00 16:30 Formador (a): Maria de Fátima Canto Gomes N.º máximo de participantes: 20 Ação n.º 6/2013 Local: Escola Profissional da Praia da Vitória Morada: Rua S. Salvador, n.º 38 Telefone: PRAIA DA VITÓRIA Duração: 25 horas Data: De 14 a 17 de outubro Horário: 1º e 2º dias, 09:00 12:30 e 14:00 17:00; 3º e 4º dias, 09:00 12:30 e 14:00 16:30 20

21 Formador (a): Ana Maria da Câmara Toste Ávila N.º máximo de participantes: Ação n.º 7/2013 Local: Escola Profissional da Horta Morada: Rua Dr. Neves, Palacete de Sant Ana Telefone: HORTA Duração: 25 horas Data: De 25 a 28 de junho Horário: 1º e 2º dias, 09:00 12:30 e 14:00 17:00; 3º e 4º dias, 09:00 12:30 e 14:00 16:30 Formador (a): Ana Rita Domingues Braga Henriques N.º máximo de participantes: 20 21

22 Língua Estrangeira: Iniciação/Inglês Ação n.º 8/2013 Objetivos: Programa: A presente elencagem de competências tem como referência a ocorrência da Língua em contexto de realização, não se referindo a aspetos específicos do funcionamento da Língua. Trata-se de um nível de iniciação, pelo que se destina a adultos que não tenham quaisquer noções estruturadas de uma língua estrangeira. Competências de interpretação: Ouvir/Ver Compreensão de textos simples, breves e claros relacionados com aspetos da vida quotidiana e/ou com as áreas de interesse dos adultos; Compreensão das ideias gerais de um texto em língua corrente sobre aspetos relativos aos tempos livres, bem como a temas atuais e assuntos do interesse pessoal e/ou profissional dos adultos, quando o discurso é claro, pausado e adequado ao seu nível linguístico; Compreensão do conteúdo informativo simples de material audiovisual (entrevista conversa telefónica, conversa informal entre pares, outros). Ler Compreensão de textos curtos e simples sobre assuntos do quotidiano, variando o grau de complexidade dos textos de acordo com as competências evidenciadas pelos adultos; Deteção de informação previsível concreta em textos simples de uso comum (conversa telefónica, entrevista, outros); Compreensão de textos simples em língua corrente sobre assuntos do quotidiano e 22

23 relacionados com as áreas de formação e/ou atividade profissional dos adultos; Perceção de acontecimentos relatados, assim como sentimentos e desejos expressos; Comunicação em situações do quotidiano implicando troca de informação simples e direta sobre assuntos e atividades correntes, variando o grau de complexidade dos textos de acordo com as competências evidenciadas pelos adultos; Participação em conversações curtas, com recurso a vocabulário circunscrito, sem necessidade de sustentar, aprofundar ou prolongar os diálogos. Participação, com preparação prévia, em conversas simples sobre assuntos de interesse pessoal ou geral da atualidade. Competências de produção: Falar/Escrever Uso de frases simples e curtas para falar da família, dos outros e do seu percurso pessoal, variando o grau de complexidade dos textos de acordo com as competências evidenciadas pelos adultos; Produção, simples e breve mas articulada, de enunciados para narrar, descrever, expor informações e pontos de vista; Comunicação em situações do quotidiano que exigem apenas troca de informação simples e direta sobre assunto e atividades correntes; Participação em conversações curtas, com recurso a vocabulário circunscrito, sem necessidade de sustentar, aprofundar ou 23

24 prolongar os diálogos; Participação, com preparação prévia, em conversas simples sobre assuntos de interesse pessoal ou geral da atualidade Escrita de textos curtos e simples relacionados com aspetos da vida quotidiana; Escrita de textos simples e estruturados sobre assuntos conhecidos e do seu interesse; Intervir tendo em conta que os percursos individuais são afetados pela posse de diversos recursos, incluindo competências ao nível da cultura, da língua e da comunicação; Agir em contextos profissionais, com recurso aos saberes em cultura, língua e comunicação; Formular opiniões críticas mobilizando saberes vários e competências culturais, linguísticas e comunicacionais; Identificar os principais fatores que influenciam a mudança social, reconhecendo nessa mudança o papel da cultura, da língua e da comunicação. Destinatários: Dirigentes, Técnicos superiores, Coordenadores técnicos, Assistentes técnicos, Assistentes operacionais, Técnicos de informática. Local: Universidade dos Açores Rua da Mãe de Deus Telefone: PONTA DELGADA Duração: 50 horas Data: De 11 de junho a 3 de julho Horário pós-laboral: 11 de junho a 2 de julho, 19:00 às 22:00 3 de julho, 19:00 às 21:00 24

25 Formador (a): John Silva N.º máximo de participantes: 16 Catálogo Nacional de Qualificações: CLC_LEI_1 Habilitação escolar mínima de ingresso: 9.º ano de escolaridade 25

26 Língua Estrangeira: Continuação/Inglês Ação n.º 9/2013 Objetivos: Programa: A presente elencagem de competências tem como referência a ocorrência da Língua em contexto de realização, não se referindo a aspetos específicos do funcionamento da Língua. Trata-se de um nível de iniciação, pelo que se destina a adultos que não tenham quaisquer noções estruturadas de uma língua estrangeira. Competências de interpretação: Ouvir/Ver Compreensão de discursos fluidos e capacidade de seguir linhas de argumentação dentro dos tópicos abordados nos domínios de referência, integrando a sua experiência e mobilizando conhecimentos adquiridos em outros módulos de formação; Compreensão de noticiários e programas de atualidade sobre assuntos correntes, em suportes variados; Compreensão de informações sobre tópicos do quotidiano e relacionados com o trabalho; Identificação de aspetos gerais e específicos de mensagens orais. Ler Compreensão de diversos tipos de texto, dentro dos tópicos abordados nos domínios de referência, recorrendo, de forma adequada, à informação visual disponível, integrando a sua experiência e mobilizando conhecimentos adquiridos em outros módulos de formação; Compreensão de textos extensos, de carater literário e não literário; Compreensão de informações técnicas, como 26

27 livros de instruções e folhetos informativos, entre outros, de equipamentos usados no dia a dia; Leitura de textos de forma autónoma, apropriando-se do texto lido através da utilização de pausas, inflexões e velocidades diferentes, de forma a criar expressividade na leitura; Leitura e interpretação de textos longos de forma a reunir e cruzar informações de fontes diversas; Leitura e interpretação de textos literários de autores de mérito e impacto reconhecidos; Compreensão de instruções escritas completas. Competências de produção: Falar Interação eficaz em língua estrangeira, participando ativamente em discussões dentro dos tópicos abordados nos domínios de referência, defendendo pontos de vista e opiniões, integrando a sua experiência e mobilizando conhecimentos adquiridos em outras situações de aprendizagem formal, informal e não formal; Mobilização de recursos linguísticos de forma a relacionar informação proveniente de fontes e áreas diversificadas; Resumo e sínteses de informação de modo lógico e coerente; Exposição oral de raciocínios, opiniões, ideias de forma estruturada e sustentada com argumentação adequada; Construção de respostas estruturadas e coerentes recorrendo a mecanismos de encadeamento de conversação. 27

28 Escrever Elaboração de textos claros e variados, de modo estruturado, atendendo à sua função e destinatário, dentro dos tópicos abordados nos domínios de referência, integrando a sua experiência e mobilizando conhecimentos adquiridos em outros módulos de formação; Mobilização de recursos linguísticos de forma a relacionar informação proveniente de fontes e áreas diversificadas; Resumo e sínteses de informação de modo lógico e coerente; Registo de notas como forma de regulação do quotidiano; Produção de textos de carater autobiográfico: cartas, memórias; diários; Produção de textos de carater transacional; Descrição de experiências, sentimentos e acontecimentos do contexto, profissional ou institucional; Produção de textos de reflexão crítica e argumentativa sobre assuntos de carater abstrato, relacionados com as suas vivências, o seu ideário e, sempre que possível, cruzando com as temáticas dos diversos módulos de formação. Destinatários: Dirigentes, Técnicos superiores, Coordenadores técnicos, Assistentes técnicos, Assistentes operacionais, Técnicos de informática. Local: Universidade dos Açores Rua da Mãe de Deus Telefone: PONTA DELGADA 28

29 Duração: 50 horas Data: De 16 de setembro a 08 de outubro Horário pós-laboral: 16 de setembro a 7 de outubro, 19:00 às 22:00 8 de outubro, 19:00 às 21:00 Formador (a): a definir N.º máximo de participantes: 16 Catálogo Nacional de Qualificações: CLC_LEC_1 Habilitação escolar mínima de ingresso: 9.º ano de escolaridade 29

30 Inglês para Contatos com o Público escrever cartas, faxes e mails Ações n.º 10, 11 e 12 Objetivos: Programa: Adquirir a linguagem própria de cada situação de modo a permitir o desempenho das funções em inglês, mais corretamente e com maior segurança. Os princípios de uma escrita eficaz Breve revisão das estruturas gramaticais para uma escrita eficaz Prática na produção de cartas, faxes e mails para situações reais de trabalho. Destinatários: Dirigentes, Técnicos superiores, Coordenadores técnicos, Assistentes técnicos, Assistentes operacionais, Técnicos de informática. Ação n.º 10/2013 Local: Universidade dos Açores Rua da Mãe de Deus Telefone: PONTA DELGADA Duração: 12 horas Data: De 14 a 18 de outubro, horário pós-laboral Horário pós laboral: 1º e 2º dias, 19:00 às 22:00; 3º ao 5º dias, 19:00 às 21:00 Data: De 21 a 22 de outubro, horário laboral Horário laboral: 1º e 2º dias, das 9:30 às 12:30 e das 14:00 às 17:00 Formador (a): John Silva N.º máximo de participantes: 16 Ação n.º 11/

31 Local: Escola Profissional da Praia da Vitória Morada: Rua S. Salvador, n.º PRAIA DA VITÓRIA Telefone: Duração: 12 horas Data: De 28 a 29 de outubro Horário: 1º e 2º dias, das 9:30 às 12:30 e das 14:00 às 17:00 Formador (a): a definir N.º máximo de participantes: 16 Ação n.º 12/2013 Local: Escola Profissional da Horta Morada: Rua Dr. Neves, Palacete de Sant Ana Telefone: HORTA Duração: 12 horas Data: De 30 de setembro a 4 de outubro, em horário pós-laboral Horário pós laboral: 1º e 2º dias, 19:00 às 22:00; 3º ao 5º dias, 19:00 às 21:00 Data: De 30 de setembro a 1 de outubro, em horário laboral Horário laboral: 1º e 2º dias, das 9:30 às 12:30 e das 14:00 às 17:00 Formador (a): a definir N.º máximo de participantes: 16 31

32 Arquivo: Organização e Manutenção Ação n.º 13/2013 Objetivos: Programa: Identificar e aplicar as regras de funcionamento do arquivo, de acordo com as técnicas de tratamento de informação documental. Arquivo conceitos fundamentais: Conceito, funções e caraterísticas do arquivo; Tipologia da documentação interna e externa (processos, registos, coleções e dossiês temáticos); As unidades arquivísticas: constituição, ordenação e tipos; Transferência/Incorporação de documentos. Arquivo como sistema de informação: Operações com arquivos (recolha, separação, receção, registo, análise, tratamento, registo/descrição, despacho/difusão, expedição e arquivo); Técnicas e métodos de arquivo; Sistemas de classificação dos documentos/codificação; Formas de recuperação e controlo dos registos; Atualização do arquivo; Prazos de conservação de documentos (utilidade, legalidade e historicidade); Equipamentos de arquivo; Plano de arquivo. Novas tecnologias em arquivo: Sistemas magnéticos, óticos e micrográficos; Utilidade da micro-informática na gestão da documentação. 32

OFERTA FORMATIVA. "O segredo do sucesso não é. (Michael Hammer)

OFERTA FORMATIVA. O segredo do sucesso não é. (Michael Hammer) REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice-Presidência do Governo, Emprego e Competitividade Empresarial Direção Regional do Emprego e Qualificação Profissional OFERTA FORMATIVA 2015 "O segredo do sucesso não é prever

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014. www.navegantescf.pt

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014. www.navegantescf.pt CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014 FORMAÇÃO Início Fim Duração Horário Inscrição Contabilidade e Fiscalidade 01-10-2014 29-10-2014 21h P.L/S 100 Sensibilização e Orientação para o Cliente 02-10-2014

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2010. 30 Horas

PLANO DE FORMAÇÃO 2010. 30 Horas Entidade a/protocolo Cuidados Paliativos: Noções Gerais E.S.E.Torres Novas Enfº Rogério Paulo Palácio 30 Horas Lar Fernando Eiró Gomes Conhecer os princípios fundamentais dos cuidados paliativos; Compreender

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO DE T.I.C. 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign.

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign. Design www.craveirodesign.com COMPETIR Formação e Serviços, S.A. www.competiracores.com CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO Quem Somos A Competir-Açores está integrada no Grupo COMPETIR e estamos

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

Anabela de Sousa Fontoura. Rua da Banda Marcial de Gueifães, 350 1º esq. 4470-024 Maia

Anabela de Sousa Fontoura. Rua da Banda Marcial de Gueifães, 350 1º esq. 4470-024 Maia Curriculum Vitae Informação pessoal Nome Morada(s) Anabela de Sousa Fontoura Rua da Banda Marcial de Gueifães, 350 1º esq. 4470-024 Maia Correio(s) electrónico(s) anabela.fontoura@sapo.pt Telemóvel: 91

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

CET. Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial

CET. Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial CET Cursos de Especialização Tecnológica Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL Claustro central do edifício sede do Ministério das Finanças Foto de Luís Grancho, SGMF ANEO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL O Plano de Frequência de ações de formação 2013, adiante incluído, integra o Plano de

Leia mais

344 Contabilidade e Fiscalidade

344 Contabilidade e Fiscalidade 344 Contabilidade e Fiscalidade A Inspeção Tributária nas Empresas Empresários, Diretores, Técnicos Oficiais de Contas. Não existentes. Formação Continua. Destinatários Requisitos de acesso Modalidade

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E LEGISLAÇÃO (10º Ano Turma O)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E LEGISLAÇÃO (10º Ano Turma O) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E LEGISLAÇÃO (10º Ano Turma O) PLANIFICAÇÃO ANUAL Directora do Curso Maria Teresa Pereira

Leia mais

GESTÃO E CAPACITAÇÃO MÓDULO NO 3º SETOR FORMAÇÃO ESPECIALIZADA NA ÁREA FORMADOR/DATA SOCIAL CENTRO DE FORMAÇÃO. a nossa missão é a sua formação

GESTÃO E CAPACITAÇÃO MÓDULO NO 3º SETOR FORMAÇÃO ESPECIALIZADA NA ÁREA FORMADOR/DATA SOCIAL CENTRO DE FORMAÇÃO. a nossa missão é a sua formação GESTÃO E CAPACITAÇÃO AÇÃO ORGANIZACIONAL MÓDULO NO 3º SETOR FORMAÇÃO ESPECIALIZADA NA ÁREA FORMADOR/DATA SOCIAL a nossa missão é a sua formação CENTRO DE FORMAÇÃO COIMBRA BISSAYA BARRETO 17-06-2015 DURAÇÃO

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016 Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REPÚBLICA PORTUGUESA UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA Educação Formação de Jovens - Tipo 7 Jovens até aos 22 anos*, com o 12 ano de escolaridade. Formação UFCD Início Fim Duração Horário Sócios sócios Não Programador

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015 TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 204 / 205 SUBDOMÍNIO CC8.. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional do Agrupamento de Escolas N.º 2 de Beja. Enquadramento

Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional do Agrupamento de Escolas N.º 2 de Beja. Enquadramento Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional do Agrupamento de Escolas N.º 2 de Beja Legislação de referência: 1. Despacho n.º 13147/2014 de 29 de outubro 2. Despacho N.º 1709-A/2014 de 3 de fevereiro

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa

Leia mais

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Componente Técnica, Tecnológica e Prática Componente Científica Componente Sociocultural Morada: Rua D. Jaime Garcia Goulart, 1. 9950 361 Madalena do Pico. Telefones: 292 623661/3. Fax: 292 623666. Contribuinte:

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos Regulamento n.º 663/2010 Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º Missão e Objectivos O CEAGP tem por missão propiciar uma formação generalista, de nível

Leia mais

Cérebro Centro de Formação, Lda.

Cérebro Centro de Formação, Lda. Catálogo de Formação Cérebro Centro de Formação, Lda. Desde 1990 a apostar no Futuro com Qualidade e Formação! Sede: Av. José Afonso, nº. 92, cv Cavaquinhas, Arrentela, 2840-735 Seixal Tel./Fax: 212 225

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

RVCC ESCOLAR SECUNDÁRIO GUIA DE APOIO

RVCC ESCOLAR SECUNDÁRIO GUIA DE APOIO RVCC ESCOLAR SECUNDÁRIO GUIA DE APOIO Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Privado da escolaridade, o ser humano não abdica da sua condição de produtor de conhecimentos.

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

IV EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

IV EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGULAMENTO INTERNO Anexo IV EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGULAMENTO 2013 REGULAMENTO DOS CURSOS EFA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS 2 EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Artigo

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

TÉCNICO(A) DE APOIO À GESTÃO

TÉCNICO(A) DE APOIO À GESTÃO TÉCNICO(A) DE APOIO À GESTÃO QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD (H) Administração das Organizações 0594 25 Princípios de Fiscalidade 0601 50 Sistema de Normalização Contabilística 6214 25 Modelos de Demonstrações

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

Matriz de Competências

Matriz de Competências Adriano José Vaz Domingos Ana Cristina Pereira Borges Ana Maria Craveiro Ana Paula Monteiro António Cardoso Simões António José C. Castro Pita Carla Alexandra Ferreira Santos GRH Conhecimentos básicos

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Preâmbulo Artigo 1.º Artigo 2.º Artigo 3.º Artigo 4.º Artigo 5.º

Preâmbulo Artigo 1.º Artigo 2.º Artigo 3.º Artigo 4.º Artigo 5.º A g r u p a m e n t o Ve r t i c a l d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s 1 Preâmbulo 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos têm vindo a afirmar-se como um instrumento central das políticas

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO NOÇÕES EM GESTÃO E PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CURSO DE CAPACITAÇÃO NOÇÕES EM GESTÃO E PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS PAU DOS FERROS COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS CURSO DE CAPACITAÇÃO NOÇÕES

Leia mais

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net Título: Regula a base de dados e os dados pessoais registados objeto de tratamento informático no âmbito do Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas:

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Acrescenta Valor PLANO DE FORMAÇÃO 2015

Acrescenta Valor PLANO DE FORMAÇÃO 2015 Acrescenta Valor PLANO DE FORMAÇÃO 2015 Cursos de Actualização de Ativos Cursos de Informática Pós-Graduações Outros Curso Cursos de Atualização de Ativos Desenvolvimento Pessoal Gestão de Conflitos e

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO VAGAS PARA ESTÁGIOS SERVIÇOS INTERNOS º SEMESTRE DE 04/05 SERVIÇO VAGAS PERFIL DO ESTAGIÁRIO Serviço do Protocolo de Estado Relações Vaga I-/s/45 Tradução Internacionais, Direito e/ou SAPE-DGA Serviço

Leia mais

Áreas de formação. Administrativa Técnicas de secretariado Preparação e condução de reuniões Protocolo empresarial

Áreas de formação. Administrativa Técnicas de secretariado Preparação e condução de reuniões Protocolo empresarial Áreas de formação Desenvolvimento pessoal Liderança e gestão de equipas Motivação Gestão de conflitos Resolução de problemas e tomada de decisão Coaching organizacional Gestão de tempo e do stress Comunicação

Leia mais

Índice Geral >> Área de Management/ Comportamental...01 a 03. Área de Recursos Humanos...03 a 05. Área Formação...05 a 06

Índice Geral >> Área de Management/ Comportamental...01 a 03. Área de Recursos Humanos...03 a 05. Área Formação...05 a 06 Índice Geral >> 01 Área de Management/ Comportamental...01 a 03 02 Área de Recursos Humanos...03 a 05 03 Área Formação...05 a 06 04 Área Económico-Financeira...06 a 08 05 Área Administrativa/ Secretariado...08

Leia mais

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 AULAS PREVISTAS (50 minutos) 1.- Conhecimento e utilização adequada e segura de diferentes tipos de ferramentas de comunicação,

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO 3. CRITÉRIOS

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 Capítulo I Política e Estratégia Artigo 1.º

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 346. Secretariado e Trabalho Administrativo Itinerário de Formação 34601. Práticas Administrativas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

OFERTA IVA INTRACOMUNITÁRIO (RITI) E OPERAÇÕES COM N/RESIDENTES

OFERTA IVA INTRACOMUNITÁRIO (RITI) E OPERAÇÕES COM N/RESIDENTES FINANCEIRA IVA INTRACOMUNITÁRIO (RITI) E OPERAÇÕES COM N/RESIDENTES Colaboradores dos serviços de contabilidade implicados na contabilização do IVA que desejem melhorar os seus conhecimentos nestas matérias.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Maio de 2011 PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Esta Pós-Graduação resulta da parceria entre a APEL

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente 1. Perfil Profissional Edital de abertura de concurso Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente O/A Técnico/a Especialista em Gestão da Qualidade e do Ambiente é o/a

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização Comunicação e Colaboração Planificação da Disciplina de Planificação Semestral DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização OBJETIVOS Explorar sumariamente diferentes ferramentas e

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Cursos EFA e Formação Modular. Linhas de orientação. 27 de Outubro de 2008

Cursos EFA e Formação Modular. Linhas de orientação. 27 de Outubro de 2008 Cursos EFA e Formação Modular Linhas de orientação 27 de Outubro de 2008 1 1. Cursos EFA 2 Cursos EFA - Destinatários EFA Básico EFA Secundário >= 18 anos Diurno ou tempo integral >= 23 anos Pós-laboral

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA TESTEMUNHOS A Pós-Graduação Qualidade na Saúde permitiu-me adquirir e consolidar conhecimentos nesta área.

Leia mais

OFERTA. Diretores ou Responsáveis da Qualidade, Quadros Médios e Superiores; Responsáveis pela implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade.

OFERTA. Diretores ou Responsáveis da Qualidade, Quadros Médios e Superiores; Responsáveis pela implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade. QUALIDADE Transição para a NP ISO 9001:2015 Diretores ou Responsáveis da Qualidade, Quadros Médios e Superiores; Responsáveis pela implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade. Dar a conhecer as alterações

Leia mais

Sistemas de Gestão de Energia

Sistemas de Gestão de Energia Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas Sistemas de Gestão de Energia 25 de Janeiro de 2013 Sistemas de Gestão de Energia Agenda: Gestão de Energia, porquê? Objetivos dos Sistemas de Gestão

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2015/2016

PLANO DE FORMAÇÃO 2015/2016 PLANO DE FORMAÇÃO 2015/2016 MLCPT, UNIPESSOAL LDA Outubro de 2015 A NOSSA EMPRESA A MLCPT tem por objeto, o desenvolvimento de atividades de educação e formação profissional e não profissional para jovens

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Formação de Jovens - Aprendizagem Jovens com idade inferior a 25* anos, com o 9 ano de escolaridade ou equivalente, sem conclusão do 12 ano.

Formação de Jovens - Aprendizagem Jovens com idade inferior a 25* anos, com o 9 ano de escolaridade ou equivalente, sem conclusão do 12 ano. Formação de Jovens - Aprendizagem Jovens com idade inferior a 25* anos, com o 9 ano de escolaridade ou equivalente, sem conclusão do 12 ano. Formação UFCD Início Fim Duração Horário Rececionista de hotel

Leia mais

Os novos desafios do secretariado profissional

Os novos desafios do secretariado profissional www.pwc.pt/academy Os novos desafios do secretariado profissional Lisboa, 19 e 26 de fevereiro de 2013 Academia da PwC Um programa que mobiliza competências de eficiência pessoal e profissional apoiando

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Norma ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; Manual da Qualidade.

Norma ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; Manual da Qualidade. 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as linhas gerais pelas quais se regem os cursos de formação desenvolvidos pelo ISEP FORGLOBE, bem como descrever as atividades e o funcionamento

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS PREÂMBULO Os cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) e as formações modulares destinam-se a suprir os défices de qualificação da população,

Leia mais

www.pwc.pt/academy Gestão de cobranças PwC s Academy Técnicas e ferramentas para uma gestão eficaz das suas cobranças!

www.pwc.pt/academy Gestão de cobranças PwC s Academy Técnicas e ferramentas para uma gestão eficaz das suas cobranças! www.pwc.pt/academy Gestão de cobranças PwC s Academy Técnicas e ferramentas para uma gestão eficaz das suas cobranças! Como gerir cobranças? Destinatários prioritários Esta ação de formação é prioritária

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais