optimaler Kraftschluss schont Schraubenköpfe Código Ref. $ * mm * mm * mm * mm 009.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "optimaler Kraftschluss schont Schraubenköpfe Código Ref. $ * mm * mm * mm * mm 009."

Transcrição

1 BUCAS DE REDUÇÃO- SACA BUCAS Chve de Bter - Fix e Estrel 1 optimler Krftschluss schont Schruenköpfe om. r Chve fix de ter 22-2! " schrfe Knten. ßig uf den Schruenkopf irkt. Die ddurch uf ein Minimum reduzierte Kerirkung verhindert eine Beschädigung des ten Schruköpfen. As chves com té 500 de comprimento são fricds em ço Aço Gedore-Vndium 1CrV, prtir de 5 de comprimento, 12-knt 1 2 n extremidde do co, com utiliz em C5. Mçlote pr ter ção6-knt de mrrets ou mrtelos. Idel pr tividdes pesds e condi ções extrems. Excelente qulidde, dequd pr uso universl. 2 6-knt sich die Kerirkung uf den Schruenkopf nicht mehr 1 gelöst-erden, d keine Üertrgung des Drehmoments mehr erfolgt ds Werkzeug rutscht durch enkopfpr. Punktueller Druck deformiert 5 den Schruenkopf uch ei Schruköpfen deren Mße usserhl der Tolernz liegen. Gleichmäßige Verteilung der Krft uf die FlnMesmo so ltos impctos, precisão é 2imprescindível ken des Schruenkopfes. Die somit reduzierte Kerirkung verhindert ein Runddrehen des. tu A Gedore desenvolveu chves fixs e estrel especilmente pro Schruenkopfes. Selst genutzte Schruköpfe erden durch die schonende jetds pr suportr s necessiddes prticulres ddrehmomentüertrgung indústri sicher gelöst kein Durchrutschen des Werkzeugs. pesd, com lt qulidde e precisão exigids. N hor de per 4 nen is zu % höhere Drehmomente üertrgen erden. tr ou despertr prfusos de grndes dimensões gerlmente utilizdos em mientes hostis, sujeitos à umidde e grndes vrições de tempertur é necessário um grnde esforço. As chves de ter fzem esse trlho pois, produzids segundo s norms DIN 1 (chves fixs) e DIN 7444 (chves estrels), per mitem receer ltos impctos pr querr inérci estelecid nos prfusos. 01 Dimensões em schluss. Eine sichere Drehmomentüertrgung ist nicht mehr möglich und knn zur Gefhr erden ls p Chves de ter.c 12-knt 1 DIN , , , ,2 1, 1,2 1, 1, ,7 1,5 1,5 1,5 1 2,7 1 2, ,6 4,0 5, , ,8 item não normtizdo 0.tulsp.com.r (11) 88-2 (11) 88-2

2 om. r SACChve UB ACAde S -OBter ÃÇUDER- Fix ED SA UB ecestrel 6 - Chve x Cuiddosmente forjd e usind. Bocs rousts reti s de form precis n dimensão nominl ext pr superfícies de contto perfeits. Fricd em ço Gedore-Vndium, com c mento niqueldo e cromdo. Elevd resistênci contr torção - não prte nem estilhç com sorecrg, minimizndo o risco de ferimentos. A sorecrg é indicd trvés de deformção. Mnuseio seguro grçs o per delgdo. Excelente qulidde, dequd pr utilizção universl. 6 tu ls p Chve.c Forç e precisão. 4x4,5-55x60! 14 x5-1.78x2 " DIN 110, ISO 18, ISO 1085, ISO Aço Gedore-Vndium. Niqueld e cromd. Ceçs estreits e com medids diferentes em cd extremidde Dimensões em 6-4x4,5 6-4x5 6-5x 6 - x7 6-6x7 6-6x8 6-7x8 6-7x9 6-8x9 6-8x10 6-9x10 6-9x x x x1 6-10x x1 6-11x x1 6-12x14 6-1x14 6-1x15 6-1x 6-1x 6-14x x 6 - x ,5,5 4,5 4,5 4,6 4,5 6, x x 6 - x x 6-18x 6 - x x x x 6 - x x x 6-24x x 6-24x 6 - x x x 6 - x2 6 - x2 6 - x 6 - x6 6-2x6 6 - x6 6-6x41 6-8x x 6 - x x60 Ref. % x5 6-8x7 6-12x9 6-2x1 6 - x1 6 - x 6 - x2 6 - x78 6-1x x1 6-1.x x x x x x x x x x x x ,0 7,0 7,0 7,5 7,7 7,5 7,5 8,5 8, ,0 12, , ,0 11,0 12,0 12, ,1 kg 1,6 kg,2 kg ,1 kg 1,1 kg 1,5 kg 1,6 kg item não normtizdo.tulsp.com.r.tulsp.com.r (11) (11)

3 BUCAS DE REDUÇÃO- SACA BUCAS Chve de Bter - Fix e Estrel 6 Jogo de chves fixs 8 Chve fix mini Composição M 6x7; 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x M 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x; 18x; x M 6x7; 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x; 18x 0, M 6x7; 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x; 18x; x M 6x7; 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x; 18x; x22; x; 24x26; x28; x2 2, M 6x7; 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x; 18x; x22; x; 24x26; x28; x2; 6x41, M M 6x7; 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x; 18x; x22; x; 24x26; x28; x2; 6x41; x50 6x7; 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x; 18x; x22; x; 24x26; x28; x2; 6x41; 8x42; 41x; x50 Ref. % Composição P 14x5 ; 8x7 ; 12x9 ; 2x1 ; x P 14x5 ; 8x7 ; 12x9 ; x1 ; x2 ; 1x P 8x7 ; 12x9 ; x1 ; x2 ; 1x78 ; 15x1 1, P 14x5 ; 8x7 ; 12x9 ; x1 ; x2 ; 1x78 ; 15x1 ; 1.x1.14 1, P P 6 14x5 ; 8x7 ; 12x9 ; x1 ; x2 ; 1x78 ; 15x1 ; 1.x1.18 ; 1.14x1.8 ; 1.5x1.12 ; 1.7x1. 14x5 ; 8x7 ; 12x9 ; x1 ; x2 ; 1x78 ; 15x1 ; 1.x1.14 ; 1.8x1.12 ; 1.7x1. ; 1.1x1.78 ; 1.1x2 Jogo de chves fixs com estojo Ref. Composição M 6x7; 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x; 18x; x M 6x7; 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x; 18x; x22; x; 24x26; x28; x2 2, M 6x7; 8x9; 10x11; 12x1; 14x15; x; 18x; x22; x; 24x; x28; x2 2,8 4,9 5,6 6,0 8 Jogo de chves fixs mini ref. 8-0 ref ! 52-7 " Aço Gedore-Vndium. Niqueld e cromd. Dus extremiddes de mesm medid. Inclinção ds ocs em relção hste: um ldo 15º e o outro 75º. De grnde verstilidde pr serviços n eletrônic, como montgem e desmontgem de pinéis , ,5 6 2, , 2,2 12, , 2,2 12, , 2,2 12, ,5 14, ,1, ,1, ,1, ,2,1 24, ,2,1 24, ,5, ,5,1 2 8 Ref. % , , , 2,2 12, , 2,2 12, ,5 14, ,1, ,1, ,1, ,2,1 24,0 item não normtizdo.tulsp.com.r Ref. Composição ; ; 6; 7; 8; 9; 10; 11; 12 e ,5; 5; ; 6; 7; 8; 9; 10; 11; 12 e Dimensões em.tulsp.com.r (11) 88-2 (11) 88-2

4 Chve de Bter - Fix e Estrel BUCAS DE REDUÇÃO- SACA BUCAS , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , item não normtizdo CTQ CONSUTORIA TÉCNICA DA QUAIDADE GEDORE tel. (DDG): e-mil: Ref. % , , , , , , , , , , , , , , , , , ,9 item não normtizdo.tulsp.com.r Dimensões em.tulsp.com.r (11) (11)

5 BUCAS DE REDUÇÃO- SACA BUCAS Chve de Bter - Fix e Estrel 6 6 Chve estrel de Chve ter estrel de ter ,0 126, , ,0, ,0 126, ,0, ,0 126, ,0 126, ,0, , , ,0, , , ,0 52, , , ,0 5, , , ,0 52, , , ,0 5, , , ,0 52, , , ,0 5, , , , , ,0 59 0, , ,6, , , , ,0 66 5, ,0 65 2, ,0 65 2, ,0 66 2, ,0 66 2, ,0 2 9, , ,0 22, , , , ,0 22, , , , ,1 22, , , , ,0 22, , , , ,0 22, , ,0 2 9, ,0 0 1,1 24, , , , ,2, , , ,0 0 1,1 24, , , ,0 0 1,1 24, , , ,0 0 1,1 24, , ,0 2 9, , ,4, , , , ,5 24, , , , ,4, , , , , ,4, , , , , ,4, , , , ,6 26, , , , , ,6 26, , , , ,6 26, , , , , ,6 26, , , , , ,6 26, ,6-4 54, , , ,2, , , , ,2-12 5,0 2 12, , ,2, ,2-1 5,0 2 12, , ,2, ,2-15 5,0 2 1, , ,2, ,2-16 5,0 2 12, , ,2, ,2-17 5,0 2 12, ,0 110,0, , ,0 2 1, , ,5 2, , ,0 2 12, ,0 110,0, , ,0 228, ,0 110,0, , ,0 228, ,0 110,0, , ,0 228, , ,8, , , , , ,2 2, , , , , ,8, , , , , ,8, , ,0 228, , ,8, , ,0 265, , ,0 6, , ,0 265, , , ,0 265, , ,0 6, , , , , ,0 6, , , , ,0 6, , item não normtizdo item não normtizdo item não normtizdo.tulsp.com.r 05 Dimensões em.tulsp.com.r (11) 88-2 (11) 88-2

6 Chve de Bter - Fix e Estrel BUCAS DE REDUÇÃO- SACA BUCAS 22-2! 15-5 " DIN 7444 As chves com té 45 de comprimento são fricds em ço Aço Gedore-Vndium 1CrV, prtir de 4 de comprimento, em C5. Mçlote pr ter n extremidde do co, com utiliz - ção de mrrets ou mrtelos. Idel pr tividdes pesds e condi - ções extrems. Excelente qulidde, dequd pr uso universl , , , ,0 9, , ,0 7, ,0 6, ,0 5,4 item não normtizdo , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,1 item não normtizdo CONSUTORIA TÉCNICA DA QUAIDADE GEDORE Chves de ter Dics importntes É importnte ressltr que est chve deve receer golpes num mçlote loclizdo n extremidde do co, pr que não sofr qulquer tipo de dno e não ofereç riscos o operdor. Recomend-se utilizção d chve estrel de ter sempre que possível, pois el possui seis pontos de contto com o prfuso. Isso fz com que, o receer o golpe, hj um melhor distriuição d forç plicd sore o prfu - so. A chve fix, por su vez, é utilizd pens qundo não houver espço físico pr trlhr com chve estrel. Pr mior durilidde e rendimento d ferrment, é imprescindível limpá-l pós o seu uso. Os mercdos petrolífero, siderúrgico e nvl são os prin - cipis segmentos industriis de plicção ds chves de.tulsp.com.r ter. CTQ tel. (DDG): e-mil: Dimensões em.tulsp.com.r (11) (11)

www.atualsp.com.br 1 B - Chave combinada BUCHAS DE REDUÇÃO- SACA BUCHAS Chave combinada 123 A força para todas as horas

www.atualsp.com.br 1 B - Chave combinada BUCHAS DE REDUÇÃO- SACA BUCHAS Chave combinada 123 A força para todas as horas optimaler Kraftschluss schont Schraubenköpfe BUCAS DE REDUÇÃO- SACA BUCAS Chave Combinada scharfe Kanten. ßig auf den Schraubenkopf irkt. Die dadurch auf ein Minimum reduzierte Kerb ten Schraubköpfen.

Leia mais

Alicates. Alicate Universal. Alicate Universal Isolado - IEC CARACTERÍSTICAS E DESTAQUES: MEDIDAS CARACTERÍSTICAS: MEDIDAS E DESTAQUES:

Alicates. Alicate Universal. Alicate Universal Isolado - IEC CARACTERÍSTICAS E DESTAQUES: MEDIDAS CARACTERÍSTICAS: MEDIDAS E DESTAQUES: Alictes Alicte Universl DIN 5236 / ANSI B107.20M / ANSI B107.13M S: CAPACIDADE DE CORE COBRE ARAME MOE ARAME DURO S70301AS 6" 6 0,214 Ø2,6 Ø 2,4 Ø 2,0 160 11,5 24 52 Aplicção: puxr, prender, enrolr, deformr

Leia mais

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS.

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS. Definições. Forçs Interns. Forçs Externs. ESTÁTIC DO SISTEM DE SÓLIDOS. (Nóbreg, 1980) o sistem de sólidos denomin-se estrutur cuj finlidde é suportr ou trnsferir forçs. São quels em que ção e reção, pertencem

Leia mais

Guarde esse manual ele pode servir para futuras consultas em caso de avarias, lembrando que nossos móveis tem garantia de 2 anos.

Guarde esse manual ele pode servir para futuras consultas em caso de avarias, lembrando que nossos móveis tem garantia de 2 anos. ERÇO & CM Luis XVII Tel L.35 /.20 / P. 8,5 cm Gurde esse mnul ele pode servir pr futurs consults em cso de vris, lemrndo que nossos móveis tem grnti de 2 nos. Pr segurnç do seu eê, lei com muit tenção

Leia mais

Série 250 Válvula de Controlo Pneumático Tipo e Tipo Válvula de Globo Tipo 3251

Série 250 Válvula de Controlo Pneumático Tipo e Tipo Válvula de Globo Tipo 3251 Série 250 Válvul de Controlo Pneumático Tipo 3251-1 e Tipo 3251-7 Válvul de Globo Tipo 3251 Aplicção Válvul de controlo pr plicções de engenhri de processos com grndes exigêncis industriis Dimensão nominl

Leia mais

Física. , penetra numa lâmina de vidro. e sua velocidade é reduzida para v vidro = 3

Física. , penetra numa lâmina de vidro. e sua velocidade é reduzida para v vidro = 3 Questão 6 Um torre de ço, usd pr trnsmissão de televisão, tem ltur de 50 m qundo tempertur mbiente é de 40 0 C. Considere que o ço dilt-se, linermente, em médi, n proporção de /00.000, pr cd vrição de

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

Luis XVII capitonê L.134,5 / A.120 / P.84,5 cm

Luis XVII capitonê L.134,5 / A.120 / P.84,5 cm ERÇO & CM Luis XVII cpitonê L.3,5 /.20 / P.8,5 cm 007000-/0/-REV.0 Gurde esse mnul ele pode servir pr futurs consults em cso de vris, lemrndo que nossos móveis tem grnti de 2 nos. Pr segurnç do seu eê,

Leia mais

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS Eivil Secção de Mecânic Estruturl e Estruturs MEÂNI I ENUNIOS E ROLEMS Fevereiro de 2010 ÍTULO 3 ROLEM 3.1 onsidere plc em form de L, que fz prte d fundção em ensoleirmento gerl de um edifício, e que está

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida. 9 ENSINO 9-º no Mtemátic FUNDMENTL tividdes complementres Este mteril é um complemento d obr Mtemátic 9 Pr Viver Juntos. Reprodução permitid somente pr uso escolr. Vend proibid. Smuel Csl Cpítulo 6 Rzões

Leia mais

Chaves dinamométricas (torquímetros)

Chaves dinamométricas (torquímetros) Chves dinmométrics (torquímetros) DREMOMETER (MINI, TORQUÍMETROS, CATRACA, CABEÇAS INTERCAMBIÁVEIS) ADAPTADORES PARA SODAR PEÇAS ADAPTADORES PONTA SPIGOT / GERMAN / WEDGE (DOVETAI) TORCOFI DREMASTER TORCOFE

Leia mais

Barras tracionadas. perfil I seção caixão

Barras tracionadas. perfil I seção caixão Brrs trcionds Critérios trdicionis pr dimensionmento de brrs trcionds, em gerl bsedos no método ds tensões dmissíveis, limitm tensão médi n seção trnsversl mis enfrquecid por furos o vlor d tensão de escomento

Leia mais

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões.

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões. AICAES Mior Vid Útil do Corte Design do corte perfeiçodo e trtdo termicmente pr mior vid útil do licte. Cbo Ergonômico Cbo ntidesliznte fbricdo em duplo mteril pr mior conforto. Mior Durbilidde Fbricdo

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Coberturas Metálicas

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Coberturas Metálicas CATÁLOGO DE PRODUTOS Coberturs Metálics SOMOS UMA EMPRESA BRASILEIRA. A Telhs Brsil é um empres com mis de 15 nos de experiênci no desenvolvimento e fbricção de produtos pr estruturs e coberturs metálics.

Leia mais

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP Curso Básico de Fotogrmetri Digitl e Sistem LIDAR Irineu d Silv EESC - USP Bses Fundmentis d Fotogrmetri Divisão d fotogrmetri: A fotogrmetri pode ser dividid em 4 áres: Fotogrmetri Geométric; Fotogrmetri

Leia mais

1 heae. 1 hiai 1 UA. Transferência de calor em superfícies aletadas. Tot. Por que usar aletas? Interior condução Na fronteira convecção

1 heae. 1 hiai 1 UA. Transferência de calor em superfícies aletadas. Tot. Por que usar aletas? Interior condução Na fronteira convecção Trnsferênci de clor em superfícies letds Por ue usr lets? Interior condução N fronteir convecção = ha(ts - T Pr umentr : - umentr o h - diminuir T - umentr áre A Intensificção d trnsferênci de clor Exemplo:

Leia mais

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO 4 SISTEMAS DE ATEAMENTO 4. esistênci de terr Bix frequênci considerr o solo resistivo CONEXÃO À TEA Alt frequênci considerr cpcitânci indutânci e resistênci Em lt frequênci inclui-se s áres de telecomunicções

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Phoenix do Brasil Ltda.

Phoenix do Brasil Ltda. RESISTOR DE FIO AXIAL - AC CARACTERÍSTICAS Resistores de uso gerl Alt potênci em tmnho compcto Alto desempenho em plicções de pulso Váris opções de pré-form dos terminis Revestimento pr lt tempertur TECNOLOGIA

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ARTE DESPERTAR MARCA ARTE DESPERTAR VERSÃO PREFERENCIAL A mrc é compost pelo símbolo e pelo logotipo Arte Despertr. Ambos devem ser utilizdos n disposição

Leia mais

Desigualdades - Parte II. n (a1 b 1 +a 2 b a n b n ) 2.

Desigualdades - Parte II. n (a1 b 1 +a 2 b a n b n ) 2. Polos Olímpicos de Treinmento Curso de Álgebr - Nível Prof. Mrcelo Mendes Aul 9 Desigulddes - Prte II A Desiguldde de Cuchy-Schwrz Sejm,,..., n,b,b,...,b n números reis. Então: + +...+ ) n b +b +...+b

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

TÓPICOS DE CÁLCULO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL 1º SEMESTRE 2014

TÓPICOS DE CÁLCULO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL 1º SEMESTRE 2014 urso: ENGENHRI Professor Responsável: Ms.rlos Henrique Pontução:,0 (dois) TÓPIOS DE ÁLULO UNIVERSIDDE RUZEIRO DO SUL º SEMESTRE 0 UNIVERSIDDE RUZEIRO DO SUL tividde Pontud Disciplin: TÓPIOS DE ÁLULO Limite

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

Válvulas direcionais 4/3, 4/2 e 3/2 com solenóide de corrente contínua ou alternada, operando em banho de óleo

Válvulas direcionais 4/3, 4/2 e 3/2 com solenóide de corrente contínua ou alternada, operando em banho de óleo Válvuls direcionis /, / e / com solenóide de corrente contínu ou lternd, operndo em nho de óleo RP 178/0.0 Sustitui: 0.0 /1 Tipo WE../.E Tmnho nominl Série X Pressão máxim de operção 50 r Vzão máxim: 80

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA B DO ENSINO SECUNDÁRIO (CÓDIGO DA PROVA 735) 1ª FASE 23 DE JUNHO 2015 GRUPO I

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA B DO ENSINO SECUNDÁRIO (CÓDIGO DA PROVA 735) 1ª FASE 23 DE JUNHO 2015 GRUPO I Associção de Professores de Mtemátic Contctos: Ru Dr. João Couto, n.º 27-A 1500-236 Lisbo Tel.: +351 21 716 36 90 / 21 711 03 77 Fx: +351 21 716 64 24 http://www.pm.pt emil: gerl@pm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Razão entre dois números é o quociente do primeiro pelo segundo número. a : b ou. antecedente. a b. consequente

Razão entre dois números é o quociente do primeiro pelo segundo número. a : b ou. antecedente. a b. consequente 1 PROPORCIONALIDADE Rzão Rzão entre dois números é o quociente do primeiro pelo segundo número. Em um rzão A rzão temos que: ntecedente é lid como está pr. : ou consequente Proporção Chmmos de proporção

Leia mais

Circuitos simples em corrente contínua resistores

Circuitos simples em corrente contínua resistores Circuitos simples em corrente contínu resistores - Conceitos relciondos esistênci elétric, corrente elétric, tensão elétric, tolerânci, ssocição em série e prlelo, desvio, propgção de erro. Ojetivos Fmilirizr-se

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

2 Patamar de Carga de Energia

2 Patamar de Carga de Energia 2 Ptmr de Crg de Energi 2.1 Definição Um série de rg de energi normlmente enontr-se em um bse temporl, ou sej, d unidde dess bse tem-se um informção d série. Considerndo um bse horári ou semi-horári, d

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico Onduld Brsilit Ctálogo Técnico TECNOLOGIA CRFS: CIMENTO REFORÇADO COM FIO SINTÉTICO. A ALTERNATIVA SEGURA DA BRASILIT PARA A SUBSTITUIÇÃO DEFINITIVA DO AMIANTO. Seguindo um tendênci mundil, e em respeito

Leia mais

Divisão de Autobombas Especiais

Divisão de Autobombas Especiais e l e v m o s s u c o Divisão de Autobombs Especiis n f i n ç Divisão de Autobombs Especiis Nos dirigimos V.Eªs pr le dr conhecer incorporção de um novo produto o nosso prque máquins que como V.Exªs sbem

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO Físic Gerl I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protocolos ds Auls Prátics 003 / 004 ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO. Resumo Corpos de diferentes forms deslocm-se, sem deslizr, o longo de um

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Inspeção visul de emblgens de microesfers de vidro retrorrefletivs Norm Rodoviári DNER-PRO /9 Procedimento Págin de RESUMO Este documento, que é um norm técnic, estbelece s condições que devem ser observds

Leia mais

5. Análise de Curto-Circuito ou Faltas. 5.3 Curto-Circuitos Assimétricos

5. Análise de Curto-Circuito ou Faltas. 5.3 Curto-Circuitos Assimétricos Sistems Elétricos de Potênci 5. Análise de Curto-Circuito ou Flts 5. Curto-Circuitos Assimétricos Proessor: Dr. Rphel Augusto de Souz Benedito E-mil:rphelbenedito@utpr.edu.br disponível em: http://pginpessol.utpr.edu.br/rphelbenedito

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

2º. Teste de Introdução à Mecânica dos Sólidos Engenharia Mecânica 25/09/ Pontos. 3 m 2 m 4 m Viga Bi Apoiada com Balanço

2º. Teste de Introdução à Mecânica dos Sólidos Engenharia Mecânica 25/09/ Pontos. 3 m 2 m 4 m Viga Bi Apoiada com Balanço 2º. Teste de Introdução à Mecânic dos Sólidos Engenhri Mecânic 25/09/2008 25 Pontos 1ª. Questão: eterminr os digrms de esforços solicitntes d Vig i-poid com blnço bixo. 40kN 30 0 150 kn 60 kn/m 3 m 2 m

Leia mais

Micrómetros de Exteriores

Micrómetros de Exteriores Mirómetros de Exteriores Grdução: 0,01 Tmor e veio rdudo romdo-foso, Ø 15 Fuso de medição: Ø 6,35 Psso 0,5 om loquedor Aço forjdo,, romdo-foso Forneido om estojo, hve Tmor e veio rdudo romdo-foso, Ø 18

Leia mais

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA TELHAS PÓSPINTADAS ACESSÓRIOS PARA COBERTURA TELHA POLICARBONATO PAINEL

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

características dinâmicas dos instrumentos de medida

características dinâmicas dos instrumentos de medida crcterístics dinâmics dos instrumentos de medid Todos nós sbemos que os instrumentos de medid demorm um certo tempo pr tingirem o vlor d medid. sse tempo ocorre devido inércis, resitêncis e trsos necessários

Leia mais

Nível 7ªe 8ªséries (8º e 9º anos) do Ensino Fundamental

Nível 7ªe 8ªséries (8º e 9º anos) do Ensino Fundamental Nível 7ªe 8ªséries (8º e 9º nos) do Ensino Fundmentl 2ªFASE 20 de outubro de 2007 2 Prbéns pelo seu desempenho n 1ª Fse d OBMEP. É com grnde stisfção que contmos gor com su prticipção n 2ª Fse. Desejmos

Leia mais

COLÉGIO MACHADO DE ASSIS. 1. Sejam A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Para a função f: A-> B, definida por f(x) = 2x-1, determine:

COLÉGIO MACHADO DE ASSIS. 1. Sejam A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Para a função f: A-> B, definida por f(x) = 2x-1, determine: COLÉGIO MACHADO DE ASSIS Disciplin: MATEMÁTICA Professor: TALI RETZLAFF Turm: 9 no A( ) B( ) Dt: / /14 Pupilo: 1. Sejm A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Pr função f: A-> B, definid por f()

Leia mais

Reta vertical é uma reta paralela ao eixo das ordenadas, é do tipo: Reta vertical é uma reta paralela ao eixo das ordenadas, é do tipo:

Reta vertical é uma reta paralela ao eixo das ordenadas, é do tipo: Reta vertical é uma reta paralela ao eixo das ordenadas, é do tipo: mta0 geometri nlític Referencil crtesino no plno Referencil Oxy o.n. (ortonormdo) é um referencil no plno em que os eixos são perpendiculres (referencil ortogonl) s uniddes de comprimento em cd um dos

Leia mais

Nível. Ensino Médio. 2ªFASE 20 de outubro de 2007

Nível. Ensino Médio. 2ªFASE 20 de outubro de 2007 Ensino Médio 2ªFASE 20 de outubro de 2007 Nível 3 Prbéns pelo seu desempenho n 1ª Fse d OBMEP. É com grnde stisfção que contmos gor com su prticipção n 2ª Fse. Desejmos que você fç um bo prov e que el

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Tópicos Especiais de Álgebra Linear Tema # 2. Resolução de problema que conduzem a s.e.l. com única solução. Introdução à Resolução de Problemas

Tópicos Especiais de Álgebra Linear Tema # 2. Resolução de problema que conduzem a s.e.l. com única solução. Introdução à Resolução de Problemas Tópicos Especiis de Álgebr Liner Tem # 2. Resolução de problem que conduzem s.e.l. com únic solução Assunto: Resolução de problems que conduzem Sistem de Equções Lineres utilizndo invers d mtriz. Introdução

Leia mais

20W-60W. LED Solar iluminação externa autônoma. Manual do Usuário

20W-60W. LED Solar iluminação externa autônoma. Manual do Usuário 20W-60W LED Solr iluminção extern utônom Mnul do Usuário Prezdo cliente, Obrigdo por escolher um modo limpo e renovável de iluminção extern LED Solr. Este mnul contém instruções e recomendções pr instlção,

Leia mais

DIN 3122, ISO 3315 2090 A 013.435 2090 A-2 1/4 6,35 2 55 30 013.436 2090 A-4 1/4 6,35 4 100 50 013.437 2090 A-12 1/4 6,35 12 305 125 2090 KR

DIN 3122, ISO 3315 2090 A 013.435 2090 A-2 1/4 6,35 2 55 30 013.436 2090 A-4 1/4 6,35 4 100 50 013.437 2090 A-12 1/4 6,35 12 305 125 2090 KR Extensão - Cao T 2087 Cao T 1/4 013.200 2087 1/4 6,35 115 40 2087 A Cao T espeial 1/4 om engate e segurança Aço Geore-Vanaium. Niquelao e romao. Para traalhos om soquetes manuais om enaixe a 6,35 mm (1/4

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555 PAULISTEEL Ru Guishi Yoshiok, 0 Itquer São Pulo/SP Tel. (0) 9 0 nos Perfil U pdrão merino Perfil I pdrão merino Perfil H pdrão merino Perfil T Cntoneir s iguis Cntoneir s desiguis Trilhos Perfís As Prlels

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. 1) O número de vértices de um dodecaedro formado por triângulos é. 2) O número de diagonais de um prisma octogonal regular é

GEOMETRIA ESPACIAL. 1) O número de vértices de um dodecaedro formado por triângulos é. 2) O número de diagonais de um prisma octogonal regular é GEOMETRIA ESPACIAL 1) O número de vértices de um dodecedro formdo por triângulos é () 6 (b) 8 (c) 10 (d) 15 (e) 0 ) O número de digonis de um prism octogonl regulr é () 0 (b) (c) 6 (d) 40 (e) 60 ) (UFRGS)

Leia mais

FÍSICA. 16) Uma pedra é solta de um penhasco e leva t 1 segundos para chegar no solo. Se t 2 é o

FÍSICA. 16) Uma pedra é solta de um penhasco e leva t 1 segundos para chegar no solo. Se t 2 é o FÍSICA 16) Um pedr é solt de um penhsco e lev t 1 segundos pr chegr no solo. Se t 2 é o tempo necessário pr pedr percorrer primeir metde do percurso, então podemos firmr que rzão entre t 1 e t 2 vle: A)

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA TELHAS PÓSPINTADAS ACESSÓRIOS PARA COBERTURA PERFIS ESTRUTURAIS nndmetis.com.r

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

2. Prisma de base hexagonal: formado 8 faces, 2 hexágonos (bases), 6 retângulos (faces laterais).

2. Prisma de base hexagonal: formado 8 faces, 2 hexágonos (bases), 6 retângulos (faces laterais). unifmu Nome: Professor: Ricrdo Luís de Souz Curso de Design Mtemátic Aplicd Atividde Explortóri V Turm: Dt: SÓLIDOS GEOMÉTRICOS: CÁLCULO DE ÁREA SUPERFICIAL E DE VOLUME Objetivo: Conecer e nomer os principis

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

3. Seja Σ um alfabeto. Explique que palavras pertencem a cada uma das seguintes linguagens:

3. Seja Σ um alfabeto. Explique que palavras pertencem a cada uma das seguintes linguagens: BCC244-Teori d Computção Prof. Lucíli Figueiredo List de Exercícios DECOM ICEB - UFOP Lingugens. Liste os strings de cd um ds seguintes lingugens: ) = {λ} ) + + = c) {λ} {λ} = {λ} d) {λ} + {λ} + = {λ}

Leia mais

Prova de Substitutiva Física 1 FCM Assinale com um x a prova que deseja substituir

Prova de Substitutiva Física 1 FCM Assinale com um x a prova que deseja substituir Prov de Substitutiv Físic 1 FCM 0501 013 Nome do Aluno Número USP Assinle com um x prov que desej substituir P1 P P3 Vlor ds Questões 1ª. ) 0,5 b) 1,0 c) 0,5 d) 0,5 ª.,5 3ª. ) 1,5 b) 1,5 4ª. ) 1,5 b) 1,5

Leia mais

,,,,,,,,, A Integral Definida como Limite de uma Soma. A Integral Definida como Limite de uma Soma

,,,,,,,,, A Integral Definida como Limite de uma Soma. A Integral Definida como Limite de uma Soma UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Exemplo : Utilize

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 8.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 8.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 8.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Ns mis diverss zons do plnet Terr vivem nimis. Como cd um dests zons possui diferentes condições,

Leia mais

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em:

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em: Universidde Slvdor UNIFAS ursos de Engenhri álculo IV Prof: Il Reouçs Freire álculo Vetoril Texto 4: Integris de Linh Até gor considermos três tipos de integris em coordends retngulres: s integris simples,

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo?

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo? N Aul 30, você já viu que dus rets concorrentes formm qutro ângulos. Você tmbém viu que, qundo os qutro ângulos são iguis, s rets são perpendiculres e cd ângulo é um ângulo reto, ou sej, mede 90 (90 grus),

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

d(p,f 1) + d(p,f 2) = 2a

d(p,f 1) + d(p,f 2) = 2a 1 3. Estudo d Elipse 3..1 Definição Consideremos no plno dois pontos F 1 e F, tis que d(f 1, F ) = c. Sej, > c. Chm-se elipse o conjunto de pontos P, do plno, tis que: d(p,f 1) + d(p,f ) = P F 1 O F 3..

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

1 INTRODUÇÃO A RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 OBJETIVOS 1.3 PEÇA OU ELEMENTO RESISTENTE 1.4 HIPÓTESES SIMPLIFICADORAS

1 INTRODUÇÃO A RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 OBJETIVOS 1.3 PEÇA OU ELEMENTO RESISTENTE 1.4 HIPÓTESES SIMPLIFICADORAS 1 INTRODUÇÃO A RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1.1 INTRODUÇÃO A resistênci dos mteriis é o rmo d mecânic que estud s relções entre crgs externs plicds um corpo deformável e intensidde ds forçs interns que tum

Leia mais

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br USOPE USO PEPAATÓIO PAA ONUSOS EM ELETOTÉNIA PE ELETIIDADE (Ligções SÉI E E PAALELA. EDE DELTA E ESTELA) AULA Prof.: Jen WWW.esoldoeletrotenio.om.r 0 de Setemro de 007 LIGAÇÕES SÉIES E PAALELAS USOPE.

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

2. TRANSFORMADORES DE TENSÃO Suporte Suporte com fusível Metalizado / Encaixável

2. TRANSFORMADORES DE TENSÃO Suporte Suporte com fusível Metalizado / Encaixável 2. TRSFORMDORES DE TESÃO Suporte Suporte com fusível Metlizdo / Encixável 16 Trnsformdores de medid Médi tensão. Uso interno 2. TRSFORMDORES DE TESÃO ITRODUÇÃO Reduzem os vlores de tensão do ponto d rede

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

MATRIZES E DETERMINANTES

MATRIZES E DETERMINANTES Professor: Cssio Kiechloski Mello Disciplin: Mtemátic luno: N Turm: Dt: MTRIZES E DETERMINNTES MTRIZES: Em quse todos os jornis e revists é possível encontrr tbels informtivs. N Mtemátic chmremos ests

Leia mais

CILINDROS. PNEUMÁTICOS. CILINDROS NORMALIZADOS ISO Ø32 À 200mm ISO Ø10 À 25mm

CILINDROS.  PNEUMÁTICOS. CILINDROS NORMALIZADOS ISO Ø32 À 200mm ISO Ø10 À 25mm CILINDROS PNEUMÁTICOS CILINDROS NORMLIZDOS ISO 6431 - Ø32 À 200mm ISO 6432 - Ø10 À 25mm R Tabelas técnicas TBEL DE FORÇ (Kp), COMPRIMENTO DO MORTECIMENTO (mm) E ENERGI CINÉTIC DO CILINDRO (kgf/cm2) ØCIL.

Leia mais

GABARITO / 6 TRU 003: Mecânica das Estruturas II T1000 e T2000 3a. Prova 17/11/2006

GABARITO / 6 TRU 003: Mecânica das Estruturas II T1000 e T2000 3a. Prova 17/11/2006 GRITO / TRU : ecânic ds struturs II T e T. Prov 7// ( ) ( Pontos). uestão: Sej treiç d figur, compost de brrs de mesm rigidez xi, e sujeit à crg vertic posiciond no nó centr inferior. Use o teorem de peyron

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT - ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA LISTA DE EXERCÍCIOS ) Sejm A, B e C mtries inversíveis de mesm ordem, encontre epressão d mtri X,

Leia mais

MODELOS QUALITATIVOS PARA PRÉ-AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE SISTEMAS ESTRUTURAIS: INSTRUMENTO PARA O ENSINO DE ESTRUTURAS

MODELOS QUALITATIVOS PARA PRÉ-AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE SISTEMAS ESTRUTURAIS: INSTRUMENTO PARA O ENSINO DE ESTRUTURAS MODELOS QUALITATIVOS PARA PRÉ-AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE SISTEMAS ESTRUTURAIS: INSTRUMENTO PARA O ENSINO DE ESTRUTURAS Bárr Siqueir rr.siqueir7@gmil.com Universidde Estdul Pulist UNESP, Fculdde de Ciêncis

Leia mais

TC17 LARGA Ondulada. ESPESSURA (mm) 0,35 0,43 0,50 0,65 08,0 3,36 4,13 4,80 6,24 7,68 3,43 4,21 4,89 6,37 7,84. L - DISTÂNCIA ENTRE APOIOS (mm)

TC17 LARGA Ondulada. ESPESSURA (mm) 0,35 0,43 0,50 0,65 08,0 3,36 4,13 4,80 6,24 7,68 3,43 4,21 4,89 6,37 7,84. L - DISTÂNCIA ENTRE APOIOS (mm) TC17 ARGA Onduld Telhs metális em ço, om inompráveis vntgens às onvenionis, presentndo-se omo um solução rquitetôni segur. Isto signifi eonomi de tempo n onstrução e minimizção dos ustos glois ns opções

Leia mais

Ângulo é a reunião de dois segmentos de reta orientados (ou duas semiretas orientadas) a partir de um ponto comum.

Ângulo é a reunião de dois segmentos de reta orientados (ou duas semiretas orientadas) a partir de um ponto comum. O conceito de ângulo Ângulo é reunião de dois segmentos de ret orientdos (ou dus semirets orientds) prtir de um ponto comum. A interseção entre os dois segmentos (ou semi-rets) é denomind vértice do ângulo

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

ALICATES CHAVES. Alicate de Pressão. Alicate Universal. Alicate Corte Diagonal. Chaves de Fenda. Alicate Meia-Cana Curto DIN ISO 5746

ALICATES CHAVES. Alicate de Pressão. Alicate Universal. Alicate Corte Diagonal. Chaves de Fenda. Alicate Meia-Cana Curto DIN ISO 5746 ICTES licate Universal DIN ISO 5746 licate de Pressão CPCIDDE DE CORTE RME RME MOE DURO 119022 8 6 0,421 Ø2,5 Ø1,6 Fabricado em aço lto Carbono. Cabo ergonômico e com abas protetoras arredondadas. licate

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - APES DETERMINANTES Prof Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr iêncis

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Progressões Geométrics p. 7 Qul é o o termo d PG (...)? q q? ( ) Qul é rzão d PG (...)? q ( )? ( ) 8 q 8 q 8 8 Três números reis formm um PG de som e produto

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING LINHA E PROUTOS Somos um empres especilizd n comercilizção de ferrgens pr embrcções e cessórios pr mrrção e elevção de crgs. Com o objetivo de fcilitr utilizção do nosso ctálogo, clssificmos nossos produtos

Leia mais