Contas Regionais do Brasil 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contas Regionais do Brasil 2012"

Transcrição

1 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2012 Coordenação de Contas Nacionais Rio de Janeiro, 14/11/2014

2 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas Regionais é uma parceria com as Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e a Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA O projeto foi iniciado em 1996 com a participação de16 estados. Desde 2006 todas as 26 Unidades da Federação e o DF participam deste projeto. Em 2012 a equipe de São Paulo está em processo de renovação do convênio de parceria. SEPLAN - RO SEPLAN - AC SEPLAN - AM SEPLAN - RR IDESP - PA SEPLAN - AP SEPLAN - TO IMESC - MA CEPRO - PI IPECE - CE IDEMA - RN IDEME - PB CONDEPE/FIDEM - PE SEPLANDE - AL SEPLAG - SE SEI - BA FJP - MG IJSN - ES CEPERJ - RJ IPARDES - PR SPG - SC FEE - RS SEMAC - MS SEPLAN - MT SEGPLAN - GO CODEPLAN - DF

3

4 Resultados de Brasil O PIB a preços de mercado acumulou crescimento no ano de 2012 de 1,0% contra 2,7% em A expansão do PIB resultou do aumento de 0,9% do Valor Adicionado a preços básicos em 2012 contra 2,5% de crescimento do VA em Os Impostos sobre Produtos líquidos de Subsídios cresceram 1,6% em 2012 contra os crescimentos de 4,3% em O consumo das famílias cresceu 3,2% em 2012 contra 4,1% 2011; O consumo da administração pública cresceu 3,3 contra 1,9% em 2011; Em 2012 a FBCF cresceu -4,0, a exportação 0,5% e importação 0,2% contra 4,7%, 4,5% e 9,7% respectivamente em 2011.

5 CONTAS REGIONAIS DO BRASIL COMPOSIÇÃO DO PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL - ÓTICA DA PRODUÇÃO ANO Valor adicionado bruto () Impostos sobre produtos, líquidos de subsídios () Produto Interno Bruto () Part. Impostos (%) Part. VAB (%) Var. valor Impostos Var. valor VAB Variação em volume ,9 86, ,5 86,5 1,12 1,15 1, ,2 85,8 1,20 1,14 5, ,2 85,8 1,11 1,11 3, ,1 85,9 1,10 1,10 4, ,0 86,0 1,11 1,12 6, ,9 85,1 1,21 1,14 5, ,7 86,3 0,99 1,07-0, ,4 85,6 1,22 1,16 7, ,8 85,2 1,13 1,10 2, ,2 84,8 1,09 1,06 1,0 Anos de 2010, 2011 e 2012 resultados das Contas Trimestrais Brasileiras.

6 Quadro Resumo PIB Brasileiro - Participação Atividades e agregados 2002, 2008 a 2012, diferença de participação entre 2011 e 2012 e Volume 2012 Atividades Dif Participação Agropecuária 6,6 5,9 5,6 5,3 5,5 5,3 (0,1) (2,1) Indústria 27,1 27,9 26,8 28,1 27,5 26,0 (1,5) (0,8) Indústria extrativa mineral 1,6 3,2 1,8 3,0 4,1 4,3 0,2 (1,1) Indústria de transformação 16,9 16,6 16,6 16,2 14,6 13,0 (1,6) (2,4) Construção civil 5,3 4,9 5,3 5,7 5,8 5,7 (0,1) 1,4 Elet. e gás, água, esgoto e limp. urb. 3,3 3,1 3,1 3,2 3,1 3,1 (0,0) 3,5 Serviços 66,3 66,2 67,5 66,6 67,0 68,7 1,7 1,9 Comércio 10,2 12,5 12,5 12,5 12,6 12,7 0,1 0,9 Transportes 4,8 5,0 4,8 5,0 5,1 5,4 0,3 1,9 Serviços de informação 3,6 3,8 3,6 3,2 3,0 2,9 (0,2) 4,2 Intermediação financeira 7,5 6,8 7,2 7,5 7,4 7,2 (0,3) 0,7 Atividades imobiliárias e aluguel 10,2 8,1 8,4 7,8 7,9 8,2 0,3 2,2 APU 15,5 15,8 16,3 16,2 16,3 16,6 0,3 2,2 Outros serviços 14,6 14,1 14,7 14,3 14,5 15,7 1,1 2,3 Valor Adicionado 86,1 85,1 86,3 85,6 85,2 84,8 (0,4) 0,9 Menor participação da Indústria na série (26%). Menor participação da Transformação na série (13%). Maior participação dos Serviços na série (68,7%). Maior participação do Comércio na série (12,7%). Volume

7 Quadro Resumo PIB Brasileiro - Participação Atividades e agregados 2002, 2008 a 2012, diferença de participação entre 2011 e 2012 e Volume 2012 Atividades Dif Valor Adicionado 86,1 85,1 86,3 85,6 85,2 84,8 (0,4) 0,9 Impostos sobre os Produtos 13,9 14,9 13,7 14,4 14,8 15,2 0,4 1,6 Produto interno Bruto ,0 Ótica da Demanda Participação Consumo das Famílias 61,7 58,9 61,1 59,6 60,3 62,6 2,3 3,2 Consumo do governo 20,6 20,2 21,2 21,1 20,7 21,3 0,6 3,3 Formação Bruta de capital fixo 16,4 19,1 18,1 19,5 19,3 18,2 (1,1) (4,0) Variação de estoques (0,2) 1,6 (0,2) 0,8 0,4 (0,6) (1,1) Exportações de Bens e Serviços 14,1 13,7 11,0 10,9 11,9 12,6 0,7 0,5 Importações de Bens e Serviços (12,6) (13,5) (11,1) (11,9) (12,6) (14,0) (1,4) 0,2 Maior participação dos impostos no PIB na série (15,2%). Logo: Menor participação do Valor Adicionado no PIB na série (84,8%). Maior participação do Consumo das Famílias no PIB na série (62,6%). FBCF queda de 4,0% em volume. Importação com crescimento de 0,2% em volume. Exportação com crescimento de 0,5% em volume. Volume

8

9 Ajuste ao PIB Trimestral

10 Ajuste ao PIB Trimestral

11 Ajuste ao PIB Trimestral

12 Ajuste ao PIB Trimestral

13

14 Participação das Grandes Regiões no Produto Interno Bruto , 2011 e 2012 (%) Regiões Difrença 2012/ /2002 Norte 4,7 5,4 5,3 (0,1) 0,6 Nordeste 13,0 13,4 13,6 0,2 0,6 Sudeste 56,7 55,4 55,2 (0,2) (1,5) Sul 16,9 16,2 16,2 (0,0) (0,7) Centro-oeste 8,8 9,6 9,8 0,2 1,0

15 Participações das Regiões no PIB 2002 e ,5 + 0,6-0,7 + 0,6 + 1,0

16

17 Concentração econômica: PIB e Participação dos estados no PIB 2002, 2011 e 2012 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL, POR GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Diferença UF Part. UF Part. UF Part (%) (%) (%) São Paulo ,6% São Paulo ,6% São Paulo ,1% -2,5% -0,5% Rio de Janeiro ,6% Rio de Janeiro ,2% Rio de Janeiro ,5% -0,1% 0,3% Minas Gerais ,6% Minas Gerais ,3% Minas Gerais ,2% 0,5% -0,1% Rio Grande do Sul ,1% Rio Grande do Sul ,4% Rio Grande do Sul ,3% -0,8% 0,0% Paraná ,0% Paraná ,8% Paraná ,8% -0,2% 0,0% Do 2º ao 5º ,4% Do 2º ao 5º ,6% Do 2º ao 5º ,8% -0,5% 0,2% Outras 22 UF ,0% Outras 22 UF ,8% Outras 22 UF ,1% 3,1% 0,3% BRASIL ,0% BRASIL ,0% BRASIL ,0% Entre os 5 maiores PIBs não houve mudanças na ordem. No grupo dos 5 maiores, em relação a 2011, apenas RJ ganha participação (0,3 pp), SP perde 0,5 pp, MG perde 0,1 pp e RS e PR mantêm a participação. No grupo dos 5 maiores, em relação a 2002 apenas MG ganha 0,5 pp de participação. O grupo das 22 outras UF em relação a 2002 ganham 3,1 pp. Em 2012 o RJ atinge ½ trilhão, marca de SP já em 2002.

18 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL, POR GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Diferença UF Part. UF Part. UF Part (%) (%) (%) São Paulo ,6% São Paulo ,6% São Paulo ,1% -2,5% -0,5% Do 2º ao 5º ,4% Do 2º ao 5º ,6% Do 2º ao 5º ,8% -0,5% 0,2% Bahia ,1% Santa Catarina ,1% Santa Catarina ,0% 0,3% 0,0% Distrito Federal ,8% Distrito Federal ,0% Distrito Federal ,9% 0,1% -0,1% Santa Catarina ,8% Bahia ,9% Bahia ,8% -0,3% 0,0% Goiás ,5% Goiás ,7% Goiás ,8% 0,3% 0,1% Pernambuco ,4% Pernambuco ,5% Pernambuco ,7% 0,3% 0,2% Ceará ,0% Espírito Santo ,4% Espírito Santo ,4% 0,6% 0,1% Espírito Santo ,8% Pará ,1% Pará ,1% 0,3% -0,1% Pará ,7% Ceará ,1% Ceará ,1% 0,1% -0,1% Amazonas ,5% Mato Grosso ,7% Mato Grosso ,8% 0,4% 0,1% Mato Grosso ,4% Amazonas ,6% Amazonas ,5% 0,0% -0,1% Maranhão ,0% Maranhão ,3% Maranhão ,3% 0,3% 0,1% Mato Grosso do Sul ,0% Mato Grosso do Sul ,2% Mato Grosso do Sul ,2% 0,2% 0,1% Paraíba ,8% Rio Grande do Norte ,9% Rio Grande do Norte ,9% 0,1% 0,0% Rio Grande do Norte ,8% Paraíba ,9% Paraíba ,9% 0,0% 0,0% Alagoas ,7% Alagoas ,7% Alagoas ,7% 0,0% 0,0% Sergipe ,6% Rondônia ,7% Rondônia ,7% 0,1% 0,0% Rondônia ,5% Sergipe ,6% Sergipe ,6% 0,0% 0,0% Piauí ,5% Piauí ,6% Piauí ,6% 0,1% 0,0% Tocantins ,4% Tocantins ,4% Tocantins ,4% 0,1% 0,0% Amapá ,2% Amapá ,2% Amapá ,2% 0,0% 0,0% Acre ,2% Acre ,2% Acre ,2% 0,0% 0,0% Roraima ,2% Roraima ,2% Roraima ,2% 0,0% 0,0% Outras 22 UF ,0% Outras 22 UF ,8% Outras 22 UF ,1% 3,1% 0,3% BRASIL ,0% BRASIL ,0% BRASIL ,0%

19 Concentração Econômica - O Brasil em 3 Grandes Grupos: 1º Grupo - Participação de São Paulo no PIB na série (%)

20 Concentração Econômica - O Brasil em 3 Grandes Grupos: 2º Grupo - Participação dos estados RJ, MG, RS e PR (2º ao 5º) no PIB na série (%)

21 Concentração Econômica - O Brasil em 3 Grandes Grupos: 3º Grupo - Participação dos estados das outras 22 UF no PIB na série (%)

22 Concentração Econômica - O Brasil em 3 Grandes Grupos: 1º Grupo - São Paulo (32,1% em 2012) 2º Grupo - Do 2º ao 5 º (RJ, MG, RS e PR =32,8% em 2012) 3º Grupo - Outras 22 UF (35,1% em 2012) Outras 22 UF passam SP Outras 22 UF passam 2º ao 5º

23 PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NO PIB 2002, 2011 E 2012 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL, POR GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Diferença UF Part. UF Part. UF Part (%) (%) (%) São Paulo ,6% São Paulo ,6% São Paulo ,1% -2,5% -0,5% Rio de Janeiro ,6% Rio de Janeiro ,2% Rio de Janeiro ,5% -0,1% 0,3% Minas Gerais ,6% Minas Gerais ,3% Minas Gerais ,2% 0,5% -0,1% Rio Grande do Sul ,1% Rio Grande do Sul ,4% Rio Grande do Sul ,3% -0,8% 0,0% Paraná ,0% Paraná ,8% Paraná ,8% -0,2% 0,0% Do 2º ao 5º ,4% Do 2º ao 5º ,6% Do 2º ao 5º ,8% -0,5% 0,2% São Paulo: Maior economia do país, quase 1/3 da economia brasileira. Maior produtor industrial, segunda maior economia agropecuária e maior economia nas atividades de serviços. Perdeu 2,5 pp de participação em relação a 2002 e 0,5 pp em relação a Rio de Janeiro: 2ª economia, maior produtor de petróleo do Brasil, responde por cerca de 70% da produção. Perdeu 0,1% pp em relação a 2002, no entanto em relação a 2011 ganhou 0,3 pp. Nas atividades agropecuárias, não se destaca, dos grandes estados é o único com baixa participação neste setor econômico.

24 PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NO PIB 2002, 2011 E 2012 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL, POR GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Diferença UF Part. UF Part. UF Part (%) (%) (%) Minas Gerais ,6% Minas Gerais ,3% Minas Gerais ,2% 0,5% -0,1% Rio Grande do Sul ,1% Rio Grande do Sul ,4% Rio Grande do Sul ,3% -0,8% 0,0% Paraná ,0% Paraná ,8% Paraná ,8% -0,2% 0,0% Minas Gerais: 3ª economia, maior economia agropecuária, 2º maior economia industrial, também produtor de minério de ferro, foi o segundo estado a ganhar mais participação no PIB, 0,5 pp desde 2002, só perdeu para o Espírito Santo. Em relação a 2011 perdeu 0,1 pp. Rio G. do Sul: 4ª economia, perdeu 0,8 pp de participação em relação a 2002, em parte explicado pela perda de participação na agropecuária, era o 3º maior produtor, passando para 4º em Paraná: 5ª economia, perdeu 0,2 pp de participação em relação a Estado semelhante ao RS, sofreu menos em relação a problemas climáticos neste período analisado.

25 PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NO PIB 2002, 2011 E 2012 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL, POR GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Diferença UF Part. UF Part. UF Part (%) (%) (%) Bahia ,1% Santa Catarina ,1% Santa Catarina ,0% 0,3% 0,0% Distrito Federal ,8% Distrito Federal ,0% Distrito Federal ,9% 0,1% -0,1% Santa Catarina ,8% Bahia ,9% Bahia ,8% -0,3% 0,0% Santa Catarina: Estado com indústria diversificada e também agropecuária importante, ganhou 0,3 pp em relação a 2002, era a 8ª economia passou a ser a 6ª; Distrito Federal: 7ª economia, capital do país, com grande peso na administração pública, ganhou 0,1 pp em relação a 2002; Bahia: Era a 6ª economia passou para 8ª em Maior economia do nordeste, muito importante na indústria petroquímica, perdeu 0,3 pp em relação a 2002, sendo o único estado do grupo que perde participação;

26 PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NO PIB 2002, 2011 E 2012 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL, POR GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Diferença UF Part. UF Part. UF Part (%) (%) (%) Goiás ,5% Goiás ,7% Goiás ,8% 0,3% 0,1% Pernambuco ,4% Pernambuco ,5% Pernambuco ,7% 0,3% 0,2% Ceará ,0% Espírito Santo ,4% Espírito Santo ,4% 0,6% 0,1% Espírito Santo ,8% Pará ,1% Pará ,1% 0,3% -0,1% Pará ,7% Ceará ,1% Ceará ,1% 0,1% -0,1% Goiás: É a 9ª economia, também grande produtor agropecuário, também industrializando, já é 7ª economia industrial do país, ganhou 0,3 pp em relação a Pernambuco: 2ª economia do nordeste, 10º maior do Brasil, ganhou 0,3 pp em relação a 2002, e 0,2 pp em relação a 2011, sendo a segunda melhor performance dentre as 27 UFs entre 2011 e 2012; Espírito Santo: 11ª economia, grande produtor minério de ferro e petróleo, foi quem mais ganhou participação em relação a 2002, 0,6 pp. Pará: Em 2002 era 13ª economia, passando para 12ª, exportador de minério de ferro, estado com maior economia da região norte, ganhou 0,3 pp em relação a Ceará: 13ª maior economia, em relação a 2002 trocou de posição com o Espírito Santo e Pará, 3ª economia da região nordeste, ganhou 0,1 pp em relação a 2002.

27 PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NO PIB 2002, 2011 E 2012 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL, POR GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Diferença UF Part. UF Part. UF Part (%) (%) (%) Amazonas ,5% Mato Grosso ,7% Mato Grosso ,8% 0,4% 0,1% Mato Grosso ,4% Amazonas ,6% Amazonas ,5% 0,0% -0,1% Maranhão ,0% Maranhão ,3% Maranhão ,3% 0,3% 0,1% Mato Grosso do Sul ,0% Mato Grosso do Sul ,2% Mato Grosso do Sul ,2% 0,2% 0,1% Mato Grosso: 14ª economia, passou o Amazonas; é o estado em que a Agropecuária tem a maior participação em sua economia; e vem ganhando participação em todas atividades nacionais. Ganhou 0,4 pp em relação a Amazonas: 15ª economia, estado com uma indústria importante e segunda maior economia da região norte, se manteve com 1,5% de participação em relação a Maranhão: 16ª economia, estado produtor agrícola, já é o 10º maior produtor de soja, ganhou 0,3 pp em relação a Mato G. do Sul: 17ª economia, estado agropecuário, 6º maior produtor bovino e ganhou 0,2 pp em relação a 2002.

28 PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NO PIB 2002, 2011 E 2012 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL, POR GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Diferença UF Part. UF Part. UF Part (%) (%) (%) Paraíba ,8% Rio Grande do Norte ,9% Rio Grande do Norte ,9% 0,1% 0,0% Rio Grande do Norte ,8% Paraíba ,9% Paraíba ,9% 0,0% 0,0% Rio G. do Norte: 18ª economia, produtor de petróleo em terra, ganhou a posição da Paraíba em relação a Diferencia dos outros estados menores da região pela produção de petróleo. Paraíba: 19ª economia, estado parecido economicamente com o Rio G. do Norte, com as atividades de comércio e Administração pública com pesos semelhantes nos dois estados (em torno de15% comércio e 30% APU).

29 PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NO PIB 2002, 2011 E 2012 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL, POR GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Diferença UF Part. UF Part. UF Part (%) (%) (%) Alagoas ,7% Alagoas ,7% Alagoas ,7% 0,0% 0,0% Sergipe ,6% Rondônia ,7% Rondônia ,7% 0,1% 0,0% Rondônia ,5% Sergipe ,6% Sergipe ,6% 0,0% 0,0% Alagoas, Rondônia e Sergipe, tem quase a mesma participação no PIB, entretanto suas economias possuem perfis diferentes, Rondônia se destaca a partir da Agropecuária e Construção. Alagoas, 20ª economia, produtor agrícola, estado também semelhante a RN e PB, manteve 0,7 % de participação. A agropecuária vem perdendo participação na economia do estado. Rondônia: 21ª economia, passou Sergipe em O estado é grande produtor da pecuária bovina, vem recebendo grandes investimentos na área de infraestrutura, ganhou 0,1 pp em relação a Sergipe: 22ª economia produtor agrícola, mais parecido com Alagoas, destaque para geração de energia. Perdeu a posição para Rondônia.

30 PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NO PIB 2002, 2011 E 2012 PRODUTO INTERNO BRUTO DO BRASIL, POR GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Diferença UF Part. UF Part. UF Part (%) (%) (%) Piauí ,5% Piauí ,6% Piauí ,6% 0,1% 0,0% Tocantins ,4% Tocantins ,4% Tocantins ,4% 0,1% 0,0% Amapá ,2% Amapá ,2% Amapá ,2% 0,0% 0,0% Acre ,2% Acre ,2% Acre ,2% 0,0% 0,0% Roraima ,2% Roraima ,2% Roraima ,2% 0,0% 0,0% Piauí, Tocantins, Amapá, Acre e Roraima, cinco menores economia. Apenas Amapá e Acre trocam de posições com frequência. Piauí: 23ª economia, menor economia nordestina, já produz quase 2% da soja brasileira, ganhou 0,1 pp de participação. Tocantins: 24ª economia, estado produtor agrícola, ganhou cerca de 0,1 pp desde Amapá, Acre e Roraima: Menores PIBs, sendo AP e RR os estados de maiores taxas de crescimentos populacionais do Brasil, mantiveram suas participações a partir de 2002.

31

32 Participação das atividades no Valor Adicionado Atividades Participação % dif dif Agropecuária 6,6 5,5 5,3 (0,1) (1,3) Indústria Total 27,1 27,5 26,0 (1,5) (1,0) Extrativa 1,6 4,1 4,3 0,2 2,7 Transformação 16,9 14,6 13,0 (1,6) (3,9) Construção 5,3 5,8 5,7 (0,1) 0,4 SIUP 3,3 3,1 3,1 (0,0) (0,2) Serviços 66,3 67,0 68,7 1,7 2,3 Comércio 10,2 12,6 12,7 0,1 2,6 APU 15,5 16,3 16,6 0,3 1,1 Aluguel 10,2 7,9 8,2 0,3 (2,0) Financeiro 7,5 7,4 7,2 (0,3) (0,3) Outros Serviços 14,6 14,5 15,7 1,1 1,1 Economia brasileira tem predominância dos serviços, 68,7 % em A atividade ganhou 1,7 pp de participação em relação a 2011 e 2,3 pp em relação a A agropecuária perde 1,3 pp participação em relação a 2002, que acaba afetando os principais estados produtores. A indústria perdeu participação muito influenciada pela indústria de transformação que teve queda de 1,6 pp de participação em relação a 2011 e 3,9 pp em relação a 2002, o principal estado afetado é SP.

33 PARTICIPAÇÃO (%) DAS UFs NAS ATIVIDADES 2002, 2011 E 2012 Ordem 2012 AGROPECUÁRIA UF Dif Dif Acum º MG 13,3 16,1 15,2 (0,9) 2,0 15,2 2º SP 13,5 12,1 11,0 (1,1) (2,5) 26,3 3º MT 6,6 8,0 10,4 2,4 3,9 36,7 4º RS 11,0 10,9 10,1 (0,7) (0,8) 46,8 5º PR 9,8 9,2 10,1 0,9 0,3 56,9 6º GO 7,4 6,3 7,2 0,9 (0,2) 64,1 7º BA 6,6 5,4 5,4 (0,0) (1,2) 69,5 8º MA 2,7 4,2 3,9 (0,3) 1,2 73,4 9º MS 3,5 3,1 3,7 0,6 0,1 77,1 10º SC 5,2 4,5 3,2 (1,2) (2,0) 80,3 11º PA 3,4 2,5 3,0 0,4 (0,5) 83,3 12º RO 1,6 2,6 2,7 0,1 1,1 86,0 13º ES 2,1 2,5 2,6 0,1 0,5 88,6 14º AM 1,6 1,9 2,0 0,0 0,4 90,6 15º TO 1,2 1,5 1,5 (0,0) 0,2 92,0 16º PE 1,8 1,6 1,4 (0,2) (0,4) 93,4 17º CE 2,2 1,9 1,3 (0,6) (0,8) 94,7 18º RJ 1,0 0,9 0,9 0,0 (0,0) 95,7 19º AC 0,5 0,7 0,8 0,1 0,3 96,5 20º AL 1,3 0,8 0,7 (0,1) (0,5) 97,2 21º PB 1,0 0,7 0,6 (0,1) (0,4) 97,8 22º RN 0,9 0,6 0,6 (0,0) (0,3) 98,4 23º SE 0,5 0,4 0,5 0,1 0,1 98,9 24º PI 0,7 0,8 0,5 (0,4) (0,3) 99,4 25º DF 0,3 0,3 0,3 (0,0) (0,0) 99,7 26º RR 0,3 0,2 0,2 0,0 (0,1) 99,8 27º AP 0,2 0,1 0,2 0,0 0,0 100,0 BR 6,6 5,5 5,3 (0,1) (1,3) A Agropecuária perdeu participação no total do VA -0,1 pp de 2011 para Menos concentrada, 8 UFs concentram cerca de 70%, enquanto na indústria total e nos serviços apenas 6 UFs concentram os mesmos 70%. 13 estados dividem pouco mais de 9% da atividade em A perda entre 2012 e 2011 de participação não foi homogênea: MG -0,9, SP -1,1 e RS -0,7 contribuíram negativamente; Contribuíram positivamente MT +2,4, PR +0,9, GO +0,9. Em relação a 2002, MT e MG ganham participação 3,9 pp e 2,0 pp respectivamente.

34 PARTICIPAÇÃO (%) DAS UFs NAS ATIVIDADES 2002, 2011 E 2012 Ordem 2012 INDÚSTRIA TOTAL UF Dif Dif Acum º SP 37,6 31,3 29,8 (1,5) (7,9) 29,8 2º RJ 10,4 12,3 14,3 1,9 3,9 44,0 3º MG 9,2 11,5 10,7 (0,8) 1,5 54,7 4º RS 7,5 6,3 6,2 (0,1) (1,3) 60,9 5º PR 6,5 5,7 5,5 (0,2) (1,0) 66,4 6º SC 4,7 5,2 5,2 0,0 0,5 71,6 7º BA 4,4 3,8 3,8 0,0 (0,6) 75,4 8º ES 2,0 3,1 3,5 0,4 1,5 78,9 9º PA 2,0 3,5 3,2 (0,4) 1,1 82,1 10º GO 2,3 2,7 2,9 0,3 0,6 85,0 11º PE 1,9 2,2 2,6 0,4 0,6 87,6 12º AM 2,3 2,3 2,0 (0,3) (0,3) 89,6 13º CE 1,7 1,8 1,8 0,1 0,2 91,4 14º MT 0,9 1,2 1,2 (0,0) 0,3 92,6 15º MS 0,7 1,0 1,1 0,1 0,4 93,7 16º MA 0,7 0,8 0,9 0,1 0,2 94,6 17º DF 0,9 0,9 0,9 (0,1) 0,0 95,4 18º RN 0,8 0,8 0,9 0,1 0,1 96,3 19º PB 0,8 0,7 0,8 0,1 0,0 97,1 20º SE 0,8 0,7 0,7 0,0 (0,1) 97,8 21º AL 0,7 0,7 0,6 (0,1) (0,1) 98,4 22º RO 0,3 0,5 0,5 0,0 0,2 98,9 23º PI 0,3 0,4 0,4 0,0 0,1 99,4 24º TO 0,3 0,4 0,4 (0,0) 0,0 99,7 25º AP 0,1 0,1 0,1 0,0 (0,0) 99,8 26º AC 0,1 0,1 0,1 (0,0) 0,0 99,9 27º RR 0,1 0,1 0,1 0,0 0,0 100,0 BR 27,1 27,5 26,0 (1,5) (1,0) A Indústria total perdeu 1,5 pp de participação em relação a 2011 e desde 2002 perdeu 1,0 pp. 14 estados dividem menos de 9% da atividade em SP perde 7,9 pp. em relação a Lembrando que este grupo inclui extrativa mineral, transformação, construção e SIUP, e o que ajuda esta perda é a valorização do petróleo, comprovada pelo ganho de participação de 1,9 pp do RJ entre 2011 e Em relação a 2002, RJ e MG ganham participação.

35 PARTICIPAÇÃO (%) DAS UFs NAS ATIVIDADES 2002, 2011 E 2012 Ordem 2012 SERVIÇOS UF Dif Dif Acum º SP 34,1 33,0 33,0 0,0 (1,1) 33,0 2º RJ 13,1 11,6 11,3 (0,2) (1,8) 44,3 3º MG 8,1 8,3 8,5 0,2 0,5 52,9 4º RS 6,8 6,2 6,2 0,0 (0,6) 59,0 5º PR 5,5 5,5 5,6 0,1 0,1 64,7 6º DF 5,6 5,7 5,5 (0,2) (0,1) 70,1 7º BA 3,8 3,9 3,8 (0,1) 0,0 73,9 8º SC 3,3 3,6 3,6 0,1 0,3 77,6 9º PE 2,7 2,7 2,8 0,1 0,1 80,4 10º GO 2,3 2,5 2,6 0,1 0,3 82,9 11º CE 2,1 2,4 2,3 (0,1) 0,1 85,2 12º ES 1,6 1,8 1,9 0,0 0,3 87,1 13º PA 1,6 1,8 1,8 0,0 0,2 88,8 14º MT 1,2 1,6 1,6 0,0 0,4 90,4 15º MA 1,1 1,3 1,4 0,1 0,3 91,8 16º MS 1,0 1,1 1,2 0,0 0,2 93,0 17º AM 1,0 1,2 1,1 (0,0) 0,1 94,1 18º PB 0,9 1,0 1,0 (0,0) 0,1 95,1 19º RN 0,9 1,0 1,0 0,0 0,1 96,1 20º AL 0,7 0,7 0,7 (0,0) 0,1 96,8 21º PI 0,6 0,7 0,7 (0,0) 0,1 97,5 22º SE 0,6 0,7 0,6 (0,0) 0,0 98,2 23º RO 0,5 0,6 0,6 (0,0) 0,1 98,8 24º TO 0,3 0,4 0,4 0,0 0,1 99,2 25º AP 0,3 0,3 0,3 0,0 0,0 99,5 26º AC 0,2 0,2 0,2 0,0 0,0 99,8 27º RR 0,2 0,2 0,2 (0,0) 0,0 100,0 BR 66,3 67,0 68,7 1,7 2,3 Os serviços ganharam 1,7 pp de participação em relação a 2011 e 2,3 pp desde estados dividem um pouco mais que 9% da atividade. Neste quesito, o RJ e DF são os que perdem mais participação, 0,2 pp em relação a Em relação a 2002 o RJ perde 1,8 pp, SP 1,1 pp e RS 0,6 pp. A distribuição da participação dos serviços segue padrão do PIB.

36 PARTICIPAÇÃO (%) DAS UFs NAS ATIVIDADES 2002, 2011 E 2012 Ordem 2012 INDÚSTRIAS DE TRANSFORMAÇÃO UF Dif 2012-Dif Acum º SP 43,5 41,8 40,8 (1,0) (2,7) 40,8 2º MG 8,9 10,0 9,9 (0,1) 1,0 50,7 3º RS 9,3 8,4 8,6 0,2 (0,6) 59,3 4º SC 5,6 6,4 6,7 0,3 1,1 66,0 5º PR 6,5 7,0 6,7 (0,3) 0,2 72,7 6º RJ 6,3 6,1 6,3 0,2 0,0 79,0 7º GO 1,8 2,6 3,2 0,6 1,3 82,2 8º AM 3,1 3,2 2,7 (0,5) (0,4) 84,9 9º BA 3,9 2,8 2,6 (0,2) (1,2) 87,5 10º PE 1,6 1,7 2,3 0,5 0,7 89,8 11º CE 1,6 1,6 1,6 0,1 0,0 91,4 12º ES 1,8 1,6 1,6 (0,0) (0,2) 93,0 13º MT 0,8 1,2 1,2 0,0 0,4 94,2 14º MS 0,5 1,0 1,1 0,2 0,7 95,4 15º PA 1,2 0,8 0,9 0,1 (0,3) 96,3 16º PB 0,5 0,5 0,6 0,1 0,1 96,9 17º AL 0,6 0,7 0,6 (0,1) (0,0) 97,5 18º MA 0,5 0,4 0,5 0,1 0,0 98,0 19º DF 0,5 0,5 0,5 (0,0) 0,0 98,5 20º RN 0,4 0,4 0,4 (0,0) 0,0 98,9 21º SE 0,5 0,3 0,3 (0,0) (0,1) 99,2 22º RO 0,2 0,3 0,3 (0,0) 0,1 99,5 23º PI 0,2 0,2 0,2 (0,0) 0,0 99,8 24º TO 0,1 0,1 0,1 0,0 0,1 99,9 25º AP 0,1 0,0 0,1 0,0 0,0 99,9 26º AC 0,0 0,0 0,1 0,0 0,0 100,0 27º RR 0,0 0,0 0,0 (0,0) (0,0) 100,0 BR 16,9 14,6 13,0 (1,6) (3,9) Na Indústria de transformação brasileira, apenas 5 estados concentram mais de 70% da atividade. A Transformação perdeu 1,6 pp de participação em relação a 2011 e 3,9 pp desde estados dividem 8,6% da atividade em Nesta atividade, SP é que perde mais participação, 1,0 pp em relação a 2011 e 2,7 pp em relação a Santa Catarina passou PR e RJ no ranking desde Destaque também para GO e PE que avançaram 1,3 pp e 0,7 pp desde GO ganhou 0,6 pp entre 2011 e 2012.

37 PARTICIPAÇÃO (%) DAS UFs NAS ATIVIDADES 2002, 2011 E 2012 Ordem 2012 COMÉRCIO UF Dif 2012-Dif Acum º SP 34,0 32,0 31,2 (0,7) (2,8) 31,2 2º MG 8,5 8,6 8,8 0,3 0,4 40,1 3º RJ 10,1 8,6 8,5 (0,2) (1,7) 48,5 4º PR 8,2 7,4 7,3 (0,1) (0,9) 55,8 5º RS 8,1 6,5 6,6 0,1 (1,6) 62,4 6º SC 4,0 5,0 4,9 (0,1) 0,9 67,3 7º BA 3,9 4,5 3,8 (0,7) (0,1) 71,1 8º GO 2,9 3,3 3,4 0,1 0,5 74,5 9º PE 2,6 2,7 2,9 0,2 0,4 77,5 10º CE 2,6 2,7 2,6 (0,0) 0,0 80,1 11º MT 1,4 2,4 2,6 0,2 1,2 82,7 12º ES 1,7 2,3 2,4 0,1 0,7 85,2 13º DF 1,8 2,1 2,1 0,0 0,3 87,3 14º MA 1,3 1,6 2,1 0,5 0,8 89,3 15º PA 1,6 1,7 1,8 0,1 0,2 91,1 16º MS 1,1 1,4 1,4 0,0 0,3 92,6 17º AM 1,2 1,3 1,2 (0,1) (0,0) 93,8 18º RN 0,8 1,0 1,1 0,1 0,3 94,9 19º PB 0,8 1,0 1,0 0,0 0,2 95,9 20º AL 0,6 0,9 0,9 0,0 0,3 96,8 21º PI 0,6 0,8 0,9 0,1 0,2 97,7 22º RO 0,4 0,7 0,7 (0,1) 0,2 98,3 23º SE 0,7 0,6 0,6 0,0 (0,1) 98,9 24º TO 0,3 0,4 0,5 0,0 0,1 99,4 25º AP 0,3 0,2 0,2 0,0 (0,0) 99,6 26º AC 0,2 0,2 0,2 0,0 0,0 99,8 27º RR 0,2 0,2 0,2 (0,0) (0,0) 100,0 BR 10,2 12,6 12,7 0,1 2,6 Na atividade de comércio no Brasil, 7 estados concentram mais de 70% da atividade, no entanto, os 15 primeiros estados concentram em torno de 91% da atividade. 12 estados dividem 9% da atividade em A atividade ganhou participação tanto em relação a ,1 pp quanto a ,6 pp. São Paulo perdeu 2,8 pp em relação a 2002.

38 PARTICIPAÇÃO (%) DAS UFs NAS ATIVIDADES 2002, 2011 E 2012 Ordem 2012 APU UF Dif 2012-Dif Acum º SP 19,2 17,8 17,7 (0,0) (1,5) 17,7 2º DF 13,7 13,7 13,3 (0,4) (0,4) 31,0 3º RJ 14,4 12,4 12,4 0,0 (2,0) 43,5 4º MG 8,3 8,0 8,0 (0,0) (0,3) 51,4 5º RS 5,9 6,4 6,6 0,2 0,7 58,0 6º BA 4,3 4,4 4,4 0,0 0,1 62,4 7º PR 4,1 4,2 4,3 0,1 0,2 66,7 8º PE 3,6 3,7 3,7 0,0 0,1 70,5 9º SC 2,7 3,0 3,0 0,1 0,3 73,5 10º CE 2,7 3,0 2,8 (0,1) 0,1 76,3 11º PA 2,2 2,4 2,5 0,1 0,3 78,8 12º GO 2,2 2,3 2,4 0,1 0,2 81,2 13º ES 1,6 1,9 1,9 0,0 0,3 83,1 14º MA 1,5 1,8 1,8 0,0 0,3 84,9 15º PB 1,6 1,8 1,8 (0,0) 0,2 86,7 16º MT 1,4 1,6 1,6 0,0 0,3 88,3 17º AM 1,6 1,7 1,6 (0,1) 0,0 89,9 18º RN 1,4 1,6 1,6 (0,0) 0,1 91,5 19º MS 1,1 1,4 1,4 0,0 0,3 92,9 20º RO 1,1 1,2 1,2 0,0 0,1 94,1 21º AL 1,1 1,2 1,1 (0,0) 0,0 95,2 22º SE 1,0 1,1 1,1 (0,0) 0,1 96,3 23º PI 0,9 1,1 1,1 (0,0) 0,1 97,4 24º TO 0,6 0,8 0,8 0,0 0,3 98,2 25º AP 0,7 0,7 0,7 0,0 0,1 98,9 26º RR 0,5 0,5 0,5 0,0 0,1 99,5 27º AC 0,5 0,5 0,5 0,0 0,0 100,0 BR 15,5 16,3 16,6 0,3 1,1 A atividade de APU representa 16,6% em 2012 da economia brasileira, com baixa concentração e peso diferenciado na economia dos estados. Ganhou peso desde 2002, de 15,5% para 16,6% em Para os estados menores e menos industrializados tem um peso maior e deu maior proteção durante a crise.

39 PARTICIPAÇÃO (%) DAS ATIVIDADES NAS ECONOMIAS DAS UFs 2012 Participação percentual das atividades de Serviços na economia das Ufs e Brasil em 2012 UF Serviços Total Comércio APU Outros Serv. APU + Comércio Rondônia 61,2 12,1 28,5 20,7 40,6 Acre 69,8 10,9 36,2 22,8 47,1 Amazonas 55,9 10,9 18,8 26,3 29,6 Roraima 84,1 10,9 50,7 22,5 61,6 Pará 55,2 10,4 18,8 26,0 29,2 Amapá 85,9 11,8 47,3 26,9 59,1 Tocantins 64,4 13,0 29,4 22,1 42,4 Maranhão 68,4 19,0 21,4 28,0 40,5 Piauí 77,2 18,0 29,1 30,1 47,1 Ceará 73,8 16,0 22,3 35,5 38,3 Rio Grande do Norte 72,7 15,1 27,7 30,0 42,7 Paraíba 73,7 14,4 31,7 27,6 46,1 Pernambuco 72,2 14,1 23,1 35,0 37,2 Alagoas 72,1 16,5 26,3 29,3 42,8 Sergipe 66,9 11,4 27,0 28,6 38,3 Bahia 67,2 12,5 18,8 35,9 31,3 Minas Gerais 62,0 11,9 14,0 36,1 25,9 Espírito Santo 54,9 13,3 13,7 27,9 26,9 Rio de Janeiro 67,4 9,3 17,9 40,1 27,3 São Paulo 73,1 12,8 9,5 50,8 22,3 Paraná 66,2 16,0 12,3 37,9 28,3 Santa Catarina 62,1 15,5 12,6 34,0 28,1 Rio Grande do Sul 66,3 13,1 17,1 36,2 30,2 Mato Grosso do Sul 62,9 14,2 18,9 29,7 33,1 Mato Grosso 55,7 17,2 14,0 24,5 31,1 Goiás 60,5 15,0 13,8 31,8 28,8 Distrito Federal 94,0 6,7 55,2 32,1 61,9 Brasil 68,7 12,7 16,6 39,3 29,3 Na região norte, para os antigos territórios Roraima e Amapá APU pesa quase 50% da economia do estado. Na região nordeste pesa em média quase ¼ das economia dos estados. Nas região sudeste e sul tem peso menor, exceto no Rio de Janeiro que ainda carrega peso em função de ter sido capital do Brasil. Nas região centro-oeste, o DF a atividade tem peso relevante, acima de 50%, por ser a capital do Brasil.

40

41 Participação das Regiões no PIB, População, Coeficiente da Part. PIB / Part. População e Diferença dos Coeficientes 2012 e 2002 Regiões Part. PIB Part.POP. Part. PIB / (%) (%) Part. POP DIF Norte 4,7 5,3 7,8 8,4 0,60 0,63 0,02 Nordeste 13,0 13,6 27,9 27,8 0,46 0,49 0,02 Sudeste 56,7 55,2 42,6 42,1 1,33 1,31 (0,02) Sul 16,9 16,2 14,7 14,3 1,15 1,13 (0,02) Centro-oeste 8,8 9,8 7,0 7,4 1,26 1,32 0,06

42 Participação das Regiões no PIB, População, Coeficiente da Part. PIB / Part. População e Diferença dos Coeficientes 2012 e 2002 Regiões Part. PIB Part.POP. Part. PIB / (%) (%) Part. POP DIF Norte 4,7 5,3 7,8 8,4 0,60 0,63 0,02 Nordeste 13,0 13,6 27,9 27,8 0,46 0,49 0,02 Sudeste 56,7 55,2 42,6 42,1 1,33 1,31 (0,02) Sul 16,9 16,2 14,7 14,3 1,15 1,13 (0,02) Centro-oeste 8,8 9,8 7,0 7,4 1,26 1,32 0,06 Centro-Oeste - DF 5,0 5,9 5,7 6,1 0,87 0,97 0,10 Norte - Amazonas 3,2 3,8 6,1 6,6 0,53 0,58 0,05

43 UF PIB per capita, Coeficiente do PIB per capita Brasil pelo PIB per capita das UFs e Variação em valor PIB per capita Coeficente UF PIB per capita Var. Coeficente UF PIB per capita Coeficente Valor em ordem segundo var. valor em BR ,00 BR ,00 BR ,00 2,70 ES ,99 ES ,28 ES ,32 3,63 1 RO ,64 RO ,82 RO ,82 3,44 2 MA ,31 MA ,36 MA ,39 3,32 3 MT ,95 MT ,08 MT ,15 3,27 4 PI ,30 PI ,36 PI ,36 3,20 5 MS ,84 MS ,92 MS ,96 3,10 6 PE ,52 PE ,55 PE ,58 3,04 7 TO ,55 TO ,60 TO ,61 3,01 8 Unidades da Federação com variação em valor maior que 3 vezes.

44 UF PIB per capita, Coeficiente do PIB per capita Brasil pelo PIB per capita das UFs e Variação em valor PIB per capita Coeficente UF PIB per capita Var. Coeficente UF PIB per capita Coeficente Valor em ordem segundo var. valor em PA ,47 PA ,53 PA ,52 2,98 9 MG ,82 MG ,91 MG ,90 2,94 10 RN ,51 RN ,52 RN ,54 2,89 11 PB ,42 PB ,43 PB ,45 2,87 12 GO ,84 GO ,85 GO ,89 2,84 13 CE ,45 CE ,48 CE ,46 2,80 14 SC ,19 SC ,24 SC ,23 2,79 15 AL ,40 AL ,42 AL ,41 2,77 16 PR ,07 PR ,06 PR ,07 2,70 17 AC ,56 AC ,55 AC ,56 2,70 18 Unidades da Federação com variação em valor menor que 3 vezes até média Brasil (=2,70).

45 UF PIB per capita, Coeficiente do PIB per capita Brasil pelo PIB per capita das UFs e Variação em valor PIB per capita Coeficente UF PIB per capita Var. Coeficente UF PIB per capita Coeficente Valor em ordem segundo var. valor em RJ ,38 RJ ,33 RJ ,37 2,69 19 BA ,54 BA ,53 BA ,52 2,62 20 SE ,60 SE ,58 SE ,58 2,60 21 RS ,20 RS ,14 RS ,14 2,56 22 SP ,58 SP ,51 SP ,48 2,54 23 DF ,07 DF ,93 DF ,85 2,51 24 AM ,87 AM ,85 AM ,79 2,46 25 AP ,74 AP ,61 AP ,66 2,41 26 RR ,78 RR ,70 RR ,69 2,39 27 Unidades da Federação com variação em valor menor a média Brasil (=2,70)

46 Quadro ordenado ano a ano do PIB per capita da UF dividido pelo PIB per capita brasileiro Dif Legenda 02 DF 3,07 DF 2,96 DF 2,96 DF 2,93 DF 2,85 (0,22) Norte SP 1,58 SP 1,54 SP 1,53 SP 1,51 SP 1,48 (0,10) Nordeste RJ 1,38 RJ 1,38 RJ 1,29 RJ 1,33 RJ 1,37 (0,01) Sudeste RS 1,20 SC 1,25 SC 1,23 ES 1,28 ES 1,32 0,34 Sul SC 1,19 ES 1,19 RS 1,19 SC 1,24 SC 1,23 0,04 PR 1,07 MT 1,15 ES 1,18 RS 1,14 MT 1,15 0,20 Centro-oeste ES 0,99 RS 1,14 PR 1,05 MT 1,08 RS 1,14 (0,06) MT 0,95 PR 1,06 MT 0,99 PR 1,06 PR 1,07 0,00 AM 0,87 AM 0,89 MG 0,91 MS 0,92 MS 0,96 0,12 GO 0,84 MG 0,86 MS 0,90 MG 0,91 MG 0,90 0,07 MS 0,84 MS 0,82 AM 0,87 GO 0,85 GO 0,89 0,04 MG 0,82 GO 0,77 GO 0,82 AM 0,85 RO 0,82 0,18 RR 0,78 RO 0,72 RO 0,76 RO 0,82 AM 0,79 (0,08) AP 0,74 RR 0,70 RR 0,71 RR 0,70 RR 0,69 (0,09) RO 0,64 AP 0,63 TO 0,63 AP 0,61 AP 0,66 (0,08) SE 0,60 TO 0,60 AP 0,63 TO 0,60 TO 0,61 0,06 AC 0,56 SE 0,59 SE 0,59 SE 0,58 SE 0,58 (0,02) TO 0,55 AC 0,57 AC 0,59 AC 0,55 PE 0,58 0,06 BA 0,54 BA 0,56 BA 0,56 PE 0,55 AC 0,56 (0,00) PE 0,52 RN 0,51 PE 0,55 PA 0,53 RN 0,54 0,04 RN 0,51 PE 0,51 PA 0,52 BA 0,53 BA 0,52 (0,02) PA 0,47 PA 0,48 RN 0,52 RN 0,52 PA 0,52 0,05 CE 0,45 CE 0,43 CE 0,47 CE 0,48 CE 0,46 0,02 PB 0,42 PB 0,40 PB 0,43 PB 0,43 PB 0,45 0,03 AL 0,40 AL 0,40 AL 0,40 AL 0,42 AL 0,41 0,01 MA 0,31 MA 0,36 PI 0,36 MA 0,36 MA 0,39 0,07 PI 0,30 PI 0,32 MA 0,35 PI 0,36 PI 0,36 0,06 Norte e Nordeste Em 2012 MA descola um pouco de PI

47 Obrigado

Contas Regionais do Brasil 2011

Contas Regionais do Brasil 2011 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2011 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 22/11/2013 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014)

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) 8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) Elaboração: Contraf-CUT, CNTV e Federação dos Vigilantes do Paraná Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

IBGE divulga as Contas Regionais 2007

IBGE divulga as Contas Regionais 2007 IBGE divulga as Contas Regionais 2007 Desde 1995, oito estados (SP, RJ, MG, RS, PR, BA, SC e DF) mantém a liderança das participações no PIB do país e, em 2007, eles concentravam quase 80% da economia.

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007 Ceará: Resultados do PIB Trimestral 2003-2007 eloisa@ipece.ce.gov.br rogerio.soares@ipece.ce.gov.br Fortaleza 2009 CEARÁ: COMPOSIÇÃO Ceará: DO Resultados PRODUTO INTERNO do PIB BRUTO Trimestral A PREÇOS

Leia mais

PIB PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE RONDÔNIA 2014

PIB PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE RONDÔNIA 2014 PIB PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DE RONDÔNIA 2014 A Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão SEPOG/RO, através da Gerência do Observatório em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Econômico Contabilidade Nacional

Econômico Contabilidade Nacional Tabela 3.7.1 - Produto Interno Bruto a preço de mercado corrente (milhões de R$), do e Estados da região Norte - 2008-2011 Acre Roraima 3.032.205 3.239.404 3.770.085 4.143.013 154.251 163.207 201.511 230.011

Leia mais

Estado de São Paulo tem a maior quantidade de POS a cada mil habitantes; Maranhão, a menor

Estado de São Paulo tem a maior quantidade de POS a cada mil habitantes; Maranhão, a menor INFORMATIVO PARA A IMPRENSA ML&A Comunicações Fernanda Elen fernanda@mla.com.br (11) 3811-2820 ramal 833 Cresce a aceitação de cartões em 2015, aponta a Boanerges & Cia. Estado de São Paulo tem a maior

Leia mais

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Audiência pública Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

PIB BAIANO TOTALIZOU R$ 159,9 BILHÕES EM 2011

PIB BAIANO TOTALIZOU R$ 159,9 BILHÕES EM 2011 PIB BAIANO TOTALIZOU R$ 159,9 BILHÕES EM 2011 INTRODUÇÃO A SEI divulga, em parceria com o IBGE e demais institutos de pesquisas e estatísticas do país, os dados relativos ao PIB do ano de 2011. Mais uma

Leia mais

Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast

Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Secretaria de Vigilância

Leia mais

Formação dos Grupos e forma de disputa

Formação dos Grupos e forma de disputa Formação dos Grupos e forma de disputa Sorteio realizado no dia 01 de Novembro de 2010 na sede social da APMP. Categoria Força Livre 1. Amazonas 2. Acre 3. Amapá 4. Ceara 5. Espirito Santo 6. Goiás 7.

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Março/15) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Maio/15) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Cargas Aéreas e Rodoviárias Ltda.

Cargas Aéreas e Rodoviárias Ltda. Cargas Aéreas e Rodoviárias Ltda. EMPRESA A Trans Ápia é uma empresa especializada em cargas urgentes, porta a porta para todo território nacional, que atua no mercado de transportes aéreo e rodoviário

Leia mais

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS JOÃO PESSOA-PB, JUNHO 2004 TABELA Nº01 GASTO MÉDIO INDIVIDUAL DIÁRIO em R$ 1.00,

Leia mais

14-17 anos 5-13 anos. Faixa etária (anos) Ocupação Outras Ignorada

14-17 anos 5-13 anos. Faixa etária (anos) Ocupação Outras Ignorada Ocupação (N) Acidente de trabalho em crianças e adolescentes com diagnóstico de lesão de traumatismo do punho e da mão (CID, S6-S69), segundo ocupação. Brasil, 27 a 26* 4-7 anos - anos Trabalhador polivalente

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

RESULTADO DO LIRAa JANEIRO FEVEREIRO/15

RESULTADO DO LIRAa JANEIRO FEVEREIRO/15 RESULTADO DO LIRAa JANEIRO FEVEREIRO/15 1º LIRAa 2015 - Situação dos municípios brasileiros Participação voluntária de 1.844 municípios Pesquisa realizada entre janeiro/fevereiro de 2015; Identifica focos

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 jan/16 fev/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 6,57 Margem Bruta de Distribuição 15,73 16,14 Preço de Distribuição 37,57

Leia mais

Estimativas e Análises do PIB Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 02 Setembro/2012.

Estimativas e Análises do PIB Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 02 Setembro/2012. O Atual Potencial Econômico do Brasil Estimativas e Análises do PIB 2011 - Regiões, Estados e Municípios Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 02 Setembro/2012 Edição 2009 www.goncalvesassociados.com

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Fonte: IBGE/Pnad. Elaboração própria. Nota: a PNAD até o ano de 2003 não abrangia a área rural da região Norte (exceto o Tocantins). Nos anos de 1994, 2000

Leia mais

PROGRAMA DE COMPRAS GOVERNAMENTAIS PARCERIAS E PERSPECTIVAS CONVÊNIO SEBRAE / CONSAD

PROGRAMA DE COMPRAS GOVERNAMENTAIS PARCERIAS E PERSPECTIVAS CONVÊNIO SEBRAE / CONSAD PROGRAMA DE COMPRAS GOVERNAMENTAIS PARCERIAS E PERSPECTIVAS CONVÊNIO SEBRAE / CONSAD 92º Fórum Nacional de Secretários de Estado da Administração Canela/RS Nov/2013 Convênio com Ministério do Planejamento

Leia mais

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6.

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6. Produção Brasileira de Abacaxi por Estado 2007 Pará 15.462 701.948 125.596 Paraíba 11.600 625.527 150.054 Minas Gerais 7.593 596.668 127.597 Bahia 6.430 282.634 63.185 São Paulo 3.620 271.380 76.161 Rio

Leia mais

Produto Interno Bruto 2º trimestre de de agosto de 2015

Produto Interno Bruto 2º trimestre de de agosto de 2015 Produto Interno Bruto 2º trimestre de 2015 28 de agosto de 2015 Crescimento do PIB no 2º Trimestre de 2015 2 Var. % pela ótica da produção 2º tri 2015 contra 1º tri 2015 2º tri 2015 contra 2º tri 2014

Leia mais

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS MONTANTE DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS (em R$ milhões) Receita Estadual () BNDES Estatais Agências Financeiras União Royalties e Participações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, SETEMBRO DE 2011 03 2011 PANORAMA GERAL O crescimento

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DO CEARÁ E O COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO

O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DO CEARÁ E O COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DO CEARÁ E O COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO Evidências Recentes e Reflexões março/2014 Fortaleza - Ceará Aspectos Gerais da Economia Cearense -0,33 1,15 0,04

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO VALE DO PARANAÍBA ASSESSORIA EM GESTÃO PÚBLICA FPM. (Fundo de Participação dos Municípios)

ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO VALE DO PARANAÍBA ASSESSORIA EM GESTÃO PÚBLICA FPM. (Fundo de Participação dos Municípios) FPM (Fundo de Participação dos Municípios) - Projeções para 2014 - Decisão Normativa - TCU Nº 133, de 27 de novembro de 2013 1 DECISÃO NORMATIVA - TCU Nº 133, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova, para o exercício

Leia mais

jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12

jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 Coordenadoria de Defesa da Evolução Concorrênciados preços de GLP (R$ / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 11,33 11,34 11,33 11,34 11,33 11,34 11,34 11,33 11,34 11,34 11,34 11,34

Leia mais

Evolução das Despesas Estaduais

Evolução das Despesas Estaduais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 2 Evolução das Despesas

Leia mais

POSIÇÃO ATUALIZADA ATÉ 25/06/2012 Classif Último Candidato Convocado procedimentos préadmissionais

POSIÇÃO ATUALIZADA ATÉ 25/06/2012 Classif Último Candidato Convocado procedimentos préadmissionais CONCURSO PÚBLICO 2010 TBN RJ e SP de de RJ Campos dos Goytacazes Técnico Bancário 106 2 105 2 RJ Centro Técnico Bancário 592 4 592 4 RJ Niteroi Técnico Bancário 130 3 130 3 RJ Nova Iguaçu Técnico Bancário

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016

CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 V2 1 1. SETOR 2 UNIVERSO DISTRIBUIÇÃO MACRO REGIÕES SHOPPINGS EM OPERAÇÃO - UNIDADES 26 NORTE 80 NORDESTE 50 CENTRO OESTE 292 SUDESTE 520 +3,5% 538 SHOPPINGS

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012

TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012 TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS LIÇÕES: BONS E MAUS EXEMPLOS 1 O PROJETO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio Tiragem Limitada República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Ministério da Educação e do Desporto - MEC Paulo Renato Souza Secretaria

Leia mais

O apoio financeiro ao carnaval de 2016

O apoio financeiro ao carnaval de 2016 Estudos Técnicos/CNM Janeiro de 2016 O apoio financeiro ao carnaval de 2016 1. Introdução A Confederação Nacional de Municípios (CNM) vem alertando os Municípios a respeito da crise que se abate no país

Leia mais

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 Iniciação Científica Karoline Almeida Cavalcanti Universidade Estadual

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO Maria da Piedade Morais 1º Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental Brasília, 28 de junho de 2011 Objetivos

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES Referência: Vagas Provimento imediato de vagas e formação de Cadastro de Reserva. Vagas PD Vagas Reservadas para os candidatos Portadores de Deficiência. 1. Diretoria

Leia mais

Noções Básicas sobre. Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso. População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica

Noções Básicas sobre. Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso. População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso Noções Básicas sobre População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica Joilson Rodrigues de Souza Coordenador de Disseminação de Informações

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE POPULAÇÕES EXPOSTAS A AGROTÓXICOS

VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE POPULAÇÕES EXPOSTAS A AGROTÓXICOS Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador - CGST VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE POPULAÇÕES

Leia mais

Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/2013.

Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/2013. Estudo de Perfil do Consumidor Potencial Brasil - Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/ Edição 2009 www.goncalvesassociados.com

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL 2010 Produto Interno Bruto - PIB Corresponde ao valor a preços de mercado, de todos os bens e serviços finais produzidos em um território, num determinado período

Leia mais

RELATÓRIO GERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO. Relatório. Analítico

RELATÓRIO GERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO. Relatório. Analítico RELATÓRIO GERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO Relatório Analítico 2015 Coordenadoria de Estatística e Pesquisa do TST Relatório Geral da Justiça do Trabalho 9 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 13 1.1. ÓRGÃOS JUDICIÁRIOS

Leia mais

Evolução da Biblioteca Virtual em Saúde no Brasil. Maputo, 18 de novembro de 2009

Evolução da Biblioteca Virtual em Saúde no Brasil. Maputo, 18 de novembro de 2009 Evolução da Biblioteca Virtual em Saúde no Brasil Maputo, 18 de novembro de 2009 Informação em Saúde U n iv e rs a lida d e In t e g ra lida de E qu ida de S is te m a Ú n ic o de S a ú de In fo rm a ç

Leia mais

DESEMPREGO EM FORTE ELEVAÇÃO

DESEMPREGO EM FORTE ELEVAÇÃO INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE Apoio da COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON DESEMPREGO EM FORTE ELEVAÇÃO Situação do Mercado de Trabalho

Leia mais

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 1 Rio de Janeiro, 22/11/2016 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO

PRODUTO INTERNO BRUTO Ano I Edição I Novembro/2015 PRODUTO INTERNO BRUTO 2013 Contas Regionais Cuiabá-MT 2015 SI - Secretaria Adj. de Informações Socioeconômicas, Geog. e de Indicadores SEGE Superintendência de Estudos Socioeconômicos

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A ACRE B1 Repouso Semanal Remunerado 18,06 0,00 18,06 0,00 B2 Feriados 4,77 0,00 4,77 0,00 B3 Auxílio - Enfermidade 0,91 0,69 0,91 0,69 B4 13º Salário 10,97 8,33 10,97 8,33 B7 Dias de Chuvas 1,68 0,00 1,68

Leia mais

O Sebrae e as empresas do Setor de Calçados e de Vestuários e Acessórios

O Sebrae e as empresas do Setor de Calçados e de Vestuários e Acessórios O Sebrae e as empresas do Setor de Calçados e de Vestuários e Acessórios Abril/2014 Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos

Leia mais

Produto Interno Bruto (PIB) Espírito Santo 2013

Produto Interno Bruto (PIB) Espírito Santo 2013 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN Vitória, novembro 2015 Sumário Executivo O do Espírito Santo apresentou estabilidade

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos). JAN/2016 Sumário Executivo No mês de janeiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a dezembro (7.211 postos e variação de 0,4%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

NOTA ECONÔMICA. Indústrias do Amapá, Maranhão, Espírito Santo e Rio de Janeiro ganham importância

NOTA ECONÔMICA. Indústrias do Amapá, Maranhão, Espírito Santo e Rio de Janeiro ganham importância Informativo CNI NOTA ECONÔMICA 2 Indústrias do Amapá, Maranhão, Espírito Santo e Rio de Janeiro ganham importância O Brasil possui uma indústria regionalmente concentrada. Os quatro maiores estados respondem

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL CONTINUA EM QUEDA A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Retropolação. Tabela 1 - Participação (%) e taxa acumulada (1995-2007) do PIB a preços de mercado, segundo unidades da federação

Retropolação. Tabela 1 - Participação (%) e taxa acumulada (1995-2007) do PIB a preços de mercado, segundo unidades da federação Retropolação O IBGE divulga a retropolação das Contas Regionais do Brasil até 1995, que se junta a divulgação do ano de 2007, assim sendo fica disponível uma série de 1995 a 2007. Os resultados retropolados

Leia mais

Joseney Santos

Joseney Santos Joseney Santos joseney.santos@saude.gov.br O Brasil está entre os 22 países que concentram 80% dos casos de Tb no mundo. (OMS) Responsável, junto com o Peru por 50% dos Casos nas Américas. (OMS) Média

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

ANÁLISE DAS CONTAS REGIONAIS

ANÁLISE DAS CONTAS REGIONAIS Ano X, Nº 1, janeiro de 2016. Informe Macroeconomia, Indústria e Serviços Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE ANÁLISE DAS CONTAS REGIONAIS 2010-2013 Autor Antônio RICARDO de Norões

Leia mais

O Desempenho do IPTU em 2010

O Desempenho do IPTU em 2010 O Desempenho do IPTU em 2010 A receita global de IPTU no exercício de 2010 teve um aumento real de 17,2% em relação ao ano de 2009, conforme se verifica abaixo: Exercício Receita Total (R$ Mil) Crescimento

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Janeiro de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Mercado de Cartões Faturamento anual: R$ bilhões

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES Referência: Vagas Provimento imediato de vagas e formação de Cadastro de Reserva. Vagas PD Vagas Reservadas para os candidatos Portadores de Deficiência. 1.Diretoria Regional Brasília e Administração Central

Leia mais

Projeto Contas Regionais do Brasil PRODUTO INTERNO BRUTO PIB DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2010

Projeto Contas Regionais do Brasil PRODUTO INTERNO BRUTO PIB DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2010 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão SEPLAG Fundação Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro - CEPERJ.

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JANEIRO DE 214 BRASIL O saldo líquido de empregos formais no primeiro mês de 214 foi de 29.595 empregos em todo o país, segundo o Cadastro Geral

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 FLUXO - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Atenção Integral à Desnutrição Infantil

Atenção Integral à Desnutrição Infantil Atenção Integral à Desnutrição Infantil PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À CRIANÇA COM DESNUTRIÇÃO GRAVE Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política

Leia mais

outro, o aperto monetário e a redução da confiança dos empresários impediram avanços mais significativos da economia.

outro, o aperto monetário e a redução da confiança dos empresários impediram avanços mais significativos da economia. O Produto Interno Bruto goianoo alcançou em 2013 a cifra de R$ 151,010 bilhões. Este é o número oficial consolidado, calculado através de nova metodologia que o IBGE, em parceria com as instituições estaduais

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades

Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades Instituto Trata Brasil - por um Brasil com saneamento básico Cenário do saneamento básico no país, desafios e oportunidades SANEAMENTO E TRATAMENTO DA ÁGUA nos Processos de Abastecimento Público e Produtivos

Leia mais

Análise comparativa das finanças dos Estados da Região Sul, com ênfase para o Estado do Rio Grande do Sul

Análise comparativa das finanças dos Estados da Região Sul, com ênfase para o Estado do Rio Grande do Sul Análise comparativa das finanças dos Estados da Região Sul, com ênfase para o Estado do Rio Grande do Sul Por Darcy Francisco Carvalho dos Santos Sumário 1. Indicadores de receita... 2 2. Indicadores de

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2015

Emprego Industrial Outubro de 2015 Emprego Industrial Outubro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de ubro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de setembro (-4.475 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

OBJETIVO. Teleconsultoria Telediagnóstico Teleeducação. Legislação. Portaria 2546/2011 Portaria 2554/2011

OBJETIVO. Teleconsultoria Telediagnóstico Teleeducação. Legislação. Portaria 2546/2011 Portaria 2554/2011 OBJETIVO Melhorar a qualidade do serviço de saúde do SUS, capacitando e integrando os trabalhadores e profissionais de saúde por meio do uso de tecnologias e infra-estrutura de informática e telecomunicação

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Seminário Internacional Pré-COSALFA. Assunção-Paraguai, 7 de maio de Tema III: Vacinação

Seminário Internacional Pré-COSALFA. Assunção-Paraguai, 7 de maio de Tema III: Vacinação BRASIL Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa Seminário Internacional Pré-COSALFA Assunção-Paraguai, 7 de maio de 2012 Tema III: Vacinação Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento

Leia mais

Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades

Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Marcio Pochmann Presidente Brasília, 15 de dezembro de 2009 Justificativa

Leia mais

O DESEMPENHO DO ESPÍRITO SANTO NO PROGRAMA INTERNACIONAL DE AVALIAÇÃO DE ESTUDANTES (PISA) EM 2009

O DESEMPENHO DO ESPÍRITO SANTO NO PROGRAMA INTERNACIONAL DE AVALIAÇÃO DE ESTUDANTES (PISA) EM 2009 R E S E N H A D E C O N J U N T U R A O DESEMPENHO DO ESPÍRITO SANTO NO PROGRAMA INTERNACIONAL DE AVALIAÇÃO DE ESTUDANTES (PISA) EM 2009 Em 2009, o Espírito Santo aparece na 6ª posição no Programa Internacional

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE Partindo da figura da engrenagem, presente na logo atual do CFC, o novo logo desenvolvido mantém uma relação com o passado da instituição, porém com um olhar no presente e no futuro, na evolução e ascensão

Leia mais

Positivas Neutras e Negativas em Maio 2009

Positivas Neutras e Negativas em Maio 2009 AVALIAÇÃO DAS NOTÍCIAS PUBLICADAS NA MÍDIA CITANDO SEBRAE Positivas Neutras e Negativas em Maio 2009 Nº de Notícias Cm2 Páginas Valor Publicitário (R$) Leitores Potenciais Positivas 293 88.783,73 55,87

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes - 2015 Data: 18/05/2016 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de acidentes -

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais