VINDE, ADOREMOS! Antigos princípios para adoradores de todas as épocas viverem PROCLAMANDO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VINDE, ADOREMOS! Antigos princípios para adoradores de todas as épocas viverem PROCLAMANDO"

Transcrição

1 2015 VINDE, ADOREMOS! Antigos princípios para adoradores de todas as épocas viverem PROCLAMANDO

2 Copyright Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total sem autorização da Igreja Adventista da Promessa. DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CRISTÃ Diretor Conselho Editorial Alan Pereira Rocha José Lima de Farias Filho Hermes Pereira Brito Magno Batista da Silva Osmar Pedro da Silva Otoniel Alves de Oliveira Gilberto Fernandes Coelho João Leonardo Júnior IMPRESSÃO Gráfica e Editora A Voz do Cenáculo Rua Dr. Afonso Vergueiro, nº 12 Vila Maria São Paulo SP CEP Fone: (11) Fax: (11) Revisão de textos: Eudoxiana Canto Melo Capa e editoração: Farol Editora

3 Sumário Apresentação... 4 Sábado, 7 de março Congregar é fundamental (Hebreus 10:19-25)... 6 Sábado, 14 de março Entregue sua vida no altar (Romanos 11:33-12:2) Sábado, 21 de março Todo cristão é um sacerdote (1 Pedro 2:1-10) Domingo, 29 de março Cultue a Deus do jeito certo (Colossenses 3:12-17)... 31

4 Apresentação Como é sabido, Paulo foi um dos mais importantes apóstolos de Jesus Cristo. Movido pelo Espírito Santo, escreveu quase metade do Novo Testamento, a respeito dos mais variados, importantes e profundos temas da fé cristã. Tamanha ousadia escriturística se vê na forma profunda como descreve Cristo Jesus como o mistério de Deus revelado aos homens para a salvação destes. Sua compreensão espiritual sobre o Deus revelado em Jesus é sobremaneira elevada. Ocorre que Paulo não é um especialista apenas em cristologia (a doutrina da pessoa e da obra de Cristo), mas, também, em eclesiologia (a doutrina da igreja de Cristo). Nas suas epístolas, o apóstolo discorre com autoridade espiritual rara sobre todos os aspectos da igreja de Jesus: de sua natureza a sua missão. Entre esses aspectos da eclesiologia, encontra-se um dos temas mais importantes: a adoração. Neste livreto, encontram-se quatro estudos, em forma de pregação expositiva, sobre a adoração na igreja cristã. Três deles são baseados nas epístolas de Paulo, e um em uma das cartas do apóstolo Pedro, outro destacado e respeitado apóstolo de Jesus Cristo. Neste trabalho, você encontrará quatro ênfases: (1) A importância do salvo em Cristo congregar e viver comunitariamente no corpo de Cristo, a igreja; (2) na adoração, 4 Igreja Adventista da Promessa

5 entregar-se verdadeiramente no altar de Deus; (3) ter consciência clara de que, como adorador, exerce, espiritualmente, uma forma de sacerdócio, e (4) chegar a um aprendizado sobre a teoria e a prática da adoração cristã bíblica. A expectativa é que os pregadores e as pregadoras dos cultos de sábado e do último domingo do mês de março de 2015 sejam profundamente usados pelo Espírito Santo, ao exporem esses importantes temas espirituais, pois acreditamos que, se o conteúdo for entendido e aplicado pelos ouvintes, certamente produzirá uma adoração mais agradável a Deus, o único digno de ser adorado. Que nenhuma igreja de Cristo se furte a esse crescimento espiritual! Fica a nossa gratidão aos componentes do Departamento de Educação Cristã DEC, pela dedicação e pelo esforço na produção de mais uma série de pregações Vinde, adoremos. Que Deus os recompense! Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Rm 12:1-2) Pastor José Lima de Farias Filho Presidente da Convenção Geral da IAP Comunhão & Adoração Mensagens de Março

6 Sábado, 7 de março CONGREGAR É FUNDAMENTAL Hebreus 10:25 INTRODUÇÃO Pela graça de Deus, estamos iniciando mais uma série de sermões do mês de março, um mês reservado para refletirmos, em todos os sábados, sobre comunhão e adoração. Vinde, adoremos! Antigos princípios para adoradores de todas as épocas viverem é o tema da série. Serão quatro sermões. Esperamos em Deus que, em cada um deles, sejamos edificados pelo evangelho. Pois bem, neste primeiro sermão, vamos falar sobre a importância de congregar: Congregar é fundamental, é o título. E por que é importante falar sobre isso? Os dados do último senso do IBGE indicaram que cresceu, no Brasil, o número dos sem-igreja, aqueles que se consideram evangélicos ou cristãos, mas que não possuem vínculo algum com a igreja. De 2003 a 2009, o número daqueles que se consideram cristãos, mas que não são filiados a denominações cristãs passou de 4% para 14 %, no Brasil. 1 Infelizmente, há muitos que estão distantes da igreja, hoje, por inúmeras razões impossíveis de serem detalhadas aqui. Alguns desses simplesmente abandonaram a igreja e a fé; outros, porém, querem abandonar apenas a igreja e manter a fé; querem 1. Hunter (2012:9). 6 Igreja Adventista da Promessa

7 ser cristãos, mas sem a igreja. 2 Estes são aqueles que querem o noivo sem a noiva; o pastor, sem seu rebanho. Muitos que se dizem evangélicos, em nossos dias, acreditam ser possível adorar a Deus de forma adequada, sem compromisso com sua igreja. Mas será possível? Biblicamente, a resposta é um categórico não. De acordo com Hebreus 10:19-25, para que adoremos a Deus, de forma adequada, congregar é uma prática fundamental. Por quê? Vejamos três razões apontadas pelo autor de Hebreus. 1ª razão: Por que Deus se agrada da assiduidade dos crentes Hebreus é um texto significativo para falarmos sobre adoração. Poderíamos dividi-lo em duas partes. A primeira diz respeito ao maravilhoso benefício que a igreja desfruta, benefício este conquistado pela morte de Cristo: o livre acesso a sua presença (v.19-23). A segunda parte diz respeito às responsabilidades que cada membro da igreja tem, uma vez que foi beneficiado por Jesus (v.24-25). A primeira dessas responsabilidades é a de se unir regularmente aos demais cristãos, a fim de adorar a Deus. O autor da epístola diz: Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns (v.25). A igreja de Cristo, desde seus primórdios, sempre se reuniu para adorar e cultuar a Deus (cf. At 2:41-47, 13:1-2; 1 Co 14:26). No entanto, de acordo com o texto bíblico que estamos analisando, havia alguns crentes que estavam deixando de frequentar os cultos de adoração; sua regularidade e sua frequência estavam em baixa. É justamente a respeito dessa prática que o autor da Carta aos Hebreus adverte seus leitores, de forma veemente. A regularidade aos cultos é essencial à adoração dos genuínos cristãos. Deus se agrada da assiduidade dos crentes 2. Lopes (2011:153). Comunhão & Adoração Mensagens de Março

8 ao culto. É isso que nos ensina o texto de Hebreus. É claro que, em todo o mundo, há situações em que muitos cristãos não podem se unir a outros para adorar a Deus como, por exemplo, em contextos de perseguição religiosa, em lugares longínquos, onde não existem outros cristãos por perto ou em casos de doenças, que impossibilitam o crente de frequentar os cultos. Entretanto, exceto em situações extremas como essas e outras, a frequência regular à igreja, para o culto de adoração a Deus, é uma característica indispensável do verdadeiro membro da igreja de Cristo. A Bíblia nos mostra, de maneira enfática, que Deus deseja ver seu povo unido, celebrando seu nome. É necessário destacar o fato de que a Carta aos Hebreus foi dirigida a cristãos que estavam sofrendo algum tipo de perseguição. Em decorrência disso, muitos estavam deixando de participar da adoração coletiva com o povo de Deus. Tamanha é a importância da regularidade dos cristãos nos cultos que, mesmo correndo o risco de serem perseguidos ou de sofrerem retaliações por sua fé, os cristãos são exortados, de maneira veemente, a não abandonar a prática de congregar para adorar ao Senhor. Ser regular, frequente e assíduo nos cultos não salva ninguém, é claro, mas é um sinal de quem já foi salvo pela graça de Jesus. Quem é salvo tem prazer em adorar a Deus e, por isso, é frequente nos cultos. Quando o cristão cultua a Deus com seus irmãos, expressa seu amor por Jesus. 3 E o contrário também é verdadeiro: uma das primeiras indicações de falta de amor para com Deus e para com o próximo é ficar longe dos cultos de adoração. 4 Cabe, aqui, uma pergunta: Você tem sido frequente nos cultos de adoração? Pense nisso! Essa é a primeira razão pela qual, para adorar a Deus, a prática de congregar é fundamental. Vejamos, agora, a segunda razão. 3. Kistemaker (2003:408). 4. Ibdem, p Igreja Adventista da Promessa

9 2ª razão: Porque Deus se agrada da comunhão dos crentes A exortação da Carta aos Hebreus é para que não deixemos de congregar (Hb 10:25). Congregar é reunir-se, é encontrar-se, é ajuntar-se com outros cristãos para adorar a Jesus. É mais do que estar geograficamente no mesmo local ou ambiente que outros cristãos; é estar unido, é ter comunhão com os demais irmãos. Por isso, congregar é tão fundamental à adoração. De acordo com a Bíblia, a união do povo de Deus é imprescindível para a verdadeira adoração (Sl 34). A razão é que o próprio Deus a quem queremos adorar espera que o adoremos não somente de forma individual, mas também de maneira coletiva (cf. Sl 89:5, 107:32, 149:1). O livro de Atos dos Apóstolos nos mostra uma igreja que estava sempre unida experimentando uma calorosa comunhão, enquanto adorava a Deus (At 2:41-47). Não estamos dizendo, é claro, que ele não recebe nossa adoração individual. Jesus disse que podemos adorar a Deus, seja no momento ou lugar em que estivermos, sozinhos ou não, basta tão somente que o adoremos em espírito e em verdade (Jo 4:23). Contudo, de acordo com a Bíblia, é da vontade de Cristo que os seus discípulos se reúnam para ouvir e participar de todas as ordenanças da adoração e do culto evangélico. 5 O culto coletivo é uma necessidade da vida cristã, e a comunhão entre os irmãos sempre foi considerada um dos principais meios pelos quais se manifesta a graça 6 do nosso Deus. O livro de Salmos, que era o hinário de Israel, um tipo de Brados de Júbilo para os judeus, já dizia: Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união (Sl 133:1). A comunhão 5. Henry (2008:796). 6. Wiley (2008:452). Comunhão & Adoração Mensagens de Março

10 é tão importante para Deus que, quando está comprometida, a adoração também está. Jesus disse: Portanto, se estiveres apresentando a tua oferta no altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai conciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem apresentar a tua oferta (Mt 5:23-24). O apóstolo João chega a dizer que, quando não estamos em comunhão como nossos irmãos, é impossível estarmos em comunhão com Deus (1 Jo 1:5-7). Afinal, é impossível amarmos a Deus, se não amarmos o próximo (1 Jo 4:20). Infelizmente, há muitos cristãos que guardam rancores e mágoas por anos a fio. Não podemos ser assim, pois Deus se agrada da comunhão dos crentes. Por isso, estar em comunhão com os irmãos é tão importante para adorarmos verdadeiramente a Deus. Você está compreendendo como congregar é fundamental, para podermos adorar de forma adequada? Somente se estamos em comunhão com nossos irmãos é que podemos, de fato, oferecer a Deus uma adoração que o agrade. Pois bem, essa é a segunda razão pela qual a prática de congregar é tão fundamental para a adoração. Vejamos agora a terceira. 3ª Razão: Porque Deus se agrada do serviço dos crentes É bem provável que achemos estranha a ideia de associar a adoração ao serviço mútuo entre os cristãos; mas, de acordo com Hebreus, ambas as práticas estão entrelaçadas. O autor nos explica que, quando congregamos para adorar a Deus, devemos também servir aos nossos irmãos, pois esse é um glorioso ato de adoração ao Senhor. Veja o versículo 24, que diz:... consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. De acordo com a Bíblia, não basta congregar com outros cristãos, a fim de adorar a Deus com palavras bonitas e canções poéticas; é preciso servir aos irmãos com atitudes. 10 Igreja Adventista da Promessa

11 Ao olhar para o texto, é interessante observar que a ênfase aqui não é sobre o que o cristão recebe da congregação, mas sim sobre a contribuição que ele pode dar a (sic) congregação. 7 Isso nos ensina que, a priori, não devemos ir à igreja para receber, mas para dar. Não congregamos para nos beneficiar, mas para abençoar outros. Não somos membros de uma igreja para sermos servidos, mas, acima de tudo, para servir. A cultura contemporânea preza o individualismo e incentiva o egocentrismo. Somos levados a nos preocupar apenas conosco. Assim, preferimos frequentar a igreja, sem nos envolver com ela. Vamos à igreja assim como vamos a um shopping; assistimos ao culto assim como assistimos a um filme no cinema só que sem pipoca. Por duas vezes, a expressão uns aos outros se repete, nesse texto. Diz que devemos considerar uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras (v.24) e que devemos admoestar uns aos outros (v.25). Uns aos outros é uma expressão que se repete muito na Bíblia. Diz respeito aos mandamentos da mutualidade cristã. Por exemplo: Levai as cargas uns dos outros (Gl 6.2); Servi uns aos outros (1 Pd 4:10); Orai uns pelos outros (Tg 5:16); Amemo-nos uns aos outros (1 Jo 4:7) e assim por diante. É somente quando congregamos que pode haver o serviço mútuo entre os crentes, e, quando isso acontece, Deus recebe nosso louvor. As mãos que se erguem em adoração, na hora das canções, devem ser as mesmas a serem estendidas para ajudar os irmãos que necessitam. A boca com a qual louvamos a Deus, através de hinos, deve ser aquela que encoraja e admoesta os que precisam. Costumamos limitar a adoração a Deus ao momento em que o grupo de louvor está entoando canções com os cristãos; mas, na verdade, a adoração, no culto, vai muito 7. Wiersbe (2006:480). Comunhão & Adoração Mensagens de Março

12 além disso. Quando servimos aos irmãos (ajudando, encorajando, aconselhando, auxiliando etc.), Deus é adorado. Quando congregamos, podemos fazer isso também. CONCLUSÃO São essas as três razões pelas quais podemos afirmar que, para adorar a Deus de forma adequada, congregar é uma prática fundamental. Primeiro, porque Deus agrada da assiduidade dos crentes; segundo, porque Deus se agrada da comunhão dos crentes, e, terceiro, porque Deus se agrada do serviço dos crentes. Ser assíduo na igreja, estar em comunhão e servir aos irmãos são expressões de adoração a Deus. É o que a Carta aos Hebreus nos ensina. Diante do que aprendemos, precisamos olhar para a nossa vida e fazer as seguintes perguntas: Eu tenho sido frequente nos cultos ou tenho deixado de congregar? Estou em comunhão com todos os meus irmãos? Tenho servido a eles, cumprindo os mandamentos da mutualidade cristã? Pense nisso! Deus nos ama incomensuravelmente, e congregar é uma das maneiras pelas quais nós demonstramos, em resposta, o nosso amor por ele. Por isso, não deixe de congregar! Não fique em casa no sábado pela manhã, nem nos demais cultos oficiais da igreja. Vá ao templo! Vá adorar ao Senhor com seus irmãos! Diga como o salmista: Aleluia! Darei graças ao Senhor de todo o coração na reunião da congregação dos justos (Sl 111:1 NVI). Tenha a mesma alegria que encheu o coração do compositor do Salmo 122, que disse: Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor! (v.1). 12 Igreja Adventista da Promessa

13 REFERÊNCIAS HENRY, Matthew. Comentário bíblico Matthew Henry: Atos a Apocalipse. Rio dejaneiro: CPAD, HUNTER, Todd D. Dê outra chance à igreja: encontrando novo significado nas práticas espirituais. Tradução de William Lane. Viçosa: Ultimato, KISTEMAKER, Simon. Comentário do Novo Testamento: Hebreus. Tradução de Marcelo Tolentino. São Paulo: Cultura Cristã, LOPES, Augustus Nicodemus. O ateísmo cristão e outras ameaças à igreja. São Paulo: Mundo cristão, WIERSBE, Warren W. Comentário bíblico expositivo: Novo Testamento 2. Tradução de Susana E. Klassen. Santo André: Geográfica, WILEY, Orton H. A excelência da nova aliança em Cristo: comentário exaustivo da Carta aos Hebreus. Tradução de Petrôneo Leone. Rio de Janeiro: Central Gospel, Comunhão & Adoração Mensagens de Março

14 Sábado, 14 de março ENTREGUE SUA VIDA NO ALTAR Romanos 11:33-12:2 INTRODUÇÃO Hoje, pela permissão de Deus, daremos continuidade à série de sermões deste mês: Vinde, adoremos!. O sermão de hoje focará o seguinte tema: Entregue a sua vida no altar. Para isso, usaremos como base o texto de Romanos 11:33-12:2. As Escrituras conclamam o povo de Deus à adoração. De maneira emocionante, o escritor do primeiro livro das Crônicas enfatiza esse dever: Tributai ao SENHOR a glória devida ao seu nome; trazei oferendas e entrai nos seus átrios; adorai o SENHOR na beleza da sua santidade (1 Cr 16:29). Como se percebe, nesse texto, adoração tem a ver com entrega. As palavras tributai e trazei indicam isso. Os sacrifícios de animais para expiação de pecados eram o ato mais comum de entrega utilizado no Antigo Testamento. Oferecia-se como tributo a Deus um animal sem defeito. No Novo Testamento, porém, a ênfase no ato de prestar culto a Deus recai sobre a entrega não mais do animal, mas da vida do próprio adorador. O texto base deste sermão revela isso. É aos pés de Deus que o verdadeiro adorador deve estar para lhe tributar a sua vida em adoração. Jó adorou ao Senhor, apesar das circunstâncias adversas (Jó 1:20). A sua entrega se constitui um 14 Igreja Adventista da Promessa

15 exemplo para os cristãos de hoje. Sem reservas, glorifiquemos a Deus, entregando, sobre o seu altar, a nossa vida. Porém, algumas considerações devem ser feitas a respeito dessa prática. Analisemos a primeira delas: 1. Entregue sua vida no altar, levando em conta a grandeza de Deus Paulo faz questão de começar esse trecho de sua carta prestando a Deus adoração. Assim escreve ele: Que Deus maravilhoso nós temos! Como é profunda a riqueza da sabedoria e do conhecimento de Deus! (Rm 11:33 NBV). Aqui, temos o motivo pelo qual todos devem adorar unicamente a Deus: a sua grandeza. Não é a um deus morto que o verdadeiro crente presta culto. Mas ao Deus Todo-Poderoso, cuja grandeza pode ser percebida. De que modo podemos enxergar a grandeza de Deus? O apóstolo explica que a grandeza de Deus é percebida por meio de sua sabedoria inescrutável. Assim diz ele: Como é profunda a riqueza da sabedoria e do conhecimento de Deus! (Rm 11:33b). Deus é infinitamente sábio. Ele conhece todas as coisas. Ninguém é capaz de surpreendê-lo. Enganá-lo está fora de cogitação. Sua onisciência torna esse desafio algo impossível. A propósito, sendo nós criaturas finitas e caídas, como poderíamos sequer imaginar que seríamos capazes de penetrar a mente infinita de Deus? 1 Ora, os pensamentos dele são mais altos do que os nossos (Is 55:8). A grandeza de Deus é também percebida por meio de sua independência inquestionável. Veja o que Paulo diz a respeito, em Rm 11:36a: Todas as coisas vêm única e exclusivamente dele, por ele e para ele. Deus é autossuficiente; não depende 1. Stott (2000:376). Comunhão & Adoração Mensagens de Março

16 de ninguém. Ele não precisa de conselheiros, pois sabe de tudo (v.34); não necessita de recompensa, pois é o dono de tudo (v.35). Deus é a origem de todas as coisas. Tudo existe por meio dele. Não somos produtos de um aborto do universo, mas da criação de Deus. Ele não é uma criação da mente humana, mas o criador de tudo. Em sua independência, Deus sustenta todas as coisas. Ele não criou o universo e o deixou por conta própria; não criou o ser humano e o abandonou a sua própria sorte. Deus mantém todas as coisas sob seus cuidados. Ele nos preserva com sua misericórdia (Lm 3:22), de modo que tudo permanece em seu devido lugar, proporcionando-nos bem-estar e garantindo a existência da raça humana no planeta. Por isso, devemos entregar a nossa vida a Deus. Ele é maior que nós e completamente independente. Também é mais sábio. A sua grandeza torna-o merecedor de nossa inteira devoção. Portanto, a ele seja a glória para todo o sempre. Amém (Rm 11:36b). Entregue a sua vida no altar, levando em conta a grandeza de Deus. Essa é a primeira consideração a ser adotada na prática da adoração. Vejamos a segunda. 2. Entregue sua vida no altar, levando em conta sua necessidade de Deus Uma vez tendo reconhecido e aceitado a grandeza de Deus, o adorador também precisa reconhecer e aceitar a sua própria dependência em relação a ele. Por isso, Paulo faz o seguinte apelo: Portanto, meus amados irmãos, eu apelo pelas misericórdias de Deus (Rm 12:1). Em outras palavras, os cristãos, destinatários da carta de Paulo, deveriam considerar o fato de que, para adorar a Deus de verdade, careciam da ajuda divina. Não fosse a graça de Deus, por intermédio de Cristo, jamais poderíamos andar em novidade de vida (Ef 2:8). Não é por mérito 16 Igreja Adventista da Promessa

17 próprio que podemos nos achegar diante do trono da graça, mas por meio do sacrifício do inocente, o Filho de Deus. A expressão portanto, de Romanos 12:1, liga esse texto ao anterior, que trata, de modo esplêndido, sobre a grandeza de Deus. Se ele é totalmente autossustentável e independente, não podemos afirmar o mesmo de nós, seres humanos. Duas razões sugerem que dependemos de Deus. Em primeiro lugar, a nossa dependência é atestada no fato de sermos criaturas de Deus. Assim observa o apóstolo: Todas as coisas vêm única e exclusivamente dele (Rm 11:36a). A criatura jamais poderá superar o seu criador. Deus é o dono de tudo. Se possuímos algo, é porque somos seus mordomos. Precisamos dos conselhos de Deus para viver. O mundo sem Deus seria destituído de valor, de sentido e de propósito. Em segundo lugar, a nossa dependência é atestada no fato de sermos sustentados por Deus. Na continuação do versículo 36, Paulo afirma que todas as coisas existem por ele e para ele. É por causa dele que a terra dá frutos, a chuva rega o planeta e o sol nos aquece; é por causa de Deus que todas as espécies da Terra têm o seu próprio habitat natural. Somos limitados, e devemos reconhecer isso. Aliás, isso é necessário para que entreguemos a nossa vida no altar. Não podemos nos orgulhar de coisa alguma, pois orgulhar-nos equivale a comportar-nos como se fôssemos o próprio Deus, como se fôssemos os donos do lugar, como se tudo dependesse de nós. 2 Quem age dessa forma engana-se. Deus nos sustenta não somente provendo os meios para a nossa sobrevivência material. Ele também nos sustenta espiritualmente. O ato de nos oferecermos a Deus como sacrifício vivo retrata nossa gratidão diante das suas misericórdias, 3 2. Ibdem, p Ibdem, p.388. Comunhão & Adoração Mensagens de Março

18 por meio das quais ele nos deu o seu Filho para morrer em nosso favor, justificando-nos graciosamente pela fé, tornando- -nos seus filhos. 4 No ato da adoração a Deus, não podemos esquecer quem ele é e quem somos. Deus está acima de nós. O trono é dele e o dever de adorá-lo é nosso. Ele é criador e nós, criaturas. Ele é Senhor e nós, servos. Entregue a sua vida no altar, levando em conta a sua dependência de Deus. Essa é a segunda consideração a ser adotada na prática da adoração. Analisemos, agora, a terceira e última. 3. Entregue sua vida no altar, levando em conta a exigência de Deus No sacrifício do Antigo Testamento, o animal era entregue e queimado integralmente sobre o altar. Do mesmo modo, nós devemos nos entregar totalmente para o Senhor. A adoração a Deus exige entrega, não parcial, mas integral. Vejamos o texto de Romanos 12:1:... que vocês ofereçam seus corpos a Deus. Que eles sejam um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. Esta é a verdadeira adoração que vocês devem oferecer a Deus. De acordo com esse texto, a adoração integral envolve o oferecimento do nosso corpo. O termo apresentar, utilizado em algumas versões da Bíblia, significa, neste versículo, apresentar de uma vez por todas. Paulo ordena uma entrega definitiva do corpo ao Senhor, como os noivos se entregam um ao outro na cerimônia de casamento. 5 Cada parte do nosso corpo deve ser dedicada à adoração a Deus. O culto agradável a Deus vai além do que é puramente interior, abstrato e místico. Há quem afirme que Deus só quer o coração do adorador. Será que é isso mesmo? Não, obviamente. 4. Ibdem, p Lopes (2010: ). 18 Igreja Adventista da Promessa

19 O nosso corpo é importante nesse processo. Aliás, ele é templo de Deus. Devemos glorificar a Deus em nosso corpo, contemplando o que é santo, deleitando-nos em ouvir o que é puro, utilizando as nossas mãos para praticar o que é reto, usando nossos pés para caminhar por veredas de justiça. 6 É nisso que consiste o culto espiritual e racional: a entrega de nosso corpo ao Senhor. A adoração integral envolve, também, a transformação da nossa mente. Agora, veja o versículo 2 de Romanos 12: Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Na fôrma do mundo, há mudanças o tempo todo. O errado ontem é certo hoje; o repudiado ontem é aplaudido hoje. 7 Por isso, não podemos amoldar-nos ao padrão estabelecido por esse sistema maligno, o mundo. Cristo, a quem seguimos, é o modelo absoluto, por meio de quem devemos ser guiados. Há somente duas alternativas, sem meio termo: amoldar-se ao mundo ou experimentar a vontade Deus. Esses dois sistemas de valores são incompatíveis e colidem um com o outro. Eles se divergem naquilo que é relacionado a sexo, honestidade, dinheiro, comunidade, religião ou qualquer outra coisa. 8 De qual lado ficaremos? É impossível entregarmos integralmente a nossa vida a Deus, estando conformados com o sistema maligno. Bem disse o apóstolo Tiago, em sua carta: Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus (Tg 4:4b). Com um corpo santificado e uma mente transformada, entreguemos a nossa vida no altar! 6. Idem, p Ibdem, p Stott, op. cit., pp Comunhão & Adoração Mensagens de Março

20 CONCLUSÃO Chegamos ao final deste sermão, no qual fomos conclamados, pela palavra, a entregar a nossa vida no altar, levando em conta, primeiramente, a grandeza de Deus, pois sua sabedoria é inescrutável e sua independência, inquestionável. Depois, fomos instigados a levar em conta a nossa dependência em relação a Deus, que é criador e mantenedor de todas as coisas. Por fim, fomos encorajados a levar em conta a exigência de Deus: a oferta do nosso corpo e da nossa mente a ele. Trata- -se uma adoração interior, mas que não se limita a isso. Ela é perceptível por meio das ações produzidas pelos membros de nosso corpo. O nosso culto a Deus deve ser espiritual. Mas não pode limitar-se a rituais e celebrações ministrados dentro das quatros paredes do templo, como a maioria de nós está acostumada a presenciar. Esse culto deve estender-se ao nosso dia-a-dia. Essa adoração deve manifestar-se no bom trato entre os cônjuges, nas boas relações de pais e filhos no lar, no respeito entre patrões e empregados, na solidariedade entre as pessoas, no relacionamento dentro do corpo de Cristo. Que o Senhor nos ajude a adorá-lo além das quatro paredes do templo. Amém. 20 Igreja Adventista da Promessa

21 REFERÊNCIAS LOPES, Hernandes Dias. Romanos: o evangelho segundo Paulo. São Paulo: Hagnos, STOTT, John R. W. A mensagem de Romanos. Tradução de Silêda e Marcos D. S. Steuernagel. São Paulo: ABU, Comunhão & Adoração Mensagens de Março

22 Sábado, 21 de março TODO CRISTÃO É UM SACERDOTE 1 Pedro 2:4-10 INTRODUÇÃO Chegamos ao terceiro sermão da série do mês de março, mês de Comunhão e Adoração: Vinde, adoremos! Antigos princípios para adoradores de todas as épocas viverem. O terceiro princípio será extraído do trecho de 1 Pedro 2:4-10. Todo cristão é um sacerdote é o título deste sermão. Indo direto ao ponto, você já deve ter observado que, nesta porção bíblica mencionada, temos, por duas vezes, os cristãos sendo chamados de sacerdotes:... como pedras vivas, sois edificados para serdes sacerdócio santo (...). Mas vos sois a geração eleita, o sacerdócio real (1 Pd 2:5,9 grifos nossos). Essa figura do sacerdócio, usada pelo apóstolo Pedro, era bem conhecida dos cristãos, especialmente os cristãos judeus da dispersão, público-alvo da carta (1 Pd 1:1). Basicamente, o sacerdote, no Antigo Testamento, exercia um papel de mediador entre o povo e o próprio Deus, oferecendo sacrifícios e orando em seu favor. Mas nem todo o povo era sacerdote do altíssimo. Dentro da tribo de Levi, Deus estabeleceu Arão como tal, e o sacerdócio ficou restrito à sua descendência. Contudo, o apóstolo Pedro diz que, na Nova Aliança, as coisas mudaram. Aprendemos, com base em 1 Pedro 2:4-10, que o povo de Deus 22 Igreja Adventista da Promessa

23 não possui um sacerdócio, o povo de Deus é um sacerdócio e cada cristão é um sacerdote. O que isso significa? É o que veremos neste sermão, que tratará sobre quatro questões básicas relacionadas ao tema. 1ª Questão: A singularidade do sacerdócio cristão Para entendermos corretamente a analogia proposta pelo apóstolo Pedro, vamos recorrer novamente ao texto e ao seu contexto. É possível vermos a singularidade do sacerdócio cristão. Parte por parte, sigamos sua linha de raciocínio. No versículo 4, Jesus é chamado de pedra viva. Como se pode perceber, nos versículos 7-8, Pedro escolheu essa metáfora tendo em mente o Salmo 118:22 e Isaías 28:16. Ele já havia mencionado esses textos (cf. At 4:11-12), em um sermão, diante do Sinédrio. O próprio Jesus havia citado esses textos, comparando-se com esta pedra rejeitada, que, depois, se torna a pedra principal (Mt 21:42). Todos esses textos têm como pano de fundo uma tradição segundo a qual, na construção do templo de Salomão, os construtores haviam rejeitado uma pedra de forma incomum, só para descobrir, mais tarde, que precisariam de uma pedra exatamente daquela forma. 1 Jesus é essa pedra que fora rejeitada pelos homens, mas escolhida por Deus e preciosa. O adjetivo viva é uma possível referência à ressurreição de Jesus. Ele está vivo! E, diante desse fato, aqueles que foram unidos a Cristo também são chamados de pedras vivas. Recebemos vida espiritual dele. Todas esas pedras vivas formam um edifício espiritual (1 Pd 2:5). Toda pessoa que crê em Cristo é extraída da pedreira do pecado e cimentada, pela graça, ao grande edifício que está sendo edificado por ele, chamado igreja. Por que esse edifício é chamado 1. Allen (1985:183). Comunhão & Adoração Mensagens de Março

24 de espiritual? Os judeus estavam acostumados a ir ao templo adorar. Agora, os cristãos são o próprio templo, e Deus vem habitar neles. Uma forma superior de adoração é estabelecida. 2 Prova disso é a continuação do versículo. Os cristãos, como pedras vivas, formam o edifício espiritual, para ser sacerdócio santo (v. 5). Que imagens fantásticas! Deus não nos fez apenas templo, no qual ele habita e é adorado, mas nos fez sacerdotes nesse templo. É uma dupla metáfora. Somos o templo e os que oficiam nele. O verdadeiro templo não é mais o de Herodes, com suas pedras lindíssimas. O verdadeiro sacerdócio também não está mais restrito à tribo de Levi e à família de Arão. Os cristãos são templo e sacerdotes, ao mesmo tempo. Pedro diz que esse sacerdócio é santo, adjetivo que mostra que o sacerdócio deve ser dedicado a Deus. Tudo que os sacerdotes fazem para ele é para agradá-lo. É significativo mencionar que todos os cristãos fazem parte desse sacerdócio, e não somente um grupo de clérigos institucionalmente ordenados ou alguma casta sacerdotal. 3 Nesse sentido, o sacerdócio cristão é singular. Cada cristão é responsável por interceder por si mesmo e pelo outro, diante de Deus. Você pode louvar a Deus por sua nova posição? 2ª Questão: Os privilégios do sacerdócio cristão Quais são os privilégios de saber e fazer parte do sacerdócio cristão? É disso que falaremos agora. Em primeiro lugar, e o principal deles, como sacerdote, você pode comparecer diante de Deus. Como o apóstolo inicia o trecho que estamos analisando? Qual a primeira palavra? Chegando-vos para ele (...). Aproximai-vos do Senhor (1 Pd 2:4 Tradução da CNBB gri- 2. Champlin (1979:116). 3. Mueller (1988:128). 24 Igreja Adventista da Promessa

25 fos nossos). Na Nova Tradução na Linguagem de Hoje, esta última parte está assim: Cheguem perto dele. Chegar-se a Jesus é chegar-se ao Pai. Temos, aqui, um convite para os cristãos se aproximarem de Deus. A palavra em questão indica uma aproximação familiar, habitual e uma associação íntima. 4 O Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal, 5 acertadamente, diz que a palavra chegar-se não se refere à salvação inicial, mas à constante aproximação e a nossa vida na presença de Cristo. Por que essa aproximação é possível para nós, hoje? Na Antiga Aliança, só os sacerdotes e os levitas serviam diante do altar e podiam entrar no santuário ou no templo. O povo comum não entrava no santuário: ia até a porta entregar o sacrifício, no máximo. Só o Sumo Sacerdote, uma vez por ano, podia entrar no Santo dos Santos (o lugar mais sagrado do templo), com o sangue da expiação pelos pecados do povo, e isso depois de seguir à risca uma série de regras. Contudo, essa aproximação é possível, hoje, a todo cristão, em razão de Jesus, a Pedra Viva, ter sido morto em nosso lugar, pagando o preço do pecado da humanidade, definitivamente. Quando o véu do templo foi rasgado, na morte de Jesus, a boa nova de alegria pôde ser anunciada: o caminho para Deus está aberto! 6 Seu sacrifício pelos pecados suplantou o Santo dos Santos! Todos os crentes, agora, podem comparecer diante de Deus a qualquer momento, com qualquer necessidade! Fazemos isso através da oração, dos louvores, da nossa vida diária etc. Temos acesso à presença de Deus. Em segundo lugar, como sacerdote você é um representante de Deus. O apóstolo volta com a imagem do sacerdócio no versículo 9, em que descreve a identidade corporativa dos cris- 4. Vincent (2012:556). 5. (2009:712). 6. Mueller, op. cit., p.125. Comunhão & Adoração Mensagens de Março

26 tãos: Mas vos sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido (grifo nosso). Destacamos a expressão sacerdócio real. Pedro está citando Êxodo 19:6. O que agora está sendo atribuído à igreja, outrora fora atribuído a Israel. Apesar de nem todas as pessoas serem separadas para servir como sacerdote, a nação de Israel, na Antiga Aliança, tinha a missão sacerdotal de servir de ponte entre o Todo-Poderoso e as outras nações. 7 Contudo, Israel falhou. Agora, a missão foi dada à igreja. Ela é a comunidade responsável por ser bênção a todos os povos da Terra. Somos sacerdotes reais. É régio ou real este sacerdócio porque serve ao Rei de toda a Terra! É real porque é serviço em prol do reino de Deus! 8 Não é realmente um grande privilégio servir como sacerdote? Você está a serviço do Rei de todo universo e desfruta de sua presença. 3ª Questão: As responsabilidades do sacerdócio cristão Além de privilégios, o sacerdócio cristão também traz consigo responsabilidades. Pensando nos sacerdotes da época do Antigo Testamento, uma de suas principais responsabilidades cotidianas era oferecer sacrifícios de animais no Templo. Também eram responsabilidades suas ministrar a Palavra de Deus e mediar situações de conflito entre o povo, de acordo com a mesma (Dt 17:8-13, 19:17, 21:5, 31:9; Ml 2:7). E nós, cristãos? Como sacerdotes, quais são as nossas responsabilidades? O apóstolo Pedro, no texto que estamos estudando, apresenta- -nos, ao menos, duas dessas responsabilidades. Em primeiro lugar, o sacerdote cristão tem a responsabilidade de oferecer sacrifícios espirituais (v.5b). Esses sacrifícios são chamados de espirituais justamente para diferenciá-los dos 7. Shedd (1993:47). 8. Mueller, op. cit., p Igreja Adventista da Promessa

27 materiais, oferecidos pelos sacerdotes do Antigo Testamento. São chamados de espirituais, também, porque só conseguimos entregá-los com a ajuda do Espírito Santo, que vive em nós. E o que são esses sacrifícios espirituais? Dizem respeito à entrega da nossa própria vida a Deus, como oferta, para seu agrado e glória. A nossa vida, em todas as suas dimensões deve ser entregue a Deus e vivida para ele. Sacrifícios espirituais não são somente aqueles que se prestam na esfera do culto quando pregamos, oramos, louvamos, jejuamos etc. Isso seria uma limitação do sacerdócio. Já vimos que somos o templo espiritual de Deus e os sacerdotes que nele oficiam. Por isso, a nossa vida deve ser vivida como se fôssemos sacerdotes em um templo, o tempo todo. A sala de aula do professor deveria ser o seu altar; a biblioteca do erudito deveria ser o seu altar; o lar da dona de casa deveria ser o seu altar. 9 Em segundo lugar, o sacerdote cristão tem a responsabilidade de anunciar as grandezas de Deus (v. 9b). Israel fora chamado por Deus para ser bênção para as outras nações, um reino sacerdotal para influenciar positivamente; mas Israel falhou, imitando as outras nações e tornando-se idólatra. Os cristãos foram chamados das trevas, feitos sacerdotes reais, para anunciar ou promover os atributos maravilhosos de Deus a todos os povos, por meio de sua voz e de sua vida. Cada cidadão do céu é um anúncio vivo das virtudes de Deus e das bênçãos da vida cristã. 10 Levemos isso a sério! 4ª Questão: O mediador do sacerdócio cristão Já dissemos, neste sermão, que o sacerdote, por definição, era um intermediário. Representava o povo diante de Deus. O 9. Champlin (1979:115). 10. Wiersbe (2006:519). Comunhão & Adoração Mensagens de Março

28 sacerdote cristão apresenta a si mesmo e aos outros diante de Deus. Contudo, o que faz com que seus sacrifícios espirituais sejam aceitos diante do Senhor não está em si mesmo. Pedro diz que os sacerdotes devem oferecer sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus (1 Pd 2:5c). A palavra grega usada por ele poderia ser traduzida, sem nenhum problema, por aceitável ou bem-vindo. Então, os cristãos, como sacerdotes, devem oferecer sacrifícios espirituais que sejam bem-vindos a Deus. Como é possível oferecer sacrifícios espirituais que são bem-vindos a Deus e recebidos por ele? O que faz com que Deus aceite a nossa vida como sacrifício? A parte final do versículo 5 responde com clareza:... por meio de Jesus Cristo. A Bíblia Viva traduz com mais clareza:... vocês são aceitáveis a ele por causa de Jesus Cristo. Jesus é o grande sacerdote em favor de toda a humanidade (Hb 4:14-16, 5:1-10, 7:20-28), que vive assentado à direita do Justo Juiz, oferecendo continuamente sua intercessão por aqueles que dela necessitam. 11 É só por causa dele que somos aceitos diante de Deus. Ele é o mediador dos mediadores, o sacerdote dos sacerdotes. Devemos fazer tudo em nome de Cristo. Se o louvor dos nossos lábios for feito para o nosso próprio prazer e para a nossa glória, não serão aceitos como sacrifícios espirituais. Se nossa ajuda ao próximo ou à igreja é para o nosso próprio louvor, não será aceita como sacrifício espiritual. Se nosso esforço no trabalho ou na faculdade é para o nosso próprio louvor, não será aceito como sacrifício espiritual. Todo sacrifício espiritual só é bem-vindo quando é feito para a glória de Deus; afinal, não é aceito em razão do que está sendo sacrificado, nem por causa do sacrificante, mas por causa de Jesus. Ele é o alvo e a fonte de toda a nossa existência. Façamos tudo para sua glória! 11. Mueller, op. cit., p Igreja Adventista da Promessa

29 CONCLUSÃO A doutrina do sacerdócio dos crentes, apresentada neste sermão, foi uma das grandes contribuições da Reforma Protestante, através de Martinho Lutero. 12 Ele rejeitou o sistema hierárquico da igreja, que dividia as pessoas entre clérigos e leigos e atribuía autoridade a um sacerdócio exclusivo, composto de padres ordenados, como mediadores necessários entre Deus e os homens. Esse reformador lutou para quebrar o jugo de uma classe usurpadora e chamou os leigos para desfrutarem do sacerdócio espiritual, por meio de Cristo, com base nas Escrituras. Cada cristão pode aproximar-se de Deus, interceder por si mesmo e pelos outros. Obviamente, isso não significa que não deva mais haver líderes na igreja. Esta é um corpo em que cada um atua de maneira diferente, de acordo com o dom que recebeu. Existem aqueles que são chamados para liderar e atuar na capacitação dos santos. Contudo, isso não significa que estes têm mais acesso a Deus do que os que não estão em posições de liderança; também não significa ou que a mediação dos líderes é necessária para que alguém chegue diante de Deus. Não é isso que a Bíblia ensina. Todos somos sacerdotes do altíssimo. É singular essa nossa posição. Há privilégios maravilhosos e responsabilidades que devem ser levadas a sério. Diante disso, por meio de Jesus, continuemos a oferecer sacrifícios espirituais a Deus, com a nossa vida. 12. Bortolleto Filho (2008:888). Comunhão & Adoração Mensagens de Março

30 REFERÊNCIAS ALLEN, Clifton J. ed. Comentário bíblico Broadman: Novo Testamento: vol. 12. Tradução de Adiel Almeida de Oliveira. Rio de Janeiro: Juerp, BORTOLLETO FILHO, Fernando (Org.). Dicionário brasileiro de teologia. São Paulo: ASTE, CHAMPLIN, Russell Norman. O Novo Testamento interpretado versículo por versículo: vol. 6. São Paulo: Milenium, COMENTÁRIO do Novo Testamento aplicação pessoal: vol. 2. Tradução de Degmar Ribas. Rio de Janeiro: CPAD, MUELLER, Ênio R. 1 Pedro: introdução e comentário. São Paulo: Mundo Cristão e Vida Nova, SHEDD, Russell P. Nos passos de Jesus: uma exposição de 1 Pedro. Tradução de Valéria Fontana. São Paulo: Vida Nova, VINCENT, Marvin R. Vincent: Estudo no vocabulário grego do Novo Testamento. Tradução de Degmar Ribas Júnior e Marcelo Siqueira Gonçalves. Rio de Janeiro: CPAD, WIERSBE, Warren W. Comentário bíblico expositivo: Novo Testamento: vol. 2. Tradução de Susana E. Klassen. Santo André: Geográfica, Igreja Adventista da Promessa

31 Domingo, 29 de março CULTUE A DEUS DO JEITO CERTO Colossenses 3:12-17 INTRODUÇÃO Antes de meditarmos no texto de Colossenses, vamos nos lembrar dos sermões que estamos estudando, neste mês de março, mês de Comunhão e Adoração. Já refletimos que Congregar é fundamental, no primeiro sábado; depois, vimos que devemos Entregar nossa vida no altar; no terceiro sermão, aprendemos que Todo cristão é um sacerdote. Pela graça de Deus, chegamos ao último sermão desta série, que tem como título: Cultue a Deus do jeito certo. É necessário falarmos sobre o jeito certo de cultuar porque existe o jeito errado. É comum vermos extremos: por um lado, há cultos desorganizados; por outro lado, há cultos que, de tão organizados, chegam a ser engessados e frios. Qual é o jeito certo? Assim como acontece em nossos dias, nos tempos bíblicos, havia pessoas com atitudes e sentimentos equivocados, no culto coletivo. Por isso, a Bíblia é repleta de orientações e até mesmo repreensões a esse respeito: Lv 10:1-11; Sl 24; Ec 5:1; Ml 1:6-14; Rm 12:1-2; Ef 5: Cada um desses textos daria um bom sermão. Contudo, queremos, hoje, refletir em Colossenses 3:12-17 e verificar o que o apóstolo Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, tem a nos dizer sobre a maneira correta de adoramos a Deus, em Comunhão & Adoração Mensagens de Março

32 nossos encontros no templo. Para Paulo, o culto do jeito certo é aquele em que Cristo é o centro e tudo é feito de acordo com a sua vontade. A esse respeito, podemos identificar alguns princípios no nosso texto-base. Vamos ao primeiro princípio: 1. Um culto do jeito certo é praticado com um coração santificado Culto é algo espiritual, assim como toda a vida do cristão o é. O cristão deve oferecê-lo com esta consciência: de santidade. A santidade deve estar presente nos cultos, porque Deus é santo (Lv 11:44; Ap 4:8). Ele não tem pecado, e todas as suas ações são norteadas pela santidade: Deus não tem pecado, Ele não se conforma a alguma padrão de santidade Ele é o padrão. 1 Somos pecadores, mas, por meio da fé em Jesus, podemos e devemos ser santos. Por isso, Paulo diz: Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados (Cl 3:12a). Em Cristo, fomos escolhidos por Deus e somos santificados e amados por ele. Diante disso, devemos nos revestir. Segundo estudiosos, essa palavra traz a ideia de vestir-se com uma roupa. Se nos despimos do velho homem, com suas más ações (Cl 3:9), devemos nos revestir do novo homem, com novas ações. 2 Em Colossenses 3:12b, aprendemos que precisamos nos revestir de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade. Este parece ser um check-up do coração dos cristãos. Podemos entender que esse é o coração que Jesus requer daqueles que o cultuam. Pureza de coração sempre foi uma exigência na adoração (Sl 24:3-4). Esse coração deve ter misericórdia, que é compaixão pelos miseráveis, pois fomos alcançados por essa misericórdia 1. MacArthur (2013:48). 2. Lopes (2008:178). 32 Igreja Adventista da Promessa

33 (1 Pd 2:10). Temos também de exercer a bondade, que é o cuidado para com a necessidade de todos, e a mansidão, que é disposição para ceder nosso direito, ter cabeça fria. Para cultuar a Deus do jeito certo, precisamos, ainda, desenvolver a longanimidade, que é o exercício do controle, diante de situações difíceis e de pessoas complicadas. 3 O coração de quem cultua ao Senhor do jeito certo é um coração que foi transformado por Deus (Ez 36:25-26); portanto, deve viver dessa forma. Não há melhor forma de manifestar essas boas obras do que através dos relacionamentos. Isso nos leva ao segundo princípio, que é este: 2. Um culto do jeito certo é praticado com relacionamentos saudáveis Se o cristão que faz parte da igreja tem um coração santificado pelo Senhor, deve manifestar, por meio de relacionamentos saudáveis, o que levará a comunidade a fazer um culto correto e abençoado por Deus (Sl 133). Em Colossenses 2:13, os cristãos são chamados a algumas posturas comunitárias. A primeira é: suportai-vos, com a ideia de dar suporte. Devemos servir de apoio aos que precisam. A segunda é: perdoai-vos. Sabemos que perdão é cancelamento de dívida; é suspender o prejuízo sofrido. A base desse perdão é sempre o amor de Jesus, que morreu na cruz e nos perdoou. Não conseguiremos adorar ao Senhor corretamente cheios de amargura, muito menos cheios de ódio por nosso irmão. Precisamos perdoar para adorar em espírito e em verdade. Uma igreja em que há relacionamentos saudáveis certamente será uma comunidade de cura, uma igreja terapêutica. Isso é revelado em duas palavras encontradas nos 3. Ibdem, pp Comunhão & Adoração Mensagens de Março

34 versículos 14 e 15: Amor e paz. Vamos começar analisando a palavra amor. Este amor é o ágape, sacrificial, centrado no outro. Esse amor, que leva à prática de boas obras em prol do próximo é o vínculo da perfeição (v.14). O amor de Deus operado em nós é o elo para uma vivência comunitária melhor. Devemos ser a comunidade conhecida pelo amor aos outros. A outra palavra que destacamos é paz, no versículo 15. Essa paz a que Paulo se refere não é intimista, mas é a paz de Cristo. Sabemos que ela se baseia na convicção de que os pecados do passado foram perdoados, que o presente está sendo dirigido para o bem, e que o futuro não pode trazer separação entre Cristo e os seus. 4 Logo, é essa paz que deve conduzir o nosso coração, que deve arbitrar, reger nossa mente. Temos paz com Deus e, por isso, devemos ter paz com os nossos irmãos. A igreja que vivencia o amor e a paz de Cristo certamente cultuará a Deus de maneira correta. Adorar assim é adorar de acordo com a vontade de Jesus. Vejamos, agora, mais um princípio. 3. Um culto do jeito certo é praticado com centralidade na palavra Até agora, fomos instruídos pela palavra de Deus quanto ao princípio de que, para oferecer um culto do jeito certo, é necessário fazê-lo com um coração santificado, com relacionamentos saudáveis. Agora, veremos que o que norteia o culto é a palavra de Cristo. O versículo 16a diz: Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo. Perceba que a palavra deve reger nossa vida na comunidade de fé. É o que Paulo diz no restante do v.16:... instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração. 4. Hendriksen (2007:427). 34 Igreja Adventista da Promessa

35 Nossa instrução e nossos conselhos devem ser feitos com a sabedoria vinda da palavra, regados pelo louvor a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão. Segundo Wiersbe, 5 os salmos são os cânticos do Antigo Testamento; os hinos, provavelmente, são canções feita por cristãos a Deus; já os cânticos espirituais são poemas cantados, neste caso, por cristãos. Esses louvores devem ser cantados com gratidão e vir do coração do crente em Jesus, ou seja, devem ser sinceros e todos devem ter como fundamento a Palavra de Deus. Na vida de cada cristão deve habitar a Palavra de Cristo; nas celebrações comunitárias, não deve faltar a Palavra de Cristo; os conselhos que damos devem ser direcionados pelos ensinos de Cristo; as músicas que cantamos devem ser cheias da Palavra de Deus. Devemos musicalizar a Palavra do Senhor, escolher louvores cujo fundamento seja a essa palavra. Sejamos criteriosos, quando formos aconselhar alguém; sejamos cuidadosos, quando pregarmos as palavras no púlpito ou nos Pequenos Grupos; sejamos zelosos com os louvores que cantamos, pois formam a mente de muitos; que sejam louvores bíblicos, cristocêntricos e inteligíveis. A Bíblia nos ajuda a oferecer esse culto que Jesus espera de nós, pois, nela, está revelada a vontade de Jesus. Vamos, agora, ao quarto princípio que encontramos no texto bíblico que estamos estudando: 4. Um culto do jeito certo é praticado totalmente em nome de Jesus Sobre o último princípio que devemos observar, ao oferecer a Deus um culto da maneira certa, Paulo diz: E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai (Cl 3:17). Tanto 5. (2006:183). Comunhão & Adoração Mensagens de Março

36 aquilo que cremos quanto aquilo que praticamos deve ser feito em nome de Jesus. Essa expressão, mais do que simplesmente dizer: em nome de Jesus, evoca a ideia de imitar o caráter do Senhor, ou seja, significa imitar a conduta do Senhor Jesus em tudo, seja em nossas palavras, seja em nossas ações. Não nos basta falar em nome de Jesus como se fosse frase mágica; também é necessário viver como Jesus. Em nosso culto a Deus, só podemos fazer aquilo que Jesus faria, se estivesse em nosso lugar. Sendo assim, fazer as coisas em nome de Jesus é fazer as coisas de acordo com a vontade de Jesus. Nosso culto, seja pessoal ou comunitário, só será aceito pelo Pai, se for feito por meio de Cristo, como nos diz Hebreus 13:15: Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome. Não somente o culto, quando estamos reunidos, mas tudo que fizermos deve ser feito em nome do Senhor. Isso quer dizer que todas as nossas atividades, na convivência familiar, com a nossa vizinhança, no ambiente de trabalho, nos momentos livres de lazer e esporte, nas mídias sociais, devemos nos comportar como nosso Senhor, de acordo com a sua vontade. Temos de levar isso muito a sério, quando nos reunirmos coletivamente para cultuar ao Senhor. Os dirigentes de culto devem refletir se a forma como conduzem o culto seria a de Jesus; os pregadores devem analisar se estão proclamando a palavra como Jesus; os músicos, cantores, grupos de coreografia devem refletir se o que fazem está sendo de acordo com o Senhor. Todas as pessoas que vêm participar de um culto devem refletir se a forma como estão vindo é de acordo com o que Deus espera de seus adoradores. Para que nosso culto seja de modo correto, devemos fazê-lo conforme Jesus, como ele disse: em espírito e em verdade (Jo 4:23). 36 Igreja Adventista da Promessa

37 CONCLUSÃO Chegamos, então, ao final desta mensagem, baseada em Colossenses 3: Chegamos também ao fim desta série de sermões sobre adoração. Aqui, tivemos uma ideia de como nosso culto deve ser para ser do jeito certo, tanto pessoal quanto coletivamente. Aprendemos, pelo evangelho, que devemos ter um coração santificado, coração esse que é transformado, quando nos rendemos a Cristo. Vimos, também, que, como resultado dessa transformação, o culto que agrada a Deus é oferecido por uma comunidade em que há relacionamentos saudáveis. Afinal, essa é a comunidade dos transformados por Deus. Vimos, ainda, que a palavra de Deus deve ser central em todas nossas atividades, para que esse culto, que deve ser feito em nome de Jesus, aconteça corretamente. Certamente, esses princípios lhe ajudarão a servir melhor ao Senhor. Peça ao Pai que encha você com o Espírito Santo, para que você o adore da maneira que o agrada, que edifique as pessoas, que mostra ao pecador a necessidade de salvação. Você precisa do poder de Deus para se submeter à vontade dele, para que seu culto agrade aquele que é centro do culto. Comunhão & Adoração Mensagens de Março

38 REFERÊNCIAS HENDRIKSEN, W. Comentário do Novo Testamento: vols. 1 e 2: Tessalonissences, Colossences e Filemon. Tradução de Élzia C. Mullins et al. São Paulo: Cultura Cristã, LOPES, Hernandes Dias. Colossenses: a suprema grandeza de Cristo, o cabeça da igreja. São Paulo: Hagnos, MACARTHUR, John. Deus: face a face com sua majestade. Tradução de Waléria de Almeida Coicev. São José dos Campos: Fiel, Igreja Adventista da Promessa

39 EDITORA A VOZ DO CENÁCULO APRESENTA O Apocalipse Chegou o primeiro comentário bíblico produzido pela Igreja Adventista da Promessa, focado em responder as questões que causam mais dúvidas e polêmicas a respeito de um dos livros mais fantásticos das Escrituras: As sete igrejas do Apocalipse são igrejas reais e históricas ou são eras da história eclesiástica? Quem é a besta? O que é o sinal da besta? Quem são os 144 mil assinalados? Quem são as duas testemunhas? Que livrinho é este? O que é a grande tribulação? Onde e como será o milênio? Essas são algumas das perguntas que são respondidas nesta obra. Adquira o seu exemplar! PEDIDOS PELO SITE OU POR TELEFONE (11)

40 CORRA PARA O ESTÂNCIA ÁRVORE DA VIDA 31.JUL / 2.AGO Uma proposta posta radical a INSCRIÇÕES ABERTAS

OS VERDADEIROS ADORADORES

OS VERDADEIROS ADORADORES - Aula 3 OS VERDADEIROS ADORADORES Objetivo: ao final da aula, o aluno deverá buscar se identificar como um adorador dentro dos padrões bíblicos, empenhando-se por cultuar a Deus do modo que O agrada e

Leia mais

CREMOS NA NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO CURSO DE FORMAÇÃO DE LÍDERANÇA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ

CREMOS NA NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO CURSO DE FORMAÇÃO DE LÍDERANÇA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ CREMOS NA NECESSIDADE DO NOVO CURSO DE FORMAÇÃO DE LÍDERANÇA NASCIMENTO Pb. Márcio Tarcísio Mendonça Ferreira 5º) NA NECESSIDADE ABSOLUTA DO PELA GRAÇA DE

Leia mais

O QUE DEUS QUER DE MIM? 09 de Dezembro de 2011 Ministério Loucura da Pregação. "ELE te declarou, ó homem, o que é bom;

O QUE DEUS QUER DE MIM? 09 de Dezembro de 2011 Ministério Loucura da Pregação. ELE te declarou, ó homem, o que é bom; O QUE DEUS QUER DE MIM? 09 de Dezembro de 2011 Ministério Loucura da Pregação "ELE te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR requer de ti, 1 / 6 senão que pratiques a justiça, e ames a

Leia mais

IGREJA. Sua Natureza

IGREJA. Sua Natureza IGREJA Sua Natureza A igreja é a comunidade de todos os cristãos de todos os tempos. Wayne Grudem A igreja é o novo Israel de Deus que revela nesse tempo Sua glória Thiessen A igreja é a a assembléia dos

Leia mais

Valores de uma Igreja RELACIONAL

Valores de uma Igreja RELACIONAL Valores de uma Igreja RELACIONAL O que já aprendemos... A Igreja deve valorizar e incentivar os relacionamentos Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum... Da multidão dos que creram, uma

Leia mais

ACOLHIMENTO Pessoas cuidando de pessoas

ACOLHIMENTO Pessoas cuidando de pessoas Nossa Visão Uma cidade transformada por Cristo através de uma igreja acolhedora que desenvolve cura social e renovação cultural, formando autênticos discípulos de Cristo transformados por meio do Evangelho.

Leia mais

Os Outros Seis Dias. Aula 05/07/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Os Outros Seis Dias. Aula 05/07/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Os Outros Seis Dias Aula 05/07/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Recapitulando Nas aulas passadas vimos que muitas vezes a fé tem horário e local específico, na Igreja, no domingo, e no horário

Leia mais

Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós. Coração Imaculado de Maria, sede a nossa salvação.

Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós. Coração Imaculado de Maria, sede a nossa salvação. Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós. Coração Imaculado de Maria, sede a nossa salvação. 5 Introdução A devoção ao Imaculado Coração de Maria é uma das mais belas manifestações

Leia mais

Bases Para Terapia Bíblica

Bases Para Terapia Bíblica Bases Para Terapia Bíblica Aula 3 A Igreja e o Aconselhamento Bíblico INTRODUÇÃO - Desenhe a igreja : Defina igreja : IGREJA ( EKKLESIA ) : Chamado para fora...com um propósito. A quem ela pertence? Mateus

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ. CONPLEI Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas

DECLARAÇÃO DE FÉ. CONPLEI Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas DECLARAÇÃO DE FÉ CONPLEI Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas DAI-AMTB Departamento de Assuntos Indígenas, Associação de Missões Transculturais Brasileiras Campo Grande, MS: 2016

Leia mais

BÊNÇÃOS DECORRENTES DO MINISTÉRIO PASTORAL

BÊNÇÃOS DECORRENTES DO MINISTÉRIO PASTORAL Lição nº 11 BÊNÇÃOS DECORRENTES DO MINISTÉRIO PASTORAL Pr. Roberto Monteiro Castro 14 DE JUNHO 2015 Texto Áureo Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles

Leia mais

FILHOS AFASTADOS DA IGREJA

FILHOS AFASTADOS DA IGREJA Escola Bíblica Dominical Lição EBD FILHOS AFASTADOS DA IGREJA Pb. Rodrigo da Silva Gomes 14/07/2013 Roteiro da Aula Introdução; Análise do problema; A Igreja Salmo 100; A Família Salmo 78:1-6; Os Filhos

Leia mais

Capela Nª Sª Das Graças

Capela Nª Sª Das Graças Capela Nª Sª Das Graças Santa Missa Dominical 1-Saudação I PR: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. AS: Amém. PR: A vós, irmãos e irmãs, paz e fé da parte de Deus, o Pai, e do Senhor Jesus Cristo.

Leia mais

História e Ministério

História e Ministério História e Ministério 1 - Ministério e propósito 2 - Resumo da história da Igreja 3 - Responsabilidades espirituais e oficiais 4 - Documentos relevantes 1. MINISTERIO E PROPÓSITO O Ministério da Igreja

Leia mais

UNIÃO ESTE BRASILEIRA. Associação Ministerial

UNIÃO ESTE BRASILEIRA. Associação Ministerial UNIÃO ESTE BRASILEIRA Associação Ministerial Comentários sobre a Música Comentários sobre a Música Pr. Graciliano Martins Percepção Humana da Música A música é percebida pelo tálamo, estação de transmissão

Leia mais

Deus. Coisas físicas Nº1

Deus. Coisas físicas Nº1 A ESSÊNCIA DE TUDO, A Santidade, Retidão e Justiça de Nº1 Deus Deus é diferente de todos os outros seres. Só Ele é infinito e não criado. Todos os demais são finitos e criados. O termo bíblico para essa

Leia mais

Gloria in excelsis Deo - O Cântico dos Anjos

Gloria in excelsis Deo - O Cântico dos Anjos Gloria in excelsis Deo - O Cântico dos Anjos Lucas 2.14 Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens aos quais ele concede o seu favor. O coral dos anjos É pena que não nos impressiona, mas o que

Leia mais

Catedral Diocesana de Campina Grande. II Domingo da Páscoa Ano C Domingo da Divina Misericórdia. ANO DA FÉ Rito Inicial

Catedral Diocesana de Campina Grande. II Domingo da Páscoa Ano C Domingo da Divina Misericórdia. ANO DA FÉ Rito Inicial Catedral Diocesana de Campina Grande Paróquia nossa Senhora da Conceição II Domingo da Páscoa Ano C Domingo da Divina Misericórdia Por suas chagas fomos curados, felizes aqueles que crêem sem terem visto.

Leia mais

O Âmago do Evangelho. A justificação é o âmago do Evangelho?

O Âmago do Evangelho. A justificação é o âmago do Evangelho? O Âmago do Evangelho A justificação é o âmago do Evangelho? Introdução Qual é o centro do Evangelho? Muitos vão dizer que a justificação é a base do Evangelho, pois sem justificação não poderíamos nos

Leia mais

Fotografia de eventos religiosos

Fotografia de eventos religiosos Curso Fotografia de eventos religiosos Objetivo desta Formação O objetivo desta formação é torná-lo apto a fazer o registro fotográfico de eventos dentro da sua igreja bem como instruí-lo a atuar como

Leia mais

O Engajamento na Adoração

O Engajamento na Adoração O Engajamento na Adoração Atos 2:41-47 41. Os que aceitaram a mensagem foram batizados, e naquele dia houve um acréscimo de cerca de três mil pessoas. 42. Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à

Leia mais

HAMARTIOLOGIA: DOUTRINA DO PECADO

HAMARTIOLOGIA: DOUTRINA DO PECADO HAMARTIOLOGIA: DOUTRINA DO PECADO I - A ORIGEM DO PECADO 1. Em relação a Deus. Em Seu plano permitiu que suas criaturas (anjos e homens) tivessem a liberdade (livre arbítrio) de viver em amor e obediência

Leia mais

LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19

LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19 LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19 1. Antes de entregar a lei, Deus já havia feito uma aliança com o povo. Em Êxodo 19.1-4, Deus lembra o povo do seu pacto, confirmado demonstrado em um fato. Qual é o

Leia mais

RELEMBRANDO : a restauração do indivíduo 2.10: fomos criados em Cristo Jesus para a prática de boas obras

RELEMBRANDO : a restauração do indivíduo 2.10: fomos criados em Cristo Jesus para a prática de boas obras RELEMBRANDO... 2.1-10: a restauração do indivíduo 2.10: fomos criados em Cristo Jesus para a prática de boas obras O ARGUMENTO SEGUINTE... 2.11-22: A humanidade como um todo. Judeus e gentios unidos em

Leia mais

Aula 2. Até sexta, pela Graça de Deus, bons estudos.

Aula 2. Até sexta, pela Graça de Deus, bons estudos. Aula 2 Prezados professores, estou enviando os slides ( texto definitivo) da nossa aula 2 baseada nos capítulos 2, 10 e 12 do nosso livro e na nossa confissão de fé. Sugerimos que leiam novamente os três

Leia mais

Conhecer Deus Pessoalmente

Conhecer Deus Pessoalmente 1 2 Conhecer Deus Pessoalmente Introdução Conhecer Jesus.. p. 4 Lição 1 Conhecer a Salvação p. 12 Lição 2 Conhecer a Comunhão.. p. 17 Lição 3 Conhecer o Espírito Santo. p. 22 Lição 4 Conhecer o Crescimento.

Leia mais

- Um compromisso de oração que vai mudar a sua vida -

- Um compromisso de oração que vai mudar a sua vida - 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 - Um compromisso de oração que vai mudar a sua vida - Dia 0 - Tempo de adoração e gratidão Leitura Bíblica: Ap. Motivos de Oração: Agradeça pela salvação, família,

Leia mais

MISSA - A COMUNIDADE SE REÚNE PARA CELEBRAR A VIDA

MISSA - A COMUNIDADE SE REÚNE PARA CELEBRAR A VIDA MISSA - A COMUNIDADE SE REÚNE PARA CELEBRAR A VIDA A Eucaristia é o sacramento que atualiza e faz a memória do sacrifício de Jesus: em cada Eucaristia temos a presença do Cristo que pela sua morte e ressurreição

Leia mais

Você é capaz de se lembrar como se conjuga os verbos? Lembra? É... eu também não gostava muito disso, sabia? Então vamos lembrar juntos:

Você é capaz de se lembrar como se conjuga os verbos? Lembra? É... eu também não gostava muito disso, sabia? Então vamos lembrar juntos: Bem, hoje gostaria de falar sobre algo que talvez você não goste nem um pouco: nossa querida Língua Portuguesa Ah, fala sério pastor! Vai dar aula de Português? Obviamente não! Vou apenas compartilhar

Leia mais

O AMIGÃO do Pastor. Um Periódico em Prol da Pregação do Evangelho de Jesus Cristo - VOL. 4 - Nº 34 ABR/94

O AMIGÃO do Pastor. Um Periódico em Prol da Pregação do Evangelho de Jesus Cristo - VOL. 4 - Nº 34 ABR/94 O AMIGÃO do Pastor Um Periódico em Prol da Pregação do Evangelho de Jesus Cristo - VOL. 4 - Nº 34 ABR/94 CARACTERÍSTICAS DA NOVA VIDA EM CRISTO Pr. Manoel F. Cano. Texto: 2 Co. 5:17 Introdução: 1. A vida

Leia mais

Escolha o assunto e os limites do estudo

Escolha o assunto e os limites do estudo Método Tópico Escolha o assunto e os limites do estudo Tema: unção (unção, ungir, ungido) descobrir o significado da unção no AT e NT. Quem era ungido por Deus (ou Jesus ou o Espírito Santo)? O que é a

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM 1) Oração Quinta-feira da 5ª Semana da Páscoa Ó Deus, vossa

Leia mais

Tudo se resolve com uma boa conversa? Protesto!

Tudo se resolve com uma boa conversa? Protesto! Tudo se resolve com uma boa conversa? Protesto! A Difícil Arte de Comunicar-se... Palavras Fundo de Experiência Fundo de Experiência A Difícil Arte de Comunicar-se... Palavras Fundo de Experiência Fundo

Leia mais

ASCENSÃO DO SENHOR. LEITURA I Actos 1, Leitura dos Actos dos Apóstolos. No meu primeiro livro, ó Teófilo,

ASCENSÃO DO SENHOR. LEITURA I Actos 1, Leitura dos Actos dos Apóstolos. No meu primeiro livro, ó Teófilo, ASCENSÃO DO SENHOR LEITURA I Actos 1, 1-11 Leitura dos Actos dos Apóstolos No meu primeiro livro, ó Teófilo, narrei todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar, até ao dia em que foi elevado

Leia mais

A POLíTICA NA IGREJA 1

A POLíTICA NA IGREJA 1 A POLíTICA NA IGREJA 1 2 A POLíTICA NA IGREJA Deve a igreja de CRISTO se Envolver no processo eleitoral? Adriano R. S. Montes 3 Ficha catalográfica (opcional). Caso deseje, a Câmara Brasileira do Livro

Leia mais

erbreberbebebrbeabe ebetbet

erbreberbebebrbeabe ebetbet erbreberbebebrbeabe ebetbet Mensagem 01 Piedade na Palavra Pregador: Davi Merkh Data: 2 08 2009 INTRODUÇÃO: PIEDADE NA PALAVRA (pelo Espírito) 2 Últimas Palavras * Como foram as entradas hoje em Nova Iorque?

Leia mais

Dez Passos para Remir o Tempo na Sua Vida

Dez Passos para Remir o Tempo na Sua Vida Dez Passos para Remir o Tempo na Sua Vida O dia de ontem já é passado. Amanhã ainda é futuro, mas o dia de hoje é uma dádiva... é por isso que se chama Presente! Sua vida cristã é uma jornada, e não simplesmente

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Dados de identificação: Curso: Ensino Fundamental II Série: 9 Ano Professora: Denise dos Santos Silva Rocha Disciplina: Ensino Religioso Ano: 2016. Plano de curso 1-Objetivo

Leia mais

DOMINGO VI DA PÁSCOA

DOMINGO VI DA PÁSCOA 237 DOMINGO VI DA PÁSCOA LEITURA I Actos 10, 25-26.34-35.44-48 «O Espírito Santo difundia-se também sobre os pagãos» Leitura dos Actos dos Apóstolos Naqueles dias, Pedro chegou a casa de Cornélio. Este

Leia mais

Devocional. Céus Abertos Pastor Carlito Paes

Devocional. Céus Abertos Pastor Carlito Paes BÍBLIA Devocional Céus Abertos Pastor Carlito Paes 2 ROTEIRO BÍBLIA: ENTENDENDO A PALAVRA DE DEUS O que devo conhecer sobre a bíblia? Diversidade dos Autores Condições de alguns autores quando foram inspirados

Leia mais

Romanos, Paulo diz qual a motivação que o levou a escrever a epístola à igreja em Roma. visando evangelizar o ocidente do Império Romano.

Romanos, Paulo diz qual a motivação que o levou a escrever a epístola à igreja em Roma. visando evangelizar o ocidente do Império Romano. O No capítulo 15 da carta aos Romanos, Paulo diz qual a motivação que o levou a escrever a epístola à igreja em Roma. O Paulo escreve a carta aos Romanos visando evangelizar o ocidente do Império Romano.

Leia mais

Adorar em Espírito e Verdade

Adorar em Espírito e Verdade Adorar em Espírito e Verdade Adorar em Espírito e Verdade João 4.1-24 Quando chegamos aos cultos, ou em especial nos cultos de domingo, ouvimos sempre das pessoas que estão dirigindo o culto, vamos ouvir

Leia mais

E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra.

E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra. Casas Abertas Estudos Diversos Batismo O batismo cristão é uma de duas ordenanças que Jesus instituiu para a igreja: E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra.

Leia mais

Cristo e a Verdadeira Doutrina. Exposição de 2ªJoão. (1ª Mensagem) Cristo é a Verdade Eterna. 2Jo v.1-3

Cristo e a Verdadeira Doutrina. Exposição de 2ªJoão. (1ª Mensagem) Cristo é a Verdade Eterna. 2Jo v.1-3 Cristo e a Verdadeira Doutrina Exposição de 2ªJoão (1ª Mensagem) Cristo é a Verdade Eterna 2Jo v.1-3 Continuando nossa exposição dos escritos joaninos, vejamos a partir de hoje a 2ª Carta de João e na

Leia mais

O chamado de ESTEVÃO (Atos 6:3-5)

O chamado de ESTEVÃO (Atos 6:3-5) O chamado de ESTEVÃO (Atos 6:3-5) Introdução: Cemitério de Avião Você como um avião enferrujado Nós como juventude enfatizamos o seu chamado Se você estiver enferrujado, Deus pode te usar hoje para ser

Leia mais

Palavra & Vida Sugestões Didáticas 3 T/2012

Palavra & Vida Sugestões Didáticas 3 T/2012 Palavra & Vida Sugestões Didáticas 3 T/2012 Dulce Helena da Silva Mota de Lima Educadora Religiosa / Professora e Assistente Social LIÇÃO 10 O RETORNO ÀS ESCRITURAS Texto: Neemias 8 Objetivos da lição

Leia mais

Conferência Doutrinária, Pastoral e Teológica 20º Concílio Geral. Palavra do Bispo Roberto Alves de Souza Bispo da 4ª Região Eclesiástica

Conferência Doutrinária, Pastoral e Teológica 20º Concílio Geral. Palavra do Bispo Roberto Alves de Souza Bispo da 4ª Região Eclesiástica Conferência Doutrinária, Pastoral e Teológica 20º Concílio Geral Palavra do Bispo Roberto Alves de Souza Bispo da 4ª Região Eclesiástica julho de 2016 Teresópolis RJ Bispo Roberto: Bom dia Bispo Adonias

Leia mais

CONTEÚDOS ENSINO RELIGIOSO - 5º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS ENSINO RELIGIOSO - 5º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS ENSINO RELIGIOSO - 5º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 MENSAGEIROS DE DEUS Saber que Deus contou com a colaboração de muitas pessoas para levar Sua mensagem. Compreender que Deus chama

Leia mais

Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifício

Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifício INTRODUÇÃO - No episódio do de Isaque, Abraão assume, em definitivo, a condição de "pai da fé", que lhe é reconhecida pelas três grandes religiões monoteístas do planeta. - O episódio da Akedah, que quer

Leia mais

O Espírito Santo é o nosso Ajudador, Consolador e Conselheiro, que nos guia e faz lembrar da Palavra de Deus.

O Espírito Santo é o nosso Ajudador, Consolador e Conselheiro, que nos guia e faz lembrar da Palavra de Deus. Ser cheia do Espírito é o melhor que posso desejar do novo nascimento em Cristo. Nós necessitamos totalmente do Espírito Santo para nossa vida cristã diária. Jamais conseguiremos viver os ensinos de Jesus

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM 1) Oração Sexta-feira da 22ª Semana do Tempo Comum Deus do

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida ~ USA 1 Oferta Lição 10 (volte para as páginas 4, 5 e 6) Qual é o significado da oferta e quais são as minhas responsabilidades nesta área? O assunto da oferta é extremamente controverso na cristandade hoje

Leia mais

tudo o primar do espiritualidade e SEU TRANCA RUA DAS ALMAS Obra Teatral de Carlos José Soares Revisão Literária de Nonata Soares

tudo o primar do espiritualidade e SEU TRANCA RUA DAS ALMAS Obra Teatral de Carlos José Soares Revisão Literária de Nonata Soares A Fé pode abrir liberdade. Mas, possível se houv tudo o primar do conhecimento e Texto discute lite amor transmitid espiritualidade e conscientização está sempre acim SEU TRANCA RUA DAS ALMAS Obra Teatral

Leia mais

A História da Redenção em Levítico

A História da Redenção em Levítico LEVITICO A História da Redenção em Levítico Levítico Hebreus Wayyiqra (Chamou o Senhor) Septuaginta Levítico (Devido a ênfase dada sobre o sacerdócio) Ênfase na Pessoa de Deus Santidade e provisão de Deus

Leia mais

OS DONS DO ESPÍRITO SANTO O CAMINHO DOS DOS ESPIRITUAIS

OS DONS DO ESPÍRITO SANTO O CAMINHO DOS DOS ESPIRITUAIS OS DONS DO ESPÍRITO SANTO O CAMINHO DOS DOS ESPIRITUAIS O DOM ESPIRITUAL E A EDIFICAÇÃO DA IGREJA Temos diferentes dons, de acordo com a graça que nos foi dada. Romanos 12,6 A cada um, porém, é dada a

Leia mais

Assim como há leis físicas que governam o universo, há também leis espirituais que governam nosso relacionamento com Deus.

Assim como há leis físicas que governam o universo, há também leis espirituais que governam nosso relacionamento com Deus. Assim como há leis físicas que governam o universo, há também leis espirituais que governam nosso relacionamento com Deus. 1ª Lei: "Deus ama você e tem um plano maravilhoso para sua vida" O amor de Deus

Leia mais

Cristo e a Sua Gloriosa Igreja. Uma Exposição da Carta aos Efésios. (25ª Mensagem) Ef 6.23,24

Cristo e a Sua Gloriosa Igreja. Uma Exposição da Carta aos Efésios. (25ª Mensagem) Ef 6.23,24 Cristo e a Sua Gloriosa Igreja Uma Exposição da Carta aos Efésios (25ª Mensagem) Ef 6.23,24 Chegamos hoje na última mensagem da série A Gloriosa Igreja de Cristo, com base na carta de Paulo aos Efésios.

Leia mais

O texto 1 Jesus nasceu em Belém, na região da Judeia, no tempo do rei Herodes. Depois do seu nascimento, chegaram uns sábios do Oriente a Jerusalém 2 e perguntaram: «Onde está o rei dos judeus que acaba

Leia mais

COM DEUS APRENDI A PERDER PARA GANHAR

COM DEUS APRENDI A PERDER PARA GANHAR COM DEUS APRENDI A PERDER PARA GANHAR Marcos 8:35 Na semana passada aprendemos um pouco mais sobre Salvação, que nada mais é que a própria pessoa de Jesus Cristo agindo em nosso interior, transformando

Leia mais

DOMINGO II DO TEMPO COMUM Ano A

DOMINGO II DO TEMPO COMUM Ano A EIS O CORDEIRO DE DEUS QUE TIRA O PECADO DO MUNDO DOMINGO II DO TEMPO COMUM Ano A EUCARISTIA 19H DINAMIZAÇÃO DO 10º ANO DE CATEQUESE IGREJA MATRIZ DE VILA DO CONDE Cântico Inicial: Filho de Deus 1. Somos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRIMESTRE - Trimestre temático O desafio da evangelização obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as boas novas a toda criatura.

INTRODUÇÃO AO TRIMESTRE - Trimestre temático O desafio da evangelização obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as boas novas a toda criatura. INTRODUÇÃO AO TRIMESTRE - Trimestre temático O desafio da evangelização obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as boas novas a toda criatura. - A Igreja foi criada para dar seguimento ao ministério

Leia mais

Por que e para que Jesus morreu na cruz? Evangelho de João

Por que e para que Jesus morreu na cruz? Evangelho de João Por que e para que Jesus morreu na cruz? Evangelho de João 3.16-17 INTRODUÇÃO Do texto lido, faço à igreja duas perguntas: Por quejesus morreu na cruz? Para que Jesus morreu na cruz? O por que e o para

Leia mais

Ano Litúrgico Ano C

Ano Litúrgico Ano C Ano Litúrgico 2009-2010 Ano C TEMPO DO ADVENTO 29/11 1º Domingo do Advento A redenção está próxima. Jeremias 33,14-16; Salmo 25(24); 1 Tessalonicenses 3,12-4,2; Lucas 21,25-28. 34-36 6/12 2º Domingo do

Leia mais

INTRODUÇÃO À CARTA DE PAULO AOS EFÉSIOS Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz na Igreja Batista Novo Coração, em 10 de abril de 2015.

INTRODUÇÃO À CARTA DE PAULO AOS EFÉSIOS Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz na Igreja Batista Novo Coração, em 10 de abril de 2015. INTRODUÇÃO À CARTA DE PAULO AOS EFÉSIOS Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz na Igreja Batista Novo Coração, em 10 de abril de 2015. Efésios 1.1-2: 1 Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade

Leia mais

Somente Deus. 2 Antes que nascessem os montes, ou que tivesses formado a terra e o mundo, sim, de eternidade a eternidade tu és Deus.

Somente Deus. 2 Antes que nascessem os montes, ou que tivesses formado a terra e o mundo, sim, de eternidade a eternidade tu és Deus. Lição 2 Somente Deus Quem é Deus? Como Ele é? Como conhecê-lo? Vamos estudar como Ele é pela Palavra dele. O que Ele diz sobre si mesmo, o que Ele faz Jeremias 9 23 Assim diz o Senhor: Não se glorie o

Leia mais

CREIO NA SANTA IGREJA CATÓLICA

CREIO NA SANTA IGREJA CATÓLICA CREIO NA SANTA IGREJA CATÓLICA 17-03-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze A Igreja no desígnio de Deus O que significa a palavra Igreja? Designa o povo que Deus convoca e reúne de todos os

Leia mais

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI)

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) Teologia Bíblica da Missão de Deus RELEMBRAR A MISSÃO NOS EVANGELHOS 1. Jesus Cristo homem é o exemplo padrão para o exercício da Missão de Deus (intimidade

Leia mais

DOMINGO IV DO ADVENTO

DOMINGO IV DO ADVENTO 65 DOMINGO IV DO ADVENTO LEITURA I 2 Sam 7, 1-5.8b-12.14a.16 O reino de David permanecerá eternamente na presença do Senhor Leitura do Segundo Livro de Samuel Quando David já morava em sua casa e o Senhor

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 7 satanás como acusador O mundo, a carne e o diabo Palavra Viva O mundo, a carne e o diabo SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O M U N D O A C A R N E O D I A B O

Leia mais

Lição nº 2 CARACTERÍSTICAS DA VERDADEIRA ADORAÇÃO. 11 jan Eloisa Ferreira Lazzaroto Andrade

Lição nº 2 CARACTERÍSTICAS DA VERDADEIRA ADORAÇÃO. 11 jan Eloisa Ferreira Lazzaroto Andrade Lição nº 2 CARACTERÍSTICAS DA VERDADEIRA ADORAÇÃO Eloisa Ferreira Lazzaroto Andrade 11 jan 2015 Texto da Nova Versão Internacional Texto Bíblico Inspirativo João 4.22-24 TEXTO ÁUREO Adorem ao Senhor

Leia mais

Preparado por: Pr. Wellington Almeida LIÇÃO. O Evangelho. Mateus

Preparado por: Pr. Wellington Almeida LIÇÃO. O Evangelho. Mateus Preparado por: Pr. Wellington Almeida JERUSALÉM10 LIÇÃO JESUS EM O Evangelho Mateus de LIÇÃO - II TRI 2016 10 INTRODUÇÃO esboço Os títulos de cada dia foram ajustados a proposta de termos uma idéia essencial

Leia mais

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI)

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) Teologia Bíblica da Missão de Deus Paulo Adolfo O problema do mal O problema do mal Precisamos, minimamente, pincelar sobre o Problema do Mal (ou pelo menos

Leia mais

O Objetivo da Vida Cristã. Aula 02 Texto básico: Mateus Hino sugerido: 386 (HNC) - Testemunho

O Objetivo da Vida Cristã. Aula 02 Texto básico: Mateus Hino sugerido: 386 (HNC) - Testemunho O Objetivo da Vida Cristã Aula 02 Texto básico: Mateus 6. 25-34 Hino sugerido: 386 (HNC) - Testemunho Objetivo: Demonstrar que a prática religiosa não é o objetivo da vida cristã, mas o meio pelo qual

Leia mais

Lição 11. Garotos Adultos & É o Coração. Page 1

Lição 11. Garotos Adultos & É o Coração. Page 1 Lição 11 Garotos Adultos & É o Coração Page 1 LIÇÃO 11 GAROTOS ADULTOS & É O CORAÇÃO I. Garotos Adultos (capítulo 16) A. A maldição de nossos dias é. Mais do que estar ausente da família, existe a ausência

Leia mais

O Reino de Deus. Estudo Bíblico e Sistemático

O Reino de Deus. Estudo Bíblico e Sistemático O Reino de Deus Estudo Bíblico e Sistemático Antigo Testamento Sl 103.19 Deus é visto como o rei da criação, tendo domínio sobre todos os aspectos da criação (inanimados, animados e humanos). Ao criar

Leia mais

MANUAL DE CÉLULAS PASTOR TONY SILVEIRA

MANUAL DE CÉLULAS PASTOR TONY SILVEIRA MANUAL DE CÉLULAS PASTOR TONY SILVEIRA 2000 Tony Silveira Todos os Direitos reservados. Proibida a Reprodução não Autorizada PRINCÍPIOS DE ORAÇÃO INDICE 1. ORAÇÃO EFICAZ 3 2. ORAÇÃO POR NÓS PRÓPRIOS 4

Leia mais

...batizando em nome do Pai, e do Filho, e do Espirito Santo...

...batizando em nome do Pai, e do Filho, e do Espirito Santo... ESTUDO DO BATISMO : O objetivo deste estudo é levar ao irmão(a), o conhecimento da verdade bíblica sobre o batismo ensinado por Jesus Cristo, que nestes dias possamos abrir nossa mente e coração para absorvermos

Leia mais

Dia de Todos os Santos

Dia de Todos os Santos 1 «Vinde a Mim, vós todos os que andais cansados e oprimidos e Eu vos aliviarei, diz o Breve comentário: As Bem-aventuranças revelam a realidade misteriosa da vida em Deus, iniciada no Baptismo. Aos olhos

Leia mais

Síntese do Novo Testamento (Curso de Formação Ministerial, 2014) Prof. Marco Aurélio Correa

Síntese do Novo Testamento (Curso de Formação Ministerial, 2014) Prof. Marco Aurélio Correa 1 Evangelho de João Este evangelho tem 21 capítulos. Evangelho do Filho de Deus / Divino. 1 - Autor: João, o apóstolo, ele foi o último dos apóstolos a morrer. 2 - Data: Alguns escritores acreditam que

Leia mais

Você precisa dizer AMÉM

Você precisa dizer AMÉM Você precisa dizer AMÉM Quando ouvimos a pregação com o coração aberto, a fé de Deus é liberada ao nosso coração e então podemos desfrutar de todas as bênçãos do céu Gostaria de compartilhar o poder de

Leia mais

12 Passos para ter um namoro centrado em Deus

12 Passos para ter um namoro centrado em Deus 12 Passos para ter um namoro centrado em Deus 1 Avisos Legais REDISTRIBUIÇÃO Você concorda que não irá copiar, redistribuir ou explorar comercialmente qualquer parte deste documento sem a permissão expressa

Leia mais

Vivendo a Vida Santa

Vivendo a Vida Santa Livrinho 2 Pàgina 35 Lição Cinco Vivendo a Vida Santa Pode você descrever numa só palavra a qualidade de vida que procura levar? Muitas e variadas respostas são dadas a essa pergunta. Mas, da perspectiva

Leia mais

Sinais de adoração para uma Nova Aliança Hebreus 9:1-10

Sinais de adoração para uma Nova Aliança Hebreus 9:1-10 Sinais de adoração para uma Nova Aliança Hebreus 9:1-10 O Tabernáculo Santo dos Santos Mesa dos pães da presença O Candelabro Arca da Aliança Lugar Santo Mesa dos pães Mesa do incenso O véu O Santo dos

Leia mais

A dieta bíblica. Pedro replicou: De modo nenhum, Senhor! Porque jamais comi coisa alguma comum e imunda. (At 10:14)

A dieta bíblica. Pedro replicou: De modo nenhum, Senhor! Porque jamais comi coisa alguma comum e imunda. (At 10:14) A dieta bíblica Pedro replicou: De modo nenhum, Senhor! Porque jamais comi coisa alguma comum e imunda. (At 10:14) OBJETIVO Ajudar o estudante da Escola Bíblica a entender e a defender o que cremos acerca

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM Quarta-feira da 3ª Semana do Advento 1) Oração O Evangelho

Leia mais

EDMC Equipe Distrital de Mordomia Cristã Obje7vos, Perfil, atuações e limites

EDMC Equipe Distrital de Mordomia Cristã Obje7vos, Perfil, atuações e limites EDMC Equipe Distrital de Mordomia Cristã Obje7vos, Perfil, atuações e limites É Importante Lembrar... A. Que a segunda vinda de Cristo está bem próxima, e a igreja de Deus necessita estar reavivada pelo

Leia mais

evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos

evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos O Tema do trimestre: Maravilhosa graça O evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos O Estudo da epístola de Paulo aos Romanos, um dos livros mais analisados na história da Igreja (Agostinho,

Leia mais

Escrito por Presb. Taciano Cassimiro Seg, 02 de Fevereiro de :25 - Última atualização Ter, 03 de Fevereiro de :07

Escrito por Presb. Taciano Cassimiro Seg, 02 de Fevereiro de :25 - Última atualização Ter, 03 de Fevereiro de :07 Falar sobre oração é fácil, difícil é pratica-la, é torna-la real em nosso dia a dia. Contudo somos ensinados nas Escrituras a orar sem cessar, 1 Ts 5.17. Cristo Jesus é nosso exemplo maior, é nosso modelo

Leia mais

A leitura da Bíblia. questões centrais

A leitura da Bíblia. questões centrais questões centrais O que é a Bíblia? Quem é o autor e como escreveu? O que é o tema central? Por quê devo lê-la? Quando devo lê-la? Como? Requisitos? Como? Ajuda? Um novo propósito! o que é a Bíblia (1)

Leia mais

Louvor de Raízes: Infinitamente

Louvor de Raízes: Infinitamente Louvor de Raízes: Infinitamente Deus dos Antigos Tu és Santo Em todo o tempo eu louvarei ao Senhor Ergamos nossa voz Nas estrelas louvor Maravilhoso - louvor A Ti Senhor (Nós te buscaremos) Palavra - Infinitamente

Leia mais

A unção com óleo OBJETIVO

A unção com óleo OBJETIVO A unção com óleo Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se

Leia mais

Título: AS CARTAS AS SETE IGREJAS Autor: J.H.SMITH. Literaturas em formato digital:

Título: AS CARTAS AS SETE IGREJAS Autor: J.H.SMITH. Literaturas em formato digital: Título: AS CARTAS AS SETE IGREJAS Autor: J.H.SMITH. Literaturas em formato digital: www.acervodigitalcristao.com.br Literaturas em formato Impresso: www.verdadesvivas.com.br Evangelho em 03 Minutos: www.3minutos.net

Leia mais

Carta aos Filipenses. Carta aos Filipenses:

Carta aos Filipenses. Carta aos Filipenses: : Filipos: cidade na Macedônia que recebeu seu nome de Filipe II, pai de Alexandre o Grande, que a conquistou no 4 século a.c. Tornou-se colônia romana no 2 século a.c. A segunda das chamadas Cartas da

Leia mais

Oração Inicial: Leitura: Lucas 22, 7-20.

Oração Inicial: Leitura: Lucas 22, 7-20. Oração Inicial: Leitura: Lucas 22, 7-20. Objetivo do encontro: Despertar amor a Eucaristia e a participação da santa missa, onde o sacramento é oferecido. Texto: Ë o sacramento pelo qual participamos,

Leia mais

"E o verbo se fez carne e habitou entre nós João 1.14

E o verbo se fez carne e habitou entre nós João 1.14 "E o verbo se fez carne e habitou entre nós João 1.14 Genesis 1.1 No princípio A história da 1ª criação João 1.1 No princípio A história da Nova criação Nas duas obras de criação o agente é a Palavra de

Leia mais

(ANÁMNESIS) ATUALIZAÇÃO DA GRAÇA - SETENÁRIO SACRAMENTAL

(ANÁMNESIS) ATUALIZAÇÃO DA GRAÇA - SETENÁRIO SACRAMENTAL SACRAMENTOS - III (ANÁMNESIS) ATUALIZAÇÃO DA GRAÇA - SETENÁRIO SACRAMENTAL - 1 COMO OS SACRAMENTOS ATUALIZAM A GRAÇA NAS DIVERSAS SITUAÇÕES DA VIDA 2 1. O QUE ACONTECE NO BATISMO? 3 NO BATISMO, A PESSOA

Leia mais

TEMA: O NOVO NASCIMENTO E A CONVERSÃO.

TEMA: O NOVO NASCIMENTO E A CONVERSÃO. TEMA: O NOVO NASCIMENTO E A CONVERSÃO. Texto: E dar-lhes-ei coração para que me conheçam, porque eu sou o SENHOR; e ser-me-ão por povo, e eu lhes serei por Deus, porque se converterão a mim de todo o seu

Leia mais

Os Deveres dos Pais. Letras. Editora. J. C. Ryle. Tradução Rodrigo Silva

Os Deveres dos Pais. Letras. Editora. J. C. Ryle. Tradução Rodrigo Silva Os Deveres dos Pais Os Deveres dos Pais J. C. Ryle Tradução Rodrigo Silva Editora Letras Título Original: The Duties of Parents por J. C. Ryle Copyright Editora Letras 1ª edição em português: outubro

Leia mais

LINHA DE AÇÃO 1 - IGREJA QUE SAI PARA SERVIR Ícone Bíblico - A Parábola do Bom Samaritano (Lc 10,25-37):

LINHA DE AÇÃO 1 - IGREJA QUE SAI PARA SERVIR Ícone Bíblico - A Parábola do Bom Samaritano (Lc 10,25-37): LINHA DE AÇÃO 1 - IGREJA QUE SAI PARA SERVIR Ícone Bíblico - A Parábola do Bom Samaritano (Lc 10,25-37): Quem é o meu próximo? perguntou o Doutor da Lei a Jesus, que em seguida lhe contou a Parábola do

Leia mais

QUEM É DEUS? OS NOMES DE DEUS. Todos os verdadeiros cristãos creem num Deus trinitário, Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.

QUEM É DEUS? OS NOMES DE DEUS. Todos os verdadeiros cristãos creem num Deus trinitário, Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. QUEM É DEUS? OS NOMES DE DEUS Todos os verdadeiros cristãos creem num Deus trinitário, Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. Eles são iguais em poder, eternidade e na posse de todos os atributos

Leia mais