Redução do Consumo de Energia Utilizando Virtualização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redução do Consumo de Energia Utilizando Virtualização"

Transcrição

1 Reduçã d Cnsum de Energia Utilizand Virtualizaçã Carls Rafael S. Prtella, Átila B. Vascncels 1 Faculdade de Infrmática Centr Universitári Ritter ds Reis [UNIRITTER] CEP Prt Alegre RS Brasil Abstract. This article was discussed a plan fr server virtualizatin t create an pinin f quantitative techniques used t reduce energy cnsumptin. The results shwed that the difference in energy efficiency f the envirnment befre and after the implementatin f the plan fcused n data centers. Resum. Neste artig fi abrdad um plan de virtualizaçã de servidres para gerar um parecer quantitativ das técnicas utilizadas para reduçã d cnsum de energia. Os resultads btids demnstraram qual a diferença da eficiência energética d ambiente, antes e depis da aplicaçã d plan cm fc em Data Centers. 1. Intrduçã A virtualizaçã vem ganhand frça ns últims ans pr uma série de mtivs cm aument da capacidade de prcessament e armazenament d hardware. Segund [Mre 1965] númer de transistres em um micrprcessadr dbra a cada períd de 18 meses. Seguind este paradigma a cada cicl de 18 meses sã criads equipaments mais rbusts nde nã se utiliza tda a sua capacidade de prcessament, pis lgicamente quand uma máquina utiliza à ttalidade ds seus recurss a mesma acaba cm seu desempenh degradad, que praticamente trna seu us inviável. Esse aument n pder cmputacinal tem um impact diret n cnsum de energia, nde as máquinas exigem uma ptência mair em Watts para efetuar prcessament de tarefas cada vez mais rbustas. Para entender cm a virtualizaçã afeta n cnsum de energia, é precis cmpreender que é a virtualizaçã, cm a mesma funcina e quais sã suas variantes [Ferreira et al. 2004]. A seçã 2, apresenta cnceits básics sbre a virtualizaçã, que sã de grande valia para a cmpreensã e a implementaçã desta estrutura. A subseçã 2.1, descreve s benefícis da implantaçã das técnicas de cnslidaçã de ambientes. A subseçã 2.2, ilustra s tips mais utilizads de virtualizaçã mstrand para leitr qual se adapta melhr a cada necessidade. A seçã 3 descreve as ferramentas de cnslidaçã mais utilizadas n mercad entre elas Xenserver, da empresa Citrix System, VMware ESX, d grup VMware, e Hyper-V da Micrsft. Na seçã 4 sã estabelecidas as métricas para mensurar cnsum e percentual de reduçã u nã após a aplicaçã d plan de cnslidaçã. A seçã 5 explana a sluçã prpsta para aplicaçã d plan definind s bjetivs. A seçã 6 apresenta s resultads da mediçã d cnsum de energia de um Data Center, gerand indicadr, variaçã d cnsum de energia entre ambientes físics e virtualizads. A seçã 7 discute s resultads btids e sugere trabalhs que pdem ser realizads futuramente.

2 Também fram cnsiderads cnsum de energia cm a resfrigeraçã e iluminaçã d ambiente e sua pssível reduçã de cnsum de energia após plan de cnslidaçã de servidres. Os indicadres criads pela Green Grid para mensuar a eficência de um Data Center, cm PUE e DCE também serã levads em cnsideraçã. Esses indicadres pderã revelar prtunidades de melhria na redistribuiçã da energia, que pderá ser utilizada para a instalaçã de nvs dispsitivs. 2. Virtualizaçã Virtualizaçã é uma técnica de sftware para abstraçã de recurss cmputacinais que visa um melhr aprveitament d hardware, timizaçã d cnsum de energia e alta dispnibilidade entre utrs benefícis. Para que iss pssa crrer é necessári uma divisã ds recurss, cm prcessadr e memória entre s sistemas utilizads. O prcess trabalha da mesma frma cm se estivesse send utilizad de frma exclusiva, mas mesm está send cmpartilhad entre tdas as aplicações [Carissimi 2008, Manfrin 2009]. Figura 1. Esquema de estrutura de máquina real [Munhóz 2007] Na figura 1 é dispnibilizad um esquema de cm uma máquina real trabalha, apnta canal nde s aplicativs slicitam a sistema peracinal recurss cmputacinais e lg após mesm vai a hardware e alca s recurss e entrega a aplicativ. Cm final da aplicaçã esses recurss sã desalcads nvamente pel sistema peracinal para que pssam ser utilizads em utras aplicações [Munhóz 2007]. Os tips mais utilizads sã a Virtualizaçã Cmpleta e a Para-Virtualizaçã, nde é criad um ambiente islad cm se fsse uma máquina real cm tds s recurss utilizads chamad de máquina virtual [Ferreira et al. 2004]. O cnceit de virtualizaçã vem d inici ds ans 70 quand s Mainframes trabalhavam cm um sistema peracinal desenvlvid especificamente para seu hardware, que causava um prblema cm passiv ds aplicativs legads [Kreker 2009].

3 A IBM invu utilizand máquinas virtuais em seus mainframes da linha 370, para que s seus aplicativs cntinuassem a funcinar n nv hardware sem a necessidade de reescrever as aplicações u ter que manter as duas máquinas trabalhand paralelamente [Carissimi 2008]. Figura 2. Esquema de estrutura de máquina Virtual [Munhóz 2007] Na figura 2 é dispnibilizad um esquema da maneira cm uma máquina virtual trabalha; as máquinas virtuais slicitam a sistema peracinal hspedeir recurss cmputacinais e mesm vai a hardware e alca s mesms. Neste cas tems mais uma camada para prcessament das infrmações que é sistema hspedeir entre hardware e a máquina virtual [Munhóz 2007]. 2.1 Benefícis da Virtualizaçã Abaix estã descritas algumas vantagens ferecidas pela virtualizaçã. Cnsum de Energia: Neste camp a virtualizaçã é muit útil, pis cnsum de energia representa uma grande fatia d cust mensal de um Data Center. Esse cust se eleva em virtude da grande quantidade de equipaments e a refrigeraçã ds mesms [Manfrin 2009]. Resfriament: A diminuiçã da quantidade de máquinas prprcina uma reduçã da emissã de calr, que lgicamente reduz a necessidade de grandes equipaments de resfriament. O espaç físic reduzid aliad a um layut que pssibilite crredres de ar que levem ar fri para as máquinas e ajudem a dissipar ar quente cntribuem para que esse resfriament seja mais eficiente em um Data Center [Manfrin 2009]. Otimizaçã d us d hardware: Em um mesm servidr hspedeir pde-se cnter inúmers sistemas peracinais trabalhand paralelamente. Em uma máquina física nã se cnsegue utilizar a ttalidade ds recurss sem que crra a degradaçã ds mesms. Quand várias máquinas trabalham paralelamente n

4 mesm hspedeir s recurss sã dividids, fisicamente pdend chegar a 100% da capacidade, mas lgicamente nã havend a degradaçã da máquina virtual [Ferreira et al. 2004]. Divisã ds recurss de hardware: O gerenciadr de virtualizaçã escalna s recurss físics entre as máquinas virtuais cnfrme a necessidade de cada uma [Ferreira et al. 2004]. Islament de máquinas virtuais: Cas crra uma falha em uma das máquinas virtualizadas, nã afeta diretamente as utras, pdend até reiniciar a mesma u reinstalá-la sem prejuíz as demais [Ferreira et al. 2004]. Alta Dispnibilidade: Cm a flexibilidade gerada pela virtualizaçã essa tarefa fica mais fácil e barata de ser realizada, pis nã se tem a necessidade de cnter em utr site a mesma estrutura; apenas servidres que pssam receber a cópia dessas máquinas virtuais [Manfrin 2009]. 2.2 Tips de Virtualizaçã A técnicas de virtualizaçã dividem-se em alguns sub-grups. Entre as mais ppulares pde-se citar a Virtualizaçã Cmpleta e a Para-virtualizaçã [Carissimi 2008]. Virtualizaçã Cmpleta: Tds s recurss de hardware sã virtualizads. Cm iss td recurs de hardware necessári para uma peraçã passa pel sistema peracinal hspedeir e mesm manipula hardware e devlve resultad da instruçã slicitada. Esta sluçã nã necessita de hardware especial devid sistema peracinal hspedeir criar essa abstraçã; em cmpensaçã desempenh da máquina virtual é reduzid, pis s dispsitivs nã sã especializads para efetuar estas tarefas [Carissimi 2008]. Para-Virtualizaçã: Nem tds s recurss de hardware sã virtualizads cm é cas d prcessadr e memória. Neste cas as máquinas virtuais pdem acessar diretamente s recurss de hardware físics sem a necessidade de vmm intermediar acess. Um ds benefícis d us da Para-Virtualizaçã é ganh de desempenh da máquina virtual, mas para que iss crra necesita-se de hardware especial para virtualizar as máquinas. Esse ganh é graças as sistemas peracinais saberem que estã trabalhand em uma platafrma virtual. Pr esse mtiv diminui-se a sbrecarga sbre gerenciadr de máquinas virtuais, permitind um mair nível de especializaçã ds dispsitivs de virtualizaçã. [Munhóz 2007]. Na figura 3 é dispnibilizad um esquema de cm uma máquina virtual utilizand para-virtualizaçã trabalha. As máquinas virtuais para-virtualizadas nã necessitam slicitar a sistema peracinal hspedeir recurss de prcessadr e memória. Recurss esses que pdem ser acessads diretamente, que diminui uma camada para acess a hardware em cmparaçã cm a virtualizaçã cmpleta apresentada na figura 2 [Munhóz 2007].

5 Figura 3. Esquema de Para-Virtualizaçã [Munhóz 2007] 3. Ferramentas de Virtualizaçã A implementaçã da virtualizaçã ns últims ans vem ganhand frça. Pdems ver muitas empresas investind pesad para criar nvas sluções na sua mairia cmerciais, mas existem também sluções gratuitas u até mesm de códig abert [Barham et al 2003]. Abaix algumas ferramentas utilizadas para efetuar a virtualizaçã: Xenserver: É um hypervisr que teve a sua rigem n prjet Xen. O mesm fi desenvlvid pela universidade Cambridge e batizad sbre a licença General Public Licence (GPL). Este trabalh deu rigem a uma empresa chamada Xensurce, que n an de 2007 teve suas ações cmpradas pela Citrix Systems assumind seus trabalhs [Carissimi 2008]. Nas primeiras versões d Xen hypervisr era implementad utilizand smente para-virtualizaçã, nde era necessári mdificar s sistemas peracinais hspedes para trná-ls cnscientes que eram virtuais. Esse tip de abrdagem trnava Xen restrit a sistemas baseads n Unix. Na versã 3 Xen passu a frnecer virtualizaçã cmpleta e sistemas cm Micrsft Windws puderam ser utilizads sem a necessidade de mdificaçã n sistema peracinal. Para este us é necessári prcessadres cm suprte nativ a Virtualizaçã cm AMD-V e Intel VT [Carissimi 2008]. Micrsft Hyper-V: É um prdut que fi criad para substituir Virtual Server O mesm é fcad em atender cm mais eficiência as arquiteturas de 64bits e ambientes Multi-Cre. Outr pnt a favr d mesm sã as ferramentas de backup, desastre e recuperaçã, cnversã de máquinas física em virtuais, e sistemas de permissões integrad cm Active Directry. [Carissimi 2008].

6 VMware ESX Server: Faz parte da família de prduts da VMware, é fcad para criaçã de Data Center virtuais pdend hspedar inúmeras máquinas virtuais n mesm servidr. O mesm utiliza cm mtr ESX Server [hypervisr] desenvlvid pela própria VMware [Carissimi 2008]. Fram estudadas três ferramentas nde apenas uma fi selecinada para cmpr ambiente de desenvlviment de testes. A ferramenta esclhida fi Xenserver, pr cnter as mesmas características básicas que s utrs prduts para virtualizar servidres e uma versã livre cm maires recurss de gerenciament que s seus cncrrentes [Carissimi 2008]. 4. Métricas utilizadas para mensurar cnsum de energia Cnfrme estuds a cada servidr virtualizad pde-se reduzir cnsum de energia em 200 a 400 quilwatts-hra. Essa reduçã em um praz médi de dez ans é equivalente a valr de um servidr nv, que auxilia n prcess de renvaçã d parque tecnlógic [Gandlph 2008]. Um cas sucess é da empresa HP nde a mesma cnslidu seus 85 Data Centers em apenas 40, reduzind seu cust peracinal em aprximadamente 1 bilhã de dólares a an [Gandlph 2008]. Figura 4. Percentuais estimads de reduçã de energia em um Data Center [Gandlph 2008] Na figura 4 sã apresentads percentuais estimads de reduçã d cnsum de energia em Data Centers levand em cnta us da virtualizaçã, estrutura física e sistema de arrefeciment e a dispsiçã ds equipaments na sala. Para mensurar cnsum de energia em um ambiente é necessári estabelecer métricas. Essas métricas sã utilizadas para dar um parecer quantitativ sbre cnsum de energia. Serã utilizadas as seguintes métricas neste artig: Ttal Facility Pwer: Representa a carga de tds s equipaments ligads à carga d Data Center inclusive PDUs (n-breaks), sistemas de refrigeraçã e iluminaçã [Grid 2007].

7 IT Equipment Pwer: Representa a carga assciada de tds s equipaments de TI tais cm: servidres, switches, chaveadres, equipaments de armazenament e de mnitrament [Grid 2007]. Pwer Usage Effectiveness (PUE): É cmpst da razã entre Ttal Facility Pwer e IT Equipment Pwer [Grid 2007]. Data Center Efficiency (DCE): É cmpst da razã entre IT Equipment Pwer e Ttal Facility Pwer [Grid 2007]. Cnsum de energia de máquinas físicas: Este indicadr é a sma da ptência utilizada de tds s servidres físics em kwatt/h. O aument d cnsum é diretamente prprcinal a númer de máquinas físicas. Cnsum de energia de máquinas virtuais: Este indicadr é a sma da ptência utilizada de tds s servidres hspedeirs em kwatt/h. Temperatura ambiente: O indicadr de temperatura será medid cm termômetr em graus Celsius. A temperatura padrã de um Data Center varia de 15Cº a 25Cº cm tlerância de 10%. Cnsum de energia para refrigeraçã e iluminaçã: Este indicadr leva em cnta cnsum de energia ds aparelhs utilizads para a refrigeraçã d ambiente. Cnfrme a dispsiçã das máquinas a refrigeraçã pde sfrer variações. Tamanh adequad da área: O tamanh da área deve cmprtar a quantidade de máquinas n Data Center, cm pel mens 30 centímetrs de espaç a redr d ativ para circulaçã de ar. O espaç inadequad causará prblemas na refrigeraçã d ambiente. Variaçã d cnsum de energia entre ambientes físics e virtualizads: Este indicadr é frmad pela diferença d indicadr Cnsum de energia de máquinas físicas e Cnsum de energia de máquinas virtuais. A figura 5 mstra cm s indicadres PUE e DCE e cm sã btids. Esses indicadres sã utilizads para mensurar a eficiência energética de um Data Center. O DCE quant mais pert chegar d valr zer mens eficiente é Data Center. Já PUE mede a capacidade de energia frente a demanda ferecida. Assim quant mais pert d valr um, melhr é dimencinad da carga utilizada. Esse indicadr é utilizad quand necessitams incluir nvs equipaments em um Data Center [Grid 2007].

8 5. Sluçã Prpsta Figura 5. Definiçã d indicadr PUE e DCE [Grid 2007] A sluçã prpsta cnsiste em virtulizar 90% ds servidres de um Data Center que cnta cm 20 servidres físics. Os prduts utilizads para a criaçã d ambiente fram Xenserver, VMware ESX e Micrsft Hyper-V. Fram levantadas as seguintes bservações: Xenserver: Necessitu de um hardware especial (prcessadres cm tecnlgia de virtualizaçã) para utilizar sistemas Windws, pis seu Hypervisr necessita mdificar sistema peracinal u um prcessadr que faça este trabalh. VMware ESX: Assim cm Xenserver, ESX necessitu de um hardware especial (prcessadres cm tecnlgia de virtualizaçã) para instalar seu hst. A sua interface é bem intuitiva mas teve um cnsum de recurss mair que Xenserver. Micrsft Hyper-V: Necessitu de uma licença de Windws Server2008 para a sua instalaçã. A Micrsft libera a instaladr d Hyper-V e quatr máquinas virtuais cm a mesma. Para quem já utiliza ambiente windws ns servidres é uma ótima pçã devid a sua integraçã cm Active Directry e ferramentas de backup e restre via Shadw Cpy. Assim cm s cncrrentes necessitu

9 de um prcessadr cm suprte a virtualizaçã. Após essa análise Xenserver fi esclhid para a implementaçã d ambiente. Fi efetuad uma mediçã d cnsum de energia diári cm base n medidr de energia elétrica d Data Center em KWh pr um períd de 7 dias send repetid pr duas vezes n mesm períd d mês. Após iss fi executad a virtualizaçã de 20 servidres físics utilizand XenServer em apenas dis servidres hspedeirs e um strage. Lg após a virtualizaçã fi efetuad a mediçã d cnsum de energia d Data Center pr 2 vezes tend resultads bastante próxims criand uma relaçã entre cnsum de energia de ambiente físics e virtualizads. Os resultads utilizads fram da segunda mediçã de cada ambiente. Entre s indicadres que fram cletads estã PUE e DCE nde fi pssível mensurar a eficiência energética d Data Center utilizad neste prjet. Cm esse dads pde-se planejar cresciment d pder cmputacinal e timizar a carga enegética utilizada atualmente neste ambiente. 6. Resultads Após a aplicaçã das técnicas de virtualizaçã fram levantads s dads descrits na seçã 6, nde se pde cnstatar a diferença de cnsum de energia entre ambientes físics e virtuais para atender a mesma demanda de prcessament de um ambientel. N ambiente submetid a mediçã de cnsum de energia, haviam 20 servidres físics utilizand aplicações diversas que cmpem Data Center da empresa analisada. As medições fram executadas n períd d dia 15 a 22 de meses subsequentes pr 2 vezes n ambiente físic e virtual. Fi efetuada a virtualizaçã d parque de servidres na prprçã de 10:1 que significa que cada servidr físic cntém 10 máquinas virtuais. O ambiente virtulizad é cmpst pr 2 servidres e 1 strage para armazenament físic das máquinas virtuais. O ambiente antes da aplicaçã das técnicas de virtualizaçã de servidres era cmpst pels seguintes equipaments: 5 servidres Dell Pwer Edge 1950 III 15 servidres Del Pwer Edge 2950 III 2 Switches 3COM 5500G 1 KMV Dell (Chaveadr mnitr / teclad) 1 Mnitr LCD Dell d tip Rack 2 Mdens de Internet O ambiente após a aplicaçã das técnicas de virtualizaçã de servidres fi cmpst pels seguintes equipaments: 2 servidres Dell R610 1 Strage Dell Equallgic PS Switches 3COM 5500G

10 1 KMV Dell (Chaveadr mnitr / teclad) 1 Mnitr LCD Dell d tip Rack 2 Mdens de Internet Outrs equipaments d Data Center que cnsmem energia e que fram levads em cnta sã a iluminaçã e cndicinadr de ar. Esses equipaments nã tiveram seu cnsum medids, mas sim estimads cnfrme dads d Prcel. Smente fram medids cnsum ds equipaments de TI. 2 Cndicinadres de ar de Btu/hra trabalhand intercalads em regime 24/7. Cm base ns dads frnecids pela Prcel csum de energia em um perid de 7 dias é de 352,8 kwh. 18 lampadas flrecentes de 11Watts cada cm us médi de 30 minuts diáris. Cm base ns dads frnecids pel Prcel csum em um perid de 7 dias é de 41,58 kwh. Indicadres cletads antes da aplicaçã d plan de virtualizaçã. Ttal Facility Pwer é a carga ttal de um Data Center: 927,99 kwh (TI) + 394,38 kwh (Outrs Equipaments); ttal de 1,322,37 kwh. IT Equipment Pwer é a carga assciada de tds s equipaments de TI: 927,99 kwh. Pwer Usage Effectiveness (PUE): 1.322,37 kwh /927,99 kwh = 1,42. Data Center Efficiency (DCE): 927,99 kwh / 1.322,37 kwh = 0,70. Indicadres cletads Após a aplicaçã d plan de virtualizaçã. Ttal Facility Pwer é a carga ttal de um Data Center: 299,15 kwh (TI) + 394,38 kwh (Outrs Equipaments); ttal de 693,53 kwh. IT Equipment Pwer é a carga assciada de tds s equipaments de TI: 299,15 kwh. Pwer Usage Effectiveness (PUE): 693,53 kwh / 299,15 kwh = 2,31 Data Center Efficiency (DCE): 299,15 kwh / 693,53 kwh = 0,43

11 Figura 6. Tplgia de rede antes da aplicaçã d plan de virtualizaçã. A figura 6 mstra as ligações lógicas de rede d ambinete antes da virtualizaçã. Cada servidr estava ligad um swicth cntend 20 ligações de rede ativas send uma para cada servidr. Na figura 7 é apresentad a tplgia de rede após a virtualizaçã d ambiente que cntem um ttal de 10 ligações de rede ativas dividids da seguinte maneria: 2 pnts de rede para cada servidr send que existem apenas 2 equipaments. 6 pnts utilizads pel strage send 2 para gerenciament, 2 para ligaçã rede interna d strage e 2 para cmunicaçã cm a rede lcal.. Figura 7. Tplgia de rede após da aplicaçã d plan de virtualizaçã. Figura 8. Prprçã d Ttal Facility Pwer versus IT Equipament Pwer.

12 Na figura 8 é efetuad um cmparativ mantend as prprções de cnsum de energia ds ambientes físic e virtual cm s indicadres Ttal Facility Pwer e IT Equipament Pwer. Antes da virtualizaçã d ambiente cnsum ttal de energia era em trn de 90% mair que virtualizad, mas a prprçã de us ds equipaments de TI era de 70% d ttal. N segund cenári é de apenas 43% de us pr equipaments de TI. Cm esses dads pde-se cnstatar que após a virtualizaçã cnsum de energia fi reduzid drasticamente, mas a que a eficiência d Data Center tambem diminuiu, pis quant menr e a prprçã d cnsum ds equipaments de TI melhr a eficiência d Data Center (mais pert de 1 melhr). A eficiencia d Data Center é indicadr que mstra quand está adequad a demanda de energia ferecida/cnsumida pel hardware d Data Center. Quand mais pert de zer este valr estiver, mais equilibrad estará Data Center. Variaçã d cnsum de energia entre ambientes físics e virtualizads (em kwh) Ambiente Físic 927,99kWh Ambiente Virtual 299,15kWh 0 Figura 9. Variaçã d cnsum de energia entre ambientes físic e virtualizads; quant menr melhr cnsum de energia. Na figura 9 é apresentad a diferença de cnsum de energia entre ambientes. A relaçã entre s mesm é de e 2/3 mais ecnômic para ambiente virtual.

13 Variaçã d Pwer Usage Effectiveness em kwh 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 0,00 1,42 2,31 Figura 10. Variaçã Pwer Usage Effectiveness entre ambiente físic e virtual; quant menr melhr a sbra de energia dedicada a Data Center. Cmparand s ambientes pde-se ver que após a virtualizaçã Data Center aumentu a capacidade de instalar nvs equipaments cm mesm recurs elétric. Cust de Energia d Ambiente em Reias , ,6 190,95 281,79 190,95 90,84 Cust Ambiente Físic Cust Ambiente Virtual Diferença de cust F X V 0 Datacenter TI Figura 11. Cust d ambiente em reais; quant menr cust melhr. O cust estimad d ambiente fi calculad cm base n valr d kwh da regiã de Prt Alegre/RS em junh de 2010 n períd de 7 dias de mediçã cntinua. Dads sbre impact ambiental (Green IT) cm base na ferramenta da Micrsft para cálcul de emissã de carbn pr an:

14 Cm esta cnslidaçã de servidres é pssivel reduzir as emissões de CO2 em 100,14 mil tneladas. A reduçã da emissã de carbn equivale a prduzid pr 10.4 casas. Outr cmparativ relevante é que esta reduçã equivale a 18,3 carrs cm mtr desligads. Cm esta reduçã s benefícis ambientais sã iguais a planti de 239,8 árvres. Esta ferramenta é utilizada para mensurar percentuais de reduçã de energia e emissã de carbn na atmsfera. A mesma utiliza dads baseads em pesquisas realizadas pela própria empresa. 7. Cnclusões Este artig descreveu uma análise d impact das técnicas de virtualizaçã na cnslidaçã de servidres, frente a cnsum de energia elétrica. O fc principal fi a criar um plan de virtualizaçã de servidres e aplicar mesm mensurand cnsum de energia elétrica, seus custs e implicações ambientais. As métricas utilizadas para analisar ambiente cnsideraram aspects cm cnsum de energia ds servidres. A temperatura d ambiente, cnfrme s autres citads neste artig, é taxada cm uma das grandes vilãs d cnsum de energia ns Data Centers. O espaç físic nã fi redimensinad durante a aplicaçã das medições que levu as menres índices de eficiência d us de energia. Analisand s resultads btids se pde afirmar que a virtualizaçã de ambientes pde trazer grandes benefícis para reduçã d cnsum de energia, utilizand em média 1/3 d cnsum de ambientes físics. Neste trabalh a eficiência d Data Center diminuiu após a aplicaçã d plan de virtualizaçã, prque a carga de equipaments de TI fi reduzida e a carga ds utrs equipaments cm tinuaram estáveis. Se fsse redimencinad a iluminaçã e sistema de refrigeraçã, a eficiência d Data Center iria aumentar mesma cm a reduçã d us de energia. Os Data Centers utilizam n máxim 40% d seu pder de prcessant. Quand prcessament de um sistema peracinal fica muit alt crre a degradaçã d desempenh das aplicações nã aprveitand tds s recurss físics. Analisand desta frma a virtualizaçã pde utilizar 100% ds recurss físics divind mesm entre inúmers sistesmas peracinais cm uma carga baixa u mderada. Essa reduçã tem impact diret e indiret em utras áreas cm cust para manter um Data Center e a reduçã da emissã d CO2 na atmsfera. Estes gases pdem ser emitids durante a geraçã da energia cnsumida pel Data Center. Cm trabalhs futurs pde-se citar a timizaçã d us de energia de um Data Center, nde mesm deve cntemplar em seu plan servidres, refrigeraçã, n-break u geradres e espaç físic cm intuit de melhrar a eficicencia d Data Center. Outr trabalh relevante é estud sbre a virtualizaçã de desktps pdend desenvlver mesm cm fc vltad para TI Verde. Será analisad qual a eficácia atual d ambiente n us da energia e mensurar seu impact ambiental. Deverá ser

15 elabrada uma abrdagem para melhrar esses indicadres afim de auxiliar na manutençã d bem estar d planeta diminuind impact da TI n aqueciment glbal. Referências Barham, P.; Dragvic, B.; Fraser, K.; Hand, S.; Harris, T.; H, A.; Neugebauer, R.; Pratt, I.; Warfield, A. 2003, Xen and the Art f Visualizatin. Carissimi 2008, Virtualizaçã: da teria a sluções. Dispnível em: <http://www.gta.ufrj.br/ensin/cpe758/artigs-basics/cap4-v2.pdf>. Acess em: 29 junh Carmna 2008, Tadeu. Technical Review Virtualizaçã. 1. ed. Sã Paul: Editra Linux New Media d Brasil Ltda, p. Celh Fabi, calzavara, Gustav, Di Lucia, Ricard 2008, Virtualizaçã VMware e Xen, Universidade Federal d Ri de Janeir. Dispnível em: < Acess em: 29 junh Ferreira m.; Freitas h.; Navaux p 2004, Estud das Técnicas de Suprte Virtualizaçã para Prjet de Instruções n Cntext Multi-Cre. Institut de Infrmática, Universidade Federal d Ri Grande d Sul.. Dispnível em: <http://gppd.inf.ufrgs.br/wsppd/2007/dwnlads/ferreirafreitasnavaux_apresentaca.p df> Acess em: 29 junh Gandlph 2008, Cibele, Data Center Virtual. Dispnível em: <http://inf.abril.cm.br/crprate/infraestrutura/data-center-virtual.shtml> Acess em: 29 junh Green grid 2007, Get a Grip n Yur Data Center Pwer Efficiency. Dispnível em: <http://www.scaleutadvantage.techweb.cm/news/fut_pmdl _get.jhtml>. Acess em: 29 junh Grup CEEE 2009, Tabela de Tarifa Cnvencinal. Dispnível em: <http://www.ceee.cm.br/pprtal/ceee/archives/tabela_cnvencinal_2009.pdf>acess em: 29 junh Inmetr 2010, Cnsumirr Tabelas Dispnível em: <http://www.inmetr.gv.br/cnsumidr/tabelas.asp> Acess em: 29 junh Kreker, k. L. 2009, The evlutin f virtualizatin. The Ppek and Gldberg virtualizatin requirements 1974 Dispnível em: <http://en.wikipedia.rg/wiki/ppek_and_gldberg_virtualizatin_requirements>. Acess em: 29 junh Laurean 2006, M. Máquinas Virtuais e emuladras: cnceits, técnicas e aplicações. Sã Paul, Nvatec. Laurean 2008, Laurean, Marcs, Auréli, Pchek Virtualizaçã: Cnceits e Aplicações em Segurança. Dispnível em: <http://www.mlaurean.rg/virtualizaca> Acess em: 29 junh 2010.

16 Marta 2009, Fernand, Para-Virtualizaçã cm XEN.Dispnível em: <http://www.vivalinux.cm.br/artig/paravirtualizaca-cm-xen>. Acess em: 29 junh Manfrin 2009, Alexander, Os principais benefícis da Virtualizaçã, <http://www.vmwrld.cm.br/freedw/dku.php?id=vmwrld:utilidade_diaria:aula_virt ual:beneficis>. Acess em: 29 junh Micrsft 2009, Cass de sucess de virtualizaçã. Dispnível em: <http://www.micrsft.cm/brasil/servidres/virtualizaca/case-studies.mspx>. Acess em: 29 junh Oliveira, r..; Carissimi, a.; Tscani, a. 2004, Sistemas Operacinais. Editra Sagra- Luzzat, 3ª ediçã. Sistema Fiec 2010, Cnsum médi de aparelhs. Dispnível em: <http://www.fiec.rg.br/aces/energia/infrmaces/cnsum_medi.htm>. Acess em: 29 junh 2010.

17 Anexs Abaix algumas imagens d ambiente utilizad antes de depis da aplicaçã d plan de virtualizaçã de servidres. Figura 12. Servidres físics utilizads antes da virtualizaçã d ambiente. Figura 13. Strage utilizad após a Virtualizaçã d ambiente. Figura 14. Servidres utilizads após a Virtualizaçã d ambiente.

18 Figura 15. Switches utilizads para cnexã ds servidres e Strage. Figura 16. Rack utilizad para instalar fisicamente s switches, servidres e Strage. Figura 17. Medidr e gerenciadr de temperatura d Data Center.

19 Figura 18. Medidr de energia d tip CEEE utilizad pel Data Center.

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION

WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO ISVs e cmputaçã em nuvem... 2 Breve visã geral d Windws Azure...

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

IBOConsole Recuperação do Banco de Dados. Ferramenta de manutenção para recuperação de banco de dados.

IBOConsole Recuperação do Banco de Dados. Ferramenta de manutenção para recuperação de banco de dados. IBOCnsle Recuperaçã d Banc de Dads Ferramenta de manutençã para recuperaçã de banc de dads. 2 IBOCnsle ÍNDICE MAINTENANCE... 3 VALIDATION... 4 BACKUP/RESTORE... 6 BACKUP... 7 RESTORE... 10 3 IBOCnsle MAINTENANCE

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos 6 Painéis Slares Ftvltaics 48 6.1 Descriçã da tecnlgia A funçã de uma célula slar cnsiste em cnverter directamente a energia slar em electricidade. A frma mais cmum das células slares fazerem é através

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

- Diretor do Programa Internacional de Ortodontia da New York University. - Autor do primeiro livro sobre o tema: Biomecânica Interativa Autoligante

- Diretor do Programa Internacional de Ortodontia da New York University. - Autor do primeiro livro sobre o tema: Biomecânica Interativa Autoligante CURSO INTENSIVO DE CAPACITAÇÃO BIOMECÂNICA INTERATIVA AUTOLIGANTE MINISTRADORES: Prf. Celestin Nóbrega - Diretr d Prgrama Internacinal de Ortdntia da New Yrk University - Autr d primeir livr sbre tema:

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL...

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... Respnsável pela elabraçã d trabalh: Fernanda Juli Barbsa Camps

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE DAVID CHAPPELL OUTUBRO DE 2010 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO Pr que criar um nv mdel de prgramaçã?... 3 Três regras d mdel de prgramaçã d Windws

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL Reajuste Tarifári de 2006 Esclareciments sbre s valres cncedids pela ANEEL Abril/2006 Agenda Intrduçã IRT 2006 CVA PASEP-COFINS Impact na geraçã de caixa 2 ANEEL divulga reajuste de 6,7% Resluçã Hmlgatória

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Controle de Atendimento de Cobrança

Controle de Atendimento de Cobrança Cntrle de Atendiment de Cbrança Intrduçã Visand criar um gerenciament n prcess d cntrle de atendiment de cbrança d sistema TCar, fi aprimrad pela Tecinc Infrmática prcess de atendiment, incluind s títuls

Leia mais

Windows Server 2012 R2 Folheto de licenciamento

Windows Server 2012 R2 Folheto de licenciamento Windws Server 2012 R2 Flhet de licenciament Visã geral d prdut O Windws Server 2012 R2 captura a experiência da Micrsft na entrega de serviçs em nuvem em escala mundial, ferecend um servidr de us empresarial

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Física E Extensivo V. 1

Física E Extensivo V. 1 Física E Extensiv V. 1 Exercícis 01) Verdadeira. Verdadeira. Temperatura mede a agitaçã ds átms. Verdadeira. Temperatura e energia cinética sã diretamente prprcinais. Verdadeira. Falsa. Crp nã tem calr.

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE

ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE 1. Definições ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE Este dcument cntém as especificações técnicas e requisits ds serviçs de Clud Cmputing da Bematech para Sistema Gemc Anywhere. Estes

Leia mais

Especificações. O Atmos G3-Dense-480 oferece os seguintes recursos e capacidades. Arquitetura de nós densos. Nós de 60 discos

Especificações. O Atmos G3-Dense-480 oferece os seguintes recursos e capacidades. Arquitetura de nós densos. Nós de 60 discos EMC ATMOS SÉRIE G3 A série G3 d Atms apresenta Atms G3-Dense-480 e G3-Flex-240. Essa série ferece várias pções de cnfiguraçã, inclusive suprte a diferentes capacidades de disc e sluções baseadas em rack

Leia mais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais Diferenciais d QlikView Versus Tecnlgias Tradicinais Índice Tecnlgia MOLAP... 3 Demanda criaçã de Datawarehuse... 3 Númer limitad de dimensões... 3 Inflexível... 3 Cnsultas smente nline... 3 Tecnlgia ROLAP...

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Ntas de Aplicaçã Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm cntrladres HI HI Tecnlgia Dcument de acess públic ENA.00034 Versã 1.00 setembr-2010 HI Tecnlgia Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm

Leia mais

Todos os direitos reservados Versão 1.2

Todos os direitos reservados Versão 1.2 Guia de Relatóris Tds s direits reservads Versã 1.2 1 Guia de Relatóris Índice 1 Pedids... 3 1.1 Mnitr de Pedids... 3 1.2 Pedids... 4 1.3 Estatísticas de Pedids... 5 1.4 Acess e Cnsum... 7 1.5 Pedids pr

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial;

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial; CURSO: ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE: 5 DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE CARGA HORARIA: 80 HORAS / AULAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ementári: Nções de sistemas de infrmaçã e seus cmpnentes, seus tips e principais aplicações

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais