REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO METROPOLITANO DE LISBOA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO METROPOLITANO DE LISBOA"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO METROPOLITANO DE LISBOA Artigo 1º. O presente documento tem por objeto definir o estatuto do Provedor do Cliente do METROPOLITANO DE LISBOA, EPE (ML) e estabelecer o conjunto de normas e procedimentos que devem ser observadas pelo mesmo no exercício das funções a desenvolver. Artigo 2º. 1. O Provedor do Cliente é um órgão autónomo e com estatuto próprio, que lhe assegura plena independência relativamente ao Conselho de Administração do ML, tendo por função a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos dos clientes do ML. 2. O Provedor do Cliente tem como função apreciar as reclamações dos Clientes do ML e em resultado das apreciações realizadas, formular recomendações ao respetivo Conselho de Administração, atuando, no exercício das suas funções, com total autonomia e independência. 3. A nomeação do Provedor do Cliente é da competência do Conselho de Administração do ML, em reunião que conte com a presença de todos os seus membros, recaindo a escolha em pessoa de reconhecido prestígio e reputação profissional, integridade e independência e sem qualquer vínculo laboral ao ML. 4. O mandato do Provedor do Cliente é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos. 5. O Provedor do Cliente cessa as suas funções no final do mandato. Poderá, todavia, cessar funções antes daquela data mas seguintes situações: - Por denúncia de qualquer das partes com uma antecedência mínima de 45 (quarenta e cinco) dias. - Por morte ou incapacidade física permanente do Provedor do Cliente; - Por verificação de incompatibilidade superveniente; 1/4

2 - Por incumprimento gravoso e reiterado pelo provedor do Cliente das obrigações legais e regulamentares a que se encontra obrigado aplicável no exercício das suas funções. Artigo 3º. O Provedor do Cliente poderá ser ouvido sobre quaisquer assuntos relacionados com as atribuições do Conselho de Administração do ML e tomar parte nas suas reuniões sempre que solicitada a sua presença, ou por sua sugestão, por considerar útil a sua presença na apreciação de qualquer assunto específico, exceto na área das relações de trabalho e na esfera do funcionamento internos dos serviços do ML. Artigo 4º. 1.A atuação do Provedor do Cliente terá predominantemente em vista encontrar soluções justas ou definidas pelo princípio da equidade, devendo prevalecer sempre o espírito de conciliação ou de composição de interesses em oposição, que conduzam à transação entre as partes em litígio. 2.O Provedor do Cliente não está vinculado a quaisquer formalidades em matéria de organização processual ou em matéria de produção de provas, podendo adotar todos os procedimentos razoáveis que considere apropriados para a instrução dos processos, desde que não colidam com os direitos ou interesses legítimos dos intervenientes, e obedecerá aos princípios da celeridade, eficiência e simplicidade. 3. O serviço do Provedor do Cliente é gratuito e não obriga à constituição de Advogado. 4. No exercício das suas funções, o Provedor do Cliente, diretamente ou através de colaboradores devidamente credenciados, pode: a) Solicitar ao ML todas as informações que considere relevantes na apreciação das reclamações; b) Solicitar ao ML o acesso aos processos e à documentação na posse deste que estejam relacionados com a reclamação apresentada, bem como qualquer outra documentação do ML que considere relevante para a apreciação da reclamação, podendo para tanto examinar todos os arquivos, ficheiros e demais documentos bem como os registos informáticos do 2/4

3 ML, com respeito pelos princípios da proteção de dados pessoais e sempre em estreita articulação com o ML. d) Solicitar a intervenção de técnicos do ML ou de Peritos externos e promover encontros com as partes interessadas, de modo a obter um melhor conhecimento das realidades concretas que tenha que apreciar. e) Solicitar diretamente aos serviços do ML a realização de quaisquer diligências, que deverão ser executadas dentro do prazo que seja fixado e com toda a possível prioridade. 3. O Provedor do Cliente é obrigado a guardar sigilo relativamente aos factos de que tome conhecimento no exercício das suas funções, se tal sigilo se impuser em vista da natureza dos factos ou em defesa dos interesses do ML. Artigo 5º. 1. O Provedor do Cliente tem poderes meramente consultivos, cabendo-lhe efetuar as recomendações ao ML que considere adequadas, em resultado da apreciação que haja efetuado das reclamações que lhe tenham sido dirigidas. 2.As recomendações devem ser dirigidas ao Conselho de Administração do ML e não têm carácter vinculativo, podendo ou não ser acatadas pelo ML, não tendo o Provedor do Cliente competência para revogar, reformar ou converter ou de, qualquer modo, alterar quaisquer atos ou decisões do Conselho de Administração do ML. 3. A intervenção do Provedor do Cliente não inibe ou prejudica o direito do reclamante de recurso aos tribunais ou a mecanismos de resolução extrajudicial de litígios e a apreciação de reclamações que lhe sejam dirigidas não suspende o decurso de quaisquer prazos, nomeadamente os do recurso contencioso. 4. A apreciação efetuada pelo Provedor do Cliente nos casos concretos não poderá ser invocada em juízo. 3/4

4 Artigo 6º. 1. Cabe ao Provedor do Cliente apreciar reclamações de Clientes relativas a decisões ou respostas anteriores da Área de Gestão de Reclamações do ML das quais discordem. O Provedor do Cliente pronunciar-se-á ainda sobre quaisquer questões que lhe sejam diretamente colocadas pelo Conselho de Administração do ML. 2.As reclamações a apreciar devem ser formuladas por escrito ao Provedor do Cliente, através dos seguintes meios: a) Por carta dirigida ao Provedor do Cliente do Metropolitano de Lisboa, Av.ª Fontes Pereira de Melo, nº. 28, Lisboa; b) Por para o endereço do Provedor do Cliente: c) Por meio do preenchimento de formulário eletrónico disponibilizado no site do ML no endereço: 3. As reclamações devem, no mínimo, conter os seguintes elementos: a) Nome completo e número de documento de identificação do reclamante; b) Dados de contacto do reclamante; c) Descrição dos factos que motivaram a reclamação, com identificação dos intervenientes e da data em que os factos ocorreram. 4.O Provedor do Cliente do ML comunicará, por escrito, ao Reclamante, no prazo máximo de 30 dias, os resultados da apreciação à reclamação e respetiva fundamentação, podendo este prazo ser alargado para 45 dias, em situações de especial complexidade. Artigo 7º. O Provedor do Cliente não pode apreciar reclamações relativamente às quais: a) Tenha direta ou indiretamente um interesse que lhe permitisse ser reclamante; b) Seja reclamante o seu cônjuge ou algum seu parente ou afim, em linha reta ou no segundo grau da linha colateral, ou quando alguma destas pessoas tenha na reclamação um interesse que lhe permita figurar nela como reclamante; c) Seja reclamante por si ou como representante de outra pessoa; d) Tenha tido intervenção na situação objeto da reclamação em qualquer outra qualidade. 4/4

5 Artigo 8º O Provedor do Cliente informará mensalmente o Conselho de Administração do ML da evolução do número e tipo de reclamações recebidas e do seu seguimento, e efetuará a divulgação anual das suas atividades através de um relatório que enviará ao Conselho de Administração do ML contendo a indicação das reclamações recebidas, as diligências efetuadas e as recomendações emitidas. 5/4

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros, S.A Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros de Vida, S.

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros, S.A Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros de Vida, S. REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros, S.A Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros de Vida, S.A 1 O presente regulamento define as regras que orientam a função

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Funções 1. O Provedor do Cliente do BCN tem por função principal a defesa e promoção dos direitos, garantias e

Leia mais

EUROVIDA - COMPANHIA DE SEGUROS DE VIDA, S.A.

EUROVIDA - COMPANHIA DE SEGUROS DE VIDA, S.A. PROVEDOR DOS PARTICIPANTES E BENEFICIÁRIOS DE ADESÕES INDIVIDUAIS AOS FUNDOS DE PENSÕES ABERTOS Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de

Leia mais

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Princípios Gerais Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é um órgão independente da APAVT, que tem por função principal a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos

Leia mais

Artigo 1º ÂMBITO. Artigo 2º EQUIDADE, DILIGÊNCIA E TRANSPARÊNCIA

Artigo 1º ÂMBITO. Artigo 2º EQUIDADE, DILIGÊNCIA E TRANSPARÊNCIA REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GENERALI NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS Artigo 1º ÂMBITO 1. O presente Regulamento consagra

Leia mais

NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS (SECSH)

NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS (SECSH) CEUM/SECSH NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA (SECSH) (Aprovadas pelo Despacho RT-07/2015, de 26 de janeiro) Capítulo I Definição, missão e atribuições Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição e missão

Leia mais

Campus Universitário de Viseu Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo (Viseu) ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE

Campus Universitário de Viseu Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo (Viseu) ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE Campus Universitário de Viseu ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE Ano Letivo de 2012-2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ARTIGO 1º... 3 FUNÇÕES DO PROVEDOR DO ESTUDANTE... 3 ARTIGO 2º... 3 DESIGNAÇÃO DO PROVEDOR

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA índice Páginas 5 1. OBJETO E ÂMBITO DO REGULAMENTO 2. COMPOSIÇÃO DO COMITÉ DE ÉTICA 6 7 8 3. COMPETÊNCIAS DO COMITÉ DE ÉTICA 4. FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA 5. SUPERVISÃO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DA COMISSÃO EXECUTIVA DO BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. («BES») ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de

Leia mais

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing)

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 1 Princípios Gerais A Caixa Económica Montepio Geral, nos termos do Regime Geral das Instituições

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO NACIONAL

REGULAMENTO DA COMISSÃO NACIONAL PROPOSTA DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO DA COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO Aprovada em Sessão Plenária do Conselho Geral de 18 de Novembro de 2015 REGULAMENTO DA COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO Artigo 1º

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA Jerónimo Martins SGPS, S.A. ARTIGO 1.º (Atribuições) 1. A Comissão de Governo da Sociedade e de Responsabilidade Corporativa

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES GALP ENERGIA, SGPS, S.A.

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES GALP ENERGIA, SGPS, S.A. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES GALP ENERGIA, SGPS, S.A. 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade, correção, honestidade, transparência e integridade,

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados.

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados. PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de 2012. Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício da competência

Leia mais

Para conhecimento dos Clubes, Árbitros filiados e demais interessados se. informa que a Direção da A.F. Leiria aprovou em sua reunião do dia

Para conhecimento dos Clubes, Árbitros filiados e demais interessados se. informa que a Direção da A.F. Leiria aprovou em sua reunião do dia ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LEIRIA COMUNICADO OFICIAL N.º 155 Data: 09.12.2015 Para conhecimento dos Clubes, Árbitros filiados e demais interessados se informa que a Direção da A.F. Leiria aprovou em sua

Leia mais

ESTATUTO DA OASTP. Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção

ESTATUTO DA OASTP. Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção 1. O advogado deve, no exercício da profissão e fora dele, considerar-se um servidor da justiça e do direito e,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1. A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada pelo Conselho de Administração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A.

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA E FINANÇAS NOS, SGPS, S.A. 1/5 O presente instrumento regulamenta o exercício de competências e deveres, e o funcionamento, da Comissão de Auditoria e Finanças da NOS

Leia mais

REGISTO DE ALTERAÇÕES

REGISTO DE ALTERAÇÕES Versão Nº REGISTO DE ALTERAÇÕES Data de elaboração Data de divulgação 1 2008.07.23 2008.08.01 2 2012.02.15 2012.06.01 Elaborado por António Gomes, Celeste Mendes, Carlos Falcão, Ganda Cêncio, Herculana

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO Regimento Interno Art. 1 º A Comissão de Direito Securitário é composta de: I Membros Efetivos, dentre eles o Presidente, o Vice-Presidente, Secretário e Membros Consultores;

Leia mais

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 Deliberação n.º 83 /2015 Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 A CIC Portugal 2020, na reunião ordinária de 21 de dezembro de 2015, deliberou, nos temos da alínea q) do n.º 2 do artigo 10.º do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro do Grupo NEOENERGIA constituído por decisão do Conselho de Administração da NEOENERGIA S.A O presente Regimento foi aprovado

Leia mais

Regulamento do Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Distrito de Coimbra

Regulamento do Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Distrito de Coimbra Regulamento do Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Distrito de Coimbra Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico Artigo 1.º Objeto O Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Distrito

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

Regulamento do Provedor do Cliente

Regulamento do Provedor do Cliente Vr5-0_Março/2016 Índice Artigo 1.º - Atribuições... 3 Artigo 2.º - Duração do mandato e incompatibilidades... 3 Artigo 3.º - Reclamações elegíveis para apreciação pelo Provedor do Cliente... 5 Artigo 4.º

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS ÍNDICE Instituição da Comissão de Vencimentos...

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 923/2016

DELIBERAÇÃO N.º 923/2016 1 DELIBERAÇÃO N.º 923/2016 1. A pretensão de acesso aos dados pessoais constantes de recibo de vencimento de trabalhadores objeto de processo de execução A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD)

Leia mais

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DO CENFORMA 2 Artigo 1.º Definição 1. O Regimento Interno da Secção de Formação e

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

Regulamento do Código de Ética EDP

Regulamento do Código de Ética EDP Regulamento do Código de Ética EDP Outubro de 2015 1 Regulamento do Código de Ética EDP Revisão 3 Elaborado por: Data: Gabinete do Provedor de Ética 2015 10 08 Aprovado por: Data Conselho de Administração

Leia mais

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras Regulamento de Assistência Jurídica Capítulo I Disposições gerais e preliminares Artigo 1.º 1. O presente Regulamento visa regular o direito à assistência jurídica dos Associados do SCIF. 2. O SCIF garante,

Leia mais

Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007

Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007 Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007 Disciplina as formas de colaboração e os procedimentos de escolha dos consultores científicos para fins do assessoramento tratado no artigo 3º do Estatuto da CAPES.

Leia mais

Acesso à Informação em Saúde NORMA CA.04. OBJETIVO: Definir as normas e procedimentos de acesso à informação em saúde

Acesso à Informação em Saúde NORMA CA.04. OBJETIVO: Definir as normas e procedimentos de acesso à informação em saúde OBJETIVO: Definir as normas e procedimentos de acesso à informação em saúde DESTINATÁRIOS: Profissionais de saúde e utentes DIPLOMAS LEGAIS QUE SUPORTAM A NORMA: Lei nº 46/2007 de 24 de agosto Lei nº 67/98

Leia mais

b. Na análise e definição das linhas de orientação das políticas de sustentabilidade e de responsabilidade social.

b. Na análise e definição das linhas de orientação das políticas de sustentabilidade e de responsabilidade social. Banif Banco Internacional do Funchal, SA Regulamento da Comissão Interna Especializada de Governo Societário do Conselho de Administração Artigo 1.º Missão: 1. A Comissão Interna Especializada de Governo

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Modo de Proceder Descrição Capítulo I Disposições e regras genéricas 1. No exercício das competências afectas ao Departamento de Suporte Técnico e Administrativo (DSTA), compete à directora do departamento

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

Regulamento do Passatempo DIA DOS NAMORADOS 2016

Regulamento do Passatempo DIA DOS NAMORADOS 2016 Regulamento do Passatempo DIA DOS NAMORADOS 2016 1. Entidade Promotora 1.1 A Aliança Francesa de Lisboa, com sede na Av. Luís Bivar 91 2º, 1069-141 Lisboa, com o número único de pessoa colectiva e de matrícula

Leia mais

Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro

Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro A presente portaria vem alterar as Portarias n.os 1416-A/2006, de 19 de dezembro, 1594/2007, de 17 de dezembro, 622/2008, de 18 de julho, 1513/2008, de 23 de dezembro,

Leia mais

1ª CCA RV 1ª CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DE RIO VERDE - GO

1ª CCA RV 1ª CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DE RIO VERDE - GO 1ª CCA RV 1ª CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DE RIO VERDE - GO Com fundamento no artigo 65 do Regimento Interno, procede-se à quinta alteração do Regimento Interno, tomando-se as seguintes deliberações:

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 37/2013

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 37/2013 INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 37/2013 Regulamento dos deveres de prevenção e combate ao branqueamento de vantagens de proveniência ilícita e ao financiamento do terrorismo no setor comercial Índice 1.Introdução...

Leia mais

Comissão Sindical de Empresa do Banco Comercial Português (Centro)

Comissão Sindical de Empresa do Banco Comercial Português (Centro) Regulamento Comissão Sindical de Empresa Grupo Banco Artigo 1º Âmbito do Regulamento Nos termos dos Estatutos a organização e funcionamento da Comissão Sindical de Empresa reger-se-á pelo presente Regulamento,

Leia mais

Política de tratamento de Clientes BPI Vida e Pensões, S.A.

Política de tratamento de Clientes BPI Vida e Pensões, S.A. Política de tratamento de Clientes BPI Vida e Pensões, S.A. Janeiro de 2016 1 Índice Enquadramento... 3 Regulamento da Política de Tratamento dos Tomadores de Seguro, Segurados, Beneficiários ou Terceiros

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO INTERNA DA CAAJ CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1º. Objeto

REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO INTERNA DA CAAJ CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1º. Objeto REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO INTERNA DA CAAJ CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento de organização interna, abreviadamente designado regulamento, estabelece as funções, competências

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016 Considerando que o Regime Jurídico de Apoio ao Movimento Associativo Desportivo, aprovado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 21/2009/A,

Leia mais

Regulamento do Conselho Fiscal GALP ENERGIA, SGPS, S.A.

Regulamento do Conselho Fiscal GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Regulamento do Conselho Fiscal GALP ENERGIA, SGPS, S.A. CAPÍTULO I (Disposições Gerais) Artigo 1º (Objecto) O presente instrumento regulamenta o exercício de competências e deveres, e o funcionamento,

Leia mais

DIRETRIZES DO CCA-IST

DIRETRIZES DO CCA-IST DIRETRIZES DO CCA-IST 13.05.2013 PLANEAMENTO DO SIADAP PARA 2013/2014 A Lei do Orçamento de Estado para 2013 introduziu alterações significativas no SIADAP 1, que obrigam a mudanças nos procedimentos desenvolvidos

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 4. PRINCÍPIOS DE ATUAÇÃO... 2 4.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 4.2. CONFLITO

Leia mais

REGULAMENTO ART.FEST MOSTRA DE ARTESANATO URBANO

REGULAMENTO ART.FEST MOSTRA DE ARTESANATO URBANO REGULAMENTO ART.FEST MOSTRA DE ARTESANATO URBANO O Art.Fest Mostra de Artesanato Urbano é um projeto desenvolvido pela Associação Azimute Radical, em parceria com a Associação Nacional de Futebol de Rua

Leia mais

DECRETO 6.003, DE 28 DE DEZEMBRO DE

DECRETO 6.003, DE 28 DE DEZEMBRO DE DECRETO 6.003, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006 Regulamenta a arrecadação, a fiscalização e a cobrança da contribuição social do salário-educação, a que se referem o art. 212, 5º, da Constituição, e as Leis 9.424,

Leia mais

Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul

Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OVAR SUL DGEstE Direção de Serviços Região Centro Sede: Escola Secundária Júlio Dinis Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul Artigo 1.º

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 547, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 547, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002, e da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática Regulamento Eleitoral para a Eleição dos Órgãos Sociais da CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Assembleia Eleitoral 1 Em cumprimento do disposto no capítulo sétimo dos Estatutos da Associação de

Leia mais

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I.P.

Leia mais

COMPROMISSO COM OS CLIENTES

COMPROMISSO COM OS CLIENTES DEZ 2015 COMPROMISSO COM OS CLIENTES Gás & Power Consulte aqui todas as informações necessárias relativas ao fornecimento de eletricidade, gás natural e serviços associados para saber sempre como agir

Leia mais

Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL

Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da ACBI apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Proposta de Regulamento Eleitoral das eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do PS para a designação do candidato do PS ao cargo do Primeiro-Ministro CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

Grupos Parlamentares de Amizade

Grupos Parlamentares de Amizade Grupos Parlamentares de Amizade Resolução da Assembleia da República n.º 6/2003, de 24 de janeiro (TP), com as alterações introduzidas pela Resolução da Assembleia da República n.º 26/2010, de 30 de março

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA ATRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE TELEMÓVEIS DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS PARA USO OFICIAL

REGULAMENTO INTERNO PARA ATRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE TELEMÓVEIS DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS PARA USO OFICIAL REGULAMENTO INTERNO PARA ATRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE TELEMÓVEIS DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS PARA USO OFICIAL Preâmbulo Considerando que a utilização de telemóveis pelos responsáveis e serviços da

Leia mais

PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda

PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda 1 PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda Regulamento (UE) nº 305/2011 versus Diretiva nº 89/106/CEE Melo Arruda Encontro promovido pelo Bureau Veritas e IPQ 6 de novembro de 2012 2 Tópicos

Leia mais

A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO

A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO A RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS DE CONSUMO Uma justiça simples, acessível e rápida: Mediação Conciliação Arbitragem O que é a resolução alternativa de litígios de consumo? A resolução alternativa de

Leia mais

Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação ADEI Rede Nacional de Incubadoras de Inovação RENI

Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação ADEI Rede Nacional de Incubadoras de Inovação RENI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação ADEI Rede Nacional de Incubadoras de Inovação RENI TERMOS DE REFERÊNCIA Contratação de uma empresa para a condução de uma auditoria financeira e operacional

Leia mais

Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública

Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública Declaração de inexistência de impedimentos a que se refere a alínea 4) nº 1.2

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO CONVENÇÃO 111

DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO CONVENÇÃO 111 DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO DECRETO N o 62.150, DE 19 DE JANEIRO DE 1968. Promulga a Convenção nº 111 da OIT sobre discriminação em matéria de emprego e profissão. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA. Aviso Convocatório

ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA. Aviso Convocatório ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Aviso Convocatório Nos termos do disposto no artigo 22.º dos Estatutos da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD ( Sociedade ) e no artigo 377.º do Código das Sociedades Comerciais,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento contém as normas e procedimentos a que obedecerá o processo eleitoral para a Mesa da Assembleia-Geral, para

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR Artigo 1º Princípio da legalidade regulamentar Ao abrigo do Decreto-Lei n.º 22/2014 que define o novo Regime Jurídico da

Leia mais

OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º A Ouvidoria do Conselho Federal de Enfermagem tem por objetivo colaborar para o aperfeiçoamento e

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Considerando que, A Constituição da República Portuguesa, inspirada no artigo

Leia mais

RELATÓRIO ESTATÍSTICO JULHO 2015

RELATÓRIO ESTATÍSTICO JULHO 2015 RELATÓRIO ESTATÍSTICO JULHO 2015 VÁRZEA GRANDE MT 2015 1 EXPEDIENTE LUCIMAR SACRE DE CAMPOS Prefeita de Várzea Grande/MT MARCIA FRANÇOSO Controladora Geral do Município IVANILDE NOGUEIRA RAMOS VAZ Ouvidora

Leia mais

e interesses dos consumidores em Portugal Vital Moreira (CEDIPRE, FDUC)

e interesses dos consumidores em Portugal Vital Moreira (CEDIPRE, FDUC) Regulação dos serviços públicos e interesses dos consumidores em Portugal Vital Moreira (CEDIPRE, FDUC) Sumário 1. Os beneficiários dos serviços públicos 2. O impacto da liberalização dos serviços públicos

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO AUDITORIA E CONTROLO DA EDP RENOVÁVEIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO AUDITORIA E CONTROLO DA EDP RENOVÁVEIS, S.A. Este documento em Português é fornecido apenas para efeitos informativos. No caso de qualquer discrepância entre esta versão e a versão original em Espanhol, esta prevalecerá. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE

Leia mais

CONSULTA N.º 13/2007

CONSULTA N.º 13/2007 CONSULTA N.º 13/2007 Relator: SANDRA BARROSO E RUI SOUTO Requerente: Discussão: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Aprovação: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Assunto: Honorários no âmbito de uma

Leia mais

A COBRANÇA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PERANTE A JUSTIÇA DO TRABALHO

A COBRANÇA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PERANTE A JUSTIÇA DO TRABALHO A COBRANÇA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PERANTE A JUSTIÇA DO TRABALHO Eneida Cornel * A Emenda Constitucional nº 45/2004 trouxe mudanças profundas de competência dos órgãos do Poder Judiciário, especificamente

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 ÍNDICE 2 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES OBJECTO O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA Preâmbulo O presente regulamento é elaborado ao abrigo do artigo 75º da Lei Geral do Trabalho em Funções Publicas, aprovado

Leia mais

Regulamento do Concurso Prova 10

Regulamento do Concurso Prova 10 Regulamento do Concurso Prova 10 O presente Regulamento define as Regras de Funcionamento do Concurso Prova 10, cuja organização pertence à Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional

Leia mais

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A actividade fiscalizadora do agente de execução 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A Fiscalização através de meios informáticos A Fiscalização através de meios informáticos

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL Proposta de adequação ao novo EOE (Lei n.º 123/2015, de 2 de Setembro) PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga)

PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga) *C0059067A* C0059067A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga) Estabelece normas de atuação dos advogados das instituições de ensino superior que mantenham atendimento

Leia mais

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E LIMPEZA URBANA PELA EGEO TECNOLOGIA E AMBIENTE, S.A.

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E LIMPEZA URBANA PELA EGEO TECNOLOGIA E AMBIENTE, S.A. REGULAMENTO TARIFÁRIO E DE EXPLORAÇÃO DA CONCESSÃO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA APL -ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S.A. ANEXO II MODELO

Leia mais

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através de concurso, vai conceder apoio à organização

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº CNPJ/MF nº / Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº CNPJ/MF nº / Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos quanto ao

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA Nos termos do artigo 20.º dos Estatutos da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, homologados pelo Despacho n.º 15674-C/2013, de 27 de novembro de 2013, do Reitor

Leia mais

Mecanismo de Gestão de Relação com as Comunidades

Mecanismo de Gestão de Relação com as Comunidades Mecanismo de Gestão de Relação com as Comunidades Introdução O diálogo constante e regular com as partes interessadas e afectadas pelo projecto florestal é uma prioridade para a Portucel Moçambique. Para

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 202/96, DE 23 DE OUTUBRO. Contém as seguintes alterações:

DECRETO-LEI N.º 202/96, DE 23 DE OUTUBRO. Contém as seguintes alterações: DECRETO-LEI N.º 202/96, DE 23 DE OUTUBRO Contém as seguintes alterações: - Decreto-Lei n.º 291/2009, de 12 de Outubro - Decreto-Lei n.º 174/97, de 19 de Julho - Republicação - Declaração de Rectificação

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 17/2012

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 17/2012 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 17/2012 O Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro, veio estabelecer os princípios e as regras que as instituições de crédito devem observar no

Leia mais

DICAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE RECLAMAÇÃO AO MRP

DICAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE RECLAMAÇÃO AO MRP CABEÇALHO: Indicar a cidade e a data de assinatura do formulário. RECLAMANTE: Nome ou Razão Social do investidor RECLAMADA: Razão Social do Participante da BM&FBOVESPA que deu origem ao suposto prejuízo

Leia mais

Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim. Preâmbulo

Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim. Preâmbulo Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim Preâmbulo A Galeria Municipal de Almeirim é um espaço destinado à dinamização da cultura através de exposições temporárias, cabendo neste todas as áreas temáticas

Leia mais

Nota Informativa N.º 2/2016

Nota Informativa N.º 2/2016 Nota Informativa N.º 2/2016 MANUAIS ESCOLARES 1.º Ciclo A educação universal e gratuita constitui um princípio estruturante do Estado Social que decorre tanto da Constituição da República Portuguesa (CRP),

Leia mais

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação)

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação) Estatutos Capítulo I Disposições fundamentais Art.1º (Denominação) A Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação, abreviadamente designada por APCT, é uma associação que se rege pelos

Leia mais

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER 1. Objetivos Específicos a) Organizar e promover atividades destinadas a crianças que frequentam o 1.º ciclo do ensino básico, com a finalidade

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DA DESENVOLVE SP AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A.

REGIMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DA DESENVOLVE SP AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. REGIMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DA DESENVOLVE SP AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. 1 Este regimento, elaborado com base nas melhores práticas de governança corporativa e em atendimento ao

Leia mais