AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE MEIOS DE HOSPEDAGEM SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS HÓSPEDES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE MEIOS DE HOSPEDAGEM SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS HÓSPEDES"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE MEIOS DE HOSPEDAGEM SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS HÓSPEDES GEORGIA MARIA MANGUEIRA DE ALMEIDA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ MAIO

2 AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE MEIOS DE HOSPEDAGEM SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS HÓSPEDES GEORGIA MARIA MANGUEIRA DE ALMEIDA Dissertação apresentada ao Centro de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, como parte das exigências para obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção. Orientador: André Luís Policani Freitas, D. Sc. CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ MAIO

3 AVALlAc;,AO E CLASSIFICAc;,AO DA QUALIDADE DE MEIOS DE HOSPEDAGEM SEGUNDO A PERCEPc;,Ao DOS HOSPEDES GEORGIA MARIA MANGUEIRA DE ALMEIDA Disserta<;80 apresentada ao Centro de Ciencias e Tecnologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, como parte das exigencias para obten<;80 do tftulo de Mestre em Engenharia de Produ<;80. Aprovada em 14 de maio de Prof.: Heitor uiz Murat de Meirelles Quintella, D.Sc - UFF Orientador

4 AGRADECIMENTOS Agradecimentos serão incompletos uma vez que não comportariam em uma mera página, mas inicio com o agradecimento primordial a Deus, fonte de toda energia necessária e o Único capaz de permitir qualquer realização na vida mesmo que as barreiras pareçam intransponíveis. Ao Professor Doutor André Luís Policani Freitas, por acreditar na minha linha de pesquisa e pela excelência nas orientações, agregando valores a uma idéia embrionária que hoje se apresenta como contribuição científica. Além da atenção, paciência e rigor dispensados sempre quando necessários. Aos professores do LEPROD, em especial, Manuel Molina e José Arica pela grande contribuição dada ao longo de todo o Mestrado. Ao Programa de Mestrado em Engenharia de Produção da UENF pela infraestrutura tornada disponível para o desenvolvimento deste trabalho, e ao seu pessoal técnico e administrativo, como os funcionários da biblioteca do CCT, e do LEPROD: Rogério, Kátia e Rafael que deram o suporte necessário quando precisei. As parcerias de peso conquistadas durante o Mestrado, como Aline Gomes, Alline Morais, Edson, João, Poliana e em especial a Nina os meus agradecimentos. Aos amigos que abandonei sem poder dar a devida atenção, mas que torciam por mim, durante esta fase, em especial Gláucia e Patrícia. Aos estabelecimentos de hospedagem do município de Campos dos Goytacazes, que se mostraram receptivos à pesquisa e muito contribuíram para a conclusão deste trabalho, bem como aos hóspedes que durante a estada foram essenciais neste trabalho. Por fim, mas não com menos importância, eu agradeço aos meus pais, meus irmãos e a toda a família que acompanham meus passos e torce pelos meus propósitos, em especial ao meu Tio Lenine e à minha prima-irmã Ana Paula. E também àqueles que acompanharam o início, mas que hoje não se encontram neste plano para comemorarem comigo o término: Ronaldo (in memorian) e Tia Vilma (in memorian). iii

5 RESUMO UM MODELO DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM: O DESEMPENHO NA PERCEPÇÃO DOS HÓSPEDES Georgia Maria Mangueira de Almeida Com o advento dos flats e meios de hospedagem operados por grupos internacionais no Brasil, o setor hoteleiro nacional vem apresentando grandes transformações. A crescente competitividade entre os estabelecimentos produz a necessidade de uma ferramenta acessível que sinalize aos meios de hospedagens, a possibilidade do conhecimento de seu desempenho frente a concorrência. E o elemento capaz de avaliar o desempenho é o próprio cliente, que interage na realização do serviço a ele prestado. A partir de um levantamento da literatura científica, associada à matriz da EMBRATUR, o presente trabalho propõe um modelo para avaliação da qualidade dos meios de hospedagem. Fundamentado no modelo SERVPERF de avaliação de desempenho, o modelo proposto está estruturado em nove dimensões e sessenta e oito itens que abordam aspectos tangíveis e intangíveis dos meios de hospedagem. Objetivando sua validação, desenvolveu-se estudos de caso que propõem à aplicação em três estabelecimentos de perfis distintos: hotel, um flat e uma pousada, para que possa ser obtida, através da Análise dos Quartis, a priorização dos aspectos que são considerados críticos, na percepção dos hóspedes, e que requerem uma reestruturação para que o estabelecimento torne-se competitivo, assim como, quais são as fortalezas dos meios de hospedagem que os torna atraentes e que possam motivar a estada destes hóspedes novamente nestes estabelecimentos e a sua recomendação. Palavras-chave: Meios de hospedagem; Desempenho; Modelo de avaliação e classificação da qualidade. iv

6 ABSTRACT EVALUATION AND CLASSIFICATION MODEL OF THE LODGING ESTABLISHMENT QUALITY: THE PERFORMANCE IN THE GUESTS PERCEPTION Georgia Maria Mangueira de Almeida The national hotel market is presenting great transformations with the coming of the condo-hotels and lodging means operated by international groups in Brazil. The growing competitiveness among the establishments produces the necessity of an accessible tool which signals, to the means of lodgings, the possibility of the knowledge of its acting front the competition. The person able to evaluate the acting is the customer himself that interacts with the accomplishment of the service done to him. Looking up the scientific literature, associated to the head office of EMBRATUR, the present work is a proposal of a model for evaluation of the lodging means. Based in the model SERVPERF of performance evaluation, the proposed model is structured in nine dimensions and sixty eight items that approach tangible and intangible aspects of the lodging means. Aiming its validation, it was developed study cases that propose to the application in three different establishments: a hotel, a condo-hotel and a lodging, so that it can be lifted up, through the Quartis Analysis, the ranking of the aspects considered critical, in the guests perception, that requests a restructuring for the establishment to become competitive, as well as which are the fortresses of the lodging means that turns them attractive and that can motivate these guests to stay. Keywords: Lodging establishments, Performance, Evaluation and classification model quality. v

7 SUMÁRIO LISTA DE SIGLAS xi LISTA DE QUADROS.. xii LISTA DE FIGURAS. xiii LISTA DE TABELAS xiv CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O Problema de Pesquisa Definição dos Objetivos Objetivos Gerais Objetivos Específicos Justificativa Estrutura do Trabalho... 9 CAPÍTULO 2 - QUALIDADE EM SERVIÇOS O Conceito de Serviços Mensuração da Qualidade em Serviços Modelo dos 5 gaps SERVQUAL SERVPERF O Mapeamento do Ciclo de Serviços e os Momentos da Verdade CAPÍTULO 3 - MEIOS DE HOSPEDAGEM O Conceito de Meios de Hospedagem Posturas Legais vi

8 3.1.2 Aspectos Constitutivos Equipamentos e Instalações Serviços e Gestão Um Breve Histórico dos Meios de Hospedagem A Hotelaria no Brasil A Classificação dos Meios de Hospedagem Classificações no Mundo Classificação Nacional A Indústria Hoteleira e o Meio Ambiente Quem é o Hóspede? Um Panorama do Setor CAPÍTULO 4 - QUALIDADE EM MEIOS DE HOSPEDAGEM A Percepção da Qualidade nos Meios de Hospedagem A Importância da Proposição de um Modelo de Avaliação e Classificação dos Meios de Hospedagem Estudos de avaliação e classificação em meios de hospedagem Lewis (1984) Akan (1995) Min e Min (1997) Callan et al (2000) Choi e Chu (2000) Heung (2000) Choi e Chu (2001) Gil et al (2001) ABIH/EMBRATUR (2002) vii

9 Ekinci et al (2003) Khan (2003) Fernández e Bédia (2004) Nadiri et al (2005) Mensah (2006) Akbaba (2006) Erdogan e Baris (2007) Saéz et al (2007) Wilkings et al (2007) Benítez et al (2007) Briggs et al (2007) Ramsaram-Fowdar (2007) Freitas (2007) Vieregge (2007) Gu e Ryan (2008) Wang et al (2008) Freitas e Morais (2009) Principais dimensões utilizadas para avaliação de meios de hospedagem CAPÍTULO 5 - O MODELO DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE EM MEIOS DE HOSPEDAGEM SOB PERCEPÇÃO DOS HÓSPEDES Introdução Estruturação do Modelo Proposto Definição de dimensões e respectivos itens de avaliação viii

10 5.2.2 Definição da Escala de julgamento de valor Estruturação do Questionário Procedimento de agregação dos julgamentos Procedimento de classificação CAPÍTULO 6 - ESTUDOS DE CASO: EMPREGO DO MODELO PROPOSTO NA AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS HÓSPEDES O Perfil do município de Campos dos Goytacazes O Perfil dos Estabelecimentos para o Estudo de Caso A Aplicação do Modelo de Avaliação dos Meios de Hospedagem Detalhes da Aplicação Tamanho da Amostra Perfil dos Respondentes (Hóspedes) Resultados do Procedimento de Classificação das Avaliações Classificação do Flat sob a percepção de seus hóspedes Classificação do Hotel sob a percepção de seus hóspedes Classificação da Pousada sob a percepção de seus hóspedes Classificação dos Meios sob a percepção de seus hóspedes A Qualidade dos Meios de Hospedagem sob a percepção de seus hóspedes Identificação dos Itens Prioritários dos Estabelecimentos de Hospedagem Análise do Gestor quanto aos Resultados Análise do Gestor do Flat quanto aos Itens com Prioridade Crítica Análise do Gestor do Flat quanto aos Itens com Prioridade Alta Análise do Gestor do Hotel quanto aos Itens com Prioridade Crítica ix

11 6.8.4 Análise do Gestor do Hotel quanto aos Itens com Prioridade Alta Análise do Gestor da Pousada quanto aos Itens com Prioridade Crítica Análise do Gestor da Pousada quanto aos Itens com Prioridade Alta Itens de Prioridade Crítica Comuns aos Três Meios de Hospedagem Itens de Prioridade Alta Comuns aos Três Meios de Hospedagem CAPÍTULO 7 CONCLUSÕES Considerações Iniciais Conclusões da Dissertação Limitações da Dissertação Sugestões para Aprimoramento do Campo de Pesquisa REFERÊNCIAS APÊNDICE A O modelo proposto para avaliação da qualidade dos meios de hospedagem sob a percepção dos hóspedes APÊNDICE B A Origem dos Itens na Composição do Modelo de Avaliaçâo da Qualidade dos Meios de Hospedagem ANEXO A matriz de classificação oficial da ABIH/EMBRATUR x

12 LISTA DE SIGLAS A&B Alimentos e Bebidas ABIH Associação Brasileira da Indústria de Hotéis ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas AHP Analytic Hierarchy Process BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social CIDE Centro de Informações e Dados do Rio de Janeiro EMBRATUR Empresa Brasileira de Turismo (antiga), Instituto Brasileiro de Turismo (atual) FNRH - Ficha Nacional de Registro de Hóspedes HIA Hotel Investment Advisors IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística INA Item não Avaliado INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial IPA Importance-Performance Analysis IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada NA Não avaliado PIB Produto Interno Bruto SBM Sociedade Brasileira de Metrologia SOCMH Sistema Oficial de Classificação dos Meios de Hospedagem UH Unidade Habitacional UMIH Union des Métiers et des Industries de I Hôtellerie WTO World Tourism Organization xi

13 LISTA DE QUADROS Quadro 2.1 Distinção entre bens e serviços e suas implicações decorrentes Quadro 2.2 Distinção entre bens e serviços Quadro 2.3 Diferenças básicas entre bens e serviços Quadro 2.4 Características dos Serviços Quadro 2.5 As cinco dimensões da Qualidade em Serviços reduzidas das dez originais... Quadro 2.6 Modelos derivados (adaptados) do SERVQUAL aplicados aos Meios de Hospedagem Quadro 3.1 Categorias de Classificação na Alemanha Quadro 3.2 Classificação de algumas redes e marcas hoteleiras no mundo 39 Quadro 3.3 Hotéis no Estado do Rio de Janeiro classificados pela matriz oficial... Quadro 5.1 Dimensões abordadas na literatura científica pesquisada e presentes no modelo Quadro 5.2 Codificação da Escala Empregada na Avaliação Quadro B.1 A origem dos itens e das dimensões do modelo proposto xii

14 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1 Modelo dos 5 gaps adaptado ao serviços de uma pousada Figura 2.2 Ciclo de Serviços e Momentos da Verdade nos Meios de Hospedagem Figura 5.1 Estrutura hierárquica do Modelo de Avaliação xiii

15 LISTA DE TABELAS Tabela 1.1 Gastos, em milhões de dólares, de turistas estrangeiros no Brasil, período de janeiro a outubro... 6 Tabela 3.1 Custos de Classificação Tabela 5.1 Categorias de classificação, limites estabelecidos e respectivos conceitos Tabela 6.1 Perfil sócio-demográfico dos respondentes Tabela 6.2 Perfil do hóspede respondente Tabela 6.3 Perfil do hóspede respondente Tabela 6.4 Classificação segundo a Percepção dos Hóspedes do Flat Tabela 6.5 Classificação segundo a Percepção dos Hóspedes do Hotel Tabela 6.6 Classificação segundo a Percepção dos Hóspedes da Pousada 92 Tabela 6.7 Classificação segundo a percepção de toda a amostra Tabela 6.8 Grau de Desempenho Médio dos Estabelecimentos Tabela 6.9 Regiões críticas e apresentação da classificação Tabela 6.10 Análise dos Itens de Prioridade Crítica pelo Gestor do Flat Tabela 6.11 Análise dos Itens de Prioridade Alta pelo Gestor do Flat Tabela 6.12 Análise dos Itens de Prioridade Crítica pelo Gestor do Hotel Tabela 6.13 Análise dos Itens de Prioridade Alta pelo Gestor do Hotel Tabela 6.14 Análise dos Itens de Prioridade Crítica pelo Gestor da Pousada 107 Tabela 6.15 Análise dos Itens de Prioridade Alta pelo Gestor da Pousada Tabela 6.16 Itens de Prioridade Crítica Comuns aos Três Meios de Hospedagem... Tabela 6.17 Itens de Prioridade Alta Comuns aos Três Meios de Hospedagem xiv

16 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nos últimos 50 anos em todo o mundo as viagens cresceram consideravelmente, sendo justificadas pelos avanços tecnológicos nos meios de transporte e comunicação e pela forte expansão econômica do pós-guerra, onde o crescimento do turismo supera o crescimento da economia em receitas havendo uma forte correlação entre crescimento de renda e o turismo (EMBRATUR, 2006). O setor de turismo, no qual se inclui o segmento de hotelaria, ocupa hoje papel relevante na economia mundial, sendo uma das atividades com maior representatividade econômica, ao lado da indústria do petróleo (BNDES, 2005, p. 113). Esta importante atividade para economia continua em expansão: as diferentes características do público, que utilizam os serviços hoteleiros, motivam os meios de hospedagem a se adequarem às necessidades e desejos de seus consumidores, que em geral estão relacionados a abrigo, segurança, ostentação e conforto (GUARDANI, 2006). No entanto, é preciso que os estabelecimentos invistam regularmente na modernização das instalações, na manutenção de sua infra-estrutura, e na profissionalização de seus serviços, como forma de assegurar ou expandir a sua participação mercadológica. Pois a desatualização ou o envelhecimento podem gerar desvantagens na competição e induzir a uma redução nos preços das tarifas para manter os níveis médios de ocupação (BNDES, 2005). Recentemente, diversos trabalhos procuraram estudar a qualidade dos serviços de hospedagem, através de sua avaliação e classificação.

17 2 Dal Maso (2008) objetivou a partir de um estudo qualitativo, validar o modelo o Modelo Estendido da Qualidade em Serviços de Zeithaml, Berry e Parasuraman (1988) para organizações de serviços brasileiras, e comparou as ações de gestão da qualidade em serviços de hotéis de diferentes estruturas. Polizel (2006) apontou características dos sistemas de classificação de meios de hospedagem por qualidade em alguns países do mundo, enfatizando a conexão destes com o sistema de classificação oficial brasileiro e captando como o mercado paulistano se comporta frente à solicitação do sistema de classificação brasileiro. Romão (2002) observou que benefícios podem ser esperados na gestão da qualidade dos sistemas hoteleiros a partir da análise da Matriz de Classificação dos Meios de Hospedagem e da ISO E, ainda, Wanderley (2004) procurou captar o comportamento do turista em relação à hospedagem, através da percepção do hóspede a respeito dos atributos oferecidos pelos hotéis e Carlos (2004) aplicou no setor hoteleiro o modelo norueguês de satisfação dos clientes de hotéis. Estendendo o levantamento sobre a área de pesquisa, Silva (2007) desenvolveu um sistema de mensuração de desempenho, alinhando bases da gestão da qualidade propondo aos estabelecimentos classificados pelo SOCMH (Sistema Oficial de Classificação dos Meios de Hospedagem) uma ferramenta na tomada de decisões. Já Ferreira (1999), analisou o SOCMH e contribuiu como um método de auditoria em estabelecimentos de hospedagem inserindo a variável ambiental, e sugerindo assim uma classificação paralela, porém somente em hotéis. A inserção da variável ambiental na avaliação da qualidade tem sua importância, visto que o segmento de hotelaria deve procurar identificar as necessidades legais que sejam aplicáveis a aspectos ambientais de suas atividades, produtos e serviços. Isso porque os hotéis geram poluentes capazes de agredir a natureza, utilizam água e energia elétrica como suportes de seus negócios, e emitem ruídos e poluentes de exaustores, tornando-se parcela considerável, quando relacionada à preservação ambiental. (SERRA, 2005). Além disso, conforme Reis (2002) apud Almeida et al (2008) a sociedade está cada vez menos disposta a aceitar ou tolerar agressões ao meio ambiente e, certamente, num futuro bem mais próximo do que imagina ela demitirá as empresas irresponsáveis do mercado.

18 3 Mas, a adequação às necessidades e desejos dos consumidores ainda é o grande desafio das empresas e fator instigador das pesquisas, haja vista que a concorrência é vertiginosa e a descoberta do nível de qualidade de seus meios de hospedagem, sob a percepção dos hóspedes, será o diferencial para sua manutenção no mercado, principalmente aos pequenos hoteleiros que comparados aos grandes estabelecimentos, trabalham sob restrição de recursos. Com o propósito de contribuir na superação deste desafio, é que este trabalho se apresenta. Neste capítulo será apresentada a importância do presente trabalho, através da apresentação do problema de pesquisa, das justificativas que sustentam a investigação e dos objetivos a serem alcançados. 1.1 O problema de pesquisa A atividade da hospedagem possui grande participação na economia. O parque hoteleiro nacional conta hoje com aproximadamente 25 mil meios de hospedagem, e deste universo 18 mil são hotéis e pousadas. Em geral, 70% são empreendimentos de pequeno porte, representando mais de um milhão de empregos e a oferta de aproximadamente um milhão de apartamentos em todo país. Estima-se que a hotelaria nacional tenha um faturamento, da ordem de U$ 2 bilhões de dólares ao ano (ABIH, 2008). No setor da hospedagem, a qualidade do serviço prestado constitui uma questão de sobrevivência empresarial. A presença das redes internacionais, no país, tem contribuído para a maior qualificação da mão-de-obra hoteleira, bem como na melhoria de qualidade dos serviços prestados (BNDES, 2000). Segundo o BNDES (2005), há uma crescente participação de cadeias internacionais no Brasil, com aprimoramento da mão-de-obra e gestão profissionalizada e com investimentos em hotelaria econômica, o que se torna uma ameaça real a pequenos e médios estabelecimentos de hospedagem. Dados do HIA (2007) apontaram que as cadeias hoteleiras que operam no Brasil possuem maior representatividade em números de UH (unidades habitacionais): são 26% de participação no mercado, porém são poucos os hotéis afiliados: cerca de 9%. Além disso, o aumento das viagens de negócios no país e do turismo de lazer foi estimulado, em especial, pela abertura da economia, pela estabilização da inflação, pelas perspectivas de crescimento da renda e pelos investimentos em infra-

19 4 estrutura, o que por sua vez, gerou uma série de investimentos em projetos de hotelaria, identificando como incrementos a cadeia produtiva do setor turístico aumento do número de vôos diretos entre as principais cidades de países emissores de turistas e as cidades brasileiras de seus destinos, e ainda vocação do Brasil para o ecoturismo 1. Conforme o BNDES (2005), o governo federal com o objetivo de orientar os mercados turísticos, interno e externo, oficializou uma classificação dos meios de hospedagem, com o agrupamento de hotéis em seis categorias, através da avaliação dos indicadores referentes à gestão do empreendimento e à qualidade dos serviços e instalações. Este Sistema Oficial de Classificação dos Meios de Hospedagem é instrumento para a promoção do desenvolvimento da indústria hoteleira, cabendolhe classificar, categorizar, qualificar os meios de hospedagem, em território nacional, simbolizados por estrelas, de acordo com as condições de conforto, comodidade, serviços e atendimento que possuam (BRASIL, 2009). Neste sistema, muitos requisitos têm de ser cumpridos. Além disso, esta classificação é de adesão e de adoção voluntária, possui custos, e estes fatores podem influenciar alguns estabelecimentos a não se classificarem, em especial os pequenos empreendimentos. Outro ponto a destacar, é a questão da qualidade dos serviços em seu sistema, principalmente, quanto à mensuração da percepção dos hóspedes que não está incorporada ao modelo, pois o Sistema Oficial de Classificação dos Meios de Hospedagem (SOCMH) ocorre através de uma avaliação por empresas cadastradas pelo governo, em que um avaliador externo analisa as condições estruturais (itens a serem oferecidos aos hóspedes), sem mesmo considerar a opinião do próprio cliente que vai utilizar os serviços de hospedagem. Existem outras razões que levam aos estabelecimentos a não se classificarem oficialmente. Segundo BNDES (2005), esta classificação tradicional 1 O Ecoturismo é compreendido pelo Ministério do Turismo como um segmento da atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista por meio da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações (BRASIL, 2008).

20 5 tem perdido importância devido ao crescimento das cadeias hoteleiras, cada uma com a sua própria padronização de instalações, produtos e serviços. Na hotelaria de rede, a marca identifica tudo, desde o padrão de instalações até os serviços oferecidos. Com muitas modalidades de hospedagem existentes no país, um importante ponto a ressaltar, é a busca incessante pela excelência nos serviços e interesse pela mensuração da qualidade para obtenção de vantagem competitiva, através da captação da voz do cliente, procurando traduzi-la em qualidade nos meios de hospedagem (CASTELLI, 2002). A captação desta voz pode transformar-se numa real classificação do estabelecimento, pois a percepção da qualidade dos meios de hospedagem construída pelo hóspede inicia desde a sua partida da origem, onde realiza um primeiro contato com o estabelecimento e termina na comparação dos serviços recebidos com suas expectativas construídas antes da hospedagem, gerando uma possível divulgação boca a boca da qualidade dos serviços recebidos. No entanto, este tem sido o grande desafio do mercado, e motivo de inúmeros trabalhos científicos, pois nesta era de competitividade global, a empresa deve superar o desempenho da qualidade dos serviços de seus concorrentes, até o ponto em que possa atrair os clientes de sua concorrência, tornando-se assim a melhor opção (MIN E MIN, 1997). Diante do exposto o seguinte problema de pesquisa é apresentado: De que forma os meios de hospedagem poderão criar a sua manutenção em um mercado cada vez mais competitivo? Entende-se que através do conhecimento da qualidade de seus serviços, baseados na avaliação e classificação do seu desempenho segundo a percepção de seus hóspedes, os estabelecimentos de hospedagem serão capazes de identificar fragilidades e estabelecer ações visando a melhoria da qualidade. Assim, com a proposta do desenvolvimento de um modelo que possa avaliar e classificar os estabelecimentos, sob a percepção dos hóspedes, à luz de critérios que expressem qualidade nos meios de hospedagem, é que esta investigação se fundamenta.

21 6 Assim, desejando contribuir com a área de pesquisa: Avaliação e Classificação da Qualidade em Serviços de Hospedagem. A seguir, os objetivos deste trabalho serão apresentados. 1.2 Definição dos Objetivos Divididos em gerais e específicos, os objetivos da dissertação serão nas próximas seções, apresentados Objetivos Gerais O presente trabalho tem como objetivo principal o desenvolvimento de um modelo para avaliação e classificação da qualidade dos serviços prestados por meios de hospedagem, segundo a percepção dos clientes (hóspedes). Fundamentada na avaliação da qualidade dos serviços a partir das percepções de desempenho (modelo SERVPERF, proposto por Cronin e Taylor (1992)), o modelo proposto buscará incorporar dimensões e critérios preconizados pelos principais modelos existentes na literatura científica. Adicionalmente, empregase um procedimento para agregar os julgamentos e para classificar a qualidade dos serviços em uma das categorias pré-definidas. Em especial, este trabalho busca contribuir para a melhoria da qualidade dos estabelecimentos de hospedagem, através dos julgamentos atribuídos pelos hóspedes quanto ao desempenho dos estabelecimentos Objetivos Específicos Para o alcance do objetivo geral, os objetivos específicos estão a seguir enunciados: Identificar o perfil de quem freqüenta os meios de hospedagem através do levantamento de suas características (gênero, faixa etária, faixa salarial, motivo da hospedagem, nível educacional); Detectar as percepções dos hóspedes que possam vir a contribuir na melhoria dos serviços prestados pelos empreendimentos avaliados identificando as fortalezas e fraquezas dos serviços de hospedagem e nas ações ambientais;

22 7 Classificar a qualidade dos serviços prestados pelos meios de hospedagem avaliados à luz dos critérios estabelecidos no modelo desenvolvido; Identificar as intenções do retorno dos hóspedes e recomendação dos estabelecimentos avaliados a outras pessoas. 1.3 Justificativa Inúmeros são os esforços na solução da problemática que ainda se apresenta com solução latente: a avaliação da qualidade dos meios de hospedagem e sua classificação, conforme apresentados na seção anterior. Como fatores motivadores à realização do presente trabalho poderão ser apontados: A falta de uma classificação que possa abranger as diversas modalidades de hospedagem que competem entre si, como flats, pousadas e hotéis, localizados em cidades; A redução da vida útil dos hotéis devido à oferta diversificada dos meios de hospedagem. Um dos motivos é a entrada no mercado de hotéis supereconômicos pertencentes a redes conhecidas mundialmente Além disso, grande é a importância deste setor para a economia (DAL MASO, 2008); WTO (1989) apud Freitas (2007) ressalta que há divergências entre os sistemas de classificação existentes no mundo, ocorrendo em termos dos critérios a serem utilizados, da simbologia a ser adotada (estrelas, diamantes, etc.), e da discriminação da natureza dos estabelecimentos de hospedagem (executiva, turística, albergue, chalé, pensão, entre outras); A atuação ambientalmente responsável é, principalmente hoje, um diferencial entre as empresas no mercado. Em breve, este diferencial se tornará um pré-requisito, e quanto antes, as empresas perceberem esta nova realidade, maior será a chance de se manterem no mercado (GUTBERLET, 1996). As diversidades existentes nas pesquisas, no âmbito dos meios de hospedagem: Hóspedes de Luxo (MIN e MIN, 1997; WILKINGS et al, 2007), Hóspedes Idosos ( CALLAN, 2000;VIEREGGE, 2007), Ecoturistas

23 8 (KHAN, 2003); Hóspedes de Negócios (AKBABA, 2006) sugerem a abordagem contingencial da pesquisa, o que motiva o desenvolvimento de novos trabalhos. Diferente da abordagem dos trabalhos desenvolvidos, o modelo se propõe ser simples e aplicável à avaliação de qualquer meio de hospedagem, incorporando os aspectos (critérios) associados à infra-estrutura, à qualidade dos serviços prestados e às ações ambientais praticadas pelos estabelecimentos; Além disso, outras justificativas poderão ser apresentadas, como o crescente o ingresso de divisas devido aos turistas estrangeiros no país. Nesse sentido, o Banco Central registrou até outubro de 2008, um índice de 9,78% superior ao mesmo período do ano anterior. Segundo a presidente do Instituto Brasileiro de Turismo, a EMBRATUR, mesmo em outubro, mês em que outros setores da economia já sentiram os impactos da crise mundial, os números demonstram o potencial do setor na economia brasileira que até o referido mês não sentiu impactos da crise econômica atual Tabela Gastos, em milhões de dólares, de turistas estrangeiros no Brasil, período de janeiro a outubro. Fonte: BNDES (2008) Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), nos últimos anos, houve um expressivo crescimento determinado pela vinda das cadeias hoteleiras. E hoje são as mesmas que detêm 15% dos empreendimentos - ou 35% do total de quartos disponíveis - e ficam com 60% da receita obtida pelo segmento. E são justamente as redes as responsáveis pelas boas perspectivas de crescimento da hotelaria no País (ABIH, 2008).

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Novas matrizes para Classificação Hoteleira. Selo de Qualidade em Turismo. Estudo de Viabilidade para implantação de Hotel Conceito

Novas matrizes para Classificação Hoteleira. Selo de Qualidade em Turismo. Estudo de Viabilidade para implantação de Hotel Conceito Novas matrizes para Classificação Hoteleira Selo de Qualidade em Turismo Estudo de Viabilidade para implantação de Hotel Conceito Brasília, 13 de janeiro de 2010 Novas matrizes para Classificação Hoteleira

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino.

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. 1 ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. RESUMO Camila Rezende Bambirra 1 Ronaldo Maciel Guimarães 2 Este artigo tem como objetivo Identificar

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD AVALIAÇÃO DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA AMAZÔNIA SETENTRIONAL: UM LEVANTAMENTO ACERCA DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA REGIÃO CENTRAL DE BOA VISTA Juliana Matos Eduardo Codevilla Soares

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 3º Encontro - 24/02/2012 18:50 às 20:30h 02 Matar um elefante é fácil. Difícil é remover o cadáver. (Mikhail Gorbachev Estadista

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Cristina Diamante Elizabeth Maria Lazzarotto Lorena Moraes Goetem Gemelli 1 INTRODUÇÃO: Na maioria das organizações de saúde, os profissionais

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES.

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES. HOTEL DE NEGÓCIOS Mary Lessa Alvim Ayres Ilka Gonçalves Daemon Paulo Cesar Siruffo Fernandes* Resumo Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades de investimentos, grupos estrangeiros alardeando

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE HOSPEDAGEM: ESTUDO DE CASO EM UMA POUSADA EM CAMPOS, RJ

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE HOSPEDAGEM: ESTUDO DE CASO EM UMA POUSADA EM CAMPOS, RJ AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE HOSPEDAGEM: ESTUDO DE CASO EM UMA POUSADA EM CAMPOS, RJ Nina Amelia Chartuni Cabral da Cruz (PUC) nina.chartuni@gmail.com Fernanda Maria Pereira Raupp (PUC) fraupp@puc-rio.br

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE

Leia mais

Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365

Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365 Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365 guilherme@2dayconsultoria.com patricia@2dayconsultoria.com www.2dayconsultoria.com A p r e s e n t a ç ã

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA INDuSTrIA hoteleira brasileira JUNHO 2013

IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA INDuSTrIA hoteleira brasileira JUNHO 2013 IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA Industria hoteleira brasileira JUNHO 2013 ENTIDADE ABIH NACIONAL Fundada em 09/11/1936 3.500 associados 35 escritórios 26 capitais + DF 08 regionais ENTIDADE 25.500 meios de

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem

Manual do Usuário. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem Manual do Usuário Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem Julho de 2011 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Siglas... 3 3. Descrição do Sistema... 3 4. Como utilizar

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RODRIGUES, Luiz Antonio Junior Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: Junior_fdi@terra.com.br RESUMO Este artigo visa demonstrar

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Ederson Luis Posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eduardo Urnau (dudaurnau@gmail.com) Eloy Metz (eloy@softersul.com.br)

Leia mais

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação 1 1. Apresentação A ideia de investigar o processo de internacionalização de micro, pequenas e médias empresas, em Pernambuco, surgiu de observações iniciais realizadas pelo pesquisador enquanto profissional

Leia mais

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral:

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral: 7. Conclusão A conclusão do trabalho de pesquisa, exposto através desta dissertação, perpassa por duas vertentes. A primeira está relacionada aos objetivos traçados no início do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia?

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? www.pwc.com.br Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? Alinhamento de Performance Alinhamento do desempenho organizacional Conectando a estratégia à execução A necessidade de alinhar pessoas,

Leia mais

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS Relatório Executivo Relatório Executivo da Dissertação de Mestrado Profissionalizante

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

HOTÉIS ECONÔMICOS NO BRASIL - 2008

HOTÉIS ECONÔMICOS NO BRASIL - 2008 HOTÉIS ECONÔMICOS NO BRASIL - 2008 FICHA TÉCNICA: Consultor Coordenador José Ernesto Marino Neto Este relatório foi realizado pela BSH Travel Research, divisão estatística da BSH International e apresenta

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia

A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia Resumo Renato Gallina (Centro Universitário da FEI) gallina@fei.edu.br Roberto G. Rotondaro (Depto Eng. Produção

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos 2.14 DEMANDA TURÍSTICA ATUAL E POTENCIAL Neste capítulo foi analisada e avaliada a demanda turística da Área de Planejamento do Pólo Capixaba do Verde e das Águas, considerando-se a caracterização do perfil

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

PROPOSTA PARA UM MODELO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL NO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS INTERNOS

PROPOSTA PARA UM MODELO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL NO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS INTERNOS ISSN 1984-9354 PROPOSTA PARA UM MODELO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL NO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS INTERNOS Andrea Cristina Costa (LATEC/UFF) andreacristina.costa@gmail.com Resumo: Este artigo sugere

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Como fazer pesquisa de mercado? MARCO ANTONIO LIMA

Como fazer pesquisa de mercado? MARCO ANTONIO LIMA Como fazer pesquisa de mercado? Por quê fazer pesquisa de mercado? Qual é o meu negócio? Qual a finalidade do meu produto/serviço? Por quê fazer pesquisa de mercado? Eu sei o que estou vendendo, mas...

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Marketing de serviços

Marketing de serviços Marketing de serviços O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais