CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA"

Transcrição

1 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Deduções da Receita Bruta: (+) Faturamento Bruto (-) IPI s/ faturamento (-) ICMS Substituição Tributária (=) Receita Bruta (-)Vendas Canceladas (as vendas canceladas de resultados anteriores deverão ser registradas em despesas de venda (despesas operacionais). (-) Descontos Incondicionais (valores de desconto explicito na nota fiscal de venda) (-) Abatimentos de Vendas (descontos concedido devido a avarias ou defeitos após a venda) (-) ICMS (-) ISS (-) COFINS (-) PIS (-) I.E (imposto de exportação) (=) Receita Líquida OBS: I.I (imposto de importação) deve ser incluído no custo das mercadorias visto que não e recuperável fiscalmente; Desconto condicionais - são descontos concedidos após a venda em virtude de antecipação de pagamento pelo cliente de duplicatas são registrados como Despesa Financeira; IPI - É imposto não-cumulativo compensando-se com o valor pago na aquisição de mercadorias, é seletivo. No caso de venda pela indústria para empresas comerciais o imposto fará parte do estoque das mercadorias na empresa comercial. O IPI não integra a Receita Bruta; ICMS - É imposto não-cumulativo, pode ser seletivo, o ICMS será calculado em cima do valor do IPI quando a venda se destine a consumidor final ou ativo fixo, quando o produto for destinado a industrialização ou comercialização o ICMS não será calculado em cima do IPI. O ICMS integra a Receita Bruta. O desconto incondicional concedido reduz a base de cálculo do ICMS, PIS e COFINS, porém segundo o STJ o IPI não terá sua base de cálculo deduzida pelo desconto incondicional. 1 IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA JURÍDICA: FATO GERADOR: O fato gerador do imposto sobre a renda é aquisição da disponibilidade econômica (regime de caixa) ou jurídica (regime de competência) da renda ou proventos de qualquer natureza (CTN art. 43). Baseando-se nos princípios da universalidade (todos que auferem renda sem distinção de sexo, profissão nacionalidade etc), generalidade (qualquer forma de renda ou provento será 1

2 tributada com base na legislação vigente), progressividade (quem ganha mais tem maiores alíquotas e quem ganha menos menores alíquotas na tributação). A expressão aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica da renda significa a obtenção de um conjunto de bens, valores e/ou títulos por uma pessoa física ou jurídica, passiveis de serem transformados ou convertidos em numerário. Para ser tributado pelo IR a disponibilidade deve ser efetivamente adquirida; não se cogita a sua incidência se houver, apenas potencialidade de adquiri-la. PERÍODO DE INCIDÊNCIA: A partir de 01/01/1997 o período de apuração do imposto de renda passou a ser o trimestre, considerando-se como tal os encerramentos nos dias 31 de março, 30 de junho, 30 de setembro e 31 de dezembro. BASE DE CÁLCULO: A base de cálculo do imposto, que deve ser determinada segundo a legislação vigente na data da ocorrência do fato gerador, é o LUCRO REAL, LUCRO PRESUMIDO ou LUCRO ARBITRADO, correspondente ao período de apuração. ALÍQUOTA: Para fatos geradores a partir de 1/01/1996, a alíquota do imposto sobre a renda das pessoas jurídicas é de 15%, a ser aplicada sobre a base de cálculo. ADICIONAL: Além do imposto cobrado à alíquota de 15%, há a incidência de um adicional de 10% sobre a parcela do lucro real, presumido ou arbitrado que exceder o valor resultante da multiplicação de R$ pelo número de meses do respectivo período de apuração. Exemplo: A empresa XPTO apresentou lucro real, no segundo trimestre, no valor de $ Imposto: x 15% = Adicional:( )x 10%= Total = = $ x 3 meses 2 - LUCRO PRESUMIDO É uma modalidade optativa de apurar o lucro, e conseqüentemente, o imposto de renda das pessoas jurídicas que, partindo dos valores globais da receita, presume o lucro a ser tributado. Considera-se lucro presumido o total resultante da soma dos seguintes valores: 2

3 resultado apurado pela aplicação dos percentuais específicos do lucro presumido sobre a receita bruta auferida nas atividades; ganhos de capital das demais receitas e resultados positivos; rendimentos líquidos em aplicações financeiras de renda fixa e variável; juros relativos a remuneração do capital próprio. Poderão optar pela tributação no lucro presumido as empresas cuja receita bruta total tenha sido inferior a R$ ,00 no ano calendário anterior, para opção a ser exercida a partir de 2003, e que não estejam obrigadas à tributação com base no Lucro Real. NECESSIDADE DE ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL: A pessoa jurídica habilitada à opção pelo regime de tributação com base no lucro presumido deverá manter escrituração contábil nos termos da legislação comercial (regime de competência). Poderá ficar dispensada da escrituração contábil a pessoa jurídica que, no decorrer do ano-calendário, manter Livro Caixa (regime de caixa) escriturado com toda a movimentação financeira. Vale ressaltar que essa dispensa de escrituração é apenas para fins da legislação do imposto de renda. Independentemente de utilizar o regime de competência ou caixa a empresa deverá escriturar o Livro de Registro de Inventário. BASE DE CÁLCULO: A receita bruta trimestral total compreende o produto da venda de bens nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado auferido nas operações de conta alheia, deduzido das vendas canceladas, descontos incondicionais, o IPI e o ICMS por substituição tributária, quando incorporados no faturamento bruto. A empresa deverá apurar, trimestralmente, o lucro presumido, aplicando sobre sua receita bruta os percentuais a seguir especificados. ATIVIDADES PERCENTUAL a) comerciais e industriais em geral, e as atividades de loteamento de terrenos, incorporação imobiliária, venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda, 8% atividades rural e da industrialização de produtos em que a matéria - prima, o produto intermediário e o material de embalagem tenham fornecidos por quem encomendou a industrialização b) prestação de serviços hospitalares e de 8% transporte de cargas 3

4 c) demais serviços de transporte 16% d) de prestação de serviços, cuja receita remunere essencialmente o exercício pessoal por parte dos sócios, de profissões 32% que dependam de habilitação legalmente regulamentada e) de intermediação de negócios (corretagem seguros, imóveis), 32% administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza f) construção por administração ou 32% empreitada unicamente de mão de obra g) de prestação de serviço em geral, 32% exceto os citados na letra b e c h) revenda para consumo de combustível derivado de petróleo, álcool etílico 1,6% carburante e gás natural As empresas exclusivamente prestadoras de serviços em geral, mencionados nas letras e até g cuja receita bruta anual seja de até R$ ,00 poderão utilizar, para a determinação da base de calculo do imposto, o percentual de 16%, porém ficará sujeita ao pagamento da diferença do imposto do trimestre anterior, quando no trimestre exceder a receita bruta de R$ ,00. ATIVIDADES DIVERSIFICADAS: Nas empresas que possuem atividades diversificadas a receita bruta deverá ser apurada por atividade, aplicando o percentual correspondente. A base de calculo será o somatório das atividades. O valor do imposto será determinado mediante à aplicação da alíquota de 15% sobre a base de calculo correspondente. A parcela do lucro presumido apurada trimestralmente, que exceder a R$60.000,00, estará sujeita à incidência do adicional de imposto de renda calculado à alíquota de 10%. DEDUÇÕES DO IMPOSTO DEVIDO: Poderá ser deduzido do imposto devido o valor do imposto retido na fonte sobre aplicações financeiras e receitas na prestação de serviços. Porém no lucro presumido não é permitido a redução de incentivos fiscais. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL: A base de cálculo da contribuição social corresponde à: 12% da receita bruta trimestral, mais ganhos em aplicações financeiras, mais os ganhos de capital e mais as demais receitas de resultado positivo que terá a aplicação da alíquota de 9% em relação à base de cálculo. 4

5 No caso de pessoas jurídicas que exercem as atividades relacionadas a seguir, a partir de 2003 a base de cálculo da contribuição social corresponde à 32% da receita bruta trimestral. factoring; prestação de serviço em geral; intermediação de negócios; administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer 1 - Com base nos dados a seguir calcule o imposto de renda e a contribuição social através do lucro presumido: Dados relativos ao quarto trimestre de 2006 (não acumulado) Receita Bruta: Revenda mercadorias... R$ De prestação de serviços em geral...r$ Total... R$ Rendimentos de aplicação financeira... R$ Juros ativos e descontos ativos...r$ Variação Monetária Ativa...R$ Ganhos de capital na venda de bens...r$ Imposto de renda retido na fonte:...r$ Lucro Presumido é uma modalidade optativa de apurar o lucro que: (A) estima o pagamento mensal do IRPJ apurando a base de cálculo em 31 de dezembro do ano-calendário ou na data de encerramento de atividades e efetua o ajuste entre os dois valores na declaração de rendimentos correspondentes. (B) estima o lucro a ser tributado a partir de valores globais da receita, dispensando a escrituração contábil, exceto a do livro registro de inventário e do livro caixa, observados determinados limites e condições. (C) considera o resultado líquido do período de apuração, sem o imposto de renda, ajustado por adições, exclusões e compensações determinadas pela legislação tributária. (D) serve de base para cálculo de benefícios fiscais de isenção ou redução do IRPJ. (E) corresponde ao produto da diferença com perdas de ativos ou com constituição de obrigações cujo fato gerador contábil já tenha ocorrido, não podendo ser medidas com exatidão, tendo, portanto, caráter estimativo. 3 - Admita que uma empresa comercial, não obrigada à tributação pelo lucro real, optou pela tributação do imposto de renda com base no lucro presumido. Nesta condição, para efeitos exclusivos da legislação do imposto de renda, ela estará obrigada a manter a escrituração no livro-caixa e no(s) livro(s) (A) diário. (B) razão. (C) diário e razão. (D) registro de inventário. (E) diário, razão e registro de inventário. 5

6 3 LUCRO ARBITRADO: O imposto, devido trimestralmente, no decorrer do ano-calendário, será determinado com base nos critérios do lucro arbitrado, quando ocorre as seguintes situações: I - o contribuinte, obrigado à tributação com base no lucro real, não mantiver escrituração na forma das leis comerciais e fiscais, ou deixar de elaborar as demonstrações financeiras exigidas pela legislação fiscal; II - a escrituração a que estiver obrigado o contribuinte revelar evidentes indícios de fraudes ou contiver vícios, erros ou deficiências que a tornem imprestável para: a) identificar a efetiva movimentação financeira, inclusive bancária; ou b) determinar o lucro real; III - o contribuinte deixar de apresentar à autoridade tributária os livros e documentos da escrituração comercial e fiscal, ou o Livro Caixa; IV - o contribuinte optar indevidamente pela tributação com base no lucro presumido; V - o comissário ou representante da pessoa jurídica estrangeira deixar de escriturar e apurar o lucro da sua atividade separadamente do lucro do comitente residente ou domiciliado no exterior; VI - o contribuinte não mantiver, em boa ordem e segundo as normas contábeis recomendadas, Livro Razão ou fichas utilizados para resumir e totalizar, por conta ou subconta, os lançamentos efetuados no Diário. A base de cálculo a ser arbitrada será determinada com base nos percentuais definidos em lei e sobre essa base de cálculo será aplicado o percentual de 15% mais o adicional, quando couber e 9% em relação a contribuição social sobre o lucro. OBS: O lucro arbitrado somente será utilizado pelo contribuinte e aceito pela Receita Federal em caso fortuito da escrituração imprestável. Exemplo houve incêndio nos registros contábeis e a empresa precisa pagar o imposto de renda pois houve fato gerador. 4 - LUCRO REAL Segundo o art. 247 do RIR/99 o lucro Real é o resultado (lucro contábil ou prejuízo contábil) do período de apuração (antes de computar a provisão para imposto de renda), ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas e autorizadas pela legislação do imposto de renda. 6

7 Segundo o art. 248 do RIR/99 o lucro líquido do período de apuração é a soma algébrica do lucro operacional, dos resultados não operacionais, e das participações, e deverá ser determinado com observância dos preceitos da lei comercial. Quadro simplificado: Lucro ou prejuízo contábil $ (+) Adições (-) Exclusões (50.000) (=) Lucro antes compensação (-) Compensações (30.000) (=) Lucro Real/Prejuízo Real $ OBS: Prejuízo fiscal do exercício anterior = Adições (temporárias e permanentes ou definitivas): são ajustes obrigatórios que têm por finalidade aumentar a base de cálculo do imposto e representam: os custos, despesas, encargos, perdas, provisões, participações e quaisquer outros valores deduzidos na apuração do lucro líquido que, de acordo com a legislação tributária não sejam dedutíveis na determinação do lucro Real; os resultados, rendimentos, receitas e quaisquer outros valores não incluídos na apuração do lucro líquido que, de acordo com a legislação tributária, devem ser computadas na determinação do lucro Real. Sendo assim, Adições são despesas contabilizadas, mas não aceitas pelo Fisco e receitas não contabilizadas, mas exigidas imediatamente pelo Fisco. Exclusões: são ajustes facultativos que tem por finalidade diminuir a base de cálculo do imposto e representam: os valores cuja dedução seja autorizada pela legislação tributária e que não tenham sido computados na apuração do lucro líquido do período de apuração (depreciação acelerada incentivada, etc.); os resultados, rendimentos, receitas e quaisquer outros valores incluídos na apuração do lucro líquido que, de acordo com a legislação tributária, não sejam computados no lucro Real. Sendo assim, Exclusões são receitas contabilizadas, mas não exigidas pelo Fisco e despesas não contabilizadas, mas aceitas pelo Fisco. Compensações: tem for finalidade diminuir a base de cálculo do imposto e representam: os prejuízos fiscais (também chamados de reais ou tributários). Adições e Exclusões Temporárias e Permanentes: 7

8 Uma despesa que não é aceita agora, nem será num período futuro, é considerada uma adição permanente. Como por exemplo, não são aceitas como dedução as despesas com brindes, sendo que esta será adicionada ao lucro contábil, por não configurar despesa necessária (na opinião da legislação) para a manutenção da atividade produtiva. Já uma despesa que não é aceita pelo Fisco num período, por não preencher determinado requisito, o qual será preenchido em períodos seguintes, é considerada como adição temporária. Esta despesa será dedutível nos próximos períodos, não sendo agora por determinação da legislação. Por exemplo, a provisão para perdas em um processo fiscal é uma despesa não aceita pelo Fisco. Porém, quando o processo for encerrado a despesa se tornará dedutível, portanto aceita pelo fisco. Com a receita, o entendimento é o mesmo. Como por exemplo, os dividendos recebidos de empresas controladas e coligadas não representam base para a tributação sobre o lucro, pelo fato de este resultado já ter sofrido tributação na empresa de origem. Sendo assim, esta receita que integra o lucro contábil, porém não compõe o lucro fiscal, deverá ser excluída, sendo considerada uma exclusão permanente, pois não é tributada agora nem no futuro (receita equivalência patrimonial). Já uma despesa que o Fisco aceita como dedutível para fins de apuração do tributo antes de seu reconhecimento contábil, representará uma redução antecipada do imposto de renda devido, gerando com isso um ajuste extracontábil no LALUR, reduzindo o lucro tributável. Quando ocorrer o registro na contabilidade, esta despesa não será aceita pelo Fisco, uma vez que já foi considerada dedutível no período anterior, tornando-se assim uma exclusão temporária. (depreciação acelerada incentivada). 4.1 PESSOAS JURÍDICAS OBRIGADAS AO LUCRO REAL: Estão obrigadas à tributação com base no Lucro Real, a partir de , as pessoas jurídicas: cuja receita total, no ano-calendário anterior, seja superior ao limite de R$ ,00, ou proporcional ao número de meses do período, quando inferior a doze meses; cujas atividades sejam de bancos comerciais, de investimento, de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedade de crédito, financiamento e investimento, sociedade de crédito imobiliário, sociedades corretoras de títulos, valores mobiliários e câmbio, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização e entidades de previdência de seguros privados e de capitalização e entidades de previdência privada aberta; que tiverem lucros, rendimentos e ganhos de capital oriundos do exterior; 8

9 que, autorizadas pela legislação tributária, usufruam de benefícios fiscais relativos à isenção ou redução de imposto; que, no decorrer do ano-calendário, tenham efetuado pagamento mensal por estimativa ou tenham reduzido ou suspendido o pagamento mensal por estimativa, mediante levantamento de balanço ou balancete específico para este fim; que explorem as atividades de prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção de riscos, administração de contas a pagar e a receber, compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou prestação de serviços (factoring). As pessoas jurídicas que não se enquadrarem nas hipóteses acima poderão optar, por ocasião do pagamento do imposto correspondente ao primeiro trimestre do ano calendário em vigor, pela tributação com base no Lucro Presumido. Quando da tributação pelo Lucro Real a pessoa jurídica deve proceder toda à escrituração comercial (Diário, Razão, Inventário, etc.) obedecendo ao princípio da competência. O Lucro Real a ser tributado à alíquota de 15% mais acréscimo de adicional de 10% do lucro real que exceder a R$20.000,00 no mês, deve ser apurado extracontabilmente no LALUR - livro de apuração do Lucro Real, que é composto de 2 (duas) partes: Parte A, destinado aos lançamentos de ajuste: adições, exclusões e compensações. Parte B, destinada, exclusivamente, ao controle dos valores que não constem da escrituração comercial, mas que devem influenciar a determinação do Lucro real de períodos de apuração futuros (controle das adições e exclusões temporárias, do prejuízo fiscal, do excesso dos incentivos fiscais a compensar no futuro). Estão obrigadas à escrituração do LALUR todas as pessoas jurídicas contribuintes do Imposto de Renda com base no lucro Real. Segundo o art. 262 do RIR/99 no LALUR, a pessoa jurídica deverá: I - lançar os ajustes do lucro líquido do período de apuração; II - transcrever a demonstração do lucro real; III - manter os registros de controle de prejuízos fiscais a compensar em períodos de apuração subseqüentes, do lucro inflacionário a realizar, da depreciação acelerada incentivada, da exaustão mineral, com base na receita bruta, bem como dos demais valores que devam influenciar a determinação do lucro real de períodos de apuração futuros e não constem da escrituração comercial; 9

10 IV - manter os registros de controle dos valores excedentes a serem utilizados no cálculo das deduções nos períodos de apuração subseqüentes, dos dispêndios com programa de alimentação ao trabalhador, vale-transporte e outros. OBS: Segundo o art. 274 do RIR/99 o Balanço Patrimonial, a Demonstração de Resultado do Período de apuração e a Demonstração dos lucros e prejuízos acumulados deverão ser transcritas no Livro Diário ou no Livro de Apuração do Lucro Real (LALUR). 5 PROVISÕES: Provisão - Refere-se a despesas com perdas de ativos ou com a constituição de obrigações que, embora já tenham seu fato gerador contábil ocorrido, não podem ser medidas com exatidão e têm, portanto, caráter estimativo. O Art. 13, da Lei 9.249/95, determina que para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da contribuição social sobre o lucro líquido, são vedadas as seguintes deduções, independentemente do disposto no art. 47 da Lei nº 4.506, de 30 de novembro de 1964: I - de qualquer provisão, exceto as constituídas para o pagamento de férias de empregados e de décimo-terceiro salário, a de que trata o art. 43 da Lei nº 8.981, de 20 de janeiro de 1995, com as alterações da Lei nº 9.065, de 20 de junho de 1995, e as provisões técnicas das companhias de seguro e de capitalização, bem como das entidades de previdência privada, cuja constituição é exigida pela legislação especial a elas aplicável. Provisões Dedutíveis: A partir de somente são dedutíveis para apuração do Lucro Real as: Provisões de Férias; Provisão para Décimo Terceiro Salário; Provisões técnicas de companhias de seguros e capitalização. Para fatos geradores ocorridos a partir de 01/01/2002, são dedutíveis as Provisões Técnicas das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde. Poderão ainda constituir Provisão para perda de Estoques (dedutível do IRPJ e da CSSL) as empresas que exerçam as atividades de: Editor (reprodução de livros), Distribuidor (compra e venda de livros por atacado) e Livreiro (representante comercial de venda de livros). Esta provisão poderá ser constituída até 1/3 do valor do estoque existente. Provisões Indedutíveis: As provisões a seguir devem ser adicionadas ao Lucro Real quando da sua constituição e caso haja reversão das mesmas devem ser excluídas do LALUR pois não são tributáveis quando da sua reversão. Provisão para Gratificação a Administradores; Provisão para Riscos Fiscais; Provisão para Contingência; 10

11 Provisão para Resgate de Partes Beneficiárias; Provisão para Ajuste de Bens ao valor de mercado; Provisão para Perdas Prováveis na Alienação de investimentos; Provisão para Licença-Prêmio; Provisão para Gratificação de Empregados; Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa. 6 - DESPESAS INDEDUTÍVEIS e DEDUTÍVEIS A seguir serão apresentadas algumas das principais adições permanentes e temporárias referentes a apuração do Lucro Real: Segundo a legislação fiscal uma despesa dedutível é aquela necessária a manutenção da atividade da empresa. DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS DE DESPESAS Não representam documentos hábeis para comprovar despesas realizadas por pessoas jurídicas na apuração do lucro real: Nota fiscal simplificada, cupons de máquina, exceto os emitidos por equipamento emissor de cupom fiscal ECF que conste no mínimo a data e valor da operação, descrição dos bens ou serviços e a inscrição no CNPJ da pessoa jurídica compradora. As pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real podem comprovar despesas através de documentação hábil e idônea como por exemplo: fatura, nota fiscal, recibo, desde que fique claramente demonstrado a natureza da despesa, a identidade do beneficiário, a quantidade e o valor da operação. (inidônea são as empresas desativadas, extintas ou baixadas no órgão de competência). DESPESAS COM ALIMENTAÇÃO Não são dedutíveis do imposto de renda e da contribuição social as despesas com alimentação de sócios, acionistas e administradores. DESPESAS COM VIAGEM Não são dedutíveis as despesas sem comprovação, (excepcionalmente a legislação aceita a falta de comprovação para despesas de alimentação em viagem até o limite de R$16,57 por dia). PERDÃO DE DÍVIDA Por constituir liberalidade, o perdão de uma dívida não é dedutível como despesa, e a empresa que teve a dívida perdoada terá a receita tributada. BRINDES Não é permitida a dedutibilidade de despesas com brindes ou presentes a funcionários tanto para fins de imposto de renda como para a contribuição social. 11

12 PREJUÍZOS POR DESFALQUE, FURTO OU APROPRIAÇÃO INDÉBITA PRATICADOS POR EMPREGADO OU TERCEIROS. Somente serão dedutiveis as perdas com desfalque, furto ou apropriação indébita, praticados por funcionários ou terceiros no caso em que houver inquérito nos termos da legislação trabalhista ou queixa policial. Caso aqueles valores estejam segurados, somente será dedutível o valor que ultrapassar o valor segurado reembolsado. PASSAGENS AÉREAS E HOSPEDAGENS São indedutíveis as despesas por liberalidade, tais como as representadas por passagem aérea, hospedagens, pacotes turísticos, brindes e jantares de congraçamento para clientes. CARTÃO DE CRÉDITO Não são dedutíveis as despesas com gastos pessoais efetuados com cartão de crédito fornecido pela empresa a seus funcionários, quando o dispêndio não se caracterize como usais normais e necessárias à atividade da empresa. MULTAS POR INFRAÇÕES FISCAIS São dedutíveis as multas de natureza compensatória (multas referentes a atraso de impostos devidos e também o não cumprimento de obrigações acessórias que não resultar imposto devido), porém são totalmente indedutíveis as multas impostos por infrações fiscais das quais resultaram insuficiência de imposto. Como por exemplo as multas decorrentes de autos de infração. MULTAS POR INFRAÇÕES DE NATUREZA NÃO TRIBUTÁRIAS São totalmente indedutíves as multas por infrações a normas não tributarias, tais como multas de trânsito, as multas impostos pelo instituto de pesos e medidas e órgãos similares. Sua indedutibilidade decorre do princípio geral que não são despesas necessárias à atividade da empresa e a manutenção da respectiva fonte produtora. TRIBUTOS QUESTIONADOS NA JUSTIÇA Não são dedutíveis os tributos (provisões) e suas respectivas atualizações quando estes estejam sendo questionados na justiça, mesmo que a empresa esteja efetuando o depósito judicial das importâncias questionadas, tanto para fins de imposto de renda como contribuição social. RESULTADO NEGATIVO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Não é dedutível a despesa do resultado negativo de equivalência patrimonial, tanto para fins de imposto de renda como para contribuição social. PARTICIPAÇÕES NOS LUCROS PAGAS A ADMINISTRADORES E PARTES BENEFICIÁRIAS. As participações no lucro de administradores e partes beneficiárias não são dedutíveis para fins de imposto de renda, porém serão para fins de apuração da contribuição social. Cabe destacar que as participações no lucro de empregados, debêntures e contribuições para a previdência ou assistência dos 12

13 empregados são dedutíveis para fins de apuração do imposto de renda. (na base de cálculo da CSSL todas as participações são dedutíveis). AMORTIZAÇÃO DE ÁGIO NA AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS A despesa de amortização do ágio que foi apurado na aquisição de investimentos não é dedutível para fins de imposto de renda, porém será para fins de apuração da contribuição social. PERDAS NOS RECEBIMENTOS DE CRÉDITOS Para fins da legislação fiscal, Lei 9.430/96, poderão ser registrados como perda dedutível, tanto no IR como na CSSL, os créditos: Em relação aos quais tenha havido a declaração de insolvência do devedor, mediante sentença emanada do Poder Judiciário; Sem garantia de valor: a) Até R$ 5.000, por operação, vencidos há mais de seis meses, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento; b) Acima de R$ até R$ , por operação, vencidos há mais de um ano, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento, porém mantida a cobrança administrativa; c) Superior a de R$ , vencidos há mais de um ano, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento; Com garantia, vencidos há mais de dois anos, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias; Contra devedor declarado falido ou pessoa jurídica declarada concordatária, relativamente à parcela que exceder o valor que esta tenha se comprometido a pagar. Caso a pessoa jurídica concordatária não honre o compromisso do pagamento de parcela do crédito, esta também poderá ser deduzida como perda, observadas as condições gerais para dedução das perdas (IN SRF nº 93/97). Considera-se credito com garantia o proveniente de vendas com reserva de domínio, alienação fiduciária em garantia. Reserva de Domínio: Ocorre nos contratos de compra e venda quando o credor transfere a posse do bem, mas reserva-se a propriedade da coisa até que se realize ou implemente determinada condição (geralmente o pagamento integral da divida) Alienação Fiduciária: Negocio jurídico pelo qual o devedor adquire a propriedade de um bem com o financiamento de uma instituição financeira, obrigando-se a devolvê-lo ao financiador caso ocorra falta do pagamento do valor financiado. 13

14 4 - No balanço levantado em 31/12/2002 a Cia Brasil tinha os seguintes créditos vencidos decorrentes de suas atividades operacionais: Empresa Vencido em: Valor Paraguai 20/10/ Bolívia 30/06/ Argentina 25/04/ Peru 02/11/ Venezuela 20/05/ Todos os créditos acima não possuíam garantia real e a companhia somente tinha iniciado os procedimentos judiciais para o recebimento do credito da Cia Bolívia, estando os demais em cobrança administrativa. A empresa poderá lançar como perda dedutível na apuração do lucro real em 2002 o valor de: a) b) c) d) e) DEPRECIAÇÃO ACELERADA São dedutíveis a depreciação acelerada quando haja desgaste do bem pelo uso em regime de operação superior ao normal. Em função do numero de horas diárias aplica-se o coeficiente de depreciação acelerada sobre a taxa de depreciação normal utilizada, como por exemplo: Bem: Equipamento Para turno de 8 horas, taxa normal 10% x coeficiente 1,0 = 10% Para turno de 16 horas, taxa normal 10% x coeficiente 1,5 = 15% Para turno de 24 horas, taxa normal 10% x coeficiente 2.0 = 20% DEPRECIAÇÃO ACELERADA INCENTIVADA Diferentemente da depreciação acelerada em função do uso intensivo do equipamento, que é integrada na contabilidade da empresa, por corresponder efetivamente a um maior desgaste do bem, a Depreciação Acelerada Incentiva, constitui incentivo fiscal registrado e controlado exclusivamente no LALUR. Consiste na adoção de uma taxa adicional de depreciação, além daquela registra na contabilidade, que constituirá, no primeiro momento, uma exclusão no LALUR, reduzindo o lucro real e favorecendo a empresa com um imposto de renda a menor. Sendo controlado o valor da depreciação incentivada na parte B do LALUR. O total da depreciação acumulada (registrada na contabilidade) e a acelerada (registrada no LALUR) não poderá ultrapassar ao custo de aquisição do bem. A partir do mês ou ano em que esse valor for atingido, a depreciação normal registrada na contabilidade deverá, em um segundo momento, ser adicionada 14

15 no LALUR e baixada da parte B do LALUR, uma vez que para fins fiscais o bem foi totalmente depreciado. EX: Equipamento adquirido por $ com taxa de depreciação normal de 10% ao ano. Ano $ Depreciação $LALUR Situação/LALUR Contabilidade 1º (10.000) Exclusão 2º (10.000) Exclusão 3º (10.000) Exclusão 4º (10.000) Exclusão 5º (10.000) Exclusão 6º Adição 7º Adição 8º Adição 9º Adição 10º Adição Total $ RECEITAS TRIBUTÁVEIS E NÃO TRIBUTÁVEIS Receita Tributável - A princípio todas as receitas são tributáveis, exceto quando a legislação se pronunciar pela não tributação. Receitas Não Tributáveis - Como vimos anteriormente, a regra geral é de que toda as receitas são tributáveis, há entretanto poucas exceções como: As receitas relativas a dividendos recebidos, (avaliação pelo método do custo) tanto para fins de imposto de renda como contribuição social. O resultado positivo de equivalência patrimonial, tanto para fins de imposto de renda como para fins de contribuição social. A receita de amortização do deságio apurado na aquisição de investimentos, o qual não é tributável para fins de cálculo de imposto de renda, porém é tributável para fins de cálculo de contribuição social. A receita proveniente da reversão de provisão indedutível. 8 Compensação de Prejuízos Fiscais ou Base Negativa de Contribuição Social Os prejuízos fiscais apurados pelas empresas poderão ser compensados com lucros fiscais futuros, a compensação é aplicável tanto ao imposto de renda 15

16 como a contribuição social, estes prejuízos são controlados na parte B do LALUR. A partir de 1996, conforme a lei 9249/95, os prejuízos fiscais serão compensados nos lucros futuros com limitação de 30% sobre o lucro em questão, não havendo prazo para compensação, devendo a empresa baixar os prejuízos compensados do LALUR. O art. 513 do RIR/99, proíbe a compensação de prejuízo fiscais quando, entre a data da apuração e da compensação houver ocorrido, cumulativamente, modificação do controle societário e do ramo da atividade da empresa. 9 PAGAMENTO MENSAL POR ESTIMATIVA E APURAÇÃO ANUAL DO LUCRO REAL A pessoa jurídica sujeita à tributação com base no lucro real, alternativamente à sistemática de sua apuração trimestral, poderá optar pelo pagamento mensal do imposto por estimativa e determinar o lucro real apenas em 31 de dezembro do ano-calendário. A antecipação pode ser feita de duas formas: por estimativa, com base nas receitas; ou através do lucro real, pelos balancetes de suspensão ou redução. A opção pela apuração trimestral ou anual da base de cálculo será manifestada com o pagamento do imposto correspondente ao mês de janeiro ou ao de inicio da atividade, sendo irretratável para todo o anocalendário, isso no caso da opção anual e caso opte pelo pagamento em abril se sujeitará a apuração trimestral BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO POR ESTIMATIVA A base de cálculo do imposto por estimativa corresponderá a soma: Do lucro estimado, (aplicando-se os percentuais sobre a receita bruta mensal menos os itens que não integram a receita). Dos ganhos de capital e demais receitas e resultados positivos de outras atividades desenvolvidas pela empresa. ATIVIDADES PERCENTUAL a) comerciais e industriais em geral, e as atividades de loteamento de terrenos, incorporação imobiliária, venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda, atividades rural e da industrialização de 8% produtos em que a matéria - prima, o produto intermediário e o material de embalagem tenham fornecidos por quem encomendou a industrialização b) prestação de serviços hospitalares e de transporte 8% de cargas c) demais serviços de transporte 16% d) de prestação de serviços, cuja receita remunere essencialmente o exercício pessoal por parte dos 16

17 sócios, de profissões que dependam de habilitação 32% legalmente regulamentada e) de intermediação de negócios (corretagem seguros, imóveis), administração, locação ou cessão 32% de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza f) construção por administração ou empreitada 32% unicamente de mão de obra e atividade gráfica como prestação de serviços. g) de prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção de riscos, administração de contas a pagar e a receber, compras de direitos creditórios 32% resultantes de vendas mercantis a prazo ou prestação de serviços (factoring). h) de prestação de serviço em geral, exceto os 32% citados na letra b e c; i) de bancos comerciais, de investimento, de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedade de crédito, financiamento e investimento, sociedade de 16% crédito imobiliário, sociedades corretoras de títulos, valores mobiliários e câmbio, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização e entidades de previdência de seguros privados e de capitalização e entidades de previdência privada aberta; j) revenda para consumo de combustível derivado de petróleo, álcool etílico carburante e gás natural 1,6% As empresas exclusivamente prestadoras de serviços em geral, mencionados nas letras e até h cuja receita bruta anual seja de até R$ ,00 poderão utilizar, para a determinação da base de calculo do imposto, o percentual de 16%, porém ficará sujeita ao pagamento da diferença do imposto postergado, apurada em relação a cada mês transcorrido. NÃO INTEGRAM A RECEITA BRUTA: O IPI e o ICMS por substituição tributária; As vendas canceladas e devoluções de vendas; Os descontos incondicionais concedididos; Rendimentos de aplicação financeira, no mercado de renda fixa e variável, exceto no caso de instituições financeiras e assemelhadas, onde tais rendimentos integrarão a receita bruta. Lucros, dividendos e resultado positivos decorrentes de avaliação de investimentos pelo método de equivalência patrimonial; Juros sobre o capital próprio recebidos. 17

18 DEDUÇÕES DO IMPOSTO POR ESTIMATIVA Para efeito de pagamento poderá deduzir do imposto apurado no mês: O valor dos incentivos fiscais relativos ao Programa de Alimentação do trabalhador, às Doações as Fundos da Criança e do Adolescente, às atividades Culturais ou Artísticas e Atividades Audiovisual ou FUNCINES, observados os limites da legislação; O imposto de renda pago ou retido na fonte sobre receitas que integraram a base de cálculo do imposto devido; O imposto de renda pago indevidamente ou a maior em períodos anteriores REDUÇÃ OU SUSPENSÃO DOS PAGAMENTOS MENSAIS COM BASE EM BALANÇO OU BALANCETE. A pessoa jurídica que optar pelo pagamento mensal do imposto por estimativa poderá com base em balanço ou balancete periódico (mensal), levantado com observância da legislação comercial e fiscal (art. 230 RIR/99) Suspender o pagamento do imposto relativo ao mês que levantar o balanço ou balancete, quando o valor do imposto devido, calculado com base no lucro real do ano calendário em curso, até esse mês, for igual ou inferior a soma do imposto pago correspondente aos meses anteriores do mesmo ano calendário, ou seja, posso suspender o imposto de renda, quando o imposto devido sobre o lucro real acumulado for menor ou igual ao somatório dos impostos pagos mensalmente. Reduzir o valor do imposto a pagar ao montante correspondente a diferença positiva entre o imposto devido sobre o lucro real do ano calendário em curso até o mês em que levantar o balanço ou balancete, e a soma do imposto pago, correspondente aos meses anteriores do mesmo ano calendário, ou seja, posso reduzir o imposto mensal pela diferença entre o imposto devido pelo lucro acumulado real e o somatório dos impostos pagos mensalmente. Suspender o pagamento do imposto devido no mês de janeiro se, com base em balanço ou balancete levantado nesse mês apurar prejuízo fiscal. A pessoa jurídica que determinar o imposto de renda mensal a ser pago com base em balanços ou balancetes levantados para fins de suspensão ou redução, deverá efetuar o pagamento da CSSL (contribuição social sobre o lucro líquido) com base no lucro líquido ajustado, apurado nos referidos balanços ou balancetes com aplicação da alíquota de 9% sobre a base de calculo (lucro ajustado). É importante destacar que, nesta hipótese, o valor da 18

19 Contribuição Social sobre o lucro líquido será indedutível na apuração da base de calculo do imposto de renda. Exemplo : Suponhamos que a Cia XPTO tenha incorrido nos seguintes valores de lucro real mensal apurado através de balancete mensal e para simplificar utilizaremos uma alíquota de imposto de renda de 25%, sem considerar a faixa do adicional, então temos: MESES JAN FEV MAR ABR MAI LUCRO (80.000) REAL MENSAL IR A PAGAR * ** LUCRO REAL ACUMUL. IR S/ LUCRO REAL ACUM IR PAGO ACUMUL * Não se paga o imposto de renda de (suspende) devido ao acumulado pago ser superior ao acumulado devido. ** Não haverá o pagamento de de imposto de renda e sim haverá o pagamento de pois temos a (redução) do imposto em função do imposto devido acumulado sobre o lucro real ser de e o imposto pago acumulado ser de , sendo assim, haverá a redução do imposto pagando se ( ) e não os CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO CSLL A pessoa jurídica optante pelo pagamento do IRPJ por estimativa deverá recolher a CSLL, também por esta sistemática através de percentuais sobre as receitas ou através de balanço ou balancetes de suspensão ou redução do lucro. A base de cálculo da contribuição social, por estimativa da receita, corresponde à: 12% da receita bruta mensal, mais os juros ativos e descontos financeiros obtidos, os rendimentos e ganhos em aplicações financeiras, os ganhos de capital na alienação de bens do ativo permanente e mais as demais receitas de resultado positivo que terá a aplicação da alíquota de 9% em relação à base de cálculo. Observe que ao contrário da base de cálculo estimada do IRPJ a da CSLL inclui os rendimentos nominais de aplicação financeiras, já que não há retenção na fonte da CSLL, apenas do IRPJ. No caso de pessoas jurídicas que exercem as atividades relacionadas a seguir, a partir de 2003 a base de cálculo da contribuição social corresponde à 32% da receita bruta mensal. 19

20 factoring; prestação de serviço em geral; intermediação de negócios; administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza. OBS: A partir de 1997 a Contribuição Social sobre o lucro passou a ser indedutivel para apuração do Imposto de Renda. 5 - Calcular o imposto de renda e a contribuição social sobre o lucro liquido da Cia. XPTO, no mês de janeiro, pela sistemática dos balancetes de suspensão e redução do lucro. Dados: Lucro de janeiro/ R$ ,00 Prejuízos fiscais acumulados em dezembro/06 - R$ ,00 Provisão de férias constituída no mês - R$ ,00 Multas de trânsito - R$ ,00 Perdão de dívida - R$ ,00 Depósito judicial de tributos questionados na justiça - R$ ,00 Perdas no inventário do ativo permanente devido desfalques de terceiros (não houve queixa a polícia) - R$30.000,00 Receita de equivalência patrimonial - R$50.000,00 Amortização de Ágio referente a investimento avaliado por equivalência patrimonial - R$ ,00 Pagamento de multa por atraso no recolhimento de impostos -R$ 2.000,00 Provisão para contingências trabalhistas - R$ ,00 Provisão para devedores duvidosos - R$ ,00 Pagamento a administradores sobre participação nos lucros - R$ , Com base nos dados a seguir relativos ao mês de dezembro de 2006 faça o que se pede: DADOS: Receita bruta comercial $ Lucro na venda do imobilizado $ Receita de aluguel de imóveis $ Rend. aplicação financeira $ Informações adicionais: % da atividade comercial IR = 8%; CS = 12% 6.1 A base de calculo do imposto de renda mensal pago por estimativa corresponde a: a)

21 b) c) d) e) O valor do imposto mensal por estimativa a ser pago pela pessoa jurídica será: a) b) c) d) e) A base de calculo da CSLL por estimativa é de: a) b) c) d) e) O valor devido da CSLL por estimativa é de: a) b) c) d) e) A rede unida de postos de gasolina submetida a tributação com base no lucro real, optou pelo pagamento do imposto mensal por estimativa, apurando o lucro real anualmente. Em agosto de 2005 apresentou as seguintes informações: Revenda de gasolina $ Revenda de mercadorias Serviços de lavagem ICMS: Revenda de gasolina Revenda de mercadorias ISS (alíquota de 5%) Vendas canceladas (gasolina) Desc. incondicionais (gasolina) Ganho na venda do imobilizado Informações adicionais: 21

22 Atividades Base para IRPJ Base CSSL Comercio e industria 8% 12% Revenda de combustíveis derivados de petróleo e 1,6% 12% álcool inclusive gás natural Prestação de serviço em 32% 32% geral Alíquotas incidentes sobre a base de calculo: Imposto de renda: Normal 15% Adicional 10% Contribuição Social 9% O valor do imposto de renda no mês de agosto de 2005 calculado por estimativa é de: a) b) c) d) e) O valor da contribuição social no mês de agosto de 2005 calculada por estimativa é de: a) ,40 b) c) d) e) A alíquota aplicável sobre a base de calculo apurada na forma do lucro real, presumido ou arbitrado para determinar o imposto de renda devido pela pessoa jurídica em cada período base, a partir do ano calendário de 1996 é: a) 27,5% b) 19% c) 1,2% d) 15% e) 4,8% 9 - Levando em consideração que o regime de tributação adotado pelo contribuinte é o lucro real com levantamento mensal de balanços ou balancetes para fins de suspensão ou redução do imposto de renda, os lançamentos no LALUR devem ser feitos: 22

23 a) anualmente apenas, em caso de lucro b) mensalmente apenas, em caso de lucro c) anualmente apenas, em caso de prejuízo d) mensalmente em caso de lucro ou prejuízo e) anualmente em caso de lucro ou prejuízo 10 - Dados da cia ABC em 31/12/2006: Prejuízo contábil $ Adição no LALUR Exclusões no LALUR Prejuízo fiscal em 31/12/ A companhia no ano calendário de 2006 apurou um lucro real de: a) b) zero c) d) e) (10.000) 11 - Em 31/12/2006 a cia ABC apresentou os seguintes dados extraídos do LALUR: Prejuízo fiscal a compensar Lucro liquido antes do IR Adições no LALUR Exclusões no LALUR Qual foi o lucro real da cia ABC em 31/12/2006: a) b) c) d) e) Dados a cia ABC referente ao 4º trimestre de 2006: Lucro liquido do período Deprec. acelerada incentivada Receita de dividendos Provisões para riscos fiscais Rend. do exterior (lucro da filial) Multas de transito Receita equivalência patrimonial Realização reserva reavaliação Lucro inflacionário realizado Reversão provisão riscos fiscais

24 O lucro real do período foi de: a) b) zero c) d) e) Uma empresa tributada pelo lucro real fez a opção do pagamento trimestral para o ano de Obteve lucro tributável de R$ ,00 no primeiro trimestre, de R$ ,00 no segundo trimestre, apresentou prejuízo fiscal no terceiro trimestre de R$ ,00 e resultado positivo no quarto trimestre de R$ ,00. Assim, terminou o ano com um resultado fiscal de R$ ,00. Para fins de cálculo do Imposto de Renda, segue transcrição dos artigos 228 e 250 do RIR/99. Art O imposto a ser pago mensalmente na forma desta Seção será determinado mediante a aplicação, sobre a base de cálculo, da alíquota de quinze por cento (Lei no 9.430, de 1996, art. 2o, 1o). Parágrafo único. A parcela da base de cálculo, apurada mensalmente, que exceder a vinte mil reais ficará sujeita à incidência de adicional do imposto à alíquota de dez por cento (Lei no 9.430, de 1996, art. 2o, 2o). Art Na determinação do lucro real, poderão ser excluídos do lucro líquido do período de apuração (Decreto-Lei n o 1.598, de 1977, art. 6o, 3o): I e II -... III - o prejuízo fiscal apurado em períodos de apuração anteriores, limitada a compensação a trinta por cento do lucro líquido ajustado pelas adições e exclusões previstas neste Decreto, desde que a pessoa jurídica mantenha os livros e documentos, exigidos pela legislação fiscal, comprobatórios do prejuízo fiscal utilizado para compensação, observado o disposto nos arts. 509 a 515 (Lei no 9.065, de 1995, art. 15 e parágrafo único). Considerando os artigos citados e as informações fornecidas, o total de Imposto de Renda a ser pago pela empresa, referente ao ano de 2006, em reais, será: (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) , Dentre as adições ao lucro líquido, qual deve ser controlada na Parte B do LALUR? (A) Brindes. (B) Resultado negativo de participações em empresas controladas. (C) Multas não dedutíveis. (D) Doações não dedutíveis. (E) Provisão para perdas em processos trabalhistas A Cia. Bola iniciou suas atividades em 2003, sendo tributada pelo lucro real. Apresentou nesse ano um lucro contábil de R$ 1.500,00, porém um prejuízo fiscal de R$ 2.500,00. 24

25 Em 2004, a empresa passou a ser tributada pelo lucro presumido, retornando ao lucro real em 2005, quando obteve um lucro, antes do cálculo do IR, de R$ 9.000,00. Neste resultado estão incluídas despesas não dedutíveis no valor de R$ 1.000,00. Com base na legislação tributária vigente, o imposto de renda devido (alíquota de 15%) em 2005 pela Cia. Bola será, em reais: (A) 840,00 (B) 1.050,00 (C) 1.125,00 (D) 1.200,00 (E) 1.500, Em 2007, a Cia. Zarca S/A, tributada pelo lucro real, antes de fazer a sua declaração anual do Imposto de Renda ano base 2006, fez as seguintes anotações de despesas incluídas na apuração do resultado do exercício, em reais, evidenciadas na Demonstração do Resultado, encerrado em 31/12/06: Despesa de: Brindes ,00 Provisão para Devedores Duvidosos ou Créditos de Liquidação Duvidosa ,00 Provisão para Perdas em Processos Trabalhistas ,00 Considerando-se os aspectos técnicos conceituais e a legislação tributária do Imposto de Renda, o valor de adições temporárias, a ser incluído no LALUR, para determinação do lucro real, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 Considere as informações abaixo para responder às questões de nos 17 e 18. A Zelote S/A apresentou as seguintes informações parciais, em reais, referentes ao mês de janeiro de 2006: Receita de vendas ,00 Receita de aplicações financeiras ,00 IR na Fonte s/aplicações financeiras ,00 Ganho de equivalência patrimonial ,00 Ganhos de capital , Considerando-se as informações parciais recebidas da Cia. Zelote e a legislação tributária do Imposto de Renda, aplicável à apuração do Imposto de Renda por estimativa (antecipações mensais em bases estimadas), o valor do Imposto de Renda, apurado por estimativa, em janeiro, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 25

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: LEGISLAÇÃO FISCAL CONCEITOS GERAIS LUCRO REAL CTN [art. 43]: Aquisição da Disponibilidade Econômica ou Jurídica de Renda* ou Proventos de qualquer natureza**.

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento TAX ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento Ativo diferido de imposto de renda da pessoa jurídica e de contribuição social sobre o lucro líquido aspectos fiscais e contábeis Outubro de 2014 1. Noções

Leia mais

ASSUNTOS CONTÁBEIS EXEMPLOS DE APURAÇÃO DO IRPJ - LUCRO REAL. Balancete encerrado em 31.08.2007

ASSUNTOS CONTÁBEIS EXEMPLOS DE APURAÇÃO DO IRPJ - LUCRO REAL. Balancete encerrado em 31.08.2007 SUPERAVIT - Boletim Eletrônico Fiscal Consultoria TRIBUTÁRIA: (84) 3331-1310 E-Mail: jorge@superavitcontabil@com.br MSN: superavit.contabil@hotmail.com SITE: www.superavitcontabil.com.br ASSUNTOS CONTÁBEIS

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012. Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012. Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013 001 O que é lucro arbitrado? O arbitramento de lucro é uma forma de apuração da base de cálculo do imposto de renda utilizada pela

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 31 IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA A origem desse imposto se encontra na Grã-Bretanha, onde seus precursores foram, no

Leia mais

Art.187... IV o lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais;... c Publicada no DOU de 27-12-1995. c Súm. nº 584 do STF.

Art.187... IV o lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais;... c Publicada no DOU de 27-12-1995. c Súm. nº 584 do STF. LEI N o 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995 Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, bem como da contribuição social sobre o lucro líquido, e dá outras providências. c Publicada no DOU

Leia mais

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições 26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições A norma em referência, entre outras providências, dispôs sobre a determinação e o

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO ARBITRADO 1 Oarbitramentodolucroéumaformadeapuração dabasedecálculodoimpostoderendautilizadapela autoridade tributária ou pelo contribuinte. É aplicável pela

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 001 Quais são as pessoas jurídicas contribuintes da CSLL? Todas as pessoas jurídicas domiciliadas no País e as que lhes são equiparadas pela legislação do imposto sobre

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 011, de 21 de fevereiro de 1996

Instrução Normativa SRF nº 011, de 21 de fevereiro de 1996 Instrução Normativa SRF nº 011, de 21 de fevereiro de 1996 DOU de 22/02/1996 Dispõe sobre a apuração do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro das pessoas jurídicas a partir do ano-calendário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário 1 NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário Curso: Ciências Contábeis Período: 6º Turno: Noite Sala: 106 Departamento: Ciências Contábeis Faculdade: FACISA Disciplina: Contabilidade Fiscal e Tributária AVALIAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

Sigrid Kersting Chaves. IRPJ e CSLL

Sigrid Kersting Chaves. IRPJ e CSLL Sigrid Kersting Chaves IRPJ e CSLL PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO IRPJ CSLL CTN: Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 PALESTRANTE: EQUIPE LEFISC ATUALIZAÇÃO Paulo César

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA PROGRAMA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS

Leia mais

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS - (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS FÍSICAS

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995. Mensagem de veto Regulamento Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas,

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas Tributação em bases universais: pessoas jurídicas A MP 627, na linha adotada pelo STF na ADI 2.588, previu a tributação automática no Brasil somente dos lucros auferidos no exterior por controladas ou

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015

Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015 Alterações tributárias na lei nº 13.097/2015 Foi publicada no Diário Oficial da União de 20/01/2015 a lei federal nº 13.097/15, decorrente da conversão da MP nº 656/14. A nova lei cuida de diversas matérias,

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011. DOU de 9.8.2011

Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011. DOU de 9.8.2011 Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011 DOU de 9.8.2011 As diferenças no cálculo da depreciação de bens do ativo imobilizado decorrentes do disposto no 3º do art. 183 da Lei nº 6.404, de 1976, com

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Grant Thornton - Brasil Junho de 2015 Agenda Considerações Iniciais; Obrigatoriedade de Transmissão; Penalidades (Multas); Informações a serem Transmitidas; Recuperação

Leia mais

Rogério Gandra Martins

Rogério Gandra Martins LUCRO PRESUMIDO. ATIVIDADES DIVERSIFICADAS. ALÍQUOTAS FIXADAS DE ACORDO COM A ATIVIDADE EXPLORADA E NÃO CONFORME O FATURAMENTO OU CLASSIFICAÇÃO DE CADA UMA. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. LEI Nº 13.043/2014

Leia mais

A THOMSON COMPANY. INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

A THOMSON COMPANY. INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente A THOMSON COMPANY INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Direitos autorais cedidos

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14. O que foi alterado na apuração do IRPJ?

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14. O que foi alterado na apuração do IRPJ? III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14 O que foi alterado na apuração do IRPJ? Alberto Pinto DL 1598/77 LEI 12.973/14 Alterações Art 6º - Lucro real é o

Leia mais

LUCRO REAL TEORIA E PRÁTICA

LUCRO REAL TEORIA E PRÁTICA LUCRO REAL TEORIA E PRÁTICA Nota sobre a autora Maria Paula Boyadjian Fernandes é Bacharel em Ciências Contábeis (UNIFMU), Pós Graduada em Planejamento Tributário (UNIFMU) e Administração Contábil e Financeira

Leia mais

Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo

Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo Roberto Haddad Ajuste a Valor Presente (AVP) Ativo decorrente de operações de longo prazo (Art. 3º) Os valores decorrentes do ajuste a valor presente, do

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Page 1 Da base de tributação Page 2 Alteração do art. 3º da Lei nº 9.718/98 Art. 52 A Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, passa a vigorar com as seguintes

Leia mais

São contribuintes do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ):

São contribuintes do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ): 1. ASPECTOS GERAIS DA TRIBUTAÇÃO DO IRPJ São contribuintes do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ): I as pessoas jurídicas; II as empresas individuais. As disposições tributárias do IR aplicam-se a

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

RECEITAS E SUBVENÇÕES

RECEITAS E SUBVENÇÕES III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF RECEITAS E SUBVENÇÕES CONCEITOS ANTES E DEPOIS DA LEI 12973 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA RECEITAS E INGRESSOS NEM TODO INGRESSO É

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior IRRF de 23/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Incidência do Imposto de Renda Sobre Locação de Imóveis... 5 3.2

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Tributação Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Índice Quem recolhe o Imposto? 3 Prazo para Recolhimento 3 Como calcular o Imposto 3 Imposto de Renda

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 Perguntas e Respostas 1. QUAL CONDIÇÃO TORNA A PESSOA FÍSICA OBRIGADA A APRESENTAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA? Está obrigado a apresentar a declaração,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação ESTATÍSTICAS TRIBUTÁRIAS Consolida DIPJ 2006 Consolidação da Declaração do Imposto de Renda das Pessoas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de 10/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Incidência do IRRF para

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL

IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL 1 - CONCEITO É a base de cálculo do imposto sobre a renda apurada segundo registros contábeis e fiscais efetuados sistematicamente de acordo com

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais