Free Space Optics (FSO): Nova Versão de Software para Enlaces Ópticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Free Space Optics (FSO): Nova Versão de Software para Enlaces Ópticos"

Transcrição

1 Free Space Optics (FSO): Nova Versão de Software para Enlaces Ópticos Este tutorial apresenta a continuação do estudo de um sistema de comunicação óptico tecnologicamente inovador, com lasers e receptores ópticos, mas substituindo a fibra óptica convencional pelo próprio ar livre como meio de transmissão de dados, voz e imagens. Esta tecnologia é conhecida como FSO (Free Space Optics) e se utiliza da luz emitida por um laser para estabelecer comunicação com um receptor óptico devidamente alinhado. A principal contribuição do trabalho é a atualização do desenvolvimento de um programa, com interface gráfica amigável para o usuário, utilizando a plataforma do aplicativo Matlab, para balanço de potência em enlaces FSO. No programa desenvolvido, parâmetros como potência do laser, sensibilidade do receptor, visibilidade, perdas de cintilação, etc., são avaliados no ambiente das principais cidades brasileiras. José Francisco Meireles Aleixo Júnior Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM, PA (2007), Mestre (2013) e Doutorando em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (Campinas, SP). Profissional com mais de 15 anos de experiência em TI, atuou no mercado de Belém PA com prestações de serviços desde 1999 com sua empresa SIGET Serviços em Informática e Telecomunicações. Atuou como técnico de manutenção de micros, impressoras, infraestrutura de redes, estações e servidores, participando de negociações em tomadas de preços e decisões em compras de equipamentos para empresas onde trabalhou como CLT e PJ. Desenvolveu atividades como instrutor de informática para diversos clientes e empresas, desenvolvendo e executando apresentações para treinamentos privados ou em feiras de tecnologia no estado do Pará. Possui sólidos conhecimentos em configurações e manutenção de micros e notebooks, impressoras, infraestrutura de Servidores Windows 2003 e 2008 R2 (Active Directory, DCs, DNS, RODC), Virtual PC e Hyper-V, em Linux com serviços de configurações do Squid, Samba, Apache, SSH, LTSP, Postfix, Iptables, Bind, entre outros, além de conhecimentos em roteadores CISCO e infraestruturas de redes físicas (metálica ou óptica) e wireless (RF ou óptica), com certificação CCNA, ITIL, e participante do Projeto Microsoft S2B Em São Paulo desenvolveu projetos vinculados ao CNPq/FAPESP ligado ao Instituto de Física, com o trabalho Gestão e Manutenção de Cluster CePOF de Computadores, além de atuante como professor de nível tecnológico e universitário. Prestador de serviços em caráter de consultoria para algumas empresas. Atualmente dedica-se ao doutorado realizando pesquisas em Comunicações Ópticas pelo DMO/FEEC/UNICAMP, e exerce atividade de docente na Faculdade Vila Matilde em São Paulo. 1

2 Categoria: Redes Ópticas Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 20 minutos Publicado em: 16/07/2012 2

3 Free Space Optics (FSO): Introdução A História da Humanidade registra que desde o início de sua existência sobre a Terra, o homem procurou formas de se comunicar, as aperfeiçoou com o passar do tempo e conforme sua própria evolução, a fim de estabelecer elos entre ele e o mundo ao seu redor e entre ele e as gerações procedentes. Como em outros trabalhos aqui publicados de minha autoria foi abordado um pouco dos conceitos e histórico do FSO, neste irei enfatizar a participação do Brasil na história das comunicações ópticas, onde tivemos o Padre Landell de Moura [5], que além de seu trabalho religioso foi um homem dedicado a pesquisa, ciência e avanços tecnológicos para sua época. Quando ainda morava em Roma, este padre brasileiro deu início aos estudos de física e eletricidade. Voltando ao Brasil, atuante como autodidata deu continuidade em seus estudos, e realizou as suas primeiras experiências públicas na cidade de São Paulo, no final do século XIX. Figura 1: Ilustração do Brasileiro Padre Landell de Moura e sua invenção No ano 1892, o nosso brasileiro, o padre Roberto Landell de Moura que nasceu na cidade de Porto Alegre RS, mostrou a todos sua contribuição tecnológica, o primeiro transmissor sem fio para transmissões de mensagens. Isso ocorreu em São Paulo. Esse equipamento utilizava o efeito fotoelétrico para a transmissão de informação usando o feixe luminoso. Em 1894, realizou a primeira transmissão pública por meio de ondas hertzianas entre o alto da Av. Paulista e o alto de Sant Anna, na cidade de São Paulo, cobrindo uma distância de oito quilômetros. Nesse evento, o padre brasileiro mostrou ao público suas três invenções: um transmissor de ondas, um telégrafo sem fios e o telefone sem fios. Essas invenções foram pioneiras no Brasil, no campo das comunicações eletrônica-fotônica, mas não foram reconhecidas oficialmente como invenções nacionais pela comunidade científica. Os esforços em pesquisas e desenvolvimentos atuais têm sido orientados para a busca, por um lado, de sistemas de maior capacidade de transmissão e, por outro lado, de sistemas com alcance sem repetidores, cada vez maiores, logo, a importância de um sistema de comunicação através da luz; com isso reduz-se o alto índice de interferência eletromagnética existente nas cidades além de oferecer alta confiabilidade na transmissão de dados. 3

4 Free Space Optics (FSO): O Sistema na Atualidade É incrível como a preferência por uso de fibra ainda é muito grande, pois além da mesma transferir informações com mais rapidez e suportar altas taxas de transmissões, têm-se com a implantação da infraestrutura um grande ganho financeiro. Estabelecer um enlace por fibra não basta apenas querer implantá-la. Para isso existem diversas articulações e parcerias até o momento desta infraestrutura estar em funcionamento. Figura 2: Transtornos causados por obras de infraestrutura para fibra óptica Para uma fibra ser passada de um ponto a outro se faz necessário liberações por parte de prefeituras, governos e grandes empresários, pois, dependendo do local serão necessária a expedição de alvarás que irão permitir as obras. O custo com a fibra exige mão de obra para escavações, uso de máquinas, licença para implantação entre outros, com isso, observa-se que não envolve apenas o custo da tecnologia e sim cálculos de investimentos para liberações, alugueis e contratações temporárias. Para o FSO, apenas é necessário o técnico ou engenheiro habilitado para instalação e a tecnologia, com isso reduz-se o tempo de instalação, custos que seriam aplicados para a infraestrutura e, no final, têm-se a mesma tecnologia aplicada na fibra. No Brasil, após contatos com algumas empresas, percebemos a existência de diversos pontos de instalação. Por questões de sigilo, não foi autorizado a divulgação dessas instalações, por sua vez, na própria internet encontra-se a notícia de que em 2011 a Intelig, em parceria com um fabricante de equipamentos de FSO, implantou alguns aparelhos na cidade do Rio de Janeiro para transmitir e coletar informações durante os jogos Militares. [1] 4

5 Figura 3: Simulação da comparação entre o link de fibra e FSO Essa divulgação na mídia alternativa demonstra que temos, em pleno funcionamento, essa tecnologia, além das coletamos a respeito de instalações em São Paulo, Salvador, Distrito Federal. Outros estados estão previstos para terem estas instalações. Com isso têm-se a prova de que é uma tecnologia totalmente viável para nossas realidades climáticas. Infelizmente, graças ao lobby comercial que RF e Fibra possuem no mercado, deparamo-nos com situações em que um contato de determinada empresa, veio a informar de que o FSO não estaria viável ao Brasil por causa da influência dos raios solares, por esse motivo deixaram de comercializar o produto. Isso se configura como grande erro sobre essa tecnologia, ou seja, a falta de conhecimentos mais sólidos para a comercialização dos equipamentos. Em algumas de nossas apresentações percebemos que a maioria da plateia fica encantada com o funcionamento desse sistema e a maioria, nunca ouviu falar. Um detalhe sobre esse relato, é que, na plateia sempre temos acadêmicos de engenharias, engenheiros, técnicos e público em geral. As atualizações desses sistemas e novos equipamentos são lançados frequentemente, ainda que a maioria seja utilizada fora do Brasil. No exterior é comum encontrar transceptores em janelas, paredes, telhados e torres para efetuar links. Visivelmente, ao se falar em convergência de redes, nota-se a perfeita implantação do FSO nas atualidades. Existe grande demanda pela implantação de serviços com voz, dados e vídeo integrados, ou seja, se pensarmos em reestruturação de toda a infraestrutura terá custos altíssimos, com isso, imagina-se pontos de instalações ópticas satisfazendo essa necessidade. 5

6 Free Space Optics (FSO): Comparação Com Outras tecnologias Abaixo uma ilustração que compara as tecnologias relacionando a distância com a taxa de transmissão. Figura 4: Ilustração de comparação entre tecnologias Tabela 1: Comparação entre tecnologias de Redes Telecom TIPO DE REDE MEIO DE TRANSMISSÃO TIPO DE MODULAÇÃO Dados Cabeados (meios guiados) - Cobre; - Fibra. - Frequência; - Fase; Dados Sem Fio RF: - Radio; - TV; - Telefonia Celular; - LMDS; - MMDS. - Amplitude. - Frequência; - Fase; - Amplitude. Dados Sem Fio Ópticas (Free Space Óptics). - Amplitude. São fatores chave para o uso da tecnologia óptica no espaço livre: Dispensa pedido de licença à Anatel; Uso de tecnologia a Diodo Laser; Led / Detector com grande capacidade de banda. Similaridades A tecnologia óptica no espaço livre possui particularidades semelhantes com outras tecnologias, algumas delas listadas abaixo: Transmite através do ar como Micro-ondas; Usa Lasers e Detectores Óticos como Fibra; Taxas de dados muito altas como Fibra; Livre de licença como Spread Spectrum; Modulado em Amplitude como Cobre. 6

7 Individualmente pode-se citar como características únicas as seguintes: Muito direcional; Deve levar em conta o clima. 7

8 Free Space Optics (FSO): Software Há tempos estamos desenvolvendo o software para cálculo do enlace óptico e principalmente do FSO, com isso surgiu o interesse em atualizá-lo e modificá-lo para cada vez ficar mais prático e acessível; a primeira versão teve início em meados de 2004 e esta última estava praticamente pronta desde o final de 2008, apenas houve uma parada no desenvolvimento devido a problemas externos. Em trabalhos publicados anteriormente no Teleco, podem acompanhar um pouco mais dessa evolução, onde nosso interesse se iniciou ainda na graduação. Nos dias atuais voltamos a melhorá-lo e dedicarmonos ao seu desenvolvimento mais completo. Este software tem como base o Matlab e sempre usando o Guide, uma ferramenta que permite criar todo o ambiente para utilização do programa, adequando botões, marcadores de seleção entre outras ferramentas que viabilizam uma manipulação dos valores a serem adicionados e análises dos gráficos gerados. Primeira Versão A versão com características simples, ainda bem experimental, sem gerar gráficos, apenas exibia resultados. Os gráficos eram gerados a partir da inserção de valores na área de execução do próprio Matlab com as telas abrindo separadamente. Figura 5: Ilustração de comparação entre tecnologias De acordo com os valores de visibilidade para cada região, fazia-se a inserção na área de execução dos comandos no Matlab usando assim o comando plot para gerar os gráficos e analisá-los. 8

9 Segunda Versão Nesta segunda versão, objetivou-se uma apresentação inicial, conforme fig. 6, onde se apresenta o nome da tecnologia e o nome traduzido do FSO, trazendo assim mais informação sobre o objetivo da criação do programa. Figura 6: Tela de apresentação da segunda versão Após essa apresentação, o usuário encontraria outra tela com diversas opções para preenchimento dos valores a serem calculados, com isso, houve a percepção de deixar mais preciso o cálculo. O uso de opções como sliders oferece a escolha de valores conforme se desliza a barra, como exemplo na opção de divergência do feixe e da visibilidade. Figura 7: Segunda tela da segunda versão Ainda nesta versão a geração de gráficos era de forma separada. Como no primeiro, este apenas fornecia os cálculos do enlace. Versão Atual Esta nova versão, conta com a persistência da escolha pelo GUIDE do MATLAB, já que esta é uma linguagem de programação com muita versatilidade e bem simples para trabalhar, além de contar com diversas funções já definidas dispensando dessa maneira a declaração de variáveis, algo comum e padrão na maioria das linguagens de programação. Os parâmetros desta versão atual continuam sendo os mesmos abordados nas anteriores, como: 9

10 Potência média na saída do transmissor: PT (dbm); Comprimento de onda do laser: (nm); Divergência do raio laser: (mrad); Sensibilidade óptica do receptor para a taxa de transmissão e taxa de bits de erros (BER) de interesse: Srx (mrad); Área de abertura da superfície do receptor: AR (m2); Perdas ópticas no receptor: PLRx (db); Perdas ópticas por desalinhamento: Pdes (db); Margem de segurança do sistema: M (db). Os benefícios agora são uma melhor visualização dos resultados com o benefício dos gráficos agregados ao programa, tudo na mesma plataforma. Além de contar com a dinâmica das ferramentas fornecidas pelo GUIDE. Telas da Versão Atual Seguindo a ideia da segunda versão, nesta têm-se a tela inicial Figura8, de apresentação. A entrada conta com a visualização para escolha de qual o cálculo o usuário irá preferir dos valores que são considerados importantes para a concretização de uma melhor disponibilidade para o enlace, verificando-se as opções dispostas logo nesta tela. Figura 8: Tela inicial do software 10

11 Através da seleção de acordo com os indicadores ao lado de cada item, têm-se a abertura de uma nova tela para cálculos das opções. Estas são: Atenuação Atmosférica; Atenuação por Cintilação; Atenuação Geométrica; Atenuação por Chuvas; Transmitância Atmosférica. A parte matemática desse software possui sua base em literaturas específicas de autores como Oliver Bouchet e de Heinz Willebrand [2, 3]. Além destes, outra fonte importante para este desenvolvimento é a tese de doutorado do pesquisador Isaac I. Kim, hoje, participante da empresa MRV Communications, San Diego CA EUA, uma das empresas fabricantes de transceptores FSO. Kim verificou problemas como degradação atmosférica, dificuldade de visada devido à influência de neblina ou presença de fumaça, perda do sinal devido à poluição, valores esses contemplados no software para obtenção de melhores respostas quanto à visibilidade. O cálculo da atenuação atmosférica é apresentado como primeira opção para escolha, assim, o usuário poderá obter o valor da perda atmosférica com inserção de valores como a distância em Km e o comprimento de onda adequado; declarados esses valores, utiliza-se a opção plotar e assim o gráfico será gerado à direita da tela conforme fig.9, visualizando assim o comportamento da atenuação atmosférica. Figura 9: Tela demonstrando a atenuação atmosférica - tela inicial do software Já na atenuação por cintilação fig.10, este campo é importante para decidir qual tipo do sistema FSO a ser utilizado. Nesta opção pode-se escolher o tipo de feixe, único ou múltiplo, que será adequado ao sistema proposto. O gráfico gerado ao lado, após ser acionado o botão plotar, mostra o comportamento dos mesmos em relação à distância e a atenuação. 11

12 Ao informar a distancia e optando pelo tipo de feixe, obtêm-se o parâmetro perda por cintilação. Para melhor interatividade com o software, todas as telas possuem os botões de limpar; este, quando acionado, zera todos os parâmetros preenchidos anteriormente; e o botão sair, que fecha a tela atual voltando para a tela inicial. Abaixo, a imagem da tela com uma simulação de exemplo. Figura 10: Tela da atenuação por cintilação Para a atenuação geométrica na fig.11 efetua o cálculo através de valores, como área da lente transmissora, da lente receptora, o cone de divergência e a distância em metros. 12

13 Figura 11: Tela da atenuação geométrica Há várias preocupações com o funcionamento do FSO, uma das maiores é com as chuvas, ainda quando se trata de regiões brasileiras, que possuem períodos bem chuvosos, intensamente, ao longo do ano, ou em outras regiões que em seu perfil climático a chuva ocorre com menos frequência. Contando com isso fez-se a introdução de cálculo da atenuação de chuvas. Este campo trabalha com previsões do sistema de acordo com as informações da cidade a ser instalado. Através da precipitação chuvosa por região, torna-se possível o cálculo da atenuação, onde, no gráfico na fig. 12, possuímos a representação por pontos vermelhos, ou seja, quanto mais próximos esses pontos mais perda teremos no sinal devido à intensidade das chuvas. Figura 12: Tela da atenuação por chuvas 13

14 Para entender melhor, a transmitância é uma porção de luz que atenua com um comprimento de onda específico, possuindo capacidade de atravessar amostras de matéria, que neste caso, do software, são as condições climáticas. [4] Esta é parte final do software fig.13, com opções para escolha do comprimento de onda e a condição de visibilidade de acordo com a região; através do software, todos os valores a serem considerados estão inseridos nas formulações dessa estrutura. Figura 13: Tela da transmitância em função da visibilidade Este software, desde o início, foi construído e modificado através do Matlab. Nosso grande interesse sempre foi desenvolvê-lo em plataforma independente, contudo, o tempo não ajudou muito apesar do interesse em desenvolver sempre algo melhor. Atualmente, essa última versão apresentada possui seu formato quase independente, ou seja, foi transformada a interface gráfica em um programa de verdade, com extensão.exe, dessa maneira ele poderá ser executado em outros computadores, mesmo sem o MATLAB. Isso se deu graças ao MATLAB Compiler, compilador existente nesse programa matemático, através do comando mcc -m quando digitado na área do prompt. Como havíamos dito, ele será quase independente, pois, será necessária a instalação do MCR (MATLAB Compiler Runtime). Contudo, a distribuição do programa criado e a ferramenta MCR podem ser de forma livre e dentro da lei, pois a empresa do MATLAB, a MathWorks permite a distribuição dessa ferramenta gratuitamente e a vantagem é a existência dela tanto para Windows como para Linux. Logo, esse programa de cálculos para enlace FSO finalmente possui uma versão própria, independente quando utilizada a ferramenta citada acima. Um pouco mais de trabalho, apenas, é ao efetuar odownload do MCR, já que o tamanho do arquivo é em torno dos 150 a 250 MB variando de acordo com versão e para qual sistema operacional será usado. 14

15 Arquitetura Metro: Considerações Finais A persistência nesse trabalho é cada vez mais melhorar o software de cálculo FSO e assim contribuir para a comunidade acadêmica em pesquisas e até mesmo na desmitificação de que este sistema não seja adequado ao Brasil, pois o mesmo possui todas as condições e tecnologia para um perfeito funcionamento em nosso país. Depois de contatos com determinadas empresas que comercializam os equipamentos e além da notícia de saber que a Intelig utilizou essa tecnologia, reforçamos a importância de que o mercado deveria abrir mais oportunidades para implantação desse sistema. Buscamos oportunidades, com esse trabalho, de encontrar parcerias para divulgar mais o Sistema FSO pelo Brasil além de contribuir com pesquisas que comprovem ainda mais essa viabilidade. São muitas as oportunidades para usar os transceptores em nossas regiões, além de contribuir para a diminuição das interferências eletromagnéticas. Referências [1] [2] Willebrand, Heinz, and Ghuman, Baksheesh S., Free-Space Optics: Enabling Optical Connectivity in Today s Network, SAMS, [3] Bouchet, Oliver; at al, Free-Space Optics:Propagation and Communication, ISTE, [4] [5] Almeida, Hamilton; Padre Landell de Moura - Um heroi sem gloria, Record,

16 Free Space Optics (FSO): Teste seu entendimento 1. O Sr. Landell de Moura, citado neste trabalho, foi: Professor de Matemática. Físico e pesquisador. Padre e estudioso autodidata. Cientista europeu. 2. Ao executar o projeto de fibras têm-se: Total legalização para execução. Rápida implantação. Custo barato e viável. Transtornos e gastos com obras. 3. Quando comparadas às tecnologias, afirma-se: Comunicação óptica no espaço livre alcança a mesma distância que a fibras. Comunicação óptica no espaço livre dispensa o pedido de licença à Anatel. Transmissão de Radio, TV, Telefonia Celular, LMDS, MMDS, utilizam apenas Modulação Fase e Amplitude. Comunicação por rádio frequência é totalmente direcional. 16

Balanço de Potência em Enlaces FSO

Balanço de Potência em Enlaces FSO Balanço de Potência em Enlaces FSO A pesquisa sobre um sistema de comunicação óptico tecnologicamente inovador, com LASER's e receptores ópticos, mas substituindo a fibra óptica convencional pelo próprio

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Enlaces Ópticos: Transmissão de Áudio Através de Feixes Gaussianos

Enlaces Ópticos: Transmissão de Áudio Através de Feixes Gaussianos Enlaces Ópticos: Transmissão de Áudio Através de Feixes Gaussianos Este tutorial apresenta resultados experimentais que validam o setup da análise experimental de um sistema de transmissão e recepção de

Leia mais

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA Caio Matheus Pereira Braga, Diego de Brito Piau, Heitor Ferreira Camargos Silva, Rafael Resende Moraes Dias, Yago Gomes Dos Santos Universidade

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

Capítulo 1. Introdução aos Sistemas de Comunicação Óptica em Espaço Livre

Capítulo 1. Introdução aos Sistemas de Comunicação Óptica em Espaço Livre 16 Capítulo 1 Introdução aos Sistemas de Comunicação Óptica em Espaço Livre 1.1. Introdução O recente interesse demonstrado pelas comunidades acadêmica e industrial internacionais nas comunicações ópticas

Leia mais

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o Wireless Redes sem fio A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica), através da

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Estudos Teórico e Experimental da Viabilidade da Tecnologia Óptica no Espaço Livre

Estudos Teórico e Experimental da Viabilidade da Tecnologia Óptica no Espaço Livre Estudos Teórico e Experimental da Viabilidade da Tecnologia Óptica no Espaço Livre Theoretical and Experimental Feasibility Studies of the Free-Space Optical Technology LUCIANO EUGÊNIO DA SILVA MOURA Programa

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI

5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI 68 5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI O software VPI foi originalmente introduzido em 1998 e era conhecido como PDA (Photonic Design Automation). O VPI atualmente agrega os

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações. Professor: Erasmus Couto de Miranda Aluno: Rgu:

Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações. Professor: Erasmus Couto de Miranda Aluno: Rgu: Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações Professor: Erasmus Couto de Miranda Aluno: Rgu: ATIVIDADE 1: REALIZAR PESQUISA A RESPEITO DO SEGUINTE

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Fibra Óptica Mas afinal de onde veio essa ideia de transmitir dados no vidro? Isso é coisa de Extraterrestre! 1 O termo Fibra

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica Anais do XIX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1980178 Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre Maria Caroline de Andrade PUC-Campinas Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias maria.ca@puccampinas.edu.br

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

3. Disponibilidade do FSO

3. Disponibilidade do FSO 3. Disponibilidade do FSO No capitulo 2 foram exibidos os diversos parâmetros que conformam o balanço de potência do FSO. Este capitulo do trabalho irá descrever a disponibilidade do enlace, oferecendo

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

QUEM SOMOS MISSÃO VISÃO

QUEM SOMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS A TOP BAHIA ASSESSORIA MUNICIPAL é uma empresa baiana que atua no mercado com profissionais capacitados, prestando um serviço de excelência, fornecendo aos nossos clientes soluções completas

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Acessando a Porta Paralela com o Delphi. Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br

Acessando a Porta Paralela com o Delphi. Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br Acessando a Porta Paralela com o Delphi Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Introdução A Porta Paralela pode ser usada de forma a permitir a interface do computador com o mundo externo para acionamento

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

REPLICACÃO DE BASE DE DADOS

REPLICACÃO DE BASE DE DADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - NPGE REPLICACÃO DE BASE DE DADOS BRUNO VIEIRA DE MENEZES ARACAJU Março, 2011 2 FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos de enlaces rádio digitais ponto a ponto.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos de enlaces rádio digitais ponto a ponto. Enlace Rádio Digital Ponto a Ponto Este tutorial apresenta os conceitos básicos de enlaces rádio digitais ponto a ponto. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado

Leia mais

Antena Dipolo Planar. Christian Pinheiro Garcias. É Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM, 2007).

Antena Dipolo Planar. Christian Pinheiro Garcias. É Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM, 2007). Antena Dipolo Planar O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Christian Pinheiro Garcias, do Edson dos Santos Souza e do Jean Almeida Cordeiro para a etapa de classificação do III Concurso

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Relatório Procedimentos de Instalação e Configuração da Base RTK

Relatório Procedimentos de Instalação e Configuração da Base RTK Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza FATEC Shunji Nishimura - Pompeia, S.P. Relatório Procedimentos de Instalação e Configuração da Base RTK Equipe AZEVEDO, F.R. COELHO JUNIOR, E.V. PADOVAN,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Os cabos são usados como meio de comunicação há mais de 150 anos. A primeira implantação em larga escala de comunicações via

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Secretaria Municipal de Educação SME Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação CTIC Núcleo de Tecnologia Municipal NTM CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Amauri Soares de Brito Mário Ângelo

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS.

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. Sandra Maria Dotto Stump sstump@mackenzie.com.br Maria Aparecida

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais A resposta da fibra a uma entrada impulsiva é um pulso gaussiano. Na qual é o desvio padrão correspondente a largura do pulso no domínio

Leia mais

Análise de Dados do Financeiro

Análise de Dados do Financeiro Análise de Dados do Financeiro Introdução Para reunir em um só local as informações de contas a pagar e receber cadastradas e/ou geradas no sistema TTransp existe a interface de análise de dados do financeiro.

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil Apresentação Líder em Soluções Samba 4 no Brasil A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará).

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará). Transmissão Digital em Banda Base: Modelagem do Canal Este tutorial apresenta a implementação da formatação de um pulso para transmissão digital em banda base que simule a resposta ao impulso de um canal

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Informativo de Segurança e Saúde

Informativo de Segurança e Saúde Introdução: A Fundação COGE está dando início às ações relativas ao planejamento do 7º SENSE - Seminário Nacional de Segurança e saúde no Setor Elétrico Brasileiro. Nesta edição estamos lançando uma pesquisa

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator

Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator Autores: Paulo César Barreto da Silva e Marcelo Luís Francisco Abbade Dezembro de 2012 Versão 1 1. Como executa-lo O EONSim foi

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Nosso seminário vai apresentar uma tecnologia de entrada de dados sem fio, ou seja, os dados de entrada vao ser transmitidos sem a necessidade de meios fisicos

Leia mais

Informativo de Segurança e Saúde

Informativo de Segurança e Saúde Informativo de Segurança e Saúde 03/2010 Introdução: O Grupo Técnico de Estudos de Espaços Confinados GTEEC, coordenado pela CPFL Energia e ligado ao Comitê de Segurança e Saúde no Trabalho - CSST da Fundação

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Prof.: Roberto Franciscatto CRIMPANDO CABOS DE REDE Crimpagem de cabos de rede Valor aproximado R$ 50,00 CRIMPANDO CABOS

Leia mais