Prof. André Rabelo LÓGICA DIGITAL INTRODUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. André Rabelo LÓGICA DIGITAL INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 Prof. André Rabelo LÓGICA DIGITAL INTRODUÇÃO

2 INTRODUÇÃO Um sistema pode ser definido como sendo um conjunto de elementos que são interligados de alguma maneira para compor um todo e assim realizar funcionalidade específica.

3 INTRODUÇÃO Um sistema também possui uma função bem definida, a qual pode ser identificada a partir das funcionalidades de seus componentes. Neste sentido, pode-se identificar dois aspectos fundamentais em qualquer sistema: ESTRUTURA COMPORTAMENTO

4 INTRODUÇÃO A ESTRUTURA reflete os componentes e como eles estão interconectados O COMPORTAMENTO reflete a funcionalidade do sistema

5 INTRODUÇÃO Sistemas em que o número de componentes é alto e/ou as inter-relações entre eles não são muito claras ou difíceis de serem estabelecidas e entendidas são ditos COMPLEXOS. No projeto de tais sistemas complexos, a identificação de alguma ordem ou regularidade é de extrema importância, o que normalmente requer uma abordagem estruturada e sistemática.

6 INTRODUÇÃO Dependendo de quais aspectos se está tentando identificar, deve-se usar um tipo de representação e um nível de abstração adequados. Os três tipos mais comuns de representação são: COMPORTAMENTAL ESTRUTURAL FÍSICO

7 REPRESENTAÇÃO COMPORTAMENTAL Captura o sistema como uma caixa preta e se concentra na especificação do comportamento como uma função dos valores de entrada e o tempo.

8 REPRESENTAÇÃO ESTRUTURAL Define a caixa preta como um conjunto de componentes e suas interconexões. A representação estrutural especifica a implementação do sistema sem qualquer referência à sua funcionalidade.

9 REPRESENTAÇÃO FÍSICA Especifica as características físicas na caixa preta, indicando as dimensões e as posições de cada componente e conexão existentes na descrição estrutural do sistema.

10 PROJETO DE SISTEMAS Principalmente produtos eletrônicos em geral e sistemas digitais em particular, consiste sempre de pelo menos três fases, cada uma centrada em uma das representações de projeto: 1. Derivar uma representação comportamental da funcionalidade do produto 2. Converter esta representação para uma representação estrutural contendo componentes de uma dada biblioteca de componentes 3. Produzir uma representação física que especifica como montar e fabricar o produto

11 SISTEMAS DIGITAIS X SISTEMAS ANALÓGICOS Representações Numéricas Lidamos constantemente com quantidades, não só na tecnologia como nas áreas de negócios, comércios, etc. Quantidades são medidas, monitoradas, gravadas, manipuladas, observadas e de certa forma utilizada na maioria dos sistemas Quando lidamos com diversas quantidades, é de suma importância saber representar seus valores de maneira eficiente e precisa.

12 SISTEMAS DIGITAIS X SISTEMAS ANALÓGICOS Representações Numéricas Basicamente, existem duas formas de representação dos valores numéricos das quantidades: a analógica e a digital. Representação Analógica Analogicamente, uma quantidade é representada por outra que é proporcional à primeira Variam continuamente dentro de uma faixa de valores Representação Digital As quantidades são representadas por símbolos chamados dígitos e não por valores proporcionais. A representação digital varia em passos discretos.

13 SISTEMAS DIGITAIS X SISTEMAS ANALÓGICOS ANALÓGICA = CONTÍNUA DIGITAL = DISCRETA(PASSO A PASSO) Quais das seguintes proposições são quantidades digitais, e quais são analógicas? Chave de 10 posições Medidor de corrente Sinal gerado por um interruptor liga-desliga Marcador de combustível de um automóvel Dimmer de ventilador Temperatura Controle de volume de um rádio

14 SISTEMAS DIGITAIS X SISTEMAS ANALÓGICOS Sistemas Digitais e Analógicos Um sistema digital resulta na combinação de dispositivos desenvolvidos para manipular quantidades físicas ou informações que são representadas na forma digital Um sistema analógico é formado por dispositivos que manipulam quantidades físicas representadas sob forma analógica

15 SISTEMAS DIGITAIS X SISTEMAS ANALÓGICOS Vantagens dos Sistemas Digitais São mais fáceis de projetar O armazenamento da informação é fácil Precisão e exatidão são maiores As operações podem ser programadas São menos afetados por ruídos São mais adequados a integração

16 SISTEMAS DIGITAIS X SISTEMAS ANALÓGICOS Qual a grande desvantagem dos sistemas digitais? O MUNDO É PREDOMINANTEMENTE ANALÓGICO

17 SISTEMAS DIGITAIS X SISTEMAS ANALÓGICOS Para se tirar proveito das técnicas digitais quando lidamos com entradas e saídas analógicas, três etapas devem ser executadas: Converter o mundo real das entradas analógicas para a forma digital Processar(ou operar) a informação digital Converter as saídas digitais de volta para o mundo real, em sua forma analógica

18 SISTEMAS DIGITAIS X SISTEMAS ANALÓGICOS Temperatura (Analógico) Dispositivo de Medida Analógico Conversor analógicodigital Digital Processamento digital Digital Analógico Ajuste de Temperatura Controlador Conversor digitalanalógico Diagrama em blocos de um sistema de controle de temperatura que necessita de conversões analógico/digitais para que faça uso das técnicas de processamento digitais

19 SISTEMAS DIGITAIS - INTRODUÇÃO Um sistema digital pode ser definido como um conjunto de componentes interconectados que processam informações em forma digital ou discreta. Na maioria dos sistemas digitais, os componentes básicos utilizados são dispositivos eletrônicos chamados CIRCUITOS INTEGRADOS(CIs)

20 SISTEMAS DIGITAIS - INTRODUÇÃO Sistemas digitais modernos abrangem uma vasta gama de graus de complexidade. Os componentes disponíveis para a construção de sistemas digitais vão desde chaves do tipo liga-desliga até computadores complexos. Obviamente quanto mais componentes tem o sistema mais complexo ele é e, consequentemente, mais difícil de entender seu funcionamento e de projetá-lo. Daí a importância do uso de níveis de abstração.

21 NÍVEIS DE ABSTRAÇÃO Também conhecido como granularidade, é caracterizado pelo tipo de objetos utilizados na representação. Em geral, pode-se identificar quatro diferentes tipos de objetos em um produto eletrônico: Transistores Portas Registradores Processadores

22 NÍVEIS DE ABSTRAÇÃO Nível Comportamento Estrutura Físico Transistor Equações diferenciais, diagramas correntevoltagem Transistores, Resistores, capacitores Células analógicas e Digitais Portas Equações Booleanas, máquinas de estado finitas(fsm) Portas lógicas, Flip-flops Módulos, unidades Registradores Algoritmos, flowcharts, conjunto de instruções, generalizações de FSMs Somadores, comparadores, contadores, registradores Micro circuitos Processador Especificação executável, programas Processadores, controladores, ASICs Placas de circuito impresso, módulos multicircuitos

23 COMPONENTES Transistores, resistores, capacitores Portas lógicas Registradores Processador

24 NÍVEL DE TRANSISTORES Combinados para formar circuitos analógicos e digitais que realizam um dada funcionalidade A representação física destes circuitos, denominados células, podem consistir de componentes do nível de transistores e as conexões que os interconectam

25 NÍVEL DE PORTAS Portas lógicas são circuitos especiais que implementam operações Booleanas, tais como E ou OU. Um flip-flop é um elemento básico de memória que é capaz de armazenar um bit de informação, podendo assumir o valor 0(falso) ou 1(verdadeiro). Portas e flip-flops são células digitais que podem ser agrupadas para formar módulos ou unidades aritméticas e de memória.

26 NÍVEL DE PORTAS Os módulos são utilizados como componentes básicos no nível de registradores. O comportamento de cada módulo pode ser descrito com o uso de equações Booleanas e diagramas de máquinas de estados finitas(finite State Machines FSMs)

27 NÍVEL DE REGISTRADORES Seus principais componentes são unidades aritméticas e de memória, tais como, somadores, comparadores, multiplicadores, contadores, registradores, bancos de registradores, filas, etc. Cada um destes componentes é um módulo com dimensões fixas, um atraso de propagação e um conjunto de posições(fixas) para as entradas e saídas o módulo

28 NÍVEL DE REGISTRADORES Estes componentes do nível de registradores podem ser montados e interconectados em micro circuitos, que podem ser usados como componentes básicos neste nível de abstração Usualmente, estes micro circuitos são descritos por fluxogramas, conjuntos de instruções, diagramas de FSMs ou tabelas de estado.

29 NÍVEL DE PROCESSADOR Tem como componentes básicos: processadores, memórias, controladores e interfaces. Possuem também circuitos de aplicação específica(application Specifc Integrated Circuits ASICs)

30 NA PRÓXIMA AULA: SISTEMAS NUMÉRICOS DIGITAIS

Lógica Matemática e Elementos de Lógica Digital (Representação analógica e digital)

Lógica Matemática e Elementos de Lógica Digital (Representação analógica e digital) Lógica Matemática e Elementos de Lógica Digital (Representação analógica e digital) Curso: Ciência da Computação Lívia Lopes Azevedo livia@ufmt.br Lógica Matemática e Elementos de Lógica Digital Circuitos

Leia mais

ELETRONICA DIGITAL. Aula 01 Apresentação da disciplina; Representação Digital x Analógica. Prof. Franklin Alves 1

ELETRONICA DIGITAL. Aula 01 Apresentação da disciplina; Representação Digital x Analógica. Prof. Franklin Alves 1 ELETRONICA DIGITAL Aula 01 Apresentação da disciplina; Representação Digital x Analógica. Prof. Franklin Alves 1 Objetivo Entender os conceitos fundamentais de lógica digital. Estudo de Sistemas Digitais

Leia mais

1 Introdução. Figura Sistema como uma caixa preta.

1 Introdução. Figura Sistema como uma caixa preta. 1 Introdução Um sistema pode ser definido como sendo um conjunto de elementos que são interligados de alguma maneira para compor um todo e assim realizar funcionalidade específica. Por exemplo, um aparelho

Leia mais

Apresentação da Disciplina Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Apresentação da Disciplina Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Apresentação da Disciplina Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Introdução à Eletrônica É ciência que estuda a forma de controlar a energia elétrica por meios elétricos nos quais os

Leia mais

Aula 1. Funções Lógicas. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 1. Funções Lógicas. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 1 Funções Lógicas SEL 0414 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Representação Numérica: l Utilizada na representação de alguma grandeza física l Pode ser Analógica ou Digital

Leia mais

Elementos de Lógica Digital Aula 1: Introdução 04/08/2011

Elementos de Lógica Digital Aula 1: Introdução 04/08/2011 Elementos de Lógica Digital Aula 1: Introdução 04/08/2011 Website http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2010-2-elementos-de-logica-digital/ Prof a. Patrícia Dockhorn Costa Objetivos O objetivo desta disciplina

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Introdução a Sistemas Digitais

Introdução a Sistemas Digitais Introdução a Sistemas Digitais Definição Sistemas Digitais Projeto Revisão: Circuitos Combinacionais Circuitos Sequênciais Máquinas de Estados Sistemas Digitais Definição Um sistema digital é um sistema

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 CIRCUITOS ARITMÉTICOS: SOMADORES SUBTRATORES

EXPERIÊNCIA 8 CIRCUITOS ARITMÉTICOS: SOMADORES SUBTRATORES MEC UTFPR-CT DAELT CURSO: ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA DIGITAL PROF.: EXPERIÊNCIA 8 CIRCUITOS ARITMÉTICOS: SOMADORES SUBTRATORES 1 DATA REALIZAÇÃO: DATA ENTREGA: ALUNOS: e e Planejamento:

Leia mais

Funcionamento Área Desempenho (velocidade) Potência Aula 1. Circuitos Digitais. Circuitos Digitais

Funcionamento Área Desempenho (velocidade) Potência Aula 1. Circuitos Digitais. Circuitos Digitais INF01058 Objetivo Circuitos igitais Projetar circuitos digitais: Combinacionais Sequências Testar a analisar circuitos digitais Introdução Funcionamento Área esempenho (velocidade) Potência Aula 1 Mundo

Leia mais

Representação da Informação no Computador

Representação da Informação no Computador Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Representação da Informação no Computador Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT3 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre

Leia mais

Experiência 5: Circuitos osciladores e conversores digital-analógicos

Experiência 5: Circuitos osciladores e conversores digital-analógicos Experiência 5: Circuitos osciladores e conversores digital-analógicos Esta experiência analisa circuitos osciladores e conversores digital-analógicos. Circuitos osciladores são fundamentais em eletrônica,

Leia mais

ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores

Leia mais

CONVERSORES D/A e A/D. SEL Sistemas Digitais Prof. Homero Schiabel

CONVERSORES D/A e A/D. SEL Sistemas Digitais Prof. Homero Schiabel CONVERSORES D/A e A/D SEL 414 - Sistemas Digitais Prof. Homero Schiabel CONVERSOR DIGITAL-ANALÓGICO ANALÓGICO Conversor D/A 1. Introdução Grandeza física Grandeza física Variação contínua (ANALÓGICO) t

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Representação de Números de Ponto Flutuante Aritmética

Leia mais

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações Bit, Caractere, Byte e Palavra Conceito de Arquivos e Registros Medidas de desempenho http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2

Leia mais

Aula 7: Portas Lógicas: AND, OR, NOT, XOR, NAND e NOR

Aula 7: Portas Lógicas: AND, OR, NOT, XOR, NAND e NOR Aula 7: Portas Lógicas: AND, OR, NOT, XOR, NAND e NOR Conforme discutido na última aula, cada operação lógica possui sua própria tabela verdade. A seguir será apresentado o conjunto básico de portas lógicas

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

Processador: Conceitos Básicos e Componentes

Processador: Conceitos Básicos e Componentes Processador: Conceitos Básicos e Componentes Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

Aula 2. Dispositivos de entrada. Dispositivos controladores. Memórias. Processador

Aula 2. Dispositivos de entrada. Dispositivos controladores. Memórias. Processador 13 Aula 2 Dispositivos de entrada São dispositivos basicamente elétricos que são os responsáveis pela tradução da linguagem natural, humana para sinais elétricos, que posteriormente serão convertidos em

Leia mais

RCM00011 CIRCUITOS DIGITAIS

RCM00011 CIRCUITOS DIGITAIS RCM00011 CIRCUITOS DIGITAIS Prof. Luciano Bertini Site: http://www.professores.uff.br/lbertini Objetivo do Curso O objetivo do curso de Circuitos Digitais é apresentar ao aluno os

Leia mais

Microcomputadores. É época de Natal. Um pai sai em busca dos presentes, entre eles o do filho, o tão ansiado videogame.

Microcomputadores. É época de Natal. Um pai sai em busca dos presentes, entre eles o do filho, o tão ansiado videogame. A UU L AL A Microcomputadores É época de Natal. Um pai sai em busca dos presentes, entre eles o do filho, o tão ansiado videogame. Um problema A onda agora são os videogames, os CD-ROMS, equipamentos de

Leia mais

Montagem e Manutenção de Computadores

Montagem e Manutenção de Computadores Montagem e Manutenção de Computadores Organização dos Computadores Aula de 04/03/2016 Professor Alessandro Carneiro Introdução Um computador consiste de vários dispositivos referidos como hardware: o teclado,

Leia mais

3/14/2012. Programação de Computadores O Computador. Memória Principal representação binária

3/14/2012. Programação de Computadores O Computador. Memória Principal representação binária Programação de Computadores O Computador Memória Principal representação binária Prof. Helton Fábio de Matos hfmatos@dcc.ufmg.br Agenda Memória principal. Memória secundária. O que são bytes e bits. Tecnologias

Leia mais

CONVERSORES D/A e A/D

CONVERSORES D/A e A/D CONVERSORES D/A e A/D Conversores A/D Analógico/Digital e D/A - Digital/Analógico são circuitos responsáveis pela conversão de sinais analógicos para digitais, e de sinais digitais para sinais analógicos.

Leia mais

ARITMÉTICA BINÁRIA. Adão de Melo Neto

ARITMÉTICA BINÁRIA. Adão de Melo Neto ARITMÉTICA BINÁRIA Adão de Melo Neto 1 Sumário Adição Multiplicação Subtração Divisão Complemento de 1 Complemento de 2 Representação de um número com sinal Sinal magnitude Complemento de 2 Valor em decimal

Leia mais

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador Karina Girardi Roggia karina.roggia@udesc.br Departamento de Ciência da Computação Centro de Ciências Tecnológicas Universidade do Estado de Santa Catarina 2016

Leia mais

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos:

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos: Informática A informática engloba toda atividade relacionada ao uso dos computadores, permitindo aprimorar e automatizar tarefas em qualquer área de atuação da sociedade. Informática é a "Ciência do tratamento

Leia mais

Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos)

Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos) Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos) Sistema Computacional Peopleware (usuário) Software (programas) Hardware (máquina) Hardware Corresponde à parte material, aos componentes

Leia mais

Noções de Algoritmos

Noções de Algoritmos Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Noções de Algoritmos DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Tópicos da aula Algoritmos

Leia mais

3. Computadores Industriais

3. Computadores Industriais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS - DEPS INFORMÁTICA INDUSTRIAL IFD 3. Computadores Industriais Igor Kondrasovas

Leia mais

Sistemas Digitais Planificação das aulas teóricas e aulas práticas Ano Lectivo 2006/ 2007

Sistemas Digitais Planificação das aulas teóricas e aulas práticas Ano Lectivo 2006/ 2007 s Teóricas Docente: Ana Cristina Sistemas Digitais Planificação das aulas teóricas e aulas práticas Ano Lectivo 2006/ 2007 Horário: Quinta-feira das 18h00 às 20h00 (sala O106) OT das 17h00 às 18h00 (sala

Leia mais

INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Função e Estrutura. Introdução Organização e Arquitetura. Organização e Arquitetura

INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Função e Estrutura. Introdução Organização e Arquitetura. Organização e Arquitetura Introdução Organização e Arquitetura INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Eduardo Max Amaro Amaral Arquitetura são os atributos visíveis ao programador. Conjunto de instruções, número

Leia mais

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA 1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos e técnicas no tratamento automático da informação. Para

Leia mais

16/8/2010. A arquitetura de um sistema computacional representa o modelo da organização e funcionamento de um sistema de processamento

16/8/2010. A arquitetura de um sistema computacional representa o modelo da organização e funcionamento de um sistema de processamento Arquitetura de es Organização de um Sistema Computacional Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Introdução A arquitetura de um sistema computacional representa o modelo da organização

Leia mais

Contador. A ideia básica de um contador. Os flip-flops podem ser conectados juntos para realizar

Contador. A ideia básica de um contador. Os flip-flops podem ser conectados juntos para realizar A função de contagem é importante em sistemas digitais. Existem muitos tipos de contadores digitais, mas a finalidade básica deles é contar eventos representados por transições de níveis ou pulsos. Para

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL. Marcelo Henrique dos Santos

VISÃO COMPUTACIONAL. Marcelo Henrique dos Santos VISÃO COMPUTACIONAL Marcelo Henrique dos Santos marcelosantos@outlook.com São Paulo SP, Agosto/2013 INTRODUÇÃO Processamento de imagens é um processo onde a entrada do sistema é uma imagem e a saída é

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA Informática Aplicada 2009.2 Campus Angicos LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Professor: Araken de Medeiros Santos INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA 1. Cite alguns problemas que o uso de válvulas provocava nos computadores

Leia mais

Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k

Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k Neste Lab iremos descrever a implementação de um sistema para testar antigas memórias RAM, estática, modelo HM6116LP-4 que ainda são utilizadas

Leia mais

4. As condições de igualdade menor que e maior que são verificadas por a. Operações lógicas b. Subtração c. Localizações d. Operações aritméticas

4. As condições de igualdade menor que e maior que são verificadas por a. Operações lógicas b. Subtração c. Localizações d. Operações aritméticas Fundamentos da Informática Aula 05 - A unidade central de processamento: O que acontece dentro do computador Exercícios - RESPOSTAS Professor: Danilo Giacobo Múltipla escolha 1. Os circuitos elétricos

Leia mais

Nível da Lógica Digital (Aula 6) Portas Lógicas e Lógica Digital Nível da Lógica Digital Estudar vários aspectos da lógica digital Base de estudo para os níveis mais elevados da hierarquia das máquinas

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br Introdução Instruções Primitivas L0 Linguagem de máquina; Divergência de capacidades: Os pc's podem fazer x As pessoas querem

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

FPGA & VHDL. Tutorial Aula 1. Computação Digital

FPGA & VHDL. Tutorial Aula 1. Computação Digital FPGA & VHDL Tutorial Aula 1 Computação Digital FPGA Field Programmable Gate Array Dispositivo lógico contendo uma matriz de: Células lógicas genéricas Configuráveis ( programáveis ) para desempenhar uma

Leia mais

Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário

Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário Cálculo de conversão de bases para responder às questões pertinentes à execução das especificações nas configurações de sistemas, comunicação

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador slide 1 Conceito de programa Sistemas hardwired são inflexíveis.

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 05: Memória Principal MEMÓRIA PRINCIPAL Elementos de uma memória principal (célula, bloco, tamanho total); Cálculo dos elementos de memória (tamanho dos barramentos de

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1 CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Montagem e Manutenção de Computadores Prof.: Denis Willian de Moura Diniz PROCESSADORES PARTE II 2 ULA UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA A ULA - Arithmetic Logic Unit - que em

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Apontamentos sobre Conversores A/D e D/A CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS APONTAMENTOS SOBRE CONVERSORES ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO Índice

Leia mais

Unidade 1: O Computador

Unidade 1: O Computador Unidade : O Computador.3 Arquitetura básica de um computador O computador é uma máquina que processa informações. É formado por um conjunto de componentes físicos (dispositivos mecânicos, magnéticos, elétricos

Leia mais

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções...

10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções... 10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções... 10 4 10. CPU (CENTRAL PROCESSOR UNIT) Como vimos no capítulo

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos 10º ANO

Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos 10º ANO Planificação Anual 2016/2017 Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos SISTEMAS DIGITAIS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES 10º ANO 1 MÓDULO 1 - Sistemas de Numeração 32 aulas de

Leia mais

Fundamentos de Algoritmos (5175/31)

Fundamentos de Algoritmos (5175/31) UEM/CTC Departamento de Informática Curso: Ciência da Computação Professor: Flávio Rogério Uber Fundamentos de Algoritmos (5175/31) Material Original: Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa (UEM/DIN)

Leia mais

Sistemas Embarcados. Projeto de Sistemas Embarcados

Sistemas Embarcados. Projeto de Sistemas Embarcados Sistemas Embarcados Projeto de Sistemas Embarcados Projeto de Sistemas Embarcados Identificação do problema Identificação da melhor tecnologia para a solução do problema Elaboração de um modelo de arquitetura

Leia mais

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração (Aula Extra) Sistemas de diferentes bases Álgebra Booleana Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 27/2 Um sistema de numeração

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Aula 17. Máquina de Estados Parte 1. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 17. Máquina de Estados Parte 1. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 17 Máquina de Estados Parte 1 SEL 0414 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Bibliografia l l l Tocci, R. J.; Widmer, N. S. Sistemas Digitais Princípios e Aplicações. 8ª Ed.,

Leia mais

CONVERSOR ANALÓGICO DIGITAL POR APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS

CONVERSOR ANALÓGICO DIGITAL POR APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN CENTRO DE TECNOLOGIA CT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE ELE0622 INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA CONVERSOR ANALÓGICO DIGITAL POR APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS

Leia mais

Introdução à Linguagem VHDL

Introdução à Linguagem VHDL Fundamentos de Sistemas Digitais Introdução à Linguagem VHDL prof. Dr. Alexandre M. Amory Referências Sugiro estudarem nesta ordem de preferência: Vahid, Cap 9 Ignorar verilog e SystemC Bem didático! um

Leia mais

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register PROCESSADORES Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores, memória e dispositivos de entrada e saída. A CPU é o cérebro do computador. Sua função é executar programas armazenados

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Arquitetura de Computadores Aula 03 Prof. Msc Ubirajara Junior biraifba@gmail.com www.ucljunior.com.br Características do computador sistema eletrônico é rápido e

Leia mais

Álgebra de Boole. Este material é uma adaptação das notas de aula dos professores Edino Fernandes, Juliano Maia, Ricardo Martins e Luciana Guedes

Álgebra de Boole. Este material é uma adaptação das notas de aula dos professores Edino Fernandes, Juliano Maia, Ricardo Martins e Luciana Guedes Álgebra de Boole Este material é uma adaptação das notas de aula dos professores Edino Fernandes, Juliano Maia, Ricardo Martins e Luciana Guedes Álgebra de Boole Álgebra Booleana ou Álgebra de Boole Conjunto

Leia mais

LIC. Organização e Estrutura Básica Computacional. Prof. Marcelo Costa Oliveira 2006, Marcelo Costa oliveira

LIC. Organização e Estrutura Básica Computacional. Prof. Marcelo Costa Oliveira 2006, Marcelo Costa oliveira LIC Organização e Estrutura Básica Computacional Prof. Marcelo Costa Oliveira licufal@gmail.com História 1946 Inventado o 1º computador eletrônico de grande porte ENIAC Universidade da Pensilvania: 18.000

Leia mais

2 a Lista de Exercícios

2 a Lista de Exercícios Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Bacharelado em Ciências da Computação INE 5406 - Sistemas Digitais - semestre 2011/2 Prof. José Luís Güntzel guntzel@inf.ufsc.br

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA 1 Conteúdo 1. Tipos de computadores 2. Representação da informação 3. Hardware Hardware (componentes de um computador) Gabinete Placa-mãe Unidade Central de Processamento 2 1)

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação A Informação

Leia mais

CONCEITOS DE ALGORITMOS

CONCEITOS DE ALGORITMOS CONCEITOS DE ALGORITMOS Fundamentos da Programação de Computadores - 3ª Ed. 2012 Editora Prentice Hall ISBN 9788564574168 Ana Fernanda Gomes Ascênsio Edilene Aparecida Veneruchi de Campos Algoritmos são

Leia mais

Arquitetura e Organização de computadores

Arquitetura e Organização de computadores Arquitetura e Organização de computadores Aula 4: Sistemas de Numeração Prof. MSc. Pedro Brandão Neto pedroobn@gmail.com Sistemas de Informação - UNDB Introdução (I) Desde os primórdios da sua história

Leia mais

Compiladores. Introdução à Compiladores

Compiladores. Introdução à Compiladores Compiladores Introdução à Compiladores Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/2) O meio mais eficaz de comunicação entre pessoas é a linguagem (língua ou idioma). Na programação de computadores, uma linguagem

Leia mais

Introdução à robótica

Introdução à robótica Núcleo de Robótica e Sistemas Cibernéticos Ensino pesquisa e extensão em robótica educacional e cibernética. Introdução à robótica Objetivo da aula 7: Entender o funcionamento de um controlador ou processador

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 19 Barramentos: Estruturas de Interconexão Rodrigo Hausen 14 de outubro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/40 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização de computadores

Leia mais

Inteligência Computacional

Inteligência Computacional Inteligência Computacional INTRODUÇÃO ÀS REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros Na Aula Passada... O que é uma

Leia mais

ALGORITMO. Professor: RODRIGO GOBBI TIPOS DE DADOS E INSTRUÇÕES PRIMITIVAS

ALGORITMO. Professor: RODRIGO GOBBI TIPOS DE DADOS E INSTRUÇÕES PRIMITIVAS ALGORITMO Professor: RODRIGO GOBBI As instruções são os comandos que identificarão a máquina qual deverá ser a ação executada; Os dados são números, medidas, valores relacionados ao problema em que se

Leia mais

OHMÍMETRO DIGITAL. 1 O Projeto. 1.1 Sensor. 1.2 Conversor A/D

OHMÍMETRO DIGITAL. 1 O Projeto. 1.1 Sensor. 1.2 Conversor A/D Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Fontes Cavalcanti Aluno: Raphael Dantas Ciríaco OHMÍMETRO DIGITAL

Leia mais

Unidades de Medidas Computacionais

Unidades de Medidas Computacionais Unidades de Medidas Computacionais Professor: Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Unidades de Medidas Computacionais QUANTIFICAÇÃO DE DADOS Dados e Informações Como nós representamos? Texto: Nome

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação 1 Resolução de problemas usando computador Computador: ferramenta para processamento automático de dados Processamento

Leia mais

Lógica Matemática Elementos de Lógica Digital. Sistema de numeração 09/08/2016 1

Lógica Matemática Elementos de Lógica Digital. Sistema de numeração 09/08/2016 1 Sistema de numeração 09/08/2016 1 Você já pensou sobre: Sistema de numeração a) O modo como surgiram os números? b) Como foram as primeiras formas de contagem? c) Como os números foram criados, ou, será

Leia mais

CALCULADORA SIMPLES COM ULA

CALCULADORA SIMPLES COM ULA CALCULADORA SIMPLES COM ULA Versão 2013 RESUMO 1 Esta experiência tem por objetivo a utilização de circuitos integrados de operações lógicas e aritméticas para o desenvolvimento de circuitos que executam

Leia mais

Implementação de Funções Lógicas com Multiplexadores e Decodificadores

Implementação de Funções Lógicas com Multiplexadores e Decodificadores PUSP PS 2011/205/255 Laboratório igital mplementação de Funções Lógicas com Multiplexadores e ecodificadores.t.m./2006 (adaptação) RSUMO TÓRO implementação de funções lógicas de maior complexidade não

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO SISTEMAS DE NUMERAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Quando mencionamos sistemas de numeração estamos nos referindo à utilização de um sistema para representar uma numeração, ou seja, uma quantidade. Sistematizar algo

Leia mais

CONTROLE PARA SEMÁFOROS DE UM CRUZAMENTO

CONTROLE PARA SEMÁFOROS DE UM CRUZAMENTO PARA SEMÁFOROS DE UM CRUZAMENTO Versão 2013 RESUMO Esta experiência tem como principal objetivo ilustrar a utilização de circuitos biestáveis, através do projeto de um circuito de controle das luzes de

Leia mais

Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado

Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado Arquitetura de computador Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado Arquitetura de Von Neuman A arquitetura de computador proposta por Von Neumann é composta basicamente por: Computadores

Leia mais

Sistemas Digitais: Introdução

Sistemas Digitais: Introdução Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sistemas Digitais: Introdução DCA0119 Sistemas Digitais Heitor Medeiros Florencio 1 Objetivo: Projetar Sistemas

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Conjunto de Instruções Slide 1 Sumário Características de Instruções de Máquina Tipos de Operandos Tipos de Operações Linguagem de Montagem Slide 2 Características

Leia mais

Figura 1 - Display de 7 segmentos

Figura 1 - Display de 7 segmentos Lista de exercicio para revisão Um display de 7 segmentos é um dispositivo eletrônico composto por sete led s com formato de segmento, posicionados de modo a possibilitar a formação de um algarismo decimal

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Eleri Cardozo FEEC/Unicamp 1 Definição de Sistema Operacional Um sistema operacional é um gerenciador de recursos de hardware ou uma máquina virtual que oferece uma

Leia mais

Introdução ao Estudo dos Computadores

Introdução ao Estudo dos Computadores 1 Capítulo 1 Introdução ao Estudo dos Computadores A execução de instruções é um dos pontos centrais num sistema computacional. Vários aspectos na definição e implementação da arquitetura de um computador

Leia mais

O Processo Unificado: Workflow de Análise. Graduação em Informática Profa. Dra. Itana Maria de Souza Gimenes 2009

O Processo Unificado: Workflow de Análise. Graduação em Informática Profa. Dra. Itana Maria de Souza Gimenes 2009 O Processo Unificado: Workflow de Análise Graduação em Informática Profa. Dra. Itana Maria de Souza Gimenes 2009 Workflow de Análise Objetivos da análise: manter uma especificação precisa dos requisitos

Leia mais

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo Sistemas de s Introdução O armazenamento e a recuperação de informações

Leia mais

3. Unidade Central de Processamento

3. Unidade Central de Processamento 3. Unidade Central de Processamento Um microprocessador é um chip responsável por buscar e executar instruções e dados existentes na memória RAM. Vai de regra as instruções são bastante simples, como por

Leia mais

4 Sistema Computacional:

4 Sistema Computacional: 4 Sistema Computacional: Hardware: são os componentes e dispositivos eletrônicos que operando em conjunto com outros componentes ou mesmo individualmente realizam uma das funções de um sistema de computação.

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Leslier S. Corrêa

Organização e Arquitetura de Computadores. Leslier S. Corrêa Organização e Arquitetura de Computadores Leslier S. Corrêa O nome refere-se ao matemático John Von Neumann, que foi considerado o criador dos computadores da forma como são projetados até hoje. Entretanto,

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação COMO UM PROGRAMA ESCRITO

Leia mais

Eletrônica Digital. Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José. Área de Telecomunicações. Sistema de Numeração

Eletrônica Digital. Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José. Área de Telecomunicações. Sistema de Numeração Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Curso Técnico Integrado em Telecomunicações Eletrônica Digital Sistema de Numeração INTRODUÇÃO Eletrônica digital trabalha com

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Moisés Souto docente.ifrn.edu.br/moisessouto professor.moisessouto.com.br moises,souto@ifrn.edu.br @moises_souto Aula 06 CICLO DE INSTRUÇÕES Unidade Central

Leia mais

Aula 8 Portas Lógicas. Programação de Computadores

Aula 8 Portas Lógicas. Programação de Computadores Aula 8 Portas Lógicas Programação de Computadores Introdução As portas lógicas são os componentes básicos da eletrônica digital. Elas são usadas para criar circuitos digitais e até mesmo circuitos integrados

Leia mais

Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO Dados em Algoritmos Quando escrevemos nossos programas, trabalhamos com: Dados que nós fornecemos ao programa Dados

Leia mais

Eletrônica Digital I TE050. Circuitos Combinacionais

Eletrônica Digital I TE050. Circuitos Combinacionais Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Eletrônica Digital I TE5 Circuitos Combinacionais Prof. Lúcio Mauro M. Tonon Circuitos Combinacionais Circuitos Combinacionais

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação

Eletrônica Digital para Instrumentação G4 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof. Márcio Portes de Albuquerque (mpa@cbpf.br) Prof. Herman P. Lima Jr (hlima@cbpf.br) Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais