18/Mar/2016 Aula 9. 16/Mar/ Aula 8

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "18/Mar/2016 Aula 9. 16/Mar/ Aula 8"

Transcrição

1 16/Mar/ Aula 8 Gases reais (não-ideais) Equação de van der Waals Outras equações de estado Isotérmicas, diagramas e transições de fase Constantes críticas. Diagramas PT e PT 18/Mar/2016 Aula 9 Processos Politrópicos Relações politrópicas num gás ideal Trabalho: aplicação aos gases perfeitos Calor: aplicação aos gases perfeitos Calor específico politrópico ariação de entropia P isocórica isobárica 0 isotérmica 1 adiabática 1

2 Aulas anteriores Diagramas TS Ciclo de Carnot ΔU int T ds P d 2

3 Aulas anteriores Diagramas TS (cont.) Num diagrama TS, a área abaixo da curva representa a quantidade de calor de um processo reversível. Processo reversível T 2 =c 1 P=c q T ds s 3

4 Aulas anteriores Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica Quando um sistema sofre um processo entre dois estados de equilíbrio, a entropia total (sistema + ambiente) não pode diminuir. ΔS 0 4

5 Aula anterior Gases reais (não-ideais) Condições em que o comportamento dos gases não é explicável pela lei dos gases ideais: pressões elevadas e/ou temperaturas baixas. 1) Pressões elevadas O volume disponível para o gás é efectivamente inferior ao volume do contentor (as moléculas ocupam espaço): Lei dos gases ideais : P 1/, quando P aumenta 0 Quanto maior é a pressão P, mais significativo é o volume ocupado pelas moléculas 5

6 Aula anterior Gases reais (não-ideais) (cont.) 2) Temperaturas baixas Dependendo das moléculas que constituem o gás, as interacções entre elas podem tornar-se significativas: As forças de atracção intermoleculares tendem a diminuir a força das colisões nas paredes (nem toda a energia é cinética) Este efeito é mais pronunciado quanto menor for a temperatura, onde se registam experimentalmente pressões inferiores às que a lei dos gases ideais prevê. Comportamento ideal para pressões baixas, temperaturas elevadas. Comportamento não-ideal para pressões altas, temperaturas baixas. 6

7 Aula anterior Equação de van der Waals 2 n P 2 a n b nrt correcção a P ideal (devido às forças intermoleculares) correcção a ideal (devido ao espaço ocupado pelas moléculas) 7

8 Aula anterior Isotérmicas dos gases reais a temperaturas altas (acima dum valor crítico T c, as isotérmicas são semelhantes às do gás ideal (Lei de Boyle); Pontos críticos Líquido substâncias diferentes mostram diagramas P diferentes; Coexistência de líquido e gás (vapor) numa certa zona existem duas fases em equilíbrio (vapor e líquido) pressão de vapor. 8

9 Aula anterior Constantes críticas Ponto crítico (*) constantes críticas: Isotérmica crítica (T c ) - acima de T c não é possível formar uma fase líquida. Pressão crítica (P c ) - pressão necessária para condensar o gás a T c. olume crítico ( c ) -volume ocupado pelo gás a P c, T c. Temperaturas críticas para várias substâncias 9

10 Processos politrópicos Processo politrópico Qualquer processo reversível que satisfaça a equação. P constante expoente politrópico, Os processos isotérmicos, adiabáticos, isocóricos e isobáricos são casos particulares dos politrópicos. Os processos reais, como a compressão de um gás numa máquina, por exemplo, não são normalmente nem isotérmicos nem adiabáticos puros, 1 mas sim algo (politrópico) entre estes, que pode ser descrito por. 10

11 , Processos politrópicos S, =k P = T P, =0 P constante 0< <1 1< <k T, =1 > >k S, =, = 1< <k 0< <1 P, =0 T, =1 Isobárico (pressão constante): = 0. Isotérmico (temperatura constante): =1. Adiabático (entropia constante): =. Isocórico (volume constante): =. S 11

12 Politrópico: Gás ideal: P Relações politrópicas num gás ideal n RT P, T, T, P P1. 2 P Cte P 1 1 P2 2 P2 1 P nrt P, nrt Cte T Cte T T T T T, 12

13 Relações politrópicas num gás ideal Gás ideal: P n RT n RT P nrt P Cte. T P Cte. T P T P P T T P P TP, 13

14 Trabalho num processo politrópico Geral: dw Pd W P d Politrópico: P P P P Nota: P 1 e 1 são constantes W12 P 1 11 d P1 1 d P P2 2 P

15 Trabalho num processo politrópico Se 1: 1 1 W P d P d P ln P1 1ln 1 1 P2 2 P 1 1 nr W12 T2 T W12 n RT1 ln 1 1 Nota: =1 isotérmico 15

16 Calor num processo politrópico Identidade fundamental: du TdS Pd Energia interna dependente de duas das variáveis P,, T : U U U=U, T du d dt T T C U T (definição de C ) U P T T T P (das Relações de Maxwell) P P du C dt T P d C dt T d W T T 16

17 Calor num processo politrópico Substituindo na equação Q du W, obtém-se: P Q C dt T d T 2 P Q12 C T2 T1 T d 1 T 17

18 Calor num processo politrópico de um gás ideal Politrópico: Gás ideal: 2 P Q12 C T2 T1 T d 1 T nrt P n RT P P n R P 2 P 2 T P T d P d W T T 1 T 1 Q C T T W U W nr Q12 n c T2 T1 T2 T1 1 R nc T2 T

19 Calor específico politrópico de um gás ideal R Q 12 nc T 2 T Calor específico C politrópico X C R 1 Capacidade calorífica politrópica R C C Dado que P CX C P C P / C 1 C C C X 1 C Q C T T 12 X

20 Calor específico politrópico de um gás ideal C X 1 C Caso particular Expoente Capacidade calorífica específica Calor Adiabático Isobárico 0 CX 0 C X C P Q12 0 Q C T 12 P Isocórico C X C Q C T 12 20

21 ariação de entropia num processo politrópico Definição: ds Q T Q C T T 12 X 2 1 Q C dt X T2 S12 CX ln T 1 21

22 Mostre que quando se tem um processo isocórico (=constante). P cte. Diferenciando esta expressão: 1 d P d cte. dp P d 0 Separando os termos: dp d 0 P d 1 dp P d 1 dp 1 dp lim lim 0 P P Para qualquer sistema com um volume finito, a expressão anterior é válida se d=0. Portanto, quando, o volume mantém-se constante. 22

23 Considere um processo termodinâmico em que a relação entre a pressão e o volume é dada por P 1,3 = constante. Determine o trabalho realizado ao longo do processo. Dados: P inicial =200 kpa inicial =0,04 m 3 final =0,1 m 3 Processo politrópico, = 1,3: P i i i i P P P P Nota: P i e i são constantes. i i Pf f P i f cte. 1,3 0,04 Pf Pi ,8 kpa 0,1 f f f i i i i W P d P d P d i i i 1 f Pf f P i i Pi i 1 1 i 6,4 kj 23

1 a Lei da Termodinâmica

1 a Lei da Termodinâmica 1 a Lei da Termodinâmica Processos termodinâmicos. Gases ideais. Calor específico de gases ideais. Equação para processos adiabáticos de gases ideais. 1 a Lei da Termodinâmica Calor, Trabalho e Energia

Leia mais

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Substância pura Princípio de estado Equilíbrio de fases Diagramas de fases Equação de estado do gás ideal Outras equações de estado Outras propriedades termodinâmicas

Leia mais

Estudo Físico-Químico dos Gases

Estudo Físico-Químico dos Gases Estudo Físico-Químico dos Gases Prof. Alex Fabiano C. Campos Fases de Agregação da Matéria Sublimação (sólido em gás ou gás em sólido) Gás Evaporação (líquido em gás) Condensação (gás em líquido) Sólido

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO: Atenção: Esteja atento à numeração das páginas Questão 1

IDENTIFICAÇÃO: Atenção: Esteja atento à numeração das páginas Questão 1 Atenção: Esteja atento à numeração das páginas Questão 1 Determine o volume molar (em unidades de L mol 1 ) e o fator de compressibilidade Z do vapor saturado de água à pressão de 1,00 bar e temperatura

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Estudos Básicos e Instrumentais 4 Termodinâmica Física II Ferreira 1 ÍNDICE 1. Conceitos Fundamentais; 2. Sistemas Termodinâmicos; 3. Leis da

Leia mais

Aula 4 A 2ª Lei da Termodinâmica

Aula 4 A 2ª Lei da Termodinâmica Universidade Federal do ABC P O S M E C Aula 4 A 2ª Lei da Termodinâmica MEC202 As Leis da Termodinâmica As leis da termodinâmica são postulados básicos aplicáveis a qualquer sistema que envolva a transferência

Leia mais

TERMODINÂMICA APLICADA CAPÍTULO 2

TERMODINÂMICA APLICADA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA APLICADA CAPÍTULO 2 PROPRIEDADES DAS SUBSTÂNCIAS PURAS SUMÁRIO Neste capítulo o conceito de substância pura é introduzido e as várias fases, bem como as propriedades físicas dos processos

Leia mais

Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras

Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras 1. A condição de estabilidade Inicialmente precisamos estabelecer a importância da energia de Gibbs molar na discussão das transições de fase. A energia de

Leia mais

Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA. Teoria Cinética do Gases

Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA. Teoria Cinética do Gases Universidade Federal do ampa UNIAMA Teoria inética do Gases 7.alores específicos molares de um gás ideal A quantidade de gás ideal é medida pelo número de moles n, em vez da massa m O gás é submetido

Leia mais

Estudo Físico-Químico dos Gases

Estudo Físico-Químico dos Gases Estudo Físico-Químico dos Gases Prof. Alex Fabiano C. Campos Gás e Vapor Diagrama de Fase Gás Vapor Gás: fluido elástico que não pode ser condensado apenas por aumento de pressão, pois requer ainda um

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte. Esta aula tratará de gases e termodinâmica:

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte. Esta aula tratará de gases e termodinâmica: Esta aula tratará de gases e termodinâmica: Estudando a matéria, os cientistas definiram o mol. Um mol corresponde a 6,02. 10 " unidades de algo, número conhecido por N A, número de Avogadro. A importância

Leia mais

Física Experimental III. Compressão isotérmica de um gás ideal

Física Experimental III. Compressão isotérmica de um gás ideal Física Experimental III Compressão isotérmica de um gás ideal Lei dos Gases Ideias Definimos um gás ideal como um gás para o qual a razão PV/nT é constante em todas as pressões. Portanto, essas variáveis

Leia mais

Interpretação Molecular da Temperatura de um Gás Ideal

Interpretação Molecular da Temperatura de um Gás Ideal Interpretação Molecular da Temperatura de um Gás Ideal Já vimos que a pressão está relacionada com a energia cinética média das moléculas. Agora relacionaremos a temperatura à uma descrição microscópica

Leia mais

EDITAL DE TURMA ESPECIAL

EDITAL DE TURMA ESPECIAL Edital N 0132 2016. Cacoal, 31 de Outubro de 2016. EDITAL DE TURMA ESPECIAL A Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal FACIMED, no uso de suas atribuições legais, e tendo presente o disposto no Art.

Leia mais

Equações de estado para a fase vapor de uma substância simples

Equações de estado para a fase vapor de uma substância simples Aula 04 Equações de estado para a fase vapor de uma substância simples A partir de observações experimentais estabeleceu-se que o comportamento p-v-t dos gases a baixa massa específica é dado, com boa

Leia mais

Gases. 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação?

Gases. 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação? Capítulo 2 Gases 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação? Van der Waals verificou que o fato do gás real não se comportar como o gás ideal é

Leia mais

Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato

Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato 1) (1,0 ponto) a) Como é definido o fator de compressibilidade, Z, de um gás? b) Qual

Leia mais

Solução dos exercícios do capítulo 2, pp (a) Expansão isotérmica de um gás ideal. Trabalho: pdv = NRT 1

Solução dos exercícios do capítulo 2, pp (a) Expansão isotérmica de um gás ideal. Trabalho: pdv = NRT 1 Solução dos exercícios do caítulo 2,. 31-32 Equações de um gás ideal = NRT U = NcT U = c R Exercício 1. (a) Exansão isotérmica de um gás ideal. Trabalho: W = 2 1 d = NRT 2 1 1 d = NRT ln 2 1 omo a energia

Leia mais

Cap. 20 A Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica

Cap. 20 A Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica Cap. 20 A Entropia e a Segunda Lei da Processos Irreversíveis e Entropia; Variação de Entropia; A Segunda Lei da ; Entropia no Mundo Real: Máquinas Térmicas; Entropia no Mundo Real: Refrigeradores; Eficiência

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Filmes Finos. Aula Cinética dos Gases (Cap.2/Smith) (detalhes)

Ciência e Tecnologia de Filmes Finos. Aula Cinética dos Gases (Cap.2/Smith) (detalhes) Ciência e Tecnologia de Filmes Finos Aula 02-2009 Cinética dos Gases (Cap.2/Smith) (detalhes) Cinética de Gases - como os gases participam dos processos de crescimento de filmes? - quais as propriedades

Leia mais

Aula 6 A 2a lei da termodinâmica Física II UNICAMP 2012

Aula 6 A 2a lei da termodinâmica Física II UNICAMP 2012 Aula 6 A 2a lei da termodinâmica Física II UNICAMP 2012 http://en.wikipedia.org/wiki/steam_car Caldeira de carro a vapor de 1924. Populares até a década de 1930, perderam prestígio com a popularização

Leia mais

Módulo III Desigualdade de Clausis, Entropia, Geração de Entropia.

Módulo III Desigualdade de Clausis, Entropia, Geração de Entropia. Módulo III Desigualdade de Clausis, Entropia, Geração de Entropia. Desigualdade de Clausius Aplicável para qualquer ciclo reversível ou irreversível. Ela foi desenvolvida pelo físico alemão R. J. E. Clausius

Leia mais

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 2ª. Série Aula 13

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 2ª. Série Aula 13 Aula 13 Medindo o calor 1. Mudança de estado físico (solidificação) (liquefação) Sólido - Líquido - Gás (fusão) (ebulição) 2. Curvas de aquecimento Gráfico de Temperatura x Quantidade de calor: T x Q Exemplos:

Leia mais

EM 524 : aula 3. Capítulo 3 : Propriedades das. Substâncias Puras

EM 524 : aula 3. Capítulo 3 : Propriedades das. Substâncias Puras EM 524 : aula 3 Capítulo 3 : Propriedades das 1. Definições; Substâncias Puras 2. Equilíbrio de fase; Diagrama temperatura volume; Título de uma mistura líquido-vapor; Diagrama pressão temperatura; Diagrama

Leia mais

Termodinâmica A primeira Lei

Termodinâmica A primeira Lei Departamento de Química e Bioquímica Termodinâmica A primeira Lei Cap. 7 Atkins FUNDAMENTOS DE QUÍMICA Termodinâmica Estudo das transformações de energia entre as suas diferentes formas Sistema + Vizinhança

Leia mais

SOLUÇÕES - SOLUÇÃO IDEAL E AS PROPRIEDADES COLIGATIVAS

SOLUÇÕES - SOLUÇÃO IDEAL E AS PROPRIEDADES COLIGATIVAS ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA EEL/USP TERMODINÂMICA QUÍMICA PROF. ANTONIO CARLOS DA SILVA SOLUÇÕES - SOLUÇÃO IDEAL E AS PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1. TIPOS DE SOLUÇÕES Solução é uma mistura homogênea de

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO CÓDIGO DISCIPLINA PERÍODO IDEAL PRÉ-REQUISITO CO-REQUISITO ANUAL SEMESTRAL NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA

PROGRAMA DE ENSINO CÓDIGO DISCIPLINA PERÍODO IDEAL PRÉ-REQUISITO CO-REQUISITO ANUAL SEMESTRAL NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA PROGRAMA DE ENSINO UNIDADE UNIVERSITÁRIA: UNESP CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA CURSO: ENGENHARIA MECÂNICA (Resolução UNESP n O 74/2004 - Currículo: 4) HABILITAÇÃO: OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: ENGENHARIA

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física

Universidade de São Paulo Instituto de Física Universidade de São Paulo Instituto de Física FEP - FÍSICA II para o Instituto Oceanográfico º Semestre de 009 Sexta Lista de Exercícios a. Lei da Termodinâmica e Teoria Cinética dos Gases ) Uma máquina

Leia mais

Apostila de Química 01 Estudo dos Gases

Apostila de Química 01 Estudo dos Gases Apostila de Química 01 Estudo dos Gases 1.0 Conceitos Pressão: Número de choques de suas moléculas contra as paredes do recipiente. 1atm = 760mHg = 760torr 105Pa (pascal) = 1bar. Volume 1m³ = 1000L. Temperatura:

Leia mais

A) 2,5 B) 4 C) 5 D) 7,5 E) 10

A) 2,5 B) 4 C) 5 D) 7,5 E) 10 1-Uma massa gasosa, inicialmente num estado A, sofre duas transformações sucessivas e passa para um estado C. A partir do estado A esse gás sofre uma transformação isobárica e passa para o estado B. A

Leia mais

Vejamos agora alguns casos particulares dessas transformações com quantidade de gás constante.

Vejamos agora alguns casos particulares dessas transformações com quantidade de gás constante. Setor 2306 Aula 06 Transformações Gasosas em sistemas fechados Complemento. Como vimos em aula, as transformações realizadas em sistemas fechados tem sua quantidade de gás constante. Nessa situação, a

Leia mais

CAPITULO 2 A Primeira lei da termodinâmica

CAPITULO 2 A Primeira lei da termodinâmica Neste capítulo são introduzidos alguns dos conceitos fundamentais da termodinâmica. O foco da exposição é a conservação de energia a observação experimental de que a energia não pode ser destruída nem

Leia mais

A primeira lei da termodinâmica

A primeira lei da termodinâmica A primeira lei da termodinâmica Estudamos até agora 2 formas de transferência de energia: Trabalho (W) *Equivalente a o levantamento de um peso Calor (Q) *Causado por diferenças de Temperatura Ainda, vimos

Leia mais

Unidade 11 - Termodinâmica

Unidade 11 - Termodinâmica Unidade 11 - Termodinâmica 1ª Lei da Termodinâmica 1ª Lei da Termodinâmica É simplesmente uma extensão do Princípio da Conservação da Energia, envolvendo transformações gasosas. Para podermos compreender

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA º ANO - ª MENSAL - º RIMESRE IPO A 0) Um gás sofre a transformação termodinâmica cíclica ABCA representada no gráfico p x V. No trecho AB, a transformação é isotérmica. Analise as afirmações

Leia mais

2ª Lei da Termodinâmica Máquinas Térmicas Refrigeradores

2ª Lei da Termodinâmica Máquinas Térmicas Refrigeradores 2ª Lei da Termodinâmica Máquinas Térmicas 2 a Lei da Termodinâmica 2 a Lei da Termodinâmica O que determina o sentido de certos fenômenos da natureza? Exemplo: Sistema organizado Sistema desorganizado

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Princípios de Físico Química Curso: Farmácia 1º semestre de 2011 Quartas / Quintas: 9:30 11:30 Prof. Dr. Marcio Vidotti www.quimica.ufpr.br/mvidotti mvidotti@ufpr.br criação de modelos CQ110 : Princípios

Leia mais

PROVA DE FÍSICA - 1 o TRIMESTRE 2012

PROVA DE FÍSICA - 1 o TRIMESTRE 2012 PROVA DE FÍSICA - 1 o TRIMESTRE 2012 PROF. VIRGÍLIO NOME Nº 9º ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É

Leia mais

Termodinâmica. Lucy V. C. Assali

Termodinâmica. Lucy V. C. Assali Termodinâmica Calor Física II 2016 - IO O Equivalente Mecânico da Caloria A relação entre a caloria (unidade de quantidade de calor em termos da variação de temperatura que produz numa dada massa de água)

Leia mais

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Substância pura Princípio de estado Equilíbrio de fases Diagramas de fases Substância Pura Substância pura é a aquela que tem composição química invariável

Leia mais

Termodinâmica. Revisão e conceitos básicos. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques TERMODINÂMICA REVISÃO

Termodinâmica. Revisão e conceitos básicos. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques TERMODINÂMICA REVISÃO Termodinâmica Revisão e conceitos básicos Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Algumas definições Sistema termodinâmico izinhança do sistema Fronteira Uma certa porção de matéria, que pretendemos estudar, suficientemente

Leia mais

Alunos(as) que não fizeram a P2, só devem resolver as questões 5, 6, 7 e 8 (P2)

Alunos(as) que não fizeram a P2, só devem resolver as questões 5, 6, 7 e 8 (P2) ATENÇÃO: Alunosas que não fizeram a P, só devem resolver as questões,, 3 e 4 P Alunosas que não fizeram a P, só devem resolver as questões 5, 6, 7 e 8 P Alunosas que fizeram P e P, só devem resolver as

Leia mais

Uma caneca de café quente não fica mais quente se for colocada numa sala fria

Uma caneca de café quente não fica mais quente se for colocada numa sala fria SUMÁRIO Focámos, nos capítulos anteriores, a nossa atenção na Primeira Lei da Termodinâmica, que nos diz que a energia é conservada durante um processo. Neste capítulo abordaremos a Segunda Lei da Termodinâmica,

Leia mais

Ciclo e máquinas térmicas

Ciclo e máquinas térmicas Questão 01 - (UFJF MG) Em um experimento controlado em laboratório, uma certa quantidade de gás ideal realizou o ciclo ABCDA, representado na figura abaixo. desenho abaixo. As transformações FG e HI são

Leia mais

Física 20 Questões [Médio]

Física 20 Questões [Médio] Física 20 Questões [Médio] 01 - (UFRRJ ) Uma pessoa retira um botijão de gás de um local refrigerado e o coloca em um outro lugar, sobre o qual os raios solares incidem diretamente. Desprezando qualquer

Leia mais

Relações de Euler e Gibbs-Duhem

Relações de Euler e Gibbs-Duhem UFABC - BC0205 Princípios de Termodinâmica Curso 2015.2 Prof. Germán Lugones CAPÍTULO 3 Relações de Euler e Gibbs-Duhem Paul Klee,Mark Highways anduntitled Byways 1952 (1929) Rothko Equação de Euler Consideremos,

Leia mais

Entropia e energia livre de Gibbs. Prof. Leandro Zatta

Entropia e energia livre de Gibbs. Prof. Leandro Zatta Entropia e energia livre de Gibbs Prof. Leandro Zatta 1 Segunda e a terceira leis Ideias importantes Sentido Natural Desordem Medido por Energia livre de Gibbs 2 Chave para compreensão da ocorrência ou

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

AULA 13 CALORIMETRIA. 1- Introdução

AULA 13 CALORIMETRIA. 1- Introdução AULA 13 CALORIMETRIA 1- Introdução Neste capítulo estudaremos o calor e suas aplicações. Veremos que o calor pode simplesmente alterar a temperatura de um corpo, ou até mesmo mudar o seu estado físico.

Leia mais

INSTABILIDADE DAS DISPERSÕES COLOIDAIS

INSTABILIDADE DAS DISPERSÕES COLOIDAIS Recapitulando: COLÓIDES (partículas com dimensões entre nm e μm) DISPERSÃO COLOIDL: Sistema heterogéneo de partículas coloidais (colóides) dispersas numa fase contínua INSTBILIDDE DS DISPERSÕES COLOIDIS

Leia mais

Aula 09: Termodinâmica. Disciplina: Química I (106201) Data: 25 / 07 / 11 1

Aula 09: Termodinâmica. Disciplina: Química I (106201) Data: 25 / 07 / 11 1 Aula 09: Termodinâmica Disciplina: Química I (106201) Data: 25 / 07 / 11 1 Etimologia Aspectos iniciais Variáveis Unidades: J (joule), cal (caloria), BTU, 2 Aspectos iniciais Etimologia Estudo da composição

Leia mais

Combustíveis Energia e Ambiente. Combustíveis gasosos, líquidos e sólidos: compreender as diferenças

Combustíveis Energia e Ambiente. Combustíveis gasosos, líquidos e sólidos: compreender as diferenças Combustíveis gasosos, líquidos e sólidos: compreender as diferenças 1 Estados físicos de hidrocarbonetos em função do número de carbonos da cadeia Os gases combustíveis podem ser agrupados em famílias,

Leia mais

Problemas de Física Estatística e Termodinâmica

Problemas de Física Estatística e Termodinâmica 1 Problemas de Física Estatística e Termodinâmica Todas as grandezas físicas se supõem expressas no Sistema Internacional de Unidades. 1. Uma variável aleatória y pode tomar valores no conjunto {1,2,3,4,5}

Leia mais

SOLUÇÕES MAIS DE UM COMPONENTE VOLÁTIL A SOLUÇÃO DILUÍDA IDEAL

SOLUÇÕES MAIS DE UM COMPONENTE VOLÁTIL A SOLUÇÃO DILUÍDA IDEAL ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA EEL/USP TERMODINÂMICA QUÍMICA PROF. ANTONIO CARLOS DA SILVA SOLUÇÕES MAIS DE UM COMPONENTE VOLÁTIL A SOLUÇÃO DILUÍDA IDEAL 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DA SOLUÇÃO IDEAL Para

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

Aula 02 : EM-524. Capítulo 2 : Definições e Conceitos Termodinâmicos

Aula 02 : EM-524. Capítulo 2 : Definições e Conceitos Termodinâmicos Aula 02 : EM-524 Capítulo 2 : Definições e Conceitos Termodinâmicos 1. Termodinâmica Clássica; 2. Sistema Termodinâmico; 3. Propriedades Termodinâmicas; 4. As propriedades termodinâmicas pressão, volume

Leia mais

Questão 4. Questão 5

Questão 4. Questão 5 Questão 1 Um mol de gás ideal sofre transformação AëBëC indicada no diafragma pressão x volume da figura a seguir. a) qual é a temperatura do gás no estado A? b) Qual é o trabalho realizado pelo gás na

Leia mais

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada TMFA Termodinâmica Aplicada 1) Considere a central de potência simples mostrada na figura a seguir. O fluido de trabalho utilizado no ciclo é água e conhece-se os seguintes dados operacionais: Localização

Leia mais

Termodinâmica. Podemos aquecer a volume constante ou a pressão constante. Definimos para cada um dos casos,

Termodinâmica. Podemos aquecer a volume constante ou a pressão constante. Definimos para cada um dos casos, ermodinâmica André Silva ranco Calor: Calor é energia térmica em transito, e vai espontaneamente de uma região mais quente (maior temperatura) para uma mais fria (menor temperatura). Equação undamental

Leia mais

PME 2378 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS

PME 2378 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS PME 2378 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS CALOR E TRABALHO ALBERTO HERNANDEZ NETO 1/60 Calor (Q) : energia em trânsito devido a diferença de temperatura não associada a transferência de massa 1 B C A 2

Leia mais

17/08/ /08/2011 Prof. Dr. Ricardo A. Mazza 3

17/08/ /08/2011 Prof. Dr. Ricardo A. Mazza 3 Propriedades de Uma Substância Pura Prof. Dr. Ricardo A. Mazza DE/FEM/UNICAMP 17/08/2011 Prof. Dr. Ricardo A. Mazza 1 Substância Pura Substância pura é a aquela que tem composição química invariável e

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 2 o ano Disciplina: Física Gases ideais e Termodinâmica

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 2 o ano Disciplina: Física Gases ideais e Termodinâmica Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 2 o ano Disciplina: Física Gases ideais e Termodinâmica 01 - (ACAFE SC) No estudo da termodinâmica é

Leia mais

Equações e diagramas T-dS

Equações e diagramas T-dS Equações e diagramas T-dS A segunda lei da termodinâmica 2 S=S S 2 1 1 δq T A Expressão matemática da segunda lei (para um sistema fechado). A entropia é uma propriedade que não é conservativa! Entropia

Leia mais

Soluções e Gases III. Gases

Soluções e Gases III. Gases Soluções e Gases III Gases Gases Gás é um material que preenche todo o espaço ou volume do recipiente em que se encontra, independentemente do tamanho do recipiente. Ar 78 % de N 2 21% de O 2 1% de outros

Leia mais

Física E Semiextensivo V. 2

Física E Semiextensivo V. 2 GABARIO Física E Semiextensivo Exercícios 1) C ) A I erdadeira Caso ocorra a redução de temperatura do ambiente, o fio sofrerá contração, com o risco de rompimento II Falsa A distância entre os fios é

Leia mais

TERMODINÂMICA. Propriedades Independentes de uma Substância Pura

TERMODINÂMICA. Propriedades Independentes de uma Substância Pura UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI - ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS TERMODINÂMICA Um motivo importante para a introdução do conceito de substância pura é que o estado de uma substância pura

Leia mais

Vestibulares da UFPB Provas de Física de 94 até 98 Prof. Romero Tavares Fone: (083) Termologia

Vestibulares da UFPB Provas de Física de 94 até 98 Prof. Romero Tavares Fone: (083) Termologia Prof. Romero avares Fone: (08)5-869 ermologia UFPB/98. 80g de uma substância, inicialmente na fase sólida, recebem calor. O gráfico da temperatura em função do calor recebido Q é dado ao lado. O calor

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Química Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Agroquímica Seleção ao Curso de Mestrado 2015/II

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Química Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Agroquímica Seleção ao Curso de Mestrado 2015/II Universidade Federal de Viçosa Departamento de Química Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Agroquímica Seleção ao Curso de Mestrado 2015/II Número do(a) Candidato(a) (Campo reservado para a comissão

Leia mais

FÍSICA - Lucas SALA DE ESTUDOS 2º EM Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS MUNIZ Nome: nº

FÍSICA - Lucas SALA DE ESTUDOS 2º EM Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS MUNIZ Nome: nº FÍSICA - Lucas SALA DE ESTUDOS 2º EM Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS MUNIZ Nome: nº Sala de Estudos Termodinâmica 1. (Uel 2015) Analise o gráfico a seguir, que representa uma transformação cíclica

Leia mais

Lista de exercícios 2 QB70D

Lista de exercícios 2 QB70D Lista de exercícios 2 QB70D 1) Suponha que você jogue uma bola de tênis para o alto. (a) A energia cinética da bola aumenta ou diminui à medida que ela ganha altitude? (b) O que acontece com a energia

Leia mais

Assinale a alternativa que indica corretamente a relação entre as temperaturas absolutas M T N e T R dos respectivos estados M, N e R.

Assinale a alternativa que indica corretamente a relação entre as temperaturas absolutas M T N e T R dos respectivos estados M, N e R. 1. (Ufrgs) A figura abaixo apresenta um diagrama Pressão Volume. Nele, os pontos M, N e R representam três estados de uma mesma amostra de gás ideal. Assinale a alternativa que indica corretamente a relação

Leia mais

Uma fase é definida como uma quantidade de matéria homogênea.

Uma fase é definida como uma quantidade de matéria homogênea. Aula 02 Estado e fase. Propriedades, processos e Ciclo Se considerarmos uma dada massa de água, reconhecemos que ela pode existir sob várias formas (fases). Se ela é inicialmente líquida pode-se tornar

Leia mais

Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação

Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Laboratório de Catálise Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação Mini-curso: Biodiesel Demian Patrick Fabiano Outubro - 2007 1 Sumário A) Catálise

Leia mais

TERMODINÂMICA 3 INTRODUÇÃO AO 2º PRINCÍPIO DA TERMODINÂMICA

TERMODINÂMICA 3 INTRODUÇÃO AO 2º PRINCÍPIO DA TERMODINÂMICA 3 INRODUÇÃO AO º PRINCÍPIO DA ERMODINÂMICA 3. O ciclo de Carnot (84). ERMODINÂMICA Investigou os princípios que governam a transformação de energia térmica, calor em energia mecânica, trabalho. Baseou

Leia mais

SIMULAÇÃO DE UMA USINA COM CICLO SIMPLES A VAPOR (CICLO RANKINE)

SIMULAÇÃO DE UMA USINA COM CICLO SIMPLES A VAPOR (CICLO RANKINE) SIMULAÇÃO DE UMA USINA COM CICLO SIMPLES A VAPOR (CICLO RANKINE) Glauber Rocha 1 Adilson Luiz da Silva 2 Fausto Neves Silva 3 RESUMO Para gerar vapor necessário aos processos de uma usina existe na caldeira

Leia mais

3. Propriedades termodinâmicas.

3. Propriedades termodinâmicas. QI 58 Fundamentos de rocessos em Engenharia Química II 009 3. ropriedades termodinâmicas. Assuntos. álculo de variações de propriedades termodinâmicas. Relações de Maxwell 3. Exercícios Na maioria dos

Leia mais

UTFPR Termodinâmica 1 Avaliando Propriedades Termodinâmicas

UTFPR Termodinâmica 1 Avaliando Propriedades Termodinâmicas UTFPR Termodinâmica 1 Avaliando Propriedades Termodinâmicas Princípios de Termodinâmica para Engenharia Capítulo 3 Parte 2 Tabelas de Saturação As Tabelas A-2 e A-3 listam os valores de propriedades para

Leia mais

TERMODINÂMICA NO EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

TERMODINÂMICA NO EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 TERMODINÂMICA NO EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1. Conceitos fundamentais A ciência da termodinâmica se originou do reconhecimento de que a transformação de calor e trabalho poderia ser prevista através de umas

Leia mais

2.1 Breve história da termodinâmica

2.1 Breve história da termodinâmica 2.1 Breve história da termodinâmica TERMODINÂMICA calor força, movimento No início, estudava os processos que permitiam converter calor em trabalho (força e movimento). 2.1 Breve história da termodinâmica

Leia mais

Parte II Máquinas Térmicas

Parte II Máquinas Térmicas Parte II Máquinas Térmicas 0. Generalidades e Revisão de Termodinâmica 0.. Introdução Desde os primórdios do seu aparecimento sobre a terra, o homem procurou utilizar o fogo (calor) como componente indispensável

Leia mais

2. Considere um bloco de gelo de massa 300g á temperatura de 20 C, sob pressão normal. Sendo L F

2. Considere um bloco de gelo de massa 300g á temperatura de 20 C, sob pressão normal. Sendo L F 1. Considere um bloco de gelo de massa 300g encontra-se a 0 C. Para que todo gelo se derreta, obtendo água a 0 C são necessárias 24.000 cal. Determine o calor latente de fusão do gelo. 2. Considere um

Leia mais

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26 Sumário CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1 Introdução 1 Os sistemas de medida 1 O Sistema Internacional de Unidades (SI) 1 A temperatura 2 Outras escalas de temperatura 3 O uso e o mau uso das unidades

Leia mais

MATRÍCULA: PROF. : NOTA:

MATRÍCULA: PROF. : NOTA: Física Geral e Experimental III & XIX 2ª prova 30/05/2015 A NOME: TURMA: MATRÍCULA: PROF. : NOTA: Importante: Assine a primeira página do cartão de questões e a folha do cartão de respostas. Leia os enunciados

Leia mais

1 Gases Termodinâmica

1 Gases Termodinâmica FRENTE 3 UL 09 CONTINUÇÃO f: 11 4534.3388 1 Gases Termodinâmica 1.1 Gás Ideal lgumas condições para se assumir que um gás é ideal: 1. os átomos são considerados como esferas 2. as colisões se dão unicamente

Leia mais

Exercícios de Termodinâmica 1

Exercícios de Termodinâmica 1 Exercícios de Termodinâmica 1 UTFPR Campo Mourão Prof. Bogdan Demczuk Jr. Conversão de unidades 1) O comprimento de um automóvel é 3,85 m. Qual o seu comprimento em pés (ft)? 2) Faça as seguintes conversões:

Leia mais

Capítulo 6 Processos Envolvendo Vapores

Capítulo 6 Processos Envolvendo Vapores Capítulo 6 Processos Envolvendo Vapores Pressão de vapor Define-se vapor como um componente no estado gasoso que se encontra a pressão e temperatura inferiores às do ponto crítico. Assim, um vapor pode

Leia mais

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

Márcio Nasser Medina Moisés André Nisenbaum

Márcio Nasser Medina Moisés André Nisenbaum A Márcio Nasser Medina Moisés André Nisenbaum Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

PLANO DE ENSINO IMPLANTAÇÃO: VERSÃO: PRÉ-REQUISITOS: FGE1001

PLANO DE ENSINO IMPLANTAÇÃO: VERSÃO: PRÉ-REQUISITOS: FGE1001 - CCT EMENTA: Oscilações mecânicas. Estática e dinâmica de fluidos. Ondas mecânicas e acústicas. Temperatura. Calor. Teoria cinética dos gases. Leis da termodinâmica. Máquinas térmicas. Refrigeradores.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I Máquinas Térmicas I "Existem três tipos de pessoas: as que sabem e as que não sabem contar...

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Cinética Química Lei de Velocidade Integrada Mostra a variação das concentrações

Leia mais

10ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS 2ª. Lei da Termodinâmica

10ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS 2ª. Lei da Termodinâmica Pg. 1/5 1 a Questão A massa de 1,80 g de água pura, em um recipiente hermeticamente fechado, foi aquecida até a fervura, ao nível do mar. A equação abaixo representa a vaporização da água. H 2 O(l) H 2

Leia mais

Capítulo 21 Temperatura

Capítulo 21 Temperatura Capítulo 21 Temperatura 21.1 Temperatura e equilíbrio térmico Mecânica: lida com partículas. Variáveis microscópicas: posição, velocidade, etc. Termodinâmica: lida com sistemas de muitas partículas. Variáveis

Leia mais

GASES PERFEITOS AULA INTRODUÇÃO

GASES PERFEITOS AULA INTRODUÇÃO AULA 5 GASES PERFEIOS - INRODUÇÃO Neste capítulo, vamos estudar as transformações gasosas e as leis elaboradas por Boyle e ariotte, Clapeyron, Gay-Lussac e Charles, que regem estas transformações. Vamos

Leia mais

Balanço de Energia em Combustão

Balanço de Energia em Combustão Balanço de Energia em Combustão O primeira lei da termodinâmica traduzida pelo balanço de energia permite analisar dois conceitos importantes na combustão: temperatura adiabática e poder caloríico que

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

Introdução à Cinética e Termodinâmica Química. Ariane Nunes-Alves

Introdução à Cinética e Termodinâmica Química. Ariane Nunes-Alves Introdução à Cinética e Termodinâmica Química Ariane Nunes-Alves Objetivos Determinar se uma reação é espontânea Determinar a velocidade da reação Como determinar se uma reação é espontânea? Características

Leia mais

COLÓIDES. Colóide: partícula com uma dimensão linear entre 1nm e 1µm (1000 nm).

COLÓIDES. Colóide: partícula com uma dimensão linear entre 1nm e 1µm (1000 nm). COLÓIDES Colóide: partícula com uma dimensão linear entre 1nm e 1µm (1000 nm). Dispersão coloidal: Sistema heterogéneo de partículas coloidais (colóides) dispersas num fluido Dispersão coloidal (2 fases)

Leia mais

Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia

Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia Sistemas Em termodinâmica, o universo é formado

Leia mais

Calor e Trabalho. Definição de trabalho mecânico: produto escalar de uma força aplicada sobre um corpo ou sistema pelo deslocamento

Calor e Trabalho. Definição de trabalho mecânico: produto escalar de uma força aplicada sobre um corpo ou sistema pelo deslocamento Calor e Trabalho Definição de trabalho mecânico: produto escalar de uma força aplicada sobre um corpo ou sistema pelo deslocamento W Fdx requerida a relação funcional entre força e trabalho Definição termodinâmica

Leia mais